Programa de Vigilância Epidemiológica - GEDSA Florianópolis, 14 de janeiro de Versão 3.0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Vigilância Epidemiológica - GEDSA Florianópolis, 14 de janeiro de 2014. Versão 3.0"

Transcrição

1 Manual de Instruções Gerais para o Uso do Novo FORM-IN e demais Formulários Complementares de Atendimento a Suspeitas ou Focos de Doenças Animais. (versão revisada MAPA nov/2013) Programa de Vigilância Epidemiológica - GEDSA Florianópolis, 14 de janeiro de Versão 3.0

2 INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE OS MODELOS ELETRÔNICOS Os modelos dos formulários utilizados para registro dos atendimentos pelo médico veterinário do serviço oficial a suspeitas ou focos de doenças animais foram revisados. Os novos formulários fazem parte do Sistema de Informação Zoosanitária - SIZ, criado pelo MAPA com o objetivo de contribuir para a investigação clínica e epidemiológica das doenças ou síndromes de interesse do SVO, bem como uniformizar, orientar e obter as informações requeridas para as notificações e relatórios apresentados à OIE. Após a finalização do sistema SIZ pelo MAPA estes formulários estarão disponíveis para digitação diretamente no sistema informatizado, integrando as informações zoosanitárias do país. Os novos formulários recebem as seguintes denominações: FORM-IN - Formulário de Investigação de Doenças Inicial. FORM-COM - Formulário de Investigação de Doenças Complementar. FORM-VIN - Formulário de inspeção a estabelecimento com vínculo epidemiológico. FORM- LAB Formulário de Colheita de Amostra (que seguirá com as amostras ao laboratório exceto para AIE, Síndrome Neurológica, Mormo e Brucelose IN 41/2006). FORM SV Formulário de investigação clínica e epidemiológica para síndrome vesicular. FORM SH - Formulário de investigação clínica e epidemiológica para síndrome hemorrágica dos suínos. FORM SN - Formulário Único de Requisição de Exames para Síndrome Neurológica (Portaria SDA 168, de 27 de agosto de 2005). FORM SRN - Formulário de investigação clínica e epidemiológica para síndrome respiratória e nervosa das aves (substitui anexos III e IV). FORM AIE Formulário de requisição e resultado de teste para anemia infecciosa dos eqüídeos. FORM MORMO - Formulário de requisição e resultado de teste para Mormo. FORM MALEÍNA Formulário de registro de teste de maleinização. FORM EQ - Formulário de investigação clínica e epidemiológica para doenças respiratórias dos eqüídeos RESENHO Formulário para identificação individual de eqüídeo. FORM NOTIFICA Formulário de notificação de suspeita ou ocorrência de doenças animais (doenças da categoria 1, 2, 3 da lista de notificação obrigatória e doenças exóticas ou emergentes) * NOVO (para o SVO receber as notificações das doenças das listas acima mencionadas). 2

3 COMO UTILIZAR ESTES FORMULÁRIOS? 1. FORM IN - REGISTRO DO PRIMEIRO ATENDIMENTO NA PROPRIEDADE Utilizar para investigação de doenças de notificação obrigatória na visita inicial, como já vem sendo feito pelo SVO. As orientações para preenchimento dos campos encontram-se no instrutivo. Possui modelo de folha adicional em caso de necessidade do registro de informações mais detalhadas sobre a notificação. 2. FORM-COM - REGISTRO DOS ATENDIMENTOS COMPLEMENTARES Utilizar quando da necessidade de visitas complementares à investigação da propriedade. As orientações para preenchimento dos campos encontram-se no instrutivo. DEMAIS FORMULÁRIOS DE APOIO ÀS INVESTIGAÇÕES Os demais formulários foram criados com a finalidade de complementar as informações contidas no FORM IN. Estes formulários deverão estar SEMPRE VINCULADOS AO SEU FORM IN DE ORIGEM. São eles: 3 FORM VIN Utilizar quando da investigação epidemiológica em propriedades com vínculo ao estabelecimento que deu origem à investigação. Quando na propriedade com vínculo existir sintomatologia clínica compatível com a doença investigada, será preenchido, obrigatoriamente, um novo FORM IN. Quando não houver sintomatologia clínica compatível com a doença investigada na propriedade com vínculo, preencher somente o FORM VIN e anexá-lo ao FORM IN de origem. 4 FORM LAB Usar na colheita de material para envio ao laboratório, exceto no envio de material para AIE e Mormo, Síndrome Neurológica (Portaria SDA 168/2005) e Brucelose (IN 41/2006), os quais possuem formulários próprios. Para a colheita de material em suínos com a finalidade de monitoria para Peste Suína Clássica, utilizar além do Form-Lab, o Anexo II da NI 05/2009. Possui modelo de folha adicional, em caso de necessidade do registro de um número maior de amostras a serem encaminhadas ao laboratório. O FORM-LAB é o documento que acompanhará as amostras ao laboratório. Não encaminhar mais o FORM-IN. 3

4 5 FORM SV (SÍNDROME VESICULAR) Utilizar este formulário para apoiar a investigação SOMENTE em casos prováveis ou confirmados da doença alvo. Para a suspeita fundamentada *. 6 FORM SH (SÍNDROME HEMORRÁGICA DOS SUÍNOS) Utilizar este formulário para apoiar a investigação SOMENTE em casos prováveis ou confirmados da doença alvo. Para a suspeita fundamentada *. 7 FORM SRN (SÍNDROME RESPIRATÓRIA E NERVOSA DAS AVES) Utilizar este formulário para apoiar a investigação SOMENTE em casos prováveis ou confirmados da doença alvo. Nestes casos, o FORM SRN substituirá os anexos III e IV da IS/GEDSA n 11/2010. Para a suspeita fundamentada *. * O termo SUSPEITA FUNDAMENTADA foi substituído por CASO PROVÁVEL. 8 FORM SN (SÍNDROME NEUROLÓGICA) Utilizar quando do envio de amostras para requisição de exames para Síndrome Neurológica. 9 FORM AIE Utilizado pelo SVO para o envio de amostras aos laboratórios oficiais, para exames de AIE. 10 FORM MORMO Utilizado pelo SVO para o envio de amostras aos laboratórios oficiais, para exames de Mormo. 11 FORM MALEÍNA Utilizar para registro do teste de maleinização pelo SVO. 12 FORM EQ Utilizar para investigação clínica e epidemiológica de doenças respiratórias dos eqüídeos. 13 RESENHO Utilizar quando for necessária a identificação individual de eqüídeos. 14- FORM NOTIFICA Este formulário deve ser utilizado por laboratórios de diagnóstico, instituições de ensino ou pesquisa, outras instituições governamentais, iniciativa privada ou qualquer cidadão que tenha conhecimento de casos suspeitos ou confirmados, somente para doenças das categorias 1, 2, 3 da lista de notificação obrigatória e doenças exóticas ou emergentes (IN n 50, de 24 de setembro de 2013). Ao receber o formulário, o SVO deverá realizar a investigação da suspeita ou do caso, através de abertura de FORM-IN, conforme as orientações contidas no instrutivo. A NOTIFICAÇÃO É OBRIGATÓRIA, MAS O USO DESTE FORMULÁRIO PARA COMUNICAR A NOTIFICAÇÃO AO SVO É FACULTATIVO. 4

5 INSTRUTIVOS/ARQUIVOS As orientações para preenchimento dos campos dos formulários encontram-se nos seus respectivos instrutivos. As novas versões dos formulários e seus instrutivos estão disponibilizados no FTP no endereço ftp://ftp.cidasc.sc.gov.br/gedsa/epidemiologia-novosformul%e1rios/. Para acesso aos arquivos clicar em Iniciar Pesquisar programas e arquivos digitar Executar Digitar o endereço acima ou utilizar o navegador da Internet. COMO ABRIR OS ARQUIVOS? Os arquivos estão disponibilizados em duas versões Word2003.doc e LibreOffice.odt. Para abri-los é necessário que o computador tenha as versões do Office de 97 a 2003 ou o LibreOffice (disponível no Servidor da CIDASC para instalação versão atualizada). Durante o primeiro acesso dos arquivos, dependendo do programa e da versão utilizada, poderá surgir um aviso para ATIVAR as MACROS. Quando aparecer uma mensagem comunicando que o documento possui MACROS, estas deverão ser sempre ativadas para manter sua funcionalidade. Existem diferentes formas de navegar entre os campos abertos para digitação: a)utilizar a tecla Tab do teclado para avançar entre os campos, ou a combinação Shift + Tab para retroceder; ou b)utilizar o mouse, apontando em cada campo. Para acessar os campos abertos para digitação, basta clicar com o mouse na parte inicial esquerda de cada campo. Recomendamos que seja utilizada a tecla Tab para navegação entre os campos, pois esta posiciona o cursor exatamente no local correto de inserção dos dados. DÚVIDAS SOBRE INSTALAÇÃO OU USO DOS APLICATIVOS? Entrar em contato com a TI, com Rodrigo ou Raphael, nos telefones (48) ou (48) IMPORTANTE Apenas em caso de necessidade, quando todos os recursos disponíveis impossibilitarem a edição dos arquivos eletrônicos, o médico veterinário da UVL poderá preencher manualmente os documentos, em letra legível, comunicando ao setor de epidemiologia pelo com a justificativa que levou ao problema, para a busca de uma solução pontual para o caso. 5

6 A exceção a esta regra será no atendimento a mortalidade de aves do SIF, quando há necessidade da entrega de uma cópia do Form-in no momento do carregamento dos animais e não há estrutura no local para preenchimento eletrônico. Nestes casos, o Form-in poderá ser preenchido manualmente, para permitir a agilidade do processo, como já vem sendo feito. Sempre que possível, este Form-in deverá ser preenchido de forma eletrônica, para posterior envio ao SIF, preservando as informações do documento original. DÚVIDAS DE PREENCHIMENTO Dúvidas sobre o preenchimento dos novos formulários contatar com Cláudia ou Renata pelo com cópia para o Coordenador de Defesa Sanitária Animal de sua ADR e Responsáveis Estaduais pelos respectivos programas sanitários na GEDSA. ALTERAÇÕES NOS FORMULÁRIOS MAPA NOV 2013 Devido a pequenas alterações feitas pelo MAPA na nova revisão de alguns dos formulários e instrutivos, em novembro, estamos disponibilizando as versões atualizadas no endereço do ftp ftp://ftp.cidasc.sc.gov.br/gedsa/epidemiologia-novosformul%e1rios/ as quais deverão, obrigatoriamente, SUBSTITUIR as disponibilizadas anteriormente. O histórico de alterações do MAPA está também disponível no ftp, juntamente com os novos formulários e instrutivos. A Instrução Normativa Ministerial n 50/2013, para consulta das doenças de notificação obrigatória, já foi encaminhada às ADRs e encontra-se disponível no mesmo endereço do ftp. 6

MANUAL DO Sistema Nacional de Informação Zoossanitária - SIZ

MANUAL DO Sistema Nacional de Informação Zoossanitária - SIZ MANUAL DO Sistema Nacional de Informação Zoossanitária - SIZ DEP/CPACZ/DSA/SDA Versão Nov/13 Brasília, DF Novembro de 2013 2013 Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte.

Leia mais

MA/SDA/DDA SECRETARIA DE AGRICULTURA FORM-IN FORMULÁRIO DE INVESTIGAÇÃO DE DOENÇAS-INICIAL

MA/SDA/DDA SECRETARIA DE AGRICULTURA FORM-IN FORMULÁRIO DE INVESTIGAÇÃO DE DOENÇAS-INICIAL SECRETARIA DE AGRICULTURA FORM-IN FORMULÁRIO DE INVESTIGAÇÃO DE DOENÇAS-INICIAL INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO Trata-se de formulário produzido para anotar informações colhidas por médico veterinário, na

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 05 DE ABRIL DE 2004 O SECRETARIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SEAB DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL DDSA ÁREA DE SANIDADE AVÍCOLA ASA

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SEAB DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL DDSA ÁREA DE SANIDADE AVÍCOLA ASA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N. º 005/2008 O CHEFE DA DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL - DDSA, no uso das atribuições legais e com fundamento no art. 8º, da Resolução nº. 029/06 -, de 14 de março de 2006, Considerando

Leia mais

Coordenação-Geral da Qualidade Procedimento do Formulário Digital SUMÁRIO

Coordenação-Geral da Qualidade Procedimento do Formulário Digital SUMÁRIO SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA... 2 4. DEFINIÇÕES E SIGLAS... 2 5. PROCEDIMENTO... 3 5.1. Introdução 5.2. Configurar / habilitar macros 5.3. Procedimentos

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA Considerando, a importância da avicultura catarinense para a economia do estado; Considerando a necessidade de controle sanitário para evitar a reintrodução da

Leia mais

Ampliação da zona livre de febre aftosa

Ampliação da zona livre de febre aftosa Ampliação da zona livre de febre aftosa Plínio Leite Lopes Coordenação de Febre Aftosa Coordenador Secretaria de Defesa Agropecuária/SDA Departamento de Saúde Animal /DSA Coordenação de Febre Aftosa Diretrizes

Leia mais

.Art. 1º Aprovar as Normas para o Controle e a Erradicação do Mormo..Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

.Art. 1º Aprovar as Normas para o Controle e a Erradicação do Mormo..Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 5 DE ABRIL DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

FORM-IN - FORMULÁRIO DE INVESTIGAÇÃO DE DOENÇAS (INICIAL) Versão:jun/03

FORM-IN - FORMULÁRIO DE INVESTIGAÇÃO DE DOENÇAS (INICIAL) Versão:jun/03 FORM-IN - FORMULÁRIO DE INVESTIGAÇÃO DE DOENÇAS (INICIAL) Versão:jun/03 N.º FORM-IN N.º estadual do foco N.º nacional do foco Ano U.F. Página: 1 de 5 Se for o caso, assinalar na lacuna à direita o número

Leia mais

NORMA INTERNA Nº 01/2009 Texto e Anexos. Procedimentos para monitoramento de bovinos importados sob a responsabilidade do Serviço Veterinário Oficial

NORMA INTERNA Nº 01/2009 Texto e Anexos. Procedimentos para monitoramento de bovinos importados sob a responsabilidade do Serviço Veterinário Oficial NORMA INTERNA Nº 01/2009 Texto e Anexos Procedimentos para monitoramento de bovinos importados sob a responsabilidade do Serviço Veterinário Oficial 1. Monitoramento dos Bovinos e Bubalinos importados

Leia mais

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Feira de Santana, 05 de maio de 2015 FFA Abel Ricieri Guareschi Neto Serviço de Saúde Animal Superintendência MAPA no PR Amparo legal

Leia mais

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012

AQUICULTURA. Curso Sanidade em Aqüicultura. CRMVSP, 25 de maio de 2012 LEGISLAÇÃO SANITÁRIA EM AQUICULTURA Curso Sanidade em Aqüicultura CRMVSP, 25 de maio de 2012 CONCEITOS - A saúde é um direito de todos e dever do Estado (Constituição Federal); - Ações indelegáveis de

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA 04/03

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA 04/03 INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA 04/03 Assunto: definição dos formulários, fluxo de informações, testes laboratoriais e outros aspectos, a serem empregados para ingresso no Estado de Santa Catarina de ovinos,

Leia mais

SIVCONT MANUAL DE OPERAÇÃO

SIVCONT MANUAL DE OPERAÇÃO SIVCONT Sistema Continental de Vigilância Epidemiológica Versão 1.0 Dezembro/2003 Índice 1. Apresentação do sistema... 01 1.1. Introdução... 02 1.2. Marco lógico e operacional... 03 1.3. Outras características

Leia mais

ANEXO I - PROGRAMAÇÃO DE ATIVIDADES DOS ESCRITÓRIOS IAGRO

ANEXO I - PROGRAMAÇÃO DE ATIVIDADES DOS ESCRITÓRIOS IAGRO Regional: ANEXO I - PROGRAMAÇÃO DE ATIVIDADES DOS ESCRITÓRIOS IAGRO Município: Mês/ Ano: / PROGRAMAS QUALIFICAÇÃO ATIVIDADES QUANTIFICAÇÃO Nº VIGILÂNCIAS REALIZADAS/MÊS ORIENTAÇÕES Planejadas (Mínimo a

Leia mais

Sistema de Autorização Unimed

Sistema de Autorização Unimed Diretoria de Gestão Estratégica Departamento de Tecnologia da Informação Divisão de Serviços em TI Sistema de Autorização Unimed MANUAL DO USUÁRIO DIVISÃO DE SERVIÇOS EM TI A Divisão de Serviços em TI

Leia mais

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014

EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS PARA O INGRESSO DE ANIMAIS EM EVENTOS PECUÁRIOS NO ESTADO DA BAHIA ATUALIZADO EM 15/07/2014 De acordo com a portaria do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento n.º 162/94,

Leia mais

SISTEMA UNIMED HRP: MÓDULO WEBSAÚDE MANUAL DE UTILIZAÇÃO

SISTEMA UNIMED HRP: MÓDULO WEBSAÚDE MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA UNIMED HRP: MÓDULO WEBSAÚDE MANUAL DE UTILIZAÇÃO Departamento de Tecnologia da Informação tecnologia@unimeditabira.com.br 31 3839-771 3839-7713 Revisão 03 Itabira Setembro 2015 Sumário 1. Acessando

Leia mais

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE

Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose e Brucelose Bovídea - PROCETUBE Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Departamento de Defesa Agropecuária Divisão de Defesa Sanitária Animal Programa Estadual de Controle e Erradicação da Tuberculose

Leia mais

PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DO IDAF (ATIVIDADES - FIM)

PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DO IDAF (ATIVIDADES - FIM) PLANO DE CLASSIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS DO IDAF (ATIVIDADES - FIM) CÓDIGO FUNÇÃO 100 GESTÃO DA POLÍTICA DE DEFESA AGROPECUÁRIA E FLORESTAL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ATIVIDADE 101 PLANEJAMENTO E NORMATIZAÇÃO

Leia mais

Manual de Utilização ao Módulo Rede Federal SIMEC - Versão 14/set/2015.

Manual de Utilização ao Módulo Rede Federal SIMEC - Versão 14/set/2015. Manual de Utilização ao Módulo Rede Federal SIMEC - Versão 14/set/2015. O Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle do Ministério da Educação (SIMEC) é um portal operacional e de gestão do

Leia mais

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE

LEGISLAÇÃO EM SANIDADE Claudio Regis Depes 1983 Médico Veterinário Unesp (Jaboticabal) 2003 Especialização em Saúde Pública Veterinária Unesp (Botucatu) Trabalha na Coordenadoria de Defesa Agropecuária em Assis Gerente do Programa

Leia mais

SIAPEC Sistema de Integração Agropecuária

SIAPEC Sistema de Integração Agropecuária SIAPEC Sistema de Integração Agropecuária UM BREVE HISTÓRICO DA SM SOLUÇÕES: Experiência acumulada em 17 anos em desenvolvimento de soluções para gestão da defesa agropecuária; Desenvolveu e implantou

Leia mais

Manual do Usuário Cidadão SIC Serviço de informação ao cidadão

Manual do Usuário Cidadão SIC Serviço de informação ao cidadão Manual do Usuário Cidadão SIC Serviço de informação ao cidadão NOVOSIS 3ª Versão Conteúdo Introdução... 3 Principais recursos:... 4 Para o cidadão:... 4 Para os órgãos públicos:... 4 Como Utilizar o SIC...

Leia mais

Programa Nacional de Sanidade Suídea. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Programa Nacional de Sanidade Suídea. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Programa Nacional de Sanidade Suídea Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 1º Curso de Epidemiologia Aplicada Rio de Janeiro, 16 a 27 de março de 2008. BASE LEGAL ATO ADMINISTRATIVO DE 05

Leia mais

Integrando Vigilância em Saúde Animal e Segurança do Alimento. Carlos Henrique Pizarro Borges DSA/SDA/Mapa

Integrando Vigilância em Saúde Animal e Segurança do Alimento. Carlos Henrique Pizarro Borges DSA/SDA/Mapa Integrando Vigilância em Saúde Animal e Segurança do Alimento Carlos Henrique Pizarro Borges DSA/SDA/Mapa Coordinating surveillance policies in animal health and food safety: from farm to fork. Scientific

Leia mais

SISTEMA GERENCIADOR DE AMBIENTE LABORATORIAL - MANUAL DO USUÁRIO

SISTEMA GERENCIADOR DE AMBIENTE LABORATORIAL - MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DO USUÁRIO SISTEMA GERENCIADOR DE AMBIENTE LABORATORIAL MANUAL REVISÃO 08 IPB-LACEN/RS GAL SISTEMA GERENCIADOR DE AMBIENTE LABORATORIAL - MANUAL DO USUÁRIO MÓDULO BIOLOGIA MÉDICA HUMANA Av. Ipiranga,

Leia mais

EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA E INDUSTRIAL DE LONDRINA DE 09 A 19 DE ABRIL 2015

EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA E INDUSTRIAL DE LONDRINA DE 09 A 19 DE ABRIL 2015 EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA E INDUSTRIAL DE LONDRINA DE 09 A 19 DE ABRIL 2015 EXIGÊNCIAS SANITÁRIAS DO SETOR ANIMAL DA DEFESA SANITÁRIA ANIMAL Art. 13 RECEBIMENTO Para ingressar no Evento Agropecuário, todos

Leia mais

Sistema de Defesa Agropecuária - Instruções para Impressão de e-gta para Equinos (Produtor Rural)

Sistema de Defesa Agropecuária - Instruções para Impressão de e-gta para Equinos (Produtor Rural) Instruções para Impressão de e-gta para Equinos (Produtor Rural) A Tabela 1 apresenta os tipos de lançamentos e finalidades de movimentações disponíveis para os produtores/possuidores de eqüídeos. Espécie

Leia mais

GUIA CASEDITOR - CRM

GUIA CASEDITOR - CRM GUIA CASEDITOR - CRM ÍNDICE ITEM Página 1. Objetivo... 3 2. Criando um Modelo de Contrato... 3 3. Carregando dados no Modelo de Contrato... 13 4. Aproveitando Modelos de contratos em Word... 19 Página

Leia mais

GUIA MESCLAGEM DE DOCUMENTOS - SLIM

GUIA MESCLAGEM DE DOCUMENTOS - SLIM GUIA MESCLAGEM DE DOCUMENTOS - SLIM ÍNDICE ITEM Página 1. Objetivo... 3 2. Requisitos... 3 3. Mesclando Documentos... 3 Página 2 de 13 1. Objetivo Este guia tem como objetivo demonstrar como realizar a

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 136, DE 2 DE JUNHO DE 2006. Portaria Nº 136, DE 02 DE JUNHO DE 2006 Situação: Vigente Publicado no Diário Oficial da União de 05/06/2006, Seção 1, Página 4 Ementa: Submete à consulta pública, por um prazo de 60 (sessenta) dias, a

Leia mais

DIGPROP - PREGÃO. Digitação de dados para entrega de propostas por meio magnético

DIGPROP - PREGÃO. Digitação de dados para entrega de propostas por meio magnético DIGPROP - PREGÃO Digitação de dados para entrega de propostas por meio magnético Marcio Tomazelli Programador Sênior Versão 1.0 Índice Índice...2 Índice de Figuras...2 Introdução...3 Fluxograma do processo

Leia mais

Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA

Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre aftosa - PNEFA Reunião da Câmara Setorial da Carne Bovina Brasília-DF, 06/08/2014 Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Saúde Animal Estrutura

Leia mais

AFPERGS Manual do Portal Web

AFPERGS Manual do Portal Web AFPERGS Manual do Portal Web Portal Web VERSÃO 1.1 DATA DA VERSÃO: 28/10/2010 Índice 1. APRESENTAÇÃO DO PORTAL WEB AFPERGS... 3 2. ACESSO AO PORTAL... 3 2.1. Acessando o Portal Web AFPERGS... 3 2.2. Entrada

Leia mais

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico)

Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular. Manual do sistema (Médico) Programa de Hematologia e Oncologia Pediátricos Diagnóstico Imunomolecular Manual do sistema (Médico) ÍNDICE 1. O sistema... 1 2. Necessidades técnicas para acesso ao sistema... 1 3. Acessando o sistema...

Leia mais

Manual para Utilização Site DVA Express. Versão 2.0 para Parceiros.

Manual para Utilização Site DVA Express. Versão 2.0 para Parceiros. Manual para Utilização Site DVA Express Versão 2.0 para Parceiros. Introdução O presente manual tem por finalidade instruir os parceiros e representantes na utilização do site para consultas, rastreabilidade

Leia mais

FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS

FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS FARMACOVIGILÂNCIA MEDQUÍMICA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE NOTIFICAÇÃO DE SUSPEITAS DE REAÇÕES ADVERSAS Para uso de profissionais da saúde, hospitais, clínicas, farmácias

Leia mais

1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU?

1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU? Atualizado: 17 / 09 / 2013 - FAQ - AI 1. Diário Oficial da União (DOU) 1.1. Quais são as normas da Anvisa e onde são publicadas no DOU? 1.2. Como consultar a publicação de uma resolução da Anvisa no DOU?

Leia mais

GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal. Manual da Revenda de Produtos Veterinários

GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal. Manual da Revenda de Produtos Veterinários GEDAVE Sistema de Gestão de Defesa Animal e Vegetal Manual da Revenda de Produtos Veterinários Versão 1.0 25/02/2013 P á g i n a 1 Considerações iniciais Com a publicação da Resolução SAA nº 79, de 10/12/2012

Leia mais

4. O que fazer quando tiver dúvidas sobre o número de registro do medicamento? O Farmacêutico Responsável Técnico deve realizar as seguintes ações:

4. O que fazer quando tiver dúvidas sobre o número de registro do medicamento? O Farmacêutico Responsável Técnico deve realizar as seguintes ações: 1 de 6 Site: http://www.solucaosistemas.com.br Gerado pela Solução Sistemas - Fonte: Anvisa Acesse o Portal do Perguntas Freqüentes atualizado em 19/04/2013 Funcionalidades do SNGPC 1. Como fazer o inventário

Leia mais

Modo Estrutura é o ambiente de definição e estruturação dos campos, tipos de dados, descrição e propriedades do campo.

Modo Estrutura é o ambiente de definição e estruturação dos campos, tipos de dados, descrição e propriedades do campo. Unidade 02 A- Iniciando o Trabalho com o ACCESS: Criar e Salvar um Banco de Dados Acessar o ACCESS Criar e Salvar o Banco de Dados Locadora Encerrar o Banco de Dados e o Access Criando um Banco de Dados

Leia mais

Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância

Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas Febre do Nilo Ocidental em Portugal Plano de Vigilância Maria Rita Ramos Amador Direcção Geral de Veterinária, DSSPA-DPPS Fórum Internacional

Leia mais

www.cespe.unb.br/avaliacao/senai_15_2

www.cespe.unb.br/avaliacao/senai_15_2 ANTES DA APLICAÇÃO, O TÉCNICO EM TI DEVERÁ PREPARAR OS LABORATÓRIOS DE ACORDO COM AS SEGUINTES ESPECIFICAÇÕES: a. CRIAR UM LINK DE ACESSO À INTERNET DE, NO MÍNIMO, 2 (DOIS) MB/S (MEGABYTES POR SEGUNDO)

Leia mais

Sistema de Chamados Protega

Sistema de Chamados Protega SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZANDO ACESSO AO SISTEMA DE CHAMADOS... 4 2.1 DETALHES DA PÁGINA INICIAL... 5 3. ABERTURA DE CHAMADO... 6 3.1 DESTACANDO CAMPOS DO FORMULÁRIO... 6 3.2 CAMPOS OBRIGATÓRIOS:...

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário

PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA. Sumário PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL DO IFRS Manual Rápido do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 1 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 1 Procedimentos para Download e Instalação do NVDA... 2 Iniciando

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos.

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos. ANEXO CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO, RECONHECIMENTO, EXTENSÃO DE ESCOPO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS NO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA Art. 1º Os critérios constantes deste

Leia mais

PORTAL EMPRESA SIMPLES Registro e Licenciamento de Empresas MANUAL RLE. Baixa Simplificada de Empresas

PORTAL EMPRESA SIMPLES Registro e Licenciamento de Empresas MANUAL RLE. Baixa Simplificada de Empresas PORTAL EMPRESA SIMPLES Registro e Licenciamento de Empresas MANUAL RLE Baixa Simplificada de Empresas 2 Sumário 1 Como preparar o computador para uso do certificado digital...04 2 Primeiro Acesso: Cadastro

Leia mais

Manual de Utilização do Sistema GLPI

Manual de Utilização do Sistema GLPI Manual de Utilização do Sistema GLPI Perfil Guest Apresentação Esse manual, baseado no manual GLPI foi elaborado pela Coordenação de Tecnologia de Informação CTI do câmpus e tem como objetivo instruir

Leia mais

Manual do Usuário. Anexo 1 FORMULÁRIO PARA NOTIFICAÇÃO DE QUEIXA TÉCNICA DE AGROTÓXICO. Manual do Usuário

Manual do Usuário. Anexo 1 FORMULÁRIO PARA NOTIFICAÇÃO DE QUEIXA TÉCNICA DE AGROTÓXICO. Manual do Usuário Manual do Usuário Anexo 1 FORMULÁRIO PARA NOTIFICAÇÃO DE QUEIXA TÉCNICA DE AGROTÓXICO. Pág. 1 de 14 SUMÁRIO 1. Formulário para Notificação de Queixa Técnica de Agrotóxico... 3 1.1. Dados da Queixa... 3

Leia mais

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013

MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 MANUAL DO NVDA Novembro de 2013 PROJETO DE ACESSIBILIDADE VIRTUAL Núcleo IFRS Manual do NVDA Sumário O que são leitores de Tela?... 3 O NVDA - Non Visual Desktop Access... 3 Procedimentos para Download

Leia mais

TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014

TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014 PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA TUTORIAL PARA O MÉDICO PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014 Brasília/DF, 17 de setembro de 2014. 1 APRESENTAÇÃO Senhor (a) Médico (a) participante

Leia mais

DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO E DA APLICAÇÃO DO CERTIFICADO SANITÁRIO NACIONAL OU DA GUIA DE TRÂNSITO

DO PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO E DA APLICAÇÃO DO CERTIFICADO SANITÁRIO NACIONAL OU DA GUIA DE TRÂNSITO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 10, DE 1º- DE ABRIL DE 2014 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

MAIS MÉDICOS TUTORIAL PARA O SUPERVISOR

MAIS MÉDICOS TUTORIAL PARA O SUPERVISOR MAIS MÉDICOS TUTORIAL PARA O SUPERVISOR Distrito Sanitário Especial Indígena - DSEI RELATÓRIO DA PRIMEIRA VISITA DE SUPERVISÃO IN LOCO - DSEI Brasília/DF, 7 de maio de 2015. 1 APRESENTAÇÃO RELATÓRIO DA

Leia mais

MAIS MÉDICOS TUTORIAL PARA O SUPERVISOR RELATÓRIO DA PRIMEIRA VISITA DE SUPERVISÃO

MAIS MÉDICOS TUTORIAL PARA O SUPERVISOR RELATÓRIO DA PRIMEIRA VISITA DE SUPERVISÃO MAIS MÉDICOS TUTORIAL PARA O SUPERVISOR RELATÓRIO DA PRIMEIRA VISITA DE SUPERVISÃO Brasília/DF, 7 de maio de 2015. 1 APRESENTAÇÃO RELATÓRIO DA PRIMEIRA VISITA DE SUPERVISÃO Prezado (a) Supervisor (a) participante

Leia mais

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão?

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? Perguntas frequentes 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? A febre aftosa é uma doença infecciosa aguda que causa febre, seguida do aparecimento de vesículas (aftas), principalmente,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 87, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2004 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

1. Sistema de cadastramento para empresas NÃO cadastradas (cadastro inicial) 1.1. Links de acesso direto na área de cadastro

1. Sistema de cadastramento para empresas NÃO cadastradas (cadastro inicial) 1.1. Links de acesso direto na área de cadastro Atualizado: 22 / 04 / 2013 - FAQ - AI 1. Sistema de cadastramento para empresas NÃO cadastradas (cadastro inicial) 1.1. Links de acesso direto na área de cadastro 1.2. Informações gerais 1.3. Tabela Ação

Leia mais

Manifestando sobre Recursos do Formulário... 02. Guia Rápido MANIFESTAÇÃO DO RECURSO... 07

Manifestando sobre Recursos do Formulário... 02. Guia Rápido MANIFESTAÇÃO DO RECURSO... 07 Manifestando sobre Recursos do Formulário... 02 Guia Rápido MANIFESTAÇÃO DO RECURSO... 07 DÚVIDAS: E-mail : avaliacao.sprh@tjsp.jus.br Telefones: (11) 3159-0581 e (11) 3159-0465 Secretaria de Planejamento

Leia mais

IB - INSTITUTO BIOLÓGICO

IB - INSTITUTO BIOLÓGICO Pecuária e Abastecimento Data de atualização:. Agropecuária SDA IB - INSTITUTO BIOLÓGICO Nome Empresarial: SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO CNPJ: 46.384.400/0024-35 Endereço: Avenida Conselheiro

Leia mais

Cadastro e dúvidas frequentes SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS

Cadastro e dúvidas frequentes SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS Cadastro e dúvidas frequentes SISTEMA NACIONAL DE GERENCIAMENTO DE PRODUTOS CONTROLADOS Sumário Parte I - Cadastro... 3 Parte II - Dúvidas frequentes... 6 1. Como fazer o inventário no SNGPC?... 6 2. A

Leia mais

DETALHAMENTO DAS DIRETRIZES PARA IMPLEMENTAÇÃO DA RASTREABILIDADE NA CARNE DE EQUÍEOS PRODUZIDA EM ESTABELECIMENTO SOB INSPEÇÃO FEDERAL

DETALHAMENTO DAS DIRETRIZES PARA IMPLEMENTAÇÃO DA RASTREABILIDADE NA CARNE DE EQUÍEOS PRODUZIDA EM ESTABELECIMENTO SOB INSPEÇÃO FEDERAL DETALHAMENTO DAS DIRETRIZES PARA IMPLEMENTAÇÃO DA RASTREABILIDADE NA CARNE DE EQUÍEOS PRODUZIDA EM ESTABELECIMENTO SOB INSPEÇÃO FEDERAL 1. FORNECEDORES DE EQÜÍDEOS PARA ABATE 1.1. Aos fornecedores de eqüídeos

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET I Sumário 1. Objetivo do Documento... 1 2. Início... 1 3. Cadastro de Pessoa Física... 3 3.1. Preenchimentos Obrigatórios.... 4 3.2. Acesso aos Campos

Leia mais

1998-2009 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2009 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas poderá ter

Leia mais

Instruções gerais para o preenchimento do formulário

Instruções gerais para o preenchimento do formulário Instruções gerais para o preenchimento do formulário Cada tipo de tecnologia (medicamento, produto para saúde ou procedimento) possui um formulário específico. Alguns campos poderão não aparecer dependendo

Leia mais

Programa de Sanidade de Equideos - PNSE no RS

Programa de Sanidade de Equideos - PNSE no RS Programa de Sanidade de Equideos - PNSE no RS MUERMO EQUINO: EPIDEMIOLOGIA CLÍNICA Y DIAGNÓSTICO EM RIO GRANDE DO SUL GUSTAVO NOGUEIRA DIEHL FISCAL ESTADUAL AGROPECUÁRIO MÉDICO VETERINÁRIO, MSc Programa

Leia mais

SISTEMA PARA ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário

SISTEMA PARA ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário SISTEMA PARA ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário 1 Apresentação... 3 1- Introdução... 4 2- Acessando GLPI:... 5 3- Abrindo chamado:... 6 3.1-

Leia mais

Processo de Envio de email

Processo de Envio de email Processo de Envio de email Introdução O envio de documentos de forma eletrônica vem sendo muito utilizado, assim o envio de arquivos, relatórios, avisos, informações é realizado via e-mail. O sistema disponibiliza

Leia mais

Manual de utilização sistema Comtele SMS

Manual de utilização sistema Comtele SMS Manual de utilização sistema Comtele SMS Login... 3 Dashboard... 4 Envio instantâneo de mensagens SMS... 5 Requisições de envio instantâneo para contatos ou grupos.... 5 Agendamento de envio d e SMS...7

Leia mais

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 1.0.7 Manual do Usuário

Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Versão 1.0.7 Manual do Usuário Ministério da Saúde Secretaria Executiva Departamento de Informática do SUS DATASUS Gerenciador de Ambiente Laboratorial GAL Versão 1.0.7 Página 1 de 70 Gerenciador de Ambiente Laboratorial - GAL Usuário

Leia mais

"Se quer paz, prepara-se para guerra. Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário. rio Departamento de Saúde Animal, Diretor

Se quer paz, prepara-se para guerra. Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário. rio Departamento de Saúde Animal, Diretor "Se quer paz, prepara-se para guerra Med. Vet. GUILHERME H. F. MARQUES, MSc Fiscal Federal Agropecuário rio Departamento de Saúde Animal, Diretor 8.514.876 km 2 202.828.531 habitantes 27 Unidades da Federação

Leia mais

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes)

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) 1. Sobre o Microsoft Dynamics CRM - O Microsoft Dynamics CRM permite criar e manter facilmente uma visão clara dos clientes,

Leia mais

A problemática do diagnóstico, monitoramento e vigilância de zoonoses e a implantação do atestado de óbito veterinário

A problemática do diagnóstico, monitoramento e vigilância de zoonoses e a implantação do atestado de óbito veterinário A problemática do diagnóstico, monitoramento e vigilância de zoonoses e a implantação do atestado de óbito veterinário Fernando Hosomi Centro de Controle de Zoonoses de São Paulo 1/15 Gerência do Centro

Leia mais

MANUAL SANIAGRO WEB PERFIL ESCRITÓRIO

MANUAL SANIAGRO WEB PERFIL ESCRITÓRIO MANUAL SANIAGRO WEB PERFIL ESCRITÓRIO OUTUBRO / 2015 Sumário 1. Como acessar o Sistema Login... 4 1.1. Efetuando o Login... 4 2. Conhecendo as funções do Perfil Escritório... 5 2.1. Produtor... 6 2.2.

Leia mais

CARTILHA GEDAVE. Gestão de Defesa Animal e Vegetal. Versão 1.0 DEZ/12. Do Usuário Externo. Guia Genérico para todos os tipos de Usuário Externo

CARTILHA GEDAVE. Gestão de Defesa Animal e Vegetal. Versão 1.0 DEZ/12. Do Usuário Externo. Guia Genérico para todos os tipos de Usuário Externo CARTILHA Versão 1.0 DEZ/12 Do Usuário Externo Guia Genérico para todos os tipos de Usuário Externo Gestão de Defesa Animal e Vegetal ATENÇÃO! Para ir diretamente ao item desejado aperte a tecla Ctrl do

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento. Toledo PR. Versão 2.0 - Atualização 26/01/2009 Depto de TI - FASUL Página 1

MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento. Toledo PR. Versão 2.0 - Atualização 26/01/2009 Depto de TI - FASUL Página 1 MANUAL DO USUÁRIO SORE Sistema Online de Reservas de Equipamento Toledo PR Página 1 INDICE 1. O QUE É O SORE...3 2. COMO ACESSAR O SORE... 4 2.1. Obtendo um Usuário e Senha... 4 2.2. Acessando o SORE pelo

Leia mais

AMTEC FATURAMENTO ELETRÔNICO IMAS MANUAL

AMTEC FATURAMENTO ELETRÔNICO IMAS MANUAL AMTEC FATURAMENTO ELETRÔNICO IMAS MANUAL GOIÂNIA MAIO/2011 Direito de Cópia 2011 pela Gerência do Departamento de Desenvolvimento de Sistemas da AMTEC. 2011 1ª Edição Este documento ou parte dele não pode

Leia mais

INFOGAB 3.0. Sistema de Automação de Gabinetes. Manual do Usuário V 2.1

INFOGAB 3.0. Sistema de Automação de Gabinetes. Manual do Usuário V 2.1 INFOGAB 3.0 Sistema de Automação de Gabinetes Manual do Usuário V 2.1 1. Descrição do Sistema O Sistema de Automação de Gabinetes da Câmara dos Deputados (Infogab) tem por finalidade apoiar as atividades

Leia mais

VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA.

VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA. VIAÇÃO SÃO BENTO LTDA. SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA MANUAL DO VTWEB CLIENT CADASTROS /PEDIDOS E PROCEDIMENTOS Resumo Esse manual tem como o seu objetivo principal a orientação de uso do

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO. 3 1. ACESSO AO SISTEMA. 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO.6 3. PREENCHIMENTO DO MÓDULO DE MONITORAMENTO. 8 4.

SUMÁRIO INTRODUÇÃO. 3 1. ACESSO AO SISTEMA. 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO.6 3. PREENCHIMENTO DO MÓDULO DE MONITORAMENTO. 8 4. MANUAL TÉCNICO-OPERACIONAL DO MÓDULO DE MONITORAMENTO DO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS - PAR Brasília/DF, 23 julho de 2009 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. ACESSO AO SISTEMA... 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO...6

Leia mais

Programa para validação e transmissão de dados do Simples Nacional

Programa para validação e transmissão de dados do Simples Nacional Simples Nacional mk:@msitstore:c:\arquivos%20de%20programas\programas%20rfb\dpsn\ajud... Página 1 de 1 Programa para validação e transmissão de dados do Simples Nacional Apresentação file://c:\documents

Leia mais

ELABORADO: Ana Cristina Cunha

ELABORADO: Ana Cristina Cunha 1/7 1. OBJETIVO Estabelecer formulários para auxiliar na rastreabilidade dos insumos e reagentes utilizados, no registro de não conformidades e ação preventiva, no tempo de guarda dos registros pertencentes

Leia mais

CORPVS SEGURANÇA SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

CORPVS SEGURANÇA SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CORPVS SEGURANÇA SETOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ACESSO GLPI ABERTURA E ACOMPANHAMENTO DE CHAMADOS NO SERVICE DESK DATA: 1 0 /0 9 /201 5 VERSÃO: 1.0 AUTOR: Italo Rocha APROVADOR: Raphael Dantas Introdução

Leia mais

Instruções para download e instalação da atualização de Mapa GPS (v3)

Instruções para download e instalação da atualização de Mapa GPS (v3) Instruções para download e instalação da atualização de Mapa GPS (v3) Antes de iniciar o processo, você precisará um pen drive USB com uma capacidade de 2 GB ou maior. Em caso de dúvida ou dificuldade

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA. Implementar uma infraestrutura padronizada e segura para a comunicação eletrônica oficial da UFTM.

NORMA PROCEDIMENTAL COMUNICAÇÃO ELETRÔNICA. Implementar uma infraestrutura padronizada e segura para a comunicação eletrônica oficial da UFTM. 50.01.005 1/10 1. FINALIDADE Implementar uma infraestrutura padronizada e segura para a comunicação eletrônica oficial da UFTM. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os órgãos da UFTM e, em especial, na Assessoria

Leia mais

Manual do Usuário Central de Agendamento. Versão 1.1

Manual do Usuário Central de Agendamento. Versão 1.1 Manual do Usuário Central de Agendamento Versão 1.1 Maio, 2014 Central de Agendamento Manual de utilização Tribunal de Justiça do Estado da Bahia Setor: Coordenação de Sistemas - COSIS Histórico de Revisões

Leia mais

ÁREA. Número 44 Título. Aprovação comunicada para Sidney Santos/BRA/VERITAS; Leonardo Camargo/BRA/VERITAS; Rosana Botelho/BRA/VERITAS

ÁREA. Número 44 Título. Aprovação comunicada para Sidney Santos/BRA/VERITAS; Leonardo Camargo/BRA/VERITAS; Rosana Botelho/BRA/VERITAS Aprovado ' Elaborado por Sidney Santos/BRA/VERITAS em 09/12/2013 Verificado por Paulo Freire em 09/12/2013 Aprovado por Sergio Suzuki/BRA/VERITAS em 09/12/2013 ÁREA LNS Tipo Instrução Técnica Número 44

Leia mais

Departamento de Defesa Animal

Departamento de Defesa Animal Serviço Público Federal MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Coordenação de Vigilância e Programas Sanitários Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros e outras encefalopatias

Leia mais

Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2

Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2 Programa de Edição de Textos- Profª Érica Barcelos CAPÍTULO 2 2. MANIPULAÇÃO DE DOCUMENTOS Os processadores de textos possibilitam a criação e a manipulação de diversos modelos de documentos. Com eles

Leia mais

MANUAL DE USO SERASAJUD

MANUAL DE USO SERASAJUD MANUAL DE USO SERASAJUD JULHO DE 2015 Controle de Revisão Data da Revisão Versão Documento Versão DF-e Manager Executor Assunto Revisado 08/10/2013 1.0 Rodrigo Vieira Ambar/Gigiane Martins Criação 18/03/2104

Leia mais

Câmara de Vereadores de Piracicaba Setor de Informática Dezembro/2015

Câmara de Vereadores de Piracicaba Setor de Informática Dezembro/2015 Seja bem vindo ao novo Portal da Transparência da Câmara de Vereadores de Piracicaba. Este manual lhe auxiliará a navegar pelo site, acessando diversas informações a respeito do Poder Legislativo Piracicabano.

Leia mais

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.11.1.7-26-02-2013

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.11.1.7-26-02-2013 Florianópolis, 26 de fevereiro de 2013. Abaixo você confere as características e funcionalidades da nova versão 4.11.1.7 do Channel. Para quaisquer dúvidas ou na necessidade de maiores esclarecimentos,

Leia mais

RECOMENDAR PUBLICAÇÃO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO

RECOMENDAR PUBLICAÇÃO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA TUTORIAL PARA O SUPERVISOR RECOMENDAR PUBLICAÇÃO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO PROVAB 2014 Brasília/DF, 12 de novembro de 2014. 1 APRESENTAÇÃO Senhor

Leia mais

PECUÁRIA E SAÚDE ANIMAL Nilton Antônio de Morais 1, Hélio Vilela Barbosa Júnior 2, Jamil Gomes de Souza 3

PECUÁRIA E SAÚDE ANIMAL Nilton Antônio de Morais 1, Hélio Vilela Barbosa Júnior 2, Jamil Gomes de Souza 3 dossiê PECUÁRIA PECUÁRIA E SAÚDE ANIMAL Nilton Antônio de Morais 1, Hélio Vilela Barbosa Júnior 2, Jamil Gomes de Souza 3 1. Médico Veterinário, MSc. Fiscal Federal Agropecuário, Ministério da Agricultura

Leia mais

SISDEX SISTEMA DE CONTROLE DE DOCUMENTOS EXPEDIDOS

SISDEX SISTEMA DE CONTROLE DE DOCUMENTOS EXPEDIDOS - MDA - SPOA - CGMI SISDEX SISTEMA DE CONTROLE DE DOCUMENTOS EXPEDIDOS MANUAL DO USUÁRIO Pesquisa no Sistema BRASÍLIA, AGOSTO DE 2007 Versão 1.0 SISDEX SISTEMA DE CONTROLE DE DOCUMENTOS EXPEDIDOS MANUAL

Leia mais

"suínos" significa suínos domésticos, javalis domésticos, suínos selvagens e javalis selvagens

suínos significa suínos domésticos, javalis domésticos, suínos selvagens e javalis selvagens Página: 1 de 6 Os requisitos de saúde animal para carne de porco etc. a exportar de para o Japão, são os seguintes: (Definições) No âmbito destes requisitos de saúde animal: "carne etc." significa carne

Leia mais