UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA. Mariana Beber TELEMARKETING. Estudo do Perfil de Empresas de Curitiba que Utilizam as

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA. Mariana Beber TELEMARKETING. Estudo do Perfil de Empresas de Curitiba que Utilizam as"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANA Cristiane Pereira Soares Mariana Beber TELEMARKETING Estudo do Perfil de Empresas de Curitiba que Utilizam as Estruturas do Telemarketing Curitiba 2004

2 TELEMARKETING Estudo do Perfil de Empresas de Curitiba que Utilizam as Estruturas do Telemarketing Curitiba 2004

3 Cristiane Pereira Soares Mariana Beber TELEMARKETING Estudo do Perfil de Empresas de Curitiba que Utilizam as Estruturas do Telemarketing Trabalho de Conclusao de Curso apresentado ao Curso de Bacharelado em Marketing, da Faculdade de Ciencias Sociais Aplicadas da Universidade Tuiuti do Parana como requisite parcial para obtenr;ao do grau de Bacharel em a Marketing Orientadora: Profs. Maria Lucia Massuchetto _f.., L Curitiba 2004

4 "TELE!v1ARKETING ESTUDO DO PERFIL DE E!v1PRESAS DE CURITI13A QUE UTILIZA!v1 AS ESTRUTURAS DO TELE!v1ARKETING" Este projeto foi julgado adequado para a obten,ao do titulo de Bacharel em Marketing e aprovado em sua fonna final ap6s ter sido apresentado it banca, no 6' Marketing Meeting Session, que the atribuiu nota 9,00 para 0 trabalho escrito, 9,23 para a apresenta,ao oral e 8,88 para 0 acompanhamento anual, resultando na media final 9,033. Comissao avaliadora integrada pelos professores ~OR(A) () M~~s~chetto Ama ry Bra co Be~ MEMB~ / ~d!/;"v Curitiba, 04 de dezembro de 2004.

5 Durante estes anos, por diversas vezes, chegamos a nos sentir derrotados, aniqui/ados e com medo do desconhecido, porem, de onde mends se esperava, brotava uma pa/avra amiga, a mao estendida, 0 sorriso franco, contribuindo de uma forma especial pe/a nossa graduaqao, vibrando com 0 nosso sucesso, ajudando-nos a nos sentir fortes e capazes. Por tudo isso, nossos eternos e sinceros agradecimentos aos amigos, pais, professores, e em especial a Maria Lucia Massuchetto, Silvana Hastreiter, Amaury Belem, Paulo Baptista e Carlos A. Langon; (Gulo).

6 "E muito me/h~r arriscar coisas grandiosas, a/cangar lriunfo e gf6ria, mesmo expondo-se a derrota; do que formar fifa com os pobres de espirito, que nem vivem muito, nem sofrem muico, porque vivem numa penumbra cinzenta, e nao conhecem vit6n"a nem derrota."

7 SUMARIO LlSTA DE QUADROS.. LlSTA DE TABELAS.. LlSTA DE FIGURAS.. vii viii LlSTA DE GRAFICOS.. RESUMO.. 1 INTRODU9AO APRESENTA<;:AO DO TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA OBJETIVOS Objetivo Gera! Objetivos Especificos ESTRUTURA DO TRABALHO... 2 FUNDAMENTE9Ao TEORICA MARKETING Conceitos Evoluc;ao do marketing no Brasil Composto MercadoI6gico CANAL DE DISTRIBUI<;:AO Atacado Varejo Varejo com loja Varejo sem loja ESTRATEGIAS DE COMUNICA<;:AO Marketing direto iii

8 Invasao de privacidade X Marketing de permissao Marketing de relacionamento Banco de dados Construyao de um banco de dados Telemarketing Conceitos Historico Vantagens e tipos de telemarketing Telemarketing Ativo Telemarketing Receptivo Como elaborar urn Programa de Telemarketing Ambiente Fisico Implantayao do sistema Codigo de etica para Telemarketing.. 3 PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS ESPECIFICA<;AO DO PROBLEMA DELINEAMENTO DA PESQUISA POPULA<;AO E AMOSTRAGEM COLETA DE DADOS Oados Secundarios Oados Primarios TRATAMENTO DOS DADOS LlMITA<;OES DA PESQUISA... 4 APRESENTACAo DOS RESULTADOS... 5 CONCLUSOES E RECOMENDACOES i"

9 REFERENCIAS.. ANEXOS

10 LlSTA DE QUADROS QUADRO 1 - AS QUATRO FASES DO MARKETING MODERNO NO BRASIL... vi

11 LlSTA DE TABELAS TABELA 1 - DIFEREN<;:AS DOS TIPOS DE TELEMARKETING.. 52 TABELA 2 - DIFEREN<;:AS DAS APLlCA<;:OES DO TELEMARKETING... S2 TABELA 3 - ANALISE DO AMBIENTE FiSICO DO TELEMARKETING.. 84 vii

12 LlSTA DE FIGURAS FIGURA 1 - TIPOS DE CONFIGURA<;:OES DE GABINETES viii

13 LlSTA DE GRAFICOS GRAFICO 1 - MODALIDADE CALL CENTER GRAFICO 2 - RAMO E ATIVIDADE DA EMPRESA GRAFICO 3 - RAMO E ATIVIDADE DA EMPRESA GRAFICO 4 - FLUXO DE LlGA<;:OES ATIVO I RECEPTIVO GRAFICO 5 - REPRESENTATIVIDADE DE VENDAS. 68 GRAFICO 6 - NUMERO DE FUNCIONARIOS GRAFICO 7 - TEMPO DE ATUA<;:,'iO DA EMPRESA.. 70 GRAFICO 8 - TEMPO DO TELEMARKETING NA EMPRESA.. 71 GRAFICO 9 - HORARIOS DE FLUXO DE LlGA<;:OES.. 72 GRAFICO 10 - BENEFiclOS DO TELEMARKETING I FUNCIONALIDADE.. 73 GRAFICO 11 -ATENDE AS NECESSIDADES DA EMPRESA GRAFICO 12 - ATENDE AS NECESSIDADES DO CLiENTE.. 75 GRAFICO 13 - FREQUENCIA DE TREINAMENTO GRAFICO 14 - QUEM MINISTRA OS TREINAMENTOS GRAFICO 15 - NUMERO DE CLiENTES NO BANCO DE DADOS GRAFICO 16 - ATUALlZA<;:,'iO DO BANCO DE DADOS.. 79 GRAFICO 17 - FERRAMENTAS DE ATUALlZA<;:,'iO DO BANCO DE DADOS. 80 GRAFICO 18 - ATRIBUTOS IMPORTANTES PARA CRESCIMENTO GRAFICO 19 - SUBSTITUI<;:OES DOS OPERADORES.. 82 GRAFICO 20 - TROCAS CONSTANTES.. 83 GRAFICO 22 - DEFICIENCIAS DO TELEMARKETING. 85

14 RESUMO o objetivq deste trabalho e levantar 0 perfil das empres8s que utilizam as estruturas do telemarketing para beneficiar a si propria e a seus clientes, conquistando seu espa~o dentro do mercado competitiv~. Oiscute questoes relacionadas a treinamento dos atendentes, atualiz8c;ao do banco de dadas, ambiente fisicq e tecnol6gico, pontcs fortes e pontes fracas do setor, ah~m de Qutras variaveis que influenciam no faturamento e posicionamento da empresa, bern como na velocidade de penetrac;ao que ele proporciona ao seu publico-alva. Tudo isso valenda-se de dados coletados junto as empresas que utilizam 0 telemarketing, situadas em Curitiba e Regiao Metropolitana. Como fontes, utiliza a pesquisa bibliografica e a pesquisa de campo. E relevante a estudo a medida que situ a as empresas num mercado competitiv~, onde a telemarketing e essencial para diferencia-ia da concorn3ncia, criar relacionamentos s61idos com clientes, melhorar 0 posicionamento da imagem da empresa e facilitar a comunicayao. Palavras-chave: facilitar a comunicayao; velocidade de penetrayao; posicionamento da empresa; banco de dados

15 1 INTRODUI:;:AO 1.1 APRESENTA<;:Ao DO TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA o trabalho refere-se ao estudo do telemarketing, urn departamento em crescimento que vem impulsionando as empresas. Mais precisamente, estuda 0 perfil de algumas empresas de Curitiba e Regiao Metropolitana que utilizam as estruturas de telemarketing. "0 telemarketing e a usa planificado e sistematico do telefone, como parte de urna estrategia global de marketing. Sao tres fatores essenciais - 0 custo, a atendimento, e a comunicayao - que estao obrigando a administrac;a.o de empresas a procurar alternativas para as vendas pessoais." (POPE, 1989 p.1). Urn plano de atendimento de telemarketing bern elaborado pade trazer resultados positiv~s para empresa; torna-se urn diferencial competitiv~, alem de agregar valor ao produto em forma de servir;o. Para Matozo (2000) 0 born atendimento e uma balanr;a em que se equilibram de um lado a filosofia empresarial e as polfticas de desenvolvimento pessoal, e de outro a forma de tratamento e a atendimento ao consumidor. Assim a empresa aprende a ouvir seus clientes, na medida em que tambem as ouve. o Telemarketing esta em evidencia nao apenas pelos beneficios que ele proporciona, mas tambem pelo grande gerador de empregos que tem se tornado. Em reportagem da Gazeta Mercantil de 19 de agoslo de 2004, as jornalistas Thais Costa e Ana Carolina Saito mostram que a telemarketing cria mais empregos que as montadoras, e com taxa de expansao superior a 20% a cada semestre. Nosso objetivo com este estudo e mostrar como as empresas de Curitiba e

16 Regiao Metropolitana estao percebendo 0 crescimento deste seter, quais investimentos estao sendo feitos, que importancia eles atribuem e quais as expectativas da empresa em rela9030ao mercado em que se inserem. Para isto, sera necessario pesquisar a atual situa9ao do telemarketing da empresa, quais seus pontos fortes e fracos, estrategias de treinamento, deficiemcias percebidas, atualiza9ao do banco de dados, ah~m de outras variaveis que serao incluidas na pesquisa de campo. Analisando a utilizac;:ao de estruturas de telemarketing, Lair Ribeiro em publica9ao da Revista Como ter Sucesso de abril de 2003, mostra que a maior dificuldade enfrentada por empresas que querem disponibilizar um Telemarketing, e o alto custo de investimento, manutenc;:ao e qualifica9ao do material humano (mao de obra) aliado a falta de conhecimento tecnico sobre 0 assunto e seus beneficios. Neste contexto, buscamos saber: Como as empresas de Curitiba e regiao metropolitan a estao se adaptando ao crescimento deste setor? 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral o principal objetivo deste trabalho e analisar como as empresas de Curitiba e Regiao Metropolitana estao percebendo a importancia e os beneficios do telemarketing, e como elas estao investindo neste setor Objetivos Especificos

17 Analisar em empresas de Curitiba e Regiao Metropolitana algumas variaveis em rela~:to ao sistema de telemarketing implantado, como: Verificar a atual situa'tc3o do sistema em rela'tao a sua funcionalidade. Estudar os pontos fortes e fracos do telemarketing da empresa. Analisar a satisfa'tc3o da empresa e do cliente em relac;ao ao telemarketing. Analisar as estrategias de treinamento dos (as) atendentes. Verificar 0 ambiente fisico e tecnol6gico do telemarketing. Levantar a atualizac;ao do banco de dados dos clientes. Verificar as expectativas da empresa em relac;:to ao telemarketing. Levantar os atributos considerados importantes para 0 crescimento do telemarketing denlro da empresa. Verificar quais as deficiemcias que a empresa encontra no seu telemarketing atual. 1.3 ESTRUTURA DO TRABALHO o estudo sobre Telemarketing e a visao das empresas de Curitiba e regiao metropolitana em relac;ao a este setor sao discutidas por etapas. Assim sendo, no segundo capitulo sera abordada a parte te6rica do estudo: seus conceitos e aplicac;oes. No terceiro capitulo sera exposta toda parte da pesquisa de campo, a metodologia utilizada, 0 questionario utilizado, a descri~:to da populac;ao e dos procedimentos de coleta e tratamento dos dad os, bem como as limitac;oes da

18 pesquisa. A apresenta~ao dos resultados e abordada no quarto capitulo, onde consta 0 resultado obtido, ap6s analise dos dados coletados no trabalho de campo. Finalizando, 0 quinto capitulo contem a conclusao do trabalho, foeando os resultados obtidos para 0 problema de pesquisa, bem como as considera~6es finais.

19 2 FUNDAMENTAI;AO TEORICA 2.1 MARKETING CONCEITOS Para Kotler (1998, p.2) marketing pode ser definido como "0 processo social e gerencial atraves do qual indivfduos ou grupos obtern aquila que desejam e de que necessitam, criando e trocando produtos e valores uns com as Qutros."O autor ainda complementa dizendo que marketing significa ~administrar mercados para chegar a tracas, com 0 prop6sito de satisfazer as necessidades e desejos do homem." Rocha e Christensen (1999) definem marketing como uma funf!(30 gerencial, que busca ajustar a oferta da organizac;3o a demandas especificas do mercado, utilizando como ferramental urn conjunto de principios e tecnicas; podendo ser vista, tambem, como urn processo social, pero qual sao reguladas a oferta e a demand a de bens e servigos para atender as necessidades socia is. Ja na atka de Dantas (1997, p.19) 0 Marketing vern evoluindo ao Iongo do tempo. Para 0 autor, antigamente 0 marketing tratava simplesmente da distribuigao e venda de produtos; porem mais recentemente, evoluiu para uma filosofia mais abrangente que estabelece 0 modo como qualquer organizagao deve relacionar-se dina mica mente com seu rnercado. Jerome McCarthy, citado por Dantas (1997, p.20), conceitua 0 marketing como a execugao de atividades que buscam realizar os objetivos de uma organizagao, prevendo as necessidades do cliente, e dirigindo 0 f1uxo de bens e servigos para satisfagao destas necessidades, a partir do produtor para 0 cliente.

20 Vavra (1993) utiliza a definil;;:ao citada pel a American Marketing Association, a qual diz que marketing e "urn processo social e gerencial pelo qual individuos e grupos obtern a que necessitam e desejam atraves da cria'1ao, oferta e mudan'1a de produtos, bens e servi90s de valor entre sl".(1993, p.26). Ries e Trout defendem um novo conceito de marketing, segundo 0 qual "a empresa, para ter sucesso, deve ser orientada para 0 concorrente, (...) procurar seus pontos fracas e lan'1ar contra eles os seus ataques de marketingh.(1989, p.2). Cobra (1992, p.29) afirma que marketing e mais do que uma forma de sentir o rnercado e adaptar produtos e servi'1os - e urn compramissa com a busca da melhoria da qualidade de vida das pessoas. Rapp e Collins defendem um conceito de marketing para os anos futuros, em que as inova'10es tecnol6gicas tl!rn urn peso substancial, ja que se esta processando uma grande desmassifica'1ao do mercado e os esfor'1os de marketing tendem a concentrar quase que individualmente, exigindo dos profissionais da area um razaavel conhecimento de computadores, com vistas a elaborayao de eficientes bases de dados. (1988, p.3). E, finalrnente, para Dantas (1997) marketing e uma estrategia empresarial dinarnica, quer dizer, esfof/;os planejados com vistas as mudan'1as (...), e uma atividade chave para a futuro e a sabrevivl!ncia de qualquer empresa. (..) Podem-se criar inumeras defini'1oes para marketing, (...) mas 0 principio fundamental continuara sendo 0 relacionamento entre a empresa I organiza~ao e seus clientes Evoluc;:aodo marketing no Brasil GraGioso (1997, p.32), Gila em seu livre que a hist6ria do marketing maderno

21 no Brasil come<;:ou nos anos cinqoenta, quando teve inicio a fase de industrializa<;:<3o acelerada da economia brasileira. A partir dai, 0 marketing passou p~r diferentes fases como mostra 0 quadro abaixo: QUAORO 1 - AS QUATRO FASES DO MARKETING MOOERNO NO BRASIL FASE PRINCIPAlS CARACTERISTICAS principalmente multinacionais, Algumas empresas, comeyam a utilizar servicos de marketing, como a propaganda, a promoc;:ao de vendas, 0 I - merchandising e as pesquisas de mercado. Mas a enfoque principal ( ) Orienta~o para as vendas ainda esta nas vendas. Compete a area comercial da empresa vender aquila que a empresa produz, sem levar em conta as anseios e expectativas do mercado. Comec;:a a ser entendido e praticado 0 conceito de marketing integrado, atraves das grandes multinacionais. A area comercial comec;:a a ser organizada em func;:ao do marketing e nao das vendas. Ganha forc;:a a func;:ao do planejamento de produtos, resultando no surgimento dos primeiros gerentes de produto. Neste periodo, ganhou relevancia a ) papel pioneiro exercido por varias agencias de propaganda, que (1960 o marketing se consolida assimilaram os conceitos do marketing integrado antes de muitos de seus clientes. Toda uma geracao de anunciantes aprendeu a fazar III ( ) o marketing em clima de "Brasil grande" IV ( ) A volta a realidade v 1995 em diante FONTE. GraclOso, 1997, p.32 marketing grac;:as a orienta~o recebida de suas agencias. Em contra partida, isso fez com que nosso marketing adquirisse um vies que carrega ainda hoje: a excessiva importancia dada a comunicac;:ao, em detrimento do lane amento geral e da narte finance ira. No clima de euforia criado pelo chamado "milagre brasileiro", nossa marketing avanc;:ou rapidamente. 0 mercado consumidor expandiu-se e expandiram-se tambem muitas industrias de bens duraveis (como as de autom6veis) de produtos e equipamentos industriais. Esta foi uma e fase de rapido progresso qualitativo do pessoal de marketing das grandes empresas. Oevido, porem, ao crescimento constante da demanda, nao havia ainda problemas autenticos de competic;:ao. Houve muito desperdicio nas verbas de marketing, inclusive naquelas destinadas a propaganda. Nao par mera coincidencia, esta tambem foi a fase mais criativa da propaganda brasileira, embora possa ser questionada a real eficii!mcia de muitas das campanhas mais badaladas na epoca. As func;:oes de marketing passaram a ser ocupadas por jovens mais bern preparados, muitos com forma~o no exterior. Surgiram os primeiros cursos marketing no Brasil. iniciativa da de Por Escola Superior de Propaganda e Marketing e da AOVB - Sao Paulo, alem da Fundac;:ao Gelulio Vargas, que sempre valorizou a marketing, no contexto de seu curso de Administracao de Emnresas. o pais acordou para a realidade de seu subdesenvolvimento. 0 mercado consumidor encolheu-se. As grandes empresas interromperam seus programas de investimentos e 0 marketing perdeu importancia relativa no contexto da empresa. Caiu drasticamente indice de a lanc;:amento de novas produtos e reduziram-se as diferenc;:as entre as diversas marcas, forcando a concorrencia na base do oreco. o Brasil acorda para a competic;:ao. Com a tim da inflac;:ao, foram incorporados mais 30 mil hoes de brasileiros economia de mercado. A a abertura a competic;:ao externa forc;:ou as fabricantes nacionais a melhorar a qualidade e reduzir os custos de seus produtos As empresas brasileiras esta.o se a-ustando ao~-~adroes mundiais.

22 2.1.3 Composto Mercadol6gico - 4P's Nao hi! como talar em marketing sem eilar composto mercadol6gico, que Kotler (1998, p. 21) define como 0 Uconjunto de variaveis controlaveis que a empresa pode utilizar para influenciar as respostas dos consumidores." "Estas variaveis, chamadas de "controlaveis" na teoria mercadol6gica, que comp6em 0 "composto mercadol6gico" ou "Marketing Mix", (..) sao as 4 p's: prod uta, pre,o, promo,"o e pra,a." (Id. lb., p.22). Para Cobra (1992, p.41), e atraves do composto de marketing que se realiza a interac;:ao de uma organizagao com seus meio ambientes internos e externos. Segundo Kotler (1998) 0 mix de marketing consiste em todas as ac;:6es da empresa com a intenc;:a.o de influenciar a demanda de seu produto. As varias possibilidades podern ser reunidas em quatro grupos distintos, os grupos dos 4 p's. Kotler explica cad a urn deles como: Produto: combinayao de bens e servi~s que a empresa oferece ao mercado-alvo. Pre(fo: soma de dinheiro que os clientes devem pagar para obler determinado produlo. Pra(fa: envolve as atividades da empresa que tomam 0 produto disponivel para os consumidores - alvo. Prom~o: significa as atividades que comunicam os atributos do produto e persuadem os consumidores - alva a adquiri-io. (1998, p.31). Kotler (1980) refon;a ainda 0 conceito de produto observando que este e qualquer coisa que pode ser oferecida a urn mercado para aquisi~ao au consumo; e inclui objetos fisicos, servi~os, persanalidades, lugares, organiza~6es e ideias. Ja 0 pre~o, pode ainda ser definido como "tad a a politica de pre~os que baliza os custos e supera as diferentes barreiras, ate chegar ao consurnidor final. (...) envolve 0 nivel, os descontos, as redu~oes e as formas de pagamentos".(dantas,

23 1997). Dantas (1997) reforc;8 0 conceito de composto promocional como toda a politica de comunic898o que envolve 0 mercado. Inclui a propaganda, a publicidade, a venda pessoal, promoc;llo de vendas e a merchandising, a marketing direto e a telemarketing, alem de lodas as Qulras formas alternativas de comunicac;3o mercadol6gica. Quanta a prarya, ou composto de distribuic;ao, ~compreende as pontcs de venda, as canais de distribuic;c30, a cobertura da distribuic;80, as zonas de vendas, as niveis e locais dos estoques e as transportadoras. Signifiea toda a 89aO de deslocamento do prod uta, da fabrica ate as mads do consumidor". (Jd. ib., p.23). Dick Barry, citado par Vavra (1993), sugeriu a modificac;3o dos 4 p's, afirmando que 0 mercado de hoje requer que novas elementos sejam adicionados ao composto de marketing para auxiliar a empresa a tornar-se competitiva. Vavra (1993, p.33), adaptando as ideias de Berry, mostra como pode ser 0 novo composto de marketing: - Produto: qualidade, confiabilidade e caracterfsticas. - Prec;o: prec;ocobrado, condic;oes de prec;o e ofertas de prec;o. - Distribuic;ao: acessibilidade aos bens ou as instalac;6es do fornecedor e acessibilidade do cliente. - Promoc;ao: propaganda pre-venda, publicidade e promoc;:ao de vendas. - Comunicac;:5es com 0 cliente: programas de comunicac;:ao pos-venda (revistas proprias, eventos), codigo 800 (discagem direta gratuita). e servic;os de atendimento de reclamac;:6es e de cumprimentos aos clientes. - Satisfac;ao do cliente: monitoramento das expectativas do cliente e a satisfac;:ao delas com os produtos ou servic;os disponiveis e com 0 sistema de

24 10 entrega. - Servic;o: servic;o pre-venda, servic;o pcs-venda e atividades de conveniencia ao consumidor. Urn dos quatro p's rnais importantes para esle estudo especifico e a prac;a, ou seja, 0 canal de distribuic;ao; pois nele se incluj 0 vafejo sem laja, que utiliza como ferramenta 0 marketing direto, como sera vista adiante. 2.2 CANAL DE DISTRIBUlyAO Rocha e Christensen (1999, p.129) definem canal de distribuir;ao como a utilizac;ao, pelo produtor, de algum tipo de intermediario, no processo de transferencia de seus produtos ao mercado. as autores ainda citam uma definic;ao rnais recente, do ponto de vista gerencial, definindo 0 canal como a organizac;8.o externa negocial, gerenciada pela empresa, para atingir seus objetivos de distribuir;ao. Trata-se, portanto, de rede externa a empresa, que cumpre funr;oes de negociar;2io, tais como compra, venda, precificar;2io e estocagem de mercadorias. Segundo Kotler, ~canal de distribuir;2io e urn conjunto de organizar;oes interdependentes envolvidas no processo de tornar um produto ou servir;o disponivel para 0 consumidor final ou organizacional~.(1998, p.271). Cobra (1992, p.491) refon;:a 0 conceito salientando que a funr;;3o basica deste canal e escoar a produr;;3o de bens em geral, sejam bens de consumo, sejam bens industrials ou ainda servir;os. Rocha e Christensen (1999) ainda mostram que uma empresa pode adotar varias pol[ticas de canais de distribuir;;3o, entre elas: - Distribuig;3o direta: Os fabricantes procurarn alcangar cliente final sem

25 11 intermediarios, au criando seus pr6prios intermediarios. As principais formas de distribuiryao direta do fabricante podem ser classificadas em: venda direta ao cliente (venda porta a porta, venda par telefone, venda par correia) e lojas de fabrica. - Distribui9aO exclusiva: A empresa utiliza urn au poucos intermediarios. Nesses casas, e comum que 0 intermediario se dedique exclusivamente a linha de produtos do fabricante, au que esta seja sua atividade principal. - Distribui98.0 seletiva au limitada: Utilizam canais de distribuiryao seletivqs, permitindo a empresa atingir urn numero razoavel de canais, sem contudo ~popularizar" seu prod uta, transmitindo urna imagem de seletividade e sofisticary13,o, - Distribuic;a.o intensiva dentro de uma cia sse de estabelecimentos: A empresa procura atingir 0 maior numero possivel de pontos de venda, utilizando-se porem, de um unico tipo de intermediario. - Distribuic;a.o intensiva: 0 prop6sito desta distribuic;30 e colocar a produto no maior numero possivel de pontos-de-venda. E indica do para produtos de consumo, de compra freqoente, alta rotatividade, prec(osmedios ou baixos. Kotler (1998) relata algumas func;oes que um canal pade exercer: - tnformayao: cotetar e distribuir informatyoes proporcionadas peta pesquisa e peta inteligencia de marketing sobre os atores e for1;a ambiente de do marketing necessarios para planejar e para facilitar a troea. Promo1;ao: desenvolver e distribuir comuniea es persuasivas sobre uma oferta. - Contato: encontrar e comunicar-se com compradores potenciais. - Adapta1;ao: modelar e adaptar oferta as necessidades do a oomprador, inclusive atividades como fabricatyao, montagem e embalagem. - NegociaJ;ao: chegar a um acordo sabre pretyo e oulras condityoes da oferla para que a propriedade OUposse possa ser transferida. (p.272) Entre as formas de distribuic;a.o encontradas citam-se a atacada e a vareja, sendo a varejo sem laja a mais relevante para nassa trabalho. Para pader introduzir o assunto dando uma continuidade 16gica, sera vista cad a um deles.

26 Atacado Cobra, utiliza em seu livre a defini~ao da American Marketing Association para explicar 0 termo atacadista como "uma unidade de neg6cio que compra e revende mercadorias para varejistas e Qutros distribuidores e/ou para consumidores industriais, institucionais, mas que nao vendem a consumidores finais".(1992, p.494). Na 6tica de Kotler (1997), 0 atacado inclui todas as atividades ligadas a venda de bens au servic;os para aqueles que compram para revenda ou usa organizacional. Cobra (1992, p.502) sugere quatro classificac;oes para 0 mercado atacadista: ~ Atacado em geral: vende uma grande variedade de sortimentos, de material de limpeza a material de construc;8o, de tecidos e confecc;oes a armarinhos. Embora a variedade de artigos possa ser grande, a tendencia hoje e buscar uma variedade maior dentro de cad a linha de produto. - Atacado independente: desempenha papel importante no sistema distributivo. Usa seu poder de compra para comprar diretamente de fabricantes, sem a intervengao de seus distribuidores exclusivos. - Atacado especializado: vende somente parte de uma linha de produtos, porem com uma grande variedade de artigos. - Atacado I distribuidor: ha muitos atacadistas que se tornam distribuidores exclusivos de determinados fabricantes para certas areas ou mercados. Ha ainda atacadistas que passam a vender para certos mercados com exclusividade determinados produtos independentemente de quem as fabrica.

27 2.2.2 Varejo Las Casas (2000, p.17) utiliza tres defini90es para explicar varejo. Uma delas e a de Robert Spohn, que diz que "varejo e a atividade comercial responsavel par providenciar mercadorias e servi90s desejados pelos consumidores" Outra e a de Henry Richter, que define varejo como "0 processo de compra de produtos em quantidade relativamente grande dos proctutores atacadistas e Qutros fornecedores e posterior venda em quantidades menores ao consumidor final." E finalmente, a terceira defini9ao tal tirada da Amer;can Marketing Association e e definida como a "unidade de negocio que compra mercadoria de fabricantes, atacadistas e Qutros distribuidores e vende diretamente a consumidores finals e eventual mente aos Qutros consumidores". Angelo e Silveira (2000) mostram as principais fun90es de um varejista: potenciais. - Vendas: 0 varejista tern como fun9ao promover 0 produto junto a clientes - Compras: Comprar uma variedade de produtos de varies vendedores, usualmente para revenda. - Sele~ao: Fazer sortimento de produtos, geralmente inter-relacionados, para os clientes potenciais. - Financiamento: Oferecer credito a clientes potenciais para facilitar a transa~ao: providenciar tambem recursos para os vended ores para ajuda-ios a financiar seus neg6cios. - Armazenamento: Proteger 0 produto e manter estoques para oferecer melhores servi90s ao consumidor.

28 - Distribuigao: Comprar em grande quantidade e dividi-ia em quantidades desejadas pelos clientes. - Controle de qualidade: Avaliar a qualidade dos produtos e ajudar em seu melhoramento. - Transportes: Movimenta~ao fisica do produto do produtor ao consumidor. - Informa~6es de marketing: Prestar informa~o aos fabricantes sobre condigoes de mercado, incluindo volume de vendas, tendencias de moda e condi~6es de pre~os. - Riscos: Absorver riscos dos negocios, especial mente riscos de manuteng80 de estoques, obsolescencia de produtos, etc. Cobra (1992, p.sos) ressalta quatro caracteristicas importantes que sao percebidas no varejo: 1B. No varejo, quem inicia a compra geralmente e 0 consumidor, ao contrario da venda de fabricantes ou atacadistas para varejistas on de a iniciativa e do vendedor. 2B. 0 varejo tern um sentido de urgencia. As pessoas desejam comprar e usar as mercadorias imediatamente. 3 B. A venda e efetuada geralmente em pequenas quantidades. 4 a. 0 varejo tern normal mente uma localizag8o fixa e, por isso, precisa atrair compradores, urna vez que nao pode ir ate os compradores, como 0 fazem os vendedores de fabricantes, de atacadistas e de distribuidores. Posteriormente, Cobra (1992, p.s11) cita que nem sempre e possivel obter um local adequado para instalar um comercio varejista; e e al que entra varejo com loja e 0 varejo sem loja.

29 Varejo com loja Angelo e Silveira (1997) classificam a varejo com loja em duas categorias: por tipo de mercadoria vendida e por tipo de propriedade. 0 tipo de mercadoria vend ida consiste no agrupamento de lojas pelo tipo de variedade de mercadoria oferecida. Algumas ]ojas se abastecem de urna maior variedade de mercadorias do que Qutras. Incluem-se nesse tipo de varejo: lojas de departamento, ]ojas de desconto, lojas de variedade, ]ojas de conveniencia, feiras au mercado das pulgas, pontas de estoque. superlojas, hipermercado, supermercado e rajas de especialidade. 0 tipo de propriedade faz referencia a forma de contrale exercida em uma organiza9ao. Tal centrale pade ser desde a propriedade independente ate uma corpora~ao. Las Casas (2000, p. 27) especifica lojas independentes como as lojas de apenas um estabelecimento. Caracterizam~se pela simplicidade administrativa e freqoentemente pelo atendimento personalizado aos clientes, devido ao contato mais direto. Geralmente sao especializadas. Ja as cooperativas sao explicadas pelo autor como um agrupamento de varejistas independentes. Cada urn opera sua loja, mas toma certas decis6es em conjunto, como compra, promoc;:ao, etc. Kotler (1998, p.297) tambem explica algumas categorias de varejo com lojas, entre elas: ~ Loja de especialidade: Apresenta uma linha restrita de produtos com uma grande variedade dentro dela. ~ Lojas de departamentos: Oferece uma ampla variedade de linhas de produtos, cada qual operada por um departamento independente.

30 16 Supermercados: Sao grandes lojas de baixo Gusto, pequena margem de luera, elevado volume e auto-servic;:o, que oferecem urna ampla variedade de produtos alimenticios, produtos de limpeza e de usa domestico. - Lojas de Gonveniemcia: Sao lojas pequenas que oferecem urna linha limitada de produtos de alta rotatividade. - Superlojas: T~m quase 0 dobra do tamanho dos supermercados e oferecem urn grande sortimento de itens alimenticios e nad alimenticios comprados rotineiramente. Oferecem servic;:os de lavanderia, correio, revelac;:bo de fotos, bancos, lanchonetes, lava gem de carras, etc. Hipermercados: Possuem urna area correspondente a mais au menes seis campos de futebol. Sao urna combinar;:ao de supermercados, lojas de descontos e atacadistas. Vendem ale~mdos pradutos rotineiras m6veis, eletrodomesticos, roupas e muitos outros artigos. - Lojas de descontos: Vendem mercadorias comuns por prevos mais baixos, com margens de lucre men ores e maior volume de vendas. Para caracterizar uma loja de descontos, as pret;os baixos devem existir regularmente e nao ocasionalmente Varejo sem loja t:: relevante citarmos este tema, pais uma forma de realizar a varejo sem loja e atraves do marketing direto, inclusive utilizando 0 telefone. Angelo e Silveira (1997, p.49) incluem este tipo de varejo nos metod os de venda que nao requerem lojas, ou seja, 0 que contata as consumidores de outra forma que nao seja por meio de lojas.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO.

ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. 1 ESTRATÉGIAS MERCADOLÓGICAS UTILIZADAS PELAS OPERADORAS, TIM, CLARO E VIVO. Juliana da Silva RIBEIRO 1 RESUMO: O presente trabalho enfoca as estratégias das operadoras de telefonia móvel TIM,VIVO e CLARO

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade I MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade I MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino O que é varejo Setor do comércio que vende diretamente para os consumidores finais. Fabricantes e atacadistas quando vendem para o consumidor

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL

PADRÃO DE RESPOSTA DAS QUESTÕES DISCURSIVAS PROFISSIONAL BÁSICO COMUNICAÇÃO SOCIAL Questão n o 1 a) O candidato deverá apresentar seis dentre as seguintes vantagens: Domínio de tecnologia capaz de produzir bens preferidos por certas classes de compradores Aumento dos índices de qualidade

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo BRIEFING DE PRODUTO Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo Modelo Extraído dos livros: Tudo o que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

O Varejo. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas. O Varejo 16 Aula 16/5/2008 Objetivos da aula Explicar como os varejistas podem contribuir para o processo de criar valor. Distinguir entre varejo com loja e sem loja. Definir as categorias básicas de varejistas.

Leia mais

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA

MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA MARKETING E VENDAS NA FARMÁCIA Há muito se discute que o mercado de farmácias é ambiente competitivo e que a atividade vem exigindo profissionalismo para a administração de seus processos, recursos e pessoal.

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11

Integrada de Marketing. UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 O Planejamento de Comunicação Integrada de Marketing UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 31.03.11 Agenda: Planejamento de Comunicação Integrada de

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA II Atividades Gerenciais de MKT Produto Testar Novos Produtos; Modificar Atuais; Eliminar; Política de Marcas; Criar Satisfação e Valor; Embalagem. 2 1 Atividades Gerenciais

Leia mais

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br

Plano de Marketing. Produto (Posicionamento) Preço. Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing. josedornelas.com.br Artigos de PN Como fazer Plano de Marketing Plano de Marketing Para traçar o plano de marketing do plano de negócios, deve-se atentar à estratégia que será seguida pela empresa. A estratégia pode ser definida

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1

O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 O QUE FAZER PARA MELHORAR O PROCESSO DE COMPRAS 1 Matheus Alberto Cônsoli* Lucas Sciência do Prado* Marcos Fava Neves* As revendas agropecuárias devem considerar não apenas preços, mas também as oportunidades

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Como Atrair Clientes

Como Atrair Clientes COMO ATRAIR CLIENTES QUESTÕES BÁSICAS Quem são os meus clientes? Quantos sãos? Onde estão? Como fazer para falar com eles? DEFINIÇÃO SEGMENTO DE MERCADO Significa um grupo de consumidores com necessidades

Leia mais

Administrando os canais de distribuição (aula 2)

Administrando os canais de distribuição (aula 2) 13 Aula 2/5/2008 Administrando os canais de distribuição (aula 2) 1 Objetivos da aula Explicar como os profissionais de marketing usam canais tradicionais e alternativos. Discutir princípios para selecionar

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO.

FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. FMU - FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING E MARKETING DE PERMISSÃO. São Paulo - SP 2016 RENAN ROCHA ALVES - RA: 6448758 E-COMMERCE, SOCIAL COMMERCE, MOBILE MARKETING

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 11 PESQUISA DE MERCADO Índice 1. Pesquisa de mercado...3 1.1. Diferenças entre a pesquisa de mercado e a análise de mercado... 3 1.2. Técnicas de

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MARKETING

FUNDAMENTOS DE MARKETING FUNDAMENTOS DE MARKETING Há quatro ferramentas ou elementos primários no composto de marketing: produto, preço, (ponto de) distribuição e promoção. Esses elementos, chamados de 4Ps, devem ser combinados

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL

PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL PLANEJAMENTO DE MÍDIA DIGITAL Prof. a Fabiana Baraldi - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA

Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA Gestão e Marketing Análise SWOT - FFOA SWOT Strengths (Forças), Weaknesses (Fraquezas), Opportunities (Oportunidades) e Threats (Ameaças) Forças Oportunidades Fraquezas Ameaças Interno Externo Ajudam Atrapalham

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS

DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS DICAS DE COMO PARTICIPAR DE FEIRAS VITÓRIA 2004 Dicas de como participar de feiras Introdução As feiras são eventos ricos em oportunidades de negócios. São ambientes privilegiados para o incremento das

Leia mais

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 1 2.1. COMPETINDO COM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Fundamentos da Vantagem Estratégica ou competitiva Os sistemas de informação devem ser vistos como algo mais do que um conjunto de tecnologias que apoiam

Leia mais

- Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência

- Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência Administração de As responsabilidades da área de (MINADEO, 2008) - Investigar novos nichos de mercado - Identificar o perfil do cliente - Buscar novos produtos que proporcionem vantagens em relação à concorrência

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes

Objetivos. Capítulo 16. Cenário para discussão. Comunicações de marketing. Desenvolvimento de comunicações de marketing eficazes Capítulo 16 e administração de comunicações integradas de marketing Objetivos Aprender quais são as principais etapas no desenvolvimento de um programa eficaz de comunicações integradas de marketing. Entender

Leia mais

Administração Mercadológica

Administração Mercadológica Organização Competitiva e Estratégias de Branding Administração Mercadológica Os elementos do mix de marketing Marketing-mix = Composto de MKt = 4P s Estratégia de produto Estratégia de preço Estratégia

Leia mais

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br

INTRODUÇÃO AO TRADE MARKETING Fazendo a diferença no Ponto de Venda. www.pdvativo.com.br Fazendo a diferença no Ponto de Venda EBOOK Sumário Revisão O que é Trade Marketing? Entenda o Comportamento de Compra do Consumidor O que é Merchandising? Revisão Para entender sobre Trade Marketing devemos

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING

GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING GESTÃO ESTRATÉGICA DE MARKETING PÓS-GRADUAÇÃO / FIB-2009 Prof. Paulo Neto O QUE É MARKETING? Marketing: palavra em inglês derivada de market que significa: mercado. Entende-se que a empresa que pratica

Leia mais

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro.

Uma empresa é viável quando tem clientes em quantidade e com poder de compra suficiente para realizar vendas que cubram as despesas, gerando lucro. Página 1 de 9 2. Análise de Mercado 2.1 Estudo dos Clientes O que é e como fazer? Esta é uma das etapas mais importantes da elaboração do seu plano. Afinal, sem clientes não há negócios. Os clientes não

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

Marketing e Comunicação Cláudio Pessanha

Marketing e Comunicação Cláudio Pessanha Marketing e Comunicação Cláudio Pessanha Vamos Discutir... Um produto fala? Mesmo sendo esse produto um chinelo? Leiam o texto abaixo e falem comigo. Um produto tem o poder de falar por si só? E de que

Leia mais

Introdução. 1. O que é e-commerce?

Introdução. 1. O que é e-commerce? Introdução As vendas na internet crescem a cada dia mais no Brasil e no mundo, isto é fato. Entretanto, dominar esta ferramenta ainda pode ser um mistério tanto para micro quanto para pequenos e médios

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 DO MARKETING À COMUNICAÇÃO Conceitualmente, Marketing é definido por Kotler

Leia mais

A l e x a n d r a P a u l o

A l e x a n d r a P a u l o A l e x a n d r a P a u l o ESCOLA SECUNDÁRIA SERAFIM LEITE TRABALHO FINAL TÉCNICAS DE VENDA Alexandra Paulo 11ºI Nº 21160 Disciplina: Comercializar e vender Prof: João Mesquita 20-12-2012 2012-2013 1

Leia mais

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso

Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso Os Sistemas de Informação para as Operações das Empresas e o Comércio Eletrônico Simulado Verdadeiro ou Falso 1. Muitas organizações estão utilizando tecnologia da informação para desenvolver sistemas

Leia mais

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES

O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES O MARKETING DIRETO COMO CONQUISTA DE CLIENTES Rosanne Farineli Peixoto Gomes, Ivonete A. Canuto Dias, Valdete Neri Andrade, Luiz Sérgio Almeida dos Santos e Wagner Conceição INTRODUÇÃO O mercado atual

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

VAREJO. Os principais setores varejistas brasileiros são:

VAREJO. Os principais setores varejistas brasileiros são: O que é? São todas as atividades envolvidas na venda de bens ou serviços diretamente a consumidores finais para seu uso pessoal, e não empresarial. (Philip Kotler) Não importa como os produtos são vendidos

Leia mais

Como fazer marketing de relacionamento

Como fazer marketing de relacionamento Como fazer marketing de relacionamento O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA

VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA VAMOS DAR INICIO A MAIS UMA AULA DO CURSO DE PROPAGANDA E MARKETING- 4 MÓDULO COMO GANHAR DINHEIRO COM MALA DIRETA 4 E ÚLTIMO MÓDULO: Como Ganhar dinheiro com Mala Direta APRESENTAÇÃO PESSOAL Edileuza

Leia mais

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto

FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING. Professor: Arlindo Neto FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO MÓDULO DE MARKETING Professor: Arlindo Neto Competências a serem trabalhadas GESTÃO DE MARKETING PUBLICIDADE E PROPAGANDA GESTÃO COMERCIAL FTAD FORMAÇÃO TÉCNICA EM

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado

Plano de Direcionamento. Conhecimento de Mercado Plano de Direcionamento Conhecimento de Mercado Conhecimento de Mercado É necessário conhecer o mercado para que sejam desenvolvidos produtos que atendam as necessidades e expectativas dos clientes. Segmentação

Leia mais

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL

NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL NOTÍCIA INSTITUCIONAL: IMAGEM INSTITUCIONAL RESUMO Caroline Ferreira 1 O objetivo deste artigo é falar sobre Noticia institucional e o interesse cada vez maior das empresas em cuidar da sua imagem institucional.

Leia mais

As Organizações e a Teoria Organizacional

As Organizações e a Teoria Organizacional Página 1 de 6 As Organizações e a Teoria Organizacional Autora: Sara Fichman Raskin Este texto é totalmente baseado no primeiro capítulo do livro Organizational theory: text and cases, do autor Jones Gareth,

Leia mais

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer

ESTRATÉGIA DIGITAL. Prof. Luli Radfahrer ESTRATÉGIA DIGITAL Prof. Luli Radfahrer - Conforme estipulado no Termo de Uso, todo o conteúdo ora disponibilizado é de titularidade exclusiva do IAB ou de terceiros parceiros e é protegido pela legislação

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Prof. Marcopolo Marinho

Prof. Marcopolo Marinho Aula 05 Marketing Modelo E-C-D; Modelo de cinco forças de ameaças ambientais; Análise do Ambiente Externo; Ferramenta de mapeamento de processos e de planificação estratégica - 5w2h; O Plano Estratégico:

Leia mais

MARKETING ESTRATÉGICO

MARKETING ESTRATÉGICO MARKETING ESTRATÉGICO O conceito de marketing é uma abordagem do negócio. HOOLEY; SAUNDERS, 1996 Esta afirmação lembra que todos na organização devem se ocupar do marketing. O conceito de marketing não

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação

Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação Manual Como elaborar uma estratégia de comunicação Índice Introdução Passo 1 - Faça um diagnóstico da comunicação. Passo 2 - Defina os alvos da comunicação Passo 3 - Estabeleça os objetivos da comunicação

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA?

COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? COMO A PROPAGANDA FUNCIONA? Definição: a manipulação planejada da comunicação visando, pela persuasão, promover comportamentos em benefício do anunciante que a utiliza. Funções: cabe a propaganda informar

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

PARA QUE SERVE O CRM?

PARA QUE SERVE O CRM? Neste mês, nós aqui da Wiki fomos convidados para dar uma entrevista para uma publicação de grande referência no setor de varejo, então resolvemos transcrever parte da entrevista e apresentar as 09 coisas

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Prof. Milton Henrique mcouto@catolica-es.edu.br

Prof. Milton Henrique mcouto@catolica-es.edu.br Prof. Milton Henrique mcouto@catolica-es.edu.br Qual é o seu Negócio? Hoje em dia existe um excesso de: empresas similares, empregando pessoas similares, que tiveram educações similares, exercendo funções

Leia mais

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce Você é do tipo que quer arrancar os cabelos toda vez que um concorrente diminui o preço? Então você precisa ler este guia rápido agora mesmo. Aqui

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs

Vendas - Cursos. Curso Completo de Treinamento em Vendas com Eduardo Botelho - 15 DVDs Vendas - Cursos Curso Completo de Treinamento em Vendas com - 15 DVDs O DA VENDA Esta palestra mostra de maneira simples e direta como planejar o seu trabalho e, também, os seus objetivos pessoais. Através

Leia mais

TREINAMENTO OPERADOR DE TELEMARKETING

TREINAMENTO OPERADOR DE TELEMARKETING TREINAMENTO OPERADOR DE TELEMARKETING AULA 1 Treinamento em Operador de Telemarketing O que é Telemarketing? Será que TELEMARKETING é a mesma atividade de TELEVENDAS? Entendendo Marketing É um processo

Leia mais

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir.

Tendo o texto acima como referência inicial, julgue os itens a seguir. 1. A administração de recursos humanos, historicamente conhecida como administração de pessoal, lida com sistemas formais para administrar pessoas dentro da organização. A administração de recursos humanos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Introdução à Unidade Curricular Material Cedido pelo Prof. Msc. Ângelo Luz Prof. Msc. André Luiz S. de Moraes 2 Materiais Mussum (187.7.106.14 ou 192.168.200.3) Plano de Ensino SISTEMAS

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes

Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Musculação e Treinamento Personalizado: Marketing Pessoal & Fidelização de Clientes Copyright 2011 Edvaldo de Farias Prof. Edvaldo de Farias, MSc. material disponível em www.edvaldodefarias.com Minha expectativa

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais