CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO"

Transcrição

1 CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO MANUAL DE SERVIDORES DE CORREGEDORIA Versão 1.2 1

2 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 4 USUÁRIOS ACESSO AO SISTEMA TELA DE LOGIN DO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO: CONSULTA PÚBLICA RECUPERAR SENHA TELA INICIAL DO SISTEMA CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO: TELA INICIAL CADASTRAR: CADASTRAR JUIZ Tela Dados do Juiz Tela Selecionar Comarca e Vara Tela Confirmação do Cadastro COMARCA Tela Cadastro de Comarca EXCLUIR COMARCA do Sistema VARA Tela Cadastro de Vara EXCLUIR VARA do Sistema AUXILIAR DE JUIZ Tela Cadastro de Auxiliar de Juiz Tela Confirmação de Cadastro ENTIDADE DE ACOLHIMENTO Tela Cadastro de Entidade de Acolhimento Tela Confirmação de Cadastro INEXISTÊNCIA DE PRETENDENTE/CRIANÇA Tela Cadastro de Inexistência de Criança/Pretendente Tela Confirmação de Cadastro SERVIDOR CEJA/CEJAI Tela Cadastro de Servidor CEJA/CEJAI Tela Confirmação de Cadastro OCORRÊNCIA NO SISTEMA Tela Inserir Ocorrência no Sistema RELATÓRIOS RELATÓRIOS ADMINISTRATIVOS RELATÓRIOS ESTATÍSTICOS CONSULTAR CONSULTAR CRIANÇA/ADOLESCENTE Tela Dados da Criança/Adolescente Tela Resultado da Busca Tela Dados Gerais da Criança Tela Localização da Criança Tela Dados dos Pais Tela Irmãos Cadastrados da Criança CONSULTAR PRETENDENTE Tela CPF do Pretendente Tela Resultado da Busca Tela Dados do Pretendente

3 6.1.4 Tela Dados da Criança Desejada pelo pretendente Tela Endereço do Pretendente Tela Dados do Processo do Pretendente VÍNCULO PELO NÚMERO DE PROTOCOLO Tela Número do Protocolo Tela Dados do Vínculo ALTERAR MINHA SENHA Tela Alterar Senha Tela Confirmação de Dados MEUS DADOS Tela Dados de Servidor de Corregedoria Tela Confirmação de Dados COMARCA Tela Dados da Comarca Tela Confirmação de Dados VARA Tela Dados da Vara Tela Confirmação de Dados DADOS DE JUÍZES Tela Dados de Juízes Tela Dados do Juiz Tela Confirmação de Dados DADOS DE ENTIDADE DE ACOLHIMENTO Tela Listagem de Entidades de Acolhimento Tela Dados da Entidade de Acolhimento Tela Confirmação da Alteração DADOS DE AUXILIARES DE JUÍZES Tela Listagem de auxiliares de juízes Tela Dados do Auxiliar do Juiz Tela Confirmação da Alteração BAIXAR PLANILHA DE CADASTRO DE PRETENDENTE PLANILHA DE CADASTRO DE CRIANÇA GUIA DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO ATUAR POR JUIZ ENVIO AUTOMÁTICO DE S INSERÇÃO DE OCORRÊNCIAS NO CADASTRO DE CRIANÇA/ADOLESCENTE NO CADASTRO DE PRETENDENTE

4 APRESENTAÇÃO O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) lançou nacionalmente no dia 29 de abril de 2008, através da Resolução 54, o Cadastro Nacional de Adoção (CNA), que integra as listas de crianças que podem ser adotadas e de candidatos a adotá-las, existentes nas Varas da Infância e da Juventude de todo o país. Os interessados em adotar passam por um processo de habilitação (que inclui entrega de documentos, entrevistas com psicólogos e assistentes sociais e um parecer do juiz da Vara da Infância e da Juventude) para entrar numa fila de pretendentes e aguardar uma criança com o perfil desejado. Uma vez habilitado, o requerente está apto à adoção em qualquer lugar do Brasil. O cadastro permite traçar um quadro sobre a adoção no Brasil e as estatísticas servem para subsidiar a implementação de políticas públicas na área pelo Poder Executivo. A parceria se deu por um termo de cooperação, assinado em maio de 2008 entre a Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH), ligada à Presidência da República, e o CNJ. A coleta de dados permite saber com precisão quantos são os meninos e meninas disponíveis para adoção no país, quanto tempo vem durando os processos, quantos são os pretendentes e se existe um perfil de crianças procuradas por eles. O CNA é um sistema de informações, hospedado nos servidores do CNJ, que consolida os dados de todas as Varas da Infância e da Juventude referentes a crianças e adolescentes em condições de serem adotados e a pretendentes habilitados à adoção. Ao centralizar e cruzar informações, o sistema permite a aproximação entre crianças que aguardam por uma família em abrigos brasileiros e pessoas de todos os Estados que tentam uma adoção. 4

5 O sistema objetiva reduzir a burocracia do processo, pois uma pessoa considerada apta à adoção em sua comarca (área jurisdicional que abrange um ou mais municípios) ficará habilitada a adotar em qualquer outro lugar do país. USUÁRIOS SERVIDORES DE CORREGEDORIA: Os servidores das Corregedorias-Gerais de Justiça (CGJ) dos Estados da Federação, na qualidade de administradores do sistema, a nível estadual, têm acesso a todas as informações do CNA relativas ao seu Estado. A CGJ fornecerá ao juiz uma senha temporária para o primeiro acesso, oportunidade em que deverá ser registrada a sua senha pessoal. A CGJ se compromete a zelar pelo sigilo das informações contidas no CNA, a fim de evitar o acesso indevido por usuários não autorizados. 5

6 1. ACESSO AO SISTEMA Para ter acesso ao sistema Cadastro Nacional de Adoção, o usuário acessa diretamente pelo endereço ou acessa o site do Conselho Nacional de Justiça CNJ ( seleciona no Menu Principal do site (lado esquerdo da tela) a opção Extranet do Judiciário > Sistemas > CNA Cadastro Nacional de Adoção. 6

7 Será aberta tela sobre o CNA com alguns links em que o usuário pode ter acesso, sendo eles: - Sobre o CNA; - Manuais; - Vídeo Institucional; - Perguntas freqüentes; - Sistema CNA. O usuário clica na aba Sistema CNA. O sistema exibirá tela para o usuário clicar na opção indicada para acessar o sistema. O usuário seleciona Clique aqui para acessar o sistema. O sistema remete o usuário para a tela de login do CNA. 7

8 2. TELA DE LOGIN DO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO: Deve-se informar o Usuário e a Senha, que são fornecidos inicialmente pelo Administrador do Sistema do CNJ. O administrador do sistema, nesta qualidade a nível nacional, locado no CNJ, tem acesso irrestrito às informações do CNA, sendo de sua competência: criar logins de acesso de servidores de corregedoria e logins de gestores, e fornecer senha para as Corregedorias-Gerais dos Tribunais de Justiça dos Estados da Federação. Observação: A senha fornecida ao servidor de corregedoria é temporária para o primeiro acesso, oportunidade em que deverá ser registrada a sua senha pessoal. 8

9 2.0 CONSULTA PÚBLICA O acesso ao sistema CNA é restrito somente a juízes, auxiliares de juiz, servidores de corregedoria, servidores de CEJA/CEJAI e promotores de justiça, porém o link CONSULTA PÚBLICA foi criado com a finalidade de disponibilizar aos pretendentes de todo o Brasil uma consulta à crianças disponíveis a adoção cadastradas no CNA. Ao acessar o CNA, o pretendente clica no link Consulta Pública disponível abaixo do Login. O sistema remete para tela de Consulta pública de crianças para adoção cadastradas no Cadastro Nacional de Adoção. O pretendente poderá consultar as crianças cadastradas nas Varas dos Estados. Para isso, ele seleciona o Estado, Comarca, Vara e clica em Procurar crianças, conforme indicado acima. 9

10 O sistema remete para tela com o Resultado da pesquisa. O pretendente visualiza os dados da Comarca e os dados gerais de crianças com o total, tais como: Raça, Sexo, Faixa etária e o total de crianças. 10

11 2.1 RECUPERAR SENHA Caso o usuário tenha esquecido ou perdido seus dados de acesso ao sistema (usuário e/ou senha), o sistema CNA possui uma funcionalidade para recuperar esses dados. Na tela inicial do sistema, existe a opção: "Esqueceu o usuário e/ou senha? Clique aqui". Conforme exemplo na tela abaixo, o usuário clica no local indicado e informa seu (o que foi cadastrado no sistema) e então clica no botão "Recuperar senha". Dessa forma os dados de acesso serão enviados para o do usuário. 11

12 12

13 3. TELA INICIAL DO SISTEMA CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO: 3.0 TELA INICIAL Nesta tela o usuário terá acesso a todas as funcionalidades do sistema, bem como Informativo. Apresentação do Menu de acordo com o perfil do usuário logado. No caso de servidor de corregedoria será subdividido em: 13

14 Início: retorna à página inicial do sistema. Cadastrar: serão abertas ao usuário sete possibilidades de cadastro: Cadastrar Juiz, Comarca, Vara, Auxiliar de Juiz, Abrigo, Inexistência de Pretendente / Criança e Servidor CEJA/CEJAI. Relatórios: serão abertas ao usuário duas possibilidades de consultar dados do CNA, uma possibilidade é pelos Relatórios Administrativos e outra é pelos Relatórios Estatísticos. Consultar: serão abertos ao usuário três tipos de consulta: Consulta de Crianças/Adolescentes, de Pretendentes e Vínculo pelo número de protocolo. Alterar: serão abertas ao usuário sete possibilidades de alteração: Alterar Minha senha, Meus Dados, Comarca, Vara, Dados de Juízes, Dados de Abrigo e Dados de Auxiliares de Juízes. Baixar: serão abertas ao usuário as seguintes opções: Baixar Planilha de Cadastro de Pretendente, Planilha de Cadastro de Criança, Guia do usuário, Manual do Usuário e Tutorial Explicativo da Vinculação. Atuar por juiz: será aberta tela em que o servidor de Corregedoria possa inserir cadastros de crianças/adolescentes e pretendentes no sistema nos casos em que os juízes não possuem acesso à internet. Sair: ao clicar nesta opção o sistema remeterá para a tela de login. No primeiro item do informativo, o usuário poderá baixar o MANUAL DE USUÁRIO. Abaixo do Informativo há algumas opções para que o usuário acesse de forma direta, tais como: Cadastrar Juiz, Cadastrar Comarca, Cadastrar Vara, Cadastrar Auxiliar de Juiz e Atuar no sistema pelo Juiz. 14

15 4. CADASTRAR: É da competência das Corregedorias-Gerais de Justiça (CGJ) dos Estados o cadastramento de: a) Juízes que atuam na Vara da infância e da juventude; b) Comarcas do seu Estado; c) Varas da Infância e da Juventude de cada Comarca; d) Auxiliares de juízes; e) Abrigos; f) Inexistência de criança/adolescente em varas de seu Estado; g) Ocorrência no Sistema. Caso não sejam informados todos os dados que são obrigatórios, o sistema não permitirá a conclusão do cadastro. Esta regra é válida para todos os cadastros. 15

16 16

17 4.0 CADASTRAR JUIZ Para acessar a tela que irá iniciar o cadastro de juiz, o usuário tem duas opções: ou seleciona Cadastrar no Menu Principal e depois seleciona Juiz, ou seleciona Cadastrar Juiz no link abaixo do informativo na tela inicial Tela Dados do Juiz Nesta tela de CADASTRO DE JUIZ, o usuário clica no link Adicionar nova Comarca/Vara para que o sistema exiba a tela em que o usuário seleciona e/ou cadastra a Comarca/Vara, clica em Adicionar, conforme exemplo da tela abaixo. 17

18 O sistema retorna para a tela de cadastro em que o usuário informa o Nome completo, Data de Nascimento, Sexo, Matrícula, Nº RG, Órgão Emissor, CPF, Login, Senha, Confirmação de Senha, Fone 1, Fone 2, e Perfil do Juiz. Os campos que possuem (*) são campos de preenchimento obrigatório Tela Selecionar Comarca e Vara 18

19 4.0.3 Tela Confirmação do Cadastro O cadastro está encerrado e o sistema exibe mensagem Cadastro Realizado com Sucesso!. 19

20 4.1 COMARCA Para acessar a tela que irá iniciar o cadastro de Comarca, o usuário tem duas opções: ou seleciona Cadastrar no Menu Principal e depois seleciona Comarca, ou seleciona Cadastrar Comarca no link abaixo do informativo na tela inicial Tela Cadastro de Comarca Nesta tela de CADASTRO DE COMARCA, o usuário informa o Nome da Comarca no campo Descrição e clica em Cadastrar. Os campos que possuem (*) são campos de preenchimento obrigatório. 20

21 O cadastro está encerrado e o sistema exibe mensagem Cadastro Realizado com Sucesso!. 21

22 4.1.2 EXCLUIR COMARCA do Sistema Para EXCLUIR uma COMARCA do sistema, o usuário acessa Alterar > Comarca. 22

23 O sistema remete o usuário para a tela em que irá selecionar a Comarca já cadastrada, sendo que a Descrição aparece automaticamente ao informar a Comarca. Ao final da tela dos dados da comarca, o usuário clica em Excluir Comarca do Cadastro. O sistema exibe mensagem Tem certeza que deseja excluir permanentemente esta Comarca do sistema?. O usuário confirma a exclusão da comarca clicando em OK. 23

24 Após a exclusão da comarca pelo usuário, o sistema exibe mensagem Comarca excluída do Sistema com Sucesso. 24

25 OBSERVAÇÃO: Caso a Comarca selecionada possua Varas cadastradas no sistema, o sistema não permitirá a exclusão, informando ao usuário, conforme tela abaixo. Sendo assim, para excluir uma Comarca, primeiro o usuário terá de excluir todas as Varas a ela vinculadas para que assim consiga efetivar a exclusão da Comarca. 25

26 4.2 VARA Para acessar a tela que irá iniciar o cadastro de Vara, o usuário tem duas opções: ou seleciona Cadastrar no Menu Principal e depois seleciona Vara, ou seleciona Cadastrar Vara no link abaixo do informativo na tela inicial Tela Cadastro de Vara Nesta tela de CADASTRO DE VARA, o usuário seleciona a Comarca, informa o mesmo nome da Comarca no campo Descrição, informa Endereço, Bairro, UF, Cidade, CEP, Fone 1, Fone 2, Fax e clica em Cadastrar. Os campos que possuem (*) são campos de preenchimento obrigatório. 26

27 Observação: Caso não conste na lista a Comarca, o usuário clica no link Cadastrar Comarca. O sistema remete o usuário para a tela de Cadastro de Comarca. O cadastro está encerrado e o sistema exibe mensagem Cadastro Realizado com Sucesso!. 27

28 4.2.2 EXCLUIR VARA do Sistema Vara. Para EXCLUIR uma VARA do sistema, o usuário acessa Alterar > 28

29 O sistema remete o usuário para a tela em que irá selecionar a Comarca, a Vara, sendo que os dados aparecem automaticamente ao informar a Comarca e a Vara. Ao final da tela dos dados da vara, o usuário clica em Excluir Vara do Cadastro. O sistema exibe mensagem Tem certeza que deseja excluir permanentemente esta Vara do sistema?. O usuário confirma a exclusão da comarca clicando em OK. 29

30 Após a exclusão da vara pelo usuário, o sistema exibe mensagem Vara excluída do Sistema com Sucesso. 30

31 OBSERVAÇÃO: Caso a Vara selecionada possua Juízes, pretendentes ou crianças cadastradas no sistema, o sistema não permitirá a exclusão, informando ao usuário, conforme tela abaixo. Sendo assim, para excluir uma Vara, primeiro o usuário terá de excluir todos os Juízes, pretendentes ou crianças a ela vinculadas para que assim consiga efetivar a exclusão da Vara. 31

32 4.3 AUXILIAR DE JUIZ O auxiliar de juiz é um servidor ou funcionário de confiança do Juiz da Vara da Infância e Juventude / Tribunal de Justiça do respectivo Estado de lotação. A partir do momento em que estiver cadastrado no sistema, o auxiliar de juiz poderá Cadastrar pretendente, criança/adolescente, abrigo e registrar a inexistência de criança/adolescente. Buscar e consultar pretendente e criança/adolescente. Vincular irmãos à criança/adolescente. Consultar relatórios administrativos e estatísticos. Alterar dados de criança / adolescente, pretendente, própria senha, próprios dados, a Vara de lotação e dados do abrigo. Para acessar a tela que irá iniciar o cadastro de Auxiliar de Juiz, o usuário tem duas opções: ou seleciona Cadastrar no Menu Principal e depois seleciona Auxiliar de Juiz, ou seleciona Cadastrar Auxiliar de Juiz no link abaixo do informativo na tela inicial. 32

33 4.3.1 Tela Cadastro de Auxiliar de Juiz Nesta tela de CADASTRO DE AUXILIAR DE JUIZ, o usuário seleciona a Comarca, seleciona a Vara, seleciona o Juiz, informa os dados seguintes e clica em Cadastrar. Os campos que possuem (*) são campos de preenchimento obrigatório. Observação: Caso não conste na lista a Comarca, o usuário clica no link Cadastrar Comarca. O sistema remete o usuário para a tela de Cadastro de Comarca. Se não constar na lista a Vara, o usuário clica no link Cadastrar Vara. O sistema remete o usuário para a tela de Cadastro de Vara. E se não 33

34 constar na lista o Juiz, o usuário clica no link Cadastrar Juiz. O sistema remete o usuário para a tela de Cadastro de Juiz Tela Confirmação de Cadastro O cadastro está encerrado e o sistema exibe mensagem Cadastro Realizado com Sucesso!. 34

35 4.4 ENTIDADE DE ACOLHIMENTO Para acessar a tela que irá iniciar o cadastro de Entidade de Acolhimento, o usuário seleciona Cadastrar no Menu Principal e depois seleciona Entidade de Acolhimento Tela Cadastro de Entidade de Acolhimento Nesta tela o usuário visualiza as Entidades de Acolhimento já cadastradas e informa os dados seguintes referentes à Entidade de Acolhimento que irá cadastrar. Após o preenchimento de todos os campos obrigatórios indicados pelo (*), o usuário clica no botão Cadastrar. 35

36 4.4.2 Tela Confirmação de Cadastro O cadastro está encerrado e o sistema exibe mensagem Cadastro Realizado com Sucesso!. 36

37 4.5 INEXISTÊNCIA DE PRETENDENTE/CRIANÇA Para acessar a tela que irá iniciar o cadastro de Auxiliar de Juiz, o usuário tem duas opções: ou seleciona Cadastrar no Menu Principal e depois seleciona Inexistência de Pretendente/Criança Tela Cadastro de Inexistência de Criança/Pretendente O usuário seleciona a Comarca, a Vara e indica a situação da Vara, ou seja, se não há crianças/adolescentes disponíveis à adoção, ou não há pretendentes para adoção de crianças/adolescentes, ou não há ambos e clica em Salvar Informações. 37

38 4.5.2 Tela Confirmação de Cadastro O cadastro está encerrado e o sistema exibe mensagem Cadastro Realizado com Sucesso!. 38

39 4.6 SERVIDOR CEJA/CEJAI Para acessar a tela que irá iniciar o cadastro de servidor de CEJA/CEJAI, o usuário seleciona Cadastrar no Menu Principal e depois seleciona Servidor CEJA/CEJAI Tela Cadastro de Servidor CEJA/CEJAI O usuário seleciona a Corregedoria e informa os outros dados referentes ao servidor de CEJA/CEJAI e clica em Cadastrar. 39

40 4.6.2 Tela Confirmação de Cadastro O cadastro está encerrado e o sistema exibe mensagem Cadastro Realizado com Sucesso!. 40

41 4.7 OCORRÊNCIA NO SISTEMA O servidor de CEJA/CEJAI irá utilizar esta opção para inserir informações, que julgue relevantes ao contínuo processo de melhoria do sistema CNA, tais como: aviso, sugestão, solicitação de novas funcionalidades, reclamação ou mesmo um erro no sistema. O usuário não poderá inserir nesta opção dados referentes a pretendentes e/ou crianças ou mesmo processos de adoção em andamento. Para isso, o usuário irá utilizar o cadastro de pretendentes e crianças, onde existe a opção de inserir ocorrências. Ocorrências referentes a pretendentes e/ou crianças inseridas aqui serão ignoradas. Para acessar a tela de cadastro de ocorrência no sistema, o usuário seleciona Cadastrar no Menu Principal e depois seleciona Ocorrência no Sistema Tela Inserir Ocorrência no Sistema 41

42 O usuário seleciona o Tipo de Ocorrência, digita a Ocorrência e clica em Inserir Ocorrência. 42

43 5. RELATÓRIOS O administrador, os juízes, auxiliares de juízes e servidores de corregedoria geram relatórios administrativos e estatísticos. O CNA permite filtrar, por meio de pesquisas com critérios previamente definidos, informações relacionadas aos pretendentes e às crianças e adolescentes aptos a adoção. As informações filtradas serão listadas em forma de relatório. Os relatórios estatísticos possibilitarão um diagnóstico preciso e atualizado, que permitirá ao Judiciário uma análise sobre o processo de adoção, seu tempo de tramitação, a quantidade de crianças aptas a serem adotadas, pretendentes a adoção, e todas as demais informações necessárias para a implementação de políticas necessárias para possibilitar maior eficiência ao trabalho das Varas da Infância e da Juventude. O administrador, os juízes, auxiliares de juízes e servidores de corregedoria geram relatórios administrativos e estatísticos. 43

44 O usuário tem acesso tanto os Relatórios Administrativos quanto os Relatórios Estatísticos clicando na opção Relatórios no menu principal. 44

45 5.0 RELATÓRIOS ADMINISTRATIVOS Nos Relatórios Administrativos, o usuário consulta relatórios de: 1. DE PRETENDENTES CADASTRADOS NO CNA; 1.1. ACEITAM ADOTAR CRIANÇAS/ADOLESCENTES; POR DOENÇA (consulta de crianças filtrando por doença) POR ESTADOS (consulta de crianças filtrando por Estado) 2. DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES CADASTRADAS NO CNA (somente consulta); 45

46 2.1. APTAS À ADOÇÃO; 2.2. SOB PRÉ-CONSULTA; 2.3. SOB CONSULTA; 2.4. EM PROCESSO DE ADOÇÃO; 2.5. ADOTADAS. 3. DE JUÍZES CADASTRADOS; 4. DE AUXILIARES DE JUÍZES CADASTRADOS; 5. DE COMARCAS CADASTRADAS NO ESTADO; 6. DE ENTIDADE DE ACOLHIMENTO NO BRASIL; 7. DE IRMÃOS VINCULADOS; 8. DE VARAS: 8.1. CADASTRADAS NO ESTADO; 8.2. QUE NÃO CADASTRAM CRIANÇAS NEM PRETENDENTES, E QUE NÃO INFORMARAM SE POSSUEM PRETENDENTES; 8.3. QUE POSSUEM APENAS PRETENDENTES CADASTRADOS; 8.4. QUE POSSUEM APENAS CRIANÇAS/ADOLESCENTES CADASTRADAS; 8.5. QUE POSSUEM CRIANÇAS/ADOLESCENTES E PRETENDENTES CADASTRADOS; 8.6. QUE NÃO POSSUEM CRIANÇAS/ADOLESCENTES DISPONÍVEIS PARA ADOÇÃO; 8.7. QUE NÃO POSSUEM PRETENDENTES A ADOÇÃO DE CRIANÇAS/ADOLESCENTES; 8.8. QUE NÃO POSSUEM CRIANÇAS/ADOLESCENTES DISPONÍVEIS PARA ADOÇÃO NEM MESMO PRETENDENTES A ADOÇÃO. Observação: O servidor de corregedoria tem acesso aos Relatórios Administrativos somente para consulta. Caso ele esteja atuando por um juiz, além de consultar, o servidor de corregedoria irá alterar a situação da criança como explicado abaixo. Conforme ilustrado no MANUAL DE JUIZ E AUXILIAR DE JUIZ: 46

47 Nos itens 9.1. Busca de pretendente pelo perfil da criança/adolescente específica e Buscar criança/adolescente para um pretendente específico, o usuário terá de acessar os Relatórios Administrativos para dar continuidade ao processo de adoção e para finalizar. Os itens Relatórios Administrativos: Crianças Sob Consulta e Relatórios Administrativos: Crianças Sob Consulta tratam da fase em que o usuário acessa esta opção para alterar a situação da criança que está Sob Consulta para Em Processo de Adoção. Sendo que o usuário tem o prazo de 30 dias para efetivar esta alteração. Os itens Relatórios Administrativos: Em Processo de Adoção e Relatórios Administrativos: Em Processo de Adoção tratam da fase em que o usuário acessa esta opção para alterar a situação da criança que está Em Processo de Adoção para Adotada, finalizando assim o processo de adoção. Sendo que o usuário tem o prazo de 185 dias para esta efetivar esta alteração. Os itens Relatórios Administrativos: Adotadas e Relatórios Administrativos: Adotadas tratam da fase em que o usuário acessa esta opção para consultar as crianças que foram adotadas. Os Relatórios Administrativos de Crianças/Adolescentes Sob Préconsulta foram criados para que o servidor de corregedoria, quando atuar por juiz, possua autonomia sobre as crianças cadastradas na Vara em que estiver atuando, de forma que uma criança desta Vara só possa ser adotada após a aprovação de um juiz dessa Vara, pois de outra forma o juiz não teria o controle sobre o processo de adoção das crianças cadastradas em sua Vara. 47

48 Quando um usuário vincula um pretendente (de sua Vara ou não) a uma criança que não seja de sua Vara, esse vínculo torna-se Sob Pré-consulta. O sistema automaticamente envia um aos juízes da Vara da criança que foi colocada em situação de Sob Pré-consulta alertando-os do vínculo efetuado. Sendo assim, um juiz da Vara da criança que foi colocada na situação Sob Pré-consulta deverá acessar o sistema CNA e visualizar os dados do vínculo (dados da criança e pretendente para a qual foi vinculada) a fim de analisar e decidir entre aprovar o vínculo para que possa passar para a próxima fase (no caso: Sob consulta ) ou reprovar o vínculo tornando tanto a criança quanto o pretendente novamente disponíveis no sistema. Sendo que este juiz ou auxiliar tem o prazo de 5 dias aprovar o vínculo efetuado por outro juiz, alterando a situação para Sob Consulta. No caso de o usuário (juiz ou auxiliar) aprovar o vínculo criado por um juiz de outra Vara entre a criança de sua Vara e o pretendente da outra Vara, a autonomia desse juiz sobre as próximas fases desse processo de adoção se encerra, tornando o processo de adoção novamente de responsabilidade do juiz que efetuou o vínculo entre o pretendente e a criança. Sendo este juiz o responsável por acompanhar o processo de adoção, alterando para as próximas fases ou até mesmo encerrando o processo de adoção. Observação: Se dentro destes prazos não houver as ações descritas acima, o vínculo entre a criança/adolescente e o pretendente cai automaticamente. OBSERVAÇÃO: No momento de alterar de "PROCESSO DE ADOÇÃO" para "ADOTADA", o sistema verifica se o Pretendente (contando com esta adoção) estará adotando o número de crianças por ele desejado, (incluindo possíveis adoções anteriores realizadas pelo CNA). 48

49 Caso não atinja o número desejado, o sistema pergunta ao usuário se ele deseja manter o Pretendente Ativo no sistema, para que possa realizar outras adoções. Se atingir o número desejado, o sistema automaticamente coloca o pretendente como Inativo. Esta situação poderá ser visualizada conforme exemplo das telas seguintes. 49

50 O usuário clica na opção 2.4 Em Processo de Adoção dos Relatórios Administrativos. Nesta tela o usuário clica na seta verde que simboliza a alteração para a fase final do processo de adoção, denominada: Adotada. As setas verde e vermelha que possibilitam a alteração da fase do processo de adoção somente aparecerão para os juízes ou auxiliares de juiz da Vara que efetuaram a vinculação, pois somente eles poderão alterar a fase do processo de adoção. 50

51 Após clicar na seta verde, o sistema solicita que o usuário Informe a Data da Sentença de Adoção, e o usuário clica em Confirma Alteração. O sistema verificou que o Pretendente (contando com esta adoção) não atingiu o número desejado de crianças a serem adotadas, sendo assim o sistema pergunta se o usuário deseja manter o pretendente ativo no sistema para que possa realizar outras adoções. 51

52 Se o pretendente tivesse atingido o número desejado, o sistema automaticamente coloca o pretendente como Inativo. Após a confirmação da alteração pelo usuário, o sistema informa que a situação da criança foi alterada para Adotada e exibe os Dados da Vinculação. 5.1 RELATÓRIOS ESTATÍSTICOS Podem ser consultadas estatísticas de várias espécies: tanto Dados Estaduais, como Dados Gerais do Brasil e também Dados de Pretendentes e de Crianças/Adolescentes. 52

53 53

54 6. CONSULTAR O servidor de corregedoria tem a faculdade de consultar um pretendente, criança/adolescente e/ou vínculo pelo número de protocolo através dos dados de cadastro. 54

55 6.0 CONSULTAR CRIANÇA/ADOLESCENTE Para acessar a tela que irá iniciar a Consulta de Criança, o usuário seleciona Consultar no Menu Principal e depois seleciona Criança/Adolescente Tela Dados da Criança/Adolescente Para consultar todos os Dados de uma criança/adolescente, o usuário informa a Data de Nascimento, o Sexo e o Nome da Criança e clica em Pesquisar. 55

56 6.0.2 Tela Resultado da Busca Após as informações prestadas pelo usuário, o sistema exibe como resultado da busca o Nome da Criança e ao lado o link Ver cadastro da Criança/Adolescente para que o usuário acesse os Dados da Criança. 56

57 6.0.3 Tela Dados Gerais da Criança O sistema exibe Abas com os todos os dados da criança, sendo eles: Dados Gerais, Localização, Dados dos Pais e Irmãos Cadastrados. O usuário consulta os Dados Gerais da Criança. 57

58 6.0.4 Tela Localização da Criança O usuário consulta a Localização da Criança. 58

59 6.0.5 Tela Dados dos Pais O usuário consulta os Dados dos Pais da Criança. 59

60 6.0.6 Tela Irmãos Cadastrados da Criança O usuário consulta os Irmãos Cadastrados da Criança. 60

61 6.1 CONSULTAR PRETENDENTE Para acessar a tela que irá iniciar a Consulta de Pretendente, o usuário seleciona Consultar no Menu Principal e depois seleciona Pretendente Tela CPF do Pretendente Para consultar todos os Dados de um pretendente, o usuário informa o Número do CPF do Pretendente e clica em Pesquisar. 61

62 6.1.2 Tela Resultado da Busca Após as informações prestadas pelo usuário, o sistema exibe como resultado da busca o Nome do Pretendente e ao lado o link Ver cadastro do Pretendente para que o usuário acesse os Dados do Pretendente. 62

63 6.1.3 Tela Dados do Pretendente O sistema exibe Abas com todos os dados do pretendente, sendo eles: Dados Gerais, Localização, Dados dos Pais e Irmãos Cadastrados. O usuário consulta os Dados Gerais do Pretendente. 63

64 6.1.4 Tela Dados da Criança Desejada pelo pretendente O usuário consulta os Dados da Criança Desejada pelo pretendente. 64

65 6.1.5 Tela Endereço do Pretendente O usuário consulta o Endereço do Pretendente. 65

66 6.1.6 Tela Dados do Processo do Pretendente O usuário consulta os Dados do Processo pelo pretendente. 66

67 6.2 VÍNCULO PELO NÚMERO DE PROTOCOLO O usuário poderá consultar o Vínculo efetuado no CNA entre uma criança e um pretendente através do Número de Protocolo que é informado pelo próprio sistema. Para acessar a tela que irá iniciar a Consulta de Vínculo pelo Número de Protocolo, o usuário seleciona Consultar no Menu Principal e depois seleciona Vínculo pelo Número de Protocolo Tela Número do Protocolo Para consultar o vínculo pelo número de protocolo, o usuário informa o Número do Protocolo e clica em Buscar. 67

68 6.2.2 Tela Dados do Vínculo Informado o Número de Protocolo pelo usuário, o sistema exibe os Dados Gerais do Vínculo, podendo o usuário imprimir estes dados. 68

69 7. ALTERAR Os servidores da corregedoria podem alterar seus dados pessoais, dados da comarca e da vara, dados de juízes, dados de abrigo e dados de auxiliares de juízes. 7.0 MINHA SENHA Caso o usuário deseje alterar a senha, ele seleciona Alterar no Menu Principal e depois seleciona Minha senha Tela Alterar Senha 69

70 O sistema exibe automaticamente o Login do usuário e ele informa Senha atual, Nova Senha e a Confirmação da Nova Senha. Após informar todos os dados, o usuário clica em Alterar Senha. 70

71 7.0.2 Tela Confirmação de Dados A alteração está encerrada e o sistema exibe mensagem Senha alterada com Sucesso. Logar Novamente. O usuário pode continuar no sistema ou Logar novamente, clicando neste link, para entrar com sua nova senha. 7.1 MEUS DADOS Caso o usuário deseje alterar algum dado pessoal, ele seleciona Alterar no Menu Principal e depois seleciona Meus Dados Tela Dados de Servidor de Corregedoria 71

72 O usuário altera o dado que deseja e clica em Alterar Tela Confirmação de Dados Após a alteração dos dados do usuário, o sistema exibe mensagem Dados alterados com sucesso. 72

73 7.2 COMARCA Caso o usuário deseje alterar a descrição da Comarca já cadastrada no sistema, ele seleciona Alterar no Menu Principal e depois seleciona Comarca Tela Dados da Comarca O usuário ou informa a Comarca no campo Buscar comarcas ou busca no campo Comarcas já cadastradas, o sistema exibe a Descrição e o Estado, sendo assim, o usuário altera a Comarca no campo Descrição e clica em Alterar. 73

74 7.2.2 Tela Confirmação de Dados Após a alteração dos dados da comarca, o sistema exibe mensagem Dados alterados com sucesso. 7.3 VARA Caso o usuário deseje alterar algum dado da Vara, ele seleciona Alterar no Menu Principal e depois seleciona Vara. 74

75 7.3.1 Tela Dados da Vara O usuário seleciona a Comarca e a Vara, o sistema exibe a Descrição, o Endereço e os outros dados cadastrais da Vara, sendo assim, o usuário altera o Dado Cadastral que deseja e clica em Alterar. 75

76 7.3.2 Tela Confirmação de Dados Após a alteração dos dados da Vara, o sistema exibe mensagem Dados alterados com sucesso. 7.4 DADOS DE JUÍZES Caso o usuário deseje alterar algum dado de Juiz, ele seleciona Alterar no Menu Principal e depois seleciona Dados de Juízes. 76

77 7.4.1 Tela Dados de Juízes O usuário clica no Nome do Juiz que deseja, o sistema exibe os Dados do Juiz e o usuário altera o dado necessário e clica em Salvar alterações. No caso do exemplo da próxima tela, o usuário alterou o Perfil do Juiz. 77

78 7.4.2 Tela Dados do Juiz Conforme o exemplo na tela dos dados do juiz, o usuário alterou o Perfil do Juiz de: Juiz em Exercício (substituto) para Juiz da Infância Titular. E clicou em Salvar alterações. 78

79 7.4.3 Tela Confirmação de Dados Após a alteração dos Dados do Juiz, o sistema exibe mensagem Dados alterados com sucesso. 79

80 7.5 DADOS DE ENTIDADE DE ACOLHIMENTO Caso o usuário deseje alterar os dados de uma Entidade de Acolhimento, ele seleciona Alterar no Menu Principal e depois seleciona Dados de Entidade de Acolhimento Tela Listagem de Entidades de Acolhimento Para alterar algum dado de entidade de acolhimento, o usuário clica no nome da entidade, ou no CNPJ (ao lado do nome da entidade de acolhimento), que deseja efetuar a alteração. Clicando em qualquer destas 80

81 opções, o sistema remeterá para a tela dos Dados da Entidade de Acolhimento Tela Dados da Entidade de Acolhimento O usuário altera o dado que deseja e clica em Alterar. Conforme exemplo na tela acima, o usuário alterou o número do telefone. 81

82 7.5.3 Tela Confirmação da Alteração Após a alteração do dado da entidade de acolhimento, o sistema exibe mensagem Dados alterados com sucesso. 82

83 7.6 DADOS DE AUXILIARES DE JUÍZES Caso o usuário deseje alterar os dados de um abrigo, ele seleciona Alterar no Menu Principal e depois seleciona Dados de Abrigo Tela Listagem de auxiliares de juízes Para alterar algum dado do Auxiliar de Juiz, o usuário clica no Nome do auxiliar, ou no Status (ao lado do nome do auxiliar), que deseja efetuar a alteração. Clicando em qualquer destas opções, o sistema remeterá para a tela dos Dados do Auxiliar de Juiz. 83

84 7.6.2 Tela Dados do Auxiliar do Juiz 84

85 O usuário altera o dado que deseja e clica em Alterar. Conforme exemplo na tela acima, o usuário alterou o juiz do qual é auxiliar. Para isso, o usuário clica no link Alterar Juiz do qual é auxiliar. O sistema remete para tela em que será informado a Comarca, a Vara e o novo Juiz do qual será auxiliar. Após clicar em Alterar, o sistema retorna para a tela com os Dados do Auxiliar do Juiz e a informação já alterada, o usuário clica em Salvar alterações. 85

86 7.6.3 Tela Confirmação da Alteração Após a alteração do dado do auxiliar do juiz, o sistema exibe mensagem Dados alterados com sucesso. 86

87 8. BAIXAR Para que o usuário possa Baixar a Planilha de Cadastro de Pretendente, a Planilha de Cadastro de Criança, o Guia do Usuário ou o Tutorial Explicativo da Vinculação, ele seleciona Baixar no Menu Principal e depois seleciona a opção desejada. 87

88 8.0 PLANILHA DE CADASTRO DE PRETENDENTE A Planilha de Cadastro de Pretendente será impressa pelo juiz ou auxiliar de juiz para que o Pretendente preencha todos os dados. Feito isso, o juiz ou auxiliar de juiz responsável pelo cadastro irá inserir os dados no CNA. Para acessar a planilha de cadastro de pretendente, o usuário seleciona Baixar > Planilha de Cadastro de Pretendente no Menu Principal e após o sistema exibir a tela Baixar Planilha de Cadastro de Pretendente, o usuário clica no link AQUI. 88

89 89

90 90

91 91

92 8.1 PLANILHA DE CADASTRO DE CRIANÇA A Planilha de Cadastro de Pretendente será impressa pelo juiz ou auxiliar de juiz para que sejam preenchidos todos os dados da criança. Feito isso, o juiz ou auxiliar de juiz responsável pelo cadastro irá inserir os dados no CNA. Para acessar a planilha de cadastro de pretendente, o usuário seleciona Baixar > Planilha de Cadastro de Criança/Adolescente no Menu Principal e após o sistema exibir a tela Baixar Planilha de Cadastro de Criança/Adolescente, o usuário clica no link AQUI. 92

93 93

94 8.2 GUIA DO USUÁRIO O usuário poderá baixar o Guia do Usuário para ter uma visão geral do sistema e seu propósito. Para acessar o guia do usuário, o usuário seleciona Baixar > Guia do Usuário no Menu Principal e após o sistema exibir a tela Baixar Guia do Usuário, o usuário clica no link AQUI. 94

95 8.3 MANUAL DO USUÁRIO O usuário poderá baixar os Manuais de Usuário dos três perfis de acesso ao CNA para consulta de todas as funcionalidades do sistema explicadas detalhadamente passo a passo. Para acesso direto ao Manual de Servidor de Corregedoria, no primeiro Informativo da página inicial, o usuário clica em aqui para baixar o MANUAL. 95

96 Para acessar os Manuais de Usuário dos 3 perfis de acesso ao CNA (Juiz e Auxiliar, de Servidor de Corregedoria e Servidor de CEJA/CEJAI), o usuário seleciona Baixar > Manual do Usuário no Menu Principal e após o sistema exibir a tela Baixar Manual do Usuário, o usuário clica no link Clique aqui. 96

97 9. ATUAR POR JUIZ A opção de atuar por juiz existe para que o servidor de Corregedoria possa inserir cadastros de crianças/adolescentes e pretendentes no sistema nos casos em que os juízes não possuem acesso à internet. Situação em que os juízes e/ou auxiliares de juízes preenchem as planilhas impressas e encaminham para a corregedoria, para que o servidor de corregedoria responsável possa inserir os dados no sistema como se fosse o próprio juiz efetuando a ação. 97

98 Principal. Para atuar por juiz, o usuário seleciona Atuar por Juiz no Menu O usuário seleciona as opções Comarca, Vara e Juiz e clica em Atuar por este Juiz. 98

99 O sistema remete o usuário para a tela inicial do sistema com funcionalidades de juiz. Observação: Caso o juiz selecionado pelo servidor de corregedoria nunca tenha acessado o sistema, no momento que este usuário clica em Atuar por este Juiz, o sistema remete para a tela Alterar senha aonde o usuário altera a senha deste juiz. Efetivada a alteração da senha, o usuário irá Logar novamente e assim atuar por este juiz. É importante que o servidor de CEJA/CEJAI informe ao juiz, pelo qual atuou, a sua nova senha. 99

100 10. ENVIO AUTOMÁTICO DE S O sistema dispara s automaticamente uma vez por semana para Juízes e Auxiliares de Juízes cujas Varas possuem crianças e/ou pretendentes, mas que não acessaram o sistema nos últimos 07 dias. O sistema também dispara s automáticos para Juízes e Auxiliares cujas Varas NÃO possuem ou não informaram se possuem crianças e/ou pretendentes e que não acessaram o sistema nos últimos 30 dias. Trata-se de uma mensagem informativa para relembrar aos usuários do sistema a importância de se realizar buscas frequentes, pois o sistema não trabalha sozinho, depende das buscas que são efetuadas por Juízes e seus auxiliares para que as adoções sejam feitas. É um lembrete para que os usuários acessem o sistema e façam buscas para ver se encontram crianças para pretendentes ou pretendentes para crianças. Segue exemplo da mensagem que é enviada: enviado pelo sistema CNA (Cadastro Nacional de Adoção): Alertamos que já se passaram mais de uma semana desde seu último acesso ao sistema CNA. Relembramos que o sistema não faz buscas automáticas. É preciso realizá-las constantemente. Para acessar o sistema clique aqui. Esta é uma mensagem informativa, enviada automaticamente. Em caso de dúvidas ou dificuldades, envie para: 100

101 11. INSERÇÃO DE OCORRÊNCIAS 11.0 NO CADASTRO DE CRIANÇA/ADOLESCENTE Para inserir ocorrência no cadastro de criança/adolescente, ao consultar uma criança cadastrada, o usuário clica em Adicionar uma ocorrência no cadastro desta Criança/Adolescente. Porém, é preciso que o usuário observe que não está informando que uma criança está sendo adotada, pois para isso há os passos adequados a serem seguidos para vinculação/adoção, conforme telas abaixo. 101

102 102

103 Para inserir ocorrência no cadastro de criança/adolescente que esteja cadastrada em outra Vara que não a do usuário, ao consultar uma criança cadastrada, o usuário clica em Adicionar uma ocorrência no cadastro desta Criança/Adolescente. Se o usuário for informar que a criança, que é de outra Vara, está em estágio de convivência, por exemplo, com pretendente cadastrado em sua Vara, o usuário terá de entrar em contato com o Juiz da Vara da Criança, que será o responsável por todo o processo de vinculação, para que ele faça a vinculação entre o pretendente e a criança dele, conforme telas abaixo. 103

104 104

105 11.1 NO CADASTRO DE PRETENDENTE Para inserir ocorrência no cadastro de pretendente, ao consultar o cadastro dele, o usuário clica em Adicionar uma ocorrência no cadastro desta Pretendente. Porém, é preciso que o usuário observe que não está informando que o pretendente está adotando uma criança. Se o pretendente for da Vara do usuário que está cadastrando a ocorrência, terá de observar que há os passos adequados a serem seguidos para vinculação/adoção, conforme explicação no item Buscar Criança para pretendente específico. 105

106 Se o pretendente não for da Vara do usuário que está cadastrando a ocorrência, poderá Adicionar um alerta para chamar atenção do Juiz ou do Auxiliar de Juiz da Vara em que está cadastrado o Pretendente para que tome as providências o quanto antes em relação à ocorrência. 106

107 No momento em que o Juiz ou o seu Auxiliar acessar o CNA, o sistema exibe mensagem no primeiro item do Informativo que existe um pretendente com alerta em uma de suas ocorrências. Oportunidade em que o usuário clica em Clique aqui para analisar a ocorrência e providenciar as atualizações. 107

108 O sistema remete para a tela com a Listagem de pretendentes da Vara do usuário em que está acessando. Ao lado do nome do pretendente, haverá o símbolo do alerta. O usuário clica no alerta para visualizar. 108

109 O sistema remete para a tela de ocorrências do pretendente. O usuário visualiza a ocorrência para se certificar de qual providência terá que tomar, podendo remover a ocorrência clicando no símbolo, conforme indicado acima. 109

110 Ao clicar no símbolo da ocorrência para removê-la, o sistema exibe campo de justificativa a ser preenchido. Enviar. O usuário informa o Motivo da Remoção do Alerta e clica em 110

111 O sistema remete para a tela da ocorrência do pretendente e exibe o Motivo da remoção do alerta. 111

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO

CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO MANUAL DO JUIZ E AUXILIAR DE JUIZ Versão 1.0 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 USUÁRIOS...4 1. ACESSO AO SISTEMA...5 2. TELA DE LOGIN DO CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:...7 3. TELA INICIAL

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO ÍNDICE:

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO ÍNDICE: MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO ÍNDICE: CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:...1 1. DO CADASTRO DE PRETENDENTES:... 2 1.1. RECIBO DE INCLUSÃO:... 4 2. REGISTRO ADICIONAL DE PRETENDENTES:...

Leia mais

CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI

CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI CADASTRO NACIONAL DE ADOLESCENTES EM CONFLITO COM A LEI MANUAL DE JUIZ E AUXILIAR DE JUIZ Versão 1.1 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 OBJETIVOS...4 OBSERVAÇÕES...5 USUÁRIOS...5 1. ACESSO AO SISTEMA...6 2. SISTEMA

Leia mais

Guia do Usuário. Guia do Usuário

Guia do Usuário. Guia do Usuário Guia do Usuário APRESENTAÇÃO...1 I ESCLARECIMENTOS PRELIMINARES...2 Do Cadastro Nacional de Adoção CNA...2 Do Acesso e utilização do Cadastro Nacional de Adoção CNA...2 II. ESPECIFICAÇÕES GERAIS DO CNA

Leia mais

1. Do Cadastro Nacional de Adoção CNA

1. Do Cadastro Nacional de Adoção CNA Guia do Usuário APRESENTAÇÃO A Constituição Federal, art. 227, e a Lei 8.069/90 - Estatuto da Criança e do Adolescente, art. 19, elevaram o direito de crianças e adolescentes à convivência familiar e comunitária

Leia mais

E&L Protocolo, Documentos Eletrônicos e Processos Perguntas Frequentes

E&L Protocolo, Documentos Eletrônicos e Processos Perguntas Frequentes E&L Protocolo, Documentos Eletrônicos e Processos Perguntas Frequentes 1. É possível excluir um processo que já foi enviado? Só será possível excluir o processo se o mesmo ainda não tiver sido recebido.

Leia mais

Manual do sistema SMARsa WEB

Manual do sistema SMARsa WEB Manual do sistema SMARsa WEB Módulo Solicitação/Ouvidoria SMARsa WEB Solicitação/Ouvidoria Versão 2.7 1 Sumário INTRODUÇÃO...4 OBJETIVOS...4 Bem-vindo ao sistema SMARsa WEB: Módulo solicitação/ouvidoria...5

Leia mais

Orientações para o Lançamento de Notas. Diretor

Orientações para o Lançamento de Notas. Diretor Orientações para o Lançamento de Notas Diretor 1 CONTEÚDO Conteúdo... 2 Como acessar o Conexão Educação... 3 Lançamento de Notas... 5 Notas por Turma... 5 Liberação de Lançamento de Notas... 13 2 COMO

Leia mais

MANUAL Credenciados SGMC Sistema de Gestão de Modalidades de Credenciamento

MANUAL Credenciados SGMC Sistema de Gestão de Modalidades de Credenciamento MANUAL Credenciados SGMC Sistema de Gestão de Modalidades de Credenciamento SEBRAE-GO 1 Sumário Introdução... 3 1) Acesso ao Sistema... 4 1.1. LOGIN... 4 1.2. ALTERAR SENHA... 7 1.3. RECUPERAR SENHA...

Leia mais

SUMÁRIO DESCRIÇÃO DO PROGRAMA. 1 Link do Sistema 3. 2 Primeiro acesso 3. 3 Para entrar no Sistema 5. 4 Para registrar uma demanda 6

SUMÁRIO DESCRIÇÃO DO PROGRAMA. 1 Link do Sistema 3. 2 Primeiro acesso 3. 3 Para entrar no Sistema 5. 4 Para registrar uma demanda 6 TUTORIAL SUMÁRIO DESCRIÇÃO DO PROGRAMA PÁG DO DEMANDANTE 1 Link do Sistema 3 2 Primeiro acesso 3 3 Para entrar no Sistema 5 4 Para registrar uma demanda 6 5 Acompanhamento da demanda 9 2 TUTORIAL DESCRIÇÃO

Leia mais

Fundap. Programa de Estágio. Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio. Plano de Estágio

Fundap. Programa de Estágio. Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio. Plano de Estágio Fundap Fundação do Desenvolvimento Administrativo Programa de Estágio Programa de Estágio Manual de Utilização do Sistema de Administração de Bolsas de Estágio Plano de Estágio Julho de 2008 SABE - Sistema

Leia mais

SISCOF - Manual do Usuário

SISCOF - Manual do Usuário SISCOF - Manual do Usuário SERPRO / SUPDE / DECTA / DE901 SISTEMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA Versão 1.2 Sumário SISCOF Sistema de Controle de Frequência 1. Login e Senha... 2 1.1 Como Efetuar Login No Sistema...

Leia mais

Manual do sistema SMARsa Web

Manual do sistema SMARsa Web Manual do sistema SMARsa Web Módulo Gestão de atividades RS/OS Requisição de serviço/ordem de serviço 1 Sumário INTRODUÇÃO...3 OBJETIVO...3 Bem-vindo ao sistema SMARsa WEB: Módulo gestão de atividades...4

Leia mais

Manual do Usuário (Perfil TJ) Sistema de Solicitação de Indicação

Manual do Usuário (Perfil TJ) Sistema de Solicitação de Indicação Manual do Usuário (Perfil TJ) Sistema de Solicitação de Indicação A Defensoria Pública do Estado, por meio de sua Assessoria de Convênios, comunica que desenvolveu sistema denominado Sistema de Solicitação

Leia mais

VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA.

VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA. VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA. SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA MANUAL DO VTWEB CLIENT CADASTROS /PEDIDOS E PROCEDIMENTOS Resumo Esse manual tem como o seu objetivo principal a orientação de uso do

Leia mais

PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe

PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO PJe TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO MANUAL DO SERVIDOR 1ºGRAU MÓDULO 3 Sumário 1 Cadastros Básicos3 11 Documento3 111 Modelo3 112 Tipo6 12 Pessoa10 121 Conciliador10

Leia mais

e-ouv Passo-a-passo Sistema de Ouvidorias do Poder Executivo Federal Junho, 2015 Controladoria-Geral da União

e-ouv Passo-a-passo Sistema de Ouvidorias do Poder Executivo Federal Junho, 2015 Controladoria-Geral da União e-ouv Passo-a-passo Sistema de Ouvidorias do Poder Executivo Federal Junho, 2015 Sumário 1. Acesso ao sistema... 3 2. Funcionalidades do sistema... 5 3. Como tratar manifestações... 14 3.1 Detalhar...

Leia mais

MANUAL VERSÃO 2.11 1

MANUAL VERSÃO 2.11 1 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 O QUE É O EOL?... 3 3 ACESSO AO CLIENTE... 3 4 ACESSANDO O EOL... 3 5 TELA INICIAL... 4 6 EXAMES ADMISSIONAIS... 5 7 MUDANÇA DE FUNÇÃO... 7 8 EXAMES DEMISSIONAL E RETORNO

Leia mais

Plataforma Brasil Versão 3.0

Plataforma Brasil Versão 3.0 Plataforma Brasil Versão 3.0 Histórico de Revisão do Manual Versão do Sistema 3.0 Autor Data Descrição Assessoria Plataforma Brasil 29/06/2015 Criação do Documento OBS: Para sugestões, a fim de aprimorar

Leia mais

Manual para Envio de Petição Inicial

Manual para Envio de Petição Inicial Manual para Envio de Petição Inicial 1. Após abrir a página do PROJUDI, digite seu usuário e senha 1.1. Para advogados o usuário é o cpf.adv (ex: 12345678900.adv) 1.2. Após digitar os dados (login e senha),

Leia mais

Tutorial de Utilização do AMBIENTE DE CREDENCIAMENTO DE SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS. Área de Operações Indiretas - AOI

Tutorial de Utilização do AMBIENTE DE CREDENCIAMENTO DE SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS. Área de Operações Indiretas - AOI Tutorial de Utilização do AMBIENTE DE CREDENCIAMENTO DE SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS Área de Operações Indiretas - AOI SUMÁRIO 1 ENTRADA NO SISTEMA... 1 2 UTILIZAÇÃO DO AUTOSERVIÇO DE TROCA DE SENHAS... 7 3 MODALIDADES

Leia mais

e- SIC Manual do SIC

e- SIC Manual do SIC e- SIC Manual do SIC Sumário Introdução.. 3 O e-sic.. 4 Primeiro acesso.. 5 Perfis de usuário.. 6 Cadastro de usuário no e-sic.. 7 Alteração de dados de usuários.. 9 Atualização de dados do SIC.. 11 Registro

Leia mais

Manual do Sistema de Cadastro de Cultivares Locais, Tradicionais e Crioulas

Manual do Sistema de Cadastro de Cultivares Locais, Tradicionais e Crioulas Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria da Agricultura Familiar Departamento de Financiamento e Proteção da Produção Seguro da Agricultura Familiar Manual do Sistema de Cadastro de Cultivares

Leia mais

REMOÇÃO 2015 Versão 10/04/2015

REMOÇÃO 2015 Versão 10/04/2015 Versão 10/04/2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 03 ACESSANDO O SISTEMA... 04 CONSULTA DE VAGAS... 06 CRIAR SOLICITAÇÃO PARA REMOÇÃO 2015... 09 PREENCHENDO A COMARCA/FORO... 10 ALTERANDO A SOLICITAÇÃO CADASTRADA...

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. 1. Descrição Geral Este manual descreve as operações disponíveis no módulo VTWEB Client, cuja finalidade é gerenciar cadastros de funcionários, realização de pedidos e controle financeiro dos pedidos.

Leia mais

Tutorial Folha Express. Como otimizar a confecção da folha de pagamento.

Tutorial Folha Express. Como otimizar a confecção da folha de pagamento. Tutorial Folha Express Como otimizar a confecção da folha de pagamento. Índice Apresentação Pág. 2 Passo 1 Pág. 3 Disponibilização da Folha de Pagamento Passo 2 Pág. 5 Exportação de clientes e Folha de

Leia mais

Antes de começar, o Solicitante e outros envolvidos dentro do projeto (Orientador, Coordenador ou outro Responsável Técnico) devem verificar:

Antes de começar, o Solicitante e outros envolvidos dentro do projeto (Orientador, Coordenador ou outro Responsável Técnico) devem verificar: SOLICITAÇÃO DE FOMENTO on-line MANUAL DO USUÁRIO 1 CONTATOS... 2 2 ANTES DE COMEÇAR... 2 3 ENTRAR NO SISTEMA INFAPERJ... 3 3.1 ACESSO AO SISTEMA...3 3.2 LOGIN...4 4 APRESENTAÇÃO GERAL DA INTERFACE... 5

Leia mais

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual

Aplicativo da Manifestação do Destinatário. Manual Aplicativo da Manifestação do Destinatário Manual Novembro de 2012 1 Sumário 1 Aplicativo de Manifestação do Destinatário...4 2 Iniciando o aplicativo...4 3 Menus...5 3.1 Manifestação Destinatário...5

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. Conteúdo 1. Descrição geral 2 2. Resumo das funcionalidades 3 3. Efetuar cadastro no sistema 4 4. Acessar o sistema 6 5. Funcionalidades do menu 7 5.1 Dados cadastrais 7 5.2 Grupos de usuários 7 5.3 Funcionários

Leia mais

VIA FÁCIL - BOMBEIROS

VIA FÁCIL - BOMBEIROS SECRETARIA DO ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS VIA FÁCIL - BOMBEIROS MANUAL DO USUÁRIO Versão V1.0 1 Índice A INTRODUÇÃO 4 B USUÁRIO NÃO

Leia mais

SUA SENHA É SIGILOSA, PESSOAL E INTRANSFERÍVEL.

SUA SENHA É SIGILOSA, PESSOAL E INTRANSFERÍVEL. DÚVIDAS MAIS FREQUENTES - DO CLIENTE 1. Qual o procedimento para se cadastrar na Guia Eletrônica? - Rolar a página e procure pelo item Novo Cliente? - Escolher o perfil: Próprio Interessado: Pessoa Física

Leia mais

PORTAL EMPRESA SIMPLES Registro e Licenciamento de Empresas MANUAL RLE. Baixa Simplificada de Empresas

PORTAL EMPRESA SIMPLES Registro e Licenciamento de Empresas MANUAL RLE. Baixa Simplificada de Empresas PORTAL EMPRESA SIMPLES Registro e Licenciamento de Empresas MANUAL RLE Baixa Simplificada de Empresas 2 Sumário 1 Como preparar o computador para uso do certificado digital...04 2 Primeiro Acesso: Cadastro

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO DELIBERAÇÃO 260/13 MANUAL DE UTILIZAÇÃO PARTE IX Envio das Informações e documentos para o TCE VERSÃO 2015 Novembro

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE CREDENCIADOS - SGC

SISTEMA DE GESTÃO DE CREDENCIADOS - SGC MANUAL DO CANDIDATO Para realizar a inscrição o candidato deve: 1º - Ler o Edital disponível no site do SEBRAE; Passo a passo: Acesse o site: http://www.sebrae.com.br/ Clique naseção SobreoSEBRAE Nabarraesquerdadapágina,cliquenoitem

Leia mais

Manual Sistema Proac Editais. Dúvidas Frequentes

Manual Sistema Proac Editais. Dúvidas Frequentes Manual Sistema Proac Editais Dúvidas Frequentes Conteúdo 1. Acesso ao sistema... 3 1.1. Como efetuar Login... 3 1.2. Como recuperar a Senha... 3 1.3. Como fazer um Novo Cadastro de Proponente... 4 1.4.

Leia mais

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira

Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Plano de Carreira Sistema de Apoio à Gestão de Planos de Carreira Manual do Usuário Página1 Sumário 1 Configurações Recomendadas... 4 2 Objetivos... 4 3 Acesso ao Sistema... 5 3.1. Acessar 6 3.2. Primeiro

Leia mais

MANUAL DE ACESSO AO SITE Instruções para associados

MANUAL DE ACESSO AO SITE Instruções para associados MANUAL DE ACESSO AO SITE Instruções para associados 03/09/2014 Sindicamp SUPORTE SINDICAMP http://www.sindicamp.org.br 1 SUMÁRIO 1-) SENHA MASTER... 3 2-)CADASTRO DE FUNCIONÁRIOS... 4 3-) INFORMAÇÕES PARA

Leia mais

Tutorial do Sistema de Requerimentos On-line

Tutorial do Sistema de Requerimentos On-line Tutorial do Sistema de Requerimentos On-line Atenção: Os requerimentos de segunda oportunidade, matrícula em disciplina, rematrícula, matrícula em dependência e trabalhos orientados só poderão ser abertos

Leia mais

MANUAL DE PROCESSO DIGITAÇÃO DE CONTAS MÉDICAS PORTAL WEB. Última atualização: 29/08/2014 1

MANUAL DE PROCESSO DIGITAÇÃO DE CONTAS MÉDICAS PORTAL WEB. Última atualização: 29/08/2014 1 MANUAL DE PROCESSO DIGITAÇÃO DE CONTAS MÉDICAS PORTAL WEB 1 Índice 1. Acesso ao Portal WEB... 2. Digitação de Contas Médicas... 2.1. Criação de Protocolo... 2.1.1. Digitação Contas... 2.1.1.1. Guia Consulta...

Leia mais

Sistema de Bilhetagem Eletrônica

Sistema de Bilhetagem Eletrônica GUIA DE REFERÊNCIA SIB Sistema de Bilhetagem Eletrônica Projeto Sistema de Bilhetagem Eletrônica Documento MR (17/Maio/2011) Tabela 1 Histórico das alterações no documento Data Versão Autor Descrição 09/11/2010

Leia mais

FAQ Sistema Eletrônico de Informações SEI-MP

FAQ Sistema Eletrônico de Informações SEI-MP FAQ Sistema Eletrônico de Informações SEI-MP 1. Quem pode obter o acesso ao SEI-MP? O SEI-MP está disponível apenas para usuários e colaboradores internos do MP. Usuários externos não estão autorizados

Leia mais

Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família

Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família Desde o dia 01 de dezembro, o novo sistema de Gestão do Programa Bolsa Família (SIGPBF) do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) está disponível para os

Leia mais

[PÚBLICA] Manual Operacional. Sistema GEUI Gestão de Usuários da Internet. Produto: Consignado

[PÚBLICA] Manual Operacional. Sistema GEUI Gestão de Usuários da Internet. Produto: Consignado 1 [PÚBLICA] Manual Operacional Sistema GEUI Gestão de Usuários da Internet Produto: Consignado ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Objetivo do Manual... 3 1.2. Público Alvo... 3 1.3. Conteúdo do Manual... 3

Leia mais

ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO. 04 2 ACESSO. 05 3 ABERTURA DE PROTOCOLO. 06 4 CONSULTA DE PROTOCOLO. 08 5 PROTOCOLO PENDENTE. 10 6 CONFIRMAÇÃO DE RECEBIMENTO.

ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO. 04 2 ACESSO. 05 3 ABERTURA DE PROTOCOLO. 06 4 CONSULTA DE PROTOCOLO. 08 5 PROTOCOLO PENDENTE. 10 6 CONFIRMAÇÃO DE RECEBIMENTO. ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 04 2 ACESSO... 05 3 ABERTURA DE PROTOCOLO... 06 4 CONSULTA DE PROTOCOLO... 08 5 PROTOCOLO PENDENTE... 10 6 CONFIRMAÇÃO DE RECEBIMENTO... 11 7 ANDAMENTO DE PROTOCOLO... 12 8 RELATÓRIOS,

Leia mais

TUTORIAL FERRAMENTA DE PRÉ-AGENDAMENTO ONLINE. MAPLO

TUTORIAL FERRAMENTA DE PRÉ-AGENDAMENTO ONLINE. MAPLO TUTORIAL FERRAMENTA DE PRÉ-AGENDAMENTO ONLINE. MAPLO Carta de Apresentação Prezados Parceiros, A Maplo traz uma inovação em seu atendimento, com o intuito de facilitar o processo de pré-matrícula em nossos

Leia mais

SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO

SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO SUAP Módulo Protocolo Manual do Usuário DTI DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SEÇÃO DE PROJETOS, SISTEMAS E PROCESSOS DE NEGÓCIO SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 1 1.1. ACESSO AO SISTEMA... 1 1.2. TELA INICIAL

Leia mais

MANUAL CADASTRO DO ADVOGADO

MANUAL CADASTRO DO ADVOGADO MANUAL CADASTRO DO ADVOGADO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE MATO GROSSO Dezembro 2011 Sumário BEM VINDO AO PJe... 3 1. Como o advogado deve se cadastrar... 4 1.1. Preenchendo o formulário... 4 1.2. Validação de

Leia mais

cartórios as funcionalidades disponíveis em todas as três Centrais de Informação (RCTO, CEP e CESDI) e servir como apoio nas ações diárias.

cartórios as funcionalidades disponíveis em todas as três Centrais de Informação (RCTO, CEP e CESDI) e servir como apoio nas ações diárias. MANUAL DO USUÁRIO - CARTÓRIOS VERSÃO 1.0 Objetivo: Este documento tem como objetivo apresentar aos usuários dos cartórios as funcionalidades disponíveis em todas as três Centrais de Informação (RCTO, CEP

Leia mais

e- SIC Manual do Cidadão

e- SIC Manual do Cidadão e- SIC Manual do Cidadão Sumário Introdução 3 O e-sic 4 Primeiro acesso 5 Cadastrando-se no e-sic 6 Acessando o e-sic 7 Funções do e-sic 8 Envio de avisos por e-mail pelo e-sic 9 Como fazer um pedido de

Leia mais

Cenários do CEL. Acessar ao sistema

Cenários do CEL. Acessar ao sistema Cenários do CEL Acessar ao sistema Permitir que o usuário acesse ao Sistema de Léxicos e Cenários nas seguintes condições: logando-se, quando já estiver cadastrado; ou incluindo usuário independente, quando

Leia mais

Manual do Sistema. SMARsa. Módulo WEB

Manual do Sistema. SMARsa. Módulo WEB Manual do Sistema SMARsa Módulo WEB Notas da Atualização do Manual Na versão 4.1 deste manual consta: 1º. Aguardando Recebimento: Adicionado o campo de digitação do numero de remessa para o recebimento.

Leia mais

Ferramenta de Pré-agendamento Online Tutorial de Utilização para Usuários TUTORIAL P R É A G E N D A M E N T O O N L I N E.

Ferramenta de Pré-agendamento Online Tutorial de Utilização para Usuários TUTORIAL P R É A G E N D A M E N T O O N L I N E. TUTORIAL P R É A G E N D A M E N T O O N L I N E. P á g i n a 1 26 Carta de Apresentação Prezados Parceiros, A SEED Business Group traz uma inovação em seu atendimento, com o intuito de facilitar o processo

Leia mais

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 2014 Manual Laboratório ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Acesso ao Sistema... 2 Menu Cadastros... 4 Cadastro de usuários... 4 Inclusão de Novo Usuário... 5 Alteração de usuários...

Leia mais

MANUAL SOLICITAÇÃO DE COMPRAS IMPLANTAÇÃO COMPRAS

MANUAL SOLICITAÇÃO DE COMPRAS IMPLANTAÇÃO COMPRAS MANUAL SOLICITAÇÃO DE COMPRAS IMPLANTAÇÃO COMPRAS Manual de Solicitação de Compras 1 SUMÁRIO Acesso ao SIE:... 2 1. Acesso à tela de Solicitação de Compras... 3 2. Abrir nova Solicitação de Compras...

Leia mais

Presskit Guia Rápido. Release 2.0. Presskit

Presskit Guia Rápido. Release 2.0. Presskit Presskit Guia Rápido Release 2.0 Presskit 06/07/2009 Sumário 1 Login 2 Login e Senha...................................... 2 Esqueci minha senha.................................. 2 Fale Com o Suporte...................................

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

REMOÇÃO 2015 MANUAL DE DESISTÊNCIA

REMOÇÃO 2015 MANUAL DE DESISTÊNCIA REMOÇÃO 2015 MANUAL DE DESISTÊNCIA Versão 05/05/2015 SUMÁRIO ACESSANDO O SISTEMA... 03 VISUALIZANDO A SOLICITAÇÃO... 05 DEMONSTRATIVO DAS VAGAS... 06 DESISTÊNCIA DA REMOÇÃO... 08 IMPRIMIR PROTOCOLO...

Leia mais

Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Instituto Ambiental do Paraná. Funções do Módulo Requerimento de Mudas Nativas

Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Instituto Ambiental do Paraná. Funções do Módulo Requerimento de Mudas Nativas Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos Instituto Ambiental do Paraná SGA Sistema de Gestão Ambiental Manual do Usuário Funções do Módulo Requerimento de Mudas Nativas Outubro 2014 Equipe: CELEPAR

Leia mais

Infância e e Juventude - Cadastros do CNJ

Infância e e Juventude - Cadastros do CNJ Infância e e Juventude - Cadastros do CNJ Juventude Cadastros do CNJ A experiência prática do TJ PE Poder Coordenadoria Judiciário da Infância e Juventude de PE Coordenadoria da Infância e Juventude 1

Leia mais

CADASTRO DE INSTITUIÇÕES E USUÁRIOS - NOTIVISA PERGUNTAS FREQUENTES

CADASTRO DE INSTITUIÇÕES E USUÁRIOS - NOTIVISA PERGUNTAS FREQUENTES CADASTRO DE INSTITUIÇÕES E USUÁRIOS - NOTIVISA PERGUNTAS FREQUENTES 01. Como cadastrar uma... 2 02. Quem é o Responsável Legal de uma... 2 03. Como associar o Responsável Legal a uma... 2 04. Como Desassociar

Leia mais

Resumo das funcionalidades

Resumo das funcionalidades Resumo das funcionalidades Menu MENU Dados Cadastrais Atualizar Cadastro Troca Senha Grupo Usuários Incluir Atualizar Funcionários Incluir Atualizar Atualizar Uso Diário Importar Instruções Processar Status

Leia mais

Sistema de Prestação de Contas Siprec

Sistema de Prestação de Contas Siprec Sistema de Prestação de Contas Siprec Manual de Utilização Perfil Beneficiário Versão 1.3.4 Agosto de 2013 1 SUMÁRIO Manual do Usuário... 3 1. Objetivo do manual... 3 2. Sobre o sistema... 3 3. Quem deve

Leia mais

Poder Judiciário e órgãos da Administração Pública

Poder Judiciário e órgãos da Administração Pública Poder Judiciário e órgãos da Administração Pública A Central Nacional de Indisponibilidade é um sistema que integra ordens judiciais e administrativas sobre indisponibilidade de bens. Para acessar a Central

Leia mais

INFOJUD Informações ao Judiciário. Como Utilizar o Infojud (Dezembro / 2011)

INFOJUD Informações ao Judiciário. Como Utilizar o Infojud (Dezembro / 2011) INFOJUD Informações ao Judiciário Como Utilizar o Infojud (Dezembro / 2011) O Infojud - Sistema de Informações ao Judiciário - permite aos órgãos da Justiça fazer requisições judiciais de informações protegidas

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO

Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Sistema Integrado de Gerenciamento ARTESP MANUAL DO USUÁRIO SIGA EXTRANET - FRETAMENTO Versão 1.0 Julho/2012 ÍNDICE 1 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO... 4 1.1 Equipamento e Sistemas Operacionais 4 1.1.1

Leia mais

Consultório On-line. Tudo o que você precisa em um só lugar.

Consultório On-line. Tudo o que você precisa em um só lugar. Índice 1) Acesso ao sistema 2) Recepção do paciente 3) Envio do atendimento para faturamento: consulta médica ou procedimentos simples 4) Envio do atendimento para faturamento: procedimentos previamente

Leia mais

Manual Xerox capture EMBRATEL

Manual Xerox capture EMBRATEL Manual Xerox capture EMBRATEL Versão 2 Junho/2011 Tópicos 1) Instalação do Xerox Capture 2) Utilização do Xerox Capture 2.1) Capturar pacotes de imagens pelo scanner 2.2) Importar pacote de imagens a partir

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ PROJUDI REFORMULAÇÃO DE CUMPRIMENTOS - MANDADOS

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ PROJUDI REFORMULAÇÃO DE CUMPRIMENTOS - MANDADOS TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ PROJUDI REFORMULAÇÃO DE CUMPRIMENTOS - MANDADOS 2 SUMÁRIO SEÇÃO 1 - FLUXO DAS VARAS QUE NÃO POSSUEM CENTRAL DE MANDADOS... 03 1. CUMPRIMENTOS (PERFIS DE ANALISTA E TÉCNICO

Leia mais

GUIA ORIENTAÇÕES AOS CARTÓRIOS SOBRE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GERID: MÓDULOS GID E GPA

GUIA ORIENTAÇÕES AOS CARTÓRIOS SOBRE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GERID: MÓDULOS GID E GPA GUIA ORIENTAÇÕES AOS CARTÓRIOS SOBRE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA GERID: MÓDULOS GID E GPA 28/07/2015 COORDENAÇÃO-GERAL DE ADMINISTRAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE SEGURADOS - CGAIS Divisão de Integração de Cadastros

Leia mais

Projeto SIGA-EPT. Manual do usuário Módulo Requisição de Almoxarifado SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO ACADÊMICA

Projeto SIGA-EPT. Manual do usuário Módulo Requisição de Almoxarifado SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO ACADÊMICA Projeto SIGA-EPT Manual do usuário Módulo Requisição de Almoxarifado SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO ACADÊMICA Versão setembro/2010 Requisição de Almoxarifado Introdução Requisição é uma solicitação feita

Leia mais

CARTILHA CONTROLE ELETRÔNICO DA SITUAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

CARTILHA CONTROLE ELETRÔNICO DA SITUAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE CARTILHA CONTROLE ELETRÔNICO DA SITUAÇÃO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Aracaju-SE, junho de 2015 1 SUMÁRIO I - APRESENTAÇÃO... 3 II - PROCEDIMENTO NO SISTEMA INFORMATIZADO... 3 III - DO REGISTRO DA SITUAÇÃO

Leia mais

Manual do Usuário Cidadão SIC Serviço de informação ao cidadão

Manual do Usuário Cidadão SIC Serviço de informação ao cidadão Manual do Usuário Cidadão SIC Serviço de informação ao cidadão NOVOSIS 3ª Versão Conteúdo Introdução... 3 Principais recursos:... 4 Para o cidadão:... 4 Para os órgãos públicos:... 4 Como Utilizar o SIC...

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo SISRH

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo SISRH Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo SISRH Sistema de Gestão de Pessoas Versão 2.0a Manual de Operação

Leia mais

Manual Passo a Passo

Manual Passo a Passo Manual Passo a Passo 2015 ACESSO SELEÇÃO DE RA SELEÇÃO DO PRODUTO CARRINHO DE COMPRAS FECHAR PEDIDO ENDEREÇO DE ENTREGA TIPO DE FRETE INFORMAÇÃO DE PAGAMENTO PAGAMENTO CARTÃO DE CRÉDITO PAGAMENTO BOLETO

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões URI Pró-Reitoria de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação PROPEPG Manual de Utilização Sistema de Projetos URI Módulo Projetos Versão 1 - Revisão

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF APLICATIVO DE FORMULÁRIOS GUIA DE NAVEGAÇÃO PERFIL MUNICÍPIO Versão do Guia: 1.1 Brasília, DF Abril de 2011 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Tribunal Regional Federal da 1 a Região

Tribunal Regional Federal da 1 a Região Tribunal Regional Federal da 1 a Região Sistema de Transmissão Eletrônica de Atos Processuais e-proc Manual do Usuário 1 1. Disposições Provisórias O Sistema de Transmissão Eletrônica de Atos Processuais

Leia mais

Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA

Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA Sistema de Controle de Bolsas e Auxílios - SCBA Manual de Utilização Perfil Beneficiário 1. 2. Objetivo do Manual... 2 Siglas e Abreviações... 2 3. Perfil do Usuário... 2 4. Descrição Geral do Sistema...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE CREDENCIADOS - SGC MANUAL DO CANDIDATO

SISTEMA DE GESTÃO DE CREDENCIADOS - SGC MANUAL DO CANDIDATO MANUAL DO CANDIDATO Para participar do processo de credenciamento, acesse o site do Sebrae/SC em www.sebrae-sc.com.br, clique em Soluções deste Estado e depois clique em Seja consultor e/ou instrutor.

Leia mais

Guia Rápido para Acesso, Preenchimento e Envio Formulário de Cadastro da Empresa e Formulário de Projeto

Guia Rápido para Acesso, Preenchimento e Envio Formulário de Cadastro da Empresa e Formulário de Projeto EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA MCTI/AEB/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação Transferência de Tecnologia do SGDC 01/2015 Transferência de Tecnologia Espacial no Âmbito do Decreto nº 7.769 de 28/06/2012

Leia mais

Orientações para os procedimentos de cadastro e inscrição em nosso site.

Orientações para os procedimentos de cadastro e inscrição em nosso site. Orientações para os procedimentos de cadastro e inscrição em nosso site. Atenção: Os dados que aparecem nas imagens abaixo, são meramente ilustrativos, naturalmente os dados que devem ser visualizados,

Leia mais

E-CNJ PROCESSO ELETRÔNICO

E-CNJ PROCESSO ELETRÔNICO E-CNJ PROCESSO ELETRÔNICO MANUAL DE PETICIONAMENTO DO ADVOGADO Versão 1.0 1 ÍNDICE 1. ACESSO AO SISTEMA... 3 2. CADASTRO DE ADVOGADOS... 4 3. TELA DE LOGIN DO E-CNJ:... 7 4. PETICIONAMENTO NO SISTEMA E-CNJ...

Leia mais

Passo a Passo do Cadastro Empresas no SIGLA Digital

Passo a Passo do Cadastro Empresas no SIGLA Digital Página 1 de 7 Passo a Passo do Cadastro Empresas no SIGLA Digital O cadastro de Empresas permite cadastrar quais empresas estarão configuradas para utilizar o SIGLA Digital. Caso necessário cadastrar uma

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE TRIBUTAÇÃO M A N U A L D A NOTA FISCAL AVULSA ÍNDICE 1. Acesso ao Portal do Sistema...6 2. Requerimento de Acesso para os novos usuários...6 2.1 Tipo

Leia mais

manual Sistema de Gestão de Contribuições

manual Sistema de Gestão de Contribuições manual Sistema de Gestão de Contribuições Conteúdo 1. Login 4 2. Home 5 3. Informações básicas 3.1. Menus 6 3.2. Números e status 7 3.3. Ações 8 4. Ambientes da ferramenta 4.1. Sindicato 13 4.2. Empresas

Leia mais

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico)

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico) Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular Manual do sistema (Médico) ÍNDICE 1. O sistema... 1 2. Necessidades técnicas para acesso ao sistema... 1 3. Acessando o sistema...

Leia mais

CADASTRO DE INSTITUIÇÕES E ACESSO AO SISTEMA CANAIS PERGUNTAS FREQUENTES

CADASTRO DE INSTITUIÇÕES E ACESSO AO SISTEMA CANAIS PERGUNTAS FREQUENTES Agência Nacional de Vigilância Sanitária CADASTRO DE INSTITUIÇÕES E ACESSO AO SISTEMA CANAIS PERGUNTAS FREQUENTES Brasília, 27 de setembro de 2011 www.anvisa.gov.br Página 1 de 8 CADASTRO DE INSTITUIÇÕES

Leia mais

PASSO A PASSO SISTEMA DE REQUISIÇÃO ON-LINE

PASSO A PASSO SISTEMA DE REQUISIÇÃO ON-LINE PASSO A PASSO SISTEMA DE REQUISIÇÃO ON-LINE ABRIL, 2008 Atualizado em: 06/04/2008 17:24 1 Índice Acessando o sistema... 3 Efetuando login no sistema... 5 Página principal... 6 Criando a requisição... 7

Leia mais

Manual Cadastro Completo

Manual Cadastro Completo Manual Cadastro Completo Índice 1. Objetivo... 3 2. O Projeto e-suprir... 3 3. Fluxo do Processo de Cadastro... 3 4. Cadastro Simples... 4 5. Recebendo Usuário e Senha... 7 6. Cadastro Completo... 7 7.

Leia mais

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação

Manual do Sistema de Almoxarifado P á g i n a 2. Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição. Núcleo de Tecnologia da Informação Divisão de Almoxarifado DIAX/CGM/PRAD Manual do Sistema de Almoxarifado Módulo Requisição Versão On-Line Núcleo de Tecnologia da Informação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Manual do Sistema

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE CREDENCIADOS - SGC MANUAL DO CANDIDATO CREDENCIADOS. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br

SISTEMA DE GESTÃO DE CREDENCIADOS - SGC MANUAL DO CANDIDATO CREDENCIADOS. 0800 570 0800 / www.sebrae.com.br SISTEMA DE GESTÃO DE - SGC MANUAL DO CANDIDATO SISTEMA DE GESTÃO DE - SGC PESSOA JURÍDICA SISTEMA DE GESTÃO DE - SGC Identificação do Edital Para fazer a inscrição, o candidato (Representante Legada da

Leia mais

CADASTRAMENTO ÚNICO VERSÃO 7.3 INCLUSÃO E MANUTENÇÃO DE USUÁRIOS

CADASTRAMENTO ÚNICO VERSÃO 7.3 INCLUSÃO E MANUTENÇÃO DE USUÁRIOS CADASTRAMENTO ÚNICO VERSÃO 7.3 INCLUSÃO E MANUTENÇÃO DE USUÁRIOS Para a prefeitura foi definido dois tipos de usuários: Usuário máster e Usuário Final. O cadastramento para acesso ao CadÚnico V7 é feita

Leia mais

Guia Site Empresarial

Guia Site Empresarial Guia Site Empresarial Índice 1 - Fazer Fatura... 2 1.1 - Fazer uma nova fatura por valores de crédito... 2 1.2 - Fazer fatura alterando limites dos cartões... 6 1.3 - Fazer fatura repetindo última solicitação

Leia mais

Portal Contador Parceiro

Portal Contador Parceiro Portal Contador Parceiro Manual do Usuário Produzido por: Informática Educativa 1. Portal Contador Parceiro... 03 2. Acesso ao Portal... 04 3. Profissionais...11 4. Restrito...16 4.1 Perfil... 18 4.2 Artigos...

Leia mais

Manual de Utilização Portal de Serviços do Inmetro nos Estados - PSIE

Manual de Utilização Portal de Serviços do Inmetro nos Estados - PSIE Manual de Utilização Portal de Serviços do Inmetro nos Estados - PSIE Sumário PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ETIQUETAS DE REPARO...3 Figura 1.0...3 Figura 2.0...4 Figura 3.0...5 Figura 4.0...5 1. Proprietário

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA CADASTRO DE AÇÃO DE EXTENSÃO DO LOGIN AO FORMULÁRIO DE CADASTRO... 3

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA CADASTRO DE AÇÃO DE EXTENSÃO DO LOGIN AO FORMULÁRIO DE CADASTRO... 3 TUTORIAL SIEX ORIENTAÇÕES GERAIS PARA CADASTRO DE AÇÃO DE EXTENSÃO DO LOGIN AO FORMULÁRIO DE CADASTRO... 3 1. Como acessar ao formulário de inscrição de proposta... 3 2. Quais os passos de preenchimento

Leia mais

Portal dos Convênios SICONV. Execução Cotação Eletrônica de Preços. Entidades Privadas sem Fins Lucrativos. Manual do Usuário

Portal dos Convênios SICONV. Execução Cotação Eletrônica de Preços. Entidades Privadas sem Fins Lucrativos. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios SICONV Execução Cotação Eletrônica de Preços

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura MANUAL DO PROPONENTE: PROPOSTAS VERSÃO 1.1 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 10/11/2011 1.0 Criação do documento. Aline Oliveira - MINC 07/01/2013 1.1 Atualização do

Leia mais