ADEQUAÇÃO CONFORME NORMA REGULAMENTADORA Nº 10

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ADEQUAÇÃO CONFORME NORMA REGULAMENTADORA Nº 10"

Transcrição

1 ADEQUAÇÃO CONFORME NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 (1) Rogério Pereira da Silva Resumo Este trabalho tem como objetivo geral apresentar uma forma de Adequação a NR-10 e a elaboração do Prontuário. Descrevendo os riscos da eletricidade e a forma que devemos adotar para evitar acidentes com eletricidade que geralmente levam a fatalidades e perda de patrimônio, divulgar para aos profissionais ações simples que eliminam os riscos de acidentes com eletricidade, divulgar quanto é importante o treinamento, procedimentos e modelos de trabalhos. Com isto ter mais um material que contribua como pesquisa na ajuda de adequação das instalações elétricas conforme exigências da NR 10, tendo assim um sistema de gerenciamento de risco em eletricidade. 1 INTRODUÇÃO Algumas empresas iniciaram os trabalhos de adequação antes da aprovação da revisão da norma, porém a grande maioria preocupou - se após o vencimento do prazo. Houve grande resistência por parte de administradores de empresa, prestadores de serviços e fabricantes de equipamentos. A eletricidade é um dos grandes causadores de acidente, pelo fato de ela não ser vista e percebida com uma simples observação. Os acidentes atingem profissionais que trabalham com instalações elétricas, operadores de sistemas elétricos, usuários de equipamentos elétricos e curiosos que submetem a reparar e instalar equipamentos elétricos. A prevenção depende muito dos recursos tecnológicos que existem atualmente, como poderemos observar abaixo: Painéis Metal Clad que têm por finalidade extinguir o arco elétrico fora da direção do operador, limitar o arco elétrico internamente e não permitir acesso direto nas partes energizadas. Painéis com acionamentos a distâncias através de Sistemas Supervisórios, evitando a exposição dos operadores aos riscos elétricos.

2 Análises de circuitos elétricos que permitem a detecção das falhas, antes que se torne um risco para os profissionais, operadores, usuários e patrimônio. Ferramentas de análise de risco preliminar que nos leva a identificação prévia do risco e proporciona a adoção de ações e mitigação do risco. O grande problema é a existência de varias indústrias, construtoras, prestadores de serviços e comércios que não tem um trabalho voltado para o gerenciamento dos riscos elétricos. Esta situação contribui para o aumento de acidentes que só é percebido quando resulta em fatalidade. No período em que a economia estava em crescimento acelerado, ocorreu escassez de profissionais qualificados e muitas empresas assumiram o risco de contratar profissionais com pouca experiência, permitindo assim um aumento de acidentes ocasionados pela falta de conhecimento. A gestão de riscos em eletricidade durante a adequação da NR -10 resultaram na redução dos acidentes com eletricidade. Porém, com todos os recursos tecnológicos, treinamentos e formações profissionais, os acidentes continuam acontecendo. O fator humano é um grande contribuinte dos desvios que levam ao acidente com eletricidade. A revisão da NR 10 propiciou uma forma prática e uniforme para gerenciarmos as instalações elétricas e seus riscos. 2 IMPLANTAÇÕES DE ADEQUAÇÃO A NR 10 Inicialmente divulgar para alta Gerência a importância de adequação, conforme NR Comentários sobre a NR-10 e a obrigatoriedade de sua implantação na empresa. O cumprimento das Normas Brasileiras (NBR) é obrigatório, devido às legislações complementares, tais como Código de Defesa do Consumidor, Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), Normas Regulamentadoras (NR), Código Civil, etc. Por estas legislações, responde Civil e Criminalmente, qualquer cidadão responsável por danos a propriedade ou a pessoa física que não tenha observado as Normas Brasileiras em sua total extensão. As principais ações que podem ocorrer quanto ao não cumprimento dessas ações é: multas, interdições e responsabilização Civil e Criminal de todos os envolvidos (responsabilidade solidária).

3 3 LEVANTAMENTOS DAS NECESSIDADES PARA ADEQUAÇÃO Mediante ao levantamento das necessidades de adequação, foram priorizados o trabalhos quanto à gravidade de risco e investimento. Foi criado o Comitê de Segurança em eletricidade que se reúnem mensalmente para avaliar o andamento e a manutenção da Gestão de Segurança em eletricidade. Com fechamento de contratos corporativos de fornecimento de equipamentos e materiais, garantimos o fornecimento de equipamentos e materiais em conformidade à norma. Vale ressaltar que algumas situações foram modernização nos investimentos próximos anos. mitigadas os riscos e incluímos 3. 1 Proteção contra queimadura por arcos elétricos O arco elétrico é um fenômeno da eletricidade inerente dos sistemas elétricos. Podem liberar calor intenso e controlado como nos casos de solda elétrica e fornos industriais ou com liberação de pequena quantidade de calor como nos casos de interruptores para lâmpadas. As falhas elétricas ou curtos-circuitos com formação de arco elétrico é um fenômeno indesejável que libera uma enorme quantidade de calor. Esse fenômeno, além do calor, libera partículas de metais ionizadas que podem conduzir correntes, provocar deslocamento de ar com aparecimento de alta pressão prejudicial ao sistema auditivo, emitir raios ultravioletas prejudiciais a visão e liberação de gases tóxicos como resultado da combustão dos materiais internos ao painel. Baseado nos dados do estudo de seletividade foi possível efetuar os cálculos de energia incidente. Definimos como uniforme o (risco 2) e para valores maiores o uso da capa de 7/8 (risco 4). Durante a revisão do estudo de seletividades e manutenções no sistema de proteção detectamos que alguns relés estavam apresentando desvios nos ajustes. A avaliação do sistema foi fundamental para justificar a troca de relés no sistema elétrico. Baseado no artigo Proteção contra Queimadura por arcos elétricos, definimos o valor da energia incidente das instalações elétricas.

4 Cálculo de Vestimenta de Proteção contra os efeitos dos Arcos Elétricos SUBESTAÇÃO KV KA = ibf KVA t (s) D (M) K K1 K2 G CF X C/cm2 PRINCIPAL 88 6, ,7 3-0,097-0, SUB AT 02 4,16 15, ,2 0,8-0,097-0,555-0, ,973 3,51 SUB AT 03 4,16 9, ,4 0,8-0,153-0,792-0, ,973 4 SUB AT 04 4,16 9, ,7 0,8-0,153-0,792-0, ,973 4 SUB AT 05 4,16 9, ,5 1,5-0,097-0,555-0, ,973 5,26 SUB AT 06 4,16 9,51 612,5 0,3 0,8-0,097-0,555-0, ,973 3,1 SUB AT 07 4,16 11, ,5 0,8-0,097-0,555-0, ,973 6,49 SUB AT 08 4,16 11, ,6 0,8-0,097-0,555-0, ,973 7,84 SUB AT 09 4,16 3, ,3 0,8-0,097-0,555-0, ,973 1 SUB AT 10 4, ,3 0,8-0,153-0,555-0, ,973 2,56 SUB AT 11 4,16 9, ,7 0,8-0,097-0,555-0, ,973 4 SUB AT 12 4,16 10,7 5315,5 0,4 0,8-0,097-0,555-0, ,973 4,67 CCMs KV KA KVA t (s) D (M) K K1 K2 G CF X C/cm2 CCM BT 01 0,44 17,7 ******** 4 0,45-0,097-0,555-0, ,5 1,473 12,38 CCM BT 02 0,44 16 ******** 0,3 0,45-0,097-0,555-0, ,5 1,473 8,5 CCM BT 03 0,44 20,7 ******** 0,39 0,45-0,097-0,555-0, ,5 1,473 13,78 CCM BT 04 0,44 14,4 ******** 0,3 0,45-0,097-0,555-0, ,5 1,473 7,75 CCM BT 05 0,44 19,2 ******** 0,5 0,45-0,097-0,555-0, ,5 1,473 16,56 CCM BT 06 0,44 18,8 ******** 0,3 0,45-0,097-0,555-0, ,5 1,473 9,76 CCM BT 07 0,44 22,4 ******** 0,7 0,45-0,097-0,555-0, ,5 1,473 18,93 CCM BT 08 0,44 7,8 ******** 0,3 0,45-0,097-0,555-0, ,5 1,473 4,56 CCM BT 09 0,44 24,2 ******** 0,5 0,45-0,097-0,555-0, ,5 1,473 20,24 Quadros 1 - Dados dos Cálculos de Energia Incidente 3.2 Implantamos etiquetas para identificação dos painéis elétricos Figura 1: Etiqueta de identificação dos painéis elétricos 3.3 Reavaliação dos planos de manutenção Avaliamos os cronogramas conforme técnicas e ferramentas de trabalhos, dentre elas, análise de óleo, termografia, avaliação conforme o RCM e métodos de análise de falha.

5 3.4 Melhorias realizadas Construção de uma nova Subestação 88 kv automatizada com comando a distância e painéis Metal Clad. Figura 2: Subestação 88 KV Figura 3: Subestação 4,16 KV Demarcação de piso conforme as zonas de risco, controlada e livre. Figura 4: Demarcação piso sala de CCMs 3.5 Avaliação aquisição e controles de ferramentas O objetivo da inspeção é retirar as ferramentas inadequadas de circulação e regularizar as mesmas, nas situações onde não for possível esta adequação faz-se necessário a substituição por ferramenta adequada.

6 Figura 5: Ferramentas Elétricas Figura 6: Abrangência do uso do Multímetro Figura 7: Formulário de inspeção de equipamentos elétricos 3.6 Treinamentos Treinamento de combate a incêndio e primeiros socorros. Destacando quando e como devemos agir nessas situações. Figura 8: Combate incêndio em transformadores Figura 9: Combate incêndio em painéis elétricos

7 Figura 10: Primeiros socorros 3.7 Prontuários das Instalações Elétricas Eletrônico e Físico Figura 10: Caminho de acesso ao Prontuário eletrônico Figura 11: Prontuário físico

8 Para facilitar a consulta no prontuário eletrônico foi elaborado o fluxograma do prontuário. Figura 12: Fluxograma do Prontuário 3.8 Áreas Classificadas Dentro do processo de adequação trabalhamos em consulta com a norma IEC NBR Contratamos auditoria externa, elaboramos o plano de ação, plano de inspeção e requalificação de fornecedores. Locais de produção contendo áreas classificadas deverão ser sinalizados em todas as suas entradas por meio de sinais que costuma ser o seguinte: Pode-se ainda acrescentar informações sobre zoneamento, classe de temperatura, grupo de gases etc. Existe a tendência de demarcar as áreas classificadas em planta nas distâncias definidas pelo desenho de classificação de áreas, por meio de faixas de sinalização da cor vermelha, sendo contínua quando a área é Zona 1 e tracejada quando a área é Zona 2.

9 Figura 13: Sinalização áreas classificadas 3. 9 Processo de Capacitação, Qualificação, Habilitação e Autorização Atualmente existe um Engenheiro Eletricista designado formalmente para efetuar o processo de qualificação, conhecimento técnico, segurança, cursos e histórico profissional. Para garantir a atualização das informações e cumprimento das regras e procedimentos, foi necessário colocar um profissional dedicado na manutenção do prontuário, sendo que o sistema é dinâmico e trabalhamos com serviços terceirizados. A cada contratação temos a necessidade de efetuar a reciclagem da NR -10, com foco na nossa realidade.

10 Figura 14: Ficha de Autorização

11 4 CONCLUSÃO Com base no conhecimento dos riscos da eletricidade, fica claro que todos que interagem no sistema elétrico estão envolvidos para garantir a segurança em eletricidade, sendo assim, evidência a importância dos treinamentos exigidos pela NR 10 e garante que todos terão conhecimento do assunto. Foram relatados de forma bem simplificada, exemplos práticos de adequação, riscos adicionais, controle, normas especificas, exigências e gerenciamento que orienta o caminho para elaborar o guia das instalações elétricas que com a inclusão das particularidades de cada instalação elétrica, pode ser o prontuário. Diante do conhecimento do risco da eletricidade, treinamento e informações relatadas, fica fácil iniciar a elaboração do guia de segurança das instalações elétricas e mediações. O assunto esta a nível operador que facilita o entendimento das pessoas que estão mais expostas aos riscos de eletricidade e devem ter conhecimento do guia das instalações. Finalizamos na certeza existem muitas ações que podem ser realizadas sem que envolva um alto valor de investimento.

12 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS NBR 5410: 2004: Instalações elétricas de baixa tensão. Rio de Janeiro, 2004 NBR 14039: 2004: Instalações elétricas de média tensão. Rio de Janeiro, 2004 BOMBEIRO EMERGÊNCIA Choque Elétrico. São Paulo, Disponível em : <http://www.bombeirosemergencia.com.br/>. Acesso em : 22 maio < http: //www.cadickcorp.com/download/marine_electrical_safety_tech10.pdf ->. Acesso em 23 ago CAMPOS, Armando;TAVARES,José; LIMA,Valter. Prevenção e Controle de Risco em Máquinas, Equipamentos e Instalações. São Paulo : SENAC, JORDÃO, Dácio de Miranda, Manual de Instalações Elétricas em Indústrias Químicas e Petroquímicas e de Petróleo Atmosferas Explosivas. 3. Ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003: MINISTÉRIO DO TRABALHO EMPREGO NR 10 - MTE: 2004 MICROSOL. Proteção contra choque elétrico e módulo isolador. [2008] Disponível em:<htpp//www.microsol.com.br/painel/arquivos/artigos/ _pdf>. Acesso me: 23 ago, OLIVEIRA, Luís Eduardo de; GALLO, José Wilson Furlan. Análise e organização para elaboração do prontuário técnico sobre sistemas e instalações elétricas Apostila curso do prontuário das instalações elétricas NR SEMINÁRIO DE ENGENHARIA ELÉTRICA NA SEGURANÇA DO TRABALHO, , Rio de Janeiro, Anais Eletrônicos... Rio de Janeiro: III ESW 2007, 1 CD-ROM SOUZA, João José Barrico de; PEREIRA, Joaquim Gomes Pereira. Manual de auxílio na interpretação e aplicação da nova NR 10: NR 10 comentada. São Paulo: LTr, TOMIYOSHI, Luiz K.Proteção contra queimadura por arcos elétricos: Dupont do Brasil S.A

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Eng. Joaquim Gomes Pereira ------------ Ministério do Trabalho e Emprego DRT/SP 1 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº

Leia mais

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas PIE - Prontuário das Instalações Elétricas Autor: Masatomo Gunji - Engº Eletricista e de Segurança do Trabalho: O PIE é um sistema organizado de informações pertinentes às instalações elétricas e aos trabalhadores

Leia mais

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos Eng. Valdemir Romero Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Segurança

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil LUCIANO DINIZ MENDONÇA LIMA Efacec do Brasil Ltda. luciano.diniz@efacecenergy.com.br

Leia mais

NR 10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade (curso básico)

NR 10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade (curso básico) NR 10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade (curso básico) Poucas atividades são tão perigosas quanto o trabalho em instalações elétricas. Mas a atual NR 10, Norma Regulamentadora nº 10,

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

Prezado colega, você sabia:

Prezado colega, você sabia: Prezado colega, você sabia: 1) Que, de maneira geral, as Normas Regulamentadoras (NRs), do MTE - Ministério do Trabalho e Emprego, estabelecem requisitos mínimos legais e condições com objetivo de implementar

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Atmosferas Explosivas. Segurança e confiabilidade

Atmosferas Explosivas. Segurança e confiabilidade Atmosferas Explosivas Segurança e confiabilidade Atmosferas Explosivas Quando o assunto é área de risco o uso de produtos apropriados e a manutenção adequada são exigências obrigatórias para atender normas

Leia mais

NR10 NORMA REGULAMENTADORA Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade

NR10 NORMA REGULAMENTADORA Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade Apresentação Audiência Pública ANEEL NR10 NORMA REGULAMENTADORA Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade Eng. Manfred 25/Abril/2008 PROJETO NR10 NEEMIAS ENGENHARIA LTDA Consultoria e assessoria

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE FUNCIONAMENTO DO CURSO O curso terá duração de 40 horas/aula, composto pelos seguintes módulos: MÓDULO h/a Entendimento da NR-10 4 Análise de Riscos 4 Prevenção Combate a Incêndio e Atmosfera Explosiva

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 12/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 12/2015 Campus São João del-rei CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO Tema 01: ELETRICIDADE BÁSICA E CIRCUITOS EM CC Um fabricante de isoladores informa que seu produto, no formato de um cilindro, como mostrado na Figura

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

PREPARANDO VOCÊ!!! PARA O MERCADO DE TRABALHO

PREPARANDO VOCÊ!!! PARA O MERCADO DE TRABALHO PREPARANDO VOCÊ!!! PARA O MERCADO DE TRABALHO Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade EMENTA: Estabelecer os requisitos e condições mínimas objetivando a implementação de medidas de controle

Leia mais

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação

Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação 34 Capítulo V A IEEE 1584 e os métodos para cálculo de energia incidente e distância segura de aproximação Por Alan Rômulo e Eduardo Senger* No artigo anterior foram abordados os métodos previstos na NFPA

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10 NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade 1. Introdução A Norma Regulamentadora n 10 é um documento que descreve um conjunto de procedimentos e requisitos para as atividades que envolvem

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 A segurança sempre está em pauta em nossas vidas e com a eletricidade não deve ser diferente. Durante a utilização normal das instalações elétricas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

ENGENHARIA, CONSULTORIA E TREINAMENTO.

ENGENHARIA, CONSULTORIA E TREINAMENTO. 1 CURSO DE ATUALIZAÇÃO TÉCNICA PARA PROFISSIONAIS DA ÁREA DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Nota: 2º Curso do Gênero no Interior do Estado de São Paulo PERIODO: 06 A 10 DE AGOSTO DE 2012

Leia mais

Norma Regulamentadora Nº 13

Norma Regulamentadora Nº 13 Sede Nacional Sede Nacional - SP 1 Norma Regulamentadora Nº 13 Impactos da Nova Redação 1 Mixing Consultoria em Processos Industriais ANTÓNIO CARLOS BASSO DA CUNHA LEAL Consultor Técnico da ABIMAQ na CNTT

Leia mais

Segurança Operacional em Máquinas e Equipamentos

Segurança Operacional em Máquinas e Equipamentos Segurança Operacional em Máquinas e Equipamentos Manfred Peter Johann Gerente de Vendas da WEG Automação A crescente conscientização da necessidade de avaliação dos riscos na operação de uma máquina ou

Leia mais

Roupas de Proteção Anti-Chamas. Proteger a vida do trabalhador é a nossa Missão

Roupas de Proteção Anti-Chamas. Proteger a vida do trabalhador é a nossa Missão Roupas de Proteção Anti-Chamas Proteger a vida do trabalhador é a nossa Missão QUALYTEXTIL S.A. Empresa 100% brasileira. Líder em desenvolvimento e fabricação de EPI s especiais; Com a transparência de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NA IMPLANTAÇÃO DA NR 35

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NA IMPLANTAÇÃO DA NR 35 A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO NA IMPLANTAÇÃO DA NR 35 Autores Isamarth Rodrigues de Almeida Regina Célia Xavier de Moura COMPANHIA HIDROELÉTRICA DO SÃO FRANCISCO RESUMO Este trabalho apresenta as ações

Leia mais

CURSO NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 26 a 30 de maio de 2008

CURSO NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 26 a 30 de maio de 2008 CURSO NR 10 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade 26 a 30 de maio de 2008 OBJETIVO: Capacitar os participantes para prevenção em acidentes com eletricidade, em atendimento ao novo texto da

Leia mais

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE NR 10: Portaria n.º 598, de 07/12/2004 (D.O.U. de 08/12/2004 Seção 1) Ementas: Portaria n.º 126, de 03/06/2005 (D.O.U. de 06/06/2005 Seção 1) NR 10 - SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PROF. MARCOS FERGÜTZ ABRIL/14 INTRODUÇÃO - Legislação Portaria no. 51, de 28 de janeiro de 2014, do INMETRO,

Leia mais

EngePower. EngePower Engenharia e Comércio Ltda Tel : 11 3579-8777 www.engepower.com Contato: engepower@engepower.com

EngePower. EngePower Engenharia e Comércio Ltda Tel : 11 3579-8777 www.engepower.com Contato: engepower@engepower.com INSPEÇÃO POR ULTRASOM EngePower Engenharia e Comércio Ltda Tel : 11 3579-8777 www.engepower.com Contato: engepower@engepower.com 1. Objetivo 2. Abrangência 3. Problemas Básicos 4. Arco Elétrico e Corona

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST No Brasil a Segurança e Medicina no Trabalho é regulamentada pela portaria 3214/78, atualmente com 36 Normas Regulamentadoras do Ministério

Leia mais

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio GESTÃO DA CONTINUADE DOS NEGÓCIOS E DE PGI 002 Incêndio INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio As informações existentes neste documento e em seus anexos são para uso exclusivo

Leia mais

Capítulo IX. Resultados Parte I. Inspeção de instalações elétricas. Relatório técnico de inspeções (RTI)

Capítulo IX. Resultados Parte I. Inspeção de instalações elétricas. Relatório técnico de inspeções (RTI) 40 Capítulo IX Resultados Parte I Por Marcus Possi* O objetivo deste artigo é finalizar o processo de trabalho da inspeção nas instalações elétricas, apresentando os resultados, não apenas relatórios ou

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Eng. Joaquim Gomes Pereira. Eng. Eletricista e de Segurança a no Trabalho Coordenador da NR10

Eng. Joaquim Gomes Pereira. Eng. Eletricista e de Segurança a no Trabalho Coordenador da NR10 1 Eng. Joaquim Gomes Pereira. Eng. Eletricista e de Segurança a no Trabalho Coordenador da NR10 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS LEGISLAÇÃO E AUDITORIA FISCAL CLT //

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5 Página 2 de 5 1 OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo o estabelecimento das diretrizes para elaboração de procedimentos técnicos e administrativos a serem adotados em situações emergenciais, tais

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO ISO 14001

ESTUDO DIRIGIDO ISO 14001 ESTUDO DIRIGIDO ISO 14001 Responda as questões abaixo relacionadas a Sistema de Gestão Ambiental (SGA). Nas questões indique Evidências, Critérios e Não Conformidades das questões enunciadas. Utilize como

Leia mais

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do

Leia mais

Reyder Knupfer Goecking Engenheiro Eletricista Mestre em Processos Industriais -IPT Membro do CB 3 e CB32 - ABNT

Reyder Knupfer Goecking Engenheiro Eletricista Mestre em Processos Industriais -IPT Membro do CB 3 e CB32 - ABNT Um Enfoque Frente a Tecnologias e Utilização de EPI s - NR10 d f G k Reyder Knupfer Goecking Engenheiro Eletricista Mestre em Processos Industriais -IPT Membro do CB 3 e CB32 - ABNT NR 10 Risco de Arco

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

Relato de Acidente DADOS DO ACIDENTE

Relato de Acidente DADOS DO ACIDENTE Relato de Acidente DADOS DO ACIDENTE Data: 13/12/2011 Hora: 01:00 Área: XXXXXXX Empresa: XXX Função: Técnico de Manutenção PL Idade: 34 anos Tempo na função: 05 anos e 06 meses Nome Acidentado: XXXXXXXXXXX

Leia mais

Instalações elétricas provisórias na construção civil

Instalações elétricas provisórias na construção civil Instalações elétricas provisórias na construção civil São Paulo, 12 de agosto de 2014 NBR-5410 NR-18 10.1. Objetivo e campo de aplicação 10.2. Medidas de controle 10.3. Segurança no projeto 10.4. Segurança

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

Workshop Interpretando a NR10. Nova Serrana

Workshop Interpretando a NR10. Nova Serrana Workshop Interpretando a NR10 Nova Serrana Nossa abordagem I. Introdução II. Legislação Brasileira III. Norma Regulamentadora NR-10 IV. Exigências da Norma V. Resumo Geral I. Introdução A Norma Regulamentadora

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

RISCOS DE ACIDENTES EM OBRAS CIVIS DENTRO DE UMA. Monografia Apresentada ao Curso de Engenharia Civil UFC - 2012

RISCOS DE ACIDENTES EM OBRAS CIVIS DENTRO DE UMA. Monografia Apresentada ao Curso de Engenharia Civil UFC - 2012 RISCOS DE ACIDENTES EM OBRAS CIVIS DENTRO DE UMA SUBESTAÇÃO ELÉTRICA Aluna: Thalita Ripardo Ximenes Orientadora: Profª.. Dra. Ana Barbara de Araujo Nunes Monografia Apresentada ao Curso de Engenharia Civil

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETECANHANQUERA Município:Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Proteção e Prevenção Componente Curricular: AR Análise de Risco

Leia mais

Termografia na Rede de Distribuição Subterrânea de Baixa Tensão da AES Eletropaulo na Manutenção Corretiva

Termografia na Rede de Distribuição Subterrânea de Baixa Tensão da AES Eletropaulo na Manutenção Corretiva Termografia na Rede de Distribuição Subterrânea de Baixa Tensão da AES Eletropaulo na Manutenção Corretiva Gerência de Redes Subterrâneas Diretoria Regional II Rafael Moreno Engenheiro Eletricista Campo

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

Elaine Ferreira. Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil

Elaine Ferreira. Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil Segurança do Trabalho na EDP Brasil Elaine Ferreira Diretora de Gestão do Capital Humano - Brasil Unidades EDP no Brasil 2.529 Colaboradores 4.090 Prestadores Serviços UHE LAJEADO UHE PEIXE ANGICAL PANTANAL

Leia mais

Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT. Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013

Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT. Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013 Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013 Fase: Diagnóstico Eloisa Barroso de Mattos Nutricionista Raquel Leão Firmino Reis

Leia mais

Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10

Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10 Normalização do sistema de bloqueio conforme a NR 10 Robson Guilherme Ferreira (II) Jackson Duarte Coelho (III) Julio César Agrícola Costa da Silveira (I) Resumo O trabalho a ser apresentado tem como objetivo

Leia mais

Curso Plano de Continuidade de Negócios

Curso Plano de Continuidade de Negócios Curso Plano de Continuidade de Negócios Em um cenário mundial de alto risco e volatilidade, com uma interconexão e interdependência de todas as cadeias de suprimento, a segurança e continuidade dos negócios

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Curso NR-10 Atualização do básico em segurança, instalações e serviços com eletricidade CONTROLE DE REVISÕES

TERMO DE REFERÊNCIA. Curso NR-10 Atualização do básico em segurança, instalações e serviços com eletricidade CONTROLE DE REVISÕES TERMO DE REFERÊNCIA CONTROLE DE REVISÕES Curso NR-10 Atualização do básico em segurança, instalações e serviços com eletricidade ELABORADO: Lilian Cristina B. Ribeiro MATRÍCULA: 11861-36 RUBRICA: VALIDADO:

Leia mais

Instalações Prediais. Manutenção

Instalações Prediais. Manutenção Instalações Prediais Manutenção Legislação Leis nº 10.199/86 e 8382/76 Certificado de manutenção dos sistemas de segurança contra incêndio Lei nº 13.214, de 22 de novembro de 2001. Obrigatoriedade de instalação

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013 Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município: CASA BRANCA Área Profissional: SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Qualificação:

Leia mais

ÍNDICE 1. Introdução 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso

ÍNDICE 1. Introdução 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso ÍNDICE 1. Introdução 5 2. Transporte Terrestre de Produto Perigoso 6 2.1 O que é Produto Perigoso? 6 2.2 Conceito de Risco x Perigo 6 2.3 Classe de Risco e número ONU 7 2.4 Exigências aplicáveis 8 2.4.1

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca 1. INSPETOR CONTROLE DE QUALIDADE- Atuar com inspeção de processos / final, ensaios de rotina, controle de qualidade e verificação de falhas na

Leia mais

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Variável: Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Participantes do Aprofundamento da Variável: Coordenador: Mário Vinícius Bueno Cerâmica Betel - Uruaçu-Go Colaboradores: Juarez Rodrigues dos

Leia mais

DOCUMENTOS E AVISOS DE AFIXAÇÃO OBRIGATÓRIA PELOS EMPREGADORES

DOCUMENTOS E AVISOS DE AFIXAÇÃO OBRIGATÓRIA PELOS EMPREGADORES DOCUMENTOS E AVISOS DE AFIXAÇÃO OBRIGATÓRIA PELOS EMPREGADORES info@qualityassociados.com.br Existem documentos e avisos que, por determinação legal, devem obrigatoriamente, permanecerem afixados em local

Leia mais

Revisão da legislação de Segurança Contra Incêndio na visão das Universidades

Revisão da legislação de Segurança Contra Incêndio na visão das Universidades Comissão Especial de Revisão e Atualização das Leis de Segurança, Prevenção e Proteção contra Incêndios Revisão da legislação de Segurança Contra Incêndio na visão das Universidades Contribuições das universidades

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA LIANE DILDA GERENTE DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HISTÓRICO Privatização - 28.07.1999 (DEI-EUA) EUA) Geração e Comercialização de

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. MEDIDAS DE SEGURANÇA APLICADAS NA UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE ATERRAMENTO ELÉTRICO TEMPORÁRIO Autores: Luiz Antonio Bueno Gerente da Divisão de Segurança e Higiene Industrial Sueli Pereira Vissoto Técnica

Leia mais

GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS GESTÃO DA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS Engenheiro Mecânico Leandro Botega de Sousa leandro.botega@ig.com.br 33071613 / 81761612 21:50:00 1 FLUXO - GESTÃO

Leia mais

GESTÃO SE SEGURANÇA ELÉTRICA ATRAVÉS DO PRONTUÁRIO CONFORME NR 10.

GESTÃO SE SEGURANÇA ELÉTRICA ATRAVÉS DO PRONTUÁRIO CONFORME NR 10. GESTÃO SE SEGURANÇA ELÉTRICA ATRAVÉS DO PRONTUÁRIO CONFORME NR 10. MEU SONHO É LEVAR O HOMEM A LUA E TRAZE-LO DE VOLTA COM SEGURANÇA John Kennedy (1917-1963) AS EMPRESAS DEVEM CRIAR POLÍTICAS QUE VALORIZEM

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

APOSTILA - CURSO - 2007

APOSTILA - CURSO - 2007 1/71 APOSTILA - CURSO - 2007 ANÁLISES E ORGANIZAÇÃO PARA A ELABORAÇÃO DO PRONTUÁRIO TÉCNICO SOBRE SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS COM A FINALIDADE DO ATENDIMENTO A NR-1O DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI)

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Introdução...

Leia mais

Titulação: Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho PLANO DE CURSO

Titulação: Especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho PLANO DE CURSO C U R S O D E E N G E N H A R I A D E P R O D U Ç Ã O Autorizado pela Portaria nº 1.150 de 25/08/10 DOU Nº 165 de 27/08/10 Componente Curricular: Higiene e Segurança do Trabalho Código: Pré-requisito:

Leia mais

MUTIRÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA: UMA AÇÃO INTEGRADA COM EMPREGADOS, CONTRATADOS E A COMUNIDADE

MUTIRÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA: UMA AÇÃO INTEGRADA COM EMPREGADOS, CONTRATADOS E A COMUNIDADE MUTIRÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA: UMA AÇÃO INTEGRADA COM EMPREGADOS, CONTRATADOS E A COMUNIDADE Autores Carmem Lúcia Carneiro Rolim Antiógenes José Freitas Cordeiro José Clóves Fernandes COMPANHIA ENERGÉTICA

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 QUESTÃO 26 Sobre os Limites de Tolerância para exposição ao calor, em regime de trabalho intermitente, com períodos de descanso no próprio local de prestação de serviço, de

Leia mais

Segurança para Máquinas Cenário Brasil Rodrigo Rodrigues

Segurança para Máquinas Cenário Brasil Rodrigo Rodrigues Segurança para Máquinas Segurança para Máquinas Cenário Brasil Rodrigo Rodrigues 1 Internal 20/04/2011 DC/QMM3 Dr. Alexandre Orth Training Bosch Rexroth AG 2011. All rights reserved, also regarding any

Leia mais

PERSPECTIVAS DA SEGURANÇA EM ELETRICIDADE NAS INDÚSTRIAS: UMA VISÃO DO SETOR DE ENSINO ESTON, S. M. ; BARRICO, J.J.

PERSPECTIVAS DA SEGURANÇA EM ELETRICIDADE NAS INDÚSTRIAS: UMA VISÃO DO SETOR DE ENSINO ESTON, S. M. ; BARRICO, J.J. PERSPECTIVAS DA SEGURANÇA EM ELETRICIDADE NAS INDÚSTRIAS: UMA VISÃO DO SETOR DE ENSINO ESTON, S. M. ; BARRICO, J.J. 1. Introdução 2. Grade curricular de graduação e pós graduação 3. Disciplinas de atualização

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Texto para Discussão

Texto para Discussão Convênio: Fundação Economia de Campinas - FECAMP e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE Termo de Referência: Reforma Trabalhista e Políticas Públicas para Micro e Pequenas Empresas Texto

Leia mais

Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355.

Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355. Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA 5060267355. Sócio do Grupo Rumo Engenharia www.rumoengenharia.com.br Telefone: (15) 3331-2300 Celular: (15) 9 9742-9819 Diretor da Área de Engenharia

Leia mais

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA Durante o prazo da CONCESSÃO, a CONCESSIONÁRIA deverá contratar e manter em vigor no mínimo as apólices de seguro a

Leia mais

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho 1 0 Dia Realizar a apresentação dos participantes 1. Técnica de Lista de presença; apresentação e O multiplicador

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 30 / 08 / 2012 1 de 19 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 3 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3 RESPONSABILIDADES... 3 4 DEFINIÇÕES... 3 4.1 Associação Brasileira de Normas Técnicas - ABNT... 3 4.2 Agência Nacional de Energia

Leia mais

Desafios Motivadores do Investimento

Desafios Motivadores do Investimento Desafios Motivadores do Investimento Governança Corporativa Auditoria Aumentar as Receitas Reports para Acionistas Prevenção Compliance Mitigar Riscos Reduzir Custos Diminuir a carga Operacional Eliminar

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

SPIE EM EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTES

SPIE EM EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTES EM EMPRESAS DE PEQUENO E MÉDIO PORTES Agenda Petroquímica União SPIE Serviço Próprio de Inspeção de Equipamentos -Cronologia - Benefícios Imediatos - Constituição do SPIE - Desencorajamento - Importância

Leia mais

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS.

Parte A - DISPOSIÇÕES GERAIS. SETEMBRO Agência Nacional de Vigilância Sanitária 1-2004 A aquisição de equipamentos médico-hospitalares tem ocasionado vários problemas técnicos ou mesmo econômicos por não obedecer a determinados parâmetros.

Leia mais

Paula Scardino. Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

Paula Scardino. Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados Paula Scardino Coordenação Nacional da Norma - ABNT NBR 14.787, publicada em Dezembro de 2001 Membro do GT Tripartite da NR-33,

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais