Criar/modificar controles. Criar/modificar Controle de destino para NM. Criar/modificar controle de bloco. LLamada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Criar/modificar controles. Criar/modificar Controle de destino para NM. Criar/modificar controle de bloco. LLamada"

Transcrição

1 Manejar Monitoração de Grupo de Juntores (TKG) A tarefa Esta tarefa permite ao usuário estabelecer a monitoração de grupos de enlaces visando o gerenciamento de rede. Uma visão geral da tarefa de gerenciamento de rede é mostrada na figura inferior, a qual mostra que esta tarefa está relacionada com a monitoração dos resultados finais da gerenciamento de rede sobre enlaces. O resultado desta monitoração é utilizado para controle dinâmico semiautomático dos controles de gerenciamento de rede, assim como para oferecer informações essenciais ao operador Criar/modificar Controle de destino para NM TP(O)2A5 Criar/modificar controle de bloco de rotas para NM TP(O)2A6 Criar/modificar controle TRM para NM TP(O)2A4 LLamada Criar/modificar controles de categoria de tráfego para NM TP(O)2C3 Tratamento da monitoração de grupo de enlaces bloco de código CANARTG CANTO para conseguir TARTG CANFROM o descongestionamento TARTGCG SKIP em ca- ANNM so de problema CRO* com chamadas por tráfego explosivo * não aplicável para CONTROLES DE GERENCIAMENTO DE REDEalguns projetos CANTO CANFROM SKIP ANNM CRO* RESV SCR CRR CG ACC Tratamento do Análise de Congestionamento de Máquina TP(O)2A3 Apresentação de Dados NM DP DESDE A Centrais Adjacentes O Fundamental A observação dos grupos de enlaces mostra ser de especial importância na hora de tomar decisões para a boa manutenção da rede. A lista de indicadores pode ser alterada por meio de comandos ORJ, do mesmo modo, também são definidos por comando os limiares dos indicadores implicados. DOCC: MMCC: WN8HF BHFA TNMS Ed / 10

2 Manejar Monitoração de Grupo de Juntores (TKG) O operador tem a sua disposição os seguintes indicadores para todos os grupos de enlaces em observação: D disponibilidade D ocupação D baixa ocupação (LOCC: utilizado para detectar grupos de enlaces sub dimensionados) D tempo médio de conversação (ACT) D tempo médio de retenção (AHT) D taxa média de respostas (ABR: só é calculada para tráfego originado e a parte OG dos grupos de enlaces) D taxa de oferta de respostas (ASR) D transbordamento de grupos de enlaces (TOF: só é calculado para OG e parte OG dos grupos de enlaces) D taxa de tomada instantânea de ocupação (BFS: só é calculada para OG e parte OG dos grupos de enlaces) D ofertas por circuito por hora (BCH: só são calculadas para OG e parte OG dos grupos de enlaces). D tomadas por circuito por hora (SCH) Os valores de esterese por default estão definidos para todos os tipos de monitoração. Um valor de esterese é utilizado para detectar o estado dos indicadores de um grupo de enlaces. Disponibilidade Para a disponibilidade: há três limiares por grupo de enlaces em tantos por cento, (quer dizer, independentes do tamanho absoluto do grupo). Estes são: D Não urgente D Urgente D Crítico A seguinte regra é aplicada aos limiares de disponibilidade: D NÃO URGENTE O limiar não urgente é maior ou igual ao urgente, o urgente é maior ou igual ao crítico. Tem dois níveis de alarme: D URGENTE grupos de enlaces nos quais a porcentagem de disponibilidade é menor que o limiar não urgente; grupos de enlaces nos quais a porcentagem de disponibilidade está, pela primeira vez, entre os níveis urgente e crítico (em todo, ou em parte, do período de medidas). D CRÍTICO em grupos de enlaces nos quais foi excedido o nível crítico; em grupos de enlaces nos quais a porcentagem de disponibilidade permanece por um tempo abaixo do nível urgente (durante 2 ou mais períodos de medida, no todo ou em parte). Um nível de alarme finaliza quando a disponibilidade é maior que o limiar correspondente, mais um limiar de esterese, (cujo valor pode ser definido). Para estes limiares são definidos valores por default, porém é possível definir limiares para um grupo de enlaces específico. 2 / BHFA TNMS Ed. 04

3 Manejar Monitoração de Grupo de Juntores (TKG) Ocupação Em ocupação há dois limiares, cujo valor pode ser definido, chamados: D Não urgente (alta ocupação) D Urgente (muito alta ocupação) Regras de aplicação aos limiares de ocupação: D Limiar urgente (muito alta ocupação) > ou = limiar não urgente (alta ocupação) Há definidos dois níveis de alarme de ocupação de grupos de enlaces: D NÃO URGENTE grupos de enlaces nos quais a porcentagem de ocupação excede o limiar de não urgência (alta ocupação), porém que não excede o limiar de urgência (muito alta ocupação). D URGENTE grupos de enlaces nos quais a porcentagem de ocupação excede o limiar de urgência (muito alta ocupação). O nível de alarme desaparece quando o nível de ocupação é menor que o correspondente limiar, menos o limiar de esterese, definível, de ocupação. Para estes limiares são definidos valores por default, porém é possível definir limiares para um grupo de enlaces específico. Outros indicadores No resto dos indicadores foi definido um só limiar. Há um valor por default para todos os limiares definíveis que pode variar para um grupo concreto de enlaces. O valor por default da esterese está definido para todos os tipos de indicadores. É utilizado para determinar se um grupo de enlaces saiu de sua condição de alarme, ou não. Outros limiares D para o indicador LOCC: número mínimo de tentativas de chamada por TKG. D para o indicador ASR: número mínimo de tomadas por TKG. D para o indicador ABR: número mínimo de ofertas por TKG. É ativado um indicador em um TKG sob observação quando: D as medidas OCC estão abaixo do limiar LOCC e o número total de tentativas de chamada na central excede um limiar definível. D a medida ACT/AHT é menor que o limiar ACT/AHT. D a medida ASR/ABR é menor que o limiar, definível, ASR/ABR. D a medida TOF/BFS é maior que o limiar, definível, TOF/BFS. D a medida BCH/SCH é mais alta que o limiar, definível, BCH/SCH. É desativado o indicador em um TKG posto em observação quando: D a medida do limiar OCC excede o limiar LOCC mais o limiar de esterese, definível, LOCC. D o número total de tentativas de chamada na central está a baixo de um limiar definível. D a medida ACT/AHT é maior que o limiar ACT/AHT mais o limiar de esterese, definível, ACT/AHT D a medida ASR/ABR é maior que o limiar, definível, ASR/ABR mais o limiar de esterese, definível, ASR/ABR D a medida TOF/BFS é menor que o limiar, definível, TOF/BFS menos o limiar de esterese, definível, TOF/BFS D a medida BCH/SCH é menor que o limiar, definível, BCH/SCH menos o limiar de esterese, definível, BCH/SCH BHFA TNMS Ed / 10

4 Manejar Monitoração de Grupo de Juntores (TKG) estado dos grupos de enlaces Um grupo de enlaces está em estado de alarme quando: D a porcentagem de disponibilidade está abaixo do limiar de disponibilidade D a porcentagem de ocupação excede o limiar de alta ocupação D a porcentagem de ocupação está abaixo do limiar de baixa ocupação D a média do tempo de conversação está a baixo do limiar da média do tempo de conversação D a média do tempo de retenção está abaixo do limiar da média de tempo de retenção D a taxa de tomada de resposta está abaixo do limiar da taxa de tomada de resposta D a taxa de oferta de resposta está abaixo do limiar da taxa de oferta de resposta D a porcentagem de transbordamento excede o limiar da porcentagem de transbordamento D a taxa de tomada instantânea de ocupação está abaixo do limiar da taxa de tomada instantânea de ocupação D as ofertas por circuito por hora excedem o limiar da taxa BCH D as tomadas por circuito por hora excedem o limiar da taxa SCH D a taxa de alarme de supervisão está a baixo do limiar de alarme de supervisão Informe de alarme (para todos os indicadores) Como opção, é possível enviar um informe que ative um alarme, urgente ou não urgente, (uma lâmpada / um timbre). Este informe segue os mesmos procedimentos que o resto de informes de alarme. O alarme urgente irá precedido de três asteriscos (***), o não urgente de dois (**). O ligar da lâmpada correspondente é tratado por dados. Só é gerado o alarme quando é recebida pela primeira vez a passagem para estado de alarme em um grupo de enlaces. Isto significa que na primeira vez será enviado o informe de alarme junto com o informe de estado (que contem o número do grupo de enlaces), ainda que haja novos grupos de enlaces em alarme. Pelo contrário, ao final de cada período de medidas, é enviado um informe de estado com todos os grupos de enlaces que estão em estado de alarme e também aqueles nos quais foi recuperado o nível de serviço. Só cessará o alarme quando o último grupo de enlaces houver saído do estado de alarme. Se os grupos de enlaces que estão em estado de alarme são retirados da observação, e não há mais grupos de enlaces em estado de alarme (porque não estão em observação ou porque estão entre os limiares), o alarme cessa automaticamente. Pelo contrário, ao final de cada período de medidas, é enviado um informe de estado com todos os grupos de enlaces que tenham ao menos um indicador ativado, e também todos os grupos de enlaces com todos os indicadores desativados. Um alarme particular para um grupo de enlaces, (por exemplo disponibilidade) cessa quando o indicador do último grupo de enlaces for desativado também. Nota Mais informações a respeito do Controle TRM para NM podem ser encontradas no TP(O)2A4. Nota Mais informações a respeito do Controle de Destino para NM podem ser encontradas no TP(O)2A5. Nota Mais informações a respeito do Controle de Blocos de Rotas para NM podem ser encontradas no TP(O)2A6. Nota Mais informações a respeito da Análise de Congestionamento podem ser encontradas no TP(O)2A3. 4 / BHFA TNMS Ed. 04

5 Manejar Monitoração de Grupo de Juntores (TKG) Como atuar... A tarefa oferece a seguinte sequência de opções : D Visualizar grupos de enlaces (TKGs) em observação e ativá-los ou desativá-los D Visualizar os limiares atribuídos e por default e modificá-los, assim como os de esterese D Visualizar alarmes de monitoração de enlaces, habilitá-los/desabilitá-los e modificar os níveis de alarmes D Criar baixa solicitação informes de monitoração de enlaces e visualizar e modificar os tipos de informes D Visualizar e modificar o período de monitoração de enlaces. Restrições Nenhuma. Ferramentas DP DP DP DP DP DP DP DP CREATE-NM-OD Criar informe sob demanda para Gestão de Rede MODIFY-OBSERV-LIST Modificar Lista de Observação de TKG - Grupos de Juntores DISPLAY-OBSERV-LIST Exibir Lista de Observação de TKG - Grupos de Juntores DISPLAY-THRESHLD Exibir limiares de monitoração de juntores MODIFY-THRESHLD Modificar limiares de monitoração de juntores TKG-ALARM-LEVEL Modificar parâmetros de alarme de monitoração de juntores ASSIGN-NM-TIME Atribuir programação para Gestão de Rede ASSIGN-NM-REPORT Atribuir informe de Gerência de Rede BHFA TNMS Ed / 10

6 Manejar Monitoração de Grupo de Juntores (TKG) ProcedimentoPrincipalrincipal 1 Deseja alterar a lista de observação do grupo de enlaces? Sim : Ir para o passo 2, Não : Ir para o passo 6; 2 Deseja visualizar a lista dos grupos de enlaces em observação? Sim : Ir para o passo 3, Não : Ir para o passo 4; 3 Executar o comando CRN : DISPLAY-OBSERV-LIST, visualizar lista de observação, Visualizar entre um a quatro TKGs, ou todos; 4 Deseja adicionar ou suprimir grupos de enlaces da lista de observação? Sim : Ir para o passo 5, Não : Ir para o passo 6; 5 Executar o comando CRN : MODIFY-OBSERV-LIST, modificar a lista de observação, Activar/Desativar a observação de um a quatro TKGs; 6 Deseja alterar os limiares atribuídos aos grupos de enlaces? Sim : Ir para o passo 7, Não : Ir para o passo 15; 7 Deseja visualizar os limiares atribuídos aos grupos de enlaces? Sim : Ir para o passo 8, Não : Ir para o passo 9; 8 Executar o comando CRN : DISPLAY-THRESHLD, visualizar os limiares de monitoração de enlaces, Visualizar os limiares de entre um e quatro TKGs, ou todos (especificar o parâmetro TKGID); 6 / BHFA TNMS Ed. 04

7 Manejar Monitoração de Grupo de Juntores (TKG) 9 Deseja visualizar os limiares por default? Sim : Ir para o passo 10, Não : Ir para o passo 11; 10 Executar o comando CRN : DISPLAY-THRESHLD, visualizar os limiares de monitoração de enlaces, Visualizar os limiares por default (especificar o parâmetro DEFAULT); 11 Deseja alterar os limiares atribuídos a um particular grupo de enlaces? Sim : Ir para o passo 12, Não : Ir para o passo 13; 12 Executar o comando CRN : MODIFY-THRESHLD, modificar os limiares de monitoração de enlaces, Modificar os limiares para até quatro TKGs (*1); 13 Deseja alterar os limiares por default ou de esterese? Sim : Ir para o passo 14, Não : Ir para o passo 15; 14 Executar o comando CRN : MODIFY-THRESHLD, modificar os limiares de monitoração de enlaces, Modificar os valores por default e/ou os de esterese (*1); 15 Deseja modificar o informe de alarme para os indicadores de monitoração (*2)? Sim : Ir para o passo 16, Não : Ir para o passo 22; 16 Deseja obter uma visão geral dos alarmes? Sim : Ir para o passo 17, Não : Ir para o passo 18; 17 Executar o comando CRN : TKG-ALARM-LEVEL, modificar os parâmetros de alarme da monitoração de enlaces, Visualizar os parâmetros de alarme ( especificar o parâmetro DISPLAY); BHFA TNMS Ed / 10

8 Manejar Monitoração de Grupo de Juntores (TKG) 18 Deseja habilitar ou suprimir alarmes? Sim : Ir para o passo 19, Não : Ir para o passo 20; 19 Executar o comando CRN : TKG-ALARM-LEVEL, modificar os parâmetros de alarme da monitoração de enlaces, Modificar os alarmes de monitoração de enlaces (especificar os parâmetros de alarme que se queira habilitar ou suprimir); 20 Deseja modificar o nível de alarmes para os indicadores? Sim : Ir para o passo 21, Não : Ir para o passo 22; 21 Executar o comando CRN : TKG-ALARM-LEVEL, modificar os parâmetros de alarme da monitoração de enlaces, Modificar o nível de alarmes de TKG (especificar o parâmetro ALMLEV e os que correspondam); 22 Deseja modificar o informe de estado do grupo de enlaces (*3)? Sim : Ir para o passo 23, Não : Ir para o passo 33; 23 Deseja visualizar o informe do último período medido de novo (igual que o informe de saída periódico)? Sim : Ir para o passo 24, Não : Ir para o passo 25; 24 Executar o comando CRN : CREATE-NM-OD, criar informe sob solicitação de gerenciamento de rede, Criar informe para a monitoração de enlaces; 25 Deseja obter a lista dos tipos de informe para gerenciamento de rede? Sim : Ir para o passo 26, Não : Ir para o passo 27; 8 / BHFA TNMS Ed. 04

9 Manejar Monitoração de Grupo de Juntores (TKG) 26 Executar o comando CRN : ASSIGN-NM-REPORT, atribuir informe de gerenciamento de rede, (especificar o parâmetro DISPLAY); 27 Deseja modificar o tipo de informe? Sim : Ir para o passo 28, Não : Ir para o passo 29; 28 Executar o comando CRN : ASSIGN-NM-REPORT, atribuir informe de gerenciamento de rede, (*4), 29 Deseja visualizar o período de monitoração? Sim : Ir para o passo 30, Não : Ir para o passo 31; 30 Executar o comando CRN : ASSIGN-NM-TIME, atribuir programação de gerenciamento de rede, Parâmetros: DISPLAY; 31 Deseja modificar o período de monitoração? Sim : Ir para o passo 32, Não : Ir para o passo 33; 32 Executar o comando CRN : ASSIGN-NM-TIME, atribuir programação de gerenciamento de rede, Parâmetros: NMFMM=TKMON, SCHED=<período de monitoração em minutos> (especificar só 5, 10 ou 15 minutos); 33 Fim de Tarefa BHFA TNMS Ed / 10

10 Manejar Monitoração de Grupo de Juntores (TKG) Apêndices Apêndice Significado Quando não se define um limiar para um TKG, são usados os valores default. Como opção, é possível enviar um informe que ative um alarme, urgente ou não urgente, (uma lâmpada / um timbre). Este informe segue os mesmos procedimentos que o resto de informes de alarme (ver a parte Função neste procedimento). O informe de estado TKG lista os grupos de enlaces em que, ao menos, há um indicador ativado. Só há um tipo de informe que contenha a todos os indicadores e taxas do grupo de enlaces especificado. É possível visualizar / modificar: G G G Informe de exceção Informe delta Não informe Também resulta possível a criação de informes sob demanda. Especificar os parâmetros: MODIFY, NMFMM=TKMON, REPTYPE=EXCEPT ou DELTA ou NONE. EXCEPT = DELTA = NONE = Informe de exceção: É gerado se foi ativado pelo menos um indicador. Informe de exceção delta: É gerado quando ao menos um indicador alterou o período de medidas. Não geram informes 10 / BHFA TNMS Ed. 04

As atividades dos diagramas de fluxo marcadas com um diamante ( ) estão explicadas no Apêndice.

As atividades dos diagramas de fluxo marcadas com um diamante ( ) estão explicadas no Apêndice. A tarefa Os canais de enlaces são agrupados em grupos de enlaces dependendo de suas características. Todos os enlaces pertencentes a um mesmo grupo de enlaces têm o mesmo : D destino: têm o mesmo ponto

Leia mais

Consideram-se os seguintes tipos de PABX s em que a forma de conexão de PABX com a central é exclusivamente mediante linhas analógicas:

Consideram-se os seguintes tipos de PABX s em que a forma de conexão de PABX com a central é exclusivamente mediante linhas analógicas: A Tarefa Um PABX (Central automática privada) é uma rede de comutação localizada em dependências de propriedade do cliente, que provê serviço a um número de ramais pertencentes a um grupo de assinantes

Leia mais

O propósito deste documento é orientar o operador na realização das tarefas relativas à gerência dos endereços de rede X25-PSM.

O propósito deste documento é orientar o operador na realização das tarefas relativas à gerência dos endereços de rede X25-PSM. Gerenciar Endereços de Rede TP(O)V07 Função O propósito deste documento é orientar o operador na realização das tarefas relativas à gerência dos endereços de rede X25-PSM. Observações Nesta área há dois

Leia mais

1 / 11 DOCC: MMCC: EUTCHF01. 215 16399 BHFA TNMS Ed. 01. document, use and communication of its contents

1 / 11 DOCC: MMCC: EUTCHF01. 215 16399 BHFA TNMS Ed. 01. document, use and communication of its contents A Tarefa Este procedimento permite ao operador instalar um serviço de uma rede inteligente (IN). Para executar esta operação, devem ser realizadas as seguintes tarefas: D criar um novo disparo e os dados

Leia mais

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI

Comm5 Tecnologia Manual de utilização da família MI. Manual de Utilização. Família MI Manual de Utilização Família MI ÍNDICE 1.0 COMO LIGAR O MÓDULO... pág 03 e 04 2.0 OBJETIVO... pág 05 3.0 COMO CONFIGURAR O MÓDULO MI... pág 06, 07, 08 e 09 4.0 COMO TESTAR A REDE... pág 10 5.0 COMO CONFIGURAR

Leia mais

Active Directory Windows 2000 Server

Active Directory Windows 2000 Server 1 Active Directory Windows 2000 Server Essa tela é exibida após a configuração e a ativação, onde é informado o nome do domínio, entre outras configurações não essenciais para nosso presente estudo. 2

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta manual do usuário Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

Manual de usuário MaxDialer Versão 1.0.2

Manual de usuário MaxDialer Versão 1.0.2 Manual de usuário MaxDialer Versão 1.0.2 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. LOGIN... 3 3. Cadastro... 3 3.1. Máquinas... 4 3.2. Tipo Telefone... 5 3.3. Feriados... 6 3.4. Campanhas... 7 3.5. Usuários... 16

Leia mais

Introdução. Geral. Sumário Localização Trajetos Últimos registros Comandos Configurações. Relatórios

Introdução. Geral. Sumário Localização Trajetos Últimos registros Comandos Configurações. Relatórios Introdução Geral Sumário Localização Trajetos Últimos registros Comandos Configurações Relatórios Deslocamentos e paradas Velocidade Telemetria Acessos Falhas de comunicação Cadastro Cliente Subcliente

Leia mais

Módulos/Opções - TRAFEGO

Módulos/Opções - TRAFEGO Módulos/Opções - TRAFEGO Controlo de tráfego/eficácia/paletes e comunicação com motoristas. O módulo Tráfego é composto por cinco opções: 1) Controlo: controlo dos registos da aplicação rttrack Telemóveis.

Leia mais

NETALARM GATEWAY Manual Usuário

NETALARM GATEWAY Manual Usuário NETALARM GATEWAY Manual Usuário 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Requisitos de Instalação... 3 3. Instalação... 3 4. Iniciando o programa... 5 4.1. Aba Serial... 5 4.2. Aba TCP... 6 4.3. Aba Protocolo...

Leia mais

Administração do Sistema

Administração do Sistema Administração do Sistema 1. Eventos...2 1.1 Venda Varejo...4 1.2 Venda Atacado...11 1.3 Devolução Venda...19 2. Configurações Gerais...26 3. Visualização de Atividades de usuário...34 4. Visualizador de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SOLUÇÃO. Software para rastreamento

APRESENTAÇÃO DA SOLUÇÃO. Software para rastreamento APRESENTAÇÃO DA SOLUÇÃO Software para rastreamento TELA DE LOGIN Tela inicial do sistema onde os clientes u lizam para acessar a plataforma. Para acesso, insira Nome de Usuário e Senha e clique em Entrar.

Leia mais

Manual de Instalação do Consultório Digital Versão 3.0.x

Manual de Instalação do Consultório Digital Versão 3.0.x Manual de Instalação do Consultório Digital Versão 3.0.x Após baixar o instalador no site http://www.consultoriodigital.com.br/ e executá-lo, a seguinte tela será exibida. Para continuar, clique em AVANÇAR.

Leia mais

Configuração de Link ISDN-PRI (link E1 com ISDN)

Configuração de Link ISDN-PRI (link E1 com ISDN) Índice 1. INTRODUÇÃO:...2 Motivação: facilitar a ativação e alteração de configurações dos juntores em plataformas Dígitro...2 2. CONFIGURAÇÕES INICIAIS VIA ARQUIVO:...4 Orientação sobre as configurações

Leia mais

Instalação do VOL Backup para Desktops

Instalação do VOL Backup para Desktops Este é o guia de instalação e configuração da ferramenta VOL Backup para desktops. Deve ser seguido caso você queira instalar ou reinstalar o VOL Backup em sistemas Windows 2000, XP, Vista ou 7, 32 ou

Leia mais

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0

G-Bar. Módulo Básico Versão 4.0 G-Bar Software para Gerenciamento de Centrais de Corte e Dobra de Aço Módulo Básico Versão 4.0 Pedidos de Vendas Manual do Usuário 1 As informações contidas neste documento, incluindo links, telas e funcionamento

Leia mais

Boletim Técnico R&D 02/08 Simulador do software A1 Automation Tools 27 de fevereiro de 2008

Boletim Técnico R&D 02/08 Simulador do software A1 Automation Tools 27 de fevereiro de 2008 Boletim Técnico R&D 02/08 Simulador do software A1 Automation Tools 27 de fevereiro de 2008 O objetivo deste boletim é mostrar o funcionamento e as características do recurso Simulador disponível no software

Leia mais

SUAP MÓDULO PROTOCOLO SUAP MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO

SUAP MÓDULO PROTOCOLO SUAP MÓDULO PROTOCOLO MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO Versão 1.0 2010 1 1. INTRODUÇÃO Administradores públicos defrontam-se diariamente com grandes dificuldades para fazer com que processos administrativos, documentos, pareceres e informações

Leia mais

Cadastro de solicitações com anexos

Cadastro de solicitações com anexos Cadastro de solicitações com O prestador poderá cadastrar as solicitações e incluir nas mesmas. Segue demonstrativo de cadastro de solicitações com anexo. Cadastro de solicitações com Acessar o site do

Leia mais

Manual de Utilização ZENDESK. Instruções Básicas

Manual de Utilização ZENDESK. Instruções Básicas Manual de Utilização ZENDESK Instruções Básicas Novembro/2013 SUMÁRIO 1 Acesso à ferramenta... 3 2 A Ferramenta... 4 3 Tickets... 8 3.1 Novo Ticket... 8 3.2 Acompanhamentos de Tickets já existentes...

Leia mais

Manual Software Controle de Jukebox. Manual. Software Controle de Jukebox

Manual Software Controle de Jukebox. Manual. Software Controle de Jukebox Manual Software Controle de Jukebox Versão 1.0 2014 Sumário 1. Principais Características... 2 2. Software Controle de Jukebox... 3 I. Tela Principal... 4 1 Data Cobrança... 4 2 Linha... 4 3 Cobrador...

Leia mais

Manual de Instalação... 2 RECURSOS DESTE RELÓGIO... 3 1 - REGISTRANDO O ACESSO... 4 1.1 Acesso através de cartão de código de barras:...

Manual de Instalação... 2 RECURSOS DESTE RELÓGIO... 3 1 - REGISTRANDO O ACESSO... 4 1.1 Acesso através de cartão de código de barras:... 0 Conteúdo Manual de Instalação... 2 RECURSOS DESTE RELÓGIO... 3 1 - REGISTRANDO O ACESSO... 4 1.1 Acesso através de cartão de código de barras:... 4 1.2 Acesso através do teclado (digitando a matrícula):...

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Gerência de Redes Áreas Funcionais de Gerenciamento. Douglas Duarte ddsbdc@gmail.com

Gerência de Redes Áreas Funcionais de Gerenciamento. Douglas Duarte ddsbdc@gmail.com Gerência de Redes de Gerenciamento Douglas Duarte ddsbdc@gmail.com de Gerenciamento Gerenciamento de Falhas; Gerenciamento de Desempenho; Gerenciamento de Contabilização; Gerenciamento de Configuração;

Leia mais

Abra o software de programação. Clique na opção VOIP, depois opção configuração conforme as imagens:

Abra o software de programação. Clique na opção VOIP, depois opção configuração conforme as imagens: Caro cliente, atendendo a sua solicitação de auxílio no processo de configuração da placa VoIP na central Impacta, segue um passo-a-passo para ajudar a visualização. Abra o software de programação. Clique

Leia mais

1) No exemplo a busca será Por Nome Cliente. Após informar o cliente no campo Procurar, selecionar a opção Pesquisar ;

1) No exemplo a busca será Por Nome Cliente. Após informar o cliente no campo Procurar, selecionar a opção Pesquisar ; Cliente: FIT TELECOM Data: Junho/0 Página: de 7 INTEGRATOR WEB/NOVO ATENDIMENTO ) No campo Por é possível selecionar o tipo da pesquisa. É possível também selecionar a Condição da busca; ) No exemplo a

Leia mais

Procedimento Operacional. Este documento tem como finalidade informar todos os parâmetros necessários para a configuração do Internet Explorer 8.

Procedimento Operacional. Este documento tem como finalidade informar todos os parâmetros necessários para a configuração do Internet Explorer 8. 1. Introdução Este documento tem como finalidade informar todos os parâmetros necessários para a configuração do Internet Explorer 8. 2. Configuração 2.1. 1ª Tela: - Selecionar Ferramentas > Opções de

Leia mais

Acif Sistema de Recuperação de Crédito

Acif Sistema de Recuperação de Crédito Acif Sistema de Recuperação de Crédito 2 Índice Acesso ao Sistema...3 Menu de acesso...3 Cadastro de Devedores...4 Cadastro de Dívidas...5 Alertas do sistema...8 3 Acif Sistema de Recuperação de Crédito

Leia mais

NVSABRE - SISTEMA DE INFORMÁTICA LTDA

NVSABRE - SISTEMA DE INFORMÁTICA LTDA Goiânia, 23 de Dezembro de 2011 Bom dia! Aos clientes Sabre, Novos procedimentos após atualização do sistema para versão 2.1.289.12 Será disponibilizada versão 2.1.289.12, nossos colaboradores devem seguir

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1

MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1 MANUAL DO USUÁRIO PORTAL SMART Versão 1.1 1- OBJETIVO Apresentar ao cliente o procedimento de como utilizar o Portal SMART e realizar gestão de ocorrências apresentadas durante o monitoramento. 2- ACESSANDO

Leia mais

Manual de Treinamento. Área do Membro

Manual de Treinamento. Área do Membro Manual de Treinamento Área do Membro 0 Contents Geral... 2 Transações... 3 Negociação e Estoque... 10 Licenças... 15 Mercado... 19 Finanças... 22 Fazer uma Declaração de Venda... 27 Fazer uma Declaração

Leia mais

Solute Manager Gerenciador de Conteúdo Manual de Utilização

Solute Manager Gerenciador de Conteúdo Manual de Utilização Solute Manager Gerenciador de Conteúdo Manual de Utilização SITE LABORATÓRIO SÃO JOSÉ ÍNDICE INTRODUÇÃO PÁG 03 USUÁRIOS DO SISTEMA PÁG 04 NOTÍCIAS PÁG 06 PÁGINAS INTERNAS PÁG 13 DICAS PÁG 16 BANNERS PÁG

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - PONTA GROSSA TUTORIAL PARA UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE VIRTUAL MOODLE ASSUNTO: Criar e utilizar questionários

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ - PONTA GROSSA TUTORIAL PARA UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE VIRTUAL MOODLE ASSUNTO: Criar e utilizar questionários 1º Entre na disciplina que deseja criar o questionário. Após isso clique em Questionário. 2º Preencha os campos com os dados. Lembre-se que os campos marcados com *(asterisco) são de preenchimento obrigatório.

Leia mais

Classe A: Apenas o primeiro octeto identifica a rede e os três últimos identificam os Hosts.

Classe A: Apenas o primeiro octeto identifica a rede e os três últimos identificam os Hosts. MÓDULO 9 Endereçamento IP Em uma rede TCP/IP, cada computador possui um endereço IP que o identifica na rede, esse endereço é composto por uma seqüência de bits divididos em 4 grupos de 8 bits que recebem

Leia mais

CADASTRO DE USUÁRIO PORTAL WEB

CADASTRO DE USUÁRIO PORTAL WEB CADASTRO DE USUÁRIO PORTAL WEB SUMÁRIO 1. ACESSANDO PELA PÁGINA DEFAULT... 3 2. ACESSANDO PELA PÁGINA DE LOGIN... 3 3. ACESSANDO PELO MENU PRINCIPAL... 4 3.1. EFETUAR CADASTRO... 5 3.2. ALTERAR CADASTRO...

Leia mais

Procedimentos de Instalação da Impressora HP LaserJet 2015dn ( via cabo de rede )

Procedimentos de Instalação da Impressora HP LaserJet 2015dn ( via cabo de rede ) Procedimentos de Instalação da Impressora HP LaserJet 2015dn ( via cabo de rede ) Para que a instalação e configuração sejam executadas o usuário deverá ter permissões de usuário Administrador. Não é necessário

Leia mais

LIBERAÇÃO FINANCEIRA NO PEDIDO DE VENDA

LIBERAÇÃO FINANCEIRA NO PEDIDO DE VENDA LIBERAÇÃO FINANCEIRA NO PEDIDO DE VENDA As liberações financeiras somente são verificadas no faturamento do pedido, como conseqüência há situações em que o cliente tem limite de crédito excedido, vencido

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital Página 1 de 15 Passo a Passo do Cadastro Produtos no SIGLA Digital O cadastro de produtos permite organizar as informações relativas a produtos e serviços, como grupo, marca, peso, unidades e outros, que

Leia mais

PAINEL DE ALARME VERSÃO 01

PAINEL DE ALARME VERSÃO 01 PAINEL DE ALARME VERSÃO 01 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS 8 Zonas duplas programáveis, mais 1 zona por teclado; 4 Teclados endereçáveis com programações independentes; 95 usuários, 3 usuários temporários, além

Leia mais

Call Center Manual do agente. Nº do componente P1007893 01 11 de fevereiro de 2004

Call Center Manual do agente. Nº do componente P1007893 01 11 de fevereiro de 2004 Call Center Manual do agente Nº do componente P1007893 01 11 de fevereiro de 2004 2 Manual do agente do Call Center Copyright 2004 Nortel Networks Todos os direitos reservados. 2004. As informações contidas

Leia mais

a DN5) da lista são desviados ao número especificado pelo parâmetro CFWDDN.

a DN5) da lista são desviados ao número especificado pelo parâmetro CFWDDN. Função Este coman permite ao usuário modificar as listas de serviços seletivos existentes a nível de assinantes analógicos individuais e aplicáveis a usuários atendis pelo serviço em redes CG e públicas.

Leia mais

Análise de Dados do Financeiro

Análise de Dados do Financeiro Análise de Dados do Financeiro Introdução Para reunir em um só local as informações de contas a pagar e receber cadastradas e/ou geradas no sistema TTransp existe a interface de análise de dados do financeiro.

Leia mais

Passo a Passo do Checkout no SIGLA Digital

Passo a Passo do Checkout no SIGLA Digital Página 1 de 7 Passo a Passo do Checkout no SIGLA Digital Este é um dos principais módulos do Sigla Digital. Utilizado para vendas no balcão por ser uma venda rápida, mais simples, onde não é necessário

Leia mais

Comm5 Tecnologia Protocolo MI. Protocolo. Família MI

Comm5 Tecnologia Protocolo MI. Protocolo. Família MI Comm5 Tecnologia Protocolo Família MI ÍNDICE PROTOCOLO... pág 03 PERMISSÃO... pág 03 AUTENTICAÇÃO... pág 03 IDENTIFICAÇÃO DAS PORTAS... pág 04 COMANDOS... pág 05 VERIFICAR AS ENTRADAS DO MÓDULO... pág

Leia mais

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede VirtueMart v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede VirtueMart v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados ÍNDICE 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Permissões 4 4.2 Instalação

Leia mais

Cálculo de Lajes Retangulares de Concreto Armado MANUAL DO USUÁRIO. Apresentação 2. Observações gerais sobre o software 2. Formas de trabalho 3

Cálculo de Lajes Retangulares de Concreto Armado MANUAL DO USUÁRIO. Apresentação 2. Observações gerais sobre o software 2. Formas de trabalho 3 ÍNDICE Assunto Página Apresentação 2 Observações gerais sobre o software 2 Formas de trabalho 3 Fluxo das informações 4 Laje isolada 4 Geometria 6 Vinculação 6 Cargas 7 Configuração 8 Resultados 10 Impressão

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO. CONTROL MIDI Controlador de Acesso Biométrico

MANUAL DE OPERAÇÃO. CONTROL MIDI Controlador de Acesso Biométrico MANUAL DE OPERAÇÃO CONTROL MIDI Controlador de Acesso Biométrico Sumário 1. Operação... 4 1.1. Inicialização do Equipamento... 4 1.2. Utilização... 4 1.3. Cadastro... 6 1.3.1. Cadastro de Biometria...

Leia mais

4.3. Máquina de estados: São utilizados em sistemas de complexos, é de fácil transformação para ladder desde que não haja muitas ramificações.

4.3. Máquina de estados: São utilizados em sistemas de complexos, é de fácil transformação para ladder desde que não haja muitas ramificações. Parte 4 - Técnicas de programação (Lógica simples) INTRODUÇÃO Programar em ladder é muito simples, desde que ele tenha uma estrutura sob a qual o programa deve ser desenvolvido, ou seja, se deve ter um

Leia mais

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev P27070 - Rev. 0 1. RESTRIÇÕES DE FUNCIONAMENTO RECEPTOR IP ÍNDICE 1. Restrições de Funcionamento... 03 2. Receptor IP... 03 3. Inicialização do Software... 03 4. Aba Eventos... 04 4.1. Botão Contas...

Leia mais

www.nddigital.com.br Manual de Administração DPS Printer 2.1 NDDigital S/A - Software

www.nddigital.com.br Manual de Administração DPS Printer 2.1 NDDigital S/A - Software www.nddigital.com.br Manual de Administração DPS Printer 2.1 NDDigital S/A - Software 2 Introdução Este manual foi elaborado para administradores, para entendimento do funcionamento do produto e administração

Leia mais

Conteúdo BIOTRONIC PLUS

Conteúdo BIOTRONIC PLUS 0 Conteúdo Manual de Instalação...3 RECURSOS DESTE RELÓGIO...5 1 - REGISTRANDO O ACESSO...7 1.1 Acesso através do sensor biométrico:...7 1.2 Acesso através de cartão de código de barras:...7 1.3 Acesso

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Montando Redes Ponto-a-Ponto... 3 1.2.1 Parte lógica... 3 1.2.2 Escolhendo o sistema operacional... 3 1.2.3 Instalação

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 18 de fevereiro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.6.0

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.6.0 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.6.0 09 de novembro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424

Cópia. Copiadora e Impressora WorkCentre C2424 Cópia Este capítulo inclui: Cópia básica na página 3-2 Ajustando as opções de cópia na página 3-4 Configuração básica na página 3-5 Ajustes de imagem na página 3-9 Ajustes de posicionamento de imagem na

Leia mais

Sistemas de Alarme. Anunciador de Alarmes Digital e.tool ME3011 e.view Manual de Software PRODUTOS SERIADOS

Sistemas de Alarme. Anunciador de Alarmes Digital e.tool ME3011 e.view Manual de Software PRODUTOS SERIADOS Sistemas de Alarme PRODUTOS SERIADOS Anunciador de Alarmes Digital e.tool ME3011 e.view Manual de Software Manual e.tool ME3011 e.view 1.04.2_P r03 1/18 1 Informações Introdução 4 2 Instalando o Software

Leia mais

Guia Rápido. Projects & Teamwork

Guia Rápido. Projects & Teamwork Guia Rápido Projects & Teamwork Conteúdo 1. Meu Perfil, tutoriais y ajuda contextual... 3 2. Criar projetos... 6 3. Criar usuários e atribuir usuários a projetos e tarefas... 7 4. Criar e controlar tarefas...10

Leia mais

MANUAL DO PROGRAMA CSPSNet

MANUAL DO PROGRAMA CSPSNet MANUAL DO PROGRAMA CSPSNet Qualquer dúvida entre em contato: (33)32795093 01 USUÁRIO/CSPSNet O sistema CSPSNet está configurado para funcionar corretamente nos seguintes browsers: Internet Explorer 8.0,

Leia mais

Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006

Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006 Boolean Sistemas 2 MANUAL DA ROTINA DE MENU DOS SISTEMAS Atualizado em Maio/2006 Empresas Especiais Suporte 2.01. Cadastro das empresas 2.02. Relação das empresas 2.03. Controle das emissões 2.04. Exclusão

Leia mais

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário

SIGEP WEB - Gerenciador de Postagens dos Correios Manual do Usuário MANUAL DO USUÁRIO 2 ÍNDICE 1. PRÉ REQUISITOS PARA UTILIZAÇÃO DO SIGEP WEB 04 2. PROCEDIMENTOS PARA DOWNLOAD DO SISTEMA 04 3. INSTALANDO O SIGEP WEB 07 4. CONFIGURAÇÕES DO SISTEMA 09 COMPARTILHANDO O BANCO

Leia mais

Emissão de MDF-e. Figura 1: Acesso à tela de cadastro de filiais

Emissão de MDF-e. Figura 1: Acesso à tela de cadastro de filiais Emissão de MDF-e Introdução O sistema TTransp traz aos seus clientes a possibilidade de Emissão de Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e). Neste documento são apresentadas as configurações

Leia mais

GERADOR DE RELATÓRIOS

GERADOR DE RELATÓRIOS GERADOR DE RELATÓRIOS Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. COMO FUNCIONA?... 4 3. TELA DE LOGIN... 5 4. RELATÓRIOS DE ACESSO A WEB... 6 5. RELATÓRIOS DE USO DE LINK... 14 6. RELATÓRIOS DE USO DE E-MAIL... 18

Leia mais

Sumário. Capítulo 2 Iniciando o TR4... 8 2.1 Como efetuar o login... 8

Sumário. Capítulo 2 Iniciando o TR4... 8 2.1 Como efetuar o login... 8 1 Sumário Capítulo 1 Introdução ao TR4... 4 1.1 Requisitos Mínimos... 4 1.2 Layout do Sistema... 5 1.3 Legenda... 5 1.4 Visão geral das funcionalidades... 6 1.4.1 O Menu Administração... 6 1.4.2 O Menu

Leia mais

AVISO DE SEGURANÇA EM CAMPO/NOTIFICAÇÃO DE PRODUTO

AVISO DE SEGURANÇA EM CAMPO/NOTIFICAÇÃO DE PRODUTO AVISO DE SEGURANÇA EM CAMPO/NOTIFICAÇÃO DE PRODUTO Assunto: Software de Planejamento de Tratamento por Radiação da Brainlab: Para uso em software Brainlab, sequências de imagens (excluindo tomografias)

Leia mais

Controle Estoque Versão 2.

Controle Estoque Versão 2. Controle Estoque Versão 2. 1 Configuração Sigma Na tabela de configuração do sigma foi adicionado o novo parâmetro versao_controle_estoque, que será criado com o valor padrão 1 e poderá conter os valores

Leia mais

CONTROLE DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro

CONTROLE DE REDE. Prof. José Augusto Suruagy Monteiro CONTROLE DE REDE Prof. José Augusto Suruagy Monteiro 2 Capítulo 3 de William Stallings. SNMP, SNMPv2, SNMPv3, and RMON 1 and 2, 3rd. Edition. Addison-Wesley, 1999. Baseado em slides do Prof. Chu-Sing Yang

Leia mais

SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01

SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01 SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01 SUMÁRIO CONTROLADOR DE PORTARIA RCP-2000...1 A) O EQUIPAMENTO RCP-2000... 1 A.1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS...

Leia mais

Ajuda On-line - Sistema de Portaria. Versão 4.8.J

Ajuda On-line - Sistema de Portaria. Versão 4.8.J Versão 4.8.J Sumário PORT - Módulo de Apoio Portaria 3 1 Manual... de Processos - Portaria 4 Fluxo - Portaria... 5 2 Configurações... 6 Unidades... de Internação 6 Setores Administrativos... 9 Configuração...

Leia mais

Tela de Login do Aplicativo

Tela de Login do Aplicativo Tela de Login do Aplicativo +cotação Esta é a tela de entrada do aplicativo +cotação. Somente usuários autorizados e cadastrados poderão utilizar este aplicativo. Utilize o e-mail fornecido para ativação

Leia mais

CA SERVICE DESK MANAGER

CA SERVICE DESK MANAGER CA SERVICE DESK MANAGER GUIA RÁPIDO: Abertura de Chamado pelo Portal Web (Ferramenta Service Desk ) 1. CA SERVICE DESK MANAGER... 3 2. CONHECENDO AS TELAS INICIAIS... 4 2.1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO...

Leia mais

Utilizando o SISPC para efetuar Registros

Utilizando o SISPC para efetuar Registros Utilizando o SISPC para efetuar Registros 1. Registros O b j e t i v o Através do módulo de registros do sistema serão executadas as operações de inclusão de pessoas inadimplentes na base de dados do SPC.

Leia mais

Guia de conexão na rede wireless

Guia de conexão na rede wireless 1 Guia de conexão na rede wireless Este documento tem por objetivo orientar novos usuários, não ambientados aos procedimentos necessários, a realizar uma conexão na rede wireless UFBA. A seguir, será descrito

Leia mais

Sistema Click Principais Comandos

Sistema Click Principais Comandos Sistema Click Principais Comandos Sumário Sumário... 1 1. Principais Funções:... 2 2. Inserção de Registro (F6):... 3 3. Pesquisar Registro (F7):... 4 3.1 Pesquisa por letras:... 5 3.2 Pesquisa por números:...

Leia mais

Permissão de Usuários

Permissão de Usuários Permissão de Usuários 1 Conteúdo 1. Propósito 3 2. Permissão de Usuários PrefGest 4 3. Permissão de Usuário para PrefCad 10 2 1. Propósito Este documento destina-se a explicar a ação para liberar permissões

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP

MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP MANUAL DO USUÁRIO MODULO ALMOXARIFADO SUAP Pouso Alegre MG 2013 SUMÁRIO 1. Introdução.... 6 2. Efetuar Entrada de Material.... 8 2.1. Entrada de Material por Compra.... 8 2.1.1. Cadastro de Empenho...

Leia mais

Conteúdo. Página 1 de 7

Conteúdo. Página 1 de 7 Conteúdo Introdução... 2 Novo relatório de freqüência... 2 Campos do relatório de freqüência.... 3 Vales... 3 Bolsa... 3 Botões do relatório de freqüência... 4 Navegação... 4 Busca... 4 Atalhos... 4 Recuperar

Leia mais

Sistema Web Manual do usuário

Sistema Web Manual do usuário Sistema Web Manual do usuário Tecnologia da Informação 01.10.2009 Quadro de login do usuário. (Tela de login 01) v O trabalhador deverá informar sua MATRÍCULA e SENHA e clicar em ENTRAR para efetivamente

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PROGRAMAS NOVA GIA DECLARAÇÃO DO SIMPLES PARA WINDOWS VISTA

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PROGRAMAS NOVA GIA DECLARAÇÃO DO SIMPLES PARA WINDOWS VISTA MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PROGRAMAS NOVA GIA E DECLARAÇÃO DO SIMPLES PARA WINDOWS VISTA Equipe Nova GIA Janeiro/2008 1 O Funcionamento do sistema operacional Windows Vista apresenta algumas diferenças com

Leia mais

Manual de Utilização do TOTVS Restore

Manual de Utilização do TOTVS Restore Manual de Utilização do TOTVS Restore Atualização de Ambientes RM O TOTVS Restore é uma ferramenta desenvolvida pela equipe de Engenharia de Software do CD-BH com o intuito de permitir a criação e atualização

Leia mais

BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO

BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO BACKUP ONLINE PASSOS PARA CONFIGURAÇÃO INICIAL DO PRODUTO Criação de Conta de Usuário...03 Edição da Conta de Usuário...10 Download do Backup Online Embratel...10 Descrição dos Conjuntos de Cópia de Segurança...19

Leia mais

Manual do Usuário Versão 1.0 Julho 2012

Manual do Usuário Versão 1.0 Julho 2012 Manual do Usuário Versão 1.0 Julho 2012 Índice BEM-VINDOS 3 PREFÁCIO 4 CONVENÇÕES 4 CAPÍTULO 1 : ACESSO AO SISTEMA... 5 CAPÍTULO 2 : DIGITALIZAÇÃO LIVRE... 6 2.1 CONTROLE DE QUANTIDADES... 9 CAPÍTULO 3

Leia mais

FAQ - APLICATIVO POWERSERIES NEO GO

FAQ - APLICATIVO POWERSERIES NEO GO FAQ - APLICATIVO POWERSERIES NEO GO segunda-feira, 13 de abril de 2015 O que é o código de Acesso do Usuário? O código de Acesso do Usuário é o mesmo pin de 4 ou 6 dígitos que o usuário iria inserir no

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE CARGA HORÁRIA ESPECIAL Professor

MANUAL DO SISTEMA DE CARGA HORÁRIA ESPECIAL Professor MANUAL DO SISTEMA DE CARGA HORÁRIA ESPECIAL Professor SUMÁRIO Introdução... 2 Como acessar o sistema - PROFESSOR... 3 Primeira visita a página... 4 Atualizando o cadastro... 9 Imprimindo o comprovante...

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO MODO FAIL

CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO MODOS DE OPERAÇÃO DOS BOTÕES PROTEÇÃO ANTIESMAGAMENTO MODO FAIL CARACTERÍSTICAS E MODOS DE FUNCIONAMENTO Os módulos da linha TOTALSAFE PRO foram desenvolvidos para agregar além de conforto, segurança total na automação dos vidros elétricos. Essa linha de produtos oferece

Leia mais

Manual prático de compras e cotações no sistema MerchFórmula

Manual prático de compras e cotações no sistema MerchFórmula Manual prático de compras e cotações no sistema MerchFórmula 1 passo: Ir até o Menu Estoque / Compras e Cotações conforme imagem abaixo: 2 passo: Deve-se criar uma nova cotação ou editar uma existente,

Leia mais

SIATC. Gerência de Eletroeletrônica da EFVM, Av. Dante Micheline, 5500, Ponta de Tubarão, 29090-900, Vitória, ES.

SIATC. Gerência de Eletroeletrônica da EFVM, Av. Dante Micheline, 5500, Ponta de Tubarão, 29090-900, Vitória, ES. SIATC Autores: André de Souza Medeiros Leal*, Carlos Alberico Lantiman, Wellington Silva Monteiro, Hallan Correia Neitzel, Juliane Duarte Silva, Carlos Fernandes Gerência de Eletroeletrônica da EFVM, Av.

Leia mais

Módulo I. Desenvolvimento Software CLP - Básico

Módulo I. Desenvolvimento Software CLP - Básico Desenvolvimento Software CLP - Básico Lista de exercícios utilizados nas vídeo aulas e manual de referência das instruções utilizadas em cada aula. Setor de capacitação técnica Branqs Automação Santos

Leia mais

Sistema Integrado de Automação Módulo TECHMANAGER Versão 1.0.0.77 (serial)

Sistema Integrado de Automação Módulo TECHMANAGER Versão 1.0.0.77 (serial) SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA Sistema Integrado de Automação Módulo TECHMANAGER Versão 1.0.0.77 (serial) Manual de Usuário TECHNEXT (2012) 1 de 28 SOLUÇÕES EM TECNOLOGIA Página Sumário 1. Sobre o Techmanager...

Leia mais

Guia Rápido: Mobilidade (ipad) O objetivo deste guia rápido é apresentar os passos necessário para a inclusão de um orçamento através da mobilidade.

Guia Rápido: Mobilidade (ipad) O objetivo deste guia rápido é apresentar os passos necessário para a inclusão de um orçamento através da mobilidade. Guia Rápido: Mobilidade (ipad) O objetivo deste guia rápido é apresentar os passos necessário para a inclusão de um orçamento através da mobilidade. Pré-requisitos. 1 - Antes de iniciar a integração com

Leia mais

Módulo e-rede OSCommerce v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados

Módulo e-rede OSCommerce v1.0. Manual de. Instalação do Módulo. estamos todos ligados Módulo e-rede OSCommerce v1.0 Manual de Instalação do Módulo estamos todos ligados ÍNDICE 01 02 03 04 Introdução 3 Versão 3 Requerimentos 3 Manual de instalação 4 05 06 4.1 Instruções iniciais 4 4.2 Instalação

Leia mais

E&L Nota Fiscal de Serviços Eletrônica. Manual do Ambiente do Prestador de Serviços do Município

E&L Nota Fiscal de Serviços Eletrônica. Manual do Ambiente do Prestador de Serviços do Município E&L Nota Fiscal de Serviços Eletrônica Manual do Ambiente do Prestador de Serviços do Município Após receber a confirmação de aceite do Credenciamento via e-mail já é possível efetuar o login no sistema

Leia mais

Não há novos parâmetros criados que habilitam os recursos da customização. Apenas a utilização de parâmetros já existentes no sistema:

Não há novos parâmetros criados que habilitam os recursos da customização. Apenas a utilização de parâmetros já existentes no sistema: Desenvolvimento BM 1138 Versão 5 Release 13 Autor Sirlene Araújo Processo: Vendas Nome do Processo: Alteração da Customização BM-1007 Motivação Permitir a identificação de produtos de tiragem (Cotas) pré-definida

Leia mais

PAINEL DE ALARME GUIA DE INSTALAÇÃO

PAINEL DE ALARME GUIA DE INSTALAÇÃO PAINEL DE ALARME GUIA DE INSTALAÇÃO Active 20 GPRS Rev00 23/04/2009 1- CARACTERÍSTICAS GERAIS 8 Zonas duplas programáveis, mais 1 zona por teclado; 4 Teclados endereçáveis com programações independentes;

Leia mais

Cadastro de um novo Tipo de Operação e Vinculação deste às Funções dos Tipos de Operações

Cadastro de um novo Tipo de Operação e Vinculação deste às Funções dos Tipos de Operações Cadastro de um novo Tipo de Operação e Vinculação deste às Funções dos Tipos de Operações O cadastro de TIPOS DE OPERAÇÃO é um dos mais importantes cadastros do Siagri Agribusiness. Ele é o principal,

Leia mais

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido.

Sumário. Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Sumário Ambiente de Trabalho... Erro! Indicador não definido. Introdução ao Project Um projeto é uma seqüência bem definida de eventos, com um início e um final identificável. O foco de um projeto é obter

Leia mais

MIT041 Especificação de Processos. Cliente: DELTA Projeto: FORMAÇÃO DE PREÇO

MIT041 Especificação de Processos. Cliente: DELTA Projeto: FORMAÇÃO DE PREÇO MIT041 Especificação de Processos Cliente: DELTA Projeto: FORMAÇÃO DE PREÇO ESPECIFICAÇÃO DE PROS Sumário 1.2 Parametrização Através de Fórmulas...3 1.2.1 Visão Padrão...4 1.4 Possibilidade de Informar

Leia mais

Sphinx iq2 Utilização da ferramenta SphinxMobile

Sphinx iq2 Utilização da ferramenta SphinxMobile Sphinx iq2 Utilização da ferramenta SphinxMobile Pré-requisitos: Lista de variáveis Hospedagem ativa em um Servidor da SPHINX Brasil Módulo Mobile Offline ativo na conta Aplicativo SphinxMobile instalado

Leia mais

Backup (cópia de segurança) e restauração de informações no

Backup (cópia de segurança) e restauração de informações no Backup (cópia de segurança) e restauração de informações no Pag.2 Backup (cópia de segurança) Após acessar a Intranet da Unimep, para abrir o Ambiente Virtual de Aprendizagem-Moodle, clique sobre seu link

Leia mais

ETEC Campo Limpo AULA 07. 1. Interpretando informações do UTILITÁRIO DE CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA

ETEC Campo Limpo AULA 07. 1. Interpretando informações do UTILITÁRIO DE CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA AULA 07 1. Interpretando informações do UTILITÁRIO DE CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA O Utilitário de configuração do sistema, o famoso "msconfig" está disponível nas versões recentes do Windows. Para abrir o

Leia mais