Novos Critérios Diagnósticos para Doença de Alzheimer e Comprometimento Cognitivo Leve

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Novos Critérios Diagnósticos para Doença de Alzheimer e Comprometimento Cognitivo Leve"

Transcrição

1 Novos Critérios Diagnósticos para Doença de Alzheimer e Comprometimento Cognitivo Leve O impacto para a prática de consultório Ivan Hideyo Okamoto Instituto da Memória-NUDEC -UNIFESP Coordenador Dep. Cientifico de Neurologia Cognitiva e envelhecimento Academia Brasileira de Neurologia

2 Declaração de Conflito de Interesses Últimos 12 meses : recebeu honorários para aulas em eventos dos laboratórios e/ou elaboração de material promocional (consultoria): -Janssen-Cilag; Novartis; Apsen Farmacêutica; Participação em protocolos de pesquisa clínica (patrocinadores): Aché do Brasil, GSK, Roche, Elli-Lilly, Pfizer Sem participação direta em atividades comerciais em nenhuma das empresas acima

3 Dignósticos para Demência e DA McKhann et al., 1984 DSM-IV-TR: demência Memória mais um domínio com AVD s ou social NINCDS-ADRDA: 1984 DA provável Insidioso, excluindo outras causas Sem marcador biológico

4 Nos últimos 28 anos... As alterações fisiopatológicas da DA começam anos ou décadas antes do quadro clínico de demência muitos pacientes com alteração cognitiva para a idade, não preenchem critérios para demência Outras causas de demência são mais conhecidas ( além de alt. de tiróde e def. B12 )

5 Genética para DA é melhor compreendido Biomarcadores para DA estão mais disponíveis Novos critérios são necessários para pesquisa Tratamentos específicos para o processo Tratamentos específicos para o processo fisiopatológico DA estão em desenvolvimento, e quando estes tratamentos estiverem disponíveis, será importante conhecermos a patologia em cada paciente

6 Budson el al, 2012

7 Idade/ Genética Risco vascular Cummings, 2004 Reserva cognitiva/ fatores ambientais?

8 normal CCL por DA Nota de corte Demência da DA cognição Fase pré-clinica tempo

9 Biomarcadores para o processo fisiopatológico da DA Marcadores de deposição de -amiloide Baixo A42 no liquor Imagem de amiloide positiva no PET Marcadores de neurodegeneração Aumento de Tau no liquor (total e fosforilada) Diminuição no metabolismo de córtex temporal e parietal no FDG-Pet Atrofia córtex temporal (medial, basal e lateral) e parietal medial na RM

10 Demência da DA 1. Provável demência da DA 2. Provável demência da DA com aumento de certeza 3. Possível demência da DA 4. Provável ou Possível demência da DA com evidência do processo fisiopatológico da DA Sugestão de diagnóstico em 4 etapas:

11 Recomendações para diagnóstico de doença de Alzheimer 1. Critérios para todas as causas de demência Interfere no funcionamento Declínio em relação a estado anterior Não é delirium ou PQ Comprometimento cognitivo ou comportamental atinge dois domínios história e observação (por paciente ou familiar) testagem objetiva do estado mental avaliação NPS indicada quando não evidente Aquisição de fatos novos, repetitivo, acontecimentos Julgamento,crítica, tarefas complexas prejudicadas Visuoespacial (faces, locais) Linguagem (hesitação, encontrar palavras) Comportamento alterado Sperling et al,2011 e Dement. Neuropsychol. 2011;5(3):

12 Recomendações para diagnóstico de doença de Alzheimer Diferença entre CCL e demência Depende unicamente se há ou não comprometimento de funcionamento no trabalho ou em AVDs. Necessário um julgamento clínico baseado na informação do paciente ou informante confiável Sperling et al,2011 e Dement. Neuropsychol. 2011;5(3):

13 Recomendações para diagnóstico de doença de Alzheimer 2. Critério para provável demência da DA Preenche critério para demência Início insidioso, lento e progressivo (meses,anos) Nítida mudança de perda cognitiva Fase 1 Historia e observação (de paciente e de informante) Sperling et al,2011 e Dement. Neuropsychol. 2011;5(3):

14 Recomendações para diagnóstico de doença de Alzheimer 2. Critério para provável demência da DA amnéstica (+ 1) Não-amnéstica(+1) linguagem visuoespacial executiva Sem outras causas Fase 1 Historia e observação (de paciente e de informante) Aprendizado e evocação de informações recentes Achar palavras Orientação espacial, gnosia visual Julgamento, crítica DVa, DLB, DFT, APP Sperling et al,2011 e Dement. Neuropsychol. 2011;5(3):

15 Recomendações para diagnóstico de doença de Alzheimer 3. Critério para provável demência da DA com aumento do nível de certeza diagnóstico de DA Provável DA com declínio documentado Fase 2 + Historia e observação (de paciente e de informante) Testagem NPS ou estado mental (padronizado) Provável DA em portador de mutação genética Presença de mutação familial, genetica, início precoce APP, PSEN1, PSE2 Provável DA 1984 = Provável DA com aumento de certeza 2011 APO ɛ4 não é específico Sperling et al,2011 e Dement. Neuropsychol. 2011;5(3):

16 Recomendações para diagnóstico de doença de Alzheimer 3. Critério para possível demência-da Curso atípico Preenche os itens de demência da DA, mas Inicio súbito das perdas História insuficiente ou falta de declínio progressivo documentado Apresentação etiológica mista Preenche item para Demencia da DA, mas com evidência de Doença cerebrovascular (clinica ou neuroimagem) Clinica de DLB outras Sperling et al,2011 e Dement. Neuropsychol. 2011;5(3):

17 Recomendações para diagnóstico de doença de Alzheimer 4. Biomarcador para provável etiologia Avaliação de atrofia temporal e parietal, e de outros biomarcadores, quando disponível Não são para todos, mas cada vez mais disponíveis Duas categorias: Deposição de B-amilóide Neurodegeneração CT ou RM ( ABN recomenda também, porém preferencialmente RM) 2 biomarcadores= alta probabilidade de etiologia para DA 1 biomarcador= intermediaria probabilidade Negativa para as duas= baixa probabilidade Sperling et al,2011 e Dement. Neuropsychol. 2011;5(3):

18

19 CCL devido á DA Critério clínico e cognitivo Mudança na cognição Em relação a nível prévio Relatada por paciente, informante ou observada pelo médico Comprometimento evidente de uma ou mais áreas cognitivas Memória episódica (listas) preditor de conversão Rey, testes de trilhas, Boston, fluência fonêmica e semântica, cópia de figuras, span de dígitos

20 CCL devido á DA Critério clínico e cognitivo 1 a 1,5 DP abaixo da norma (variável de local, centro) Avaliação influenciada por idade, educação, motivação e variação cultural Avaliação NPS extensa é melhor neste caso

21

22 Arq Neuropsiquiatr 2003;61(3-B):

23 Teste do Relógio

24 Teste do Relógio Pontuação Freedman,1994 Contorno: - Desenho de contorno aceitável 1pt - Contorno com tamanho médio 1pt Números: - De 1-12 sem adição ou omissão 1pt - Só arábicos 1pt - Ordem correta 1pt - Papel não é rodado 1pt - Posição correta 1pt - Todos dentro do contorno 1pt Ponteiros: - com dois ponteiros e/ou marcas 1pt - hora indicada de alguma maneira 1pt - minutos alguma maneira 1pt - Na proporção correta 1pt - Sem marcas supérfluas 1pt - Ligados (ou proximidade) 1pt Centro: - Centro desenhado, inferido, ou extrapolado onde os ponteiros se encontram 1pt 15 pt

25 MÉTODOS Controles n=43 mais de 55 anos sem queixa neurológica e/ou psiquiátrica sem medicação psicoativa sem alteração sensorial não corrigida Grupo DA n=50 Critérios do DSM- IV(AMA,1994) e NINCDS- ADRDA (McKhann et al., 1993) Diagnóstico clínico Neuro-imagem TSH, T3, T4, Vitamina B12, RSS Avaliação Neuropsicológica (MMSE, memória visual e verbal, atenção, linguagem, praxias, pensamento abstrato, função executiva)

26 RESULTADOS Desenho Espontâneo Gráfico 1: A -Desenho espontâneo CTRL X DA m ódulo de /z/ 8,00 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2, pt 1,00 0, Pontuação A U Mann Whitney Sensibilidade Especificidade 10 pontos 68,0% 93,0% 11pontos 80,0% 90,7% 12 pontos 82,0% 79,0%

27 CCL devido à DA Critério clínico e cognitivo Preservação da independência funcional Independente, porém com mais dificuldades ou mais lentidão em tarefas complexas (balancetes, finanças, tomada de decisão, planejamento e preparo de refeições). Escalas com familiares podem auxiliar no diagnóstico NÃO DEMENCIADO sem interferência na atividade profissional ou social

28 CCL devido à DA Etiologia relacionada á DA Afastar outras possibilidades Vascular, DLB, outras degenerações, trauma, comorbidades clínicas. História e testagem podem apresentar diversos fenótipos CT ou RM Laboratório ( tiroidopatias, deficiências vitamínicas, infecciosos)

29 CCL devido à DA Etiologia relacionada á DA Declínio cognitivo longitudinal progressivo Registro de progressão aumenta a probabilidade de CCL devido à DA história de fatores genéticos associados Não parte da rotina, mas deve ser considerado com história familial, inicio precoce (40 ou 50s)

30 Biomarcadores CCL devido à DA Etiologia relacionada á DA Duas categorias de biomarcadores. Quando indicado A maior parte de protocolos clínicos com novas drogas já abrange CCL ( inclusive com os biomarcadores) Questão ética: o que fazer com a informação? Tratar ou não? Com o que?

31

32 Fase Pré-clínica da DA Apenas para pesquisa! classificada: 1. Amiloidose cerebral assintomática Determinada por biomarcador de B-amilóide Sem marcador de neurodegeneração sem mudança cognitiva 2. Amiloidose cerebral assintomática Com marcador de neurodegeneração 3. Amiloidosecerebral com neurodegeneraçãoe com ou declínio cognitivo ou mudança comportamental

33 Pré-Clínico

34 Pirâmide etária brasileira 2009

35 Pirâmide etária brasileira 2050

36 Comparação das pirâmides etárias de 1980 e 2050

37 Prevalência de demência por faixa etária Catanduva (SP) 1656 indivíduos 65 anos 118 casos de demência (7,1%) Doença de Alzheimer Doença de Alzheimer + doença cerebrovascular Demência vascular Outras causas Diagnóstico indeterminado

38 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA BRASILEIRO DE TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER, NO ANO DE ,1% 1,2% Universidade Federal de Minas Gerais Centro de Referência do Idoso do HC- UFMG Prof. Edgar Nunes de Moraes Introdução: O Programa de Assistência aos Portadores de Doença de Alzheimer, estabelecido pelas Portarias GM/MS no. 703 Programa de Assistência aos Portadores de Doença de Alzheimer ) e SAS/MS no. 843 (Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Doença de Alzheimer, de 31 de outubro de 2002), estabeleceu o fornecimento da medicação anticolinesterásica (Rivastigmina, Donepezil e Galantamina) para pacientes portadores da Doença de Alzheimer. Desde então, o referido programa está cumprindo o seu objetivo de permitir o acesso a drogas de custo elevado, melhorando a qualidade de vida dos idosos e de suas famílias. 2,8% 1,3% 5,1% 1,8% 6,4% 4,7% 14,4% 4,1% 4,1% 3,6% 14,4% 4,1% 16,7% 11,5% 4% 7,3% 10,9% Objetivos: Avaliar a estimativa de cobertura do programa, baseado nos dados de fornecimento dos anticolinesterásicos (IChE), nas diversas regiões e Estados do Brasil. Metodologia: Foi estimado o número de idosos com demência por unidade da federação do Brasil, no ano de 2008, com base nos estudos epidemiológicos brasileiros (7,1%). Projetou-se que 60% destes idosos tenham a doença de Alzheimer provável ou possível. Estabeleceu-se como meta de cobertura o fornecimento de anticolinesterásicos para 50% desta população. A base de dados utilizada foi o DATASUS (Sistema de Informações Ambulatoriais do SUS -SIA/SUS), no ano de 2008, e pela Gerência de Medicamentos Excepcionais (Superintendência de Assistência Farmacêutica/SES/MG). Os dados populacionais de 2008 foram estimados pelo IBGE. Resultados: Em 2008, o Ministério da Saúde dispensou anticolinesterásicos para pacientes no Brasil. Neste ano, a população de idosos ( 60 anos) era de pessoas. A prevalência de síndromes demenciais foi pessoas. Destas, pacientes eram portadores da doença de Alzheimer provável ou possível. Desta forma, a cobertura do programa foi de apenas 11,9% dos pacientes com indicação para uso de anticolinesterásicos. Esta cobertura variou de 1,2% no Amapá até 18,4% em Minas Gerais, 22,1% no Espírito Santo 22,3% em São Paulo. Na região Norte, apenas 2,3% dos pacientes estavam em uso da medicação específica, enquanto no Sudeste foram 17%. O anticolinesterásico mais prescrito foi a rivastigmina (71,4%), seguido pelo Donepezil (26%) e Galantamina (2,6%). O custo anual da medicação para o Ministério da Saúde, em 2008, foi de R$ ,53. 12,1% 13,9% 1,6% 15,6% 22,3% 18,4% 2,5% 22,1% Conclusão: A cobertura do Programa de Tratamento da Doença de Alzheimer no Brasil, em 2008, foi baixa e extremamente variável, conforme a região e/ou Estado avaliado. A droga mais prescrita foi a rivastigmina. O subdiagnóstico da doença de Alzheimer deve ser um dos principais fatores envolvidos na discrepância do fornecimento dos anticolinesterásicos nas diversas unidades federativas. Investigar estas diferenças é essencial para aumentar a cobertura do programa, de forma a oferecer tratamento adequado a todos os pacientes com doença de Alzheimer.

39 Tratados com IAchE : 11,9% Tratados?? Brasil Diagnosticados???? 0 0,2 0,4 0,6 0,8 1 Milhões

40 CONCLUSÕES DA é o final de um longo processo, que pode levar anos, ou até mesmo décadas Possibilidade de diagnosticar estagiosmais precoces da DA, ou ainda CCL devido à DA; ou mesmo fases pré-clínicas ( aqui em pesquisa) O uso de biomarcadores no diagnósticoserá cada vez mais necessário, apesar de recomendações atuais indicarem apenas em dúvidas ou dilemas

41 CONCLUSÕES Surgimento de drogas modificadoras da doença brevemente implicará maior definição Avaliação de pacientes com comprometimento cognitivo para avaliar etiologia, em atenção ás formas amnésticas e não-amnésticas da DA devido ao envelhecimento populacional, o número de pacientes com DA (em todos os estágios) triplicará nos proximos 50 anos Existe uma grande deficiência de diagnóstico e tratamento de DA em nosso país.

42 Obrigado!

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Marina Guimarães Lima, Cristiane Olinda Coradi Departamento de Farmácia Social da Faculdade de Farmácia

Leia mais

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP

DEMÊNCIAS. Medicina Abril 2007. Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP DEMÊNCIAS Medicina Abril 2007 Francisco Vale Grupo de Neurologia Comportamental HCFMRP-USP Queixa de memória, autocrítica excessiva depressão, ansiedade efeito de doença sistêmica ou medicação envelhecimento

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 01 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Medicamento Rivastigmina para tratamento de Alzheimer REFERÊNCIA: Grupo de Atuação Especial de Defesa da Saúde - GESAU

Leia mais

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: QUETIAPINA NO TRATAMENTO DA AGITAÇÃO PSICOMOTORA DE PACEINTE PORTADOR DE DOENÇA DE ALZHEIMER NTRR63/2013 Solicitante: Des. Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Número do processo:1.0145.12.066387-0/001 Réu: Estado de Minas e Município de Pirapora Data: 03/05/2013 Medicamento X Material

Leia mais

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER

TEMA: RIVASTIGMINA NO TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER Data: 13/12/2013 NTRR 254/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Solicitante: Pedro Guimarães Pereira Juiz de Direito, 2ª Vara da Comarca de Várzea da Palma Número do processo: 0044371-71.2013.8.13.0708

Leia mais

3 Método. 3.1 Sujeitos

3 Método. 3.1 Sujeitos 30 3 Método 3.1 Sujeitos A amostra deste estudo foi composta de idosos atendidos no ambulatório de geriatria de um hospital público do estado do Rio de Janeiro. Foram investigados 51 idosos com diagnóstico

Leia mais

23ª Imagem da Semana: Tomografia computadorizada de crânio

23ª Imagem da Semana: Tomografia computadorizada de crânio 23ª Imagem da Semana: Tomografia computadorizada de crânio Enunciado Paciente do sexo feminino, 86 anos, previamente hígida, há 4 meses com queixas de problemas de memória, déficit de atenção, lentificação

Leia mais

Memória. Dra. Marcia Y. Kimura Oka Médica Geriatra Especialista em Geriatria pela SBGG

Memória. Dra. Marcia Y. Kimura Oka Médica Geriatra Especialista em Geriatria pela SBGG Memória Dra. Marcia Y. Kimura Oka Médica Geriatra Especialista em Geriatria pela SBGG Alterações Cerebrais com o Envelhecimento Redução do volume (atrofia) Redução da Interconectividade cerebral Acúmulo

Leia mais

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença.

Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Doença de Alzheimer: uma visão epidemiológica quanto ao processo de saúde-doença. Bruno Araújo da Silva Dantas¹ bruno_asd90@hotmail.com Luciane Alves Lopes² lucianesevla.l@gmail.com ¹ ²Acadêmico(a) do

Leia mais

Doença de Alzheimer. Pedro Schestatsky MD, PhD. Prof. Faculdade de Medicina - UFRGS

Doença de Alzheimer. Pedro Schestatsky MD, PhD. Prof. Faculdade de Medicina - UFRGS Doença de Alzheimer Pedro Schestatsky MD, PhD Prof. Faculdade de Medicina - UFRGS DEFINIÇÃO Piora adquirida e persistente da função intelectual com comprometimento de pelo menos três das seguintes esferas:

Leia mais

PORTARIA MS N. 702 DE 12 DE ABRIL DE 2002

PORTARIA MS N. 702 DE 12 DE ABRIL DE 2002 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS N. 702 DE 12 DE ABRIL DE 22 Dispõe sobre a criação de mecanismos para a organização e implantação de Redes Estaduais de Assistência à Saúde do Idoso.

Leia mais

DOENÇA DE ALZHEIMER (CID 10: G30.0; G30.1; G30.8)

DOENÇA DE ALZHEIMER (CID 10: G30.0; G30.1; G30.8) Guia de Orientação ao Usuário 1. Medicamentos Donepezil 5 mg, comprimido; Donepezil 10 mg, comprimido; Galantamina 8 mg, cápsula; Galantamina 16 mg, cápsula; Galantamina 24 mg, cápsula; DOENÇA DE ALZHEIMER

Leia mais

COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE

COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE V CURSO DE DEMÊNCIAS E NEUROPSIQUIATRIA GERIÁTRICA DO HC-UFMG COMPROMETIMENTO COGNITIVO LEVE Marco Túlio T Gualberto Cintra Preceptor da Residência de Geriatria HC/UFMG Doutorando do Programa Saúde do

Leia mais

Critérios para o diagnóstico de doença de Alzheimer

Critérios para o diagnóstico de doença de Alzheimer Critérios para o diagnóstico de doença de Alzheimer Norberto Anízio Ferreira Frota¹, Ricardo Nitrini², Benito Pereira Damasceno³, Orestes Forlenza 4, Elza Dias-Tosta 5, Amauri B. da Silva 6, Emílio Herrera

Leia mais

Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade Saúde e Envelhecimento: Prevenção e Promoção CRP Novembro 2008. Instituto de Psiquiatria FMUSP

Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade Saúde e Envelhecimento: Prevenção e Promoção CRP Novembro 2008. Instituto de Psiquiatria FMUSP Seminário Nacional Envelhecimento e Subjetividade Saúde e Envelhecimento: Prevenção e Promoção CRP Novembro 2008 Mônica Yassuda Mônica Sanches Yassuda Gerontologia EACH USP EACH USP Ambulatório de Psicogeriatria

Leia mais

Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação?

Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação? Epilepsia e distúrbio de aprendizagem: tem relação? Apresentação: Daniele Istile (2º ano) Maria Gabriela Cavalheiro (4ºano) Orientação: Doutoranda Thaís dos Santos Gonçalves Local: Anfiteatro da Biblioteca

Leia mais

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert

Demências na Terceira idade. Enfª Mda Josiane Steil Siewert Demências na Terceira idade Enfª Mda Josiane Steil Siewert Grandes síndromes neuropsiquiatricas na terceira idade: Delirium Demencias Depressão Doenças Orgânicas do Cérebro Quando uma pessoa idosa de repente

Leia mais

Envelhecimento Cerebral e Demências

Envelhecimento Cerebral e Demências Envelhecimento Cerebral e Demências Thiago Monaco thiagomonaco@ yahoo.com Envelhecimento Cerebral e Demências Envelhecimento Cerebral D. Comuns D. Menos Comuns D. potencialmente tratáveis Envelhecimento

Leia mais

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014

ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 ANS Longevidade - Custo ou Oportunidade. Modelos de Cuidados à Saúde do Idoso Rio de Janeiro/RJ 25/09/2014 Cenário 1) Nas últimas décadas, os países da América Latina e Caribe vêm enfrentando uma mudança

Leia mais

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013

CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 CURSO DE MEDICINA - MATRIZ CURRICULAR 2013 Eixos longitudinais, conteúdos e objetivos cognitivos psicomotores Eixos transversais, objetivos Per. 1º Ano eixo integrador: O CORPO HUMANO CH INT. COMUM. HAB.

Leia mais

Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA)

Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA) Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA) Introdução: O álcool é um depressor do sistema neuronal, e o seu uso pode acarretar alterações cognitivas,

Leia mais

Envelhecimento da população realidade portuguesa. Unidade de Neurologia Vânia Almeida

Envelhecimento da população realidade portuguesa. Unidade de Neurologia Vânia Almeida Envelhecimento da população realidade portuguesa Unidade de Neurologia Vânia Almeida 21 de Setembro de 2015 Sumário Definição de Demência Incidência Global de Demência Prevalência Global de Demência Realidade

Leia mais

DEMÊNCIAS. Programa do Idoso Unidade Saúde Escola UFSCar

DEMÊNCIAS. Programa do Idoso Unidade Saúde Escola UFSCar DEMÊNCIAS Programa do Idoso Unidade Saúde Escola UFSCar Conceitos básicos Inteligência Cognição Memória Transtornos cognitivos Quadro confusional agudo Demência Inteligência Totalidade das funções cognitivas

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos

DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos Adotado da 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinki, Finlândia, Junho 1964 e emendas da

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí

Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria. Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Aspectos Neuropsiquiátricos em Geriatria Dr. José Eduardo Martinelli Faculdade de Medicina de Jundiaí Psiquiatria: Especialidade médica que se dedica ao estudo, diagnóstico, tratamento e à prevenção de

Leia mais

O que é Alzheimer? Perguntas frequentes. Sinônimos: mal de alzheimer, doença de alzheimer

O que é Alzheimer? Perguntas frequentes. Sinônimos: mal de alzheimer, doença de alzheimer O que é Alzheimer? Sinônimos: mal de alzheimer, doença de alzheimer No Brasil, existem cerca de 15 milhões de pessoas com mais de 60 anos de idade. Seis por cento delas sofrem do Mal de Alzheimer, segundo

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.630, DE 2004

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.630, DE 2004 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 3.630, DE 2004 Define diretriz para a política de atenção integral aos portadores da doença de Alzheimer no âmbito do Sistema Único de Saúde SUS

Leia mais

DEMÊNCIAS. MEMÓRIA ORGANICA Memória Hábito, comum a todos os seres vivos.

DEMÊNCIAS. MEMÓRIA ORGANICA Memória Hábito, comum a todos os seres vivos. DEMÊNCIAS I) DEFINIÇÃO Demência pode ser considerada como um prejuízo global da inteligência, memória e personalidade, adquirido na vida adulta. O nível de consciência é claro. É vista mais freqüentemente

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE DEMÊNCIA EM POPULAÇÃO COM HETEROGENEIDADE EDUCACIONAL. Neurosur, Santa Cruz, 2004

DIAGNÓSTICO DE DEMÊNCIA EM POPULAÇÃO COM HETEROGENEIDADE EDUCACIONAL. Neurosur, Santa Cruz, 2004 DIAGNÓSTICO DE DEMÊNCIA EM POPULAÇÃO COM HETEROGENEIDADE EDUCACIONAL Neurosur, Santa Cruz, 2004 Diagnóstico de demência em população com heterogeneidade educacional Prevalência de demência em população

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 410/X

PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 410/X PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 410/X Que recomenda ao governo a revisão da comparticipação estatal na aquisição de medicamentos específicos para o tratamento da Demência na Doença de Alzheimer. I EXPOSIÇÃO DE

Leia mais

Rede Nacional de Câncer Familial: Sub-rede de Epidemiologia

Rede Nacional de Câncer Familial: Sub-rede de Epidemiologia Fórum INCA-ASCO sobre Câncer Hereditário Predisposição Genética ao Câncer 21 e 22 de novembro de 2011 Hotel Novo Mundo Flamengo Rio de Janeiro Brasil Rede Nacional de Câncer Familial: Sub-rede de Epidemiologia

Leia mais

INTRODUÇÃO. A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa.

INTRODUÇÃO. A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa. DOENÇA DE PARKINSON INTRODUÇÃO A doença de Parkinson (DP) é uma enfermidade neurodegenerativa de causa desconhecida, com grande prevalência na população idosa. Acomete homens e mulheres de diferentes etnias

Leia mais

Anestesia no Paciente com Demência: Quais os desafios?

Anestesia no Paciente com Demência: Quais os desafios? 47a Jornada Sul Brasileira de Anestesia 22a JARGS Canela 29 de abril de 2012 Anestesia no Paciente com Demência: Quais os desafios? Gustavo Ayala de Sá TSA - Co-responsável pelo CET SAMPE-HCPA Demência

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

NEURORRADIOLOGIA DAS DEMÊNCIAS

NEURORRADIOLOGIA DAS DEMÊNCIAS NEURORRADIOLOGIA DAS DEMÊNCIAS ARNOLFO DE CARVALHO NETO (arnolfo@ufpr.br) Demência é o declínio da memória associado à deterioração de outra(s) das funções cognitivas (linguagem, gnosias, praxias e funções

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Ciclo da Assistência Farmacêutica compreende um sistema integrado de técnicas, científicas e operacionais SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

ADITIVO Nº 01 AO EDITAL DA SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 01/11 DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SERTÂNIA/PE

ADITIVO Nº 01 AO EDITAL DA SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 01/11 DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SERTÂNIA/PE ADITIVO Nº 01 AO EDITAL DA SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA Nº 01/11 DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SERTÂNIA/PE A Prefeita do Município de Sertânia, Estado de Pernambuco, no uso de suas atribuições legais e atendendo

Leia mais

Maisa Kairalla e Valmari Aranha Presidentes da comissão científica do Gerp.13 PROGRAMAÇÃO PRELIMINAR

Maisa Kairalla e Valmari Aranha Presidentes da comissão científica do Gerp.13 PROGRAMAÇÃO PRELIMINAR Gerp.13: Educação, Ciência e Inovação Neste encontro, primaremos pelo conhecimento e atualização, assim, teremos exposições em formato de highlights, updates e a inovação de grandes temas em forma de cartas

Leia mais

Acção de Sensibilização Demência. Prevenção Clinica

Acção de Sensibilização Demência. Prevenção Clinica Acção de Sensibilização Demência Prevenção Clinica Mitos sobre o Envelhecimento... Mito 1: A maioria é senil ou tem demência Facto: Menos de 20% tem limitações consideráveis da memória Mito 2: A maioria

Leia mais

Introdução à Neuropsicologia

Introdução à Neuropsicologia MÓDULO III Elaboração da anamnese: atendimento ao paciente cirúrgico. Apresentação de caso clínico Professora: Beatriz Baldivia Mini-currículo do professor -Psicóloga pela UNESP-Bauru (2005) - Mestre em

Leia mais

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004

Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Memória de cálculo dos indicadores do Pacto de Atenção Básica 2004 Fontes de informação: A. População Todos os dados de população foram obtidos a partir do existente no site do Datasus www.datasus.gov.br/cgi/ibge/popmap.htm.

Leia mais

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite SOMENTE SERÃO ACEITOS OS ESTUDOS DIRIGIDOS COMPLETOS, MANUSCRITOS, NA DATA DA PROVA TERÁ O VALOR

Leia mais

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro

Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro Taxa de desocupação foi de 9,3% em janeiro A taxa de desocupação registrada pela Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, nas seis principais Regiões Metropolitanas do país (Recife, Salvador, Belo Horizonte,

Leia mais

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial A. Introdução Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial Princípios éticos para as pesquisas médicas em seres humanos Adotado pela 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinque, Finlândia, junho do 1964

Leia mais

20/12/2012 NOTA TÉCNICA

20/12/2012 NOTA TÉCNICA Data: 20/12/2012 NOTA TÉCNICA 56/2012 Medicamento X Material Solicitante Procedimento Juiz Almir Prudente dos Santos Cachoeira de Cobertura Minas Refere-se ao Processo nº. 009712001663-5 TEMA: interferon

Leia mais

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial

I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial I Jornada de Saúde Mental do Vale do Taquari: Crack e outras drogas: perspectivas na abordagem psicossocial 14 de junho de 2014 FATORES DE RISCO E COMORBIDADES PSIQUIÁTRICAS ASSOCIADOS AOS TRANSTORNOS

Leia mais

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária

II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária II Seminário de Integração sobre Saúde e Segurança Boas Práticas na Área Portuária PROGRAMA PORTO SEGURO LIMPO EM TERRA E A BORDO Área de Abrangência Saúde Mental e Comportamental. Objetivo Prevenção,

Leia mais

Clínica Neurofuncional

Clínica Neurofuncional II Curso de Verão Clínica Neurofuncional Dr. Clynton Correa e Dra. Paula Chaves da Silva Laboratório de Neurobiologia Comparativa e do Desenvolvimento p.chaves@bf.ufrj.br DOENÇA DE PARKINSON II Curso de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROGRAMA PÚBLICO BRASILEIRO DE TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER, NO ANO DE 2008

AVALIAÇÃO DO PROGRAMA PÚBLICO BRASILEIRO DE TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER, NO ANO DE 2008 AVALIAÇÃO DO PROGRAMA PÚBLICO BRASILEIRO DE TRATAMENTO DA DOENÇA DE ALZHEIMER, NO ANO DE 2008 Autores: Cintra, Marco Túlio Gualberto; Belém, Dinah; Moraes, Flávia Lanna; Moraes, Edgar Nunes. Palavras-chave:

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas

Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Pacto de Atenção Básica 2002 Notas Técnicas Estão disponíveis, nestas páginas, os indicadores do Pacto de Atenção Básica 2002, estabelecidos a partir da portaria 1.121, de 17 de junho de 2002, calculados

Leia mais

AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA DE IDOSOS USUÁRIOS DE PSFs NA CIDADE DE RECIFE-PE*

AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA DE IDOSOS USUÁRIOS DE PSFs NA CIDADE DE RECIFE-PE* AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA DE IDOSOS USUÁRIOS DE PSFs NA CIDADE DE RECIFE-PE* AUTOR: CLÁUDIA DANIELE BARROS LEITE-SALGUEIRO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO/MESTRADO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE (EMAIL: daniele_leite_@hotmail.com)

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DISCIPLINA DE GERIATRIA 4º ANO / 2012

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DISCIPLINA DE GERIATRIA 4º ANO / 2012 FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DISCIPLINA DE GERIATRIA CURSO DE CLÍNICA MÉDICA 4º ANO / 2012 Coordenação: Dra. Elina Lika Kikuchi Professor Responsável: Prof. Dr. Wilson Jacob Filho

Leia mais

Aspectos epidemiológicos

Aspectos epidemiológicos Não existe um teste nem clínico nem complementar para diagnosticar a doença de Alzheimer (DA). Tipicamente, os médicos começam a fazer o processo do diagnóstico pela exclusão de outras doenças e condições

Leia mais

O DNA DAS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS

O DNA DAS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS O DNA DAS DOENÇAS NEURODEGENERATIVAS Paulo Cesar Naoum Academia de Ciência e Tecnologia de São José do Rio Preto - SP www.ciencianews.com.br Dezembro de 2009 Entre todos os mamíferos, a espécie humana

Leia mais

PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS NOS CUIDADOS DO MAL DE ALZHEIMER

PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS NOS CUIDADOS DO MAL DE ALZHEIMER ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PRINCIPAIS DIFICULDADES ENCONTRADAS NOS CUIDADOS DO MAL DE ALZHEIMER Larissa da Silva Wathier 1 ;

Leia mais

CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER

CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER Clariany Soares Cardoso 1 ; Gustavo Christofoletti 2 ; Eberson da Silva Rodrigues do Nascimento 3 1 Bolsista PBIC/UEG, graduada

Leia mais

Instruções de Aplicação. Mini Exame do Estado Mental MEEM

Instruções de Aplicação. Mini Exame do Estado Mental MEEM Hospital de Clínicas de Porto Alegre Serviço de Neurologia Ambulatório de Neurologia Geriátrica e Demências Instruções de Aplicação Mini Exame do Estado Mental MEEM (Mini Mental State Exam Folstein et

Leia mais

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE

Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Projeto de Acessibilidade Virtual RENAPI/NAPNE Maio de 2010 Demência Aspesi e Ferreira (2008) consideram deficiência, todas as doenças que provocam alteração da memória, seja ela de curta ou longa duração,

Leia mais

Outras Demências. Hidrocefalia de Pressão Normal Hematoma Sub-Dural Crônico Degeneração Fronto-Temporal Demências Reversíveis

Outras Demências. Hidrocefalia de Pressão Normal Hematoma Sub-Dural Crônico Degeneração Fronto-Temporal Demências Reversíveis Outras Demências Hidrocefalia de Pressão Normal Hematoma Sub-Dural Crônico Degeneração Fronto-Temporal Demências Reversíveis Características Clínicas da Hidrocefalia de Pressão Normal Inicialmente instala-se

Leia mais

TEMA: Cloridrato de Memantina para tratamento de Alzheimer

TEMA: Cloridrato de Memantina para tratamento de Alzheimer NTRR 80/2013 Solicitante: Juiz de Direito: Alexsander Antenor Penna Silva Número do processo: 0091428-11.2013.8.13.0183 Data: 30/04/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado

Leia mais

Pessoas com Deficiência nos Censos Demográficos Brasileiros

Pessoas com Deficiência nos Censos Demográficos Brasileiros Pessoas com Deficiência nos Censos Demográficos Brasileiros Alicia Bercovich IBGE VI Fórum Senado Debate Brasil Convenção da ONU sobre os direitos das pessoas com deficiência Painel 2: Quem são, onde estão,

Leia mais

Car@ alun@, Seja bem-vind@ à Unidade Síndromes Geriátricas Demenciais!

Car@ alun@, Seja bem-vind@ à Unidade Síndromes Geriátricas Demenciais! Curso de Especialização em Saúde da Pessoa Idosa Módulo 05 Unidade 01 Lição 01 Síndromes Geriátricas Demências Introdução Car@ alun@, Seja bem-vind@ à Unidade Síndromes Geriátricas Demenciais! Nesta unidade,

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

Plenária temática CRMESP Aposentadoria Médica Perspectiva Psiquiátrica

Plenária temática CRMESP Aposentadoria Médica Perspectiva Psiquiátrica Plenária temática CRMESP Aposentadoria Médica Perspectiva Psiquiátrica Prof. Dr. Renato Luiz Marchetti Ipq-HCFMUSP Câmara Técnica Psiquiatria CREMESP Agenda de apresentação Problemas cognitivos dos idosos

Leia mais

Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia

Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia Percentual de pessoas com deficiência no Brasil..segundo Censo 2000: 14,5% Deficientes 85,5% Não Deficientes

Leia mais

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS

Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas Área Técnica Saúde da Pessoa com Deficiência Redes de Serviços de Reabilitação Visual no SUS Érika Pisaneschi

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

PARECER CREMEC Nº 26/2011 01/10/2011

PARECER CREMEC Nº 26/2011 01/10/2011 PARECER CREMEC Nº 26/2011 01/10/2011 Processo-Consulta Protocolo CREMEC nº 5032/2011 Assunto: DOENÇA DE ALZHEIMER Relatora: DRA. PATRÍCIA MARIA DE CASTRO TEIXEIRA EMENTA: DOENÇA DE ALZHEIMER. PORTADOR.

Leia mais

INSTITUTO ESTADUAL DE DIABETES E ENDOCRINOLOGIA LUIZ CAPRIGLIONE SERVIÇO DE FARMÁCIA

INSTITUTO ESTADUAL DE DIABETES E ENDOCRINOLOGIA LUIZ CAPRIGLIONE SERVIÇO DE FARMÁCIA MANUAL DE ORIENTAÇÃO SOBRE PROCEDIMENTOS Objetivo Orientar funcionários, corpo clínico e pacientes do IEDE sobre o funcionamento do Serviço de Farmácia e os documentos necessários para cada tipo de atendimento.

Leia mais

DEMÊNCIA FRONTOTEMPORAL VARIANTE COMPORTAMENTAL TEORIA DA MENTE. Dra Valéria Santoro Bahia

DEMÊNCIA FRONTOTEMPORAL VARIANTE COMPORTAMENTAL TEORIA DA MENTE. Dra Valéria Santoro Bahia DEMÊNCIA FRONTOTEMPORAL VARIANTE COMPORTAMENTAL TEORIA DA MENTE Dra Valéria Santoro Bahia Grupo de Neurologia Cognitiva e do Comportamento HC-FMUSP Docente da Faculdade de Medicina da UNICID Assistente

Leia mais

Suplementar após s 10 anos de regulamentação

Suplementar após s 10 anos de regulamentação Atenção à Saúde Mental na Saúde Suplementar após s 10 anos de regulamentação Kátia Audi Congresso Brasileiro de Epidemiologia Porto Alegre, 2008 Mercado de planos e seguros de saúde: cenários pré e pós-regulamentap

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS

ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA ÁREAS DE ATUAÇÃO, PERFIL E COMPETÊNCIAS DOS EGRESSOS DOS NOVOS CURSOS 3. CURSO DE NUTRIÇÃO Área de atuação De acordo com a RESOLUÇÃO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1

Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I. Atenção Básica e a Saúde da Família 1 Disciplina MSP 0670-Atenção Primária em Saúde I Atenção Básica e a Saúde da Família 1 O acúmulo técnico e político dos níveis federal, estadual e municipal dos dirigentes do SUS (gestores do SUS) na implantação

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

PARECER CFM nº 3/16 INTERESSADO: Sr. S.A.L. ELA esclerose lateral amiotrófica Cons. Hideraldo Luis Souza Cabeça

PARECER CFM nº 3/16 INTERESSADO: Sr. S.A.L. ELA esclerose lateral amiotrófica Cons. Hideraldo Luis Souza Cabeça PARECER CFM nº 3/16 INTERESSADO: Sr. S.A.L. ASSUNTO: ELA esclerose lateral amiotrófica RELATOR: Cons. Hideraldo Luis Souza Cabeça EMENTA: A ELA definida e provável, devidamente investigada por exames complementares,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA DE PSICOMETRIA TURMA B 2010.1 PROF. FÚLVIO ROCHA ATIVIDADE II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA DE PSICOMETRIA TURMA B 2010.1 PROF. FÚLVIO ROCHA ATIVIDADE II UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS DE SOBRAL UFC CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA DE PSICOMETRIA TURMA B 2010.1 PROF. FÚLVIO ROCHA ATIVIDADE II 1- Esta atividade corresponderá à 2ª avaliação da disciplina

Leia mais

NOTA TÉCNICA 36 2011

NOTA TÉCNICA 36 2011 NOTA TÉCNICA 36 2011 Especialidades médicas e áreas de atuação em atenção ao parágrafo único do art. 3º da Portaria GM/MS nº 1.377/11 que trata do Fundo de Financiamento ao Estudante de Ensino Superior

Leia mais

Resoluções, conquistas e desafios

Resoluções, conquistas e desafios Eventos pré-congresso Cuidados Paliativos Conselhos e Associações de Classe Demências - diagnóstico diferencial TNT Geriatria - Abbott GeriatRio2013 - Programação Preliminar Como responder às demandas

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 8. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 5. Cronograma de Aulas Pág. 8. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 3 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 5 Matrícula 7 Cronograma de Aulas Pág. 8 2 PÓS-GRADUAÇÃO EM DOR Unidade Dias e Horários

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO PSICOPEDAGOGIA 1 - JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO PSICOPEDAGOGIA 1 - JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO PSICOPEDAGOGIA 1 - JUSTIFICATIVA Atualmente os ambientes educacionais não estão mais localizados somente nas Escolas e/ou Instituições de ensino. Muitas organizações,

Leia mais

EDITAL FMJ- 052/2015, de 22/12/2015 ANEXO I

EDITAL FMJ- 052/2015, de 22/12/2015 ANEXO I ANEXO I Edprosel ATRIBUIÇÕES do Cargo de Professor Auxiliar da Faculdade de Medicina de Jundiaí. Descrição Sumária: Elaborar, aplicar e acompanhar o planejamento das atividades, em observação aos objetivos

Leia mais

Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença de Huntington? Porquê a creatina?

Será que doses elevadas de creatina atrasam o início clínico da doença de Huntington? Porquê a creatina? Notícias científicas sobre a Doença de Huntington. Em linguagem simples. Escrito por cientistas. Para toda a comunidade Huntington. Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença

Leia mais

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição

CONCEITO OBJETIVO 24/9/2014. Indicadores de Saúde. Tipos de indicadores. Definição Indicadores de Saúde Definição PROFª FLÁVIA NUNES É a quantificação da realidade, que permite avaliar/comparar níveis de saúde entre diferentes populações ao longo do tempo. Tipos de indicadores IMPORTÂNCIA

Leia mais

Elaboração do relatório neuropsicológico Professora: PRISCILA COVRE

Elaboração do relatório neuropsicológico Professora: PRISCILA COVRE XVI CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM NEUROPSICOLOGIA (ANO 2015) Elaboração do relatório neuropsicológico Professora: PRISCILA COVRE REALIZAÇÃO: Divisão de Psicologia do Instituto Central do Hospital das Clínicas

Leia mais

Sumário. Data: 06/12/2013 NT 245 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

Sumário. Data: 06/12/2013 NT 245 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NT 245 /2013 Solicitante: Ilmo Dr RODRIGO DIAS DE CASTRO Juiz de Direito Comarca de Campestre Data: 06/12/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0023168-04.2013.8.13.0110

Leia mais

ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO/LINHAS DE PESQUISA

ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO/LINHAS DE PESQUISA ÁREAS DE CONCENTRAÇÃO/LINHAS DE PESQUISA Áreas de concentração: O presente programa está organizado em duas áreas de concentração, cada uma das quais contemplando três linhas de pesquisa nas quais se distribuem

Leia mais

HIV/aids no Brasil - 2012

HIV/aids no Brasil - 2012 HIV/aids no Brasil - 2012 Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Novembro de 2012 HIV Dados gerais Prevalência do HIV maior entre homens (15

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais