em ação Cuidando das nossas crianças Edição IX Ano III Maio de 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "em ação Cuidando das nossas crianças Edição IX Ano III Maio de 2014"

Transcrição

1 em ação Edição IX Ano III Maio de 2014 Cuidando das nossas crianças 1

2 editorial Por Beto Vieira, Coordenador de Educação em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde Semana do Bebê É muito simbólico retornar no mês de maio, que inspira carinho de mãe e cuidado. É neste clima de celebração que saudamos a todos os leitores e parceiros do CDC em Ação do Cabo de Santo Agostinho. Compartilhamos nossas expectativas para mais um ciclo de desafios e realizações em prol de uma infância ideal. Nesta primeira edição, ressaltamos a amamentação como fator de desenvolvimento físico e emocional da criança (p. 3). Falamos da integralidade do cuidado (p. 4 e 5), fortalecimento de vínculo familiar e comunitário (p. 6) e de formação de educadores de creches (p. 8). Como não podia faltar, divulgamos também a programação da Semana do Bebê, na esperança de consolidar uma agenda pública municipal pela primeiríssima infância. Boa leitura e boa Semana do Bebê! 2 expediente Este boletim faz parte do projeto Comunica CDC, realizado pelo Instituto Camargo Corrêa e InterCement Brasil, em parceria com a Oficina de Imagens. Instituto Camargo Corrêa Diretor Executivo: Francisco de Assis Azevedo Coordenadora de Comunicação: Clarissa Kowalski Contato: Comitê de Desenvolvimento Comunitário do Cabo de Santo Agostinho Associação Casa de Maria, Associação Cultural Clarins Independentes, Associação de Pais, Responsáveis, Amigos e Portadores de HIV (Ampare), Academia de Serviço Social, Associação dos Educadores em Educação Especial (AEEE), Associação Marta de Judô, Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), Conselho Tutelar, InterCement, Mulheres Empreendedoras, Pastoral da Catequese, Secretarias Municipais de Saúde, Educação e Programas Sociais Oficina de Imagens Coordenador executivo: Adriano Guerra Edição: Gabriella Hauber e Thais Marinho Site: Projeto Gráfico: Ronei Sampaio Diagramação: Gabriella Hauber e Anna Cláudia Pinheiro Capa: Arquivo CDC Impressão: Gráfica Formato Tiragem: exemplares

3 Amamentação Maternidade em Cabo incentiva amamentação materna e recebe doações de leite humano O leite materno é fundamental para o desenvolvimento físico e emocional da criança e também auxilia na recuperação da mãe Por Nobélia Duarte, da Secretaria Municipal de Saúde Foto: Agência Brasil O aleitamento materno é essencial para a saúde do bebê e da mãe O leite materno é considerado o alimento mais completo para o bebê e é essencial para sua proteção. Ele é a combinação perfeita de nutrientes e anticorpos necessários para o completo desenvolvimento da criança e para a proteção contra infecções respiratórias e intestinais. Desde que o aleitamento materno não seja contra indicado pelo profissional de saúde, toda mulher pode e deve amamentar o seu filho logo após o nascimento, ainda na sala de parto. O bebê precisa ingerir unicamente leite materno até o sexto mês de vida. Após esse período, poderão ser introduzidos alimentos complementares, associados à amamentação, que ainda deverá ser mantida por dois anos ou mais. A amamentação também contribui para o desenvolvimento emocional do bebê, pois estimula o vínculo afetivo entre mãe e filho, transmitindo segurança e carinho, o que facilita, mais tarde, seu relacionamento interpessoal. O movimento de mamar ainda contribui para o desenvolvimento psicomotor do bebê, pois é um excelente exercício para os músculos da face e ajuda na formação da arcada dentária e melhora a respiração e a fala. O aleitamento também é importante para a mãe, pois auxilia na sua recuperação, diminuindo o risco de hemorragia, anemia, diabetes, câncer de mama e de ovário. O leite materno deve ser ofertado todas as vezes que o bebê desejar, permitindo que a criança mame até o momento que a mama esvazie para, só então, oferecer a outra mama. O leite do fim é o que concentra nutrientes capazes de estimular o ganho de peso e o crescimento do bebê. Porém, algumas mães podem ter dificuldade em realizar o aleitamento, seja por estresse ou por sentirem dores nas mamas, devido às rachaduras. A fim de apoiar, esclarecer dúvidas e incentivar a amamentação e doação de leite humano, o município do Cabo de Santo Agostinho possui uma equipe capacitada para atender as mães e garantir o aleitamento até os dois anos de idade da criança. O serviço é realizado no Posto de Coleta de Leite Humano, na Maternidade Padre Geraldo Leite Bastos, em Ponte dos Carvalhos, que funciona diariamente. 3

4 Infância Ideal Infância Ideal Integração é essencial para que as escolas sejam espaços de desenvolvimento infantil completo A cooperação entre profissionais de áreas distintas contribui para a integração de aspectos físicos, emocionais, cognitivos e sociais da criança Por Beto Vieira, coordenador do Programa Saúde na Escola, Priscila Cavalcanti, Eziana Nascimento, rosangela cardoso do Programa de Valorização do Profissional da Atenção Básica A escola é o segundo ambiente mais importante na vida social de um ser humano. É lá que, com a ajuda dos educadores e pais, o sujeito se constitui como ser pensante e questionador. A escola pode conservar isso, despertando em seus alunos potenciais criativos, curiosidades e talentos, ou pode minimizar todas essas formas de expressão da subjetividade da criança. Como garantir que a escola seja um espaço de cuidado? De acordo com o Referencial Curricular Nacional para a educação infantil, criado em 1988 pelo Ministério da Educação, educar significa propiciar situações de cuidados, brincadeiras e aprendizagens de forma integrada, que contribuam para o desenvolvimento das capacidades de relação interpessoal. Além disso, a educação pode auxiliar o desenvolvimento das capacidades de apropriação e conhecimento das potencialidades corporais, afetivas e emocionais, a fim de contribuir para a formação de crianças felizes e saudáveis. O cuidar é definido no Referencial como parte da educação, que demanda integração de vários campos de conhecimentos e a cooperação de profissionais de diferentes áreas. Assim, instituições de educação infantil devem incluir em suas propostas pedagógicas práticas que possibilitem a integração de aspectos físicos, emocionais, afetivos, cognitivos, linguísticos e sociais da criança. Programa Saúde na Escola incentiva a prática de esportes entre os estudantes 4 Foto: Arquivo Secretaria de Educação

5 Infância Ideal Foto: Arquivo Secretaria Municipal de Saúde Durante o evento Saúde na Escola, foi discutida a importância das atividades físicas Cuidar e educar O cuidar e o educar são duas práticas que devem caminhar de maneira indissociável, possibilitando que ambas as ações construam na totalidade, a identidade e autonomia da criança. A ação conjunta dos educadores e demais membros da equipe da instituição é essencial para garantir que o cuidar e o educar aconteçam de forma integrada. Compreender como ajudar o outro a se desenvolver como pessoa e a satisfação das necessidades afetivas das crianças é a base para o desenvolvimento infantil. Nessa perspectiva, foi instituído, em 2007, o Programa Saúde na Escola (PSE), uma política intersetorial, voltada para a promoção da saúde e da educação integral para crianças, adolescentes, jovens e adultos. O programa funciona por meio da formação de Grupos de Trabalho Intersetoriais, compostos por representantes da Secretaria de Saúde e da Secretaria de Educação, que planejam e executam ações de acordo com as demandas locais. No Cabo de Santo Agostinho, o PSE/2014 foi ampliado para creches e centros de educação infantil. Na semana do Dia Mundial da Saúde, em abril, o município e o Ministério da Saúde também promoveram a Semana Saúde na Escola, que teve como tema a importância da atividade física. O evento foi realizado em quadras e espaços da Academia da Saúde, com alunos da rede municipal. 5

6 Assistência Social Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos auxilia famílias em situação de vulnerabilidade Os beneficiados pelo serviço participam de oficinas e atividades lúdicas, relacionadas a cultura, saúde, esporte e lazer Por Rosilene Neves, da Secretaria de Programas Sociais A fim de complementar o trabalho social com famílias e prevenir a ocorrência de situações de vulnerabilidade e de risco social, a Proteção Social Básica oferta o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV). Realizado em grupos, o SCFV é organizado a partir de percursos individuais, garantindo, assim, que os usuários tenham aquisições progressivas, de acordo com seu ciclo de vida. O objetivo do serviço é assegurar espaços de convívio familiar e comunitário e o desenvolvimento de relações de afetividade e sociabilidade. Todo o trabalho é feito a partir da valorização da cultura de famílias e comunidades locais e da promoção de vivências lúdicas, desenvolvendo um sentimento de pertencimento e de identidade. São beneficiadas pelo programa famílias em situação de vulnerabilidade e risco social cadastradas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico). Os usuários são atendidos de acordo com a faixa etária, seguindo a ordem de prioridade: crianças de até 6 anos; crianças e adolescentes de 6 a 15 anos, adolescentes de 15 a 17 anos e idosos. O SCFV oferece atividades lúdicas que permitam o desenvolvimento de habilidades e troca de experiências. A oportunidade de levar esse aprendizado para o cotidiano favorece o crescimento intelectual, moral e psicossocial. As oficinas são realizadas de acordo com a demanda local e cultural elaboradas para cada ciclo de vida. No Cabo de Santo Agostinho, são desenvolvidos trabalhos de produção de literatura de Cordel, pinturas, crochê, bordado; palestras sobre sexualidade, meio ambiente, saúde e cultura; atividades de esporte e lazer; entre outros. Assim, o SCFV acompanha as famílias e seus membros, fortalecendo a convivência familiar e comunitária e tirando-os da margem de vulnerabilidade e risco social. Programa no Cabo de Santo Agostinho promove o fortalecimento de vínculos familiares e comunitários 6 Foto: Arquivo Secretaria Municipal de Educação

7 Saúde Cabo de Santo Agostinho se prepara para a segunda edição da Semana do Bebê Evento conta com uma programação completa, que envolve informação, arte e cultura para abordar direitos de gestantes e bebês Por Beto Vieira, Coordenador de Educação em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde Foto: Arquivo CDC Semana do Bebê discute e promove os direitos de gestantes e seus bebês no Cabo de Santo Agostinho Voltada para a promoção da primeiríssima infância (0 a 3 anos), a Semana do Bebê terá sua segunda edição no Cabo de Santo Agostinho entre os dias 26 de maio e 1º de junho. O evento, que acontece simultaneamente em 15 cidades, é uma iniciativa do Instituto Camargo Corrêa e da InterCement Brasil, em parceria com a Prefeitura Municipal, com apoio da Fundação Maria Cecília Souto Vidigal e da organização BemVindo. Em 2013, o evento reuniu centenas de gestantes em uma vasta programação voltada aos cuidados com os bebês. A Semana do Bebê de 2014 tem sua programação ampliada para todo o município, envolvendo as quatro regionais, profissionais, gestores, voluntários, gestantes, jovens e, claro, os bebês. Haverá uma abertura solene para autoridades, parceiros e convidados, com apresentações culturais e palestra sobre a importância do investimento no desenvolvimento infantil. Durante toda uma semana, os profissionais da saúde, da assistência social e da educação estarão interagindo com grupos de mães em oficinas e rodas de diálogos. Haverá um momento Sessão Pipoca, no qual os profissionais e gestantes assistirão ao filme- -documentário O Renascimento do Parto, sobre parto humanizado. No sábado, para arrecadação de fraldas, contaremos com a presença dos pais em um torneio de futebol entre os profissionais das secretarias municipais e funcionários da InterCement, além da participação das crianças das escolinhas de futebol. No domingo, o encerramento será na Praça dos Eucaliptos, com atividades lúdicas, culturais e distribuição de brindes. Para a comissão organizadora, composta por profissionais das secretarias de saúde, educação e programas sociais, funcionários voluntários da InterCement e colaboradores da sociedade civil, a expectativa é de que a edição 2014 da Semana do Bebê seja uma grande celebração e consiga de fato unir todos pela primeiríssima infância. Para saber mais, acesse 7

8 Expressão Cordel é apresentado durante capacitação Foto: Jorge Luiz (SME) Cerca de 80 profissionais da saúde e educação participaram de formação sobre cuidar e brincar Profissionais da saúde e da educação do Cabo de Santo Agostinho participaram de uma formação sobre o projeto Tempo de Cuidar e Brincar, no final do mês de abril. O projeto é uma iniciativa do Instituto Camargo Corrêa e da InterCement e tem como objetivo fortalecer as ações do cuidar e do brincar, visando a garantia dos direitos da primeira infância nas instituições educacionais que atendem a modalidade de Educação Infantil. Durante o evento, a artista Marlene Marques criou um cordel com a temática do encontro: O nosso primeiro encontro Deu-se na secretaria Para falar de um projeto Que no Cabo se implantaria O Projeto Avisalá Que da criança trataria. II É um projeto bonito Voltado para educação Que junto com a saúde Faz uma boa união Com isso nossas crianças Põe tudo isso em ação III A educação infantil É a beneficiada Pois aprender e brincar Torna-se mais fortificada E com isso nossas escolas São mais valorizadas. IV Brincar e cuidar é bom Pra formar bom cidadão O que se aprende agora É pra toda geração Passa a ser valorizada Da criança a cognição. V Cantar, brincar e correr A criança gosta muito Pois incentiva na mesma O tempo certo pra tudo Aprendendo e brincando Descobrindo um novo mundo. VI Na vida há tempo pra tudo Na escola também tem Incentivar as crianças Buscando sempre seu bem Para quando for adulto Se tornar homem de bem. VII Veio até dever de casa Pra ser feito com cuidado Para fazermos uma síntese Do trabalho realizado Pois não podemos esquecer De buscar bons resultados. realização: parceria: 8

em ação Edição VI Ano III Março de 2013 Nas cores da infância

em ação Edição VI Ano III Março de 2013 Nas cores da infância em ação Edição VI Ano III Março de 2013 Nas cores da infância 1 editorial Por Beto Vieira, do Sarte Fique Ligado Assistência técnica aos agricultores Por Jesaias de França, Diretor Executivo Coobtec mata

Leia mais

em ação Pela primeira infância Edição XI Ano IV Maio de 2015

em ação Pela primeira infância Edição XI Ano IV Maio de 2015 em ação Edição XI Ano IV Maio de 2015 Pela primeira infância 1 editorial Semana do Bebê Este ano, Cabo de Santo Agostinho realiza a sua 3ª Semana do Bebê (p.3) e o boletim CDC em ação está recheado de

Leia mais

Mobiliza CDC. Edição II Ano II Junho de 2015. Magia. da infância

Mobiliza CDC. Edição II Ano II Junho de 2015. Magia. da infância Mobiliza CDC Edição II Ano II Junho de 2015 Magia da infância 1 editorial No ano passado, Bodoquena instituiu a Semana do Bebê como lei no município (p. 3), então, este ano, mais uma semana repleta de

Leia mais

Envolver. Edição V Ano II Outubro de 2012. Um caso. de sucesso

Envolver. Edição V Ano II Outubro de 2012. Um caso. de sucesso Envolver Edição V Ano II Outubro de 2012 Um caso de sucesso 1 editorial primeiras letras O ano de 2012 vai chegando ao fim com boas notícias para Pedro Leopoldo. As várias ações de investimento social

Leia mais

em ação Tocando os direitos Edição X Ano III Novembro de 2014

em ação Tocando os direitos Edição X Ano III Novembro de 2014 em ação Edição X Ano III Novembro de 2014 Tocando os direitos 1 editorial Os cuidados com a gestante e o bebê desde o início da gravidez são essenciais para o desenvolvimento da criança. Por isso, nesta

Leia mais

Envolver. Ao som da infância. Diversão, Cultura e Arte. Edição VIII Ano III Dezembro de 2013

Envolver. Ao som da infância. Diversão, Cultura e Arte. Edição VIII Ano III Dezembro de 2013 Envolver Edição VIII Ano III Dezembro de 2013 Ao som da infância Diversão, Cultura e Arte 1 editorial primeiras letras O último Envolver do ano chega cheio de novidades e ações, principalmente voltadas

Leia mais

Edição XI Ano IV Novembro de 2015. Pela. infância

Edição XI Ano IV Novembro de 2015. Pela. infância Edição XI Ano IV Novembro de 2015 Pela infância 1 editorial Por Misael Elias, integrante do CDC O ano de 2015 vai chegando ao fim e demonstra o quanto foi produtivo para o CDC de Pedro Leopoldo. O investimento

Leia mais

CDC. Unidos. pela infância. em foco. Edição VIII Ano III Dezembro de 2013

CDC. Unidos. pela infância. em foco. Edição VIII Ano III Dezembro de 2013 CDC em foco Edição VIII Ano III Dezembro de 2013 Unidos pela infância 1 editorial O mês de novembro foi especial para Apiaí! Realizamos nossa primeira Semana do Bebê, com muitas atividades entre os dias

Leia mais

em ação Festa para os pequenos Edição VIII Ano III Dezembro de 2013

em ação Festa para os pequenos Edição VIII Ano III Dezembro de 2013 em ação Edição VIII Ano III Dezembro de 2013 Festa para os pequenos 1 editorial Por Beto Vieira, do Sarte Eu queria avançar para o começo. Chegar ao criançamento das palavras. Lá onde elas ainda urinam

Leia mais

CDC. Cuidados. na infância. em foco. Edição XI Ano IV Maio de 2015

CDC. Cuidados. na infância. em foco. Edição XI Ano IV Maio de 2015 CDC em foco Edição XI Ano IV Maio de 2015 Cuidados na infância 1 editorial Mais uma Semana do Bebê está chegando em Apiaí e Itaoca. E é claro que não podíamos deixar esse encontro passar batido! Na 11º

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Paraíso. Em cena. Toques da infância. em foco. Edição X Ano III Maio de 2014

Paraíso. Em cena. Toques da infância. em foco. Edição X Ano III Maio de 2014 Paraíso em foco Edição X Ano III Maio de 2014 Em cena Toques da infância 1 editorial O primeiro Paraíso em Foco do ano traz muitas informações importantes! Você já deve ter ouvido falar da campanha de

Leia mais

CDC. Cuidados. na infância. Interativo. Edição I Ano I Maio de 2015

CDC. Cuidados. na infância. Interativo. Edição I Ano I Maio de 2015 CDC Interativo Edição I Ano I Maio de 2015 Cuidados na infância 1 editorial Você está recebendo a primeira edição do boletim CDC Interativo. Este informativo é produzido pelo Comitê de Desenvolvimento

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

em ação Edição V Ano II Outubro de 2012 Com carinho

em ação Edição V Ano II Outubro de 2012 Com carinho em ação Edição V Ano II Outubro de 2012 Com carinho 1 Um Click - Futuro Ideal Foto: Instituto Camargo Corrêa O ICC promoveu, em junho, o IV Seminário Futuro Ideal. O encontro ocorreu em Belo Horizonte

Leia mais

interação Edição XI Ano III Novembro de 2014 A leveza da infância

interação Edição XI Ano III Novembro de 2014 A leveza da infância interação Edição XI Ano III Novembro de 2014 A leveza da infância 1 editorial Por Cidinha Lima, coordenadora do projeto Conquistar Espaços Vamos falar nesta edição do boletim Interação sobre geração de

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO NOME DA ENTIDADE: TIPO DE SERVIÇO: ( ) de convivência para crianças de 3

Leia mais

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO NOME DA ENTIDADE: TIPO DE SERVIÇO: ( ) de convivência para crianças de 3

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

CDC. Trabalho. criativo. em foco. Edição VI Ano III Maio de 2013

CDC. Trabalho. criativo. em foco. Edição VI Ano III Maio de 2013 CDC em foco Edição VI Ano III Maio de 2013 Trabalho criativo 1 primeiras letras Reprodução de desenho desenvolvido pela aluna Sarah, do 1º ano E, para o projeto Animais, da Escola Municipal Benedito Pontes

Leia mais

CDC. Por dentro. dos direitos. em foco. Edição IX Ano III Maio de 2014

CDC. Por dentro. dos direitos. em foco. Edição IX Ano III Maio de 2014 CDC em foco Edição IX Ano III Maio de 2014 Por dentro dos direitos 1 editorial O primeiro CDC em Foco de 2014 está em clima da primeiríssima infância. O tema é devido às atividades da Semana do Bebê, que

Leia mais

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO O Programa Tempo de Escola foi iniciado em junho de 2010, com a participação de Escolas Municipais e ONGs executoras. O Programa Tempo de Escola, que inclui o Programa Mais Educação

Leia mais

interação coletivo Trabalho Edição VI Ano II Dezembro de 2012

interação coletivo Trabalho Edição VI Ano II Dezembro de 2012 interação Edição VI Ano II Dezembro de 2012 Trabalho coletivo 1 editorial Por Renata de Aquino, da Secretaria de Assistência Social Neste último Boletim Interação do ano de 2012, sentimos que mais uma

Leia mais

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e

********** É uma instituição destinada ao atendimento de crianças de 0 a 3 anos e faz parte da Educação Infantil. Integra as funções de cuidar e 1 CONCEPÇÃO DE CRECHE (0 A 3 ANOS): A Constituição Federal de 1988 assegura o reconhecimento do direito da criança a creche, garantindo a permanente atuação no campo educacional, deixando de ser meramente

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

O Grupo Camargo Corrêa & Direitos Humanos

O Grupo Camargo Corrêa & Direitos Humanos O Grupo Camargo Corrêa & Direitos Humanos O Grupo Camargo Corrêa almeja ser um indutor de novos modelos de geração de valor compartilhado com foco em inovação tecnológica, mudanças climáticas e inclusão

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Programa Escola do Olhar. ImageMagica

Programa Escola do Olhar. ImageMagica Programa Escola do Olhar ImageMagica Programa Escola do Olhar O Programa Escola do Olhar visa implementação de Oficinas de Fotografia, artesanal ou digital, em equipamentos públicos, como escolas. Através

Leia mais

CDC. De olho. no Futuro. em foco. Edição VII Ano III Agosto de 2013

CDC. De olho. no Futuro. em foco. Edição VII Ano III Agosto de 2013 CDC em foco Edição VII Ano III Agosto de 2013 De olho no Futuro 1 editorial A segunda edição do boletim CDC em Foco deste ano traz novidades e relembra ações que contribuíram para a melhoria da qualidade

Leia mais

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor

O Dirigente Municipal de Educação e a articulação com o terceiro setor Missão Promover e realizar ações que contribuam para a melhoria da qualidade da educação pública e que fomentem o desenvolvimento social de comunidades de baixa renda. Visão Ser referência como fundação

Leia mais

Paraíso. Nos passos. da educação. em foco. Edição VI Ano II Dezembro de 2012

Paraíso. Nos passos. da educação. em foco. Edição VI Ano II Dezembro de 2012 Paraíso em foco Edição VI Ano II Dezembro de 2012 Nos passos da educação 1 editorial primeiras letras O boletim Paraíso em Foco encerra o ano falando de muitos projetos importantes desenvolvidos pelo Comitê

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação Mostra de Projetos 2011 Projovem em Ação Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal Santa Cecilia

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Paraíso. Em cena. Primeiros cuidados. em foco. Edição XII Ano IV Junho de 2015

Paraíso. Em cena. Primeiros cuidados. em foco. Edição XII Ano IV Junho de 2015 Paraíso em foco Edição XII Ano IV Junho de 2015 Em cena Primeiros cuidados 1 editorial Mais uma vez Santana do Paraíso realiza a Semana do Bebê e o boletim Paraíso em Foco está no clima da primeira infância!

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão

Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão Espaço Criança Esperança São Paulo CEE Oswaldo Brandão OS RECURSOS FINANCEIROS DO ESPAÇO CRIANÇA ESPERANÇA TV GLOBO realiza CAMPANHA CRIANÇA ESPERANÇA com programa na TV UNESCO recebe DOAÇÃO e apóia diferentes

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

interação brincar Tempo de Edição VII Ano III Maio de 2013

interação brincar Tempo de Edição VII Ano III Maio de 2013 interação Edição VII Ano III Maio de 2013 Tempo de brincar 1 editorial Por Eliana Fiorentino Ordonhes, cedecista de Jacareí O Estatuto da Criança e do Adolescente enfatiza a importância da educação, um

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL

FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO PARA PAIS E DOCENTES DA EDUCAÇÃO INFANTIL Área Temática: Educação Modalidade: Comunicação Oral. Rosangela Maria Boeno (Coordenadora da Ação de Extensão) 1 Rosangela Maria Boeno 2 Adrieli Signorati

Leia mais

Marco Legal da Primeira Infância é um passo importante para o avanço nas políticas públicas de proteção à criança

Marco Legal da Primeira Infância é um passo importante para o avanço nas políticas públicas de proteção à criança Marco Legal da Primeira Infância é um passo importante para o avanço nas políticas públicas de proteção à criança Recurso apresentado contra Projeto aprovado em Comissão Especial da Câmara dos Deputados

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade

Mostra de Projetos 2011. Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra de Projetos 2011 Projeto Exercitando Direitos do PELC - Programa de Esporte e Lazer da Cidade Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais.

Leia mais

em ação Edição VII Ano III Julho de 2013 No ritmo da cultura

em ação Edição VII Ano III Julho de 2013 No ritmo da cultura em ação Edição VII Ano III Julho de 2013 No ritmo da cultura 1 editorial Por Beto Vieira, do Sarte Fique Ligado 18 de Maio Por Marilia Melo, da InterCement Julho é mês de férias da criançada, tempo de

Leia mais

Edição 1 - Ano 1 - Setembro de 201 1

Edição 1 - Ano 1 - Setembro de 201 1 Edição 1 - Ano 1 - Setembro de 201 1 Uma nova infância Poder público, sociedade civil e InterCement juntos na defesa dos direitos das crianças em Ijaci EDITORIAL A informação chega até você! COLUNA DA

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

Edição X Ano III Novembro de 2014. Momento de agir. Colorindo. o futuro

Edição X Ano III Novembro de 2014. Momento de agir. Colorindo. o futuro Edição X Ano III Novembro de 2014 Momento de agir Colorindo o futuro 1 editorial Foto-legenda Esta edição do boletim Envolver traz importantes discussões sobre os direitos de crianças, adolescentes e jovens.

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

Levantamento dos Programas de Atendimento à Primeira Infância no Rio de Janeiro. www.ciespi.org.br

Levantamento dos Programas de Atendimento à Primeira Infância no Rio de Janeiro. www.ciespi.org.br Levantamento dos Programas de Atendimento à Primeira Infância no Rio de Janeiro Foram utilizadas as seguintes categorias para o levantamento: executores, objetivos e público-alvo. Espaço de Desenvolvimento

Leia mais

CDC. Prearando o futuro. em movimento. Edição I Ano I Maio de 2015

CDC. Prearando o futuro. em movimento. Edição I Ano I Maio de 2015 CDC em movimento Edição I Ano I Maio de 2015 Prearando o futuro 1 editorial Você está recebendo a primeira edição do boletim CDC em Movimento. Este informativo é produzido pelo Comitê de Desenvolvimento

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Os Planos Municipais de Educação: o atendimento na Creche e o PIM

Os Planos Municipais de Educação: o atendimento na Creche e o PIM Os Planos Municipais de Educação: o atendimento na Creche e o PIM Por que Investir na Primeira Infância Os retornos dos investimentos no desenvolvimento da primeira infância são altos, na medida em que

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 Plano de Ação Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 APRESENTAÇÃO Nosso O Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente do município de Juruti apresenta, no

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

- Destaque para vídeos, palestras, desfile e caminhada. Fonte: O Diário de Teresópolis. Da Redação

- Destaque para vídeos, palestras, desfile e caminhada. Fonte: O Diário de Teresópolis. Da Redação - Destaque para vídeos, palestras, desfile e caminhada Fonte: O Diário de Teresópolis Da Redação Fortalecer o aleitamento materno por meio do apoio às mulheres que amamentam é o objetivo da Semana Mundial

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Brasil livre do trabalho infantil, todos juntos nesse desafio! O Governo Federal e a sociedade brasileira

Leia mais

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo:

Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade FGR: Gustavo: Esporte como fator de inclusão de jovens na sociedade Entrevista cedida à FGR em Revista por Gustavo de Faria Dias Corrêa, Secretário de Estado de Esportes e da Juventude de Minas Gerais. FGR: A Secretaria

Leia mais

PROJETO NINHO VAZIO EM BUSCA DA EDUCAÇÃO EMOCIONAL

PROJETO NINHO VAZIO EM BUSCA DA EDUCAÇÃO EMOCIONAL PROJETO NINHO VAZIO EM BUSCA DA EDUCAÇÃO EMOCIONAL Oficinas de apoio e fortalecimento de laços intergeracionais, com dinâmicas, arteterapia, psicoeducativos, exercícios de alongamento, respiração e relaxamento,

Leia mais

Proteção Social Básica

Proteção Social Básica Proteção Social Básica Proteção Social Básica A Proteção Social Básica (PSB) atua na prevenção dos riscos por meio do desenvolvimento de potencialidades e do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários

Leia mais

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Dimensão formativa do programa voltada à educação para a cidadania

Leia mais

APRESENTA II AÇÃO SOCIAL FAP X PASTORAL DA CRIANÇA PROJETO: SOLIDARIEDADE: UM ATO DE AMOR

APRESENTA II AÇÃO SOCIAL FAP X PASTORAL DA CRIANÇA PROJETO: SOLIDARIEDADE: UM ATO DE AMOR APRESENTA II AÇÃO SOCIAL FAP X PASTORAL DA CRIANÇA PROJETO: SOLIDARIEDADE: UM ATO DE AMOR DATA: 13/10/2012 Comemoração do Dia da Criança HORÁRIO: 8:00 horas as 11 horas LOCAL: Estacionamento da FAP PARTICIPAÇÃO:

Leia mais

Lions Clube Centro-São José dos Campos

Lions Clube Centro-São José dos Campos Lions Clube Centro-São José dos Campos Projeto Transformação BRASIL Transformação é um projeto que visa ampliar as oportunidades educativas, investindo no desenvolvimento do potencial de cada criança e

Leia mais

1.3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

1.3. OBJETIVOS ESPECÍFICOS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA UCB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX DIRETORIA DE PROGRAMA COMUNITÁRIOS - DPC EDITAL PROJETO RONDON UCB 01/2012 EDITAL PARA SELEÇÃO DE ESTUDANTES PARA PARTICIPAÇÃO NO PROJETO

Leia mais

Você precisa. saber. Edição V Ano III Abril de 2013. Colhendo frutos 1

Você precisa. saber. Edição V Ano III Abril de 2013. Colhendo frutos 1 Você precisa saber Edição V Ano III Abril de 2013 Colhendo frutos 1 editorial O município de Ijaci já começou o ano com boas ideias, novidades e continuidade para as ações que fizeram a diferença em 2012.

Leia mais

Transmissão do HIV/aids e sífilis de mães para seus bebês

Transmissão do HIV/aids e sífilis de mães para seus bebês 09 dezembro de 2010 Transmissão do HIV/aids e sífilis de mães para seus bebês Mais da metade das novas infecções pelo HIV/aids que ocorrem no Brasil atinge adolescentes e jovens com idade entre 15 e 24

Leia mais

2.2 São considerados passíveis de concorrer aos recursos (brinquedoteca e capacitação) desta Chamada Pública, as instituições que:

2.2 São considerados passíveis de concorrer aos recursos (brinquedoteca e capacitação) desta Chamada Pública, as instituições que: 1. APRESENTAÇÃO 1.1 O projeto Recrear defende a importância do Brincar para o desenvolvimento infantil. Por meio da brincadeira, uma criança aprende e desenvolve seu corpo, suas habilidades sociais, de

Leia mais

Ilha. Cidadã. Tocando. os direitos. Edição II Ano I Novembro de 2015

Ilha. Cidadã. Tocando. os direitos. Edição II Ano I Novembro de 2015 Ilha Cidadã Edição II Ano I Novembro de 2015 Tocando os direitos 1 editorial Olá, leitor! A segunda edição do boletim Ilha Cidadã traz muitas novidades sobre a Ilha do Bispo. São muitos os projetos desenvolvidos

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade:

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade: PROJETO DE LEI N. 426/2013 ESTADO DO AMAZONAS ESTABELECE diretrizes para a Política Municipal de Educação Alimentar Escolar e Combate à Obesidade, e dá outras providências. Art.1º - O Poder Público Municipal,

Leia mais

CDC. Contando. histórias. em foco. Edição X Ano III Novembro de 2014

CDC. Contando. histórias. em foco. Edição X Ano III Novembro de 2014 CDC em foco Edição X Ano III Novembro de 2014 Contando histórias 1 editorial Esta edição do CDC em Foco traz muitas informações importantes sobre a primeira infância. A começar pelo papel das relações

Leia mais

estender-se para outras áreas, tais como a assistência social, cultura, esporte e lazer, consolidando a participação e o protagonismo local.

estender-se para outras áreas, tais como a assistência social, cultura, esporte e lazer, consolidando a participação e o protagonismo local. Tudo o que acontece no mundo, seja no meu país, na minha cidade ou no meu bairro, acontece comigo. Então, eu preciso participar das decisões que interferem na minha vida. Herbert Souza, Betinho O lugar

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL:

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: A Primeira Etapa da Educação Básica CÉLIA REGINA B. SERRÃO EXERCÍCIO UM OLHAR UMA DADA COMPREENSÃO lócus específico trajetória profissional

Leia mais

PROPAGANDA INSTITUCIONAL

PROPAGANDA INSTITUCIONAL PROPAGANDA INSTITUCIONAL O QUE É - Programa Estadual Intersetorial. - Ação Socioeducativa. - Implantado em 2003. - Política Pública Estadual pela Lei 12.544/06. Comitê Gestor do PIM: Secretarias de Estado

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA

OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1 OBSERVANDO A PRÁTICA DOCENTE E O APRENDIZADO DAS CRIANÇAS EM UMA CRECHE MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE PRISCILLA SILVESTRE DE LIRA OLIVEIRA 1. Introdução: Compreendendo que a Educação Infantil é uma etapa

Leia mais

Projeto Pequenas Damas

Projeto Pequenas Damas Mostra Local de: Arapongas Projeto Pequenas Damas Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Associação das Damas de Caridade de Arapongas

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1

PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1 PROJETO PONTO DE CULTURA FAZENDO ARTE 1 MENDONÇA, Marcelo Rodrigues OLIVEIRA, João Manoel Borges RESUMO: O Ponto de Cultura Fazendo Arte é uma ação da Associação dos Moradores do Bairro Santa Terezinha

Leia mais

GRUPO: DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO COM AS FAMILIAS ATENDIDAS NO PAIF Em Parceria com Ação Social São João Evangelista

GRUPO: DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO COM AS FAMILIAS ATENDIDAS NO PAIF Em Parceria com Ação Social São João Evangelista GRUPO: DESENVOLVIMENTO COMUNITÁRIO COM AS FAMILIAS ATENDIDAS NO PAIF Em Parceria com Ação Social São João Evangelista CRAS- CENTRO DE REFERÊNCIA DA ASSITÊNCIA SOCIAL Março, 2012 I-IDENTIFICAÇÃO: Nome Projeto:

Leia mais

Juventude com Arte, Saúde e Cidadania Autores: Ellen da Silva Mourão; Giovanna Grasiane de Sousa; Preceptora de Serviço: Maria Regina de Paula Fagundes Netto; Preceptora Acadêmica: Lêda Maria Leal de Oliveira.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Currículo - Lúcia Freitas

Currículo - Lúcia Freitas Currículo - Lúcia Freitas Bairro Continental Osasco SP Cel. (11) 951409948 email contato@luciafreitas.com.br site: www.luciafreitas.com.br Coren- 34470-E Formação UFPE - Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

Descrição do Programa SESI para a Terceira Idade São Paulo - BRASIL. Walid Makin Fahmy

Descrição do Programa SESI para a Terceira Idade São Paulo - BRASIL. Walid Makin Fahmy Descrição do Programa SESI para a Terceira Idade São Paulo - BRASIL Walid Makin Fahmy Sistema SESI SESI - Serviço Social da Indústria Entidade de direito privado, nos termos da lei civil, estruturada em

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social TEMA A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE E A ARTICULAÇÃO DA REDE

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social TEMA A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE E A ARTICULAÇÃO DA REDE Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social TEMA A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO EM EQUIPE E A ARTICULAÇÃO DA REDE Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos

Leia mais

Cabreúva sedia 1ª Semana do Bebê Regional

Cabreúva sedia 1ª Semana do Bebê Regional Cabreúva sedia 1ª Semana do Bebê Regional A Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal (FMCSV) e a prefeitura de Cabreúva, com o apoio da Secretaria Estadual de Saúde, realizam a 1ª Semana do Bebê do município,

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

Comunidades preparadas e comprometidas com a superação de seus desafios.

Comunidades preparadas e comprometidas com a superação de seus desafios. Apresentação O Instituto Camargo Corrêa, criado em dezembro de 2000 para orientar o investimento social privado das empresas do Grupo Camargo Corrêa, é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais