FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA FADBA PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA ORTOPÉDICA E TRAUMATOLÓGICA ANDRÉ BANDEIRA DE MOURA BERNARDES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA FADBA PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA ORTOPÉDICA E TRAUMATOLÓGICA ANDRÉ BANDEIRA DE MOURA BERNARDES"

Transcrição

1 FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA FADBA PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOTERAPIA ORTOPÉDICA E TRAUMATOLÓGICA ANDRÉ BANDEIRA DE MOURA BERNARDES INTERVENÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NO TRATAMENTO HIPERTENSIVO EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS, NO ÂMBITO AMBULATORIAL TRABALHO CLÍNICO CACHOEIRA BA 2011

2 ANDRÉ BANDEIRA DE MOURA BERNARDES INTERVENÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NO TRATAMENTO HIPERTENSIVO EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS, NO ÂMBITO AMBULATORIAL TRABALHO CLÍNICO Artigo apresentado à Pós-graduação da Faculdade Adventista da Bahia como requisito obrigatório para obtenção do título de especialista em Fisioterapia Ortopédica e Traumatológica. CACHOEIRA BA 2011

3 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO INTERVENÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NO TRATAMENTO HIPERTENSIVO EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS, NO ÂMBITO AMBULATORIAL Descrição do caso Diagnóstico clínico Diagnóstico fisioterapêutico Métodos de avaliação Conduta terapêutica elegida Evolução do caso e discussão dos dados Prognostico do caso CONCLUSÃO DA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA REFERÊNCIAS...11

4 1 INTRODUÇÃO A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma síndrome clínica caracterizada pela elevação da pressão arterial a níveis iguais ou superiores a 140 mmhg de pressão sistólica e 90 mmhg de pressão diastólica em, pelo menos, duas aferições subseqüentes, obtidas em dias diferentes, em condições de repouso, e em ambiente tranqüilo (DIOGUARDI et al., 2005). Geralmente, pacientes hipertensos têm perda da integridade endotelial, apresentando não só redução da dilatação como um efeito paradoxal, contraindo as artérias coronárias (IRIGOYEN et al., 2003). O número de pacientes hipertensos, que apresentam a pressão arterial (PA) sistólica > 140 mmhg e/ou diastólica > 90 mmhg é significativo. Um sinal geral de hipertensão é quando o paciente se queixa de palpitações, sensação de calor, rubor facial, taquicardia, podendo estar combinado com um comportamento excessivamente extrovertido, eufórico ou até mesmo maníaco (JARMEY; MOJAY, 2001). Se a hipertensão não for tratada, o sistema nervoso central (SNC) através dos barorreceptores, não detectará a PA aumentada como anormal. Daí a importância do tratamento da HAS de forma permanente (COSTANZO, 2007). A redução farmacológica da pressão sanguínea agrava o risco de um evento cardíaco particularmente em homens com aterosclerose coronária estabelecida, sendo muito importante o tratamento através de exercícios físicos, pois desempenham um papel fundamental na manutenção da pressão sanguínea normal e nos valores lipídicos (BRAUNWALD, 2003). Exercícios aeróbicos regulares tem se mostrado efetivos no aumento do débito cardíaco e na redução da pressão sanguínea sistólica e diastólica, assim como a resistência vascular periférica. O exercício físico chegou a reduzir a PA em até 6 (seis) pontos (de 110mmHg para 60mmHg). (BRAUNWALD, 2003). A literatura afirma que não se deve realizar atividade física caso a pressão arterial sistólica (PAS) de repouso encontre-se acima de 200 mmhg e a pressão arterial diastólica (PAD) superior a 110 mmhg o que pode causar maiores danos ao sistema cardiovascular. Diante deste cenário se faz necessário a redução imediata de PA para o devido tratamento (TEIXEIRA, 2000).

5 Essa constância na contratibilidade das paredes dos vasos leva o miócito cardíaco a uma hipertrofia concêntrica, diminuindo a luz das câmaras cardíacas e, com isso, o volume de sangue que passa pelo coração, aumentando o risco de acidentes vasculares cerebrais (AVC), e/ou infarto agudo do miocárdio (IAM). Com o exercício dinâmico, a freqüência cardíaca e o débito cardíaco aumentam como resultado da maior força de contratibilidade miocárdica. A atividade física regular exerce um efeito benéfico sobre a PA do paciente, reduzindo-a significativamente em apenas 2 (duas) semanas (POLLOCK; SCHMIDT, 2003). 2 INTERVENÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NO TRATAMENTO HIPERTENSIVO EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS, NO ÂMBITO AMBULATORIAL. 2.1 Descrição do caso Paciente M.N.U.O. 60 anos, sexo feminino, apresentou-se a clinica da Faculdade Adventista de Fisioterapia, queixando-se de dor de cabeça e nuca, solicitando que sua pressão fosse aferida, pois a mesma suspeitava de um pico hipertensivo, no dia 09 de maio de Diagnóstico Clínico Paciente com diagnóstico clínico de Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS), não lembra quando foi diagnosticada, também apresenta histórico familiar de HAS. 2.3 Diagnóstico Fisioterapêutico Durante a avaliação do paciente, observou-se: Edema em MMII; Colar hiperêmico; PA: 160x100 mmhg

6 2.4 Métodos de avaliação De acordo com BRAUNWALD e WOOD, o método correto de avaliação de PA de um indivíduo se faz através da aferição com esfignomanômetro e estetoscópio. O esfignomanômetro deve ser insuflado até que o pulso radial desapareça à palpação. A partir daí, devemos insuflar mais 20 mmhg, e então seguirmos com a ausculta do pulso sanguíneo, registrando a primeira marcação e a última. (BRAUNWALD, 2003) 2.5 Conduta terapêutica elegida A conduta realizada no grupo experimental foi a de aferir a PA do paciente assim que o mesmo se apresentasse para a pesquisa, deitá-lo na maca em decúbito dorsal (DD), realizar massagem facial durante 15 (quinze) minutos, seguindo o protocolo de HOLLIS, Após o tempo determinado era aferida novamente a PA do paciente e registrados os resultados. Nos últimos anos os tratamentos alternativos encontram-se em ascensão, dentre eles, a reflexologia, que é um tratamento de vários distúrbios pela aplicação de pressão, sendo todo o corpo ativado através de determinados pontos relacionados com as regiões particulares do corpo. É o que chamamos de zona reflexa, (HALL, 1997). Dentre os benefícios que a massagem nos traz, encontramos a diminuição do estresse, da PA, da ansiedade e da hostilidade em indivíduos hipertensos, afetando fisiologicamente o sistema neuroendócrino (os sistemas nervosos central, autônomo e somático, bem como as substâncias neuroquímicas e os hormônios) e também a circulação sanguínea. Isso causa efeitos reflexos sobre o sistema nervoso, agindo sobre o sistema parassimpático, devolvendo ao corpo o estado de calma, restaurando a homeostase (FRITZ, 2002). A massagem age sobre o sistema nervoso simpático, sendo ele um dos principais colaboradores para contração dos vasos sanguíneos, causando a hipertensão. A massagem relaxa o epitélio dos vasos fazendo com que os mesmos dilatem, assim como diminui a freqüência cardíaca e também a pressão com que o sangue chega aos vasos, diminuindo assim a PA do indivíduo (DE DOMENICO; WOOD, 1998).

7 Os efeitos da massagem se dão através dos inter-relacionamentos do sistema nervoso central e periférico, do sistema nervoso autônomo (SNA) e de controle neuroendócrino, aumentando o fluxo sanguíneo e o volume de batimento sistólico, diminuindo a pressão arterial tanto sistólica quanto diastólica (GREENMAN, 1996). A variabilidade do tônus vascular depende de diversos fatores funcionais, dentre os quais se destaca a atividade simpática gerada centralmente e modulada por aferências de diferentes reflexos (DE DOMENICO; WOOD, 1998). Barr e Taslitz em estudo datado de 1970 demonstraram que a pressão sanguínea sistólica e diastólica tendia a diminuir após a massagem (DE DOMENICO; WOOD, 1998). A massagem traz mudanças de humor induzindo a uma resposta relaxante sendo ela um modulador brando, produzindo sentimentos de conforto e bem-estar geral (FRITZ, 2002). 2.6 Evolução do caso e discussão dos dados Os dados evolutivos encontrados nas condutas foram avaliados de forma comparativa, de forma que foi feito um acompanhamento diário da paciente, sendo colhidos os dados antes e depois da intervenção por massagem facial, seguindo o protocolo de HOLLIS. Tabela 01 Valores pressóricos encontrados na paciente no período de 09 de maio de 2011 a 13 de maio de 2011, demonstrando valores de pressão arterial sistólica inicial, pressão arterial sistólica final, pressão arterial diastólica inicial e pressão arterial diastólica final, respectivamente.

8 Paciente: M.N.U.O DATA: PASi PASf PADi PADf 09/05/ /05/ /05/ /05/ /05/ Fonte: BERNARDES, André B.M./ Atendimento clínico A tabela acima demonstra que houve uma redução significativa nos resultados da PA tanto sistólica quanto diastólica na mesma PASi PASf PADi PADf Gráfico 01: Demonstração em forma de gráficos dos resultados obtidos durante intervenção. Fonte: BERNARDES, André B.M./ Atendimento clínico, Nota-se que em 3 (três) dos 5 (cinco) dias de intervenção houve uma redução considerável da PA tanto sistólica quanto diastólica, mostrando ser viável a conduta realizada.

9 Tabela 03 Comparação entre as médias da pressão arterial inicial e final. Clínica Escola da Faculdade Adventista de Fisioterapia Cachoeira BA. Período: 09 de maio de de maio de 2011 PRESSÃO ARTERIAL Média Inicial Média Final p-value Grupo Experimental 170 x 96 mmhg 150 x 91 mmhg 0,0133* Legenda: (*) a correlação é estatisticamente significante. Fonte: BERNARDES, André B.M./ Atendimento clínico, Percebe-se através dos dados colhidos que a média inicial da pressão arterial foi de 170 x 96 mmhg e, após a aplicação da massagem facial por 15 minutos, o valor médio da pressão arterial foi de 150 x 91 mmhg. O p-value obtido entre os valores de pressão arterial apresentados pela paciente foi igual a 0,0133, isto é, o p- value da mesma foi inferior a 0,05, indicando que a redução entre os valores médios, inicial e final, de pressão arterial, apresentou significância estatística. Os resultados da intervenção mostraram uma melhora de +12% na PAS e +6% na PAD. 2.7 Prognóstico do caso Apesar dos dados obtidos serem positivos, foi demonstrado que nossa intervenção não se mostrava duradoura, pois dia após dia a paciente em questão apresentava novos picos hipertensivos. Ainda assim, a intervenção possibilitava uma intervenção fisioterapeutica através de exercícios aeróbicos monitorados, pois tinha a capacidade de reduzir a PA da paciente a valores de segurança propostos pela literatura.

10 3 CONCLUSÃO DA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA Baseado no nosso objetivo principal de trazer conforto à paciente de forma imediata, podemos afirmar, que nossa conduta foi bem sucedida. Mas também devemos ponderar que a mesma, não seria bem sucedida se tivesse como objetivo estabilizar a PA da paciente no decorrer de um dia, ou em longo prazo, posto que a mesma apresentava novos picos hipertensivos diariamente. Para melhora geral da mesma seria necessária uma intervenção fisioterapeutica mais completa, com a prática de exercícios aeróbicos regulares, e devidamente monitorizados, o qual não era nosso objetivo, pois a mesma não disponha da vontade ou interesse de realizar tal conduta.

11 4 REFERÊNCIAS BENTLEY, Eilean. O livro essencial de massagem. Barueri, SP: Manole, BRAUNWALD, Eugene; WOOD, Elizabeth C. Tratado de medicina cardiovascular. v.2, 6. ed. São Paulo: Roca, COSTANZO, Linda S. Fisiologia. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, DE DOMENICO, Giovanni; WOOD, Elizabeth. Técnicas de massagem de Beard. 4. ed. São Paulo: Manole, DIOGUARDI, Giuseppe s et al. Hipertensão Arterial e Esportes. Revista social cardiologia, São Paulo, v. 15, n. 3, p , mai./jun FRITZ, Sandy. Fundamentos da massagem terapêutica. 2. ed. São Paulo: Manole, GREENMAN, Philip E. Principles of manual medicine. 2. ed. São Paulo: Manole, HALL, Nicola M. Reflexologia: Um método para melhorar a saúde. 2. ed. São Paulo: Pensamento, HOLLIS, Margaret. Massagem na fisioterapia. 2. ed. São Paulo: Santos, IRIGOYEN, Maria Cláudia et al. Fisiopatologia da Hipertensão: O que avançamos. Revista social de cardiologia, São Paulo, v 13, n. 1, p , jan/fev JARMEY, Chris; MOJAY, Gabriel. Shiatsu. 3. ed. São Paulo: Pensamento, KENYON, Julian. Acupressão ao alcance de todos. São Paulo: Mandarim, 1999.

12 LEDERMAN, Eyal. Fundamentos da terapia manual. São Paulo: Manole, NAMIKOSHI, Toru. O livro completo da terapia shiatsu. São Paulo: Manole, TEIXEIRA, José Antônio Caldas. Hipertensão arterial sistêmica e atividade física. Revista SOCERJ, Rio de Janeiro, v. 13, n. 4, p , out/nov/dez POLLOCK, Michael L; SCHMIDT, Donald H. Doença cardíaca e reabilitação. 3. ed. Rio de Janeiro: Revinter, UMEDA, Iracema I. K. Manual de fisioterapia na reabilitação cardiovascular. Baruerí, SP: Manole, 2005.

