Angola Relatório e Contas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Angola Relatório e Contas"

Transcrição

1 Angola Relatório e Contas 2012 TÍTULO DO SEPARADOR 1

2

3

4

5 INTRODUÇÃO 6 1. Mensagem do Presidente da Comissão Executiva (CEO) 8 2. O Grupo Standard Bank 9 3. Principais Indicadores da Actividade Estrutura Accionista e Órgãos Sociais Governo da Sociedade 12 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO Conjuntura Macroeconómica Global Conjuntura Macroeconómica em Angola 18 SÍNTESE DA ACTIVIDADE Marcos Históricos do Banco Marketing e Comunicação Principais Segmentos de Negócio Rede de Distribuição Qualidade de Atendimento ao Cliente Recursos Humanos Gestão de Riscos Compliance 43 ANÁLISE FINANCEIRA Análise de Balanço Análise de Resultados Fundos Próprios Proposta de Aplicação de Resultados 49 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E NOTAS 50 RELATÓRIO DE AUDITORIA 82 RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL 86

6

7 Introdução

8 INTRODUÇÃO 01 Mensagem do Presidente O Standard Bank de Angola (SBA) faz parte do Standard Bank Group, o maior Banco em África que conta com 150 anos de existência. O Standard Bank Group tem uma das maiores redes bancárias do continente, presente em 18 países e com mais de pontos de representação em África e presença nas principais praças financeiras mundiais. Esta rede permite ligações globais, apoiadas por conhecimentos profundos dos países onde opera. O exercício de 2012 foi apenas o segundo ano completo de actividade do SBA em Angola. Não obstante, o Banco já se tornou uma referência no Sistema Financeiro Angolano. O Banco pretende oferecer um conjunto vasto de soluções inovadoras e um serviço de qualidade centrado no Cliente. Deste modo, o modelo organizacional de negócios do SBA assenta na segmentação da base de Clientes a fim de melhorar a visão sobre as necessidades individualizadas dos Clientes, a alteração das suas actividades e desempenhos ao longo do tempo, e a forma como o Banco poderá responder a essas necessidades e mudanças de uma forma eficiente e acrescentando valor aos seus Clientes. O SBA encara o capital humano como um dos principais factores críticos de sucesso do negócio. A qualidade do serviço ao Cliente resulta de um investimento significativo em capital humano Angolano, onde mais de 60% dos colaboradores têm licenciatura concluída e outros 22% estão neste momento a terminar os seus estudos superiores. Através de um processo de selecção rigoroso e uma forte aposta na formação interna e externa dos seus colaboradores, o Banco tem dotado a sua rede comercial e os seus serviços centrais com jovens profissionais Angolanos com qualificações adequadas às exigências dos seus Clientes: em final de 2012, o SBA contava já com 352 colaboradores, o que representa um crescimento de 112% face ao ano anterior. O SBA tem vindo a desenvolver um significativo programa de expansão de modo a aumentar a sua presença no mercado Angolano. Com o objectivo de oferecer um crescente acesso aos serviços bancários, o programa de alargamento da sua rede comercial em Angola resultou na abertura de 12 novas agências em 2012 e o objectivo é terminar 2013 com um total de 27 agências distribuídas por todo o país. A estratégia de apoiar a economia Angolana é consubstanciada na assinatura de protocolos institucionais como o Angola Investe, no apoio ao Governo Angolano na montagem de operações de grande dimensão ou na concessão de crédito a pequenas, médias e grandes empresas Angolanas ou multinacionais com actividade económica local. Em resultado do crescimento e expansão do SBA em 2012, o volume de Recursos de Clientes quase duplicou e o Crédito concedido aumentou para AOA milhões. Embora com uma quota de mercado ainda pouco significativa, o Banco tem em curso um programa de crescimento acelerado, sustentado por políticas de gestão de risco rigorosas e eficazes. O Banco pretende manter indicadores de solidez fortes, tendo para isso efectuado em 2012 um novo aumento do seu Capital Social no montante de AOA milhões (USD 50 milhões). Com este aumento de capital ocorreu também a entrada de um novo accionista Angolano na estrutura do Banco, a AAA Activos, Lda., que irá permitir reforçar os laços institucionais no país. O crescimento do SBA no mercado Angolano não poderia ter sido possível sem o esforço e dedicação dos nossos colaboradores bem como o apoio dos nossos Clientes, instituições do Governo da República de Angola e ao Banco Nacional de Angola, aos quais endereço o nosso agradecimento. Pedro Pinto Coelho (Presidente da Comissão Executiva) 8

9 INTRODUÇÃO 02 O Grupo Standard Bank O Grupo Standard Bank tem 150 anos de história na África do Sul tendo iniciado a sua expansão para o resto de África no início dos anos 90. Actualmente opera em 18 países do continente Africano, incluindo a África do Sul, bem como noutras economias emergentes estratégicas. A estratégia do Grupo é construir uma Instituição Financeira líder em África, maximizando todas as suas vantagens competitivas. O Grupo está focado em acrescentar valor aos seus accionistas de forma sustentada, respondendo às necessidades dos seus Clientes através de um serviço de excelência e da oferta de operações inovadoras em países seleccionados do continente Africano. O Grupo pretende ainda ser a ponte entre as novas economias emergentes e os mercados Africanos, e ligar os mercados emergentes entre eles, utilizando para isso toda a sua experiência no sector. Para o Grupo e em todos os mercados onde opera, tal como em Angola, o factor crítico de sucesso são as pessoas, empenhadas nesta estratégia, independentemente da sua localização. O Grupo em resumo O Grupo Standard Bank é o maior em África em termos de total de Capitalização Bolsista, Activos, Capitais Próprios e Resultados A história do grupo remonta a 1862 O Grupo está presente em 18 países do continente O Grupo tem agências e ATMs no continente Africano O Grupo emprega mais de pessoas 2012 Resultados Resultados por acção ROE Activo líquido por acção Tier I Rácio de crédito em incumprimento Fitch rating USD 1769 milhões (2011: USD 1672 milhões) 111 cêntimos (2011: 105 cêntimos) 14,2% (2011: 14,3%) 836 cêntimos (2011: 794 cêntimos) 11,7% (2011: 12,0%) 1,08% (2011: 0,87%) BBB 9

10 INTRODUÇÃO 03 Principais Indicadores da Actividade Valores expressos em milhares (excepto dados estatísticos) 2012 AOA 2011 AOA Var % 2012 USD 2011 USD Var % Margem Financeira % % Produto Bancário % % Resultado Líquido ( ) ( ) 32% (10.299) (7.926) 30% Total do Activo % % Aplicações de Liquidez % % Títulos e Valores Mobiliários % % Crédito Bruto % % Crédito Líquido % % Depósitos % % Captações de Liquidez % % Total do Passivo % % Fundos Próprios % % Rácio de Solvabilidade Regulamentar 21,01% 47,44% -56% Rácio de Conversão 18,31% 2,12% 763% Nº de Balcões % Nº de ATMs % Nº de POS % Nº de Cartões de Débito % Nº de Clientes % Título de célula Nº de Funcionários % 10

11 INTRODUÇÃO 04 Estrutura Accionista e Órgãos Sociais Estrutura Accionista Accionistas % Capital Standard Bank Group Limited 51% AAA Activos, Lda. 49% Orgãos Sociais Mesa da Assembleia Geral Presidente Aníbal Correia Secretário Natacha Sofia da Silva Barradas Conselho de Administração Presidente Dominic Bruynseels Vogais Pedro Nuno Munhão Pinto Coelho António Caroto Coutinho Ivo Manuel Neto de São Vicente Carlos Manuel de São Vicente Auditores Externos PricewaterhouseCoopers Conselho Fiscal Presidente Lara Santos Wyness Vogal Octávio Castelo Paulo Vogal Alberto Manuel Freitas Silva Comissão Executiva Presidente Pedro Nuno Munhão Pinto Coelho Vogais António Caroto Coutinho Ivo Manuel Neto de São Vicente 11

12 INTRODUÇÃO 05 Governo da Sociedade Um modelo de governo societário transparente e a sua divulgação completa e actualizada é cada vez mais uma informação que acrescenta valor aos accionistas, entidades reguladoras e ao mercado em geral. O Grupo Standard Bank cumpre os princípios do Código de Conduta e Práticas Corporativas (Código King), cujos princípios definem as normas e as práticas de governação corporativa do Banco e são determinantes na forma como o Conselho de Administração de cada subsidiária do Standard Bank orienta e lidera a organização. As entidades subsidiárias do Grupo guiam-se por estes princípios quando definem os seus quadros de governação, para além de cumprirem os regulamentos locais aplicáveis. Durante 2012, o SBA concentrou-se em definir um modelo de governo societário com uma estrutura e princípios bem definidos, de modo a reflectir o compromisso claro com as melhores práticas internacionais e as linhas orientadoras do Grupo, e o cumprimento dos requisitos regulamentares em Angola. O objectivo é estabelecer uma linha clara de distribuição de responsabilidades no interior da hierarquia e na existência de processos de monitorização, fiscalização e de Compliance, tanto interna como externa. ESTRUTURA DO GOVERNO SOCIETÁRIO Assembleia Geral Membros da Mesa A Mesa da Assembleia Geral é constituída por um Presidente e um Secretário. Os membros da Mesa que podem ser accionistas ou não são eleitos por períodos de quatro anos, sendo permitida a sua reeleição. Conselho de Administração O Conselho de Administração, composto por 5 administradores nomeados em Assembleia Geral por 4 anos, é o órgão decisório máximo do Banco e pertencem-lhe as responsabilidades últimas em matéria de governação. Os administradores têm acesso irrestrito à equipa de gestão e às informações sobre o Banco, bem como aos recursos necessários para desempenharem as suas responsabilidades. Em 2012, o Banco deu início ao processo de criação de um Comité de Auditoria do Conselho de Administração, o qual entrará em funções já no início de Este órgão terá como função primária supervisionar a actividade da Comissão Executiva e consequentemente da gestão do Banco em termos de assegurar a salvaguarda dos activos do Banco, a avaliação da eficácia do sistema de controlo interno do Banco, o cumprimento da legislação a que o Banco está sujeito, bem como de todo o normativo dos órgãos de supervisão. Para isso serão realizadas reuniões com periodicidade mínima trimestral, em que para além dos 3 membros da Comissão Executiva, serão convidados os Directores de Auditoria Interna, Risco, Compliance, Legal, Finance, os auditores externos e o CEO do Banco. Comissão Executiva O Conselho de Administração delega a gestão corrente do Banco numa Comissão Executiva, composta por 3 membros eleitos por mandatos de 4 anos, com possibilidade de reeleição. A Comissão Executiva compreende todos os poderes de gestão necessários ou convenientes para o exercício da actividade bancária nos termos e com a extensão com que a mesma é configurada no regimento deste órgão e na lei. Comité de Risco de Crédito do Conselho de Administração O objectivo deste Comité é assegurar a existência efectiva de uma estrutura de gestão de risco de crédito adequada, avaliando, monitorizando e controlando o risco de crédito, incluindo o risco-país. Este Comité recomenda ao Conselho de Administração os membros e responsabilidades para o Comité de Gestão de Risco de Crédito, com a definição clara de mandatos e delegação de responsabilidades, seguindo as linhas orientadoras do Grupo Standard Bank. Isto inclui a delegação de poderes para aprovação das operações de crédito. 12

