Regiões e Blocos Multinacionais de Mercado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regiões e Blocos Multinacionais de Mercado"

Transcrição

1 Regiões e Blocos Multinacionais de Mercado Cateora e Graham, 2006, Cap. 10 Prof.ª. Fernanda Ilhéu McGraw-Hill/Irwin 2005 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved.

2 Regiões e Blocos Multinacionais de Mercado 1. Razões para a união económica 2. Padrões para a cooperação internacional 3. A evolução da Comunidade Europeia para a União Europeia 4. Implicações estratégicas para o marketing na Europa

3 Regiões e Blocos Multinacionais de Mercado 5. Evolução dos padrões de comércio na Europa de Leste e antigos estados da União Soviética à medida que fazem a transição para um sistema de economia de mercado 6. Os laços comerciais da NAFTA com a América do Sul e os efeitos regionais. 7. O desenvolvimento do comércio no RIM do Pacífico

4 Introdução A evolução e crescimento das regiões multinacionais de mercado aqueles grupos de países que procuram benefícios económicos mútuos, reduzindo tarifas alfandegárias no comércio interregional são uma das maiores tendências globais de hoje. A forma organizacional varia grandemente entre as regiões de mercado, mas o objectivo universal da cooperação multinacional é o benefício económico para os participantes. Benefícios políticos e sociais algumas vezes acrescem, mas o motivo dominante para a afiliação é o económico. O mundo enche-se de acordos de cooperação económica, há medida que os países procuram alianças económicas para conseguir acesso livre aos mercados.

5 Características de Uniões Económicas de Sucesso 1. Compatibilidade económica (sistemas económicos semelhantes) 2. Compatibilidade política (sistemas políticos semelhantes) 3. Compatibilidade cultural 4. Factores geográficos 5. Fraquezas de uns devem ser contrabalanceados com as forças de outros.

6 Padrões de Cooperação Multinational Existem cinco grupos fundamentais de integração económica regional. Vistos num spectrum, cada requer maiores níveis de cooperação entre os membros e incluem: 1. Grupos de Cooperação Regional 2. Áreas de Comércio Livre 3. Uniões aduaneiras 4. Mercados Comuns e Uniões Económicas 5. Uniões Políticas

7 Grupos de Cooperação Regional Um grupo de países que concordou em participar em benefícios básicos industriais para cada um ou em conjunto desenvolver joint ventures que beneficiam ambos os países, ex., Colombia e Venezuela construiram uma barragem hidroeléctrica no rio Orinico que ambos utilizam

8 Zonas de Comércio Livre Um grupo de países que concordaram em reduzir drasticamente (mas não eliminar) todas as barreiras tais como taxas alfandegárias e barreiras não-tarifárias (standards). Os países membros podem ter diferentes políticas comerciais para com terceiros países. Ex: NAFTA, e European Free Trade Area (EFTA) entre Islândia, Liechtenstein, Noruega, e Suiça.

9 Uniões Aduaneiras Em acréscimo a drasticamente reduzir as barreiras comerciais das Zonas de Comércio livre identificadas antes, um grupo de países concordam em eliminar as taxas alfandegárias entre os seus países membros. Também estabelece barreiras comuns para com terceiros países, como impor uma tarifa comum nos produtos importados for a da união. Ex: União Aduaneira entre Etiópia, Kenya, Sudão, Tanzânia, Uganda, e Zâmbia

10 Mercados Comuns Em acréscimo a drasticamente reduzir as barreiras comerciais e eliminar as taxas alfandegárias das Zonas de Comércio Livre e das Uniões Aduaneiras, já jáidentificadass, um mercado comum é um grupo de países que permite: A livre circulação de capital e mão-de-obra (engenheiros, médicos, e advogados podem trabalhar sem requalificação) entre membros Uma moeda única Um banco central comum; e Políticas comuns de transporte, agricultura, serviços sociais, segurança social e impostos A América Latina desenvolve três mercados comuns: o Mercado Comum da América Central - Central American Common Market (CACM), o Mercado Comum Andino Andean Common Market, e o Mercado Comum do Sul Southern Cone Common Market (MERCOSUR). Eles têm basicamente objectivos semelhantes e procuram eventual integração económica completa.

11 Uniões Políticas O mais alto nível de cooperação entre os países membros Um grupo de países que concordou em completar a integração económica e política e a cooperação entre membros Ex: COMECON (Conselho para Assistência Mútua) e U.S.S.R., mas já não existem.

12 Mercados Globais e Grupos de Mercado Multinacionais Muitos Grupos de Mercado Multinacionais têm emergido devido às tendências recentes nomeadamente: 1. A globalização de mercados 2. Reestruturação da Europa de Leste em economias independentes orientadas pelo mercado 3. Dissolução da União Soviética em estados independentes 4. Diminuição da ideologia comunista 5. Têndencia mundial para a cooperação económica

13 Da Comunidade do Carvão e Aço para a Moeda Única

14

15

16

17

18 North American Free-Trade Area (NAFTA) Canada United States Mexico

19 Economic Cooperation Organization (ECO) Pakistan Iran Turkey Azerbaijan Turkmenistan Uzbekistan

20 Central European Free-Trade Area (CEFTA) Poland Hungary Slovakia Czech Republic Slovenia Romania

21 Southern Cone Free Trade Area (MERCOSUR) Argentina Bolivia Brazil Chile Paraguay Uruguay

22 Latin American Integration Association (LAIA) Argentina Bolivia Brazil Chile Columbia Mexico Paraguay Peru Uruguay Venezuela Ecuador

23 Andean Common Market (ANCOM) Bolivia Columbia Ecuador Peru Venezuela Panama

24 Central America Common Market (CACM) Guatemala Costa Rica Nicaragua Honduras

25

26 Caribbean Community and Common Market (CARICOM) Antigua Barbuda Belize Dominica Grenada Guyana Trinidad-Tobago Jamaica Montserrat St. St. Kitts-Nevis Anguilla St. St. Lucia St. St. Vincent

27 Association of Southeast Asian Nations (ASEAN) Brunei Indonesia Laos Singapore Thailand Vietnam Malaysia Myanmar Philippines

28 Association of Southeast Asian Nations (ASEAN) + 3 Brunei Indonesia Laos Malaysia Myanmar Philippines Singapore Thailand Vietnam Japan S. S. Korea China

29 Economic Cooperation Organization (ECO) Pakistan Iran Turkey Azerbaijan Turkmenistan Uzbekistan

30 Asia-Pacific Economic Cooperation (APEC) Australia Brunei Brunei Japan Japan South South Korea Korea Philippines Russia Russia Canada Canada Malaysia Singapore Chile Chile Mexico Mexico Taiwan Taiwan China China Hong Hong Kong Kong Indonesia New New Zealand Zealand Papua Papua New New Guinea Guinea Peru Peru Thailand U.S.A. U.S.A. Vietnam

31 2004 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved.

32 McGraw-Hill/Irwin 2004 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved.

33 Economic Community of West African States (ECOWAS) Benin Burkina Faso Cote d d Ivoire Gambia Ghana Guinea Guinea-Bissau Liberia Mali Mauritania Niger Nigeria

34 Southern African Development Community (SADC) Angola Botswana Lesotho Namibia Malawi Mauritius Gabon Mali Mauritania Niger Senegal Togo

35 East African Customs Union Ethiopia Kenya Sudan Tanzania Uganda Zambia

36 West Africa Economic Community Senegal Togo Burkina Faso Cote d Ivoire Mali Mauritania Niger

37 Customs and Economic Union of Central Africa (CEUCA) Cameroon Central African Republic Gabon People s Republic of of Congo

38 Maghreb Economic Community Algeria Libya Morocco Tunisia

39 Arab Common Market Iraq Kuwait Jordan Syria Egypt

40

41

42 Maghreb Economic Community Algeria Libya Morocco Tunisia McGraw-Hill/Irwin 2004 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved.

43 Arab Common Market Iraq Kuwait Jordan Syria Egypt McGraw-Hill/Irwin 2004 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved.

44 Implicações Estratégicas para o Marketing na Europa Oportunidades - Acesso a mercados muito extensos. - Decisões de produção, financiamento, mão-se-obra e decisões de marketing à escala europeia. - Concorrência mundial aumentada como resultado do fortalecimento e experiência das empresas europeias para tratar em grandes mercados. - Multinacionais europeias, enfrentam as americanas. - Standardização de produtos e preços. - Redes de distribuição ao nível europeu. McGraw-Hill/Irwin 2004 The McGraw-Hill Companies, Inc. All rights reserved.

Evolução da renda no Governo Lula: Cinco conclusões definitivas. Reinaldo Gonçalves 1 4 março 2011

Evolução da renda no Governo Lula: Cinco conclusões definitivas. Reinaldo Gonçalves 1 4 março 2011 Evolução da renda no Governo Lula: Cinco conclusões definitivas Reinaldo Gonçalves 1 4 março 2011 A divulgação dos dados de evolução da renda do Brasil pelo IBGE e a base de dados do FMI permitem algumas

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais Negócios Internacionais Capítulo 3.3 Integração da Economia Regional e Acordos Cooperativos International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Definir

Leia mais

Renovar Idéias: Política Monetária e o Crescimento Econômico no Brasil PSDB-ITV 16/2/2006

Renovar Idéias: Política Monetária e o Crescimento Econômico no Brasil PSDB-ITV 16/2/2006 Renovar Idéias: Política Monetária e o Crescimento Econômico no Brasil PSDB-ITV 16/2/2006 Julio Gomes de Almeida Diretor-Executivo IEDI Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial Motor do Crescimento

Leia mais

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5.

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5. RE: Visto E1 O E2 Visto E1 O E2 Q :Preciso contratar um advogado para solicitar o Visto E2? R: Sim, o visto E2 requer o conhecimento especializado da legislacao migratória e a experiência de um advogado

Leia mais

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo ED 2068/09 16 junho 2009 Original: inglês P Obstáculos ao consumo 1. Cumprimentando os Membros, o Diretor-Executivo recorda-lhes que, de acordo com o Artigo 33 do Convênio Internacional do Café de 2001

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

Leia mais

Bem-vindos à Conferência de Imprensa da EMO. Dr. Wolfram von Fritsch Presidente do Conselho de Administração. 24 de Maio de 2011 no Porto.

Bem-vindos à Conferência de Imprensa da EMO. Dr. Wolfram von Fritsch Presidente do Conselho de Administração. 24 de Maio de 2011 no Porto. Bem-vindos à Conferência de Imprensa da EMO Dr. Wolfram von Fritsch Presidente do Conselho de Administração 24 de Maio de 2011 no Porto Seite 1 Feiras no mix dos meios de comunicação Global Fairs Global

Leia mais

FAQ Obrigatoriedade do GTIN

FAQ Obrigatoriedade do GTIN FAQ Obrigatoriedade do GTIN 1. O que é o GTIN? GTIN, acrônimo para Global Trade Item Number é um identificador para itens comerciais desenvolvido e controlado pela GS1, antiga EAN/UCC. GTINs, anteriormente

Leia mais

Human Capital: Education and Health in economic development.

Human Capital: Education and Health in economic development. Human Capital: Education and Health in economic development. Referências Básicas: Economic Development, Todaro & Smith, Capítulo 8 e Human Development Report 2011. Vítor Wilher www.vitorwilher.com Pontos

Leia mais

Necessidade de visto para. Não

Necessidade de visto para. Não País Necessidade de visto para Turismo Negócios Afeganistão África do Sul Albânia, Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia. Argentina Ingresso permitido com Cédula de Identidade

Leia mais

Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas

Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas Claudia Bindo Gerente de Novos Negócios GfK 2013 1 Empresas de Ótica & Eyewear Pesquisa do Mercado Global feita para você TM Apresentação corporativa GfK 2013

Leia mais

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 1. Visitações Diárias ( Y ) Visitas ( X ) Dia do mês 1.1) Janeiro 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil País Afeganistão África do Sul Albânia Alemanha Andorra Angola Antígua e Barbuda Arábia Saudita Argélia Argentina Armênia Austrália

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Geografia: ROCHA Globalização A globalização é a mundialização da economia capitalista que forma o aumento do processo de interdependência entre governos, empresas e movimentos sociais. Globalização Origens

Leia mais

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil

Argentina Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias. Entrada permitida com Cédula de Identidade Civil PAÍS Visto de Turismo Visto de Negócios Observação Afeganistão Visto exigido Visto exigido África do Sul Dispensa de visto, por até 90 dias Dispensa de visto, por até 90 dias Albânia Dispensa de visto,

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP-UE Comissão dos Assuntos Políticos 30.10.2007 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre as experiências do processo de integração regional europeu pertinentes para os países ACP

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. 1 No seu relacionamento social como se posiciona face

Leia mais

Vinícius Gracia Fundador & Global CTO!

Vinícius Gracia Fundador & Global CTO! Vinícius Gracia Fundador & Global CTO! Como nasceu a Easy Taxi A Easy Taxi nasceu no startup weekend no Rio de Janeiro e foi uma das vencedoras do evento. Antes de existir qualquer sistema, começaram a

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

Protocolo Facultativo para Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis

Protocolo Facultativo para Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Protocolo Facultativo para Convenção sobre os Direitos da Criança relativo à venda de crianças, prostituição e pornografia infantis Os Estados Partes no presente Protocolo, Considerando que, para melhor

Leia mais

2012: Desenvolvimento Inclusivo Sustentável? Marcelo Neri -Ipea

2012: Desenvolvimento Inclusivo Sustentável? Marcelo Neri -Ipea 2012: Desenvolvimento Inclusivo Sustentável? Marcelo Neri -Ipea Evolução segundo a ótica do Relatório Stiglitz-Sen: http://www.stiglitz-sen-fitoussi.fr/documents/rapport_anglais.pdf Recomendações Enfatizarrenda

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

http://www.amoportugal.org/

http://www.amoportugal.org/ OBJETIVOS A promoção de eventos de âmbito nacional com recurso à mobilização de Voluntários e ao envolvimento de parcerias públicas e privadas gratuitas. O desenvolvimento da cooperação e da solidariedade

Leia mais

BRASIL. 2º Trimestre 2015 Escritórios Corporativos Classe A e A+ Economia & Mercado

BRASIL. 2º Trimestre 2015 Escritórios Corporativos Classe A e A+ Economia & Mercado Evolução do Emprego Formal (%) Taxa de Vacância (%) 2º Trimestre 215 Economia & Mercado O aumento da desaprovação do governo pelos eleitores e a crise política continuam afetando a confiança dos empresários

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. Amanda Vasconcelos de Araújo 2º ANO 4 Tarde - Sala 402 Prof. Fernandes

BLOCOS ECONÔMICOS. Amanda Vasconcelos de Araújo 2º ANO 4 Tarde - Sala 402 Prof. Fernandes BLOCOS ECONÔMICOS Amanda Vasconcelos de Araújo 2º ANO 4 Tarde - Sala 402 Prof. Fernandes Blocos Econômicos Introdução Os blocos econômicos surgiram da necessidade de desenvolver a economia de determinados

Leia mais

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica A importância e desafios da agricultura na economia regional Assessoria Econômica A Agricultura é importante para o crescimento e desenvolvimento econômico ou é apenas fornecedora de alimentos? Taxa Média

Leia mais

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios:

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios: CREBi Media Kit Atualmente, somos a mais representativa mídia eletrônica do setor de jóias e afins e também já superamos em muito as maiores médias de outras categorias de mídia. O CREBi oferece três canais

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 2700:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

VISTO A TURISMO: VISTO A NEGÓCIOS:

VISTO A TURISMO: VISTO A NEGÓCIOS: Canadá Documentos necessários Cópia do Imposto de Renda pessoa física completo ref. último exercício 02 fotos 3cm x5cm iguais e recentes Canada - Formulário Representativo Carta de aceitação da Escola

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

A mortalidade no Brasil no período 1980 2004: desafios e oportunidades para os próximos anos *

A mortalidade no Brasil no período 1980 2004: desafios e oportunidades para os próximos anos * Diretoria de Pesquisas DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais COPIS A mortalidade no Brasil no período 1980 2004: desafios e oportunidades para os próximos anos * Juarez de Castro Oliveira

Leia mais

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r?

A CR C IS I E S E MU M N U DI D A I L D O D S ALIM I E M N E TO T S: S O qu q e o B r B asi s l p o p de d f a f ze z r? A CRISE MUNDIAL DOS ALIMENTOS: O que o Brasil pode fazer? Geraldo Barros USA: Inflation, Interest Rates, GDP Int rates Infl 12 14 16 18 6% 8% 1% GDP -4-2 2 4 6 8 1 198 1981 1982 1983 1984 1985 1986 1987

Leia mais

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC

Exportações Brasileiras de Carne Bovina Brazilian Beef Exports. Fonte / Source: SECEX-MDIC Categorias / Products:, INDUSTRIALIZADA / PROCESSED,,, 1 de 16 2000 1999 %(2000x1999) Janeiro / January US$ (000) US$/Ton 25.537 9.793 2.608 15.392 4.375 3.518 66% 124% -26% INDUSTRIALIZADA / PROCESSED

Leia mais

Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 )

Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 ) Entrance Visas in Brazil ( Updating on 01/11/2013 ) Legend # Entrance allowed by presenting Civil Identity Card * - Maximum stay of 90 days every 180 days For more informations: Phone: +55 11 2090-0970

Leia mais

A Economia do Brasil nos últimos 40 Anos e Perspectivas para o Futuro

A Economia do Brasil nos últimos 40 Anos e Perspectivas para o Futuro A Economia do Brasil nos últimos 40 Anos e Perspectivas para o Futuro 40 Anos da Editoria de Economia de O Globo Marcelo Neri mcneri@fgv.br Décadas: 60 e 70 Milagre Crescimento 80 Redemocratização 90 Estabilização

Leia mais

A Nova Classe Média: O Seguro e o Lado Brilhante da Base da Pirâmide. Marcelo Neri mcneri@fgv.br

A Nova Classe Média: O Seguro e o Lado Brilhante da Base da Pirâmide. Marcelo Neri mcneri@fgv.br A Nova Classe Média: O Seguro e o Lado Brilhante da Base da Pirâmide Marcelo Neri mcneri@fgv.br Percentil de da Distribuição Mundial de Renda Comparando Distribuições de Renda Países Selecionados e o Mundo

Leia mais

Longevidade e Impactos na Previdência Social Desenvolvimentos Recentes

Longevidade e Impactos na Previdência Social Desenvolvimentos Recentes Longevidade e Impactos na Previdência Social Desenvolvimentos Recentes Seminário Valor Econômico: O Futuro do Mercado de Previdência, Seguros e Resseguros Rio de Janeiro, 28 de maio de 2014 Por: Helmut

Leia mais

Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes,

Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes, Notas: Este tarifário é taxado de 30 em 30 segundos após o primeiro minuto. Após os 1500 SMS's tmn-tmn grátis ou após os 250 SMS s para outras redes, passa a pagar 0,080. Notas: Este tarifário é taxado

Leia mais

L A E R T E J. S I L V A

L A E R T E J. S I L V A MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Programa Erasmus Mobilidade Internacional Creditada (ICM - International Credit Mobility) Orientações para as Instituições de Ensino Superior

Programa Erasmus Mobilidade Internacional Creditada (ICM - International Credit Mobility) Orientações para as Instituições de Ensino Superior Programa Erasmus+ 2017 Mobilidade Internacional Creditada (ICM - International Credit Mobility) Orientações para as Instituições de Ensino Superior Quais são as prioridades da U.E.? Desde 2015, que os

Leia mais

Benfica Telecom. Serviço Internet. Serviço Internacional. em vigor a partir de 1/2/2013 1. preço por minuto / Destino. sms / mms

Benfica Telecom. Serviço Internet. Serviço Internacional. em vigor a partir de 1/2/2013 1. preço por minuto / Destino. sms / mms em vigor a partir de 1/2/2013 1 / Benfica Telecom sms / mms Voz Todas as redes nacionais 0,185 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,082 SMS Todas as redes nacionais 0,093 SMS (tarifa reduzida)

Leia mais

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso PAIS CODIGO ACESSO DDI AFEGANISTAO 93 N AFRICA DO SUL 27 S ALASCA 1 S ALBANIA 355 S ALEMANHA 49 S ANDORRA 376 S ANGOLA 244 S ANGUILLA 1 S ANT.HOLANDESAS 599 S ANTIGUA 1 S ARABIA SAUDITA 966 S ARGELIA 213

Leia mais

Exportar para Crescer. Novos Caminhos para o Mercado Externo

Exportar para Crescer. Novos Caminhos para o Mercado Externo Exportar para Crescer Novos Caminhos para o Mercado Externo Panorama Coface 30 06 2011 Denise Cortez Grupo Coface Visão Global Empresa de Origem francesa especializada no Gerenciamento de Risco de Crédito:

Leia mais

Aliança do Pacífico: integração e crescimento

Aliança do Pacífico: integração e crescimento Aliança do Pacífico: integração e crescimento Juan Ruiz BBVA Research Economista chefe para América do Sul Ciclo de Conferências DE / BBVA - Alianza del Pacífico Lisboa, 1 de Outubro de 213 Índice 1 Um

Leia mais

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 Fibra de Carbono um negócio com fortes barreiras à entrada Precursor Custos de Operação Tecnologia

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

CIESP SOROCABA Riscos Comerciais e Políticos e Seguro de Crédito à Exportação. Denise Cortez Executiva de Negocios

CIESP SOROCABA Riscos Comerciais e Políticos e Seguro de Crédito à Exportação. Denise Cortez Executiva de Negocios CIESP SOROCABA Riscos Comerciais e Políticos e Seguro de Crédito à Exportação 26 04 2012 Denise Cortez Executiva de Negocios Panorama Mundial Desta vez, a crise é realmente diferente Crescimento mundial

Leia mais

Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014

Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014 Uzo Original Destino Preço por Minuto/SMS/MMS/Internet Voz Todas as redes nacionais 0,186 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,140 SMS Todas as redes nacionais 0,095 SMS (tarifa reduzida) Todas

Leia mais

Tarifário 2015 Em vigor a partir de 1/1/2015

Tarifário 2015 Em vigor a partir de 1/1/2015 Uzo Sempre 8 Destino Preço por Minuto/SMS/MMS Voz Todas as redes nacionais 0,085 SMS Todas as redes nacionais 0,085 MMS Todas as redes nacionais 0,590 Todas as redes nacionais - Video 0,790 Dados Internet

Leia mais

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS)

ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) ANEXO 17 TABELA DENACIONALIDADES EPAÍSES (CARTÃO SUS) NACIONALIDADES Cód. Afeganistão 101 África do Sul 102 Albânia 103 Alemanha 104 Ando ra 105 Angola 106 Angui la 107 Antigua e Barbuda 108 Antilhas Holandesas

Leia mais

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos Realidade Operacional e Gerencial do Poder Judiciário de Mato Grosso Na estrutura organizacional, existe a COPLAN que apoia administrativamente e oferece

Leia mais

Benfica Telecom. Serviço Internet. Serviço Internacional. Tarifário 2012 1. preço por minuto / Destino. sms / mms Voz Todas as redes nacionais

Benfica Telecom. Serviço Internet. Serviço Internacional. Tarifário 2012 1. preço por minuto / Destino. sms / mms Voz Todas as redes nacionais Tarifário 2012 1 / Benfica Telecom sms / mms Voz Todas as redes nacionais 0,18 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,08 SMS Todas as redes nacionais 0,09 SMS (tarifa reduzida) Todas as redes

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/02/2013) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/02/2013) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

Women s World Banking. Construindo sistemas de financiamento nacional para pessoas de baixa renda

Women s World Banking. Construindo sistemas de financiamento nacional para pessoas de baixa renda Women s World Banking Construindo sistemas de financiamento nacional para pessoas de baixa renda Women s World Banking Network Afiliados, Associados, Membros GNBI e AFMIN fornecem serviços financeiros

Leia mais

Comércio (Países Centrais e Periféricos)

Comércio (Países Centrais e Periféricos) Comércio (Países Centrais e Periféricos) Considera-se a atividade comercial, uma atividade de alto grau de importância para o desenvolver de uma nação, isso se dá pela desigualdade entre o nível de desenvolvimento

Leia mais

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa

Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Contratos Públicos UE nos Países de Língua Portuguesa Índice 1. Países de Língua Portuguesa/Comunidade de Países de Língua Portuguesa 1.1 Potencialidades da Espaço Lusófono 1.2 Comunidades Económicas Regionais

Leia mais

MRE ABC CGRM CGPD CGRB

MRE ABC CGRM CGPD CGRB 1 Organograma da ABC MRE ABC CGRM CGPD CGRB 2 Competências da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional do país. Coordenar todo o ciclo da cooperação técnica internacional

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro

INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro INSTRUTIVO N.º 01/2015 de 14 de Janeiro ASSUNTO: CLASSIFICAÇÃO DE PAÍSES, BANCOS MULTILATERAIS DE DESENVOLVIMENTO E ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS Havendo necessidade de se estabelecerem critérios de classificação

Leia mais

Investimentos Públicos no Brasil: desafios e oportunidades para a melhoria do gasto público

Investimentos Públicos no Brasil: desafios e oportunidades para a melhoria do gasto público Investimentos Públicos no Brasil: desafios e oportunidades para a melhoria do gasto público Fórum de Superintendentes de Planejamento, Gestão e Finanças Belo Horizonte, 27 de março de 2012 Tarsila Velloso

Leia mais

African Economic Outlook 2010

African Economic Outlook 2010 23 April 2009 2009 Medindo o Pulso de África African Economic Outlook 2010 Perspectivas Económicas em África 2010 Mobilização dos Recursos Públicos e Ajuda em África Mozambique 14 de Dezembro de 2010 UNECA

Leia mais

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS 1 LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA ÁFRICA DO SUL ARÁBIA SAUDITA BRASIL CANADÁ COREIA DO SUL EGITO EQUADOR HOLANDA ITÁLIA JORDÂNIA NÍGER SUÉCIA ALEMANHA ARGENTINA

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 14/05/2014) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 14/05/2014) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO)

COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO 2012 (JANEIRO) MRE-DPR JANEIRO/2012

Leia mais

Tecnologia em Protensão de Concreto

Tecnologia em Protensão de Concreto Maschinenfabrik GmbH & Co. KG Protensão de Postes e Torres Eólicas Catálogo Geral Tecnologia em Protensão de Concreto Protensão de Dormentes de Concreto Protensão de lajes Alveolares Protensão de Elementos

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL

PROPRIEDADE INDUSTRIAL Dia da Propriedade Industrial PROPRIEDADE INDUSTRIAL DIREITOS TECNOLÓGICOS Vanessa Fatal Examinadora Patentes Universidade de Évora 12.10.2010 AGENDA I.Propriedade Industrial II.Inven Invenções III.Crit

Leia mais

Índice de Desenvolvimento Humano e Pegada Ecológica: Uma proposta de integração

Índice de Desenvolvimento Humano e Pegada Ecológica: Uma proposta de integração Índice de Desenvolvimento Humano e Pegada Ecológica: Uma proposta de integração Wagner Faria de Oliveira 1 Resumo: O presente trabalho tenta responder a uma demanda dentro da literatura sobre indicadores

Leia mais

econômicos regionais e a economia brasileira

econômicos regionais e a economia brasileira 20 Blocos econômicos regionais e a economia brasileira Meta da aula Apresentar os principais blocos econômicos regionais e a relação com a economia brasileira. Objetivos Esperamos que, após o estudo do

Leia mais

ACP-MEAS CD4CDM São Tomé e Príncipe Quarto Workshop Nacional São Tomé, 11-12 de Setembro, 2013. Vintura Silva Team Leader, CRC Lomé

ACP-MEAS CD4CDM São Tomé e Príncipe Quarto Workshop Nacional São Tomé, 11-12 de Setembro, 2013. Vintura Silva Team Leader, CRC Lomé Novas iniciativas do Secretariado da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (CQNUMC) para facilitar o acesso ao MDL em países africanos: Centros Regionais de Colaboração (CRC) ACP-MEAS

Leia mais

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. FORTALECENDO SABERES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 9.1 Conteúdo: Tentativas de união na América Latina; Criação do Mercosul. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidade:

Leia mais

Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES

Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES Support for the Harmonization of ICT Policies in Sub-Saharan Africa (HIPSSA) SESSÃO DE FORMAÇÃO EM MODELOS DE CUSTEIO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES International Telecommunication Union 1 Sessão 1: Boas-vindas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FEA - Faculdade de Economia e Administração Programa de Estudos Pós-Graduados em Administração METODOS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FEA - Faculdade de Economia e Administração Programa de Estudos Pós-Graduados em Administração METODOS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FEA - Faculdade de Economia e Administração Programa de Estudos Pós-Graduados em Administração METODOS Trabalho ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS PROJETO ORIBER

Leia mais

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula.

Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. Trabalho 01 dividido em 2 partes 1ª Parte Cada grupo irá explorar os blocos econômicos que serão definidos em sala de aula. 2ª Parte Perguntas que serão expostas após a apresentação da 1ª Parte, e que

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

Nota de trabalho. Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas REPRESENTAÇÃO COMERCIAL MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA Estado actual das negociações comerciais multilaterais sobre os produtos agrícolas

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

PROJETO SERIALIZAÇÃO. Projeto Serialização DHL

PROJETO SERIALIZAÇÃO. Projeto Serialização DHL PROJETO SERIALIZAÇÃO Projeto Serialização DHL 1 Serialização SETRM 2015 DEUTSCHE POST DHL DHL Supply Chain é parte do Grupo Deutsche Post com presença global e extensivo portifólio em serviços Logísticos

Leia mais

MVNO Operadoras Virtuais no Brasil. Conhecendo o usuário brasileiro. Valter Wolf 18 de Novembro de 2010

MVNO Operadoras Virtuais no Brasil. Conhecendo o usuário brasileiro. Valter Wolf 18 de Novembro de 2010 MVNO Operadoras Virtuais no Brasil Conhecendo o usuário brasileiro Valter Wolf 18 de Novembro de 2010 O estudo A&R contempla 17 países com mais de 20 mil entrevistas, agrupadas em 3 categorias: Mature,

Leia mais

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial

As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial As instituições internacionais e a reorganização do espaço geográfico mundial ONU A ONU (Organização das Nações Unidas) foi fundada no dia 24 de outubro de 1945, em São Francisco, Estados Unidos. O encontro

Leia mais

Bra Top: BT 3331 Color: 160 Short: SH 4069 Color: 160

Bra Top: BT 3331 Color: 160 Short: SH 4069 Color: 160 Rio Collection 1 2 3 4 Bra Top: BT 3331 Color: 160 Short: SH 4069 Color: 160 5 6 Tank Top: TT 4286 Color: 477 Bra Top: BT 3331 Color: 160 Legging: LE 4069 Color: 160 Rio Collection Bra Top: BT 3331 Color:

Leia mais

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras Existem muitas empresas e investimentos espanhóis no Brasil. É a hora de ter investimentos brasileiros na Espanha Presidente Lula da Silva,

Leia mais

Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato

Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato União Europeia A Turquia apresentou o pedido de adesão em 1987 É candidata oficialmente desde 1999 Mas as negociações começaram apenas em 2005 União

Leia mais

BRASIL. 2º Semestre 2014 Escritórios Corporativos. Economia & Mercado. Oferta e Demanda. Tendências de Mercado

BRASIL. 2º Semestre 2014 Escritórios Corporativos. Economia & Mercado. Oferta e Demanda. Tendências de Mercado . m² Variação do preço pedido (%) 2º Semestre 214 Economia & Mercado Depois da definição das eleições no segundo semestre de 214, a redução das expectativas do mercado com relação ao resultado do crescimento

Leia mais

COUNTRY VOLTAGE FREQUENCY OUTLET TYPE. American Samoa 120 V 60 Hz A / B / F / I

COUNTRY VOLTAGE FREQUENCY OUTLET TYPE. American Samoa 120 V 60 Hz A / B / F / I COUNTRY VOLTAGE FREQUENCY OUTLET TYPE Afghanistan 220 V 50 Hz C / F Albania 230 V 50 Hz C / F Algeria 230 V 50 Hz C / F American Samoa 120 V 60 Hz A / B / F / I Andorra 230 V 50 Hz C / F Angola 220 V 50

Leia mais

Tiago Sarmento Barata

Tiago Sarmento Barata VII JORNADAS DE ARROZ 2009 Corrientes, 3 de septiembre Oportunidades e desafios para o arroz do Mercosul no mercado internacional Tiago Sarmento Barata MERCADO GARANTIDO! CRESCIMENTO POPULACIONAL Nascimentos:

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais De que forma a empresa analisa seus indicadores de desempenho ambiental e desenvolve ações de produção mais limpa nos processos produtivos Valéria Soares Amorim Pereira Gerente de

Leia mais

Teléfonos para casos de emergencia en São Paulo

Teléfonos para casos de emergencia en São Paulo Teléfonos para casos de emergencia en São Paulo Números para emergencias Policía: Marcar 190 Urgencias médicas (ambulancia): Marcar 192 *Indicar si desea que lo transporten a un hospital privado. Bomberos:

Leia mais

Passar do Porquê para o Como : Recomendando Estratégias para permitir Negócios Inclusivos em Moçambique (e Zimbábwè)

Passar do Porquê para o Como : Recomendando Estratégias para permitir Negócios Inclusivos em Moçambique (e Zimbábwè) Passar do Porquê para o Como : Recomendando Estratégias para permitir Negócios Inclusivos em Moçambique (e Zimbábwè) SNV Moçambiquee SNV Zimbábwè, Maputo, 27 de Outubrode 2011 Albania Bangladesh Benin

Leia mais

Indicadores da Internet no Brasil

Indicadores da Internet no Brasil Indicadores da Internet no Brasil Estatísticas sobre o uso das TIC para o monitoramento da Sociedade do conhecimento Juliano Cappi Itupeva, 22 de outubro de 2012 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil

Leia mais

Produto HP Duração da garantia limitada Software 90 dias Cartuchos de impressão Até que a tinta HP acabe ou até a data do fim da garantia impressa no cartucho, o que ocorrer primeiro. Esta garantia não

Leia mais

Serviços de telefonia. condições de prestação

Serviços de telefonia. condições de prestação Serviços de telefonia móvel: preços e condições de prestação Audiência pública na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Ercio Alberto Zilli Presidente Executivo

Leia mais

76% das empresas portuguesas prevê novas contratações em 2016

76% das empresas portuguesas prevê novas contratações em 2016 76% das empresas portuguesas prevê novas contratações em 2016 LISBOA (17 Dezembro, 2015) O Estudo Workforce+Pay 2016 lançado pela Korn Ferry (NYSE:KFY), a consultora global na gestão organizacional e de

Leia mais

Panorama Econômico e Político da América Latina -Por que a região vai tão bem

Panorama Econômico e Político da América Latina -Por que a região vai tão bem Panorama Econômico e Político da América Latina -Por que a região vai tão bem economicamente? Thomas J Trebat Centro de Estudos Brasileiros Columbia University Junho de 2011 Uma visão mais favorável sobre

Leia mais

O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL

O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL O BRASIL E A COOPERAÇÃO SUL-SUL Organograma da ABC O Mandato da ABC Coordenar, negociar, aprovar e avaliar a cooperação técnica internacional no Brasil Coordenar e financiar ações de cooperação técnica

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Certificação de Sistemas de Gestão ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2000); 2. Certificação de Sistemas de Gestão Ambiental (ISO 14001:2004);

Leia mais

BANCO MUNDIAL: CONSULTAS SOBRE A NOVA ESTRATÉGIA DA EDUCAÇÃO 2020

BANCO MUNDIAL: CONSULTAS SOBRE A NOVA ESTRATÉGIA DA EDUCAÇÃO 2020 BANCO MUNDIAL: CONSULTAS SOBRE A NOVA ESTRATÉGIA DA EDUCAÇÃO 2020 MISSÃO DO BANCO MUNDIAL NA EDUCAÇÃO Desenvolver o conhecimento e as competências do cidadão para a vida e o trabalho, a fim de reduzir

Leia mais

Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC

Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC Os Acordos Regionais de Comércio, as Novas Regras e a OMC Michelle R S Badin COSCEX/FIESP, March 13, 2013 Estratégias Política Econômica Jurídica Zona de influência Alianças Liberalização, contenção ou

Leia mais

CISCO ETHERNET PARA A FÁBRICA

CISCO ETHERNET PARA A FÁBRICA OVERVIEW CISCO ETHERNET PARA A FÁBRICA A solução Ethernet para a Fábrica (EttF) da Cisco é um componente da visão Rede Inteligente para Manufatura (INM) da Cisco. Ela elimina a distância entre o escritório

Leia mais