O TAMANHO DO PROBLEMA

O TAMANHO DO PROBLEMA FÍSICA MÉDICA O TAMANHO DO PROBLEMA Quantos hipertensos existem no Brasil? Estimativa de Prevalência de Hipertensão Arterial (1998) 13 milhões se considerar cifras de PA > 160 e/ou 95 mmhg 30 milhões

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

hipertensão arterial

hipertensão arterial hipertensão arterial Quem tem mais risco de ficar hipertenso? Quais são as consequências da Hipertensão Arterial? quem tem familiares Se a HTA» hipertensos não for controlada, causa lesões em diferentes

Leia mais

Saiba mais sobre. Hipertensão

Saiba mais sobre. Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Saiba mais sobre Hipertensão Dr. Marcus Vinícius Bolívar Malachias CRM-MG 16.454 Doutor em Cardiologia pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, SP. Diretor

Leia mais

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano

Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano Educação Física 1.ª etapa- 9. o ano CONHECENDO MEU CORPO DURANTE O EXERCÍCIO DESCUBRA PORQUE É TÃO IMPORTANTE ACOMPANHAR OS BATIMENTOS CARDÍACOS ENQUANTO VOCÊ SE EXERCITA E APRENDA A CALCULAR SUA FREQUÊNCIA

Leia mais

Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) Padrão

Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) Padrão Av. Paulista, 9 cj 16 CEP 1311-91 - São Paulo - SP Tels: (11) 3141-11 Fax: 3141-37 Relatório de Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial (M.A.P.A.) 1 - Dados do Exame Nº do Exame Data de Instalação:

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica;

- CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR. 3) ANATOMIA DO CORAÇÃO HUMANO - O coração é um órgão oco localizado no meio do peito, na cavidade torácica; - CAPÍTULO 3 - O SISTEMA CARDIOVASCULAR 1) FUNÇÕES DO SISTEMA CARDIOVASCULAR - Propulsão do sangue por todo o organismo; - Transporte de substâncias como o oxigênio (O 2 ), dióxido de carbono ou gás carbônico

Leia mais

INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA. Profª. Juliana Delatim Simonato Rocha Lab. de Ecofisiologia Animal LEFA - CIF/CCB

INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA. Profª. Juliana Delatim Simonato Rocha Lab. de Ecofisiologia Animal LEFA - CIF/CCB INTRODUÇÃO À FISIOLOGIA Profª. Juliana Delatim Simonato Rocha Lab. de Ecofisiologia Animal LEFA - CIF/CCB 1 Fisiologia é... Literalmente... Conhecimento da natureza O estudo do funcionamento dos organismos

Leia mais

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro

CORAÇÃO. Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Trabalho Elaborado por: Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro Trabalho Elaborado por: Na Saúde combata...os inimigos silenciosos! Ana Cristina Pinheiro Mário Quintaneiro CORAÇÃO Olá! Eu sou o seu coração, trabalho dia e noite sem parar, sem descanso semanal ou férias.

Leia mais

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE FISIOTERAPIA

FACULDADE SANTA TEREZINHA CEST COORDENAÇÃO DO CURSO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO DADOS DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME CH TOTAL PERÍODO HORÁRIO 0395 Recursos Terapeuticos Manuais PROFESSOR (ES) Profa. Esp. Maria da Consolação Rios da Silva 60 h T-40 h/p-20 h 4º MATUTINO EMENTA:

Leia mais

Semiologia Cardiovascular. B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico. Por Gustavo Amarante

Semiologia Cardiovascular. B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico. Por Gustavo Amarante Semiologia Cardiovascular B3, B4, Cliques, Estalidos e Atrito Pericárdico Por Gustavo Amarante 1 Bulhas Acessórias (B3 e B4) A) Revisão do Ciclo Cardíaco e Posição das Bulhas Para entender as bulhas acessórias,

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara

Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular. Helena Santa-Clara Efeitos do exercício cio na fisiologia cardiovascular Helena Santa-Clara Conteúdos Adaptações agudas e crónicas ao exercício Frequência cardíaca Volume sistólico e fracção de ejecção Débito cardíaco Pressão

Leia mais

Prof. Me. Leandro Parussolo

Prof. Me. Leandro Parussolo HISTOFISIOLOGIA ANIMAL AULA - SISTEMA CARDIOVASCULAR Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA CARDIOVASCULAR INTRODUÇÃO A função da circulação é realizada pelo sistema cardiovascular sistema vascular sanguíneo

Leia mais

Técnica de aferição da pressão arterial

Técnica de aferição da pressão arterial Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Sub-Secretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Gerência do Programa de Hipertensão Técnica de aferição da pressão arterial O esfigmomanômetro

Leia mais

Bulhas e Sopros Cardíacos

Bulhas e Sopros Cardíacos O conceito de pressão máxima e pressão mínima Quando se registra uma pressão de 120 mmhg por 80 mmhg, indica-se que a pressão sistólica é de 120 mmhg e a pressão diastólica é de 80 mmhg, ou seja, que estas

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

Hipert r en e são ã A rteri r a i l

Hipert r en e são ã A rteri r a i l Hipertensão Arterial O que é a Pressão Arterial? Coração Bombeia sangue Orgãos do corpo O sangue é levado pelas artérias Fornece oxigénio e nutrientes Quando o sangue é bombeado gera uma pressão nas paredes

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Texto de apoio ao professor T3 Nesta aula irá estudar-de o ciclo cardíaco (diástole, sístole, pressão sanguínea e arterial) e os meios utilizados para o diagnóstico e prevenção de anomalias que possam

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL

DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL DOENÇAS CARDÍACAS NA INSUFICIÊNCIA RENAL As doenças do coração são muito freqüentes em pacientes com insuficiência renal. Assim, um cuidado especial deve ser tomado, principalmente, na prevenção e no controle

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração

Sistema circulatório. Componentes: - Vasos sanguíneos. - Sangue (elementos figurados e plasma) - Coração Fisiologia Humana Sistema circulatório Componentes: - Sangue (elementos figurados e plasma) - Vasos sanguíneos - Coração Vasos sanguíneos Artérias Vasos com paredes espessas e elásticas por onde circula

Leia mais

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg

Hemodinâmica. Cardiovascular. Fisiologia. Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fonte: http://images.sciencedaily.com/2008/02/080226104403-large.jpg Fisiologia Cardiovascular Hemodinâmica Introdução O sistema circulatório apresenta várias funções integrativas e de coordenação: Função

Leia mais

TÍTULO: ALTERACOES CARDIACAS EM DEPENDENTES QUIMICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

TÍTULO: ALTERACOES CARDIACAS EM DEPENDENTES QUIMICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM TÍTULO: ALTERACOES CARDIACAS EM DEPENDENTES QUIMICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE BAURU AUTOR(ES): ELAINE CORREA MARCILIANO,

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DA NOVA CRÂNEO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA: RELATO DE CASO

OS BENEFÍCIOS DA NOVA CRÂNEO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA: RELATO DE CASO ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 OS BENEFÍCIOS DA NOVA CRÂNEO ACUPUNTURA DE YAMAMOTO NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA: RELATO

Leia mais

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE

PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE PRINCÍPIOS GERAIS DA HEMODINÂMICA: FLUXO SANGUÍNEO E SEU CONTROLE Hemodinâmica = princípios que governam o fluxo sanguíneo, no sistema cardiovascular. Fluxo, Pressão, resistência e capacitância*: do fluxo

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

APLICADO AO EXERCÍCIO

APLICADO AO EXERCÍCIO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DEPARTAMENTO DE HISTOLOGIA E EMBRIOLOGIA LABORATÓRIO DE METABOLISMO DE LIPÍDEOS SISTEMA CARDIORRESPIRATÓRIO APLICADO AO EXERCÍCIO Prof. Dr: Luiz

Leia mais

A hipertensão arterial é comum?

A hipertensão arterial é comum? Introdução A hipertensão arterial é comum? Se tem mais de 30 anos e não se lembra da última vez em que verificou a sua tensão arterial, pode pertencer aos dois milhões de pessoas neste país com hipertensão

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA NO PÓS-OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO: UMA PERSPECTIVA BIBLIOGRÁFICA INTRODUÇÃO Antonio Quaresma de Melo Neto NOVAFAPI Marcos Maciel Soares e Silva NOVAFAPI Marcelo

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES

FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES FISIOPATOLOGIA DA INSUFICIÊNCIA CARDÍACA EM CÃES BAZAN, Christovam Tabox MONTEIRO, Maria Eduarda Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária De Garça - FAMED BISSOLI, Ednilse Galego Docente da Faculdade

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

CORPO MOVIMENTO; SISTEMA NERVOSO; SISTEMA CARDIORESPIRATÓRIO; SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO. SISTEMA ENDÓCRINO

CORPO MOVIMENTO; SISTEMA NERVOSO; SISTEMA CARDIORESPIRATÓRIO; SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO. SISTEMA ENDÓCRINO CORPO X MACONHA CORPO MOVIMENTO; SISTEMA NERVOSO; SISTEMA CARDIORESPIRATÓRIO; SISTEMA MUSCULOESQUELÉTICO. SISTEMA ENDÓCRINO CORPO - MOVIMENTO CORPO - MOVIMENTO Movimentos estão presentes em todas as atividades

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício

Adaptações Cardiovasculares da Gestante ao Exercício Desde as décadas de 60 e 70 o exercício promove Aumento do volume sanguíneo Aumento do volume cardíaco e suas câmaras Aumento do volume sistólico Aumento do débito cardíaco que pode ser alcançado Aumento

Leia mais

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea

6/1/2014 DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO. Perfusão sanguínea DEFINIÇÃO CHOQUE CARDIOGÊNICO Lilian Caram Petrus, MV, Msc Equipe Pet Cor de Cardiologia Doutoranda FMVZ-USP Vice- Presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia Veterinária Estado de baixa perfusão

Leia mais

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes

Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Programa Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) Campanha de Prevenção e Controle de Hipertensão e Diabetes Objetivos: - Desenvolver uma visão biopsicossocial integrada ao ambiente de trabalho, considerando

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

Turmas 1 e 2 2T Aula introdutória. 13:30 às 15:10 29/02/2012 Prático: Turmas 1 e 2 2P Organização de grupos para seminários

Turmas 1 e 2 2T Aula introdutória. 13:30 às 15:10 29/02/2012 Prático: Turmas 1 e 2 2P Organização de grupos para seminários Estrutura e Função de Tecidos e Órgãos II (CBI 706) Cronograma do módulo Fisiologia do Sistema Cardiovascular Medicina 2012 Prof. Dr. Mauro César Isoldi Primeira semana 2T Aula introdutória 29/02/2012

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Coração saudável Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Qual a importância da doença cardiovascular? Milhões de Mortes* Mortalidade por doenças cardiovasculares em 1990 e 2020 Países desenvolvidos

Leia mais

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL.

IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. IDOSOS COM HIPERTENSÃO: CARACTERÍSTICAS EPIDEMIOLÓGICAS NO MUNICIPIO DE FOZ DO IGUAÇU, PARANÁ, BRASIL. Paulo Sergio Lemke (Apresentador) 1, Marcos Augusto Moraes Arcoverde (Orientado) 2 Curso de Enfermagem

Leia mais

AGENDA. Considerações sobre a Dor do Parto Técnicas para alívio da dor

AGENDA. Considerações sobre a Dor do Parto Técnicas para alívio da dor MÉTODOS NÃO FARMACOLÓGICOS PARA ALÍVIO DA DOR NO TRABALHO DE PARTO Thayssa Rocha Humanização do Parto e Nascimento ENAM 2008 20/05/2008 AGENDA Considerações sobre a Dor do Parto Técnicas para alívio da

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Estenose Mitral. Definição e Etiologia

Estenose Mitral. Definição e Etiologia Estenose Mitral Definição e Etiologia A estenose da válvula mitral é um estreitamento da abertura da válvula mitral que aumenta a resistência ao fluxo da corrente sanguínea do átrio esquerdo para o ventrículo

Leia mais

Doenças do Sistema Circulatório

Doenças do Sistema Circulatório Doenças do Sistema Circulatório Dados Mundiais: Mortes por grupos de causas - 2000 Total de Mortes: 55.694.000 Causas Externas ( 9.1%) Doenças Não Transmissíveis (59.0%) Doenças transmissíveis, mortalidade

Leia mais

A FUNÇÃO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM IDOSOS

A FUNÇÃO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM IDOSOS A FUNÇÃO DO EXERCÍCIO FÍSICO NA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM IDOSOS RESUMO Bianca Teshima de Alencar 1 Giseli Negretti 1, Igor Alves Macedo 1, Santino Seabra Junior 1, Roberval Emerson Pizano 2. 1 Universidade

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças

Iremos apresentar alguns conselhos para o ajudar a prevenir estes factores de risco e portanto a evitar as doenças FACTORES DE RISCO Factores de risco de doença cardiovascular são condições cuja presença num dado indivíduo aumentam a possibilidade do seu aparecimento. Os mais importantes são o tabaco, a hipertensão

Leia mais

O QUE É a TENSÃO (PRESSÃO) ARTERIAL. RISCOS da HIPERTENSÃO ARTERIAL. CAUSAS da HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL ESSENCIAL

O QUE É a TENSÃO (PRESSÃO) ARTERIAL. RISCOS da HIPERTENSÃO ARTERIAL. CAUSAS da HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL ESSENCIAL O QUE É a TENSÃO (PRESSÃO) ARTERIAL RISCOS da HIPERTENSÃO ARTERIAL CAUSAS da HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL ESSENCIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL SECUNDÁRIA DETECÇÃO e CONTROLO da HIPERTENSÃO ARTERIAL

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal Semiologia Abordagem ao paciente cardiopata Ivan da Costa Barros Pedro Gemal DESAFIO!! 2011 Universidade Federal Fluminense 1. Paciente idoso procura PS à noite queixando- se de falta de ar, taquicárdico

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal

Participar em estudos de investigação científica é contribuir para o conhecimento e melhoria dos serviços de saúde em Portugal FO L H E TO F EC H A D O : FO R M ATO D L ( 2 2 0 x 1 1 0 m m ) FO L H E TO : C A PA Departamento de Epidemiologia Clínica, Medicina Preditiva e Saúde Pública Faculdade de Medicina da Universidade do Porto

Leia mais

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias

Fisiologia Geral. Biofísica da Circulação: artérias Fisiologia Geral Biofísica da Circulação: O ciclo cardíaco; Interconversão de energias nas artérias SISTEMA CARDIOVASCULAR Sistema de ductos fechados com uma bomba hidráulica: O coração. Artérias: vasos

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular

05/10/2013 SISTEMA CIRCULATÓRIO. Evolução do sistema circulatório. Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular SISTEMA CIRCULATÓRIO Prof.Msc.MoisésMendes professormoises300@hotmail.com www.moisesmendes.com Fisiologia do Sistema Circulatório ou Cardiovascular Esse sistema é constituído por um fluido circulante (o

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM RESSONÂNCIA E TOMOGRAFIA CARDIOVASCULAR Coordenadores: Drs. Clerio Azevedo e Marcelo Hadlich 1. Objetivos do Programa Proporcionar, aos pós-graduandos, formação especializada

Leia mais

PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA

PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA 1363 PRODUÇÃO DO CUIDADO EM SAÚDE BUCAL AOS USUÁRIOS PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL NO PSF EM FEIRA DE SANTANA-BA Laís Ramos Queiroz¹; Erenilde Marques de Cerqueira² 1. Bolsista PROBIC, Graduanda em

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS

VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS Página Responsáveis Preparado por: Enfermeiros Analisado por: Serviço de Enfermagem Aprovado por: DAS. Objetivos. Aplicação Padronizar as técnicas de avaliação dos Sinais Vitais a fim de otimizar o serviço

Leia mais

8ª série / 9º ano U. E. 14. Sistema nervoso

8ª série / 9º ano U. E. 14. Sistema nervoso 8ª série / 9º ano U. E. 14 Sistema nervoso O cérebro, a medula e os nervos são os principais órgãos que formam o sistema nervoso. As informações que chegam ao cérebro são respondidas com estímulos que

Leia mais

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE

SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE SENADO FEDERAL PRESSÃO CONTROLADA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Pressão controlada apresentação Chamada popularmente de pressão alta, a hipertensão é grave por dois motivos: não apresenta sintomas, ou seja,

Leia mais

A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO RESUMO

A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO RESUMO A INTERVENÇÃO DA FISIOTERAPIA NA QUALIDADE DE VIDA DE MULHERES NO CLIMATÉRIO Bruna de Moraes Perseguim - bruna_kimi@yahoo.com.br Fernanda Aline de Alencar - fernandinha24_aline@hotmail.com Ana Cláudia

Leia mais

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015

RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 RESOLUÇÃO No- 454, DE 25 DE ABRIL DE 2015 Reconhece e disciplina a Especialidade Profissional de Fisioterapia Cardiovascular. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (COFFITO),

Leia mais

Professor: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES. Prof: João Paulo

Professor: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES. Prof: João Paulo ALGUNS PROBLEMAS CARDIOVASCULARES Prof: João Paulo SOPRO NO CORAÇÃO É uma alteração no fluxo do sangue dentro do coração, provocada por problemas em uma ou mais válvulas cardíacas ou por lesões nas paredes

Leia mais

Professora: Patrícia Ceolin

Professora: Patrícia Ceolin Professora: Patrícia Ceolin DIVISÃO FUNCIONAL DO SN: Sistema nervoso visceral: PORQUE AS INERVAÇÕES DAS ESTRUTURAS VISCERAIS É IMPORTANTE??? Para que aconteça uma integração da atividade das vísceras na

Leia mais

HIPERTENSÃO O QUE É ISSO?

HIPERTENSÃO O QUE É ISSO? AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 HIPERTENSÃO O QUE É ISSO? Carlos Alberto Machado O TAMANHO do problema Mortes por grupos de causas OMS Regiões 2000 75 50 % 25

Leia mais

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR)

HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (SERVIÇO DE CARDIOLOGIA E CIRURGIA CARDIOVASCULAR) REVISÃO DE DOENÇA DE ARTÉRIA CORONÁRIA Seu coração é uma bomba muscular poderosa. Ele é

Leia mais

MEDITAÇÃO : FUNDAMENTOS CIENTÍFICOS PROF. DR. JAIR SANTOS

MEDITAÇÃO : FUNDAMENTOS CIENTÍFICOS PROF. DR. JAIR SANTOS Prof. Jair Santos MEDITAÇÃO : FUNDAMENTOS CIENTÍFICOS PROF. DR. JAIR SANTOS Prof. Jair Santos 2 INTRODUÇÃO Newberg(2003): a meditação induz mudanças na cognição, percepção sensorial, afetos, atividade

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico

INTERATIVIDADE FINAL EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Conteúdo: Sistema cardiovascular no exercício físico Habilidades: Entender o sistema cardiovascular com a prática de atividades físicas. REVISÃO A Importância do sistema Muscular e a relação do mesmo com

Leia mais

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita

Arritmias Cardíacas e Morte Súbita Arritmias Cardíacas e Morte Súbita SOBRAC Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas www.sobrac.org (Marco Paulo Tomaz Barbosa) Qual o órgão mais importante do corpo humano? Claro que EU sou o mais Importante!!!

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ANÁLISE DO RISCO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA EM GRUPO DE TERCEIRA IDADE DUTRA, Janaína Ultado 1 ; SILVA, Luana Aparecida Alves da 2 ; EBERHARDT, Thaís Dresch 3 ; CAVALHEIRI, Jolana Cristina 3 ; SOUZA,

Leia mais

CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA

CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA A CIA consiste num tipo de cardiopatia congénita do tipo não cianótica, em que há um defeito do septo inter-auricular originando uma comunicação anómala que proporciona a passagem

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 9: Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sensorial Motor Somático Autônomo Glândulas,

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

O desafio de deixar de fumar

O desafio de deixar de fumar O desafio de deixar de fumar O uso do cigarro tem como objetivo a busca por efeitos prazerosos desencadeados pela nicotina, melhora ime - diata do raciocínio e do humor, diminuição da ansiedade e ajuda

Leia mais

Coração. O Exame Físico do Coração. Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes CONSIDERAÇÕES GERAIS

Coração. O Exame Físico do Coração. Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes CONSIDERAÇÕES GERAIS CARDIOVASCULAR Coração Dr. Carlos Caron e Dr. Ivan Paredes O Exame Físico do Coração Neste módulo estudaremos o exame físico do sistema cardiovascular, estabelecendo relações com a fisiologia, anatomia

Leia mais

COMPARAÇÃO DE PRESSÃO ARTERIAL BILATERAL NA POSTURA DE SEDESTAÇÃO EM ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DO UNISALESIANO LINS

COMPARAÇÃO DE PRESSÃO ARTERIAL BILATERAL NA POSTURA DE SEDESTAÇÃO EM ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DO UNISALESIANO LINS COMPARAÇÃO DE ARTERIAL BILATERAL NA POSTURA DE SEDESTAÇÃO EM ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DO UNISALESIANO LINS COMPARISON OF BILATERAL BLOOD PRESSURE IN THE SITTING POSITION POSTURE IN PHYSIOTHERAPY

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL

HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL HIPERTENSÃO ARTERIAL A pressão arterial VARIA de batimento a batimento do coração, ajustando-se às atividades desenvolvidas ao longo do dia. Tais variações são fisiológicas e imperceptíveis,

Leia mais

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda.

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO BENICAR olmesartana medoxomila APRESENTAÇÕES Benicar é apresentado em embalagens com 10 ou 30 comprimidos revestidos de olmesartana medoxomila nas concentrações de 20 mg ou

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SIMPÓSIO APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO EM CRIANÇAS Itapeva São Paulo Brasil ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg

olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg olmesartana medoxomila Comprimido revestido - 20 mg Comprimido revestido - 40 mg BULA PARA PACIENTE Bula de acordo com a Resolução-RDC nº 47/2009 olmesartana medoxomila Medicamento genérico Lei nº 9.787,

Leia mais