PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO"

Transcrição

1 PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: CARPINTEIRO DE OBRAS - PRONATEC horas ÁREA: CONSTRUÇÃO MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): UNIDADE DE ARAGUAÍNA Plano de Curso Simplificado FP.EP Revisão 1 20/08/2014 Página 1 de 16

2 FIETO FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO TOCANTNS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL - SENAI Departamento Regional do Tocantins DR/TO Plano de Curso Simplificado Educação para o Trabalho, Formação Inicial e Continuada. Referências: Itinerários Nacionais de Educação Profissional SENAI Construção Civil Edificações Versão 3. Elaboração: UNIDADE DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Validação: Regulamentação: UNIDADE DE EDUCAÇÃO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Lei Federal nº 9.394/96 estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Lei Federal nº /08 estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para redimensionar, institucionalizar e integrar as ações da educação profissional técnica de nível médio, da educação de jovens e adultos e da educação profissional e tecnológica. Decreto Federal nº 5.154/04. Regimento Escolar das Unidades Operacionais do SENAIDR/TO. Diretrizes da Educação Profissional e Tecnológica do SENAI. Itinerários Nacionais de Educação Profissional SENAI. Decreto 8268 junho 2014, que altera o Decreto nº 5.154, de 23 de julho de 2004, que regulamenta o 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de Nota Informativa 20/ Pronatec Empreendedor; Nota Informativa 122/2015 DIR/SETEC/MEC; Guia Pronatec de Cursos FIC - 4ª Edição. Plano de Curso Simplificado FP.EP Revisão 1 20/08/2014 Página 2 de 16

3 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Nome do Curso: Carpinteiro de Obras - PRONATEC CBO: Nível de qualificação: 2 Carga horária: 224horas Eixo Tecnológico: Infraestrutura Área Tecnológica: CONSTRUÇÃO CIVIL EDIFICAÇÕES Competência Geral: Capacitar profissionais com competências relativas à confecção, montagem e desmontagem de formas e escoramentos para estruturas de concreto armado, auxiliando na organização de serviços de implantação e desmobilização de canteiros de obras de maneira preventiva e garantindo a qualidade dos serviços apresentados. Requisitos de Acesso Número de participantes por turma Idade mínima: 18 anos. Escolaridade mínima: Ensino Fundamental I ( 1 ao 5 Ano completo). As turmas devem ser organizadas com um número máximo de alunos em função da capacidade dos ambientes pedagógicos e com um número mínimo que garanta a autossuficiência do curso, considerando, prioritariamente, qualidade dos processos de ensino e de aprendizagem e o desenvolvimento das aulas dentro do enfoque didático-pedagógico proposto. Plano de Curso Simplificado FP.EP Revisão 1 20/08/2014 Página 3 de 16

4 2. CONTEÚDO FORMATIVO Organização Curricular Tecnologia da Construção de Edificações Carga Horária 12h Carga Horária TOTAL Planejamento e Organização do trabalho na Construção de Edificações QSMS - Qualidade, Saúde, Meio Ambiente e Segurança no Trabalho no Canteiro de Obras Confecção de Fôrmas em Madeira 12h 16h 56h Montagem de fôrmas de Madeira Estruturas Auxiliares e Instalações Provisórias Desforma e Reescoramento de Painéis 40h 20h 20h 224h Fôrmas Especiais 20h Plano de Vida e Carreira 24h TECNOLOGIA BÁSICA DA CONSTRUÇÃO DE EDIFICAÇÕES 12 h Capacidades Técnicas Compreender o processo de construção de edificações; Identificar as etapas para construção de edificações; Identificar os tipos e características dos materiais, equipamentos e ferramentas; Atualizar-se, acompanhando as novas tecnologias no setor da construção civil. Capacidades Sociais, Organizativas e Metodológicas Demonstrar habilidades de trabalhar em equipe; Comunicar-se com clientes, colegas de trabalho e superiores; Planejar o próprio trabalho; Atuar de forma ética. Conhecimentos Tecnologia básica da construção de edificações; Principais conceitos; Tipos de edificações; Elementos constituintes e as etapas de execução de uma edificação; Máquinas, equipamentos e ferramentas; Plano de Curso Simplificado FP.EP Revisão 1 20/08/2014 Página 4 de 16

5 Tipos e características das máquinas; Tipos e características dos equipamentos; Tipos e características das ferramentas; Novas tecnologias; Tecnologia dos materiais: tipos, características e patologias; Operações matemáticas fundamentais; Adição; Subtração; Multiplicação; Divisão; O sistema internacional de unidades; Unidade de comprimento; Unidades de medidas; Unidade de área; Unidade de volume; Unidade de massa; Unidade de tempo. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO DE EDIFICAÇÕES 12 h Capacidades Técnicas Interpretar ordens de serviço; Identificar etapas de um cronograma; Identificar sequência de trabalho conforme planejamento; Identificar e interpretar desenho técnico; Interpretar projeto arquitetônico; Interpretar projeto de detalhamento; Interpretar projeto executivo; Identificar modulações em plantas; Identificar simbologias e convenções; Reconhecer detalhes de acabamento no projeto de detalhamento; Reconhecer os elementos constituintes das plantas de corte: longitudinais e transversais; Reconhecer os elementos constituintes de uma planta baixa; Reconhecer os elementos constituintes do projeto de detalhamento; Reconhecer simbologias e convenções; Utilizar escalas; Identificar figuras geométricas; Interpretar figuras geométricas; Interpretar unidades de medida e escala; Realizar cálculos matemáticos. CAPACIDADES SOCIAIS, ORGANIZATIVAS E METODOLÓGICAS Atuar de forma ética; Demonstrar habilidades de trabalhar em equipe; Comunicar-se com clientes, subordinados e superiores; Planejar o próprio trabalho. Conhecimentos Matemática Aplicada; Operações fundamentais; Plano de Curso Simplificado FP.EP Revisão 1 20/08/2014 Página 5 de 16

6 Figuras geométricas planas; O sistema internacional de unidades de medidas; Interpretação de projetos; Interpretação do projeto arquitetônico; Escala; Simbologia - principais elementos do projeto arquitetônico; Interpretação de projeto estrutural; Planta de locação da fundação (sapata) e pilares; Planta de forma de pilares, vigas e lajes; Planta de armação de fundação, pilares, vigas e lajes; Planta de escoramentos; Interpretação de projeto executivo; Conjunto de plantas que compõem o projeto executivo; Planejamento e organização do trabalho; Planejamento, programação e controle no desenvolvimento dos serviços; Levantamento dos recursos necessários; Elaboração do cronograma de trabalho; Tipos de cronogramas de trabalho; Organização de espaços para execução do trabalho; Seleção de materiais, máquinas e equipamentos; Saúde, segurança e preservação ambiental na execução de serviços; Ética profissional; Trabalho em equipe. QSMS - QUALIDADE, SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA DO TRABALHO NO CANTEIRO DE OBRAS 16 h Capacidades Técnicas Identificar princípios de segurança, qualidade, saúde e meio ambiente; Identificar tipos e características de EPI s e EPC s; Reconhecer aspectos de segurança, qualidade, saúde e ambientais necessários à atividade. Capacidades Sociais, Organizativas e Metodológicas Atuar de forma ética; Demonstrar habilidades de trabalhar em equipe; Comunicar-se com clientes, subordinados e superiores; Detectar problemas e tomar decisão dentro de suas competências técnicas. Conhecimentos Qualidade; Conceito; Gestão da qualidade; Princípios de gestão da qualidade: satisfação do cliente, participação e produtividade; A qualidade como processo; Não conformidades e suas causas; Os 5S; Segurança e saúde; Acidentes de trabalho e doenças ocupacionais; Primeiros socorros; Prevenção e combate a incêndio; Condições ambientais; Riscos ambientais no trabalho; Plano de Curso Simplificado FP.EP Revisão 1 20/08/2014 Página 6 de 16

7 Riscos ocupacionais; Medidas preventivas; Utilização de equipamentos de proteção individual (EPI s); Utilização de equipamentos de proteção coletiva (EPC s); Controle e conservação dos equipamentos de proteção; Trabalho em altura; A CIPA; Gestão de resíduos na construção civil; Classificação dos resíduos; Transporte de resíduos; Acondicionamento dos resíduos; Perdas na construção civil. CONFECÇÃO DE FÔRMAS DE MADEIRA 56 h Capacidades Técnicas Aplicar as normas técnicas, ambientais e de segurança e higiene no trabalho; Aplicar normas, especificações e procedimentos técnicos; Aplicar sistemas de calço e travamento na estocagem dos painéis; Armazenar painéis de acordo com a sequência de utilização para montagem; Definir local para armazenamento de painéis conforme especificações técnicas; Dimensionar prazos para a execução dos serviços; Elaborar plano de corte da madeira, conforme peças disponíveis; Identificar características das madeiras; Identificar características dos componentes dos sistemas; Identificar condições de ventilação, umidade e temperatura no ambiente para estocagem de painéis; Identificar elementos estruturais de concreto armado (vigas, pilares e lajes); Identificar o local de trabalho conforme etapas de montagem e necessidades de equipamentos e materiais; Identificar o tipo de sistemas de fôrmas para reconhecer o tipo de elemento estrutural do painel; Identificar os riscos e as possibilidades de acidentes; Identificar tipos de materiais e características de armazenamento e descarte; Interpretar ordem de serviço; Interpretar projetos de fôrmas; Interpretar textos e normas técnicas, de qualidade, de saúde e segurança e ambientais; Montar os elementos de composição do painel; Orientar a segregação de resíduos em função de sua destinação (reciclagem ou descarte); Orientar o descarte de resíduos em conformidade com as normas ambientais vigentes, considerando as esferas municipal, estadual e federal; Planejar as etapas de trabalho; Programar a manutenção preventiva das ferramentas e dos equipamentos; Realizar a fixação dos sarrafos, utilizando ferramentas ou equipamentos conforme determinação do projeto; Relacionar e utilizar equipamentos e ferramentas de acordo com o serviço de fôrma a ser executado; Selecionar e utilizar EPI e EPC conforme normas técnicas de segurança. Capacidades Sociais, Organizativas e Metodológicas Realizar serviços de acordo com as normas pertinentes ao desenvolvimento do trabalho; Responsabilizar-se pela conservação dos equipamentos; Exigir a calibração dos equipamentos; Plano de Curso Simplificado FP.EP Revisão 1 20/08/2014 Página 7 de 16

8 Atualizar-se acompanhando novas tecnologias; Detectar problemas e tomar decisão dentro de suas competências técnicas. Conhecimentos Sistema métrico decimal; Interpretação de projeto de fôrmas; Simbologia; Plantas de Forma; Escoramentos; Detalhes; Interpretação de textos: Normas técnicas; Ordens de serviço. Materiais empregados na confecção de formas. Madeiras e derivados: Componentes: Tipos; Características; Tipos; Função; Tecnologia do Processo de Confecção de Fôrmas de Madeira; Equipamentos de Proteção: Individual; Coletiva. Programação de Corte; Técnicas de Corte; Composição de Painéis; Armazenagem de painéis; Planejamento e organização para execução dos serviços: Levantamento de Materiais; Seleção de equipamentos e ferramentas; Organização do local de trabalho. Procedimentos de verificação e aceite dos serviços: Técnicos; de segurança. Segregação e descarte dos resíduos gerados. MONTAGEM DE FÔRMAS DE MADEIRA 40 h Capacidades Técnicas Aplicar as normas ambientais, de saúde, segurança e higiene no trabalho; Aplicar normas, especificações e procedimentos técnicos; Identificar elementos estruturais de concreto armado (vigas, pilares e lajes); Identificar o local de trabalho conforme etapas de montagem e necessidades de equipamentos e materiais; Identificar procedimentos de execução do serviço; Plano de Curso Simplificado FP.EP Revisão 1 20/08/2014 Página 8 de 16

9 Identificar se o ambiente está em conformidade com as normas técnicas e de saúde, qualidade, segurança e meio ambiente; Interpretar projetos de fôrmas; Orientar o descarte de resíduos em conformidade com as normas ambientais vigentes, considerando as esferas municipal, estadual e federal; Reconhecer os elementos constituintes das plantas de fôrmas; Selecionar EPI e EPC conforme normas técnicas de segurança; Definir marcação, alinhamento e esquadro conforme projeto; Fixar ancoragens e aprumadores; Identificar características da base de apoio do terreno; Identificar o local de trabalho conforme etapas de montagem e necessidades de equipamentos e materiais; Identificar posição das peças conforme projeto; Interpretar ordem de serviço; Interpretar planta de fôrmas e escoramento; Marcar, medir e cortar a madeira; Montar as partes dos equipamentos quando forem metálicos ou fabricar quando forem de madeira; Realizar procedimentos de fixação dos gastalhos conforme o sistema de fôrmas utilizado (fixar tacos ou pregar com pregos de aço); Realizar transferências de níveis, conforme o sistema de fôrmas utilizado; Selecionar materiais, ferramentas e equipamentos para montagem de fôrmas e escoramento de vigas; Selecionar materiais, ferramentas e equipamentos para montagem de fôrmas e escoramento de lajes moldadas; Selecionar materiais, ferramentas e equipamentos para montagem e escoramento de fôrmas; Utilizar equipamentos e ferramentas para realização da atividade; Verificar os escoramentos e engravatamentos dos painéis conforme o projeto. Capacidades Sociais, Organizativas e Metodológicas Realizar serviços de acordo com as normas pertinentes ao desenvolvimento do trabalho; Responsabilizar-se pela conservação dos equipamentos; Exigir a calibração dos equipamentos; Atualizar-se acompanhando novas tecnologias; Detectar problemas e tomar decisão dentro de suas competências técnicas. Conhecimentos Montagem de Formas de Madeira; Sistema métrico decimal; Interpretação de projeto de fôrmas; Simbologia; Plantas de fôrma; Detalhes; Interpretação de textos; Normas técnicas; Ordens de serviço (OS); Materiais empregados na confecção de fôrmas; Madeiras e derivados; Componentes; Tecnologia do processo de montagem de fôrmas de madeira; Equipamentos de proteção; Instalação de fôrmas e escoramentos; Plano de Curso Simplificado FP.EP Revisão 1 20/08/2014 Página 9 de 16

10 Escoramento de fôrmas de madeira; Planejamento e organização para execução dos serviços; Levantamento de materiais; Seleção de equipamentos e ferramentas; Organização do local de trabalho; Procedimentos de verificação e aceite dos serviços técnicos e de segurança; Segregação e descarte dos resíduos gerados. DESFORMA E REESCORAMENTO DE PAINÉIS 20 h Capacidades Técnicas Aplicar normas técnicas e especificações do fabricante; Aplicar procedimentos técnicos de desmontagem de vigas e escoramentos; Armazenar materiais reaproveitáveis da desmontagem conforme especificações técnicas, obedecendo a sequência da próxima montagem; Definir EPI s e EPC s para execução dos serviços; Desenformar conforme sequência inversa da montagem; Dimensionar prazos para a execução dos serviços; Identificar elementos estruturais de concreto armado (vigas, pilares e lajes); Identificar local de armazenamento conforme especificações técnicas; Identificar o local de trabalho conforme etapas de montagem e necessidades de equipamentos e materiais; Identificar os riscos e as possibilidades de acidentes; Identificar procedimentos de execução do serviço; Identificar se o ambiente está em conformidade com as normas técnicas e de saúde, qualidade, segurança e meio ambiente; Identificar tipos de materiais e características de armazenamento e descarte; Interpretar ordem de serviço; Interpretar projetos de fôrmas e escoramentos; Interpretar projetos estruturais; Interpretar textos e normas técnicas, de qualidade, de saúde e segurança e ambientais; Orientar a segregação de resíduos em função de sua destinação (reciclagem ou descarte); Orientar o descarte de resíduos em conformidade com as normas ambientais vigentes, considerando as esferas municipal, estadual e federal; Planejar as etapas de trabalho; Relacionar equipamentos e ferramentas de acordo com o serviço de forma a ser executado; Reconhecer os elementos constituintes das plantas de fôrmas; Retirar os painéis e escoramentos recomendados conforme projeto; Selecionar materiais, ferramentas e equipamentos para montagem de fôrmas, escoramento e reescoramento de lajes e vigas moldadas; Separar o material reaproveitável, conforme tipos, para próxima montagem de fôrmas de pilares e seus escoramentos. Capacidades Sociais Organizativas e Metodológicas Realizar serviços de acordo com as normas pertinentes ao desenvolvimento do trabalho; Responsabilizar-se pela conservação dos equipamentos; Exigir a calibração dos equipamentos; Atualizar-se acompanhando novas tecnologias; Detectar problemas e tomar decisão dentro de suas competências técnicas. Conhecimentos Introdução; Plano de Curso Simplificado FP.EP Revisão 1 20/08/2014 Página 10 de 16

11 Normas técnicas aplicáveis; Interpretação de textos; Ordens de Serviço (OS); Equipamentos de proteção individual (EPI); Equipamentos de proteção; Equipamentos de proteção coletiva (EPC s); Desmontagem de fôrma de madeira (desforma); Retirada de escoramento; Remoção dos painéis; Limpeza das fôrmas; Reescoramento; Armazenamento dos painéis e das escoras; Planejamento e organização para execução dos serviços; Levantamento de materiais; Seleção de equipamentos e ferramentas; Organizações do local de trabalho; Procedimentos de verificação e aceite dos serviços técnicos; Segregação e descarte dos resíduos gerados. ESTRUTURAS AUXILIARES E INSTALAÇÕES PROVISÓRIAS 20 h Capacidades Técnicas Alinhar e fixar pontaletes (barrotes) para confecção de gabaritos de locação; Aplicar as normas ambientais, de saúde, segurança e higiene no trabalho; Aplicar normas técnicas e especificações do fabricante; Definir EPI s e EPC s para execução dos serviços; Dimensionar prazos para a execução dos serviços; Executar assoalho para confecção de bandejas de proteção primária, secundária e guardacorpo; Executar estruturas para execução de escadas auxiliares, passarelas e rampas em madeira; Identificar elementos estruturais de concreto armado (vigas, pilares e lajes); Identificar local de armazenamento conforme especificações técnicas; Identificar o local de trabalho conforme etapas de montagem e necessidades de equipamentos e materiais; Identificar tipos de materiais e características de armazenamento e descarte; Interpretar ordem de serviço; Interpretar projetos estruturais e executivos; Interpretar projetos para montagem de tapume; Interpretar textos e normas técnicas, de qualidade, de saúde e segurança e ambientais; Nivelar tábuas de guia para confecção de gabaritos de locação; Orientar a segregação de resíduos em função de sua destinação (reciclagem ou descarte) em conformidade com as normas ambientais vigentes, considerando as esferas municipal, estadual e federal; Programar a manutenção preventiva das ferramentas e dos equipamentos; Realizar aprumação dos pontaletes (barrotes); Selecionar materiais conforme especificado em projeto; Selecionar materiais, ferramentas e equipamentos para confecção de gabaritos de locação, bandejas de proteção primária, secundária e guarda-corpo; Selecionar materiais, ferramentas e equipamentos para execução de edificações provisórias do canteiro de obras; Selecionar materiais, ferramentas e equipamentos para execução de escadas auxiliares, rampas e passarelas e montagem de tapumes. Plano de Curso Simplificado FP.EP Revisão 1 20/08/2014 Página 11 de 16

12 Capacidades Sociais, Organizativas e Metodológicas Realizar serviços de acordo com as normas pertinentes ao desenvolvimento do trabalho; Responsabilizar-se pela conservação dos equipamentos; Exigir a calibração dos equipamentos; Atualizar-se acompanhando novas tecnologias; Detectar problemas e tomar decisão dentro de suas competências técnicas. Conhecimentos Estruturas auxiliares e instalações provisórias; Planejamento e organização para execução dos serviços; Áreas de vivência; Áreas de apoio; Estruturas auxiliares; Montagem e instalações de estruturas auxiliares; Tapumes; Andaimes; Escadas, rampas e passarelas; Gabarito de locação; Mobiliário de obra; Equipamentos de proteção e cuidados relacionados às atividades do carpinteiro; Equipamentos de proteção individual (EPI); Equipamentos de proteção coletiva (EPC); Procedimentos de verificação e aceite dos serviços; Segregação e descarte dos resíduos gerados; FÔRMAS ESPECIAIS 20 h Capacidades Técnicas Aplicar as normas técnicas, ambientais e de segurança e higiene no trabalho; Aplicar as técnicas de montagem de fôrmas de pilares, vigas e lajes com painéis inclinados para execução de fôrmas de escadas; Aplicar desmoldantes na montagem de fôrmas prontas. Aplicar técnicas para demarcação de raios de curvatura para execução de fôrmas curvas; Identificar elementos estruturais de concreto armado (vigas, pilares e lajes); Identificar local de armazenamento conforme especificações técnicas; Identificar o local de trabalho conforme etapas de montagem e necessidades de equipamentos e materiais; Identificar os riscos e as possibilidades de acidentes; Identificar procedimentos de execução do serviço; Identificar tipos de materiais e características de armazenamento e de descarte; Interpretar ordem de serviço; Interpretar projetos de fôrmas e executivos; Interpretar textos e normas técnicas, de qualidade, de saúde e segurança e ambientais; Organizar painéis conforme tipos para montagem de fôrmas prontas; Orientar a segregação de resíduos em função de sua destinação (reciclagem ou descarte) em conformidade com as normas ambientais vigentes, considerando as esferas municipal, estadual e federal; Planejar as etapas de trabalho; Programar a manutenção preventiva das ferramentas e dos equipamentos; Reconhecer os elementos constituintes das plantas de fôrmas; Relacionar equipamentos e ferramentas de acordo com o serviço de fôrma a ser executado; Plano de Curso Simplificado FP.EP Revisão 1 20/08/2014 Página 12 de 16

13 Seguir orientações do responsável técnico na montagem de fôrmas curvas e na confecção de escadas; Selecionar e armazenar materiais conforme especificações do fabricante, obedecendo a sequência de montagem de fôrmas; Selecionar materiais, ferramentas e equipamentos para montagem de fôrmas e escoramento de lajes moldadas; Verificar se o ambiente de trabalho está em conformidade com as normas técnicas e de saúde, qualidade, segurança e ambientais. Capacidades Sociais, Organizativas e Metodológicas Realizar serviços de acordo com as normas pertinentes ao desenvolvimento do trabalho; Responsabilizar-se pela conservação dos equipamentos; Exigir a calibração dos equipamentos; Atualizar-se acompanhando novas tecnologias; Detectar problemas e tomar decisão dentro de suas competências técnicas. Conhecimentos Interpretação de projeto de fôrmas; Simbologia; Plantas de fôrma; Detalhe; Sistema de fôrmas; Planejamento e organização para execução dos serviços; Seleção de equipamentos e ferramentas; Instalação de fôrmas especiais; Fôrmas para escadas; Fôrmas para concreto aparente; Fôrmas curvas; Equipamentos de proteção individual e coletiva; Procedimentos de verificação e aceite dos serviços técnicos e de segurança; Segregação e descarte de resíduos gerados. PROJETO DE VIDA E CARREIRA 24 h Fundamentos técnicos e científicos Identificar oportunidades do mercado de trabalho, relacionando-as ao seu plano de vida e carreira; Estabelecer relações e possibilidades entre sonho, desejo e sucesso, reconhecendo-se como um cidadão de direitos; Identificar os tipos de empreendedorismo e suas características; Elaborar propostas comerciais; Identificar necessidade de aperfeiçoamento. Capacidades Sociais, Organizativas e Metodológicas Identificar a importância do desenvolvimento de atitudes empreendedoras para o seu projeto de vida e carreira; Entender a importância da sustentabilidade para a geração e desenvolvimento de negócios; Atuar com efetividade nas relações com o cliente. Conhecimentos Plano de Curso Simplificado FP.EP Revisão 1 20/08/2014 Página 13 de 16

14 Empreendedorismo: Introdução ao Empreendedorismo; Atitudes Empreendedoras e Tipos de Empreendedorismo; Características do Comportamento Empreendedor. Ética e cidadania: Introdução aos conceitos de ética e Cidadania; Comportamento grupal x individual; Continuidade Social e Transformação Social; Educação, Cidadania e Trabalho. O Mundo do Trabalho: As transformações no mercado de trabalho; Os desafios e as mudanças no mercado de trabalho; Qualificação profissional e o perfil para o mercado de trabalho; Empregabilidade x mercado de trabalho. Plano de Vida e Carreira: Tempo e história de vida; Desejo e sucesso; Transformação de desejos em oportunidades; Planejamento para realização. Noções de Comunicação: Formas e elementos de comunicação; Elaboração de documentos; Tipos de correspondências. 3. PERFIL DO DOCENTE - O quadro de docente para o Curso Carpinteiro de Obras PRONATEC deve ser composto, preferencialmente, por profissionais com ensino médio completo e experiência profissional condizente com a qualificação. 4. METODOLOGIA DE ENSINO A metodologia de ensino adotada é a Metodologia SENAI de Educação Profissional. Os princípios norteadores dessa metodologia: a aprendizagem mediada, a interdisciplinaridade, a contextualização, o desenvolvimento de capacidades que sustentam competências, a ênfase no aprender a aprender, a aproximação da formação ao mundo real, ao trabalho e às práticas sociais, a integração entre teoria e prática, a avaliação da aprendizagem com função diagnóstica e formativa, e a afetividade como condição para a aprendizagem significativa. Plano de Curso Simplificado FP.EP Revisão 1 20/08/2014 Página 14 de 16

15 Os princípios norteadores se concretizam por meio de Situações de Aprendizagem, atividades desafiadoras propostas aos alunos, que devem solucionar problemas, tomar decisões, testar hipóteses ou aplicar o que aprenderam a outros contextos. As Situações de Aprendizagem são o fio condutor do curso e oportunizam o "aprender fazendo" por meio de estratégias como estudo de caso, projeto, situação-problema e pesquisa. Podem ser realizadas individualmente, em pequenos grupos ou com toda a turma, sempre com a orientação de um docente e desenvolvidas em ambientes pedagógicos apropriados com todas as condições de higiene e segurança, possibilitando ao aluno o desenvolvimento das competências e habilidades necessárias para o desempenho eficiente e eficaz da sua profissão. 5. AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM A avaliação da aprendizagem será feita de forma processual, diagnóstica e formativa, ao longo de todo o processo de formação, visando permitir o diagnóstico dos avanços e das dificuldades do aluno para que sejam feitas as intervenções pedagógicas necessárias. Para avaliar a aprendizagem do aluno (conhecimentos, habilidades e atitudes), serão utilizados estratégias e instrumentos de avaliação múltiplos e diversificados, preservando a integração das Unidades Curriculares e buscando desenvolver nos alunos o hábito da pesquisa, atitudes de reflexão, iniciativa e criatividade. Poderão ser utilizados estudos de casos, situações problemas, projetos interdisciplinares, simulações e demonstrações, testes, entre outros instrumentos de avaliação. 6. CERTIFICAÇÃO Para certificação o aluno precisa: Ser considerado Promovido nas avaliações realizadas durante o decorrer do curso; Obter frequência igual ou superior a 75%, durante o curso e, sobretudo o desenvolvimento das competências e habilidades específicas inerentes à ocupação. Plano de Curso Simplificado FP.EP Revisão 1 20/08/2014 Página 15 de 16

16 7. CONTROLE DE REVISÕES REV. DATA NATUREZA DA REVISÃO 0 17/07/2015 CRIAÇÃO DO CURSO. Plano de Curso Simplificado FP.EP Revisão 1 20/08/2014 Página 16 de 16

17 ANÁLISE DE VIABILIDADE DA COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA/ADMINISTRATIVO Itens de verificação Si m Nã o Precisa elaborar Plano de Curso? Se sim, qual prazo? 15 dias X C Há instrutor para atendimento ao curso? X O P Possui material didático disponível para reprodução? X E Possui material de consumo? X D Possui equipamentos/ferramentas/outros? X A Terá condições de adquirir os equipamentos/ferramentas/outros em tempo X D hábil? M Terá condições de realizar aquisição do material de consumo em tempo hábil? X I N Possui condições de reprodução e/ou aquisição de material didático em tempo X I hábil? S Os ambientes pedagógicos possuem recursos didáticos em condições de X T funcionamento? (projetor, computador, vídeo, etc). Possui instalações físicas adequadas para atendimento do curso(s) x proposto(s)? (sala, banheiro, iluminação, ambiente limpo, organizado e outros) N.A. Parecer da COPED: A UO tem condições de realizar o curso. Logo que a empresa definir o inicio do curso a COPED deve ser avisada com antecedência: Se o curso for ministrado fora da unidade e necessitar de diárias o prazo é 7 dias antes do inicio do curso, conforme procedimento Se o curso for ministrado fora da unidade e não necessitar de diárias o prazo é 3 dias antes do inicio do curso. Caso não possa ser atendido na data solicitada pelo cliente, ou caso não tenha sido definido pelo cliente a data de atendimento, preencher abaixo: Período de realização do(s) curso(s): a definir Data início: / / Data término: / / Horário: Responsável pela Análise: Data: _/ / O resultado da análise crítica deve ser entregue pela coordenação pedagógica ao setor Relações com o Mercado para envio da minuta de contrato ao cliente, conforme os prazos abaixo acordados entre as partes. Produto do Portfólio Produto Adaptado Produto Revisado Produto Novo (Qualificação Profissional, Aperfeiçoamento Profissional e Iniciação Profissional) Até 03 (três) dias úteis Até 03 (três) dias úteis Até 03 (três) dias úteis Até 07 (sete) dias úteis Lista de Verificação para Atendimento de Curso FP.SG Revisão 3 25/08/2014 Página 2 de 3

18 Nota 1: O resultado da análise crítica referente a Programação de Cursos (trimestral) deve ser entregue pela Coordenação Pedagógica ao Relações com o Mercado em até 15 dias úteis. Nota 2: Quando tratar-se de pequeno ajuste/atualização na Programação de Cursos seguir os prazos estabelecidos para atendimento (PJ). Nota 3: Quando o atendimento depender de instalações físicas e/ou equipamentos disponibilizados pelo cliente/parceiro, o prazo de retorno da análise critica será acordada entre as partes. Nota 4: Quando um atendimento não for realizado conforme o planejado, a Lista de Verificação para Atendimento de Curso será analisada novamente, obedecendo os mesmos prazos acima descritos. Lista de Verificação para Atendimento de Curso FP.SG Revisão 3 25/08/2014 Página 3 de 3

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: AJUDANTE DE OBRAS - PRONATEC 160 horas ÁREA: CONSTRUÇÃO MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT GURUPI Plano de Curso Simplificado FP.EP.04.08

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: ELETRICISTA INSTALADOR PREDIAL DE BAIXA TENSÃO - PRONATEC 224 horas ÁREA: ENERGIA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: MECÂNICO DE AR CONDICIONADO AUTOMOTIVO - PRONATEC 200 horas ÁREA: AUTOMOTIVA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: Montador de Equipamentos Eletroeletrônicos 200 horas ÁREA: ELETROELTRÔNICA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CETEC - Araguaina Plano de

Leia mais

Plano de Curso Não Regulamentado - Qualificação Profissional

Plano de Curso Não Regulamentado - Qualificação Profissional PERFIL PROFISSIONAL / IDENTIFICAÇÃO DA OCUPAÇÃO: Ocupação: Educação Profissional: Nível da Qualificação: Área Tecnológica: Competência Geral: Requisitos de Acesso: Carpinteiro de Estruturas de Telhado

Leia mais

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Carpinteiro de Obras CBO 7155-25 COD-SGE 013.541 MODALIDADE Qualificação Profissional Básica Área Tecnológica Construção Civil CARGA HORÁRIA 220 horas ITINERÁRIO Regional

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 11741/08 e Lei nº 11.741/08) PLANO DE CURSO Área: Manutenção Mecânica Qualificação:

Leia mais

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Montador de Andaimes CBO 7155-45 COD-SGE 014.059 MODALIDADE Qualificação Profissional Área Tecnológica Construção Civil CARGA HORÁRIA 180 horas ITINERÁRIO Regional I. OBJETIVO

Leia mais

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Área Profissional: INDÚSTRIA Qualificação

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Logística

Leia mais

Plano de Curso de Montador e Reparador Computadores

Plano de Curso de Montador e Reparador Computadores Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia Fundação de Apoio a Escola Técnica Plano de Curso de Montador e Reparador Computadores Título do Curso Montador e Reparador

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento

SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento SISTEMA DA QUALIDADE Procedimento CONTROLE DE PROJETO PR.00 00 1 / 5 1. OBJETIVO Estabelecer as condições, características e responsabilidades para o desenvolvimento de projetos. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11.741/08) PLANO DE CURSO Área: Segurança do Trabalho

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL. Qualificação Profissional Básica PLANO DE CURSO PRONATEC EAD. ELETRICISTA DE AUTOMÓVEIS 220 horas

FORMAÇÃO INICIAL. Qualificação Profissional Básica PLANO DE CURSO PRONATEC EAD. ELETRICISTA DE AUTOMÓVEIS 220 horas FORMAÇÃO INICIAL Qualificação Profissional Básica PLANO DE CURSO PRONATEC EAD ELETRICISTA DE AUTOMÓVEIS 220 horas (176 horas à distância e 44 presencial) ÁREA PROFISSIONAL: Automotiva EIXO TECNOLÓGICO:

Leia mais

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR INFORMAÇÕES GERAIS: Denominação: Curso Técnico em Infraestrutura Escolar Eixo Tecnológico: Apoio Educacional Titulação Conferida:

Leia mais

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMAS E CIMBRAMENTO FÔRMA: Modelo, molde de qualquer coisa; EXIGÊNCIAS:

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: METALMECÂNICA Aperfeiçoamento

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

Objetivo do Programa

Objetivo do Programa Objetivo do Programa O Programa Futuros Engenheiros visa favorecer o desenvolvimento de competências técnicas e habilidades comportamentais de universitários dos cursos de Engenharia para atuar na indústria.

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Eletroeletrônica

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Tecnologia

Leia mais

SENAI - Educação profissional

SENAI - Educação profissional MAPA DO PORTAL (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CNI/MAPADOSIT E /) SITES DO SISTEMA INDÚSTRIA (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CANAIS/) CONT AT O (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Edificações Subsequente DISCIPLINA: Desenho Técnico CÓDIGO: Currículo: 2010 /02 Ano / Semestre: 2011/02 Carga Horária total: 40 h/a Turno:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015

Plano de Trabalho Docente 2015 Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA / SP Eixo tecnológico: Industria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante)

Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Formulário de Aprovação de Curso e Autorização da Oferta PROJETO

Leia mais

PLANO DE CURSO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

PLANO DE CURSO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PLANO DE CURSO QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL 1 - NOME DO CURSO Lubrificador Industrial 2 - OBJETIVO Lubrificam máquinas e equipamentos, sinalizando pontos de lubrificação, interpretando desenhos de máquinas,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA Das

Leia mais

GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES

GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES Nov.2014 Negócio CONTRIBUIR PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE Educação Qualidade de Vida Declaração Estratégica Missão Promover a qualidade de vida do trabalhador

Leia mais

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA

ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA ASPECTOS SOBRE A PRODUÇÃO DA ALVENARIA A produção da alvenaria está dividida em quatro passos fundamentais, que são: - Planejamento; - Marcação; - Elevação; - Fixação. 3ODQHMDPHQWR 1. Equipamentos Colher

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. CARGA HORÁRIA: 80 h/a TURNO: Manhã TURMA: EDI 01/T6 DIRETOR(A) GERAL DO Marcelo Eder Lamb

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. CARGA HORÁRIA: 80 h/a TURNO: Manhã TURMA: EDI 01/T6 DIRETOR(A) GERAL DO Marcelo Eder Lamb EIXO TECNOLÓGICO: CURSO: Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE: ( x ) Presencial ( ) PROEJA (

Leia mais

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade.

Alta produtividade Engenharia de projetos Qualidade assegurada Certificado de garantia Sigilo industrial Confiabilidade. Há mais de 46 anos no mercado, a Torcisão iniciou as suas atividades no desenvolvimento de materiais para a indústria automobilística, que exigia um rigoroso controle técnico e de qualidade. Em 2006, com

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html Novos Cursos O SENAI criou 40 novos cursos a distância, sendo 10 cursos

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de ALMOXARIFE. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de ALMOXARIFE. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso I MÓDULO I TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA Objetivo do Curso Habilitar e qualificar profissionais para desenvolver atividades de projeto, especificação, instalação, montagem e manutenção de sistemas eletromecânicos

Leia mais

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL MADEIRA/MOBILIÁRIO SENAI-RR SENAI-RR SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS Catálogo de Cursos 1. TÍTULO DESENHISTA DE MÓVEIS CBO 3184-25 Preparar profissionais para realizar

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015

Plano de Trabalho Docente 2015 Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA / SP Eixo tecnológico: Industria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais

2.5.1 Tecnologia de formas de madeira convencionais 34 2.5 Tecnologia empregada Nesta seção, inicialmente, serão expostas as nomenclaturas empregadas nas peças componentes das formas e escoramento em madeira, conforme a bibliografia descreve. A seguir,

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI. Robson Braga de Andrade. Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI. Robson Braga de Andrade. Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET Rafael Esmeraldo Lucchesi Ramacciotti Diretor de Educação e Tecnologia SERVIÇO NACIONAL

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Logística

Leia mais

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

PLANO DE CURSO RESUMIDO III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Mecânico de Motocicletas CBO 9144-15 COD-SGE 013.529 MODALIDADE Qualificação Profissional Área Tecnológica Automotiva CARGA HORÁRIA 320 horas ITINERÁRIO Regional I. OBJETIVO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS Folha: 1 de 25 AREA (EIXO TECNOLÓGICO): Edificações JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS O estado de Rondônia nos últimos cinco anos tem apresentado um crescimento econômico no polo industrial, principalmente no

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Auxiliar de Farmácia

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Auxiliar de Farmácia Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código:136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM

Leia mais

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes Sistema de fôrmas plásticas para lajes de concreto JOAQUIM ANTÔNIO CARACAS NOGUEIRA Diretor de Engenharia VALTER DE OLIVEIRA BASTOS FILHO Engenheiro Civil CARLOS ALBERTO IBIAPINA E SILVA FILHO Engenheiro

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

SENAI - CE CFP - Wanderillo de Castro Câmara - WCC

SENAI - CE CFP - Wanderillo de Castro Câmara - WCC Unidade Escolar CNPJ Razão Social Nome de Fantasia Esfera Administrativa Endereço (Rua, No) Cidade/UF/CEP Telefone/Fax E-mail de Contato Site da Unidade Área do Plano 03.768.202/0009-23 SENAI - CFP - Wanderillo

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

2- PÚBLICO ALVO. Página 1 de 8 CURSO PRÁTICO FORMAÇÃO DE CONSULTORES EMPRESARIAIS. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

2- PÚBLICO ALVO. Página 1 de 8 CURSO PRÁTICO FORMAÇÃO DE CONSULTORES EMPRESARIAIS. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi 1- Objetivo Geral Capacitar profissionais para o exercício da consultoria empresarial com qualidade, possibilitando assim um melhor atendimento as demandas das empresas paraenses por estes serviços. Disseminar

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos - SP Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LICENCIATURA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

Integrado em Automação Industrial

Integrado em Automação Industrial Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial Ano Letivo de 2014 1 Sumário 1º Módulo COMPONENTE CURRICULAR: ELETRICIDADE BÁSICA... 5 COMPONENTE CURRICULAR: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário Centros de Excelência em Educação PAP 2013/2014 Profissional e Assistência Técnica Rural

Plano Agrícola e Pecuário Centros de Excelência em Educação PAP 2013/2014 Profissional e Assistência Técnica Rural Plano Agrícola e Pecuário Centros de Excelência em Educação PAP 2013/2014 Profissional e Assistência Técnica Rural ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Premissas Gerais Centros nacionais de educação

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1610 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA IV REGIÃO (SP) COMISSÃO DE ENSINO TÉCNICO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE PARA CURSOS TÉCNICOS DA ÁREA QUÍMICA CRITÉRIOS PARA A RECERTIFICAÇÃO VERSÃO 1 - NOVEMBRO DE 2010 WWW.CRQ4.ORG.BR

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10

Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 C U R S O D E A R Q U I T E T U R A E U R B A N I S M O Autorizado pela Portaria nº 1.205 de 27/08/10 DOU Nº 166 de 30/08/10 Componente Curricular: TÉCNICAS DE EDIFICAÇÕES II Código: ARQ 055 Pré-requisito:

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE CONTROLADOR E PROGRAMADOR DE PRODUÇÃO

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE CONTROLADOR E PROGRAMADOR DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JARAGUÁ DO SUL FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE CONTROLADOR E PROGRAMADOR DE

Leia mais

Plano de Curso. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI. Página 1 de 5. Competência Geral: Objetivos Gerais: Comunicação Empresarial 40

Plano de Curso. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - SENAI. Página 1 de 5. Competência Geral: Objetivos Gerais: Comunicação Empresarial 40 Página 1 de 5 Nome do Curso: CBO: Modalidade: Carga Horária Total: Nível de Qualificação: Área Tecnológica: Eixo Tecnológico: Técnico em Administração 3513050000 Ocupação: Habilitação Técnica 1000 3 -

Leia mais

METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO

METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO METODOLOGIA DE EXECUÇÃO - PASSO A PASSO PARA CONSTRUIR ALVENARIAS DE BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO Segurança Antes do início de qualquer serviço, verificar a existência e condições dos equipamentos de segurança

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec

Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Anna Catharina da Costa Dantas dpept.setec@mec.gov.br Brasília/DF, 02 de julho de 2013. PNE 2011-2020:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Área Profissional: Indústria Habilitação Profissional: Técnico de Nível Médio Técnico em Mecânica

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça/SP Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: ARMADOR DE FERRAGEM - PRONATEC 180 horas ÁREA: CONSTRUÇÃO CIVIL MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CETEC Araguaína CT GURUPI Plano de Curso

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça - SP Eixo Tecnológico: Controle e Processo Industrial Habilitação

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Eletroeletrônica

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES.

PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. ETEC DOUTORA RUTH CARDOSO, SÃO VICENTE. PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES. AVISO N 194/05/2015 DE 23/09/2015 PROCESSO Nº 3705/2015 AVISO DE DEFERIMENTO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Professor GILBERTO MARTIN

Plano de Trabalho Docente 2013. Professor GILBERTO MARTIN 1 Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município:CASA BRANCA - SP Área Profissional: SAÚDE, AMBIENTE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

PES - Procedimento de Execução de Serviço

PES - Procedimento de Execução de Serviço Revisão: 00 Folha: 1 de 6 1. EQUIPAMENTOS Esquadro metálico; Martelo e serrote; Serra de bancada com proteção para disco; Corda; Chave de dobra; Policorte; Tesoura manual; Gerica e carrinho de mão; Desempenadeira

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC DR. FRANCISCO NOGUEIRA

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

Carga Horária :144h (07/04 a 05/09/2014) 1. JUSTIFICATIVA: 2. OBJETIVO(S):

Carga Horária :144h (07/04 a 05/09/2014) 1. JUSTIFICATIVA: 2. OBJETIVO(S): Carga Horária :144h (07/04 a 05/09/2014) 1. JUSTIFICATIVA: Nos últimos anos, o cenário econômico mundial vem mudando significativamente em decorrência dos avanços tecnológicos, da globalização, das mega

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012

Plano de Trabalho Docente 2012 Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA / SP Eixo tecnológico: Industria Habilitação Profissional: INSTALAÇÕES ELETRICAS E REDES Qualificação

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico de Técnico

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL EM LINUX Campus Lages Junho/204 Parte (solicitante) DADOS DO CAMPUS PROPONENTE. Campus: Instituto Federal de Santa Catarina Campus Lages. 2. Endereço/CNPJ/Telefone

Leia mais

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE

FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS JARAGUÁ DO SUL FIC FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CURSO DE ASSISTENTE DE CONTROLE DE QUALIDADE

Leia mais

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações?

SESI. Empreendedorismo Social. Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? SESI Empreendedorismo Social Você acredita que sua idéia pode gerar grandes transformações? REGULAMENTO SESI Empreendedorismo Social A inovação social é o ponto de partida para um novo modelo que atende

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013 Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município: CASA BRANCA Área Profissional: SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Qualificação:

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM

FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM FORMULÁRIOS DR PARANÁ ELABORAÇÃO DE SITUAÇÕES DE APRENDIZAGEM SENAI/PR 1 PLANO DE SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM N.º 1 (1) Seleção de capacidades, conteúdos formativos e definição da estratégia Unidade do SENAI:

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS LAGES Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professor Mário Antônio Verza Código: 164 Município: Palmital Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Serviços Jurídicos

Leia mais