anos ISSN: Vol N. 1 - Dez/2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "anos ISSN: 2176-5804 - Vol. 13 - N. 1 - Dez/2014"

Transcrição

1 8 anos ISSN: Vol N. 1 - Dez/2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO NÚCLEO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO HISTÓRICA REGIONAL - NDIHR

2 O nosso papel principal é Preservar a Memória Histórica Regional NÚCLEO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO HISTÓRICA REGIONAL - NDIHR A PANTANEIRA-BUGRE NA MPB Lucy Ferreira Azevedo Doutora em Língua Portuguesa, PUC-SP Professora da Universidade de Cuiabá- UNIC José Serafim Bertoloto Doutor em Comunicação e Semiótica-PUC São Paulo; Professor da Universidade de Cuiabá - UNIC. Professor orientador no programa de Mestrado em Estudo de Cultura Contemporânea ECCO/UFMT Artista Plástico artes visuais, cultura popular, semiótica da arte e do design em Mato Grosso RESUMO ISSN: Vol N. 1 - Dez/ anos UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO NÚCLEO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO HISTÓRICA REGIONAL NDIHR 13 Cotidianamente modificamos o mundo e valemo-nos da linguagem para lermos e imprimirmos novos valores e ações na percepção da realidade, na forma de sentirmos nosso entorno. Diferentes representações, veiculadas principalmente pelos nossos atos discursivos, ligam-se à produção retórica dos discursos sociais que, neste trabalho, serão apreendidos na música produzida em Mato Grosso. Discursos que nos deixam conhecer as paixões pantaneiras que pensamos estarem no outro, quando, na verdade, são universais. A música pantaneira, como qualquer outra, apresenta movimentos passionais com marcas identitárias projeções culturais singulares que, veiculados para apreciação popular, ajudam a promover outras opiniões, mudanças de costumes, novos modos de vida. Pela análise da Nova Retórica, as letras de músicas e o ethos da mulher pantaneira serão interpretados em sua força constitutiva do discurso identitário consolidado, como um recorte de uma reflexão mais ampla sobre memória discursiva e doutrina doethos: o ethosenthousiastikón, ligado aos efeitos da música sobre o comportamento humano, sobre como esta força é capaz levar o ser humano a uma supra realidade. Palavras-chave: Mulher, Ethos, Música Pantaneira. 194

3 ABSTRACT Routinely we modify the world and we make use of language to read and print new values and actions in the perception of reality, as we feel our surroundings.differentrepresentations, c o n v e y e d m o s t l y b y o u r s p e e c h a c t s, b i n d t o therhetoricalproduction of socialdiscourses that, in this work, will be seizedonmusic producedin MatoGrosso. Speechesthat let usknow thepantanalpassions thatwe thinkarein the other, when in fact, they are universal. The Pantanalmusic,like any other, presentspassionatemovementswithidentifying marks-unique culturalprojections- whichairedforpopular appreciation,help promoteotheropinions, changes in customs, new ways of life. By analyzing thenew Rhetoric, thelyricsand theethosof the Pantanalwomanshall be interpretedin itsconstitutive forceof c o n s o l i d a t e d i d e n t i t y d i s c o u r s e, a s a f r a g m e n t o f awiderdiscursivereflection onmemory anddoctrine ofethos: theethosenthousiastikón bind onthe effects ofmusicon human behavior, about howthis forceis able to take thehuman beingto an abovereality. Keywords: Woman, Ethos, Pantanal Music AMulher pantaneira é cantada por compositores que utilizam a poesia como argumento e, como seres retóricos, veem de forma especial um agir diante da vida, uma outra realidade plena de sentimentos e valores. Assim pela força discursiva e por uma série de outras razões, transformam identidades sociais, instauram novas representações sobre o ser e o estar no mundo. Realizam, portanto, uma relação direta entre os atos discursivos que flagram novas representações e a produção retórica dos discursos sociais. É desse modo que as paixões, no contexto da retórica, aparecem nas músicas que cantam a mulher pantaneira. Sendo a música um discurso social de grande influência, pois nenhum texto é neutro, diferentes aspectos políticos e passionais das letras ajudam a formar opiniões, transformam valores, constroem, podem se infiltrar nos grupos por meio dos espaços midiáticos. Este trajeto, estudar a mulher pantaneira objetiva refletir sobre o perfil traçado pelos músicos/poetas, em seu discurso poético; intercruzar ethos, pathos e logos, pela análise da Nova Retórica e considerar a cultura do Pantanal como fator constitutivo de um discurso identitário. Para delinear o ethos da mulher pantaneira, utilizando a Música Popular Brasileira, é bom aguçar os ouvidos desde o Paraguai, atravessar a fronteira, passar para Mato Grosso do Sul pantanal de maior extensão- e chegar a Mato Grosso. É espantosa a riqueza cultural das populações representadas pela música. Diferentes manifestações, como dança, artes plásticas, culinária, também apresentam marcas identitárias variadas e híbridas e são observadas no percurso do chaco ao vale do Rio Cuiabá à baixada cuiabana. Conforme Canclini (2000: 28), assim ocorre em todo o continente: América Latina, como uma articulação mais complexa de tradições e modernidades (diversas, desiguais), um continente heterogêneo formado por países onde, em cada um, coexistem múltiplas lógicas de desenvolvimento. Aproveitando o eco de tanta diversidade para estudar a pantaneira, a Nova Retórica oportuniza um foco bem marcante- lua cheia brotando do rio: Ethos, logos e pathos. Barilli (1985, p.34) explica que são as três bases da Retórica. Concentra toda a responsabilidade do discurso no pathos, em que o orador deve ser um portador como [...] um raio que tudo arranca (op. cit., p. 3). Assim, a paixão possui a sua própria racionalidade, constituída pela arquitetura da técnica do poeta - logos - que representa um apoio- neste trabalho a letra da música sobre a mulher do Pantanal- ao momento maior que seria a plenitude da alma, a paixão. Ethos é a imagem de si (caráter) que o orador constrói através de seus recursos argumentativos. No primeiro porto, Aquidauana, ou talvez no rumo de Corumbá, na chalana que parece dormir nas águas do rio, está a 195

4 cuñataí a moça bonita. Esta guarânia paraguaia ainda é muito executada pelos cantores das casas noturnas, bares, churrascarias mais populares tanto em Mato Grosso do Sul quanto em Mato Grosso. A guarânia parece ser um traço definidor da alma musical do povo mestiço do pantanal, aliando o sentimento de melancolia à paisagem sem horizontes que se esvai em grandes espelhos de céu e água em espanhol, português e guarani. Recuerdos de Ypacarai Zulema de Mirkin y Demetrio Ortiz(1948) Una noche tíbia nos conocimos Junto al lago azul de Ypacarai Tu cantabas triste por el camino Viejas melodias en guarani Y con el embrusco de tus canciones Iba renasciendo tu amor en mi Y en la noche hermosa de plenilúnio De tu blancas manos senti el calor Que con sus carícias me dio el amor Donde estas ahora cuñataí Que tu suave canto no llega a mi Donde estas ahora Mi ser te adora con frenesi Todo te recuerda mi dulce amor Junto al lago azul de Ypacarai Vulve para siempre Me amor te chama, cuñataí[ ] Afrodite inspira acuñataí que, refletida na voz do poeta, seduz com muitos recursos: música suave, mãos cálidas e brancas, carícias, sexo, a negação do sexo pela ausência e a cumplicidade da natureza. A moça bonita provoca a paixão, deixando o poeta em desequilíbrio Mi ser te adora con frenesi. A marca forte da mulher pantaneira/paraguaia é um excelente demonstrativo da presença Guarani no Paraguai inclusive, como idioma, tem o prestígio do espanhol entre a população. É a língua afetiva, falada na intimidade das famílias. O termo em guarani é um recurso argumentativo que os significistas holandeses chamam de família de palavras, pois, conforme Perelman&Tyteca (2002, p. 170), são palavras que formam um sistema de interação com o contexto e que poderiam, por isso, ser integrado por línguas diferentes. Em resumo, as raízes da pantaneira: ethos sensual e forte; pathos que passa pelo sensitivo, o amor popular ou pandêmio (Aristóteles apud Perelman&Tyteca, 2002) e o logos que, como húmus, fortalece os argumentos que são artefatos culturais (GEERTZ,1999) de sua região. Na comunhão das três bases, tem-se a primeira pantaneira como sedutora, ativa e que não sofre com o afastamento. Segundo Aristóteles (apud Cardoso et al.,1987), o ethos que age é superior, porque encerra em si mesmo um poder-operar; diferentemente do paciente que tem como principal característica um poder tornarse. Um move, o outro é mutável. Ao contrário do que se diz da fragilidade da mulher, a cuñataí abandona o seu homem. Isso está pressuposto em vuelve para siempre. A expressão é uma marca de que ela já o fizera outras vezes. Toda a força da guarani tem a maior expressão construída na gradação dos aspectos verbais, forma que demonstra o amor que cresce com a saudade- Tu cantabas triste por elcamino/ibarenasciendo tu amor en mi/vuelve para siempre/me amor te chama, cuñataí. Outro argumento muito forte é o uso do guarani, traço identitário da mulher. A segunda índia aqui em duas versões, ambas ameríndias - aparece como agente, porque subjuga o amante, deixa-o dependente. O que conduz a uma reflexão antropológica sobre natureza humana ou determinismo cultural (GEERTZ,1989) que a conduzem a uma decisão que equivale ao mesmo patamar masculino. O universo masculino do pantaneiro deveria impor a postura de submissão e aceitação da índia, no entanto, na versão em língua portuguesa, ela vive o amor pandêmio, porque é dessa forma que 196

5 mulheres pantaneiras aprenderam a seduzir. Perguntar-se-ia se o que a faz Afrodite está em sua natureza humana, como pele morena, cabelos compridos, lábios rosados, boca pequena, a metáfora da flor, ou essa aceitação é histórica, tendo em vista que o homem pantaneiro sempre vai embora? (Temos aqui a relação do homem vaqueiro que sempre viajou para buscar gado em outro rincões, o Pantaneiro também se ausenta de casa por dias, fica o saudosismo do lar ou até mesmo das tabernas (cabarés) de beira de estrada onde por ventura já se aportaram). A cuñataí poderá também ser uma amante recôndita. Îndia José Asunción - português(s/data) Índia seus cabelos nos ombros caídos Negros como a noite que não tem luar Seus lábios de rosas para mim sorrindo E a doce meiguice desse seu olhar Índia da pele morena Sua boca pequena Eu quero beijar Índia sangue tupi Tens o cheiro da flor Vem que eu quero lhe dar Todo o meu grande amor Quando eu for embora para bem distante E chegar a hora de lhe dizer adeus Fica nos meus braços só mais um instante Deixa os meus lábios se unirem aos seus Índia levarei saudade Da felicidade que você me deu Índia a sua imagem Sempre comigo vai Dentro do meu coração Flor do meu Paraguai. Îndia espanhol (s/data) India bella mezcla de diosa y pantera Doncella desnuda que habita el Guairá Arisca romanza curvó sus caderas Copiando un recodo de azul Paraná. A aninteko'ero, cacique oi'yro, nde aña chendivé SOLO De su tribu la flor Montarázguayakí Eva arisca de amor Del edén guaraní. SOLO Bravea en las sienes su orgullo de plumas Su lengua es salvaje, panal de eiruzú Collar de colmillos de tigres y pumas Enjoya a la musa de Ybytyruzú. Montaráz india manceba, de la raza virgen Eva guayakí. SOLO La silvestre mujer, Que la selva es su hogar También sabe querer También sabe soñar A paixão, a sensualidade é um painel realizado com a predominância de metáforas e comparações que ligam mulher e natureza: Negros como a noite que não tem luar/ Seus lábios de rosas/doce meiguice desse seu olhar/flor do meu Paraguai. Para explicação do logos, além dos verbos no presente, há a descrição da índia que reporta o auditório para a intensidade do amor- Índia a sua imagem/sempre comigo vai. A imagem da mulher indígena indomável percorre o imaginário brasileiro desde o período romantista, personificada na obra Iracema de José de Alencar, onde a sedução do seu corpo desnudo provoca paixões, idealizada nas pinturas edílicas de José Maria de Medeiros 1884; Vitor Meireles 1886; "unindo o indianismo ao romance sentimental e ao erotismo por meio da imagem feminina, tornou-se característico da pintura brasileira durante toda a segunda metade do século." (MIGLIACCIO, 2000, p. 105) Na versão em espanhol, a índia Guayakí, da região de Ybytyruzú, é mais agressiva e todo o contexto, que Maingueneau chama de cenografia (apud AMOSSY, 2005, p.78), ela utiliza para seduzir, transmutando-se em onça, jaguatirica tigre, porque, no pantanal, está em seu habitat. É o seu Éden. O poeta utiliza-se de argumentos lexicais para fortalecer o envolvimento que a silvestre mujer faz: plumas, panal de eiruzú, collar de colmillos de tigres y pumas. Em Chalana, de Almir Sater, a mulher pantaneira, igualmente à mestiça paraguaia, vai embora para bem longe, sem nenhuma lágrima, embora ferida. A chalana parece que, em pacto de tortura com a mulher, não desaparece de súbito. Vai devagar, morte lenta... Temos a mesma mulher pantaneira que usa da sua força pessoal para sair das situações. O estranho é que não revida com confronto físico ou com discussões inúteis, simplesmente toma a decisão. Essa postura é algo que tem presença na cultura pantaneira. Nada precisa ser explicado. Apenas é. Dessa mesma forma aparece na obra dos poetas, como em Manuel de Barros que teve sua explicação da concepção, olhando, quando menino, a cópula de uma égua. Sem cuidados, sem explicações pedagogicamente 197

6 armadas por educadores, a vida foi-lhe mostrada tal qual é. Tudo é concreto, objetivo, apenas existe. O ethos pode ser representado por Héstia, por mostrar o arquétipo de mulher centrada, de força interior, ponto de equilíbrio e referência que a faz permanecer firme frente à confusão, à paixão que a levaria ao desequilíbrio. Na sedução, continua como Afrodite. Quanto ao logos, existe um campo semântico demarcador da tortura armada a melancolia: chalana, curva, longe, remanso, serenas, clima que fica mais triste ainda pelo próprio gênero musical, a guarânia. O logos e a tristeza da guarânia dão a exata impressão de momento/movimento prolongado e sucessivo, juntamente com as locuções verbais e verbos simples que trazem o aspecto frequentativo- vai levando, se vai, se foi, vai sumindo. Chalana Almir Sater (s/data) Lá vai uma chalana Bem longe se vai Navegando no remanso Do rio Paraguai Oh! Chalana sem querer Tu aumentas minha dor Nessas águas tão serenas Vai levando meu amor Oh! Chalana sem querer Tu aumentas minha dor Nessas águas tão serenas Vai levando meu amor E assim ela se foi Nem de mim se despediu Oh chalana vai sumindo Lá na curva do rio E se ela vai magoada Eu bem sei que tem razão Fui ingrato Eu feri o seu meigo coração Oh! Chalana sem querer Tu aumentas minha dor Nessas águas tão serenas Vai levando meu amor Oh! Chalana sem querer Tu aumentas minha dor Nessas águas tão serenas vai levando o meu amor[ ] Chalana pode ser a personificação metafórica da própria amada que se esvai nas águas tão serenas do pantanal e quem leva o amor é a água. Já atravessando o Estado de Mato Grosso do Sul, em direção a Mato Grosso, encontra-se a Mestiça de Renato Teixeira que é pantaneira- agente. Outra vez a situação em que o homem, embora também tome atitude, sofre toda a tensão do abandono. A mestiça pantaneira está em qualquer lugar, onde o rio a levar e isso caracteriza o seu ethos: a aventureira. A paixão ainda é a sensualidade que prende, faz sofrer. O poeta usa a linguagem popular como recurso que combina com a linha melódica e os versos curtos, dando a impressão de bilhete, um recado, o que torna a música mais leve e a melancolia vai ficando para trás. Se ocê vai pra Mato Grosso Não deixe de me avisar Eu quero mandar um recado para minha mestiça, que venha pra cá Não sei por onde ela anda Por favor, vá procurar Procure em Aquidauana em Porto Murtinho e também Cuiabá 198

7 Se ocê vai pra Mato Grosso Não deixe de me avisar Que eu quero mandar um recado para minha mestiça, que venha pra cá Já vai pra quatro semana que eu mandei carta prá lá Tô vendo que assim desse jeito rebenta meu peito de tanto esperar Não sei por onde ela anda Por favor, vá procurar Procure em Aquidauana em Porto Murtinho e também Cuiabá Chegamos em Cuiabá, Mato Grosso e encontramos o rasqueado, ritmo que é trânsito e mistura de índio, branco e negro. A mestiça vai mudando à medida que vai se aproximando do Centro Geodésico da América do Sul, como que, no meio do continente, encontrasse a alegria de ser: ser mestiça, mulher, pantaneira, América, Brasil, híbrida de chapa-e-cruz. Moreninha cuiabana Zuleica Arruda Um olhar que me fascina Traz essa cabocla, Essa menina, Com seu corpo, Seu queimado Cravo com canela temperado Vou tomar guaraná, Chupar caju, Comer banana, Passear com você, Doce moreninha cuiabana Casa de Bembém Zuleica e Vera Eu me orgulho de ser um cuiabano De chapa-e-cruz Confesso e não me engano Moro na pracinha, Perto da Prainha, Sento na porta Pra ver as moreninhas. Gosto de um amargo, Ventrecha de pacu, Mojica de pintado E bagre ensopado Danço um rasqueado Na casa de Bembém, Como bolo- de arroz E de queijo também!! ĵ Ă (domínio popular) A lua quando vem saindo por detrás da montanha é uma solidão. Até parece uma coroa de prata, Coração da mulata Lá do meu sertão. Vem cá, morena, Sai na janela, Venha ver a lua Como está tão bela. a śĵ ľ ʼnĂŇĎ ţ lśĵ ĂĊţ ź Roberto Lucialdo e Adonis Não sei mais o que faço Pra ser o seu benzinho Você só me despreza, negando o seu carinho Eu vou fazer de tudo Pra ser o seu benzinho. A moreninha cuiabana, na música popular, é plena de alegria e vida. Nas letras de Zuleica, Vera, Henrique, Roberto Lucialdo e Adonis, comida e meninas têm o mesmo gosto: gosto do prazer (Com seu corpo/seu queimado/cravo com canela temperado). Flagra-se novamente a visão aristotélica de ser por si. A felicidade não precisa ser explicada, porque tem a força de apenas ser. Um estar-de-bem consigo mesma, porque se integra a dois fatores: primeiro, à própria identidade cultural que, conforme Bourdieu (2004, p.112 ):...a procura dos critérios objetivos de identidade regional ou étnica não deve fazer esquecer que, na prática social, esses critérios (por exemplo, a língua, o dialeto, o sotaque) são objetos de representações mentais, quer dizer, de atos de percepção e de apreciação, de conhecimento e reconhecimento em que os agentes investem os seus interesses e seus pressupostos, e de representações objetais, em coisas (emblemas, bandeiras, insígnias, etc) ou em atos, estratégias interessadas de manipulação simbólica que têm em vista determinar a representação mental que os outros podem ter destas propriedades e de seus portadores. 199

8 Por isso, a mulher pantaneira está feliz; segundo, porque inserida no habitus de sua região estar na janela, passear na pracinha. O logos foi criado pelas metáforas que ensinaram o respeito pelas coisas da terra que predominam sobre o homem. A descrição na música da Casa de Bembém reforça o habitus. A paixão aqui é pela própria cultura, pela construção cultural contra a qual ela não se rebela. Está simplesmente nela. Não há conflito, o que continua na música Nandaia. Nandaia Siriri de roda (2005) Nandaia, nandaia Vamos nandaiá Seu padre vigário Venha meensinádançá Põe esta perna Se não servir esta Põe esta outra Pra senhora moça Rodeia, rodeia, rodeia Fica de joelho Põe mão na cintura Pra fazêmisura Palma, palma, palma Pé, pé pé[...] No livro Cultura e dança em Mato Grosso, organizado por Grando (2005, p.42), acadêmicas de Pedagogia, em um trabalho de guardar tesouros, copilaram da tradição local (Cáceres), a dança do Siriri. A mulher pantaneira está representada pela nandaia (jandaia em tupi), uma espécie de periquito barulhento e, parece, cheio de alegria. Aliás, esta é a paixão. A alegria é o que provoca o desequilíbrio, a irreverência que convoca um padre para dançar. Um estado de espírito que quebra posturas e convenções: põe a mão na cintura / Pra fazêmisura... Perna aqui, perna acolá, até com onomatopeia palma -como argumento para o chamado irrecusável figura de presença. Aí está o ethos da mulher pantaneira do centro da América. A felicidade é - no sentido aristotélico de ser necessário, essencial ou por si (MET.V,7,101 7 a 7). Para a Nandaia, ser é sentido, passa pela audição, tato... Abbagnano (2000) explica Aristóteles quando o filósofo grego ensina que o sentir é o sentir e conjugar esse ser/coisa com a dimensão maior da vida e isso extrapola a dimensão da inteligência. É o ser-todo. O logos provoca um efeito que é o movimento do cotidiano, mostrando perfeitamente a enciclopédia (ECO, 1986, p. 112) dos dançarinos: rodeia, palma, pé. A lua (domínio popular) A lua quando vem saindo por detrás da montanha é uma solidão. Até parece uma coroa de prata, Coração da mulata Lá do meu sertão. Vem cá, morena, Sai na janela, Venha ver a lua Como está tão bela. Meu coração é seu até o fim Roberto Lucialdo e Adonis Não sei mais o que faço Pra ser o seu benzinho Você só me despreza, negando o seu carinho Eu vou fazer de tudo Pra ser o seu benzinho. Embora caminhando em terra firme, o estudioso da mulher pantaneira, por meio das canções da MPB, do chaco à baixada cuiabana, não tem a segurança que apresenta essa mestiça do/no Pantanal de terras alagadiças, enchentes que vão e que vêm. Apoiada na solidez das águas pantaneiras que sempre estiveram aqui e que condicionaram o modo de vida de sua gente, ela apresenta um ethos de Héstia/Afrodite/onça, (obra do João Sebastião) que a desculparia de uma acusação moderna de mulherobjeto ou que lhe possibilitaria a justificativa de que tudo na vida pantaneira é móvel e que a aceitação aparente camufla uma 200

9 rebeldia/liberdade de alma. O pathos é tudo aquilo que constitui a vida, principalmente o sexo, a beleza física e a liberdade de ser até céu e água. Aqueles que cantam a sua beleza o fazem não só com a agudeza dos ouvidos, mas sob a influência do Pantanal que, pela grandiosidade, determina. Um grande paradoxo, porque à medida que determina, é suficientemente grande para permitir o voo para deixar ser. REFERÊNCIAS ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, AMOSSY, R. (Org.) Imagens de si no discurso-a construção do ethos, São Paulo: Contexto, ARISTÓTELES, Methafisica, Ed. Ross, Arte retórica e arte poética. São Paulo: Edições Ouro, [19--]. Retórica das paixões. São Paulo: Martins Fontes, BARILLI, R. Retórica. Lisboa: Editorial Presença, CASCUDO, L. C. Dicionário do Folclore Brasileiro. São Paulo: Global Editora, GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Ed.Guanabara,1989. GRANDO, B. S. (org.). Cultura e dança em Mato Grosso, Cáceres: UNEMAT Ed., LAKOFF, -----; JOHNSON, M. Metaphor we live by. Chicago: The University of Chicago Press, LIMA, A. A. Estudos Literários, Rio de Janeiro: Aguiar,1966. MAINGUENEAU, D. Pragmática do discurso literário, São Paulo:1996. MAHER, T. M. In: SIGNORINI, I. Língua(gem) e Identidade, Campinas: Mercado de Letras,1998. MIGLIACCIO, Luciano. Mostra do Redescobrimento: Arte do século XIX. São Paulo: Associação Brasil 500 anos Artes Visuais, BOURDIEU, P. O poder simbólico. Trad. port. Fernando Tomaz, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, CAMPOS, H. Ruptura dos gêneros na literatura latinoamericana. In América Latina em sua literatura. Coord. César F. Moreno. São Paulo: Perspectiva CANCLINI, N.G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 3. ed. São Paulo: Edusp. (1. ed. 1989)

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

YEMANJA 01 MÃE DÁGUÁ RAIMHA DAS ONDAS SEREIA DO MAR MÃE DÁGUA SEU CANTO É BONITO QUANDO FAZ LUAR..(.BIS)

YEMANJA 01 MÃE DÁGUÁ RAIMHA DAS ONDAS SEREIA DO MAR MÃE DÁGUA SEU CANTO É BONITO QUANDO FAZ LUAR..(.BIS) YEMANJA 01 MÃE DÁGUÁ RAIMHA DAS ONDAS SEREIA DO MAR MÃE DÁGUA SEU CANTO É BONITO QUANDO FAZ LUAR..(.BIS) YEMANJA, YEMANJA...(BIS) RAINHA DAS ONDAS SEREIA DO MAR...BIS É BONITO O CANTO DE YEMANJA SEMPRE

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL

1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL 1-PORTO SEGURO-BAHIA-BRASIL LUGAR: EUNÁPOLIS(BA) DATA: 05/11/2008 ESTILO: VANEIRÃO TOM: G+ (SOL MAIOR) GRAVADO:16/10/10 PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL VOCÊ É O BERÇO DO NOSSO PAIS. PORTO SEGURO BAHIA-BRASIL

Leia mais

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU

MULHER SOLTEIRA. Marcos O BILAU MULHER SOLTEIRA REFRÃO: Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir Ei, quem tá aí Se tem mulher solteira dá um grito que eu quero ouvir (Essa música foi feita só prás mulheres

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam.

Convite. Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. Convite Poesia é brincar com palavras como se brinca com bola, papagaio, pião. Só que bola, papagaio, pião de tanto brincar se gastam. As palavras não: quanto mais se brinca com elas mais novas ficam.

Leia mais

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor.

Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. Desde sempre presente na nossa literatura, cantado por trovadores e poetas, é com Camões que o Amor é celebrado em todo o seu esplendor. O Poeta canta o amor platónico, a saudade, o destino e a beleza

Leia mais

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia

O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Eric Ponty O Pequeno Mundo de Maria Lúcia Pinturas de Fernando Campos [2005] Virtual Book s Numa noite de outubro a pequena Maria Lúcia viu o azul do céu escuro da tarde um homem andando de bicicleta.

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo!

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo! Amor perfeito À noite, o mar desponta Nos teus olhos doces No teu corpo, O doce brilho do luar Mexe a brisa Em teus cabelos negros E nessas mãos Tão cheias de carinho Encontro esse amor perfeito Que tens

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6

Portuguese Poetry / 14-30 lines HS 5-6 Ai quem me dera 1. Ai, quem me dera, terminasse a espera 2. Retornasse o canto simples e sem fim, 3. E ouvindo o canto se chorasse tanto 4. Que do mundo o pranto se estancasse enfim 5. Ai, quem me dera

Leia mais

Músicas Para Casamento

Músicas Para Casamento Músicas Para Casamento 01. Você e Eu - Eliana Ribeiro 7M 7M C#m7 F#7/5+ F#7 Bm7 Quero estar com você, / Lembrar de cada momento bom; C#m7 m7 C#m7 #m7 Em7 7/9 Reviver a nossa história, nosso amor. 7M #m7/5-

Leia mais

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana

HINOS DE DESPACHO. www.hinarios.org 01 O DAIME É O DAIME. O Daime é o Daime Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana HINOS DE DESPACHO Tema 2012: Flora Brasileira Estrela D Alva www.hinarios.org 1 2 01 O DAIME É O DAIME O é o Eu estou afirmando É o divino pai eterno E a rainha soberana O é o O professor dos professores

Leia mais

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real

CD: Ao Sentir. Alencastro e Patrícia. 1- Ao Sentir Jairinho. Ao sentir o mundo ao meu redor. Nada vi que pudesse ser real Alencastro e Patrícia CD: Ao Sentir 1- Ao Sentir Jairinho Ao sentir o mundo ao meu redor Nada vi que pudesse ser real Percebi que todos buscam paz porém em vão Pois naquilo que procuram, não há solução,

Leia mais

ALENCASTRO E PATRICIA CD: NOSSO ENCONTRO. 1 - Nosso encontro - Sérgio Lopes. 2- Família - Twila Paris Versão: Aline Barros e Ronaldo Barros

ALENCASTRO E PATRICIA CD: NOSSO ENCONTRO. 1 - Nosso encontro - Sérgio Lopes. 2- Família - Twila Paris Versão: Aline Barros e Ronaldo Barros ALENCASTRO E PATRICIA CD: NOSSO ENCONTRO 1 - Nosso encontro - Sérgio Lopes Me traz em tuas mãos o teu amor Eu trago em minhas mãos o meu amor E faz do teu abraço o meu abrigo Meu coração te ama e chama

Leia mais

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA

TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA TRANSCRIÇÃO SAMBA DE QUADRA letreiro 1: Sem o modernismo dos tempos atuais, o samba sertanejo era uma espécie de baile rústico, que ia noite à dentro até o raiar do dia, com seus matutos dançando e entoando

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA

SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA SEXUALIDADE: DESATANDO OS NÓS NA ADOLESCÊNCIA Por Marcos Ribeiro* Um pouco dessa história começa por volta dos 10/12 anos, quando meninos e meninas começam a sofrer as primeiras transformações físicas,

Leia mais

Amar Dói. Livro De Poesia

Amar Dói. Livro De Poesia Amar Dói Livro De Poesia 1 Dedicatória Para a minha ex-professora de português, Lúcia. 2 Uma Carta Para Lúcia Querida professora, o tempo passou, mas meus sonhos não morreram. Você foi uma pessoa muito

Leia mais

Harmonizando a família

Harmonizando a família Harmonizando a família Narrador: Em um dia, como tantos outros, como e em vários lares a, mãe está em casa cuidando dos afazeres doméstic os, tranqüilamente. Porém c omo vem ac ontec endo há muito tempo,

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

2009 Gilberto Gonçalves

2009 Gilberto Gonçalves No ano de 2004, um grupo de amigos pertencentes aos Bombeiros Voluntários de Fafe decidiu juntar-se para preparar uma pequena brincadeira para a festa de aniversário da Associação Humanitária, recorrendo

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º

5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º 5º ANO 8 8/nov/11 PORTUGUÊS 4º 1. Um músico muito importante do nosso país é Milton Nascimento, cantor e compositor brasileiro, reconhecido, mundialmente, como um dos mais influentes e talentosos cantores

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Não sou daqueles que dizem que o amor pode ter vários significados, até pode... E tem vários significados... Mas fica vulgarizado.

Não sou daqueles que dizem que o amor pode ter vários significados, até pode... E tem vários significados... Mas fica vulgarizado. O amor! A paixão! A indiferença e o ódio! Não sou daqueles que dizem que o amor pode ter vários significados, até pode... E tem vários significados... Mas fica vulgarizado. O amor é o sentimento mais nobre

Leia mais

PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público

PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público PEDRO, TIAGO E JOÃO NO BARQUINHO ISRC BR MKP 1300330 Domínio Público Pedro, Tiago, João no barquinho Os três no barquinho no mar da Galiléia Jogaram a rede Mas não pegaram nada Tentaram outra vez E nada

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais

«Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Letras Álbum Amanhecer João da Ilha (2011) «Tesouro Escondido» Já sei que estás para chegar Espero por ti na ponta do cais O teu navio vem devagar A espera é longa demais Já sei que és buliçoso Trazes

Leia mais

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE

HINÁRIO. Glauco O CHAVEIRÃO. www.hinarios.org. Glauco Villas Boas 1 01 HÓSPEDE HINÁRIO O CHAVEIRÃO Tema 2012: Flora Brasileira Allamanda blanchetii Glauco Glauco Villas Boas 1 www.hinarios.org 2 01 HÓSPEDE Padrinho Eduardo - Marcha Eu convidei no meu sonho Meu mestre vamos passear

Leia mais

CONVITE. Falecido em 2012, Manuel António Pina deixou uma obra singular, no campo da poesia, da crónica, da literatura infanto-juvenil e do teatro.

CONVITE. Falecido em 2012, Manuel António Pina deixou uma obra singular, no campo da poesia, da crónica, da literatura infanto-juvenil e do teatro. Dando continuidade a projetos anteriores, o Museu Nacional da Imprensa está a preparar várias iniciativas para assinalar o 71.º aniversário do nascimento (18.nov.1943) do jornalista e escritor Manuel António

Leia mais

Encontros de vida que se faz vivendo.

Encontros de vida que se faz vivendo. Encontros de vida que se faz vivendo. Thatiane Veiga Siqueira 1 A menina do coração de chocolate. Juliana tem nove anos, é uma menina de olhos esbugalhados, com sorriso fácil, ao primeiro olhar já se vê

Leia mais

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano

O Menino do Futuro. Dhiogo José Caetano O Menino do Futuro Dhiogo José Caetano 1 Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno inventor que

Leia mais

01- NA CACHOEIRA. Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis)

01- NA CACHOEIRA. Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis) 01- NA CACHOEIRA Eu vi Mamãe Oxum na Cachoeira, Sentada na beira do rio! (bis) Colhendo lírio, lírio ê... Colhendo lírio, lírio a... Colhendo lírios, P'ra enfeitar nosso congá. (bis) 02- BRADO DE MAMÃE

Leia mais

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês

3 Truques Para Obter Fluência no Inglês 3 Truques Para Obter Fluência no Inglês by: Fabiana Lara Atenção! O ministério da saúde adverte: Os hábitos aqui expostos correm o sério risco de te colocar a frente de todos seus colegas, atingindo a

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

O TEMPO DIRÁ: CULTURA E POESIA!

O TEMPO DIRÁ: CULTURA E POESIA! REVISTA INTER-LEGERE WWW.CCHLA.UFRN.BR/INTERLEGERE O TEMPO DIRÁ: CULTURA E POESIA! TIME WILL TELL: CULTURE AND POETRY! Lenina Lopes Soares Silva 1 Esse tempo nunca passa Nem é de ontem, nem é de hoje Mora

Leia mais

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Projeto Gráfico Ilustra Online Revisão Trisco Comunicação Uma história de amor pelo nosso planeta. Coordenação Editorial Ler é Fundamental Produções e Projetos

Leia mais

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso

De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso Água do Espírito De Luiz Carlos Cardoso e Narda Inêz Cardoso EXISTE O DEUS PODEROSO QUE DESFAZ TODO LAÇO DO MAL QUEBRA A LANÇA E LIBERTA O CATIVO ELE MESMO ASSIM FARÁ JESUS RIO DE ÁGUAS LIMPAS QUE NASCE

Leia mais

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em

DEDICATÓRIA. Dedico esta obra a todos os leitores de Uma. Incrível História Euro-Americana no período em DEDICATÓRIA Dedico esta obra a todos os leitores de Uma Incrível História Euro-Americana no período em que esta foi postada no blog Dexaketo, tornando-a o folhetim mais lido na história do blog até meados

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas do Viso. Escola E. B. 2.3 do Viso. A vida é uma folha de papel

Agrupamento Vertical de Escolas do Viso. Escola E. B. 2.3 do Viso. A vida é uma folha de papel 1.º Prémio A vida é uma folha de papel A vida pode ser Escura como a noite, Ou clara como as águas cristalinas Que brilham ao calor do sol. A vida pode ser Doce como o mel Ou amarga como o fel. A vida

Leia mais

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA

POEMAS DE JOVITA NÓBREGA POEMAS DE JOVITA NÓBREGA Aos meus queridos amigos de Maconge Eu vim de longe arrancada ao chão Das minhas horas de menina feliz Fizeram-me estraçalhar a raiz Da prima gota de sangue Em minha mão. Nos dedos

Leia mais

ANINHÁ VAGURETÊ. Ô senhô dono da casa Licença quero pedir Meia-hora de relógio Para nós se divertir Mas ô vevê tem manibóia

ANINHÁ VAGURETÊ. Ô senhô dono da casa Licença quero pedir Meia-hora de relógio Para nós se divertir Mas ô vevê tem manibóia ANINHÁ VAGURETÊ Ô senhô dono da casa Licença quero pedir Meia-hora de relógio Para nós se divertir Mas ô vevê tem manibóia Aninha vaguretê Aninha vaguretê Quando eu aqui cheguei Nesta casa de alegria Se

Leia mais

CANTOS - Novena de Natal

CANTOS - Novena de Natal 1 1 - Refrão Meditativo (Ritmo: Toada) D A7 D % G Em A7 % Onde reina o amor, frater---no amor. D A7 D % G A7 D Onde reina o amor, Deus aí está! 2 - Deus Trino (Ritmo: Balada) G % % C Em nome do Pai / Em

Leia mais

APÊNDICE A - Músicas

APÊNDICE A - Músicas APÊNDICE A - Músicas Músicas 1 GUT GUT SEM PARAR Adaptação ao meio líquido Bebeu a água da piscina toda Fui ver quem era, era o João Ele bebia a água da piscina Ele fazia gut gut gut gut gut sem parar

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

1. A ESTRELA E A LUA

1. A ESTRELA E A LUA 1. A ESTRELA E A LUA A ESTRELA E A LUA ERAM DUAS IRMÃS COSME E DAMIÃO TAMBÉM SÃO DOIS IRMÃOS OXALÁ E OGUM GUIA NOSSOS PASSOS SOMOS FILHOS DE UMBANDA QUE BALANÇA MAIS NÃO C 2. CADE DOUM COSME E DAMIÃO,

Leia mais

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais)

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Tempo para tudo (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

Coaching para pessoas disponíveis, ambos

Coaching para pessoas disponíveis, ambos Nota da Autora 1001 maneiras de ser Feliz, é o meu terceiro livro. Escrevi Coaching para mães disponíveis e Coaching para pessoas disponíveis, ambos gratuitos e disponíveis no site do Emotional Coaching.

Leia mais

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia

Carlos Neves. Antologia. Raízes. Da Poesia 1 Antologia Raízes Da Poesia 2 Copyrighr 2013 Editra Perse Capa e Projeto gráfico Autor Registrado na Biblioteca Nacional ISBN International Standar Book Number 978-85-8196-234- 4 Literatura Poesias Publicado

Leia mais

Vamos adorar a Deus. Jesus salva (Aleluia)

Vamos adorar a Deus. Jesus salva (Aleluia) Vamos adorar a Deus //: SI LA SOL LA SI SI SI LA LA LA SI SI SI SI LA SOL LA SI SI SI LA LA SI LA SOOL SOOL :// Vamos adorar a Deus, Meu Senhor e Salvador Vamos adorar a Deus, com o nosso louvor. B I S

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO

SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO FAÇA ACONTECER AGORA MISSÃO ESPECIAL SEU GUIA DEFINITIVO PARA PLANEJAR E EXECUTAR DE UMA VEZ POR TODAS SEU SONHO ENGAVETADO RENATA WERNER COACHING PARA MULHERES Página 1 Q ue Maravilha Começar algo novo

Leia mais

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho o príncipe lá de casa Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho e talvez queira outra vez um marido. Mas quando se tem um filho e já se teve um marido, um homem não nos serve exatamente para

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão.

A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão. A sociedade das estrelas fica situada no Concelho da Fantasia. Ali, os dias são convidativos ao sonho e as noites propostas claras de ilusão. Há muitos anos, nesse reino encantado, morava uma linda menina,

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

HINÁRIO Transformação

HINÁRIO Transformação HINÁRIO Transformação Tema 2012: Flora Brasileira Pau-de-rosas (Physocalymma scaberrimum) www.hinarios.org Apolo 2 1 ORAÇÃO DA TRANSFORMAÇÃO Oh! Meu pai, livrai-me da autocomiseração e da preguiça. Dême

Leia mais

ÇÃO Chico Buarque DORME A CIDADE RESTA UM CORAÇÃO MISTERIOSO FAZ UMA ILUSÃO SOLETRA UM VERSO LARGA MELODIA SINGELAMENTE DOLOROSAMENTE

ÇÃO Chico Buarque DORME A CIDADE RESTA UM CORAÇÃO MISTERIOSO FAZ UMA ILUSÃO SOLETRA UM VERSO LARGA MELODIA SINGELAMENTE DOLOROSAMENTE DOCE A MÚSICA SILENCIOSA LARGA MEU PEITO SOLTA-SE NO ESPAÇO FAZ-SE CERTEZA MINHA CANÇÃO RESTIA DE LUZ ONDE DORME O MEU IRMÃO... DORME A CIDADE RESTA UM CORAÇÃO MISTERIOSO FAZ UMA ILUSÃO SOLETRA UM VERSO

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Álbum: O caminho é o Céu

Álbum: O caminho é o Céu Álbum: O caminho é o Céu ETERNA ADORAÇÃO Não há outro Deus que seja digno como tu. Não há, nem haverá outro Deus como tu. Pra te adorar, te exaltar foi que eu nasci, Senhor! Pra te adorar, te exaltar foi

Leia mais

Arte em Movimento...

Arte em Movimento... Leonardo Koury Martins Arte em Movimento... Arte em Movimento... Sabemos que por mais que queremos as coisas certas, todas no lugar, fáceis de tocar ou de compreender tudo estará em constante transformação.

Leia mais

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história

O Menino do futuro. Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história O Menino do futuro Dhiogo José Caetano Uruana, Goiás Início da história Tudo começa em uma cidade pequena do interior de Goiás, com o nome de Uruana. Havia um garoto chamado Dhiogo San Diego, um pequeno

Leia mais

Animação Sociocultural. No PAís do Amor

Animação Sociocultural. No PAís do Amor No PAís do Amor Há muito, muito tempo, num reino que ficava Mais Longe que Bué Bué longe, vivia-se com muito amor e alegria. Os dias eram passados em festa e eram todos muito amigos. Nesse reino havia

Leia mais

Vinho Novo Viver de Verdade

Vinho Novo Viver de Verdade Vinho Novo Viver de Verdade 1 - FILHOS DE DEUS - BR-LR5-11-00023 LUIZ CARLOS CARDOSO QUERO SUBIR AO MONTE DO SENHOR QUERO PERMANECER NO SANTO LUGAR QUERO LEVAR A ARCA DA ADORAÇÃO QUERO HABITAR NA CASA

Leia mais

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1

O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Glauce Souza Santos 2 O Local e o Global em Luanda Beira Bahia 1 Resumo Esta resenha objetiva analisar a relação local/global e a construção da identidade nacional na obra Luanda Beira Bahia do escritor

Leia mais

5 DICAS PARA REINVENTAR O SEU. e a si mesma!

5 DICAS PARA REINVENTAR O SEU. e a si mesma! 5 DICAS PARA REINVENTAR O SEU GUARDA-ROUPA e a si mesma! E S T I L O É A SUA ALMA V I S T A P E L O lado de fora. I N T R O D U Ç Ã O Qual é a mulher nesse mundo QUE NUNCA RECLAMOU EM FRENTE AO ESPELHO

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Furor suave. O Ar. À beira mar Está um homem a pescar Peixe está a apanhar E sem nunca parar. (Pedro Ernesto, 10 anos)

Furor suave. O Ar. À beira mar Está um homem a pescar Peixe está a apanhar E sem nunca parar. (Pedro Ernesto, 10 anos) 6 Furor suave Vou fazer um poema com ar; mas não é com este ar. Qual ar? Este, aqui, este ar. Este qual? O que se respira? Sim, esse, não é com o que se respira, é com o ar de ar. Qual ar? Queres dizer

Leia mais

1º Plano de Aula. 1- Citação: Guardar raiva é o mesmo que, beber veneno e querer que o outro morra. 2- Meditação: Meditação da Compaixão

1º Plano de Aula. 1- Citação: Guardar raiva é o mesmo que, beber veneno e querer que o outro morra. 2- Meditação: Meditação da Compaixão 1º Plano de Aula 1- Citação: Guardar raiva é o mesmo que, beber veneno e querer que o outro morra. 2- Meditação: Meditação da Compaixão 3- História Perdoar Sempre 4- Música Uma Luz Dentro de mim. Vol:

Leia mais

Palavras primitivas terminadas em S acrescenta-se INHO: Chinês = Chinesinho Um pequeno chinês é um chinesinho.

Palavras primitivas terminadas em S acrescenta-se INHO: Chinês = Chinesinho Um pequeno chinês é um chinesinho. FICHA DA SEMANA 5º ANO A e B Instruções: 1- Cada atividade terá uma data de realização e deverá ser entregue a professora no dia seguinte; 2- As atividades deverão ser copiadas e respondidas no caderno,

Leia mais

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães

Estórias de Iracema. Maria Helena Magalhães. Ilustrações de Veridiana Magalhães Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães 2 Era domingo e o céu estava mais azul que o azul mais azul que se pode imaginar. O sol de maio deixava o dia ainda mais bonito

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto.

O Coração Sujo. Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse? Tuca Parece cheiro de gambá morto afogado no esgoto. O Coração Sujo Personagens - Tuca - Teco - Tatá - Tia Tuca e Tatá estão conversando. Teco chega. Teco Oi, meninas, sobre o que vocês estão falando? Tuca Estávamos falando sobre... hm, que cheiro é esse?

Leia mais

Externato Arco-Íris. As salas de aula vestidas de flores. 1.º Ano. 2.º Ano. 3.º Ano. 4.º Ano

Externato Arco-Íris. As salas de aula vestidas de flores. 1.º Ano. 2.º Ano. 3.º Ano. 4.º Ano Externato Arco-Íris a/verão015 r e v a m i r p s n age m i e junho de 2 e io d a m o l, ã ri ç b a e l Co As salas de aula vestidas de flores 1.º Ano 2.º Ano 3.º Ano 4.º Ano Inspiração: obra O Livro da

Leia mais

Poética & Filosofia Cultural - Chico Xavier & Dalai Lama

Poética & Filosofia Cultural - Chico Xavier & Dalai Lama Page 1 of 6 Tudo Bem! Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia Cultural Educador: João Nascimento Borges Filho Poética

Leia mais

Lindo e Triste Brasil

Lindo e Triste Brasil SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA DATA: 07 / / 0 II AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF UNIDADE: ALUNO(A): Nº: TURMA: PROFESSOR(A): VALOR: 0,0 MÉDIA:

Leia mais

Fala sem Voz. Vinícius Arena Cupolillo

Fala sem Voz. Vinícius Arena Cupolillo Fala sem Voz Vinícius Arena Cupolillo 3- Meu amor, Tua amizade 4- Amizades 5- Minha Fala sem Voz 6- Indecisão 7- Verdades de amor ou Conto de fadas 8- A procura da minha inspiração 9- Distancias 10- A

Leia mais

Os Quatro Tipos de Solos - Coração

Os Quatro Tipos de Solos - Coração Os Quatro Tipos de Solos - Coração Craig Hill Marcos 4:2-8 Jesus usava parábolas para ensinar muitas coisas. Ele dizia: 3 Escutem! Certo homem saiu para semear. 4 E, quando estava espalhando as sementes,

Leia mais

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro

Acólitos. São João da Madeira. Cancioneiro Acólitos São João da Madeira Cancioneiro Índice Guiado pela mão...5 Vede Senhor...5 Se crês em Deus...5 Maria a boa mãe...5 Quanto esperei por este momento...6 Pois eu queria saber porquê?!...6 Dá-nos

Leia mais

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente

Eu sempre ouço dizer. Que as cores da pele são diferentes. Outros negros e amarelos. Há outras cores na pele dessa gente De todas as cores Eu sempre ouço dizer Que as cores da pele são diferentes Que uns são brancos Outros negros e amarelos Mas na verdade Há outras cores na pele dessa gente Tem gente que fica branca de susto

Leia mais

E, algumas vezes, a pessoa que mais precisa do seu perdão é você mesmo. Devemos nos lembrar que, ao dormirmos, o corpo astral sai do corpo físico.

E, algumas vezes, a pessoa que mais precisa do seu perdão é você mesmo. Devemos nos lembrar que, ao dormirmos, o corpo astral sai do corpo físico. MEDITAÇÃO DO PERDÃO Jesus ensinou que devemos perdoar a alma de todas as pessoas, pedindo ao Criador que detenha o lado negativo dela. Não importa o grau de negatividade de alguém, precisamos sempre perdoar,

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula

A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS VANESSA COUTO SILVA A invasão do funk: embates entre racismo e conhecimento na sala de aula SÃO PAULO 2012 Introdução Este trabalho buscará uma problematização

Leia mais