EDITORIAL 90 ANOS DE HISTÓRIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EDITORIAL 90 ANOS DE HISTÓRIA"

Transcrição

1

2 INSTITUCIONAL DIREÇÃO DA MANTENEDORA Diretoria Gestão Presidente: Ernani Carlos Boeck Vice-presidente: Ronaldo Fredolino Wendland Secretária: Dalva Lenz de Souza Vice-secretária: Telci Krause Tesoureiro: Hordi Núbio Felten Vice-tesoureiro: Flávio Huber Conselho Fiscal: Waldemar Blum Nelson de Oliveira Mario Tesche Ivo Novotny Arnaldo Schmitt Conselho Deliberativo: Marisa Sandra Allenbrandt Lori Cecatto Kedy Lopez Diretor geral: Flávio Magedanz Vice-diretor Faculdade Três de Maio: Sandro Ergang Vice-diretora Administrativa: Quedi Sônia Schmidt Vice-diretora Educação Básica e Ensino Médio: Marilei Assini Vice-diretora Educação Infantil: Dagma Heinkel Conselho Editorial: Ms Adalberto Lovato; Ms Alexandre Chapoval Neto; Dra Cinei Teresinha Riffel; Ms Douglas Faoro; Ms Fauzi de Moraes Shubeita; Ms Gilberto Souto Caramão; Ms Jorge Antonio Rambo; Ms Lilian Winter; Ms Márcia Stein; Ms Marcos Caraffa; Ms Natália Isaia; Ms Rita de Cássia Maciazeki; Ms Sandro Ergang; Ms Valsenio Gaelzer, Ms Vera Beatriz Pinto Zimmermann Weber; Ms Vera Lúcia Lorenzet Benedetti. Comissão Científica Interna (avaliadores - sistema blinded rewiew): Ms Adalberto Lovato; Ms Alexandre Chapoval Neto; Dra Cinei Teresinha Riffel; Ms Cláudia Viegas; Ms Evandir Bueno Barasuol; Ms Fauzi Schubeita; Ms Gilberto Caramão; Ms Helmuth Grossmann Júnior; Ms Jeane Borges; Ms Lilian Winter; Ms Luis Carlos Zucatto; Ms Márcia Stein; Ms Marcos Caraffa; Ms Natália Isaia; Ms Paulo Pereira; Ms Rita de Cássia Maciazeki; Ms Sandro Ergang; Mda Vanessa Marin; Ms Vera Lúcia Benedetti; Ms Vera Pinto Z i m e r m a n n We b e r ; D r d o F a u z i S c h u b e i t a ; Drdo Luis Carlos Zucatto. Comissão Científica Externa (avaliadores sistema blinded rewiew): Dra Cristiane Koehler SENAC (RS); Drdo Cristiano Henrique da Veiga UFSM (RS); Dr João Bosco Sobral UFSC (SC): Dr João Leonardo Pires EMBRAPA (RS); Dr Jorge Luis da Cunha - UFSM (RS); Dr José Antonio Martinelli UFRGS (RS); Dr Luciano Bedin da Costa - UFRGS (RS); Dra Márcia Soares Chaves EMBRAPA (RS); Dr Mário Luis Santos Evangelista - UFSM (RS); Dra Marlene Gomes Terra UFSM (RS); Dr Miguel Vicente Sellitto - UNISINOS (RS); Ms Rafael Marcelo Soder UFFS (SC); Dr Roque da Costa Güllich- UFFS (RS); Dr Sedinei Nardelli Beber PUC (RS); Dra Soraia Napoleão Freitas - UFSM (RS); Drdo Valmir Heckler FURG (RS); Ms Vera Lúcia Fortunato Fortes UPF (RS); Drdo Rafael Marcelo Soder. Capa e Diagramação: Assessoria de Comunicação SETREM Revisão: Carla Matzembacher Ano XI nº 21 JUL/DEZ ISSN Revista SETREM: Revista de Ensino e Pesquisa/ Sociedade Educacional Três de Maio Três de Maio: SETREM. Publicação Semestral EDITORIAL 90 ANOS DE HISTÓRIA Ao apresentar mais um exemplar da REVISTA SETREM, reafirmamos o nosso compromisso de traduzir as diferentes áreas de atuação da Sociedade Educacional Três de Maio. Nos propomos a veicular a produção acadêmica de pesquisadores em diversas áreas de forma a ampliar as discussões sobre os temas em questão. Esta revista busca ser um elo do meio a c a d ê m i c o, e m p r e s a r i a l e d e m a i s instituições, buscando e levando conceitos, interpretações, inovações e desafios. Desta f o r m a, c o n t r i b u i n d o n a p r o d u ç ã o, desenvolvimento e socialização do conhecimento. Nesta edição, a Revista SETREM, se fortalece como um espaço de socialização do conhecimento produzido por pesquisadores das variadas áreas do conhecimento, permitindo que as novas descobertas cheguem de forma rápida e acessível a toda a comunidade. Contamos com 15 artigos científicos, no qual o leitor, poderá perceber alguns frutos do trabalho conjunto entre professores e acadêmicos. Essa colaboração certamente permite o crescimento e amadurecimento intelectual de ambos. Esperamos que este número possa despertar, ainda mais, a curiosidade, a busca por integração entre docentes, estudantes, empresas e instituições, através do dialogo e a integração entre o ensino, a pesquisa e a extensão. É com imensa satisfação que apresentamos a REVISTA SETREM n 21, agradecendo a todos os que contribuíram com seus artigos e deixando o convite para todos aqueles que quiserem utilizar esse instrumento para divulgação de suas pesquisas e discussões. Prof Msc. Sandro Ergang Vice-Diretor de Ensino Superior

3 SUMÁRIO A PESQUISA DE TENDÊNCIAS COMO SUPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS DE MODA...05 Vanessa Marin Ana Paula Hettwer Maressa Giovana Martinelli Sociedade Educacional Três de Maio ESTUDO DO PLANEJAMENTO DA CAPACIDADE PRODUTIVA A LONGO PRAZO EM UMA INDÚSTRIA GRÁFICA...16 Daiane Patrícia Scheid Loana Wollmann Taborda Sérgio Luiz Jahn Sociedade Educacional Três de Maio SETREM Universidade Federal de Santa Maria UFSM APLICAÇÃO DAS MELHORES PRÁTICAS DO ITIL PARA PROCESSO DE GESTÃO DE FORNECEDORES EM UMA COOPERATIVA DO AGRONEGÓCIO...28 Denise da Luz Siqueira Diego da Rosa Vera Lúcia Lorenset Benedetti Sociedade Educacional Três de Maio ANÁLISE E APLICAÇÃO DO SCRUM COM O NÍVEL G DO MPS.BR EM PROJETOS SMALL BUSINESS DE EMPRESA DE TI...43 Bruna Weber, Sidnei da Silva Viana Cristiano Schwening, Renato Rockenbach Sociedade Edicacional Três de Maio EDUCANDO PELOS DIREITOS HUMANOS: UMA QUESTÃO DE CIDADANIA...54 Jociele Chaves Silvia Natália de Mello Marina Zucatto Sociedade Educacional Três de Maio

4 A IMPORTÂNCIA DO USO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: A VISÃO DE ALUNOS DE SÉRIES INICIAIS E DE PROFESSORES...62 Deise Aline Müller Fabíola Ramiro Schmieder Taís Laura Cardoso Sott Gustavo Griebler Sociedade Educacional Três de Maio EDUCAÇÃO INFANTIL E O ENSINO DE CIÊNCIAS: DO COTIDIANO DA CRIANÇA AO ENSINO APRENDIZAGEM NO AMBIENTE ESCOLAR...69 Deise Graciéli Tresel Juliana Santos Farsem Tatiana Dallavechia Vera Beatriz Pinto Zimmermann Weber Sociedade Educacional Três de Maio CARTOGRAFIA DE UM ENCONTRO COM O TERRITÓRIO EXISTENCIAL DA CEGUEIRA...80 Ana Paula Benatti Luciano Bedin da Costa Sociedade Educacional Três de Maio FATORES DE RISCO E DE PROTEÇÃO NUM CASO DE ABUSO SEXUAL INFANTO- JUVENIL: AVALIANDO O PROCESSO DE RESILIÊNCIA...89 Taísa Mariluz Rommel Jeane Lessinger Borges Sociedade Educacional Três de Maio PSICODINÂMICA DO TRABALHO: FATORES QUE INFLUENCIAM NO PRAZER E NO SOFRIMENTO DE TRABALHADORAS DE UM COMÉRCIO VAREJISTA Katiani Pieczaki Pertile Lilian Ester Winter Sociedade Educacional Três de Maio OCORRÊNCIA DE EVENTOS ADVERSOS E IATROGENIAS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTA Jacinta Spies Sávio Erni Schulz Sociedade Educacional Três de Maio

5 GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: ÍNDICE DE MATERNIDADE PRECOCE NOS MUNICÍPIOS PERTENCENTES À 14ª COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE Graciele Getania Barcellos Farias Vera Beatriz Pinto Zimerann Weber Beatriz de Carvalho Cavalheiro Sociedade Educacional Três de Maio SUCESSOS E INSUCESSOS DO ALEITAMENTO MATERNO Karoline Bazanella Beatriz de Carvalho Cavalheiro Sociedade Educacional Três de Maio O PERFIL DOS ACIDENTES DE TRABALHO EM AGRICULTORES DE UM MUNICÍPIO DO NOROESTE GAÚCHO Fabiana Balsan Mirian Herath Rascovetzki Sociedade Educacional Três de Maio NÍVEL DE SATIFAÇÃO DOS ENFERMEIROS COM SEU TRABALHO Simoni Sandra Colombo Jacinta Spies Fauzi Shubeita Sociedade Educacional Três de Maio

6 A PESQUISA DE TENDÊNCIAS COMO SUPORTE PARA O DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS DE MODA Vanessa Marin 1 Ana Paula Hettwer 2 Maressa Giovana Martinelli 3 Sociedade Educacional Três de Maio - SETREM 4 RESUMO Este artigo se propõe a apresentar as pesquisas desenvolvidas e os resultados obtidos com o Projeto de Pesquisa vinculado ao NUMO (Núcleo de Pesquisa de Tecnologia em Design de Moda), durante o período de outubro de 2011 a outubro de 2012, da Faculdade Três de Maio SETREM. Este trabalho procurou levantar a importância da pesquisa de tendências no desenvolvimento de novos produtos de moda, detectando as principais carências nas empresas de confecção da região noroeste do Estado. Inicialmente, procurou-se delimitar a problemática de estudo, que seria a ausência de gestão de projetos em design de moda e de pesquisa de tendências nas indústrias de confecção, acompanhada das principais hipóteses para a questão (falta de profissionais qualificados, cultura de design, investimentos ou mesmo de conhecimento sobre as metodologias específicas da moda). Apresentaram-se, em seguida, alguns caminhos metodológicos possíveis de serem percorridos para alcançar os objetivos da pesquisa, através de pesquisa bibliográfica e pesquisa de campo. Posteriormente, foram discutidos alguns conceitos que permeiam as metodologias e a gestão de projetos em design de moda, ressaltando a pesquisa de tendências, o trabalho de coolhunting e o processo de difusão da cultura visual, para um maior entendimento da questão. Na parte final do trabalho, apresentam-se os resultados obtidos com a pesquisa de campo, identificando os pontos de maior carência das empresas, acompanhados de soluções e alternativas que podem ser adotadas pelas mesmas com relação à inovação e métodos de gestão de projetos para o setor da moda. ABSTRACT This article intends to present the researches carried out and the results obtained with the R e s e a r c h P r o j e c t l i n k e d t o N U M O (Technology Research Nucleus in Fashion Design), during the period from October 2011 to October 2012, From Três de Maio College SETREM. This work intended to raise the importance of research trend in the development of new fashion products, detecting the major deficiencies in manufacturing companies in the Northwest regions of the stat., First, it was tried to define the study problem that would be the lack of project management in fashion design and trend research in the clothing industries, accompanied by the main hypotheses for the issue (lack of qualified professionals, design culture, investments or even knowledge of the specific fashion methodologies). Then, some possible methodological ways were introduced to be traversed to achieve the research objectives, through a literature review and field research. Later some concepts that permeate the methodologies and managements in fashion design were discussed, highlighting the trend research, the work of coolhunting and diffusion process of visual culture to a greater understanding of the issue. At the end of the work, the results obtained from the field research were presented, identifying the points of greatest needs of the companies, along with solutions and alternatives that can be adopted by them in relation to innovation and project management methods to the fashion industry. Keywords: Research. Fashion Trend. Innovation. Palavras-chave: Pesquisa. Tendência de Moda. Inovação. 1 Bacharel em Desenho e Plástica (UFSM), Especialista em Design para Estamparia (UFSM), Especialista em Criatividade em Produtos e Negócios de Moda (UCS), docente do Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda da SETREM, 2 Acadêmica do Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda da SETREM, 3 Acadêmica do Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda da SETREM, 4 Sociedade Educacional Três de Maio SETREM, Av. Santa Rosa, 2504, Três de Maio RS, 5

7 1. INTRODUÇÃO Criar produtos adequados ao mercado da moda que expressem contemporaneidade no design, através da pesquisa das transformações da sociedade e dos movimentos internacionais da moda, é imprescindível ao designer. Este profissional deve analisar as necessidades e desejos que possam estar inconscientes no mercado e saber adaptá-los aos seus projetos de maneira criativa, objetivando enriquecer e abastecer o mercado da moda. As tendências em cores, formas, materiais e mesmo de comportamento são determinantes no sucesso ou fracasso de uma coleção. Seguir uma tendência não deve ser confundido com copiar uma tendência. O designer deve explorar e personalizar as informações disponíveis, criando produtos que agreguem valor e tragam rendimentos à empresa, criando um diferencial competitivo e gerando inovação. Entender como se formam tendências na moda, de onde surgem e como se multiplicam, além de entender os principais canais de divulgação midiática da cultura visual, bem como saber selecionar as informações e adaptá-las a uma coleção de m o d a, s ã o c o m p e t ê n c i a s a s e r e m desenvolvidas nas empresas de confecção de moda. A problemática encontrada, com relação ao desenvolvimento de produtos de moda nas empresas da região, é a falta de pesquisa original e criativa, muitas vezes por falta de formação e informação das empresas e seus funcionários, atestando que muito campo de trabalho e pesquisa pode ser desenvolvido neste setor. Para o desenvolvimento deste trabalho, aqui apresentado sob a forma de a r t i g o, s e g u i r a m - s e t r ê s p a s s o s fundamentais: o primeiro foi a definição do caminho metodológico que pretendia ser percorrido, através da apresentação do tema de pesquisa, sua problemática, as principais hipóteses encontradas para a questão, bem como os objetivos que pretendiam ser alcançados, a justificativa e a metodologia necessária para o andamento do projeto. O segundo passo foi o aprofundamento do assunto central da pesquisa, ou seja, demonstrar o papel das tendências de moda no desenvolvimento da cultura que permeia a criação (desenho/projeto/design) de novos produtos, para a posterior produção nas indústrias de confecção. O terceiro e último passo abrangeu a pesquisa de campo, que foi realizada pelas acadêmicas que participam deste trabalho, apontando as principais deficiências das empresas visitadas, culminando com a apresentação de possíveis saídas para a falta de pesquisa em design nas referidas empresas. 2. MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA Para a realização desta pesquisa, s e g u i r a m - s e o s s e g u i n t e s p a s s o s metodológicos: - pesquisa bibliográfica (livros, revistas) e virtual (blogs, sites) sobre o assunto em questão; - levantamento de dados junto a diversas empresas de confecção da região noroeste do Estado do Rio Grande do Sul; - análise dos dados levantados; - estruturação de uma proposta e/ou conclusões que apontem saídas para as dificuldades encontradas ao final desta pesquisa. A abordagem desta pesquisa foi qualiquantitativa, pois apresentou suposições e interpretações subjetivas dos resultados, bem como apontou resultados em números. A pesquisa objetivou seguir os procedimentos abaixo citados: - pesquisa bibliográfica: através da consulta de obras escritas por outros autores a respeito do assunto a ser pesquisado; - pesquisa de campo: através da coleta de dados em que eles efetivamente ocorrem de forma sistematizada, organizada; - p e s q u i s a - a ç ã o : a t r a v é s d a participação destas pesquisadoras no processo de soluções do problema em questão. As técnicas que foram utilizadas nesta pesquisa são: - observação: exame dos fatos em questão, através de visitas a diversas empresas de confecção, bem como dos fenômenos culturais contemporâneos que afetam a dinâmica da moda; - entrevista: contato direto com 6

8 profissionais envolvidos nos diversos segmentos da moda (empresários, costureiras, pesquisadores de moda, designers); - pesquisa de mercado: obtenção de informações a respeito do mercado de moda, suas metodologias de planejamento e desenvolvimento de novos produtos e dados que comprovem sua eficácia. 3. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Este item pretende apresentar as principais definições teóricas sobre o assunto levantado na problemática desta pesquisa: o que é tendência de moda, como ela surge e se propaga e como as empresas de moda utilizam as pesquisas de tendências para o desenvolvimento de seu portfólio de produtos. 3.1 Definições gerais de tendência de moda Tendências de moda são propostas sobre cores, tecidos, temas e formas (silhuetas), apresentadas pelas indústrias têxtil e química a cada estação, sendo acompanhadas pelas mídias de moda (revistas, jornais, sites, blogs, etc). Essas t e n d ê n c i a s s ã o a s b a s e s p a r a o desenvolvimento de novos produtos de moda, pois refletem o desejo de consumo da população. A indústria química (de fios e pigmentos) precisa definir com, pelo menos, dois anos de antecedência suas propostas, pois estão no topo da cadeia têxtil, sendo seguida pela indústria de confecção e designers, que definem suas propostas um ano antes de os produtos estarem em voga. Assim, quando uma nova estação do ano se inicia, os produtos de vestuário já se encontram plenamente produzidos, precisando somente ser distribuídos ao varejo. A pesquisa deve estar sempre em estágio mais avançado que a produção, pois os produtos que entram no mercado consumidor devem trazer novidades para o estímulo de consumo. Para adivinhar as propensões da moda no futuro próximo, foram criados birôs, que são empresas que colhem informações no mercado, na sociedade, na economia e na cultura do mundo e de regiões específicas. Com base nessas pesquisas e análises de especialistas em marketing de moda, os birôs apresentam novas tendências, trazendo maior segurança às empresas de confecção no desenvolvimento de seu portfólio de produtos. Assim relembra Rech (2000): Bureaux de Style são cadernos de tendências que proporcionam diretrizes básicas que refletem os anseios do mercado. As tendências s e r v e m d e i n s p i r a ç ã o e d e visualização para a criatividade, abrem as portas da imaginação; e são i l u s t r a d a s p e l o s t e m a s ( o u inspirações, ambiências, atmosferas ou influências como são diversamente denominadas) que representam imagens, a partir das quais se inicia o processo de edição das novas propostas de moda que se tornarão a realidade de determinada estação (RECH, 2000, p. 36) Alguns birôs são considerados mais influentes ; portanto, têm maiores chances de fazer valer suas apostas. Ao final de uma temporada de desfiles nas principais capitais da moda (Paris, Milão, Nova Iorque, Tóquio, Londres), ficam claras quais tendências foram confirmadas pelos estilistas em suas coleções desfiladas. Nem tudo o que os birôs de estilo apresentam é seguido pelos estilistas ou pelas empresas. Muitos preferem apostar em propostas próprias, sendo conhecidos como lançadores de tendências. Entretanto, somente grandes marcas podem correr este risco, pois já possuem um público-alvo estabelecido e não correm risco de rejeição de consumo. A moda de rua, desde meados da década de 1950, vem apresentando, também, suas próprias ideias de moda, sendo considerada também uma grande lançadora de tendências. A cultura jovem urbana é conhecida como um nicho de consumidores inovadores, particularmente receptivos ao novo e às propostas de moda de vanguarda. Exemplo disso são as tribos urbanas, como os punks, os hippies, os grunges, os clubbers e tantas outras, que usam a moda como sinalização de estilos de grupos de identificação. As pessoas mais jovens já adaptadas a culturas de consumo atual possuem um alto grau de curiosidade, de gosto pelo novo e estão predispostas a 7

9 experimentar o diferente, em nome da experiência (Picoli, 2009, p.4). Assim, a moda de rua é considerada um forte vetor de força de criação de novas tendências, disputando atenção dos pesquisadores e designers. Na década de 1990, surgem as misturas com estilos históricos através do aparecimento dos brechós e da consciência ecológica, tornando possível a reutilização de roupas em conformidade com as propostas sustentáveis para o planeta. Jovens consumidores com pouco poder aquisitivo passaram a comprar roupas de várias épocas e usá-las de forma ousada e criativa. Desse modo, uma grande diversidade tomou conta da cena, tornando a moda cada dia mais múltipla. O novo século está se caracterizando pela individualização. O desenvolvimento da i n f o r m á t i c a p e r m i t i u a p r o d u ç ã o personalizada, o design foi desmassificado. Cada pessoa, hoje, pode interferir em suas roupas, rasgando, aplicando, transformando peças sem identidade em looks únicos: é a era da customização. Assim, o novo milênio está imerso nessa situação contraditória: a customização, embora seja também mais uma moda, é a subversão total do que se entende por tendência. Nas sociedades contemporâneas, as novas tendências nascem nos gestos isolados de alguns pequenos grupos e em tudo o que se vê e se faz e que pode assumir múltiplas formas diferenciadas e/ou inovadoras. À medida que se consolidam e evoluem, aumentam a sua influência no mercado consumidor. Para que uma tendência se torne moda, ela precisa ser escolhida entre várias outras propostas e adotada (PICOLI, 2009, p.6) Em um momento no qual a moda está sujeita às mais diferentes influências, seja de grandes empresas, seja da moda de rua, surgem muitas incertezas: que caminhos seguir, que pesquisas devem ter mais enfoque, em quais tendências apostar? Sem dúvida alguma não se trata de uma tarefa fácil para as confecções, especialmente as pequenas e microempresas que, na sua maioria, não possuem um departamento específico de pesquisa e desenvolvimento de produtos. A saída mais rápida e fácil tem sido copiar o que outra empresa está lançando, entrar no barco de propostas de grandes marcas de moda. Este sistema de adaptação (cópia), de venda e de renovação em espaços de tempo muito curtos é conhecido como fast-fashion, em analogia ao fast-food, ou seja, moda de consumo rápido, massificado e de pouca ou nenhuma identidade. O fast-fashion, que atende ao anseio de consumo, gerou grandes redes de varejo como C&A, Renner, Riachuelo, Marisa, Hering. Outro exemplo, que também é considerada campeã de moda rápida, é a rede Zara, que mantém na Espanha um departamento de criação com 200 pessoas encarregadas de reagir rapidamente diante de qualquer novidade. A previsão de tendências é uma grande indústria que influencia diversos setores, especialmente os ligados ao design. Deter as informações requer ampla capacidade de pesquisa e interpretação de sinais, fazendo com que o acesso a essa rede se torne restrito a quem puder arcar com os altos custos d e s s a s i n f o r m a ç õ e s, c o n f o r m e c i t a Seivewright (2009, p.62) As empresas investem grandes quantias de seus orçamentos para obter esse tipo de visão sobre o mercado e sobre qual deve ser o foco de suas ideias. Como muitas pequenas confecções ainda não criaram a cultura de design em suas organizações, torna-se uma saída sugerida inconscientemente seguir o que outra empresa já está desenvolvendo. Nesse sentido, Caldas (2006, p.18) afirma com veemência: Ora, como erigir um polo de moda autônomo e de importância internacional e n q u a n t o i n s i s t i m o s e m i m p o r t a r tendências?. Quanto mais complexa se tornam as culturas e sociedades, mais instável se torna o mercado de moda, que fica aberto às mais diversas possibilidades. Portanto, planejar e prever são ações imprescindíveis no desenvolvimento do design de moda. Como afirma Picoli (2009, p.9): O propósito fundamental de entender as motivações, costumes, tendências e modas que emergem ou se difundem no mercado é o de obter a i n f o r m a ç ã o n e c e s s á r i a p a r a o desenvolvimento e melhoramento de serviços 8

10 e produtos. 3.2 Coolhunting O coolhunting é a atividade focada em localizar as tendências, principalmente entre as culturas jovens. O coolhunter é o profissional que deve desenvolver métodos de pesquisa que vão ao encontro da descoberta de novas atitudes, movimentos, d e s e j o s e t o d o t i p o d e a l t e r a ç õ e s significativas no mercado da moda e da cultura de rua em geral, utilizando ferramentas próprias da psicologia e da antropologia na pesquisa e interpretação de tendências (Picoli, 2009). Para captar de maneira mais eficaz as n o v a s t e n d ê n c i a s d e c o n s u m o e comportamento, o coolhunter precisa encontrar perfis inovadores, geralmente no chamado público de vanguarda, que é considerado, na moda, o mais rico em informações. Para tanto, é essencial que o pesquisador tenha um olhar sensível e curioso para este campo. E s p a l h a d o s p e l o m u n d o, o s coolhunters têm a função de descobrir movimentos culturais e estéticos que poderão influenciar a moda, a publicidade e o design. O seu trabalho é o de caminhar pelas ruas, relacionar-se com diversas pessoas e viajar por diferentes cidades na tentativa de detectar, registar e sistematizar elementos que poderão tornar-se moda. Analisam o contexto comportamental de uma sociedade, buscando novos conceitos. Estão à procura do cool, isto é, atitudes e d e s e j o s c o m p o t e n c i a l d e desenvolvimento (PICOLI, 2009, p.7). O coolhunter tem o desafio de criar uma conexão emocional que as marcas necessitam, descobrindo os anseios dos diversos tipos de consumidores a fim de garantirem o consumo dos produtos, em uma nova proposta de pesquisa de mercado, t r a d i c i o n a l m e n t e r e a l i z a d a p e l o s departamentos de marketing. O coolhunting possui diversas aplicações no mundo dos negócios, em particular em duas áreas: a o b s e r v a ç ã o d e m e r c a d o s e o desenvolvimento de inovações. (...) Isto é benéfico para a estratégia de mercado da empresa, pois permite uma análise profunda do mercado, d o s p a d r õ e s d e c o m p r a d o s consumidores, e facilita tomadas de decisões de compra na fase de desenvolvimento e lançamento de novos produtos. (PICOLI, 2009, p.7). Esta terminologia em inglês, portanto, tem sido utilizada para caracterizar um novo profissional de moda, o pesquisador de tendências, amplamente requisitado e procurado através das novas mídias digitais. A principal diferença entre o coolhunting e as outras ferramentas de pesquisa de tendências é que esta nova metodologia requer um processo contínuo e não cíclico (Picoli, 2009, p.9). 3.3 A difusão da cultura visual O processo de difusão de novas ideias requer um amplo caminho de comunicação, para que sejam compartilhadas, consumidas e/ou usufruídas pela população. No universo da moda, o fluxograma de consumo se dá a partir do lançamento de alguma tendência (inovação ou tendência de consumo), seguindo-se pelo consentimento de um amplo espectro de consumidores, pela cópia, sua massificação e consequente desgaste, conforme figura 3 Fonte: MARIN, HETTWER, MARTINELLI, FIGURA 3: Ciclo rápido da moda. Dentro desta lógica, de acordo com Jones (2005), a difusão das tendências pode ter origem, basicamente, em duas fontes distintas: uma de origem popular, oriunda das manifestações da cultura de rua, chamado efeito borbulha, outra de origem no 9

11 m e r c a d o d e l u x o, c h a m a d o e f e i t o desaguamento. O efeito desaguamento surge no topo da pirâmide, ou seja, em um meio social restrito e de luxo, geralmente composto por marcas de alta-costura, artistas de cinema e estrelas pop. A partir da cultura visual amplamente emitida por esse pequeno grupo, a tendência percorre um caminho até a base da pirâmide, atingindo a grande massa da população, em um movimento de cima para baixo, ou seja, de poucos emitentes para muitos receptores. O efeito borbulha, ao contrário, surge da moda de rua, culturas alternativas de vanguarda e manifestações populares, que acabam sendo percebidos pela mídia como grande oportunidade de mercado no desenvolvimento de novos produtos de moda, chegando a serem explorados pelas grandes marcas, como aconteceu com a tendência grunge, punk, as novelas, etc A p e s q u i s a d e t e n d ê n c i a s n o planejamento de produtos de moda: etapa primordial Toda criação ou desenvolvimento de produtos requer um planejamento, para que se evitem erros e gastos desnecessários, gerando a inovação e estimulando o consumo. No universo do design de moda, algumas etapas devem ser levadas em consideração, de acordo com Treptow (2007): - conhecer a capacidade produtiva da e m p r e s a, s e u p o t e n c i a l f i n a n c e i r o, maquinários, colaboradores; - seguir um calendário de vendas, seja pela estação do ano (primavera/verão, outono/inverno), pelas datas comemorativas (natal, dia das mães), pelas grandes semanas de moda (São Paulo Fashion Week, Fashion Rio) ou pelas datas determinadas pelos varejistas; - analisar os produtos e/ou coleções desenvolvidos anteriormente, identificando sucesso ou fracasso de consumo; - pesquisar produtos e serviços oferecidos pela concorrência; - conhecer as principais inovações tecnológicas e têxteis; - pesquisar as tendências de consumo; - traçar o perfil do consumidor (públicoalvo/target) através de pesquisa de comportamento; - determinar parâmetros a serem seguidos no desenvolvimento de uma coleção de produtos, chamado de mix de produtos, dimensionando a coleção; - definir um tema ou uma inspiração artístico-conceitual que englobará as tendências, a cartela de cores e os tecidos, criando um estilo visual para a coleção de moda ou o produto em si; - criar modelagens para as peças, seguidas de mostruário com peças-piloto; - elaborar fichas técnicas para todas as peças da coleção, especificando todos os d e t a l h e s t é c n i c o s p a r a a produção/confecção. De modo geral, é esse o caminho percorrido pela indústria de confecção no desenvolvimento de novos produtos. É importante destacar que essas etapas ocorrem concomitantemente umas às outras, em um processo contínuo, ou seja, não é necessário que uma etapa tenha terminado para que outra comece. Aliás, muito antes de uma coleção de moda estar produzida outra já está sendo pesquisada, principalmente na identificação de novas tendências. Caso a pesquisa de tendências seja falha, todo o processo de desenvolvimento de produtos estará comprometido, pois ele terá seu resultado medido através do sucesso de suas vendas. 4. RESULTADOS DA PESQUISA O desenvolvimento da pesquisa se iniciou com a criação do Projeto de Pesquisa, seguido por um maior aprofundamento teórico acerca do estudo em questão, compreendendo como se dá a difusão das tendências de moda e sua importância no planejamento e desenvolvimento de produtos para as indústrias de confecção. A pesquisa de campo foi a etapa seguinte. Percorrendo algumas empresas de confecção da região noroeste, nas cidades de Santa Rosa, Santo Cristo e Três Passos, foi aplicado um questionário a partir de sete itens, são eles: 1- Dados da empresa Nome da empresa: CNPJ: Endereço / Cidade / Telefone: Segmento de atuação: Público-alvo / Clientes / Forma de venda: Tempo de atuação no mercado: 10

12 2- Quanto aos funcionários Número de funcionários (especificando as funções): Existe algum funcionário que desempenha mais de uma função? Existe um funcionário específico para realizar pesquisa e criação? Qual a escolaridade dos funcionários? Existe algum funcionário com formação na área de moda? 3- Quanto à produção Volume mensal: Descrição geral do processo de fabricação: Quais são as principais matérias-primas utilizadas? De onde são adquiridas? Funcionários envolvidos diretamente na produção: Existe algum processo terceirizado? Possui estamparia? 4- Quanto ao espaço físico e equipamentos Descrição geral (parque fabril, escritórios, salas, se estão todos no mesmo local ou separadas em setores e prédios diferentes). 5- Quanto ao processo de pesquisa e criação Como a empresa cria novas coleções ou artigos (como é o processo criativo)? Possui espaço físico, equipamentos e funcionários que trabalhem com criação? Existe algum processo terceirizado? A empresa realiza pesquisas em moda? Assina alguma revista, site ou jornal para pesquisas de tendências? Realizam viagens a feiras do setor? Investem em marketing? 6- Projeções futuras A empresa realiza planejamento estratégico? Quais são as metas futuras? Quais são as perspectivas para a empresa na área de criação? 7- Questionamento final Como a empresa vê o processo de criação em moda? Acha importante ter um profissional que trabalhe exclusivamente com isso? Que valor deste profissional tem/teria na empresa? Procurou-se aplicar a pesquisa em diferentes empresas de confecção para se ter um panorama abrangente da situação. Foram visitadas somente sete empresas, visto que houve pouca sensibilização de algumas nas respostas fornecidas para a pesquisa. Muitos empresários se recusaram a participar, e poucos responderam objetivamente as perguntas. Notou-se, também, que muitas respostas fornecidas estavam equivocadas, comprovando a falta de formação em design de moda em questões básicas como, por exemplo, uma empresa afirmar que não possui estamparia, sendo que o bordado é seu principal diferencial. 4.1 Análise da pesquisa de campo A partir do questionamento levantado pela pesquisa de campo, apontam-se algumas questões, que foram divididas em subitens para melhor compreensão Com relação ao histórico das empresas Foram visitadas empresas do segmento de uniformes, trajes para casamento, moda festa, moda plus size (para tamanhos especiais), moda casual e jeanswear. As empresas atuam no mercado, em média, há 20 anos. Seus clientes também são variados: vão do público masculino ao feminino e infantil. Duas empresas possuem público-alvo bem definido, três empresas atendem por pedidos de outras empresas e lojas multimarcas, e duas empresas não trabalham com público-alvo, atendendo aos consumidores em geral (uma empresa atende a pedidos de peças sob medida e para venda através de sacoleiras) Com relação aos seus funcionários As empresas também são variadas quanto ao número de funcionários: variam de 2 a 90. A quase totalidade destes se encontra nos setores produtivos das empresas, ou seja, no corte, na modelagem, na costura e nos acabamentos. Somente uma empresa afirmou que seus funcionários não desempenham mais de uma função no trabalho. Quatro empresas possuem um funcionário específico para realizar pesquisa e criação em moda, mas não em tempo integral. A escolaridade dos funcionários também é muito variada: alguns possuem somente Ensino Fundamental, alguns estudaram até o Ensino Médio, poucos fazem ou fizeram Ensino Superior, e somente t r ê s e m p r e s a s a f i r m a r a m p o s s u i r funcionários com ou em formação superior na área da moda. 11

13 4.1.3 Com relação à sua produção fabril O volume mensal de produção foi exposto por cinco empresas. Uma delas afirmou ter uma produção pequena, porém diferenciada nos acabamentos em bordados, girando em torno de 800 a peças. A empresa que afirmou trabalhar sem públicoalvo definido e com produção sob medida produz até 150 peças mensalmente. As empresas que trabalham no ramo de uniformes produzem de 3000 a 8000 peças. A empresa de jeanswear produz peças. Somente duas empresas afirmaram terceirizar algum processo (bordado e serigrafia). Com relação ao processo de f a b r i c a ç ã o, s e g u e m a s d e s c r i ç õ e s oferecidas: Empresa 2: faz pesquisa de tendências / cria o mostruário / faz as vendas por encomenda / produz por lotes. Empresa 3: possui um processo demorado, com muitos detalhes. Empresa 4: seu processo é sob medida e em blocos de produção, no qual a proprietária desenvolve algum modelo que ela gosta e viu em revistas ou televisão. É modelado por ela e são costuradas algumas peças que são vendidas na empresa e por sacoleiras na cidade de Santa Rosa. Empresa 5: os pedidos são enviados para a empresa muitas vezes a partir de , ou solicitados pela vendedora externa que é vinculada à empresa. No primeiro momento eles recebem o pedido, dão a sua ideia, passam o orçamento aos clientes e aguardam a sua contraproposta ou fechamento do negócio. Empresa 6: os pedidos são encaminhados até a empresa, eles dão sugestões, caso for solicitado, é desenvolvida a modelagem e parte-se para a produção. Com relação às principais matériasprimas utilizadas, da mesma forma, variam de malhas, jeans, tecidos planos, rendas e pedrarias, a maioria oriundas de São Paulo, do nordeste ou Porto Alegre Com relação ao seu espaço físico e equipamentos Nenhuma das empresas pesquisadas possui espaço físico próprio para pesquisa e criação em moda. Algumas trabalham todas as etapas em um mesmo local; outras, são divididas em setores, sendo: escritório/parte administrativa, salas com mesas de risco, corte e modelagem e salas de máquinas Com relação ao processo de pesquisa e criação A maioria das empresas afirmou realizar pesquisa de tendências para desenvolver seus produtos. Algumas através de sites pagos (ex.: Portal UseFashion); outras, através das próprias fábricas de tecidos, porém a maioria através de cópias diretas da Internet, revistas ou televisão. Somente três empresas possuem algum funcionário que trabalha com esta etapa e somente uma a terceiriza. Cinco empresas afirmaram que realizam pesquisas em moda e quase todas assinam algum tipo de revista da área. Quatro empresas realizam viagens a feiras e eventos do setor, e três não, da mesma forma que investem em marketing Com relação às suas projeções futuras Ao serem questionadas se realizam planejamento estratégico, algumas empresas simplesmente afirmaram positivamente, mas houve uma resposta negativa: Não realizamos planejamento estratégico pelo fato de já estarmos há muito tempo no mercado e nos sentirmos bem estruturados, não temos o que melhorar, pois mal conseguimos vencer o serviço que temos hoje. Na questão sobre metas futuras, três empresas não responderam, uma diz não possuir metas e quatro afirmaram que desejam manter e adicionar novos clientes, se aperfeiçoar cada vez mais, fidelizar a marca com um produto cada vez mais adequado ao público-alvo, e aumentar a empresa e se tornar uma facção para alguma rede de lojas que tenha uma demanda de consumo bastante significativa na qual entraria com a parte da produção das peças e da modelagem das mesmas. Outro questionamento feito foi com relação às perspectivas da empresa na área de criação, sendo que uma empresa não respondeu; outras duas dizem não possuir 12

14 perspectivas nisto (uma delas por ser do segmento de uniformes e seguir um estilo padrão que não segue tendências), e as d e m a i s a f i r m a r a m s e g u i r s e m p r e atualizado, aumentar os profissionais e qualificar sempre mais os que já estão no processo e desenvolver coleções focando no mercado Questionamentos finais Como questionamentos finais, foi indagado às empresas: Como é visto o processo de criação em moda? Duas empresas não responderam; outras duas do segmento de uniformes não dão importância para o design (a não ser pela melhoria dos materiais). Uma respondeu que o processo todo não passa de uma grande cópia; uma disse que é um processo vital, porém de pouca inovação no Brasil, e uma afirmou ser algo indispensável. É importante ter um profissional que trabalhe exclusivamente com isso? Duas empresas não responderam, três responderam afirmativamente, uma diz que a realidade na qual a empresa se encontra deveria ser outra, e outra empresa não considera importante no seu segmento (uniformes) a não ser na parte da estamparia. Qual o valor deste profissional para a empresa? Duas empresas não responderam, quatro delas afirmaram: é de muita importância, o mesmo valor dos demais que assumem cada setor da empresa, a industrialização é um processo contínuo e depende-se um do outro, porém a criação é o que dará o sucesso da venda, principal, peça-chave, criação e modelagem devem andar juntos, só criar não basta, o diferencial, pois teria certeza do que estaria realizando. Uma empresa respondeu negativamente: No momento valor insignificante, mesmo estando lá seu papel seria costurar, cortar e não realizar a criação. 5. A P O N T A M E N T O S F I N A I S E SUGESTÕES A partir da coleta das informações feitas na pesquisa de campo, chegou-se a um panorama preocupante e desestimulador no que se refere à pesquisa e inovação. O s e g m e n t o d a m o d a, c u j a p r i n c i p a l característica é a mutação rápida de seus produtos, tem sido visto como uma atividade de copiar peças já existentes no mercado, sem atribuição de valores, seja dos próprios p r o d u t o s d e s e n v o l v i d o s, s e j a d o s profissionais que atuam neste segmento. A pesquisa de tendências tem sido vista assim como uma forma de copiar, de observar peças já prontas em revistas baratas, sites da Internet populares e novelas televisivas. Nesse caso, se copia o que já está no mercado, e não aquilo que poderá se tornar potencial de vendas no futuro. Desta forma, o tempo de vida de um produto que já está na linha final de consumo torna-se ainda menor, gerando peças encalhadas ou sem atrativos. A pouca sensibilização e a recusa das empresas em responder à pesquisa demonstra a falta de interesse em melhorar seus processos de pesquisa e produção, comprovando o baixo nível de formação em moda encontrado nesses locais. O tempo relativamente longo de atuação no setor e a produção considerada satisfatória também os faz pensar que estão seguros no mercado. Outra questão preocupante é a falta de um público-alvo definido. As empresas produzem sem saber ao certo quem irá consumir seus produtos, sem conhecer os hábitos de compra de seus clientes. A médio e longo prazo, isso pode gerar falta de fidelização à marca, ou substituição por outra com a qual há uma maior identificação. O processo de pedidos feitos nestas empresas se mostrou bastante informal, feito através de contatos/conversas em que se procura adaptar algum modelo já visto nas mídias sociais, sem inovar, sem entrar em contato com designers capacitados. A pesquisa de tendências, que não é realizada continuamente, transforma-se numa rápida adaptação de produtos que já existem no mercado. Da mesma forma desorganizada é o próprio processo de produção, que não possui um fluxograma definido, sem sequenciamento ou controle de qualidade. Em muitas empresas, o chão de fábrica disputa lugar de trabalho com o desenho de moda, a modelagem, a administração, etc. A maioria das empresas também demonstrou falta de interesse em investir em 13

15 marketing, pois consideram que estão sólidas no mercado e não sofrerão concorrência. Também não possuem muitas metas futuras nem pensam em realizar planejamento estratégico, correndo o risco de ficarem obsoletas no mercado da moda, que é altamente competitivo. Preferem que as mudanças os obriguem a mudar de atitude, sem terem preocupação em manter a pesquisa aliada à inovação para se anteciparem no mercado. A s o l u ç ã o p a r a a s p e q u e n a s empresas, já apontada no problema da pesquisa inicial, é a estruturação de pequenos escritórios de pesquisa, nos quais se possa estimular a criação de pequenos departamentos de design, criando o hábito e o estímulo de se projetar artigos de autoria própria, evitando a cópia maciça de produtos já existentes no mercado. Isso geraria, também, uma maior conscientização de que o papel do designer de moda é fundamental no processo de desenvolvimento de produtos, passando a ser mais valorizado, s a n a n d o o u t r a g r a n d e d i f i c u l d a d e encontrada neste setor: a ideia de que o designer deve fazer de tudo um pouco : trabalhar em modelagem, desenhar, cortar, costurar, fazer planilhas de pedidos, etc. Se esta estruturação interna de departamentos de design não estiver ao alcance, a procura por serviços mais especializados se torna uma alternativa, embora mais cara. O que não pode deixar de existir é essa conscientização de que a pesquisa é a primeira etapa na criação de novos produtos, e ela deve ser contínua e de qualidade. CONSIDERAÇÕES FINAIS A realização deste Projeto de Pesquisa demonstrou a importância de se buscar a inovação no desenvolvimento de produtos de moda nas empresas de confecção, através da pesquisa de tendências e da estruturação de uma gestão de design eficaz. O panorama apresentado na pesquisa de campo já era conhecido e comprovou que muito precisa ser feito pelos designers de moda para qualificarem este setor. A região noroeste do Estado possui um g r a n d e p o l o t ê x t i l, p o r é m p o u c o desenvolvido em termos de pesquisa e design, persistindo o hábito de copiar. Como procurou se demonstrar na revisão bibliográfica, a tendência de moda é o que faz girar e movimentar esse setor. Ela é a grande responsável pelas inovações observadas na cultura e no modo de consumo da atualidade, apontando inúmeros caminhos a serem seguidos em termos de desenvolvimento de produtos. Estimular a pesquisa de tendências de moda, assim, é fundamental e beneficia os projetos de design com autoria, criatividade e conquista do mercado consumidor. Desta forma, essa pesquisa acaba se tornando um p r o c e s s o i n t e r n o d e a n t e c i p a ç ã o permanente, no qual as empresas podem enfrentar a crescente pressão concorrencial no mercado e gerar o desenvolvimento e o fortalecimento deste importante mercado. REFERÊNCIAS: BARBARÁ, Saulo; FREITAS, Sidney. Design Gestão, Métodos, Projetos, Processos. Rio de Janeiro: Ed. Ciência Moderna LTDA, BAXTER, Mike. Projeto de produto: guia prático para o design de novos produtos. São Paulo: Blucher, CALDAS, Dario. Observatório de sinais: t e o r i a e p r á t i c a d a p e s q u i s a d e tendências. Rio de Janeiro: Editora Senac Rio, DISITZER, Márcia; VIEIRA, Silvia. A moda como ela é: bastidores, criação e profissionalização. Rio de Janeiro: Senac Nacional, DOMÍNGUEZ RIEZU, Marta. Coolhunters: caçadores de tendências na moda. São Paulo: Editora Senac São Paulo, FEGHALI, Marta Kasznar; DWYER, Daniela. As engrenagens da moda. Rio de Janeiro: Ed. Senac Rio, FISCHER, Anette. Fundamentos de design de moda: construção de vestuário. Porto Alegre: Bookman, GOMES, Luis Vidal Negreiros. Criatividade: projeto < desenho > produto. Santa Maria: schds,

16 GÜLLICH, Roque Ismael da Costa; LOVATO, Adalberto; EVANGELISTA, Mário Luiz Santos. Metodologia da pesquisa: normas para apresentação de trabalhos: Redação, formatação e editoração. Três de Maio: Ed.SETREM, JONES, Sue Jenkyn. Fashion Design manual do estilista. São Paulo: Cosac & Naify, MEADOWS, Toby. Como montar e gerenciar uma marca de moda. Porto Alegre: Bookman, MORACE, Francesco. Consumo autoral: as gerações como empresas criativas. São Paulo: Estação das Letras e Cores, PICOLI, Julia Isoppo. Coolhunting: pesquisador e suas metodologias _Coolhunting.pdf Acesso em 25.set.2012 RECH, Sandra Regina. Moda: por um fio de qualidade. Florianópolis: Udesc, RENFREW, Elinor; RENFREW, Colin. Desenvolvendo uma coleção. Porto Alegre: Bookman, SEIVEWRIGHT, Simon. Fundamentos de design de moda: pesquisa e design. Porto Alegre: Bookman, SORGER, Richard; UDALE, Jenny. Fundamentos de design de moda. Porto Alegre: Bookman, TREPTOW, Doris. Inventando Moda: planejamento de coleção. Brusque: D.Treptow, UDALE, Jenny. Fundamentos de design de moda: tecidos e moda. Porto Alegre: Bookman,

17 ESTUDO DO PLANEJAMENTO DA CAPACIDADE PRODUTIVA A LONGO PRAZO EM UMA INDÚSTRIA GRÁFICA Daiane Patrícia Scheid¹ Loana Wollmann Taborda² Sérgio Luiz Jahn 3 Sociedade Educacional Três de Maio SETREM 4 Universidade Federal de Santa Maria UFSM 5 RESUMO O objetivo deste trabalho é analisar a capacidade produtiva de longo prazo de uma indústria gráfica, localizada na região Noroeste do estado do Rio Grande do Sul. O período em análise é de agosto a outubro de A capacidade de produção é o fator físico limitante do processo produtivo. Neste sentido, este estudo visa responder à seguinte questão: Qual é o planejamento da capacidade de longo prazo na Gráfica Buricá que diminua o número de horas extras? A metodologia adotada neste estudo, quanto a sua abordagem, classifica-se como o indutivo, inicia com uma visão em pontos mais específicos, partindo para uma visão mais ampla, indo das constatações mais particulares às leis e às teorias. Foi realizado um levantamento dos dados na empresa e utilizado o processo de planejamento S&OP, para o planejamento da capacidade de longo prazo RRP. Os resultados demonstraram que a taxa de eficiência da gráfica é de 52%. Porém, por se tratar de uma indústria gráfica, em que os tempos de set up são elevados, essa taxa não é considerada baixa, mas pode ser melhorada, possibilitando que novos estudos sejam desenvolvidos nesta área. ABSTRACT The objective of this study is to analyze the long-term productive capacity of a printing industry, located in the northwestern part of the state of Rio Grande do Sul The review period is from August to October Production capacity is the limiting physical factor of the production process. Thus, this study aims to answer the following question: What is the capacity planning of long-term Graphic Buricá to decrease the number of overtime? The methodology adopted in this study, as its approach, ranks as the inductive, starts with a vision in more specific points, leaving to a broader, more specific findings of going to the laws and theories. A survey of the data used in the company and the process of S&OP planning, capacity planning for the long term RRP was carried out. The results demonstrated that the efficiency rate of the graphics is 52%. However, because it is a graphics industry, where the set up times are high, this rate is considered low, but can be improved allowing new studies could be developed in this area. Keywords: Productive capacity. Overtime. Long-term planning. Palavras-chaves: Capacidade produtiva. Horas extras. Planejamento de longo prazo. ¹ Bacharelanda em Engenharia de Produção (SETREM). ² Mestranda em Engenharia de Produção (UFSM). ³ Doutor em Engenharia Química, Professor (UFSM). 4 Sociedade Educacional Três de Maio Av. Santa Rosa, 2504, Três de Maio RS. 5 Universidade Federal de Santa Maria UFSM, Faixa de Camobi, Km 9 Campus Universitário, Santa Maria RS

18 1 INTRODUÇÃO A eficiência do sistema produtivo depende da forma de como se planeja, programa-se e controla-se a produção. E a busca por essa eficiência se torna constante nas empresas a fim de possuir um sistema flexível de produção para atender às necessidades dos clientes e manter-se no mercado competitivo. O planejamento e controle da produção procura apresentar possibilidades para adequação da capacidade de uma atividade com sua demanda (SLACK et al, 1996). A capacidade de produção é o fator físico limitante do processo produtivo. E esse fator é relevante para o planejamento estratégico da produção, pois pode ser incrementada ou reduzida, desde que planejada a tempo, pela adição de recursos financeiros. A exata definição dos recursos e dos processos, passando pela capacidade, está diretamente relacionada com as decisões estratégicas da empresa (LIMA; NAVARRO, 2006 apud WACKER & LUMMUS, 2002). Assim, o S&OP ou Planejamento de Vendas e Operações passa a ser uma ferramenta para a implementação e o desdobramento do planejamento estratégico, promovendo debate e antecipando as necessidades e restrições da empresa, criando, a partir daí, soluções sincronizadas com os requisitos da demanda e da oferta (LIMA; NAVARRO, 2006 apud WALLACE, 1999). Neste sentido, este estudo visa responder à seguinte questão: Qual é o planejamento da capacidade de longo prazo na Gráfica Buricá que diminua o número de horas extras? Para responder ao problema de pesquisa, este estudo tem como objetivo analisar a capacidade produtiva de longo p r a z o d e u m a i n d ú s t r i a g r á f i c a. Adicionalmente a este objetivo, também se deseja verificar a necessidade e o planejamento de horas extras, para atendimento da demanda do mercado consumidor. Referente à metodologia, esta pesquisa, quanto a sua abordagem, classifica-se como o indutivo, inicia com uma visão em pontos mais específicos, partindo para uma visão mais ampla, indo das constatações mais particulares às leis e às teorias. A pesquisa foi estruturada de forma exploratória, por meio de observação, levantamento de dados e análise. Para a realização deste estudo foram coletados tempos de máquina durante o período de dez dias, para o cálculo da capacidade. No referencial teórico foi possível a revisão e o aprofundamento da literatura sobre assuntos compatíveis com o planejamento e controle da produção, planejamento de capacidade e planejamento de vendas e operações, em inglês, sales and operations planning - S&OP. No terceiro capítulo são apresentados e discutidos os resultados da pesquisa realizada, seguidas pela lista com as referências bibliográficas utilizadas. 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA CAPACIDADE Segundo Slack et al. (2009), obtendo o equilíbrio adequado entre capacidade e demanda, a empresa satisfará seus clientes de forma eficaz tanto em custo como em tempo. A essência do planejamento e controle da capacidade é conciliar o nível da demanda com o suprimento da capacidade. É a tarefa de determinar a capacidade efetiva da empresa, para que ela possa atender a sua demanda. As decisões tomadas por gerentes de produção no planejamento de suas políticas de capacidade afetarão diversos aspectos do desempenho: Os custos serão afetados pelo equilíbrio entre capacidade e demanda. Níveis de capacidade Excedente à d e m a n d a p o d e m s i g n i f i c a r subutilização de capacidade e, portanto, alto custo unitário. As receitas também serão afetadas pelo equilíbrio entre capacidade e demanda, mas de forma oposta. Níveis de capacidade iguais ou superiores à demanda em qualquer momento assegurarão que toda a demanda seja atendida e não haja perda de receitas. 17

19 O capital de giro será afetado se uma operação decidir produzir estoque de bens acabados antecipando-se à demanda. Isso pode permitir atender à demanda, mas a organização deve financiar o estoque até que seja vendido. A qualidade dos bens ou serviços pode ser afetada por um planejamento de capacidade, por meio da contratação de pessoal temporário, por exemplo. O pessoal novo e a interrupção do trabalho rotineiro da operação a u m e n t a m a p r o b a b i l i d a d e d e ocorrência de erros. A velocidade de resposta à demanda do cliente pode ser melhorada, seja p e l o a u m e n t o d o s e s t o q u e s (permitindo que os clientes sejam atendidos diretamente pelo estoque em vez de terem que esperar a fabricação dos itens), seja pela provisão deliberada de capacidade excedente, evitando-se filas. A confiabilidade do fornecimento também será afetada pelo nível de proximidade entre os níveis de demanda e da capacidade máxima da operação: a confiabilidade do fornecimento de serviços e produtos será menor, quanto mais próxima da capacidade total estiver a demanda, pois a operação conseguirá lidar menos com possíveis interrupções. A flexibilidade, especialmente a de v o l u m e, s e r á m e l h o r a d a p o r capacidade excedente. Se a demanda e a c a p a c i d a d e e s t i v e r e m e m equilíbrio, a operação não será capaz de responder a quaisquer aumentos inesperados de demanda. (SLACK et al. 2009). P a r a C o r r ê a e t a l ( ), planejamento da capacidade é uma atividade necessária para ter aproveitamento total da disponibilidade da empresa. A insuficiência de capacidade atrasa os prazos de entrega e diminui a qualidade, a frustração dos colaboradores por estarem sempre pressionados e não conseguirem cumprir os prazos e ao aumento de estoques no decorrer do processo. Por outro lado, o excesso de capacidade representa aumento de custos Etapas de planejamento e controle da capacidade As etapas, conforme Slack et al. (2009), são sequências de decisões em relação ao planejamento e controle da capacidade tomadas pelos gerentes e estão ilustradas na figura 1. Antes de ser tomada qualquer decisão deve-se ter uma idéia quantitativa da demanda e da capacidade produtiva. A primeira etapa consiste em medir os níveis agregados de demanda e a capacidade para o período de planejamento. A segunda etapa será identificar as políticas alternativas de capacidade que podem ser adotadas em resposta as flutuações da demanda. (SLACK et al. 2009). Figura 1: Etapas do planejamento e controle de capacidade. Fonte: Slack et al, (2009) E a terceira etapa será de escolher a política de capacidade mais adequada para cada demanda Medição da capacidade Para se ter políticas adequadas em relação à produção e à demanda é necessário que a capacidade seja medida. O problema principal com a medição da capacidade é a complexidade da maioria dos processos produtivos. Somente quando a produção é altamente padronizada e repetitiva é fácil definir a capacidade sem ambiguidade. (SLACK et al. 2009). A c a p a c i d a d e d e p r o j e t o, o u capacidade real nem sempre é atingida em uma empresa, segundo Slack et al.(2009), isso acontece porque as máquinas não podem funcionar continuamente, elas necessitam de um tempo determinado de 18

20 ajustes, limpeza, etc. Isso também pode ocorrer porque produtos diferenciados têm necessidades diferentes, a máquina p r e c i s a r á s e r p a r a d a p a r a a j u s t e s necessários ao outro produto. Será necessário também fazer manutenções nas máquinas, o que ocupará tempo e reduzirá o tempo produtivo. A capacidade que resta depois de subtraídas t o d a s e s t a s p e r d a s é c h a m a d a d e capacidade efetiva da operação. Existem ainda outras perdas como problemas de qualidade, quebra de m á q u i n a s, a u s ê n c i a o u a t r a s o d e funcionários que irão reduzir ainda mais a capacidade produtiva. A eficácia de uma máquina, para Slack et al (2009), pode ser medida baseando-se em três aspectos: tempo que o equipamento está disponível para operar; qualidade do produto ou serviço que produz; velocidade da máquina. A eficácia de um equipamento é calculada multiplicando-se a taxa de velocidade pela taxa de qualidade multiplicada pela taxa de disponibilidade do equipamento. Segundo Slack et al (2009), a redução na capacidade disponível de uma máquina é causada por trocas, set-ups e por quebra de peças. Alguma parte da capacidade é perdida por perda de velocidade quando o equipamento fica ocioso e quando a máquina funciona com capacidade abaixo da disponível. E ainda um pouco da capacidade produtiva da máquina é perdida por perdas e falta de qualidade. Porém, as linhas de produção não podem funcionar continuamente em sua velocidade máxima. Slack et al (1997), afirma que produtos diferentes terão tempos de processamento diferentes, de forma que se torna necessário parar a linha produtiva para ajustar as máquinas. Será necessário também que seja feita a manutenção preventiva e corretiva, falta de produção, ou produtos, na linha, entre outros, são problemas que diminuem a capacidade produtiva da empresa. A capacidade real que resta depois de deduzidas as perdas é chamada de capacidade efetiva. Porém, terão outras causas de redução da capacidade, tais como retrabalhos, problemas na qualidade, quebra de máquinas, ausência de funcionários, entre outros, que irão diminuir ainda mais a capacidade produtiva da empresa. O volume real de produção da empresa será menor do que a capacidade efetiva. As proporções de volume de produção realmente conseguido por uma operação para a capacidade do projeto e para a capacidade efetiva são respectivamente chamadas de utilização e eficiência da planta. (SLACK et al 1997). Utilização = Figura 3: Cálculo da Utilização da produção. Fonte: Slack et al, (1997) Eficiência = Figura 4: Cálculo da eficiência da produção. Fonte: Slack et al, (1997) Volume de produção real Capacidade do projeto Volume de produção real Capacidade efetiva Capacidade de projeto e Capacidade Efetiva A capacidade teórica de uma operação nem sempre pode ser atingida na prática. (SLACK et al, 1997). Para Slack et al (1997), o produto da velocidade máxima das máquinas pelo tempo de operação da planta da empresa fornecem a capacidade teórica do projeto. Capacidade teórica do projeto = Figura 2: Calculo da capacidade teórica do projeto. Fonte: Slack et al, (1997) Velocidade máxima das maquinas Tempo de operação da planta 2.2 ESTRUTURA HIERÁRQUICA DO PLANEJAMENTO DE CAPACIDADE O planejamento da capacidade é feito em níveis, de acordo com o horizonte de planejamento desejado. (CORRÊA et al 2011). P a r a C o r r ê a e t a l ( ), o planejamento, no nível de S&OP, é de longo prazo e é chamado de RRP, (resource requirements planning). O planejamento de médio prazo, no nível do planejamentomestre da produção é chamado de RCCP (rough cut capacity planning) e tem por 19

A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA

A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A SUSTENTABILIDADE E A UTILIZAÇÃO DE TEMAS CULTURAIS NO DESIGN DE MODA Caroline Yurie Kikuchi 1 ;

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações

Planejamento. Futuro. Técnica ou processo que serve para lidar com o futuro. O que aumenta a incerteza nas organizações. Incerteza nas organizações Fonte: Introdução à Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano Índice Definição de planejamento Incertezas Eventos previsíveis Processo de planejamento Decisões de planejamento Planejar Atitudes em

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

one year DESIGN DE MODA

one year DESIGN DE MODA one year DESIGN DE MODA Coordenação Luiz Wachelke Início 05/10/2015 Término 10/2016 Carga horária 360 horas Idioma Português (summer opcional em Barcelona) Aulas Segundas e quartas das 19h30 às 22h30 e

Leia mais

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

O Amarelinho mantém liderança

O Amarelinho mantém liderança Mídia Kit O CAMPEÃO DAS BANCAS! O melhor jornal de empregos mídia exclusiva Empregos, estágios, cursos e concursos Páginas 6, 7 e 8 perfil do leitor Instituto define quem é o leitor do Amarelinho Página

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

O MELHOR DA CRIATIVIDADE TÊXTIL-MODA. Outono Inverno 12-13 Maio 2015. Expo Center Norte / Pav. Amarelo The Fashion Textile Show for Latin America

O MELHOR DA CRIATIVIDADE TÊXTIL-MODA. Outono Inverno 12-13 Maio 2015. Expo Center Norte / Pav. Amarelo The Fashion Textile Show for Latin America O MELHOR DA CRIATIVIDADE TÊXTIL-MODA Outono Inverno 12-13 Maio 2015 Expo Center Norte / Pav. Amarelo The Fashion Textile Show for Latin America Première Vision INSPIRAÇÃO para a MODA Com edições em Paris,

Leia mais

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES Rodolfo Miranda Pereira 1 Tania Fatima Calvi Tait 2 Donizete Carlos

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE MATRIZ CURRICULAR 2016.1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 49/15, 2015 de 7 de outubro de 2015. SUMÁRIO 2 1ª FASE... 4 01 DESENHO DE MODA I... 4 02 HISTÓRIA: ARTE E INDUMENTÁRIA...

Leia mais

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul

Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil. Região do Rio Grande do Sul Diretrizes da Comissão Regional de Imagem e Comunicação Dos Escoteiros do Brasil Após um mais de ano de trabalho e experiências adquiridas a CRIC apresenta à diretoria regional as diretrizes que regem

Leia mais

O CHÃO DE FÁBRICA: relato de experiência vivenciada em uma indústria de confecção, durante o estágio supervisionado.

O CHÃO DE FÁBRICA: relato de experiência vivenciada em uma indústria de confecção, durante o estágio supervisionado. 1 O CHÃO DE FÁBRICA: relato de experiência vivenciada em uma indústria de confecção, durante o estágio supervisionado. SELMA MARIA BARBOSA DOS ANJOS; ANETE SALES DA PAZ RAMOS DA SILVA Introdução A moda

Leia mais

silviaheld@usp.br Italiano, Isabel Cristina. Profa. Dra. - Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e RESUMO ABSTRACT

silviaheld@usp.br Italiano, Isabel Cristina. Profa. Dra. - Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e RESUMO ABSTRACT MAPEAMENTO DE PROCESSOS DE CONFECÇÃO PARA IDENTIFICAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS DA PRODUÇÃO Espinosa, Caroline Stagi - Bacharel em Têxtil e Moda - Escola de Artes, Ciências e Humanidades - Universidade de São

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013

RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES 2013 Even e Junior Achievement de Minas Gerais UMA PARCERIA DE SUCESSO 1 SUMÁRIO Resultados Conquistados... 3 Resultados do Projeto... 4 Programa Finanças Pessoais... 5 Conceitos

Leia mais

EMPREENDEDORISMO 2013

EMPREENDEDORISMO 2013 COLÉGIO CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Rua Professor Pedreira de Freitas, 401/415 Fone 2942-1499 Tatuapé ORIENTAÇÕES AO PROJETO DE EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO 2013 APRESENTAÇÃO Empreendedorismo é o estudo

Leia mais

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730

Evolução das Matrículas por Modalidade 2000-2004 58.396 43.396 46.277 37.242 30.730 Informe Técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial APRESENTAÇÃO DESEMPENHO & OFERTA v.2, n.1, março de 25 Criado com o propósito de divulgar o comportamento do desempenho institucional no curto

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Reformulação do Centro de Design Núcleo de Vestuário

Reformulação do Centro de Design Núcleo de Vestuário Reformulação do Centro de Design Núcleo de Vestuário Aluno de graduação de Design de Moda e Tecnologia Carlos Augusto Reinke 1 carlosar@feevale.br Resumo: Todo desenvolvimento de projeto possui uma metodologia,

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé?

Quais estratégias de crédito e cobranças são necessárias para controlar e reduzir a inadimplência dos clientes, na Agroveterinária Santa Fé? 1 INTRODUÇÃO As empresas, inevitavelmente, podem passar por períodos repletos de riscos e oportunidades. Com a complexidade da economia, expansão e competitividade dos negócios, tem-se uma maior necessidade

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

A QUESTÃO DA SEGURANÇA NO VESTUÁRIO INFANTIL

A QUESTÃO DA SEGURANÇA NO VESTUÁRIO INFANTIL A QUESTÃO DA SEGURANÇA NO VESTUÁRIO INFANTIL The Issue of Security in Children's Clothing Silva, Francislaine Pereira da; Pós Graduanda; SENAI; Bacharel; Universidade Estadual de Londrina frannn_pereira@hotmail.com

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA ESTRATÉGIA NA INTEGRAÇÃO DAS AÇÕES DE SUSTENTABILIDADE Revista Ceciliana Jun 5(1): 1-6, 2013 ISSN 2175-7224 - 2013/2014 - Universidade Santa Cecília Disponível online em http://www.unisanta.br/revistaceciliana EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO EMPRESARIAL: UMA

Leia mais

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172

Vida Universitária Maio 2007 Ano XVII Nº 172 Mercado exige velocidade na atualização profissional Trabalhadores precisam estar capacitados para solucionar problemas, ser criativos e flexíveis e gostar da sua atividade A competição pela colocação

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

Titulo Pesquisa e Criação em Moda. Autor Iara Mesquita da Silva Braga * Resumo

Titulo Pesquisa e Criação em Moda. Autor Iara Mesquita da Silva Braga * Resumo Titulo Pesquisa e Criação em Moda Autor Iara Mesquita da Silva Braga * Resumo A moda é um setor de mercado complexo, de vasta abrangência de atividades e significados. O atual profissional de moda deve

Leia mais

Gerenciamento simultâneo de produção e processo

Gerenciamento simultâneo de produção e processo Gerenciamento simultâneo de produção e processo Leonardo Werncke Oenning - Departamento de Engenharia de Materiais UNESC, wo.leo@hotmail.com Leopoldo Pedro Guimarães Filho UNESC, lpg@unesc.net; Dino Gorini

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1

Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1 1 Ficha Técnica do Produto Aplicada ao Processo Produtivo do Vestuário Lucas da Rosa 1 Nas empresas existe uma estrutura específica que planeja, programa e controla as estratégias relativas à produção,

Leia mais

Nome da área, ex.: Departamento Comercial. Assunto da apresentação MZM Store

Nome da área, ex.: Departamento Comercial. Assunto da apresentação MZM Store Nome da área, ex.: Departamento Comercial Assunto da apresentação MZM Store Morena Rosa Group: Uma das Empresas Líderes no Setor de Moda Feminina MORENA ROSA Group Principais números do Morena Rosa Group

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES. CARDOSO, Sandra Regina 1. BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: O DESAFIO DAS ORGANIZAÇÕES CARDOSO, Sandra Regina 1 BERVIQUE, Janete de Aguirre 2 RESUMO Este artigo tem por finalidade apresentar fatores que influenciam na qualidade de

Leia mais

CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO

CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO CLOSED LOOP LOGISTICS CASO PRÁTICO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE TV A CABO A COMBINAÇÃO DA DINÂMICA DE SISTEMAS E A ANÁLISE ESTATÍSTICA MELHORA O PROCESSO DE DECISÃO EM SISTEMAS LOGISTICOS FECHADOS

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Osmar Mendes 1 Gilberto Raiser 2 RESUMO Elaborar uma proposta de planejamento estratégico é uma forma de criar um bom diferencial competitivo, pois apresenta para a organização

Leia mais

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE NA OBTENÇÃO DE MELHORIAS DO SISTEMA VAC DE UMA CONFECÇÃO INDUSTRIAL

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE NA OBTENÇÃO DE MELHORIAS DO SISTEMA VAC DE UMA CONFECÇÃO INDUSTRIAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE NA OBTENÇÃO DE MELHORIAS DO SISTEMA VAC DE UMA CONFECÇÃO INDUSTRIAL Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Soraia

Leia mais

Advanced Planning and Scheduling

Advanced Planning and Scheduling Advanced Planning and Scheduling Por Soraya Oliveira e Raquel Flexa A importância do planejamento Uma cadeia de suprimentos é composta por diversos elos conectados que realizam diferentes processos e atividades

Leia mais

O CENÁRIO DO PÓLO DE CONFECÇÕES DO AGRESTE DE PERNAMBUCO

O CENÁRIO DO PÓLO DE CONFECÇÕES DO AGRESTE DE PERNAMBUCO O CENÁRIO DO PÓLO DE CONFECÇÕES DO AGRESTE DE PERNAMBUCO Autora: IZABELLE SOUSA BARROS Resumo Este artigo propõe uma reflexão sobre o atual cenário do Arranjo Produtivo Local de Confecções do Agreste Pernambucano

Leia mais

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES Por Caio Fiuza Nos últimos 10 anos, a gestão das áreas de apoio nas grandes organizações brasileiras vem passando por importantes transformações. A principal delas

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING

UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING UTILIZAÇÃO DE SITES DE COMPRA COLETIVA, POR EMPRESAS DO RAMO ALIMENTÍCIO, COMO ESTRATÉGIA DE MARKETING Monique Michelon 1 Lorete Kossowski 2 RESUMO O empreendedorismo no Brasil vive hoje um cenário promissor,

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os

Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os Mesmo em uma construtora de menor porte, o processo de gestão pode ser bastante complexo. Este guia traz dicas de gerenciamento para atingir os melhores resultados. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO

O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 O SISTEMA DE QUALIDADE NA INDUSTRIA DE CONFECÇÃO Sandra Biégas 1, Patrícia Machado Mellero Cardoso 2 RESUMO: Com base em uma realidade onde indústrias

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2 O que é um? s: Tradicional e/ou Ágil? Cristine Gusmão, PhD Tem início e fim bem determinados Things are not always what they seem. Phaedrus, Escritor e fabulista Romano O projeto é uma sequência única,

Leia mais

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG

O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG O uso da tecnologia CRM em uma empresa de pequeno porte no município de Bambuí-MG Caroline Passatore¹, Dayvid de Oliveira¹, Gustavo Nunes Bolina¹, Gabriela Ribeiro¹, Júlio César Benfenatti Ferreira² 1

Leia mais

GESTÃO do DESIGN interrelacionada com GESTÃO do MARKETING

GESTÃO do DESIGN interrelacionada com GESTÃO do MARKETING 1. Gestão do design e a estratégia de marketing A gestão do design tem a função de controlar a criação e desenvolvimento do produto, estando sempre atento e observando as necessidades do mercado e a promoção

Leia mais

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC)

Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré (USC) Título (Limite de 250 caracteres incluindo os espaços) Título: Relações Públicas e Ferramentas de Comunicação um estudo abordando à realidade de Ibitinga A capital nacional do bordado 1 Autores (Incluir

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Professor: Adriel Ziesemer Disciplina: Engenharia de Software TRABALHO ACADÊMICO Cristian Santos - nº 45671 Guilherme

Leia mais

Jornalismo de Moda. A Instituição: Fashion Campus

Jornalismo de Moda. A Instituição: Fashion Campus Jornalismo de Moda A Instituição: Fashion Campus O Fashion Campus é uma instituição que oferece cursos de extensão nas áreas de moda, arte, design e comportamento em Brasília. Temos como objetivo preparar

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede

GESTÃO. Educacional. www.semeareducacional.com.br. Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede GESTÃO Educacional A P R E S E N T A Ç Ã O www.semeareducacional.com.br Sistema Municipal de Excelência ao Atendimento da Rede A EXPANSÃO TECNOLOGIA Nossa MISSÃO: Transformação de Dados em Informação Transformação

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE

Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra de Projetos 2011 BRINQUEDOTECA: O LÚDICO NO RESGATE Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: (Campo não preenchido). Cidade: Londrina.

Leia mais

dynam PROPOSTA OFICIAL PARA PPC (Links Patrocinados) publicidadeonline AGÊNCIA SEARCH ENGINE MARKETING Marketing de Busca

dynam PROPOSTA OFICIAL PARA PPC (Links Patrocinados) publicidadeonline AGÊNCIA SEARCH ENGINE MARKETING Marketing de Busca PROPOSTA OFICIAL PARA PPC (Links Patrocinados) dynam publicidadeonline AGÊNCIA SEARCH ENGINE MARKETING Marketing de Busca Av. Carlos Gomes 141 Suite 411 - Porto Alegre. RS Tel. +55(11) 3522-5950 / (51)

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos Metodologia de Ensino 1. Aula em três tempos: Pré-aula (no portal acadêmico), Aula presencial (em sala de aula)

Leia mais

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA

ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA ESTUDO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO UTILIZADO PELA ÁREA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE BENTO GONÇALVES EM SEU PROCESSO, GERENCIAMENTO E LOGÍSTICA W.L.MOURA 1 ; L.FILIPETTO 2 ; C.SOAVE 3 RESUMO O assunto sobre inovação

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROJETO MODA E IDENTIDADE EM GOIÁS: CULTURA, DESIGN E PROCESSOS CRIATIVOS

RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROJETO MODA E IDENTIDADE EM GOIÁS: CULTURA, DESIGN E PROCESSOS CRIATIVOS RELATO DE EXPERIÊNCIA NO PROJETO MODA E IDENTIDADE EM GOIÁS: CULTURA, DESIGN E PROCESSOS CRIATIVOS Fashion And Identity in Goiás: Culture, Design and Creative Processes Aucê. Anuã; Graduanda; Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

Abraçando as diretrizes do Plano Nacional de Extensão Universitária, a Faculdade Luciano Feijão comunga as três funções primordiais e estratégicas

Abraçando as diretrizes do Plano Nacional de Extensão Universitária, a Faculdade Luciano Feijão comunga as três funções primordiais e estratégicas Abraçando as diretrizes do Plano Nacional de Extensão Universitária, a Faculdade Luciano Feijão comunga as três funções primordiais e estratégicas para a extensão. São elas: 1) Função Acadêmica- fundamentada

Leia mais

O ENSINO DE DESENHO DE MODA: uma experiência de monitoria MARIA DE FATIMA SILVA E ISA MARIA MEIRA ROCHA DE LIMA

O ENSINO DE DESENHO DE MODA: uma experiência de monitoria MARIA DE FATIMA SILVA E ISA MARIA MEIRA ROCHA DE LIMA 1 O ENSINO DE DESENHO DE MODA: uma experiência de monitoria MARIA DE FATIMA SILVA E ISA MARIA MEIRA ROCHA DE LIMA INTRODUÇÃO Este artigo relata a experiência de monitora em Desenho de Moda, no Curso Superior

Leia mais

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV)

Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) Indicadores Estratégicos em uma Seguradora Setembro/2001 Francisco Galiza, Mestre em Economia (FGV) De um modo geral, o mercado segurador brasileiro tem oferecido novas possibilidades de negócios mas,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM E-COMMERCE PARA UMA EMPRESA DE ARTIGOS GAÚCHOS

DESENVOLVIMENTO DE UM E-COMMERCE PARA UMA EMPRESA DE ARTIGOS GAÚCHOS DESENVOLVIMENTO DE UM E-COMMERCE PARA UMA EMPRESA DE ARTIGOS GAÚCHOS Katiane Beiersdorf 1, Patricia Bortoluzzi 1, Ildo Corso 2, Tiago Luis Cesa Seibel 2, Sandro Ergang 2, Vera Lúcia Lorenset Benedetti

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

Parceria de sucesso para sua empresa

Parceria de sucesso para sua empresa Parceria de sucesso para sua empresa A Empresa O Grupo Espaço Solução atua no mercado de assessoria e consultoria empresarial há 14 anos, sempre realizando trabalhos extremamente profissionais, pautados

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano

Estudo de Caso sobre o Planejamento Financeiro de uma Empresa Têxtil do Agreste Pernambucano Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Mestrado Profissional em Administração Relatório Executivo Estudo de Caso sobre o Planejamento

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais