Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação"

Transcrição

1 Redes de Nova Geração (NGN) O Desafio para a Regulação

2 Índice Interfaces e Interligação Obrigações legais Numeração, Nomes e Endereçamento 2

3 Interfaces e Interligação

4 Modelo de Evolução da Interligação Interoperabilidade entre a NGN e a PSTN NGN NGN Gateway IP SS#7 SS#7 PSTN/ISDN PSTN/ISDN Interligação em ambiente NGN NGN NGN Protocolo Internet (IP) NGN NGN 4

5 Interfaces nas redes actuais A nível da Rede Nas redes tradicionais, maioritariamente, a sinalização utilizada na interligação é a Sinalização ITU-T n.º 7 (e.g. ISUP), ocasionalmente existem operadores que oferecem a sinalização DSS1 (acessos primários); A nível do débito, este é a 2 Mbit/s, podendo haver em situações específicas a débitos maiores quando a ligação se faz em SDH; Os suportes físicos utilizados têm sido diversos: cobre, coaxial, fibra, rádio. A nível do Utilizador Os operadores oferecem a este nível Acessos analógicos (PSTN); Acesos básicos e primários (ISDN); Acessos GSM/UMTS (PLMN); Acesso IP. 5

6 Normalização de Interfaces (I) A envolvente do IMS Network Management Functions Applications/ Common elements Charging functions TISPAN PSTN/ISDN Emulation Subsystem User Equipment Core IMS Other MM Subsystems Network Attachment Subsystem Resource and Admission Control Subsystem PSTN/ISDN Fonte: ETSI/TISPAN 6

7 Normalização de Interfaces (II) A nível da Rede (Serviço e Transporte) Ib IWF Iw Service Layer Control Subsystems IBCF Ic To/From other IP networks Transport Layer Transport control Iz Transfer Functions I - BGF A nível do Utilizador IWF - Interworking Function IBCF - Intermediate Breakout Control Function I-BGF - Interconnection-Border Gateway Function UE - User Equipment NASS - Network Attachment SubSystem UE Service level identification/authentication Service Layer Subsyst em s and Application Network level identification/authentication NASS Fonte: ETSI/TISPAN 7

8 Normalização de Interfaces (III) A nível dos Prestadores de Serviços Independentes SIP-AS IN SCF OSA AS Sh INAP OSA API UPSF Cx Si IM-SSF ISC S-CSCF Dx IMS core component Sh SLF Dh OSA SCS IM-SSF IP Multimedia Service Switching Point IN-SCF Intelligent Network Service Control Function OSA-AS Open Service Access Application Server OSA-SCS Open Service Access Server Capability Server S-CSCF Serving Call Session Control Function SIP-AS Session Initiation Protocol Application Server SLF Subscription Location Function UPSF User Profile Server Function Transport Layer Fonte: ETSI/TISPAN 8

9 Obrigações Legais 9

10 Obrigações Legais Dependendo do serviço oferecido poderão ser impostas as seguintes obrigações: Acesso ao serviço de emergência nacional (112): Identificação da Linha Chamadora (CLI) ou Identidade do Chamador; Localização; Retorno da chamada. Intercepção legal. 10

11 Acesso ao Serviço de Emergência (I) Fonte: ETSI 11

12 Acesso ao Serviço de Emergência (II) Características: Identificação da Linha Chamadora (CLI) ou Identidade do Chamador, por forma a poder identificar a origem/utilizador responsável pela chamada; Localização, através da obtenção da morada da instalação do equipamento (permanente ou temporário), ou no caso de utilizador de uso móvel, através de coordenadas geográficas; Retorno da chamada, para possibilitar o tratamento da situação de emergência. Fonte: ETSI 12

13 Intercepção Legal Lei 5/2004 de 10 de Fevereiro Lei das Comunicações Electrónicas Artigo 27º (Condições Gerais), nº 1, alínea n) Instalação, a expensas próprias, e disponibilização de sistemas de intercepção legal às autoridades nacionais competentes bem como fornecimento dos meios de desencriptação ou decifração sempre que ofereçam essas facilidades, em conformidade com a legislação aplicável à protecção de dados pessoais e da privacidade no domínio das comunicações electrónicas. 13

14 Numeração, Nomes & Endereçamento

15 Tipo de Endereçamento Endereçamento E.164 Números com significado geográfico (de acordo com as 51 áreas geográficas definidas nacionalmente); Números não geográficos: Números de uso móvel Números pessoais; Números de acesso à Internet; Números de uso nomádico. Endereçamento IP Endereçamento SIP; ENUM; Outros. 15

16 Localização do Utilizador/Terminal Estática/Fixo Quando o utilizador ou terminal tem uma localização fixa (e.g. sempre o mesmo endereço) Nomádica É possível mudar de local ou endereço, mesmo se o acesso for fixo (wired ou wireless) Móvel A sessão de comunicação é sempre mantida, mesmo quando o terminal ou utilizador está em movimento (através de handover ou uma funcionalidade equivalente) 16

17 Exemplos de Endereçamento Endereçamento E.164: 21xyzdddd (Número com significado geográfico); 9xddddddd (Número de uso móvel); 884xydddd (Número Pessoal); 30xyzdddd (Número de uso nomádico). Endereçamento IP: (endereço IPv4); FECA:0000:234A:0043:AB45:FFFF:9A3E:000B (endereço IPv6) (endereço SIP); (endereço H.323); (endereço WEB); e164.arpa (User ENUM). 17

18 Tipo de Identificadores nas NGN Public ID (User aware) Format of the Public ID within the network Private ID (Network Aware) NGN Layer Name(s) SIP URI ID stored in ISIM User/Service Identifier Number(s) tel URI SIP URI with domain operatorprovided ID stored in ISIM or derived from USIM Service Network Identifier Address Number, and Routing Number IP Address Network ID Line ID Transport ID ISIM SIP URI USIM - Identifier - IM Services Identity Module - Session Initiation Protocol - Universal Resource Identifier - UMTS Subscriber Identity Module Fonte: ETSI/TISPAN 18

19 Portabilidade (I) De endereços E.164 (Números) Tipos de Portabilidade: De Operador; Geográfica; De Serviço. Obrigações inerentes: Assegurar a interoperabilidade com endereços portados; Permitir a portabilidade do endereço. De endereços não E.164 (Nomes) Tipos de domínios: (e.g. (e.g. (não razoável de ser portado); User ENUM. 19

20 Portabilidade (II) Situação actual em Portugal Base de Dados Local Base de Dados Administrativa (Entidade de Referência) Rede Receptora Rede Origem Rede Dadora Para a solução QoR 20

21 Portabilidade (III) Nas redes NGN Base de Dados da Portabilidade em NGN (e.g. Infraestructure ENUM) Rede Receptora Rede Origem Rede Dadora 21

22 O Futuro da Numeração De acordo com o relatório do NNA (CEPT) existem várias sugestões a serem consideradas no futuro relacionadas com as NGN, destacam-se as seguintes (ECC Report 087): Se o preço da terminação for semelhante nos serviços em cerca de 20%, poderá ser revisto o âmbito desses serviços de modo a permitir a portabilidade entre eles; Deverá ser autorizado progressivamente a manutenção do número para serviços ampliados ou compatíveis com o existente; Deverá ser estudada a eliminação do significado geográfico dos números geográficos, especialmente quando for adoptada generalizadamente a interligação em tecnologia IP ou/e a interligação não for diferenciada com base nas diferentes áreas geográficas ou outro tipo de diferenciação geográfica; Deverá ser reconhecido que a nomadicidade é uma utilidade para o utilizador, não devendo ser impostas condições para a restringir; Desenvolvimentos baseados em User ENUM deverão ser monitorizados, pois poderão indiciar que a atribuição de números seja feita directamente aos utilizadores; Deverá ser monitorizado o desenvolvimento da conectividade a novos operadores, assegurando também que novas gamas não sejam excluídas de ofertas de tarifa plana. 22

23 Redes de Nova Geração (NGN) Obrigado.

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM TECNOLOGIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES RAPHAEL AUGUSTO KRAFT IP MULTIMEDIA SUBSYSTEM (IMS)

Leia mais

O IP Multimedia Subsystem (IMS)

O IP Multimedia Subsystem (IMS) O IP Multimedia Subsystem (IMS) O IMS é um sistema global, independente do sistema de acesso, baseado em normas, com connectividade IP e arquitecturas de controlo de serviços que permite disponibilizar

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO

NOTA DE ESCLARECIMENTO NOTA DE ESCLARECIMENTO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE NUMERAÇÃO GEOGRÁFICA EM REDES PRIVATIVAS MULTI-SITE I ENQUADRAMENTO O ICP-ANACOM ao acompanhar a evolução tecnológica e tendo sido confrontado com um pedido

Leia mais

User ENUM versus Infrastructure ENUM

User ENUM versus Infrastructure ENUM António Amaral 28/10/2009 Este documento é propriedade intelectual da PT Inovação e fica proibida a sua utilização ou propagação sem expressa autorização escrita. Agenda Conceitos Gerais de na arquitectura

Leia mais

Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução

Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução Resposta à Consulta Pública sobre VoIP Introdução A Radiomóvel considera muito importante esta iniciativa da Anacom que vem no sentido de regular esta nova faceta da prestação de serviço telefónico, fruto

Leia mais

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS

Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Evolução das Redes de Telecomunicação: Arquitetura IMS Samuel R. Lauretti Graduado em Engenharia Elétrica pela USP-São Carlos em 1987, com Mestrado em Telecomunicações pela UNICAMP em 1993. Completou o

Leia mais

Figura 1 - Arquitectura do GSM

Figura 1 - Arquitectura do GSM GSM O aparecimento das redes de comunicações no século passado veio revolucionar o nosso mundo. Com os primeiros telefones surgiu a necessidade de criar redes que os suportassem. Começaram a surgir as

Leia mais

TEMA 1 CENÁRIOS DE MUDANÇA

TEMA 1 CENÁRIOS DE MUDANÇA Mestrado em Engenharia de Redes de Comunicações TEMA 1 CENÁRIOS DE MUDANÇA Parte I Redes tradicionais: - Redes Fixas de Voz e Dados - Redes Móveis: SMT, SMRP As Redes de Acesso à Internet: - ISP - WISP

Leia mais

ANEXO I INTERFACE TÉCNICO ENTRE REDES

ANEXO I INTERFACE TÉCNICO ENTRE REDES ANEXO I INTERFACE TÉCNICO ENTRE REDES ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 2 REFERÊNCIAS... 3 2.1 ETSI...3 2.2 ITU -T...3 3 ABREVIATURAS... 4 4 CENÁRIOS DE PORTABILIDADE DE OPERADOR... 5 4.1 ORIGEM NACIONAL...5 4.1.1

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR

ESPECIFICAÇÕES ENUM AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA MARÇO DE 2015 COLABORAR SIMPLIFICAR INOVAR AGÊNCIA PARA A MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA ESPECIFICAÇÕES ENUM MARÇO DE 2015 1 CHAMADAS ENTRE ORGANISMOS DA AP COM RECURSO A ENUM ESPECIFICAÇÕES MÍNIMAS 1 - As comunicações de voz, chamadas de voz com

Leia mais

2 Arquitetura do UMTS

2 Arquitetura do UMTS 2 Arquitetura do UMTS Este capítulo apresenta a arquitetura física do UMTS, com a descrição de todos os seus componentes. Em seguida é analisada a arquitetura de protocolos, com a apresentação das principais

Leia mais

Workshop ANACOM ENUM: Que futuro? 28 e 29 de Outubro de 2009

Workshop ANACOM ENUM: Que futuro? 28 e 29 de Outubro de 2009 O ENUM e as Redes de Nova Geração Workshop ANACOM ENUM: Que futuro? 28 e 29 de Outubro de 2009 Rui Paulo Santos Direcção de Planeamento e Implementação da Rede PT Comunicações O ENUM e as RNGs 29OUT09

Leia mais

Parâmetros de qualidade em redes LTE

Parâmetros de qualidade em redes LTE REDES MÓVEIS 80 RTI AGO 2015 Parâmetros de qualidade em redes LTE Luciano Henrique Duque, da LHD Engenharia O artigo apresenta uma forma de extrair os indicadores de qualidade de banda larga em redes 4G

Leia mais

Exmo Senhor Dr. Luís Filipe Menezes Director de Gestão e Apoio ao Conselho ICP-ANACOM Av. José Malhoa, 12 1099-017 LISBOA

Exmo Senhor Dr. Luís Filipe Menezes Director de Gestão e Apoio ao Conselho ICP-ANACOM Av. José Malhoa, 12 1099-017 LISBOA Exmo Senhor Dr. Luís Filipe Menezes Director de Gestão e Apoio ao Conselho ICP-ANACOM Av. José Malhoa, 12 1099-017 LISBOA Lisboa, 21 de Dezembro de 2005 ASSUNTO: Resposta à consulta pública sobre os serviços

Leia mais

ANEXO I INTERFACE TÉCNICO ENTRE REDES

ANEXO I INTERFACE TÉCNICO ENTRE REDES ANEXO I INTERFACE TÉCNICO ENTRE REDES ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 1 2 REFERÊNCIAS... 1 2.1 ETSI... 1 2.2 ITU-T... 2 3 ABREVIATURAS... 2 4 CENÁRIOS DE PORTABILIDADE DE OPERADOR ( CALL RELATED )... 4 4.1 ORIGEM

Leia mais

3 Execução de Chamadas no UMTS

3 Execução de Chamadas no UMTS 3 Eecução de Chamadas no UMTS Este capítulo descreve a sequência de mensagens que são trocadas entre o UE e a UTRAN para a realização de uma chamada. São abordados os casos de chamadas realizadas nos modos

Leia mais

1. Introdução. 2. O pedido

1. Introdução. 2. O pedido http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=227462 Deliberação de 11.1.2007 FUNDAMENTAÇÃO PARA O SENTIDO PROVÁVEL DE DECISÃO SOBRE A CRIAÇÃO DE CÓDIGOS ESPECÍFICOS NO PLANO NACIONAL DE NUMERAÇÃO PARA

Leia mais

Nuno Martins de Sousa Gil. Integração de uma Access Gateway Control Function num cenário TISPAN

Nuno Martins de Sousa Gil. Integração de uma Access Gateway Control Function num cenário TISPAN Universidade de Aveiro 2009 Departamento de Electrónica, Telecomunicações e Informática Nuno Martins de Sousa Gil Integração de uma Access Gateway Control Function num cenário TISPAN 1 Universidade de

Leia mais

PROPOSTA DE UMA FUNÇÃO DE CONTROLE DE GATEWAY DE BORDA COM TECNOLOGIAS DE CÓDIGO ABERTO

PROPOSTA DE UMA FUNÇÃO DE CONTROLE DE GATEWAY DE BORDA COM TECNOLOGIAS DE CÓDIGO ABERTO PROPOSTA DE UMA FUNÇÃO DE CONTROLE DE GATEWAY DE BORDA COM TECNOLOGIAS DE CÓDIGO ABERTO Müller Fernandes da Silva, Luiz Claudio Theodoro Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica,

Leia mais

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS

TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS TELEFONIA IP E ANYPBX SISTEMA DE GESTÃO DE CHAMADAS GANASCIM, R.; FERNANDES, F. N. RESUMO O artigo apresenta um estudo relacionado a tecnologias de voz sobre IP, ou telefonia IP, que tratam do roteamento

Leia mais

A criação de redes de próxima geração IMS usando produtos open source

A criação de redes de próxima geração IMS usando produtos open source FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES A criação de redes de próxima geração IMS usando produtos open source LUIS FILIPE MAGALHÃES

Leia mais

Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos. Sinalização em Comutação de Circuitos

Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos. Sinalização em Comutação de Circuitos Sinalização em Redes de Comutação de Circuitos Princípios gerais Sinalização de assinante analógico Sinalização de canal associado entre comutadores Sinalização de canal comum entre comutadores Sinalização

Leia mais

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP)

Mobilidade na camada de Aplicação. Session Initiation Protocol (SIP) Mobilidade na camada de Aplicação usando o Session Initiation Protocol (SIP) Referências: RFC 3261, IETF SIP Working Group http://www.radvision.com www.cs.columbia.edu/hgs/ www.networkcomputing.com Introdução

Leia mais

Voz para a rede LTE. Ricardo Takaki *, Juliano João Bazzo

Voz para a rede LTE. Ricardo Takaki *, Juliano João Bazzo Ricardo Takaki *, Juliano João Bazzo A tecnologia LTE tem sido considerada uma tendência natural para a convergência dos sistemas de telefonia celular de segunda e terceira geração. Essa tecnologia, entretanto,

Leia mais

Contributo da CPEC para a Consulta pública sobre a abordagem regulatória às novas redes de acesso (NRA)

Contributo da CPEC para a Consulta pública sobre a abordagem regulatória às novas redes de acesso (NRA) Contributo da CPEC para a Consulta pública sobre a abordagem regulatória às novas redes de acesso (NRA) Questão 3: Identifica a nível das NRA algum aspecto relacionado com as questões de segurança e emergência

Leia mais

TP318 Redes Multimídia e NGN PARTE II NGN

TP318 Redes Multimídia e NGN PARTE II NGN TP318 Redes Multimídia e NGN PARTE II NGN Convergência Digital em Telecomunicações: Das Redes Especializadas à Internet do Futuro Prof. Antônio Marcos Alberti alberti@inatel.br http://antonioalberti.blogspot.com

Leia mais

UMTS. www.teleco.com.br 1

UMTS. www.teleco.com.br 1 UMTS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Universal Mobile Telecommunications System (UMTS) padrão de 3ª Geração de sistemas celulares para evolução de redes GSM. Autor: Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

Redes Inteligentes e as Redes Móveis

Redes Inteligentes e as Redes Móveis Redes Inteligentes e as Redes Móveis Definições de mobilidade Recordar: Arquitecturas GSM, GPRS e UMTS Introdução dos conceitos IN na rede GSM: CAMEL Definições de mobilidade, desafios Mobilidade terminal

Leia mais

Sinalização em redes de telecomunicações

Sinalização em redes de telecomunicações Sinalização em redes de telecomunicações Necessidade e evalução da sinalização Sinalização na rede telefónica tradicional (PSTN) e IN Tipos de sinalização Sinalização no lacete local Sinalização entre

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 9 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO Precision Solutions Precision Soluções em Engenharia e Representações Ltda. COMUTAÇÃO DIGITAL / COMUTAÇÃO E CONTROLE CCC

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Precision Solutions Precision Soluções em Engenharia e Representações Ltda.

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Precision Solutions Precision Soluções em Engenharia e Representações Ltda. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 18 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO Precision Solutions Precision Soluções em Engenharia e Representações Ltda. INSTALAÇÃO PERMANENTE NORMA

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - Equipamento terminal: Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão: cabos de pares simétricos, cabo coaxial,

Leia mais

SERVIÇOS CONVERGENTES MODELOS E DESAFIOS

SERVIÇOS CONVERGENTES MODELOS E DESAFIOS SERVIÇOS CONVERGENTES MODELOS E DESAFIOS Lisboa, 10 de Outubro de 2006 Paulo Garrido Sujeito à obtenção das aprovações usuais por parte das entidades reguladoras, à conclusão das normais condições de fecho

Leia mais

2 UMTS e arquitetura all-ip

2 UMTS e arquitetura all-ip 2 UMTS e arquitetura all-ip As discussões sobre a evolução das redes de comunicação determinísticas, baseadas nas operações de modo circuito, já ocorrem há algum tempo. As redes operadas em modo circuito

Leia mais

1.1 A abordagem seguida no livro

1.1 A abordagem seguida no livro 1- Introdução A área de administração de sistemas e redes assume cada vez mais um papel fundamental no âmbito das tecnologias da informação. Trata-se, na realidade, de uma área bastante exigente do ponto

Leia mais

Um projecto em co-promoção (SI&DT 3144)

Um projecto em co-promoção (SI&DT 3144) PANORAMA Um projecto em co-promoção (SI&DT Co-financiado por: PANORAMA Um projecto em co-promoção (SI&DT Co-financiado por: Mobilidade e Probes Móveis Susana Sargento, Nelson Capela, Frank Knaesel (IT

Leia mais

PROJECTO DE DECISÃO I OS FACTOS

PROJECTO DE DECISÃO I OS FACTOS http://www.anacom.pt/template31.jsp?categoryid=269365 Deliberação de 13.2.2008 PROJECTO DE DECISÃO I OS FACTOS 1. Em 17.05.2007, a RADIOMÓVEL Telecomunicações, S.A. (RADIOMÓVEL) apresentou ao ICP-ANACOM

Leia mais

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3.

Índice. TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica. Designação VERSÃO 3.0. 30 de Julho de 2009. TÍTULO ADSL sobre ISDN - Interface Utilizador-Rede 1/10 3. 1/10 TIPO DE DOCUMENTO Nota Técnica Designação VERSÃO 30 de Julho de 2009 Índice 1 ÂMBITO... 3 2 MODELOS DE REFERÊNCIA... 4 3 INTERFACE UNI USER TO NETWORK... 5 2/10 3.1 PONTO DE TERMINAÇÃO DA REDE......

Leia mais

Case Study. Metro do Porto. Projecto de Radio Trunking

Case Study. Metro do Porto. Projecto de Radio Trunking Metro do Porto Projecto de Radio Trunking Esta solução providencia um sistema de rádio operacional, privado, que pode ser utilizada para comunicações de emergências, quer pelos condutores dos veículos,

Leia mais

Lojamundi CNPJ: 17.869.444/0001-60 Av. Paranoá Qd. 09 conj. 01 lote 01 sala 304, Paranoá DF CEP: 71.571-012 www.lojamundi.com.br

Lojamundi CNPJ: 17.869.444/0001-60 Av. Paranoá Qd. 09 conj. 01 lote 01 sala 304, Paranoá DF CEP: 71.571-012 www.lojamundi.com.br CONFIGURAÇÃO GRANDSTREAM GXW 4104 + ELASTIX A Grandstream Networks Inc é reconhecidamente mundialmente como, uma empresa inovadora e tem um dos melhores custo benefício do setor de telefonia IP, sendo

Leia mais

Anexo I - DEFINIÇÕES. Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições:

Anexo I - DEFINIÇÕES. Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições: Anexo I - DEFINIÇÕES Em relação ao presente Acordo, os seguintes termos terão os significados expressos em suas respectivas definições: 1. 3G: terceira geração; 2. AA.13: documento da GSMA que contém os

Leia mais

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis "#$%%% Percentual da população com telefone celular

Introdução. Sistemas de Comunicação Wireless. Sumário. Visão Geral de Redes Móveis #$%%% Percentual da população com telefone celular Sumário Sistemas de Comunicação Wireless! #$%%% & Visão Geral de Redes Móveis Introdução Percentual da população com telefone celular Brasil 19% 34% 2001 2005 Fonte: Global Mobile, Goldman Sachs, DiamondCluster

Leia mais

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway LGW4000 é um Media Gateway desenvolvido pela Labcom Sistemas que permite a integração entre

Leia mais

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS CAPÍTULO 13 LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS Todos os serviços de conectividade e comunicação de dados oferecidos por qualquer operadora de telecomunicações, devem terminar nos pontos finais de utilização

Leia mais

Acessos Básicos e Primários

Acessos Básicos e Primários PUBLICAÇÃO DE INTERFACES DE CLIENTE SFT - Interface Digital Características Técnicas dos Interfaces Versão: v1.0 Data: outubro/2001 Este documento não é parte de nenhum contrato com clientes ou fornecedores.

Leia mais

G9 SA TELECOMUNIICAÇÕES, S.A. RESPOSTA À CONSULTA PÚBLICA - ABORDAGEM REGULATÓRIA AOS SERVIÇOS DE VOZ SUPORTADOS NA TECNOLOGIA IP (VOIP)

G9 SA TELECOMUNIICAÇÕES, S.A. RESPOSTA À CONSULTA PÚBLICA - ABORDAGEM REGULATÓRIA AOS SERVIÇOS DE VOZ SUPORTADOS NA TECNOLOGIA IP (VOIP) G9 SA TELECOMUNIICAÇÕES, S.A. RESPOSTA À CONSULTA PÚBLICA - ABORDAGEM REGULATÓRIA AOS SERVIÇOS DE VOZ SUPORTADOS NA TECNOLOGIA IP (VOIP) Página 1 de 28 1. INTRODUÇÃO E POSIÇÃO GENÉRICA DA G9 A G9 congratula-se

Leia mais

Ideal para roteamento de chamadas entre filial x matriz Cancelamento de eco. Ideal para operadoras VoIP que trabalham com venda de CDR personalizável

Ideal para roteamento de chamadas entre filial x matriz Cancelamento de eco. Ideal para operadoras VoIP que trabalham com venda de CDR personalizável USER MEDIA GATEWAY E1 AND VOIP Principais Características Aplicações Típicas Transcoding nos 30 canais Ideal para roteamento de chamadas entre filial x matriz Cancelamento de eco por rede IP. Suporte SNMP

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

Comentários da Vodafone Portugal Comunicações Pessoais, S.A. à Consulta relativa ao Serviço ENUM

Comentários da Vodafone Portugal Comunicações Pessoais, S.A. à Consulta relativa ao Serviço ENUM Comentários da Vodafone Portugal Comunicações Pessoais, S.A. à Consulta relativa ao Serviço ENUM Índice I. Introdução...4 II. Comentários gerais...5 III. Respostas ao Questionário........6 2/17 I. Introdução

Leia mais

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Arquitectura Protocolar Simples Modelo OSI TCP/IP Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Já estudado... Motivação Breve História Conceitos Básicos Tipos de Redes Componentes

Leia mais

A Heterogeneous Mobile IP QoS-aware Network

A Heterogeneous Mobile IP QoS-aware Network A Heterogeneous Mobile I QoS-aware Network Victor Marques (victor-m-marques@ptinovacao.pt) Rui Aguiar (ruilaa@av.it.pt) Jürgen Jähnert (jaehnert@rus.uni-stuttgart.de) Karl Jonas (karl.jonas@ieee.org) Marco

Leia mais

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS

REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS REDES COM INTEGRAÇÃO DE SERVIÇOS (1ª Parte) Rede Digital com Integração de Serviços () 1 1. INTRODUÇÃO 2 EVOLUÇÃO DAS REDES PÚBLICAS DE TELECOMUNICAÇÕES 1: Rede Telefónica Analógica 2: Rede Telefónica

Leia mais

SEBASTIÃO BOANERGES RIBEIRO JÚNIOR

SEBASTIÃO BOANERGES RIBEIRO JÚNIOR UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA PROPOSTA DE MODELO DE AUTENTICAÇÃO PARA INTERCONEXÃO DE REDES SEM FIO HETEROGÊNEAS. SEBASTIÃO BOANERGES RIBEIRO JÚNIOR

Leia mais

Sistemas Multimédia. Instituto Superior Miguel Torga. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações

Sistemas Multimédia. Instituto Superior Miguel Torga. Francisco Maia famaia@gmail.com. Redes e Comunicações Sistemas Multimédia Instituto Superior Miguel Torga Redes e Comunicações Francisco Maia famaia@gmail.com Estrutura das Aulas 5 Aulas Aula 10 (20 de Abril) Classificação Componentes Aula 11 (27 de Abril)

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Inteligência e Gestão de Redes e Serviços (M8390)

Inteligência e Gestão de Redes e Serviços (M8390) Inteligência e Gestão de Redes e Serviços (M8390) Ano lectivo 2009/10 Curso METI, 1º semestre http://iscte.pt/~rhcl/igrs.html Docente: Rui J. Lopes Rui.Lopes@iscte.pt http://iscte.pt/~rhcl Gabinete D6.33

Leia mais

Indice. 1. Breve Apresentação. 2. Resumo da Tecnologia. 3. Abordagem Comercial. 4. Dúvidas

Indice. 1. Breve Apresentação. 2. Resumo da Tecnologia. 3. Abordagem Comercial. 4. Dúvidas Apresentação Indice 1. Breve Apresentação 2. Resumo da Tecnologia 3. Abordagem Comercial 4. Dúvidas 1. Breve Apresentação A GoWireless É uma empresa nacional, sediada em Aveiro, que implementa redes privadas

Leia mais

Tipos de Redes. Dois tipos fundamentais de redes

Tipos de Redes. Dois tipos fundamentais de redes Redes de Tipos de Redes Dois tipos fundamentais de redes LAN = Local Area Network Interliga um conjunto de computadores locais, próximos Tecnologias mais típicas: Ethernet / FastEthernet / GigabitEthernet

Leia mais

VoIP@RCTS. João Nuno Ferreira

VoIP@RCTS. João Nuno Ferreira VoIP@RCTS João Nuno Ferreira VoIP@RCTS Em 2008, antes do projeto VoIP@RCTS: + 220 Multi-brand Legacy PBXs espalhados pelas instituições do ensino e investigação do país. Rede RCTS com mais de 1000Km de

Leia mais

Categoria: Banda Larga, Infraestrutura para Telecomunicações e Telefonia Celular. Inicial

Categoria: Banda Larga, Infraestrutura para Telecomunicações e Telefonia Celular. Inicial Tutorial: Extração de Parâmetros da Qualidade em Rede LTE Fazendo Uso do CDR (Call Detail Record) Esse tutorial apresenta uma forma de extrair indicadores de qualidade banda larga em redes 4G (LTE) por

Leia mais

PORTABILIDADE DE OPERADOR ESPECIFICAÇÃO

PORTABILIDADE DE OPERADOR ESPECIFICAÇÃO PORTABILIDADE DE OPERADOR ESPECIFICAÇÃO ÍNDICE I. Introdução... 3 II. Definições e abreviaturas... 7 Definições... 7 Abreviaturas... 9 III. Âmbito... 11 IV. Solução de portabilidade... 12 V. A Portabilidade

Leia mais

Tipos de Redes. Redes de Dados. Comunicação em Rede Local. Redes Alargadas. Dois tipos fundamentais de redes

Tipos de Redes. Redes de Dados. Comunicação em Rede Local. Redes Alargadas. Dois tipos fundamentais de redes Tipos de Redes Redes de Sistemas Informáticos I, 2005-2006 Dois tipos fundamentais de redes LAN = Local Area Network Interliga um conjunto de computadores locais, próximos Tecnologias mais típicas: Ethernet

Leia mais

Redes Inteligentes e a Internet

Redes Inteligentes e a Internet Redes Inteligentes e a Internet Integração e interacção com os serviços sobre a Internet Com o protocolo: Service Initiation Protocol- SIP Com a arquitectura: H.323 Multimedia over Packet Networks Media

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Diretor de Novos Negócios da KNBS (Knowledge Networks & Business Solutions).

Diretor de Novos Negócios da KNBS (Knowledge Networks & Business Solutions). Transporte de Sinalização em Redes IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos de Transporte de Sinalização em Redes IP (Sigtran). Carlos Alberto Fróes Lima Diretor de Marketing e Desenvolvimento de

Leia mais

Redes de Nova Geração

Redes de Nova Geração Redes de Nova Geração Pedro Nascimento 9 de Outubro, 2006 Workshop sobre Redes de Nova Geração ANACOM Sumário O Mercado Português Números Dinâmica Factores de crescimento Os Serviços de Banda Larga Ofertas

Leia mais

Artigo 1.º. Objecto e âmbito. Lei nº 69/98. de 28 de Outubro

Artigo 1.º. Objecto e âmbito. Lei nº 69/98. de 28 de Outubro REGULA O TRATAMENTO DOS DADOS PESSOAIS E A PROTECÇÃO DA PRIVACIDADE NO SECTOR DAS TELECOMUNICAÇÕES (TRANSPÕE A DIRECTIVA 97/66/CE, DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1997) Artigo

Leia mais

Multimedia Services in Next Generation Networks Operating With IP Multimedia Subsystem

Multimedia Services in Next Generation Networks Operating With IP Multimedia Subsystem Multimedia Services in Next Generation Networks Operating With IP Multimedia Subsystem Samuel Henrique Bucke Brito 1, Amilton da Costa Lamas 1,2 1 Mestrado Profissional em Gestão de Redes de Telecomunicações

Leia mais

Rede VoIP@RCTS. Sessões de Sensibilização - software Open Source para a Administração Pública Comunicações Unificadas. 6 de Outubro de 2014

Rede VoIP@RCTS. Sessões de Sensibilização - software Open Source para a Administração Pública Comunicações Unificadas. 6 de Outubro de 2014 Rede VoIP@RCTS Sessões de Sensibilização - software Open Source para a Administração Pública Comunicações Unificadas 6 de Outubro de 2014 Agenda Visão generalizada do projeto VoIP@RCTS Partilha de experiências:

Leia mais

Evolução das Redes de Acesso para suporte a Serviços de Nova Geração

Evolução das Redes de Acesso para suporte a Serviços de Nova Geração Evolução das Redes de Acesso para suporte a Serviços de Nova Geração Luís Alveirinho Direcção de Planeamento e Estratégia de Desenvolvimento da Rede PT Comunicações Seminário ANACOM - Lisboa, Outubro 2006

Leia mais

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs

Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 5 Cablagem para LANs e WANs Cablagem de LANs Nível Físico de uma Redes Local Uma rede de computadores pode ser montada utilizando vários tipos de meios físicos.

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO

Hospitais 2004. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO Hospitais 2004 Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação DOCUMENTO METODOLÓGICO ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO E OBJECTIVOS DO PROJECTO... 3 2. RECOLHA E TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO...

Leia mais

Rede GlobalWhitepaper

Rede GlobalWhitepaper Rede GlobalWhitepaper Janeiro 2015 Page 1 of 8 1. Visão Geral...3 2. Conectividade Global, qualidade do serviço e confiabilidade...4 2.1 Qualidade Excepcional...4 2.2 Resiliência e Confiança...4 3. Terminais

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Interface de Acesso à Rede Telefónica Ar Telecom Comutada

Interface de Acesso à Rede Telefónica Ar Telecom Comutada I NTERFACE DE PPCAE RDIS A 2 MBIT/S (Acesso Primário) 2.0 Página 1/5 Interface de Acesso à Rede Telefónica Ar Telecom Comutada Interface de RDIS Primário (2Mb/s) Autor: DEV Aprovação: DIR Data: 2005-09-13

Leia mais

Case Study Grupo Amorim. Eng. Paulo Sérgio Mota Director de Infra-estrutras OSI / Grupo Amorim

Case Study Grupo Amorim. Eng. Paulo Sérgio Mota Director de Infra-estrutras OSI / Grupo Amorim Case Study Grupo Amorim Eng. Paulo Sérgio Mota Director de Infra-estrutras OSI / Grupo Amorim 1 Central de Compras Tecnologias Informação Serviços de BPO Consultoria e Gestão Projectos IT a OSI Grupo Amorim

Leia mais

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio,

I N T R O D U Ç Ã O W A P desbloqueio, INTRODUÇÃO Para que o Guia Médico de seu Plano de Saúde esteja disponível em seu celular, antes de mais nada, sua OPERADORA DE SAÚDE terá de aderir ao projeto. Após a adesão, você será autorizado a instalar

Leia mais

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos -

Rede Telefónica Pública Comutada - Principais elementos - - Principais elementos - Equipamento terminal: o telefone na rede convencional Equipamento de transmissão: meio de transmissão, e.g. cabos de pares simétricos, cabo coaxial, fibra óptica, feixes hertzianos,

Leia mais

Uma solução de ancoragem na rede IMS para Application Servers que têm de gerir domínios GSM

Uma solução de ancoragem na rede IMS para Application Servers que têm de gerir domínios GSM Nuno Ricardo Magalhães da Silva Costa Licenciatura Engenharia Eletrotécnica e de Computadores Uma solução de ancoragem na rede IMS para Application Servers que têm de gerir domínios GSM Dissertação para

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

Organização da Unidade Curricular

Organização da Unidade Curricular Organização da Unidade Curricular 1 Docente: Halestino Pimentel E-Mail: halestino@ipb.pt Página Pessoal: www.ipb.pt/~halestino Gabinete: 54 Horário de Atendimento: Quarta-feira 11:00h às 13:00h Quinta-feira

Leia mais

Condições de Oferta dos Serviços OTNETVTEL UNIPESSOAL LDA

Condições de Oferta dos Serviços OTNETVTEL UNIPESSOAL LDA Condições de Oferta dos Serviços OTNETVTEL UNIPESSOAL LDA ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR 2 2. SERVIÇOS ACESSÍVEIS AO PÚBLICO 2 2.1) SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET 2 2.2) SERVIÇO TELEVISÃO 2 2.3) SERVIÇO

Leia mais

ArcGIS for INSPIRE. ArcGIS. ArcGIS for INSPIRE. Discovery. Download. View

ArcGIS for INSPIRE. ArcGIS. ArcGIS for INSPIRE. Discovery. Download. View ArcGIS for INSPIRE Discovery View Download ArcGIS for INSPIRE ArcGIS Agenda ArcGIS for INSPIRE O que está incluído Template de Geodatabase Componentes Desktop Componentes Servidor Outras Novidades Evolução

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE ASSUNTOS ADMINISTRATIVOS Ofício nº 137/2006/CPL/SAA/SE/MEC REFERÊNCIA: Pregão nº 44/2006 Brasília, 12 de dezembro de 2006. ASSUNTO: QUESTIONAMENTOS

Leia mais

Comunicação, Conhecimento, Convergência Brasil: Rua Líbero Badaró, 293, 30º andar - São Paulo, SP - Brasil, CEP 01009-907

Comunicação, Conhecimento, Convergência Brasil: Rua Líbero Badaró, 293, 30º andar - São Paulo, SP - Brasil, CEP 01009-907 VoxScale GKS SIP-H.323 Gateway Descrição do equipamento VoxScale-GKS exerce a função de "Gateway H.323 / SIP" e "SIP Proxy/Registrar", em um único equipamento. Os terminais SIP se registram no VoxScale-GKS,

Leia mais

Abertura dos serviços: Parlay/OSA

Abertura dos serviços: Parlay/OSA Abertura dos serviços: Parlay/OSA Ideia chave: abrir o desenvolvimento de aplicações de telecomunicações A outras entidades que não os operadores ou fabricantes (3rd party) Definição de APIs normalizadas

Leia mais

VoIP Peering. Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio

VoIP Peering. Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio VoIP Peering Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio Histórico 2005 2004 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1996 1995 1993 Plataformas de Suporte ao Cliente Final Suporte ao protocolo SIP POP em Miami

Leia mais

Evolução e coexistência do serviço de mensagens SMS em IMS

Evolução e coexistência do serviço de mensagens SMS em IMS Evolução e coexistência do serviço de mensagens SMS em IMS 1 Evolução e coexistência do serviço de mensagens SMS em IMS Filipe A. Leitão, Sérgio S. Freire e Solange R. Lima Resumo De modo a conquistar

Leia mais

Numeração Telefônica no Brasil. Este tutorial apresenta a estrutura básica do plano de numeração utilizada em sistemas telefônicos no Brasil.

Numeração Telefônica no Brasil. Este tutorial apresenta a estrutura básica do plano de numeração utilizada em sistemas telefônicos no Brasil. Numeração Telefônica no Brasil Este tutorial apresenta a estrutura básica do plano de numeração utilizada em sistemas telefônicos no Brasil. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco

Leia mais

Processadores de telecomunicações

Processadores de telecomunicações 1 Processadores de telecomunicações ƒ Modems (modulação/desmodulação) ƒ Converte sinais entre os formatos analógico e digital. ƒ Multiplexadores ƒ Permitem que um canal de comunicação transporte simultaneamente

Leia mais

Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114

Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114 Implementação de Asterisk (IP PBX) Henrique Cavadas 200803845 José Figueiredo 200604114 20 de Dezembro de 2014 Serviços de Comunicações Conteúdo 1 Introdução 2 2 Contextualização 3 2.1 PBX...................................

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

As Redes Inteligentes nas Comunicações Móveis

As Redes Inteligentes nas Comunicações Móveis As Redes Inteligentes nas Comunicações Móveis FEUP - Porto, 30 de Maio de 2003 Paulo Pereira (paulo-s-pereira@ptinovacao.pt) Conteúdo PT Inovação e o Dep. de Redes Inteligentes O Conceito de Redes Inteligentes

Leia mais

Push-To-Talk em Ambiente Móvel IMS (cliente)

Push-To-Talk em Ambiente Móvel IMS (cliente) Push-To-Talk em Ambiente Móvel IMS (cliente) LUÍS FILIPE DOS SANTOS REIS Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em ENGENHARIA DE REDES E COMUNICAÇÕES Júri Presidente: Orientador: Vogais: Professora

Leia mais

GTER 25. Experiências e Tendências de Interoperabilidade em WiMAX. Rubens Kühl Jr. rubens.kuhl@neovia.com.br, rubensk@gmail.com

GTER 25. Experiências e Tendências de Interoperabilidade em WiMAX. Rubens Kühl Jr. rubens.kuhl@neovia.com.br, rubensk@gmail.com GTER 25 Experiências e Tendências de Interoperabilidade em WiMAX Rubens Kühl Jr. rubens.kuhl@neovia.com.br, rubensk@gmail.com Pioneira na tecnologia WiMAX, tecnologia estado da arte para transmissão de

Leia mais

Aspectos técnicos e regulamentares das redes sem fios

Aspectos técnicos e regulamentares das redes sem fios Aspectos técnicos e regulamentares das redes sem fios Aplicação isentas de licenciamento radioeléctrico Leiria, 27 de Maio de 2009 José Mário Valente & Miguel Azevedo Nunes AGENDA ANACOM QNAF ISENÇÃO DE

Leia mais

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal

Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Interface Acesso Rádio Informação e normas aplicáveis ao desenvolvimento e testes de equipamento terminal Versão: 1.5 Vodafone 2009. Reservados todos os direitos. A reprodução e uso escrito ou verbal de

Leia mais

6.3 Tecnologias de Acesso

6.3 Tecnologias de Acesso Capítulo 6.3 6.3 Tecnologias de Acesso 1 Acesso a redes alargadas Acesso por modem da banda de voz (através da Rede Fixa de Telecomunicações) Acesso RDIS (Rede Digital com Integração de Serviços) Acesso

Leia mais