Projecto ACTOR - Apostar na Certificação das Empresas TICE Organizadas em Rede

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projecto ACTOR - Apostar na Certificação das Empresas TICE Organizadas em Rede"

Transcrição

1 Projecto ACTOR - Apostar na Certificação das Empresas TICE Organizadas em Rede A Inovação na Estratégia das Empresas e as Normas Portuguesas de Gestão da IDI Miguel Taborda Porto, 29 Junho 2012

2 2 Índice I O conceito de I+D+I (Investigação & Desenvolvimento e Inovação) II Norma NP4457:2007 Requisitos do Sistema de Gestão da IDI III Perguntas frequentes

3 3 Índice I O conceito de I+D+I (Investigação & Desenvolvimento e Inovação) II Norma NP4457:2007 Requisitos do Sistema de Gestão da IDI III Perguntas frequentes

4 I. O conceito de I+D+I Se os conceitos de Investigação e de Desenvolvimento são conceitos universais, já a diversidade de definições de Inovação que é possível encontrar é imensa. Contudo, não há uma só definição que seja aplicável a todo o universo da Inovação. Costuma aliás dizer-se, que nenhuma das definições está correcta ou errada, apenas incompleta. Ao longo dos anos foram surgindo vários conceitos de Inovação (i.e. Livro Verde sobre Inovação, Dezembro 1995, Comissão Europeia), que têm uma elevada importância por serem o ponto de partida para a uniformização (ou normalização) dos mesmos. Assim, e por forma a criar um entendimento comum sobre os diferentes conceitos de Inovação, que foram surgido ao longo dos anos, vários estados membros iniciaram um processo de normalização não só do conceito de Inovação, mas também dos conceitos de Investigação e de Desenvolvimento, sustentados em importantes publicações como o Manual de Oslo ou o Manual de Frascati, ambos publicados pela OCDE. 4

5 I. O conceito de I+D+I A proliferação de diferentes práticas de classificação e de contabilização das actividades de IDI justifica a necessidade de articulação entre a adopção de normas (normalização) e o mapeamento das actividades de IDI numa perspectiva de criação de valor. Sendo o conhecimento a base da geração da riqueza nas sociedades avançadas e a ID um dos pilares da criação desse conhecimento, é na inovação que se encontra o meio de transformar o conhecimento em desenvolvimento económico. Com base nestes pressupostos, foram criadas normas para a gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI), que permitem às empresas que as adoptem melhorar o seu desempenho na transformação do conhecimento em riqueza económica ou social. As Normas Portuguesas para a Gestão da IDI, publicadas em 2007, são: NP Terminologia e definições das actividades de IDI; NP Requisitos do sistema de gestão da IDI; NP Requisitos de um projecto de IDI; NP Competência e avaliação dos auditores de sistemas de gestão da IDI e dos auditores de projectos de IDI. 5

6 I. O conceito de I+D+I Inovação Actividade que visa produzir, assimilar e explorar com êxito a novidade nos domínios económico e social. Inovar é assim: Renovar e alargar a gama de produtos e serviços e dos mercados associados; Criar novos métodos de produção, de aprovisionamento e de distribuição; Introduzir alterações na gestão, na organização do trabalho e nas condições de trabalho, bem como nas qualificações dos trabalhadores. Livro Verde sobre Inovação,

7 I. O conceito de I+D+I As definições utilizadas na NP4457:2007, sobre Gestão da IDI foram, sempre que possível, retiradas das últimas versões dos manuais da OCDE: Manual de Frascati (OCDE, 2002); Manual de Oslo (OCDE, 2005). 7

8 I. O conceito de I+D+I Investigação Indagação original e planificada que pretende descobrir novos conhecimentos e uma maior compreensão no âmbito científico e tecnológico. Desenvolvimento NP 4456:2007 Trabalho sistemático desenvolvido com utilização do conhecimento gerado no trabalho de investigação e na experiência, com o propósito de criar novos ou significativamente melhorados materiais, produtos, processos ou serviços, inovações de marketing ou inovações organizacionais. Inovação NP 4456:2007 Inovação corresponde à implementação de uma nova ou significativamente melhorada solução para a empresa, novo produto, processo, método organizacional ou de marketing, com o objectivo de reforçar a sua posição competitiva, aumentar o desempenho, ou o conhecimento. NP 4456:2007 8

9 I. O conceito de I+D+I Actividades de Investigação e Desenvolvimento Todo o trabalho criativo realizado sistematicamente com o objectivo de aumentar o conhecimento, incluindo o conhecimento do homem, cultura e sociedade e o uso desse conhecimento para inventar novas aplicações. Actividades de Inovação Todas as actividades de carácter científico, tecnológico, organizacional, financeiro e comercial, incluindo investimento em novo conhecimento, direccionado para a implementação de inovações. 9

10 TIPOS DE INOVAÇÃO I. O conceito de I+D+I Produto Processo Organizacional Marketing 10

11 I. O conceito de I+D+I Inovação de Produto Introdução no mercado de novos ou significativamente melhorados, produtos ou serviços. Inclui alterações significativas nas suas especificações técnicas, componentes, materiais, software incorporado, interface com o utilizador ou outras características funcionais. A inovação do produto nos serviços, pode incluir: melhoramentos significativos na forma como é prestado (por exemplo: rapidez, eficiência), novas funcionalidades ao serviço e a introdução de novos serviços. 11

12 I. O conceito de I+D+I Inovação de Processo Implementação de novos ou significativamente melhorados, processos de fabrico, logística e distribuição. Esta tipologia inclui ainda actividades novas ou significativamente melhoradas de apoio a processos (por exemplo: sistemas de manutenção, sistemas de informação, sistemas de contabilização, etc.). 12

13 I. O conceito de I+D+I Inovação Organizacional Implementação de novos métodos organizacionais na prática do negócio, organização do trabalho e /ou relações externas, nomeadamente: Implementação de novos métodos para organização das actividades de rotina e desenvolvimento de novos procedimentos para desenvolvimento do trabalho. Implementação de novos métodos para distribuição de responsabilidades, tomada de decisão, novos conceitos para estruturar as actividades. Implementação de novas formas de relacionamento com outras empresas, novas formas de colaboração, novos métodos de integração com fornecedores. 13

14 I. O conceito de I+D+I Inovação Marketing Implementação de novos métodos de marketing, envolvendo melhorias significativas no design do produto ou embalagem, preço, distribuição e promoção. O objectivo é aumentar as vendas através da melhor satisfação das necessidades dos mercados, da alteração de posicionamento ou da abertura de novos mercados. 14

15 CLASSE DE INOVAÇÃO I. O conceito de I+D+I Incremental Distintiva Revolucionária Inovação incremental é aquela em que o novo produto incorpora alguns novos elementos em relação ao anterior, sem que, no entanto, sejam alteradas as funções básicas do produto. Uma inovação distintiva caracteriza-se pelo facto de o novo produto, embora possuindo um conjunto de características idênticas às daquele a partir do qual foi desenvolvido, apresentar uma série de atributos a que correspondem funções inexistentes anteriormente. A inovação revolucionária caracteriza-se por uma ruptura completa com os produtos anteriormente existente. A inovação revolucionária surge em resposta à satisfação de uma dada necessidade, ou mesmo pela criação de uma nova necessidade até aí inexistente ou que se encontrava latente

16 I O conceito de I+D+I (Investigação & Desenvolvimento e Inovação) II Norma NP4457:2007 Requisitos do Sistema de Gestão da IDI III Perguntas frequentes

17 II. Norma NP4457:2007 As Normas Portuguesas de IDI A proliferação de diferentes práticas de classificação e de contabilização das actividades de Investigação, Desenvolvimento e Inovação justifica a necessidade de articulação entre a adopção de normas e o mapeamento das actividades de IDI numa perspectiva de criação de valor. 17

18 II. Norma NP4457:2007 As Normas Portuguesas de IDI - Origem Em Espanha, a Agência Espanhola de Normalização (AENOR), com o apoio do Ministério da Ciência e Tecnologia elaborou as Normas Espanholas para a Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI): UNE Terminologia e definições das actividades de IDI. UNE Requisitos de um projecto de IDI. UNE Requisitos do Sistema de IDI. 18

19 II. Norma NP4457:2007 As Normas Portuguesas de IDI - Consequência 3 Dezembro 2011 Entrou em vigor a norma brasileira ABNT NBR 16501:2011 Diretrizes para Sistemas de Gestão da Pesquisa, do Desenvolvimento e da Inovação (PD&I). Aplicável a qualquer organização, independentemente do porte, tipo e atividade, traz orientações para desenvolvimento e implementação de sistemas de gestão da PD&I. O objetivo da implantação da norma em empresas é organizar e gerenciar de forma eficaz a PD&I, promover e sistematizar as atividades de PD&I e inserir a cultura da inovação na organização. 19

20 II. Norma NP4457:2007 Comissão Técnica (CT 169) - Comissão Técnica Portuguesa de Normalização Actividades de Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI). - AdI - AIP - APCER - Bial - Certif - Chipidea - CIP - COTEC Portugal - Gabinete CNELPT - Gabinete Gestor PRIME - IGCiência - INEGI - INESC Porto - IPQ - ISEG - IST - LNEC - LusAENOR - Primavera - PT Inovação - Recet - Renova - Siemens - Universidade do Porto - Universidade Nova de Lisboa 20

21 II. Norma NP4457: Normas Portuguesas para a Gestão da Investigação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4456 Terminologia e definições das actividades de IDI. NP 4457 Requisitos do sistema de gestão da IDI. NP 4458 Requisitos de um projecto de IDI. NP 4461 Competência e avaliação dos auditores de sistemas de gestão da IDI e dos auditores de projectos de IDI. 21

22 II. Norma NP4457:2007 Norma NP 4457:2007 Requisitos do sistema de gestão da IDI Objectivo: Especifica os requisitos de um sistema de gestão de IDI. Campo de Aplicação: Aplicável a qualquer organização que pretenda: Estabelecer um Sistema de Gestão da IDI (SGIDI); Assegurar-se do cumprimento da sua política de IDI; Demonstrar conformidade com a NP4457 através da certificação do seu terceira parte independente. SGIDI por uma Aplicável a organizações com actividades de IDI, independentemente da dimensão, complexidade e natureza das suas actividades. Aplicável a qualquer tipo de inovação: produtos (bens e serviços), processos, organizacional, marketing. 22

23 II. Norma NP4457:2007 A norma NP 4457:2007 não pretende estabelecer os requisitos para que uma organização estabeleça as suas políticas de IDI nem a uniformidade dos sistemas de gestão da IDI; no entanto estabelece requisitos para a implementação de um sistema de gestão, identificando-se, entre outras as seguintes vantagens: Fomentar as actividades de IDI; Proporcionar directrizes para organizar e gerir eficazmente a IDI; Assegurar que não se perdem oportunidades de gerar tecnologia própria e patentes, através das quais se podem obter benefícios adicionais por transferência de tecnologia; Potenciar a IDI como um factor diferenciador e de competitividade; Ajudar a planear, organizar e controlar as equipas de projecto, com vista a uma poupança de recursos e uma melhoria da motivação e envolvimento dos colaboradores. 23

24 II. Norma NP4457:2007 A implementação de um sistema de gestão da IDI apresenta claros benefícios e vantagens para as empresas: Potenciar a inovação de forma planeada, estruturada, como um activo estratégico da empresa; Criar uma cultura organizacional de inovação e envolvimento de toda a organização na temática da inovação (preparar e capacitar os recursos humanos para a inovação); Desenvolver produtos e serviços inovadores, com projectos de IDI de elevada qualidade técnica; Aumentar a eficiência organizacional e operacional, com a implementação de acções nas actividades de investigação, desenvolvimento e inovação; Criar valor para a empresa e para os clientes dos seus produtos e/ou serviços, através de um processo de inovação planeado, sistemático e formalmente reconhecido; Desenvolver, promover e estimular sistemas de análise da envolvente externa à empresa; Medir os efeitos do investimento em actividades de IDI; Controlar eficazmente ciclos de vida de produtos/serviços; Identificar oportunidades de melhoria e implementar correcções; Adoptar uma gestão por objectivos que contribuem para o controlo de recursos. 24

25 II. Norma NP4457:2007 Norma NP 4457:2007 Requisitos do sistema de gestão da IDI Secções da Norma NP 4457:2007 (15 páginas) 25

26 II. Norma NP4457:2007 O Planeamento da Investigação, Desenvolvimento e Inovação deverá ter em consideração três actividades principais: 1. Gestão das interfaces e da produção de conhecimento; 2. Gestão das ideias e avaliação de oportunidades; 3. Planeamento de projectos de IDI (Investigação, Desenvolvimento e Inovação). 26

27 II. Norma NP4457:2007 Na gestão das interfaces e da produção de conhecimento existem diversos procedimentos que devem ser implementados para monitorizar diferentes fontes de conhecimento. Essas diferentes fontes estão indicadas no esquema seguinte. Vigilância tecnológica Interface Tecnológica Cooperação tecnológica Previsão tecnológica Interface de Mercado Novos clientes Análise interna e externa Propriedade intelectual Criatividade interna Interface Organizacional Capacidade de organização Gestão de conhecimento 27

28 II. Norma NP4457:2007 Gestão das Interfaces O modelo de referência (modelo de interacções em cadeia) da NP4457:2007, pressupõe a existência de três interfaces (mercado, tecnológica e organizacional), que definem uma fronteira de competências onde circula e se transfere o conhecimento economicamente produtivo entre a actividade inovadora das empresas e o seu ambiente. As interfaces são essenciais para uma eficaz gestão da inovação, uma vez que alicerçam a capacidade empresarial necessária ao desenvolvimento dos projectos de inovação e gerem a sua ligação ao conhecimento existente ou à criação de novo conhecimento nos domínios necessários. No âmbito da gestão das interfaces e consoante a dimensão, o grau de intensidade tecnológica, a concentração do mercado, o grau de maturidade ou outras características das empresas e dos seus sectores, devem sistematizar-se as seguintes actividades: 28

29 II. Norma NP4457:2007 A organização na Interface Tecnológica deve ter em consideração os seguintes mecanismos: Interface Tecnológica Vigilância tecnológica Cooperação tecnológica Previsão tecnológica O modo como as empresas observam a envolvente relativamente à tecnologia existente no mercado, de tecnologias emergentes e às tendências ou avanços tecnológicos. As actividades de parceria das empresas com outras instituições e organizações, com vista à partilha de informação técnica e científica e desenvolvimento conjunto de actividades de IDI (protótipos, produtos ou processos). As actividades de prospectiva das empresas que incidem sobre o desenvolvimento de tecnologias (ou áreas de negócio) com potencial interesse económico. 29

30 II. Norma NP4457:2007 Na Interface de Mercado a organização deve ter em consideração os seguintes mecanismos: Interface de Mercado Novos Clientes Análise interna e externa Propriedade intelectual O modo como as empresas observam e analisam potenciais clientes e novos mercados de utilizadores. O modo como as empresas analisam os seu contexto interior e exterior e o seu posicionamento tendo em conta oportunidades e ameaças relativas na envolvente. O modo com as empresas gerem as possibilidades oferecidas pelos regimes de propriedade intelectual para protecção, exploração e disseminação dos resultados obtidos nos seus processos de inovação. 30

31 II. Norma NP4457:2007 Por último, na Interface Organizacional deverá ser ponderada a existência dos seguintes mecanismos: Interface Organizacional Criatividade interna Capacidade de organização Gestão de conhecimento As práticas das empresas para aproveitamento e estímulo da criatividade interna. As estratégias de concepção da estrutura e modelos organizacionais para a inovação nas empresas. As práticas de geração, validação, codificação e difusão do conhecimento existente nas empresas e o modo como gerem as necessidades de conhecimento externo. 31

32 II. Norma NP4457:2007 Captação de ideias Análise de ideias Avaliação de ideias Pré-selecção de ideias Gestão das Ideias No caminho para a melhoria do desempenho inovador, a actividade de gestão das ideias visa seleccionar as ideias que permitirão solucionar problemas existentes e investir em projectos de inovação que tragam retorno às empresas. No âmbito desta actividade, importa observar, sem descurar a importância atribuída à qualidade do processo de decisão, o ciclo que inclui a geração, recolha, avaliação, selecção, partilha e valorização das ideias, que surgem na organização ou em resultado da sua ligação ao exterior. 32

33 II. Norma NP4457:2007 Finalmente, após identificar oportunidades de Inovação, a ideia deve ser transformada num projecto. A organização deve estabelecer um plano de projecto, monitorizar a sua execução e proteger os resultados alcançados. Descrição do projecto Identificação da equipa Actividades de verificação e validação Método de controlo das alterações Resultados esperados Propriedade intelectual 33

34 II. Norma NP4457:2007 Planeamento dos Projectos de IDI Os projectos de IDI constituem âncoras do sistema de gestão com o objectivo de criar ou valorizar conhecimento para alcançar inovações. Inserem-se numa das fases mais operacionais do processo de inovação, exigindo das empresas diferentes capacidades, desde a adopção de boas práticas à experimentação e valorização do saber fazer, que potenciem a melhoria do desempenho. O aperfeiçoamento da sua gestão permite que as empresas estejam melhor preparadas para dar resposta, com agilidade e rapidez, às exigências que se lhe colocam, garantindo a alimentação de rotinas potenciadoras de inovação, num cenário de médio prazo, e construindo as características distintivas da empresa que alicerçam a criação de valor. Com o apoio da SPI, as empresas no Projecto ACTOR, estão a estruturar um procedimento para a gestão dos projectos de IDI, bem como planos detalhados para os projectos de IDI identificados (incluindo actividades de monitorização, execução e protecção dos resultados alcançados). 34

35 II. Norma NP4457:2007 Gestão e Difusão de Conhecimento e das Competências A gestão do conhecimento envolve a geração, validação, codificação e difusão do conhecimento existente na empresa inovadora e, por outro lado, a identificação das necessidades de conhecimento externo, actividades fulcrais do Sistema de Gestão da IDI que estabelecem a ponte entre as saídas das actividades de gestão das interfaces e o subsequente processo de tradução desse conhecimento em valor para a empresa. Já no que respeita a gestão das competências é usual dizer-se que as inovações bem sucedidas resultam de combinações integradas de competências comerciais, estratégicas e técnicas, nem sempre todas elas na posse das empresas. 35

36 II. Norma NP4457:2007 Gestão da Propriedade Intelectual A gestão da propriedade intelectual enquadra as actividades que em conjunto garantem uma apropriada protecção dos resultados, com destaque para os que decorrem dos projectos de inovação e que permitem a maximização da valorização dos resultados tendo em conta a defesa da posição competitiva da empresa. Diferentes modalidades de propriedade intelectual devem ser consideradas, como as patentes, os modelos de utilidade, os desenhos industriais, as marcas e outros sinais distintivos, os direitos de autor, entre outras, em função do tipo de inovação gerada e do objecto de protecção. 36

37 II. Norma NP4457:2007 Avaliação dos Resultados O desenvolvimento de actividades de IDI conduz a diferentes tipos de efeitos e de resultados nas empresas e na sua interacção com o exterior. A capacidade das empresas para tirarem partido do seu esforço de inovação e dos resultados atingidos assume particular importância para garantir o retorno do investimento realizado, sendo expectável a existência de práticas que permitam avaliar, de modo regular, as actividades de IDI, destacando-se a intensidade e a relevância das interacções (networking) estabelecidas nas interfaces, e as inovações geradas. 37

38 Externalização de Conhecimento II. Norma NP4457:2007 Internalização de Conhecimento Avaliação de Resultados Gestão das Interfaces Gestão da IDI Estratégia de Inovação Desenvolvimento Projectos de IDI Gestão das Ideias Socialização de Conhecimento Combinação de Conhecimento 38

39 I O conceito de I+D+I (Investigação & Desenvolvimento e Inovação) II Norma NP4457:2007 Requisitos do Sistema de Gestão da IDI III Perguntas frequentes

40 V. Perguntas frequentes Quais são as principais vantagens da implementação e certificação de um sistema de gestão da IDI? Criação de uma cultura organizacional de inovação e envolvimento de toda a organização na temática da inovação; Preparar os recursos humanos para inovar; Maior abertura ao exterior como forma de transferir conhecimento economicamente produtivo para o interior da empresa; Acompanhamento do desenvolvimento tecnológico, identificando e antecipando necessidades do mercado; Identificação de oportunidades de melhoria nas suas actividades de IDI; Medir os efeitos do investimento em actividades de IDI; Aumento da eficiência organizacional e operacional, com a implementação de acções nas actividades de investigação, desenvolvimento e inovação; Criação de valor para as empresas e para os clientes dos seus produtos, através de processo de inovação planeado, sistemático e formalmente reconhecido. 40

41 V. Perguntas frequentes Qual é o reconhecimento internacional da certificação das actividades de inovação das empresas portuguesas? Embora seja um referencial normativo de âmbito nacional, a NP4457:2007 segue a mesma metodologia de normas internacionais; Tem um valor próprio pelo que diferencia as empresas portuguesas em relação a outros países onde a gestão da investigação, desenvolvimento e inovação, como método fundamental de criar conhecimento e de o transformar em riqueza económica e social, não esteja tão desenvolvido e formalizado; Quando um potencial parceiro de negócio analisa o mercado nacional, observa o seu quadro legislativo, económico e social; A certificação de acordo com a NP4457:2007 ajuda as empresas a captarem a confiança desses parceiros, através da garantia emitida pela Entidade Certificadora; 41

42 V. Perguntas frequentes Para além de Espanha, Portugal e o Brasil, que outros países têm publicadas normas que certificam actividades de inovação? Ainda que com objectivos e alcances diferentes, foram já publicadas normas que certificam actividades de inovação em França e no Reino Unido, sendo que a Dinamarca está a desenvolver a primeira norma na área da Inovação: (FR) FD X50-551:2003 Research-sector quality - Recommendations for organizing and conducting a research activity in project mode, particularly with the framework of a network. (FR) FD X50-901:1991 Project management and innovation. Memorandum for the use of he actors of an innovation project. (FR) FD X50-550:2001 Research quality approach - General principles and recommendations. (FR) XP X :1998 Watch services - Watch services and watch system introduction services. (UK) BS :2008 Design management systems. Part 1: Guide to managing innovation (DK) pds xxxxx User-oriented innovation (EM DESENVOLVIMENTO) 42

43 V. Perguntas frequentes Qual a probabilidade da NP4457:2007 evoluir para um Referencial Normativo de âmbito e reconhecimento europeu e/ou mundial? É reconhecido mundialmente que o conhecimento é a base de geração de riqueza nas sociedades avançadas e a investigação e o desenvolvimento, um dos pilares da criação desse conhecimento; É também reconhecido mundialmente que é na inovação que se encontra o meio de transformar esse conhecimento em desenvolvimento económico; Partindo destas reflexões, o CEN European Comitee for Standadization (mandatado pela Comissão Europeia), criou um Comité Técnico para estudar o desenvolvimento de uma norma europeia neste domínio: Title: Innovation Management Scope: standardization of tools that allow companies and organizations to improve their innovation management, including all kinds of innovation and all the related aspects, as well as the relations with R&D activities. Participating countries: Austria, Belgium, Denmark, Finland, France, Germany, Ireland, Portugal, Spain, Sweden and the U.K.. 43

44 V. Perguntas frequentes Qual a experiência relevante da SPI nesta área? A SPI é, desde o inicio das suas actividades em 1997, uma empresa pioneira que tem dedicado grande importância às questões da inovação e gestão do conhecimento. São assim factores diferenciadores, os seguintes: Larga experiência na gestão de projectos de IDI e na estruturação de actividades de IDI (Planos de Inovação, Núcleos de IDT); Carteira de Projectos de IDI significativa, com particular enfoque em projectos financiados pela Comissão Europeia (5º, 6º e 7º Programas Quadro), sendo de destacar o facto da SPI ser a empresa portuguesa que mais projectos coordenou no 6º Programa Quadro (cinco num total de cinquenta e dois projectos a cargo de entidades portuguesas); Primeira empresa portuguesa a certificar o seu Sistema de Gestão da IDI, segundo a Norma NP 4457:2007 (obtenção do certificado em Maio de 2007); Vasta experiência no apoio à implementação de sistemas de gestão da IDI em empresas de diversos sectores de actividade; Conhecimento profundo de outras realidades, tendo acompanhado o processo que culminou com o lançamento das normas espanholas de inovação, sendo elencados de seguida os aspectos mais importantes. 44

45

A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Alter do Chão 12 Novembro. Miguel Taborda - SPI

A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Alter do Chão 12 Novembro. Miguel Taborda - SPI A Certificação das atividades de investigação, desenvolvimento e inovação (IDI) Miguel Taborda - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. A NORMA NP 4457:2007 REQUISITOS

Leia mais

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER

A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A GESTÃO DA INOVAÇÃO APCER A Gestão da Inovação Proposta de Utilização do Guia de Boas Práticas de IDI e das ferramentas desenvolvidas no âmbito da iniciativa DSIE da COTEC para o desenvolvimento do sistema

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões

BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015. Sara Medina saramedina@spi.pt. IDI (Inovação, Investigação e Desenvolvimento) - Algumas reflexões BOLSA DO EMPREENDEDORISMO 2015 INSERIR IMAGEM ESPECÍFICA 1 I. Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI) Missão: Apoiar os nossos clientes na gestão de projetos que fomentem a inovação e promovam oportunidades

Leia mais

Apresentação do Manual de Gestão de IDI

Apresentação do Manual de Gestão de IDI Seminário Final do Projeto IDI&DNP Coimbra 31 de março Miguel Carnide - SPI Conteúdos. 1. O CONCEITO DE IDI (INVESTIGAÇÃO, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO) 2. OVERVIEW DO MANUAL 3. A NORMA NP 4457:2007 4. A

Leia mais

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial.

Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. Classificação e Tipologias de Inovação. A Inovação como um Processo Empresarial. 1 Conteúdo Conceitos e definições segundo a NP 4456:2007 A inovação no mundo e em Portugal 2 Objectivos Situar a problemática

Leia mais

Certificação da Sociedade Portuguesa de Inovação pela NP4457:2007 O Processo de Certificação e Instrumentos de Apoio ao SGIDI

Certificação da Sociedade Portuguesa de Inovação pela NP4457:2007 O Processo de Certificação e Instrumentos de Apoio ao SGIDI 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM As Normas Portuguesas para a Certificação de Sistemas de Gestão de IDI Certificação da Sociedade Portuguesa de Inovação pela NP4457:2007 O Processo de Certificação

Leia mais

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008 Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I Fev. 2008 Medeiros genda 1. Áreas de negócio Martifer; 2. Martifer Energia Equipamentos para energia S.A.; 3. Certificações Obtidas 4. Porquê IDI? 5. Objectivo

Leia mais

Gestão da Inovação e a Norma NP 4457:2007

Gestão da Inovação e a Norma NP 4457:2007 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM 3,5/3,5 CM As Normas Portuguesas para a Certificação de Sistemas de Gestão de IDI Gestão da Inovação e a Norma NP 4457:2007 Maria Ana Sousa Guedes Sociedade Portuguesa

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

O reforço da gestão da inovação nas empresas portuguesas CCDR Algarve 6 de Maio de 2009 Isabel Caetano COTEC Portugal

O reforço da gestão da inovação nas empresas portuguesas CCDR Algarve 6 de Maio de 2009 Isabel Caetano COTEC Portugal O reforço da gestão da inovação nas empresas portuguesas CCDR Algarve 6 de Maio de 2009 Isabel Caetano COTEC Portugal COTEC PORTUGAL - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL PARA A INOVAÇÃO A COTEC Portugal - Associação

Leia mais

Conteúdo. - Apresentação da empresa. - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação. - Processo de implementação

Conteúdo. - Apresentação da empresa. - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação. - Processo de implementação COTEC 2010/10/19 Conteúdo - Apresentação da empresa - Porquê a certificação em NP 4457:2007? - Contexto para a certificação - Processo de implementação - Factores críticos de sucesso visão.c Apresentação

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria

A Distribuição Moderna no Sec. XXI 28 Março 2011. Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria Certificação da Qualidade Aplicada ao Sistema de Gestão da Marca Própria PROGRAMA Qualidade Produto Marca Própria - Distribuição Princípios da Qualidade/ ISO 9001 Certificação/Processo de Certificação

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Ilustratown - Informação Tecnológica, Lda.

Ilustratown - Informação Tecnológica, Lda. Ilustratown - Informação Tecnológica, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A é uma software house criada em 2006. A Ilustratown tem por objetivo o desenvolvimento e implementação

Leia mais

1. IDT Consulting. 2. Gestão da Inovação: importância e ferramentas. 3. Promoção da Criatividade e Gestão de Ideias

1. IDT Consulting. 2. Gestão da Inovação: importância e ferramentas. 3. Promoção da Criatividade e Gestão de Ideias GESTÃO DA INOVAÇÃO AGENDA 1. IDT Consulting 2. Gestão da Inovação: importância e ferramentas 3. Promoção da Criatividade e Gestão de Ideias 4. Diagnósticos Estratégicos de Inovação 5. Implementação de

Leia mais

Qualidade e Inovação, uma relação biunívoca. AAOUP- Associação de Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto

Qualidade e Inovação, uma relação biunívoca. AAOUP- Associação de Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto Qualidade e Inovação, uma relação biunívoca AAOUP- Associação de Antigos Orfeonistas da Universidade do Porto Jorge Marques dos Santos, local, Porto, 18 de abril de 2013 IPQ- Instituto Português da Qualidade

Leia mais

Inovação. Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial

Inovação. Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial Inovação Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial INICIATIVA APOIO Inovação, Empreendedorismo e Qualidade As Práticas que nos Inspiram Práticas de Gestão de Inovação Isabel Caetano Instituto

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Catálogo de Formação Inter-Empresas

Catálogo de Formação Inter-Empresas Catálogo de Formação Inter-Empresas QTEL 2016 Índice Quem Somos...Pág. 3 6 Razões para Escolher a QTEL...Pág. 5 Formação em Ambiente.Pág. 6 Formação em Inovação..Pág. 11 Formação em Qualidade Pág. 15 Formação

Leia mais

Benefícios da Certificação para a Administração Pública

Benefícios da Certificação para a Administração Pública Benefícios da Certificação para a Administração Pública Hélder Estradas, 7 de Maio de 2008 Agenda 1 - Resumo Histórico da Certificação em Portugal; 2 - Vantagens da Certificação; 3 - Processo de Certificação.

Leia mais

Inovação e Criação de Novos Negócios

Inovação e Criação de Novos Negócios INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA Inovação e Criação de Novos Negócios Luís Mira da Silva Cristina Mota Capitão Isabel Alte da Veiga Carlos Noéme Inovação INOVAÇÃO Inovação: introdução INOVAR

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

O ESTADO DA INOVAÇÃO NO SECTOR VITIVINICOLA DURIENSE

O ESTADO DA INOVAÇÃO NO SECTOR VITIVINICOLA DURIENSE ADVID Associação para o Desenvolvimento da Viticultura Duriense Cluster dos vinhos da Região do Douro 16 de NOVEMBRO DIA DA INOVAÇÃO, UTAD O QUE É INOVAÇÃO? *Uma inovação é a implementação de um produto

Leia mais

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Projecto GAPI 2.0 Universidade de Aveiro, 19 de Fevereiro de 2010 João M. Alves da Cunha Introdução Modelo de Interacções em cadeia Innovation

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda.

Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda. Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A Almadesign Conceito e Desenvolvimento de Design, Lda. é uma empresa com competências nucleares

Leia mais

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A.

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa é uma empresa criada em 2001 como spin-off do Instituto Superior Técnico (IST). Desenvolve tecnologias e metodologias de inovação para rentabilizar

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Implementaçã

ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Implementaçã Implementaçã ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Carlos Antunes Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (http://correio.cc.fc.ul.pt pt/~ /~mcarlos)

Leia mais

Catálogo de Formação Inter-Empresas

Catálogo de Formação Inter-Empresas Catálogo de Formação Inter-Empresas QTEL 2015 Índice Quem Somos...Pág. 3 6 Razões para Escolher a QTEL...Pág. 5 Formação em Ambiente.Pág. 6 Formação em Inovação..Pág. 9 Formação em Qualidade Pág. 13 Formação

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

XLM Innovation & Technology

XLM Innovation & Technology 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A XLM, sedeada em Aveiro, iniciou a sua atividade em 1995. Nesta data, a sua área de atuação cingia-se à venda, instalação e assistência técnica

Leia mais

SPI WORKSHOP AUDITORIAS A SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI 10.07.2012

SPI WORKSHOP AUDITORIAS A SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI 10.07.2012 SPI WORKSHOP AUDITORIAS A SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI 10.07.2012 FORMAÇÃO INSPECÇÃO ESTRATÉGIA Modelo do Workshop PORQUE COMO O QUE LP VISÃO NORMALIZAÇÃO CP ENSAIOS E TESTES CONSULTORIA ACREDITAÇÃO REQUISITOS

Leia mais

Ajudamos a (sua) empresa a crescer.

Ajudamos a (sua) empresa a crescer. CONSULTORIA Ajudamos a (sua) empresa a crescer. O QUE FAZEMOS SISTEMAS DE GESTÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS PRODUÇÕES PRODUTIVIDADE E INOVAÇÃO INTERNACIONALIZAÇÃO PROJECOS DE INVESTIMENTO E INCENTIVOS

Leia mais

Recursos Humanos e Qualidade

Recursos Humanos e Qualidade K Recursos Humanos e Qualidade na Gestão das Organizações do 3.º Sector S. Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009 S. l Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009_Isaque Dias O que é que fazem as Organizações

Leia mais

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização

Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Portugal 2020: Investigação e Inovação no domínio da Competitividade e Internacionalização Duarte Rodrigues Vogal da Agência para o Desenvolvimento e Coesão Lisboa, 17 de dezembro de 2014 Tópicos: 1. Portugal

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

Vigilância Tecnológica

Vigilância Tecnológica Vigilância Tecnológica Filipe Duarte, 2010 1 Objectivo Conhecer as bases para implementar um sistema de vigilância tecnológica (SVT) 2 O que É? Um sistema de vigilância tecnológica (SVT) é uma ferramenta

Leia mais

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013

CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 CONTRIBUTO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE IDI PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES 7 de Outubro de 2013 COTEC Portugal 1. COTEC Portugal Origem, Missão, Stakeholders 2. Desenvolvimento Sustentado da Inovação Empresarial

Leia mais

A Normalização e a Gestão do Risco

A Normalização e a Gestão do Risco A Normalização e a Gestão do Risco ISO 26000 e a Gestão do Risco 22 de Maio 2014 João Simião Algumas reflexões para partilhar 2 Curiosidades sobre riscos Sabia que o termo risco (risk) é referido em 141

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade

Manual de Gestão da Qualidade Manual de Gestão da Qualidade A Índice A Índice... 2 B Manual da Qualidade... 3 C A nossa Organização... 4 1 Identificação... 4 2 O que somos e o que fazemos... 4 3 Como nos organizamos internamente -

Leia mais

ControlVet Segurança Alimentar, SA.

ControlVet Segurança Alimentar, SA. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa A ControlVet Segurança Alimentar, S.A. é uma empresa de referência nacional na prestação de serviços de segurança alimentar, em franca expansão

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15

JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15 JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15 2º Painel Incentivos à Indústria O papel do IAPMEI na Competitividade do setor Miguel Cruz 26 Novembro de 2015 Apoiar as PME nas suas estratégias de crescimento inovador

Leia mais

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios

Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Qualidade e Sustentabilidade das Organizações Sociais Os Modelos de Gestão da Qualidade das Respostas Sociais - Novos desafios Instituto da Segurança Social, I.P. Gabinete de Qualidade e Auditoria 17 de

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

Disseminação e Sensibilização para a Adoção de Metodologias de Gestão de IDI e de Desenvolvimento de Novos Produtos. D7. Manual de Gestão da IDI

Disseminação e Sensibilização para a Adoção de Metodologias de Gestão de IDI e de Desenvolvimento de Novos Produtos. D7. Manual de Gestão da IDI D7. Manual de Gestão da IDI Disseminação e Sensibilização para a Adoção de Metodologias de Gestão de IDI e de Desenvolvimento de Novos Produtos dezembro 2014 PR-02445 1 Disseminação e Sensibilização para

Leia mais

A DGAE e a Política de Inovação

A DGAE e a Política de Inovação A DGAE e a Política de Inovação Seminário A Criatividade e a Inovação como Factores de Competitividade e Desenvolvimento Sustentável APOCEEP, 9 de Julho de 2009 José António Feu Director do Serviço para

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Protection notice / Copyright notice

Protection notice / Copyright notice Innovation@Siemens Protection notice / Copyright notice Innovation@Siemens Worldwide Megatrends e Respostas Mais de mil milhões de pessoas não têm acesso a água potável Transporte de carga mundial aumentará

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Inovação e Organização. Professora Doutora Maria José Sousa

Inovação e Organização. Professora Doutora Maria José Sousa Inovação e Organização Professora Doutora Inovação 2 O CONCEITO Sumário 3 I - INTRODUÇÃO 1. Os conceitos de inovação e de inovação organizacional 2. A inovação no contexto actual das organizações A Inovação

Leia mais

Calendário de Concursos

Calendário de Concursos Calendário de Concursos Resumo dos Principais Programas Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Inovação Empresarial Qualificação e Internacionalização PME s Promoção da Eficiência Energética e da Utilização

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

NP EN ISO 9001:2008. 06 de Maio de 2008. Dulce Pacheco. Orador: Carla Pinto

NP EN ISO 9001:2008. 06 de Maio de 2008. Dulce Pacheco. Orador: Carla Pinto NP EN ISO 9001:2008 Principais alterações 06 de Maio de 2008 Dulce Pacheco Orador: Carla Pinto Local e Data: Coimbra, 30 Janeiro 2008 ISO 9001:2008 Principais alterações ç Motivações e processo de desenvolvimento

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

inovação e normalização José Augusto A. K. Pinto de Abreu Rio de Janeiro, 2 de Setembro de 2010

inovação e normalização José Augusto A. K. Pinto de Abreu Rio de Janeiro, 2 de Setembro de 2010 inovação e normalização José Augusto A. K. Pinto de Abreu Rio de Janeiro, 2 de Setembro de 2010 Bilhões de US$ A explosão do comércio internacional 18.000 16.000 14.000 12.000 10.000 8.000 6.000 4.000

Leia mais

Strategic IT Manager +351 21 793 29 89. Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT. Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos

Strategic IT Manager +351 21 793 29 89. Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT. Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos www.iirangola.com MASTERCLASS IT Gestão de Custos, Orçamentos e KPIs em IT Strategic IT Manager Como planificar, controlar e rentabilizar os investimentos Variáveis no desenho do orçamento: objectivos,

Leia mais

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação

O GRUPO AITEC. Breve Apresentação O GRUPO AITEC Breve Apresentação Missão Antecipar tendências, identificando, criando e desenvolvendo empresas e ofertas criadoras de valor no mercado mundial das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050

INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 INOVAR com SUSTENTABILIDADE ENERGIA IBERO-AMERICANA 2050 Lisboa, 26 de Novembro 2009 1. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2. MOBILIDADE SUSTENTÁVEL 3. EXPLORAÇÃO & PRODUÇÃO 4. DOUTORAMENTO EM MEIO EMPRESARIAL 5. OPEN

Leia mais

Neste contexto, o IDIT vai intervir em 31 empresas localizadas no Norte de Portugal, e 28 empresas localizadas na Região Centro.

Neste contexto, o IDIT vai intervir em 31 empresas localizadas no Norte de Portugal, e 28 empresas localizadas na Região Centro. NEWSLETTER 1 O IDIT O IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica é uma associação privada de utilidade pública, sem fins lucrativos, cujo objectivo primordial é contribuir para a modernização

Leia mais

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços

Gestão Empresarial. Comércio e Serviços Curso de Gestão Empresarial para Comércio e Serviços PROMOÇÃO: COLABORAÇÃO DE: EXECUÇÃO: APRESENTAÇÃO: > A aposta na qualificação dos nossos recursos humanos constitui uma prioridade absoluta para a Confederação

Leia mais

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo

Qualidade e Inovação. CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo CONTROLO DA QUALIDADE Qualidade e Inovação Trabalho de grupo Curso de Arte e Multimédia/Design 2º Semestre 1º Ciclo Ano lectivo 2007/2008 Docente: José Carlos Marques Discentes: Ana Pedro nº 2068207/ Encarnação

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

CTC Centro de Transferência e Valorização do Conhecimento

CTC Centro de Transferência e Valorização do Conhecimento CTC Centro de Transferência e Valorização do Conhecimento Empreendedorismo e Inovação Leopoldina Alves Maio 2009 Estruturas de promoção do Empreendedorismo e Inovação no IPL OTIC - Oficina de Transferência

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

AIP PORTUGAL EXPORTADOR 2015

AIP PORTUGAL EXPORTADOR 2015 Implementação do Plano de Internacionalização AIP PORTUGAL EXPORTADOR 2015 ANA NABETO Partner 19 NOV 2015 Introdução A internacionalização (penetração em mercados externos) é um passo fundamental para

Leia mais

Metodologias e Requisitos Usados nos Sistemas de Gestão da Inovação

Metodologias e Requisitos Usados nos Sistemas de Gestão da Inovação Metodologias e Requisitos Usados nos António Moitinho de Almeida Encontro IDI - Pavilhão do Conhecimento, 7 de Outubro de 2013 Conteúdo da intervenção OpapeldaIDInomundoactual. Inovar não obriga necessariamente

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Gestão e Certificação de Serviços de TI

Gestão e Certificação de Serviços de TI Gestão e Certificação de Serviços de TI Luís Vidigal itsmf Portugal Lisboa 8 de Abril de 2010 itsmf Portugal 1 Agenda 1. O que é a itsmf? 2. Situação do ITSM em Portugal 3. O que vamos fazer em 2010 itsmf

Leia mais

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol

O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O Contributo do Cluster da Electrónica e Telecomunicações para o Desenvolvimento Económico Espanhol O presente estudo visa caracterizar o cluster da electrónica, informática e telecomunicações (ICT), emergente

Leia mais

Qualidade, Metrologia no Apoio à Inovação

Qualidade, Metrologia no Apoio à Inovação Conteúdo do Curso Qualidade, Metrologia no Apoio à José Augusto A. K. Pinto de Abreu 1 Introdução no mercado de produtos, processos, métodos ou sistemas que não existiam anteriormente, ou que contenham

Leia mais

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial

Qpoint Rumo à Excelência Empresarial 2 PRIMAVERA BSS Qpoint Rumo à Excelência Empresarial Numa era em que a competitividade entre as organizações é decisiva para o sucesso empresarial, a aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance

Leia mais

1.º MÉRITO DO PROJECTO

1.º MÉRITO DO PROJECTO SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL CRITÉRIOS DE SELECÇÃO O Regulamento do Sistema de Apoio a Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional definiu as regras

Leia mais

CONTEXTO: Avanços importantes: - Planificação anual conjunta das actividades do sector; -Relatório anual comum de actividades integradas.

CONTEXTO: Avanços importantes: - Planificação anual conjunta das actividades do sector; -Relatório anual comum de actividades integradas. PLANO ESTRATÉGICO INTEGRADO DE ENSINO TÉCNICO, PROFISSIONAL E EMPREGO CONTEXTO: O Governo de Cabo Verde (CV) começou a trabalhar ao longo desta última legislatura na integração dos sectores da formação

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Empreendedorismo 2 ÍNDICE EMPREENDEDORISMO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 4 CONDIÇÕES DE ACESSO E SELECÇÃO DOS CANDIDATOS...

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

Formulário de Projecto de Investimento

Formulário de Projecto de Investimento Formulário de Projecto de Investimento 1. Identificação do Projecto Título do projecto: Nome do responsável: Contacto Telefónico: Email: 1.1. Descrição sumária da Ideia de Negócio e suas características

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Certificação de Sistemas de Gestão ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2000); 2. Certificação de Sistemas de Gestão Ambiental (ISO 14001:2004);

Leia mais

Capacitação, conhecimento e inovação aberta Virgílio Cruz Machado

Capacitação, conhecimento e inovação aberta Virgílio Cruz Machado Capacitação, conhecimento e inovação aberta Virgílio Cruz Machado Universidade Nova de Lisboa Os caminhos da competitividade O que precisam as empresas para alicerçar o seu futuro? Redes colaborativas

Leia mais

PROCESSO DE AUDITORIA AO SISTEMA DE GESTÃO IDI. Coimbra / Instituto Pedro Nunes 28 de Outubro de 2014

PROCESSO DE AUDITORIA AO SISTEMA DE GESTÃO IDI. Coimbra / Instituto Pedro Nunes 28 de Outubro de 2014 PROCESSO DE AUDITORIA AO SISTEMA DE GESTÃO IDI Coimbra / Instituto Pedro Nunes 28 de Outubro de 2014 1 2 Normalização *Em 2013 Normas em Catálogo (UNE e ratificadas) Novas normas UNE ajudarão a: - Melhorar

Leia mais