Capítulo 11. Apresentação de simuladores visuais e interactivos desenvolvidos com o Microsoft Visual C++

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capítulo 11. Apresentação de simuladores visuais e interactivos desenvolvidos com o Microsoft Visual C++"

Transcrição

1 Capítulo 11 Alguns simuladores orientados a objectos Apresentação de simuladores visuais e interactivos desenvolvidos com o Microsoft Visual C Alguns simuladores orientados a objectos Apesar de existir hoje um grande número de simuladores comerciais orientados a objectos, de entre os quais poderíamos, porventura, escolher um ou dois como exemplos, preferimos, contudo, aproveitar este último capítulo para brevemente apresentar alguns simuladores resultantes da aplicação dos conhecimentos descritos ao longo deste livro. Estes simuladores foram desenvolvidos para Windows tm usando o Microsoft Visual C++, sendo principalmente vocacionados para problemas de armazenamento automático, escoamento de trânsito e cadeias de distribuição e logística. Tendo resultado, fundamentalmente, do trabalho de investigação desenvolvido por J. Manuel Feliz Teixeira ao longo destes últimos anos no Laboratório de Simulação de Sistemas de Produção (LASSIP) 1, todos eles se baseiam numa estrutura de classes semelhante à descrita no capítulo anterior, sobre a qual foi depois incluído código para a criação de desenhos à escala, manejo de elementos gráficos no ecrã, criação interactiva de entidades, representação visual dos vários elementos do sistema, etc. Com a apresentação destas aplicações, esperamos que o leitor fique com uma ideia mais precisa sobre as potencialidades deste tipo de simuladores visuais e interactivos, e, para além disso, que possa também conhecer com mais pormenor o que normalmente é exigido, em termos de complexidade, a uma aplicação de simulação destinada a projectos de dimensão industrial

2 SIMULAÇÃO POR COMPUTADOR 11.1 Um simulador de armazéns O presente simulador surgiu de uma proposta de desenvolvimento de um gerador de modelos de simulação visual e interactiva por parte da empresa EFACEC 2, com vista a ser usado no estudo das prestações de funcionamento dos seus armazéns automáticos. Segundo a proposta inicial, esta aplicação deveria permitir, em períodos típicos desde alguns dias até uma ou duas semanas, definir o modelo de um determinado armazém e avaliar o seu funcionamento. Para além disso, a interface com o utilizador não deveria exigir conhecimentos informáticos profundos, tendo apenas o operador de ser tecnicamente competente no dimensionamento de armazéns Componentes do simulador Na figura 11.1 mostra-se a janela principal da última versão do simulador de armazéns desenvolvido para o efeito, na qual se pode ver uma pequena zona de um armazém em estudo obtida através de um efeito de ZOOM. Esta janela possui ainda uma barra de ferramentas (toolbar) através da qual o operador poderá facilmente criar as entidades que irão fazer parte do seu armazém, como veremos. Do ponto de vista da interface com o utilizador, o código desta aplicação poderá dividir-se em dois grandes grupos: os recursos de desenho, que incluem as rotinas de interpretação das acções do RATO no que respeita à criação e manejo de objectos gráficos, e com as quais é dado ao operador representar à escala o espaço do armazém, por exemplo, usando linhas, áreas e outros elementos, e os recursos de simulação, que são facilidades através das quais o operador poderá criar, configurar e testar o funcionamento de um dado Fig 11.1 Janela principal do simulador de armazéns modelo. Muitos destes recursos

3 são acessíveis directamente através de botões da toolbar da aplicação como é o caso da criação dos componentes físicos do armazém, ou seja, tapetes, estantes, veículos, mesas, cais, etc. Com estes recursos, é fácil o operador ir criando o modelo do armazém ao mesmo tempo que o vai representando no ecrã, pois muitos dos componentes típicos de um armazém automático encontram-se já preparados para serem depositados sobre o próprio desenho de fundo do layout. A partir daí, só é preciso configurá-los através das suas caixas de diálogo 3. A figura 11.2 mostra uma representação à escala de um armazém real na janela do simulador, na parte de cima uma vista a toda a dimensão do sistema, e na parte de baixo um ZOOM sobre a zona de entrada e saída de material. Trata-se de uma instalação com 175 metros de comprimento e 55 metros de largura, composta por uma zona de estanteria distribuída por cinco alas, sendo estas servidas por veículos automáticos de acondicionamento de paletes Área total armazém = 175 x 55 m2 Grupo de veículos Stocadores Área de estantes Sistema tapetes ponto entrada ponto saída Fig 11.2 Exemplo de um armazém automático real representado no simulador de armazéns, com efeito de ZOOM (stocadores). A interface da zona de armazenagem com os pontos de entrada e de saída de material é assegurada por uma rede de distribuição baseada em tapetes. Na parte inferior da mesma figura é ainda visível, com mais pormenor, o aspecto dos tapetes, das mesas, e uma pequena parte das próprias estantes, estas representadas em perspectiva militar. Mesa Posto manual 3 Como se fez notar no capítulo anterior, a certas entidades é associada uma caixa de diálogo através da qual se pode aceder a alguns dos seus atributos, podendo-se assim configurar facilmente esse elemento no modelo. 213

4 SIMULAÇÃO POR COMPUTADOR Depois de criado o modelo do armazém usando estes recursos da aplicação, cada elemento desse modelo deverá então ser configurado de forma a ajustarem-se os valores dos seus parâmetros aos valores conhecidos, ou esperados, no sistema real. Um DUPLO-CLIC com o RATO sobre qualquer um desses elementos permitirá aceder à sua caixa de diálogo, o que simplifica grandemente esta tarefa de configuração. Como exemplo de uma dessas caixas de diálogo, também designadas caixas de propriedades, apresenta-se na figura 11.3 a que corresponde aos elementos do tipo tapete atrás referidos. A partir dela é possível interagir com o respectivo tapete e actuar quer no seu tempo de descarga, na velocidade de movimentação das paletes sobre ele, na sua largura, etc. Estas acções podem, inclusive, ser realizadas mesmo durante o decorrer da simulação e sem necessidade de a interromper. Como já foi referido, caixas de diálogo semelhantes a esta foram usadas neste Fig 11.3 Exemplo de uma caixa de diálogo associada a um tapete simulador para permitir configurar muitos outros elementos do armazém, como mesas, veículos, etc Estrutura do modelo Quanto à estrutura do modelo propriamente dita, ela resulta de considerar que um armazém pode ser visto como uma rede de transporte de material em que os nodos representam os locais onde as paletes podem ser depositadas, como é o caso das mesas, dos cais e dos alvéolos das estantes, e os tramos os percursos que ligam esses nodos uns aos outros. E, subindo um pouco mais no nível de abstracção, poderemos ainda considerar estes nodos como células de depósito de material, e a interligar essas células um conjunto determinado de elementos de transporte, os quais, por sua vez, já integram o conceito de percurso na forma de uma sequência de tramos. Sendo assim, do ponto de vista abstracto, o modelo de um armazém pode reduzir-se a um conjunto de células ligadas entre si por 214

5 determinados elementos de transporte, como sugere o esquema apresentado na figura No que respeita aos vários tipos de elementos de transporte, neste simulador são considerados, por um lado, os tapetes como elementos fixos, por outro, os veículos como elementos móveis, podendo estes últimos deslocar-se ao longo de certos percursos previamente definidos. No que respeita aos tapetes, considera-se a existência de tapetes de ROLOS e de tapetes de CORRENTES, que basicamente diferem uns dos outros por normalmente serem utilizados em movimentações perpendiculares uma à outra. Quanto aos veículos, é permitido ao operador utilizar até cinco tipos diferentes dentro do mesmo modelo de armazém, conforme as características das tarefas a que se destinam. Na figura 11.5 está representado o aspecto gráfico de cada um desses tipos, tal como serão vistos na janela da própria simulação. Tanto os AGV Stocadores como os Stocadores Standard são veículos cuja principal função é aceder a células de estantes, facto pelo qual quase sempre se encontram a operar na zona de armazenagem. Por outro lado, os Veículos Simples possuem uma maior liberdade de movimentos, normalmente são guiados por um operador e usados em acções de transporte entre zonas diferentes do armazém, principalmente entre mesas ou entre cais. Ao contrário dos anteriores, estes veículos não podem aceder a estantes. Para além destes, há ainda os Veículos Chariots, que normalmente se movem sobre um eixo linear e são usados como distribuidores de paletes, muitas vezes misturados com redes de tapetes, e os Veículos Transfer, cuja primeira tarefa é transferir outros veículos entre diferentes pontos do armazém Simulação do modelo AGV Stocador Stocador standard Cel1 Fig 11.4 Modelo de um armazém como um conjunto de células servidas por elementos de transporte genéricos veículo simples veículo Chariot Fig 11.5 Aspecto gráfico dos cinco tipos de veículos disponíveis no simulador de armazéns veículo Transfer Depois de representado o armazém na janela do simulador e de configurados todos os seus elementos, o modelo fica pronto a ser simulado. Para isso, há uma Cel4 Cel3 Cel6 Cel2 Cel5 CelN 215

6 SIMULAÇÃO POR COMPUTADOR fase inicial de verificação da consistência dos dados, sendo analisada a coerência de toda a informação nele introduzida e, caso o operador o deseje, preenchidas as estantes com paletes, de forma aleatória. Depois desta fase, a simulação Ponto saída Ponto entrada Mesa inspecção Posto rejeição Posto manual Tapetes buffer Fig 11.6 ZOOM sobre uma zona de um armazém real a ser simulado. propriamente dita poderá então ter início a uma ordem do operador. E assim que tal aconteça, começará a observar-se as paletes a serem geradas nos pontos de entrada (fig. 11.6), depois a deslocarem-se nos tapetes, de seguida a serem recolhidas pelos Stocadores e então depositadas nas estantes. No sentido inverso, com vista a satisfazer os pedidos de saída de material, os Stocadores retiram paletes das estantes, transportam-nas para a rede de tapetes, e estes encarregam-se de depois as conduzir até ao destino, algumas delas passando, neste caso particular, por postos de trabalho manual. Note-se que o presente exemplo se refere à simulação de uma instalação de armazenamento real. Todos os elementos do armazém foram configurados de acordo com as exigências do cliente, o que quer dizer que os valores dos vários parâmetros são da ordem dos que se espera encontrar num armazém real. A cada veículo foi associada uma velocidade média de 3 m/s e tempos de carga e descarga de 12 s. Nos tapetes, a velocidade de movimentação das paletes foi estabelecida em 0.2 m/s e o tempo de descarga em 0.5 s, e em cada posto manual considerado um buffer de tapetes de 4 paletes e um tempo médio de operação de 4.5 min. O tempo médio de permanência em cada mesa considerou-se 3 s. Ainda de acordo com as exigências do cliente, foi imposta a taxa global de entrada de paletes no sistema de 35.6 pal/h proveniente de uma zona de produção, e a taxa de 0.8 pal/h de pedidos directos à zona de armazenagem com destino ao ponto de saída. Cada posto manual foi configurado de forma a assegurar o processamento de 60 pal/h, metade do qual seria direccionado para a saída do sistema depois de passar por uma mesa de inspecção. As restantes paletes deveriam retornar à zona de armazenagem. 216

7 Resultados Apesar de, neste exemplo, o tempo de criação do modelo ter sido da ordem de alguns dias de trabalho, as principais dificuldades encontradas situaram-se ao nível da correcta representação dos vários elementos do armazém na janela do simulador e respectiva configuração, pelo que o processo completo de simulação dependerá, principalmente, da complexidade do próprio layout do sistema. No entanto, depois de terminada esta fase, o resto do processo passa a ser rápido, tendo-se observado, neste caso, um tempo de simulação cerca de 30 vezes mais rápido que o tempo real. Estas prestações foram obtidas mesmo com o simulador a funcionar em modo de representação visual das várias entidades, o que faz prever que maiores velocidades de simulação poderiam ter sido atingidas caso se tivesse inibido esse aspecto visual. Alguns resultados obtidos com esta simulação estão resumidos no gráfico da figura 1.7, no qual se representa o número de paletes entradas e saídas do sistema ao longo de 25 horas de trabalho da instalação versus o tempo despendido no processamento das respectivas tarefas. A interpretação deste gráfico deixa-se à curiosidade do leitor. No entanto, como nota final, é importante referir que este number of palettes simulador não tem como intuito tratar o armazém do ponto de vista da gestão de aprovisionamentos ou de stocks, mas unicamente do ponto de vista das prestações de funcionamento permitidas pela configuração do seu layout. Apesar disso, um conhecimento mais profundo de temas tão interessantes como a gestão dos produtos no seu interior poderá tornar-se útil para quem pretenda evoluir na arte de simular armazéns, pelo que, nesse caso, se recomenda a leitura de obras mais vocacionadas para essas matérias time (minutes) input output Fig 11.7 Exemplo de resultados. Entrada/saída de paletes versus respectivo tempo de processamento 4 José Fernando Gonçalves, Gestão de Aprovisionamentos, Edição revista, Publindústria, Porto

Trabalho Prático Sistema de Armazenagem Relatório Scada

Trabalho Prático Sistema de Armazenagem Relatório Scada Trabalho Prático Sistema de Armazenagem Relatório Scada Docente: Paulo Portugal Daniel Eduardo Miranda dos Santos ee04245 2004/2005 Índice Índice Objectivos 2 Introdução 3 Organização das variáveis para

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT Estudo sobre a integração de ferramentas digitais no currículo da disciplina de Educação Visual e Tecnológica floor planner Manual e Guia de exploração do floor planner para utilização em contexto de Educação

Leia mais

2005 José Miquel Cabeças

2005 José Miquel Cabeças Dimensionamento de linhas de produção 1 - INTRODUÇÃO A fabricação de elevado volume de produção é frequentemente caracterizada pela utilização de linhas de montagem e fabricação. O balanceamento de linhas

Leia mais

Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados

Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados Objectivos: Criar uma base de dados vazia. O Sistema de Gestão de Bases de Dados MS Access Criar uma base dados vazia O Access é um Sistema de Gestão de Bases

Leia mais

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém PHC Logística CS A gestão total da logística de armazém A solução para diminuir os custos de armazém, melhorar o aprovisionamento, racionalizar o espaço físico e automatizar o processo de expedição. BUSINESS

Leia mais

Gestão de Equipas de Vendas

Gestão de Equipas de Vendas Gestão de Equipas de Vendas Análise Comercial Business Intelligence Gestão de Desempenho Atinjo os meus objectivos comerciais? Quais os vendedores com melhor desempenho? A função comercial é o motor de

Leia mais

Microsoft PowerPoint 2003

Microsoft PowerPoint 2003 Página 1 de 36 Índice Conteúdo Nº de página Introdução 3 Área de Trabalho 5 Criando uma nova apresentação 7 Guardar Apresentação 8 Inserir Diapositivos 10 Fechar Apresentação 12 Abrindo Documentos 13 Configurar

Leia mais

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns

WMS. Agenda. Warehouse Management Systems (WMS) Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns WMS Warehouse Management Systems Sistema de Gerenciamento de Armazéns Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Informática Aplicada a Logística Profº Breno Amorimsexta-feira, 11 de setembro de 2009 Agenda

Leia mais

Motic Images Plus Versão 2.0 ML Guia de Consulta Rápida. Português

Motic Images Plus Versão 2.0 ML Guia de Consulta Rápida. Português Motic Images Plus Versão 2.0 ML Guia de Consulta Rápida Português Índice Instalação do Software... 1 Instalação do Controlador e Actualização do Controlador... 4 Motic Images Plus 2.0 ML...11 Calibração

Leia mais

AMBIENTE. FORMULÁRIO: é a janela do aplicativo apresentada ao usuário. Considere o formulário como a sua prancheta de trabalho.

AMBIENTE. FORMULÁRIO: é a janela do aplicativo apresentada ao usuário. Considere o formulário como a sua prancheta de trabalho. DELPHI BÁSICO VANTAGENS Ambiente de desenvolvimento fácil de usar; 1. Grande Biblioteca de Componentes Visuais (VCL - Visual Component Library), que são botões, campos, gráficos, caixas de diálogo e acesso

Leia mais

Gestão de Produção Indústria Têxtil e Confecções

Gestão de Produção Indústria Têxtil e Confecções Gestão de Produção Definição A Gestão de Produção para a Indústria Têxtil e Confecções associa o Controlo, Planeamento e Custeio Industrial dos vários sectores das denominadas Têxteis Verticais com o tratamento

Leia mais

CS-PLC1 Exercícios do Curso OMRON

CS-PLC1 Exercícios do Curso OMRON CS-PLC1 Exercícios do Curso OMRON Versão 2004 1.0 Índice Índice 2 Exercícios 3 1. Exercício Iniciação à Programação de Autómatos - Linguagem de Contactos 3 2. Exercício Introdução ao Cx-Programmer 4 3.

Leia mais

Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL. Fevereiro/2002 - Portalegre

Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL. Fevereiro/2002 - Portalegre Escola Superior de Tecnologias e Gestão Instituto Politécnico de Portalegre MS EXCEL Fevereiro/2002 - Portalegre Introdução A necessidade de efectuar cálculos complexos de uma forma mais rápida e fiável,

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de

Sistemas de Armazenagem de Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância do lay-out out, dos equipamentos de armazenagem

Leia mais

SAMUO APP: MANUAL DO UTILIZADOR

SAMUO APP: MANUAL DO UTILIZADOR as novas tecnologias ao serviço do desenvolvimento de projectos w w w. i m a d i p. c o m CABO VERDE: REALIZAÇÃO DE UMA ACÇÃO- PILOTO PARA A MELHORIA DA GESTÃO NUM GABINETE TÉCNICO SELECCIONADO OFITEC

Leia mais

simplificada A vida do professor Click to edit Master text styles

simplificada A vida do professor Click to edit Master text styles A vida do professor simplificada O Windows 7 torna a experiência tecnológica de um professor mais fácil. A utilização do seu computador é mais visual e intuitiva, para que as suas tarefas diárias sejam

Leia mais

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO DOMINE A 110% ACCESS 2010 A VISTA BACKSTAGE Assim que é activado o Access, é visualizado o ecrã principal de acesso na nova vista Backstage. Após aceder ao Access 2010, no canto superior esquerdo do Friso,

Leia mais

Microsoft Office Word 2007

Microsoft Office Word 2007 Microsoft Office Word 2007 Criando ou editando um documento no MS-Word 1 O Microsoft Word É o processador de textos mais conhecido e utilizado do mundo. A nova interface é agradável, com comandos e funções

Leia mais

INSTALAÇÕES DO EDIFÍCIO (Solar térmica) Manual do Utilizador

INSTALAÇÕES DO EDIFÍCIO (Solar térmica) Manual do Utilizador 2 IMPORTANTE: ESTE TEXTO REQUER A SUA ATENÇÃO E A SUA LEITURA A informação contida neste documento é propriedade da Ingenieros, S.A. e nenhuma parte dela pode ser reproduzida ou transferida sob nenhum

Leia mais

Armazéns automáticos para caixas

Armazéns automáticos para caixas Armazéns automáticos para caixas ARMAZÉNS AUTOMÁTICOS PARA CAIXAS É o sistema óptimo de manipulação de caixas para picking, seguindo o conceito de produto ao Homem. O armazém automático para caixas Miniload

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos

Gestão do armazém: organização do espaço, artigos, documentos 1 1 2 A gestão do armazém está directamente relacionada com o processo de transferência de produtos para os clientes finais, e têm em conta aspectos como a mão-de-obra, o espaço, as condições do armazém

Leia mais

3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1)

3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) 3. PLANEAMENTO DA PRODUÇÃO (NÍVEL 1) Neste ponto, são abordados os módulos de planeamento da produção do software BaaN. Este software dispõe dos seguintes três módulos complementares de planeamento: MPS

Leia mais

Migrar para o Excel 2010

Migrar para o Excel 2010 Neste Guia Microsoft O aspecto do Microsoft Excel 2010 é muito diferente do Excel 2003, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as partes

Leia mais

PORTUGUÊS. Mesa Digitalizadora. Manual do Utilizador. Windows 2000 / XP / Vista

PORTUGUÊS. Mesa Digitalizadora. Manual do Utilizador. Windows 2000 / XP / Vista Mesa Digitalizadora Manual do Utilizador Windows 2000 / XP / Vista 1 I. Informação Geral 1. Visão Geral Bem-vindo ao mundo das canetas digitais! Irá descobrir que é muito fácil controlar o seu computador

Leia mais

Programa de cálculo / Daisa Ver 5.0

Programa de cálculo / Daisa Ver 5.0 Programa de cálculo / Daisa Ver 5.0 Software desenvolvido para criar projectos de iluminação de emergência com grande precisão. Optimiza o custo dos projectos e cumpre com total segurança as normativas

Leia mais

HeadMouse. Grupo de Investigação em Robótica. Universidade de Lérida

HeadMouse. Grupo de Investigação em Robótica. Universidade de Lérida HeadMouse Grupo de Investigação em Robótica Universidade de Lérida Manual de utilização e perguntas frequentes O que é o HeadMouse? O HeadMouse é um programa gratuito desenhado para substituir o rato convencional.

Leia mais

Implementação/Regras do Integrador ENOGESTÃO / ERP

Implementação/Regras do Integrador ENOGESTÃO / ERP Implementação/Regras do Integrador ENOGESTÃO / ERP O objectivo central desta sincronização é a utilização por parte dos clientes das funcionalidades gerais dos seus ERP s, tal como: gestão documental,

Leia mais

gettyimages.pt Guia do site área de Film

gettyimages.pt Guia do site área de Film gettyimages.pt Guia do site área de Film Bem-vindo à área de Film do novo site gettyimages.pt. Decidimos compilar este guia, para o ajudar a tirar o máximo partido da área de Film, agora diferente e melhorada.

Leia mais

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes

1. Lançamento em Contas Bancárias Liquidação de Clientes Título: MÓDULO DE GESTÃO DE BANCOS & CONTROLO LETRAS Pag.: 1 Módulo Gestão Contas Bancárias O módulo Gestão de Contas Bancárias, tem como principal objectivo, permitir ao utilizador saber num exacto momento,

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR

SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR Leaseplan Portugal Bertrand Gossieaux SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR Page2 INDICE 1. LOGIN, ESTRUTURA E SAÍDA DO SIM... 3 a) Login... 3 b) Estrutura principal... 4 c) Saída da

Leia mais

Os elementos básicos do Word

Os elementos básicos do Word Os elementos básicos do Word 1 Barra de Menus: Permite aceder aos diferentes menus. Barra de ferramentas-padrão As ferramentas de acesso a Ficheiros: Ficheiro novo, Abertura de um documento existente e

Leia mais

PHC Logística CS. ππ Redução de custos operacionais ππ Inventariação mais correcta e fiável ππ Optimização do tempo

PHC Logística CS. ππ Redução de custos operacionais ππ Inventariação mais correcta e fiável ππ Optimização do tempo PHCLogística CS DESCRITIVO O módulo PHC Logística permite fazer o tracking total de uma mercadoria: desde a sua recepção, passando pelo seu armazenamento, até à expedição. PHC Logística CS A solução para

Leia mais

CADEX. Consultoria em Logística Interna. Layout de armazém. Objectivos. Popularidade. Semelhança. Tamanho. Características

CADEX. Consultoria em Logística Interna. Layout de armazém. Objectivos. Popularidade. Semelhança. Tamanho. Características CADEX Consultoria em Logística Interna Layout de armazém fonte: Wikipédia O layout de armazém é a forma como as áreas de armazenagem de um armazém estão organizadas, de forma a utilizar todo o espaço existente

Leia mais

EXCEL TABELAS DINÂMICAS

EXCEL TABELAS DINÂMICAS Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL TABELAS DINÂMICAS (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina Wanzeller

Leia mais

O Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: José Pires

O Manual do Remote Desktop Connection. Brad Hards Urs Wolfer Tradução: José Pires O Manual do Remote Desktop Connection Brad Hards Urs Wolfer Tradução: José Pires 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Remote Frame Buffer 6 3 Usar o Remote Desktop Connection 7 3.1 Ligar o Remote

Leia mais

Projecto eb.pos em Java

Projecto eb.pos em Java Projecto eb.pos em Java Introdução O presente documento apresenta de forma sucinta os principais processos de negócio e funcionalidades permitidos pelo sistema eb.pos da Eugénio Branco. Ao descrever o

Leia mais

GeoMafra SIG Municipal

GeoMafra SIG Municipal GeoMafra SIG Municipal Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar a

Leia mais

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica

Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Projeto solidário para o ensino de Informática Básica Parte 2 Sistema Operacional MS-Windows XP Créditos de desenvolvimento deste material: Revisão: Prof. MSc. Wagner Siqueira Cavalcante Um Sistema Operacional

Leia mais

Ano lectivo 2012-13. Ana Maria Sotomayor 1

Ano lectivo 2012-13. Ana Maria Sotomayor 1 5. GESTÃO DE APROVISIONAMENTOS 5.3. Gestão de stocks A gestão de stocks integra três ópticas distintas: Gestão material de stocks Preocupa-se com a definição dos critérios de arrumação dos materiais em

Leia mais

MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS. Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira

MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS. Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira - Access - Programa de base de dados relacional funciona em Windows Elementos de uma Base de Dados: Tabelas Consultas Formulários

Leia mais

UNIVERSIDADE DE AVEIRO

UNIVERSIDADE DE AVEIRO UNIVERSIDADE DE AVEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL MESTRADO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: GESTÃO DA INFORMAÇÃO CAPACIDADE DE RESPOSTA A SOLICITAÇÕES DO EXTERIOR - DIÁLOGO

Leia mais

Guia Rápido. Versão 9.0. Mover a perícia - não as pessoas

Guia Rápido. Versão 9.0. Mover a perícia - não as pessoas Guia Rápido Versão 9.0 Mover a perícia - não as pessoas Copyright 2006 Danware Data A/S. Partes utilizadas sob licença de terceiros. Todos os direitos reservados. Revisão do documento: 2006080 Por favor,

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão Profissional Certificado

Sistema Integrado de Gestão Profissional Certificado elabora Gestão é um sistema integrado de gestão por incluir no mesmo programa controlo de contas correntes de clientes, fornecedores, controlo de stocks e armazéns. Aplicação 32 Bits para ambiente Windows

Leia mais

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL. Programação Linear. Exercícios

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL. Programação Linear. Exercícios INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL Programação Linear Exercícios Cap. I Modelo de PL - Formalização António Carlos Morais da Silva Professor de I.O. i Recomendações 1. É possível aprender a matéria fazendo apenas

Leia mais

O Simulador Lógico Logisim

O Simulador Lógico Logisim O Simulador Lógico Logisim Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Departamento de Engenharia Informática Instituto Superior Técnico Lisboa, Julho de 2014 Índice 1 Introdução... 3 2...

Leia mais

M323 AUTOMAÇÃO TRABALHO LABORATORIAL Nº 7

M323 AUTOMAÇÃO TRABALHO LABORATORIAL Nº 7 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M323 AUTOMAÇÃO TRABALHO LABORATORIAL Nº 7 INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO DE AUTÓMATOS INDUSTRIAIS Por: Prof. Luis Filipe Baptista

Leia mais

Subunidade 6: publicação

Subunidade 6: publicação Disciplina de Aplicações Informáticas B Subunidade 6: publicação Professor: Miguel Candeias Aluno: Francisco Cubal, nº11 12ºA Ano lectivo 2010/2011 1. Divulgação de vídeos e som via rede 1.1. A Internet

Leia mais

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de código de barras e separação de documentos

Fluxo de trabalho do Capture Pro Software: Indexação de código de barras e separação de documentos Este procedimento corresponde ao fluxo de trabalho de Indexação de código de barras e de separação de documentos no programa de treinamento do Capture Pro Software. As etapas do procedimento encontram-se

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS. Módulo x. (Aula Prática) GPSURVEY. Processamento de Bases GPS.

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS. Módulo x. (Aula Prática) GPSURVEY. Processamento de Bases GPS. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS Módulo x (Aula Prática) GPSURVEY Processamento de Bases GPS (Carlos Antunes) INTRODUÇÃO O GPSurvey é o mais recente programa de processamento

Leia mais

Prof. Sandrina Correia

Prof. Sandrina Correia Tecnologias de I informação de C omunicação 9º ANO Prof. Sandrina Correia TIC Prof. Sandrina Correia 1 Objectivos Definir os conceitos de Hardware e Software Identificar os elementos que compõem um computador

Leia mais

Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais. Recomendação 1/99

Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais. Recomendação 1/99 5093/98/PT/final WP 17 Grupo de trabalho sobre a protecção das pessoas singulares no que diz respeito ao tratamento de dados pessoais Recomendação 1/99 sobre o tratamento invisível e automatizado de dados

Leia mais

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS. Módulo x. (Aula Prática) Reliance - Ashtech. Suas Aplicações Em SIG.

Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS. Módulo x. (Aula Prática) Reliance - Ashtech. Suas Aplicações Em SIG. Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa CURSO DE GPS Módulo x (Aula Prática) Reliance - Ashtech e Suas Aplicações Em SIG (Carlos Antunes) INTODUÇÃO O Sistema Reliance baseia-se na utilização do

Leia mais

Mapas. Visualização de informação geográfica; Consulta e edição (mediante permissões) de informação geográfica;

Mapas. Visualização de informação geográfica; Consulta e edição (mediante permissões) de informação geográfica; Mapas Destinado especialmente aos Utilizadores do GEOPORTAL, nele são descritas e explicadas as diferentes funcionalidades existentes no FrontOffice (GEOPORTAL). O GEOPORTAL é baseado em tecnologia Web,

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem

LOGÍSTICA. Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem LOGÍSTICA Capítulo - 9 Movimentação de Materiais, Automatização e Questões Relacionadas com Embalagem Objectivos do Capítulo Mostrar de uma maneira geral os principais tipos de sistemas de movimentação,

Leia mais

Procedimentos Fim de Ano - PRIMAVERA

Procedimentos Fim de Ano - PRIMAVERA Procedimentos Fim de Ano - PRIMAVERA A finalidade deste documento é, essencialmente, clarificar os procedimentos a considerar antes da abertura de ano e a forma como realizar esta operação. O manual está

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES

INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES INSTALAÇÃO e MANUTENÇÃO de MICRO COMPUTADORES 2010/2011 1 Equipamentos informáticos Hardware e Software Hardware refere-se aos dispositivos físicos (electrónicos, mecânicos e electromecânicos) que constituem

Leia mais

Gestão de Armazéns Gestão de Fabrico Gestão de Bobines Registo de Chegadas Sistema para Agentes

Gestão de Armazéns Gestão de Fabrico Gestão de Bobines Registo de Chegadas Sistema para Agentes Laserdata, Lda. Especificidades Para além dos módulos tradicionais num sistema de gestão (Facturação, Stocks, Contas a Receber e Contas a Pagar, Gestão de Encomendas, Orçamentos, etc.), o Lasernet 2000

Leia mais

1. Ambiente de Trabalho

1. Ambiente de Trabalho 1 Ambiente de Trabalho 1. Ambiente de Trabalho Ao nível do ambiente de trabalho, depois de o Excel 2007 ter introduzido novos componentes (e.g., Botão Office e Friso) e eliminado alguns dos componentes

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) http://curriculum.degois.pt Março de 2012 Versão 1.5 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador

Leia mais

Formação Microsoft Excel Nível Intermédio

Formação Microsoft Excel Nível Intermédio Formação Microsoft Excel Nível Intermédio António Araújo Silva - 2010 INTRODUÇÃO O presente documento procura efectuar a Planificação de uma acção de formação a decorrer nas instalações da Escola EBI de

Leia mais

Microsoft Windows. Aspectos gerais

Microsoft Windows. Aspectos gerais Aspectos gerais É um sistema operativo desenvolvido pela Microsoft Foi desenhado de modo a ser fundamentalmente utilizado em computadores pessoais Veio substituir o sistema operativo MS-DOS e as anteriores

Leia mais

PROGRAMAÇÃO LINEAR. Resolução de problemas de programação linear usando o comando Solver, no Excel.

PROGRAMAÇÃO LINEAR. Resolução de problemas de programação linear usando o comando Solver, no Excel. PROGRAMAÇÃO LINEAR Resolução de problemas de programação linear usando o comando Solver, no Excel. Para além da resolução pelo método gráfico e/ou outros métodos, é possível resolver um problema de PL

Leia mais

Guia de funcionamento do projector em rede

Guia de funcionamento do projector em rede Guia de funcionamento do projector em rede Tabela de conteúdos Preparação...3 Ligar o projector ao seu computador...3 Ligação sem fios (para alguns modelos)... 3 QPresenter...5 Requisitos mínimos do sistema...5

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

Nero ImageDrive Manual

Nero ImageDrive Manual Nero ImageDrive Manual Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual do Nero ImageDrive e todo o respectivo conteúdo estão protegidos por direitos de autor e são propriedade da Nero AG.

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Sketch2Photo

Leia mais

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas)

Módulo 1 Microsoft Word 2007 ( 4 Horas) No final deste módulo o formando deverá estar apto a: Enunciar a definição do Microsoft Word 2007; Reconhecer as principais vantagens da utilização; Distinguir as diferentes áreas do ambiente de trabalho

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

Adenda ao Guia de Consulta Rápida ZoomText 10.1

Adenda ao Guia de Consulta Rápida ZoomText 10.1 Adenda ao Guia de Consulta Rápida ZoomText 10.1 Esta adenda ao Guia de Consulta Rápida ZoomText 10 abrange novas funcionalidades e outras alterações específicas ao ZoomText 10.1. Para obter instruções

Leia mais

1. Introdução. 2. A área de trabalho

1. Introdução. 2. A área de trabalho Curso Criiar web siites com o Dreamweaver Parrttee II 1. Introdução O Macromedia DreamWeaver é um editor de HTML profissional para desenhar, codificar e desenvolver sites, páginas e aplicativos para a

Leia mais

HeadMouse. Grupo de Investigação em Robótica. Universidade de Lérida

HeadMouse. Grupo de Investigação em Robótica. Universidade de Lérida HeadMouse Grupo de Investigação em Robótica Universidade de Lérida Manual de utilização e perguntas frequentes O que é o HeadMouse? O HeadMouse é um programa gratuito desenhado para substituir o mouse

Leia mais

Block Plus sistema convencional

Block Plus sistema convencional SOLUÇÕES DE ARMAZENAGEM Block Plus sistema convencional Block Plus sistema convencional estantes convencionais Trata-se do sistema de armazenagem mais comum e generalizado, adequado para armazenagem dedicada

Leia mais

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém

PHC Logística CS. A gestão total da logística de armazém PHC Logística CS A gestão total da logística de armazém A solução para diminuir os custos de armazém, melhorar o aprovisionamento, racionalizar o espaço físico e automatizar o processo de expedição. BUSINESS

Leia mais

Manual do utilizador. Aplicação de agente

Manual do utilizador. Aplicação de agente Manual do utilizador Aplicação de agente Versão 8.0 - Otubro 2010 Aviso legal: A Alcatel, a Lucent, a Alcatel-Lucent e o logótipo Alcatel-Lucent são marcas comerciais da Alcatel-Lucent. Todas as outras

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Informática para Administração Introdução ao Excel

Professor: Macêdo Firmino Informática para Administração Introdução ao Excel Professor: Macêdo Firmino Informática para Administração Introdução ao Excel Excel é um programa de planilhas do sistema Microsoft Office. Você pode usar o Excel para criar e formatar pastas de trabalho

Leia mais

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011 Manual Profissional BackOffice Mapa de Mesas v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar ZSRest Backoffice... 3 4. Confirmar desenho de mesas... 4 b) Activar mapa de mesas... 4 c) Zonas... 4 5. Desenhar

Leia mais

Guia Rápido do TVR 12

Guia Rápido do TVR 12 Guia Rápido do TVR 12 Figura 1: Ligações do painel traseiro 1. "Loop through" para um máximo de 16 câmaras analógicas (consoante o modelo de DVR). 2. Ligar a um dispositivo RS-232. 3. Ligar até quatro

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais

VirtualKeyboard. Grupo de Investigação em Robótica. Universidade de Lérida

VirtualKeyboard. Grupo de Investigação em Robótica. Universidade de Lérida VirtualKeyboard Grupo de Investigação em Robótica Universidade de Lérida Manual de utilização e perguntas frequentes O que é o VirtualKeyboard? O VirtualKeyboard é um programa gratuito que simula um teclado

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS SALAS DE INFORMÁTICA

UTILIZAÇÃO DAS SALAS DE INFORMÁTICA INSTRUÇÕES PARA A UTILIZAÇÃO DAS SALAS DE INFORMÁTICA Professora Rita Cristina Colégio Liceal de Santa Maria de Lamas 2010-2011 1. Sistema Operativo O sistema operativo de todos os computadores das salas

Leia mais

Software de Gestão Central GEONAUT

Software de Gestão Central GEONAUT Software de Gestão Central GEONAUT Acesso em tempo real na Web A autentificação do utilizador (user e password) conduz a uma interface personalizada, onde a disposição das funcionalidades e informação,

Leia mais

Modos de entrada/saída

Modos de entrada/saída Arquitectura de Computadores II Engenharia Informática (11545) Tecnologias e Sistemas de Informação (6621) Modos de entrada/saída Fonte: Arquitectura de Computadores, José Delgado, IST, 2004 Nuno Pombo

Leia mais

Guia Passo a Passo de Actualização do Windows 8.1

Guia Passo a Passo de Actualização do Windows 8.1 Guia Passo a Passo de Actualização do Windows 8.1 Instalação e Actualização do Windows 8.1 Actualizar o BIOS, aplicações, controladores e executar o Windows Update Seleccionar o tipo de instalação Instalar

Leia mais

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT

Ferramentas Web, Web 2.0 e Software Livre em EVT E s t u d o s o b r e a i n t e g r a ç ã o d e f e r r a m e n t a s d i g i t a i s n o c u r r í c u l o d a d i s c i p l i n a d e E d u c a ç ã o V i s u a l e T e c n o l ó g i c a Doctor Who M

Leia mais

Universidade do Minho Licenciatura em Engenharia Informática

Universidade do Minho Licenciatura em Engenharia Informática Universidade do Minho Licenciatura em Engenharia Informática Disciplina de Desenvolvimento de Sistemas de Software Trabalho Prático Fase 1 Ano Lectivo de 2009/10 GereComSaber Grupo 15 Cláudio Manuel Rigueiro

Leia mais

1.4.4 Configurar serviços de armazenamento

1.4.4 Configurar serviços de armazenamento 1.4.4 Configurar serviços de armazenamento Esta versão do Office permite guardar os documentos na nuvem do OneDrive, de modo que possa posteriormente aceder aos seus conteúdos a partir de qualquer dispositivo

Leia mais

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático Neste capítulo, será feita a demonstração da aplicação do modelo num programa de cálculo automático, desenvolvido em linguagem de programação

Leia mais

etrex 10 manual de início rápido

etrex 10 manual de início rápido etrex 10 manual de início rápido Como começar aviso Consulte o guia Informações Importantes de Segurança e do Produto na embalagem do produto para ler os avisos relativos ao mesmo e outras informações

Leia mais

João Manuel R. S. Tavares. Computador

João Manuel R. S. Tavares. Computador João Manuel R. S. Tavares CFAC Concepção e Fabrico Assistidos por Computador Bibliografia Material disponível no AfraLisp.net em http://www.afralisp.net Programação em AutoCAD, Curso Completo Fernando

Leia mais

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard

TABELA 3.1 Requisitos do Windows Server 2008 Standard 3 3INSTALAÇÃO DE UM SERVIDOR 2008 Feita a apresentação das funcionalidades do Windows Server 2008, eis que chega a hora mais desejada: a da implementação do nosso servidor. No entanto não é de todo recomendável

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa.

Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa. Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa Sistemas Digitais Introdução ao Ambiente de Projecto da Xilinx Paulo Lopes, Horácio

Leia mais

Apontamentos do livro de AI Linux. 1.5 Modo texto e modo gráfico

Apontamentos do livro de AI Linux. 1.5 Modo texto e modo gráfico Apontamentos do livro de AI Linux 1.5 Modo texto e modo gráfico 1 Modo texto e modo gráfico O sistema operativo Linux possui duas formas de acesso: modo texto e modo gráfico No modo gráfico, o utilizador

Leia mais

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida Ministério Público Ministério Público Guia de Consulta Rápida Versão 3 (Outubro de 2009) - 1 - ÍNDICE 1. ACEDER AO CITIUS MINISTÉRIO PÚBLICO... 4 2. BARRA DE TAREFAS:... 4 3. CONFIGURAR O PERFIL DO UTILIZADOR...

Leia mais

1. Descrição do Produto

1. Descrição do Produto 1. Descrição do Produto Os repetidores óticos FOCOS/PROFIBUS AL-2431 e AL-2432 destinam-se a interligação de quaisquer dispositivos PROFIBUS, assegurando altíssima imunidade a ruídos através do uso de

Leia mais

O Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Pedro Morais

O Manual do Desktop Sharing. Brad Hards Tradução: Pedro Morais Brad Hards Tradução: Pedro Morais 2 Conteúdo 1 Introdução 5 2 O protocolo do Remote Frame Buffer 6 3 Utilizar o Desktop Sharing 7 3.1 Gerir convites do Desktop Sharing............................ 9 3.2

Leia mais