S{RIE- SUMAR~AÇÃO DOS DADOS COI.ETADOS ~ DOCUMENTOS ESTADO DE SANTA CATARINA N'! 26

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "S{RIE- SUMAR~AÇÃO DOS DADOS COI.ETADOS ~ DOCUMENTOS ESTADO DE SANTA CATARINA N'! 26"

Transcrição

1 MNSTÉRO DA AGRCULTURA SUPERNTENDÊNCA 00 DESENVOLVMENTO OA PESCA PROGRAMA DE PESQUSA E DESENVOLVMENTO PESQUERO DO BRASL BASE DE OPERAÇÕES DO PDP EM FLORiANÓPOLis-so. S{RE- DOCUMENTOS ESTADO NFORME TRMESTRAL DE SANTA CATARNA SUMAR~AÇÃO DOS DADOS CO.ETADOS ~ ESTADO SOBRE: N'! 26 DEEErBARQt:E CAf7UR..\ Esrr'''.'f'o re 1'~SC.A A1<OSTRAGE1.S ~rt ngcas DO CAMARÃO ROSA rf1.'.ar1.o SFTF l>prl!fs

2 PR<XiRAMAE PESQUSA E ESENVOLVmTO PESQlERO 00 BRASL ;. - PDP - - SElE: Av. W/3 Norte - Quadra Bloco "C" Fone: Telex: Edifício da Pesca 3 9 Andar CEP.: BRASLA - DF. BRASL "'l~.\'. SO..CtiCYJC\Si mrjbro DE MJURA Cü-DRETOR - BASE DE OPERAÇOES00 EsrAOO E SANTACATARNA End. Rua João Pinto n Andar Fone: Telex: CEP.: FlorianÓpolis - se. Brasil RCAROODE DEUS CAROOSO O\efe da Base

3 M.A. - SUDEPE PRCGRAMA DE PESQUSA E DESENVOLVMN'O PESQUERO DO BRASL ; - P D P - BAsE DE'OPERl'COES00 ESfADO DE SANTA CATJlRNA. PROJETO: Admirrist'racãode Recursos Pesqueiros...' ~~~ Sl.lBPROJETO:Levarrtzmerrtoe 1\val'ação de Recursos Pesqueiros ESTJOO DO O\MíJt'\O -...~.! "-.'-'- P.ERL1\ JUNHODE _... páginas o o.'.~ - ntrodaçâo.~lo lo ~!' lo lo lo" lo lo ~ " lo lo 04 '-l- CamarãoR!>~~.cPenaeuspaulensis e Pe~ brasiliensis) Pesca em Criadouro (Artesanal) _.}.1etodologia... '~~... 'lo 'lo 'lo ;. A''' lo ' lo lo lo a). Desembarque... ~... : b3 J\!nostragens Biológicas :_.êllálise dos Dados... ~. lo.l~3'~'tabelas'e Gráficos lo' lo. ~Desembarque controlado do Estado por municípios e locais em Kg Desembarque controlado do Estado por municípios e locais em Cr$..: ~... '. ~"lo : ~. " : ~. ~ " " Amostra~emBiol~~ica -Distribuição das frequências por local Amostragem Biológica - Distribuição das frcquências p.or~etie cl1o.oooo OoOo.OoOo Oo OoOoOoOoOo OoOo Oo Oo OoOo- 13 f "-1 'S'~ Distribuição'MenSal das'freqúêhcias'por classes Qe CoMprimfln' to total do camarão rosa (Penaeus paulens ís) na Annação - dã" Piedade (Fip.ura 01) Distribuição mensal das frequências por classes de c~rimen to'total ao càmar~o rosa (Pónaeus brasiliensis)nn Armaão da Piedade (Fipura07.) ~ : Distribuiçãomensal dasfrequ~ncias por classes de camprimen to total do camarão rosa (Penaeus paulensis) na Lagoa da Coil ceição (Figura 03) ~... lo ~ Oo: "S'-'Distribuição mensa '~~s freqtlênciaspor classes de comprimen to total do Cc~8r?O rosa (Pcn8eus brasiliensis) na Lagoa da7 Conce íçâo (Pí.gura Otl) 7~..:...~~... :.. H "Oo ~ "Oo Distribuição mensal ~~s ftcq~ências por classesde c~rimen " to tota'rlo'cknar~o'~~~~'(p~~~~s pdule.sis)capturarlos cam rede "Aviãozinho" (F".ra T5) Oo OoOoOoOoOo Oo Oo os

4 al.l 10 - Distribuição mensal das frequências por classes de comprimen to total do camarão rosa (Penaeus paulensis) capturados com rede de S2.CO ejtl Laguna (Figura 06) Distribuição mensal das frequências por classes de c~rimen to total do camarão rosa (Penaeus paulensis) capturados eiii maruf (Figura 07)... - Pesca Oceânica - (ndustrial) ~~todologia... a) DesembarqueCaptura e Esforço de Pesca... b).ajnostragens Biológi cas Arlálise dos Dados Tabelas e Gráficos. 1 - Desembarquecontrolado do Estado por rntmicípio em Kg e Cr$. 2 - Captura e esforço de pesca Abril a Junho de Captura e esforço de pesca; canparativo entre o 2 9 trimestre.. de 1979/ ~. 4 -.ndíces de captura/esforço; Abril a Junho de ndí.ces de captura/esforço; comparativo entre o 29 trimestre de 1979/ ndí.ces de captura/üance por área de pesca rndices de captura/hora por área de pesca Distribuição de frequências de comprimentototal Penaeus pau-. lensis (figura 01) Párinas Distribuição de frequências de comprimentototal Penaeus braw siliensis (figura 02) : ~ 10 - Distribuição de frequências de maturidade sexual Penaeus paulensis (figura 03) Distribuição de frequências de maturidade sexual Penaeus brasiliensis (figura 05).. ~ n - CamarãoSete Barbas (Xiphopenaeus kroyeri) ntrodução ~~todologia a) Desembarque Captura e Esforço de Pesca a.l - Frota ndustrial a.2 - Frota Artesanal b) - Amostragens Bioló~ica.s Análise dos Dados a) Produção b) Captura e Esforço de Pesca h. - Frota ndust'r í b.2 - FrotaArtesatlal ~1 02

5 c) ~rea de Pesca c.1 - Frota ndlj.strial... c.2 - Frota Artesanal. d) Distribuição de Frequências de Cartprimento Total por sexo.4 - Tabelas 1 - Desembarque controlado do Estado por municípios e locais em Kg. 2 - Desembarque controlado do Estado por municípios e locais em Cr$ Desembarque comparativo controlado entre o 2 9 do Estado por Produtores. em Kg Cr$ e trimestre 1979/l97R. 4 - Captura e Esforço de Pesca - Frota ndustrial 5 --!ndices de captura/esforço (kg) - Frota ndustrial.. 6 -!ndices de captura/lance (kg) por área de pesca - Frota ndus trial ot- -: páginas 7 -!ndices de captura/hora (kg) por área de pesca - Frota ndustrial Captura e Esforço de Pesca - Frota Artesanal !ndices de captura/esforço (kp) - Frota Artesanal !ndices de captura/lance (kg) por área de pesca - Frota Arte- 5mal !ndices de captura/hora (kg) por área de pesca - Frota Artesa nal... 7 S Amostragens Biolópicas - Distribuição das Amostragens por local Distribuição das frequências por classes da J(rea... de comp~nto total S Distribuição das frequências por classes de comprimento da )(rea total Distribuiç?-o df5 frequênci?5 por classes de c~rimento daáreal!... total Figuras e Mapas 1 - Distribuição de frequências de comprimento totp.l (01) por sexo da J(rea Distribuição de frequências de compriwento xoda~a... total (em) por se Distribuiç~o de frequências de comprimento xo da Área total (em) not se Carta de localização da Pescaria (Frota ndustrial)... fil 5 - mpa das AJeas de Pesca (Frota Artesanal) SO

6 - NTROOOc:J.Q A pescaráa de camarôes constitui-ce de grande importância econêmicapara a pesca em Santa Catarâna pois contribuindo comcerca de 90% do desembarquetotal pescado reoresenta aproximadamente450%do valor total da camercializac.ão a nível de produtor.. Os estudos sobre a exoloracâo destes recursos pesqueiros vem sendo intensificados na Base de Operações elopdpem Flo.rianÕpo.li?.'..~?~.ti:"ando atender as necessidades de coleta de informações sobre desembarque captura e esforço de pesca; aprofun-/ dar os estudos -biol{)gic-og. sobre as espêcíes em âguas oceânicas estuarinas e agunares ; estudar interações entre 'a pesca artesanal (criadouro) e a pesca inelustrial (oceânica). o Os resultados destas pesquisas fornecerão subsidios necessários ã implantação de uma administração racional destes recursos camaroeiros com.a'finalidade avaliar o potencial do estoque e os níveis ótimo e atual de pesca. de de 04

7 .l - PESCAEMCRAOOURO (Artesanal) ELABORAOOPOR: LAURAPW.JlALJORGE - PESQUSAOORA Metodologia a) Desembarque ':"'-Qg -dados.ípresentados são coletados pelo setor de estatística através do sis temade "Cont~le de Desembarque da Pesca Artesanal" fornecendo-nos deste modo nformao '..' "."..' '. ções sobre a quantidade de' camarão desembarcado e o seu valor em cruzeiros. b) Amostragens Biológicas As amostras são obtidas aleatoriamente junto à frota artesanal empregando - se a metodologia adotada por técnicos nacionais. As amostragens constam de conpr'íreento total tomado em milímetros desde a parte anterior do rostro até o final do telson e "sex-rãtão" Análise dos Dados v Produção Durante o trimestre foram capturados e desembarcados pela frota artesanal nos locais controlados quilos de camarão rosa correspondendo o valor de Cr$ C(1)T\ 'Os municípios' que mais se destacaram foram Laguna CClll76 toneladas mhitu'ja 38 tone.ladas :e Ploní.anêpcl.í.s con 20 toneladas. Observando-se o volume de desembarque por município nota-se que en c0l".'m::: r (1 com O mesmoperíodo do ano anterior houve um decréscimo de 85 ;4% correspondente 'lc' '.:smbarque de camarão rosa no município de Laguna enquanto que na scnatória elos outros municípios houve um aumento de 786% treas Je Pesca do restante ta Catarina As pescarias são feitas principalmente nas baías norte e sul' da lha de S111- Lagoa da Conceição e Lagoas Mirim lmaruí e Santo Antônio Distribuição das frequências de ComprimentoTotal Neste trimestre foram feitas 41 amostragens biológicas cora indivíduos examinados provenientes da Annação da Piedade (12 amostragens) Lagoa da Conceição ( 10-. '(' amostragens) k~euna (12 amostragens) e lmaruí (7 amostragens) (T~bela 03). 1 a) Annação da Piedade A distribuição de frequências dos indivíduos examinados variou de' 60/ a 180 em sendo que os machos de Penaeus paulensis e Penaeus brasiliensis ficaram entre 70 a.155 em e 60 a 140 an respect ivanent«enquanto que as feméas ficaram entre. 7 O centímetros para as 2 (duas) espécies e 180 e 160 em para Penaeus paulensis e Penaeus/ 1

8 brasiliensis respectivamente. A moda ficou nas classes de 105; 115; 120 em e de 115; 120; 130 em para machos e femeas do Penaeus paulensis e nas classes de 9 O 95 em e de 9 O; Ll O; / 120 empara machos e femeas do Penaeus brasiliensis. (Tabelas OS e 06 e gráficos 01 e 02) b) Lagoa da Conceição Neste trimestre a faixa de amplitude de comprimento total foi de 75 a 160/ centímetros tanto para a espécie Penaeus paulensis comopara a espécie Penaeus brasiliensis sendo que as femeas ficaram entre 75 em e 16 O O!\ para a espécie Penaeus paulensis e de 80 a 16 O empara a espécie P. brasiliensis enquanto que os machos ficarajl1entre 80 em a 135 em e 75 em a 135 em para a espécie Penaeus paudensis e brasiliensis respectivamente. A moda ficou nas classes de 110; 100 e 105 empara os machos de Penaeus paulensis e na classe de 11O empara as femeas da mesmaespécie. Para o Penaeus bras i - liensis os machos ficaram nas classes de 115 e 10 O em e as femeas nas classes de 120 e 100 em (Ta~~as e gráficos 03 e 04). c) Laguna cie Penaeus paulensis Dos indivíduos examinados este trimestre em Laguna pertencentes ã. esp foram capturados com rede "Aviãozinho" sendo que a apli tude da distribuição de frequências foi de 7 O a 125 empara os machos e 7 O a 135 em para as femeas ficando a modanas classes de 9 O; 8 O e 10O empara os machos e nas classes/ de 90 e 100 empara as femeas. A captura de Penaeus paulensis com rede de saco. só foi feita no mês de / abril sendo que a amplitude de comprimento total foi de 75 em a 12 O empara os machos e de 80 a 135 empara as femeas ficando a Modana classe chos comopara as femeas. (Tabelas 9 10 e gráficos 05 e 06). d) maruí de 90 em tanto para os ma-/ Nos meses de abril e maio foram examinados indivíduos da espécie Pena- ~ paulensis sendo que a distribuição de frequências de comprimento total apresentou / una amplitude de 45 empara os machos e de 55 em para as femeas; a moda incidiu nas / classes de 85 e 9 O em para os machos e na de 9 O empara as femeas (Tabela 11 e gráfico 07)..l Considerações Gerais a) '.!T! Laguna as amostragens sao feitas separadamente com indivíduos capturadjs com rede de saco e rede "Aviãozinho" no entanto neste trimestre devido a fatores i - bientais e biológicos só foram feitas amostragens com indivíduos capturados CC1m1"0c'' ('~ saco no mês de abril. b) Comum desembarque de 76 toneladas Laguna foi o namicípio que ~ais se c stacou neste trimestre nro obstante ter tido um decréscimo de 8~4\ em ccmoaracão CfT. o mesmoperíodo no ano anterior.

9 c) Foram examinados neste trimestre indivíduos entre os quais / ' eram machos e femeas. Quanto ã espécie indivíduos eram Penaeus brasi1iensis enquanto que pertenciam ã espécie Pêfiaeus paul ensis havendo una preva~ência de Penaeus pau1ensis sobre o Penaeus brasiliensis muna razão de 822%para 178%. d) Observou-se neste trimestre que o corriprimentomínimo total foi de' 6Q an para machos de Penaeus brasiliensis na Armaçãoda Piedade e 65 an para as femeas de Penaeus pau1ensis em maruí. O comprimento máximototal atingiu 15 O an para machosde Penaeus -paulensis / na Armaçãoda Piedade e 175 an para ferneas da mesmaespécie tambémna localidade da Armação'da Piedade. e) Não houve amostragem em maruí durante o mês de junho devido a falta de desembarque de camarão rosa nesta localidade. g 07

10 ~WC!POS DESmffiARQUE TABELA - 01 DESEHBARQUE a:nfrdlado 00 ESTAro POR HLNCrPtOS E LOCAS Abril aojunho de 1979 ESP!lCE: Camarão Rosa (Penaeus pau1ensis e Penaeus brasi1iensis) E LOCAS DE: (1(1' ) ABRL HAO JUlHO TR~STRE ~O DE CAl-1BORO Bàrra de C~boriú 4 4 ORTO BELO G itraçá anto Grande Praia de Porto Belo imbros GOVERNAooR CE.SO RftM)S Cacira do Norte Canto dos Ganchos Costeira da Armação azenda da Armação GUACO io Caveiras ão ~figue SJl:OJOS! Serraria FLORANClPOLS n Lagoa da Conceição 'raia óa Barra da LaRoa aco dos Limões 3.67' libeirão da lha [MllTUB\. o 13.71\ rraçatuba teça Grande lhíraquera [MARU! 'ercado (Sede) Jl.GUNA lento :abeçudas streí to fercado (Sede)

11 ~NCrPOS E LOCAS DE: '. "... ABRL /fao.' DESEMBARQUE JUNHO TRMESTRE 't- Pescaria Brava ' ]0:1 Perrixil í7'- Siqueiro 989 _..~._ - ) ':d-:c1l] cí.ras '. '. S:'itiago 11 "i r~':jutera Q1" fl-;"') "":-' 1" r'r.mce í ra ;'í.--.- d~.'lj1a' r- "1(''' r. FifJ.eira J'7n--;-. ( JAG]JARUNA CP11\acho Garopaba do Sul Costa da Lagoa ARJ\WlNGUÃ ' lhas ' SÃO JOM ro SUL ' Passos de Torres Barra da Lagoa TOTAL : " ~

12 TABELA- 02 ESB1BARq!E crntrolaoo00 ESfMn POR tauncrpose LOCAS Abril a Junho de ESPgCE: Camarão Rosa (Penaeus paulensis e Penaeus brasiliensis) (Cdl MUNCrPOS E LOCAS E:... ABRL. MAO DESB1BAR~.. Jlffil() TRMESTPE ".\l.nf..ãrode CAMBORO !60o.Q urra de Camboriú OC 'arto BELO _- Ançá DO Canto Grande Praia de Porto Belo Zimbros GOVERNADORCELSORAM1S :00 Caeira do Norte Canto dos Ganchos JOOO Costeira da Armacão Fazenda da Armação BGUACO Rio Caveiras r São Miguel AOO SJD.ross \ Serraria \ FLORANOPOLS Lagoa da Conceição t Praia da Barra da Lapoa ~9.170OO Saco dos Limões Ribeirão da lha MBTJBA Araçatuba Roça Grande biraquera MARU! 'lercado (Sede) LAGUNA ento :abeçudas is tre í to Ofl vn. nn

13 o i MUNCrPOS E LOCAS DE:..' ABRL.MAO TRnlESTRE DESEMBARQUE - ~'ercado (sede) p (1 _. -' Pescaria Brava nnn. ) Pcrrixil (11' ':'queiro on 29.67~r(1.a-anjeíras ~QO /. 175'1 Santiago " ~r. rlputera ':' Rnrranceira (1"~ 118: ~ 170 no' (' Grana ' S9f'" rigt:eira /~.ioo r ~ JAGUARUNA ()( Camacho (\(1 Garopaba do Sul n On nr0 - Cos ta <!a1agoa lo2-;zffif'l;()(\ ARARANGUÃ r r' (1n lhas S1.O JONJ 00 SUL n.435on Passos de Torres or Barra da Lar.oa O l..0(1 i '. i i. TOTAL : : : !l119rn o 11

14 12

15 PETRECHl TABELA- 04 At.m'RJ\GEH BOUJGlCA DsTRBUOO DAS FREQUENCASPOR PETRErnoS Abril a Jtmho de 1979 ESP~CE: Camarão Rosa (Penaeus pau1cnsis _e_penneus brasiliensis-) LOCAL: Armação da Piedade. Lagoa da Conceição. Laguna e maruf i i :N9 DE: N9 DE NDVrDUQSEXAMNi\OOSi TOTAL : r: r H'E SE S :A MOS T R A S: HAQ-;OS FEMEAS. - TARRAFA ABRL 8 -HAO -- 7 JUNHO 2 REDE DE SACO 2 ABRL 2 MAO ' JUNHO' i _ lede "AV1\OZNHO'-' ABRL HAlO JUNHO ABRL HAO - JUNHO _ Tal'AL ABRL HAO JUNHO : :

16

17 "... r.. j _._':'~l _ r r V)(T '":'1"~' -- _ ' -f ;!.'[ -r FGURA: '0'-- ESPl:CE: C.lllllrãolosa {Penaeús~ p'aueílsil;) Distrihuicão ~a~ Prenuências de COApriMento das Amostras leoliza~as Aro'E DE PE~/: J>uça".. o ~ J1X'AL: An!'ac:ão da Pieclacle.'. '. 2.0 '..'.. /\~ i\ c-.' '. -.. ".' _ :. ".... '-- \.'" \. f' ~;\- _. "... l.."._.~~~ ~... _. ~ O +---' ~_-_.--_'_"..:.;.. '_"_'_"_"_'-_'..;' ';;&';-":';"-1 " es ~ i 10 " ~ ABRL - -_ ' " J l:tl;c 15~.'!... U.123.-_. -..'. --.._ --- r.-.jl~ '-"-'f'~" Q O u- 114 '---'i'~" 151l 5 O ~ of 1S <D'Ppnmr.o TO'AL-' (<m) --: 'i? 18

18 TABELA - 06 N()STRAGEM BOLOGCA DSTRBUÇÃO DAS FRE~CAS POR CLASSES E CD1PRMENTO TOTAL Abril a Junho de 1979 ESP!CE: Camarão Rosa (penaeus brasiliensis) FROTA: Artesanal LOCAL: Armação da Piedade ~ DE PESCA: Baia Norte da lha de Santa Catarina FETREmo: Fuçá ClASSES DE ABRL MAO JlMj() CD1PRMENTO MAmos FEMEAS MAmos FEMEAS MAmos Fill1EAS TOTAL (an) i i N9 % N9 % N9 % N9 % N9 % N9 % O ' ~().O " C' ":.. - O :: i.s ::!.c ' i i TOTAL 264:10000: 371;10000: 304'10000: 398:10000: 347:10000: 395:

19 F<1JRA: 02 ESPl'iCE: c3l!arãorosa (Penaeus brasilien.~is) Distribuir.ão das Frequências de eanp~i.rento das Amostras Realizadas ARTE le l'e~ca: Pucií-. LOCAL: Amlãc.ão da.predade 20 ls 10 S O '-' -e ls 10 e' ~ S O 20 ls 10 S O ABRL 6.'.'./\ '. : ~ - z ' / -.. "";" '.... ~. - /' ' ~.' / ~.. '. '\"....'tt-~ ';;J"'-.. ".'.-. / '... ::.-.-':' ff. ~.371. t_ / ;:... \:~\.. \... o'. '-/!... ~~ \. j... ".. ~ ~ /:.: U=" 3C1!l./ ' <. " ' : t.r=~ o ~~ =? "~'. """ "... ".... '-.:.. '"""-'" C1S C ] 3 14 ls ]6 ~ " CXlfPlllffifO rofal(em) -----

20 CLASSES DE a:mprmento TarAL (an) TABElA - 07 AlcOSTRAGEM BO~CA DSTRBUÇÃO DE FREQUENCAS POR CLASSES DE CCMPRMENTO TarAL ABRL a JUNHO DE 1979 ESPgCE: Camarão Rosa (Penaeus pau1ensis) FRarA: Artesanal LOCAL: Lagoa da Conceição ~ DE PESCA: Lagoa da Conceição e Barra da Lagoa PETREmO: HAmOS Tarrafa ABRL FEMEAS N9 \ N9 % i MAO JUNHO i MAmOS FEMEAS l1amos FEMEAS N9: % N9 % N9 % N9.. i i i. i O ltl.o i i i i i i i i TOTAL 143:10000: 224:10000: 233:10000: 302:10000: 83:10000: 81:10000 \ 18

21 . " '.1') _.-.- -'- nc<.1ra: 03 ' " ESPJ!CE:Camarão Rosa (Penaeus naulensis) nistrihuicão das Frequências de romptinento das Amostras Peal~zada$ AUF. E PF~<;CA:Tarrafa LOCAL;.Lasoa da.conce ícão. "- - ". 20' ls '10 ~.:/\.. ". "/'. ''/... o. "O - \ 1/'.\0\." e 5 /:... :".. +- ABRL -.:;...; O t~. - J/..;1."""".""..:.....:... _ l4~~. 224 : _. r ":" '\' o. o ;;-'15 '--' ' ~fao. r- " :/':/\\ 1/..'._ U n~302 '.';'.\... ~.\ '... - u 1\ O+---~~=~= """-'-'--' --'''---'-"~-l '5 o '----': ""-... \/\'.-\.../.... " " '0-. " 83...~~. R 7 R C(}1PRnlEN1n TOrAL(011)

22 TABELA- 08 N.jOSTRADf BOU1GlCA DSTRBUlrJlO DE FREQU!lNCASPOR CLASSES DE <D1PRMENTOTarAL CLASSES ABRL a JUNHO DE 1979 EspfcE: Camarão Rosa (Penaeus brasiliensis) FROTA: Artesanal LOCAL: Lagoa da Conceição Ãrua~ DE PESCA: Lagoa da Conceição e Barra da Lagoa PETRErno: DE Tarrafa ABRL MAO JUNOO CCMPRMENTO HArnOS rneas ~1ArnOS fb.feas ~4ArnOS fb.feas TarAL (em) N9 : % N9 % N9 % N9 % N9 % N9 % ó ] lql ~l.~ li i'é ( ' <+. í : TOTAL 316:10000: 371:10000: 216 :OO00: 256:10000: 155:10000: 174:100;00 20

23 20 FGURA:04 ESrtrE: Camarão Rosa (penaeus brasiliensis) Distribuicão das Frequências de r~~nto das Amostras Realizadas ARTETe PESCA: Tarrafa U'CAL: Lapoa da Conceácâo ABRlL 15 \ /\'~ 10 5 o 20 O '7 8.l / ~._./1 = 316 o. ~ ii:' 371" ti' "...' \ /....' '_~."._'... ~fao l i:-.-. /' \\ 6 '. o J'. 25 :' '\.~.. \. i '\\ 1'! ~''\\ '. ' '. " 1\ o. '\' : -\ ' 1 :'0. ~_.\ - " '".:\ '..... /. e...~-.._.u SS... ou = 174. ~..... /!. <:... ~ ls aj.1prufi./t0 TrrrAL (on) " 1 r '". r q='."

24 DSTRBUCAO DAS TABELA - 09 N-nSTRAGEM ROLOGCA POR CLASSES DE CCMPRMEN'OTarJ\L ABRL A JlNHO DE 1979 ESP!CE:Camarão Rosa (Penaeus pau1ensis) FRm'A: Artesanal LOCAL: Laguna AAEA DE PESCA: Lagoa de Santo Antônio PETRErno: REDE"AV1lOZNHCY' CLASSES DE ABRL MAO JUNHO m1prmento MAmOS FEMEAS MAQJOS FEMEAS HAmOS FEMEAS TarAL (an) i i i N9 % N9 % N9 : % N9 : % N9 : % N9 % R S Q R " ~ i i i i i i i i i TOTAL 362:10000; 404:OO 00: 516:OO 00: 515:10000: 393:10000: 380:

25 FQJRA: ESPlÕCE~CiJlM.ric:>Rosa (Penaeus pau1ensis) Distribuição das Frequênci~. de C.anprimento das ftl'los tras Real zadas ARfE E PESCA: Rede de "Aviãozinho" ux:al: Laguna io S O 20 r- o ~ 15 <:... ~ 10 i' 5 O 20 15: 10 5 O... /\ ABRL._.'/d' :li: o'_'- U 404 r\ - -./:'. -' !i ;' '\ " ~ ó '. -'.. ' '.....~ e- -.' : !.---.~ 515 ~AO.-.1'- 516 '\ ; - - //.. ":::'...' ~. - TlMK)...:/'..i " ':/ '.'.-.11 "' 393 ;:-i.----.n '= ~... '-. /..' - :~/. ao~ \ -- t-. ' \\ "o. --." ". " i.". '.' r - i:r~;:>l.j t ---- <XWRllwro TOrAL (O'l) -----

26 TABELA - 10.AM)STRAGPN BOftCA DSTRBUÇ1\O DAS FREquENCAS POR CLASSES E CCMPRMENTOTOTAL ABRL A JUNHO E 1979 ESP!CE: Camarão Rosa (Penaeus paulensis) FROTA: Artesanal LOCAL: Laguna ÁREA E PESCA: Lagoa de Santo Antônio PETREGlO: Rede de Saco CLASSES DE ABRL MAO JUNHO CCMPRMENTO TOTAL (an) MAGOS FEMEAS MAGOS FEMEAS MAGlOS FEMEAS i N9 : % N9 % N9 % N9 \ N9 % N9 % ; ] i i i i ( i TOTAL 253:10000: 270:10000: c 24

27 1 ~ :...~~ 1'!""'1._.. _--'-:.....:..-':' -:.._:.r._ " ; " " _ FlmRA: 0(1.~. 1.1.: ;--mcfe:'~r'ãfr Rosa'(Penaeus paulensis) -'- -- ~ _..Distl'ibuiçãQ das Frequências de Canprimento das --Mõstras Realizadas ARTE'E P;SCA: Rede de Saco LOCAL:Laguna- '-; f;. ~. J '... : J.

28 TABELA - 11 N{)S'l'RAGF1.1 BOLOGCA DSTRBUÇ1\O DE FREg!ENCAS POR CLASSES DE m1pruffinto TafAL ESpJjCE: Camarão Rosa FROTA: Artesanal LOCAL: maruí trea DE PESCA: Lagoa de maruí PETREmo: Tarrafa ABRL a JUNHO DE 1979 (Penaeus pau1ensis) CLASSES DE ABRL MAO JlMlO a:mprmento MAmOS FEMEAS MAmaS FEMEAS MAmOS FEMEAS TafAL (an) i i N9 : \ N9 % N9 : % N9 % N9 % N9 % "; S JO i i i i i i i i fotal 433 :OO00; 568;10000; 374;10000; 396;10000: 26

29 FGURA:07 ESPliCE: Camarão Rosa (Penaeus paulensis) Distribuição das Frequências de earqrimento das AMostras Realizadas ARTE E PESCÁ: Tar rafa LOCAL: maruí ABRL 0-11 " 433 / 2S - -'-'~f 5611 ' ~ 20.'. o' ls j! 10 \ o 5 \.~" - /~ O...~ " MAO ""-'J' " 396 '-' < l~.-.11 /... lo; 15." " " ~ i' r f \\ O 15 JttlHO ' ; ' / \~" 10 mo lruve RmTRArJ:M 5 o -T "f -T -T f -T --r CXJTR1'ENTO rara!.. (011)

30 CAMARÃO ROSA(Penaeus paulensis e Penaeus brasiliensis) PESCA OCEÂNCA(ndustrial) ELABORMJO POR: RlCARmDEDEUSeARDOSO- PESOOlSADOR r ' E JARODEAGUAR- AUXLARTlOCO"B" ~ METODOLOGA a) Desembarque Captura e Esforço de Pesca: Os dados básicos sobre desembarque são obtidos através do Sistema Controle de Desembarque enquanto que as informações sobre captura e esforço de pesca / > são extratificadas do Sistema Hapa de Bordo. b) Amostragens Biológicas Semanalmente são obtidas amostras aleatórias junto aos desembar-/ ques da frota industrial no porto de taj aí constando as amostragens de: canprimento / total sexo e maturidade sexual das femeas através de observações macroscópicas ANJU.lSEDOSDAOOS a) Produção: O desembarque controlado do camarão rosa capturado pela frota industrial apresentou neste trimestre l' volume de qui os e o valor de ccsnerc.ialização a nível de produtor de Cr$ (cinte e quatro milhões setenta e dois mil quinhentos c trinta e dois cruzeiros e cinquenta centavos). O mês de maio caracterj. ou-se como o de maior ocorrência nos desembarques e o porto de taj aí continua: tendo a :naior concentração nos desembarques alcançando no trimestre 916% do volume total de sembarcado pela frota industrial em Santa Catarina. b) Captura e Esforço Emcrmparaçâo COJll o mesmoperíodo do ano anterior a frota atuante apresentou uma elevação de 264% cem aunentos de 1010% mincro de ví agens 160% na duração das viagens 22% no número de lances e cem queda de 14% na duração dos lances. Os índices de captura/esforço (kg) foram bem melhores que os obtidos no mesmoperíodo do ano anterior excesão feí ta a cantura/vi acens c) Distribuição de Frequências de Canprinento Total e ~laturidade / Sexual das Fêmeas: Penaet's 1)l1ulcnsis - fi distribuição de frequências ele ccrprimento/ total (i = 05 01) identificou par? os nachos ma 1''1jJli tude tot» 1 ele 4;' (JT\ con modas situadas nos 135 e 150 em em abril e nos 14.0 e (JT\ em iunho. As femeas tiveram

31 una amplitude total de can modas'nos e '1 en abril e nos 16.5 e em junho; na distribuicão da maturidade sexual identificamos maios concentração/ de indivíduos "imaturos" una pequena incidência "emmaturação" e alguns "maturos". Penaeus brasiliensis - os machos apresentaram una amplitude de canprimento total de can modas situadas nos e 160 0'1 em abril nos 13.5 e emmaio e nos em junho. As femeas tiveram una amplitude de 11.5/ centímetros commodasnos Q.5 e '1 em abril nos e '1 no mês de maio e nos e em junho; na distribuição da mat~ ridade sexual identificamos maior concentração de "imaturos" pequena incidência "emmaturação" e alguns "matures" 30

Questionário sobre o Ensino de Leitura

Questionário sobre o Ensino de Leitura ANEXO 1 Questionário sobre o Ensino de Leitura 1. Sexo Masculino Feminino 2. Idade 3. Profissão 4. Ao trabalhar a leitura é melhor primeiro ensinar os fonemas (vogais, consoantes e ditongos), depois as

Leia mais

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010

P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 145/2010 D A T A D E A B E R T U R A : 2 9 d e d e z e m b r o d e 2 0 1 0 H O R Á R I O : 9:0 0 h o r a s L O C A L D A S E S S Ã O P Ú B L I C A: S a l a d a C P L/

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM No u s o d a c o mp e t ê n c i a p r e v i s t a al í n e a v ) d o n. º 1 d o ar t i g o 64º d o De c r e t o -Le i n. º 1

Leia mais

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e :

Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : INSCRIÇÕES ABERTAS ATÉ 13 DE JULH DE 2015! Ac esse o sit e w w w. d e ca c lu b.c om.br / es t u dos 2 0 1 5 e f a ç a s u a insc riçã o cl ica nd o e m Pa r t i c i p e : Caso vo cê nunca t e nh a pa

Leia mais

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o

NPQV Variável Educação Prof. Responsáv el : Ra ph a el B i c u d o NPQV Variável Educação Prof. Responsáv v el :: Ra ph aa el BB ii cc uu dd o ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO 2º Semestre de 2003 ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NA ÁREA DE EDUCAÇÃO As atividades realizadas

Leia mais

Estudo Ambiental de Sísmica (EAS) Pesquisa Sísmica 3D, Não Exclusiva Bacia Sedimentar Marítima de Pernambuco-Paraíba

Estudo Ambiental de Sísmica (EAS) Pesquisa Sísmica 3D, Não Exclusiva Bacia Sedimentar Marítima de Pernambuco-Paraíba Estudo Ambiental de Sísmica (EAS) Pág. i / ii Sumário II.6.4... 1 1 - Justificativa... 1 2. Objetivos... 2 3. Metas... 3 4. Indicadores Ambientais... 4 5. Metodologia... 5 5.1 Supervisão da Coleta dos

Leia mais

Tópicos Quem é é a a PP aa nn dd ui t t?? PP oo rr qq ue um CC aa bb ea men tt oo PP er ff oo rr ma nn cc e? dd e AA ll tt a a Qua ll ii dd aa dd e e PP aa nn dd ui t t NN et ww oo rr k k II nn ff rr aa

Leia mais

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRAL DOS TRABALHADORES ESCOLA DE TURISMO E HOTELARIA CANTO DA IULHA

CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRAL DOS TRABALHADORES ESCOLA DE TURISMO E HOTELARIA CANTO DA IULHA CENTRO DE EDUCAÇÃO INTEGRAL DOS TRABALHADORES ESCOLA DE TURISMO E HOTELARIA CANTO DA IULHA APRESENTA TRABALHO COLETIVO DOS EDUCANDOS (AS) ELABORADO NOS PERCURSOS FORMATIVOS EQUIPE PEDAGÓGICA E TURMAS DE

Leia mais

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O

PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O PATR IMÔNIO PALEONTOLÓG IC O O s depós itos fos s ilíferos, o s s ítios paleontológ icos (paleobiológicos ou fossilíferos) e o s fós s eis q u e a p r e s e n ta m valores científico, educativo o u cultural

Leia mais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais

White Paper. Datas Comemorativas. Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais Datas Comemorativas White Paper Calendário 2011 de datas comemorativas para campanhas sazonais As datas comemorativas podem ser exploradas para rentabilizar o seu comércio, seja ele físico ou online. Dedique

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem

Quadro de conteúdos. Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano. Lição 1 As crianças e os lugares onde vivem Quadro de conteúdos Eu Gosto M@is Integrado 1 o ano Língua Portuguesa Matemática História Geografia Ciências Naturais Arte Inglês ABC da passarinhada O alfabeto Quantidade A ideia de quantidade Eu, criança

Leia mais

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 O País é banhado por uma costa marítima de 8,5 mil quilômetros e possui 12% da água doce do planeta; O pescado é a proteína animal mais saudável e consumida

Leia mais

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO

RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO RESULTADOS DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DO USUÁRIO EXTERNO COM A CONCILIAÇÃO E A MEDIAÇÃO 1. RESULTADOS QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO 1.1- QUESTIONÁRIO I - PARTES/ CONCILIAÇÃO: AMOSTRA REFERENTE AS

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO DE DESEMBARQUE PESQUEIRO COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO CODESA

PROJETO EXECUTIVO DE DESEMBARQUE PESQUEIRO COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO CODESA PROJETO EXECUTIVO DE DESEMBARQUE PESQUEIRO COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO CODESA Vitória Outubro/ LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Associação da Ilha das Caieiras (ASPEMADE)... 6 Figura 2 Associação de

Leia mais

'!"( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, ".6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # )

'!( )*+%, ( -. ) #) 01)0) 2! ' 3.!1(,,, .6 )) -2 7! 6))  ) 6 #$ ))! 6) 8 9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) !" #$%&& #% 1 !"# $%& '!"( )*+%, ( -. ) #) /)01 01)0) 2! ' 3.!1(,,, " 44425"2.6 )) -2 7! 6)) " ) 6 #$ ))!" 6) 4442$ ))2 8 "9 :# $ ( -;!: (2. ) # ) 44425"2 ))!)) 2() )! ()?"?@! A ))B " > - > )A! 2CDE)

Leia mais

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing

White Paper. Boas Práticas de E-mail Marketing White Paper Boas Práticas de E-mail Marketing Saiba como alguns cuidados simples podem melhorar os resultados de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação atual,

Leia mais

Classificação Periódica dos Elementos

Classificação Periódica dos Elementos Classificação Periódica dos Elementos 1 2 3 1 Massa atômica relativa. A incerteza no último dígito é 1, exceto quando indicado entre parênteses. Os valores com * referemse Número Atômico 18 ao isótopo

Leia mais

n o m urd ne Hel e n o mis

n o m urd ne Hel e n o mis Em nosso cotidiano existem infinitas tarefas que uma criança autista não é capaz de realizar sozinha, mas irá torna-se capaz de realizar qualquer atividade, se alguém lhe der instruções, fizer uma demonstração

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL MPA/MMA Nº 2, DE 16 DE MAIO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL MPA/MMA Nº 2, DE 16 DE MAIO DE 2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL MPA/MMA Nº 2, DE 16 DE MAIO DE 2013 Estabelece critérios para pesca na Lagoa Aruarama no Rio de Janeiro O MINISTRO DE ESTADO DA PESCA E AQUICULTURA E A MINISTRA DE

Leia mais

A Pesca Industrial no Estado de São Paulo

A Pesca Industrial no Estado de São Paulo Apresentação FIESP Os Múltiplos Usos do Mar e a Atividade Pesqueira A Pesca Industrial no Estado de São Paulo PESCA INDUSTRIAL ATIVIDADE REGULAMENTADA LICENCIADA NÃO CRIMINOSA TIPOS DE PESCA A pesca industrial

Leia mais

Boletim Estatístico Pesqueiro das Lagunas de Araruama e Saquarema 1º Trimestre - 2013

Boletim Estatístico Pesqueiro das Lagunas de Araruama e Saquarema 1º Trimestre - 2013 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE DESENV. REGIONAL, ABASTECIMENTO E PESCA FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESCA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Boletim Estatístico Pesqueiro das Lagunas de

Leia mais

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP

White Paper. Flexibilidade e economia na era IP White Paper Flexibilidade e economia na era IP Saiba como utilizar as tecnologias mais modernas de comunicação de voz pela internet para conseguir mais economia e rapidez em telefonia para sua empresa

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D O P A R A N Á L E T Í C I A M A R I A G R O B É R I O A B O R T O : U M A Q U E S T Ã O M O R A L, L E G A L, C U L T U R A L E E C O N Ô M I C A C U R I T I B A

Leia mais

OBJETIVOS LG NB. 1- Investigar se os pescadores artesanais percebem as mudanças ambientais. X X

OBJETIVOS LG NB. 1- Investigar se os pescadores artesanais percebem as mudanças ambientais. X X Efeitos das mudanças socioambientais na pesca artesanal do litoral norte de São Paulo (Componente IV) Imagem: João Vianna Workshop Projeto Clima 2013 Dra. Cristiana S. Seixas Luziana Garuana Natália Bahia

Leia mais

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007

REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCH PIEDADE JUNHO/2007 REVISÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL JUNHO/27 VOLUME II ANEXOS ANEXO I DESENHOS... 1 Revisão do Plano de Controle Ambiental PCH Piedade Junho/27 ANEXO I DESENHOS Sigla PIE-CAN-2 PIE-ACE-2 PIE-RESG-1

Leia mais

PROGRAMA - DE ORDENAMENTO DO MUNICIPIO DE CONCEIÇAO DO CASTELO GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRITO

PROGRAMA - DE ORDENAMENTO DO MUNICIPIO DE CONCEIÇAO DO CASTELO GOVERNO DO ESTADO DO ESPIRITO GOVENO DO ESADO DO ESPIIO - SANO SECEAIA DE ESADO DO PLANEJAMENO PEFEIUA MUNICIPAL DE CONCEIÇAO DO CASELO POGAMA - DE ODENAMENO - UBANO DO MUNICIPIO DE CONCEIÇAO DO CASELO CADASO - IMOBILIAIO UBANO Vali

Leia mais

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana

Cadastro Territorial Multifinalitário no planejamento e gestão territorial urbana Mundo Geo Connect Seminário Geotecnologia na Gestão Municipal Sessão Desafios para as Prefeituras: o CTM como instrumento de política fiscal e urbana São Paulo, 16 de junho de 2011 Cadastro Territorial

Leia mais

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira.

REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES ANTIGAS ASSINATURA. 30/7/2014 Salão de Gramado encerra nesta quinta-feira. Q u a, 3 0 d e J u l h o d e 2 0 1 4 search... REVIS TA CONTATO LEITOR GALERIA COLUNAS EDIÇÕES Selecione a Edição ANTIGAS C l i q u e n o l i n k a b a i xo p a r a a c e s s a r a s e d i ç õ e s a n

Leia mais

7a. Edição Editora Atlas

7a. Edição Editora Atlas FIB - FACULDADES INTEGRADAS DE BAURU Pós-graduação em Auditoria, Controladoria e Finanças Disciplina: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO Slide 1 Professor: MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março

Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março. Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Física e Química A Prova Escrita

Leia mais

1. A cessan do o S I G P R H

1. A cessan do o S I G P R H 1. A cessan do o S I G P R H A c esse o en de reç o w w w.si3.ufc.br e selec i o ne a o p ç ã o S I G P R H (Siste m a I n te g ra d o de P la ne ja m e n t o, G estã o e R e c u rs os H u m a n os). Se

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E J A R D I M N Ú C L E O D E C O M P R A S E L I C I T A Ç Ã O A U T O R I Z A Ç Ã O P A R A R E A L I Z A Ç Ã O D E C E R T A M E L I C I T A T Ó R I O M O D A L I D A D E P R E G Ã O P R E S E N C I A L N 027/ 2

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL MPA/MMA N 12, DE 22 DE AGOSTO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL MPA/MMA N 12, DE 22 DE AGOSTO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERMINISTERIAL MPA/MMA N 12, DE 22 DE AGOSTO DE 2012. Dispõe sobre critérios e padrões para o ordenamento da pesca praticada com o emprego de redes de emalhe nas águas jurisdicionais

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00004 Sexta-Feira Quit-Feira 08 11 de Março Janeiro de de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Santa Barbara, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Nº

Leia mais

Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro

Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro Parâmetros da consulta: SUL / Santa Catarina Resumo da Seleção

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOCIOECONOMICO DOS MUNICÍPIOS COSTEIROS DE SANTA CATARINA PARA A ELABORAÇÃO DA CARTA SAO DA BACIA DE SANTOS

DIAGNÓSTICO SOCIOECONOMICO DOS MUNICÍPIOS COSTEIROS DE SANTA CATARINA PARA A ELABORAÇÃO DA CARTA SAO DA BACIA DE SANTOS Área do conhecimento: Planejamento Urbano e Regional DIAGNÓSTICO SOCIOECONOMICO DOS MUNICÍPIOS COSTEIROS DE SANTA CATARINA PARA A ELABORAÇÃO DA CARTA SAO DA BACIA DE SANTOS Rodrigo Xavier Sciorilli Camacho

Leia mais

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12

12 ru e d e R ib e a u v illé. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : Ed it é le 13 /05/2016 à 17 :23 Page : 1 / 12 R A M F A R A N D O L E 12 ru e d e R ib e a u v illé 6 7 7 3 0 C H A T E N O IS R e s p o n s a b le s d u R e la is : B ie g e l H. - R o e s c h C. T é l. :03.88.57.51.7 1 / Fa x : * * * * * * * * *

Leia mais

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014

Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 Resultados da Movimentação de Viagens Organizadas na Temporada de Inverno 2014 EQUIPE TÉCNICA DO IPETURIS Coordenação: Mariana Nery Pesquisadores: César Melo Tamiris Martins Viviane Silva Suporte: Gerson

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. Edição Nº Nº 030/2012 00034 Sexta-Feira Quit-Feira 22 08 de de Fevereiro Março de 2012 2013 A Prefeitura Municipal de Conceição da Feira, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Leia mais

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a

P i s cina s : 2 P i s ci n a e x te rior de á g u a d e m a r a q u e cida P i s ci n a i n te ri or d e á g u a E M P R IM E I R A MÃO T h e O i ta v os é o e x c lu s i v o h o te l d e 5 e s tre la s q u e co m p le t a e v a l ori za a ofe rta d a Q u i n ta d a M a ri n h a, co n s olid a n d o -a c om o d e

Leia mais

MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA EDITAL PÚBLICO Nº 1/2015.

MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA EDITAL PÚBLICO Nº 1/2015. MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA EDITAL PÚBLICO Nº 1/2015. EDITAL PÚBLICO PARA CADASTRO DE ÓRGÃOS OU ENTIDADES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA INTERESSADOS EM DESENVOLVER PROJETOS CONJUNTOS DE ESTRUTURAÇÃO DA

Leia mais

Pluralidade dos Meios de Comunicação

Pluralidade dos Meios de Comunicação Pluralidade dos Meios de Comunicação Novembro/212 APRESENTAÇÃO A pesquisa Pluralidade dos Meios de Comunicação, desenvolvida pelo Instituto Palavra Aberta entidade criada em fevereiro de 21 pela Abert

Leia mais

CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 1.1 IMPORTÂNCIA DAS PESCAS A importância das pescas num País não se pode medir apenas pela sua contribuição para o PIB (cerca de 1.5%), mas deve atender ao facto de serem os recursos

Leia mais

O Brasil que você procura. El Brasil que buscas. Turismo Náutico. Turismo Náutico

O Brasil que você procura. El Brasil que buscas. Turismo Náutico. Turismo Náutico O Brasil que você procura El Brasil que buscas Turismo Náutico Turismo Náutico O país das águas tem vocação nata para a navegação. Bons ventos, paraísos intocados e clima favorável ao esporte e ao lazer

Leia mais

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I

1 3Centrs e PP esq is II DD C n MM n Astr l i Astri C h i n Re. C h e H n g K n g F i n l n i I n i F rn 0 4 C n I n n si Al e m n h E st s U n i s I 1 3Mr P e re s, R e s e r h D i re t r I D C B rs i l Br 0 0metr Cis e Bn L rg n Brsil, 2005-201 0 R e s l t s P ri m e i r T ri m e s t re e 2 0 0 7 Prer r Prer r Met e Bn Lrg em 2 0 1 0 n Brs i l : 10

Leia mais

Telecomunicações Básico

Telecomunicações Básico Telecomunicações Básico Prof. MSc. Eng. ! "!"!"#$ %!"# #% # $ &# #!% '($ ) ) *+, ) $-!.) / 0 1#() 0!2) $% & '() * %# ') % &# /) *%+,,%-, 334-3564.7 &3897.%& / /% 0 0% 1 0 :'( : : $00'( :'(;< : 4.*6 :4.*6

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia

1. Introdução. 2. Metodologia Mapeando a Mestre em Estatística Prefeitura Municipal do Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Departamento de Estudos e Pesquisas. Introdução O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos

Sistema de Arquivos. Sistemas de Arquivos Sistemas de Arquivos Definições Básicas 1.Um arquivo é uma unidade lógica de informação criado por processos. As informações podem representar instruções e dados de qualquer tipo [1]. Exemplo de arquivos.

Leia mais

Estatística Aplicada ao Serviço Social

Estatística Aplicada ao Serviço Social Estatística Aplicada ao Serviço Social Prof a. Juliana Freitas Pires Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba - UFPB juliana@de.ufpb.br Introdução O que é Estatística? Coleção de métodos

Leia mais

Ações Preparatórias para o Verão 2014/2015

Ações Preparatórias para o Verão 2014/2015 Verão 2014/2015 2 A temporada de verão consiste no período do ano que requer maior atenção ao comportamento do sistema elétrico. Aumento significativo na demanda de energia: Elevado consumos dos sistemas

Leia mais

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP

DATAPREV Divisão de Gestão Operacional e Controle - D1GC Serviço Técnico a Softwares de Produção STSP GIS Gertran Integration Suite Guia de T ransferência de Arquivos Entidade x DATAPREV Versão 1.0 HTTPS G I S G ui a de T ra n sf er ên ci a d e Ar qu i vo s 1/ 8 ÍNDICE ANALÍT ICO 1. INTRODU ÇÃO......4

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. Flávio Bezerra)

REQUERIMENTO. (Do Sr. Flávio Bezerra) REQUERIMENTO (Do Sr. Flávio Bezerra) Requer o envio dessa Indicação ao Poder Executivo, por intermédio do Ministério do Trabalho que conceda carteira de licença de pesca da lagosta aos pescadores já inscritos

Leia mais

Breve Histórico COLÔNIA DE PESCADORES Z-8

Breve Histórico COLÔNIA DE PESCADORES Z-8 COLÔNIA DE PESCADORES Z-8 BENJAMIN CONSTANT Caraguatatuba - SP Breve Histórico Antiga colônia Z-17, reestruturada em 1972 para Z-8. Ocupava sedes temporárias em casas de presidentes da colônia, apresentando

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de

White Paper. Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server. O correio eletrônico é uma das ferramentas de White Paper Mais produtividade e mobilidade com Exchange Server Entenda como usar melhor a plataforma de correio eletrônico da Microsoft para ganhar mais eficiência na comunicação da sua empresa O correio

Leia mais

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011

Estratégico. III Seminário de Planejamento. Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 Estratégico III Seminário de Planejamento Rio de Janeiro, 23 a 25 de fevereiro de 2011 G es tão Em pre sa rial O rie nta ção pa ra om erc ado Ino vaç ão et

Leia mais

7º Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade Brasília - 17 a 20 de maio de 2015

7º Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade Brasília - 17 a 20 de maio de 2015 7º Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ambiente e Sociedade Brasília - 17 a 20 de maio de 2015 GT1 Turismo, Ambiente e Sociedade Coordenadores do GT: Maria Goretti da

Leia mais

COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO

COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO COORDENAÇÕES ESTADUAIS DO ARTESANATO ACRE Secretaria de Estado de Turismo e Lazer Endereço: Av. Chico Mendes, s/n - Arena da Floresta - Bairro Areal. CEP: 69.906-119 - Rio Branco - AC TEL: (68) 3901-3027/

Leia mais

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA

QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA QUÍMICA VESTIBULAR 2005 2ª ETAPA 1 2 3 4 5 6 7 1 1 1, 00 2 3 4 Li Be 6, 94 9, 01 11 12 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 K Ca 39, 10 40, 08 37 38 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 Cs Ba 132, 91 137, 33 87 88 Fr Ra 223,

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619

CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 CONTROLE AVES DE VENDA EXPOSIÇÃO 2014 CRIADOR TELEFONE GAIOLA ANEL SEXO NOMENCLATURA VALOR OBS ORLANDO NASCIMENTO- 21 98825-5609/96739-8619 1 IB-105-40-13 FM CN OP AM MF IN 100,00 BANCO: 2 BB-3992-44-11

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

Qualificação e pagamento de assistência financeira para os pescadores que se dedicavam a pesca da lagosta e estavam legalmente impedidos de exercer a

Qualificação e pagamento de assistência financeira para os pescadores que se dedicavam a pesca da lagosta e estavam legalmente impedidos de exercer a Plano de Formação e Valorização do Pescador OBJETIVO Qualificação e pagamento de assistência financeira para os pescadores que se dedicavam a pesca da lagosta e estavam legalmente impedidos de exercer

Leia mais

ér co pe pa as le so se al tr on ro pr arc lie ond ase ete ole es ima ine red air o ca re uta mito K iro tei K bj or d orei ali tr tio seg as o em ocr at co arc h ong ab chl

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTA DOS ENSAIOS DE CULTIVARES DF SOJA RFCOMENDADAS PARA O RIO GRANDE DO SU~

ANÁLISE CONJUNTA DOS ENSAIOS DE CULTIVARES DF SOJA RFCOMENDADAS PARA O RIO GRANDE DO SU~ ANÁLISE CONJUNTA DOS ENSAIOS DE CULTIVARES DF SOJA RFCOMENDADAS PARA O RIO GRANDE DO SU~ Emídio R. Sonata Objetivo Acompanhar o desempenho das cultivares de soja, recomendadas para plantio comercial, nas

Leia mais

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT Atividade Conjunta Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA-MT de: Monitoramento da Atividade Reprodutiva dos Peixes Migradores

Leia mais

www.investorbrasil.com

www.investorbrasil.com Proposta curso preparatório para CPA 20 - ANBIMA www.investorbrasil.com Apresentação INVESTOR APRESENTAÇÃO A INVESTOR é uma escola que nasceu da necessidade das pessoas aprenderem as ferramentas e instrumentos

Leia mais

BALNEABILIDADE DO LITORAL CATARINENSE Relatório Nº: 5 Data: 8/1/2010

BALNEABILIDADE DO LITORAL CATARINENSE Relatório Nº: 5 Data: 8/1/2010 PRAIA DO MORRO DOS CONVENTOS (Ponto 01) ARARANGUA 7/1/2010 FRENTE AO POSTO DE SALVA-VIDAS CENTRAL ARROIO DA PRAIA DAS GAIVOTAS (Ponto 02) BALN. GAIVOTAS 7/1/2010 SOB PTE CONCRETO AV. BEIRA MAR, ENTR. PRAIA

Leia mais

Cartas de Identidades Culturais. ( Atividade do Projeto Desenvolvimento Territorial Sustentável da Zona Costeira de Santa Catarina )

Cartas de Identidades Culturais. ( Atividade do Projeto Desenvolvimento Territorial Sustentável da Zona Costeira de Santa Catarina ) Cartas de Identidades Culturais ( Atividade do Projeto Desenvolvimento Territorial Sustentável da Zona Costeira de Santa Catarina ) Porto Belo, novembro de 2010 Sumário 1. Alguns parâmetros 2. Oficinas

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

INFORMATIVO SICAB. Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro SICAB

INFORMATIVO SICAB. Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro SICAB INFORMATIVO SICAB Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro SICAB O Sistema de Informações Cadastrais do Artesanato Brasileiro (SICAB) foi desenvolvido com o propósito de prover informações

Leia mais

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar?

White Paper. E-mail Marketing: por onde começar? White Paper E-mail Marketing: por onde começar? Primeiros passos para definir o planejamento de suas campanhas de e-mail marketing Para garantir a qualidade no mix de comunicação, é importante criar suas

Leia mais

RELATORIO NO 69/2012. A atividade c rreicional teve como suporte, relatorio gerencial

RELATORIO NO 69/2012. A atividade c rreicional teve como suporte, relatorio gerencial II tribunal de justica do estado de goias PDER JUDICIARI Corregedoria-Geral da Justica Assessoria de rientacdo e Correicao RELATRI N 69/212 Em cumprime o ao Despacho n 3118/211, da Excelentissima Senhora

Leia mais

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024

A N E X O P L A N O M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O 2 0 1 5 2024 E S T A D O D E S A N T A C A T A R I N A P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E M A J O R V I E I R A S E C R E T A R I A M U N I C I P A L D E E D U C A Ç Ã O, C U L T U R A E D E S P O R T O C N

Leia mais

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de

MÃE. M esmo q u e o s eu f ilho j á t enha sido regi strad o procu r e o cartóri o d e R egi stro Civil de APRESENTAÇÃO O T r i b u n a l d e J u st i ç a d e S ã o P a u l o d e s e n v o l ve, d e s d e 2 0 0 7, o P r o j e to P a t e r n i d a d e R e s p o n s á v e l. S u a d i s c i p l i n a e s t á

Leia mais

Proposta de Revisão Metodológica

Proposta de Revisão Metodológica Proposta de Revisão Metodológica Gestão do Desempenho Dezembro de 20 DIDE/SVDC Propostas para 202 Nova sist em át ic a de pac t uaç ão e avaliaç ão de m et as set oriais e de equipe; Avaliaç ão de De s

Leia mais

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe

Y Zr Nb Mo Tc Ru Rh Pd Ag Cd In Sn Sb Te I Xe A H,0 Li 7,0 Na 2,0 9 K 9,0 7 Rb 85,5 55 Cs,0 87 Fr (22) 2 2A Be 9,0 2 Mg 2,0 20 Ca 0,0 8 Sr 88,0 56 Ba 7,0 88 Ra (226) Elementos de Transição B B 5B 6B 7B 8B B 2B 5 6 7 A A 5A 6A 7A 78,5 8,0 8,0 86,0

Leia mais

Prefeitura Municipal de Gavião-BA

Prefeitura Municipal de Gavião-BA Edição Nº Nº 024/2012 030/2012 Segunda-Feira Quinta-Feira 08 26 de Março Junho de 2012 Rua Irmã Dulce, nº 370 Gavião Bahia CEP: 44650-000. Tel/Fax: 75.3682 2271 CNPJ: 13.233.036/0001-67 www.gaviao.ba.gov.br

Leia mais

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015

Programa de Requalificação de UBS. Março/2015 Programa de Requalificação de UBS Março/2015 PROGRAMA DE REQUALIFICAÇÃO DE UBS Instituído no ano de 2011 OBJETIVOS: Criar incentivo financeiro para as UBS Contribuir para estruturação e o fortalecimento

Leia mais

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II)

ABRI AS PORTAS A CRISTO (Hino ao Beato João Paulo II) Órg. 6 11 q = 60 me mf ortas a ris to! Não te mais, não te nhais do: 'scanca rai o vosso cora ção ao mor de Deus. RI POR RIO (Hino ao eato João Paulo II) ortas a ris to! Não te mais não te nhais me do;

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO VILA VELHA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS FREDERICO JACOB EUTRÓPIO

CENTRO UNIVERSITÁRIO VILA VELHA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS FREDERICO JACOB EUTRÓPIO CENTRO UNIVERSITÁRIO VILA VELHA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECOLOGIA DE ECOSSISTEMAS FREDERICO JACOB EUTRÓPIO Biologia do camarão Xiphopenaeus kroyeri (Dendobranchiata: Penaeidae) e a fauna acompanhante

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA No-2, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA No-2, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA No-2, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014 Regulamenta o art. 4º da Instrução Normativa Interministerial n 14 de 26 de

Leia mais

Prgrmçã O Mu s u Év r, p r l ém f rcr s s i g ns «vi s i t s cl áss i cs» qu cri m s p nt s c nt ct nt r s di v rs s p úb l ic s qu vi s it m s c nt ú d s d s u ri c s p ó l i, p r cu r, c nc m i t nt

Leia mais

Projeto de pesquisa. Distribuição espaço-temporal dos siris (Crustacea Portunidae) na Baía de Guaratuba e adjacências, Estado do Paraná, Brasil

Projeto de pesquisa. Distribuição espaço-temporal dos siris (Crustacea Portunidae) na Baía de Guaratuba e adjacências, Estado do Paraná, Brasil Projeto de pesquisa Distribuição espaço-temporal dos siris (Crustacea Portunidae) na Baía de Guaratuba e adjacências, Estado do Paraná, Brasil Autora: Sara Regina Sampaio Orientadora: Setuko Masunari Projeto

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO. Relatório Turma/Horário

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO. Relatório Turma/Horário AT 40 CCMP0077 - ADMINISTRAÇAO DA TEC DA INFORMAÇAO E COMUNICAÇAO JURANY FREITAS MELRO TRAVASSOS* 30 QUI A03 10:30-11:20 11:20-12:10 AM 45 CCMP0001 - ALGEBRA APLICADA A COMPUTAÇÃO ELIANE MARIA LOIOLA*

Leia mais

Região Quantidade % Norte 339.270 19,39% Nordeste 1.039.640 59,41% Sudeste 179.511 10,26% Sul 113.678 6,50% Centro-Oeste 77.952 4,45% Total Brasil 1.750.051 100,00% Fundação João Pinheiro, 2007. BENEFICIÁRIOS:

Leia mais

CONTADOR GEIGER PORTÁTIL COM ESCALA LOGARÍTMICA INSTITUTO DE PESQUISAS RADIOATIVAS U. F. M G. - CN.1N. ' ; BELO HORIZONTE - BRASIL. :\'.

CONTADOR GEIGER PORTÁTIL COM ESCALA LOGARÍTMICA INSTITUTO DE PESQUISAS RADIOATIVAS U. F. M G. - CN.1N. ' ; BELO HORIZONTE - BRASIL. :\'. CONTADOR GEIGER PORTÁTIL COM ESCALA LOGARÍTMICA JUNHO 1971 DR-39 OLIVEIRA, L.A.O. CHAGAS, Ê.A. BITTENCOURT, F.A. - 1 INSTITUTO DE PESQUISAS RADIOATIVAS U. F. M G. - CN.1N. ' ; * S" Gd«de Universitérié

Leia mais

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO

MONITORAMENTO DE INFORMAÇÃO Consórcio muda d ndrço Corrio Lagano - 20/01/2016 5 - Colunista - Olivt Salmória Mídia Imprssa Co m d n 1 Içara prd vantagm comptitiva 9/01) Diário d Notícias/Criciúma - 20/01/2016 7 - Gral Mídia Imprssa

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

C-1035 SONDA À PERCUSSÃO S.P.T. COMPLETA

C-1035 SONDA À PERCUSSÃO S.P.T. COMPLETA C-1035 SONDA À PERCUSSÃO S.P.T. COMPLETA {gallery}produtos/solos/c1035{/gallery} NBR 6484 Sonda à percussão completa S.P.T. (Standart Penetration Test) para sondagem leve até 30 metros, estudos de fundações,

Leia mais

EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ESTATÍSTICA

EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ESTATÍSTICA EXERCÍCIOS 2006 APOSTILA DE EXERCÍCIOS ESTATÍSTICA Professor: LUIZ ANTÔNIO 1 1º) Em um escritório de consultoria, há cinco contínuos que recebem os seguintes salários mensais: R$ 800,00; R$ 780,00; R$

Leia mais

ATRIBUIÇÃO DO GRUPO DE IDADE

ATRIBUIÇÃO DO GRUPO DE IDADE ---------------------------------------------------------------------------------------------------------- Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Mestrado em Biologia Marinha

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais