CHAMADA N O 018/2013 PROJETO ESTRATÉGICO: SIASE SISTEMA DE INTELIGÊNCIA ANALÍTICA DO SETOR ELÉTRICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CHAMADA N O 018/2013 PROJETO ESTRATÉGICO: SIASE SISTEMA DE INTELIGÊNCIA ANALÍTICA DO SETOR ELÉTRICO"

Transcrição

1 Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 018/2013 PROJETO ESTRATÉGICO: SIASE SISTEMA DE INTELIGÊNCIA ANALÍTICA DO SETOR ELÉTRICO Brasília, DF Outubro de 2013

2 Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Diretor-Geral Romeu Donizete Rufino Diretores André Pepitone da Nóbrega Edvaldo Alves de Santana Superintendente de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética - SPE Máximo Luiz Pompermayer Superintendente de Regulação dos Serviços de Geração - SRE Davi Antunes Lima Superintendente de Gestão Técnica da Informação - SGI Victor Hugo da Silva Rosa Equipe Técnica Aurélio Calheiros de Melo Júnior Elton Mário de Lima Marcio Andrey Roselli Roberto Stefan Fernandes de Aguiar Fabio Stacke Silva Cláudio Elias Carvalho Cristina Schiavi Noda

3 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO CARACTERÍSTICAS DO PROJETO PREMISSAS BÁSICAS VISÃO GERAL E RESULTADOS ESPERADOS PRAZO PARA EXECUÇÃO DO PROJETO ENTIDADES INTERVENIENTES CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO ENTIDADES PARTICIPANTES DO PROJETO COMPOSIÇÃO DA EQUIPE DO PROJETO CONTRATAÇÃO DO PROJETO ESTRATÉGICO PROCEDIMENTOS APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA AVALIAÇÃO INICIAL DA PROPOSTA EXECUÇÃO DO PROJETO AVALIAÇÃO FINAL DO PROJETO CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS PUBLICAÇÕES INFORMAÇÕES ADICIONAIS REFERÊNCIAS ANEXO I... iii

4 1. APRESENTAÇÃO Dentre as necessidades dos atores do setor elétrico brasileiro está a transparência das informações de interesse público de mercado, tarifas e receita das concessionárias e permissionárias de distribuição de energia elétrica, doravante distribuidoras. Em adição, deve-se preocupar que os atores sejam capazes de perceber e compreender os efeitos do reposicionamento das tarifas, decorrentes dos reajustes e revisões tarifárias das distribuidoras, considerando o complexo em que se insere o problema. Adicionalmente, conselhos de consumidores, distribuidoras e imprensa especializada são uníssonos em afirmar que há uma lacuna a ser preenchida quanto à inteligibilidade dos procedimentos tarifários nas suas diferentes camadas de comunicação o que implica que a publicidade do reposicionamento tarifário de forma una e genérica torna-se imprecisa e, por vezes, desprovida de efeitos práticos. Aliás, o interesse social das informações de mercado e receita das distribuidoras não se restringe somente ao setor elétrico e aos usuários. É recorrente na definição de políticas públicas o acesso às informações zeladas pela ANEEL, cuja formatação atual pode evoluir para atender aos requisitos definidores de políticas públicas, disponibilizando a informação buscada no tempo correto. Assim, entende-se que se pode evoluir o processo de compreensão e percepção dos diferentes atores mediante a concepção de um Sistema, flexível o suficiente para adaptar as informações, que seja capaz de sintetizá-las de acordo com as respectivas capacidades e necessidades de cada ator. Dessa forma, este projeto propõe a concepção de um sistema, ora denominado de SIASE - Sistema de Inteligência Analítica do Setor Elétrico. INTERESSE SOCIAL DA INFORMAÇÃO O desenvolvimento do sistema ora proposto tem o objetivo de atender às atividades de rotina dos atores do setor e envolve um conjunto de ações sistemáticas baseado em dados dos processos e consubstanciado por indicadores. Dessa forma, pretende-se com a construção do Sistema impactar as inter-relações entre os agentes otimizando e evoluindo tanto os processos inter quanto intra agentes. Vale ressaltar que as informações de interesse social devem ser de fácil difusão e intelecção, para os diferentes processos do setor e para estudos econômicos e sociais de diferentes organizações, sejam no âmbito de instituições de pesquisa, instituições financeiras, universidades, associações e administração pública, seja direta ou indireta. A Tabela 1 apresenta exemplos de instituições para as quais os dados são fornecidos de forma periódica. Tabela 1 Exemplos de instituições com acesso à informação Nome da Instituição Periodicidade Empresa de Pesquisa Energética EPE mensal Ministério de Minas e Energia MME mensal Operador Nacional do Sistema ONS trimestral ABRADEE mensal Ministério da Integração Nacional Previsão de convênio para envio mensal Eletrobrás mensal CNI mensal IPEA mensal 4

5 Assim, agentes do setor, por diferentes disposições legais, encaminham os mais variados pacotes de dados, em intervalos regulares, para diferentes organizações do Estado no atendimento a diversos fins. Estas processam os dados gerando informações e utilizando-as para controle e instrução dos diferentes atos de sua responsabilidade. Considerando o fluxo da informação, observa-se que a aplicação de um modelo padrão para transação de dados tende a reduzir os custos associados e, principalmente, incrementar as ações de controle da informação. Por sua vez, além da importância da informação, cumpre destacar que a Lei n /2011 (Lei de Acesso à Informação), em seu artigo 7 dispõe sobre o acesso à informação produzida por entidades privadas decorrente do vínculo com a administração pública, conforme transcrição a seguir: Art. 7 o O acesso à informação de que trata esta Lei compreende, entre outros, os direitos de obter: [...] III - informação produzida ou custodiada por pessoa física ou entidade privada decorrente de qualquer vínculo com seus órgãos ou entidades, mesmo que esse vínculo já tenha cessado; IV - informação primária, íntegra, autêntica e atualizada; [...] G.N. Observe que a disposição legal se aplica perfeitamente à informação prestada pela Distribuidora. Logo a própria Lei atua no sentido de aumentar o controle sobre a administração pública o que demonstra a necessidade de se trabalhar no sentido de normatizar e organizar o fluxo de informações entre os atores. Para contextualização, atualmente um dos fluxos de maior intensidade da agência refere-se às informações de mercado e de tarifas solicitadas pelo portal e-sic (http://www.acessoainformacao.gov.br/sistema/site/index.html) de forma não periódica, para consumidores e sobremaneira para ensino e pesquisa, tais como estudantes de graduação, mestrado, doutorado e pesquisadores em universidade e instituições de pesquisa. É manifesto que a transformação dos dados em informações é de extrema importância para o ensino e a pesquisa e certamente contribui para a disseminação e evolução dos processos tarifários. Todavia, o atual processo de transformação dos dados na informação requerida é oneroso, pois os sistemas empregados pela agência são de difícil adequação aos dados solicitados de forma aperiódica e, por vezes, as informações disponibilizadas no sítio da ANEEL não atendem de modo adequado a todos os atores. Por vezes o regulador é obrigado a reformatar os pacotes de dados gerando custos adicionais aos agentes dado que não há padrão consolidado no sentido de lógica de codificação e discutido para alteração destes. Assim, entende-se que esta ausência atua como limitação nos sistemas de cadastro e disponibilização da informação prejudicando tanto os geradores dos pacotes de dados quanto aqueles que os utilizam dentro do setor elétrico. Outro fator relevante decorrente é que a padronização atua no sentido de incrementar o atendimento ao disposto no artigo 8 da Lei de Acesso à Informação, transcrito parcialmente a seguir: Art. 8o É dever dos órgãos e entidades públicas promover, independentemente de requerimentos, a divulgação em local de fácil acesso, no âmbito de suas competências, de informações de interesse coletivo ou geral por eles produzidas ou custodiadas. [...] 2 o Para cumprimento do disposto no caput, os órgãos e entidades públicas deverão utilizar todos os meios e instrumentos legítimos de que dispuserem, sendo 5

6 obrigatória a divulgação em sítios oficiais da rede mundial de computadores (internet). 3 o Os sítios de que trata o 2o deverão, na forma de regulamento, atender, entre outros, aos seguintes requisitos: I - conter ferramenta de pesquisa de conteúdo que permita o acesso à informação de forma objetiva, transparente, clara e em linguagem de fácil compreensão; II - possibilitar a gravação de relatórios em diversos formatos eletrônicos, inclusive abertos e não proprietários, tais como planilhas e texto, de modo a facilitar a análise das informações; III - possibilitar o acesso automatizado por sistemas externos em formatos abertos, estruturados e legíveis por máquina; IV - divulgar em detalhes os formatos utilizados para estruturação da informação; V - garantir a autenticidade e a integridade das informações disponíveis para acesso; VI - manter atualizadas as informações disponíveis para acesso; [...] G.N. Não obstante, observe-se que o interesse das informações de mercado e tarifas foge do escopo do interesse da ANEEL ou mesmo das instituições do setor elétrico brasileiro. Trate-se de informações de interesse coletivo ou geral, utilizada por toda a sociedade. AUDITORIA SOCIAL A auditoria social é um modelo de auditoria norteada pela inclusão do cidadão no controle dos recursos públicos. Ela conta com a participação da sociedade para verificar, monitorar e controlar a gestão destas informações que implicarão na definição dos preços públicos. Trata-se, portanto, de uma importante ferramenta para o desenvolvimento da cidadania e da participação popular, que tem como objetivos a transparência e a melhoria da eficiência administrativa e das Distribuidoras. A Figura 1 ilustra as diversas relações entre os diferentes atores, usuários do SIASE, incluindo potenciais envolvidos na auditoria social das informações. Figura 1 Relações no SIASE 6

7 As informações serão de responsabilidade das Distribuidoras, que serão usuários administradores do SIASE. Trata-se de sistema de gerenciamento da informação em rede, na qual as Distribuidoras, entre outros atores, efetuarão o cadastro de dados básicos. O SIASE converterá os dados em informações e os disponibilizará aos atores. Estes realizarão a Auditoria Social da informação, contribuindo para a melhora da qualidade das informações e dos processos. INTELIGIBILIDADE DAS TARIFAS Quando se analisa o perfil dos diferentes atores, listados anteriormente, observa-se que tanto as necessidades de informação quanto as capacidades de intelecção são diferentes. Para a maioria dos usuários individuais a única informação necessária pode ser a variação das tarifas e seu possível impacto nas suas despesas. Alternativamente, para associações ou para grandes consumidores o interesse pelo processo de obtenção destas tarifas pode ser mais relevante uma vez que possuem recursos para sua completa intelecção. Assim o Sistema terá como uma de suas funções a publicidade de dados, possibilitando a consulta do mercado, tarifas, fatura, dentre outros indicadores a serem avaliados por unidade consumidora. Com o sistema irá se procurar eliminar a lacuna: informação versus usuário. Note-se que quando se fala de impacto tarifário geralmente não se percebe que o consumidor compra uma cesta de produtos similar a uma compra de mercado, por exemplo. Desse modo, o resultado de qualquer reposicionamento depende da condição particular do indivíduo, isto é, de qual forma é efetuada a contratação e também de como é realizado o consumo. Assim, ressalte-se que efeitos tarifários acabam sendo expectativas uma vez que dependem do comportamento futuro do consumidor. Nesse contexto a face multiproduto apresenta característica que impede que os efeitos de um reposicionamento possam ser generalizados. Na tentativa de fornecer um resultado que expresse os o impacto das diferentes variações das tarifas, a ANEEL recorrentemente fornece informações de efeito médio ao consumidor ou tarifa média, baseados na estimativa que o consumo futuro iguale ao pretérito tanto em forma quanto em quantidade, que têm pouco efeito prático para os consumidores. A solução para a publicização dos dados é a simulação considerando dados básicos de consumo de energia elétrica bem como do uso das redes da distribuidora de acesso. Esse é o resultado mediato da proposta do SIASE: possibilitar a simulação do efeito nas faturas dos consumidores nos reposicionamentos ocorridos nas revisões e nos reajustes das Distribuidoras. O SIASE NO ÂMBITO DO GOVERNO ELETRÔNICO O Governo Eletrônico constitui um conjunto de políticas públicas que priorizam o uso das tecnologias da informação e comunicação (TIC's) como forma de democratizar o acesso à informação. Ademais, tem o condão de aperfeiçoar a qualidade da informação, dinamizar os serviços públicos, promover o controle social e participação cidadã, de melhorar o gerenciamento interno do Estado e accountability dos governos 1. 1 PRADO, Otávio. Governo Eletrônico, reforma do Estado e transparência: o programa de governo eletrônico no Brasil Tese (Doutorado em Administração Pública e Governo) Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas. 7

8 O Governo Eletrônico tem como objetivo tornar as interações entre o governo e o cidadão, governo e empresas, e entre órgãos governamentais mais amigáveis, convenientes, transparentes e de baixo custo 2. Ademais, entende-se como passo para a racionalização do uso de recursos, por meio de seu compartilhamento no desenvolvimento e operação de soluções. Um dos alicerces do Governo Eletrônico é a integração de ações e de informações entre os diversos atores que se relacionam com o Estado 3. Nesse sentido, a implantação do SIASE se insere no conjunto de políticas públicas no âmbito do Governo Eletrônico, tendo como instrumento a Gestão do Conhecimento, utilizada para compartilhar conhecimentos estratégicos para a tomada de decisões, para a gestão de políticas públicas e para inclusão do cidadão como produtor de conhecimento coletivo. As diretrizes do Governo Eletrônico estão consubstanciadas no Decreto nº 7.579, de 11 de outubro de 2011, que dispõe sobre o Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação SISP, do Poder Executivo Federal, dentre as quais se destaca a integração e uso racional dos recursos, conforme transcrição parcial a seguir: Art. 1 o Ficam organizados sob a forma de sistema, com a denominação de Sistema de Administração dos Recursos de Tecnologia da Informação SISP, o planejamento, a coordenação, a organização, a operação, o controle e a supervisão dos recursos de tecnologia da informação dos órgãos e entidades da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, em articulação com os demais sistemas utilizados direta ou indiretamente na gestão da informação pública federal. Art. 2 o O SISP tem por finalidade:...omissis... IV - estimular o uso racional dos recursos de tecnologia da informação, no âmbito do Poder Executivo federal, visando à melhoria da qualidade e da produtividade do ciclo da informação; V - estimular o desenvolvimento, a padronização, a integração, a interoperabilidade, a normalização dos serviços de produção e disseminação de informações, de forma desconcentrada e descentralizada;...omissis... G.N. A proposta do SIASE está alinhada às diretrizes do Governo Eletrônico, pois propõe aperfeiçoar sobremaneira a qualidade da informação, dinamizar os serviços públicos, promover o controle social e participação cidadã e reduzir os recursos despendidos com a implantação de sistema centralizado de informações. A qualidade da informação será atingida por meio do controle social no exercício da democracia participativa. O investimento no SIASE resultará em benefícios diretos ao Estado, pois eliminará sistemas descentralizados que utilizam a informação primária da ANEEL. Para o sucesso da implantação do SIASE é primordial o trabalho em conjunto com as instituições usuárias da informação, de modo a considerar na concepção do sistema suas necessidades e expectativas. Para tanto, a ANEEL, por meio de deliberação de sua Diretoria Colegiada e por iniciativa da Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE, em parceria com a Superintendência de Regulação Econômica SRE e a Superintendência de Gestão Técnica da Informação SGI, torna públicos nesta Chamada as características do projeto, os critérios para 2 Disponível em OGIES/EXTEGOVERNMENT/0,,contentMDK: ~menuPK:702592~pagePK:148956~piPK:216618~theSitePK: ,00.html, acesso em Livre Tradução. 3 8

9 participação e os procedimentos para a elaboração de proposta de projeto estratégico que contemple o SIASE - Sistema de Inteligência Analítica do Setor Elétrico, convocando os interessados para apresentar proposta nos termos aqui estabelecidos. 2. CARACTERÍSTICAS DO PROJETO As características do projeto são apresentadas neste item, por meio da exposição das premissas básicas, dos resultados esperados e do prazo de execução do projeto. Também são apresentadas as entidades intervenientes consideradas aptas a acompanhar e avaliar a execução e resultados do projeto OBJETIVOS E PREMISSAS BÁSICAS O principal objetivo deste projeto é a criação de um sistema de informações, envolvendo os agentes do setor, especialmente as distribuidoras de energia elétrica, a ANEEL e instituições públicas que: Possibilite, para toda sociedade, a inteligibilidade da aplicação das tarifas; e Crie uma base de dados consistente para a aplicação de técnicas de inteligência analítica e de mineração de dados. A concepção e o desenvolvimento do projeto deverão observar os seguintes requisitos: As informações do SIASE deverão ser disponibilizadas em um portal eletrônico específico para essa finalidade, com diferentes níveis de acesso, de acordo com o tipo de usuário; O sistema deverá ser entregue para gestão da ANEEL hospedado no ambiente definido pela arquitetura elaborada no decorrer deste projeto de P&D, sendo a gestão e os custos de manutenção associados imputados à própria ANEEL; A elaboração do sistema deverá considerar a utilização de ferramentas e tecnologias compatíveis com a plataforma tecnológica da ANEEL, descrita no Anexo I; A arquitetura do sistema deverá ser modular, permitindo que novas informações possam ser agregadas no futuro; O SIASE deverá ser desenvolvido visando uma futura certificação de qualidade com base na norma ISO 9001:2008. Portanto, deverá considerar, no mínimo: relatórios com indicadores de desempenho dos processos, registro de não conformidades e respectiva análise crítica; O sistema deve adotar as políticas e os padrões de interoperabilidade de governo eletrônico definidas na arquitetura e-ping; Devem ser observados: a Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas da ANEEL MDS/ANEEL, baseada em Rational Unified Process (RUP), o Roteiro de Métricas de Software da ANEEL, baseado no Manual de Práticas do International Function Point Users 9

10 Group IFPUG, os padrões de bancos de dados da ANEEL, a Metodologia de Gerenciamento de Projetos do SISP MGP/SISP, baseada no Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBoK Guide), a Política de Segurança da Informação e os padrões de administração e banco de dados da Agência; O tamanho do sistema deve ser mensurado por meios de metodologias de mercado, tais como a técnica de Análise de Pontos de Função; Os códigos fonte e os dados gerados no âmbito deste projeto de P&D serão de propriedade da ANEEL; A ANEEL, como administradora do SIASE, será a responsável pela verificação da qualidade da informação e acesso a dados individualizados, a ser encaminhada pelas concessionárias e permissionárias. Instituições públicas como IPEA, MME, EPE, ONS e Ministério da Integração Nacional poderão ter acesso completo às informações, exceto dados pessoais de consumidores. Outros usuários terão acesso consolidado às informações de mercado, tarifas, reposicionamento, dentre outros indicadores, o que não tolhe o acesso completo à informação, respeitado eventual sigilo, com fulcro no artigo 25 e seguintes da Lei de Acesso à Informação VISÃO GERAL E RESULTADOS ESPERADOS Os resultados do projeto se materializarão em dois grandes produtos: inteligibilidade das tarifas e inteligência analítica, detalhados nos tópicos seguintes. dados. A Figura 2 apresenta o relacionamento entre subprodutos destes dois produtos e bancos de 10

11 Figura 2 Relação entre subprodutos e bancos de dados Como se pode observar, o subproduto compartilhado entre o projeto inteligibilidade tarifária e inteligência analítica será o banco nacional de cadastro de mercado Inteligibilidade das Tarifas A inteligibilidade das tarifas consiste em tornar clara e compreensível tanto a formação das tarifas quanto o seu efeito para cada consumidor. A compreensão deve se estender a todos os potenciais usuários do SIASE. O produto Inteligibilidade das tarifas terá como subprodutos: a) Subproduto 1: Pesquisa de Opinião Levantamento de informações e funcionalidades desejadas por meio de Pesquisa de opinião com potenciais usuários e alimentadores do SIASE. Consiste em relatórios que descreverão detalhada e exaustivamente as opiniões reveladoras de demandas, necessidades, expectativas e opiniões dos públicos usuários do SIASE, bem como das avaliações das funcionalidades do software e de sua aderência com suas expectativas; 11

12 A proposição de realização de pesquisa de opinião com potenciais usuários e alimentadores do SIASE parte do pressuposto que os conselhos de consumidores, distribuidoras e imprensa especializada, entre outros atores que farão uso do SIASE devem participar da construção dessa ferramenta, garantindo que seu desenvolvimento seja, desde a origem, imbuído de transparência e de participação coletiva. Desse modo, considerando-se que o SIASE poderá promover a clareza no acesso à informação, bem como a praticidade em seu manuseio, é imperativo que aqueles diretamente envolvidos com a entrega da informação em sua forma bruta (Distribuidoras e Permissionárias), bem como os demais públicos que poderão fazer uso direto do sistema, tais como ANEEL, MME, EPE, ONS, ABRADEE, IPEA, INMETRO, Universidades, CNI, Ministério da Integração Nacional, Consumidores em geral e Instituições Financeiras sejam ouvidos por meio de pesquisas capazes de evidenciar suas expectativas, demandas e avaliações em diferentes fases da estruturação do SIASE. A proposição desta pesquisa se explica dada a sua condição de garantir o reconhecimento de demandas e de expectativas, bem como por permitir, em momento posterior, a verificação da aplicabilidade do sistema e de sua consonância ou não com as demandas previamente estabelecidas pelos públicos pesquisados. A pesquisa deve ser desenvolvida de modo inovador e original, usando de ferramentas digitais para a coleta dos dados, como, por exemplo, as comunidades online, evidenciandose assim aderente tanto à forma final do SIASE como também ao desenvolvimento de uma pesquisa inovadora no âmbito deste P&D. Também poderá ser prevista uma etapa posterior à execução do projeto de forma a avaliar o resultado obtido, ou seja, se o produto foi capaz de atender as demandas identificadas na pesquisa inicial. Escopo da Pesquisa: 1. Mapear as informações desejáveis para as possíveis entidades intervenientes (MME, EPE, ONS, IPEA, entre outras), e para os segmentos de Geração e Transmissão; 2. Levantar junto ao segmento Distribuição as expectativas acerca de informações, funcionalidades e arquitetura proposta para o sistema; 3. Identificar junto às Distribuidoras (concessionárias e permissionárias) as possíveis facilidades e barreiras a serem enfrentadas no desenvolvimento e alimentação do banco de dados de suporte ao sistema de gerenciamento da informação em rede; 4. Colher junto de todos os públicos de interface, subsídios que permitam a construção de uma ferramenta de pesquisa de conteúdo capaz de facilitar o acesso à informação de forma objetiva, transparente, clara e em linguagem de fácil compreensão a todos os que possam por ela interessar-se; 5. Identificar a importância da publicação de informações relativas ao mercado, às tarifas e aos indicadores, desde que produzidas ou custodiadas pelos órgãos públicos, e que são de interesse coletivo ou geral; 6. Avaliar junto de todos os públicos de interface as funções indispensáveis na publicidade de dados, e que possibilitarão a consulta do mercado, tarifas, fatura, dentre outros indicadores por unidade consumidora; 7. Averiguar aspectos práticos que possam favorecer a inteligibilidade das tarifas; 12

13 8. Identificar junto aos atores que terão acesso completo à informação, aspectos inerentes à adequada mineração e segurança dos dados; e 9. Levantar aspectos que possam garantir a segurança dos dados das concessionárias e permissionárias, bem como dos dados individuais de seus consumidores. b) Subproduto 2: Arquitetura, requisitos de segurança e acesso ao sistema. Será definida uma arquitetura que deve considerar o uso de hospedagem externa às dependências da ANEEL (nuvem), na modalidade Software as a Service (SaaS) ou Platform as a Service (PaaS), com vistas a evitar oneração da infraestrutura de rede, armazenamento e processamento, bem como dos serviços de desenvolvimento de software internos à Agência. Devem ser objeto do escopo de estudo os seguintes aspectos jurídicos, incluindo os contratuais, além dos técnicos e econômicos: 1. Viabilidade da aplicação ser gerida por provedor de serviços privado nacional? 2. O setor privado nacional tem condição de prover gestão de um sistema tão amplo e específico como o SIASE se propõe a ser? 3. Qual o diferencial de custos entre a opção PaaS (ANEEL gerencia a aplicação) e a opção SaaS (provedor gerencia)? Para os componentes do sistema hospedados externamente, a gestão e os custos de manutenção associados serão assumidos pela Agência após um ano do encerramento do projeto, devendo ser entregue como produto do projeto de P&D, além dos requisitos de acesso e segurança, a especificação técnica detalhada dos serviços e da infraestrutura utilizada. No caso de inviabilidade de uso da nuvem, devem ser providos os recursos de hardware, software e serviços de TI que possibilitem a operação do sistema nas instalações da Agência, com garantia mínima de um ano, ficando sob responsabilidade da ANEEL a manutenção do ambiente a partir do fim da garantia. Serão de propriedade da ANEEL, todos os componentes (hardware e software) do sistema hospedado internamente, os quais devem ser fornecidos como produto do Projeto de P&D. c) Subproduto 3: Base de dados consolidada Esse subproduto poderá ser segmentado em duas fases. A primeira fase consistirá na consolidação da base de dados de informações do consumidor (p. ex. mercado e faturas), considerando a compatibilidade de bases públicas e buscando a padronização da informação. Essa base de dados formará o Cadastro Nacional de Mercado. A segunda fase consiste em integrar os bancos de dados para cálculo da construção de tarifas. Os cálculos preliminares das tarifas e estrutura tarifária serão realizados com a utilização dos bancos de dados abaixo: 13

14 Bd Parâmetros: banco de uso principal dos processos de revisão e de reajuste de nível, a ser empregado para repassar parâmetros de cálculo para construção de tarifas e receber informações do cálculo de construção tarifária; Bd Tarifas: banco de tarifas, contendo as tarifas dos últimos dois anos; Bd Tarifas de Referência: banco com as tarifas de referência, tanto de carga quanto de geradores; Bd Regras de Construção de Tarifas: banco com as regras de construção de tarifas. O SIASE não possuirá uma configuração fixa, empregando as regras para fazer a construção das tarifas. Nele se fará: o cadastramento das diferentes modalidades; quais custos se associam à modalidade; a associação do custo às funções de custos, tipo de tarifa; quais custos determina-se a neutralidade econômica e quais pertencem à CVA; o método de alocação de cada custo: selo energia, selo demanda, selo energia e demanda, tarifa de referência, etc. (tantas funções quanto for necessário); Bd Agentes: é necessário construir um cadastro único de agentes do setor, uma vez que há diversas informações associadas, tais como tarifas nominais; Bd Encargos: banco com a consolidação da CDE, ESS e Proinfa; Bd Contratos de Energia: banco com o cadastro de todos os contratos de energia, alimentados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica, com detalhamento de informações como vigência, preço base, regra de atualização do preço, regras de limite de repasse, etc.; Bd Perdas: banco de perdas técnicas e não técnicas das Distribuidoras. d) Subproduto 4: Portal Eletrônico Informações a serem disponibilizadas em portal específico na internet com função de fornecer e receber informações da sociedade. e) Subproduto 5: Software de cálculo tarifário Este software, para uso exclusivo da ANEEL, deverá utilizar-se dos bancos de dados definidos e ser construído modularmente, considerando, no mínimo, as seguintes funcionalidades: Construção das Tarifas; Cálculo do Nível Tarifário; Cálculo de CVA, acessando as bases de dados externas que forem necessárias (p.ex. das distribuidoras, da CCEE, ONS, FURNAS, ELETROBRÁS); Gerar banco de dados específico para simulação tarifária, a ser utilizado por software de acesso ao público; e Relatórios gerenciais com resultados e análises dos cálculos tarifários. f) Subproduto 6: Software de acesso ao público 14

15 Consiste em software de cálculo tarifário a ser disponibilizado ao público em geral, com a função de reprodução de cálculos e simulação por meio da variação de dados de entrada, a ser disponibilizado nos processos de reajustes e de revisões tarifárias por meio de banco de dados específico; e Inteligência Analítica A inteligência analítica consiste na aplicação de técnicas de mineração, objetivando gerar informações mais precisas a partir de uma base de dados. De acordo com Davenport (2007, p. 8), a inteligência analítica é "... a utilização extensiva de dados, análises quantitativas e estatísticas, modelos explicativos e preditivos e gestão baseada em fatos para orientar tomada de decisões e ações". As ferramentas utilizadas pela inteligência analítica permitem não somente a extração, mas também a interpretação e análise das informações. Assim, é possível um entendimento mais abrangente dos dados disponíveis e suas correlações. Podem-se citar algumas ferramentas de mineração usualmente empregadas em sistemas de inteligência analítica: Árvore de decisão e redes neurais; Modelos de regressão; Análise de agrupamento (Cluster); Medidas estatísticas e processo de sumarização; Descoberta nãosupervisionada de relações; Modelos de visualização. São muitas as possibilidades de emprego desse recurso, sendo essencial a existência de dados disponíveis numa base sólida e confiável, sendo que essa base será um dos subprodutos da Inteligibilidade das Tarifas. O produto Inteligência Analítica, que pode começar a ser desenvolvido à medida que as bases de dados forem disponibilizadas, tem como propósito criar um banco de conhecimento para as concessionárias e o Regulador do setor elétrico, objetivando suportar as ações de tomadas de decisão, e direcionamento da regulamentação do setor nos mais diferentes campos de atuação. Esse banco de conhecimento será também compartilhado pelo público em geral, notadamente, acadêmicos e pesquisadores, a fim de suportar estudos teóricos e aplicados sobre o setor elétrico. São análises possíveis de serem produzidas pelo sistema de inteligência analítica: Relações entre perdas, inadimplência e outros dados; Relações entre qualidade e eficiência operacional; Modalidades tarifárias e comportamento da carga e consumo; Eficiência energética e gerenciamento da demanda; Elasticidade preço-renda e elasticidade preço-demanda; Verificação de erros nas bases de dados. 15

16 Os métodos e informações serão definidos com base nas necessidades das distribuidoras, considerando a integração de bases de dados de acesso restrito à ANEEL. Adicionalmente deverá ser previsto formas de acesso pelas concessionárias às informações obtidas pelo processamento das bases de dados restritas à ANEEL Entregas O projeto deverá ser estruturado em etapas e de forma a trazer benefícios incrementais à medida que forem concluídas. Cada uma das etapas poderá gerar um ou mais dos produtos especificados como escopo mínimo. Para todo subproduto concluído, deverá ser entregue um relatório técnico e, no caso do software, adicionalmente, toda a documentação técnica necessária para a transferência do mesmo para a ANEEL e prevista na MDS/ANEEL, tais como: Dicionário de dados, Modelo entidade-relacionamento (MER), diagrama de sequência e casos de uso. Também deverá ser disponibilizado o código fonte e as licenças dos softwares e todos os componentes de software necessários ao cumprimento dos objetivos do projeto. O gerenciamento do projeto da solução de software e deve ser realizado por profissional especializado, observando a MGP/SISP PRAZO E FORMA PARA EXECUÇÃO DO PROJETO O prazo para execução do projeto deverá ser de até 24 (vinte e quatro) meses. A duração iniciar-se-á após o cadastro da data de início de execução do projeto no Sistema de Gestão de P&D ANEEL. Esse prazo poderá ser prorrogado conforme previsto no Manual de P&D, versão 2012, desde que a necessidade seja devidamente justificada e aprovada pela ANEEL. O projeto global deverá ser executado em 2 (duas) etapas, conforme descrito: Etapa 1: Para essa etapa deverá ser apresentada uma proposta que contemple as seguintes entregas: a. Pesquisa de opinião: conforme subproduto 1 do produto Inteligibilidade das tarifas ; b. Especificação do sistema: conforme subproduto 2 do produto Inteligibilidade das tarifas e o produto Inteligência analítica. Deverá desenvolver perspectivas para o desenvolvimento do sistema dentre os quais: os requisitos funcionais e não funcionais, as formas de interação com o usuário de acordo com os perfis desejados ao projeto, as características dos códigos e da estrutura do sistema, 16

17 arquitetura, as possibilidades de evolução e seus reflexos, e demais informações necessárias para a contabilização dos pontos de função, com vistas à posterior orçamentação e execução na etapa 2. Esta etapa deverá ser prevista para execução em 6 (seis) meses. Etapa 2: Para essa etapa deverá ser apresentada uma proposta que contemple as seguintes entregas: a. Entrega 1: conforme subprodutos 3, 4, 5 e 6 do produto Inteligibilidade das tarifas ; b. Entrega 2: conforme produto Inteligência analítica. Esta etapa deverá ser prevista para execução em 18 (dezoito) meses ENTIDADES INTERVENIENTES Tendo em vista as características e finalidades do projeto, MME, EPE, ONS e IPEA poderão acompanhar e avaliar os resultados obtidos durante sua execução, como entidades intervenientes. 3. CRITÉRIOS PARA PARTICIPAÇÃO Os critérios para participação no desenvolvimento do projeto são apresentados neste item, incluindo entidades elegíveis, composição dos membros da equipe e forma para contratação do projeto entre as entidades participantes ENTIDADES PARTICIPANTES DO PROJETO Empresas Proponente e Cooperadas Poderá participar da elaboração deste projeto, como proponente ou cooperada, qualquer empresa de distribuição de energia elétrica que tenha contrato de concessão ou permissão para atuar em tal segmento, ou apenas como cooperadas, empresas de transmissão e/ou geração de energia elétrica que também tenham contratos de concessão Entidades Executoras Os projetos podem ser desenvolvidos pelas próprias empresas de energia elétrica, cooperativamente entre duas ou mais empresas, com instituições públicas ou privadas de ensino e/ou de pesquisa, bem como empresas de consultoria ou de base tecnológica. 17

18 3.2. COMPOSIÇÃO DA EQUIPE DO PROJETO Todos os membros da equipe do projeto deverão ter seu currículo cadastrado no Sistema Eletrônico de currículos da Plataforma Lattes do CNPq, que pode ser acessado no endereço eletrônico Esses currículos deverão ser enviados para a ANEEL, por meio magnético (CD-ROM) em formato PDF para serem analisados quando da avaliação inicial do projeto. Ressalta-se que, por área temática do projeto, entende-se Sistemas centralizados de medição, controle e gerenciamento de energia em consumidores finais, uso de indicadores socioeconômicos, dados fiscais e gastos com outros insumos e Sistemas de tarifação e novas estruturas tarifárias Coordenador do Projeto Além do que consta no Manual de P&D, versão 2012, o Coordenador do projeto estratégico deverá atender aos seguintes requisitos: a) Ter obtido título de doutor há, pelo menos, 4 (quatro) anos no Subtema do projeto; b) Ter experiência mínima de 4 (quatro) anos no Subtema do projeto; c) Ser autor de pelo menos um artigo completo publicado nos últimos 5 (cinco) anos em periódico científico indexado ou ser autor de livro editado ou de capítulo de livro editado, cujo assunto esteja vinculado às áreas temáticas deste projeto; d) Estar vinculado a uma entidade executora deste projeto; e e) Não participar, simultaneamente, como coordenador, de outro projeto estratégico proposto pela ANEEL no âmbito do Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico do Setor de Energia Elétrica. O nível de qualificação técnica exigido justifica-se pela complexidade e relevância do tema para o setor de energia elétrica. A limitação de participação como coordenador em apenas um projeto estratégico busca assegurar tratamento prioritário para o projeto, de modo a não comprometer os objetivos e resultados propostos dentro do prazo estabelecido Gerente do Projeto Além do que consta no Manual de P&D, versão 2012, o Gerente do projeto estratégico deverá atender aos seguintes requisitos: a) Possuir formação de nível superior com experiência profissional comprovada em alguma das áreas temáticas deste projeto; 18

19 b) Estar vinculado, profissionalmente, à empresa proponente ou a uma empresa cooperada. O nível de qualificação técnica exigido justifica-se pela complexidade e relevância do tema para o setor de energia elétrica Demais Membros da Equipe do Projeto Além do que consta no Manual de P&D, versão 2012, os demais membros da equipe do projeto estratégico deverão atender ao seguinte requisito: a) Ter a função de Pesquisador, Auxiliar Técnico Bolsista ou Auxiliar Administrativo. O Pesquisador deverá estar vinculado, profissionalmente, à entidade executora do projeto, à Empresa proponente ou à Empresa cooperada e atender a um dos seguintes requisitos: a) Possuir formação de nível superior com pós-graduação (mestrado ou doutorado) em alguma das áreas temáticas deste projeto; b) Possuir formação de nível superior, com experiência profissional comprovada em alguma das áreas temáticas deste projeto de pelo menos 3 (três) anos; c) Possuir formação de nível superior e estar vinculado a curso de pós-graduação (mestrado ou doutorado), com tema de pesquisa em alguma das áreas temáticas do projeto. O nível de qualificação técnica exigido justifica-se pela complexidade e relevância do tema para o setor de energia elétrica. Caso sejam incluídos na equipe do projeto recursos humanos com a função de Auxiliar Técnico Bolsista ou Auxiliar Administrativo, estes deverão estar vinculados à entidade executora do projeto CONTRATAÇÃO DO PROJETO ESTRATÉGICO O contrato a ser firmado entre a empresa proponente, as empresas cooperadas e as entidades executoras deverá definir a forma de participação de cada entidade no projeto. 4. PROCEDIMENTOS 4.1. APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA As Empresas interessadas em investir neste projeto estratégico deverão manifestar o interesse por meio de ao endereço eletrônico A ANEEL divulgará os 19

20 nomes dessas Empresas no portal da ANEEL (www.aneel.gov.br), no vínculo Educação/Pesquisa e Desenvolvimento, Pesquisa e Desenvolvimento, Temas para Investimentos em P&D. Decorrido o prazo para manifestação de interesse em financiar o projeto, as Empresas interessadas deverão definir qual delas será a proponente do projeto e quais serão as entidades executoras do projeto. A proposta de projeto estratégico deverá ser elaborada utilizando-se o Arquivo Eletrônico de Projeto de P&D (XML), conforme disposto no documento Instruções para Elaboração e Envio de Arquivos para Cadastro no Sistema de Gestão de P&D ANEEL, disponibilizado no portal da ANEEL (www.aneel.gov.br), no vínculo Educação/Pesquisa e Desenvolvimento, Pesquisa e Desenvolvimento, Arquivos e Formulários Eletrônicos. Deverão ser considerados, além dos critérios estabelecidos no Manual de P&D, versão 2012, os critérios estabelecidos nesta Chamada. O projeto estratégico deverá ser submetido para avaliação da ANEEL, sendo o cadastro da proposta de projeto estratégico no Sistema de Gestão de P&D ANEEL realizado pela Empresa proponente. O projeto deverá ser enquadrado nos seguintes aspectos: a) Segmento do projeto: Distribuição; b) Tema: Medição, faturamento e combate a perdas comerciais; c) Subtema principal: Sistemas centralizados de medição, controle e gerenciamento de energia em consumidores finais, Uso de indicadores socioeconômicos, dados fiscais e gastos com outros insumos e Sistemas de tarifação e novas estruturas tarifárias; d) Fase da cadeia da inovação: Desenvolvimento experimental; e) Tipo de produto: Conceito ou Metodologia e Máquina ou Equipamento. Após isso, a proposta de projeto estratégico deverá ser elaborada de forma detalhada utilizando-se o Formulário de Projeto (prj), disponibilizado no portal da ANEEL (www.aneel.gov.br), no vínculo Educação/Pesquisa e Desenvolvimento, Pesquisa e Desenvolvimento, Arquivos e Formulários Eletrônicos e enviada ao endereço eletrônico para servir de subsídio à avaliação inicial AVALIAÇÃO INICIAL DA PROPOSTA A avaliação inicial do projeto estratégico será obrigatória e presencial, realizada nas dependências da ANEEL ou em local acordado entre a ANEEL e a Empresa proponente. 20

CHAMADA N O 002/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: METODOLOGIA

CHAMADA N O 002/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: METODOLOGIA Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 002/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO DA FUNÇÃO DE CUSTO

Leia mais

PROJETO PRIORITÁRIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: AÇÕES DE COMUNICAÇÃO E MARKETING PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO USO FINAL DE ENERGIA ELÉTRICA

PROJETO PRIORITÁRIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: AÇÕES DE COMUNICAÇÃO E MARKETING PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO USO FINAL DE ENERGIA ELÉTRICA Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA Nº. 001/2014 PROJETO PRIORITÁRIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: AÇÕES DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

CHAMADA N O 013/2011 PROJETO ESTRATÉGICO: ARRANJOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA INSERÇÃO

CHAMADA N O 013/2011 PROJETO ESTRATÉGICO: ARRANJOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA INSERÇÃO Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 013/2011 PROJETO ESTRATÉGICO: ARRANJOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA INSERÇÃO

Leia mais

CHAMADA N O 016/2013 PROJETO ESTRATÉGICO: SISTEMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA

CHAMADA N O 016/2013 PROJETO ESTRATÉGICO: SISTEMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ENERGIA ELÉTRICA Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 016/2013 PROJETO ESTRATÉGICO: SISTEMA DE MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA

Leia mais

CHAMADA N O 010/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: EFEITOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO REGIME HIDROLÓGICO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS E

CHAMADA N O 010/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: EFEITOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO REGIME HIDROLÓGICO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS E Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 010/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: EFEITOS DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO REGIME

Leia mais

CHAMADA N O 009/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: MONITORAMENTO

CHAMADA N O 009/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: MONITORAMENTO Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 009/2008 PROJETO ESTRATÉGICO: MONITORAMENTO DAS EMISSÕES DE GASES DE EFEITO

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA Nº. 002/2015 PROJETO PRIORITÁRIO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA: INCENTIVO À SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

CHAMADA N O 014/2012 PROJETO ESTRATÉGICO: ARRANJOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA INSERÇÃO

CHAMADA N O 014/2012 PROJETO ESTRATÉGICO: ARRANJOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA INSERÇÃO Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 014/2012 PROJETO ESTRATÉGICO: ARRANJOS TÉCNICOS E COMERCIAIS PARA INSERÇÃO

Leia mais

MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas

MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas MANUAL DE PESQUISA & DESENVOLVIMENTO Eletrobras Distribuição Alagoas Versão 4.0 MARÇO/2011 1. INTRODUÇÃO A ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO ALAGOAS deve aplicar anualmente 0,2% (zero vírgula dois por cento) de

Leia mais

CHAMADA N O 011/2010 PROJETO ESTRATÉGICO: PROGRAMA BRASILEIRO DE REDE ELÉTRICA INTELIGENTE

CHAMADA N O 011/2010 PROJETO ESTRATÉGICO: PROGRAMA BRASILEIRO DE REDE ELÉTRICA INTELIGENTE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 011/2010 PROJETO ESTRATÉGICO: PROGRAMA BRASILEIRO DE REDE ELÉTRICA INTELIGENTE

Leia mais

ANEXO II - Especificações Técnicas

ANEXO II - Especificações Técnicas ANEXO II - Especificações Técnicas Índice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESCOPO... 24 1.1 OBJETIVO DESTE DOCUMENTO... 24 1.2 CARACTERÍSTICAS DAS SOLUÇÕES SAGER E SAAT... 24 1.3 COMPONENTES DO PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA SECOM-PR N o 8 DE 19 DE DEZEMBRO DE 2014 Disciplina a implantação e a gestão da Identidade Padrão de Comunicação Digital das

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL)

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas (MDS - ANEEL) Versão 2.0 Escritório de Gerenciamento de Projetos - EGP Superintendência da Gestão Técnica da Informação SGI Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica...

..: FormSus :.. http://formsus.datasus.gov.br/site/popup_unidade_detalhe.php?id_aplica... 1 de 1 19/4/212 17:17 EGTI 211/212 - Autodiagnostico 21 Imprimir Identificação 1. Qual a identificação do órgão? AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS 2. Qual o âmbito de preenchimento do formulário?

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇÃO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA Consultor por Produto

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Documento de Visão do Projeto

Documento de Visão do Projeto Documento de Visão do Projeto 1. Objetivo O propósito deste documento é coletar, analisar e definir as necessidades de alto-nível e características do projeto de software do Módulo Editor de Estruturas

Leia mais

Etapa Descrição Atividades

Etapa Descrição Atividades 1 Introdução A auditoria e o monitoramento contínuo visam melhorar a eficiência das operações na empresa, identificando e avaliando riscos de maneira tempestiva e provendo rapidamente informações críticas

Leia mais

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento

A solução para relacionamento de. Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento A solução para relacionamento de Smart Grid com os consumidores Gestão de consumo de energia elétrica, água e gás, contabilização e interfaces de relacionamento asmart Grid + Relacionamento ferramenta

Leia mais

Projeto SAAT/SAGER. Reunião com os Proponentes 18/03/2015

Projeto SAAT/SAGER. Reunião com os Proponentes 18/03/2015 Projeto SAAT/SAGER Reunião com os Proponentes 1 18/03/2015 Agenda Visão Geral dos Sistemas SAGER SAAT Requisitos Contexto Plataforma Tecnológica Plano do Projeto Estrutura de Gestão Atividades de apoio

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

MANUAL DE SISTEMATIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS E FISCAIS DO SETOR PÚBLICO (MSICSP)

MANUAL DE SISTEMATIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS E FISCAIS DO SETOR PÚBLICO (MSICSP) REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 15 de Novembro de 1889 MANUAL DE SISTEMATIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS E FISCAIS DO SETOR PÚBLICO (MSICSP) Regras Gerais de Estrutura e Formatação do MSICSP O primeiro

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca dos conceitos básicos de gerenciamento de projetos e considerando o PMBOK, julgue os itens a seguir. 51 No gerenciamento de um projeto, deve-se utilizar não apenas as ferramentas

Leia mais

CHAMADA N O 017/2013 PROJETO ESTRATÉGICO: DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NACIONAL DE GERAÇÃO EÓLICA

CHAMADA N O 017/2013 PROJETO ESTRATÉGICO: DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NACIONAL DE GERAÇÃO EÓLICA Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE CHAMADA N O 017/2013 PROJETO ESTRATÉGICO: DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NACIONAL DE

Leia mais

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor]

Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Contrato de Serviço (SLA) para [Cliente] por [Provedor] Data Gerador do documento: Gerente de Negociação: Versões Versão Data Revisão Autor Aprovação (Ao assinar abaixo, o cliente concorda com todos os

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada CONSULTA PÚBLICA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES está preparando processo licitatório para contratação de serviços de consultoria técnica especializada, conforme detalhado

Leia mais

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do

GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do GRUPOS TEMÁTICOS: I - Monitoramento & Avaliação dos Programas do Governo e II - Plano de Governo / Planejamento Estratégico 1. Em que situação encontra-se o produto em seu Estado? Em contratação; Em construção

Leia mais

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem

O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O poder da colaboração e da comunicação baseadas na Nuvem O Microsoft Office 365 é a suíte de Produtividade da Microsoft, que oferece as vantagens da Nuvem a empresas de todos os tamanhos, ajudando-as

Leia mais

Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006

Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006 Arquitetura de Disseminação de Informações baseada em Datawarehouse 05/04/2006 Agenda A Informal Perspectiva Histórica Modelos de Arquitetura Benefícios para Gestão Caso de Referência Agenda A Informal

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PROJETO NOVAS FRONTEIRAS DECLARAÇÃO DE TRABALHO TREINAMENTO STATEMENT OF WORK Preparado por Nelson Azevedo Membro do Time Versão 1 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 28/11/2010 Propósito

Leia mais

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica

ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica 449 ANEXO 6 Critérios e Parâmetros de Pontuação Técnica A. Fatores de Pontuação Técnica: Critérios Pontos Peso Pontos Ponderados (A) (B) (C) = (A)x(B) 1. Qualidade 115 1 115 2. Compatibilidade 227 681.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

Empresa tem 1,5 mil vagas de emprego em TI

Empresa tem 1,5 mil vagas de emprego em TI Empresa tem 1,5 mil vagas de emprego em TI Rogerio Jovaneli, de INFO Online Segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011-15h51 SÃO PAULO - A Cast, fornecedora de soluções e serviços em TI, revela dispor de 1,5

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

EDITAL SAL/MJ Nº 5, DE 2 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional

EDITAL SAL/MJ Nº 5, DE 2 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Secretaria de Assuntos Legislativos Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, bloco T, 4º andar, sala 434 (6) 2025 3376 / 34 E-mail: sal@mj.gov.br EDITAL SAL/MJ Nº 5, DE 2 DE JULHO DE

Leia mais

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica

ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica 491 ANEXO 8 Planilha de Pontuação Técnica Nº Processo 0801428311 Licitação Nº EDITAL DA CONCORRÊNCIA DEMAP Nº 09/2008 [Razão ou denominação social do licitante] [CNPJ] A. Fatores de Pontuação Técnica:

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE

PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE PRIMAVERA PORTFOLIO MANAGEMENT DA ORACLE RECURSOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO Entrega valor por meio de uma abordagem de estratégia em primeiro lugar para selecionar o conjunto ideal de investimentos Aproveita

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO OEI/TOR/FNDE/CGETI

Leia mais

ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL ANEXO TR QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL REQUISITOS MÍNIMOS DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA DOS PROFISSIONAIS QUE DEVERÃO COMPOR AS EQUIPES TÉCNICAS PREVISTAS NESSA CONTRATAÇÃO PARA AMBOS OS LOTES. QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

ANEXO I. Colegiado Gestor e de Governança

ANEXO I. Colegiado Gestor e de Governança ANEXO I CENTRO DE SERVIÇOS COMPARTILHADOS DO CAU Política de Governança e de Gestão da Tecnologia da Informação do Centro de Serviço Compartilhado do Conselho de Arquitetura e Urbanismo Colegiado Gestor

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas

Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas São Paulo, 28 de julho de 2006 À Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Regulação Econômica SRE BRASILIA - DF Ref.: Audiência Pública 008/2006 Processo 48500.001208/2006-37 Assunto:

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Executiva Diretoria de Projetos Internacionais CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Acordo de Empréstimo BIRD - Nº 7841-BR PROJETO

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA DE PROPOSTAS DE PROJETOS DE P&D NA ÁREA DE GERAÇÃO RENOVÁVEL

EDITAL DE CHAMADA DE PROPOSTAS DE PROJETOS DE P&D NA ÁREA DE GERAÇÃO RENOVÁVEL EDITAL DE CHAMADA DE PROPOSTAS DE PROJETOS DE P&D NA ÁREA DE GERAÇÃO RENOVÁVEL Aplicação massiva de Geração Distribuída Solar em diferentes tipologias de telhados na cidade de Campinas Sumário 1 Apresentação...

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SIA-015-R00 PLANEJAMENTO E ACOMPANHAMENTO DO ORÇAMENTO DA SIA 07/2013 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 Brasília, 29 de julho de 2013. Aprovado, Fabio Faizi Rahnemay Rabbani

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 4 DE JANEIRO DE 205 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Projeto BRA/07/004 Seleciona: Consultor para identificação das melhores

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015 DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO 1 / 5 ANEXO 03 INFORMAÇÕES DOS CARGOS 1. CARGOS DE NÍVEL MÉDIO Cargo 01 Técnico em Administração Realizar atividades que envolvam a aplicação das

Leia mais

Intranet Embrapa. Princípios e conceitos

Intranet Embrapa. Princípios e conceitos Intranet Embrapa Princípios e conceitos Brasília, 9 de setembro de 2014 2 1. Apresentação O projeto de uma Nova Intranet para a Embrapa teve início em julho de 2012, com o diagnóstico das Intranets das

Leia mais

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX

Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX Contrato nº xxx/201x ANEXO 1 Acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) Municípios - XXXXXX 1. Resumo Executivo Disponibilizar acesso ao estudo do BI (Business Intelligence) da CELEPAR, baseado nas

Leia mais

GUIA DO AVALIADOR DE PROJETOS DE P&D *** PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA ***

GUIA DO AVALIADOR DE PROJETOS DE P&D *** PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA *** Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética SPE GUIA DO AVALIADOR DE PROJETOS DE P&D *** PROGRAMA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO

Leia mais

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1 CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 ARQUITETURA DE COMPUTADORES... 4 02 FILOSOFIA... 4 03 FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS PARA COMPUTAÇÃO...

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

Critérios de Avaliação dos Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Regulados pela ANEEL e Perfil dos Projetos Reprovados

Critérios de Avaliação dos Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Regulados pela ANEEL e Perfil dos Projetos Reprovados 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Critérios de Avaliação dos Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento Regulados pela ANEEL e Perfil dos Projetos Reprovados Máximo Luiz Pompermayer Centro de Pesquisa

Leia mais

ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS

ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS As qualificações técnicas exigidas para os profissionais que executarão os serviços contratados deverão ser comprovados por meio dos diplomas, certificados, registros

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Consistência da Base Cadastral e Controle da Qualidade dos Dados de Faturamento

Consistência da Base Cadastral e Controle da Qualidade dos Dados de Faturamento XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Consistência da Base Cadastral e Controle da Qualidade dos Dados de Faturamento Carlos

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada para executar serviços de manutenção evolutiva, corretiva, adaptativa e normativa

Leia mais

01 Analista de TI sênior. Local de trabalho: Campinas (disponibilidade para viagens)

01 Analista de TI sênior. Local de trabalho: Campinas (disponibilidade para viagens) Oportunidades de trabalho na CCM7 01 Analista de TI sênior (disponibilidade para viagens) Responsável pela manutenção e controle dos hardwares e softwares da organização; Projetar e prestar manutenção

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Nº do Termo de Referência no Plano de Aquisições: 2 B 4 Acordo

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Nº do Termo de Referência no Plano de Aquisições: 2 B 5 Acordo

Leia mais

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP

Anexo VI Edital nº 03361/2008. Projeto de Integração das informações de Identificação Civil. 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP Anexo VI Edital nº 03361/2008 Projeto de Integração das informações de Identificação Civil 1. Definições de interoperabilidade adotadas pela SENASP A Senasp procura adotar os padrões de interoperabilidade

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Seu dia é mais inteligente

Seu dia é mais inteligente Seu dia é mais inteligente O 2007 Microsoft Office system é uma plataforma de soluções inteligentes para tarefas operacionais, estratégicas e organizacionais. O conjunto de aplicativos e servidores e a

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS DE P&D DA CELG DISTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA 2014/2015

CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS DE P&D DA CELG DISTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA 2014/2015 CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETOS DE P&D DA CELG DISTRIBUIÇÃO PARA O PROGRAMA 2014/2015 DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA E PESQUISA DP-DPTN DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E EXPANSÃO DP Goiânia, GO Janeiro/2014 CHAMADA

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE BUSINESS INTELLIGENCE

OTIMIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE BUSINESS INTELLIGENCE OTIMIZAÇÃO DA GESTÃO PÚBLICA ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE BUSINESS INTELLIGENCE Guimarilza Barbosa de Souza João Gabriel Ribeiro Luiz Cláudio de Arruda Isoton II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 5:

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

Diretoria de Informática

Diretoria de Informática Diretoria de Informática Estratégia Geral de Tecnologias de Informação para 2013-2015 EGTI 2013-2015 Introdução: Este documento indica quais são os objetivos estratégicos da área de TI do IBGE que subsidiam

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

EDITAL SAL/MJ Nº 6, DE 2 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional

EDITAL SAL/MJ Nº 6, DE 2 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Secretaria de Assuntos Legislativos Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, bloco T, 4º andar, sala 434 (6) 2025 3376 / 34 E-mail: sal@mj.gov.br EDITAL SAL/MJ Nº 6, DE 2 DE JULHO DE

Leia mais

Boas práticas, vedações e orientações para contratação de serviços de desenvolvimento e manutenção de software (Fábrica de Software)

Boas práticas, vedações e orientações para contratação de serviços de desenvolvimento e manutenção de software (Fábrica de Software) MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Tecnologia da Informação Departamento de Infraestrutura e Serviços de Tecnologia da Informação Departamento de Governança e Sistemas de Informação

Leia mais

Especificação do KAPP-PPCP

Especificação do KAPP-PPCP Especificação do KAPP-PPCP 1. ESTRUTURA DO SISTEMA... 4 1.1. Concepção... 4 2. FUNCIONALIDADE E MODO DE OPERAÇÃO... 5 3. TECNOLOGIA... 7 4. INTEGRAÇÃO E MIGRAÇÃO DE OUTROS SISTEMAS... 8 5. TELAS E RELATÓRIOS

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA 1. ANTECEDENTES:

TERMO DE REFERÊNCIA 1. ANTECEDENTES: TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA OU PROFISSIONAL CONSULTOR PARA O DESENHO, HABILITAÇÃO E MANUTENÇÃO DO PORTAL NA WEB DO INSTITUTO SOCIAL DO MERCOSUL. 1. ANTECEDENTES: Atualmente o site do Instituto

Leia mais

Acordo de Nível de Serviço

Acordo de Nível de Serviço Acordo de Nível de Tecnologia da Informação e Comunicação Setor de Informática Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Tel: (24) 2251-3502 Email: coinfo@ufrrj.br Adaptado para o Instituto Três Rios,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº 004/2013 01, de 12.06.13

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº 004/2013 01, de 12.06.13 INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº 004/2013 01, de 12.06.13 Dispõe sobre os procedimentos de gestão da Tecnologia da Informação. O Prefeito Municipal e o Secretário Municipal de Gestão e Planejamento, no exercício

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. S u b m ó d u l o 10. 2

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. S u b m ó d u l o 10. 2 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 10: Ordem e Condições de Realização dos Processos Tarifários e Requisitos de Informações e Obrigações Periódicas S u b m ó d u l o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Lista de Figuras e Tabelas

Lista de Figuras e Tabelas Centro Universitário de Brasília UNICEUB Faculdade de Tecnologia e Ciências Sociais Aplicadas - FATECS Coordenação Geral dos Cursos Seqüenciais CGSC Curso Superior de Formação Específica em Análise de

Leia mais

CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS

CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS CARTILHA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1ª edição - 2015 ÍNDICE INTRODUÇÃO...03 O QUE É UM PROJETO?...04 O QUE É UM PROGRAMA?...07 ESTUDOS E PROJETOS...08 O QUE É O GERENCIAMENTO DE PROJETOS...09 QUEM É

Leia mais

Documentos produzidos pelo Prossiga

Documentos produzidos pelo Prossiga Documentos produzidos pelo Prossiga CHASTINET, Yone. Prossiga: Programa de Trabalho para o exercício do 2º semestre de 1999 e 1º semestre de 2000. Rio de Janeiro, p.1-20, maio 1999. (MCT/CNPq/Prossiga

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Apresentação da Empresa e seus Serviços.

Apresentação da Empresa e seus Serviços. Apresentação da Empresa e seus Serviços. 1 Conteúdo do Documento Sobre a MSCTI... 3 Portfólio de Serviços... 4 O que a consultoria MSCTI faz?... 5 Outros Serviços e Soluções... 6 Certificações... 7 Clientes

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Requisito Descrição 6.1 - Produtos de Hardware 6.1.1. GRUPO 1 - IMPRESSORA TIPO I (MONOCROMÁTICA 20PPM - A4) 6.1.1.1. TECNOLOGIA DE IMPRESSÃO 6.1.1.1.1.

Leia mais

Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação

Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação Aula Nº 10 Planejamento da Comunicação Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam analisar as necessidades de informação para se manter os stakeholders internos e externos bem como a equipe de projetos

Leia mais