13 INTRODUÇÃO Comité de Gestão de Risco de Crédito O Comité Gestão de Risco de Crédito corresponde à função de tomada de decisão ao nível de gestão de risco de crédito, com delegação de poderes bem definida, conforme determinado pelo Conselho de Administração, através do Comité de Risco de Crédito do Conselho de Administração. O objectivo deste Comité é estabelecer e definir os princípios para a aceitação de risco de crédito e ao quadro geral para a gestão consistente e uniformizada de identificação, avaliação, gestão e comunicação de risco de crédito. Comité de Activos e Passivos (ALCO) O objectivo deste Comité é a análise da evolução do balanço do Banco, quer em termos de saldos de crédito e recursos de Clientes, quer de margens, facultando à Comissão Executiva os elementos necessários para a definição de objectivos estratégicos em matéria de crescimento da actividade creditícia e de captação de recursos de Clientes, estratégia de financiamento (gestão do mismatch do balanço) e de preços/margens. Comité de Gestão de Risco Operacional e Compliance O objectivo deste Comité é monitorizar o risco operacional do Banco, em conformidade com a política de gestão de risco definida pelo Grupo, incluindo o risco da informação e continuidade de negócio. Deve garantir a definição da estratégia, modelos operacionais e planos, bem como estruturas de gestão, padrões e políticas, para garantir uma abordagem coerente para a identificação, avaliação, monitorização e comunicação de risco operacional. Fiscalização Actualmente a função de fiscalização interna do SBA está a cargo do Conselho Fiscal, composto por 3 membros nomeados para um mandato de 4 anos, e será atribuída também à Comissão de Auditoria do Conselho de Administração. A fiscalização externa do Banco é exercida pela empresa de Auditoria PricewaterhouseCoopers bem como pelas autoridades de supervisão a que está sujeito no exercício da sua actividade em Angola. 13

14

15 Enquadramento Macroeconómico

16 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 06 Conjuntura Macroeconómica Mundial A economia mundial desacelerou em 2012, com uma redução da taxa de crescimento do PIB de 3,9% em 2011 para 3,2% em No entanto, as diferentes regiões tiveram desempenhos muito diferentes. Nos países avançados, os Estados Unidos e o Japão aceleraram, enquanto a Europa entrou em recessão devido à persistência da crise da dívida. Nos países em desenvolvimento, o crescimento diminuiu na maioria das regiões, com a excepção do Médio Oriente e Norte de África, devido em parte aos esforços de reconstrução de alguns países após a Primavera Árabe. Na sequência desta desaceleração mundial, o crescimento do comércio internacional também diminuiu significativamente, de 5,9% em 2011 para 2,8% em Economias desenvolvidas continuam dependentes de políticas expansionistas Em 2012, o crescimento do PIB dos Estados Unidos subiu para 2,2% após 1,8% em Esta recuperação foi fortemente influenciada pelas políticas macroeconómicas, nomeadamente da Reserva Federal Americana, que apoiou a economia através de duas novas operações quantitativas: a operação Twist, que consiste na troca de títulos de maturidades curtas detidos pela Reserva Federal por títulos de maturidades mais longas de forma a reduzir as taxas de juro nas maturidades mais longas, e a operação QE3, que consiste na compra de títulos garantidos por hipotecas, aumentando a procura e reduzindo os juros sobre esses títulos. Estima-se que estas medidas tenham tido um impacto mensal no balanço da Reserva Federal de cerca de USD milhões, o que representa um estímulo quantitativo significativo para a economia americana. Este estímulo não impediu que a economia estagnasse nos Estados Unidos no final de 2012, em parte devido às condições atmosféricas muito adversas que varreram o país. No entanto, os dados de confiança e de actividade económica apontam para uma recuperação económica no primeiro trimestre de Na União Europeia, a economia entrou em recessão, com uma queda do PIB de 0,3% relativamente a 2011, devido a uma contracção significativa no segundo semestre. Esta queda foi provocada pela intensificação da crise em Itália e Espanha e por um alargamento da crise de dívida dos países periféricos para os países do centro, tais como a Alemanha e a França, que registaram contracções no PIB no quarto trimestre. Com a política orçamental fortemente condicionada pela desconfiança dos mercados relativamente à dívida pública, o BCE anunciou uma série de medidas para apoiar a economia. Em Julho, reduziu a sua taxa de refinanciamento para 0,75%, um novo mínimo histórico. Das restantes medidas, destaca-se a política Outright Monetary Transactions (Transacções Monetárias Definitivas), que consiste na compra de obrigações do Tesouro dos países que recorreram a um Programa de Assistência Europeu mas que já se encontrem a emitir dívida pública nos mercados internacionais. A Irlanda e Portugal poderão beneficiar desta medida em Outras medidas implementadas em 2012 incluem a projecção de um Mecanismo Único de Supervisão para os maiores bancos da UE, sob a alçada do BCE, o que deverá aumentar a confiança dos mercados relativamente ao sector bancário Europeu. Estas medidas do BCE permitiram uma melhoria significativa nas condições de financiamento da economia, sobretudo na segunda metade do ano, com as taxas de juro das obrigações europeias a descerem significativamente durante o ano de 2012, o que demonstra a maior confiança dos investidores relativamente à sustentabilidade da dívida soberana de vários países Europeus. No Japão, o PIB subiu 1,9% em 2012 após uma recessão de 0,5% em 2011, na sequência do acidente de Fukushima. Tal como nos restantes países avançados, o desempenho no quarto trimestre decepcionou, com uma ligeira queda. Países em desenvolvimento A China foi marcada em 2012 pela incerteza relativamente à mudança dos seus líderes de topo, que só terminou no final do ano, quando se tornou óbvio que Li Keqiang seria o sucessor do Primeiro Ministro Wen Jiabao. No plano económico, a China sofreu um arrefecimento importante, com uma desaceleração do PIB de 9,5% em 2011 para 7,8% em 2012, devido ao impacto do arrefecimento mundial nas exportações Chinesas e à desaceleração do investimento, nomeadamente em construção. Ainda assim, este desempenho foi mais favorável do que era esperado 16

17 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO pela maioria dos analistas, em parte graças à recuperação inesperada no quarto trimestre de 2012, que se deve fundamentalmente ao aumento do investimento em infraestruturas por parte do Governo. Os dados disponíveis para o Brasil até ao terceiro trimestre apontam para uma desaceleração do PIB de 2,7% em 2011 para 0,7% em Com efeito, a dependência do Brasil das exportações de matérias-primas torna-o vulnerável ao arrefecimento mundial. Em 2012, o Banco do Brasil teve uma política expansionista, com uma redução significativa da taxa de referência Selic de 11% no final de 2011 para 7,25% no final de No entanto, ao mesmo tempo que a economia desacelerou, a inflação, que tinha diminuído para menos de 5% na primeira metade do ano, voltou a subir possivelmente devido a políticas orçamentais e monetárias expansionistas. Na Índia, o PIB deverá ter desacelerado em Os dados até ao terceiro trimestre apontam para um crescimento de 4,1% após 7% em O arrefecimento deve-se em grande parte à redução do investimento. A política monetária foi expansionista em 2012 para contrariar o arrefecimento. Crescimentos do PIB (em %) Mercados Financeiros Acções: 2012 foi um ano de incerteza para os mercados financeiros. Nos Estados Unidos, os principais índices bolsistas terminaram o ano com ganhos entre 2,5% e 2,8%. Apesar de a retoma económica ter tido um impacto positivo nos índices bolsistas, a incerteza quanto à política orçamental, devido ao risco de não ser possível evitar os aumentos automáticos dos impostos no início de 2013, preveniu maiores ganhos. Na Europa, os principais índices terminaram o ano com subidas inferiores a 1%, devido à persistente incerteza sobre a crise de dívida. Portugal foi uma excepção, com uma subida de perto de 4%, devido à percepção por parte dos investidores que a economia está a seguir criteriosamente o Plano de Assistência Económica e Financeira proposto pelo FMI, BCE e Comissão Europeia. Taxas de juro: Os mercados Europeus registaram as evoluções mais marcadas. Nos países periféricos, Portugal, Grécia e Irlanda viram as taxas sobre as obrigações do Tesouro no mercado secundário descerem de forma significativa em Portugal e Irlanda conseguiram estrear-se também na emissão de novas obrigações, com bastante sucesso, após dois anos de financiamento por parte do FMI e da UE. Taxas de câmbio: em 2012, o euro subiu 2% face ao dólar americano. No entanto esta variação esconde dois períodos bem distintos. Entre o final de Fevereiro e o final de Julho, o euro desvalorizou cerca de 10% face ao dólar devido aos receios sobre a sobrevivência da moeda única. Nos últimos cinco meses do ano, o euro valorizou 9% devido à actuação do BCE, que devolveu a confiança aos mercados internacionais. O renmibi valorizou 1% face ao dólar americano em 2012, mas mantém-se relativamente baixo face ao seu valor de equilíbrio, o que reflecte uma política de apoio às exportações. Fonte: OECD, * dados até Q

18 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 07 Conjuntura Macroeconómica em Angola Principais eventos macroeconómicos em Angola durante 2012 A economia Angola apresentou um crescimento de 7,9% em 2012 face a um crescimento de 3,4% em Esta aceleração ficou a dever-se essencialmente à recuperação da produção de petróleo e ao aumento de novos projectos e da recuperação de projectos em atraso. A produção de petróleo aumentou para uma média de 1,75 milhões de barris por dia face a uma produção de 1,69 milhões barris por dia em Não obstante, os sectores não petrolíferos também evidenciaram um forte crescimento, com destaque para a agricultura, a construção e os transportes. A consolidação fiscal e a estabilidade da taxa de câmbio foram factores críticos para a estabilidade macroeconómica do país. O BNA atingiu em 2012 o objectivo de uma taxa de inflação de 10%, tendo apresentado uma redução para 9% em Dezembro, após um valor máximo de 11,5% em Janeiro de A inflação média em 2012 foi de 10,3% face a 13,5% em Os meios de pagamento (M3) apresentaram um crescimento médio de 22% em 2012, ligeiramente abaixo do crescimento médio de 22,4% em O BNA introduziu em Setembro de 2011 uma taxa de juro básica como principal indicador da política monetária. A taxa sofreu uma redução para 10,25% em Janeiro de 2012, não sofrendo qualquer alteração até ao final do ano. A taxa de juro básica tem pouca influência nas condições de liquidez. Neste sentido, a taxa de juro utilizada nas operações do mercado monetário interbancário é a taxa de juro Luibor. A taxa de juro overnight fixou-se nos 6,21% em Dezembro de 2012 face a 6,39% em Janeiro, reflectindo uma melhoria marginal nas condições de liquidez do sistema bancário Angolano. Nos 3 primeiros trimestres de 2012, a receita fiscal e a despesa atingiram os AOA milhões e AOA milhões, respectivamente. Com base nas receitas e despesas dos 3 primeiros trimestres de 2012, estimamos que o superavit fiscal deverá atingir os 8,8% do PIB face a 11,3% do PIB em O orçamento inicial para 2012 previa um superavit equivalente a 12% do PIB. No final de 2011 e início de 2012, foram implementadas em Angola diversas reformas para melhorar a prestação de contas da despesa pública. Foram desenvolvidos esforços para eliminar progressivamente as operações parafiscais da Sonangol e incorporá-los no resultado fiscal. A taxa de câmbio USD/AOA apresentou uma variação de 1,3% em Quer a balança de pagamentos quer o superavit fiscal contribuíram para a acumulação de reservas em moeda estrangeira, as quais permitiram a estabilidade cambial verificada. A taxa de câmbio USD/AOA média em 2012 foi de 95,4 face a 93,7 em Foi ainda introduzida em Fevereiro de 2012 uma nova lei cambial aplicável ao sector petrolífero e do gás natural. Esta lei exige que o pagamento de impostos, bem como o pagamento a fornecedores locais de bens e serviços ao sector petrolífero e do gás natural, sejam efectuados na moeda nacional. A implementação desta nova lei só estará concluída em Outubro de Produção e inflação Tal como referido anteriormente, após uma taxa de crescimento do PIB em Angola de 3,4% em 2011, o FMI antecipa uma aceleração do PIB para 7,9% em 2012, em contra-ciclo com a economia mundial. Com efeito, a actividade económica Angolana ficou marcada pela recuperação acentuada da produção de petróleo em 2012, graças à resolução de problemas de extracção que surgiram na segunda metade de Em 2012, o aumento na produção de petróleo foi acompanhado por um esforço de diversificação da economia por parte do Governo Angolano, nomeadamente através de investimentos produtivos em indústrias transformadoras que permitem ao país substituir importações por produção local. Esses investimentos foram acompanhados por outros investimentos na extracção de gás natural, na produção de electricidade e de medidas de apoio e fomento da agricultura. Antecipa-se que os sectores não petrolíferos tenham crescido cerca de 9% em

19 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO Evolução do PIB em Angola (em %) Juntamente com a estabilidade da taxa de câmbio, a descida da inflação contribui para uma melhoria significativa das condições macroeconómicas. Fonte: FMI, fontes nacionais, projecções do Standard Bank Produção de petróleo crude em Angola Balança de mercadorias Em 2012, o saldo da balança comercial de mercadorias de Angola aproximava-se de USD 54 mil milhões, depois dos USD 45,5 mil milhões verificados em As exportações subiram 14,6% e as importações subiram 5,1%. Os produtos petrolíferos representaram 98% do total de exportações, seguidos pelos diamantes, com 1,4% do total. Camarão congelado e sucata representam os principais produtos não mineiros exportados, mas são apenas uma fracção do total de exportações. Os principais destinos das exportações incluem a China, E.U.A., Índia, Taiwan, Canadá, África do Sul, Portugal, França, Países Baixos e Reino Unido. Quanto às importações, Angola depende essencialmente de Portugal, seguido da China, E.U.A., África do Sul, R.U. e França. A economia continua crucialmente dependente das importações de alimentos e produtos transformados, uma vez que a dependência que o país tem do petróleo abafou os restantes sectores. Fonte: Bloomberg, IEA O aumento da produção permitiu o aumento das reservas de divisas para níveis historicamente elevados (excluindo ouro, as reservas subiram para perto de USD 33 mil milhões no final de 2012), o que deverá servir de suporte para a economia no caso de queda dos preços do petróleo, se o abrandamento mundial for mais intenso do que actualmente previsto. Ao mesmo tempo, a inflação desceu de forma significativa durante o ano em resultado de uma política monetária e cambial bem definida e coordenada pelo Governo em conjunto com o BNA. Em Dezembro, a taxa de variação do Índice de Preços no Consumidor (IPC) tinha atingido 9%, um ponto percentual abaixo do objectivo do Governo. Sector bancário O sector bancário continuou a crescer em Antecipa-se que o sector continue em franca expansão graças à entrada em vigor da nova lei cambial para o sector petrolífero que obriga as companhias petrolíferas a pagar aos seus fornecedores através de bancos angolanos. Em Dezembro, a concessão de crédito aumentou 18,3% em termos homólogos. O crédito ao sector privado deu o maior contributo (aumento em termos homólogos de 15%), com o crédito às empresas estatais e públicas a contribuir 1,2% e 1,4%, respectivamente. O peso do crédito ao sector privado em relação ao total de crédito aumentou 2,7%, nos últimos 12 meses, para 67,1% em Dezembro. 19

20 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO A quota de mercado do crédito em moeda nacional também tem estado a aumentar. Em Dezembro de 2012, representava 59,9% de todo o crédito, um crescimento em relação à quota de 52,8% verificada em Dezembro de 2011, devido ao esforço das autoridades angolanas de promoção da utilização do Kwanza. Em concreto, os bancos só podem conceder crédito em dólares nos prazos de vencimento superiores a um ano, excepto para as empresas que tenham receitas em dólares. Além do mais, nos rácios de solvabilidade dos bancos, os empréstimos em dólares sofrem uma penalização de 30% relativamente aos empréstimos efectuados na moeda local. A moeda nacional também está a conseguir uma maior parcela dos depósitos, mas a um ritmo mais lento. Em Dezembro último, os depósitos em Kwanza representavam 55,2% de todos os depósitos, quando eram apenas 50,3% em Dezembro de Os depósitos tiveram um crescimento homólogo de 1,1% em Dezembro de O aumento do recurso à moeda nacional nas transacções bancárias deverá permitir reduzir a vulnerabilidade da economia às alterações na taxa de câmbio, contribuindo para a estabilidade macroeconómica. O rácio entre crédito e depósitos encontrou-se em 2012 abaixo dos 70%, um valor conservador em termos internacionais (actualmente na zona euro este rácio é de aproximadamente 130%) mas semelhante aos valores dos países em desenvolvimento (por exemplo, no Gana é de 60%, na Índia é de cerca de 75% e na África do Sul é de pouco mais de 90%). Evolução de Crédito e Depósitos Fonte: BNA Valores em milhares de milhões de Kwanzas. Política monetária O BNA manteve uma política de estabilidade do Kwanza face ao dólar americano em A taxa de câmbio manteve-se praticamente estável durante o ano, tendo registado uma variação de apenas 0,5%. A taxa de câmbio no mercado primário terminou o ano em 95,826 face ao dólar americano. A taxa básica do BNA desceu 25 pontos base em 2012 e terminou o ano em 10%. No que diz respeito à estabilidade financeira, o BNA implementou uma série de medidas, nomeadamente a revisão do enquadramento regulamentar em conformidade com as normas internacionais (Basileia III), a junção das actividades de inspecção directa (on site) e indirecta (off site) numa única unidade e a criação de uma nova unidade responsável pela análise de risco sistémico. Apesar dos progressos importantes realizados, ainda existem áreas com desafios estruturais importantes que têm merecido a atenção do Governo. Entre outros, a dependência da economia dos preços internacionais do petróleo, a necessidade do investimento continuado em infra-estruturas e produção e transmissão de energia de forma a responder às necessidades de uma população em crescimento e a investimentos industriais estruturantes para a criação de emprego, bem como para dar resposta às necessidades alimentares, as quais ainda são maioritariamente satisfeitas através de importações. 20

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 14/110 Fundo Monetário Internacional PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 700 19 th Street, NW 19 de Março de 2014 Washington, D.C.

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

www.standardbank.co.ao

www.standardbank.co.ao www.standardbank.co.ao Standard Bank Angola Relatório Anual 2013 Índice O Banco Os nossos valores 02 Como criamos valor 04 Estrutura de Negócios, Produtos e Serviços 05 Uma estratégia sustentável 06 Angola

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 O Sector Bancário Angolano Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 1 Julho de 2012 The big picture... 23 (2011) 47% (Abril 2012) 7 Bancos (#) Quota depósitos a ordem 21% Bancos Angolanos no Top

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

Angola Boletim Económico - Junho 2009

Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola retira pé do acelerador na economia Tem sido notícia nas últimas semanas em Portugal uma mudança de clima em relação à economia angolana: de um ambiente de

Leia mais

Índice Introdução O Standard Bank Enquadramento Económico Síntese da Actividade Garantir a Sustentabilidade Análise Financeira

Índice Introdução O Standard Bank Enquadramento Económico Síntese da Actividade Garantir a Sustentabilidade Análise Financeira Introdução Índice Introdução Mensagem da Comissão Executiva 3 Principais indicadores da actividade 6 Expectativas para 2015 8 O Standard Bank Os nossos valores 11 Como criamos valor 13 A nossa estrutura

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010. I. Balança de Pagamentos RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMENTO INTERNACIONAL ANO 2010 I. Balança de Pagamentos As contas externas mostram de forma resumida as relações económicas entre residentes e nãoresidentes

Leia mais

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010

Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 Economia Angolana Boletim Económico - 3º Trimestre de 2010 I. Nota Prévia Nesta edição do Boletim Económico do BAIE foi decidido inserir, para além da habitual informação e comentário sobre a evolução

Leia mais

Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre

Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre Maia, 31 de Julho de 2008 Desempenho afectado por desvalorização dos activos ditada pelo mercado Sonae Sierra registou Resultado Líquido de 1,3 milhões no primeiro semestre Rendas cresceram 4,5% numa base

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

POLÍTICA CAMBIAL COLECTÂNEA DE NORMAS

POLÍTICA CAMBIAL COLECTÂNEA DE NORMAS POLÍTICA CAMBIAL COLECTÂNEA DE NORMAS EM VIGOR EM 31 DE MAIO DE 2012 ANGOLA www.bancokeve.ao À memória do Dr. Francisco Luemba 7 ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA... 13 LEI CAMBIAL LEI Nº 5 / 97, DE 27 DE JUNHO

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão Mestrado em Ciências Empresariais Finanças Internacionais Ponta Delgada, Abril de 2009 Fernando José Rangel da Silva Melo Sumário 1 Gestão Financeira

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico João Fonseca Luanda, EPIC Sana 2 de Junho de 212 Agenda 1. Investimento estrangeiro de bancos

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

Contexto económico internacional

Contexto económico internacional 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO Contexto económico internacional O ano de 21 ficou marcado pela crise do risco soberano na Zona Euro e pela necessidade de ajuda externa à

Leia mais

A relação de Angola com o FMI após seis anos do acordo Stand-By

A relação de Angola com o FMI após seis anos do acordo Stand-By nov-5 abr-6 set-6 fev-7 jul-7 dez-7 mai-8 out-8 mar-9 ago-9 jan-1 jun-1 nov-1 abr-11 set-11 fev-12 jul-12 dez-12 mai-13 out-13 mar-14 ago-14 jan-15 jun-15 nov-15 abr-16 Dep. Estudos Económicos e Financeiros

Leia mais

Objectivos do Capítulo

Objectivos do Capítulo Objectivos do Capítulo Descrever a função de finanças da Multinacional e mostrar como se enquadra na estrutura organizacional das MNE s Mostrar como as empresas adquirem fundos externos para operações

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE)

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Países em recessão oficial (dois trimestres consecutivos) Países em recessão não-oficial (um trimestre) Países com desaceleração econômica de mais

Leia mais

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado

Políticas Públicas. Lélio de Lima Prado Políticas Públicas Lélio de Lima Prado Política Cambial dez/03 abr/04 ago/04 dez/04 abr/05 ago/05 Evolução das Reservas internacionais (Em US$ bilhões) dez/05 abr/06 ago/06 dez/06 abr/07 ago/07 dez/07

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero

Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero IV GOVERNO CONSTITUCIONAL Proposta de Lei n. De... de... Primeira alteração à Lei n.º 9/2005, de 20 de Junho, Lei do Fundo Petrolífero O Fundo Petrolífero foi estabelecido em 2005 com o objectivo de contribuir

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA December 2011 Espírito Santo Investment Bank Somos: A unidade de Banca de Investimento do Grupo Banco Espírito Santo O Banco de Investimento de

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 65.01 Informação actualizada a: 04/04/2011 Designação Comercial: Fidelity Poupança Data de início de Comercialização: 01/02/2007 Empresa de Seguros Entidade Comercializadora Autoridades de

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

Relatório e Contas 2011 REDE MILLENNIUM

Relatório e Contas 2011 REDE MILLENNIUM REDE MILLENNIUM 24 25 Millennium bank - Roménia 2011 2010 2009 Var. % 2010 Var. % 11/10 excluindo efeito cambial Ativo total 522 521 472 0,3% 513 1,7% Crédito a clientes (bruto) 398 344 268 15,6% 339 17,3%

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO 1. A economia cabo-verdiana é fortemente influenciada pela dinâmica da economia internacional, mormente da Zona Euro. 2. Neste contexto, a persistente

Leia mais

Cocktail de Primavera - 2010. Discurso do Presidente do Conselho de Administração

Cocktail de Primavera - 2010. Discurso do Presidente do Conselho de Administração Cocktail de Primavera - 2010 Discurso do Presidente do Conselho de Administração Exmo. Senhor Secretário para a Economia e Finanças, Dr. Francis Tam, Exmo. Senhor Director-geral Assistente do Departamento

Leia mais

Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças. Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco,

Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças. Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco, Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco, Exmos. Senhores Presidentes e demais membros dos Conselhos de Administração e das

Leia mais

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006

O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal. Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O Relatório da OCDE: A avaliação do sistema de ensino superior em Portugal Lisboa, 13 de Dezembro de 2006 O relatório de avaliação do sistema de ensino superior em Portugal preparado pela equipa internacional

Leia mais

Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, na Conferência Internacional Novas Abordagens da Regulação e da Supervisão na

Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, na Conferência Internacional Novas Abordagens da Regulação e da Supervisão na Discurso do Governador do Banco de Cabo Verde, Doutor João Serra, na Conferência Internacional Novas Abordagens da Regulação e da Supervisão na Mitigação de Riscos, no Salão de Banquetes da Assembleia

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico

Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico Angola: Rumo a um Médio Prazo Macroeconómico Nicholas Staines IMF Resident Representative 23/25 Largo Albano Machado Luanda, Angola nstaines@imf.org www.imf.org/luanda (244) 937-787-67 Parceria Infra-Estrutura

Leia mais

政 府 機 關 通 告 及 公 告 AVISOS E ANÚNCIOS OFICIAIS

政 府 機 關 通 告 及 公 告 AVISOS E ANÚNCIOS OFICIAIS N.º 12 27-3-2015 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU II SÉRIE 2.º SUPLEMENTO 5241 政 府 機 關 通 告 及 公 告 AVISOS E ANÚNCIOS OFICIAIS 澳 門 金 融 管 理 局 AUTORIDADE MONETÁRIA DE MACAU 通 告 澳 門

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Não existe garantia de capital nem rendimento.

Não existe garantia de capital nem rendimento. 91-67 Informação actualizada a: 01/04/2012 Designação Comercial: Operação de Capitalização Série Nº 67 (I.C.A.E - Não normalizado) Data início de Comercialização: 07/05/2009 Empresa de Seguros Entidades

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

FORMAÇÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA EM ANGOLA: Contexto Actual e Perspectivas. Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira Lisboa, 11 de Julho de 2013

FORMAÇÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA EM ANGOLA: Contexto Actual e Perspectivas. Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira Lisboa, 11 de Julho de 2013 001 FORMAÇÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA EM ANGOLA: Workshop sobre Inclusão e Formação Financeira Lisboa, 11 de Julho de 2013 002 FORMAÇÃO E INFORMAÇÃO FINANCEIRA EM ANGOLA: Constituição do Departamento de

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS

1. COMISSÃO EXECUTIVA DE RECURSOS HUMANOS Governança Corporativa se faz com Estruturas O Itaú se orgulha de ser um banco essencialmente colegiado. A Diretoria atua de forma integrada e as decisões são tomadas em conjunto, buscando sempre o consenso

Leia mais

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro.

Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos na União Europeia e diminuiu, 0.5 pontos, na Área Euro. Abr-04 Abr-05 Abr-06 Abr-07 Abr-08 Abr-09 Abr-10 Abr-11 Abr-12 Análise de Conjuntura Maio 2014 Indicador de Sentimento Económico Em Abril de 2014, o indicador de sentimento económico aumentou 0.9 pontos

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Fortis Lease Portugal, Instituição Financeira de Crédito, S.A

Fortis Lease Portugal, Instituição Financeira de Crédito, S.A FORTIS LEASE PORTUGAL IFIC S.A. AVISO 10/2007 DISCIPLINA DE MERCADO Disciplina de Mercado - 2010 1 Índice Nota Introdutória 3 1. Declaração de Responsabilidade 3 2. Âmbito de Aplicação e Políticas de Gestão

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA. Relator: João Costa Pinto

O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA. Relator: João Costa Pinto O SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS E A EVOLUÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA Relator: João Costa Pinto Dia da Competitividade em Portugal 31 Outubro 2007 I. O PAPEL DO SISTEMA FINANCEIRO PORTUGUÊS NO MOVIMENTO DE

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais

OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS

OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS ÍNDICE I. Importância do Sector Bancário na Economia II. III. Actividade de Crédito Financiamento IV. Solvabilidade V. Regimes de Recapitalização Pública e de Concessão

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira CÂMARA DOS DEPUTADOS Ministro Guido Mantega Comissão de Fiscalização Financeira e Controle Comissão de Finanças e Tributação Brasília, 14 de maio de 2014 1 Economia

Leia mais

02 Estratégia RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE. Relatório de Sustentabilidade _ 16

02 Estratégia RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE. Relatório de Sustentabilidade _ 16 OLAFUR ELIASSON 1967, Copenhaga, Dinamarca Série Islandserie, # 34, 2005 Prova por revelação cromogénea 60 x 90 cm Edição única Courtesy Neugerriemschneider, Berlin and Tanaya Bonakdar, New York 02 Estratégia

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 3º Trimestre de 2015 1. Processo de ajustamento macroeconómico: uma evolução aparentemente paradoxal O ajustamento do nível de actividade económica em Angola tornou-se inevitável

Leia mais

MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU

MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ANÁLISE INSTITUCIONAL DO MERCADO DE TÍTULOS 1 ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS 2 ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU CEE

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/13 Págs. Duração

Leia mais