XII RECENSEAMENTO GERAL DA POPULAçA0 II RECENSEAMENTO GERAL DA ENSINO. 0 Nä0 sabe ler e escrever... 03

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XII RECENSEAMENTO GERAL DA POPULAçA0 II RECENSEAMENTO GERAL DA HABITAÇA0 @ ENSINO. 0 Nä0 sabe ler e escrever... 03"

Transcrição

1 fnstrumento de notaelo do Sistema Estatfstico Nacional [Decreto n.o 428/73, t a. A preencher pelo ACENTE RECENSEADOR N." Familia... N." ndividuo..., d l Roservrdo.O. N. E. R. P. NSTTUTO NACONAL DE ESTATíSTCA rj 8( X RECENSEAMENTO GERAL DA POPULAçA0 E RECENSEAMENTO GERAL DA HABTAÇA0 ' N." Alojamento J Rel. Para * - - N."CNJ....i N.OP..... N.OM,..... i J fa.!w NCE AQU NOME E MORADA Nome ENSNO 0 Sabe ler e escrever Cl1 0 Nä0 sabe ler e escrever Ests a frequentar estabelecimento de ensino Frequentou estabelecimento de ensino Nunca frequentou estabelecimento de ensino NVEL DE ENSNO ndique o nível de ensino que frequenta ou o mais elevado que atingiu (mesmo que seja incompleto):. Freguesia 1 0 Ensino basico primario elementar (4,a classe) SEXO O Masculino cl1 O Feminino NACONALDADE - Portuguesa Estrangeira. ndique qual : 0 Mais do que uma nacionalidade O98 0 ApStrida (sem nacionalidade) O STUAÇÁO PERANTE A RESDENCA ndique se As O horas do dia 16 de Marco de 1981: 0 Reside no alojamento e est6 presente Reside no alojamento mas est6 ausente Não reside no alojamento, embora se encontre temporariamente presente Se marcou o quadrado 0 6 da terminou o preenchimento deste NATURALDADE Se nasceu no País, indique o concelho: 1 Se nasceu no estrangeiro, indique o país:!zelzel o 8 0 Ensino basico preparatbrio (6,a classe, ciclo preparatório directo e telescola, antigo." ciclo do liceu, antigo ciclo preparatório das escolas técnicas, etc.) 02 0 Ensino secundario unificado (curso unificado, cursos gerais - liceal, comercial, industrial, artes visuais, agricola, antigo 5." ano liceal e equivalente) O Ensino secundario complementa: (l." ano, 2." ano complementar - liceal, comercial, industrial, artes visuais e agricola- antigo 7." ano do liceu, antigas secções preparatórias dos cursos comercial e industrial e equivalente) Ano propedêutico ou 12." ano Cursos de indole profissional O Mcdio (educadores de infância, magistério primário) 07 O Superior ndique se completou o nível indicado na SM 0 pergunta anterior. NÁO o 2 Se completou curso de indole profissional, médio ou superior, indique qual RESDgNCA EM 31 DE DEZEMBRO DE 1979 Se JA tinha nascido, indique onde residia no dia 31 de Dezembro de 1979: 0 No concelho actual Noutro concelho. ndique qual: lo (Dia) 6 DATA DE NASCMENTO O O U (Mes) ESTADO CVL 0 Solteiro(a) 01 Casado(a) Viúvo(a) 03 O Separado(a) O Divorciado(a) O EmMacau Em Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde, S. Tomé e Principe ou Timor O Em França O Na Alemanha Noutro país da Europa Estados Unidos e Canadd Noutro país do Mundo CONTNUA NO VERSO

2 @ RESDENCA EM 31 DE DEZEMBRO DE i973 m i Se jd tinha nascido, indique onde residia no dia 31 de Dezembro de 1973: 0 No concelho actual Ø 0 Noutro concelho. ndique qual: 0 EmMacau Em Angola Em Moçambique Na Guink-Bissau, Cabo Verde, S. Tomk e Principe ou Timor Em França Na Alemanha Noutro país da Europa Estados Unidos e Canadd Noutro país do Mundo LOCAL DE TRABALHO OU ESTUDO CrTzrl O ndique se o local do seu trabalho ou do seu estabelecimento de ensino se situa. -No concelho onde reside [ Noutro concelho. ndique qual : EM CADA PERGUNTA ASSNALE UMA S6 MEO DE TRANSPORTE ndique o meio de transporte que utiliza diariamente na maior parte do trajecto de casa para o trabalho ou para o estabelecimento de ensino: O Autocarro ou camioneta de carreira, eléctrico, troleicarro ou metropolitano O Comboio Autom6vel ligeiro particular Bicicleta, ciclomotor ou motociclo Transporte da empresa ou da escola Outros meios de transporte (exemplo: táxi, barco, tracção animal, etc.) Nenhum (a pé unicamente) SE TEM MENOS DE 12 ANOS, TERMNOU 0 PRNCPAL MEO DE VDA ndique o seu principal meio de vida: -0 Trabalho J 0 Subsídio de desemprego Subsidio tempordrio por acidente de'trabalho ou doença prof issi ona : 0 Outros subsídios tempordrios (por doença, etc.) * 0 A cargo da fa,milia Pensão de qualquer tipo (reforma, aposentação, invalidez, social, etc.) O Assistencia C7 %Rendimentos de propriedade Outra situação Se o seu principal meio de vida é uma pensão, indique-a:. Pensão de reforma ou aposentação (por velhice) Pensão de reserva Pensão vitalícia por acidente de trabalho ou doença prof issi ona Pensão de invalidei U8 0 Outro tipo de pensão (pensão social, de sobrevivencia, outras) RELGÃO (resposta facultativa) O Cat6ica Judaica Ortodoxa O Muçulmana Protestante Outra nao cristã Outra cristã...-n 4 0 Sem CONDÇÁO PERANTE ndique se na semana de 8 a 14 de Março de 1981: O Exerceu uma profissão O Não exerceu uma profissão ou, sendo familiar não remunerado, trabalhou menos de 15 horas Se marcou o quadrado 0 3 da pergunta anterior, in- &<dique o motivo: $4 0 Ócupa-se das tarefas do lar E estudante y v. reformado, aposentado ou estd na reserva Est6 a cumprir o serviço militar obrigat6rio Est5 incapacitado permanentemente para o trabalho 0 5 desempregado a procura do 1." emprego J. Est6 desempregado 3 procura de novo emprego.. L, Outro motivo Se na semana anteriormente indicada exerceu uma profissão, indique se trabalhou : O Menos de 15 horas De 15 a menos de 35 horas De 35 a menos de 45 horas O 45 horas ou mais PROFSSÃO PRNCPAL 0 ndique a profissão principal que exerce (no caso de desempregado à procura de novo emprego ou em serviço militar obrigatório, indique o última que exerceu); (Seja preciso. Exemplo : pintor da construção civil, professor do ensino primhrio, terceiro-oficial do Ministério do Trabalho, assalariado agricola, STUACÃO NA PROFSSÃO A profissão que indicou foi exercida na qualdade de: 0 Patrão (com um ou mais empregados) Trabalhador por conta pr6pria Trabalhador familiar não remunerado Trabalhador por conta de outrem Membro activo de cooperativa de produção O Outra situação RAMO DE ACTVDADE ECON6MCA m 1 O ndique o tipo da sua actividade ou da empresa, estabelecimento, serviço, oficina, etc., onde trabalha ou trabalhou (no caso de desempregado B procura de novo emprego ou em serviço militar obrigatório, indique a última actividade que teve ou da empresa, oficina, etc., onde trabalhou) : SE DO SEXO MASCULNO, TERMNOU O CASAMENTO A'*'' 0 $e é casada, ou já o foi, indique o mês e o ano do seu casamento : (As mulheres que tenham casado mais do que uma vez in'dicarão somente a data do seu primeiro FECUNDDADE 0 Se teve filhos nascidos vivos, indique quantos.... TERMNOU O PREENCHMENTO, OBRGADO U

3 DEVERA SER USADO UM QUESTONARO PARA: 0 Cada uma das pessoas residentes no alojamento as O horas do dia 16 de Março de 1981 (ns0 esqueça as crianças e os ausentes tempor ar iamen te). 0 Cada u m das- Qesgoas te.mp9sgriayente. presentes :qq&jamen- to àquela mesma hora. QUEM RESPONDE AO QUESTONARO?. * 7 :, - *?;,.A._ 0 Todo$:os portugufases e estrangeiros que,. residam?ortugal, mesmo que no momento censitdrio (O horas.do dia 16 de Março de 1981) se encontrem ausentes, das suas residências ou,,mes-.. mo, do País. o Todos os portugueses e estrangeiros que residam no estrangeiro, mas que no moment6 censitário seaerrcontrern ern Portugal, QUEM NÁO RESPONDE AO QUESTONARO? o Os estrangeiros membros do corpo diplomtitico e respectivas famílias, desde que habitem nas suas embaixadas. e os militares estrangeiros e respectivas familias, desde que habitem nos seus aquartelamentos estacionados em território nacional. QUEM PREENCHE O QUESTíONARO? 0 O pr6prio, uma pessoa de familia, um amigo, etc. 0 Em caso de impossibilidade, solicite ao agente recenseador que o ajude a preencher o questionario ou que o preencha. COMO PREENCHER O QUESTONARO? 0 Nas perguntas onde ha quadrados O, assinale com uma cruz 54 a sitúaç80 ou o caso que lhe 6 aplicável. o Em cad? pqrguqta,. só1 pode marcar urn quadrado, ou seja,,q6 * * pode dar uma ;esposta,% i..l ~ " ',, o Se pensa que poderia dar mais de uma resposta 3 mesma pergunta, escolha a que considerar principal. o Nas perguntas 1, 3. 5, 6, 12, , 23, 25 e 26, onde ha linhas, devera escrever uma ou mais palavras que correspondam à resposta --.. MPORTANTE: Os quadrados com o interior ponteado (exemplo: a ou ) são para serem preenchidos pek,. N. E. Por favor não os utilize. ~- [PERGUNTA 31 - NACONALDADE 0 Se fiver mais de uma nacionalidade. ainda que urna delas seja portuguesa, qarcara. a hipd.tese E 98. o Se tiver um*processo d cionalidade que tem, e ' }PERGUNTA41 -STUAÇÁO uralizaçãq em curso, indicara a naque'-pr"efende adquirir. P A RESDËNCA Reside e est4 presente - toda a pes;ssa. que reside rw alojamento e esta presente (As O horas do dia 76 de Marca de 1981) otl que a ele regresse at6 as 12 horas daquele dia. 0 Reside, mas estí4 ausente - toda a pessoa que reside no alojamento, mas não se encontre na mesmo (as O horas do dia 16 de Marco de 1981) nem a ele regresse ate as 12 horas daquele dia Casos especiais de residentes ausentes, tendo a sua residência *abitua/ com as suas familias: Estudante que vive longe da familia e não exerce uma actividade remunerada. Pessoa que vive fora da sua residencia familiar por motivo de trabalho, mas que mant6t-n a sua residencia familiar. nclui o embarcado ausente Pessoa a cumprir serviçotmilitar oprigatbrio: Pessoa internada em estabelecimento de saúde ou ção. Recluso em estabelecimento prisional Viajante no momento do cense. -.. Emigrante,. desde que.se tenha ausentado para o estrangeiro há menos de urn ano. i 0 Näo reside, mas esta presente: toda a pessoa que não reside habitualmente no alojamento onde se encontra (as O horas do dia 16 de Março de 1981). Casos especiais de não residentes mas presentes nos locais onde se encontram: Todas as pessoas referidas nos exemplos acima dados de residentes, mas susentes, ou seja: estudantes, viajantes, etc. Diplomata estrangeiro e respectiva familia exercendo a sua ac; tividade em Portugal, desde que habitem fora da embaixada. Estrangeiro que se encontre em Portugal há menos de um ano. Português, residente no estrangeiro, que se encontre em Portu-" gal por curto periodo de temp PERGUNTA 51 - NATURALDADE o Caso tenha nascido em'macau. indique tal palavra na linha ie-, servada ao concelho. 0 Caso tenha nascido em territdrio, agora ndependente;que à data do seu nascimento estava sob administraçäo portuguesa, indique, na linha destinada ao estrangeiro, o nome do território DATA DO NASCMENTO o Se nasceu, pof exemplo, em 8 de Março de 1940, escreveri assim: -

4 -1 - ESTADO CVL 0 Casadqa): entende-se a peslsoa casada por lei ou vivendo em situaçao idêntica. A situaçilo de casado (legalmente ou de facto) prevaiece sobre qualquer outra quando cumulativa.. ts toda a pessaa que, depois de ter contraído matrim6nio. se separou do ctinjuge, mesmo que a separaçgo ainda nao se encontre reconhecida pelo tribunat. [PERGUNTA N~VEL DE ENSNO o Cursos de indofe profissional. &emplos: cwso de Secretar;ado. de Secretariado de DirecçBcr, de Correspondente, Linguas Estrangeiras e Tradutaras-nterpretos, de Agente de Educaç&, Geral de Contabilidade, de Actividade Especial de Pintura, e?c. Se possuir mak de lm curso, indique o que telil mais correspondëncia com a sua profissao. Se estiver desempregado, indique o curso para que s9 sente mais vocacionado. [PERGUNTA LOCAL DE TRABALHO OU ESTUDO S6 responde a esta pergunta o residente presente. No questlon3rio individual relativo à pessoa residente ausente esta pergunta nao 6 respondida. [PERGUNTA PRlNCiPAL MEO DE VDA MPORTANTE como sb pode assinalar uma resposta, terd de escolher dos viirias MEOS DE VDA indicados aque:e que inais contribui para ocorrer fis necessidades da sua vida. Trabalho: abrange a pessoa que vive priftcipalmergs do seu tra ;i, - balho, quer seja ou nào remunerado. A pessoa a prestar servico militar obriyat6rio sinaliza este quadrado. e A cargo da fami/& abrange a pessoa mantida pela farni!ia {dona de casa que só trabalha no lar, estudante, crianças, stc.). e pensä0 de qualque; tipo: abrange a pessoa que recebe urna pensao. mas desde que o valor da mesma seja sirperior.a qualquer outra receita que porventura tenha. e Assist&ncia: abrange a pessoa cuja principal lorite de sobrevivencia soja a assistencia que pode ser!orriecida em regime de internato ou nao, pelo Estallo, por organizaçbes particulares sem fins lucrativos ou por particulares. e Rendimentw-de propriedade: abrange a pessoa cuja subsisth cia 6 assegurada, principahente, por rendas de propriedades, juros, lucros, dividendos, direitos de autor, etc. [PERGUNTA CONDÇAC PERANTE O TRABALHO e Exerceu uma profissdo: considera-se nesta rubrica a pessoa que na semana de referencia: -Trabalhou - com femuneraca9 qualquer que seja o número de horas de trabalho semanal; - Trabalhou sem remrrneraç8o quinze ou mais horas semanais numa actividade econhica familiar; - Nao trabalhou por motivos passageiros, tais como doenga. &&rnidade, férias, acidentes de trabalho, conflitos laborais, etc. A pessoa nestas condiçöes deve indicar na PcrgUnta 22 o numero de horas que normalmente trabalha por semana. Se a.ssinalou que exerceu uma profrss80, passe A pergunta 22.. e Nao exerceu uma profissr?io: esta quest& inclui a pessoa que: -Nao trabalhou numa actividade econdmica {dona de ca- sa, estudante, reformado, efc.); - Trabalhou numa actividade econbmica familiat, mas menos de quinze horas semanais e sem remun$raç%o. Se marcou o quadrado B ' 3 da pergunta 20. nilo preencha a pergunta PERGUNTA Est6 incapacitado permanentemente para o trabalho: sinaìiza este quadrado a pessoa impossibilitada de trabalhar que ainda nilo tenha atingido a idade da reforma: caso contrdtio. assinala o quadrado rs2 3. PERGUNTA PROFSSAO PRNCPAL e Profissão principal: no caso de exercer mats de uma urofissso, indique aquela ern que trabalha mais tempo. fpergunta1 -STUAÇAO NA PROFSS~O e Trabalhador por conta prdprla: i! o indiv.íduo que trab9lha por sua conta e habitualmente nao tern trabalhadores remunerados, mas pode ter ajuda de farniliares aos quais não remunera. e Trabalhador familiar nao remunerado: 6 o individuo que trabalha mais de quinze horas semanais, numa actividade econdmica familiar, sem receber remuqefaçdo..., 0 Trabalhador por conta de outrem: 8 o indtviduo que trabalha por conta de outra pessoa. empresa ou entidade, recebendo dela ma remuneraq%o. Os trabalhadores das unidades colectivas de produçwo assinalam este quadrado. Membro activo de cpoperativas de produsäo: é o sricio de uma coope;ativa de produçao, desde qice nela trabalho. Esta rubrica inciui, :amb4m, os trabalhadores das empresas em autqestao. 1 PERGUNTA 25) - RAMO DE ACTVDADE ECONOMCA Se trabalha por conta phpria, indique o tipo da sua activigade. Exemplos: aflicultura, civil, camdrclo a retalho de frutas, etc..j. :. e Se trabalha por conta de outrem, indique a' actividade da empresa, organismo. estabelecimento, etc onde presta serviço. Exsmplos: empresa de transportes rbdovi&rics, empresa de navegaçao, oficina de pintura. hgtel, fdbrica de rnunicdes e armas iigetras, fabrica de montagem de auton?&eis, repartiçao de finanças, liceu de _.. museu de._".-* ciimara municipal. escola primtiria, e?c. Se trabalha numa empresa com vdrias actividades, indiqlle a actividade do estabelecimento ou local onde trabalha. e nao a actividade geral da empresa. Exemplo: supondo que trabalha numa loja de calçado {venda ao público) pertencente a uma empresa cuja actividade principal 6 o comercio por grosso daqueie produto, indicar4 acom8rcio a retalho de calgador, e nao rcom4rcio por grosso de calçadou. [w] - CASAMENTO Por casamento entende-se quer a situaçbo legal quer a situago de facto. PERGUNTA FECUNDDADE e Devers indicar o nlirnero de filhos nascidos vivos, quer se en. contrem ou nao ainda vivos.

5 ~ A PREENCHER PELO AGENTE RECENSEADOR nstrumento de notacao do Sistema Estatístico Nacional [Decreto n.o 428/73, de 25 de Agosto, artigo 86.0, n.0 1, alínea a)] de resposta obrigat6rla. Registado no. N. E. sob o n.o Valido at& Designa ça o: R. P. Rua N."(") Lugar Freguesia Loca iraçiio: N." da secção/quart N." do edificio... 1 N." do alojamento NSTTUTO NACONAL DE ESTATlSTlCA X RECENSEAMENTO GERAL DA POPULAçA0 E RECENSEAMENTO GERAL DA HABTAÇAO QUESTONARO COLECTVO (DE NDVCDUOS), QUEM DEVERA SER USADO UM QUESTONARO COLECTVO PARA NSCREVER: Pessoas que nao sejam consideradas residentes no local onde se encontram no momenfo do recenseamento e que se encontrem: Em convivências (as pessoas residentes preenchem o questiondrio individual). Em hotbis, pensões e similares (as pessoas residectes preenchem o questiondrio individual). Por convivência entende-se um conjunto de pessoas vivendo na mesma unidade de alojamento colectiva, compartilhando as refeições e que estejam sujeitas a um interesse comum ou a um interesse geral. Exemplo: Conjunto de pessoas internadas num hospital ou conjunto de pessoas vivendo num cokgio em regime de internato. MPORTANTE: Um alojamento destinado a habitação colectiva pode comportar mais do que uma convivencia. Exemplo: Num hospital pode haver uma convivencia constituída pelos doentes e outra constituída pelo pessoal de serviço. Deverd ser preenchido um questiondrio colectivo para cada uma das convivencias., PREENCHE O QUESTONARO? 0 O responsdvel pelo alojamento colectivo ou em quem este delegar. COMO PREENCHER O QUESTONARO? Nas perguntas onde hd quadrados 0 assinale com uma cruz B, consoante o caso. Nas perguntas onde hd linhas escreva: o nome, na pergunta 1; a respectiva nacionalidade, na pergunta 3, no caso de a nacionalidade nao ser portuguesa. MPORTANTE: Or quadrados com o interior ponteado (exemplo: 0 ou ml)são reservados exclusivamente ao.n.e. Por favor, não os utilize. Os seguintes casos especiais são considerados PRESENTES nao residentes nas respectivas convivcncias por se considerarem residentes com as suas famílias, embora ausentes, e como tal devem ser recenseados no.questiondrio colectivo: 0 ESTUDANTES PRESENTES NA CONVVENCA. 0 PESSOAS A CUMPRR SERVÇ0 MLTAR OBRGAT6RiO. 0 PESSOAS NTERNADAS EM ESTABELECMENTOS DE SAúDE OU DE REABLTAÇAO. 0 RECLUSOS EM ESTABELECMENTOS PRSONAS. 0 PESSOAS HABTANDO CONVVENCAS DE TRABALHO. Consideram-se, porem, RESDENTES nas respectivas convivencias, nao devendo preencher este tipo de questiondrio, mas sim um questiondrio individual por cada indivíduo : 0 AS PESSOAS RESDNDO EM ESTABELECMENTOS DE ASSSTENCA. 0 AS PESSOAS RESDNDO EM CONVENTOS, MOSTEROS E SMLARES. EM CASO DE DúVDA CONTACTE O AGENTE RECENSEADOR OU O.N.E. 1. N. E (297 X 420)

6 ESTA COLUNA 1 RESER- VADA AOS SERVlÇOS NTERNOS DO.N.E. NCE AQU O PREENCHMENTO NOME SEXO 9 NACONALDADE Uma s6 nacionalidade: Port ug uesa... o Masculino i o 97 Feminino o 98 0 Masculino... O 1 0 Mais do que uma nacionalidade o ApStrida (sem nacionalidade)... Port ug uesa... o 99 Feminino Mais do que uma nacionalidade... o o 97 0 Masculino ApStrida (sem nacionalidade) 1 Portuguesa... m o 99 Feminino Mais do que uma nacionalidade... o 98 0 Masculino... O 1 0 ApStrida (sem nacionalidade)... o 97 m Uma s6 nacionalidade: Port ug uesa... o 99 o Feminino.... O 2 0 Masculino... O 1 o 97 o Mais do que uma nacionalidade... O 98 0 ApStrida (sem nacionalidade)... D Port ug uesa... o 99 m o 0 0 Feminino.... O 2 Masculino Mais do que uma nacionalidade... o 98 0 ApStrida (sem nacionalidade)... o 97 m Uma s6 nacionalidade: Port ug uesa... o 99 Est ra ngei ra. Qual? 0 Feminino Mais do que uma nacionalidade... o 98 0 ApStrida (sem nacionalidade)... u 97 1 Uma s6 nacionalidade:.. o Masculino. 0 1 Port ug uesa... o 99 0 Feminino Mais do que uma nacionalidade o ApStrida (sem nacionalidade)... o 97 Masculino... 1 m Port ug uesa... o 99 ) o o Feminino.... O 2 Masculino Mais do que uma nacionalidade... O 98 0 ApStrida (sem nacionalidade)... o D Portuguesa o 99 Est ra ngei ra. Qual? Femdnino Mais do que uma nacionalidade... o 98 0 ApStrida (sem nacionalidade)... o 97

7 1... ESTA COLUNA 6 RESER- VADA AOS SERVÇOS NTERNOS DO.N.E r-, - NOME 3 - a Port ug u esa... o 99 ' o Masculino Est ra ngei ra. Qua? o Feminino ~- o Mais do que uma nacionalidade o ApStrida (sem nacionalidade)... o 97 D o Uma s6 nacionalidade: Pod ug uesa... o 99 0 Masculino Feminino o Mais do que uma nacionalidade o ApStrida (sem nacionalidade)... o 97 a Port ug u esa... o 99 o Masculino... O 1 2 o Feminino.... U 2... o Masculino o Mais do que uma nacionalidade 98 o Apdtrida (sem nacionalidade)... o 97 Ul Portuguesa... o 99 Est ra ngei ra. Qua? o Feminino Mais do que uma nacionalidade... O 98 o ApStrida (sem nacionalidade) o Port ug uesa... a o 99 Estrangeira. Qua? o Masculino o Feminino.... O 2 o Mais do que uma nacionalidade o ApStrida (sem nacionalidade)... o 97 o Masculino... O 1 o Uma s6 nacionalidade: Portuguesa... ~ m o 99 o Feminino... O 2 0 Masculino Feminino... O 2 2 o Masculino o Feminino o 0 Masculino Mais do que uma nacionalidade o ApStrida (sem nacionalidade)... o 97 a Portuguesa... o 99 o Mais do que uma nacionalidade o Apdtrida (sem nacionalidade)... o 97 a Portuguesa... o 99 Mais do que uma nacionalidade ApStrida (sem nacionalidade) o Portuguesa... a o 99 0 Feminino... O 2 0 Mais do que uma nacionalidade o ApStrida (sem nacionalidade)... o 97 0 Masculino m o Uma s6 nacionalidade: Port ug uesa... o 99 Est ra ngei ra. Qua? Feminino.... O 2 o Mais do sie" uma nacionalidade o ApStrida (sem nacionalidade)... o 97

8 - * - A PREENCHER PELO AGENTE RECENSEADOR Localizaçso : Lugar nstrumento de notaçä0 do Sistema Estatistico Nacional [Decreto n " 428/73, de 25 de Agosto, artigo n." 1, alinea a!], de resposta obrigatória. Registado no. N. E. sob o n." Vilido at R. P. NSTTUTO NACONAL DE ESTATkTlCA Freguesia N." da Secção/Quart '.. N." do Edifício N." do Alojamento r i X RECENSEAMENTO GERAL DA POPULAçA0 E RECENSEAMENTO GERAL DA HABTAÇAO QUESTONARO DE ALOJAMENTO O 1. N. E., de acordo com a lei, está a realizar o X Recenseamento Geral da População e da Habitação, com vista a saber com exactidão o número de pessoas residentes, suas caracteristicas e sua distribuição regional, bem como as condições e carências habitacionais da população portuguesa. Por isso, agradece a sua colaboração sincera, dedicada e esforçada no preenchimento dos questionários, assim como a prestação dos esclarecimentos que o Agente Recenseador lhe solicitar, Se tiver dificuldades ou dúvidas quanto ao preenchimento dos questionários, solicite o apoio do Agente Recen- seador, que o ajudará. As informações que prestar serão confidenciais e servirão apenas para fins estatisticos. Se fiver dúvidas quanto à credibilidade do recenseador] exija que lhe mostre o cartão identificativo, O 3 RGA D O, O Presidente do Conselho de Direcçao do. N. E. DEVERA SER USADO UM QUESTONARO DE ALOJAMENTO PARA: 0 Todos os locais habitados no momento do recenseamento, qualquer que seja a sua natureza e independentemente de se encontrarem em construções permanentes, de outro tipo ou em abrigos naturais. Excluem-se as instalaçöes onde funcionam embaixadas estrangeiras ou quart& pertencentes a Forças Armadas estrangeiras. ' ~ QUEM PREENCHE O QUESTONARO? 0 A pessoa da familia mais habilitada para o fazer. Se não for capaz, aguarde a chegada da pessoa encarregue de realizar o recenseamento na sua &rea, que o ajudar& a preenche-lo, ou então contacte a sua Junta de Freguesia. COMO PREENCHER O QUESTONARO? 0 Nas perguntas onde hs quadrados 0 assinale com uma cruz consoante o caso. Porém, nao deve esquecer-se de que em cada per- gunta s6 pode marcar um quadrado. No caso de se encontrar abrangido por duas situações, escolha a que considerar principal. MPORTANTE: os quadrados com o interior ponteado (exemplo: a ou r]) são reservados exclusivamente ao. N. E. O Nas perguntas 1 e 8, em que hb necessidade de inscrever números, devers preencher assim: 1 2, se, por exemplo, o número de oçupantes for 12; 5, se o número de divisöes for 5.. N. E (297 X 420) li -- -

9 ~~ ~ ~ A PREENCHER PELO AGENTE RECENSEADOR 1 PERGUNTAS RELATVAS AO ALOJAMENTO N." DO ALOJAMENTO TPO DE ALOJAMENTO 14L131 POPULAÇA0 EMBARCADA E CORPO DPLO- MATCO a11 ALOJAMENTO FAMLAR : 0 Alojamento cldssico (moradia, andar, casa rural e similares) O 22 0 Barraca (tipo bairro de lata) o 33 0 Casa rudimentar de madeira Alojamento m6vel (-roullote-, tenda, barco, módulo metálico, etc.) mprovisado em local nä0 destinado a habitação (celeiros, garagens, lojas, escritórios, etc.).. a36 0 Noutro local näo destinado a habitaçä0 (gruta, vä0 de escade, ponte, etc.) ALOJAMENTO COLECTVO : 0 Hotel, pensäo e similares (aldeias turistices, parques de campismo, etc.) Convivencia : - Assistencia (asilo, orfanato, etc.) Educação (colégio, seminário, lar de estudantes, internato, etc.) D 52 - Militar (quartel ou campo militar).... u53 - Prisional (prisä0 ou similar) Religiosa {convento, mosteiro, etc.) Saúde (hospital, cesa de saúde, etc.) Trabalho (casa do pessoal, ecampamento, etc.) u 57 -Outro tipo FORMA DE OCUPAÇAO Ocupado : O Residencia habitual c11 0 Para uso sazonal ou de veraneio C-om ocupante ausente (emigrado, etc.)... 0 A Vago : u4 O Para venda O Para aluguer cl5 O Para demoliçäo o '6 0 Em estado de deterioraçä0 e outros casos... Se marcou 3, 4, 5, 6 ou 7 da termintu o preenchlmento Se marcou 2 e nco hi nlnguim no alojamento, termlnou lpualmente o preenchlmento deste questlonirlo 0' NCE AQU O PREENCHMENTO NAO SE ESQUEÇA DE QUE DEVE MARCAR UM S6 OUADRADO [xl EM CADA NÚMERO DE OCUPANTES 0 Total de pessoas u (Este total tem de ser igual ao número de questionbrios individuais AGUA O alojamento dispöe de energia elcctrica? O Sim ONao O Tem Agua canalizada no interior do alojamento, proveniente de : Rede pública 0 1 -Rede particular Nao tem Agua, canalizada no alojamento, mas dispöe de 5guq canalizada no edifício.* Näo tem Agua canalizada no interior do alojamento nem do edifício, sendo a principal origem do abastecimento uma das seguintes : - Fontandrio, bica poço ou furo particular O 5 -Poco público com bomba Poço público sem bomba ou fonte de cha NSTALAÇOES SANTARAS RETRETE ndique se o alojamento: O Näo tem retrete u7 Cl1 0 Tem retrete com dispositivo de descarga (autoclismo, fluxómetro, etc.) Tem retrete sem dispositivo de descarga... 5 o NSTALACAO DE BANHO OU DUCHE Por instalação de banho ou duche entende-se toda a instalaçäo que está ligada de modo permanente a um sistema de canalização de água e a um sistema de esgoto que permita a evacuação da água utilizada no banho para fora do alojamento. O alojamento tem instalaçöes de banho ou ESGOTOS 0 Sim Não O alojamento näo tem sistema de esgotos O Se o alojamento tem rtrtema de esgotos, indique se estd ligado: - A uma rede pública de esgotos A um sistema particular de esgotos (fossa séptica destinada a uma ou' mais habi tações) A outros sistemas de esgoto (fossa aberta, vala, riacho, etc.) se a sua habltaglo & uma barrac., casa rudlmentar de ma- delra, habitagco mdvel, habltaçco de acaso ou COZNHA ndique se o DVSOES O Não tem cozinha termlnou o preenchlmento ch 0 Não tem cozinha, mas tem kitchenette ou um pequeno espaço destinado e preparado para cozinhar Tem cozinha Como divisäo não deve considerar: cozinha (mesmo que sirva também para outros fins), casa de banho, despensa, arrecadação, varanda (mesmo que fechada por qualquer tipo de estrutura), =marquise*, =hall*, corredor. O ndique o número de divisões do aloiamento L 1 REGME DE PROPREDADE Se 6 propriethrio ou co-propriethrio do alojamento, indique se tem encargos financeiros por compra da casa : Sim Se marcou o quadrado Não terminou o preenchimento ENCARGO MENSAL POR COMPRA DE CASA PROPRA Se comprou casa e paga prestaçäo, é natural que o periodo desta não seja mensal. Se for o caso, para responder correctamente, deverá dividir a quantia correspondente (amortização mais juros do capital em dívida) pelo número de meses desse periodo e, a seguir, indicar o escaldo a que corresponde esse encargo mensal : O Menos de De a menos de 4000% De a menos de 6000$ u3 O De a menosde 8000% O De a menos de 100OOB O OOOB ou mais Se respondeu P pergunta 10, termlnou o preenchimento REGME DE ALUGUER OU OCUPAÇÁ0 0 RENDA 0 O alojamento 6 alugado: 0 6 -Não mobilado pelo senhorio Mobilado pelo senhorio O alojamento é subalugado U6 0 O alojamento foi cedido ou encontra-se noutra situação (porteiras, guardas, chefes de estaçä0 da C. P., etc.) (Não considere o encargo por compra de casa própria) Se paga renda, indique o escalão a que corresponde: O Menos de U1 0 De 5008 a menos de u2 O De a menos de O De a menos de O De 5000$ a menosde 7000% O De a menos de De a menos de 12 O De 12 OOO$ a menos de u 8 0 l&oo$ ou mais ENTDADE PROPRETARA O alojamento é propriedade de: 0 Pessoas particulares ou empresas privadas O Empresas públicas O Estado ou autarquias locais Caixas de previdência e outras instituições sem fins lucrativos O Cooperativas imobilidrias de habitação TERMNOU O PREENCHMENTO DESTE QUESTONARO. POREM, NÁ0 SE ESQUEÇA DE QUE DEVERÁ0 SER PREENCHDOS OS QUESTONAROS NDVDUAS. OBRlGADO 6

10 1 A PREENCHER TOTALMENTE nstrumento de notado do Sistema Estatístico Nacional [Decreto n: 428/73, de 25 de Agosto, artigo 86.O. n.o 1. alínea u)], de resposta obrigatbria. Re- PELO AGENTE RECENSEADOR n gistado no. N. E. sob o n Vgilido at Lugar f. Freguesia N." DA SECÇAO/QUART N." DE EDFfCO N." DO ALOJAMENTO... u W R. P. NSTTUTO NACONAL DE ESlATkTlCA X RECENSEAMENTO GERAL DA POPULAÇAO E RECENSEAMENTO GERAL DA HABTAÇA0... QUESTONARO DE ESTA ZONA DESTNA-SE APENAS A SER RESPONDDA NA REGAO AUTGNOMA DOS AÇORES (lhas Graciosa, S. Jorge e LSTA DA (*) 0 A família C DESALOJADA devido ao sismo ocorrido em 1 de Janeiro de 1980? (Entende-se por DESALOJADA a família que não reside no alojamento que habitava antes do sismo, por motivo ocasionado pelo mesmo) FAMfLA A RESDR NO ALOJAMENTO (*) SNCA, no caso de haver uma s6 família; l.8, 2.8, 3.', etc., se houver mais do que uma família. SM 0 1 NAO 0 3 RELAÇAO DE PARENTESCO COM O REPRESENTANTE DA FAMfLA (deverá mencionar, na coluna a seguir ao nome, qual o parentesco com o representante da família, conforme a seguir se indica): O Marido 0 Mulher 0 Filho(a) solteiro(a) 0 Filho(a) n3o solteiro(a) 0 Nora 0 Neto(a) 0 Genro 0 Bisneto(a) 0 Pai 0 Outro parente 0 Mile 0 N2Lo aparentado Yúmero de ordem NOME (escreva o nome prbprio e o Último apelido ex.: Maria Fernanda Silva) RELAÇA0 DE PARENTESCO com o representante da familia PARA AS PESSOAS CASADAS a viverem em comum no mesmo alojamento indique o número de ordem do chjuge PARA AS PESSOAS SOLTERA: a viverem no mesmo alojamento com os pais, pai ou mite indique o número de ordem do pai elou da mite o1 Representante da família W 02 W 03 W o4 W 05 W W 08 W o W 12 W 13 W N. E. - b434 (210x2'37) W

11 A PREENCHER TOTALMENTE PELO AGENTE RECENSEADOR nstrumento de notaçlo do Sistema Estatistlco Nacional [Decreto n.o , de 25 de Agosto, artigo 86.0, n.o 1, alinea a)] de resposta obrigat6ria. Registado no. N. E. sob o n.o VAlido at RUA LUGAR FREGUESA CONCELHO LOCALZAÇÄO N." DA SECÇÃO/QUART N." QUEST. EDFíCO * u u SOLADO 08 R. P. NSTTUTO NACONAL DE ESTAlkTlCA X RECENSEAMENTO GERAL DA POPULAÇAO E RECENSEAMENTO GERAL DA HABTAÇAO QUESTONARO DE TPO E ÉPOCA DE NúMERO DE PAVMENTOS Edifício (prédio), construido ou reconstruido: - Antes de 1919., De 1919 a De 1946 a De 1961 a De 1971 a De 1976 a Em 1980 ou Outros casos PRNCPAS MATERAS UTLZADOS NA ELEMENTOS RESSTENTES O Betão armado O Paredes resistentes sem serem de betão armado (alvenaria de tijolo, blocos de betão ou outros blocos) O Madeira Outros (estrutura mettilica ou outros materiais)... 0 NÚMERO DE ALOJAMENTOS (ndicar o número total de alojamentos inscritos na coluna 1 da lista de alojamentos do edifício) Se marcou o quadrado 0 8 na pergunta 1 terminou o preenchimento deste questioná- rio e passa ao questionário de UTLZAÇAO O Fins principalmente residenciais (a totalidade ou a maior parte da Brea do edifício destina-se a habitação): - Exclusivamente residenciais Parcialmente residenciais Fins principalmente ná0 residenciais (a maior parte da Area do edificio destina-se a actividades)... 0 PAREDES EXTERORES 0 Alvenaria de tijolo corrente Alvenaria de blocos de betão ou outros blocos O Madeira. 0 5 O Outros (pedra, adobe ou taipa, etc.) COBERTURA O Em terraço nclinada: - Revestida de telhas Revestida com outros materiais (fibrocimento, ma- deira, ard6sia, etc.) cl6 0 Mista (parte em terraço, parte inclinada) N. E (210 X &!?') 'V.

12 NÚMERO DE ALOJAMENTOS DO EDFCO Número de ordem do alojam!nto localização no edifício Todo o edilicio Subcave, cave, rés-do-chão, 1.O, Z.", 3.",... andares e águas-furtadas Data da distribuição dos questionários Data da recolha dos questionários Número de ordem do alojamento loca izaçáo no ed if ício lodo o edificio Subcave, cave, rés-do-chão, 1.O, 2.", 3.",... andares e águas-furtadas Data da distribuição dos questionários Data da recol ha dos questionários Número de ordem do alojamento loca izaçá o no edifício lodo o edificio Subcave, cave, rés-do-chão, 1.O, 2.", 3.",... andares e águas-furtadas Data da distribuição dos questionários Data da recolha dos questionários ' d , b ', ,' * P 7 *:, ' _....., * 58,, i c -. i

13 l nstrumento de notacao do Sistema Estatistico Nacional [Decreto n.o 428/73. de 25 de Agosto, artigo 86.0, n.o 1, alínea a)] de resposta obrigat6rla. Registado no. N. E. sob o n.o Valido at Rua Localizaçlo: N.'(s)/lote andar --- Lugar Freguesia - Concelho w N." da secção/quart.... J N.O.do questionário de edificio R. P. NSTTUTO NACONAL DE ESlAl STlCA X RECENSEAMENTO GERAL DA POPULAÇAO E RECENSEAMENTO GERAL DA HABTAÇAO QUESTONARO COMPLEMENTAR DE EDlFfClO 1 ndique se o edifício foi ou não danificado pelo sismo de 1 de Janeiro de 1980:- -Não foi danificado , - Foi parcialmente danificado Foi totalmente danificado 5 Se o edifício está reconstruido ou em reconstrução, indique se o mesmo dispõe, actualmente, de maior 1 área habitável do que a existente em 31 de Dezembro de 1979: Sim 01 Não Se marcou o quadrado 1 da pergunta anterior, terminou o preenchimento deste questionmo 6 Em 31 de Dezembro de 1979 o edifício tinha casa(s) de banho? Sim 0 1 Não 3 2 Quantos pisos tinha o edificio em 3l'de Dezembro de Quantos alojamentos tinha o edifício em 31 de Dezem- bro de Em 31 de Dezembro de 1979 o edifício tinha água canalizada no seu interior? Sim a 1 Não Se o edifício foi danificado pelo sismo, indique se: - Está totalmente reconstruido Está em reconstrução Em 31 de Dezembro de 1979 o edifício tinha cozinha(s)? Sim 0 1 Não 0 3. N. E (210x297)

14 NSTRUÇOES 17 O QUESTONARO COMPLEMENTAR DE EDlFfClO 6 preenchido para a) Todos os edifícios para os quais se faça QUESTONARO DE EDFCO, isto B, todos os que contenham, pelo menos, um aloja- mento que esteja ocupado, para alugar ou vender, ou mesmo que os seus ocupantes se encontrem ausentes. b) Todos os edifícios que em 31 de Dezembro de 1979 continham, peto menos, um alojamento destinado a habitaçä0 de pessoas mas que, por motivo do sismo de 1 de Janeiro de 1980, se encontram de tal forma danificados que não permitem ser habitados sem se proceder a uma reconstrução ou 8 sua substituiçäo pura e simples. 2 - Para efeitos de resposta 8 pergunta a, considere as seguintes definições: Não danificado - Se näo sofreu qualquer efeito do sismo ou apresenta vestígios leves que não implicam qualquer reparaçao. Parcialmente danificado - Apresenta efeitos do sismo que obrigam a obras de reparaçä0 superïores 8s do custeio de conservação normal. Totalmente danificado - Quando ter6 de ser reconstruido de raiz.. 3 No número do QUESTONARO DE EDlFklO.. 1 deve inscrever o número do QUESTONÁRO DE EDF CO sempre que este existir. Quando näo houver QUESTONÁRO DE EDFkO, deixe aquela zona de n,umeraçäo em branco; ap6s ter visitado e numerado todos os edifícios da sua secção ou quarteiräo, numere, sequencialmente, a partir do último número que atribuiu, todos estes QUESTONÁROS COMPLEMENTARES DE EDFCO cuja numeraçä0 ficou em branco.

I." Recenseamento geral

I. Recenseamento geral MNSTERO DO PLANO Direcção de Estatística." Recenseamento geral da população e da habitação r Z.R. U.A. _ 1 1. 1 M.E.P. 1 ~ pppp Sitio :...,...... Aglomertagão :... Distrito :...... O Agente:...... Data

Leia mais

CONCEITOS. Por distinto e independente entende-se o seguinte:

CONCEITOS. Por distinto e independente entende-se o seguinte: CONCEITOS Alojamento Local distinto e independente que, pelo modo como foi construído, reconstruído, ampliado ou transformado, se destina à habitação humana e, no momento censitário, não está a ser utilizado

Leia mais

G 02. SECTOR: G 04 MEIO (1 - Urbano ou 2 - Rural) Se for uma continuação marcar aqui de

G 02. SECTOR: G 04 MEIO (1 - Urbano ou 2 - Rural) Se for uma continuação marcar aqui de REPUBLICA DA GUINÉ-BISSAU MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL SECRETARIA DE ESTADO DO PLANO 1. É obrigatório o fornecimento dos dados estatísticos solicitados pelos funcionários ou agentes

Leia mais

QUESTIONARIO DE CLASSICA

QUESTIONARIO DE CLASSICA X RECENSEAMENTO GERAL DA POPULAC~O ll RECENSEAMENTO GERAL DA HABTACÃO QUESTONARO DE FAMíLA CLASSCA nstrmento de notoçdo do Slstemo Estatistko Nacional (Lei n9 6/ 89, de 15 de Abril). de RESPOSTA OBRlGAT6RlA

Leia mais

QUESTIONARIO DE CLASSICA

QUESTIONARIO DE CLASSICA X RECENSEAMENTO GERAL DA POPULAC~O ll RECENSEAMENTO GERAL DA HABTACÃO QUESTONARO DE FAMíLA CLASSCA nstrmento de notoçdo do Slstemo Estatistko Nacional (Lei n9 6/ 89, de 15 de Abril). de RESPOSTA OBRlGAT6RlA

Leia mais

I. TRAJECTÓRIA PROFISSIONAL. I. 1. Trajectória profissional externa anterior à entrada na empresa. Profissão/ Tipo de actividade

I. TRAJECTÓRIA PROFISSIONAL. I. 1. Trajectória profissional externa anterior à entrada na empresa. Profissão/ Tipo de actividade I. TRAJECTÓRIA PROFISSIONAL I. 1. Trajectória profissional externa anterior à entrada na empresa Sector de actividade Profissão/ Tipo de actividade na profissão Categoria profissional/ Titularidade profissional

Leia mais

Retrato Estatístico do Funchal

Retrato Estatístico do Funchal Retrato Estatístico do Funchal Resultados Definitivos dos Censos 2011 EDUCAÇÃO POPULAÇÃO JUVENTUDE E ENVELHECIMENTO MOVIMENTOS POPULACIONAIS PARQUE HABITACIONAL ECONOMIA E EMPREGO CONDIÇÕES DE HABITABILIDADE

Leia mais

Anexo 17.5 Diagrama e Dicionário de Dados da Base Conjunto Universo

Anexo 17.5 Diagrama e Dicionário de Dados da Base Conjunto Universo Anexo 17.5 Diagrama e Dicionário de Dados da Base Conjunto Universo Tabela: Dados de domicílio (continua) Código da unidade da federação (UF) Código do município Código do distrito Código do subdistrito

Leia mais

Página 1 de 16 CD 2010 - QUESTIONÁRIO DA AMOSTRA (EXPERIMENTAL) 23/06/2009 IDENTIFICAÇÃO - CNEFE

Página 1 de 16 CD 2010 - QUESTIONÁRIO DA AMOSTRA (EXPERIMENTAL) 23/06/2009 IDENTIFICAÇÃO - CNEFE CD 2010 - QUESTIONÁRIO DA AMOSTRA (EXPERIMENTAL) 1 AMOSTRA INDÍGENA IDENTIFICAÇÃO - CNEFE 23/06/2009 2 PARA DOMICÍLIOS PARTICULARES PERMANENTES - CARACTERÍSTICAS DO DOMICÍLIO 2.01 ESTE DOMICÍLIO É: 1-

Leia mais

Diagnóstico de necessidades de Formação 2010/2011. Rede Social

Diagnóstico de necessidades de Formação 2010/2011. Rede Social Diagnóstico de necessidades de Formação 2010/2011 Rede Social A amostra 527 questionários aplicados ao público em geral [(ex)-formandos das entidades formadoras e alunos das escolas EB2/3 e Escola Secundária

Leia mais

QUESTIONÁRIO (Artigo 5º, n.º 4, do Programa de Concurso)

QUESTIONÁRIO (Artigo 5º, n.º 4, do Programa de Concurso) QUESTIONÁRIO (Artigo 5º, n.º 4, do Programa de Concurso) Número * NOTA IMPORTANTE: A este questionário deve responder-se com a maior exactidão, pois a prestação de falsas declarações determinará a exclusão

Leia mais

Censo Demográfico 2000

Censo Demográfico 2000 1 Censo Demográfico 2000 MUNICÍPIO: AGÊNCIA: 1 CD 1.01 Questionário Básico IDENTIFICAÇÃO USO EXCLUSIVO DO IBGE 1.01 NÚMERO DO QUESTIONÁRIO 1.02 UF 1.03 MUNICÍPIO 1.04 DISTRITO 1.05 SUBDISTRITO 1.06 SETOR

Leia mais

Rede Social de Lousada

Rede Social de Lousada Rede Social de Lousada Pré-Diagnóstico Social ENTIDADE PROMOTORA: Câmara Municipal de Lousada Divisão de Acção Social PROGRAMA CO-FINANCIADO POR: Ficha Técnica Rede Social de Lousada Pré-diagnóstico Social

Leia mais

(124) Planeamento urbano para a integração de imigrantes

(124) Planeamento urbano para a integração de imigrantes A análise dos grupos profissionais da população activa portuguesa e estrangeira residente na Área Metropolitana do Porto, de acordo com o concelho é a seguinte: Figura 25. Repartição da população activa

Leia mais

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ESTUDO IMIGRANTES E IDENTIDADES

INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ESTUDO IMIGRANTES E IDENTIDADES 1 INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ESTUDO IMIGRANTES E IDENTIDADES O presente inquérito por questionário foi elaborado no âmbito do Estudo Imigrantes e Identidades, que está a ser desenvolvido pela Divisão de

Leia mais

Território e Demografia

Território e Demografia Indicadores Sociais Moita Península de Setúbal Território e Demografia Concelho: Moita Território Superfície: 55,26 Km 2 Freguesias: 4 Distância Sede Concelho/Sede Distrito: Demografia População Residente:

Leia mais

CD 2010 - QUESTIONÁRIO BÁSICO

CD 2010 - QUESTIONÁRIO BÁSICO 1 CD 2010 - QUESTIONÁRIO BÁSICO 1 2 IDENTIFICAÇÃO - CNEFE CARACTERÍSTICAS DO DOMICÍLIO 2.01 ESTE DOMICÍLIO É: 1- PRÓPRIO DE ALGUM MORADOR JÁ PAGO 4 - CEDIDO POR EMPREGADOR 2 - PRÓPRIO DE ALGUM MORADOR

Leia mais

Censo da População da Irlanda

Censo da População da Irlanda Linha de Apoio Para obter Questionários de Recenseamento adicionais ou esclarecer quaisquer dúvidas sobre o Censo, ligue para a Linha a Custo Reduzido de Apoio ao Censo em 1890 23 67 87. Este documento

Leia mais

Documento de Apoio ao Utilizador SIMULADOR DE CLASSIFICAÇÃO DO PEDIDO DE HABITAÇÃO NO ÂMBITO DO REGULAMENTO DE REGIME DE ACESSO À HABITAÇÃO MUNICIPAL

Documento de Apoio ao Utilizador SIMULADOR DE CLASSIFICAÇÃO DO PEDIDO DE HABITAÇÃO NO ÂMBITO DO REGULAMENTO DE REGIME DE ACESSO À HABITAÇÃO MUNICIPAL Documento de Apoio ao Utilizador SIMULADOR DE CLASSIFICAÇÃO DO PEDIDO DE HABITAÇÃO NO ÂMBITO DO REGULAMENTO DE REGIME DE ACESSO À HABITAÇÃO MUNICIPAL Aconselha-se que, o munícipe leia este documento com

Leia mais

CARTÃO 1. Entre meia hora e uma hora. Entre uma hora e hora e meia. Entre hora e meia e duas horas. Entre duas horas e duas horas e meia

CARTÃO 1. Entre meia hora e uma hora. Entre uma hora e hora e meia. Entre hora e meia e duas horas. Entre duas horas e duas horas e meia CARTÃO 1 Nenhum Menos de meia hora Entre meia hora e uma hora Entre uma hora e hora e meia Entre hora e meia e duas horas Entre duas horas e duas horas e meia Entre duas horas e meia e três horas Mais

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO - CNEFE PARA DOMICÍLIOS PARTICULARES PERMANENTES - CARACTERÍSTICAS DO DOMICÍLIO

IDENTIFICAÇÃO - CNEFE PARA DOMICÍLIOS PARTICULARES PERMANENTES - CARACTERÍSTICAS DO DOMICÍLIO CD 2010 - QUESTIONÁRIO BÁSICO (EXPERIMENTAL) 1 BÁSICO INDÍGENA IDENTIFICAÇÃO - CNEFE 06/04/2009 2 PARA DOMICÍLIOS PARTICULARES PERMANENTES - CARACTERÍSTICAS DO DOMICÍLIO 2.01 ESTE DOMICÍLIO É: 1- DE PROPRIEDADE

Leia mais

REVISÃO DO PDM DE RIBEIRA BRAVA ESTUDOS SECTORIAIS DINÂMICA EDIFICATÓRIA ÍNDICE

REVISÃO DO PDM DE RIBEIRA BRAVA ESTUDOS SECTORIAIS DINÂMICA EDIFICATÓRIA ÍNDICE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. FAMÍLIAS 5 3. ALOJAMENTOS 9 4. EDIFICIOS 21 5. INDICADORES DE EVOLUÇÃO 25 6. ANÁLISE DA EVOLUÇÃO DO EDIFICADO NAS VÁRIAS CATEGORIAS DO SOLO 30 7. DIAGNÓSTICO 35 8. HABITAÇÃO SOCIAL

Leia mais

Informar para saber...saber para desenvolver.

Informar para saber...saber para desenvolver. INQUÉRITO AO EMPREGO 4º Trimestre de 2011 Serviço Regional de Estatística dos Açores Informar para saber......saber para desenvolver. INQUÉRITO AO EMPREGO 4º TRIMESTRE DE 2011 NOTA INTRODUTÓRIA A presente

Leia mais

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012

Resultados definitivos. Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Resultados definitivos Anabela Delgado INE, Gabinete dos Censos 20 de novembro 2012 Temas em Análise População Família Parque Habitacional 1 População 2 População Residente À data do momento censitário

Leia mais

Pessoal 1 1 1 1 1 1 1 1 1

Pessoal 1 1 1 1 1 1 1 1 1 SÉRIE N.º FOLHA DE CONTACTOS N.º Nome do entrevistado: Telefone: Rua : N.º : Andar : Porta : Localidade : Entrevistador REGISTO DAS VISITAS Modo de Visita (Visita = todas as tentativas feitas para falar

Leia mais

IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO

IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO IN STITU TO N A C IO N A L D E ESTA TISTIC A CABO VERDE DOCUMENTO METODOLÓGICO ESTATÍSTICAS DO TURISMO 1999 I. ÁREA ESTATÍSTICA / LINHAS GERAIS DA ACTIVIDADE ESTATÍSTICA NACIONAL 1998-2001 O Conselho Nacional

Leia mais

Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO. Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO. Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO Aspetos Gerais; População Residente Inativa; População Residente Ativa; Pessoas ao Serviço e Trabalhadores por Conta de Outrem; Remunerações; Duração

Leia mais

ANEXO 2 CLASSIFICAÇÃO SOCIAL INTERNACIONAL PROPOSTA POR GRAFFAR

ANEXO 2 CLASSIFICAÇÃO SOCIAL INTERNACIONAL PROPOSTA POR GRAFFAR ANEXO 2 CLASSIFICAÇÃO SOCIAL INTERNACIONAL PROPOSTA POR GRAFFAR Vitor da Fonseca Em resumo, utilizando as próprias palavras do autor: "Os estudos biológicos sobre amostras de população deveriam acompanhar

Leia mais

Diagnóstico Social Concelhio

Diagnóstico Social Concelhio ANEXOS 1 C O N C E I T O S C O N C E I T O S Análise SWOT: Estratégia de articulação entre as forças internas do concelho e as possibilidades externas. Na análise das capacidades internas procura-se identificar

Leia mais

- Ano Lectivo 2010/2011

- Ano Lectivo 2010/2011 - Ano Lectivo 2010/2011 CANDIDATURA A BOLSA DE ESTUDO Serviços de Acção Social Recebido por: Nº MECANOGRÁFICO Nº ALUNO ENTRADA Nº Data de Entrada FOTO (Colada) OBRIGATÓRIO I IDENTIFICAÇÃO E RESIDÊNCIA

Leia mais

Questionário para caracterização da População Idosa do concelho de Bombarral

Questionário para caracterização da População Idosa do concelho de Bombarral Questionário para caracterização da População Idosa do concelho de Bombarral Uma sociedade envelhecida exige definição de medidas de politicas específicas, no contexto de uma politica socialmente global,

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO

SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO SOLICITAÇÃO DE ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO FORMULÁRIO SOCIOECONÔMICO 1.IDENTIFICAÇÃO DO ESTUDANTE Nome: Filiação: e Sexo: ( ) Masculino ( ) Feminino Data de Nascimento / / Tem Filhos? ( ) Sim ( ) Não.

Leia mais

IMPOSTO DO SELO. (Modelo 2) Serviço de Finanças onde é apresentada a declaração. Campo 01

IMPOSTO DO SELO. (Modelo 2) Serviço de Finanças onde é apresentada a declaração. Campo 01 IMPOSTO DO SELO COMUNICAÇÃO DE CONTRATOS ARRENDAMENTO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA (Modelo 2) INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 2 - Esta declaração destina-se ao

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PROGRAMA

PROGRAMA DE CONCURSO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO PROGRAMA PROGRAMA ARTIGO 1º (OBJECTO) O presente programa tem por objecto o concurso para atribuição, pela Câmara Municipal de Alcobaça, de 25 bolsas de estudo, durante o ano lectivo de 2014/2015, a estudantes

Leia mais

- Ano Lectivo 2010/2011

- Ano Lectivo 2010/2011 - Ano Lectivo 2010/2011 CANDIDATURA A BOLSA DE ESTUDO Serviços de Acção Social Recebido por: Nº MECANOGRÁFICO Nº ALUNO ENTRADA Nº Data de Entrada FOTO (Colada) OBRIGATÓRIO I IDENTIFICAÇÃO E RESIDÊNCIA

Leia mais

Famílias Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003

Famílias Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 Famílias Inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação 2003 Instrumento de Notação Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei n.º 6/89, de 15 de Abril), de resposta

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES GOVERNO REGIONAL PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SISTEMA DE ACÇÃO SOCIAL ESCOLAR As modalidades de acção social escolar de que beneficiam os alunos da Região Autónoma dos Açores

Leia mais

UHE TIJUCO ALTO PESQUISA DE CONDIÇÕES DE VIDA DA POPULAÇÃO URBANA

UHE TIJUCO ALTO PESQUISA DE CONDIÇÕES DE VIDA DA POPULAÇÃO URBANA 1 NDF IF (Identificar o número da família) Nº do Imóvel Entrevistador Data / / 1. Dados do Imóvel 1.a Endereço completo: rua, UHE TIJUCO ALTO PESQUISA DE CONDIÇÕES DE VIDA DA POPULAÇÃO URBANA nº, complemento,

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores por Conta de Outrem

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores por Conta de Outrem de Segurança Social Trabalhadores por Conta de Outrem Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS

Leia mais

ANO LETIVO 2014/2015 QUESTIONÁRIO

ANO LETIVO 2014/2015 QUESTIONÁRIO Município de Pombal CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE DUAS BOLSAS DE ESTUDO A ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR E RENOVAÇÃO DAS BOLSAS DE ESTUDO ATRIBUIDAS A ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR ANO LETIVO 0/0 QUESTIONÁRIO

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DO MERCADO DE TRABALHO

DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DO MERCADO DE TRABALHO Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei n.º /008, de 3 de Maio), de resposta obrigatória. Registado no INE sob o n.º 0000, válido até 3 de Dezembro de 04. DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS

Leia mais

Câmara Municipal de Cuba

Câmara Municipal de Cuba Câmara Municipal de Cuba Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo para Cursos do Ensino Superior CAPITULO 1 Artigo 1 Âmbito 1. O presente Regulamento tem como lei habilitante a Lei n 169/99,

Leia mais

3 Panorama da Habitação

3 Panorama da Habitação 3 Habitação... 45 3.1 Famílias Clássicas, Alojamentos Familiares e Edifícios por freguesia... 45 3.1.1 Rácios alojamentos familiares/edifícios e Famílias/Alojamentos familiares... 46 3.1.2 Taxa de variação

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

Formulário de Candidatura ao Fundo Social de Emergência (FSE) do ano letivo /

Formulário de Candidatura ao Fundo Social de Emergência (FSE) do ano letivo / Campus de Gualtar 4710-057 Braga P I - identificação e residência Nome: Formulário de Candidatura ao Fundo Social de Emergência (FSE) do ano letivo / Nº de aluno: Data de nascimento / / Estado civil: Sexo:

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PENAMACOR 6090-543 PENAMACOR Contribuinte nº 506 192 164

CÂMARA MUNICIPAL DE PENAMACOR 6090-543 PENAMACOR Contribuinte nº 506 192 164 CÂMARA MUNICIPAL DE PENAMACOR 6090-543 PENAMACOR Contribuinte nº 506 192 164 Regulamento de Concessão de Alimentação e Auxílios Económicos a Estudantes PREÂMBULO A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro, estabelece

Leia mais

ANEXO I (À Tabela de Preços e Outras Receitas Municipais 2012) DESCONTOS A APLICAR AOS VALORES DA TABELA DE PREÇOS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS

ANEXO I (À Tabela de Preços e Outras Receitas Municipais 2012) DESCONTOS A APLICAR AOS VALORES DA TABELA DE PREÇOS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS ANEXO I (À Tabela de Preços e Outras Receitas Municipais 2012) DESCONTOS A APLICAR AOS VALORES DA TABELA DE PREÇOS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS Aos preços da Tabela de Preços e Outras Receitas Municipais

Leia mais

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS MICROEMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO PARA 2010/2011

NECESSIDADES DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DAS MICROEMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO PARA 2010/2011 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DO TRABALHO, QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL E DEFESA DO CONSUMIDOR OBSERVATÓRIO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 66/2010 de 30 de Junho de 2010

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 66/2010 de 30 de Junho de 2010 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 66/2010 de 30 de Junho de 2010 Pela Portaria n.º16/2007 de 29 de Março, foi aprovado o regulamento

Leia mais

Abastecimento de água - Investigou-se a existência de água canalizada nos domicílios particulares permanentes e a sua proveniência.

Abastecimento de água - Investigou-se a existência de água canalizada nos domicílios particulares permanentes e a sua proveniência. Conceitos Abastecimento de água - Investigou-se a existência de água canalizada nos domicílios particulares permanentes e a sua proveniência. Quanto a existência de água canalizada, os domicílios foram

Leia mais

Patrícia Antunes 1,3 Pedro L. Ferreira 2,3 Rogério Rodrigues 4

Patrícia Antunes 1,3 Pedro L. Ferreira 2,3 Rogério Rodrigues 4 Conversas de Fim de Tarde 2012 8.ª Edição Anual Viseu, 29 de Junho de 2012 Patrícia Antunes 1,3 Pedro L. Ferreira 2,3 Rogério Rodrigues 4 1 Administração Regional de Saúde do Centro 2 Faculdade de Economia,

Leia mais

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos SEGURANÇA SOCIAL Criança ou jovem O que é e quais as condições para ter direito O que é Prestação

Leia mais

CONVOCAÇÃO DE CANDIDATOS DA LISTA DE ESPERA PARA OCUPAÇÃO DE VAGAS OFERTADAS PELO SISU 2015/2 EDITAL 17/2015

CONVOCAÇÃO DE CANDIDATOS DA LISTA DE ESPERA PARA OCUPAÇÃO DE VAGAS OFERTADAS PELO SISU 2015/2 EDITAL 17/2015 CONVOCAÇÃO DE CANDIDATOS DA LISTA DE ESPERA PARA OCUPAÇÃO DE VAGAS OFERTADAS PELO SISU 2015/2 EDITAL 17/2015 O Câmpus Feliz, de acordo com a legislação vigente e conforme previsto na Portaria Normativa

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MORA REGULAMENTO PARA A CONCESSÃO DE BOLSAS DE ESTUDO No âmbito da sua ação sócio-cultural e educacional, a Santa Casa da Misericórdia de Mora decidiu atribuir bolsas de estudo

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA

REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE VIDIGUEIRA Preâmbulo De acordo com o disposto no artigo 64.º, n.º 4, alínea c) da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com as alterações introduzidas pela Lei

Leia mais

Procedimento de distribuição de vagas em conformidade a Lei Nº 12.711/2012 segundo o Curso ofertado

Procedimento de distribuição de vagas em conformidade a Lei Nº 12.711/2012 segundo o Curso ofertado TOTAL DE VAGAS ANEXO I Distribuição das Vagas Reservadas pela Lei n 12.711/2012 e pelo Decreto n 7824 Observação: Procedimento de distribuição de vagas em conformidade a Lei Nº 12.711/2012 segundo o Curso

Leia mais

NOTAS / OBSERVAÇÕES. Nota 2: Crédito reconhecido sob condição da opção pelo cumprimento ou resolução do contrato.

NOTAS / OBSERVAÇÕES. Nota 2: Crédito reconhecido sob condição da opção pelo cumprimento ou resolução do contrato. 1 NOTAS / OBSERVAÇÕES Nota 1: Direito de retenção sobre a fracção autónoma designada pela letra "L", correspondente ao apartamento de tipo T2, do lote 465, que integra o Empreendimento Praia D'El Rey Golf

Leia mais

Formulário - Solicitação de Bolsa Carência

Formulário - Solicitação de Bolsa Carência UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS DIVISÃO DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL SERVIÇO DE BOLSA Foto 3x4 Formulário - Solicitação de Bolsa Carência Modalidade de Bolsa: ( ) Moradia

Leia mais

FUNDASINUM Fundação de Saúde Integral Humanística TIP Clínica - Mantenedora da FUNDASINUM Renate Jost de Moraes

FUNDASINUM Fundação de Saúde Integral Humanística TIP Clínica - Mantenedora da FUNDASINUM Renate Jost de Moraes FUNDASINUM Fundação de Saúde Integral Humanística TIP Clínica - Mantenedora da FUNDASINUM Renate Jost de Moraes AVALIAÇÃO PARA CONCESSÃO DE BENEFÍCIO Fundada em 1986 e instituída pela psicóloga Renate

Leia mais

ROSTO. Grupo I Identificação da entidade empregadora (empresa) Nota: O Grupo I não permite a opção de importação por upload

ROSTO. Grupo I Identificação da entidade empregadora (empresa) Nota: O Grupo I não permite a opção de importação por upload ROSTO O Rosto deve ser preenchido por todas as empresas/entidades empregadoras ativas em algum período do ano de referência, relativamente aos trabalhadores com contrato individual de trabalho celebrado

Leia mais

EDITAL Residências Universitárias de PATOS

EDITAL Residências Universitárias de PATOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE SAÚDE E TECNOLOGIA RURAL RESIDÊNCIA UNIVERSITÁRIA DO SEMI-ÁRIDO NORDESTINO RUSAN CAMPUS DE PATOS EDITAL Residências Universitárias de PATOS A Diretoria

Leia mais

Resultados definitivos

Resultados definitivos República da Guiné-Bissau MINISTÉRIO DA ECONOMIA DO PLANO E INTEGRAÇÃO REGIONAL Inquérito Ligeiro para Avaliação da Pobreza (ILAP2) Resultados definitivos Bissau, Janeiro de 2011 Segundo Inquérito Ligeiro

Leia mais

PROGRAMA SOCIOASSISTENCIAL ESTUDANTIL

PROGRAMA SOCIOASSISTENCIAL ESTUDANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS CAMPUS MANAUS CENTRO PROGRAMA SOCIOASSISTENCIAL ESTUDANTIL CADASTRO

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO (Leia com bastante atenção toda a ficha, antes de responder)

FICHA DE INSCRIÇÃO (Leia com bastante atenção toda a ficha, antes de responder) Nome do Aluno: FICHA DE INSCRIÇÃO (Leia com bastante atenção toda a ficha, antes de responder) O Programa Bom Aluno tem como alvo bons alunos, que querem estudar e progredir academicamente e pessoalmente.

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DE HABITAÇÃO

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DE HABITAÇÃO REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL DIRECÇÃO REGIONAL DE HABITAÇÃO Revitalização do parque habitacional dos Açores: Programas de apoio promovidos pelo Governo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COMISSÃO PARA AVALIAÇÃO DA RENDA PER CAPITA PROCESSO SELETIVO PBP

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COMISSÃO PARA AVALIAÇÃO DA RENDA PER CAPITA PROCESSO SELETIVO PBP MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA COMISSÃO PARA AVALIAÇÃO DA RENDA PER CAPITA PROCESSO SELETIVO PBP A B Instruções para o preenchimento: Leia com atenção todo o formulário, é importante

Leia mais

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores por conta de outrem Trabalhadores independentes Seguro social voluntário: Trabalhadores

Leia mais

Questionário Preliminar de Risco

Questionário Preliminar de Risco Questionário Preliminar de Risco MULTIRISCOS PME Identificação interna Sucursal Comercial Técnico Agente / Corretor Data da visita Referência Proponente Nome Morada Ocupação do risco Código Postal DESCRIÇÃO

Leia mais

Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores

Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores Regulamento para atribuição do Cartão Municipal do Idoso na área do Município de Lagoa Açores Preâmbulo Aos Municípios incumbem, em geral, prosseguir os interesses próprios, comuns e específicos das populações

Leia mais

Estaleiros de Equipamentos e Obras

Estaleiros de Equipamentos e Obras isep Engenharia Civil Estaleiros de Equipamentos e Obras [EEQO] Organização do Estaleiro de uma Obra de Construção Civil Eduardo Azevedo, nº 980019 Estaleiros de Equipamentos e Obras Organização do Estaleiro

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DO EDIFICADO Estado de Conservação Exterior FICHA N.º: 01 ID EDIFÍCIO: 42904 1. LOCALIZAÇÃO Zona em estudo: Vila do Olival Freguesia: Gondemaria e Olival Rua / Av. / Pc.: Rua Cimo

Leia mais

ANEXO 1- Formulário de Solicitação para o PROGRAMA DE BOLSAS ACADÊMICAS DE INCLUSÃO SOCIAL ( ) Fiz inscrição para o PACE/2014

ANEXO 1- Formulário de Solicitação para o PROGRAMA DE BOLSAS ACADÊMICAS DE INCLUSÃO SOCIAL ( ) Fiz inscrição para o PACE/2014 ANEXO 1- Formulário de Solicitação para o PROGRAMA DE BOLSAS ACADÊMICAS DE INCLUSÃO SOCIAL ( ) Fiz inscrição para o PACE/2014 2.0 DADOS PESSOAIS: 2.1 Câmpus 2.2 n de matrícula 2.3 Curso 2.4Período/Série

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO DE RENDA FAMILIAR BRUTA MENSAL PER CAPITA E DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA. Conceitos

PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO DE RENDA FAMILIAR BRUTA MENSAL PER CAPITA E DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA. Conceitos PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO DE RENDA FAMILIAR BRUTA MENSAL PER CAPITA E DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA Conceitos De acordo com a Portaria Normativa do Ministério da Educação de n 18, de 11 de outubro de 2012, que

Leia mais

人 力 資 源 辦 公 室 Gabinete para os Recursos Humanos

人 力 資 源 辦 公 室 Gabinete para os Recursos Humanos Modelo GRH-NE-CP 用 申 請 ( 21/2009 ) Pedido de contratação de trabalhadores não residentes não especializados (Ao abrigo da Lei N. o 21/2009 de 27 de Outubro) 根 據 澳 門 特 別 行 政 區 現 行 法 例 規 定, 偽 造 文 件 會 受 刑

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE MEDIDAS DE APOIO SOCIAL A FAMÍLIAS CARENCIADAS DO CONCELHO DE VALENÇA Preâmbulo A atual situação económica tem provocado o aumento das situações de desemprego e como tal um elevado

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO de PORTALEGRE

INSTITUTO POLITÉCNICO de PORTALEGRE INSTITUTO POLITÉCNICO de PORTALEGRE Boletim de Candidatura a Bolsa de Estudo ANO LECTIVO 200 / 200 N.º de Processo FOTO (Obrigatório Colar) 1 Nome: Sexo: Estado Civil: Data de Nascimento: / / B.I.: de

Leia mais

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL

TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL TURISMO NO ESPAÇO RURAL LEGISLAÇÃO MANUAL Índice 1. Turismo no espaço rural: tipologias.2 2. Exploração e funcionamento.... 5 3. Legislação aplicável.17 Bibliografia. 18 1 1.Turismo no espaço rural: tipologias

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Lotes de Terreno para Autoconstrução

Regulamento de Atribuição de Lotes de Terreno para Autoconstrução CAPÍTULO I PROCESSO DE CEDÊNCIA Artigo 1.º Do regime Os lotes de terreno serão vendido em regime de direito de superfície sempre e quando se destinem a agregados familiares para habitação própria. Artigo

Leia mais

Fundo de Apoio a Famílias

Fundo de Apoio a Famílias gari Fundo de Apoio a Famílias Formulário de Candidatura Identificação do Requerente: Freguesia: N.º de Processo: Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Aveiro Informação de Caráter Confidencial Sexo

Leia mais

CD 2010 - QUESTIONÁRIO DA AMOSTRA (PILOTO)

CD 2010 - QUESTIONÁRIO DA AMOSTRA (PILOTO) 1 CD 2010 - QUESTIONÁRIO DA AMOSTRA (PILOTO) 1 2 AMOSTRA 1 AMOSTRA 2 INDÍGENA IDENTIFICAÇÃO - CNEFE CARACTERÍSTICAS DO DOMICÍLIO 26/08/08 11:10 2.01 QUAL É O MATERIAL PREDOMINANTE NAS PAREDES EXTERNAS

Leia mais

Escola Básica do 1º Ciclo de Vale Figueira EB Miquelina Pombo

Escola Básica do 1º Ciclo de Vale Figueira EB Miquelina Pombo Escola Básica Elias Garcia Escola Básica Miquelina Pombo Escola Básica da Sobreda Escola Básica do 1º Ciclo de Vale Figueira EB Miquelina Pombo A Escola Básica do 1º Ciclo de Vale Figueira nº 1 (E.B. Miquelina

Leia mais

DATA HORÁRIO EVENTO LOCAL

DATA HORÁRIO EVENTO LOCAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS COORDENAÇÃO DE APOIO ESTUDANTIL CAE/PRAC CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR (CCTA) CORDENAÇÃO

Leia mais

Dossier Promocional. Moradia em Abrantes Santarém

Dossier Promocional. Moradia em Abrantes Santarém Dossier Promocional Moradia em Abrantes Santarém 1 1. Contexto e a Oportunidade 2. Localização do Imóvel 3. Características Gerais do Imóvel 4. Descrição Detalhada 5. Condições de Comercialização 6. Contactos

Leia mais

Projeto de Reformulação das Pesquisas Domiciliares do IBGE

Projeto de Reformulação das Pesquisas Domiciliares do IBGE 1 Rio de Janeiro, 05/12/2014 Projeto de Reformulação das Pesquisas Domiciliares do IBGE Primeira entrevista: Questionário de características gerais dos moradores Questionário de educação Questionário ampliado

Leia mais

INQUÉRITO SOCIAL EUROPEU

INQUÉRITO SOCIAL EUROPEU INQUÉRITO SOCIAL EUROPEU Instruções de apoio ao preenchimento do questionário Consórcio ICS/ISCTE para o Inquérito Social Europeu EUROTESTE Setembro 2002 2 1 OBJECTIVOS DO INQUÉRITO SOCIAL EUROPEU O Inquérito

Leia mais

Documento de Apoio Simulador de Rendas

Documento de Apoio Simulador de Rendas Documento de Apoio Simulador de Rendas O Município de Lisboa desenvolveu um simulador de Cálculo de Rendas que está disponível para o munícipe na página da internet da CML, no seguinte endereço http://simuladorderenda.cm-lisboa.pt

Leia mais

FORMULÁRIO PARA BENEFÍCIO SOCIOECONÔMICO Instruções para preenchimento:

FORMULÁRIO PARA BENEFÍCIO SOCIOECONÔMICO Instruções para preenchimento: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS SETOR PSICOSSOCIAL A B FORMULÁRIO PARA BENEFÍCIO SOCIOECONÔMICO Instruções para preenchimento: Leia com atenção

Leia mais

1. ATUALIZAÇÃO QUANTITATIVA

1. ATUALIZAÇÃO QUANTITATIVA 1. ATUALIZAÇÃO QUANTITATIVA INDICADORES DIAGNOSTICO SOCIAL 2010 Indicadores Periodicidade Fonte Alojamentos (n.º) Decenal INE Censos Alojamento segundo tipo de alojamento (%) Decenal INE Censos Alojamentos

Leia mais

RESERVADO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA

RESERVADO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA RESERVADO MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO D E CEx D E P A COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA INSCRIÇÃO Nº: 1. DADOS DO ALUNO: a) Nome: b) nº: c) turma: d) data de nascimento: Já recebeu o desconto

Leia mais

Regulamento Municipal para atribuição de comparticipações em medicamentos a Famílias Carenciadas do Concelho de Leiria Preâmbulo

Regulamento Municipal para atribuição de comparticipações em medicamentos a Famílias Carenciadas do Concelho de Leiria Preâmbulo Regulamento Municipal para atribuição de comparticipações em medicamentos a Famílias Carenciadas do Concelho de Leiria Preâmbulo Considerando que o ano de 2010 foi declarado pela União Europeia como o

Leia mais

BOLSA DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR

BOLSA DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR 1 IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO BOLSA DE ESTUDO PARA ALUNOS DO ENSINO SUPERIOR Nome: NIF: Data de nascimento / / Estado Civil: NISS: Cartão Cidadão n.º Válido até: / / Nacionalidade: Natural de: Filiação:

Leia mais

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO

REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO REGULAMENTO DO CARTÃO MUNICIPAL DO IDOSO Preâmbulo O Concelho de Portel, à semelhança da generalidade dos Concelhos do interior do país, tem uma parte significativa

Leia mais

Questionário socioeconômico para isenção do vestibular 2009/1

Questionário socioeconômico para isenção do vestibular 2009/1 Questionário socioeconômico para isenção do vestibular 2009/1 I-Identificação Nome completo: Data de nascimento: / / Curso pretendido: Sexo: ( )Feminino ( )Masculino Estado Civil: ( ) solteiro(a) ( ) casado(a)

Leia mais

Pré-Diagnóstico Social do Concelho de Alenquer

Pré-Diagnóstico Social do Concelho de Alenquer A questão da habitação apresenta-se em Portugal como um dos mais pesados problemas herdados de um passado recente, marcado pela quase total ausência de políticas promotoras da qualidade de vida. Na verdade,

Leia mais

PROGRAMA MURIALDO DE BOLSAS DE ESTUDO

PROGRAMA MURIALDO DE BOLSAS DE ESTUDO PROGRAMA MURIALDO DE BOLSAS DE ESTUDO EDITAL DE BOLSA INTEGRAL E PARCIAL PARA 2014/2 O Instituto Leonardo Murialdo Faculdade Murialdo (FAMUR), no uso de suas atribuições estatutárias e atendendo ao disposto

Leia mais

PROGRAMA DE ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO PARA

PROGRAMA DE ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO PARA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS IFMG- FORMULÁRIO SOCIOECONÔMICO PROGRAMA DE ISENÇÃO DE TAXA DE INSCRIÇÃO PARA VESTIBULAR FAVOR PREENCHER TODO FORMULÁRIO EM LETRA DE FORMA. 1 2

Leia mais

Orçamento 01 280.554,00 200,00 300,00 10.100,00 10.000,00 4.900,00. 30.750,00 04.01.23.99.01 Atestados, Confirmações e

Orçamento 01 280.554,00 200,00 300,00 10.100,00 10.000,00 4.900,00. 30.750,00 04.01.23.99.01 Atestados, Confirmações e Pag.: 1 04.01.23.99.03 1.500,00 Transladações 04.02 Multas e outras penalidades 04.02.99 Multas e penalidades diversas 05 Rendimentos da propriedade 05.02 Juros - Sociedades financeiras 05.02.01 Bancos

Leia mais