A protecção do ambiente em rede: uma estratégia nacional, uma responsabilidade europeia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A protecção do ambiente em rede: uma estratégia nacional, uma responsabilidade europeia"

Transcrição

1 DEBATER A EUROPA Periódico do CIEDA e do CIEJD, em parceria com GPE, RCE e o CEIS20. N.1 Junho/Dezembro 2009 Semestral ISSN Disponível em: A protecção do ambiente em rede: uma estratégia nacional, uma responsabilidade europeia Alexandra Aragão Professora Auxiliar da FDUC Resumo 1. Novas formas de integração ambiental: bolhas e redes 2. As alterações climáticas e a bolha europeia 2.1. O clima e a partilha de responsabilidades 2.2. O comércio de licenças de emissões de gases com efeito de estufa 3. As redes e as responsabilidades europeias 3.1. A Rede Natura 2000 e a conservação da natureza 3.2. A gestão comum das águas interiores europeias 3.3. A gestão dos resíduos sólidos 4. Conclusão: a protecção do ambiente em rede como estratégia nacional Summary/Abstract 1. New forms of environmental integration: "bubbles" and "networks" 2. Climate change and the "European bubble" 2.1. The climate and the sharing of responsibilities 2.2. The trading of licences of emissions of greenhouse gases 3. The networks and the European responsibilities 3.1. Natura 2000 network and nature conservation 3.2. The common management of European inland waters 3.3. The solid waste management 4. Conclusion: The protection of the environment "networking" as the national strategy 47

2 1. Novas formas de integração ambiental: bolhas e redes O Direito Europeu do Ambiente é um conjunto de normas jurídicas, composto pelas disposições específicas do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (especialmente os artigos 191º a 193º, núcleo duro da política ambiental, mas também pelo artigo 11º, relativo à integração do ambiente nas restantes políticas 1 ) e por uma extensa constelação de actos jurídicos de direito secundário do ambiente, de onde destacamos o dever europeu de sancionar penalmente as infracções ambientais graves cometidas em território dos Estados 2. Tanto quantitativa como qualitativamente, a importância da política ambiental europeia é tão significativa, que cria para os Estados, que devem executá-la, uma obrigação de conjugar esforços e criar sinergias entre as actuações nacionais e os objectivos europeus. Defendemos, por isso, que existe actualmente na Europa um dever reforçado de colaboração na protecção do ambiente. O que nos permite chegar a esta conclusão é a interpretação do novo número 4 do artigo 191º do Tratado da União Europeia, na versão de Lisboa 3, relativo à política ambiental, conjugado com o princípio da cooperação leal, consagrado no nº3 do artigo 4º do 1 As exigências em matéria de protecção do ambiente devem ser integradas na definição e execução das políticas e acções da União, em especial com o objectivo de promover um desenvolvimento sustentável. 2 É a Directiva n.º 2008/99, de 19 de Novembro de 2008, aprovada primeiro sob a forma de Decisão-quadro (n.º2003/80/jai) no âmbito de um polémico procedimento legislativo considerado inválido pelo Tribunal de Justiça em13 de Setembro de 2005, no processo C-176/03 que anulou aquela decisão A política da União no domínio do ambiente contribuirá para a prossecução dos seguintes objectivos: a preservação, a protecção e a melhoria da qualidade do ambiente, a protecção da saúde das pessoas, a utilização prudente e racional dos recursos naturais, a promoção, no plano internacional, de medidas destinadas a enfrentar os problemas regionais ou mundiais do ambiente, e designadamente a combater as alterações climáticas. 2. A política da União no domínio do ambiente terá por objectivo atingir um nível de protecção elevado, tendo em conta a diversidade das situações existentes nas diferentes regiões da União. Basear-se-á nos princípios da precaução e da acção preventiva, da correcção, prioritariamente na fonte, dos danos causados ao ambiente e do poluidor-pagador. Neste contexto, as medidas de harmonização destinadas a satisfazer exigências em matéria de protecção do ambiente incluirão, nos casos adequados, uma cláusula de salvaguarda autorizando os Estados-Membros a tomar, por razões ambientais não económicas, medidas provisórias sujeitas a um processo de controlo da União. 3. Na elaboração da sua política no domínio do ambiente, a União terá em conta: os dados científicos e técnicos disponíveis, as condições do ambiente nas diversas regiões da União, as vantagens e os encargos que podem resultar da actuação ou da ausência de actuação, o desenvolvimento económico e social da União no seu conjunto e o desenvolvimento equilibrado das suas regiões. 4. A União e os Estados-Membros cooperarão, no âmbito das respectivas atribuições, com os países terceiros e as organizações internacionais competentes. As formas de cooperação da União podem ser objecto de acordos entre esta e as partes terceiras interessadas. O disposto no parágrafo anterior não prejudica a capacidade dos Estados-Membros para negociar nas instâncias internacionais e celebrar acordos internacionais. 48

3 Tratado da União Europeia, e conjugado ainda com a centralidade que a política ambiental assume na constelação das políticas europeias, em virtude do princípio da integração. Começando por este último princípio, ele foi erigido, desde 1993, em princípio fundamental do Tratado e consta actualmente do artigo 11º do Tratado Sobre o Funcionamento da União. Na sua formulação clássica, este princípio propugna que as exigências em matéria de protecção do ambiente devem ser integradas na definição e execução das políticas e acções da União, em especial com o objectivo de promover um desenvolvimento sustentável. Os Estados membros, ao executar as políticas e acções da União, têm então o dever de ter em consideração todos os impactes ambientais, no sentido de os evitar ou, se isso não for possível, de os minimizar ou compensar. Por outro lado, se, como prescreve o artigo 191º, nº4, a União e os Estados membros têm o dever de cooperar, no âmbito das respectivas atribuições, com os países terceiros e as organizações internacionais competentes, por maioria de razão se devem conjugar e articular os próprios Estados membros entre si, na adopção de medidas nacionais de aplicação do Direito Europeu do Ambiente. Por fim, o dever de cooperação leal entre os Estados membros e as Instituições Europeias, desde sempre consagrado no Tratado que instituíu a Comunidade Europeia, foi alargado pelo Tratado de Lisboa, que dá agora a entender que se aplica também às relações entre os próprios Estados membros: a União e os Estados-Membros respeitam-se e assistem-se mutuamente no cumprimento das missões decorrentes dos Tratados. Em matéria ambiental, esta designação traduz-se no dever de os vinte e sete Estados membros, na execução da política ambiental Europeia, assegurarem que as medidas ambientais nacionais se conjugam e articulam convenientemente na prossecução dos interesses europeus em conformidade com o denominado princípio da cooperação leal, consagrado expressamente no nº3 do artigo 4º do Tratado da União Europeia. Em suma, a articulação entre todos os Estados europeus na protecção dos diferentes sectores ambientais é, desde logo, um dever, imposto pelo Direito Europeu do ambiente. Mas é também, simultaneamente, a melhor forma de prossecução dos interesses nacionais. É o que procuraremos demonstrar seguidamente. Como veremos nos pontos seguintes, o facto de, em matéria ambiental, a Europa se comportar como uma bolha ou como uma rede, é a melhor forma de salvaguardar valores fundamentais como as liberdades de circulação de factores de produção e a liberdade de iniciativa económica, com garantia de coesão económica, social, territorial e até ambiental. 49

4 A coesão territorial é uma novidade do Tratado de Lisboa. À clássica coesão económica e social, desde há muito promovida pela União Europeia, veio o Tratado de Lisboa acrescentar a coesão territorial, preocupação presente em regiões com limitações naturais ( ) graves e permanentes, e dando como exemplos as regiões montanhosas e insulares. Exprime-se assim uma preocupação de tomar em consideração e até de compensar (através do Fundo de Coesão e de compensações orçamentais 4 ) as populações das regiões geograficamente mais desfavorecidas. Com efeito, em regiões remotas e de difícil acesso, mesmo em situação de normalidade, as populações suportam sempre encargos acrescidos (tanto financeiros como temporais) de transporte. Em situação de catástrofe 5, estas regiões ficam claramente mais desprotegidas, e as populações locais, extremamente vulneráveis. A coesão ambiental não tem consagração expressa no Tratado, mas é claramente um objectivo da política ambiental. Assim, a política ambiental europeia deverá ter em conta a diversidade das situações existentes nas diferentes regiões da União 6 mas o grande objectivo a nível ambiental é atingir um nível de protecção elevado. Desvios às medidas europeias de protecção ambiental só são admissíveis, se o propósito dos Estados for introduzir medidas de protecção ainda mais reforçadas 7. No entanto, esta possibilidade deve ser confirmada, caso a caso, pela Comissão Europeia que verificará se o goldplating 8 pretendido pelo Estado é compatível com o Tratado. 2. As alterações climáticas e a bolha europeia A luta contra as alterações climáticas é, indubitavelmente, o exemplo máximo de um sector ambiental em que as actuações isoladas dos Estados são tão injustas como ineficazes. As alterações climáticas, 4 Vide Protocolonº28 ao Tratado de Lisboa, relativo à coesão económica, social e territorial. 5 E não nos esqueçamos de que o Tratado de Lisboa inclui agora, como novo domínio de cooperação, a protecção civil: a União incentiva a cooperação entre os Estados-Membros a fim de reforçar a eficácia dos sistemas de prevenção das catástrofes naturais ou de origem humana e de protecção contra as mesmas (Artigo 196.º). 6 Artigo 191º, n.º2. A consideração da diversidade regional está também presente no nº3 do mesmo artigo, a propósito dos pressupostos da política ambiental europeia: na elaboração da sua política no domínio do ambiente, a União terá em conta: os dados científicos e técnicos disponíveis, as condições do ambiente nas diversas regiões da União, as vantagens e os encargos que podem resultar da actuação ou da ausência de actuação, o desenvolvimento económico e social da União no seu conjunto e o desenvolvimento equilibrado das suas regiões. 7 Artigo 193º do Tratado. 8 Expressão (que, à letra, poderia ser traduzida por dourar o direito comunitário ) cunhada pela doutrina anglosaxónica para designar as situações em que os Estados membros, na prossecução das políticas europeias, vão mais além do nível estabelecido pelas Instituições da União. Sobre as práticas nacionais de goldplating ver Gold plating of European Environmental Measures? J.H. Jans & L. Squintani, A. Aragão, R. Macrory e B.W. Wegener, disponível em: 50

5 sendo um fenómeno global quanto à origem (na medida em que resulta de fontes emissoras muito difusas), e global quanto aos efeitos (pois eles se fazem sentir em todos os pontos do globo), são a prova da impotência absoluta dos Estados para alterar as condições ambientais através de actuações isoladas. O clima é um problema de todos e só uma actuação concertada pode aspirar a inflectir uma tendência, que já se vem desenhando há bastante tempo, mas cujos contornos só recentemente começámos a vislumbrar. Na Europa, este é um objectivo prioritário consagrado, pela primeira vez, como objectivo constitucional, no Tratado de Lisboa. No artigo 191º, relativo à política ambiental, a par dos objectivos de preservação, protecção e melhoria da qualidade do ambiente, protecção da saúde das pessoas, utilização prudente e racional dos recursos naturais, encontramos agora a promoção, no plano internacional, de medidas destinadas a enfrentar os problemas regionais ou mundiais do ambiente, e designadamente a combater as alterações climáticas 9. A reforçar esta ideia, o novo artigo 194º do Tratado, relativo à política energética, sublinha a ligação entre a energia e o ambiente: no âmbito do estabelecimento ou do funcionamento do mercado interno e tendo em conta a exigência de preservação e melhoria do ambiente 10, a política da União no domínio da energia tem por objectivos, num espírito de solidariedade entre os Estados- Membros: a) assegurar o funcionamento do mercado da energia; b) assegurar a segurança do aprovisionamento energético da União; c) promover a eficiência energética e as economias de energia, bem como o desenvolvimento de energias novas e renováveis; e d) promover a interconexão das redes de energia. A Convenção-Quadro sobre Alterações Climáticas, das Nações Unidas, marcou a partida de uma nova época na percepção e no esforço de combater, colectivamente as alterações climáticas. A Convenção foi adoptada em 9 de Maio de 1992 pelo Comité Intergovernamental de Negociação, instituído pela Assembleia Geral das Nações Unidas no contexto da Eco-92, a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, que teve lugar no Rio de Janeiro, em Junho de Esta Convenção foi aberta à assinatura pelos Estados em 4 de Junho de 1992 e entrou em vigor em 21 de Março de 1994, tendo recebido 189 ratificações. 9 Negrito nosso. 10 Negrito nosso. 51

6 No Preâmbulo desta Convenção encontramos o reconhecimento de que, apesar das incertezas 11 subsistentes quanto aos fenómenos meteorológicos, a natureza das alterações climáticas 12 é essencialmente antropogénica 13. Daí o objectivo essencial deste instrumento de direito internacional ser o de conseguir, de acordo com as disposições relevantes da Convenção, a estabilização das concentrações na atmosfera de gases com efeito de estufa a um nível que evite uma interferência antropogénica perigosa com o sistema climático 14. Por outro lado, as responsabilidades dos Estados são variáveis 15 mas inadiáveis, em função da decisão de proteger o sistema climático para as gerações actuais e futuras. Afirma-se assim, de forma peremptória, o princípio da responsabilidade comum mas diferenciada e o dever de cooperação dos Estados: reconhecendo que a natureza global da alteração climática requer a mais ampla cooperação possível entre todos os países e a sua participação numa resposta internacional eficaz e apropriada, de acordo com as suas responsabilidades comuns mas diferenciadas e de acordo com as suas capacidades respectivas e com as suas condições sociais e económicas O clima e a partilha de responsabilidades O Protocolo de Kyoto surge precisamente para concretizar esta partilha de responsabilidades. A complexidade do procedimento de aprovação e entrada em vigor do Protocolo de Kyoto 16 é bem reveladora da sensibilidade e da magnitude da tarefa, que consistiu em atribuir a cada Estado uma quota-parte da responsabilidade pela redução das emissões de gases com efeito de estufa (GEE). 11 Notando que existem muitas incertezas nas previsões sobre as alterações climáticas, especialmente quanto ao momento da sua ocorrência, amplitude e modelo regional. 12 Alteração climática é uma modificação no clima atribuível, directa ou indirectamente, à actividade humana que altera a composição da atmosfera global e que, conjugada com as variações climáticas naturais, é observada durante períodos de tempo comparáveis (artigo 1º, n.º2 da Convenção-quadro) e na sua origem estão os gases com efeito de estufa, que são os constituintes gasosos da atmosfera, tanto naturais como antropogénicos, que absorvem e reemitem a radiação infravermelha (artigo 1º, n.º5 da Convenção-quadro), como por exemplo dióxido de carbono, metano, óxido nitroso, hidrofluorcarbonetos, perfluorcarbonetos ou hexafluoreto de enxofre. 13 (...) por as actividades humanas terem aumentado substancialmente na atmosfera as concentrações de gases com efeito de estufa e pelo facto de esse aumento estar a acrescer ao efeito de estufa natural, o que irá resultar num aquecimento médio adicional da superfície da Terra e da atmosfera, podendo afectar adversamente os ecossistemas naturais e a humanidade. 14 Artigo 2º. 15 Notando que a maior parte das emissões globais actuais e históricas de gases com efeito de estufa teve origem em países desenvolvidos, que as emissões per capita nos países em desenvolvimento são ainda relativamente baixas e que a quota-parte das emissões globais com origem nos países em desenvolvimento irá aumentar para satisfazer as suas necessidades sociais e de desenvolvimento...(...). 16 De acordo com o estabelecido no artigo 25º, o Protocolo entraria em vigor no nonagésimo dia após a data em que pelo menos 55 Partes da Convenção, englobando as Partes incluídas no anexo I que contabilizaram no total um mínimo de 55% das emissões totais de dióxido de carbono em 1990 das Partes incluídas no anexo I, tenham depositado os seus instrumentos de ratificação, aceitação, aprovação ou adesão, o que só veio a ocorrer em 16 de Fevereiro de 2005, mais de sete anos após a assinatura (que teve lugar em 11 de Dezembro de 1997). O Protocolo foi ratificado por 168 partes. 52

7 De acordo com o sistema instituído, os países que assumem obrigações quantificadas são apenas os que constam do Anexo I 17 (e mesmo estes, obviamente, assumem-nas apenas na medida em que ratifiquem o Protocolo). É nesta concretização da partilha de responsabilidades que surge, através do Protocolo de Kyoto, a chamada bolha europeia. A bolha mais não é do que a possibilidade, que é dada aos espaços económicos integrados, de alcançar conjuntamente os objectivos definidos, com uma redistribuição interna de esforços, que se considera ser mais justa e mais eficaz do que uma distribuição igual para todos. O fundamento legal para a existência da bolha é o artigo 3º do Protocolo de Kyoto que prevê a possibilidade de as Partes incluídas no anexo I assegurarem, individual ou conjuntamente, que as suas emissões antropogénicas agregadas, expressas em equivalentes de dióxido de carbono, dos gases com efeito de estufa incluídos no anexo A não excedam as quantidades atribuídas ( ), com o objectivo de reduzir as suas emissões globais desses gases em pelo menos 5%, relativamente aos níveis de 1990, no período de cumprimento de 2008 a Assim, tomando como ponto de referência o ano de 1990, a Europa (que ratificou autonomamente, a par dos Estados membros, a Convenção e o Protocolo), assumiu globalmente uma obrigação de redução de 8% 18 das emissões de GEE das categorias de fontes 19 consideradas no período de 2008 a Este é o valor da bolha europeia. Mas isto não significa que internamente não possa haver uma ponderação diferenciada das responsabilidades nacionais, designada habitualmente por burden sharing. Esta redistribuição dentro da bolha europeia foi feita e teve como resultado, por exemplo, que enquanto a Alemanha assumia uma redução de 21%, ou a Áustria de 13%, Portugal gozava de um direito de aumentar as suas emissões em 27%, relativamente aos valores de Idêntica situação aconteceu com a Grécia (25%) ou com a Espanha (15%). Neste caso, as vantagens de actuar num espaço de integração económica, como é o Europeu, são óbvias. 17 Do anexo I constam a Comunidade Europeia e ainda os seguintes Estados: Alemanha, Austrália, Áustria, Bélgica, Canadá, Dinamarca, Espanha, Estados Unidos da América, Finlândia, França, Grécia, Irlanda, Islândia, Itália, Japão, Nova Zelândia, Noruega, Países Baixos, Portugal, Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte e Suécia. Entre os Países que estão a encetar um processo de transição para a economia de mercado estão ainda: Belarus, Bulgária, Eslováquia, Estónia, Federação Russa, Hungria, Látvia, Lituânia, Polónia, República Checa, Roménia, Suíça, Turquia, Ucrânia. 18 Em Março de 2007 o Conselho Europeu adoptou, unilateralmente, uma resolução comprometendo-se a reduzir, até 2020, a reduzir as emissões antropogénicas de gases com efeito de estufa pelo menos até 20% abaixo dos níveis de Fonte é qualquer processo ou actividade que liberta gases com efeito de estufa, ou um seu percursor ou aerossóis para a atmosfera (Convenção-quadro, artigo 1º, n.º9). 53

8 2.2. O comércio de licenças de emissões de gases com efeito de estufa O comércio europeu de licenças de emissões (CELE) é, por excelência, a ferramenta mais sofisticada que permite dar cumprimento aos objectivos ambientais (redução dos gases com efeito de estufa) e energéticos (eficiência energética) através de mecanismos de mercado. O CELE foi criado pela Directiva n.º 2003/87 20, de 13 de Outubro 21, como um dos principais mecanismos destinados a dar execução ao Protocolo de Kyoto, relativo aos gases com efeito de estufa. Este diploma identifica um conjunto de actividades (energéticas, transformadoras, de construção, transportes, uso de solventes, agricultura, deposição de resíduos sólidos no solo, incineração de resíduos, metalúrgicas, minerais, de celulose, etc. 22 ) emissoras de quantidades significativas de GEE cuja laboração passou a depender, desde Janeiro de 2005, da posse de um título de emissão de gases com efeito de estufa (art.7º a 10º). Trata-se de uma autorização administrativa, que estabelece as obrigações do operador quanto à monitorização e comunicação das informações relativas às suas emissões de gases e à devolução de um número de licenças correspondentes aos resultados da monitorização (art. 17º, n.º4). Cada licença corresponde ao direito de emitir uma tonelada de dióxido de carbono ou equivalente 23 (art. 2º f)), e as licenças são atribuídas nos termos do artigo 16º, sempre em respeito pela regra da escassez 24, isto é, a cada instalação são atribuídas menos licenças do que aquelas que se estimam necessárias para o funcionamento da instalação, na hipótese de todas as condições se manterem inalteradas. Considerando que as licenças são transaccionáveis no mercado, os operadores são, deste modo, obrigados a ir adquirir no mercado as licenças necessárias, em função das emissões medidas pelos seus sistemas de monitorização. Alternativamente, o operador poderá ainda optar por fazer os investimentos necessários para levar a cabo alterações ao processo produtivo 25, que lhe permitam reduzir as suas emissões. Neste último caso, se acontecer a situação desejável de as alterações serem tão eficazes na prevenção das emissões, que o número de licenças atribuídas no início do ano é excessivo, o operador será premiado com a possibilidade de vender as licenças excedentes, no mercado de licenças de emissões, obtendo assim algum retorno pelos investimentos feitos. Surge assim o mercado de licenças de emissões. 20 Esta Directiva foi alterada pelas Directivas 2004/101, 2008/101 e pelo Regulamento 219/ Em Portugal foram transpostas pelo Decreto-lei n.º233/2004 que, em 2006, foi substancialmente alterado e republicado pelo Decreto-lei n.º72/2006 de 24 de Março. 22 Vide anexo I. 23 Ou seja: uma tonelada de CO2 ou a quantidade equivalente de outro gás cujo efeito de estufa é substancialmente maior que o do CO2, como o metano. 24 Vejam-se os critérios de atribuição de licenças a consagrar no Plano Nacional de Alocação de Licenças de Emissões (PNALE) no anexo III do diploma. 25 Por exemplo, por alteração radical do tipo de combustível, se o operador deixar de usar fuel para passar a usar exclusivamente energia eólica. 54

9 Havendo respeito pelas regras do mercado nomeadamente quanto à monitorização, à validade, devolução ou anulação das licenças e à penalização por emissões excedentárias 26 ainda que nem todos os operadores sejam bem sucedidos a atingir a redução ideal das suas emissões, garante-se que, pelo menos globalmente (seja à escala nacional, comunitária ou internacional), a emissão de gases com efeito de estufa será reduzida e a performance ambiental geral das empresas, abrangidas pelo regime do CELE, será melhorada. Em 23 de Abril de 2009, o sistema foi reformulado pela Directiva 2009/29, a qual revogará, a partir de 31 de Dezembro de 2012, o regime actualmente em vigor, com o objectivo de melhorar o funcionamento do mercado de carbono (proibindo a atribuição inicial gratuita das licenças de emissões, substituída por um sistema de leilão de licenças, criando regras mais rigorosas quanto ao número de licenças de emissões a atribuir, etc.). 3. As redes e as responsabilidades europeias Aquilo que vamos ver, recorrendo a exemplos, é que, além da luta contra as alterações climáticas, há outros sectores da política ambiental em que os Estados devem colaborar activamente, conjugando estritamente as suas actuações de forma a reforçar a eficácia, mas também a justiça ambiental das suas políticas. Vamos passar em seguida a analisar três exemplos relativos a três sectores ambientais, aparentemente muito díspares, mas nos quais a dimensão europeia emerge fortemente, a ponto de levarem à criação de redes A Rede Natura 2000 e a conservação da natureza Considerando a mobilidade das espécies, especialmente as migratórias, não é difícil perceber a importância da colaboração entre os Estados na protecção de um recurso que se desloca ao longo de milhares de quilómetros de distância. Assim surge a ideia de rede, associada à conservação da natureza: de que adiantaria a um Estado pretender proteger, por exemplo, espécies da avifauna migratória que nidificam regulamente no seu território, se essas espécies não fossem igualmente protegidas, ao longo do seu percurso migratório, nas zonas de descanso, alimentação ou refúgio, no território de outros Estados membros? 26 Artigo 22º e 23º, 17º, 18º, e 25º. 55

10 Por isso foi criada a Rede Natura 2000, uma rede ecológica europeia coerente de zonas de protecção especial das aves e de zonas especiais de conservação das restantes espécies da fauna e da flora selvagens. Sabendo que as espécies só podem ser eficazmente protegidas se a os habitats também forem preservados, a Rede Natura 2000, além das espécies, destina-se ainda a proteger sítios que alojam habitats das espécies e outros habitats naturais, independentemente das espécies que lá ocorram, apenas por serem representativos da região bio-geográfica 27 na qual se enquadram. Com efeito, a criação da RN2000 resulta do reconhecimento de que há semelhanças e contiguidades naturais e morfológicas que explicam a necessidade de conjugar esforços na protecção conjunta dos recursos. Por isso, como pode ver-se no mapa, a Europa biogeográfica tem um aspecto substancialmente diferente da Europa política. Alpina Anatólia (fora da UE27) Ártica (fora da UE27) Atlântica (Portugal continental) Mar Negro Boreal Continental Macaronésica (Portugal insular) Mediterrânea (Portugal continental) Panónica Estépica Neste contexto, é dever dos Estados assegurar a manutenção dos habitats naturais e das espécies num estado de conservação favorável, na sua área de repartição natural. Se necessário, os Estados deverão ainda promover a recuperação dos habitats degradados. Como referimos, a Rede Natura 2000 caracteriza-se pela coerência, a qual é especialmente importante em três momentos: 27 Portugal representa três regiões biogeográficas: a região macaronésica, cujos sítios de importância comunitária surgem listados na Decisão 2008/95 da Comissão (de 25 de Janeiro de 2008), a região atlântica na Decisão 2008/23 da Comissão (de 12 de Novembro de 2007) e a região mediterrânica na Decisão 2006/613 da Comissão (de19 de Julho de 2006). Outras regiões europeias são a alpina, a continental, a boreal e a panónica. 56

11 1. Na selecção e classificação de sítios junto à fronteira (como o Parque Natural de Montesinho, um sítio da Rede Natura 2000 localizado na fronteira nordeste, dando continuidade a um sítio Natura 2000 contíguo, situado em território espanhol). Nestes casos deve haver uma contiguidade geográfica entre os sítios e também uma semelhança entre as medidas de protecção adoptadas em ambos os Estados membros, na medida em que, para as espécies não existem fronteiras 2. Na selecção das espécies consideradas prioritárias à escala europeia, em função do seu carácter endémico, estado de vulnerabilidade ou proximidade em relação à extinção. Pode até acontecer que uma espécie seja relativamente abundante em território nacional mas, se à escala europeia ela for considerada vulnerável, o Estado estará sempre obrigado a considerá-la e protegê-la como prioritária. 3. Na manutenção e desenvolvimento de elementos paisagísticos de importância fundamental para as espécies da fauna e da flora selvagens os chamados corredores ecológicos. Este elementos paisagísticos, que podem ser elementos lineares (como rios, ribeiros ou sistemas de vedação de campos muros ou sebes ) ou pontuais (como pequenos lagos ou bosques) asseguram a interligação entre os nós da rede. O exemplo mais típico de corredores ecológicos são os locais de descanso ou alimentação em terra, ao longo das rotas migratórias das aves. Mas os corredores ecológicos não são apenas importantes para as espécies migratórias. Quaisquer espécies, mesmo sedentárias, como roedores ou pequenos mamíferos, se deslocam no território (para se alimentarem, para se reproduzirem, para se protegerem dos predadores) utilizando para o efeito os locais de trânsito que lhes parecem mais seguros. Por fim, embora não correspondendo tão claramente ao conceito de corredor que comummente se imagina, também para espécies da flora selvagem existem corredores ecológicos. No caso das espécies vegetais os corredores estão relacionados com os ventos dominantes ou com os percursos dos insectos ou espécies polinizadoras. Mais recentemente, considerando o número de casos em que zonas classificadas ou classificáveis como Rede Natura 2000, eram afectadas a outras utilizações, as Instituições Comunitárias desenvolveram uma nova forma de controlar as actuações dos Estados. Na realidade, as pressões 57

12 económicas, as necessidades de expansão urbana, as aspirações de desenvolvimento turístico, e até finalidades tão nobres, como o reforço da coesão europeia através das redes trans-europeias de transportes, ou o cumprimento das metas de Kyoto 28, levam os Estados a autorizar gradualmente a realização de actividades e projectos que afectam, definitivamente, zonas consideráveis de Rede Natura. Ora esta perda, paulatina mas sistemática, poderia pôr em perigo a realização dos fins comuns. Isto era especialmente grave num caso como o da conservação da natureza em que «a gestão do património comum está confiada, no seu território, aos Estados-membros respectivos» 29. Por isso, as instâncias europeias passaram a defender a ausência de discricionariedade Estadual, tanto na designação de zonas a classificar, como na autorização de actividades potencialmente conflituantes com os objectivos de conservação dos sítios. O argumento foi a existência de critérios ornitológicos objectivos, condensados num documento científico de grande credibilidade, e consensual entre a comunidade científica ornitológica Europeia, que é o exaustivo relatório denominado Important Bird Areas (IBA) 30. É com base nele que a Comissão Europeia, com o aval do Tribunal de Justiça, tem aferido a compatibilidade da actuação dos Estados com os objectivos Europeus de conservação, libertando, de certo modo, os Estados membros das pressões económicas e da censura social que sempre emerge quando se recusa um projecto de investimento. Os meis de comunicação social dão frequentemente eco dos típicos confrontos entre os defensores do desenvolvimento para o país e os defensores dos passarinhos. Por aqui se vê que só uma actuação concertada dos Estados membros entre si, e destes com a Comissão Europeia, permite garantir a desejada coerência da Rede Natura A gestão comum das águas interiores europeias Que as águas marítimas são um bem comum, parece uma afirmação óbvia. O mesmo não pode dizerse para as águas costeiras e muito menos para as águas interiores 31 que, à primeira vista, parecem 28 Pela construção de infra-estruturas destinadas à produção de energia renovável (parques eólicos, centrais electrovoltaicas). 29 Expressão recorrente na jurisprudência do Tribunal repetida, nomeadamente, nos processos n.º 236/85 (Comissão contra Países Baixos), n.º 247/85 (Comissão contra Bélgica), n.º 252/85 (Comissão contra França) e n.º 262/85 (Comissão contra Itália). 30 Trata-se de um inventário preparado pela «BirdLife International», o Conselho internacional para a preservação das aves, para a Comissão Europeia, com a colaboração alargada de peritos dos Estados membros e em cooperação com peritos da Comissão, editado pela primeira vez em Águas interiores são todas as águas lênticas ou correntes à superfície do solo e todas as águas subterrâneas que se encontram entre terra e a linha de base a partir da qual são marcadas as águas territoriais diz o artigo 2º, nº3 da Directiva quadro da água. 58

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PARLAMENTO EUROPEU. Documento de sessão 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2004 Documento de sessão 2009 30.11.2007 B6-0000/2007 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B6-0000/2007 nos termos do nº 5 do artigo

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DECISÃO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2009 COM(2009) 411 final Proposta de DECISÃO DO CONSELHO relativa à assinatura do Acordo sobre certos aspectos dos serviços aéreos entre a Comunidade

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância

Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância Decreto n.º 45/80 Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiras a Longa Distância O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único. É aprovada,

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Considerando fundamental, para alcançar o desenvolvimento sustentável, o estabelecimento de uma relação equilibrada

Leia mais

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia Luís Fernão Souto As alterações climáticas são uma evidência Os 10 anos mais quentes desde sempre ocorreram após o ano de 1990! O dióxido

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3.1 QUADRO INSTITUCIONAL O Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) criado pelo Decreto Presidencial 6/95 de 16 de Novembro, é responsável por todas as actividades

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1997L0081 PT 25.05.1998 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições BDIRECTIVA 97/81/CE DO CONSELHO de 15 de Dezembro de 1997 respeitante ao acordo-quadro

Leia mais

A. Síntese e apresentação do estudo

A. Síntese e apresentação do estudo A. Síntese e apresentação do estudo 1. OBJECTIVOS DO PRESENTE ESTUDO O objectivo do presente estudo é a avaliação ex post da política de promoção publicitária dos produtos agrícolas no período de 1994-2000

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) 18.3.2004 L 80/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 491/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 10 de Março de 2004 que estabelece um programa de assistência

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

DIRECTIVA QUADRO EUROPEIA DA ÁGUA. Orlando Borges

DIRECTIVA QUADRO EUROPEIA DA ÁGUA. Orlando Borges DIRECTIVA QUADRO EUROPEIA DA ÁGUA Orlando Borges Brasil, Senado Federal 21 de Maio 2009 A União Europeia (UE) não é uma federação como os Estados Unidos da América, nem é uma mera organização de cooperação

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Abril de 2007 (02.05) (OR. en) 9032/07 SCH-EVAL 90 SIRIS 79 COMIX 427 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão do

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 27.11.2007 COM(2007) 757 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO PROGRESSOS NA REALIZAÇÃO DOS OBJECTIVOS DE QUIOTO (nos termos da Decisão n.º 280/2004/CE do Parlamento

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.12.2008 COM(2008) 819 final COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO Plano de acção no domínio da dádiva e transplantação de órgãos (2009-2015): Reforçar a cooperação entre

Leia mais

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água

Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Política agrícola e protecção e gestão eficiente da água Francisco Cordovil Director do GPP Conselho Nacional da Água Ponto 4 da ordem de trabalhos Lisboa 3 de Dezembro de 2010 Política agrícola e protecção

Leia mais

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública

CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021. Documento de apoio à participação pública CALENDÁRIO E PROGRAMA DE TRABALHOS PARA ELABORAÇÃO DOS PLANOS DE GESTÃO DE BACIA HIDROGRÁFICA 2016-2021 Documento de apoio à participação pública 22 de dezembro 2012 Atualização maio 2013 Departamento

Leia mais

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR

'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 'DWD 7HPD $FRQWHFLPHQWR 22/01 Economia 25/01 Comércio Internacional 26/01 Taxas de Juro 29/01 Economia 31/01 Desemprego 31/01 Investimento Banco de Portugal divulgou Boletim Estatístico Janeiro 2007 http://epp.eurostat.ec.europa.eu/pls/portal/docs/page/pgp_prd_cat_prerel/pge_cat_prerel_year_2007/pge_

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA

UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA S160/06 UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA Documento da Comissão e do SG/AR para o Conselho Europeu FAZER FACE AOS RISCOS EXTERNOS NO DOMÍNIO DA ENERGIA A UE

Leia mais

Problemas Ambientais

Problemas Ambientais Problemas Ambientais Deflorestação e perda da Biodiversidade Aquecimento Global Buraco na camada de ozono Aquecimento Global - Efeito de Estufa Certos gases ficam na atmosfera (Troposfera) e aumentam

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República LEI Nº 12.187, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2009. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1 o Esta Lei institui a Política

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 11 de Julho de 2007 (18.07) (OR. en) 11722/07 SCH-EVAL 131 SIRIS 133 COMIX 659 NOTA de: para: Assunto: Presidência Grupo de Avaliação de Schengen Projecto de decisão

Leia mais

(Atos legislativos) DECISÕES

(Atos legislativos) DECISÕES 9.10.2015 L 264/1 I (Atos legislativos) DECISÕES DECISÃO (UE) 2015/1814 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 6 de outubro de 2015 relativa à criação e ao funcionamento de uma reserva de estabilização

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA 1 introdução 1.1 enquadramento O desenvolvimento dos estudos de base para o PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA (PGRHI-SMA ) enquadra-se no âmbito da aplicação do Guia Metodológico

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais

públicos) e colocaremos no centro dos nossos esforços de planificação a associação dos diferentes meios de transporte. Os veículos privados

públicos) e colocaremos no centro dos nossos esforços de planificação a associação dos diferentes meios de transporte. Os veículos privados CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

ACTA FINAL. FA/TR/EU/HR/pt 1. 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20

ACTA FINAL. FA/TR/EU/HR/pt 1. 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische Schlussakte (Normativer Teil) 1 von 20 ACTA FINAL FA/TR/EU/HR/pt 1 2 von 20 1717 der Beilagen XXIV. GP - Staatsvertrag - 36 portugiesische

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Projecto de Lei nº /X

Projecto de Lei nº /X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº /X ESTABELECE O REGIME APLICÁVEL À GESTÃO DE ÓLEOS ALIMENTARES USADOS Exposição de motivos: Os óleos alimentares usados são um resíduo não perigoso que carece de legislação

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 6.11.2007 SEC(2007) 1425 DOCUMENTO DE TRABALHO DA COMISSÃO que acompanha a proposta de Decisão Quadro do Conselho que altera a Decisão Quadro 2002/475/JAI relativa

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 121/XII/1.ª Proposta de REGULAMENTO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que altera o Regulamento (CE) n.º 562/2006 para estabelecer regras comuns sobre a reintrodução temporária

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências.

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. Projeto de Indicação Nº 36/2014 Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ DECRETA: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1)

(JO L 113 de 30.4.2002, p. 1) 2002R0733 PT 11.12.2008 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CE) N. o 733/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Abril

Leia mais

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL

DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL Direito Penal Europeu para Advogados Penalistas ERA/ECBA/ICAB Barcelona 21-22 de Fevereiro de 2014 DEFESA EM CONTEXTO TRANSNACIONAL NA UNIÃO EUROPEIA INDICAÇÕES DE PESQUISA E ELEMENTOS NORMATIVOS Vânia

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO PARLAMENTO EUROPEU 999 2004 Comissão das Liberdades e dos Direitos dos Cidadãos, da Justiça e dos Assuntos Internos 5 de Dezembro de 2000 DOCUMENTO DE TRABALHO sobre a passagem das fronteiras externas

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós»

ANEXOS COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO. relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 28.5.2014 COM(2014) 355 final ANNEXES 1 to 5 ANEXOS à COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO relativa à iniciativa de cidadania «Um de nós» PT PT ANEXO I: ASPETOS PROCESSUAIS DA INICIATIVA

Leia mais

REDES TRANSEUROPEIAS ORIENTAÇÕES

REDES TRANSEUROPEIAS ORIENTAÇÕES REDES TRANSEUROPEIAS ORIENTAÇÕES O Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (TFUE) mantém as redes transeuropeias (RTE) nos domínios dos transportes, da energia e das telecomunicações, mencionadas

Leia mais

ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian. 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com

ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian. 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com ÉTICA e PAISAGEM Fundação Calouste Gulbenkian 19 de Setembro de 2011 Alexandre d Orey Cancela d Abreu alexandreoc.abreu@gmail.com Paisagem: designa uma parte do território, tal como é apreendida pelas

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS A Assembleia da República, reunida em Plenário para um debate de urgência sobre as propostas da Comissão Europeia de reforma

Leia mais

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg

A Nossa Perspectiva Comum. Os Nossos Desafios. As Nossas Responsabilidades. A Nossa Resposta: Os Compromissos de Aalborg AALBORG+10 Inspirando o Futuro Versão Portuguesa: Prof. Doutor João Farinha e Dr.ª Lurdes Poeira, participantes na Conferência, com colaboração da Eng.ª Graciete Silva. A Nossa Perspectiva Comum Nós, Autoridades

Leia mais

Programa de trabalho anual em matéria de subvenções 2006 - DG ELARG

Programa de trabalho anual em matéria de subvenções 2006 - DG ELARG Bósnia e Herzegovina, Croácia, Sérvia e Montenegro Regulamento (CE) n 2666/2000 do Conselho de 5 de Dezembro de 2000, com a última redacção que lhe foi dada pelo Regulamento (CE) n 2112/2005 do Conselho

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 3.8.2005 COM(2005) 361 final 2005/0147 (COD) Proposta de DIRECTIVA DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO que revoga a Directiva 90/544/CEE do Conselho relativa

Leia mais

Ministério do Ambiente

Ministério do Ambiente Ministério do Ambiente Decreto-Lei n.º 4/09 de 18 de Maio A Lei Constitucional da República de Angola no seu artigo 24.º assegura que «todos os cidadãos têm o direito de viver num meio ambiente sadio e

Leia mais

20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/281

20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/281 20.12.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 347/281 REGULAMENTO (UE) N. o 1300/2013 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 17 de dezembro de 2013 relativo ao Fundo de Coesão e que revoga o Regulamento

Leia mais

PROJETO DE LEI N /2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte lei:

PROJETO DE LEI N /2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte lei: PROJETO DE LEI N /2009 Institui a Política sobre Mudança do Clima do Estado da Bahia e dá outras providencias. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia)

L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005. (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) L 68/44 Jornal Oficial da União Europeia 15.3.2005 (Actos adoptados em aplicação do título VI do Tratado da União Europeia) DECISÃO 2005/211/JAI DO CONSELHO de 24 de Fevereiro de 2005 relativa à introdução

Leia mais

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação

E R A S M U S + ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Apresentação ERASMUS+ Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Apresentação ERASMUS+ - Ensino Superior O Erasmus+ é o novo programa da UE dedicado à educação, formação, juventude e desporto. O programa tem início

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA 1º CICLO DE ESTUDOS LICENCIATURA I. OBJECTIVOS O objectivo deste ciclo de estudos é garantir aos estudantes uma sólida formação jurídica de base. Tendo

Leia mais

Programa Nacional para as Alterações Climáticas

Programa Nacional para as Alterações Climáticas Programa Nacional para as Alterações Climáticas António Gonçalves Henriques» CONVENÇÃO-QUADRO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Rio de Janeiro, 1992 189 Estados ratificaram ou acederam à Convenção.

Leia mais

Uma perpectiva regional - Açores

Uma perpectiva regional - Açores Conferência O Futuro da Estratégia Europeia para as Regiões ULtraperiféricas 14-15 de Maio de 2008, Bruxelas Atelier IV O papel da RUP na Política Marítima Europeia Intervenção: Uma perpectiva regional

Leia mais

Aplicação do Programa Europeu para as Alterações Climáticas

Aplicação do Programa Europeu para as Alterações Climáticas P5_TA(2002)0439 Aplicação do Programa Europeu para as Alterações Climáticas Resolução do Parlamento Europeu sobre a Comunicação da Comissão relativa à aplicação da primeira fase do Programa Europeu para

Leia mais

PROJETO DE LEI. III - emissões: liberação de gases de efeito estufa ou seus precursores na atmosfera numa área específica e num período determinado;

PROJETO DE LEI. III - emissões: liberação de gases de efeito estufa ou seus precursores na atmosfera numa área específica e num período determinado; PROJETO DE LEI Institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional sobre Mudança do Clima, fixa seus

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 30 10 de fevereiro de 2012 661 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 6/2012 de 10 de fevereiro Primeira alteração à Lei n.º 8/2009, de 18 de Fevereiro, que cria o regime jurídico

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade)

Jornal Oficial das Comunidades Europeias. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) L 113/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 733/2002 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de Abril de 2002 relativo à implementação do domínio de topo.eu

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

1 - Aprovar, para ratificação, a Convenção sobre Assistência em Caso de Acidente Nuclear ou de Emergência Radiológica, adoptada pela

1 - Aprovar, para ratificação, a Convenção sobre Assistência em Caso de Acidente Nuclear ou de Emergência Radiológica, adoptada pela Resolução da Assembleia da República n.º 72/2003 Convenção sobre Assistência em Caso de Acidente Nuclear ou Emergência Radiológica, adoptada pela Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atómica,

Leia mais

OS IMPACTOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE O AQUECIMENTO TERRESTRE: A CONTRIBUÍÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO

OS IMPACTOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE O AQUECIMENTO TERRESTRE: A CONTRIBUÍÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO OS IMPACTOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE O AQUECIMENTO TERRESTRE: A CONTRIBUÍÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO Maria Fernanda Cavalieri de Lima Santin Economista. Mestranda em Desenvolvimento Econômico

Leia mais

de 23 de Maio de 2007

de 23 de Maio de 2007 L 144/22 PT Jornal Oficial da União Europeia 6.6.2007 DECISÃO N. o 574/2007/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Maio de 2007 que cria o Fundo para as Fronteiras Externas para o período de 2007

Leia mais

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador

Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Página 1 de 5 Avis juridique important 31991L0250 Directiva 91/250/CEE do Conselho, de 14 de Maio de 1991, relativa à protecção jurídica dos programas de computador Jornal Oficial nº L 122 de 17/05/1991

Leia mais

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2010 COM(2010) 315 final PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 MAPA DE RECEITAS E DE DESPESAS POR SECÇÃO Secção II Conselho Europeu e Conselho

Leia mais

O Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países

O Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países Resolução da Assembleia da República n.º 21/99 Acordo de Cooperação entre o Reino da Bélgica, a República Federal da Alemanha, a República Francesa, o Grão-Ducado do Luxemburgo, o Reino dos Países Baixos,

Leia mais

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA

CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA António Gonçalves Henriques CONVENÇÃO SOBRE DIVERSIDADE BIOLÓGICA CONCEITOS DE BASE Biodiversidade ou Diversidade Biológica é o conjunto das diferentes

Leia mais

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL

SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SEGUNDO PILAR DA PAC: A POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO RURAL A última reforma da política agrícola comum (PAC) manteve a estrutura em dois pilares desta política, continuando o desenvolvimento rural a representar

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU ***II POSIÇÃO COMUM. Documento de sessão C5-0209/1999 25/10/1999

PARLAMENTO EUROPEU ***II POSIÇÃO COMUM. Documento de sessão C5-0209/1999 25/10/1999 PARLAMENTO EUROPEU 1999 Documento de sessão 2004 C5-0209/1999 25/10/1999 ***II POSIÇÃO COMUM Assunto: Posição Comum (CE) Nº /1999 adoptada pelo Conselho em 22 de Outubro de 1999 tendo em vista a adopção

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA

NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA NEGOCIAÇÕES DE ADESÃO DA BULGÁRIA E DA ROMÉNIA À UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 31 de Março de 2005 (OR. en) AA 15/2/05 REV 2 TRATADO DE ADESÃO: ACTO DE ADESÃO, ANEXO II PROJECTO DE ACTOS LEGISLATIVOS E OUTROS

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD)

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 347/XI/2ª (PSD) Recomenda ao Governo que utilize sistemas de teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais I - Exposição de motivos A proposta de

Leia mais