SISTEMA MULTIAGENTE BASEADO EM CASOS DE APOIO À GERÊNCIA DE PROJETOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA MULTIAGENTE BASEADO EM CASOS DE APOIO À GERÊNCIA DE PROJETOS"

Transcrição

1 SISTEMA MULTIAGENTE BASEADO EM CASOS DE APOIO À GERÊNCIA DE PROJETOS Régis Gabineski Fabiana Lorenzi Abstract. The aim of the present article is to describe the benefits of a multiagent system based in cases focused in project management. Through RBC, the proposed system control the project resource allocation and the activities to be developed, in a dynamic and interactive way. Resumo. O principal objetivo deste artigo é descrever os benefícios de um sistema multiagente baseado em casos, focado na gerência de projetos. Através de Raciocínio Baseado em Casos, o sistema proposto controla a alocação de recursos do projeto e as atividades a serem realizadas, de forma dinâmica e interativa. Palavras-chave: Sistema baseado em casos; Sistema Multiagente; Gerenciamento de projetos. 1. Introdução Com a crescente demanda por processos dentro das organizações, fez-se necessário a criação de boas práticas para a condução de projetos. Com base em normas internacionais, ou mesmo, na experiência da organização, os processos são documentados e divulgados entre os colaboradores e especialistas. O PMBoK 2004 afirma que "projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo". As ferramentas existentes no mercado auxiliam na condução de projetos, dando visibilidade de custos, tempo e cronograma. No entanto, cabe à equipe do projeto aderir ao conjunto de processos da organização e, ao gestor do projeto, ter o cuidado ao definir atividades para sua equipe. Aderir ao conjunto de processos requer treinamento, habilidade e conhecimento.

2 2 Uma das tarefas do gestor é alocar atividades aos recursos do projeto sem exceder às horas diárias, cumprindo as leis trabalhistas. Tratando-se de um projeto com centenas de atividades, o gestor precisa cuidar calendários, férias, recursos compartilhados, referências entre atividades antecessores e predecessores. As habilidades de gestão podem não prevalecer em situações esporádicas como múltiplos projetos a serem gerenciados, momentos cansaço, rotina de trabalho intensa, esquecimento e descuido. Não exceder às horas diárias ou não sobrecarregar a equipe com atividades além do permitido, são desafios constantes. Os desafios existem também no âmbito de processos da gerência de projetos, onde o conjunto de regras e boas práticas pré-estabelecidas define o caminho para a confecção de artefatos. O cumprimento dessas normas torna-se trabalhoso e, por vezes, não são cumpridas no projeto. Através do desenvolvimento de um ambiente multiagente baseado em casos, focado na gerência de projetos, os problemas de aderência aos processos da organização e de definição de um elevado número de tarefas para um recurso podem ser minimizados. Os processos da organização e as regras de negócio referentes ao número de atividades de cada recurso serão mapeados como Casos e consultados pelos agentes conforme for o andamento do projeto. É possível ter as Entradas e Saídas do PMBoK mapeados como Casos. Com o foco em instruir, os agentes estarão presentes na tela do computador de forma amigável e dinâmica, interagindo com o gestor para que possa conduzi-lo na tomada de decisões, auxiliando-o a cumprir as práticas mapeadas como casos. 2. Referencial Teórico O ambiente multiagente visa identificar pontos a serem melhorados nos atuais softwares de gerenciamento de projetos do mercado. Soluções licenciadas como o Microsoft Office Enterprise Project Management (EPM) e Primavera Project Planner (P3), desempenham muito bem as atividades no âmbito de controle de projetos. Dentre as ferramentas de livre distribuição, destaca-se o dotproject. Para a elaboração desse estudo, foram implantados projetos corporativos utilizando-se duas ferramentas: Microsoft Project, tanto na versão Windows quanto WEB, e dotproject, exclusivamente versão WEB.

3 3 O fator motivador para a criação de uma solução, baseada em sistemas multiagentes, está relacionado à ausência de interação dinâmica entre as ferramentas analisadas e o usuário final. Nas soluções existentes falta a notificação instantânea das decisões a serem tomadas, o que acarreta em retrabalho, revisão e não conformidades. 2.1 Sistema Multiagente Sistemas Multiagente (SMA) são sistemas compostos por múltiplos elementos computacionais interativos denominados agentes. Agentes são entidades computacionais com duas habilidades fundamentais: (1) de decidir por si próprios o que devem fazer para satisfazer seus objetivos de projeto e (2) interagir com outros agentes de forma social (...). (Wooldridge, 2002). A utilização de um sistema multiagente baseado em RBC com interface WEB, coloca o trabalho proposto no estado da arte da gestão de projetos. Através da autenticação do usuário, instruções e avisos personalizados são enviados pelos agentes. Os agentes, com aspecto visual dinâmico, reagem com as ações dos usuários autenticados no sistema. Com instruções pré-definidas e consulta aos casos do projeto inseridos no banco de dados, os agentes auxiliam na tomada de decisão de forma clara, dinâmica, enviando instruções escritas e de voz. O sistema multiagente deste trabalho propõe a utilização de dois agentes que consultam uma base de casos específica. Cada projeto possui sua própria base de casos. Confrontando com as atuais soluções disponíveis no mercado, o sistema proposto apresenta uma sinergia com o usuário de tal forma que decisões são tomadas no momento em que as não conformidades surgem, não havendo necessidade de aguardar a emissão de relatórios ou futura revisão. As bases de casos representam as melhores práticas de um determinado projeto, caminhos por onde a equipe deve passar para concluí-lo com sucesso. As bases de casos podem ser reaproveitadas de projeto para projeto, fato que está relacionado com a natureza ou similaridades encontradas. Agentes com funções específicas monitoram o banco de casos e, quando houver necessidade, indicam a decisão a ser tomada. Erros como estouro de horas ou não aderência ao ciclo de processos organizacionais podem ser minimizados. Podem, porque a decisão final ainda é humana.

4 4 2.2 Raciocínio Baseado em Casos A técnica de Lições Aprendidas, usada em gerenciamento de projetos, consiste na utilização da experiência de projetos anteriores para que possa se repetir o bom rendimento ou evitar problemas ocorridos. Aproveitar conhecimento adquirido em situações passadas é algo feito constantemente. Raciocínio Baseado em Casos (RBC), modelo baseado no aprendizado humano, é uma abordagem da Inteligência Artificial que pode ser vista de duas maneiras: uma metodologia para modelar o raciocínio e o pensamento humano ou uma metodologia para construir sistemas computacionais inteligentes. O paradigma do RBC busca sistematizar o emprego do aprendizado de experiências do passado para a solução de problemas atuais (KOLODNER, 1993). As situações bem sucedidas de projetos anteriores são inseridas no banco de casos para que sejam reaproveitadas, bem como as Lições Aprendidas. O sucesso do projeto devese ao reaproveitamento de casos e a habilidade da equipe. Sem o banco de casos e o sistema multiagente, o reaproveitamento é feito através de dezenas de documentos, de forma descentralizada. 3. Projeto do Sistema O projeto tem por objetivo apresentar um ambiente multiagente de apoio à gestão de projetos. Apresenta ainda idéias e serviços desenvolvidos que podem agregar valor às atuais ferramentas de gerência de projetos disponíveis no mercado. 3.1 Ambiente Multiagente A idéia de Sistema Multiagente resulta da incorporação de vários agentes para resolver um problema de complexa resolução. Da interação entre os vários elementos resultam as principais características de um sistema multiagente: Um agente não pode resolver o problema: por falta de informação ou capacidade, um único elemento não consegue isoladamente resolver o problema. A informação está distribuída: mais um fator de confiabilidade de um sistema multiagente. Ao distribuir e replicar a informação por vários agentes diminui-se a probabilidade de perca de informação.

5 5 A computação é assíncrona: o fato da computação poder estar fisicamente distribuída por vários nós aumenta a capacidade de processamento de informação, tendo, no entanto, acrescidas necessidades de sincronização entre agentes no momento da comunicação. Auto-organização: a inexistência de um sistema centralizado de controle exige que cada agente se auto-organize com vista ao cumprimento do seu papel no sistema. Cada agente deve reagir e adaptar-se de forma autônoma às alterações do ambiente. Competição e cooperação: são formas usuais de relacionamento entre agentes integrantes do mesmo sistema. Processos de competição e cooperação podem conduzir mais facilmente à obtenção do objetivo comum. Neste trabalho, foram desenvolvidos dois agentes diferentes: Agente AGP (Apoio à Gerência de Projetos), apresentado pela Figura 1. Figura 1. Representação do agente AGP O agente AGP tem como objetivo notificar o usuário autenticado no sistema sobre todas as atividades que devem ser concluídas. Através da pesquisa binária na árvore de Processos, o agente busca por atividades pendentes informando-as ao usuário. Agente ADA (Apoio à Definição de Atividades), representado pela Figura 2. Figura 2. Representação do agente ADA O agente ADA tem como objetivo notificar o usuário autenticado no sistema sempre que ocorrer a super alocação de atividades aos de recursos do projeto. No momento em

6 6 que o usuário tentar alocar mais tarefas além do permitido, como regra de negócio, o agente ADA envia notificações com o número das atividades que excederam. A Figura 3 representa o ambiente multiagente. Os agentes AGP e ADA atuam no mesmo sistema com objetivos diferentes. Figura 3. Ambiente multiagente. Agentes com objetivos diferentes Através da Figura 3 é possível visualizar que os agentes trabalham de forma independente, diferenciando-se pelas funcionalidades que exercem. Caso o usuário autenticado no sistema não tenha perfil de gerente de projetos, ou seja, não tenha direitos de alocar tarefas, o agente ADA não será exibido. Tendo em vista que todos os recursos do projeto possuem atividades a serem desempenhadas, o agente AGP sempre estará disponível notificando de pendências a serem realizadas. Esse trabalho propõe a utilização de Agentes em um sistema WEB, conforme exemplificado na Figura 4.

7 7 Figura 4. Agentes com objetivos diferentes, no mesmo ambiente A Figura 4 representa os objetivos dos agentes. O agente ADA informa que o usuário do sistema está com atividades além do permitido. O agente AGP, informa que o usuário do sistema possui atividades pendentes. A Figura 4 tem como objetivo demonstrar a utilização de agentes sendo executados ao mesmo tempo, no entanto, como possuem objetivos diferentes, apenas um agente terá a iteração com o usuário do sistema. 3.2 Raciocínio baseado em casos O Raciocínio Baseado em Casos é uma técnica de resolução de problemas na qual soluções de problemas antigos ou conhecidos (os casos armazenados) são utilizadas na solução de novos problemas [KOLODNER, 1993]. Um caso é uma representação de um problema da vida real. Dependendo do sistema, os casos modelados podem ter diferentes características Aquisição de conhecimento Segundo FERNANDES (apud BUTA, 1997), um caso é uma abstração de uma experiência, que deve estar descrita em termos de conteúdo e contexto. Estas experiências precisam estar organizadas em unidades bem definidas, formando a base de raciocínio ou memória de casos. Os casos representam o próprio conhecimento presente no sistema.

8 8 Dentre as várias técnicas existentes para a aquisição do conhecimento (MOTODA, 1991) foi escolhida a entrevista estruturada para o desenvolvimento desse estudo. Dentre as questões respondidas pelo profissional da área de gerência de projetos, foi feito um estudo nas fases e artefatos do Guia PMBoK (terceira edição publicada pelo Project Management Institute - PMI) e nas fases seqüenciais definidas RUP (Rational Unified Process) A Representação de casos Um caso é um pedaço contextualizado de conhecimento representando uma experiência real (KOLODNER, 1993). Para esse estudo, a representação dos casos foi diferenciada conforme a implementação de cada agente. Para a implementação do agente AGP, um caso representa um artefato, elemento, atividade ou iteração de um projeto. Possuem em comum um processo pré-definido, pois estão contidos no mesmo ciclo de vida de desenvolvimento de um software. Os componentes de um caso são: Artefatos: representam os entregáveis (deliverables) do projeto. São documentos de entrada e de saída para os elementos; Elementos: representam a seqüência de passos a serem seguidas para construir um artefato; Atividades: representam tarefas a serem feitas no decorrer do projeto; Iterações: representam as fases do projeto em que se encontram o conjunto de atividades, elementos e artefatos. O processo de representação de casos deste sistema utilizou como base o PMBoK e o RUP, além da participação do especialista. Para o melhor entendimento do trabalho proposto, a Figura 5 apresenta a diagramação em árvore de como seria o mapeamento e exibição de casos no ambiente de gerenciamento de projetos. Um Projeto possui Atividades, que por sua vez contém Elementos, segmentando-se em artefatos de Entrada e Saída.

9 9 Figura 5. Representação de um caso estrutura em árvore Para a implementação do agente ADA, um caso é toda a Atividade do projeto que precisa ser associada a algum recurso (equipe do projeto). A Figura 6 representa, no sistema, a estrutura de Atividades, com Entradas, Saídas e Recursos. Figura 6. Representação de um Caso - Atividade com Entrada, Saída e Recurso A Figura 6 representa três Atividades: Abrir Projeto, Definir Arquitetura e Estimar Projeto. Cada uma das Atividades possui Entradas e Saídas, representadas pelas imagens com as letras [E] e [S] respectivamente. Para a Figura 6, temos disponíveis

10 10 apenas dois recursos: Fabiana e Régis. Cada Entrada ou Saída pode ter apenas um recurso associado, o que representa a pessoa responsável pela a entrega de determinado artefato Geração da base de casos Um caso representa o mapeamento dos processos de gerência de projetos. Para esse trabalho, foram mapeados 39 casos, conforme o modelo exemplificado na Tabela 1. TABELA 1. Representação da base de casos Caso Iteração Atividade Elemento Entrada Saída 1 Iniciação Abrir Projeto Formalizar Início do Projeto Documentos de Entrada na Fábrica Checklist do Projeto 2 Iniciação Abrir Projeto Formalizar Início do Projeto - Ficha de Projeto 3 Iniciação Abrir Projeto Divulgar Lições Aprendidas Ficha de Projeto Lições Aprendidas 4 Iniciação Abrir Projeto Divulgar Lições Aprendidas Base de Conhecimento - Apesar da Tabela 1 mostrar apenas os quatro primeiros registros da base de casos, é possível conduzir um projeto com 200 casos mapeados, segmentados entre dos diversos itens de gestão. A quantidade de itens mapeados na base de casos, está representada na Tabela 2. TABELA 2- Quantidade de itens da base de casos Itens Iteração Atividade Elemento Entrada Saída Quantidade Os casos foram criados a partir do mapeamento de Iterações, Atividades, Elementos, Entradas e Saídas, conforme a visão do especialista e os processos do PMBoK e RUP Recuperação de casos A recuperação de casos do agente AGP consiste na busca por tarefas ainda não concluídas. Esse trabalho propõe que apenas as Atividades não concluídas sejam notificadas aos usuários do sistema. Para as atividades concluídas, é exibida uma mensagem padrão. Para montar a estrutura de processos, utilizou-se o algoritmo de árvore de decisão. A Árvore de Decisão é utilizada para descobrir regras e relacionamentos partindo e subdividindo a informação contida nos dados (CHOU, 1991). Um objeto é classificado

11 11 seguindo o caminho da raiz da árvore até a folha de acordo com os valores de seus atributos. A árvore contém as decisões a serem tomadas, usadas para criar um plano para se alcançar um objetivo. Para se construir a árvore, algumas decisões tiveram que ser tomadas. Primeiramente houve a necessidade de decidir quais atributos dos processos seriam considerados mais importantes, os quais deveriam ser alocados em nodos próximos ao topo da árvore, enquanto que os menos relevantes são considerados nos nodos próximos às folhas. Depois, estudou-se o valor (limiar) a ser utilizado como teste em cada nodo. A árvore é montada de forma automática sempre que a estrutura de casos é exibida. Instruções SQL ligam campos de diferentes tabelas do banco de dados, onde os casos estão armazenados, para montar uma estrutura gráfica amigável, indicando nodos Pai, Filho e dependências. A Árvore de Decisão foi projetada para ser do tipo binária, ou seja, cada nó teria duas arestas: uma para quando o valor encontrado na base é concluído e o outro para pendente, representados pelos números 1 e 0, respectivamente. A Figura 7 exibe a solução criada utilizando-se a árvore binária para o mapeamento dos casos juntamente com o agente AGP, que é exibido ao usuário após a autenticação no sistema para informar quais atividades estão pendentes. Figura 7. Solução em árvore sem atividades pendentes

12 12 A Figura 7 exibe a notificação que o agente AGP exibe quando não encontra atividades pendentes: Você não possui atividades pendentes. A recuperação do agente ADA consiste na verificação do número de atividades designadas para um determinado recurso do projeto. Entende-se por recurso qualquer integrante da equipe do projeto. Qualquer alocação de atividade no sistema que exceda o número definido na regra de negócio, para um determinado recurso, uma mensagem será exibida na tela pelo agente ADA. Na Figura 8 é possível visualizar o alerta enviado ao usuário do sistema no momento em que o número de atividades definidas como regra de negócio é excedida. Figura 8. Alerta do agente ADA para o número excedido de atividades definidas A mensagem exibida na Figura 8 avisa o usuário que o número de atividades recomendadas para o recurso foi excedido: Você definiu 11 atividades para Fabiana e o recomendado é Implementação do sistema Os agentes AGP (Agente de Apoio à Gerência de Projetos) e ADA (Agente de Apoio à Definição de Atividades) foram desenvolvidos baseados em tecnologia Microsoft.

13 13 Para a codificação do aplicativo foi desenvolvido um framework, denominado D9 Framework. Esse conjunto de funções visa agrupar todas as funcionalidades necessárias para o correto funcionamento da solução proposta. O Framework foi codificado usando ASP (Active Server Pages), JavaScript, AJAX, HTML, CSS e PL/SQL. Possui banco de dados SQL Server 2000 e hospedada no Web Server IIS, em localhost. 4.1 Diagrama ER Foram utilizadas as técnicas de engenharia de software a fim de produzir uma modelagem consistente e de fácil adaptação a novos requisitos. Para a construção do banco de dados, responsável por armazenar os casos, utilizou-se a ferramenta Microsoft Visio Architect A modelagem pode ser conferida na Figura 9. Figura 9. Modelo ER A arquitetura proposta nesse trabalho incorpora a utilização de agentes, trazendo diversos benefícios com a sua utilização: Autonomia, Heterogeneidade, Abertura, Distribuição, Dinamismo, Robustez e Segurança.

14 Microsoft Agent Esse trabalho utiliza agentes da Microsoft (Microsoft Agents). Para que fosse possível criar os movimentos, foi utilizada a ferramenta MASH (Microsoft Agent Scripting Helper), experimental por 30 dias. 4.3 Validação do sistema O processo de validação visa montar árvore de processos e verificar se a finalização dos documentos de Entradas e Saídas irá concluir ou não as Atividades do projeto. O sistema deve concluir as Atividades automaticamente sempre que os documentos de Entrada e Saída filhos forem concluídos. Enquanto a Atividade não for concluída, o Agente de identificar a pendência e notificar o usuário. O sistema inicia com as imagens de entrada e saída não preenchidas, ou seja, não concluídas, conforme a Figura 10. Figura 10. Imagem de Saída não concluída Na medida em quem os documentos de Entrada e Saída são utilizados no projeto, o usuário indica que realizou a tarefa, conforme a Figura 11. Figura 11. Imagem de Saída concluída Ao carregar o projeto, todas as Atividades estarão representadas conforme a Figura 12, ou seja, não estarão concluídas. Figura 12. Imagem de Atividade não concluída Após os documentos filhos da Atividade ser concluídos, o sistema AAGP reconhece e altera a imagem, colocando um troféu como ícone, conforme a Figura 13. Figura 13. Imagem de Atividade concluída

15 A Figura 14 representa a notificação que o agente AGP faz após consultar a base de dados e encontrar uma atividade pendente. 15 Figura 14. Imagem de notificação de atividade pendente Caso todas as Atividades tenham sido concluídas, o agente informa que o usuário não possui pendências. Para a validação do sistema foram selecionados aleatoriamente Entradas e Saídas da base de casos do sistema. O sistema foi capaz de concluir Atividades quando os documentos Entrada e Saída filhos foram concluídos. Isto significa que os casos armazenados na base foram gerados em árvore corretamente e que o Agente de Apoio a Gerencia de Projetos é capaz de identificar a conclusão ou não de itens e notificá-los ao usuário. Para validar a execução do Agente de Apoio à Definição de Atividades, foram definidas atividades além do permitido. Os avisos enviados pelos agentes AGP e ADA corresponderam conforme a interação com as atividades e com as regras de negócio préestabelecidas. A aquisição de conhecimento, tarefa difícil e demorada na maioria dos sistemas inteligentes, foi agilizada neste trabalho, pois em sistemas de RBC, os casos são adquiridos do especialista ao invés de regras. Outra vantagem é a reutilização do conhecimento contido nas bases de dados dos projetos, visto que os documentos de Entrada e Saída de repetem ao longo do ciclo de vida do projeto. 5. Conclusão Com a realização deste trabalho foi possível avaliar os benefícios que a aplicação de um sistema RBC em um sistema multiagentes proporciona, além de uma valiosa experiência prática desta técnica.

16 16 Mesmo de forma abrangente, pode-se avaliar que a área de gestão de projetos pode ser beneficiada com o uso dessa técnica, trazendo muitas vantagens e gerando soluções com potencial qualidade. A validação do sistema com casos reais de teste geraram resultados satisfatórios na opinião do especialista, concluindo que os fabricantes de soluções para o gerenciamento de projetos podem agregar valor às atuais ferramentas disponíveis com a implementação de agentes inteligentes. De modo geral, conclui-se que a implementação de um sistema RBC para a gerência de projetos foi totalmente válida e produziu resultados satisfatórios, mas não excluiu a interação humana. Referências CHOU, P.A. Optimal partitioning for classification and regression trees. IEEE Transactions on Pattern Analysis and Machine Intelligence, FERNANDES, Anita Maria da Rocha. Inteligência Artificial Noções Gerais Florianópolis: Ed: Visual Books, MOTODA, H.; R. MIZOGUCHI et al. Knowledge acquisition for knowledge-based systems, KOLODNER, J. L. Case-Based. Reasoning. Morgan Kaufmann Pub, Inc PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE, A. Guide to the Project Management Body of Knowledge, 2004.

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos (ref. capítulos 1 a 3 PMBOK) TC045 Gerenciamento de Projetos Sergio Scheer - scheer@ufpr.br O que é Gerenciamento de Projetos? Aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas

Leia mais

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade

Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Como conduzir com sucesso um projeto de melhoria da qualidade Maria Luiza Guerra de Toledo Coordenar e conduzir um projeto de melhoria da qualidade, seja ele baseado no Seis Sigma, Lean, ou outra metodologia

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007 1 Inicie um novo Antes de começar um novo, uma organização deve determinar se ele se enquadra em suas metas estratégicas. Os executivos

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

RBC no Auxílio de Avaliações Imobiliárias

RBC no Auxílio de Avaliações Imobiliárias RBC no Auxílio de Avaliações Imobiliárias Adauto Trigueiro, Alcione da Costa Pinheiro, Clerton Filho, Kátia Silva Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

Gerenciamento de custos do projeto

Gerenciamento de custos do projeto PMBOK Visão Geral O PMBOK (Project Management Body of Knowledge) é um guia do Conjunto de Conhecimentos em de Projetos, o qual inclui práticas comprovadas que são amplamente aplicadas na gestão de s, além

Leia mais

Gerenciamento de Projetos com ProjectOpen

Gerenciamento de Projetos com ProjectOpen Gerenciamento de Projetos com ProjectOpen Atualmente o sucesso de uma empresa pode ser determinado por sua eficiência no gerenciamento de projetos que define sua capacidade de entregar projetos dentro

Leia mais

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1.

04/02/2009. Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores. Disciplina: Gestão de Projetos de TI. Prof.: Fernando Hadad Zaidan. Unidade 1. Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Gestão de Projetos de TI Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 1.1 2 Introdução ao Gerenciamento de Projetos 3 1 Leitura

Leia mais

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software

Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Ambiente de workflow para controle de métricas no processo de desenvolvimento de software Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) 97100-000 Santa Maria

Leia mais

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0

Plano de Projeto G Stock. G Stock. Plano de Projeto. Versão 1.0 Plano de Projeto G Stock Plano de Projeto G Stock Versão 1.0 Histórico das Revisões Data Versão Descrição Autores 10/09/2010 1.0 Descrição inicial do plano de projeto Denyson José Ellís Carvalho Isadora

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra

Metodologia de Projetos. André Gomes Coimbra Metodologia de Projetos André Gomes Coimbra Cronograma Aula 3 Trabalho (10 pts) Aula 5 Avaliação (5 pts) Aula 9 Exercício (10 pts) Aula 10 Apresentação do projeto REDES (25 pts) Aula 11 Avaliação (10 pts)

Leia mais

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ ModeloPlanoProjeto_2007_04_24 SIGECO07_PlanoProjeto_2007_09_23 Página

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK

METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 METODOLOGIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETO DE SOFTWARE ORIENTADO A OBJETO COM PMBOK Cleber Lecheta Franchini 1 Resumo:

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online Page 1 of 5 Windows SharePoint Services Introdução a listas Ocultar tudo Uma lista é um conjunto de informações que você compartilha com membros da equipe. Por exemplo, você pode criar uma folha de inscrição

Leia mais

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl

Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR. Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Processo de garantia da qualidade baseado no modelo MPS.BR Acadêmico: Anildo Loos Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro introdução objetivos do trabalho fundamentação teórica desenvolvimento da ferramenta

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

DeltaV Logbooks. Benefícios. Introdução. Minimize riscos associados às mudanças de turnos. Documente eletrônicamente eventos, observações e notas.

DeltaV Logbooks. Benefícios. Introdução. Minimize riscos associados às mudanças de turnos. Documente eletrônicamente eventos, observações e notas. Sistema Digital de Controle Distribuido DeltaV Especificação do produto DeltaV Logbooks Minimize riscos associados às mudanças de turnos. Documente eletrônicamente eventos, observações e notas. Melhore

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Artigo escrito por Walter Teixeira wteixeira.wordpress.com Sumário Cenário Proposto... 3 Preparação do Servidor SQL Server

Leia mais

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS

GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS ISSN 1984-9354 GUIA PMBOK PARA GERENCIAMENTO DE PROJETOS Emerson Augusto Priamo Moraes (UFF) Resumo Os projetos fazem parte do cotidiano de diversas organizações, públicas e privadas, dos mais diversos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Em conformidade com a metodologia PMI 1 Apresentações Paulo César Mei, MBA, PMP Especialista em planejamento, gestão e controle de projetos e portfólios, sempre aplicando as melhores

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br

AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br JAIR OTT UNIPAR jairott@gmail.com PABLO A. MICHEL UNIPAR pamichel@unipar.br A importância da aplicação de técnicas de gerenciamento de riscos em projetos de desenvolvimento de software: estudo de caso do sistema de controle de veículos AGNALDO IZIDORO DE SOUZA UNIPAR agnaldo@unipar.br

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do Governo e II - Plano de Governo / Planejamento Estratégico 1. Em que situação encontra-se o produto em seu Estado? Em contratação; Em construção

Leia mais

Portal RH WEB Versão 3.6.6 - Full

Portal RH WEB Versão 3.6.6 - Full Portal RH WEB Versão 3.6.6 - Full = z A principal característica do portal RH é permitir a descentralização das informações dos colaboradores, possibilitando que o gestor de área se transforme também num

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROJETOS Atualizado em 31/12/2015 GESTÃO DE PROJETOS PROJETO Para o PMBOK, projeto é um esforço temporário empreendido para criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

Leia mais

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas?

A sua operação de mina faz uso de uma solução de software de planejamento integrado ou utiliza aplicações de software isoladas? XACT FOR ENTERPRISE A ênfase na produtividade é fundamental na mineração à medida que as minas se tornam mais profundas, as operações se tornam cada vez mais complexas. Empresas de reconhecimento mundial

Leia mais

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás

Cartilha. Gestão de Projetos. Superintendência de Planejamento e Gestão SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Cartilha Gestão de Projetos SUPLAN Ministério Público do Estado de Goiás Esta cartilha tem como objetivo transmitir os conceitos básicos relacionados ao Gerenciamento de Projetos e compartilhar da metodologia

Leia mais

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding

IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding IBM Cognos Business Intelligence Scorecarding Unindo a estratégia às operações com sucesso Visão Geral O Scorecarding oferece uma abordagem comprovada para comunicar a estratégia de negócios por toda a

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Manual técnico, versão V3

Manual técnico, versão V3 cccccccccccc Manual técnico, versão V3 Daxis Sistemas Inteligentes Todos os direitos reservados Índice Overview: visão geral do processo de implantação... 3 Atenção... 3 Principais tarefas... 3 Planejamento...

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0

Resumo do BABok 2.0 O Guia de Referência de Análise de Negócio Curso de Analista de Negócio 3.0 O que é BABok? O BABok 2.0, Corpo de Conhecimento de Análise de Negócios, é considerado como um Guia Referência de Práticas de Análise de Negócio. Este guia é publicado e mantido pelo IIBA. O guia BABok

Leia mais

GPWeb Gestão de projetos

GPWeb Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GPWeb Gestão de projetos Brasília DF, Maio de 2015 1 Sumário O que é um projeto?... 5 O que é o GPWeb?... 6 Como criar um projeto no GPWeb:... 6 As partes envolvidas: Integração/

Leia mais

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos

Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Gestão de Projetos Ferramentas e Softwares para Gerenciamento de Projetos Aula 1 Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com http://www.bolinhabolinha.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008

Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008 Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008 White Paper Maio de 2008 Para obter as últimas informações, visite o site www.microsoft.com/teamsystem As informações contidas

Leia mais

MGP Manual de Gerenciamento de Projetos

MGP Manual de Gerenciamento de Projetos MGP Manual de Gerenciamento de Projetos v. 1.2 Diretorias: DT / DE / DA DTPE Superintendência Planejamento de Empreendimentos 1 Sumário 1. Introdução 2. Ciclo de Vida dos Projetos 3. 4. Ciclo de Vida do

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto

PMBOK 4ª Edição III. O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto PMBOK 4ª Edição III O padrão de gerenciamento de projetos de um projeto 1 PMBOK 4ª Edição III Processos de gerenciamento de projetos de um projeto 2 Processos de gerenciamento de projetos de um projeto

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

Comparação da Metodologia TenStep PGP (Processo de Gerenciamento de Projetos), com o Guia PMBOK 4ª Edição - PMI

Comparação da Metodologia TenStep PGP (Processo de Gerenciamento de Projetos), com o Guia PMBOK 4ª Edição - PMI Comparação da Metodologia TenStep PGP (Processo de Gerenciamento de Projetos), com o Guia PMBOK 4ª Edição - PMI 2010 TenStep Comparação da Metodologia TenStep PGP (Processo de Gerenciamento de Projetos)

Leia mais

Manual do Usuário Microsoft Apps

Manual do Usuário Microsoft Apps Manual do Usuário Microsoft Apps Edição 1 2 Sobre os aplicativos da Microsoft Sobre os aplicativos da Microsoft Os aplicativos da Microsoft oferecem aplicativos para negócios para o seu telefone Nokia

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DO SOFTWARE DE GESTÃO DE PROJETOS DOTPROJECT NA PRODUÇÃO DE MATERIAIS MULTIMÍDIA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD

UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DO SOFTWARE DE GESTÃO DE PROJETOS DOTPROJECT NA PRODUÇÃO DE MATERIAIS MULTIMÍDIA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD 1 UM RELATO DE EXPERIÊNCIA SOBRE O USO DO SOFTWARE DE GESTÃO DE PROJETOS DOTPROJECT NA PRODUÇÃO DE MATERIAIS MULTIMÍDIA PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA EAD Serra, 05/2009 Saymon Castro de Souza Ifes saymon@ifes.edu.br

Leia mais

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema

Footprints Service Core. Manual de uso do sistema Footprints Service Core Manual de uso do sistema Sumário Acessando o sistema... 3 Visão geral... 4 Criação de chamados... 5 Acompanhamento de chamados... 7 Compartilhamento de chamados... 8 Notificações...

Leia mais

CAPÍTULO 19 TRABALHANDO COM PROJETOS EMPRESARIAIS

CAPÍTULO 19 TRABALHANDO COM PROJETOS EMPRESARIAIS CAPÍTULO 19 TRABALHANDO COM PROJETOS EMPRESARIAIS 106 PROJETOS EMPRESARIAIS Quando trabalhamos com o Microsoft Office Project no ambiente EPM, temos o conceito de projetos empresariais. Um projeto empresarial

Leia mais

Planejamento e Gerência de Projetos de Software. Prof.: Ivon Rodrigues Canedo. PUC Goiás

Planejamento e Gerência de Projetos de Software. Prof.: Ivon Rodrigues Canedo. PUC Goiás Planejamento e Gerência de Projetos de Software Prof.: Ivon Rodrigues Canedo PUC Goiás Projeto É um trabalho que visa a criação de um produto ou de serviço específico, temporário, não repetitivo e que

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos

Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Gerenciamento de Requisitos Objetivos da disciplina Descrever o processo de Gerenciamento e Engenharia de Requisitos para projetos Treinar alunos no Gerenciamento de Requisitos Apresentar estudos de caso

Leia mais

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no

O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no 1.1 RATIONAL UNIFIED PROCESS (RUP) O Rational Unified Process (RUP) é um processo de desenvolvimento de software inspirado no processo que atende pelo nome de Processo Unificado (ou UP do inglês Unified

Leia mais

GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE GERÊNCIA DE RISCOS E ESCOPO EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Viviana Regina Weber 1 Anderson Yanzer Cabral 2 RESUMO O presente artigo tem como objetivo apresentar uma pesquisa, em desenvolvimento,

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow

Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Controle de métricas no processo de desenvolvimento de software através de uma ferramenta de workflow Gustavo Zanini Kantorski, Marcelo Lopes Kroth Centro de Processamento de Dados Universidade Federal

Leia mais

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE

PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE Departamento de Sistemas de Informação PROJETO DE FÁBRICA DE SOFTWARE Denise Xavier Fortes Paulo Afonso BA Agosto/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PERFIS FUNCIONAIS...

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SIG Aula N : 11 Tema: Como desenvolver e

Leia mais

Análise e Acompanhamento de Projetos. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 54p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Análise e Acompanhamento de Projetos. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 54p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Clorisval Gomes Pereira Júnior Possui graduação em Desenho Industrial pela Universidade de Brasília (1993), graduação em Educação Artística pela Universidade de Brasília (1989) e mestrado em Design

Leia mais

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos

Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos Material para nivelamento de informações sobre Mapeamento de Processos 1 Objetivo Nivelar informações e conceitos sobre mapeamento de processos na UFABC. O que é um processo?? É um conjunto de atividades

Leia mais

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada

Sistemas de Apoio à Decisão. Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Ciências Contábeis Informática Aplicada Sistemas de Apoio à Decisão Segundo LAUDON (2004) apud SANTOS () afirma que um SAD tem por objetivo auxiliar o processo de decisão gerencial,

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

UM CASE DE IMPLANTAÇÃO DA GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO E MUDANÇA (NÍVEL F) DO MPS.BR UTILIZANDO PADRÕES ABERTO PARA O DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO

UM CASE DE IMPLANTAÇÃO DA GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO E MUDANÇA (NÍVEL F) DO MPS.BR UTILIZANDO PADRÕES ABERTO PARA O DESENVOLVIMENTO CORPORATIVO Nome do Pesquisador(Aluno): Thiago Magalhães Zampieri Nome do Orientador: Simone Tanaka Titulação do Orientador: Especialista Instituição: null Curso para apresentação: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO / CIÊNCIA

Leia mais

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto

Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do Projeto ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 2: Gerenciamento de Escopo, Tempo e Custos do

Leia mais

Integração do Teamcenter com o Catia V5

Integração do Teamcenter com o Catia V5 Integração com o Catia V5 Benefícios Menos tempo gasto por sua equipe técnica tentando encontrar as revisões corretas de dados do Catia Processos consistentes de trabalho seguidos em todos os formatos

Leia mais

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software

Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Avaliação e Melhorias no Processo de Construção de Software Martim Chitto Sisson Centro Tecnológico Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis SC Brasil martim@inf.ufsc.br Abstract. This

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais