Documentação Symom. Agente de Monitoração Symom MRTG. Agente. Agente. Linux. Windows. Agente Windows. Agente Linux

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Documentação Symom. Agente de Monitoração Symom MRTG. Agente. Agente. Linux. Windows. Agente Windows. Agente Linux"

Transcrição

1 Documentação Symom Agente de Monitoração Symom & MRTG Agente Windows Agente Linux Agente Windows Agente Linux

2 MRTG O mrtg é sem dúvida o programa mais popular para monitoração de tráfego de rede. Essa popularidade vem do fato de o programa ser gratuito (free). Além disto o software é maduro e estável. Se você tem roteadores, links ou outros dispositivos de rede, não tem monitoração e não dispõe de recursos para softwares mais profissionais, então instale o MRTG para controlar seu ambiente. Este software faz bem aquilo a que se propõe, entretanto, deixa outras questões em aberto como monitoração e gerência de processo, alertas, armazenamento em que os dados são arredondados com o passar do tempo distorcendo assim as leituras obtidas. As leituras que valem no MRTG são as leituras diárias ou de algumas horas de amostragem. O uso desta ferramenta para dimensionamento de capacidade pode não ser adequada pois não permite a exibição de dados em períodos de tempo específicos e as leituras semanais, mensais e anuais fazem uma média que distorce o real tráfego ocorrido. Por outro lado é uma ferramenta simples e de fácil manutenção conhecida pela maioria dos administradores de rede. O mrtg tem um funcionamento muito simples. Seu autor tratou de assumir uma série de decisões pelo usuário tornando o processo de instalação extremamente fácil. O programa é baseado em um script (mrtg) que toma as decisões e um programa (rateup) que faz o trabalho pesado de inserir dados no banco de dados e gerar as imagens. Na prática tudo que o administrador precisa saber é que existe o script mrtg e um arquivo de configuração que indica qual o roteador e qual a informação será obtida deste. O processo de criação do banco de dados é o mesmo processo de alimentar o banco de dados. A alimentação do banco de dados é feita pelo programa em perl mrtg que recebe como parâmetro um arquivo de configuração.cfg. Ex.: mrtg router.cfg Este arquivo de configuração tem os parâmetros que vão indicar entre outras coisas quais os gráficos serão gerados e qual a configuração das páginas web geradas para apresentar as leituras e os gráficos. Algumas características do banco de dados podem ser ajustadas se antes de rodar o programa mrtg com o arquivo de configuração for executado o programa rateup para pré configurar o banco de dados antes de armazenar as primeiras leituras, mas isso é opcional. O arquivo rateup tem as seguintes opções: #rateup rateup for mrtg Usage: rateup directory basename [sampletime] [t sampletime] [-(t)ransparent] [-(b)order][u a g h m in out abs_max] [i/p file maxvi maxvo maxx maxy growright step bits]

3 O arquivo de configuração tem umas keywords para configurar o funcionamento do mrtg conforme o quadro simplificado abaixo: WorkDir (Única keyword necessária para o funcionamento do mrtg) HtmlDir ImageDir indica onde deverão ficar os arquivos de controle e banco de dados (.log) e as páginas html suas imagens e gráficos. Especifica onde serão criadas apenas as paginas, imagens e gráficos. A opção anterior tem prioridade sobre esta. Indica onde ficarão as imagens auxiliares. LogDir Indica onde deverão ficar apenas os arquivos de controle e banco de dados. Deve ser usado em conjunto com htmldir. EnableIPv6 Opção para ambientes usando protocolo IP versão 6. Refresh Interval WriteExpires NoMib2 SingleRequest SnmpOptions IconDir Language Title Target Configura o tempo de atualizxação da página web criada para os gráficos. O padrão e 5 minutos. Indica em que resolução foi criado o banco de dados para evitar que aquisições de dados em periodo inferior. Gera um "header" na requisição http para expirar o conteudo evitando o cache de informações. Quando o MRTG usa snmp para coletar dados esta opção é usada para evitar o uso de parametros não suportados pelo dispositivo como por exemplo o "uptime" e o "nome" do dispositivo. Quando o MRTG usa snmp para coletar dados instrui a fazê-lo por uma requisição a cada variável (informação solicitada). Configura parametros das requisições snmp. Use este parâmetro para colocar as imagens (ícones) do rodapé. Configura a linguagem dos gráficos e páginas html geradas. Parametros suportados: big5 brazilian bulgarian catalan chinese croatian czech danish dutch eucjp french galician gb gb2312 german greek hungarian icelandic indonesia iso2022jp italian korean lithuanian malay norwegian polish portuguese romanian russian russian1251 serbian slovak slovenian spanish swedish turkish ukrainian Exemplo: Language: brazilian Adiciona um título para a página HTML que contém os gráficos Exemplo: Title[RoteadorSP]: Análise de Trafego da Rede Brasuca Indica ao mrtg como obter os dados para inserir no banco de dados. Configuração das leituras A keyword Target A tag "Target" indica ao mrtg onde buscar as informações. Existem várias forma de colher os dados. A sintaxe desta tag é a seguinte: Target[<etiqueta_dispositivo>]:<definição_para_aquisição_de_dados> O parâmetro <etiqueta_dispositivo> é necessário pois todas as keywords são referenciadas para a um dispositivo específico. Um arquivo de configuração pode conter diversos dispositivos e cada dispositivo é diferenciado pelas keywords com a respectiva

4 <etiqueta_dispositivo>. O parâmetro <etiqueta_dispositivo> é também usado para gerar os nomes dos arquivos de páginas web, arquivos de imagem, e arquivo de banco de dados. Coleta simples por SNMP Coleta de dados por snmp assume que os dados colhidos são de dispositivos bem conhecidos como roteadores. Por isso é necessário um pequeno numero de informações. O formato é o seguinte: Target[<etiqueta_dispositivo>]: Os roteadores cisco por exemplo são dispositivas perfeitas para esta abordagem, suas implementações snmp seguem as normas perfeitamente. Cada interface do roteador tem um número que cresce a partir de 1 até o número de interfaces existentes no roteador. A comunidade snmp funciona com uma senha que limita o acesso às informações para aqueles que a conhecem. A comunidade padrão é "public", em geral, basta ligar a opção de uso de snmp no roteador que esta comunidade já está configurada. Exemplo: Target[roteador_XYZ]: Esta linha de comando orienta o mrtg a ler da interface 2 do roteador com ip com a comunidade (senha) public. Caso a comunidade do roteador contenha o símbolo será necessário usar o caracter ``\'' antes do simbolo no nome da comunidade. Target[roteadorABC]: Invertendo as leituras No caso de leitura de trafego na interfaces pode ser necessário inverter os conceitos de entrada e saída de dados. Isso é comum pois depende do referencial físico de quem lê a informação. A inversão das leituras de entrada e saída é facilmente obtida usando um sinal "-" antes da especificação da interface do dispositivo Exemplo: Target[RoteadorEntreDepartamentos]: Keyword MaxBytes Esta keyword define a escala máxima de um gráfico. Se houver leitura acima deste a mesma será ignorada. Esta opção foi criada para permitir manter os gráficos em uma escala adequada em ambientes onde ocorre algum trafego muito acima do trafego que se deseja monitorar. Este caso é de processos de backup ou replicação que podem consumir muita banda de rede. Caso não se use o maxbytes, os gráficos vão pular para uma escala muito elevada para registrar o processo de backup ou replicação e as leituras desejadas vão ficar invisíveis. Outra função desta tag é que cada medida de trafego de rede é obtido indiretamente através de duas leituras consecutivas dos contadores de bytes trafegados em uma interface de rede ao longo de um período conhecido. Na prática isto pode implicar em erros pois os contadores são zerados quando atingem um valor máximo e em casos extremos o roteador pode ser "resetado" levando os contadores a valores aleatórios. Exemplo: MaxBytes[RoteadorRJ]:

5 Coleta por SNMP sofisticada A principal finalidade do MRTG é medir trafego de rede, entretanto, nada impede que o mesmo seja usado para colher dados de cpu, memória, disco ou qualquer outra grandeza. Com snmp isso pode ser feito passando mais alguns parâmetros na tag Target orientando o mrtg a buscar outras informações que não as de interface de rede dos dispositivos. Outras leituras além de tráfego de rede O protocolo snmp foi concebido para fornecer muito mais informações do que apenas tráfego de rede nas interfaces de um dispositivo. Em um roteador o snmp fornece também taxas de erro em uma interface chegando muitas vezes a fornecer também informações sobre o processamento, isto é, ocupação da cpu. Em servidores o snmp pode chegar a informar todas as grandezas básicas como espaço em disco, memória, lista de processos em memória e muitas mais. No mrtg estas leituras podem ser obtidas sofisticando as requisições e passando parâmetros mais específicos que simplesmente o número de uma interface. O snmp tem um conceito de índice onde cada item deste tem o nome de OID (Object IDentifier). Assim os contadores de bytes de interface são identificados pela seguinte seqüência de números e pontos: " ". Sendo que o último parâmetro indica o número da interface de rede. Estes OIDs têm uma hierarquia de nomes que facilitam o entendimento dos números. A seqüência de números indicada anteriormente corresponde à: "interfaces.iftable.ifentry.ifinoctets", isto é, leitura de uma interface do dispositivo, mais especificamente, uma entrada na tabela de bytes (Octets) que entram (In) na interface. Exemplo: A linha acima instrui o roteador a ler os dados de entrada e saida na interface 1 do roteador myrouter cuja comunidade public. Isto é exatamente o mesmo que o comando simplificado: Exemplo: Target[RoteadoresRJ]: Para outras leituras direferentes de tráfego de rede basta selecionar o OID desejado, isto é, para colher os dados sobre ocupação de disco em um servidor Unix basta executar o mrtg com a tag Target configurada para o OID: "host.hrstorage.hrstoragetable.hrstorageentry.hrstorageused.1". A esta altura o leitor deve estar perguntando como saber que o número 1 corresponde a partição principal ("/") neste servidor unix. A resposta é que também existem OIDs para indicar qual a partição que corresponde o número "1". O OID "host.hrstorage.hrstoragetable.hrstorageentry.hrstoragedescr.1" retorna o valor "/" indicando a partição a que se refere o número 1 nesta seqüência de OID. Snmp é um protocolo muito poderoso e muito usado em ambientes de monitoração de redes entretanto, quando vamos usá-lo para outros fins geralmente descobrimos da pior forma que algumas leituras não são bem aquelas que imaginávamos. A falta de documentação nos leva a conclusões erradas sobre o que estamos monitorando. Apenas para exemplificar, em um Unix quando usamos a OID de monitoração de cpu na verdade estamos monitorando uma grandeza que não é a mesma que estamos habituados a ler. Vamos nos surpreender quando o valor extrapolar os 100% em alguns casos e estranhar quando de fato o servidor estiver muito carregado e a leitura indicar um consumo pífio de processamento. Na monitoração de disco

6 vamos ler valores que precisam ser multiplicados pela unidade de alocação usada no disco e assim por diante. Por isso, para leituras em servidores diferentes de trafego de rede sugerimos o uso de agentes de monitoração feitos para informar as grandezas como estamos acostumados a ler. Coleta por programa externo Para flexibilizar o uso do mrtg com outros protocolos e formas de coletar dados o autor adicionou mais um recurso fornecer informações ao programa. O conhecido ` usado para execução de scripts em Unix pode ser usado para disparar um programa externo ao mrtg e coletar dados de uma forma alternativa. O mrtg vai esperar que esta fonte de dados externa retorne sempre duas leituras (números) e uma legenda (palavra alfanumérico). Ainda que este seja um recurso eminentemente da plataforma Unix este comando funciona bem em plataforma windows pois o ambiente Perl necessário para o funcionamento do mrtg suporta este recurso com perfeição. Um exemplo de programa externo para coletar o consumo de cpu localmente poderia ter a tag Target da seguinte forma: Target[r1]: `vmstat tail -n1 awk '{ print $16}'` Onde o comando vmstat fornece a cpu livre no décimo sexto parâmetro. Esta é a estratégia usada para interagir o Agente Symom de Monitoração para Windows. Exemplos de arquivos de configuração Configuração mínima mrtg.cfg WorkDir: /usr/tardis/pub/www/stats/mrtg Target[r1]: Configuração para múltiplos roteadores WorkDir: /var/mrtg-data Title[isdn]: Link Internet PageTop[isdn]: Link Internet</H1> Target[isdn]: MaxBytes[isdn]: Options[isdn]: growright Title[adsl]: Link SP-RJ PageTop[adsl]: Link SP-RJ </H1> Target[adsl]: MaxBytes[adsl]: Options[adsl]: growright Title[router]: Link VOIP Instant PAX PageTop[router]: Link VOIP Instant PAX</H1> Target[router]: MaxBytes[router]: 8000 Options[router]: growright

7 Agente Symom para Windows Antes de continuarmos, certifique-se que o serviço de monitoração está instalado e ativo, rode o programa de instalação do serviço e verifique o status do Symom Agent Service. Se o botão estiver indicando Stop Service é porque o serviço já está rodando. Caso contrário, o botão estiver com o status Start Service, então clique no mesmo para iniciar o serviço. Execute o programa Interface Gráfica do serviço de monitoração para podermos verificar qual a porta de comunicação tcp/ip está escolhida no arquivo de configuração. Clicando com o botão esquerdo do mouse sobre o ícone do programa surgirão 3 opções. Na Opção show será apresentada uma janela com os dados coletados pelo agente de monitoração. Esta interface permite acesso a uma janela de configuração do serviço pela opção do menu File, item Config e enfim poderemos verificar a porta de comunicação, a interface de rede escolhida para coletar dados entre outros parâmetros.

8 Janela de Configuração A janela de configuração está logo abaixo com uma breve explicação de cada campo. A opção RRDTOOL instrui o serviço de coleta de dados a executar os procedimentos necessários para alimentar o banco de dados do Rrdtool e a executar o script RrdMkGraph.bat que é responsável pela geração de gráficos localmente. A opção NETMON instrui ao Agente do Symom para coletar dados de tráfego de rede. Esta opção foi criado pois alguns programas com SQL Server desativam no registry a disponibilização desta informação no pelo do Windows. Junto com o agente symom é disponibilizado um arquivo chamado ActivePerfmon.bat que ativa não só esta monitoração como também a monitoração de discos. AllowRemoteExec é a opção que permite ao agente Symom executar scripts e gerenciar serviços do windows. Assim se um serviço da máquina monitorada parar será possível reiniciar este serviço remotamente pela porta de comunicação com o servidor Symom. O parâmetro Listen é importante quando a máquina tem vários ips e um deles é usado para gerência de servidores e não se deseja deixar o serviço do agente escutando em outros ips. O parâmetro Symom Server é o ip do servidor Symom. Este parâmetro permite ao programa de interface gráfica buscar no servidor Symom o status dos outros servidores monitorados e caso algum servidor apresente problema o ícone do traybar ira piscar vermelho e a opção messages apresenta o problema atual em uma janela. A opção PORT permite alterar a porta tcp/ip onde o agente recebe requisições. Por default esta porta é a 9000 mas esse parâmetro pode ser mudado para qualquer outra porta caso exista algum outro serviço escutando nesta porta. Alguns programas conhecidos usam a porta 9000 e precisamos ajustar o parâmetro PORT do agente Symom para este funcionar corretamente. Por exemplo, o WebSphere e o PeopleSoft. O próximos dois parâmetros, NetInterface1 e NetInterface2, permitem selecionar qual a interface de rede desejamos monitorar. A interface gráfica permite selecionar apenas 2 interfaces de rede diferentes mas o agente de monitoração está internamente preparado para monitorar até 4 interfaces de rede. Para configurar mais de 2 interfaces de rede atualmente é necessário editar manualmente o arquivo de configurações SymomAgent.cfg. Os parâmetros Command1_c e Command2_c permitem coletar informações através de comandos de console (DOS). Esta opção está em desuso mas a sintaxe é a seguinte: <comando_dos> <parâmetros_do_comando> <parâmetro_grep_1> <parâmetro_grep_1> O comando_dos é executado e recebe como parâmetros parâmetros_do_comando, em seguida é feito um grep com parâmetro_grep_1 e depois é feito um segundo grep com o parâmetro parâmetro_grep_2. Depois deste tratamento, é feita uma contagem das linhas que sobraram e este número é passado ao agente symo como sendo o resultado desta monitoração. Este recurso é útil quando por exemplo se deseja conta número de conexões de um serviço que não dispõe de contadores no performance monitor do windows. No exemplo a seguir uma configuração para coletar o número de conexões na porta 80 de um servidor web. Conteúdo de command1_c: netstat -n -p tcp 80 ESTABLISHED O parâmetro LogLevel é usado para depurar o agente de monitoração. O valor normal é 0 (zero) mas esse valor pode ser aumentado para 5. Com isso o arquivo de log SymomAgent.log registra os passos do agente de monitoração. Esse log pode crescer muito por isso aumente esse valor com cautela. Os parâmetros Performancemon1 e Performancemon2 permitem adicionar monitorações do performance monitor. Este recurso é importante principalmente para monitorar aplicativos como IIS, Oracle, SQL Server, WebSphere, DB2 entre outros. Todos esses programas criam entradas no performance monitor do windows que podem ser monitoradas pelo agente Symom. A interface gráfica permite a adição de apenas 2 monitorações mas o agente pode chegar a monitorar até 4 chaves do performance monitor mas para isso é necessário editar o arquivo SymomAgent.cfg. O último parâmetro tem a função de adicionar segurança ao agente de monitoração. Como o agente pode ter a capacidade de executar scripts, iniciar e parar serviços do windows por requisições remotas, o agente de monitoração passa a ser um ponto crítico na segurança da máquina, por isso, este parâmetro permite acesso apenas pelo servidor do Symom. Este campo pode ser configurado com vários ips separados por ponto-e-vírgulas.

9 Verificação do funcionamento Após nos certificarmos que o serviço está instalado, iniciado e sabemos que a porta de comunicação é a 9000 (conforme a janela de configuração do item anterior), podemos testar o funcionamento do agente. A comunicação é por tcp/ip e tem um protocolo bastante simples, podemos testar por uma sessão de telnet conforme o exemplo a seguir. telnet info <digite enter> System Monitor by MOEBIUS copyright Version Command Interfaces CPU 0 - First Processor CPU 1 - Second Processor Memory RAM - RAM Memory Memory SWAP - Swap Memory Memory Virtual - Virtual Memory DISK 1 - Drive C: DISK 2 - Drive D: DISK 3 - Drive E: NETIN 1 - Bytes in ethernet NETOUT 1 - Bytes out ethernet NETIN 2 - Bytes in ethernet (adapter 2) NETOUT 2 - Bytes out ethernet (adapter 2) CMD 1 - First prompt command: CMD 2 - Second prompt command: CMD 3 - Third prompt command: PROCS - Number of processes: THREADS - Number of threads: PERFMON1 - Coleta dados do performance monitor: PERFMON2 - Coleta dados do performance monitor: PERFMON3 - Coleta dados do performance monitor: QUIT - Exit: EXEC - Executa um programa localizado no diretorio \Tasks EXETASK - Executa um script do diretorio \Tasks QUERYTASK - Consulta o status ou lista dados de uma task SERVICE_LIST - Lista o status de todos os servios SERVICE_START - Inicia um servio SERVICE_STOP - Para um servio SERVICE_STATUS - Exibe o status de um servio SWINV - Retorna o inventario de software da maquina TASKS - Listas os comandos disponiveis no diretorio \Tasks INFO - This Help :-)z <mais informações são listadas aqui, e foram omitidas por questões de didática> quit<digite enter> O comando solicitado, info, lista os comandos disponíveis para consulta remota. Além destes comandos listados ainda podemos usar o comando computername para obter o nome do servidor onde o agente está rodando e o comando resumemon para colher várias informações de ma só vez. Para consultarmos o consumo de CPU de um servidor remoto podemos usar uma sessão de telnet para obter essa informação da seguinte forma: telnet cpu <digite enter> 3 quit<digite enter> Logo, o consumo de CPU no servidor é de 3%.

10 Integrando com o MRTG Para jogar as informações colhidas pelo agente Symom para o mrtg, precisamos de um pequeno programa que faça consulta tcp/ip. Para chegar ao objetivo, vamos partir de um script que é parte integrante do Servidor Symom de Monitoração, e se chama getinfoagent, ele está listado a seguir: #!/usr/bin/perl # Symom Version 1.0, Copyright (C) 2001, Moebius Tecnologia em Informatica Ltda. # Symom comes with ABSOLUTELY NO WARRANTY; # # This file is part of Symom. Symom is a Moebius monitoring software. # #FUNCTAG:OBJ:SCRIPTMON #FUNCTAG:NAME:getinfoAgent #FUNCTAG:TYPE:MON #FUNCTAG:TYPE:SRV #FUNCTAG:TYPE:BAND #FUNCTAG:OS:MULTIOS #FUNCTAG:HELP:Este script faz condulta ao agente Symom. #FUNCTAG:HELP:Recebe como parametros: <ip> <porta [9000]> <comando>. use IO::Socket; unless > 1) { print "usage: $0 host port command (cpu, disk1 disk2, memoryram, memoryswap, netin1, netout1,info,webconection,popconection,mailconection)...\n";exit; } $!=1; local $SIG{ALRM} = sub { print "Error: Connection timed out ($timeout sec)\n";exit }; # NB: \n required $timeout=20; alarm $timeout; $host = $port = $cmd = if 0) { $parm = else { $parm=""}; if 0) { $parm2 = else { $parm2=""};; $remote = IO::Socket::INET->new( Proto => "tcp", PeerAddr => $host, PeerPort => $port, ); unless ($remote) { print "Error: Cannot connect ($host) to agent daemon";exit; } $remote->autoflush(1); print $remote "$cmd $parm $parm2 \n"; $remote->autoflush(1); print $remote "\n\nquit\n"; while ( <$remote> ) { print $_; } close $remote; Este script recebe como parâmetro o endereço do agente de monitoração, a porta de comunicação e o comando. É preciso ter o Perl instalado na máquina onde se deseja rodar este script e caso seja na plataforma Windows é recomendado que ao nome do arquivo seja adicionada a extensão.pl, ou seja, getinfoagent.pl. Para fazer uma consulta do consumo de memória no servidor devermos usar a seguinte linha de comando: #getinfoagent memoryram<digite enter>

11 Note que o programa getinfoagent já se encarrega de enviar o comando quit para terminar a sessão tcp/ip com o agente. Vamos então criar um script para fornecer os dados para o MRTG no formato adequado, isto é, duas leituras de dados seguidas pelo nome do servidor. A este script vamos chamar de getmrtg. #!/usr/bin/perl use IO::Socket; ############################################################################################## ############# Symom + MRTG #### By M o e b i u s ############################################ ############################################################################################## if < 1) { print "usage: $0 host port...\n" } else{ $host = $remote = IO::Socket::INET->new( Proto => "tcp", PeerAddr => $host, PeerPort => "9000", ); unless ($remote) { die "cannot connect to monitor daemon on $host" } print $remote "NETIN1 \nnetout1 \ncomputername \n"; $remote->autoflush(1); print $remote "quit\n"; while ( <$remote> ) { print $_; } close $remote; Este script acima pode ser usado para coletar do Agente Symom de Monitoração de uma máquina Windows o tráfego de rede. A tag Target de um arquivo do mrtg configurado para coletar dados deste servidor com ip hipotético seria assim: Target[Serv_Windows]: `getmrtg `

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows

Documentação Symom. Agente de Monitoração na Plataforma Windows Documentação Symom de Monitoração na Plataforma Windows Windows Linux Windows Linux Plataforma Windows Instalação A instalação do de Monitoração do Symom para Windows é feita através do executável setup.exe

Leia mais

MRTG Multi Router Traffic Grapher

MRTG Multi Router Traffic Grapher MRTG Multi Router Traffic Grapher Alunos: Mateus Matias Luiz Edu Rodrigues Higor Rocha Luis Henrique Índice Introdução... 3 Características... 4 Gerenciamento de Rede... 5 Tutorial... 6 Gráficos... 7 Bibliografia...

Leia mais

Parte 2 Usando o CLI do Roteador

Parte 2 Usando o CLI do Roteador Parte 2 Usando o CLI do Roteador O acesso à CLI Comand Line Interface, é feita pelo usuário no roteador com um terminal ou remotamente. Quando acessamos um roteador, devemos efetuar login nele antes de

Leia mais

Criando scanner para Oracle vulneráveis a exploits do Metasploit Inj3cti0n P4ck3t. Inj3cti0n P4ck3t

Criando scanner para Oracle vulneráveis a exploits do Metasploit Inj3cti0n P4ck3t. Inj3cti0n P4ck3t Criando scanner para Oracle vulneráveis a exploits do Metasploit Inj3cti0n P4ck3t. Inj3cti0n P4ck3t São Paulo 2010 Nome: Fernando Henrique Mengali de Souza Contato: fer_henrick@hotmail.com Linguagem de

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Criando scanner para FreeSSHd vulnerável ao exploit do Metasploit Inj3cti0n P4ck3t. Inj3cti0n P4ck3t

Criando scanner para FreeSSHd vulnerável ao exploit do Metasploit Inj3cti0n P4ck3t. Inj3cti0n P4ck3t Criando scanner para FreeSSHd vulnerável ao exploit do Metasploit Inj3cti0n P4ck3t. Inj3cti0n P4ck3t São Paulo 2010 Nome: Fernando Henrique Mengali de Souza Contato: fer_henrick@hotmail.com Linguagem de

Leia mais

Simulador do Monitor GreenStar 2 1800 Guia do Usuário v1.3

Simulador do Monitor GreenStar 2 1800 Guia do Usuário v1.3 Simulador do Monitor GreenStar 2 1800 Guia do Usuário v1.3 Feito para clientes, concessionários, e profissionais da fábrica John Deere, este é um programa de computador interativo para aprendizado e treinamento

Leia mais

Desenvolvendo MetasploitScanHTTP.pl para falhas HTTPS vulneráveis ao Metasploit. Inj3cti0n P4ck3t

Desenvolvendo MetasploitScanHTTP.pl para falhas HTTPS vulneráveis ao Metasploit. Inj3cti0n P4ck3t Desenvolvendo MetasploitScanHTTP.pl para falhas HTTPS vulneráveis ao Metasploit Inj3cti0n P4ck3t São Paulo 2010 Nome: Fernando Henrique Mengali de Souza Contato: fer_henrick@hotmail.com Linguagem de Programação:

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas

Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Introdução: Tutorial de TCP/IP Parte 21 Roteiro Para Resolução de Problemas Prezados leitores, esta é a primeira parte, desta segunda etapa dos tutoriais de TCP/IP. As partes de 01 a 20, constituem o módulo

Leia mais

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para XEROX 6279. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a XEROX 6279 no manual

Leia mais

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012 Para WebReporter 2012 Última revisão: 09/13/2012 Índice Instalando componentes de pré-requisito... 1 Visão geral... 1 Etapa 1: Ative os Serviços de Informações da Internet... 1 Etapa 2: Execute o Setup.exe

Leia mais

Nome do Artigo: Desenvolvendo um scanner para Joomla Password Change Admin. Linguagem de Programação: Perl (Practical Extraction and Report Language)

Nome do Artigo: Desenvolvendo um scanner para Joomla Password Change Admin. Linguagem de Programação: Perl (Practical Extraction and Report Language) Author: Inj3cti0n P4ck3t Date: 13/10/10 Nome do Artigo: Desenvolvendo um scanner para Joomla Password Change Admin Contato: fer_henrick@hotmail.com Nome: Fernando Henrique Mengali de Souza Linguagem de

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014.

Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás. Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores. Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Disciplina: Gerenciamento de Rede de Computadores : Goiânia, 16 de novembro de 2014. Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Professor: Marissol Martins Alunos: Edy Laus,

Leia mais

EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede

EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede EN3611 Segurança de Redes Prof. João Henrique Kleinschmidt Prática Wireshark Sniffer de rede Entregar um relatório contendo introdução, desenvolvimento e conclusão. A seção desenvolvimento pode conter

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB GABRIELA TREVISAN Ambiente de Desenvolvimento Após instalar o Wamp Server, inicie o servidor. Um ícone aparecerá na SystemTray. A cor do ícone indica seu estado: Verde: servidor

Leia mais

Manual de Instalação de SQL Server (2005, 2008, 2012).

Manual de Instalação de SQL Server (2005, 2008, 2012). Manual de Instalação de SQL Server (2005, 2008, 2012). Instalação do SQL 2005. - Primeiro baixo o instalador do SQL nesse link: http://www.microsoft.com/pt-br/download/details.aspx?id=184 - Execute o arquivo

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID

MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID MANUAL DO USUÁRIO BRASQUID Saulo Marques FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE CARAPICUIBA Sumário 1 Instalação... 4 2 Configuração inicial... 6 2.1 Scripts e Arquivos Auxiliares... 10 2.2 O Squid e suas configurações...

Leia mais

Data: 22 de junho de 2004. E-mail: ana@lzt.com.br

Data: 22 de junho de 2004. E-mail: ana@lzt.com.br Data: 22 de junho de 2004. E-mail: ana@lzt.com.br Manual do Suporte LZT LZT Soluções em Informática Sumário VPN...3 O que é VPN...3 Configurando a VPN...3 Conectando a VPN... 14 Possíveis erros...16 Desconectando

Leia mais

Laboratório - Estabelecimento de uma sessão de console com Tera Term

Laboratório - Estabelecimento de uma sessão de console com Tera Term Laboratório - Estabelecimento de uma sessão de console com Tera Term Topologia Objetivos Parte 1: Acessar um switch da Cisco através da porta de console serial Conectar-se a um switch da Cisco usando um

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO. Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi FACULDADE DE TECNOLOGIA DE OURINHOS SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Felipe Luiz Quenca Douglas Henrique Samuel Apolo Ferreira Lourenço Samuel dos Reis Davi ENDIAN FIREWALL COMMUNITY 2.5.1 OURINHOS-SP 2012 HOW-TO

Leia mais

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles:

Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Netz Para funcionamento do Netz, alguns programas devem ser instalados e alguns procedimentos devem ser seguidos. São eles: Instalação do Java SE 6, que pode ser instalado através da JDK.

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View

Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View www.cali.com.br - Manual de Instalação e Configuração do Sistema Cali LAB View - Página 1 de 29 Índice INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO (FIREBIRD E

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Ajuste fino. OMonitor de Desempenho no Windows. Exchange e Active Directory

Ajuste fino. OMonitor de Desempenho no Windows. Exchange e Active Directory Ajuste fino Desempenho pode ser um problema se executados serviços como SharePoint, Exchange, ou SQL em um servidor Windows de uma só vez. Felizmente, algumas ferramentas podem ajudar os administradores

Leia mais

Vamos iniciar a nossa exploração do HTTP baixando um arquivo em HTML simples - bastante pequeno, que não contém objetos incluídos.

Vamos iniciar a nossa exploração do HTTP baixando um arquivo em HTML simples - bastante pequeno, que não contém objetos incluídos. Wireshark Lab: HTTP Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Tendo molhado os nossos pés com o Wireshark no laboratório

Leia mais

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL... Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...4 Configurações iniciais...5 Arquivo sudoers no Sistema Operacional

Leia mais

Parâmetros de configuração válidos para todos os clientes na conexão entre redes.

Parâmetros de configuração válidos para todos os clientes na conexão entre redes. DHCP - 1 Introdução aos servidores DHCP Um servidor de protocolo de configuração dinâmica de hosts (DHCP, Dinamic Host Configuration Protocol) é um computador que está executando o Windows NT Server, o

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO. Plataforma Windows. Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes da Silva, Tiago França Melo de Lima

GUIA DE INSTALAÇÃO. Plataforma Windows. Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes da Silva, Tiago França Melo de Lima Laboratório de Engenharia e Desenvolvimento de Sistemas LEDS/UFOP Universidade Federal de Ouro Preto UFOP GUIA DE INSTALAÇÃO Plataforma Windows Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes

Leia mais

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8

Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Instruções de instalação e remoção para os drivers de impressora PostScript e PCL do Windows Versão 8 Este arquivo ReadMe contém as instruções para a instalação dos drivers de impressora PostScript e PCL

Leia mais

Laboratório - Exploração do FTP

Laboratório - Exploração do FTP Objetivos Parte 1: Usar o FTP em um prompt de comando Parte 2: Baixar um arquivo FTP usando WS_FTP LE Parte 3: Usar o FTP em um navegador Histórico/cenário O File Transfer Protocol (FTP) faz parte do conjunto

Leia mais

COMPARTILHAMENTO DO DISCO E PERMISSÕES DE REDE PÚBLICAS E DE GRUPOS DE TRABALHO.

COMPARTILHAMENTO DO DISCO E PERMISSÕES DE REDE PÚBLICAS E DE GRUPOS DE TRABALHO. COMPARTILHAMENTO DO DISCO E PERMISSÕES DE REDE PÚBLICAS E DE GRUPOS DE TRABALHO. 1. Compartilhar a máquina servidor clicando com o botão direito do mouse em disco local e no menu de contexto não pção Propriedades.

Leia mais

Roteador Load-Balance / Mikrotik RB750

Roteador Load-Balance / Mikrotik RB750 Roteador Load-Balance / Mikrotik RB750 Equipamento compacto e de alto poder de processamento, ideal para ser utilizado em provedores de Internet ou pequenas empresas no gerenciamento de redes e/ou no balanceamento

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL

CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL DEIXADO INTENCIONALMENTE EM BRANCO ÌNDICE 1 COMUNICAÇÃO SERIAL... 5 1.1 - Enviar um arquivo do Proteo... 6 1.2 - Receber um arquivo No Proteo... 9 1.3 - Verificando resultados

Leia mais

STK (Start Kit DARUMA) Utilizando conversor Serial/Ethernet com Mini-Impressora DR600/DR700.

STK (Start Kit DARUMA) Utilizando conversor Serial/Ethernet com Mini-Impressora DR600/DR700. STK (Start Kit DARUMA) Utilizando conversor Serial/Ethernet com Mini-Impressora DR600/DR700. Neste STK mostraremos como comunicar com o conversor Serial/Ethernet e instalar o driver Genérico Somente Texto

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede

Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede Professor: Macêdo Firmino Disciplina: Sistemas Operacionais de Rede O sistema de nome de domínio (DNS) é um sistema que nomeia computadores e serviços de rede e é organizado em uma hierarquia de domínios.

Leia mais

LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER

LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER LICENCIAMENTO V14 USANDO REPRISE LICENSE MANAGER V14 de BricsCAD vem com um novo sistema de licenciamento, com base na tecnologia de licenciamento de Reprise Software. Este novo sistema oferece um ambiente

Leia mais

Backups Via FTP (File Transfer Protocol)

Backups Via FTP (File Transfer Protocol) O que é FTP? Backups Via FTP (File Transfer Protocol) FTP significa File Transfer Protocol (Protocolo de Transferência de Arquivos), e é uma forma bastante rápida e versátil de transferir arquivos, sendo

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch

Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Laboratório - Configuração de um endereço de gerenciamento do switch Topologia Tabela de Endereçamento Dispositivo Interface Endereço IP Máscara de Sub-Rede Gateway Padrão Objetivos S1 VLAN 1 192.168.1.2

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR

MANUAL DO ADMINISTRADOR WinShare Proxy admin MANUAL DO ADMINISTRADOR Instalação do WinShare Índice 1. Instalação 2. Licenciamento 3. Atribuindo uma senha de acesso ao sistema. 4. Configurações de rede 5. Configurações do SMTP

Leia mais

Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A

Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A Digifort Mobile Manual Version 1.0 Rev. A 2 Digifort Mobile - Versão 1.0 Índice Parte I Bem vindo ao Manual do Digifort Mobile 1.0 5 1 Screen... Shots 5 2 A quem... se destina este manual 5 3 Como utilizar...

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 5 - Gerenciamento do Software Cisco IOS 1 Objetivos do Capítulo Descrever a seqüência e a importância da inicialização do IOS nos roteadores

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Se ainda tiver dúvidas entre em contato com a equipe de atendimento: Por telefone: 0800 642 3090 Por e-mail atendimento@oisolucoespraempresas.com.br Introdução... 3 1. O que é o programa Oi Backup Empresarial?...

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Utilizando License Server com AnywhereUSB

Utilizando License Server com AnywhereUSB Utilizando License Server com AnywhereUSB 1 Indice Utilizando License Server com AnywhereUSB... 1 Indice... 2 Introdução... 3 Conectando AnywhereUSB... 3 Instalação dos drivers... 3 Configurando AnywhereUSB...

Leia mais

Online Help StruxureWare Data Center Expert

Online Help StruxureWare Data Center Expert Online Help StruxureWare Data Center Expert Version 7.2.7 Appliance virtual do StruxureWare Data Center Expert O servidor do StruxureWare Data Center Expert 7.2 está agora disponível como um appliance

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

STK (Start Kit DARUMA) Comunicando com Mini-Impressoras Paralela Daruma e o Print Server

STK (Start Kit DARUMA) Comunicando com Mini-Impressoras Paralela Daruma e o Print Server STK (Start Kit DARUMA) Comunicando com Mini-Impressoras Paralela Daruma e o Print Server Neste STK mostraremos como instalar e configurar o driver Genérico Somente Texto com as impressoras DR600 e DR700

Leia mais

Configurando o IIS no Server 2003

Configurando o IIS no Server 2003 2003 Ser ver Enterprise Objetivo Ao término, você será capaz de: 1. Instalar e configurar um site usando o IIS 6.0 Configurando o IIS no Server 2003 Instalando e configurando o IIS 6.0 O IIS 6 é o aplicativo

Leia mais

Manual de Instalação do Curso Informática Instrumental

Manual de Instalação do Curso Informática Instrumental Manual de Instalação do Curso Informática Instrumental As informações contidas no presente documento foram elaboradas pela International Syst. Qualquer dúvida a respeito de seu uso ou relativa a informações

Leia mais

FileMaker Pro 12. Guia de configuração da instalação em rede

FileMaker Pro 12. Guia de configuração da instalação em rede FileMaker Pro 12 Guia de configuração da instalação em rede 2007 2012 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker, Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara, Califórnia 95054 FileMaker é uma

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Instalando o Internet Information Services no Windows XP

Instalando o Internet Information Services no Windows XP Internet Information Services - IIS Se você migrou recentemente do Windows 95 ou 98 para o novo sitema operacional da Microsoft Windows XP, e utilizava antes o Personal Web Server, deve ter notado que

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 Conteúdo 1. LogWeb... 3 2. Instalação... 4 3. Início... 6 3.1 Painel Geral... 6 3.2 Salvar e Restaurar... 7 3.3 Manuais... 8 3.4 Sobre... 8 4. Monitoração... 9 4.1 Painel Sinóptico...

Leia mais

FileMaker Pro 13. Guia de configuração da instalação em rede

FileMaker Pro 13. Guia de configuração da instalação em rede FileMaker Pro 13 Guia de configuração da instalação em rede 2007-2013 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara, Califórnia 95054 FileMaker e Bento

Leia mais

SCPIWeb. SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 )

SCPIWeb. SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 ) 2010 SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 ) SCPIWebCotacao Aplicação Web para Cotação de Preços via Internet Resumo de Instruções

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS NO CRACKIT MEDIUM VERSION

PRIMEIROS PASSOS NO CRACKIT MEDIUM VERSION PRIMEIROS PASSOS NO CRACKIT MEDIUM VERSION Parabéns por instalar o CRACKIT MV! Agora chegou a hora de configurá-lo e administrá-lo. Todo o ambiente de administração do CRACKIT MV é web, ou seja via Browser

Leia mais

Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp.

Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp. Configurando opções do servidor de páginas e do servidor ftp. Após ter criado um diretório virtual, quer seja de http ou de ftp, você pode configurar uma série de opções para este diretório. As configurações

Leia mais

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP

HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP HCN/HCS SERIES CÂMERAS E CONVERSORES IP Obrigado por utilizar os produtos Dimy s. Antes de operar o equipamento, leia atentamente as instruções deste manual para obter um desempenho adequado. Por favor,

Leia mais

Este tutorial está publicado originalmente em http://www.baboo.com.br/conteudo/modelos/?a=40917&z=327

Este tutorial está publicado originalmente em http://www.baboo.com.br/conteudo/modelos/?a=40917&z=327 Todos os meses mais de 5,1 milhões de internautas visitam o Fórum do BABOO. Lá todas as suas dúvidas e problemas de informática são solucionados gratuitamente pela nossa comunidade. Participe você também:

Leia mais

Manual Operacional SAT TS-1000

Manual Operacional SAT TS-1000 Manual Operacional SAT TS-1000 APRESENTAÇÃO O TS-1000 é o equipamento SAT da Tanca destinado a emissão de Cupons Fiscais Eletrônicos. Equipado com o que há de mais moderno em Tecnologia de Processamento

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir

Informática. Informática. Valdir. Prof. Valdir Prof. Valdir Informática Informática Valdir Prof. Valdir Informática Informática PROVA DPF 2009 Julgue os itens subseqüentes, a respeito de Internet e intranet. Questão 36 36 - As intranets, por serem

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts)

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) Gerência de Redes de Computadores 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) UFCG / DSC / JPS * 05 GERÊNCIA DE HOSPEDEIROS 1 TIPOS DE HOSPEDEIROS DOIS TIPOS DE HOSPEDEIROS o Servidores o Estações Clientes HÁ GRANDE

Leia mais

Shavlik Protect. Guia de Atualização

Shavlik Protect. Guia de Atualização Shavlik Protect Guia de Atualização Copyright e Marcas comerciais Copyright Copyright 2009 2014 LANDESK Software, Inc. Todos os direitos reservados. Este produto está protegido por copyright e leis de

Leia mais

Conheça os principais comandos do Prompt do Windows; veja lista

Conheça os principais comandos do Prompt do Windows; veja lista Conheça os principais comandos do Prompt do Windows; veja lista Embora nem todos conheçam, o Prompt do Windows possui comandos interessantes e que podem ser úteis em algumas situações e até mesmo mais

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

Estatísticas --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente

Estatísticas --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente Estatísticas --------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Manual do cliente www.plugin.com.br 1 ÍNDICE O que é o PlugStats:...4 Acessando

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

Aula Pratica 3 Configurações de Rede Ethernet com Protocolo TCP/IP

Aula Pratica 3 Configurações de Rede Ethernet com Protocolo TCP/IP 1 Aula Pratica 3 Configurações de Rede Ethernet com Protocolo TCP/IP Objetivo: Esta aula tem como objetivo apresentar aos alunos como configurar equipamentos em redes Ethernet com os protocolos TCP/IP.

Leia mais

Instalando e usando o Document Distributor 1

Instalando e usando o Document Distributor 1 Instalando e usando o 1 O é composto por pacotes de software do servidor e do cliente. O pacote do servidor deve ser instalado em um computador Windows NT, Windows 2000 ou Windows XP. O pacote cliente

Leia mais

Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server

Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server Como instalar o sistema operacional pfsense no Citrix Xen Server Autor: Eder S. G. - edersg@vm.uff.br Versão: 1.2 Data: 21/11/2012 Última atualização: 07/03/2013 Observação: Máquina real: Sistema operacional

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Instalando e Configurando o Oracle XE

Instalando e Configurando o Oracle XE Instalando e Configurando o Oracle XE Execute o instalador do Oracle XE (OracleXEUniv.exe) e aguarde enquanto os arquivos de instalação são descompactados; A seguir, clique em Next para iniciar o procedimento;

Leia mais

Software de Monitoração NHS 3.0. NHS Sistemas Eletrônicos

Software de Monitoração NHS 3.0. NHS Sistemas Eletrônicos Manual Software de Monitoração NHS 3.0 1 Software de Monitoração NHS 3.0 Versão 3.0.30 Manual Software de Monitoração NHS 3.0 2 Sumário 1 Introdução...3 2 Iniciando a Monitoração do Nobreak...4 2.1 Instalando

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Data alteração: 19/07/11 Pré Requisitos: Acesse o seguinte endereço e faça o download gratuito do SQL SRVER EXPRESS, conforme a sua plataforma x32 ou

Leia mais

CSAU 10.0. Guia: Manual do CSAU 10.0 como implementar e utilizar.

CSAU 10.0. Guia: Manual do CSAU 10.0 como implementar e utilizar. CSAU 10.0 Guia: Manual do CSAU 10.0 como implementar e utilizar. Data do Documento: Janeiro de 2012 Sumário 1. Sobre o manual do CSAU... 3 2. Interface do CSAU 10.0... 4 2.1. Início... 4 2.2. Update...

Leia mais

Software Ativo. Operação

Software Ativo. Operação Software Ativo Operação Página deixada intencionalmente em branco PROTEO MANUAL OPERAÇÃO SUMÁRIO 1 - INSTALAÇÃO DO SOFTWARE ATIVO... 5 2 CRIANDO PROJETO UVS/ TMS PROTEO... 10 2.1 - Estrutura do Projeto...

Leia mais

Laboratório - Uso da calculadora do Windows com endereços de rede

Laboratório - Uso da calculadora do Windows com endereços de rede Laboratório - Uso da calculadora do Windows com endereços de rede Objetivos Parte 1: Acesso à Calculadora do Windows Parte 2: Converter entre os sistemas numéricos Parte 3: Converter endereços IPv4 de

Leia mais

Wireshark Lab: Iniciando

Wireshark Lab: Iniciando Wireshark Lab: Iniciando Versão 1.1 2005 KUROSE, J.F & ROSS, K. W. Todos os direitos reservados 2008 BATISTA, O. M. N. Tradução e adaptação para Wireshark. Conte-me e esqueço. Mostre-me e eu lembro. Envolva-me

Leia mais

Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama

Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama Manual do Remote Desktop Connection Brad Hards Urs Wolfer Tradução: Marcus Gama 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Buffer de Quadro Remoto (Buffer de Quadro Remoto) 6 3 Usando o Remote Desktop

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalação e Configuração Produto: DPS Print Server Versão:3.0.0 Versão do Doc.:1.0 Autor: Wagner Petri Data: 11/03/2010 Aplica-se à: Clientes e Revendas Alterado por: Release Note: Detalhamento

Leia mais

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo

Sistemas de Monitoração de Rede. Resumo Sistemas de Monitoração de Rede Roberto Majewski Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, novembro de 2009 Resumo Com o grande crescimento da

Leia mais

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye

1. Introdução. 2. Funcionamento básico dos componentes do Neteye 1. Introdução Esse guia foi criado com o propósito de ajudar na instalação do Neteye. Para ajuda na utilização do Software, solicitamos que consulte os manuais da Console [http://www.neteye.com.br/help/doku.php?id=ajuda]

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores Gerência de Redes de Computadores As redes estão ficando cada vez mais importantes para as empresas Não são mais infra-estrutura dispensável: são de missão crítica, ou

Leia mais

Manual de Configuração D-LINK Modelo: DVG-1402S Firmware: 1.00.011

Manual de Configuração D-LINK Modelo: DVG-1402S Firmware: 1.00.011 Manual de Configuração D-LINK Modelo: DVG-1402S Firmware: 1.00.011 Para usuários de conexão banda larga do tipo PPPoE (autenticação por usuário e senha) Capítulo 1 Conectando-se à Internet Alguns provedores

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Guia passo a passo para o Microsoft Windows Server Update Services 3.0 SP2

Guia passo a passo para o Microsoft Windows Server Update Services 3.0 SP2 Guia passo a passo para o Microsoft Windows Server Update Services 3.0 SP2 Microsoft Corporation Autor: Anita Taylor Editor: Theresa Haynie Resumo Este guia fornece instruções detalhadas para instalação

Leia mais

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas

Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas 1 Procedimentos para Configuração de Redirecionamento de Portas O DIR 635 tem duas opções para liberação de portas: Virtual server: A opção Virtual Server permite que você defina uma única porta pública

Leia mais