ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS"

Transcrição

1 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO ÂMBITO CONCEITOS NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS INSTRUÇÕES GERAIS PROCEDIMENTOS ALTERAÇÕES ANEXOS 15 Elaboração: Anderson Muniz Data: 11/02/2010. Aprovação: Ronaldo Ferreira Muniz Data:

2 1 OBJIVO Serviços regulares e especiais de Auditoria Independente a serem realizados na DMED, referentes serviços de proteção no SEP (Sistema Elétrico de Potência) da DMED, apresenta como objeto: Contratação de Serviços de Consultoria Especializada para elaboração de estudos e análises do sistema atual de proteção no SEP da DMED, implantação e treinamento de equipe da DMED que será formada para execução dos serviços de proteção. A aquisição de 01 licença de uso de sistema computacional especialista para os estudos de proteção dos alimentadores de média tensão do sistema de distribuição, a ser integrado com a base de dados do sistema SGD da Indra - padrão utilizado pela DMED. Os serviços a serem contratados têm por objetivo principal promover uma melhoria dos índices de qualidade e proteção do fornecimento da energia elétrica no âmbito da DMED, através da correta, criteriosa e sistematizada aplicação dos equipamentos de proteção do sistema elétrico. Como outro objetivo importante do estudo a ser desenvolvido está a minimização de riscos de danos aos ativos da Empresa por atuação incorreta e/ou não atuações dos dispositivos de proteção. 2 ÂMBITO Aplicam-se a diretoria técnica, Gerência de Laboratório e Qualidade, Distribuição e Usinas da DMED e empresas interessadas em prestar o serviço a ser contratado. 3 CONCEITOS 3.1 Siglas: DMED DME Distribuição S/A. ANEEL Agencia Nacional de Energia Elétrica. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. Nota considerando todas as siglas e conceitos adotados nas normas e legislações citadas no item 4 desta. Página 2 de 15

3 4 NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 4.1 Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Resolução Normativa ANEEL n 395/2009 em sua ultima versão. 4.2 Módulo 11 Proteção e Controle dos Procedimentos de Rede aprovadas pela ANEEL através do Despacho SRT/ANEEL nº 2744/2010 e da REN nº 372/ Resolução Normativa Nº 414, de 9 de setembro de 2010 que Estabelece, de forma atualizada e consolidada, as Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica. 4.4 NBR Instalações elétricas de média tensão de 1,0 kv a 36.2 kv. 4.5 NBR-5410 Instalações Elétricas de Baixa Tensão. 4.6 NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade 4.7 Norma de concessionárias de distribuição de energia elétrica disponíveis para consulta pública. 4.8 Normas da DMED. Nota: Sendo contempladas todas as normas citadas nas relacionadas acima e sempre com a última versão de todas e as que substituírem alguma cancelada. Em caso de duvidas ou omissão prevalecem: Esta especificação, Normas da DMED. As normas citadas no item 4. Outras Normas que forem consideradas necessárias durante a execução deste serviço. 5 INSTRUÇÕES GERAIS 5.1 O sistema de proteção é dividido em: Relés eletromecânicos (Usinas Antas I, Bortolan e UMM Ubirajara Machado Moraes) Relés eletrônicos ou estáticos (Usinas Antas I, Bortolan, UMM, Antas II e Rolador) Relés digitais micro processados (Antas I, Antas II, Rolador, SE Interligação, SE Saturnino, Se Osório, chaves automatizadas, religadores, chave de transferência do circuito subterrâneo.) Elos fusíveis na distribuição Relés de proteção de consumidores do grupo A4 servidos em média tensão Consumidores do grupo A4 com geração própria com paralelismo momentâneo ou continuo. Página 3 de 15

4 5.2 Os serviços serão realizados nos seguintes pontos: Subestações incluindo barramentos, transformadores, banco de capacitores e equipamentos: SE Interligação: 138/ 69/ 13,8kV, Transformadores de 03 enrolamentos 2 x 45/ 20/ 25 MVA SE Saturnino: 138/13, 8 kv 2 x 25 MVA SE Osório: 69/13, 8 kv 2 x 16, 5 MVA, SE da PCH Antas II: 6.6/69 kv - 2 x 16, 5 MVA, 69/13,8 kv - 16, 5 MVA Linhas de Transmissão LT: LT's 138 kv (02 chegadas Furnas e 02 saídas SE Saturnino) LT's 69 kv (Antas II, SE Osório e SE Interligação); LT's 69 kv (chegadas PCH Antas II vem de Rolador); Usinas Hidrelétricas MCH José Togni: 2,2/13,8 kv KVA PCH Ubirajara Machado de Moraes: 2,2/13,8 kv KVA UHE Antas I: 2,2/13,8 kv 9,86 MVA PCH Antas II: 6,6/13,8-6,6/69 kv - 21 MVA PCH Rolador: 6,6/13,8-6,6/69 kv 9,75 MVA Alimentadores. Obs.: Serão selecionadas 03 usinas entre as listadas para execução do serviço. Rolador apesar de ser da DMEE deverá ser considerado com suas características elétricas visando sua contribuição nos estudos elétricos SE Interligação = 8 alimentadores 13,8 kv SE Saturnino = 7 alimentadores 13,8 kv SE Osório = 5 alimentadores 13,8 kv, 2 circuito 13,8 kv de intercambio entre Usinas Antas I Usinas José Togni e UMM - 1 circuito de intercambio de potencia entre estas e Antas I (somente geração) Usina Antas II Circuito de 13,8 kv de intercambio de potencia (balanço energético) com Antas I. Obs.: Serão selecionados 05 alimentadores para execução do serviço. Página 4 de 15

5 5.2.5 Subestações de Consumidores grupo A4. Serão selecionados 02 consumidores com subestações em média tensão (13,8 kv) para execução do serviço Subestações de Consumidores com geração própria. Será selecionado para execução do serviço 01 consumidor com geração própria em baixa tensão, 02 consumidores com subestações em média tensão (13,8 kv) sendo 01 com geração própria com paralelismo momentâneo e 01 com geração própria com paralelismo continuo Instalações subterrâneas. Chave comutadora SF6 com 2 circuitos de entrada e 3 circuitos de saída em 13,8 kv. 6 PROCEDIMENTOS 6.1 Os serviços a serem desenvolvidos deverão contemplar: Analisar levantamento de dados elétricos, desenhos e parâmetros de proteção existente na DMED de Subestações, Usinas, Alimentadores e Linhas de transmissão existentes a partir do cadastro técnico que será disponibilizado pela DMED; Dados que serão disponibilizados: modelos dos relés, Dados de TP s, TC s, reatâncias de LT s, transformadores, geradores, bancos de capacitores, dados de fusíveis, esquemas de teleproteção, ajustes atuais de relés e religadores, diagramas lógicos e funcionais de painéis, dados de disjuntores e religadores. Todos esses dados estarão disponíveis e qualquer duvida que venha há ser levantada nos dados disponibilizados ou na realização dos serviços será reavaliada por pessoal próprio da DMED Avaliar e aferir os dados disponibilizados em conjunto com a DMED; Modelar o sistema de distribuição da DMED (Alimentadores incluindo todos os equipamentos de proteção (barramentos, chaves automatizadas, religadores, elos fusíveis, etc.) com auxilio do software SGD existente na DMED e software adquirido junto com esta contratação Este serviço deve ser executado desde avaliações, estudos, treinamento e implantação em campo em conjunto com equipe da DMED Modelar o sistema de transmissão da DMED (Subestações incluindo todos os equipamentos Página 5 de 15

6 existentes (LT s, barramentos, transformadores, banco de capacitores, religadores, etc.) Este serviço deve ser executado desde avaliações, estudos, treinamento e sugestão de implantações se houverem e se que se houver tempo hábil será implantado em conjunto com equipe da DMED se não será implantado posteriormente pela DMED Elaborar memoriais de cálculo de curto-circuito (Trifásico, Bifásico, e Fase-terra) conforme normas existentes e cálculos do SGD Elaborar memoriais de cálculo de Fluxo de Carga da distribuição e transmissão, considerando as condições normais e de emergência; Realizar estudos de contingência e estabilidade transitória de freqüência e tensão quando da perda de uma (01) ou mais fontes, para subsidio aos estudos de proteção e melhoria de confiabilidade do processo de operação da DMED; Apresentação de estudos em regime permanente e transitórios, quando em situações de Operação Isolada, sendo despachado o parque de PCH s da DMED em função do atendimento de cargas prioritárias em regime de contingências, contando com a desconexão do SIN Sistema Interligado Nacional Elaborar também, os procedimentos operativos, bem como, predefinição de sequencia de manobras nas instalações Avaliações das possíveis perturbações (transitórios elétricos) ocorridos internamente no SEP da DMED, demonstrando a impossibilidade de inserção de surtos elétricos com prejuízos operacionais e de riscos, frente a intervenções de manutenções provenientes das barras de 138 e 345 kv de Furnas (conexão com SIN da DMED) Os ajustes das proteções das Usinas, Linhas e SE s devem ser avaliado e validado com base nos resultados dos estudos de estabilidade Realizar estudos de proteção de sobre corrente (Coordenação, Seletividade convencional) dos alimentadores de média tensão da DMED selecionados; Elaborar procedimento de proteção de sobre corrente para alimentadores com base na filosofia aplicada nos estudos aplicados; Realizar estudos de proteção completos das subestações da DMED; Elaborar procedimento de proteção de Subestações com base na filosofia aplicada nos estudos; Realizar estudos de proteção completos de todas as Usinas da DMED; Este serviço deve ser executado desde avaliações, estudos, treinamento e sugestão de implantações se houverem e se houver tempo hábil será implantado Página 6 de 15

7 em conjunto com equipe da DMED se não será implantado posteriormente pela DMED Elaborar procedimento de proteção de Usinas com base na filosofia aplicada nos estudos; Realizar estudos de proteção completos das Linhas de 69 kv da DMED; Elaborar procedimento de proteção de Linhas de 69 kv com base na filosofia aplicada nos estudos; Realizar estudos de proteção completos das Linhas de 138 kv da DMED; Elaborar procedimento de proteção de Linhas de 138 kv com base na filosofia aplicada nos estudos; Realizar estudo de desempenho do sistema de proteção da DMED abrangendo as Subestações, Alimentadores de média tensão, Usinas, e Linhas de 69 kv e 138 kv. Após termino deste serviço constante desta contratação Avaliar as proteções selecionadas de clientes do grupo A com subestação em média tensão da DMED e implantar alterações se necessário, considerando a filosofia utilizada e praticada pela DMED Avaliar as proteções selecionadas de clientes do grupo A com geração própria e implantar alterações se necessário, considerando a filosofia utilizada e praticada pela DMED Elaborar procedimento de proteção de clientes do grupo A com ou sem gerador próprio com paralelismo contínuo e momentâneo. 6.2 Os treinamentos ministrados deverão contemplar: Treinamento básico de proteção Realizar treinamento de proteção de sobre corrente de alimentadores Realizar treinamento de proteção de Subestações Realizar treinamento de proteção de Usinas Realizar treinamento de proteção de Linhas de 69 kv e 138 kv Realizar treinamento de proteção em subestações de consumidores do grupo A4 com geração própria. 6.3 Conteúdo dos treinamentos: A PROPONENTE deverá ministrar treinamento básico sobre o tema considerado, com o objetivo de apresentar aos participantes os fundamentos e critérios para elaboração de estudos, implantação e controle de proteção SEP da DMED, visando, entre outros aspectos, O treinamento deverá contemplar os seguintes aspectos: Conceitos fundamentais: zona de proteção, sensibilidade, coordenação e seletividade. Filosofia da proteção: sistema seletivo, sistema coordenado, sistema combinado. Página 7 de 15

8 Principais características dos equipamentos de proteção: fusível, religador, seccionalizador e relé de sobre corrente Critérios de ajustes/dimensionamento dos equipamentos de proteção: relé (tap, unid. inst., curva) religador (fase, neutro, tempo de religamento, tempo de rearme, curvas de fase e de neutro) Critérios de coordenação/seletividade: fusível & fusível, fusível & religador, religador & religador, religador & relé, relé & relé, relé & fusível, proteção de baixa tensão Proteção de linhas e barramentos, transformadores, alimentadores, rede de média tensão, equipamentos de rede (bancos de capacitores, reguladores de tensão, etc.) Proteção: cliente industrial & DMED Proteção: transmissão & distribuição Realização de exemplo completo de coordenação de proteção utilizando os alimentadores selecionados do próprio sistema elétrico da DMED Treinamento específico na utilização do sistema computacional especialista no desenvolvimento dos estudos de proteção de forma automatizada O número de treinados deverá ser definido, a posteriori, pela DMED, não excedendo o total de 10 (dez) profissionais O treinamento deverá ser ministrado nas instalações da DMED, em local a ser definido, ao longo do período normal de expediente interno O material de apoio e didático será de responsabilidade da contratada tanto quanto a emissão de certificados de participação. 6.4 Desenvolvimento dos Estudos de Proteção dos Alimentadores A DMED indicará os profissionais responsáveis pela elaboração dos estudos que receberão o treinamento e acompanharão as orientações do consultor quando da elaboração dos estudos de proteção Estes estudos deverão considerar todas as etapas que compõem o processo completo da DMED, devendo contemplar: Elaboração de diagnóstico sucinto a respeito da situação operacional atual do sistema elétrico do SEP da DMED nos aspectos relacionados à proteção do sistema em geral Desenvolvimento do estudo, do respectivo circuito alimentador, contendo os seguintes aspectos: Elaboração de relatório final a respeito do resultado dos estudos. Página 8 de 15

9 Relação dos ajustes compatíveis com o respectivo modelo do relé e/ou religador instalado no respectivo circuito alimentador recomendado no estudo; Relação de todas as chaves com seus respectivos fusíveis recomendados no estudo; Diagrama georeferenciado mostrando todas as alterações de fusíveis recomendados no estudo Disponibilizar a DMED todos os documentos (Provisórios e definitivos), resultados de estudos, memórias de cálculo, diretrizes e materiais de treinamento em meio magnético (Word, Excel e Acrobat), e arquivos completos de simulação dos softwares de engenharia utilizados; Distancia exata dos eventos de proteção nos relés considerando as distancias informadas, integrações com as informações do SGD para auxilio na identificação do problema Cálculo das correntes de curto circuito (3F, FF, FT, FT mín. valores simétricos, assimétricos e de pico e relação X/R) em todos os pontos (nós) ao longo do circuito alimentador do sistema elétrico da DMED Definição da filosofia de proteção Definição dos ajustes de relé de sobre corrente ou religadores nas saídas das SEs demonstrando os respectivos gráficos de coordenação e/ou seletividade; Dimensionamento dos fusíveis para proteção de ramal ou tronco, demonstrando os respectivos gráficos de seletividades; Definição dos ajustes de religador para proteção de alimentador, ramal ou tronco, demonstrando os respectivos gráficos de coordenação e seletividades com os demais elos fusíveis; Indicação de instalação, realocação e/ou retiradas de chaves ou religadores, com intuito de promover melhoria na qualidade e continuidade do fornecimento de energia Indicação, no diagrama georeferenciado, das zonas de proteção dos respectivos equipamentos de proteção instalados no circuito alimentador, tanto para os curtoscircuitos entre fases como os fase-terra; Indicação, no diagrama georeferenciado, de trecho ao longo do alimentador, que eventualmente não apresenta alguma proteção quer seja para as condições de curtos-circuitos entre fases como os fase-terra; Os gráficos de seletividade e coordenação deverão ser apresentados diferenciadamente em função dos curtos-circuitos entre fases e curtos-circuitos Página 9 de 15

10 fase-terra; 6.5 Aquisição de Sistema Computacional Especializado na Realização de Estudos de Proteção A PROPONENTE deverá vender os direitos para utilização de sistema computacional especializado no assunto proteção visando facilitar, padronizar e automatizar os estudos de proteção do sistema de distribuição, minimizando a preocupação das áreas de engenharia na realização destes estudos O sistema a ser adquirido deverá apresentar as seguintes características, consideradas fundamentais: Realizar automaticamente os estudos de proteção (coordenação e seletividade) em alimentadores do sistema de distribuição de energia elétrica, permitindo a simulação de soluções de ajustes dos equipamentos de proteção de um alimentador de forma simultânea e automática, nas seguintes condições operacionais: condição normal de operação, de expansão ou planejamento da rede e em condições de análise de contingência operacional - manobras no circuito contemplando remanejamento de cargas de um circuito para outro; Utilizar de forma integrada como base de dados do Sistema SGD - padrão utilizado pela DMED - de maneira a manter a compatibilidade com a base atual, aumentar a confiabilidade e a produtividade destes processos e permitir integração com outros sistemas O sistema deverá apresentar, ainda, as seguintes características subjacentes: Permitir uma interface gráfica e geo-referenciada dos alimentadores em estudo; Permitir a seleção de alimentadores através de interface que pesquise as subestações e alimentadores cadastrados na DMED. A interface será providenciada pela DMED junto à provedora do sistema SGD; Obter os dados necessários da topologia dos alimentadores selecionados, através de pesquisa na base de dados da DMED; Obter as impedâncias equivalentes do barramento de saída dos alimentadores selecionados, através de pesquisa na base de dados da DMED; Calcular as correntes de carga com base nas potências dos transformadores instalados e dos respectivos fatores de potência e índices de carregamento, extraídos da base de dados; Calcular as correntes de curto-circuito, em todos os pontos necessários para o estudo dos alimentadores, tendo com base a topologia armazenada; Permitir o estudo de alimentadores com topologia radial e em anel; Permitir a definição de critérios de ajustes, seletividade e coordenação dos Página 10 de 15

11 equipamentos de proteção e da filosofia de proteção a ser aplicada em particular em um alimentador em estudo ou em todos alimentadores a critério da DMED; Propor automaticamente a capacidade dos elos fusíveis e os diversos parâmetros de ajustes das funções de sobre corrente (50 Fase, 51 Fase, 50 Neutro e 51 Neutro) dos equipamentos de proteção (relés e religadores) instalados no alimentador em estudo, considerando critérios e filosofias de proteção previamente definidos pela DMED, emitindo recomendações quando as condições operacionais não atenderem aos critérios estabelecidos; Permitir a interação com o processo de proposição automática através da prédefinição de elos fusíveis e de parâmetros de ajuste dos relés e religadores; Na interação com o processo de proposição automática, o sistema deverá fornecer ao usuário uma planilha do equipamento selecionado, mostrando todos os seus ajustes específicos assim como a faixa de ajuste possível para cada parâmetro, possibilitando ao mesmo a definição do ajuste desejado; Permitir interação com o processo de proposição automática através de bloqueio de equipamento(s) de proteção; Permitir o controle de estado de equipamento(s) de proteção recalculando as correntes de carga e de curto-circuito, possibilitando o estudo de expansões ou planejamento, bem como manobras e contingências em alimentadores; Mostrar em sua interface gráfica o alcance das unidades de fase e de neutro do equipamento de proteção selecionado (zona de proteção), realçando a área em que o mesmo não oferece esta proteção; Identificar em sua interface gráfica os pontos do alimentador em que possivelmente ocorreram determinados valores de curto-circuito através da informação da corrente de curto-circuito e/ou da impedância de curto-circuito; Permitir a inclusão e/ou retirada ou desativação temporária de equipamentos de proteção, para efeito de estudo, em qualquer ponto do alimentador; Permitir a inclusão de novos pontos de carga no alimentador, para simulação no estudo da entrada de novos consumidores; Emitir diagnóstico e recomendações referentes aos parâmetros dos diversos equipamentos de proteção em operação no alimentador, em estudo; Emitir recomendações quando excedidos os valores de corrente nominal e/ou capacidade de interrupção de equipamentos de proteção assim como a capacidade dos transformadores de corrente (TC); Permitir a visualização e impressão de relatórios de curto-circuito por pontos do Página 11 de 15

12 alimentador e por equipamentos de proteção, contendo as impedâncias equivalentes, a relação X/R, as correntes simétricas, assimétricas e de pico e as contribuições dos trechos; Permitir a visualização e impressão de gráficos de coordenação e seletividade (coordenograma), a montante ou a jusante, de qualquer cadeia de equipamentos de proteção a partir de um equipamento selecionado; Permitir a possibilidade de gravar o estudo para posterior recuperação Relativamente à utilização do sistema computacional, a PROPONENTE deverá prestar assessoria técnica e manutenção a DMED pelo prazo de 1 ano contado a partir de sua implantação, incluindo possíveis manutenções e/ou atualizações de versão do sistema computacional A interface do software há ser adquirida com a base de dados do Sistema SGD - padrão utilizado pela DMED e o atendimento integral desta Especificação será objeto de prévia homologação pela DMED onde será emitido um certificado de que o software atende a estes requisitos e sem o qual o fornecedor não poderá participar do referido Edital. 6.6 Obrigações da empresa contratada: Ter e manter um engenheiro Eletricista responsável pela realização dos serviços propostos para coordenar, acompanhar e prestar os serviços aqui especificados Ter e manter um responsável pela formatação dos documentos gerados que devem ser revisados gramaticalmente na língua portuguesa do Brasil e adequados as formatações conforme normas DMED Garantias operacionais dos estudos e ajustes a serem propostos e implementados dentro de um período de 01 ano após termino do contrato, ou seja, em casos de atuações indevidas de proteções ou reestudo, a contratada deverá prestar a devida assistência sem ônus à DMED até que seja normalizado o eventual problema. 6.7 Acompanhamento dos serviços pela DMED A DMED terá uma equipe de acompanhamento dos serviços executados sendo composta por colaboradores nas seguintes áreas conforme tabela abaixo: Distribuição Usinas Automação Proteção e geração própria. Marco Cesar de Oliveira Flávio Azevedo Alysson Fernandes Franco Anderson Muniz Página 12 de 15

13 Normatização Segurança do trabalho Roni Roque Marcelo Longo OBS: Estes poderão ser substituídos a qualquer momento a critério da DMED. 6.8 Cronograma A Proponente apresentará um cronograma para realização dos serviços elencados no item 6. PROCEDIMENTOS sendo que esta especificação deve ser atendida integralmente na sua totalidade e o prazo máximo para execução do serviço é de 1 ano a partir da assinatura do contrato O cronograma será avaliado e aprovado pela DMED Aos interessados na prestação deste serviço será agendada visita técnica para avaliações e conhecimento do SEP da DMED contemplando todos os locais listados no item Elaboração da proposta comercial Para elaboração da proposta comercial, deverá ser preenchida a planilha abaixo: PLANILHA Etapa Descrição Tempo Limite de execução e/ou fornecimento Preço unitário Parcelas para Pagamento Fornecimento do 60 dias após 1 software conforme assinatura do item 6.5. contrato. 12 meses com 2 Realização dos serviços elencados nesta especificação técnica. inicio imediatamente após assinatura do contrato com pagamento mensal. Total Nos preços apresentados, para a execução dos serviços, deverão estar inclusos todos os custos básicos diretos, BDI s, bem como encargos sociais e trabalhistas e quaisquer outros Página 13 de 15

14 custos ou despesas que incidam ou venham a incidir direta ou indiretamente sobre o objeto desta cotação, inclusive tributos (em especial o ISS Imposto Sobre Serviços), contribuições incidentes, impostos e quaisquer outras despesas acessórias, necessárias, não especificadas e demais concernentes à plena execução do objeto durante o prazo do contrato Deverá incluir ainda mão-de-obra e fornecimento dos materiais necessários e especificados, com inclusão de impostos, taxas, despesas com mão-de-obra, despesas diretas e indiretas, além das despesas com transporte, alimentação e hospedagem dos funcionários, caso seja necessário, e ainda as despesas com mobilização e desmobilização, fornecimento de EPIs (equipamentos de proteção individual), aluguéis, reprografia, veículos, combustíveis, controle tecnológico de materiais, demais despesas de escritório e de expediente, encargos de qualquer natureza e quaisquer despesas acessórias, compatíveis e necessárias à execução dos serviços Atestados de serviços realizados A proponente deverá apresentar certificados emitidos por distribuidoras e/ou transmissoras de energia elétrica comprovando serviços prestados em proteção nos seguintes itens: Itens Serviços Subestações 69 e 138 kv incluindo Linhas de Transmissão, barramentos, 1 transformadores, banco de capacitores e reguladores: 2 Subestações de Usinas Hidrelétricas Circuitos Alimentadores em 13,8 kv contemplando religadores, chaves 3 automatizadas e elos fusíveis. 4 Subestações de Consumidores do grupo A 5 Subestações de Consumidores do grupo A com geração própria. Página 14 de 15

15 6.11 Disposições Finais Para desenvolvimento dos trabalhos, também, deverão estar previstos deslocamentos até a cidade de Poços de Caldas de um ou mais membros da equipe da empresa que vier a ser contratada Todos os dados necessários aos estudos descritos anteriormente deverão ser solicitados pela PROPONENTE a DMED com a devida antecedência de modo a permitir o desenvolvimento dos trabalhos em tempo hábil Será agendada visita técnica dos interessados em participação deste edital para apresentação do SEP da DMED. ALTERAÇÕES Não Aplicável ANEXOS Não Aplicável Página 15 de 15

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS, LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Local da realização dos serviços 03 5.2. Condições

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

ANEXO XI PROPOSTA COMERCIAL PADRONIZADA EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº. 005/2013

ANEXO XI PROPOSTA COMERCIAL PADRONIZADA EDITAL DE CONCORRÊNCIA Nº. 005/2013 ÀS EMPRESAS LICITADORAS A empresa..., inscrita no CNPJ/MF sob o n..., estabelecida à Av./Rua..., n..., bairro..., na cidade de..., telefone..., fax..., e-mail..., vem pela presente apresentar abaixo sua

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária

ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária ID 3.020 Critérios de Aplicação de Sistemas de Proteção de Redes de Distribuição Aérea em Tensão Primária Elaborado por: Eng. Dener Pioli Gerencia de Engenharia de Automação e Proteção Aprovado por: Sergio

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 03

ESCLARECIMENTO Nº 03 PE.GCM.A.00130.2013 1/30 ESCLARECIMENTO Nº 03 FURNAS Centrais Elétricas S.A. comunica resposta ao pedido de esclarecimento sobre o Edital, efetuado por empresa interessada: 1. GERAL Entendemos que os Relés

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº

EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº ANEXO I EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 006/2015 PROJETO DE VIABILIDADE TÉCNICA PARA ALTEAMENTO DO NIVEL NOMAL DO RESERVATÓRIO DO CIPÓ E AMPLIAÇÃO DAS USINAS BORTOLAN E VÉU DAS NOIVAS 1 - INTRODUÇÃO Esta

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo. Brasília 26 e 27/nov/2008

Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo. Brasília 26 e 27/nov/2008 Audiência Pública 049/2008 Aprovação dos Procedimentos de Rede em caráter definitivo SRT Brasília 26 e 27/nov/2008 Audiência Pública - 26/11/2008 - tarde Módulo 8 - Programação da operação eletroenergética

Leia mais

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1

Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias. Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 Estudos e Consultorias Estudos de Sistemas Elétricos de Potência e Consultorias Eng. Leandro Mascher, BRPSYS-5000084401-R1 A Empresa A PSYS Consultoria em Engenharia e Sistemas Ltda. surgiu do desejo de

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA APLICAÇÃO EM EXCEL NO PROCESSO ESTUDOS DE PROTEÇÃO ELÉTRICA

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA APLICAÇÃO EM EXCEL NO PROCESSO ESTUDOS DE PROTEÇÃO ELÉTRICA XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA APLICAÇÃO EM EXCEL NO PROCESSO ESTUDOS DE PROTEÇÃO ELÉTRICA VAGNER GULIM DAMACENO CEB CONPANHIA ENERGÉTICA DE BRASÍLIA Proteção Coordenação de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA E CONDIÇÕES GERAIS CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 6. PROCEDIMENTOS 08 7. ALTERAÇÕES 09 8. ANEXOS 09 Elaboração: Anderson Muniz Data: 04/10/2011.

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Nome dos grupos Instalação de Geradores Particulares em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.007 2ª Folha 1 DE 6 18/08/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul PAPER 1/5 Título Plano de instalação de religadores AES Sul Registro Nº: (Resumo) SJBV7283 Autores do paper Nome País e-mail Angelica Silva AES Sul Brasil angelica.silva@aes.com Flavio Silva AES Sul Brasil

Leia mais

ANEXO V PROPOSTA COMERCIAL PADRONIZADA CONCORRÊNCIA Nº. 001/2012 CONCORRÊNCIA Nº. 001/2012

ANEXO V PROPOSTA COMERCIAL PADRONIZADA CONCORRÊNCIA Nº. 001/2012 CONCORRÊNCIA Nº. 001/2012 À DME Distribuição S/A - DMED A empresa..., inscrita no CNPJ/MF sob o n..., estabelecida à Av./Rua..., n..., bairro..., na cidade de..., CEP..., telefone..., fax..., e-mail..., vem pela presente apresentar

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

Catálogo de Serviços

Catálogo de Serviços Catálogo de Serviços Estudos Elétricos 4 Projetos Elétricos 5 Engenharia de Campo 6 Treinamentos Técnicos 8 Apresentação da Empresa A SISPOT Engenharia e Consultoria nasceu do desejo de tornar-se referência

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/2011

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/2011 ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 002/2011 NOME DA INSTITUIÇÃO: ABRATE Associação Brasileira das Grandes Empresas de Transmissão de Energia Elétrica AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

PROGRAMA EMERGENCIAL DE RECUPERAÇÃO DO SISTEMA DE SUBTRANSMISSÃO (CRESCE MINAS)

PROGRAMA EMERGENCIAL DE RECUPERAÇÃO DO SISTEMA DE SUBTRANSMISSÃO (CRESCE MINAS) 02.111-OM/EO-159 Superintendência de Engenharia e Coordenação da Operação e Manutenção da Distribuição - OM PROGRAMA EMERGENCIAL DE RECUPERAÇÃO DO SISTEMA DE SUBTRANSMISSÃO (CRESCE MINAS) REQUISITOS OPERACIONAIS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E VIAÇÃO DIVISÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO XII - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SERVIÇO DE ENGENHARIA PARA EXECUÇÃO DE EXTENSÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO PARA ATENDER A ILUMINAÇÃO PÚBLICA EM DIVERSOS LOGRADOUROS DE PORTO ALEGRE 1. GENERALIDADES O

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO CONSTRUÇÃO DO FÓRUM DA COMARCA DE UBERABA AV. MARANHÃO COM AV. CORONEL ANTÔNIO RIOS, S/N B. UNIVERSITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO DA SUBESTAÇÃO ELÉTRICA ELÉTRICO-SUBESTAÇÃO ABRIGADA 2MVA 1/6 NOVO FÓRUM DA

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS

DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS DIRETORIA TÉCNICA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 034/2008 PADRÃO DE ESTRUTURA PE-034/2008 R-02 ESTRUTURAS ESPECIAIS FOLHA DE CONTROLE PADRÃO DE ESTRUTURA ESTRUTURAS ESPECIAIS Código Página

Leia mais

Plataforma sinap t&d. Geração Distribuída. Análise de Redes Proteção Despacho Confiabilidade Manobras de Redes

Plataforma sinap t&d. Geração Distribuída. Análise de Redes Proteção Despacho Confiabilidade Manobras de Redes Agradecimentos Este trabalho foi desenvolvido no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica regulado pela ANEEL e consta dos Anais do VI Congresso de Inovação

Leia mais

Metodologia de Proteção e Análise de Impacto no Sistema Elétrico

Metodologia de Proteção e Análise de Impacto no Sistema Elétrico Metodologia de Proteção e Análise de Impacto no Sistema Elétrico NT 07 05 008 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. DEFINIÇÕES 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES

Leia mais

Action₀EMS Power System Simulator

Action₀EMS Power System Simulator SCLN 212, Bloco D, Sala 101 Brasília DF CEP: 70.865-540 fone: +55 61 3340-8486 contato@spinengenharia.com.br www.spinengenharia.com.br Action₀EMS Power System Simulator Descrição Funcional 00101.01 Action₀EMS

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROGRAMA DE COORDENAÇÃO DE PROTEÇÃO PCP

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROGRAMA DE COORDENAÇÃO DE PROTEÇÃO PCP XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROGRAMA DE COORDENAÇÃO DE PROTEÇÃO PCP MARCOS KOEHLER - COPEL- COMPANHIA PARANAENSE DE ENERGIA JOSÉ MOLINARI PINTO - COPEL- COMPANHIA PARANAENSE

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai

PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai PRIMERAS JORNADAS REGIONALES DE CALIDAD DE ENERGÍA 2006 8 y 9 de Setiembre de 2006 - Uruguai CONEXÃO DE GERADORES COM O SISTEMA ELÉTRICO DE DISTRIBUIÇÃO Senne, E. F.; CPFL Energia; flausino@cpfl.com.br;

Leia mais

Termo de Referência. Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses.

Termo de Referência. Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses. Termo de Referência Serviço de envio de mensagens SMS Short Message Service para dispositivos móveis, pelo período de 24 meses. Termo de Referência [OBJETO] 1 Termo de Referência Serviço de envio de mensagens

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

As Subestações de Entrada de Energia e Entradas de Serviço no Brasil

As Subestações de Entrada de Energia e Entradas de Serviço no Brasil VII CITTES - Congreso Internacional sobre: TRABAJOS CON TENSIÓN y SEGURIDAD EN TRANSMISIÓN Y DISTRIBUCIÓN DE ENERGÍA ELÉCTRICA Y MANTENIMIENTO SIN TENSIÓN DE INSTALACIONES DE AT. 15 al 18 de Septiembre

Leia mais

PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II

PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II ESCLARECIMENTO A QUESTIONAMENTOS Referente à tensão de entrada e saída: O documento ANEXO+I+-+15-0051-PG+-+Especificação+Técnica solicita fornecimento de nobreak

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 02 5.1. Local da Realização dos Serviços 02 5.2. Responsabilidade a cargo da DMED

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Prof. Eng. José Ferreira Neto ALLPAI Engenharia Out/14 Parte 1 -Conceitos O Sistema Elétrico e as Subestações Efeitos Elétricos

Leia mais

ELABORAÇÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA GRNT FEVEREIRO DE 2011

ELABORAÇÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA GRNT FEVEREIRO DE 2011 ELABORAÇÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA GERÊNCIA DE NORMATIZAÇÃO E TECNOLOGIA GRNT FEVEREIRO DE 2011 INTRODUÇÃO: Trata-se de um projeto piloto de geração distribuída com energia solar, no qual a CEB Distribuição

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROTETOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR PROTOR DE BUCHA PARA TRANSFORMADOR SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Características

Leia mais

A ferramenta ABB para dimensionar suas instalações de forma prática e completa!

A ferramenta ABB para dimensionar suas instalações de forma prática e completa! 100% em PORTUGUÊS A ferramenta ABB para dimensionar suas instalações de forma prática e completa! DOC é um software criado para o dimensionamento de instalações elétricas. É o resultado da ampla experiência

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO

ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ANEXO IV REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO Nº 022/2013 ESPECIFICAÇÕES DO OBJETO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE Nº 001/2013 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a Contratação de empresa

Leia mais

ANEXO I. Ref.: Convite nº. 002/2011 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I. Ref.: Convite nº. 002/2011 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I Ref.: ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. OBJETO DE CONTRATAÇÃO A presente especificação tem por objeto a contratação de empresa Especializada para Consultoria para implantação da NBR ISO 10.002 com base

Leia mais

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO

ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO ANEXO I NÍVEIS MÍNIMOS DE SERVIÇO EXIGIDOS (NMSE) PARA CONTRATO DE APOIO 1. Introdução 1.1. Descrição do serviço Este documento disciplina a cessão de uso permanente da solução de software para Gestão

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S/A COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO Assunto: NOTA DE ESCLARECIMENTO N.º 03 Processo: CONCORRÊNCIA N.º 001/2010 Objeto: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS BÁSICOS E EXECUTIVOS DE SUBESTAÇÕES E LINHAS DE TRANSMISSÃO DO SISTEMA

Leia mais

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição:

São identificadas pelas características inerentes aos sistemas de distribuição: Capítulo2 CHAVE-FUÍVEI PARA PROTEÇÃO DE ALIMENTADORE E TRANFORMADORE 2.1 Introdução Classicamente, os sistemas de distribuição primários, aéreos, trifásicos e aterrados, constituídos por condutores nus,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 004/DOP/2011

TERMO DE REFERÊNCIA 004/DOP/2011 DIRETORIA OPERACIONAL DO TERMO DE REFERÊNCIA 004/DOP/2011 AQUISIÇÃO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL, INCLUINDO INSTALAÇÃO E TREINAMENTO, PARA ESTUDOS DA PROTEÇÃO DE SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 EMENTA (Caso exista):

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Eng. Joaquim Gomes Pereira ------------ Ministério do Trabalho e Emprego DRT/SP 1 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO

CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO CONDIÇÕES A OBSERVAR PARA O ESTEBELECIMENTO DE POSTO DE TRANSFORMACÃO PRIVATIVO 1 CONDIÇÕES PRÉVIAS Antes de iniciar qualquer trabalho de montagem, ou antes de adquirir um posto de transformação (PT),

Leia mais

Anexo II Descrição da Área/Processo. Cargos de Nível Médio

Anexo II Descrição da Área/Processo. Cargos de Nível Médio Anexo II Descrição da Área/Processo Cargos Cargo Área Pré-requisito Trajetória Processo de Agrimensura de Edificações/ Construção Civil de Edificações de Edificações Agrimensura. Edificações. Edificações.

Leia mais

Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos

Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos Herramientas inteligentes para el diagnóstico de transformadores sometidos a esfuerzos electromagnéticos severos Nombre Carlos Guilherme Gonzales Correo cgonzale@cteep.com.br Empresa www.cteep.com.br Cargo

Leia mais

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC FINALIDADE Reunir informações sintetizadas do Processo de Acesso ao Sistema Elétrico da Celesc com o objetivo de orientar os Acessantes, como proceder na condução do

Leia mais

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro 60 Capítulo V Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Os transformadores de aterramento são aplicados em muitas situações onde o arranjo do sistema elétrico exige que seja criado

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008. A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite:

ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008. A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite: 01/07/2008 ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008 A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite: A data de abertura foi transferida para o dia 18/07/2008, às 14 horas; o prazo para realização

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.005. Página 1 de 20. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 0 NOTA TÉCNICA 6.005 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R substitui a R02 e visa estabelecer instruções técnicas para

Leia mais

CURSO: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

CURSO: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS CURSO: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO DE: A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS DIRIGIDO À Engenheiros

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.010. Página 1 de 19. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 19 NOTA TÉCNICA 6.010 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR DE CONSUMIDOR SECUNDÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia

COMUNICADO TÉCNICO CT - 59. CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw. Página 1 de 11. Diretoria de Engenharia Página 1 de 11 COMUNICADO TÉCNICO CT - 59 CRITÉRIOS PARA ATENDIMENTO DE CLIENTES COM CARGA INSTALADA ACIMA DE 75 kw Diretoria de Engenharia Diretoria de Operações e Planejamento Diretoria Comercial Gerência

Leia mais

Aplicação de Unidades de Sobrecorrente de Seqüência Negativa em Redes de Distribuição A Experiência da COSERN

Aplicação de Unidades de Sobrecorrente de Seqüência Negativa em Redes de Distribuição A Experiência da COSERN 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Aplicação de Unidades de Sobrecorrente de Seqüência Negativa em Redes de Distribuição A Experiência da COSERN Eng. Elves Fernandes da Silva COSERN elves.silva@cosern.com.br

Leia mais

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC

HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC 06 a 10 de Outubro de 2008 Olinda - PE HELP INTERATIVO: FERRAMENTA PARA FACILITAR A OPERAÇÃO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO PELOS COD S RAGONE, JC CFLCL jragone@catleo.com.br Companhia Força e Luz Cataguazes-

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MEDIDOR DE ENERGIA ELRICA ELRÔNICO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2. Características

Leia mais

Negociação Comercial

Negociação Comercial Negociação Comercial Aula 16-04/04/09 1 Negociação Comercial ETAPAS E MODELO DE UMA PROPOSTA COMERCIAL Parte 1/2 2 OBJETO...(preencher)........., conforme descritos na Proposta Técnica. 2 ETAPAS DO PROJETO

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002.

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002. COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Caderno de Encargos Procedimento de Aquisição da PPP do Novo Colégio Militar de Manaus

Caderno de Encargos Procedimento de Aquisição da PPP do Novo Colégio Militar de Manaus Caderno de Encargos Procedimento de Aquisição da PPP do Novo Colégio Militar de Manaus SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. ORIENTAÇÕES GERAIS... 4 a. ELABORAÇÃO DO CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES... 5 b. HOMOLOGAÇÃO

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 13/08/2007 Inclusão dos itens 4.9, 4.10 e substituição do ANEXO III e IV.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 13/08/2007 Inclusão dos itens 4.9, 4.10 e substituição do ANEXO III e IV. Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição, com Processo Atendimento aos Clientes Atividade Código Edição Data SM01.00-00.007 7ª Folha 1 DE 15 21/07/2010 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX 1. Resumo Executivo Disponibilizar acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) da CELEPAR, baseado nas

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS PLANO DE OCUPAÇÃO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS PLANO DE OCUPAÇÃO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS PLANO DE OCUPAÇÃO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 1 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras de Distribuição-GPD

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão

Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes. Djalma M. Falcão Smart Grid Trends & Best Practices 17 e 18 de Outubro de 2013 Salvador-BA Minigeração e Microgeração Distribuída no Contexto das Redes Elétricas Inteligentes Djalma M. Falcão Redes Elétricas Inteligentes

Leia mais

Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e

Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e Manual de Credenciamento para Emissão do CT-e Versão 1.0 Outubro/2009 Manaus/AM Sumário Apresentação... 2 Conceitos Básicos... 3 Requisitos... 5 Credenciamento... 6 Fase de Homologação... 7 o Fase de Testes...

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

VOTO. INTERESSADO: Companhia Marumbi Transmissora de Energia S.A. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão SRT.

VOTO. INTERESSADO: Companhia Marumbi Transmissora de Energia S.A. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão SRT. VOTO PROCESSOS: 48500.002320/2014-01. INTERESSADO: Companhia Marumbi Transmissora de Energia S.A. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos. RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação dos Serviços de Transmissão

Leia mais