Resíduos de agrotóxicos e fármacos veterinários em alimentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resíduos de agrotóxicos e fármacos veterinários em alimentos"

Transcrição

1 Resíduos de agrotóxicos e fármacos veterinários em alimentos Prof. Dr. Felix G.R. Reyes DCA / FEA / UNICAMP E mail: Grupo de Toxicologia de Alimentos e Fármacos

2 Resíduos de agrotóxicos e fármacos veterinários em alimentos Sumário: Introdução (necessidade de uso, mercado) Considerações sobre a avaliação de risco Considerações sobre o gerenciamento de risco Ações de vigilância sanitária (determinação de resíduos nos alimentos) Conclusões

3 População em expansão Maior produtividade agropecuária Maior demanda por recursos de produção Métodos novos de produção de alimentos Maior uso de Agrotóxicos Medicamentos Veterinários Maior utilização de produtos químicos RESÍDUOS NOS ALIMENTOS Princípio ativo e metabólitos

4

5

6 MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS Faturamento do Mercado Veterinário 3,00E+09 2,50E Bilhões 2,00E+09 1,50E+09 1,00E+09 R$ US$ 5,00E+08 0,00E Fonte: Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan), 2011 Referência: Susanne Rath

7 Mercado Nacional (R$) Classe Terapêutica , , ,00 Mercado Veterinário por Classe Terapeutica , , , ,00 ANTIMICROBIANOS ANTIPARASITÁRIOS BIOLÓGICOS OUTROS , , ,00 0, Fonte: Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan) Referência:

8 Mercado Nacional (R$) Espécie Animal , , , , , ,0 RUMINANTES AVES PETS SUÍNOS EQUINOS , , ? Fonte: Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (Sindan) Referência:

9 Avaliação do risco e seu papel na análise do risco Análise de risco Processo que consta de três componentes Avaliação de risco Gerenciamento do risco Comunicação do risco Prof. Felix G.R. Reyes

10 JECFA Joint Expert Committee on Food Additives JMPR Joint Meeting on Pesticide Residues OMS Expert Group Aspectos toxicológicos Estabelece Parâmetros Toxicológicos para garantia da saúde humana (IDA, IDT) em base: Pontos de Partida (POD) (NOAEL, BMK) Aos quais são aplicados fatores incerteza FAO Panel of Experts Aspectos de identidade e pureza Química e composição Uso Exposição Prof. Felix G.R. Reyes

11 Avaliação do Risco É o procedimento utilizado para avaliar a inocuidade (aceitabilidade) da presença de substâncias químicas (agrotóxicos e fármacos veterinários) nos alimentos. Prof. Felix G. R. Reyes E mail:

12 Etapas da Avaliação do Risco IDENTIFICAÇÃO DO PERIGO CARACTERIZAÇÃO DO PERIGO (Avaliação dose-resposta) CARACTERIZAÇÃO DO RISCO AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO Prof. Felix G.R. Reyes

13 AVALIAÇÃO DO RISCO Á SAÚDE PELA EXPOSIÇÃO A UMA SUBSTÂNCIA QUÍMICA OBJETIVOS Determinar o potencial tóxico Identificar efeitos adversos Estabelecer a inocuidade de uso com base em dados científicos disponíveis na avaliação Prof. Felix G.R. Reyes

14 Caracterização do composto AVALIAÇÃO DO RISCO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS Informações preliminares Objetivo: conhecer a substância que será submetida aos estudos de toxicidade. Especificações sobre a substância a ser avaliada Pureza Características físicas e químicas (cor, odor, pontos de fusão e ebulição, densidade, viscosidade, estabilidade e volatilidade). Níveis de exposição Toxicidade esperada (estrutura química). escolha de doses apropriadas Prof. Felix G.R. Reyes

15 Caracterização do composto Informações preliminares Especificações Resíduos de fármacos veterinários Distribuição dos resíduos que resultam de cada modo de aplicação em cada espécie Depleção dos resíduos em tecidos comestíveis ou em alimentos de origem animal. Identificação de um resíduo marcador (composto original ou metabólito) que é encontrada na concentração mais alta por um período mais longo. A relação entre esse resíduo marcador e o resíduo total do fármaco é determinado. Prof. Felix G.R. Reyes

16 Prof. Felix G.R. Reyes

17 IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO PERIGO AVALIAÇÃO DO RISCO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS Perfil farmacocinético Rota, velocidade e grau de absorção da substância Nível de acúmulo em diferentes orgãos e tecidos Metabolismo e natureza dos metabólitos Rota e velocidade de eliminação Balanço metabólico com identificação dos metabólitos Efeito de diferentes doses no metabolismo. Prof. Felix G.R. Reyes

18 IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO PERIGO AVALIAÇÃO DO RISCO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS Estudos Toxicológicos Mutagenicidade Carcinogenicidade Neurotoxicidade Comportamento pós-natal Reprodução e teratogenicidade Prof. Felix G.R. Reyes

19 AVALIAÇÃO DO RISCO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS Dados Biológicos Observações em humanos Prof. Felix G.R. Reyes

20 IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO PERIGO Ensaios de Toxidade Aguda Algumas substâncias podem desencadear efeitos agudos à saúde após períodos curtos de administração JECFA: fármacos veterinários. Quando apropriado, a possibilidade de efeitos agudos em indivíduos sensíveis. JMPR: para todos os agrotóxicos que o Comitê avalia. Dose de referência de toxicidade aguda (ARfDs) Estimativa da quantidade de uma substância no alimento e/ou na água potável que pode ser ingerida em um período igual ou menor do que 24 horas, sem risco apreciável à saúde do consumidor, com base em todos os fatos conhecidos no momento da avaliação Prof. Felix G.R. Reyes

21 IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO PERIGO O conjunto de dados disponíveis deverá ser adequado para determinar um ponto de referência para a caracterização do perigo Ponto de partida / (POD Point of Departure) endpoint mais relevante na espécie mais relevante Efeitos considerados como tendo um limiar NOAEL: nível de efeito adverso não observado LOAEL: o nível mais baixo de efeito adverso observado BMD Benchmark dose: dose que produz uma resposta adversa baixa, mas mensurável. BMDL: Limite inferior do intervalo de confiança da BMD Prof. Felix G.R. Reyes

22 IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO PERIGO Derivação de Parâmetros Toxicológicos para garantia da saúde humana (IDA, IDT) Fatores de incerteza. JECFA / JMPR: tem adotado um fator de 100. CSAFs (chemical-specific adjustment factors): modelo que permite extrapolação baseados em diferenças na toxicocinética e na toxicodinâmica entre humanos e os animais de experimentação, e na variabilidade entre diferentes indivíduos. Prof. Felix G.R. Reyes

23 IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO PERIGO Parâmetros Toxicológicos para garantia da saúde humana Níveis de exposição humana considerados sem risco apreciável à saúde IDA: usada nos casos em que a exposição pode ser controlada IDT: contaminantes (metais pesados, contaminantes ambientais como dioxinas e micotoxinas, solventes usados no processamento de alimentos, substâncias formadas durante o processamento de alimentos, etc) Prof. Felix G.R. Reyes

24 IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO PERIGO Parâmetros Toxicológicos para garantia da saúde humana (Resíduos de agrotóxicos e de fármacos veterinários) IDA = POD (NOAEL, BMDL) / Fator de incerteza Prof. Felix G.R. Reyes

25 IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO PERIGO Parâmetros Toxicológicos para garantia da saúde humana (Resíduos de fármacos veterinários) IDA não especificada JECFA conclui que o uso do composto não representa perigo alimentar à saúde humana e que, portanto, não é necessário estabelecer um valor numérico de IDA. Prof. Felix G.R. Reyes

26 IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO PERIGO Valores de orientação baseados em saúde (aditivos alimentares, resíduos de praguicidas e de fármacos veterinários nos alimentos) IDA temporária JECFA ou o JMPR consideram que o uso é seguro por um período de tempo relativamente curto exigido para a obtenção e avaliação de dados adicionais sobre segurança Não seguro por um período vitalício Aguarda-se a submissão de dados apropriados para resolver o problema de segurança em um prazo definido. Prof. Felix G.R. Reyes

27 IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO PERIGO Parâmetros Toxicológicos para garantia da saúde humana (Resíduos de agrotóxicos e de fármacos veterinários) IDA de grupo Substâncias que produzem efeitos tóxicos similares ou que compartilham um metabólito tóxico comum As substâncias deverão ter um modo de ação similar e uma faixa similar de potência tóxica. Prof. Felix G.R. Reyes

28 Os LMR são destinados a fornecer garantia que, quando um agrotóxico ou medicamento veterinário for utilizado apropriadamente, a ingestão de resíduos do agrotóxico ou do fármaco presente nos alimentos não deverá exceder o valor da IDA. LMR Toxicidade da substância Quantidade de alimento consumida Método analítico Avaliação toxicológica Dados exposição Susanne Rath

29 92 fármacos avaliados

30 AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO Avaliação da exposição via dieta a substâncias químicas presentes em alimentos Dados sobre consumo de alimentos são combinados com os dados de concentração das substâncias químicas nos alimentos. A estimativa da exposição resultante pode, então, ser comparada com o parâmetro toxicológico (IDA) ou com o POD toxicológico (NOAEL; BMDL) para a substância química presente no alimento, como parte da caracterização do risco. Prof. Felix G.R. Reyes

31 AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO Avaliação da exposição via dieta a substâncias químicas presentes em alimentos Podem ser conduzidas avaliações para exposições agudas ou crônicas. As avaliações da exposição via dieta devem cobrir a população em geral, bem como grupos críticos vulneráveis ou cuja exposição é esperada ser significativamente diferente daquela da população em geral (bebês, crianças, mulheres gestantes, idosos, vegetarianos). Prof. Felix G.R. Reyes

32 Caracterização do risco Integra informações da caracterização do perigo e da avaliação da exposição para gerar recomendação científica aos gestores do risco Prof. Felix G.R. Reyes

33 Avaliação do Risco JECFA e JMPR baseiam suas avaliações em princípios científicos e garantem a consistência necessária nos processos de avaliação do risco. ANVISA adota o resultado das avaliações Gerenciamento do Risco CAC, e seus respectivos comitês, são responsáveis, pelas decisões finais sobre o estabelecimento de limites para resíduos de agrotóxicos (CCPR) e de fármacos veterinários (CCRVDF) nos alimentos. Assim como sobre a adoção de medidas relacionadas. ANVISA adota as recomendações

34 Confiabilidade dos resultados na determinação de resíduos Um país que se preocupe com a saúde da sua população e que queira exportar alimentos deve ter um programa de controle de resíduos, com laboratórios de infraestrutura adequada e com pessoal devidamente treinado NBR/17025 FAO-1997

35 Controle de resíduos de agrotóxicos e FV em alimentos MÉTODOS ANALÍTICOS Características desejadas: Exatos Precisos Sensíveis Baixos LOD e LOQ Reprodutíveis *Simples, rápidos e econômicos!

36 Caracterização Química Métodos analíticos e Desenvolvimento de Especificações Métodos analíticos: validação

37 Brasil Resíduos de FV em alimentos Plano Nacional de Controle de Resíduos em Produtos de Origem Animal (PNCRC) Portaria Ministerial nº. 51, de 06 de maio de 1986 e adequado pela Portaria Ministerial nº. 527, de 15 de agosto de Planos setoriais: Carnes (bovinos, suínos e frangos), ovos, mel, pescado Programa de Análise de Resíduos de Medicamentos Veterinários em Alimentos de Origem Animal (PAMVet) RDC 253, de 16 de setembro de 2003.

38 Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes (PNCRC) Alimentos analisados carnes bovina, suína, equina e de aves, leite, ovos, mel e pescado Nos últimos 5 anos em torno de amostras/ano (99,8 %) Número de amostras Número de substâncias Mais de 120

39 LEITE

40

41

42 Peixes

43 Resíduos de agrotóxicos - PARA / ANVISA Nota Técnica para divulgação dos resultados do PARA de 2008, Brasília, 15/04/2009

44 Resíduos de agrotóxicos PARA / ANVISA /06/2010

45 Resíduos de agrotóxicos nos alimentos cultivados no Brasil PARA / ANVISA

46 Resíduos de agrotóxicos nos alimentos cultivados no Brasil PARA / ANVISA

47 Efeito do processamento e do tratamento culinário na redução dos níveis de resíduos de agrotóxicos em alimentos Lavagem de frutas e hortaliças Descascamento Eliminação das folhas externas de hortaliças Cozimento / Aquecimento Reduzem os níveis residuais de agrotóxicos

48 CONCLUSÕES Uso/Mercado: tendência global de minimizar uso (preço e fatores de saúde humana e ambiental). Avaliação de risco: Brasil adota as recomendações do CCA. Inocuidade alimentar: dados indicam disponibilidade de alimentos mais seguros para consumo do que no passado. Pontos críticos: Ações de vigilância sanitária: dados de exposição. Falta de condições analíticas disponíveis como de pessoas qualificadas para realizar as análises. Susanne Rath

49

50

03/10/2012. Definição de segurança alimentar

03/10/2012. Definição de segurança alimentar Uso de medicamentos veterinários na piscicultura: aspectos de segurança alimentar Prof. Dr. Felix G. R. Reyes DCA / FEA / UNICAMP E mail: reyesfgr@fea.unicamp.br Pirassununga, 22 de outubro de 2012 Grupo

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

PISQ PROGRAMA INTERNACIONAL DE SEGURANÇA QUÍMICA OMS OIT PNUMA. Critérios de Saúde Ambiental 240

PISQ PROGRAMA INTERNACIONAL DE SEGURANÇA QUÍMICA OMS OIT PNUMA. Critérios de Saúde Ambiental 240 PISQ PROGRAMA INTERNACIONAL DE SEGURANÇA QUÍMICA OMS OIT PNUMA Critérios de Saúde Ambiental 240 Princípios e métodos para a avaliação do risco de substâncias químicas nos alimentos RESUMO (tradução do

Leia mais

PISQ PROGRAMA INTERNACIONAL DE SEGURANÇA QUÍMICA OMS OIT PNUMA. Critérios de Saúde Ambiental 240

PISQ PROGRAMA INTERNACIONAL DE SEGURANÇA QUÍMICA OMS OIT PNUMA. Critérios de Saúde Ambiental 240 PISQ PROGRAMA INTERNACIONAL DE SEGURANÇA QUÍMICA OMS OIT PNUMA Critérios de Saúde Ambiental 240 Princípios e métodos para a avaliação do risco de substâncias químicas nos alimentos RESUMO (tradução do

Leia mais

Regulamentação do uso de aditivos naturais x artificiais

Regulamentação do uso de aditivos naturais x artificiais Atualidades em Food Safety IV ILSI Brasil 23 de maio de 2012 São Paulo Regulamentação do uso de aditivos naturais x artificiais Laila Sofia Mouawad Gerência de Produtos Especiais Gerência-Geral de Alimentos

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 Reunião ILSI São Paulo, 5 de dezembro de 2013 ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 William Cesar Latorre Gerente de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos Gerência Geral

Leia mais

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006.

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. Aspectos do biomonitoramento da toxicidade perinatal pelos agroquímicos Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. A contaminação ambiental por agroquímicos pode causar efeitos negativos aos recursos naturais

Leia mais

CRITÉRIOS PARA QUALIDADE DA ÁGUA

CRITÉRIOS PARA QUALIDADE DA ÁGUA CRITÉRIOS PARA QUALIDADE DA ÁGUA Profa. Dra Gisela de Aragão Umbuzeiro FACULDADE DE TECNOLOGIA UNICAMP giselau@ft.unicamp.br CRITÉRIOS OU PADRÕES PARA SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS CRITÉRIOS DE QUALIDADE SÃO VALORES

Leia mais

Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para efetiva ação

Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para efetiva ação Segurança da Água para Consumo Humano Como Moldar o Futuro da Água para as partes Interessadas 07 Maio de 2015 Contaminantes microbiológicos e químicos confiabilidade do monitoramento laboratorial para

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO MERCOSUL/GMC/RES. Nº 3/97 REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 11/93 e 91/93 do Grupo

Leia mais

Micotoxinas: exigências do mercado brasileiro

Micotoxinas: exigências do mercado brasileiro Micotoxinas: exigências do mercado brasileiro Myrna Sabino, E-mail: myrna.sabino@globo.com INTRODUÇÃO As micotoxinas são produzidas por várias espécies de fungos e são conhecidas por vários efeitos nocivos

Leia mais

NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES

NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES ÁREAS CONTAMINADAS : RISCOS À SAÚDE HUMANA Seminário Sul-Brasileiro de Gerenciamento de Áreas Contaminadas 3 e 4 de setembro de 2012, Porto Alegre RS NVRAnB/ DVAS/ CEVS/SES P R O M O Ç Ã O DETERMINANTES

Leia mais

Avaliação de Risco Ecológico

Avaliação de Risco Ecológico Seminário de Gerenciamento de Áreas Contaminadas Avaliação de Risco Ecológico Cristiane Lima Analista de Risco Ambiental Engenheira Química, D.Sc. O que é Avaliação de Risco Ecológico? Processo em que

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Fatores de Incerteza Toxicological Endpoint Selection and UF Selection

Fatores de Incerteza Toxicological Endpoint Selection and UF Selection The Science-based Toxicology Company Seleção de Endpoints Toxicológicos e Fatores de Incerteza Toxicological Endpoint Selection and UF Selection Cristiana Leslie Corrêa, PhD Diretora Técnica - Planitox

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A AIHA (AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION) O problema básico na avaliação da exposição ocupacional é reconhecer todas as exposições, avaliar

Leia mais

Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil

Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil Alimentos Funcionais: Regulamentação e desafios para o uso de alegações no Brasil FOODSTAFF Assessoria de Alimentos Ltda. setembro/ 2012 Agenda Alimentos Funcionais e Novos Alimentos O Mercado de Alimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Programa de Pós Graduação em Toxicologia e Análises Toxicológicas

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Programa de Pós Graduação em Toxicologia e Análises Toxicológicas UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS Programa de Pós Graduação em Toxicologia e Análises Toxicológicas Análise crítica dos valores de Ingestão Diária Aceitável estabelecidos para

Leia mais

Dagoberto C.Brandão PHC Pharma Consulting A PESQUISA CLÍNICA E REGISTRO DE MEDICAMENTOS

Dagoberto C.Brandão PHC Pharma Consulting A PESQUISA CLÍNICA E REGISTRO DE MEDICAMENTOS A PESQUISA CLÍNICA E REGISTRO DE MEDICAMENTOS REGISTRO DE MEDICAMENTO A ESTRUTURA DO DOSSIÊ LEGAIS DADOS DADOS ROTULAGEM PRODUÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE EFICÁCIA CIA E SEGURANÇA Registro de Medicamentos

Leia mais

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054

SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO. Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 SEGURANÇA DOS ALIMENTOS E LEGISLAÇÃO Nutricionista M. Sc. Sabrina Bartz CRN-2 3054 Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA) no RS o Mais de 3200 surtos notificados de 1987 a 2006 (DVS/RS). o Principais

Leia mais

Resíduos em Alimentos: a Ciência e os Indicadores de Segurança

Resíduos em Alimentos: a Ciência e os Indicadores de Segurança Resíduos em Alimentos: a Ciência e os Indicadores de Segurança Guilherme L. Guimarães Gerente Técnico e de Regulamentação Federal - ANDEF Campinas, 18 de Outubro de 2012 Competitividade: Ranking de Exportações

Leia mais

Avaliação da toxicidade

Avaliação da toxicidade Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo

Leia mais

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação REGINALICE MARIA DA GRAÇA A BUENO Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos - ANVISA Controle sanitário dos alimentos Ações

Leia mais

Registro de Agrotóxicos e Afins

Registro de Agrotóxicos e Afins MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA Registro de Agrotóxicos e Afins 5ª ª Reunião do GT/CONAMA-agrotóxicos Brasília, 29 de

Leia mais

Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil

Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil Seminário Legislação de Agrotóxicos, Receituário Agronomico, Comercialização e Uso - Aspectos Técnicos e Legais Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil Engº Agrº Júlio Sérgio

Leia mais

PADRÕES DE QUALIDADE DE ÁGUA

PADRÕES DE QUALIDADE DE ÁGUA PADRÕES DE QUALIDADE DE ÁGUA Dra Gisela de Aragão Umbuzeiro gerente da Divisão de Toxicologia, Genotoxicidade e Microbiologia da CETESB prof a. do curso de pós graduação da FCF e da FM da USP giselav@cetesbnet.sp.gov.br

Leia mais

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas:

A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: Unidade de Pesquisa Clínica A Avaliação Ética da Investigação Científica de Novas Drogas: A importância da caracterização adequada das Fases da Pesquisa Rev. HCPA, 2007 José Roberto Goldim Apresentado

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/5 1- Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: FOSFATO DE CÁLCIO MONOBÁSICO H 2O - Código interno de identificação do produto: F1027 - Nome da empresa: Labsynth Produtos para Laboratórios

Leia mais

Senado Federal. Mecanismos de Regulação e Controle de Agrotóxicos no Brasil

Senado Federal. Mecanismos de Regulação e Controle de Agrotóxicos no Brasil Diretoria José Agenor Álvares - DIAGE Gerência Geral de Toxicologia Senado Federal Comissão de Agricultura e Reforma Agrária ria Mecanismos de Regulação e Controle de Agrotóxicos no Brasil Luiz Claúdio

Leia mais

DIPOA. Origem Animal. José Luis Ravagnani Vargas

DIPOA. Origem Animal. José Luis Ravagnani Vargas DIPOA Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal José Luis Ravagnani Vargas SIF (Competências) Fiscalização de estabelecimentos produtores de produtos de origem animal Exemplo: Matadouros frigoríficos,

Leia mais

Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária.

Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária. Num mundo sem doenças e sem sofrimento, a experimentação animal não seria necessária. Todos os animais, domésticos, selvagens e de laboratório são beneficiados por substâncias testadas em animais. Graças

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico RESINA UNILENE. Resina Unilene. Basile Química Ind. e Com. Ltda.

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico RESINA UNILENE. Resina Unilene. Basile Química Ind. e Com. Ltda. Folha: 1 / 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Resina Unilene Resina Unilene A-80, Resina Unilene A-90, Resina unilene A-100, Resina Unilene AC-100, Resina Unilene

Leia mais

FISPQ Resíduos. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química

FISPQ Resíduos. Atuação Responsável Um compromisso da Indústria Química FISPQ Geraldo Fontoura Chefe Corporativo de Meio Ambiente Bayer Coordenador da CE de Informações sobre Segurança, Saúde e Meio Ambiente relacionadas a Químicos do ABNT/CB-10 Programa I. Por que FISPQ para

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Data: Agosto/2003 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Óleos e gorduras são constituintes naturais dos ingredientes grãos usados nas formulações de rações para animais. Podem

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. Nome do produto: Paratest Formalina 5 Data da última revisão: 18.08.2014

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS. Nome do produto: Paratest Formalina 5 Data da última revisão: 18.08.2014 FISPQ nº: 001 página: 01/05 SEÇÃO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA - NOME DO PRODUTO: PARATEST FORMALINA 5 - CÓDIGO INTERNO DE IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO: 1500; 1660; 2096; 2559; 2092; 2928; 2929;

Leia mais

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica

O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica O Papel da ANVISA na Regulamentação da Inovação Farmacêutica Renato Alencar Porto Diretor 22 de junho de 2015 Bases legais para o estabelecimento do sistema de regulação Competências na Legislação Federal

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico DPG. DPG (Difenilguanidina) Acelerador DPG. Principal uso como acelerador de vulcanização.

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico DPG. DPG (Difenilguanidina) Acelerador DPG. Principal uso como acelerador de vulcanização. Folha: 1 / 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: (Difenilguanidina) Acelerador Principal uso como acelerador de vulcanização. Cas number:

Leia mais

4 Monitoramento ambiental

4 Monitoramento ambiental 4 Monitoramento ambiental O monitoramento ambiental é uma importante ferramenta para a administração dos recursos naturais. Este oferece conhecimento e informações básicas para avaliar a presença de contaminantes,

Leia mais

ENSAIOS ECOTOXICOLÓGICOS

ENSAIOS ECOTOXICOLÓGICOS ENSAIOS ECOTOXICOLÓGICOS Valéria A. Prósperi valeriap@cetesbnet.sp.gov.br (11) 3133-3558 Introdução de agentes químicos metalúrgicas petroquímicas siderúrgicas zinco fertilizantes Tintas e corantes Fungicidas,

Leia mais

CAPÍTULO II. Felix Guillermo Reyes Reyes

CAPÍTULO II. Felix Guillermo Reyes Reyes CAPÍTULO II Princípios Associados a Segurança Alimentar Felix Guillermo Reyes Reyes Departamento de Ciência de Alimentos - Faculdade de Engenharia de Alimentos Universidade Estadual de Campinas - E-mail:

Leia mais

Eletrolítica 1.400 µs/cm

Eletrolítica 1.400 µs/cm 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Material de Referência Certificado Solução de Condutividade Nome do produto: Eletrolítica 1.400 µs/cm Código de serviço: 8844 Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade

Leia mais

Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015.

Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015. Informe Técnico n. 67, de 1º de setembro de 2015. Assunto: Orientações sobre os procedimentos para solicitação de alterações na lista de alimentos alergênicos. I. Introdução. A Resolução de Diretoria Colegiada

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

PROGRAMAS DE MONITORAMENTO GGALI. Gerência de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov.

PROGRAMAS DE MONITORAMENTO GGALI. Gerência de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. www.anvisa.gov. PROGRAMAS DE MONITORAMENTO GGALI Gerência de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos OBJETIVOS - VERIFICAÇÃO DO PADRÃO Análise fiscal - AVALIAÇÃO DO RISCO ELABORAÇÃO DA REGULAMENTAÇÃO ADOÇÃO DE MEDIDAS

Leia mais

Desafios regulatórios Até onde vai a liberdade do Pesquisador?

Desafios regulatórios Até onde vai a liberdade do Pesquisador? Desafios regulatórios Até onde vai a liberdade do Pesquisador? Equipe de Identificação de pré-candidatos (internos ou externos) Pré-candidatos selecionados? Criação da Equipe do Projeto - Diretoria Diretória

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Alimentos VE-DTA

Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmitidas por Alimentos VE-DTA MINISTÉRIO DA SAÚDE - MS SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SVS DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA - DEVIT COORDENAÇÃO GERAL DE DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS - CGDT Vigilância Epidemiológica das Doenças

Leia mais

1 anos 5 anos Permanente

1 anos 5 anos Permanente PRAZOS DE GUARDA 100 POLÍTICAS E DIRETRIZES EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA 101 PLANEJAMENTO 3 anos 5 anos Permanente 102 PROCEDIMENTOS 3 anos 5 anos Permanente 103 AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO 103.1 ANUAL 3 anos

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO ALCOOL FREE ECO Revisão: 00 / Data da Revisão: 21/09/2015

FISPQ - FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO ALCOOL FREE ECO Revisão: 00 / Data da Revisão: 21/09/2015 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome da Empresa: NOW QUIMICA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA Endereço: Rua Petúnia, 155 Bairro Chácaras Boa Vista Contagem MG CEP: 32150-200 Telefone

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico - FISPQ 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: EK-GEL CAB Empresa: EUROTECHNIKER LTDA. Endereço: Av. Dep. Emilio Carlos, 362 São Paulo SP Telefone: (011) 2935-4180 Fax: (11) 3931-5325 Telefone de emergência:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS Página: 1/10 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome comercial: ITA Anti Espumante. Nome químico do principal componente: Cola Coqueiro Granulada. Código interno de identificação do produto: ITA1228.

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR MOR ACELERADOR MOR ACELERADOR MOR. Acelerador de vulcanização

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico ACELERADOR MOR ACELERADOR MOR ACELERADOR MOR. Acelerador de vulcanização Folha: 1 / 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Principais usos recomendados: Acelerador de vulcanização Cas number: 102-77-2 Empresa: Endereço: Basile Química Ind.

Leia mais

Automação de Sistemas Industrias. Automação com Qualidade

Automação de Sistemas Industrias. Automação com Qualidade Automação de Sistemas Industrias Automação com Qualidade Por que investir em QUALIDADE? Os crescentes números da Balança Comercial, apontam para uma nova e interessante tendência: a EXPORTAÇÃO de produtos.

Leia mais

NBR - ISO 14010 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PRINCÍPIOS GERAIS

NBR - ISO 14010 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PRINCÍPIOS GERAIS NBR - ISO 14010 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PRINCÍPIOS GERAIS Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Definições...2 2.1. conclusão de auditoria...2 2.2. critérios de auditoria...2

Leia mais

Agência francesa de segurança alimentar, ambiental e do trabalho

Agência francesa de segurança alimentar, ambiental e do trabalho Agência francesa de segurança alimentar, ambiental e do trabalho Avaliar os riscos e esclarecer a ação pública A agência francesa de segurança alimentar, ambiental e do trabalho (Anses), entidade científica

Leia mais

Unidade de Pesquisa Clínica

Unidade de Pesquisa Clínica Unidade de Pesquisa Clínica A EQUIVALÊNCIA FARMACÊUTICA NO CONTEXTO DA INTERCAMBIALIDADE ENTRE MEDICAMENTOS GENÉRICOS E DE : BASES TÉCNICAS E CIENTÍFICAS abril/04 SÍLVIA STORPIRTIS1,2; RAQUEL MARCOLONGO1;

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS QUE MANIPULAM PRODUTOS DE USO VETERINÁRIO 1. Objetivo Este Regulamento Técnico fixa os requisitos mínimos exigidos para o registro e

Leia mais

XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica

XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Farmacêutica Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA: Desafios e Metas para o Próximo Triênio INSTITUÍDA Anvisa Desafios e Metas para o Próximo

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Alergêneos e Contaminantes em Carnes Isa Beatriz Noll ICTA/UFRGS ALERGÊNEOS E CONTAMINANTES Objetivos: Reações adversas a alimentos Podem ocorrer em todos

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: CEVAC S Gallinarum CNN Laboratório Veterinário Ltda Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Nome do Distribuidor

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA. Agrotóxicos

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA. Agrotóxicos MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA Avaliação Ecotoxicológica de Agrotóxicos Intercâmbio de informações sobre Avaliação Toxicológica

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (MSDS)

Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos (MSDS) Página: 1/5 1 - Identificação do produto e da empresa - Nome do produto: TEMED (N,N,N,N -Tetramethylenediamine) - Código de identificação do produto: 161-0800N - Nome da Empresa: BioAgency Biotecnologia

Leia mais

Toner Cartridge -Black/Cyan/Magenta/Yellow

Toner Cartridge -Black/Cyan/Magenta/Yellow Página 1 / 6 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS de acordo com o Sistema Global Harmonizado SDS # : A-1057 Data de edição: 2008-10-13 Data de revisão: 2015-05-04 Versão 1 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Gráficos: Faturamento: População de animais de estimação:

Gráficos: Faturamento: População de animais de estimação: NOTÍCIAS Abinpet divulga dados consolidados do mercado pet referentes a 2013 Indústria nacional fatura R$ 15,2 bilhões e já representa 0,31% do PIB nacional De acordo com dados da Associação Brasileira

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO DESINFETANTES LEITOSOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO DESINFETANTES LEITOSOS 20/03/24 1 de 10 I. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA E DO PRODUTO Nome do produto: Desinfetante Leitoso Búfalo BÚFALO INDÚSTRIA E COM. DE PROD. QUÍMICOS LTDA. Av. Hélio Ossamu Daikuara, Nº 3071 Vista Alegre Embu

Leia mais

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa

Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Medicamentos Guia para Registro de Novas Associações em Dose Fixa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa Guia para Registro de Novas Associações

Leia mais

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico AQUAPLAST. Aquaplast. Aquaplast. Não disponível. Basile Química Ind. e Com. Ltda.

FISPQ. Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico AQUAPLAST. Aquaplast. Aquaplast. Não disponível. Basile Química Ind. e Com. Ltda. Folha: 1 / 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Código Interno: Aquaplast. Aquaplast. Principais usos recomendados: Utilizado principalmente como plastificante e lubrificante antiestatico.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº. 3, DE 10 DE MARÇO DE 2006 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, O DIRETOR PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SDA/SDC/ANVISA/IBAMA Nº 1, DE 24 DE MAIO DE 2011. O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA, o SECRETÁRIO DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Nome do produto: BIOAGLOPAR

Nome do produto: BIOAGLOPAR Data da última revisão: 09/02/2011 Pagina 1/5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: Bioaglopar NCM: 3905.21.00 - Código interno de identificação do produto: 1.3.2.002 - Nome da empresa:

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS ENSAIOS REALIZADOS POR LABORATÓRIOS PRESTADORES DE SERVIÇOS NA ÁREA DE AGROTÓXICOS, SEUS COMPONENTES E AFINS

LEVANTAMENTO DOS ENSAIOS REALIZADOS POR LABORATÓRIOS PRESTADORES DE SERVIÇOS NA ÁREA DE AGROTÓXICOS, SEUS COMPONENTES E AFINS LEVANTAMENTO DOS ENSAIOS REALIZADOS POR LABORATÓRIOS PRESTADORES DE SERVIÇOS NA ÁREA DE AGROTÓXICOS, SEUS COMPONENTES E AFINS Pesquisa elaborada pela Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública Coordenação

Leia mais

Interface Saúde: Animal/Humana Plano de Ação Global sobre Resistência aos Antimicrobianos - GAP/OMS. MAPA: situação atual

Interface Saúde: Animal/Humana Plano de Ação Global sobre Resistência aos Antimicrobianos - GAP/OMS. MAPA: situação atual Interface Saúde: Animal/Humana Plano de Ação Global sobre Resistência aos Antimicrobianos - GAP/OMS MAPA: situação atual Suzana Bresslau Médica Veterinária Fiscal Federal Agropecuário - DFIP/SDA ENDESA

Leia mais

Avaliação de risco toxicológico

Avaliação de risco toxicológico Avaliação de risco toxicológico UFVJM Departamento de Farmácia Bioquímica Disciplina de Toxicologia Prof. Dr. Antonio Sousa Santos A abordagem de manejo de risco é relativamente recente. A avaliação de

Leia mais

SABONETE LÍQUIDO NEUTRO

SABONETE LÍQUIDO NEUTRO SABONETE LÍQUIDO NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Fornecedor: SABONETE LÍQUIDO NEUTRO Bluecare do Brasil Indústria e Comércio Ltda. CNPJ.: 94.003.753/0001-02 Endereço: Rua

Leia mais

Econômico no uso Supersol LG é composto com alto teor de tensoativos, que permite sua utilização em altas diluições para uma limpeza perfeita.

Econômico no uso Supersol LG é composto com alto teor de tensoativos, que permite sua utilização em altas diluições para uma limpeza perfeita. JohnsonDiversey Suma Supersol LG Detergente em pó para limpeza geral. Versátil A formulação balanceada permite que o detergente Supersol LG seja utilizado tanto para limpeza geral, quanto para lavagem

Leia mais

Introdução e Objetivos do Regulamento REACH

Introdução e Objetivos do Regulamento REACH Introdução e Objetivos do Regulamento REACH Dr JOSÉ V. TARAZONA Membro do Comitê de Avaliação de Riscos, ECHA Vice-presidente do Comitê Científico de Riscos Sanitários e Ambientais, UE REGULAMENTO REACH

Leia mais

SIMPÓSIO EM COMEMORAÇÃO AO CENTENÁRIO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO BRASIL. 09 a 12 de setembro de 2015

SIMPÓSIO EM COMEMORAÇÃO AO CENTENÁRIO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO BRASIL. 09 a 12 de setembro de 2015 SIMPÓSIO EM COMEMORAÇÃO AO CENTENÁRIO DA INSPEÇÃO SANITÁRIA DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NO BRASIL 09 a 12 de setembro de 2015 Local de Realização: Escola de Veterinária Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans

Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans Perguntas & Respostas ABIA sobre gorduras trans GRUPO CONSUMIDOR 1) O que são ácidos graxos trans ou gordura trans? Os ácidos graxos ou gorduras trans são um tipo de gordura formada pelo processo de hidrogenação

Leia mais

Leticia Rodrigues da Silva Gerência Geral de Toxicologia

Leticia Rodrigues da Silva Gerência Geral de Toxicologia Reavaliação de Agrotóxicos no Brasil Leticia Rodrigues da Silva Gerência Geral de Toxicologia Bases para a Reavaliação Lei 7.802/89 Quando organizações internacionais responsáveis pela saúde, alimentação

Leia mais

Controlo da Qualidade da Água de Abastecimento Público Concelho de Oliveira de Azeméis

Controlo da Qualidade da Água de Abastecimento Público Concelho de Oliveira de Azeméis Gestão da Qualidade Controlo da Qualidade da Água de Abastecimento Público Concelho de Oliveira de Azeméis Cláudia Silva Ferreira n.º 3294 - LEAL Objectivos Assegurar a qualidade da água para consumo humano

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS - Campus Zona Leste

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS - Campus Zona Leste INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS - Campus Zona Leste CICLO DE FUNDAMENTAÇÃO 1º. Semestre Semestre 442 h/ semanal 26 h EIXO TEMÁTICO Eixo DISCIPLINAS disciplinas Tipo INTRODUÇÃO A ATIVIDADE

Leia mais

A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa

A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa M. Fátima Reis Unidade de Saúde Ambiental 1 ESTRUTURA 1. Enquadramento 2. Vigilância Epidemiológica Fundamentação Componentes

Leia mais

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos FUNDAMENTOS TEÓRICOS SOBRE GMP/BPF/BPM PRÉ-REQUISITOS (POP, PPHO, PPR E PPRO) HACCP/APPCC AGRADECIMENTOS AO COMITÊ AOS PATROCINADORES AOS PRESENTES

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do Produto: Reticulina Código: EP-12-20021 RETICULINA Seção 1: Identificação do Produto e da Empresa Erviegas Ltda R. Lacedemônia, 268 - São Paulo

Leia mais

ACPO Associação de Combate aos Poluentes Associação de Consciência à Prevenção Ocupacional CGC: 00.034.558/0001-98 SUCEN

ACPO Associação de Combate aos Poluentes Associação de Consciência à Prevenção Ocupacional CGC: 00.034.558/0001-98 SUCEN SUCEN Superintendência de Controle de Endemias SR 09 SIPAT - 2009 Semana Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Araçatuba: 14 e 15 de outubro de

Leia mais

Informe Técnico n. 63, de 3 de outubro de 2014. Assunto: Esclarecimentos sobre adição de ingredientes fontes de EPA e DHA em alimentos e bebidas.

Informe Técnico n. 63, de 3 de outubro de 2014. Assunto: Esclarecimentos sobre adição de ingredientes fontes de EPA e DHA em alimentos e bebidas. Informe Técnico n. 63, de 3 de outubro de 2014. Assunto: Esclarecimentos sobre adição de ingredientes fontes de EPA e DHA em alimentos e bebidas. I. Introdução. Com base no disposto na Resolução n. 16/99

Leia mais

FISPQ N 193 N da Revisão 04 FIREGUARD

FISPQ N 193 N da Revisão 04 FIREGUARD Página 1 de 5 1 - Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Nome da empresa: Anchortec Industrial e Comercial Ltda. Endereço: Rua Tenente Onofre Rodrigues de Aguiar, 800, Mogi das Cruzes -

Leia mais

Agrotóxicos: Análises de Resíduos e Monitoramento

Agrotóxicos: Análises de Resíduos e Monitoramento Agrotóxicos: Análises de Resíduos e Monitoramento Nadia Regina Rodrigues Universidade Estadual de Campinas Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas (CPQBA) Divisão de Análises

Leia mais

Assunto: Esclarecimentos sobre a segurança de uso do corante Caramelo IV processo sulfito amônia (INS 150d).

Assunto: Esclarecimentos sobre a segurança de uso do corante Caramelo IV processo sulfito amônia (INS 150d). Informe Técnico nº. 48, de 10 de abril de 2012. Assunto: Esclarecimentos sobre a segurança de uso do corante Caramelo IV processo sulfito amônia (INS 150d). 1. Tendo em vista notícias divulgadas na mídia

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza 2 INDICE 1 Saúde Pública e Saneamento 2 Portaria 2914/2011 3 PSA 3 INDICE 1 Saúde Pública

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 251, DE 07 DE AGOSTO DE 1997

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 251, DE 07 DE AGOSTO DE 1997 CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 251, DE 07 DE AGOSTO DE 1997 Plenário do Conselho Nacional de Saúde em sua Décima Quinta Reunião Extraordinária, realizada no dia 05 de agosto de 1997, no uso de

Leia mais

24/8/2013 ALIMENTOS ORGÂNICOS ALIMENTOS ORGÂNICOS

24/8/2013 ALIMENTOS ORGÂNICOS ALIMENTOS ORGÂNICOS TRANSGÊNICOS Os alimentos transgênicos são geneticamente modificados com o objetivo de melhorar a qualidade e aumentar a produção e a resistência às pragas. Pontos positivos - Aumento da produção - Maior

Leia mais

Nome da substância ou mistura: Capsulas Duras Vazias Versão: 1

Nome da substância ou mistura: Capsulas Duras Vazias Versão: 1 23/09/204. Identificação de 5 Nome da substância ou mistura (nome comercial): Capsulas Duras Vazias Principais usos recomendados para a substância ou mistura: Uso no encapsulamento de medicamentos Código

Leia mais