UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA UNISUL PROF. EDSON THIZON EDUCAÇÃO ORACLE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA UNISUL PROF. EDSON THIZON EDUCAÇÃO ORACLE"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA UNISUL PROF. EDSON THIZON EDUCAÇÃO ORACLE Oracle Forms Designer Parte 5 Forms Builder

2 1 OPERAÇÕES BÁSICAS Acessando Oracle Forms Designer Abrindo o Oracle Forms Designer Duplo Clique no ícone do Oracle Forms 6; Escolher a opção Arquivo/Executar no menu principal do Windows: Na caixa de diálogo digite a linha de comando: c:\<oracle_home>\bin\ifbld60.exe. Onde <ORACLE_HOME> é o diretório raiz do Oracle.

3 2 Conectando-se ao Banco de Dados Oracle Utilizar o comando File/Connect do menu do Oracle Forms Designer; Na janela de conexão, Digitar um usuário e senha Oracle válidos; Pressionar o botão Connect.

4 3 Abandonando o Oracle Forms Designer Utilizar o comando File/Exit do menu do Oracle Forms Designer; Duplo-Clique no botão de controle no canto superior esquerdo da janela; Pressione <Alt + F4>. Exercício 1 Entre no Oracle Forms Designer usando as diversas formas aprendidas. Depois, conecte-se ao banco e abandone o form, usando as diversas opções vistas.

5 4 Gerenciamento de Módulos Formatos de Arquivos de Módulo. Módulos são componentes gerenciados pelo Oracle Forms 6. Um conjunto de um ou mais módulos com mesmo objetivo de uma aplicação. Veja abaixo a tabela dos diversos tipos de módulos e seus arquivos correspondentes: Módulo Form(Telas) Menus Libraries(Bibliotecas) Arquivos Gerados.FMB: Arquivo fonte binário de uma tela:.fmx: Arquivo executável binário de uma tela..fmt: Arquivo texto ASCII correspondente a uma tela..mmb: Arquivo fonte binário de um menu;.mmx: Arquivo executável binário de um menu;.mmt: Arquivo texto ASCII correspondente a um menu..pll: Arquivo fonte binário de uma Biblioteca;.LIB: Arquivo executável de uma Biblioteca;.PLD: Arquivo texto ASCII correspondente a uma Biblioteca. Acesso à Módulos. Os módulos do Oracle Forms podem ser acessados tanto no diretório de seu disco, através de arquivos, como no banco de dados Oracle ao qual o Oracle Forms está conectado. Veja abaixo o esquema de funcionamento do acesso a módulos no Oracle Forms: Banco de Dados Oracle Diretório *.FMB, *.FMX *.FMT, *.MMB *.LIB, *.PLL, etc. Para se efetuar o salvamento ou leitura de módulos o Oracle Forms precisa saber onde ler e gravar o referido módulo. O Oracle Forms permite a leitura e gravação dos módulos nos

6 diretórios do seu disco, em formatos de arquivos, ou no banco de dados Oracle. Isto pode ser definido pelo desenvolvedor na tela Preferences do Oracle Forms Designer. 5

7 6 Abrindo um Módulo Quando o Oracle Forms Designer é carregado, ele automaticamente cria um novo módulo, normalmente chamado module 1. Para abrir outro módulo, utiliza-se o comando File/Open do menu o Oracle Forms, ou pressionando-se <CTRL> + O;

8 7 Salvando um Módulo. Os módulos podem ser salvos tanto no diretório quanto no banco de dados. Para alterar o nome ou o local de armazenamento de um módulo posteriormente, use o comando File/Save As. Se, dentro da janela de filtro, for escolhido destino Database, aparecerá uma janela específica para salvamento de módulos de banco de dados.

9 8 Outras Operações com Módulos. A tabela abaixo exibe outras operações, menos utilizadas, que podem ser realizadas com os módulos. Operação Comando Descrição Excluir Módulos. File/Administration/Delete Exclui um módulo que foi previamente gravado no banco de dados. Para excluir módulos que foram gravados no diretório, utilize comandos específicos do sistema operacional. Renomear Módulos File/Administration/Rename Renomeia um módulo que foi previamente gravado no banco de dados. Para renomear módulos que foram gravados no diretório, utilize comandos específicos do sistema operacional. Reverter o módulo para a última versão salva. File/Revert Convertendo um Modulo para o Formato Texto ASCII Carrega a ultima versão do módulo salva, no banco de dados, desconsiderando a versão atual. Os arquivos fonte do Oracle Forms, com extensão FMB, são gravados em formato binário, portanto, de difícil leitura. Para criar uma versão texto (FMT) de um arquivo fonte do Oracle Forms, use o comando File/Administration/Convert. A janela de conversão de arquivos irá aparecer:

10 9 Basta digitar o nome do arquivo FMB a ser convertido e clicar no botão Convert. O Oracle Forms irá gerar um arquivo FMT, do tipo ASCII. O Oracle Forms Designer não consegue abrir arquivos FMT. Portanto, antes de abrir um destes arquivos, converta-o para o formato FMB, usando o comando File/Administration/Convert e alterando o Direction para Text-to-Binary. Gerando um Modulo para Execução Antes que os módulos possam ser executados, e, portanto, utilizados pelos usuários, eles devem passar por um processo que se chama Geração. Durante a geração, o código é compilado e o módulo é validado e preparado para ser executado através do componente RunForm, do Oracle Forms. Quando um módulo é gerado, ele sempre cria um arquivo FMX, com o mesmo nome do módulo. Este arquivo não pode ser executado sem o auxilio RunForm. Para gerar um módulo, pode-se utilizar o comando File/Administration/Object List Report Executando um Modulo previamente Gerado Para executar um módulo que já foi gerado, utilize o comando Program/Run Form/Client Server: O comando File/Run na verdade, apenas realiza uma chamada ao Run/ Form, que executa o arquivo FMX correspondente ao módulo gerado.

11 10 Fechando um Modulo Para fechar um módulo aberto, utiliza-se o comando File/Close do menu Oracle Forms Designer, ou pressiona-se <Ctrl> + W. Exercício 2 1 Entre no Oracle Forms Designer, connecte-se ao banco e abra, do seu diretório, o form PEDIDOS. 2 Salve o form PEDIDOS no banco de dados, usando seu usuário. 3 Converta o form para texto ASCII e verifique o arquivo gerado. 4 Renomeie o Forms PEDIDO, no banco, para o nome de seu usuário Oracle. 5 Finalmente exclua o form do banco de dados e salve o novamente no diretório. 6 Faça a geração e a execução do form PEDIDOS.

12 11 Operando uma Aplicação no Oracle Forms Este capítulo nos dará uma idéia de como o usuário final irá trabalhar em uma aplicação desenvolvida em Oracle Forms Designer. Para estudar este capítulo, por favor faça o último exercício da lição anterior. Barra de Status A barra de status é uma área, no rodapé da tela onde o usuário pode verificar o estado de sua aplicação e receber mensagens de aviso ou de erro. Local destinado as mensagens de aviso ou de erro. Indica que uma lista de valores está disponível para o item. Indica que o Forms está em modo de pesquisa. Exibe o número de registros recuperados e exibidos da última pesquisa. Esta área esta dividida em duas linhas: - Linha de mensagens: Onde são exibidas todas as mensagens necessárias; - Linha de Status: Onde aparece as informações sobre a tela. A janela de Ajuda de Teclas Dentro do Oracle Forms, todas as funções são executadas através de teclas específicas; Para saber quais teclas executam quais funções, usam-se a tecla [Show Keys] ou ctrl+f1, ou o comando Help/keys no menu. Figura: Comando Help/keys no menu do Forms gerado.

13 12 Figura: Janela de ajuda de teclas. Algumas Teclas de Funções Comuns [Cancel/Exit] [Commit/Accept] [Down] [Edit] [Enter Query] [Execute Query] [Help] [Left] [List] [Menu] [Next Block] Cancela a operação corrente; Executa no banco de dados todas as alterações feitas na tela desde o último [Commit] ou [Rollback]; Move o cursor para o próximo registro, mantendo-o no item corrente. Se o cursor estiver em um item multi-line, [Down] simplismente desloca o cursor dentro do item. Se o próximo registro for um novo registro, o cursor é colocado no primeiro item do registro. Exibe uma janela onde o usuário pode digitar textos muito longo para um determinado item. Limpa o bloco corrente e permite ao operador inserir critérios de busca para acesso ao banco de dados. Limpa o bloco corrente e recupera do banco de dados todos os registros referenciados pelo bloco. Exibe uma breve mensagem (Hint) para o item na linha de mensagens. Se alguma mensagem já estiver lá, será ativada uma janela com informações adicionais. Move o cursor um caractere para a esquerda. Ativa a lista de valores, se houver alguma disponível no item corrente. Ativa o menu, se houver algum disponível. Move o cursor para o próximo bloco que contenha pelo menos um item com a propriedade insert habilitada. A seqüência campos pode ser definida pelo desenvolvedor.

14 13 [Next Item] [Next Record] [Previous Block] [Previous Item] [Previous Record] [Right] [Show Keys] [UP] Move o cursor para o próximo item do registro corrente conforme seqüência estabelecida pelo desenvolvedor. Move o cursor para o próximo registro no bloco corrente, se não houverem mais registros, um novo registro é criado. Move o cursor para o bloco anterior que contenha pelo menos um item com a propriedade insert habilitada. Move o cursor para o item anterior dentro do registro corrente, conforme seqüência estabelecida pelo desenvolvedor. Move o cursor para o registro anterior dentro do bloco corrente. Move o cursor um caractere para a direita. Exibe a janela de ajuda de teclas para o seu terminal. Move o cursor para o mesmo item do registro anterior. Se o cursor estiver em um item multi-line, [UP], apenas irá navegar entre os caracteres do item. Navegação Veja a figura abaixo, alguns elementos que compõe o esquema de navegação do Oracle Forms(RunForm): Exclusão Inclusão Pesquisa As quatro operações básicas em Oracle Forms Inclusão Exclusão Pesquisa Alteração Basta digitar [Create Record] ou navegar até o ultimo registro de um bloco. Quando o cursor entra no bloco, o primeiro registro é o ultimo registro. Digita-se [Delete Records] Digitando-se [Enter Query], o form entra no módulo de pesquisa, chamado Query Mode, onde tudo o que for digitado é interpretado como parâmetros de pesquisa. O usuário pode executar pesquisas avançadas com o form no modo Query Mode, digitando & em algum campo da tela. Para executar uma busca, digite [Execute Query] Basta modificar o valor dos campos recuperados em uma Query.

15 14 Quaisquer das operações acima iniciam um processo de transação Oracle (Se este ainda não existir). As operações somente serão confirmadas no banco de dados quando o usuário pressionar o botão save. Para abandonar o Oracle Forms(RunForm), pressione o botão sair. A Lista de Valores Lista de valores é um objeto que permite aos usuários a visualização de todos os valores validos para o campo, através de uma query(comando SELECT) no banco ou uma lista estática. Para acessar a lista, usa-se [List]. Consiste de uma janela dimensional onde aparecem valores válidos de um campo e de uma barra de rolagem, que permite a escolha do valor adequado para o item. Campo de Pesquisa: Permite pesquisar registro com base nos valores da primeira coluna do Record Group. Digitando-se os caracteres iniciais do valor a ser encontrado; Navegando até o campo Find, digitando a mascara e clicando o botão Find.

16 15 Editor de Textos Para editar campos muito longos, o Oracle Forms permite o uso de um editor de textos. Para acessar o editor, utiliza-se [Edit]. O editor consiste de uma janela dimensionável com uma área onde pode visualizar e editar melhor o texto. No rodapé da janela, existem botões para confirmar ou recusar alterações feitas no texto.

17 16 Transações Oracle Gerenciadas Pelo Oracle Forms Dentro do Oracle Forms, podem ser geradas transações Oracle, de acordo com as operações realizadas com os dados na tela. A figura abaixo ilustra melhor a geração de transações Alterações Comandos DML eventuais durante a transação. Os registros alterados durante a transação são automaticamente travados no banco. Inicio da Transação Query for update, Inserção, alteração ou Exclusão de registros. Fim da Transação Commit ou Rollback (clear Form). Neste ponto, os registros travados no banco são liberados. Dentro do Oracle Forms, se dois usuários alterarem o mesmo registro, o que alterou primeiro conseguirá travar o registro e executar a operação. Quando o segundo usuário tentar confirmar (commit) a operação, ele receberá uma mensagem informando que o registro foi alterado por outro usuário.

18 17 INICIANDO O DESENVOLVIMENTO DE UMA APLICAÇÃO Estrutura do Oracle Forms Designer O desenvolvimento de programas(módulos) em Oracle Forms Designer 6.0, é feito utilizandose algumas ferramentas que permitem a edição e manipulação dos objetos implementados nos programas. As ferramentas disponíveis no Oracle Forms Designer são: Object Navigator O object navigator mostra os objetos de todos os módulos abertos, de forma hierárquica. Por exemplo, todas as windows definidas no módulo form estarão subordinadas ao título windows no Object Navigator. Os títulos dos níveis mais elevados no Object Navigator é formado por Forms, Menus, Libraries, Built-in packages e Database Objects. Com o object navigator é possível executar as seguintes operações: - Expandir e agrupar objetos para a sua localização; - Selecionar objetos; - Copiar e Mover Objetos, inclusive entre módulos - Localizar objetos rapidamente utilizando o campo FIND; - Visualizar rapidamente o código fonte associado aos objetos trigger, procedures e funções.

19 18 Properties Windows A janela de propriedades (property Palette) do Oracle Form Designer, é onde será possível definir as propriedades dos objetos existentes nos módulos. Por Default, a janela do object navigator está sincronizada com a janela de propriedades, isto é, sempre que seleciona-se um objeto no object navigator, a janela de propriedades apresenta as propriedades do objeto selecionado. Para ativar a janela de propriedades utilize a opção <Properties Palette...> do menu <Tools>, ou com um duplo clique sobre o nome do objeto desejado no Object Navigator, ou ainda pressionando a tecla F4. Quando as informações da propriedade são mais complexas aparece o botão more no cabeçalho da janela.

20 19 Layout Editor O Layout Editor é uma interface gráfica, que permite a visualização, edição e distribuição dos objetos no canvas-view. Por default, a janela do layout editor esta sincronizada com a janela do object navigator e properties windows, desta forma, sempre que seleciona-se um objeto no layout editor este objeto será selecionado no object navigator e terá suas propriedades apresentada na janela de propriedades.

21 20 PL/ SQL Editor O PL/SQL editor é um editor de texto que possibilita a programação e compilação do código fonte associado ao objeto. O código dos objetos incluem triggers, funções, procedures, packages e comandos de itens de menu.

22 21 Definindo um Módulo Definindo Propriedades de um Módulo A janela de propriedades mostra as informações necessárias para a identificação do módulo. Possibilitando a definição e alteração dessas propriedades. Principais propriedades dos Módulos Name O nome do módulo. First Navigation Data Block Validation Unit A unidade de validação Mouse Navigation padrão entre Default, Limit Form, Block, Record e Item Title Coordinate System Titulo que será mostrado no topo da janela do objeto. Define a unidade de trabalho do módulo Forms. Que pode ser em caracter ou real. Para real a unidade pode ser Pixels, centimeters, inch e poits. Menu Module O nome do primeiro bloco navegável do form. O escopo onde é permitido navegar com o mouse. Pode ser Form, Block, Record e Item. Indica qual o módulo do tipo menu que está associado ao módulo form corrente.

23 22 Blocos Blocos são objetos do Oracle Forms que tem a mesma funcionalidade que uma tabela do banco de dados. O Oracle Forms permite a associação direta de um bloco a uma tabela do banco de dados. Neste caso, as operações sobre a tabela são associadas diretamente às operações realizadas no bloco. Cada bloco pode conter vários ou nenhum registro. Cada registro deve conter pelo menos um item. Propriedades de um bloco Uma vez criado o bloco o refinamento é feito utilizando a janela de propriedades e o Layout Editor, do Oracle Forms Designer.

24 23 Principais Propriedades do Bloco Name O nome do bloco Maximum Records Quantidade de Fetched registros trazidas do banco em cada leitura. Number of Records Quantidade mínima Insert, Update, Indicam, buffered de registros delete e Query respectivamente, que buferizados na allowed os registros pode ser memória durante criados, atualizados, uma query do bloco. deletados /ou pesquisados no bloco. Show scroll bar Indica se o bloco tem Scroll bar canvas Especifica em qual ou não uma barra de canvas-view deverá rolagem, pode ser aparecer a barra de TRUE ou FALSE. rolagem. Clicando o flag horizontal, a barra fica horizontal. Number of Records Quantidade de Record Orientation Permite exibir os displayed registros visíveis ao registros na direção mesmo tempo na horizontal ou tela. vertical. Next Navigation Próximo bloco Previous Navigation Bloco anterior na data block navegável dentro do Data block seqüência de form. navegação form. Scroll bar Especifica se o scroll Where clause Define a cláusula orientation bar do bloco deve ser mostrado where padrão para consultas executadas horizontalmente ou no bloco. verticalmente. Order by clause Define a cláusula order by padrão para consultas executadas no bloco.

25 24 Barra MDI Barras MDI são barras de ferramentas que serão utilizadas como default em uma janela pai. Para editar uma barra MDI selecione Canvas-views e edit o objeto toolbar. Figura: Edição da barra de ferramentas. Figura: Layout gráfico da barra de ferramentas

26 25 Layout Gráfico O layout gráfico da tela pode ser visualizado com layout Editor do Oracle Forms Designer. Figura: Janela do layout editor, mostrando as barras de ferramentas disponíveis para criação, edição e formatação dos objetos existentes no canvas.

27 26 Ferramentas de criação de Layout Na barra de ferramentas vertical, do layout editor, estão disponíveis as ferramentas para criação, edição e formatação dos objetos do canvas. Descrita de cima para baixo, as princiapsi ferramentas disponíveis são: Itens da esquerda Selecionar objetos Zoom in ou Zoom out do layout da tela Desenhar retângulo Desenhar elipse Desenhar polígono Desenhar retângulo de cantos arredondados Criar label do tipo texto Criar item do tipo button Criar item do tipo radio button Criar item do tipo image Criar item do tipo OLE container Criar item do tipo list item Criar item do tipo árvore hierarquica Itens da direita Rotacionar objetos Redefinir o plano de objetos de desenho Desenhar linha Desenhar arco Desenhar linha polimórfica Desenhar figura de desenho a mão livre Criar item do tipo check box Criar item do tipo text item Criar item do tipo chart item Criar item do tipo VBX control Criar item do tipo display item Criar item do tipo sound item Criar item do tipo tab canvas Na barra de ferramentas existem três paletas de cores, apra definição da cores de fundo, contorno e texto. Sta definição pode ser visualizada na área definida logo acima destas paletas. No rodapé do layout editor existe uma linha de informações adicionais, na qual pode-se verificar o Zoom aplicado na visualização, a posião absoluta do ponteiro do mouse no canvas, a posição relativa de deslocamento, ângulo de rotação e tamanho dos objetos. Com as ferramentas descritas, mas a paleta de cores da barra de ferramentas vertical é possível selecionar, rotacionar, formatar cores de fundo, texto e contorno dos objetos no canvas.

28 27 Outras opções de formatação: Quando utiliza-se o layout editor, aparece no menu principal, as opções Format e Arrange, que também permitem a formatação de objetos selecionados no canvas. Figura: Menu Format com as opções disponíveis para formatação dos objetos. Font Justify Text Spacing Line width Bevel Dash Arrow Tipo de fonte Tipo de alinhamento do texto Espaçamento entre linhas de texto Espessura de linhas Efeito alto/baixo relevo Tipo de linha Tipo de setas Figura: Menu arrange com as opções disponíveis para formatação dos objetos.

29 28 As principais opções de formação do menu Arrange: Bring to front Send to back Move forward Move backward Align objects Repeat alignment Size objects Repeat sizing Group Ungroup Trazer para frente Enviar para tras Mover para frente Mover para tras Alinhar objetos Repetir ultimo alinhamento Tamanho objeto Repetir ultimo tamanho Agrupar objetos Desagrupar objetos

30 29 Objetos Trabalhando com objetos Listas de valores Listas de valores são janelas que permitem ao usuário visualizar os valores válidos para um item. As listas de valores pode ser ativadas automaticamente ou pelo usuário quando necessário. Toda lista de valores está vinculada a um record group, sendo possível criar várias listas de valores que utilizam o mesmo record group. O record group é automaticamente criado com o mesmo nome da lista de valores, utilizando o SQL informado no Query text. Após a confirmação da lista de valores deve-se adequar, entre ouras, a propriedade column mapping com valores aplicáveis ao contexto, do módulo. Normalmente os valores default da propriedade column mapping não atendem plenamente as necessidades do desenvolvedor.

31 30 Uma vez definida a LOV utilizando-se a janela de propriedades deve-se vincular a LOV ao item text. Para isto seleciona-se o item text no object navigator ou layout editor, e na janela de propriedades altera-se o valor da propriedade LOV, para o nome da LOV correspondente. Principais propriedades de uma LOV Name O nome da LOV X position A posição na horizontal em que a LOV aparecerá na tela Y position A posição na vertical em que a LOV aparecerá na tela Height Altura da janela da LOV Automatic display Indica se a LOV deve ser, ou não, exibida automaticamene quando o cursor entrar no campo Automatic skip Indica se o cursor deve ou não passar para o próximo item quando um valor da lista for escolhido Column mapping É um grupo de propriedades que identificam o tamanho, o título e o item de retorno das colunas da LOV. width Title Automatic refresh List type Record group Largura da janela da LOV Título da janela da LOV Indica se a query do record group associado á LOV deve ou não ser executada toda vez que a lista for aberta. Tipo da lista. Pode ser record group, query ou V2 style. Específica o nome do record group do qual derivam os valores da LOV.

32 31 Editores de texto Figura: A janela de propriedades para definição do editor de texto. Quando o item possui comprimento muito grande para aparecer na tela, o usuário muitas vezes pode desejar ver o texto de uma forma mais agradável. O Oracle Forms Designer permite que se defina um editor de textos para a edição de campos muito grandes. Para definir um editor personalizado, utiliza-se o object navigator aplicando os mesmos procedimentos gerais para criação de objetos no Oracle Forms Designer. Utilizando a janela de propriedades pode-se definir o editor de texto que melhor atenda as necessidades do desenvolvedor.

33 32 Principais propriedades de um editor Name Nome do editor X position Posição horizontal do editor na tela. Y position Posição vertical do editor Width Largura da janela do editor. na tela. Height Altura da janela do editor Title Título para a janela do editor. Bottom title Título do rodapé do editor Wrap style Tipo de quebra da linha. Pode ser Word, character ou none. Show vertical scroll bar Indica se uma barra de rolagem vertical estará ou não ressente no editor.

34 33 Records groups O records groups são os objetos que retornam um grupo de registros para serem visualizados em lista de valores. Como visto anteriormente a criação de uma lista de valores implica automaticamente na criação de um record group, corresponde a query informada. Nem sempre os record groups são criados a partir de lista de valores, podendo serem criados diretamente pelo desenvolvedor, utilizando o object navigator, para posterior vinculo á uma lista de valores. O record group pode ser um grupo de registros formado dos registros recuperados em uma query, informada na área indicada, ou por valores estáticos, constantes, informado pleo desenvolvedor, no momento da criação deste. Figura: A janela para definição dos valores estáticos do record groups. O record group formado com base em query normalmente são aqueles criados automaticamente a partir da criação de uma lista de valores, mas, nada impede que o desenvolvedor crie um record group a partir de uma query para posterior associação á uma lista de valores. Quando o record group é criado com valores estáticos o Oracle Forms Designer abre uma outra janela para que o desenvolvedor informe os valores que pertencerão ao record group.

35 34 Itens Trabalhando com itens Itens do tipo texto Os itens do tipo texto são aqueles onde o operador possui livre acesso a digitar quaisquer caracteres. São representados por uma caixa onde o operador digita o conteúdo. Pode-se criar itens do tipo texto através da janela object navigator, setando a propriedade type do item para text item, ou usam-se, na janela de definição de canvas, a ferramenta: A aparência dos campos do tipo texto em um canvas é, normalmente, a seguinte: Principais propriedades dos itens tipo texto: Name O nome do item Canvas Nome do canvas onde o item é mostrado. X position A posição do campo no canvas na horizontal Y position A posição do campo no canvas na vertical. Width Largura do campo Height Altura do campo Data type O tipo de dados do item Highest Valor mínimo para o allowed value conteúdo do campo Lowest allowed Valor máximo para o Justification O alinhamento do conteúdo value conteúdo do campo do campo Bevel O relevo do item. Pode ser Initial value O valor que será associado lowered (baixo), raised ao campo quando ele for (alto) ou none (sem criado relevo) Hint Mensagem qe aparece na Maximum Quantidade máxima de barra de mensagens length caracteres que podem ser quando o usuário inseridos no item pressiona [help] sobre o item Query lenght Database item Quantidade máxima de caracteres que podem ser inseridos no item em modo Enter query Indica que o item está associado a uma coluna da tabela (neste caso, o nome do item deve ser o mesmo da coluna) Copy value from item Displayed Outro item do form do qual o item corrente irá copiar o valor Indica que o item será exibido na tela.

36 35 Update allowed Indica que o item poderá ser atualizado Secure Insert allowed Enabled Automatic skip Indica que os caracteres inseridos no item devem aparecer como asteriscos (*) Indica que o item pode ser criado dentro do registro Indica que o item pode ser acessado com o mouse e teclado Indica que o cursor irá automaticamente para o campo seguinte quando atingir o final do item corrente Case restriction Indica que o parâmetro passado para uma query através do item não será comparado em relação ao aspecto maiúsculo/minúsculo Required Update only if null Show Vertical scroll bar Indica que o item não pode ser deixado em branco Somente permite atualização do item quando este for nulo Indica que, se o item for multi-line, haverá uma barra de rolagem anexa a ele. Propriedades adicionais dos itens tipo texto Display hint automatically Keep cursor position Primary key O valor true indica que a mensagem contida na propriedade hint irá aparecer automaticamente na tela. Indica que o cursor, ao voltar ao item, deve ser colocado na mesma posição em que estava quando saiu. Indica que o item faz parte da chave primária da tabela. Query allowed Indica que o item pode servir de parâmetro para um query Multi-line Lock record Keyboard Navigable Fixed lenght O item possui um formato que permite a edição simples de textos grandes Indica que o Oracle Forms deve tentar travar o registro no banco sempre que o item corrente for alterado Indica que o item pode ser navegável pelo teclado Indica que o comprimento total do item deve ser preenchido Case restriction Indica se os caracteres inseridos no item serão escoados em maiúsculas ou minúsculas. Format mask A máscara de formato para os itens, de acordo com regras definidas pelo Oracle.

37 36 Itens do tipo botão Os itens do tipo botão são objetos que, se clicados com o mouse produzem uma determinada ação. Pode-se criar itens do tipo botão através da janela object navigator, setando a propriedade type do item para button, ou usam-se, na janela de definição de canvas, a ferramenta: A aparência dos campos do tipo botão em um canvas é, normalmente, a seguinte: Figura: A janela de definição de itens, com type setado para button. Principais propriedades dos itens tipo botão Label Iconic Especifica o label que irá escrito dentro do botão. Indica que aparecerá um ícone dentro do botão. O ícone deve ser especificado na propriedade icon name Mouse navigate Indica que o foco será colocado sobre o botão quando ele for clicado. Itens do tipo caixa de verificação Estes itens consistem de um quadrado que, se clicado, exibe um X em seu interior, indicando que o item está ligado e, caso contrário, o item se torna desligado. Portanto, estes itens somente podem assumir 2 valores. Pode-se criar itens do tipo caixa de verificação através da janela object navigator, setando a propriedade type do item para check box, ou usam-se, na janela de definição de canvas, a ferramenta: A aparência dos campos do tipo caixa de verificação em um canvas é, normalmente, a seguinte: Principais propriedades dos ítens tipo check box

38 37 Value Checked Value Unchecked when when Valor que o item vai assumir se for ligado Valor que o item vai assumir se for desligado Check box mapping of other values Label Valor que o item vai assumir quando outro valor que não os dois anteriores aparecerem em uma query. Especifica o label que irá escrito ao lado do check box. Radio group e seus radio buttons Radio group é um item que representa vários elementos mutuamente exclusivos, chamados radio buttons. O usuário somente pode escolher um radio button entre os radio groups. Quando ele escolhe um, os outros são automaticamente desligados. Pode-se criar itens do tipo radio button através da janela object navigator, setando a propriedade type do item para radio group, ou usam-se, na janela de definição de canvas, a ferramenta: Para cada radio group pode-se definir mais de um radio button. A aparência dos campos do tipo radio button em um canvas é, normalmente, a seguinte: Principais propriedades dos itens tipo radio group Radio value button Os nomes dos radio buttons que compõem o radio group. Valor associado ao radio group se ele for escolhido. Itens do tipo lista Os itens do tipo lista são apresentados como uma caixa com uma seta do lado. Quando o usuário clica a seta, uma lista com os valores possíveis para o item são apresentadas e o usuário pode escolher uma. As listas se classificam em pop-lists, quando a lista aparece com um click, t-lists, quando eleas, por natureza, já vêm abertas, e combo box, que são listas onde qualquer conteúdo que não esteja na lista pode ser informado.

39 38 Pode-se criar itens do tipo lista através da janela object navigator, setando a propriedade type do item para list, ou usam-se, na janela de definição de canvas, a ferramenta: A aparência dos campos do tipo list item para o estilo combo box em um canvas é, normalmente, a seguinte: A definição de cada valor assumido para cada item da lista é definido através da propriedade elements in list, que mostra a seguinte janela: Principais propriedades dos ítens tipo lista List style Indica se alista será uma pop-list, uma t-list ou um combo box Mapping of Other values Indica o valor que será assumido se outro valor que não os especificados for encontrado em uma query.

40 39 Adicionando código ao Oracle Forms Triggers Triggers são pequenos trechos de código que são executados de acordo com a ocorrência de alguns eventos especiais, como o pressionar de um botão, a validação de um campo, o pressionar de uma tecla, a abertura de uma janela, e outras que veremos a diante. Para definir triggers, no object navigator seleciona-se o título trigger do nível desejado e no menu utiliza-se a opção navigator + create, em seguida aparecerá a janela para escolha da trigger desejada. Para selecionar a trigger digite as iniciais do nome da mesma que automaticamente o Oracle Forms Designer mostrará na lista apenas as triggers, cujo nome, tenha nas iniciais o digitado. Figura: A janela para escolha de triggers. Figura: A janela do PL/SQL editor para digitação do texto PL/SQL.

41 40 Após a escolha da trigger o Oracle Forms Designer mostra o PL/SQL editor para o desenvolvedor digitar verificar e compilar o texto PL/SQL da trigger. O escopo de uma trigger define em que contexto da tela a trigger será executada. Uma trigger definida com escopo form será executada em qualquer item de qualquer bloco do form. Uma trigger com escopo block será executada somente dentro do bloco específico, e uma trigger com escopo item será executada somente para o item onde estiver o cursor. O escopo de uma trigger também pode ser definido utilizando o campo object do PL/SQL editor. Principais propriedades de uma trigger Trigger style A imensa maioria das triggers são do tipo built-in (préconstruídas), ou seja, são executadas em eventos padrão definidos pelo Oracle Forms. Porém, o usuário pode criar suas próprias triggers, user-named. Fire in enter query mode Indica se a trigger será ou não ativada, mesmo que o form esteja em query mode.

42 41 Alterando propriedades O Oracle Forms permite que sejam alteradas as propriedades de diversos objetos em tempo de execução utilizando comandos como por exemplo: Set_item_property( name,enable,property_false); Set_block_property( ord,update_allowed,property_true); Set_form_property( exe0001,validation_unit,block_scope);

43 42 Alertas Figura: a janela de propriedades para definição de alertas. Alertas são janelas que aparecem no Oracle Forms e que exibem mensagens para o usuário, possibilitando a ele tomar decisões com base no pressionamento de, no máximo, 3 botões disponíveis. Para definir um alerta usam-se a janela de propriedades do Oracle Forms Designer. Um alerta pode ser criado selecionando-se o título alert no object navigator e em seguida acionando-se o menu navigator + create.

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan

Microsoft Excel 2000. Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br. http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Excel 2000 Alan Cleber Borim - alan.borim@poli.usp.br http://www.pcs.usp.br/~alan Microsoft Índice 1.0 Microsoft Excel 2000 3 1.1 Acessando o Excel 3 1.2 Como sair do Excel 3 1.3 Elementos da

Leia mais

Mozart de Melo Alves Júnior

Mozart de Melo Alves Júnior Mozart de Melo Alves Júnior WORD 2000 INTRODUÇÃO: O Word é um processador de texto com recursos de acentuação, formatação de parágrafo, estilo de letras diferentes, criação de tabelas, corretor ortográfico,

Leia mais

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP

CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA. Microsoft Windows XP CURSO BÁSICO DE INFORMÁTICA Microsoft Windows XP William S. Rodrigues APRESENTAÇÃO WINDOWS XP PROFISSIONAL O Windows XP, desenvolvido pela Microsoft, é o Sistema Operacional mais conhecido e utilizado

Leia mais

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados.

Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO. Versão: 1.0 Direitos reservados. Bem Vindo GDS TOUCH Manual de utilização GDS Touch PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touchscreen de controle residencial, com design totalmente 3D, interativo

Leia mais

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano

Informática Aplicada. Aula 2 Windows Vista. Professora: Cintia Caetano Informática Aplicada Aula 2 Windows Vista Professora: Cintia Caetano AMBIENTE WINDOWS O Microsoft Windows é um sistema operacional que possui aparência e apresentação aperfeiçoadas para que o trabalho

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

Criar o diagrama entidade associação do exemplo do hotel no Oracle Designer

Criar o diagrama entidade associação do exemplo do hotel no Oracle Designer Criar o diagrama entidade associação do exemplo do hotel no Oracle Designer 1 escolher o tipo de dados de cada atributo 2 escolher as chaves Gerar as tabelas Correr o "Database Design Transformer" 3 Seleccionar

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS

LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS 1_15 - ADS - PRO MICRO (ILM 001) - Estudo dirigido Macros Gravadas Word 1/35 LIÇÃO 1 - USANDO O GRAVADOR DE MACROS No Microsoft Office Word 2007 é possível automatizar tarefas usadas frequentemente criando

Leia mais

ATENÇÃO. Leitura Indispensável

ATENÇÃO. Leitura Indispensável ATENÇÃO Leitura Indispensável O Guia Rápido do Asure ID 2009 foi criado com base na versão Exchange, ou seja, a versão mais completa da linha Asure ID 2009, portanto, os usuários de outras versões ao utilizarem

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Word 1 - Introdução 1.1 - Principais recursos do word 1.2 - A janela de documento 1.3 - Tela principal

Word 1 - Introdução 1.1 - Principais recursos do word 1.2 - A janela de documento 1.3 - Tela principal Word 1 - Introdução O Word para Windows ou NT, é um processador de textos cuja finalidade é a de nos ajudar a trabalhar de maneira mais eficiente tanto na elaboração de documentos simples, quanto naqueles

Leia mais

Microsoft Word 97 Básico

Microsoft Word 97 Básico Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da Terceira Região Microsoft Word 97 Básico DIMI - Divisão de Microinformática e Redes Índice: I. Executando o Word... 4 II. A tela do Word 97... 6 III. Digitando

Leia mais

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1.

1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. 1. NOÇÕES BÁSICAS... 1.1. Iniciando o Excel... 1.1.1. Abrindo o Excel... 1.1.2. Encerrando o Excel... 1.2. A tela do Excel 7.0... 1.2.1. Partes da tela do Excel... Barra de fórmulas... Barra de status...

Leia mais

Elementos do IDE do Delphi

Elementos do IDE do Delphi Capítulo 2 Um Tour pelo Ambiente de Programação do Delphi Ao final deste capítulo, você estará apto a: Identificar os elementos do IDE do Delphi Identificar os elementos essenciais que formam uma aplicação

Leia mais

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09 ÍNDICE Sobre o SabeTelemarketing 03 Ícones comuns à várias telas de gerenciamento Contato Verificar registros 09 Telas de cadastro e consultas 03 Menu Atalho Nova pessoa Incluir um novo cliente 06 Novo

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. PROFa. GILENE BORGES GOMES. Home page: http://www.gomeshp.com E-mail: gilene@gomeshp.com

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. PROFa. GILENE BORGES GOMES. Home page: http://www.gomeshp.com E-mail: gilene@gomeshp.com APOSTILA DE DELPHI 7.0 DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO. PROFa. GILENE BORGES GOMES. Home page: http://www.gomeshp.com E-mail: gilene@gomeshp.com 1. INTRODUÇÃO Delphi possui um ambiente de desenvolvimento

Leia mais

Iniciando o MySQL Query Brower

Iniciando o MySQL Query Brower MySQL Query Brower O MySQL Query Browser é uma ferramenta gráfica fornecida pela MySQL AB para criar, executar e otimizar solicitações SQL em um ambiente gráfico. Assim como o MySQL Administrator foi criado

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Microsoft Word 2007 1. Acerca da figura e da configuração padrão do Microsoft Word 2007 julgue os itens subseqüentes.

Microsoft Word 2007 1. Acerca da figura e da configuração padrão do Microsoft Word 2007 julgue os itens subseqüentes. Microsoft Word 2007 1 Microsoft Word 2007 Acerca da figura e da configuração padrão do Microsoft Word 2007 julgue os itens subseqüentes. 1. Caso o usuário deseje tirar o sublinhado do termo, é suficiente

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Módulo II Macros e Tabelas Dinâmicas Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 Macro

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 2 Na aula anterior, vimos sobre: a) Janela de comando b) Gerenciador de Projetos c) Database Designer e Table Designer Prosseguiremos então a conhecer as ferramentas

Leia mais

Centro Universitário do Triângulo Introdução ao Ambiente Delphi

Centro Universitário do Triângulo Introdução ao Ambiente Delphi Centro Universitário do Triângulo Introdução ao Ambiente Delphi A figura abaixo mostra a tela inicial do Delphi 7 e nos dá uma visão geral de seu ambiente de desenvolvimento, composto de múltiplas janelas

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR $,'(GR5HSRUW0DQDJHU

8VDQGR5HSRUW0DQDJHUFRP&ODULRQH3RVWJUH64/ -XOLR&HVDU3HGURVR $,'(GR5HSRUW0DQDJHU $,'(GR5HSRUW0DQDJHU Neste capítulo vamos abordar o ambiente de desenvolvimento do Report Manager e como usar os seus recursos. $FHVVDQGRRSURJUDPD Depois de instalado o Report Manager estará no Grupo de

Leia mais

MANUAL TECLADO ADAPTADO IntelliKeys USB

MANUAL TECLADO ADAPTADO IntelliKeys USB NAPNE Núcleo de Atendimento às Pessoas com Necessidades Especiais SIEP Sistema de Informações da Educação Profissional e Tecnológica MANUAL TECLADO ADAPTADO IntelliKeys USB Fonte: User s Guide (Guia do

Leia mais

WINDOWS-XP PROF. FELIPE DENIS M. DE OLIVEIRA. E-mail: felipe@fcamaracascudo.com.br MSN: fdenis_natal@hotmail.com Página: www.novastecnologias.

WINDOWS-XP PROF. FELIPE DENIS M. DE OLIVEIRA. E-mail: felipe@fcamaracascudo.com.br MSN: fdenis_natal@hotmail.com Página: www.novastecnologias. WINDOWS-XP PROF. FELIPE DENIS M. DE OLIVEIRA E-mail: felipe@fcamaracascudo.com.br MSN: fdenis_natal@hotmail.com Página: www.novastecnologias.net 1 MS-Windows XP Sistema Operacional da Microsoft Com Interface

Leia mais

Microsoft Office Excel

Microsoft Office Excel 1 Microsoft Office Excel Introdução ao Excel Um dos programas mais úteis em um escritório é, sem dúvida, o Microsoft Excel. Ele é uma planilha eletrônica que permite tabelar dados, organizar formulários,

Leia mais

Processamento Eletrônico de Documentos / NT Editora. -- Brasília: 2013. 128p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Processamento Eletrônico de Documentos / NT Editora. -- Brasília: 2013. 128p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Ismael Souza Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP, Graduado em Tecnologia em Segurança da Informação UNICESP. Professor de concurso da área de informática e consultor em EAD.

Leia mais

WIN + D WIN + M SHIFT + WIN + M WIN + R WIN + E WIN + PAUSE BREAK

WIN + D WIN + M SHIFT + WIN + M WIN + R WIN + E WIN + PAUSE BREAK Windows em geral WIN = Abre o menu Iniciar. Use as setas para navegar nas opções, e dê ENTER para abrir um item. WIN + D = Mostrar área de trabalho. WIN + M = Minimizar tudo. SHIFT + WIN + M = Desminimizar

Leia mais

EDITOR DE TEXTO BROFFICE WRITER

EDITOR DE TEXTO BROFFICE WRITER 1 1 Editor de Texto BrOffice Writer O Writer é o editor de texto do pacote OpenOffice, que corresponde ao Microsoft Word. Um editor de texto é um programa com recursos para formatação de texto que poderá

Leia mais

TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS. 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo)

TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS. 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo) Profs. Paula Viero e Beatriz Lima TÉCNICAS DE CAD PARA ENGENHARIA CIVIL AULA 2 1. O AUTOCAD 2. FUNÇÕES BÁSICAS / ESTRUTURAS DE COMANDOS 3. COMO DEFINIR UMA SEÇÃO DE TRABALHO (Arquivo) 4. ALGUNS COMANDOS

Leia mais

Microsoft Word INTRODUÇÃO

Microsoft Word INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O Word é uma ferramenta utilizada para o processamento e editoração eletrônica de textos. O processamento de textos consiste na possibilidade de executar e criar efeitos sobre um texto qualquer,

Leia mais

Conceitos Fundamentais de Microsoft Word. Professor Rafael rafampsilva@yahoo.com.br www.facebook.com/rafampsilva

Conceitos Fundamentais de Microsoft Word. Professor Rafael rafampsilva@yahoo.com.br www.facebook.com/rafampsilva Conceitos Fundamentais de Microsoft Word Professor Rafael www.facebook.com/rafampsilva Introdução É um editor de texto ou processador de texto? editores de texto: editam texto (assim como uma máquina de

Leia mais

AVISO. Treinamento GVcollege Módulo Ficha Complementar

AVISO. Treinamento GVcollege Módulo Ficha Complementar AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS - PRH DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS - DRH

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS - PRH DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS - DRH UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS - PRH DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS - DRH DIVISÃO DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO - TDE Apostila do BrOffice.org

Leia mais

Prática 3 Princípios da Animação

Prática 3 Princípios da Animação Prática 3 Princípios da Animação As animações em um site são bem discutidas quanto ao seu uso, pois, qualquer coisa que se movimenta na visão periférica ocupa lugar na consciência. Isso faz com que o usuário

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

INTRODUÇÃO AO WINDOWS

INTRODUÇÃO AO WINDOWS INTRODUÇÃO AO WINDOWS Paulo José De Fazzio Júnior 1 Noções de Windows INICIANDO O WINDOWS...3 ÍCONES...4 BARRA DE TAREFAS...5 BOTÃO...5 ÁREA DE NOTIFICAÇÃO...5 BOTÃO INICIAR...6 INICIANDO PROGRAMAS...7

Leia mais

1. Introdução a Microsoft Excel

1. Introdução a Microsoft Excel Introdução a Microsoft Excel 1. Introdução a Microsoft Excel 1.1. O que é Microsoft Excel Microsoft Excel é um software de planilha eletrônica produzido pela Microsoft Corporation, para o sistema operacional

Leia mais

O ArcMap permite a você criar, visualizar, consultar, editar, compor e publicar mapas.

O ArcMap permite a você criar, visualizar, consultar, editar, compor e publicar mapas. ArcMAP (parte 1) O ArcMap permite a você criar, visualizar, consultar, editar, compor e publicar mapas. Para rodar o ArcMap selecionar: Iniciar > Todos os programas > ArcGIS > ArcMap Sobre a janela selecionar

Leia mais

GERENCIADOR DE CONTEÚDO

GERENCIADOR DE CONTEÚDO 1/1313 MANUAL DO USUÁRIO GERENCIADOR DE CONTEÚDO CRISTAL 2/13 ÍNDICE 1. OBJETIVO......3 2. OPERAÇÃO DOS MÓDULOS......3 2.1 GERENCIADOR DE CONTEÚDO......3 2.2 ADMINISTRAÇÃO......4 Perfil de Acesso:... 4

Leia mais

Entendendo as janelas do Windows Uma janela é uma área retangular exibida na tela onde os programas são executados.

Entendendo as janelas do Windows Uma janela é uma área retangular exibida na tela onde os programas são executados. Windows Menu Entendendo as janelas do Windows Uma janela é uma área retangular exibida na tela onde os programas são executados. Minimizar Fechar Maximizar/restaurar Uma janela é composta de vários elementos

Leia mais

Gabarito - Programação C# com Visual Studio - Intermediário - 05/08/2013 AULA 01. 1 Perguntas e Respostas

Gabarito - Programação C# com Visual Studio - Intermediário - 05/08/2013 AULA 01. 1 Perguntas e Respostas Gabarito - Programação C# com Visual Studio - Intermediário - 05/08/2013 1 Perguntas e s AULA 01 1- A ferramenta responsável pelo auto incremento chama- se Identity. (Sim) 2- A ferramenta responsável pelo

Leia mais

Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS. 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica. 1.2) Inicializando o Excel e o Calc

Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS. 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica. 1.2) Inicializando o Excel e o Calc Unidade III 1. APRESENTANDO PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.1) Conceito de Planilha Eletrônica Em certa época, a planilha era um pedaço de papel que os contadores e planejadores de empresas utilizavam para colocar

Leia mais

LEITORES DE TELA Orientações Básicas Jaws NVDA Virtual Vision - Orca

LEITORES DE TELA Orientações Básicas Jaws NVDA Virtual Vision - Orca NAPNE RENAPI LEITORES DE TELA Orientações Básicas Jaws NVDA Virtual Vision - Orca Por Celio Marcol Dal Pizzol e Josiane Pagani Agosto de 2009 Sumário LEITORES DE TELA - ORIENTAÇÕES BÁSICAS... 3 Orientações

Leia mais

1. EXCEL 7 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.2. CARREGAMENTO DO EXCEL 7

1. EXCEL 7 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS 1.2. CARREGAMENTO DO EXCEL 7 1. EXCEL 1.1. PLANILHAS ELETRÔNICAS As planilhas eletrônicas ficarão na história da computação como um dos maiores propulsores da microinformática. Elas são, por si sós, praticamente a causa da explosão

Leia mais

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA

ROBERTO OLIVEIRA CUNHA LEIAME APRESENTAÇÃO Nenhuma informação do TUTORIAL DO MICRO- SOFT OFFICE WORD 2003 poderá ser copiada, movida ou modificada sem autorização prévia e escrita do Programador Roberto Oliveira Cunha. Programador:

Leia mais

APOSTILA WORD BÁSICO

APOSTILA WORD BÁSICO APOSTILA WORD BÁSICO Apresentação O WORD é um editor de textos, que pertence ao Pacote Office da Microsoft. Suas principais características são: criação de textos, cartas, memorandos, documentos, mala

Leia mais

O Software... 3. Ferramentas Fixas...7 Ajuda...7 Atualização automática...7 Info...7. Configurações... 8 Verificar conexões... 8

O Software... 3. Ferramentas Fixas...7 Ajuda...7 Atualização automática...7 Info...7. Configurações... 8 Verificar conexões... 8 Sumário O Software... 3 O IrrigaCAD...3 Versões do AutoCAD...3 Configurações Mínimas...3 Acionamento... 4 Elementos Gráficos... 4 Apresentando as Ferrametas...5 Barra de Títulos e Agrupamentos...5 Ferramentas

Leia mais

Banco de Dados BrOffice Base

Banco de Dados BrOffice Base Banco de Dados BrOffice Base Autor: Alessandro da Silva Almeida Disponível em: www.apostilando.com 27/02/2011 CURSO TÉCNICO EM SERVIÇO PÚBLICO Apostila de Informática Aplicada - Unidade VI Índice Apresentação...

Leia mais

MICROSOFT WORD INICIANDO O MICROSOFT WORD

MICROSOFT WORD INICIANDO O MICROSOFT WORD MICROSOFT WORD Este é um dos editores de texto mais utilizados no mundo. O Word é um processador de texto de alta performance para trabalhar com textos. Com ele você pode fazer o que desejar, em matéria

Leia mais

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar WINDOWS XP Wagner de Oliveira ENTRANDO NO SISTEMA Quando um computador em que trabalham vários utilizadores é ligado, é necessário fazer login, mediante a escolha do nome de utilizador e a introdução da

Leia mais

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 1 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 1 Procedimentos para Download e Instalação do NVDA... 2 Iniciando

Leia mais

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1 EXCEL BÁSICO Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041 www.melissalima.com.br Página 1 Índice Introdução ao Excel... 3 Conceitos Básicos do Excel... 6

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Prof. Gilbert Azevedo da Silva I. Objetivos Conhecer o Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) do Delphi 7, Desenvolver a primeira aplicação no Delphi 7, Aprender

Leia mais

Introdução ao OpenOffice.org Calc 2.0

Introdução ao OpenOffice.org Calc 2.0 Introdução ao OpenOffice.org Calc 2.0 http://www.openoffice.org.br/ 1- INTRODUÇÃO O OpenOffice.org Calc 2.0 para Windows/Linux e outras plataformas é uma poderosa planilha eletrônica, muito parecida com

Leia mais

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL Núcleo IFRS Manual do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 3 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 3 Procedimentos para Download

Leia mais

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word

Iniciando o Word 2010. Criar um novo documento. Salvando um Documento. Microsoft Office Word 1 Iniciando o Word 2010 O Word é um editor de texto que utilizado para criar, formatar e imprimir texto utilizado para criar, formatar e imprimir textos. Devido a grande quantidade de recursos disponíveis

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Manual de Utilização Índice 1 Introdução...2 2 Acesso ao Sistema...3 3 Funcionamento Básico do Sistema...3 4 Tela Principal...4 4.1 Menu Atendimento...4 4.2 Menu Cadastros...5 4.2.1 Cadastro de Médicos...5

Leia mais

INFORMÁTICA WORD. TELA DO WORD Nome do Arquivo que esta sendo editado: Botão Office Diversos Textos Barra de Títulos Nome do programa: Microsoft Word

INFORMÁTICA WORD. TELA DO WORD Nome do Arquivo que esta sendo editado: Botão Office Diversos Textos Barra de Títulos Nome do programa: Microsoft Word WORD INTRODUÇÃO O MS Word é um editor de textos cujos recursos facilitam a criação de documentos, memorandos, cartas comerciais ou pessoais, enfim, tudo aquilo que se relaciona a texto. Até mesmo páginas

Leia mais

O TECLADO DO COMPUTADOR EM DETALHES

O TECLADO DO COMPUTADOR EM DETALHES O TECLADO DO COMPUTADOR EM DETALHES Por José Luís de F. Farias O TECLADO Em todos os países os teclados são diferentes quanto ao LAYOUT. Esse termo em inglês define a aparência, a disposição e organização

Leia mais

Manual de Utilização do Easy Reader versão 6

Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 Página 1 Índice Manual de Utilização do Easy Reader versão 6 1 O que é o EasyReader? 4 Abrir um livro 5 Abrir um novo livro de um CD/DVD 5 Abrir um novo livro

Leia mais

BASE 2.0. Conhecendo BrOffice.org Base 2.0 Básico

BASE 2.0. Conhecendo BrOffice.org Base 2.0 Básico BASE 2.0 1 Autor: Alessandro da Silva Almeida alessandroalmeida.teledata@ancine.gov.br Elaborado em : Final Janeiro de 2006. Licença: O manual segue os termos e condições da Licença Creative Attribution-NonCommercial-ShareAlike

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 4

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 4 Mic crosoft Excel 201 0 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 4 Interface... 4 Guias de Planilha... 5 Movimentação na planilha... 6 Entrada de textos e números... 7 Congelando painéis... 8 Comentários nas Células...

Leia mais

6.10 Exercício...38 7 ORDENAÇÃO OU CLASSIFICAÇÃO DE DADOS...39 7.1 Autofiltro...39 7.2 Filtro padrão...39 7.3 Exercício...39 8 GRÁFICO...40 8.

6.10 Exercício...38 7 ORDENAÇÃO OU CLASSIFICAÇÃO DE DADOS...39 7.1 Autofiltro...39 7.2 Filtro padrão...39 7.3 Exercício...39 8 GRÁFICO...40 8. Sumário 1 INTRODUÇÃO...5 1.1 O que é uma planilha...5 1.2 Importância do uso de planilhas eletrônica...5 1.3 Quais os Software disponíveis...5 1.4 O que é BrOffice.org Calc?...5 1.5 Exercício...5 2 APRESENTANDO

Leia mais

MANUAL GDS TOUCH. Versão: 1.0 Direitos reservados.

MANUAL GDS TOUCH. Versão: 1.0 Direitos reservados. MANUAL GDS TOUCH Versão: 1.0 Direitos reservados. GDS TOUCH PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touch-screen de controle residencial, com design totalmente

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDA- SA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDA- SA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDA- SA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

GERADOR DE RELATÓRIOS WINREPORT VERSÃO 2.0. Conteúdo

GERADOR DE RELATÓRIOS WINREPORT VERSÃO 2.0. Conteúdo GERADOR DE RELATÓRIOS WINREPORT VERSÃO 2.0 Este manual foi desenvolvido com o objetivo de documentar as principais funcionalidades do Gerador de Relatórios WinReport versão 2.0. Conteúdo 1. Tela Principal...

Leia mais

Barra de Títulos. Barra de Menu. Barra de Ferramentas. Barra de Formatação. Painel de Tarefas. Seleção de Modo. Área de Trabalho.

Barra de Títulos. Barra de Menu. Barra de Ferramentas. Barra de Formatação. Painel de Tarefas. Seleção de Modo. Área de Trabalho. Conceitos básicos e modos de utilização das ferramentas, aplicativos e procedimentos do Sistema Operacional Windows XP; Classificação de softwares; Principais operações no Windows Explorer: criação e organização

Leia mais

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE

MVREP- Manual do Gerador de Relatórios. ÍNDICE ÍNDICE ÍNDICE... 1 CAPÍTULO 01 PREPARAÇÃO DO AMBIENTE... 2 1.1 IMPORTAÇÃO DO DICIONÁRIO DE DADOS... 2 CAPÍTULO 02 CADASTRO E CONFIGURAÇÃO DE RELATÓRIOS... 4 2.1 CADASTRO DE RELATÓRIOS... 4 2.2 SELEÇÃO

Leia mais

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD)

Curso Introdução à Educação Digital - Carga Horária: 40 horas (30 presenciais + 10 EaD) ******* O que são computadores? São máquinas que executam tarefas ou cálculos de acordo com um conjunto de instruções (os chamados programas). Possui uma linguagem especifica chamada Linguagem de programação

Leia mais

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição SSE 3.0 Guia Rápido Módulo Secretaria Nesta Edição 1 Acessando o Módulo Secretaria 2 Cadastros Auxiliares 3 Criação de Modelos Definindo o Layout do Modelo Alterando o Layout do Cabeçalho 4 Parametrização

Leia mais

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ

Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ 1 1. Introdução Tutorial: Abrindo Vídeos e Medindo Comprimentos no ImageJ O ImageJ é um software livre (freeware) que pode ser obtido gratuitamente no site http://rsb.info.nih.gov/ij/. Esse software é

Leia mais

Iniciação à Informática

Iniciação à Informática Meu computador e Windows Explorer Justificativa Toda informação ou dado trabalhado no computador, quando armazenado em uma unidade de disco, transforma-se em um arquivo. Saber manipular os arquivos através

Leia mais

O Microsoft Office é composto por diversos softwares, dentre eles o Word, o Excel, o Access e o Power Point.

O Microsoft Office é composto por diversos softwares, dentre eles o Word, o Excel, o Access e o Power Point. Editor de Texto Microsoft Word 1. Microsoft Office O Microsoft Office é composto por diversos softwares, dentre eles o Word, o Excel, o Access e o Power Point. O Word é um editor de texto com recursos

Leia mais

Ambiente de Programação dos Painéis de Operação. Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP

Ambiente de Programação dos Painéis de Operação. Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP Ambiente de Programação dos Painéis de Operação Incon Eletrônica Ltda. Rua Alfeo Ambrogi, 735 CEP 13570-540 São Carlos SP Índice 1)Introdução...2 2)Instalação do Oppe...3 3)Descrição do OPPE...4 3.1 Selecionar

Leia mais

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas

Leia mais

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário

Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0. Ajuda ao Usuário Versão 2.2.0 PIMACO AUTOADESIVOS LTDA. Assistente Pimaco + 2.2.0 Ajuda ao Usuário A S S I S T E N T E P I M A C O + 2.2.0 Ajuda ao usuário Índice 1. BÁSICO 1 1. INICIANDO O APLICATIVO 2 2. O AMBIENTE DE

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais

Mini-curso Informática Básica

Mini-curso Informática Básica Mini-curso Informática Básica Módulo II Sistema Operacional (Windows) Grupo PET-Computação (pet@dsc.ufcg.edu.br) DSC/CCT/UFCG Sumário 1. Introdução 2. Inicializando e Fechando o Windows 3. Usando o Mouse

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Apostila de CmapTools 3.4

Apostila de CmapTools 3.4 Apostila de CmapTools 3.4 Índice Definição do software... 3 Criando um novo mapa... 3 Adicionando um conceito... 3 Alterando a formatação das caixas (Barra de Ferramentas Estilos Paleta Styles)... 7 Guia

Leia mais

Guia do Usuário. idocsscan v.2.1.14

Guia do Usuário. idocsscan v.2.1.14 Guia do Usuário idocsscan v.2.1.14 2013 BBPaper_Ds - 2 - Sumário Introdução... 5 Instalação... 7 Inicializando a aplicação... 12 Barras de acesso e informações... 13 Teclas de atalho... 14 Barra de Ferramentas...

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Introdução Aula 03: Pacote Microsoft Office 2007 O Pacote Microsoft Office é um conjunto de aplicativos composto, principalmente, pelos

Leia mais

Teclas de Atalho - Microsoft Access

Teclas de Atalho - Microsoft Access Abrir bancos de dados Imprimir e salvar Atalho Função CTRL+O Para abrir um novo banco de dados CTRL+A Para abrir um banco de dados existente ALT+F4 Para sair do Microsoft Access CTRL+P Para imprimir o

Leia mais

LIÇÃO 1 - GRAVANDO MACROS

LIÇÃO 1 - GRAVANDO MACROS 1_15 - ADS - PRO MICRO (ILM 001) - Estudo dirigido Macros Gravadas Word 1/36 LIÇÃO 1 - GRAVANDO MACROS Macro Imprimir Neste exemplo será criada a macro Imprimir que, ao ser executada, deverá preparar a

Leia mais

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto.

UMC Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples projeto Projeto. UMC - Tecnologia de Automação Industrial Desenho 3 Prof.: Jorge Luis Bazan. Modulo 2 Inventor 8 Procedimento para criação de um modelo de peça paramétrica simples a) Defina um novo projeto para conter

Leia mais

Manual de Utilização do Easy Reader Versão 6

Manual de Utilização do Easy Reader Versão 6 Manual de Utilização do Easy Reader Versão 6 Página 1 Conteúdo Manual de Utilização do Easy Reader Versão 6... 1 O que é o EasyReader?... 4 Atalhos Gerais do Windows... 5 Teclas de Atalho para Windows...

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO

MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO MANUAL DO ADMINISTRADOR DO MÓDULO ÍNDICE Relatórios Dinâmicos... 3 Requisitos de Sistema... 4 Estrutura de Dados... 5 Operadores... 6 Tabelas... 7 Tabelas x Campos... 9 Temas... 13 Hierarquia Relacionamento...

Leia mais

Superprovas Versão 9

Superprovas Versão 9 Superprovas Versão 9 1. Introdução...2 2. Novos Recursos Adicionados...4 3. Janela Principal...7 4. Janela de Questões...11 5. Janela de Desempenho...12 6. Barras de Ferramentas...13 7. Teclas de Atalho...14

Leia mais

Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas

Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral

MICROSOFT WORD 2007. George Gomes Cabral MICROSOFT WORD 2007 George Gomes Cabral AMBIENTE DE TRABALHO 1. Barra de título 2. Aba (agrupa as antigas barras de menus e barra de ferramentas) 3. Botão do Office 4. Botão salvar 5. Botão de acesso à

Leia mais

Sistema Click Principais Comandos

Sistema Click Principais Comandos Sistema Click Principais Comandos Sumário Sumário... 1 1. Principais Funções:... 2 2. Inserção de Registro (F6):... 3 3. Pesquisar Registro (F7):... 4 3.1 Pesquisa por letras:... 5 3.2 Pesquisa por números:...

Leia mais

Microsoft Excel Profª. Leticia Lopes Leite. Excel. Profª Leticia Lopes Leite

Microsoft Excel Profª. Leticia Lopes Leite. Excel. Profª Leticia Lopes Leite Microsoft Excel Profª. Leticia Lopes Leite Excel Profª Leticia Lopes Leite 1 Indice 1 Indice 2 2 Introdução 4 2.1 Área de Trabalho 4 2.2 Barra de Ferramentas 5 2.2.1 Ferramenta Pincel 5 2.2.2 Classificar

Leia mais

Aula Número 01. Sumário

Aula Número 01. Sumário Aula Número 01 Sumário Conceitos Básicos:... 3 Movendo-se numa Planilha... 4 Selecionando Múltiplas Células... 4 Abrindo e Salvando um Arquivo... 6 Salvando um arquivo... 8 Introduzindo e Editando Dados...

Leia mais

PROGRAMAÇÃO EM C# COM VISUAL STUDIO.NET

PROGRAMAÇÃO EM C# COM VISUAL STUDIO.NET PROGRAMAÇÃO EM C# COM VISUAL STUDIO.NET Professor Leo Larback Esta apresentação é parte de um material desenvolvido pelo Prof. Alessandro Brawerman disponível em http://docb.gratix.com.br/csharp TRABALHANDO

Leia mais

Apostila Básica de Informática Ensino Fundamental Volume 1

Apostila Básica de Informática Ensino Fundamental Volume 1 Apostila Básica de Informática Ensino Fundamental Volume 1 1 1. WINDOWS... 3 1.1 - Como funciona o Windows?... 3 1.2 - Botão Iniciar... 3 1.3 - Comutando entre tarefas abertas... 4 1.4 - O que é uma Janela?...

Leia mais

13. Dentre os caracteres considerados como curinga, em nome de arquivos, utiliza-se (A) = (B) + (C)? (D) @ (E) ^

13. Dentre os caracteres considerados como curinga, em nome de arquivos, utiliza-se (A) = (B) + (C)? (D) @ (E) ^ 1 PRIMEIRA PARTE: Conceitos de organização de arquivos (pastas/diretórios), utilização do Windows Explorer: copiar, mover arquivos, criar diretórios. Tipos de arquivos. 01. Aplicações de multimídia em

Leia mais