O Uso das Redes Sociais Virtuais como Ferramenta de Comunicação de Marketing pelo Mercado Editorial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Uso das Redes Sociais Virtuais como Ferramenta de Comunicação de Marketing pelo Mercado Editorial"

Transcrição

1 O Uso das Redes Sociais Virtuais como Ferramenta de Comunicação de Marketing pelo Mercado Editorial AUTORES RICARDO KOZESINSKI Universidade Presbiteriana Mackenzie ALBERTO DE MEDEIROS JR Universidade Presbiteriana Mackenzie GILBERTO PEREZ Universidade Presbiteriana Mackenzie RESUMO Empresas dos mais diversos segmentos têm observado o crescimento das redes sociais virtuais com um misto de intimidação pela velocidade de sua evolução, ao mesmo tempo em que existe a percepção da necessidade de agir neste ambiente. A pesquisa teve início com a elaboração de uma revisão teórica abrangendo as redes sociais sob um olhar sociológico e que precederam o advento da Internet, evoluindo para o universo online, em particular para as atividades de comunicação de marketing digital. Na teoria, procurou-se contemplar uma visão histórica das redes sociais, investigando seu surgimento, relacionando seus conceitos mais fundamentais e indicando as principais métricas utilizadas na aferição de resultados. Com a realização da pesquisa buscou-se verificar de que forma as redes sociais virtuais estão sendo utilizadas como ferramentas de comunicação de marketing pelas editoras de livros. A pesquisa de campo, de caráter qualitativo e exploratório concentrou-se no uso que cinco empresas editoras de livros fazem das redes sociais virtuais, dando ênfase ao caráter descentralizador nas decisões de compras dos consumidores e nas atividades de comunicação de marketing. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas, mediante o emprego de um roteiro semiestruturado, previamente elaborado. Ao todo, realizaram-se cinco entrevistas com gestores-chave de empresas do Mercado Editorial. As entrevistas foram gravadas como consentimento dos entrevistados. Em fase posterior, as entrevistas foram transcritas e, finalmente, analisadas com a técnica da análise de conteúdo. O referencial teórico adotado indicou três principais funções para as redes sociais virtuais, quais sejam: a comunicação, o relacionamento e a geração de conteúdo. A pesquisa constatou que o mercado editorial operacionaliza estas três funções utilizando as redes sociais virtuais e vão além, em seu uso. Os resultados da análise qualitativa apontaram para algumas categorias adicionais, dentre as quais se destacam: a Responsabilidade pela Gestão das Redes Sociais Virtuais; Entendimento e Uso das Redes; Monitoramento das Redes; Tipos de Redes Sociais Virtuais Utilizadas e a Comunicação de Marketing. Adicionalmente, com a pesquisa, produziu-se um modelo que identifica e categoriza as atividades de comunicação de marketing realizadas nas redes sociais online pelas editoras de livros. As redes sociais virtuais mais citadas pelas editoras foram: blogs, Twitter, Facebook, Orkut e YouTube. As restrições, limitações, bem como as implicações do estudo são discutidas e são apresentadas sugestões para futuras pesquisas, com a finalidade de se tentar quantificar as categorias identificadas.

2 1. INTRODUÇÃO As redes sociais virtuais têm sido matéria de capa de revistas de grande circulação, estão em pauta quase permanente nos principais jornais brasileiros, além de, é claro, estarem sendo permanentemente utilizadas, comentadas e trabalhadas na própria Internet. O tema frequenta tanto ambientes acadêmicos quanto profissionais, são utilizadas por famosos e desconhecidos, doutores e estudantes. Em pesquisa conduzida pelo IBOPE (2011) verificouse que quase todos os internautas brasileiros acessam as redes sociais virtuais e que elas são o primeiro contato da população de baixa renda com a Internet. A versatilidade com que as redes sociais virtuais têm sido usadas também chama a atenção. A fase de usá-las apenas como uma lista de contatos de amigos já passou e atualmente as utilidades são das mais diversas: estabelecimento de novos laços, comunicação, troca de informações, contratação de executivos, reclamação de produtos e serviços, lazer, comércio e até para fazer campanha política. Consumidores têm utilizado as redes sociais para obter informações sobre produtos, marcas, serviços de outras pessoas e não mais diretamente das empresas. Sob o ponto de vista das empresas, as redes sociais representam simultaneamente uma ameaça e uma oportunidade. Ficar fora dela pode significar um desconhecimento de como a sua marca está sendo vista e tratada, mas estar dentro também tem seu risco, pois vários exemplos demonstram que não se tem muito controle sobre como as informações podem se propagar nas redes. A participação nas redes sociais virtuais pode fazer parte da estratégia de comunicação das empresas e muitas já estão utilizando-as como um canal de comunicação entre o cliente e a empresa, para gerar uma atitude positiva em relação à marca através de uma atividade divertida como um jogo, por exemplo, e até mesmo para o desenvolvimento de um novo produto, pelos comentários e opiniões postadas pelos consumidores. O conceito de rede social não é novo, mas está ganhando outra proporção com a Internet, deixando algumas questões em aberto. A velocidade com que as redes sociais vêm crescendo denota uma necessidade do ser humano em fazer conexões uns com os outros e provoca a reflexão de como é o processo de agrupamento dos indivíduos em redes. Em função da crescente popularidade das redes sociais, da pluralidade de plataformas disponíveis e das múltiplas ações delas possíveis, cabe indagar qual seria a melhor maneira de utilizar esta nova mídia de maneira eficaz e que possibilite às empresas obter retornos sobre elas. Este questionamento culminou no problema de pesquisa que gerou este artigo: Como as redes sociais virtuais são usadas como ferramentas de comunicação de marketing pelas editoras de livros? O objetivo geral foi verificar como as redes sociais virtuais estão sendo utilizadas como ferramentas de comunicação de marketing, por parte de cinco editoras de livros pesquisadas. Como objetivos específicos têm-se: a) contextualizar historicamente o surgimento do conceito de rede social; b) identificar quais redes sociais virtuais são utilizadas pelas editoras de livros; c) elaborar um modelo estratégico que permita visualizar a importância das redes sociais virtuais para cada ação de comunicação de marketing. 2. REFERENCIAL TEÓRICO Castells (2006) contextualizou historicamente o surgimento das redes que segundo o autor surgiram com o fim da Guerra Fria e com a redução do risco do holocausto nuclear, alterando a geopolítica global. O sistema capitalista passou por um processo de reestruturação, com a descentralização das empresas e a sua organização em redes, interna e externamente. Do ponto de vista social, houve um declínio do movimento dos trabalhadores, 2

3 com uma forte individualização e diversificação das relações de trabalho, e a intervenção estatal para desregulamentar os mercados e um aumento da concorrência global. Os movimentos sociais passaram a ser fragmentados e locais, com objetivos efêmeros. Escreve Castells (2006, p.41) que neste mundo de mudanças confusas e incontroladas, as pessoas tendem a reagrupar-se em torno de identidades primárias: religiosas, étnicas, territoriais, nacionais. A busca de identidade, seja coletiva ou individual, torna-se a fonte básica de significado social e as pessoas cada vez mais organizam seu significado em torno não do que fazem, mas sim no que elas são ou acreditam que são. À medida que as identidades se tornam cada vez mais específicas e difíceis de compartilhar, há uma maior fragmentação social, criando uma crescente dificuldade de comunicação entre os grupos sociais. No momento em que se rompe totalmente a comunicação, surge uma alienação dos grupos, que passam a considerar estranhos uns aos outros. Wasserman e Faust (2007) explicam que a análise das redes sociais é um estudo distinto das ciências sociais e comportamentais por assumir a importância dos relacionamentos entre as partes interativas. Os atores e suas ações são vistas como interdependentes, seus laços (links) são canais de transferência ou fluxo de recursos, sejam materiais ou não materiais. Além disso, a estrutura em rede pode trazer tanto oportunidades quanto o cerceamento de ações individuais. Por fim, os modelos de redes podem dar uma ideia de estrutura, seja ela social, econômica, política e assim por diante, que se tornam padrões de relacionamentos perenes. Podem-se definir três níveis de conexões nas redes sociais: interação, relação e laços sociais. Na interação existe uma dependência da ação do outro para ocorrer uma reação e possui um caráter comunicativo entre o indivíduo e seus pares. Já a relação, considerada unidade básica de análise de uma rede social, envolve uma grande quantidade de interações. Estas interações podem ser capazes de construir ou acrescentar algo nas relações, mas também podem ser conflituosos e diminuir a força do laço social. Por fim, o laço social é o resultado da sedimentação das relações estabelecidas pelos agentes; são formas mais institucionalizadas de conexão entre os atores, constituídos no tempo pela da interação social. (RECUERO, 2009). Granovetter (1973, p. 1361) define o que são laços fortes e o que são laços fracos. A força de um laço é uma combinação de tempo, intensidade emocional, intimidade (confiança mútua) e serviços recíprocos que caracterizam o laço. Apesar de existirem independentemente um do outro, estes atributos são fortemente correlacionados, complementa Granovetter (1973). Já os laços fracos são fundamentais para a propagação de qualquer coisa que pretenda ser difundido pelas redes sociais. Por meio dos laços fortes as pessoas tendem as receber a mesma mensagem várias vezes, o que acaba diminuindo a motivação de reenviá-las, e a mensagem acaba percorrendo uma distância social menor do que a mensagem que passasse pelos laços fracos. Recuero (2009, p.50) define o capital social como um conjunto de recursos de um determinado grupo [ ] que pode ser usufruído por todos os membros do grupo, ainda que individualmente, e que está baseado na reciprocidade [ ]. O conceito de capital social pode ser operacionalizado nas redes sociais em cinco categorias: 1. relacional, que inclui as relações, laços e trocas que conectam os indivíduos a uma rede; 2. normativo, ou seja, as normas de comportamento de um determinado grupo e os valores deste grupo; 3. cognitivo, que compreende o conhecimento e as informações colocadas em comum por um grupo; 3

4 4. confiança no ambiente social, ou a confiança no comportamento de indivíduos num determinado ambiente e, 5. institucional, englobando as instituições formais e informais que estruturam os grupos, onde se conhece as regras de interação social e cujo nível de cooperação e coordenação é bastante alto. Foi o médico romeno Jacob Levy Moreno ( ) quem cunhou o termo e desenvolveu a Sociometria. De acordo com Moreno (1962), a sociometria tem como objetivo o estudo matemático das propriedades psicológicas das populações e desenvolve uma investigação metódica fundada em métodos quantitativos acerca da evolução e organização de grupos sociais e sobre a posição dos indivíduos nos grupos. Moreno (1993) também elaborou os princípios da sociometria: Lei sociogenética: formas mais elevadas de organização grupal procedem das mais simples. Indivíduos de elevado grau sociométrico podem pertencer a um baixo nível de desenvolvimento. Lei sociodinâmica: indivíduos isolados em um sociograma tendem a permanecer isolados na organização formal, assim como os indivíduos privilegiados tendem a permanecer privilegiados. Lei da gravitação social: um indivíduo pertencente a um grupo cujas forças de repulsão sejam maiores que as de atração acabarão impedido de realizar seus desejos. Lei da rede interpessoal e sócio-emocional: os meios de comunicação dos sentimentos sociais são estruturas relativamente sólidas nas correntes sociais. 2.1 Redes Sociais Virtuais Recuero (2009) comenta que a Internet trouxe mudanças fundamentais para a sociedade, sendo uma das mais significativas a possibilidade de expressão e socialização por meio de computadores. Para Recuero (2009, p.24), O estudo das redes sociais na Internet procura focar principalmente em como as estruturas sociais surgem, de que tipo são, como são compostas através da comunicação mediada pelo computador e como essas interações são capazes de gerar fluxos de informações e trocas sociais que impactam nessas estruturas. O uso da Internet contribui para elevar a sociabilidade das pessoas no universo offline, segundo Castells (2003). O autor referencia-se a estudos que reforçam essa maior sociabilidade, apontando que o uso da Internet fortalece as relações sociais tanto à distância quanto num nível local para laços fortes e fracos, para fins instrumentais ou emocionais, bem como para participação social na comunidade. (CASTELLS, 2003, p.103). Os usuários também frequentam mais eventos de arte, lêem mais literatura, vêem e praticam mais esportes e assistam a mais filmes que os não usuários. Li e Bernoff (2009) chamam a atenção para uma tendência das pessoas usarem ferramentas online para se conectar, assumir o controle das suas experiências e obterem informação, auxílio, ideias, produtos e poder de barganha uns dos outros. Para este movimento que acontece de forma espontânea, cunharam o termo groundswell. Segundo Li e Bernoff (2009, p.10), groundswell é uma tendência social na qual as pessoas usam a tecnologia para obter o que desejam uma das outras, e não com instituições tradicionais como corporações. Esta tendência ocorre pela colisão de três forças: pessoas, tecnologia e aspectos financeiros. As pessoas sempre contaram uma com as outras e rebelam-se contra poderes institucionalizados; 4

5 a tecnologia possibilitou conexões rápidas, onipresentes e de forma muito mais interativa. Por fim, na Internet, tráfego é sinônimo de dinheiro, onde os gastos com publicidade online têm sido cada vez maiores. As empresas, por sua vez, estão acostumadas a estar no controle (LI; BERNOFF, 2008) e por mais que fizessem pesquisas de mercado, ainda assim detinham o poder sobre a produção, a publicidade e a distribuição de produtos e serviços. A expansão das redes sociais mudou este poder de mãos, transferindo-o para os outros consumidores, que agora definem suas próprias opiniões sobre empresas e marcas, opiniões essas frequentemente em desacordo com a imagem que as empresas querem transmitir. Por outro lado, as redes sociais podem gerar insights de investigação, estender o alcance de marketing, dinamizar esforços de vendas, cortar os custos de suporte e alavancar o processo de inovação. Segundo Li e Bernoff (2009), os criadores são os consumidores online que ao menos uma vez por mês publicam um blog ou artigo online, mantém uma página na Internet ou fazem um upload de vídeo ou áudio. Já os críticos são reativos, ou seja, postam comentários em blogs, fóruns online, escrevem críticas e editam wikis. Os colecionadores, por sua vez, armazenam URL s, usam RSS ou votam em sites favoritos. O grupo de participantes são os usuários de sites de relacionamento social, como o Facebook e o MySpace. Os espectadores consomem o que o restante produz e são o maior grupo. Figura 1 Escada Tecnográfica Social Fonte: Li e Bernoff, 2009 Por fim, são os inativos são os consumidores que não participam, embora estejam online. Pelo perfil tecnográfico social representado na figura 1, pode-se entender como as tecnologias sociais estão sendo usadas por qualquer grupo de clientes, possibilitando a empresa elaborar uma estratégia social adequada. Em pesquisa realizada em setembro de 2010 o IBOPE (2010) relacionou quais são as redes sociais virtuais mais acessadas pelos brasileiros. Em primeiro lugar aparece o Orkut, acessado por 91% dos usuários de redes sócias na Internet, seguido do Facebook, com 14%, praticamente empatado com o microblog Twitter (13%). Em seguida estão o MySpace (25) e rede Sonico (1%). A mesma pesquisa revela que para 37% destes internautas o principal motivo de acesso às redes é buscar informações. A segmentação por classe sócio-econômica indica que o Orkut é a rede preferida pela classe C, enquanto que o Facebook é o preferido da classe A (MOREIRA et al, 2011) Gestão das Redes Sociais Virtuais Para Bottles e Sherlock (2011) a contratação de um profissional para gerenciar as redes sociais virtuais da empresa apenas porque ele domina as ferramentas pode não ser a melhor opção, pois existe um risco de falta de familiaridade e comprometimento com a empresa. Segundo estes autores, o gerente de mídia social precisa estar atento ao que é dito 5

6 nas redes sociais a respeito da empresa, responder de forma que estimule o engajamento das pessoas e o desenvolvimento de relacionamentos de uma forma personalizada. Dutta (2010) revela que o próprio empreendedor da empresa pode tomar para si a responsabilidade da gestão das redes sociais, como no caso de Tom Dickson, fundador de uma pequena empresa americana fabricante de liquidificadores que obtém resultados significativos postando vídeos do seu produto no YouTube. Fisher (2009) discute a falta de consenso em relação às métricas adotadas para aferir os resultados das ações de marketing nas redes sociais virtuais. A necessidade de presença nas mídias sociais é cada vez mais aceita pelas empresas, porém as métricas tradicionalmente adotadas para medir o retorno sobre o investimento (ROI) para as campanhas online, como visitantes únicos, número de acessos às paginas e custo por clique tornaram-se insuficientes, pois são incapazes de avaliar aspectos qualitativos. Para Fischer (2009), as métricas nas redes sociais virtuais precisam ser estipuladas a partir da definição dos objetivos de cada ação de marketing que a empresa pretende realizar nesta mídia. 2.2 Marketing Digital e Comunicação de Marketing De acordo com Limeira (2007) existe um conjunto de ações de marketing que visam uma interação entre o cliente e a empresa, onde o primeiro possui um papel ativo, com possibilidade de customização dos produtos e serviços. Este conjunto é denominado marketing interativo, a autora define este marketing por meio do conceito de interatividade: A interatividade [...] é uma característica da comunicação bilateral ou multilateral, entre dois ou mais indivíduos, que anteriormente só era possível na comunicação face a face. Esta marca da Internet permite romper com o modelo tradicional da comunicação de marketing por meio da mídia de massa, na qual o cliente é passivo. Além disso, abre um universo de potencialidades para o aumento da eficácia da comunicação de marketing. (LIMEIRA, 2007, p.53). Com a evolução da tecnologia da informação e das comunicações, houve uma evolução do marketing interativo para o marketing eletrônico. Existem diversas nomenclaturas que definem o conjunto de ações de marketing por meio de canais eletrônicos: marketing digital, marketing eletrônico e e-marketing. Neste tipo de interação, o consumidor controla a quantidade e o tipo de informação recebida. (LIMEIRA, 2007). É possível referir-se a marketing digital de diversas maneiras, como publicidade online, marketing web, publicidade na Internet ou com outras composições destas palavras. Porém, todas elas se referem a utilização da Internet de maneira efetiva como ferramenta de marketing, envolvendo comunicação, publicidade e propaganda (TORRES, 2009). A publicidade é manifestada por uma comunicação sobre a companhia ou produto, de forma identificada como não paga por meio de uma mídia. (CHURCHILL; PETER 2005). A propaganda é caracterizada por um anúncio ou comunicação persuasiva veiculada nos meios de comunicação de massa, sendo período e espaço pagos ou doados por indivíduo ou organização (CHURCHILL; PETER 2005). Torres (2009) relaciona sete ações estratégicas de marketing digital centradas no comportamento do consumidor: 1. marketing de conteúdo: relacionado à comunicação corporativa e relações públicas, o qual é responsável pela geração de conteúdo; 2. marketing em mídias sociais: foca o relacionamento, executado por ações em redes sociais e blog; 6

7 3. marketing: comunicação por meio de , o qual é referenciado ao marketing direto; 4. marketing viral: é publicidade e propaganda de guerrilha, conhecido como postagem de vídeos, animações e músicas específicas; 5. publicidade online: ações específicas de propaganda por meio de banners e jogos online; 6. pesquisa online: pesquisa de mercado, por meio de buscas, o que remete a estratégias de branding; 7. monitoramento: necessário para entender as motivações do consumidor e os resultados de execuções, o qual tem uma relação diferente ao marketing tradicional. 3. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS A pesquisa qualitativa foi de caráter exploratório, que segundo Sampieri, Collado e Lucio (2006) é utilizada quando o objetivo é examinar um tema ou problema de pesquisa pouco estudado, do qual se tem muitas dúvidas ou não abordado anteriormente e servem para familiarizar-se com fenômenos relativamente desconhecidos. Os dados da presente pesquisa foram obtidos por cinco entrevistas que seguiram um roteiro de perguntas semi-estruturado. As entrevistas, ocorridas entre 2 de setembro e 5 de outubro de 2010 foram gravadas e posteriormente transcritas, seguindo-se para uma análise do conteúdo, usando-se a estrutura propiciada por Bardin (2009). A amostra da pesquisa deu-se por conveniência e constituiu-se de empresas que têm grande destaque no segmento, reconhecidas pela qualidade editorial e que abrangeu empresas relativamente novas e empresas centenárias deste mercado. Buscou-se entrevistar as pessoas responsáveis diretamente pela função de gestores das redes sociais. A primeira parte da entrevista buscou identificar o porte das empresas pelos atributos de tempo de existência no mercado, número de funcionários e segmento editorial em que atuam. Procurou-se também identificar qual é o perfil das pessoas que fazem a gestão das redes sociais virtuais nestas empresas, colhendo-se informações de cargo e função, tempo de empresa, grau de escolaridade e se existe dedicação exclusiva a estas mídias. O quadro 1 apresenta uma visão geral das empresas e dos entrevistados. Em duas empresas pesquisadas a entrevista foi conduzida com a participação de dois respondentes das empresas, que estão indicados nas subdivisões do quadro. Dados das Empresas Editora 1 Editora 2 Editora 3 Editora 4 Editora 5 Local Rio de Janeiro São Paulo São Paulo São Paulo São Paulo Tempo de existência (anos) Número aproximado de funcionários Principal segmento editorial Data da entrevista Cargo/Função Ciências sociais e humanas, religiosos 02/09/2010 às 16 horas, por telefone Assessor de Imprensa Literatura de ficção e nãoficção, religiosos 04/09/2010 às 10:00 horas, pessoalmente Editor Literatura de ficção e nãoficção 21/09/2010 às 14 horas, pessoalmente Assessor de divulgação Tempo na empresa 1 ano e 10 meses 1 ano 1 ano e 6 meses Autoajuda, esoterismo, ciências sociais 28/09/2010, às 15 horas, pessoalmente Gerente de Marketing Gerente de Vendas Arte, literatura 05/10/2010, às 15 horas, pessoalmente Gerente de Mídias Digitais Editora de Mídias Digitais 2 anos 1 anos e meio 22 anos 10 meses 7

8 Dados das Empresas Editora 1 Editora 2 Editora 3 Editora 4 Editora 5 Superior Mestrado; Escolaridade Superior completo; Comunicação Superior Superior completo, Nutrição e Social; completo; completo; Comunicação Administração Jornalismo Jornalismo Jornalismo Social 2o. grau Pós-graduação; completo Jornalismo Exclusividade Não Não Sim Não Sim Não Sim Quadro 1 Composição da amostra O processo de análise baseou-se em Yin (2005, p. 137), para quem a análise de dados consiste em examinar, categorizar, classificar em tabelas, testar ou, do contrário, recombinar as evidências quantitativas e qualitativas para tratar as proposições iniciais de um estudo. O autor propõe três estratégias gerais de análise de evidências e a presente pesquisa optou pela estrutura descritiva, pois o problema de pesquisa era aderente a esta estratégia. 4. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS A leitura das transcrições das entrevistas permitiu a identificação dos seus pontoschaves, ou seja, pontos importantes que respondem às questões propostas na entrevista e que estão aderentes ao problema de pesquisa como um todo, ao objetivo geral e aos objetivos específicos. A tabela 1 apresenta uma lista das palavras mais citadas durante as entrevistas. Para a confecção de tal lista suprimiram-se palavras com menos de quatro letras e nomes próprios que pudessem identificar tanto as editora pesquisadas como os respondentes. As palavras em negrito destacam as redes sociais virtuais citadas e as suas funções dentro das organizações. Tabela 1 Unidades de registro Palavra Contagem Rede (s) 141 Editora 113 Twitter 101 Sociais 93 Livro 84 Blog 78 Livros 58 Pessoas 56 Facebook 48 Marketing 45 Social 45 Comunicação 44 Fazer 42 Orkut 32 A similaridade entre os diversos pontos-chaves nas diferentes entrevistas permitiu a criação das unidades de significado, relacionadas na tabela 2. 8

9 Tabela 2 Unidades de Significado Nó Sub-nó Fontes Referências Acessos a arquivos e páginas 3 9 Atendimento ao cliente 3 12 Cargo 5 7 Comentários 3 15 ferramentas de busca 2 4 Formação 5 8 Funcionários 5 5 Fundação 5 5 Monitoramento 4 7 número de seguidores 4 10 outras RSV utilizadas 3 6 percepções de redes sociais virtuais 5 28 Responsabilidade 5 20 respostas por 1 1 segmento editorial 5 6 tempo na empresa 5 7 usa blog 4 12 Usa blog para divulgação de livros 2 3 Usa blog para marketing de conteúdo 4 21 Usa blog para sorteio 1 1 usa Facebook 4 18 Usa Facebook para comunicação em geral 1 2 Usa Facebook para divulgação de livros 2 3 Usa Facebook para eventos 2 3 Usa Facebook para marketing de conteúdo 3 4 Usa Facebook para promoção 1 2 usa Orkut 3 8 Usa Orkut para comunicação em geral 2 3 Usa Orkut para divulgação de livros 1 3 Usa Orkut para marketing de conteúdo 1 1 Usa Orkut para promoção 1 1 usa Twitter 5 30 Usa Twitter para comunicação em geral 3 3 Usa Twitter para divulgação de livros 3 7 Usa Twitter para eventos 2 2 Usa Twitter para marketing de conteúdo 1 5 Usa Twitter para promoções 1 3 Usa Twitter para sorteios 2 2 usa YouTube 2 6 Usos das RSV em geral 2 14 Vendas 4 6 O agrupamento dos diversos nós criados na etapa anterior permitiu a sua categorização, ou seja, a reunião de nós com características comuns. As categorias estão no quadro 2. 9

10 Categoria Nós C1: Responsabilidade pela Gestão das Redes Sociais Virtuais Responsabilidade C2: Entendimento e Uso das Redes Entendimento das RSV s Uso das RSV s C3: Monitoramento das Redes Monitoramento C4: Redes Sociais Virtuais Utilizadas Usa blog Usa Orkut Usa Facebook Usa Twitter Usa YouTube Usa outras RSV s C5: Comunicação de Marketing Atendimento ao cliente Divulgação de livros Marketing de conteúdo Comunicação em geral Eventos Promoção Sorteios C6: Métricas \Adotadas pelas Editoras Acesso a arquivos e páginas Comentários Ferramentas de busca Número de seguidores Respostas por Vendas Quadro 2 Categorias criadas a partir dos nós As seis categorias (C1 C6) identificadas na análise de conteúdo estão apresentadas e discutidas a seguir. C1: Responsabilidade pela Gestão das Redes Sociais Virtuais Essa categoria indica que a responsabilidade pela gestão das redes sociais virtuais das editoras é delegada a funcionários cuja contratação deu-se recentemente. Com exceção de um dos entrevistados da Editora 4, todos os demais estavam trabalhando há dois anos ou menos na empresa, conforme enfatizado por Bottles e Sherlock (2011). Em complemento a esta informação, pode-se perceber que dos sete entrevistados apenas três tinham dedicação exclusiva para a gestão das redes sociais virtuais. Das cinco empresas, apenas duas tinham gestores exclusivos para as redes sociais virtuais, justamente nas duas empresas mais novas. Neste cenário, a análise dessa categoria permitiu que fossem realçadas algumas passagens das entrevistas que corroboram esta percepção: Editora 1: Isso, meu trabalho é de Assessoria de Imprensa, também... Editora 2:...tá sendo contratada uma pessoa aqui pra justamente trabalhar só pra apoio de mídia social. / a gente já teve uma agencia que tava cuidando desse processo, mas a gente não sabia, nós editores não tínhamos tanto conhecimento do que eles estavam fazendo. A gente não tinha ainda essa padronização, essa uniformização, esse gerenciamento... Editora 3: É, sempre foi meu interesse... Eles me chamaram para a vaga por causa disso... Editora 4:...quem consegue ter um tempo livre? / eu, assim, meio que dou uma coordenada nessa questão Editora 5: No momento eu sou sim. 10

11 C2: Entendimento e Uso das Redes Segundo Castells (2006), as redes surgiram no contexto do fim da Guerra Fria e da reestruturação do sistema capitalista, com a descentralização das empresas e a sua organização em redes. Já o conceito de rede só apareceria em 1975 com a Teoria Geral dos Sistemas de Bertalanffy (1901~1972). Partindo de uma visão estritamente de Internet, o surgimento das redes sociais virtuais cujo uso expandiu-se e popularizou-se se deu a partir de 2001 com o Orkut, 2004 com o Facebook e 2006 com o Twitter. Estes dados podem representar um indício de que o assunto, na forma como é tratado atualmente, é ainda assunto novo e em estágio de elaboração e estudo pela sociedade e pela academia. A análise das respostas que resultaram nessa categoria permitiu avaliar qual é o grau que as empresas e as pessoas que nelas trabalham compreendem o que são as redes sociais virtuais e qual é a sua utilidade na gestão dos seus negócios. Um atributo marcante conferido às redes sociais virtuais refere-se à velocidade da comunicação: Editora 1:...comunicação muito mais rápida, muito mais ampla... Editora 2:...resposta rápida do seu consumidor... Editora 5:...canais que permitem esse diálogo direto. Outro atributo reconhecido diz respeito ao estreitamento das relações e ao fortalecimento dos vínculos com o consumidor: Editora 2:...consumidor está em direto contato com você. Editora 3:...comunicação direta com os leitores... / entrar em contato direto com o leitor... Editora 4: A gente percebeu que as redes sociais eram um ótimo local, digamos assim, pra marketing, e mesmo pra ter um contato direto com seus clientes. / você tem o contato direto com os clientes Editora 5: estreitamento do relacionamento com o público / fortalecer esse vínculo com o público / espaços pra fortalecer o relacionamento mesmo Um terceiro atributo percebido pelas editoras é a possível contribuição das redes sociais virtuais na geração de conhecimento: Editora 2:...conhecer melhor ainda seu leitor, seu consumidor, seu mercado Editora 4:..lá é diferente, é um lugar pra isso! Pra reclamar, pra elogiar, pra falar o que tá pensando.. / através das redes sociais a gente troca essa informação / trocando ideias e informações / claro que a gente percebe através das redes sociais o que as pessoas falam e tenta lançar um livro sobre esse assunto, com certeza Editora 5: saber o que as pessoas estão falando Estas ideias apresentam consistência com Limeira (2007) e o conceito de marketing interativo, onde o cliente passa a ter um papel ativo na relação com a empresa, permitindo maior eficácia da comunicação de marketing. As editoras pesquisadas referiram-se às redes sociais virtuais como uma ferramenta útil no provimento de informações aos seus clientes, sejam informações de ordem técnica ou para entretenimento: Editora 4:...convites dos lançamentos / informações que às vezes as pessoas não têm, então, sobre o autor / é sempre tentar dá mais informação possível pro seu cliente Editora 5: nós procuramos cercar este objeto de diversas informações, para que a gente possa dizer ao nosso público, mesmo que ele não conheça aquele livro, que ele se torne facilmente conhecido /...disponibilizar um filme, disponibilizar um capítulo, uma entrevista com o autor, então ele pode ser um autor desconhecido. 11

12 C3: Monitoramento das Redes Li e Bernoff (2008) lembram que as empresas estão acostumadas a estar no controle, porém a expansão das redes sociais mudou este poder de mãos, transferindo-o para os outros consumidores que agora definem suas próprias opiniões sobre as empresas e marcas, opiniões essas frequentemente em desacordo com a imagem que as empresas querem transmitir. A categoria monitoramento agrupou as respostas que as editoras deram à indagação de que se havia algum tipo de monitoramento das redes sociais virtuais. Em caso afirmativo, procurou-se identificar como era feito este monitoramento. Editora 1: Twitter: a gente vai direto ali Editora 2: Eu já pedi pra colocar a ferramenta do Google Analytics ai pra que, pra poder ver se tem gente visitando / Se alguém a gente tem como mensurar pelas menções Editora 3: no Twitter eu tenho as buscas programadas, com palavras chaves / blogs também eu tenho busca pelo Google Adwords Editora 5: Google Analytics Observa-se que as editoras pesquisadas demonstram não ter muita preocupação em monitorar as menções feitas a elas nas redes sociais virtuais. O uso da busca no próprio Twitter e o Google Analytics são as únicas ferramentas citadas e em duas empresas verificouse que não há nenhuma forma de monitoramento. C4: Redes Sociais Virtuais Utilizadas Segundo a COMSCORE (2010), o Orkut tem a liderança da audiência entre as redes sociais virtuais no Brasil, com 29 milhões de visitantes únicos, seguido pelo Facebook, com 8,8 milhões e pelo Twitter, com 8,6 milhões. Embora o Orkut lidere, a amostra pesquisada indicou que a ferramenta de gestão para as redes sociais preferida pelas editoras é o Twitter, seguido pelo Facebook e pelo blog. Em todas as empresas pesquisadas o Twitter é utilizado e apenas uma empresa não utiliza também o Facebook e o blog. O Orkut só aparece em 4º lugar. C5: Comunicação de Marketing Cravens e Piercy (2007) citam que os recursos de comunicação da Internet visam criar conhecimento e interesse, disseminar a informação, obter informações de pesquisa, construir a marca e melhorar o atendimento ao cliente. A tabela 3 demonstra a intensidade de uso de cada rede social virtual e indica quais as ações de marketing mais aplicadas em cada uma delas. Tabela 3 Aplicação das redes sociais nas editoras da pesquisa Twitter usa comunicação divulgação marketing eventos Twitter em geral de livros de conteúdo promoções sorteios Editora Editora Editora Editora Editora Total Facebook usa comunicação divulgação marketing eventos Facebook em geral de livros de conteúdo promoções sorteios Editora Editora Editora Editora Editora Total

13 Blog usa comunicação divulgação marketing eventos blog em geral de livros de conteúdo promoções sorteios Editora Editora Editora Editora Editora Total Orkut usa comunicação divulgação marketing eventos Orkut em geral de livros de conteúdo promoções sorteios Editora Editora Editora Editora Editora v YouTube usa comunicação divulgação marketing eventos YouTube em geral de livros de conteúdo promoções sorteios Editora Editora Editora Editora Editora Total Geral Em Torres (2009) observa-se que o consumidor conectado à Internet possui três necessidades: informação, diversão e relacionamento. Segundo o autor, marketing de conteúdo é o uso do conteúdo em volume e qualidade suficientes para permitir que o consumidor encontre, goste e se relacione com uma marca, empresa ou produto (p.87). O marketing de conteúdo precede de um planejamento de comunicação mais amplo, sendo necessário decidir sobre quem é o público-alvo, como ele se comporta, que informações ele busca e como produzir este conteúdo. Yanaze (2009) cita que uma das etapas do processo de comunicação é proporcionar conhecimento com o detalhamento de informações do objeto de comunicação. Para Churchill e Peter (2005), os profissionais de marketing fazem promoção de vendas para estimular a experiência com um produto e aumentar a demanda. C6: Métricas Adotadas pelas Editoras Um dos princípios do sociometria elaborado por Moreno (1993) é a lei sociodinâmica, que formula que indivíduos isolados em um sociograma tendem a permanecer isolados. Em Churchill e Peter (2005) tem-se que a comunicação de marketing tem metas como aumentar vendas e lucros, formar imagens positivas ou identificar possíveis clientes, por exemplo. Uma organização que atua nas redes sociais virtuais necessita, portanto de medir o impacto das suas ações a fim de monitorá-las e evitar que elas fiquem isoladas do seu público-alvo. A categoria métricas adotadas pelas empresas está de acordo com Fisher (2009), o que defende o alinhamento entre objetivos de cada ação e as métricas especificamente estipuladas para elas. Com base nas respostas obtidas pelos entrevistadores identificaram-se as principais métricas utilizadas pelas editoras participantes da pesquisa, conforme indicado na tabela 4. 13

14 Tabela 4 Resultado de métricas obtidas Editora acessos a arquivos e páginas comentários ferramentas de busca número de seguidores respostas por vendas Total de métricas utilizadas Editora Editora Editora Editora Editora Total Referências Observa-se que duas métricas sobressaem-se: número de seguidores, que é condizente com a preferência de uso do Twitter, e as vendas realizadas. Comentários gerados por clientes também são relevantes para as editoras, pois embora apenas três delas utilizem esta métrica, ela foi mencionada 15 vezes nas entrevistas realizadas. A figura 2 representa a matriz de resultados obtida com a pesquisa. Figura 2 Matriz de resultados A partir dos dados obtidos nas entrevistas e compilados na tabela 4 foi possível propor um modelo de uso das redes sociais virtuais pelas editoras de livros brasileiras. A figura 3 representa este modelo, onde a partir da estratégia de comunicação da empresa estabelecida em objetivos específicos, indica quais são as ferramentas de gestão das redes sociais virtuais mais utilizadas neste setor de mercado, seguindo uma hierarquia. A título de explicação do modelo, pode-se exemplificar o caso cujo objetivo da editora seja a divulgação de livros, o Twitter é a ferramenta mais indicada, seguido pelo Facebook e pelo blog. 14

15 Figura 3 Modelo de uso das redes sociais 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Esta pesquisa foi realizada com o objetivo de responder o seguinte problema de pesquisa: Como as redes sociais virtuais são usadas como ferramentas de comunicação de marketing pelas editoras de livros? Os resultados obtidos conduziram a algumas constatações que passam a ser apresentadas e discutidas a seguir. Pela análise dos dados obtidos das empresas e dos entrevistados, pôde-se verificar que apenas recentemente estas empresas passaram a dedicar maior atenção às mídias sociais digitais, pois a delegação da atividade de gestão das redes sociais virtuais é um fenômeno atual, sendo que em algumas empresas ela sequer aconteceu formalmente. Nas empresas mais antigas, as redes sociais virtuais são geridas por pessoas que cumprem também outras funções internas, contrastando com as empresas mais novas, onde houve contratações de pessoas com dedicação exclusiva para fazer esta gestão. A velocidade de comunicação que as redes sociais virtuais proporcionam, aliada ao estreitamente e fortalecimento dos laços com os clientes foram também elementos citados pelos entrevistados, o que indicou a convergência entre a prática e a teoria do referencial bibliográfico pesquisado. Em matéria de monitoramento, percebe-se que ainda não existe uma preocupação por parte das empresas em acompanhar as menções feitas a elas pelo mercado como um todo, conflitando com o alerta de Li e Bernoff (2008). Algumas causas que podem ser consideradas supõem a falta de planejamento das ações de comunicação de marketing, o desconhecimento de uma mídia nova (mídia social) e das ferramentas disponíveis para esse monitoramento, ainda que algumas empresas limitem-se ao uso do Google Analytics e às buscas no próprio Twitter. Pôde-se constatar com a pesquisa, que as escolhas feitas pelas editoras quanto a ferramentas de redes sociais virtuais sugerem que o seu público-alvo não está tão presente no Orkut, embora este tenha significativamente maior audiência no Brasil e, sim no Twitter e no Facebook. A análise das escolhas de função para cada ferramenta de rede social virtual pelas editoras pode levar a acreditar que quando há necessidade de informações rápidas, porém curtas em termos de conteúdo, o Twitter é mais adequado. Cita-se com exemplo, a 15

16 comunicação do lançamento de um novo título ou a realização de uma promoção de vendas. Os dados obtidos indicam que no caso de haver necessidade de divulgação de conteúdos mais complexos e detalhados, o blog e o Facebook são as escolhas costumeiras. Um aspecto que chama a atenção é o baixo uso do YouTube, uma plataforma adequada para a divulgação de conteúdo sob a forma de vídeos. Em relação às métricas adotadas pelas editoras, a pesquisa indicou que ainda não há muita preocupação por parte das editoras em mensurar os resultados das ações das redes sociais virtuais. O número de seguidores no Twitter e o volume de vendas foram citados pelos entrevistados, porém em apenas duas empresas os indicadores são mais amplos, sendo que apenas na editora 5 estes resultados são reportados, discutidos e analisados. A pesquisa limitou-se a uma amostragem por conveniência com cinco entrevistas, o que impossibilita a inferência para a população de editoras como um todo. O uso exclusivo de entrevistas como método de coleta de dados é um limitador quanto às fontes de dados da empresas. Contudo, os resultados obtidos podem ser de alguma valia para editoras, ou empresas de outros segmentos, que estão planejando a adoção de redes sociais como forma de comunicação para seus produtos ou serviços. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, BOTTLES, Kent; SHERLOCK, Tom. Who Should Manage Your Social Media Strategy? Physician Executive, v. 37, n. 2, p March-April 2011 CASTELLS, Manuel. A Galáxia da Internet: Reflexões sobre a Internet, os Negócios e a Sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede: A Era da Informação: economia, sociedade e cultura. v.1. São Paulo: Paz e Terra, CHURCHILL, Gilbert A. Jr.; PETER, J. Paul. Marketing: criando valor para os clientes. 2. ed.. São Paulo: Saraiva, COMSCORE. Data Mine. Orkut, Facebook and Twitter Growth in Brazil. Disponível em: <http://www.comscoredatamine.com/2010/10/orkut-facebook-and-twitter-growth-in-brazil/>. Acesso em 28/11/2010. CRAVENS, David W.; PIERCY, Nigel F. Marketing Estratégico. 8ª Ed. São Paulo: Mc Graw-Hill, DUTTA, S. Managing Yourself: What s Your Personal Social Media Strategy? Harvard Business Review, v.88, n. 11, p , November FISHER, Tia. ROI In Social Media: A Look at the Arguments. Journal of Database Marketing & Consumer Strategy Management, v. 16, n. 3, p September 2009 GRANOVETTER, Mark. S.. The Strength of Weak Ties. The American Journal of Sociology. v. 78, n. 6, p , May IBOPE. Many to Many: O Fenômeno das Redes Sociais no Brasil. Setembro/2010. Disponível em <http://www.ibope.com.br/maximidia2010/download/redes_sociais.pdf>. Acesso em 12/04/2011. LI, Charlene; BERNOFF, Josh. Fenômenos Sociais nos Negócios. Rio de Janeiro: Elsevier,

17 LI, Charlene; BERNOFF, Josh. Harnessing the Power of the Oh-So-Social Web. MIT Sloan Management Review: Cambridge, v. 49, n. 3, p , Spring LIMEIRA, Tania M. Vidigal. E-marketing: o marketing na Internet com casos brasileiros. 2. ed.. São Paulo: Saraiva, MOREIRA, Talita; BOUÇAS, Cibelle; BRIGATO, Gustavo; DRSKA, Moacir. Segregação Socioeconômica nos Sites de Relacionamento. Valor Econômico. São Paulo, 5 de abril de MORENO, Jacob Levi. Fundamentos de La Sociometria. Buenos Aires: Editorial Paidos, MORENO, Jacob Levi. Psicoterapia de Grupo e Psicodrama. Campinas: Editora Psy, RECUERO, Raquel. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina, SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO; Carlos Fernández; LUCIO, Pilar Baptista. Metodologia de Pesquisa. 3. ed.. São Paulo: McGraw-Hill, TORRES, Claudio. A Bíblia do Marketing Digital: tudo o que você queria saber sobre marketing e publicidade na Internet e não tinha a quem perguntar. São Paulo: Novatec, WASSERMAN, Stanley; FAUST, Katherine. Social Network Analysis. New York: Cambridge University Press, YANAZE, Mitsuru H. Gestão de Marketing: Avanços e Aplicações. 1. ed.. São Paulo: Saraiva, YIN, Robert K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. 3. ed.. Porto Alegre: Bookman,

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais.

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais. The New Conversation: Taking Social Media from Talk to Action A Nova Conversação: Levando a Mídia Social da Conversa para a Ação By: Harvard Business Review A sabedoria convencional do marketing por muito

Leia mais

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil

As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil As Comunidades Virtuais e a Produção do Capital Social: 1 Uma análise sob a comunidade Lollapalooza Brasil Samira NOGUEIRA 2 Márcio Carneiro dos SANTOS 3 Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA

Leia mais

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção.

Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. estratégias online Quando se trata do universo on-line, nada é estático. Tudo pode se transformar de uma hora pra outra, basta o vento mudar de direção. serviços consultoria Benchmark Planejamento

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

PlusPixel Marketing Digital SOMOS MAIS SOCIAIS DO QUE NUNCA

PlusPixel Marketing Digital SOMOS MAIS SOCIAIS DO QUE NUNCA PlusPixel Marketing Digital SOMOS MAIS SOCIAIS DO QUE NUNCA Proposta de Marketing Digital Design inox Marketing de Resultados A PlusPixel vem oferecendo seus serviços desde o início da internet, isso nos

Leia mais

Prezado Futuro Cliente

Prezado Futuro Cliente Prezado Futuro Cliente É com grade satisfação que encaminhamos nossa apresentação institucional e certos de estabelecermos uma parceria de sucesso e duradoura. Ela foi desenvolvida com objetivo de mostrar

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações

5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações 5 Conclusões 5.1. Conclusões e implicações O presente trabalho tem caráter descritivo-exploratório e portanto não tem o intuito de se chegar a conclusões definitivas, sendo sua principal contribuição a

Leia mais

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo

História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Morgana Hamester História Diferenciações Assessoria o que é? Estrutura Comunicação x Imprensa Papéis e funções Planejamento Conteúdo Processamento interno x externo Contexto atual Modelização digital contemporaneidade;

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

social media para bares, restaurantes e afins

social media para bares, restaurantes e afins BARTIPS social media para bares, restaurantes e afins O que buscamos? Divulgar seu estabelecimento para milhares de potenciais consumidores. Fazer você ser parte do dia-a-dia de seu cliente Ter suas novidades,

Leia mais

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer ESTRATÉGIA DIGITAL Prof. Luli Radfahrer - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace.

Resumo. Palavras-chave: twitter; ferramenta; planejamento; Greenpeace. O Twitter Como Ferramenta de Divulgação Para As Empresas: Um Estudo De Caso do GREENPEACE 1 Jonathan Emerson SANTANA 2 Gustavo Guilherme da Matta Caetano LOPES 3 Faculdade Internacional de Curitiba - FACINTER

Leia mais

SISTEMÁTICA WEBMARKETING

SISTEMÁTICA WEBMARKETING SISTEMÁTICA WEBMARKETING Breve descrição de algumas ferramentas Sobre o Webmarketing Web Marketing é uma ferramenta de Marketing com foco na internet, que envolve pesquisa, análise, planejamento estratégico,

Leia mais

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO

5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO 5 dicas incríveis de Facebook Ads para iniciantes. 1 INTRODUÇÃO Este e book foi criado após ter percebido uma série de dúvidas de iniciantes em Facebook Ads. O seu conteúdo é baseado na utilização da plataforma

Leia mais

E-books. Introdução às Mídias Sociais. Sebrae

E-books. Introdução às Mídias Sociais. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Introdução às Mídias Sociais O que fazer com as mídias sociais Tipos de ações As principais mídias sociais Dicas e considerações finais Autor Felipe Orsoli 1 SUMÁRIO 1

Leia mais

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011

Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Curso de Marketing Disciplina: Web Marketing Professor: Roberto Marcello Estudo de Web Marketing para a Prova NP1 Dia da prova: 07/10/2011 Web Marketing Web Marketing é qualquer esforço promocional realizado

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Importância da Comunicação Digital para o mercado corporativo

Importância da Comunicação Digital para o mercado corporativo Importância da Comunicação Digital para o mercado corporativo Cláudio Coelho Café da Manhã 22.05.2012 Agenda Evolução da Comunicação Serviços de Comunicação Digital Importância do Planejamento Estratégico

Leia mais

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda.

Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo. Copyright 2015. Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Plano de Ação para Mídias Sociais: ebook para agências de turismo Copyright 2015 Agente no Turismo Strategia Consultoria Turística Ltda. Todos os direitos reservados. Pode ser compartilhado com conteúdo,

Leia mais

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política

Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política Como usar o monitoramento de mídias sociais numa campanha política No Brasil, há poucas experiências conhecidas de uso de ferramentas de monitoramento de mídias sociais em campanhas políticas. Uma delas

Leia mais

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS

O QUE FAZEMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS O QUE FAZEMOS Provemos consultoria nas áreas de comunicação online, especializados em sites focados na gestão de conteúdo, sincronização de documentos, planilhas e contatos online, sempre integrados com

Leia mais

*Todos os direitos reservados.

*Todos os direitos reservados. *Todos os direitos reservados. A cada ano, as grandes empresas de tecnologia criam novas ferramentas Para o novo mundo digital. Sempre temos que nos renovar para novas tecnologias, a Karmake está preparada.

Leia mais

www.intermidiabrasil.com.br Apresentação Presença Digital

www.intermidiabrasil.com.br Apresentação Presença Digital Apresentação Presença Digital 2012 ÍNDICE 1. GESTÃO MÍDIAS SOCIAIS... 03 2. ESTRATÉGIAS COMPLEMENTARES... 04 3. PERSONALIZAÇÃO... 05 4. CASES... 06 5. SOBRE A INTERMIDIA BRASIL... 13 6. CLIENTES... 14

Leia mais

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL

Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL Inteligência para ESTRATÉGIA DIGITAL INTRODUÇÃO Já imaginou ter acesso a dados e estatísticas do website do concorrente? Com alguns aplicativos e ferramentas, isso já é possível. Com ajuda deles, você

Leia mais

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing

Marcele Bastos. o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas. Fundamentos de marketing. o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Especialista em Gestão - ênfase em Marketing o Graduada em Comunicação Social - Relações Públicas o Docente universitária na disciplina Fundamentos de marketing o 12 anos de experiência em comunicação

Leia mais

PUC Minas Abril / Maio de 2009. Marketing. Digital. Prof. Caio Cesar (caiocgo@pucminas.br)

PUC Minas Abril / Maio de 2009. Marketing. Digital. Prof. Caio Cesar (caiocgo@pucminas.br) PUC Minas Abril / Maio de 2009 Marketing Digital Prof. Caio Cesar (caiocgo@pucminas.br) Caio Cesar? Ensino / Pesquisa / Consultoria Marketing de Varejo Comunicação Online Design de Interação caiocgo@pucminas.br

Leia mais

C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S

C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S C O N S U L T O R I A E G E S T Ã O P A R A E S T R A T É G I A D E R E D E S S O C I A I S A MELHOR OPORTUNIDADE PARA O SEU NEGÓCIO ESTÁ AO SEU ALCANCE NAS REDES SOCIAIS... O MUNDO É FEITO DE REDES SOCIAIS

Leia mais

M A R C O N D E S - R R P P : 30 ANOS

M A R C O N D E S - R R P P : 30 ANOS MEDITERRÂNEA PROPAGANDA E MARKETING INTEGRADO CASE-CAMPANHA (março a dezembro de 2012) M A R C O N D E S - R R P P : 30 ANOS Situação: Promover, em 2012, os 30 anos de relações-públicas de Manoel Marcondes

Leia mais

Claudio Torres. Novatec

Claudio Torres. Novatec Claudio Torres Novatec Sumário Sobre o autor... 11 Prefácio... 12 Introdução... 15 A Internet como mídia...15 O que você vai ler... 17 Capítulo 1 A Internet do consumidor... 19 Novos concorrentes... 21

Leia mais

Resultados da Pesquisa

Resultados da Pesquisa Resultados da Pesquisa 1. Estratégia de Mensuração 01 As organizações devem ter uma estratégia de mensuração formal e garantir que a mesma esteja alinhada com os objetivos da empresa. Assim, as iniciativas

Leia mais

REDES SOCIAIS. Profº Thiago Arantes

REDES SOCIAIS. Profº Thiago Arantes REDES SOCIAIS Profº Thiago Arantes Todos os direitos reservados - IAB 2014 - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

E SE VOCÊ PUDESSE EXTRAIR INTELIGÊNCIA DO CONTEÚDO PRODUZIDO SOBRE SUA MARCA OU PRODUTO NAS MÍDIAS SOCIAIS?

E SE VOCÊ PUDESSE EXTRAIR INTELIGÊNCIA DO CONTEÚDO PRODUZIDO SOBRE SUA MARCA OU PRODUTO NAS MÍDIAS SOCIAIS? E SE VOCÊ PUDESSE EXTRAIR INTELIGÊNCIA DO CONTEÚDO PRODUZIDO SOBRE SUA MARCA OU PRODUTO NAS MÍDIAS SOCIAIS? COM SOCIAL MEDIA RESEARCH VOCÊ PODE UMA NOVA METODOLOGIA QUE PARTE DO CRUZAMENTO ENTRE AS MELHORES

Leia mais

Monitoramento de Marcas no Twitter: Instituições de Ensino Superior Privadas de Salvador. Monitoramento de Marcas no Twitter: Inst.

Monitoramento de Marcas no Twitter: Instituições de Ensino Superior Privadas de Salvador. Monitoramento de Marcas no Twitter: Inst. Monitoramento de Marcas no Twitter: Instituições de Ensino Superior Privadas de Salvador Introdução A web contemporânea nos revela aspectos importantes no comportamento de seus usuários: produção e compartilhamento

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Proposta Revista MARES DE MINAS

Proposta Revista MARES DE MINAS SATIS 2011 Proposta Revista MARES DE MINAS 21/03/2011 A SATIS Índice 1 A Satis 1 A Proposta 1 Serviços 2 Mapa do Site 2 SEO 3 Sistema de gerenciamento de conteudo 4 Cronograma e Prazos 5 Investimento 6

Leia mais

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3

Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 ESCRITO POR David Mogensen PUBLICADO EM Dezembr o 2013 Crie seu mecanismo de envolvimento: parte 3 RESUMO Em um período em que os profissionais de marketing acham que seu trabalho mudou mais em dois anos

Leia mais

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1

LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 1 LinkedIn - Tendências globais em recrutamento para 2013 Visão Brasil As cinco principais tendências em atração de talentos que você precisa saber 2013 LinkedIn Corporation. Todos os direitos reservados.

Leia mais

SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL. Expositor. Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com.

SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL. Expositor. Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com. SEMINÁRIO ABMES BASES DO MARKETING DIGITAL Expositor Júlio César de Castro Ferreira julio.ferreira@produtoranebadon.com.br (61) 9613-6635 5 PILARES DO MARKETING DIGITAL 1 2 3 4 5 Presença digital: Ações

Leia mais

assessoria de imprensa marketing de conteúdo

assessoria de imprensa marketing de conteúdo assessoria de imprensa marketing de conteúdo 2015 Quem somos? A NoAr é uma Agência de Comunicação que atua como consultora e parceira dos clientes. Juntos, definimos estratégias de comunicação personalizadas

Leia mais

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing

3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing 26 3 As Mídias Sociais como Ferramentas de Marketing O surgimento das mídias sociais está intimamente ligado ao fenômeno da geração de conteúdo pelo usuário e ao crescimento das redes sociais virtuais

Leia mais

O Manual Tático do Marketing de Conteúdo

O Manual Tático do Marketing de Conteúdo O Manual Tático do Marketing de Conteúdo Um guia prático de como montar e executar uma estratégia de sucesso 2 ÍNDICE >> Como usar esse manual 3 >> A fundação de sua estratégia 5 >> Produção de Conteúdo

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino.

O / 4 FAIXA ETÁRIA SEXO 1.5% 0.2% 6.1% 0.2% 13.5% 25.8% 52.6% 407 entrevistas foram realizadas nos dias 27 e 28 de janeiro de 2010. Feminino. A TERCEIRA EDIÇÃO DA CAMPUS PARTY BRASIL, REALIZADA EM SÃO PAULO ENTRE OS DIAS 25 E 31 DE JANEIRO DE 2010, REUNIU QUASE 100 MIL PARTICIPANTES PARA DISCUTIR AS TENDÊNCIAS DA INTERNET E DAS MÍDIAS DIGITAIS.

Leia mais

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros

A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS. Carlos Jerônimo da Silva Gueiros A BRASIL ROTÁRIO FRENTE ÀS MÍDIAS ELETRÔNICAS Carlos Jerônimo da Silva Gueiros Um mundo em transformação 1998 / 1999 Mutirão Digital apoiar as escolas públicas no acesso à Internet 2010-12 anos depois...

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Quem é Ana Luiza Cunha?

Quem é Ana Luiza Cunha? Apresentação WSI Quem é a WSI? Fundada em 1995 Nascimento da Internet 1.100 Consultores de Marketing Digital 81 países 12 grandes Centros de Produção Receita estimada da rede: acima de US$160 milhões Parceiros:

Leia mais

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae

E-books. Guia completo de como criar uma Página no Facebook. Sebrae E-books Sebrae Marketing e Vendas Guia completo de como criar uma Página no Facebook Como começar Criando uma Página Conhecendo a Página Configurações iniciais Estabelecendo conversas Autor Felipe Orsoli

Leia mais

Porque as mulheres seguem empresas no Twitter?

Porque as mulheres seguem empresas no Twitter? Porque as mulheres seguem empresas no Twitter? Metodologia Entrevistas com amostra de usuárias brasileiras de internet via questionário online. A pesquisa foi realizada com 737 mulheres com idade entre

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO. Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA GABINETE DA REITORIA ASCOM ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Relatório de Gestão Setorial do Exercício 2012 Cruz das Almas BA 2013 UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet

Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Cinco pontos sobre redes sociais na Internet Por Raquel Recuero (*) Nos últimos anos, assistimos a um crescimento espantoso das chamadas tecnologias de comunicação. Essas tecnologias tornaram-se mais rápidas,

Leia mais

E-Book! O que é Inbound Marketing?

E-Book! O que é Inbound Marketing? E-Book! O que é Inbound Marketing? E-Book O que é Inbound Marketing? Estamos em um período de transição de modelos mentais e operacionais entre o Marketing Tradicional e o Inbound Marketing. Este e-book

Leia mais

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal?

Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL. O que é Marketing Multicanal? Curso Marketing Político Digital Por Leandro Rehem Módulo III MULTICANAL O que é Marketing Multicanal? Uma campanha MultiCanal integra email, SMS, torpedo de voz, sms, fax, chat online, formulários, por

Leia mais

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão

Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Redes Sociais Em Apoio À Tomada De Decisão Este assunto normalmente é tratado quando se aborda a coleta de dados no ciclo de Inteligência. No entanto, o fenômeno das redes sociais, atualmente, cresceu

Leia mais

Copyright 2013 Academia NED. Todos os Direitos Reservados. AcademiaNED.com.br

Copyright 2013 Academia NED. Todos os Direitos Reservados. AcademiaNED.com.br Copyright 2013 Academia NED Todos os Direitos Reservados AcademiaNED.com.br CONTEÚDO Introdução... 4 1 - Certifique-se de que sua FanPage é atraente... 5 a. Foto de Capa... 5 b. Foto de Perfil... 5 c.

Leia mais

REDES SOCIAIS. Prof. Thiago Arantes

REDES SOCIAIS. Prof. Thiago Arantes REDES SOCIAIS Prof. Thiago Arantes - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa.

Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. Conheça a Fran Press, a assessoria que oferece as melhores estratégias de relacionamento com a imprensa. A Fran Press está de cara nova, mantendo a sua reconhecida identidade estratégica. Nos tempos atuais

Leia mais

Comunidades de práticas educacionais inovadoras nas redes sociais

Comunidades de práticas educacionais inovadoras nas redes sociais Comunidades de práticas educacionais inovadoras nas redes sociais Características da Web 2.0 Abertura Agregação da Informação Imediatismo Intensidade de foco autodefinida Ubiquidade Envolvimento colaborativo

Leia mais

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz;

Mas como você gera sua lista de e-mail? Listei abaixo algumas das formas de construir uma lista de email marketing eficaz; E-mail marketing, muitas vezes considerada uma forma de marketing pessoal, é uma das mais valiosas ferramentas de web marketing, uma das mais visadas e mais focada pelos marqueteiros. Vamos nos concentrar

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico O Dia D e a culturalização de um posicionamento estratégico 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE Centro Universitário Franciscano uma universidade para suas aspirações Santa Maria é um polo educacional

Leia mais

E-Book MKT DE PERFORMANCE

E-Book MKT DE PERFORMANCE E-Book MKT DE PERFORMANCE MKT de Performance O Marketing de Performance é um conjunto de técnicas que permitem mensurar e otimizar o desempenho de um site/ecommerce/landing page e os resultados de ações

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

Marketing. Conrado Adolpho Vaz. O Guia Definitivo de Marketing Digital. Novatec

Marketing. Conrado Adolpho Vaz. O Guia Definitivo de Marketing Digital. Novatec Google Marketing O Guia Definitivo de Marketing Digital Conrado Adolpho Vaz Novatec Sumário Prefácio à 1ª edição... 21 Prefácio à 2ª. edição... 23 Prefácio à 3ª edição... 25 Introdução... 27 Parte I O

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico

Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico CUSTOMER SUCCESS STORY Abril 2014 Solução CA Technologies Garante Entrega de Novo Serviço de Notícias do Jornal Valor Econômico PERFIL DO CLIENTE Indústria: Mídia Companhia: Valor Econômico Funcionários:

Leia mais

Social-Commerce IT CARLOS MASSA SIMPONE 70609178

Social-Commerce IT CARLOS MASSA SIMPONE 70609178 Social-Commerce IT CARLOS MASSA SIMPONE 70609178 INDICE INTRODUÇÃO DIFINIÇÃO COMO FUNCIONA AS ETAPAS HISTORIA RELACIONAMENTO PRATICAS REDES SOCIAS EXEMPLOS VANTAGEM INTRODUÇÃO Comumente pode se entender

Leia mais

DP6: Gerando novos negócios a partir do monitoramento de redes sociais

DP6: Gerando novos negócios a partir do monitoramento de redes sociais DP6: Gerando novos negócios a partir do monitoramento de redes sociais O núcleo de inteligência em redes sociais Há cinco anos, a DP6, consultoria de marketing digital com foco em inteligência e performance

Leia mais

MÍDIAS SOCIAIS. Manual de Conduta

MÍDIAS SOCIAIS. Manual de Conduta MÍDIAS SOCIAIS Manual de Conduta Apresentação O Sistema Ocemg, atento às mudanças de mercado e preocupado em estar sempre próximo de seus públicos de interesse, assume o desafio de se posicionar também

Leia mais

Cases. Estratégias de Marketing de Conteúdo por quem entende do assunto

Cases. Estratégias de Marketing de Conteúdo por quem entende do assunto Cases Estratégias de Marketing de Conteúdo por quem entende do assunto ContaAzul O ContaAzul é um sistema de gestão empresarial para micro e pequenas empresas. O objetivo é ajudá-las a crescer de forma

Leia mais

Introdução ao Google Adwords. Tiago Flores Dias

Introdução ao Google Adwords. Tiago Flores Dias Introdução ao Google Adwords Tiago Flores Dias Introdução Neste aula seguiremos os seguintes tópicos O que é Publicidade Online Conheça o Perfil dos E-consumidores O que são Objetivos de Marketing O que

Leia mais

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net

APRESENTAÇÃO COMERCIAL. www.docpix.net APRESENTAÇÃO COMERCIAL www.docpix.net QUEM SOMOS Somos uma agência digital full service, especializada em desenvolvimento web, de softwares e marketing online. A Docpix existe desde 2010 e foi criada com

Leia mais

Redes sociais x mídias sociais

Redes sociais x mídias sociais INTRODUÇÃO Esse workshop tem como objetivo de organizar o uso das redes sociais no Santuário Nacional e Rede Aparecida, de forma a facilitar o trabalho de monitoramento e de produção de conteúdo para as

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

Como u&lizar as ferramentas de marke&ng digital no relacionamento com os cooperados

Como u&lizar as ferramentas de marke&ng digital no relacionamento com os cooperados Como u&lizar as ferramentas de marke&ng digital no relacionamento com os cooperados 26 de Agosto de 2015 Belo Horizonte - MG Joe Jackson Sangalli Vidor Joe Jackson Sangalli Vidor Diretor da 2ck Marke.ng

Leia mais

A informação que você precisa!

A informação que você precisa! A informação que você precisa! Relatório atualizado em: Junho/13. Mídiakit O que é o PiraNOT.com O Portal de notícias de Piracicaba, PiraNOT, surgiu em Novembro de 2011 com o objetivo de ser o primeiro

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

Como monitorar seus concorrentes e fazer pesquisa de mercado nas redes sociais. Por Gustavo Valvasori

Como monitorar seus concorrentes e fazer pesquisa de mercado nas redes sociais. Por Gustavo Valvasori Como monitorar seus concorrentes e fazer pesquisa de mercado nas redes sociais Por Gustavo Valvasori Índice 1. Introdução 2. Por que monitorar? 3. O que monitorar? 4. Como dialogar 5. Fluxo de comunicação

Leia mais

CONTEÚDOS. Blog REDES SOCIAIS VIDEOS ONLINE PARTILHA DE FOTOGRAFIAS PARTILHA DE APRESENTAÇÕES

CONTEÚDOS. Blog REDES SOCIAIS VIDEOS ONLINE PARTILHA DE FOTOGRAFIAS PARTILHA DE APRESENTAÇÕES CONTEÚDOS ANTES DE INICIAR A SUA AVENTURA NAS REDES, TENHA EM CONTA AS SEGUINTES DICAS: Atribua a administração de cada canal e/ou estratégia a alguém que faça parte da sua empresa; Dê formação à sua equipa

Leia mais

SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA

SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA SITES E BLOGS CONSTRUINDO A SUA MARCA Paula Junqueira 7º CONGRESSO RIO DE EDUCAÇÃO CONSTRUINDO A SUA MARCA A marca é o ativo mais importante, independente do tamanho de sua empresa. As mídias sociais são

Leia mais

Idade 28 anos Portfólio www.andersonmoco.com.br E-mail andersonmoco2@gmail.com. Celular + 55 11 99339-5893 Fixo + 55 11 3624-1917

Idade 28 anos Portfólio www.andersonmoco.com.br E-mail andersonmoco2@gmail.com. Celular + 55 11 99339-5893 Fixo + 55 11 3624-1917 Anderson Moço www.andersonmoco.com.br Jornalista com experiência em criação e desenvolvimento de sites, edição de textos, produção de reportagens e vídeos, planejamento e estratégias de ação em mídias

Leia mais

Como criar uma estratégia de comunicação digital vencedora. São Paulo-SP Setembro/2013

Como criar uma estratégia de comunicação digital vencedora. São Paulo-SP Setembro/2013 Como criar uma estratégia de comunicação digital vencedora São Paulo-SP Setembro/2013 Introdução O Objetivo deste trabalho é criar uma estratégia de comunicação digital vencedora através do marketing por

Leia mais

Compreendendo a dimensão de seu negócio digital

Compreendendo a dimensão de seu negócio digital Compreendendo a dimensão de seu negócio digital Copyright 2015 por Paulo Gomes Publicado originalmente por TBI All New, São Luís MA, Brasil. Editora responsável: TBI All New Capa: TBIAllNew Todos os direitos

Leia mais

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução

Horizons. O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Cisco IBSG Horizons Study. Introdução O impacto financeiro da consumerização de TI As 10 principais percepções do Study Jeff Loucks/Richard Medcalf Lauren Buckalew/Fabio Faria O número de dispositivos de consumerização de TI nos seis países

Leia mais

Criando presença com as páginas do Facebook

Criando presença com as páginas do Facebook Páginas do 1 Criando presença com as páginas do Sua Página Todos os dias, milhões de pessoas em todo o mundo acessam o para se conectar com amigos e compartilhar coisas que gostam. Este guia foi desenvolvido

Leia mais

A mídia não está organizada em pequenos retângulos chamados jornais, revistas e aparelhos de televisão. As pessoas se conectam com outras pessoas e

A mídia não está organizada em pequenos retângulos chamados jornais, revistas e aparelhos de televisão. As pessoas se conectam com outras pessoas e agenda planejamento: POST Pessoas, Objetivos, Estratégia e Tecnologia Determinação de objetivos Estratégia: o que você espera do relacionamento com seus clientes? Tecnologia: qual delas escolher? Deu ruim

Leia mais

Mídias Sociais e Marketing Digital: um novo modelo de comunicação entre empresa e consumidor 1

Mídias Sociais e Marketing Digital: um novo modelo de comunicação entre empresa e consumidor 1 Mídias Sociais e Marketing Digital: um novo modelo de comunicação entre empresa e consumidor 1 Anadelly Fernandes Pereira ALVES 2 Universidade de Estado do Rio Grande do Norte, Mossoró, RN RESUMO O artigo

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

mídia kit última atualização: Novembro/13

mídia kit última atualização: Novembro/13 mídia kit última atualização: Novembro/13 Na internet, todo mundo tem coragem de ficar apontando os defeitos dos outros. Afinal, reclamar é muito fácil e, convenhamos, às vezes alivia. Mas acreditamos

Leia mais

F-COMMERCE A REVOLUÇÃO DAS LOJAS VIRTUAIS NO FACEBOOK

F-COMMERCE A REVOLUÇÃO DAS LOJAS VIRTUAIS NO FACEBOOK F-COMMERCE A REVOLUÇÃO DAS LOJAS VIRTUAIS NO FACEBOOK Com o crescimento das mídias sociais, uma modalidade de vendas online que vem ganhando força é o F-commerce, termo usado para definir o comércio eletrônico

Leia mais

Como monitorar o que estão falando da minha empresa

Como monitorar o que estão falando da minha empresa http://www.tecnocratadigital.com.br/wp-content/uploads/2010/11/social-media-optimization.jpg Como monitorar o que estão falando da minha empresa nas Mídias Sociais de forma simples e direta. Paulo Milreu

Leia mais

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria?

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria? Custom Publishing O mercado das publicações próprias e suas (excelentes) oportunidades de negócios para as empresas antenadas de qualquer setor, com qualquer público Um guia de consulta rápida sobre a

Leia mais

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br

JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ www.diariodaconstrucao.com.br PROPOSTA DE PROPAGANDA - ANUNCIE NO JDC Apresentação de Plano de Publicidade Online no Site O JORNAL DIÁRIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO PARÁ atende com o nome de JDC, porque é uma empresa que tem como sua atividade

Leia mais

Comunicação diferenciada e relacionamento efetivo. Um novo enfoque de RI para um novo mercado

Comunicação diferenciada e relacionamento efetivo. Um novo enfoque de RI para um novo mercado + Comunicação diferenciada e relacionamento efetivo Um novo enfoque de RI para um novo mercado + Menu Cenário Menu + + Cenário RI hoje: uma operação indiferenciada Comunicação muito limitada com foco quase

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto de 2009 SUMÁRIO PÁGINA Resumo executivo...

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais