CIMEIRA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Joanesburgo, Agosto e Setembro de 2002

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIMEIRA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Joanesburgo, Agosto e Setembro de 2002"

Transcrição

1 CIMEIRA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Joanesburgo, Agosto e Setembro de 2002 A CIMEIRA Joanesburgo, África do Sul 26 de Agosto a 4 de Setembro de participantes 191 Governos Organizações Intergovernamentais e ONGs Sector Privado, Sociedade Civil Universitários e Investigadores POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/2007 1

2 A CIMEIRA 7 Plenários Temáticos Declarações de Organizações Declarações Governamentais (82 Chefes de Estado e de Governo) 4 Mesas Redondas de Alto Nível Vários eventos paralelos A CIMEIRA Mandato: Resolução nº 55/199 da Assembleia Geral das Nações Unidas Análise e crítica da implementação da Agenda 21 e dos outros acordos negociados no quadro da Cimeira do Rio. Identificar medidas adicionais necessárias para: reforçar os acordos da Cimeira do Rio, alcançar resultados quantificados (metas), e estabelecer decisões orientadas para a acção. Identificar novos desafios e oportunidades. Assegurar o equilíbrio entre as vertentes económica, social e ambiental do desenvolvimento sustentável. Revigorar o compromisso global com o desenvolvimento sustentável POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/2007 2

3 10 SUCESSOS Recuperação da camada de ozono (2050). Promoção do desenvolvimento sustentável através de iniciativas locais e voluntárias, envolvendo o sector privado. Participação do público, através de ONGs. Responsabilidade social e ambiental do sector empresarial. Disponibilização e acesso à informação. Progresso científico e tecnológico. Medição do progresso rumo à sustentabilidade. Alterações climáticas: Implementação do Protocolo de Quioto. Integração do desenvolvimento sustentável nas políticas sectoriais. Instrumentos internacionais para controlo dos riscos dos químicos e da biotecnologia. 10 INSUCESSOS Défice de implementação do acordo do Rio. Aumento da disparidade na distribuição da riqueza. Padrões insustentáveis de produção e consumo. Insensatez do Consenso de Washington. Défice de aplicação de instrumentos económicos (princípio do poluidor-pagador) e promoção de incentivos perversos para o ambiente. Proliferação do terrorismo e dos conflitos armados. Degradação do ambiente marinho e dos recursos pesqueiros. Aumento das pressões sobre os recursos hídricos escassos. Disseminação da SIDA. Extinção crescente de espécies. POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/2007 3

4 ANTECEDENTES DA CIMEIRA Declaração de Ambiente de Estocolmo Programa das Nações Unidas para o Ambiente -Programa para uma melhor implementação da Agenda 21 Conferênciadas N.U. sobre Estabelecimentos Humanos (Istambul + 5) 2001 Cimeira Mundial para o Desenvolvimento Social 1995 Conferênciade Estocolmo 1972 Conferência do Rio 1992 Assembleia Geral Especial das Nações Unidas Rio Assembleia do Milénio Declaração do Rio sobre Ambiente e Desenvolvimento - Agenda 21 - Convenção das N.U sobre Alterações Climáticas - Convenção das N.U. sobre a Diversidade Biológica - Declaração de Princípios sobre Florestas - Comissão de Desenvolvimento Sustentável Conferência das N.U. sobre Estabelecimentos Hum anos (Habitat II) 1996 Cimeira Mundial para o Desenvolvimento Social Declaração do Milénio Assembleia do Milénio Agenda para o Desenvolvimento Pobreza: até 2015, reduzir a metade a proporção da população mundial (actualmente 22%) cujo rendimento seja menor do que o equivalente a um dólar por dia. Água: até 2015, reduzir a metade a proporção de pessoas que não têm acesso à água potável (actualmente 20%). Educação: diminuir a disparidade entre géneros na educação primária e secundária até 2005; e assegurar que, em 2015, todas as crianças tenham acesso ao curso completo de educação primária. HIV/SIDA: deter e começar a reverter a disseminação do HIV/SIDA até 2015, mediante a adopção de uma meta explícita de redução das taxas de infecção por HIV em pessoas entre 15 e 24 anos, em 25% nos países mais afectados antes de 2005 e em 25% no mundo inteiro antes de 2010; estabelecimento de metas preventivas explícitas: até 2005 ao menos 90% e até 2010 ao menos 95% dos homens e mulheres jovens devem ter acesso a informações e a serviços de prevenção ao HIV; cada país gravemente afectado pela doença deve estabelecer um plano de acção nacional dentro de um ano a partir da Cimeira. Erradicar as barracas: Cidades sem barracas colocar em prática o plano lançado pelo Banco Mundial e pelas Nações Unidas para melhorar a vida de 100 milhões de moradores de barracas até POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/2007 4

5 Assembleia do Milénio Um futuro sustentável: a Agenda para o Ambiente Pede-se a chefes de Estado ou de Governo que adoptem uma nova ética de conservação e administração, começando pelo seguinte: Alterações Climáticas: que adoptem e ratifiquem o Protocolo de Quioto, para que este possa entrar em vigor até 2002, e que garantam que suas metas sejam alcançadas, como um passo em direcção à redução das emissões de gases de efeito estufa. Contabilidade Verde: que considerem a incorporação do sistema de contabilidade verde das Nações Unidas às suas contas nacionais, para que as questões ambientais sejam integradas às políticas económicas gerais. Avaliação de Ecossistemas: que prestem assistência financeira a, e que se envolvam activamente na Avaliação de Ecossistemas do Milénio, um grande esforço de colaboração internacional para mapear a saúde do planeta. Rio+10: que preparem as condições para que os líderes mundiais adoptem acções concretas e significativas na conferência de avaliação dos dez anos decorridos desde o Rio-92, a Cimeira da Terra de PREPARAÇÃO DA CIMEIRA - Documento do Presidente -Conclusões do Presidente sobre o diálogo com os grupos de interesse - Proposta de parceria / iniciativa para a implementação da Agenda 21 Nova Iorque 30 Abril 2 Maio de 2001 CDS 10 Comité Aberto Preparatório I Nova Iorque 28 Janeiro 8 Fevereiro de 2002 CDS 10 Comité Aberto Preparatório II Processos Sub Regionais U.E. -Cooperação na definição das posições da U.E. -Estratégia de desenvolvimento sustentável da U.E. Processos Nacionais - Relatório Nacional sobre a Implementação da Agenda 21 - Estratégia Nacional para o Desenvolvimento Sustentável (a elaborar até Junho de 2002) - Cooperação na definição das posições da U.E. Nova Iorque 25 de Março a 5 de Abril de 2002 CDS 10 Comité Aberto Preparatório III Bali 27 de Maio a 7 de Junho de 2002 CDS 10 Comité Aberto Preparatório IV Processos Regionais - África Outubro 2001, Nairobi - Ásia e Pacífico Novembro 2001, Phnom Penh - Europa e América do Norte Setembro 2001, Genebra - América Latina e Caraíbas Outubro 2001, Rio de Janeiro - Ásia Ocidental Outubro 2001, Cairo Cimeira Mundial do Desenvolvimento Sustentável Joanesburgo 26 de Agosto a 4 de Setembro de Compromisso Global ao mais alto nível (Chefes de Estado e de Governo) para acelerar a implementação da Agenda 21 - Compromisso entre Governos e parceiros sociais POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/2007 5

6 5 Áreas Chave (WEHAB) Água: assegurar o acesso à água, melhorar a eficiência do uso da água, promover a gestão por bacias hidrográficas e reduzir as perdas nas infra-estruturas. Energia: assegurar o acesso a fontes de energia, aumentar as fontes de energias renováveis, melhorar a eficiência energética e eliminar subsídios e taxas perversas. Saúde: controlar a poluição do ar, controlar as doenças transmitidas por via hídrica, reduzir os resíduos, controlar os químicos. Agricultura: aumentar a produtividade agrícola, recuperar e proteger os solos agrícolas, controlar a expansão urbana em áreas florestais, prados e zonas húmidas. Biodiversidade: conservação das espécies, travar a pesca ilegal e não sustentável e o abate ilegal de árvores DOCUMENTOS DA CIMEIRA PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO Quadro de acção para a implementação dos compromissos acordados na Cimeira do Rio. Introdução. Erradicação da pobreza. Alteração dos padrões de consumo e produção. Protecção e gestão dos recursos naturais para o desenvolvimento. Globalização. Saúde. Pequenos Estados-Ilha em desenvolvimento. África. Outras iniciativas. Meios de implementação. Quadro institucional. POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/2007 6

7 DOCUMENTOS DA CIMEIRA DECLARAÇÃO DE JOANESBURGO SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Refere os principais passos percorridos entre o Rio e Joanesburgo. Destaca os principais desafios do presente. Expressa o compromisso com o Desenvolvimento Sustentável. Sublinha a importância do multilateralismo. Enfatiza a necessidade de implementação. PRINCIPAIS ÁREAS DE DESACORDO Metas para o saneamento básico. Energias renováveis. Subsídios à energia. Químicos. Degradação dos recursos naturais. Perda de biodiversidade. Pescas. Princípios do Rio: RCMD (Princ 7) e Precaução (Princ 15). Governação. Comércio, financiamento do desenvolvimento e globalização. Protocolo de Quioto. Direitos humanos. POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/2007 7

8 PRINCIPAIS RESULTADOS Documento integrador (consistência entre acordos parcelares: OMC Doha; Financiamento para o Desenvolvimento compromisso de Monterrey; Cimeira Mundial da Alimentação). Explorar as sinergias entre as vertentes do desenvolvimento sustentável (erradicação da pobreza, padrões de produção e consumo). Globalização. Governação e progresso do multilateralismo. Responsabilidade e contabilidade das empresas (bases para a negociação de acordos internacionais que regulam o quadro da actuação das empresas). Meta do saneamento (2015). Saúde (SIDA, malária, tuberculose). Segurança alimentar. Recuperação dos stocks de pesca (2015). PRINCIPAIS RESULTADOS Químicos (2020). Químicos alternativos que não destroem a camada de ozono acessíveis aos países em desenvolvimento (2010). Reforço da cooperação para reduzir a poluição atmosférica. Perda da biodiversidade (2010). Regime de partilha de benefícios no quadro da Convenção da Diversidade Biológica. Reservas marinhas (2012). Implementação do Plano de Acção Global para a protecção do ambiente marinho das actividades em terra (2004). Planos de recursos hídricos (utilização eficiente) em Reforço das questões da desertificação. Reforço do GEF (3 mil milhões de USD). POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/2007 8

9 PRINCIPAIS RESULTADOS Erradicação da Pobreza Água e Saneamento Produção e Consumo Sustentáveis Energia Químicos Gestão de Recursos Naturais Responsabilidade das Empresas Saúde Desenvolvimento Sustentável dos Estados de Pequenas Ilhas Desenvolvimento Sustentável de África Meios de Implementação Quadro Institucional para o Desenvolvimento Sustentável. PRINCIPAIS RESULTADOS Parcerias (valores em USD) Água Energia Saúde Agricultura Biodiversidade UE: 1,4 mil milhões (Água para a vida). EUA: 970 milhões. Outros: 20 Milhões. UE: 700 milhões. EUA: 43 milhões. Outros: 26 milhões. EUA: 2,3 milhões. Outros: 3 milhões. EUA: 90 milhões. Outros: 2 milhões. Outros: 100 milhões. EUA: 53 milhões (florestas). POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/2007 9

10 CIMEIRA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FIM Erradicação da Pobreza Reduzir a metade, em 2015, a proporção da população mundial com rendimento inferior a 1 USD por dia e a proporção da população que sofre de fome (reafirmação dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio). Alcançar uma melhoria significativa das condições de vida de, pelo menos, 100 milhões de habitantes de barracas (reafirmação dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio). Estabelecer um fundo de solidariedade mundial, para a erradicação da pobreza e a promoção do desenvolvimento social e humano nos países em desenvolvimento. POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/

11 Água e Saneamento Reduzir a metade, em 2015, a proporção da população mundial sem acesso a água potável com segurança (reafirmação dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio). Reduzir a metade, em 2015, a proporção da população mundial sem acesso saneamento básico. Produção e Consumo Sustentáveis Promover o desenvolvimento de um quadro de programas a 10 anos para acelerar as mudanças para padrões de produção e consumo sustentáveis. POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/

12 Energias renováveis Acesso à energia Mercados de energia Eficiência energética Energia Energia Energias renováveis: Diversificar as fontes de energia e aumentar substancialmente a parcela das energias renováveis na produção total de energia. Acesso à energia Mercados de energia Eficiência energética POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/

13 Energia Energias renováveis Acesso à energia: Melhorar o acesso a serviços e recursos energéticos fiáveis, baratos, economicamente viáveis, socialmente aceitáveis e ambientalmente correctos. Mercados de energia Eficiência energética Energia Energias renováveis Acesso à energia Mercados de energia: Eliminar as distorções de mercado, incluindo a reestruturação de taxas e a eliminação progressiva dos subsídios prejudiciais para o ambiente. Apoiar os esforços para melhorar o funcionamento, a transparência e a informação sobre os mercados energéticos, incluindo a oferta e a procura, por forma a alcançar maior estabilidade e assegurar o acesso aos serviços de energia. Eficiência energética POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/

14 Energia Energias renováveis Acesso à energia Mercados de energia Eficiência energética: Estabelecer programas para aumentar a eficiência energética a nível doméstico. Acelerar o desenvolvimento e a divulgação de tecnologias para a eficiência e a conservação de energia, incluindo a promoção da investigação e desenvolvimento. Químicos Em 2020 o uso e a produção de químicos não devem produzir impactes adversos significativos para o ambiente. Gestão correcta dos químicos e dos resíduos perigosos ao longo do respectivo ciclo de vida. Promover a ratificação e implementação dos instrumentos internacionais sobre químicos e resíduos perigosos, nomeadamente a Convenção de Roterdão e a Convenção de Estocolmo. Desenvolver a estratégia de gestão internacional dos químicos com base na Declaração e Princípios de Acção da Baía. Incentivar os Estados a implementar o novo sistema global harmonizado de classificação e rotulagem dos químicos, por forma a que o sistema esteja operacional em POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/

15 Gestão de Recursos Naturais Água Oceanos e Pescas Atmosfera Biodiversidade Florestas Água: Gestão de Recursos Naturais Desenvolver planos de gestão integrada de recursos hídricos e de eficiência de usos da água em Oceanos e Pescas Atmosfera Biodiversidade Florestas POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/

16 Água Gestão de Recursos Naturais Oceanos e Pescas Incentivar a aplicação, em 2010, da abordagem ecossistémica para o desenvolvimento do uso sustentável dos oceanos. Manter ou recuperar os pesqueiros degradados para níveis de máxima produção sustentável, numa base urgente e, se possível, até Aplicar os planos de acção desenvolvidos pela FAO para a gestão da intensidade de pesca em 2005 e para prevenir, dissuadir e eliminar a pesca desregulada e não reportada em Estabelecer, em 2004, um processo regular de avaliação e documentação do estado do ambiente marinho, em Eliminar os subsídios que contribuem para a pesca ilegal, não reportada ou desregulamentada, e para a pesca excessiva. Gestão de Recursos Naturais Água Oceanos e Pescas Atmosfera Facilitar a implementação do Protocolo de Montreal sobre as substâncias que empobrecem a Camada de Ozono, assegurando a reconstituição do respectivo fundo em 2003/2005. Melhorar o acesso dos países em desenvolvimento a alternativas às substâncias que empobrecem a Camada de Ozono, e apoiar esses países no cumprimento do programa de eliminação progressiva dessas substâncias de acordo com o Protocolo de Montreal. Biodiversidade Florestas POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/

17 Água Gestão de Recursos Naturais Oceanos e Pescas Atmosfera Biodiversidade: Assegurar, em 2010, uma redução significativa da taxa actual de perda de diversidade biológica. Florestas Água Gestão de Recursos Naturais Oceanos e Pescas Atmosfera Biodiversidade Florestas: Acelerar a implementação das propostas de acção e intensificar os esforços de reporte ao Forum das Florestas das Nações Unidas, por forma a contribuir para a avaliação do progresso em POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/

18 Responsabilidade das Empresas Promover a responsabilidade e a contabilidade das empresas, incluindo o desenvolvimento e a aplicação dos acordos intergovernamentais, das iniciativas internacionais, das parcerias publico-privadas e das regulamentações nacionais. Saúde Promover a educação sobre a saúde com o objectivo de alcançar a literacia sobre a saúde, de forma melhorada, numa base global, em Reduzir, em 2015, as taxas de mortalidade infantil e das crianças com menos de 5 anos em dois terços, e da mortalidade maternal em três quartos, relativamente às taxas respectivas em 2000 (reafirmação dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio). Reduzir a incidência da SIDA entre os jovens de ambos os sexos dos 15 aos 24 anos em 25%, nos países mais afectados em 2005, e globalmente em 2010 (reafirmação de Resolução da Assembleia Geral das Nações Unidas). Combater a malária, tuberculose e outras epidemias. POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/

19 Desenvolvimento Sustentável dos Estados de Pequenas Ilhas Promover as iniciativas para a implementação do Programa de Acção Global para a Protecção do Ambiente Marinho das Actividades em Terra para reduzir, prevenir e controlar os resíduos e a poluição e os respectivos impactes sobre a saúde, em Desenvolver iniciativas locais para o turismo sustentável em Apoiar a disponibilização de serviços de energia adequados, acessíveis e ambientalmente correctos para o desenvolvimento sustentável das pequenas ilhas, incluindo o reforço do fornecimento de energia, em Rever a implementação do Programa de Acção de Barbados para o Desenvolvimento Sustentável dos Estados de Pequenas Ilhas. Desenvolvimento Sustentável de África Promover a produtividade agrícola e a segurança alimentar, em particular reduzir, em 2015, a proporção da população que sofre de fome. Apoiar os países africanos no desenvolvimento e implementação de estratégias para a segurança alimentar em Apoiar as iniciativas para a implementação dos objectivos relativos à energia da NEPAD (New Economic Partnership for Africa Development), que visam assegurar o acesso de, pelo menos, 35% da população africana a fontes de energia nos próximos 20 anos, em especial nas zonas rurais. POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/

20 Meios de Implementação Assegurar que, em 2015, todas as crianças possam completar a escolaridade básica e que as crianças de ambos os sexos tenham condições iguais de acesso a todos os níveis de educação relevantes para as necessidades nacionais (reafirmação dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio). Eliminar a disparidade entre sexos na educação primária e secundária, em 2005 (reafirmação Quadro de Acção de Dakar sobre Educação para Todos). Recomendar à Assembleia Geral das Nações Unidas que considerem adoptar uma década de educação para o desenvolvimento sustentável, a começar em Quadro Institucional para o Desenvolvimento Sustentável Adoptar novas medidas para reforçar os arranjos institucionais para o desenvolvimento sustentável a nível internacional, regional e nacional. Reforçar o papel da Comissão para o Desenvolvimento Sustentável, incluindo a revisão e monitorização do progresso da implementação da Agenda 21, e fomentar a coerência da implementação, designadamente das iniciativas e das parcerias. Facilitar e promover a integração das dimensões ambiental, social e económica do desenvolvimento sustentável nos programas das Comissões Regionais das Nações Unidas. Estabelecer um mecanismo de coordenação efectivo, transparente e regular entre as agências do sistema das Nações Unidas para as questões dos oceanos e zonas costeiras. Tomar medidas imediatas para a formulação e elaboração de estratégias nacionais para o desenvolvimento sustentável e iniciar a respectiva implementação em POLÍTICAS DE AMBIENTE 2006/

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Tema: OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILENIO

Tema: OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILENIO DIRECÇÃO PROVINCIAL DE RECURSOS MINERAIS E ENERGIA DE MANICA Tema: OBJECTIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILENIO Manica, 30 Junho à 04 Julho 2008 Elaborado por: José F. Quelhas Av. 25 de Setembro, 1218-2 o

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

das Portugal, 19/05/2009

das Portugal, 19/05/2009 O Mecanismo Mundial da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação Portugal, 19/05/2009 CONTEUDO 1. Introdução à UNCCD e ao Mecanismo Mundial (MM) 2. Apoio do MM à mobilização de recursos no

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL

ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. N o 02/01 ACORDO-QUADRO SOBRE MEIO AMBIENTE DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Resolução N o 38/95 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação

Leia mais

CIMEIRA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO *

CIMEIRA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO * CIMEIRA MUNDIAL SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO * I. INTRODUÇÃO 1. Da Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento (CNUMAD), realizada no Rio de Janeiro

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

NOTA CONCEPTUAL Rev.5

NOTA CONCEPTUAL Rev.5 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone : 517 700 Fax : 517844 website: www. africa-union.org SEGUNDO FÓRUM PAN-AFRICANO SOBRE A POSIÇÃO COMUM AFRICANA

Leia mais

6º Fórum Mundial da Água

6º Fórum Mundial da Água 6º Fórum Mundial da Água A gestão integrada de recursos hídricos e de águas residuais em São Tomé e Príncipe como suporte da segurança alimentar, energética e ambiental Eng.ª Lígia Barros Directora Geral

Leia mais

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015 Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável O INÍCIO: ANO 2000 Combate a inimigos históricos da humanidade: Pobreza e fome Desigualdade de gênero Doenças transmissíveis

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Crise ambiental e saúde no planeta

Crise ambiental e saúde no planeta Crise ambiental e saúde no planeta Pensando o papel dos serviços de saúde a partir das questões da Rio+20 CESTEH-ENSP-FIOCRUZ 7 QUESTÕES CRÍTICAS NA RIO+20 1) Empregos 2) Energia 3) Cidades 4) Alimentos

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1

WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café WP WGFA 2/06 Add. 1 Rev. 1 10 janeiro 2007 Original: inglês P

Leia mais

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs

Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Integração de uma abordagem de género na gestão de recursos hídricos e fundiários Documento de Posição de organizações e redes dos PALOPs Isabel Dinis, ACTUAR Lisboa, 3 de Junho de 2010 ACTUAR - ASSOCIAÇÃO

Leia mais

População, Recursos e Ambiente Desenvolvimento Sustentável 5ª aula teórica PRINCÍPIO DA PROCURA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Conferência de Estocolmo: 1º Conferência ONU sobre Ambiente e Estabelecimentos

Leia mais

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010 Nações Unidas A/RES/64/236 Assembleia Geral Sexagésima quarta sessão Agenda item 53 (a) Resolução adotada pela Assembleia Geral [sobre o relatório do Segundo Comitê (A/64/420/Add.1)] Distr.: Geral 31 de

Leia mais

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental

Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental Política da Nestlé sobre Sustentabilidade Ambiental A Nestlé, na qualidade de Companhia líder em Nutrição, Saúde e Bem-Estar, assume o seu objectivo

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3.1 QUADRO INSTITUCIONAL O Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) criado pelo Decreto Presidencial 6/95 de 16 de Novembro, é responsável por todas as actividades

Leia mais

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg AALBORG+10 Inspirando o Futuro Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. A Nossa Perspectiva Comum Nós, Autoridades

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho. A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convenção 187 Convenção sobre o Quadro Promocional para a Segurança e Saúde no Trabalho A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho de Administração

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações O Futuro é hoje: visões e atitudes para um Portugal sustentável Introdução 1.Sustentabilidade e Responsabilidade Social; 2. O Desenvolvimento Sustentável;

Leia mais

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural

Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Guião de Programa de Rádio e Televisão Tema: Redução de Emissões de Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+) Nos estúdios encontram-se um entrevistador (da rádio ou da televisão) e um representante

Leia mais

Restabelecer a Confiança Global

Restabelecer a Confiança Global Restabelecer a Confiança Global Os dois principais desafios à justiça global, as alterações climáticas e a pobreza, estão interligados. Temos que combatê-los simultaneamente; não podemos cuidar de um sem

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer Crianças e jovens numa visita de estudo, Moçambique 2008 Produzir materiais informativos sobre cada um dos temas e distribuir em toda a escola

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro

Propriedade, Prestação de Contas e Sustentabilidade na Resposta de VIH/SIDA, Tuberculose e Malária em África: Passado, Presente e o Futuro SA10179 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA CIMEIRA ESPECIAL DA UNIÃO AFRICANA SOBRE O VIH/SIDA, TUBERCULOSE E MALÁRIA 12-16 DE JULHO DE 2013 ABUJA, NIGÉRIA Tema: Propriedade, Prestação de Contas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Plano de Implementação da Cúpula Mundial sobre. Desenvolvimento Sustentável

Plano de Implementação da Cúpula Mundial sobre. Desenvolvimento Sustentável Plano de Implementação da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável I. Introdução 1. Da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CNUMAD), realizada no Rio de Janeiro

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade

Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade Projectos contribuem para: aplicação, desenvolvimento, avaliação e seguimento da política e legislação da UE na área da natureza e da biodiversidade, incluindo

Leia mais

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20: como chegamos até aqui Estocolmo 1972 Realizada há quarenta

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Ministério para Coordenação da Acção Ambiental Direcção Nacional de Gestão Ambiental

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Ministério para Coordenação da Acção Ambiental Direcção Nacional de Gestão Ambiental REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE Ministério para Coordenação da Acção Ambiental Direcção Nacional de Gestão Ambiental Estudo sobre o Papel das Convenções Internacionais sobre meio ambiente no Alívio a Pobreza em

Leia mais

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Das origens ao futuro 1. Nós, representantes dos povos do mundo, reunidos durante a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável em Joanesburgo,

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

RIO + 10 O PLANO DE AÇÃO DE JOANESBURGO

RIO + 10 O PLANO DE AÇÃO DE JOANESBURGO RIO + 10 O PLANO DE AÇÃO DE JOANESBURGO ILIDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Geografia, Desenvolvimento Regional, Ecologia e Direito Ambiental, Urbanismo, Habitação, Saneamento

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE

AFRICAN UNION UNION AFRICAINE Conferência Internacional sobre a Saúde Materna, Neonatal e Infantil em África 01 a 03 de agosto de 2013, Joanesburgo, África do Sul Comunicado Primeiras Consultas Ministeriais Multisetoriais sobre a Saúde

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando Neiva Liboreiro 14 de dezembro de 2006 Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando

Leia mais

Fórum de Diálogo IBAS

Fórum de Diálogo IBAS Fórum de Diálogo IBAS, e do Sul Integração SUL-SUL Fórum de Mulheres FÓRUM De DIÁLOGO IBAS, e do Sul O Fórum IBAS é uma iniciativa trilateral entre, e do Sul, desenvolvida para promover a cooperação Sul-

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás

Política Ambiental do Sistema Eletrobrás Política Ambiental do Sistema Eletrobrás POLÍTICA AMBIENTAL DO SISTEMA ELETROBRÁS 5 OBJETIVO Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas do Sistema Eletrobrás em consonância com os princípios

Leia mais

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO

(Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO 19.12.2007 C 308/1 I (Resoluções, recomendações e pareceres) RESOLUÇÕES CONSELHO RESOLUÇÃO DO CONSELHO de 5 de Dezembro de 2007 sobre o seguimento do Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO HISTÓRICO HISTÓRICO ACOMPANHAMENTO DAS METAS DO MILÊNIO NO ESTADO DA BAHIA Meta 1 - Reduzir à metade, entre 1990 e 2015 a proporção da população com renda inferior

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

- Logo oficial da ONU. Bruna Lemberg, Gabriel Murakami, Natália Abdo, Pedro Salles, Sofia Samea

- Logo oficial da ONU. Bruna Lemberg, Gabriel Murakami, Natália Abdo, Pedro Salles, Sofia Samea - Logo oficial da ONU Bruna Lemberg, Gabriel Murakami, Natália Abdo, Pedro Salles, Sofia Samea Banco Mundial (WB) Fornece empréstimos para países em desenvolvimento Banco Internacional para construção

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844

Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 SA11715 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis Ababa, ETHIOPIA P. O. Box 3243 Telephone 517 Fax: 517844 MECANISMO REVISTO DE ACOMPANHAMENTO DA IMPLEMENTAÇÃO, MONITORIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DO PLANO

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Social

Programa de Desenvolvimento Social Programa de Desenvolvimento Social Introdução A Portucel Moçambique assumiu um compromisso com o governo moçambicano de investir 40 milhões de dólares norte-americanos para a melhoria das condições de

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

DECLARAÇÃO DE LUANDA

DECLARAÇÃO DE LUANDA AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5525849 Fax: (251-11) 5525855 Website: www.africa-union.org SEGUNDA SESSÃO DA CONFERÊNCIA DOS MINISTROS

Leia mais

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia A Igualdade dos Géneros como Boa Economia Um Plano de Acção do Grupo Banco Mundial Banco Mundial o acesso à terra, ao trabalho, aos mercados financeiros e de produtos é crucial para se aumentar o rendimento

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão

Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão MEMO/05/124 Bruxelas, 12 de Abril de 2005 Perguntas e Respostas: O Pacote ODM (Objectivos de Desenvolvimento do Milénio) da Comissão 1. Em que consiste este pacote? A Comissão aprovou hoje 3 comunicações

Leia mais

CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO

CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA SOBRE MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL WORKSHOP: OS OITO OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO Belo Horizonte, outubro de 2007 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO PARA A COORDENAÇÃO DA ACÇÃO AMBIENTAL Relatório dos seminários de definição das prioridades do GEF 5 para Moçambique 1. INTRODUÇÃO Moçambique beneficiou- se dos fundos

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável. Das nossas origens ao futuro

Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável. Das nossas origens ao futuro Declaração de Joanesburgo sobre Desenvolvimento Sustentável Das nossas origens ao futuro 1. Nós, representantes dos povos do mundo, reunidos durante a Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável em

Leia mais

Calendário 2015 Clima

Calendário 2015 Clima Calendário 2015 Clima 15 a 28 de Setembro - Assembléia Geral da ONU (Nova York) 70º Assembléia Geral Dia 28 de Setembro Relatório do Secretário Geral Ban Ki-Moom Principais temas: Clima e Objetivos do

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

GEO338 Ecologia Política e Produção do Espaço

GEO338 Ecologia Política e Produção do Espaço GEO338 Ecologia Política e Produção do Espaço Prof. Klemens Laschefski Trabalho 1: Análise da Declaração de Rio 1992 e a Agenda 21 Discorra, a partir dos textos discutidos nas aulas, sobre os documentos

Leia mais

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030.

Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. Uma agenda para a mudança: conseguir acesso universal à água, ao saneamento e à higiene (WASH) até 2030. O acordo sobre uma meta do Objectivo de Desenvolvimento Sustentável relativamente ao acesso universal

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

O que é o Banco Europeu de Investimento?

O que é o Banco Europeu de Investimento? O que é o Banco Europeu de Investimento? O BEI é o banco da União Europeia. Como primeiro mutuário e mutuante multilateral, proporciona financiamento e conhecimentos especializados a projectos de investimento

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS A Assembleia da República, reunida em Plenário para um debate de urgência sobre as propostas da Comissão Europeia de reforma

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis

RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS. Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis RUMO AO FUTURO QUE QUEREMOS Acabar com a fome e fazer a transição para sistemas agrícolas e alimentares sustentáveis O futuro que queremos não se concretizará enquanto a fome e a subnutrição persistirem,

Leia mais