Domínio Público Intelectual?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Domínio Público Intelectual?"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA, FACULDADE DE DIREITO ESCOLA DE LISBOA Domínio Público Intelectual? Trabalho Final de Mestrado em Direito Administrativo Orientado pela Dr.ª Margarida Olazabal Cabral Maria Miguel Gomez de Almeida Pereira Câncio

2

3 NOTA PRÉVIA Este trabalho corresponde à minha Dissertação de Mestrado em Direito Administrativo, na Faculdade de Direito - Escola de Lisboa - da Universidade Católica Portuguesa. Não é um tema tradicional no campo do Direito Administrativo, o que me levou a rever muitos conceitos do ramo de direito da propriedade intelectual. A elaboração deste trabalho não foi alheia a valiosos conselhos, e por isso devo agradecimentos. À Dr.ª Margarida Olazabal Cabral, pela disponibilidade de sempre. Aos meus colegas, pelas suas amáveis palavras de incentivo quanto ao tema. E aos meus pais, a quem tudo devo.

4 ÍNDICE Nota prévia 2 Introdução 4 PARTE I DOMÍNIO PÚBLICO INTELECTUAL E A SUA ESTRUTURA FUNCIONAL E MATERIAL 1. Propriedade intelectual 6 2. Interesse público da Propriedade Intelectual 7 3. Estrutura funcional intelectual 8 4. Estrutura material intelectual 10 PARTE II DOMÍNIO PÚBLICO INTELECTUAL E SUA TITULARIDADE 1. A propriedade intelectual A propriedade nos direitos autorais Direitos autorais morais A insusceptibilidade de apropriação das obras caídas em domínio público 14 PARTE III O DOMÍNIO PÚBLICO INTELECTUAL E O SEU REGIME DE UTILIZAÇÃO 1. Natureza jurídica do domínio público intelectual Regime de utilização do domínio público intelectual Domínio público intelectual não remunerado 16 Notas Finais 17 Bibliografia 19 3

5 INTRODUÇÃO A Administração pública, para prosseguir a sua actividade, poderá servir-se de coisas próprias, quer de domínio público, quer de domínio privado 1, consoante se trate de bens submetidos a um regime de direito público ou a um regime de direito civil 2. Os bens qualificadamente públicos gozam, pois, de um estatuto jurídico de dominialidade diferente dos demais bens 3, no pressuposto de que são indispensáveis à satisfação de necessidades colectivas 4. Todavia, esta sua essencialidade em Direito administrativo não lhes garantiu um tratamento legislativo global e integrado 5, inexistindo actualmente um diploma nacional donde conste o elenco da totalidade dos bens de domínio público, o que origina inúmeras questões a propósito de quais os bens qualificados como dominiais. O intérprete, na tarefa de identificação dos bens de domínio público, tem-no feito por recurso às indicações normativas vigentes 6, constantes do nº1 do art. 84º da CRP 7, do Decreto-Lei nº477/80, de 15 de Outubro 8, e dos demais diplomas que sobre eles se debruçam. 1 Assim, DIOGO FREITAS DO AMARAL, A Utilização do Domínio público pelos Particulares, Editora Juriscredi, São Paulo, 1972, página 13; MARCELLO CAETANO, Manual de Direito Administrativo, 9ª Edição, Tomo II, Livraria Almedina, Coimbra, 1980, p Sobre a distinção entre domínio público e domínio privado, vide, ANA RAQUEL MONIZ, O Domínio Público O Critério e o Regime Jurídico da Dominialidade, Almedina, Coimbra, Setembro de 2006, pp. 158 e ss.. 3 Neste sentido, J.J. GOMES CANOTILHO/VITAL MOREIRA, Constituição da República Portuguesa Anotada, 3ºedição, Coimbra Editora, 1993, a propósito da anotação do artigo 84º com a epígrafe Domínio público, p. 411; As coisas sujeitas ao estatuto jurídico da dominialidade, estão fora do comércio jurídico privado, o que significa serem insusceptíveis de redução à propriedade particular, inalienáveis, imprescritíveis, impenhoráveis e não oneráveis pelos modos do direito privado, enquanto coisas públicas, Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo de Posição perfilhada por MARCELLO CAETANO, Manual, cit., páginas 881 ss.; DIOGO FREITAS DO AMARAL /JOSÉ PEDRO FERNANDES, Comentário à Lei dos Terrenos do Domínio Hídrico, Coimbra Editora, 1978, p É o que resulta da Exposição de motivos da Proposta de Lei nº 457/2008, p. 2, que pretendia estabelecer a definição e o regime geral dos bens de domínio público do Estado, das regiões autónomas e das autarquias locais, com o alcance do nº2 do art. 84º da Constituição da República Portuguesa, a lei define quais os bens que integram o domínio público do Estado, o domínio público das regiões autónomas e o domínio público das autarquias locais, bem como o seu regime, condições de utilização e limites. 6 ANA RAQUEL MONIZ, O Domínio Público, cit., p Pertencem ao domínio público: a) As águas territoriais com os seus leitos e os fundos marinhos contíguos, bem como os lagos, lagoas e cursos de água navegáveis ou flutuáveis, com os respectivos leitos; b) As camadas aéreas superiores ao território acima do limite reconhecido ao proprietário ou superficiário; c) Os jazigos minerais, as nascentes de águas mineromedicinais, as cavidades naturais subterrâneas existentes no subsolo, com excepção das rochas, terras comuns e outros materiais habitualmente usados na construção; d) As estradas; e) As linhas férreas nacionais. 8 Ora, do seu art. 4º, constam bens integrantes do domínio público não previstos no elenco do nº1 do art. 84º da CRP, como sejam, as barragens de utilidade pública, os portos artificiais e docas, os aeroportos e 4

6 Cumpre, então, interrogar se, do preceituado no n.º1 do artigo 38º do Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos 9, a obra cai no dominio público quanto tiverem decorridos os prazos de protecção estabelecidos neste diploma, e no n.º4 do artigo 207º do Código da Propriedade Industrial, que consagra que os desenhos ou modelos revertem para o domínio público no termo da validade do registo inicial, se estas alusões textuais poderão levar-nos a supor que estes bens relevam numa óptica de domínio público, ainda mais atendendo às funções associadas à propriedade intelectual de satisfação das necessidades de produção e difusão de conhecimento literário, artístico, científico, tecnológico e industrial. Fica, assim, traçado o problema dogmático com que nos defrontámos, e que nos obriga a um esforço de interpretação de resposta 10. Por agora, não vamos desvendar a nossa posição, ficando essa para uma etapa posterior deste trabalho; o que não nos impede de deixar algumas notas de forma a fazermos luz sobre a sua estruturação. Optámos por desenhar este trabalho em três partes: a Parte I relativa ao domínio público intelectual e à sua estrutura funcional e material; a Parte II que se debruça sobre a titularidade do domínio público intelectual, e, por último, a Parte III, relativa ao regime de utilização do domínio público intelectual. aeródromos de interesse público, as obras e instalações militares, as zonas territoriais reservadas para a defesa militar, os navios da armada, as aeronaves militares e os carros de combate, os cabos submarinos e as obras, canalizações e redes de distribuição pública de energia eléctrica e os palácios, monumentos, museus, bibliotecas, arquivos e teatros nacionais, bem como os palácios escolhidos pelo Chefe de Estado para a Secretaria da Presidência e para a sua residência e das pessoas da sua família. 9 Também o nº2 do art. 39º e o nº2 do art. 51º do CDADC utilizam a referência textual de domínio público. 10 Não pretendemos proceder ao estudo exaustivo da disciplina jurídico-material dos bens de domínio público, para esse efeito reencaminharemos para a pertinente bibliografia. 5

7 PARTE I DOMÍNIO PÚBLICO INTELECTUAL E A SUA ESTRUTURA FUNCIONAL E MATERIAL Só atendendo numa primeira linha de interpretação à estrutura funcional e material dos bens intelectuais, face aos demais bens de domínio público, poder-se-á trilhar a resposta à questão a que nos propusemos responder. Mesmo face à maleabilidade que o legislador constitucional atribuiu ao legislador comum quanto à qualificação dos bens de domínio público 11, exige-se uma conexão relevante 12 entre os bens em causa e as funções associadas aos bens de domínio público. É a existência dessa conexão que pretendemos aqui provar. 1. Propriedade intelectual Por razões de ordem metodológica vamos antes de mais tecer breves considerações sobre os direitos de propriedade intelectual. Pareceu-nos desadequado não tecer qualquer tipo de considerações sobre a sua composição. Comecemos então. Os direitos de propriedade intelectual são protegidos em quase todos os países. É comum identificar a propriedade intelectual como um ramo de direito privado, composto pelos direitos autorais e conexos e pela propriedade industrial, de características diversas entre si 13 e sujeitos a legislação distinta. a) Direitos autorais e conexos 14 O direito de autor pertence 15 ao criador intelectual de obra original e abrange direitos de carácter patrimonial e direitos de natureza pessoal, denominados direitos morais. No exercício dos direitos de carácter patrimonial, o autor tem o direito 11 É a alínea f) do nº1 do art. 84º da CRP que atribui liberdade de conformação ao legislador de qualificar outros bens ali não constantes como de domínio público. 12 J.J. GOMES CANOTILHO/VITAL MOREIRA, Constituição, cit., a propósito da anotação do artigo 84º, p Para LUÍS M. COUTO GONÇALVES, Manual de Direito Industrial: Patentes, Marcas, Concorrência Desleal, Almedina, Novembro de 2005, A obra autoral é diferente da criação industrial quanto ao modo de nascimento do respectivo direito (criação/registo), quanto ao conteúdo do direito (personalista/patrimonialista) e quanto aos requisitos de validade do objecto (originalidade/aplicação industrial), p Os direitos conexos encontram-se regulados no Título III do CDADC. 15 O facto constitutivo do direito de autor consistirá apenas na criação de obra, independentemente de qualquer registo, ou outra formalidade, art. 12º do CDADC. 6

8 exclusivo de dispor da sua obra e de fruí-la e utilizá-la, ou autorizar a sua fruição ou utilização por terceiro, total ou parcialmente 16. Independentemente dos direitos patrimoniais, e mesmo depois da transmissão ou extinção destes, o autor goza de direitos morais, designadamente o direito de reivindicar a respectiva paternidade e assegurar a sua genuinidade e integridade 17. b) Propriedade Industrial 18 Do lado das criações industriais encontra-se o desenho ou modelo 19, que corresponde a um direito que protege a aparência da totalidade ou de uma parte de um produto 20. O registo 21 de um desenho ou modelo 22 confere ao seu titular 23 o direito exclusivo de o utilizar e de proibir a sua utilização por terceiros sem o seu consentimento Interesse público da Propriedade Intelectual Não obstante da natureza privatística deste ramo do Direito, a atribuição de económicos exclusivos aos criadores intelectuais é fundada na necessidade de satisfazer fins de interesse público. Poderá o leitor interrogar-se de que forma estes se conciliarão, mas a resposta é bem mais simples do que aparenta. Os direitos de propriedade intelectual remuneram o criativo intelectual. Veja-se, também, que simultaneamente são dirigidos à produção e divulgação de conhecimento literário, artístico, científico, tecnológico e industrial, traduzindo inquestionavelmente a satisfação de necessidades colectivas a satisfação de 16 No que se compreendem, nomeadamente, as faculdades de a divulgar, publicar e explorar economicamente, nº1 do art. 67º do CDADC. 17 É o que resulta da leitura conjunta dos arts. 9º, 11º e 12º do CDADC. 18 Os direitos de propriedade industrial encontram-se regulados no Título II do CPI. 19 O Regulamento (CE) n.º6/2002 do Conselho, de 12 de Dezembro de 2001, institui nos arts. 11º e 12º, duas categorias distintas de desenhos ou modelos. Trataremos apenas da segunda categoria, que é a prevista no CPI. 20 Quer de manufactura industrial, quer de artesanato, nº1 do art. 174º do CPI. 21 A forma do pedido de registo é regulamentada pelo art. 184º do CPI. 22 Apenas gozam de protecção legal os desenhos ou modelos que tenham carácter singular, nº1 do art. 176º e art. 178º do CPI. 23 ANTÓNIO CAMPINOS /LUÍS COUTO GONÇALVES consideram que a regra é que o direito ao registo pertence ao criador do desenho ou modelo, mas pode o criador aplicar a sua actividade por conta de outrem, que fica sendo o sujeito originário do direito sobre o desenho ou modelo, Código da Propriedade Industrial Anotado, Almedina, 2010, a propósito da anotação ao art. 181º, p A utilização aqui referida abrange, o fabrico, a oferta, a colocação no mercado, a importação, a exportação ou a utilização de um produto em que esse desenho ou modelo foi incorporado, nº1 e nº2 do art. 203º do CPI. 7

9 necessidades humanas. Daí, ser legítimo questionar-se se a atribuição de exclusivos aos criadores intelectuais será a melhor forma de satisfazer o interesse público. Parece que sim. A criação destes exclusivos comerciais e industriais é justificável, já que proporciona a disseminação da produção e divulgação de conhecimentos, que de outra forma não seriam produzidos 25. Contudo, não se poderá impedir perpetuamente que terceiros utilizem comercialmente o conhecimento protegido por estes exclusivos, impossibilitando-os do exercício do seu direito à liberdade de criação intelectual, artística, científica e industrial, constitucionalmente protegida pelo nº1 do art. 42º da CRP. O exclusivo legitimamente atribuído aos titulares intelectuais deverá, então, estar limitado ao mínimo justificável ao desempenho das suas funções, compatibilizando-se com as demais normas constitucionais 26. Deste modo, resulta que os direitos de propriedade intelectual sejam de índole temporária e não perpétua. São, portanto, circunstâncias de interesse público que, por um lado, criam exclusivos, e, por outro, os tornam temporários. 3. Estrutura funcional intelectual É incontestável que a propriedade intelectual releva numa perspectiva de direito público-constitucional. Já não tão linear será a questão relativa à sua relevância numa perspectiva público-administrativista dominial. É atendendo à função da propriedade intelectual e à sua particular utilidade de promoção cultural e económica para todos os membros da comunidade, que a lei determina que ao fim de um certo período de tempo se extingam os direitos exclusivos que sobre eles incidiam, e a colectividade passe a exercer a sua liberdade de comércio. 25 Neste sentido, J.P. REMÉDIO SANTOS, «Propriedade Intelectual e Interesse Público», in: Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, volume 79, 2003, pp. 298 e ss.. Também CARMEN FERNÁNDEZ RODRÍGUEZ, el otorgamiento de le concesión incide en la garantía de esse interés que es el fomento y incentivo de la actividade investigadora industrial, ya que el investigador es consciente que obteniendo la concesión del derechos de uso sobre su invención se beneficia economicamente de la misma a través de sua explotación exclusiva, «Aproximación al concepto de Dominio Publico inmaterial en los derechos sobre invenciones y creaciones», in: Revista de Administración Pública, nº146, Mayo-Agosto, Madrid, 1998, p Como com o artigo 78º da CRP com a epígrafe Fruição e criação cultural que dispõe que todos têm o direito à fruição e criação cultural, bem como o dever de preservar, defender e valorizar o património cultural. Sobre este artigo, JORGE MIRANDA/RUI MEDEIROS, Constituição da República Portuguesa Anotada, Tomo 1, 2ªEdição, Wolters Kluwer Portugal sob a marca Coimbra Editora, Maio 2010, p

10 Não surgirão dúvidas que a categoria de bens intelectuais é apta a satisfazer utilidades, mas para que os bens intelectuais sejam relevantes numa perspectiva de utilidade dominial, não bastará essa aptidão global. Exige-se a sua relevância numa perspectiva de primordial sobrevivência material e espiritual da Nação 27. a) Obras Veja-se que, quanto às obras literárias, artísticas e científicas, estas integram o património de uma Nação. Sendo indispensáveis na expressão cultural de um povo, exercendo uma função espiritual cujo benefício se estende a toda a humanidade, se perpetua no tempo e condiciona essencialmente a marcha da civilização 28, parece-nos que as obras têm interesse primordial em domínio cultural, para beneficiar de estatuto dominial. Há, então, uma conexão relevante entre a função da obra e as funções associadas aos bens de domínio público cultural. Claro está que não serão vitais para a sobrevivência funcional e material da Nação, como o serão os bens de domínio público infra-estrutural e militar 29. b) Desenhos ou modelos As funções ligadas aos desenhos e modelos reconduzem-se hoje a utilidades ligadas à actividade das empresas que actuam em regime concorrencial, que protegem os interesses de afirmação das empresas no mercado pela atribuição de direitos exclusivos industriais. São esses exclusivos que impedem a incorporação no mercado de um produto por outra empresa que comporte o desenho ou modelo protegido. Em bom rigor, trata-se de um direito que protege a aparência de um produto, tornando-o mais atractivo para o consumidor final 30. Que os desenhos ou modelos relevam como utilidade de marketing, promovendo a economia, é inquestionável, apesar 27 JOSÉ PEDRO FERNANDES defende que o que justifica e existência do instituto do domínio público é a necessidade de conferir uma protecção jurídica especial a certas coisas, por se considerar, terem elas uma primordial utilidade pública, «Domínio Público» in: Dicionário Jurídico da Administração Pública, vol. IV, Lisboa, 1991, pp. 174 e ss.. 28 Tal como se declara na Carta do Direito de Autor aprovada em 1956 pela Confederação Internacional das Sociedades de Autores e Compositores. 29 ANA RAQUEL MONIZ, numa perspectiva que atende à estrutura material e funcional dos bens em causa, sistematizou a qualificação dos bens públicos dominiais em várias categorias, sendo uma delas o domínio público cultural, O Domínio Público, cit., pp. 167 e ss.. 30 Sobre esta matéria, ANTÓNIO CAMPINOS/LUÍS COUTO GONÇALVES, Código, cit., pp. 352 e ss.. 9

11 de não se confundir com uma lógica de relevância para a sobrevivência material e espiritual de uma Nação. 4. Estrutura material intelectual Atrás defendemos que as obras comportam uma função substantivamente análoga à que comportam os demais bens de domínio público. Pela enumeração dos bens de domínio público constante do art. 4º do Decreto- Lei nº477/80, é perceptível que se incluem bens cujo processo de criação resulta de fenómenos naturais as águas territoriais com os seus leitos, as águas marítimas interiores com os seus leitos e margens e a plataforma continental, e os lagos, lagoas e cursos de água navegáveis ou flutuáveis com os respectivos leitos e margens, alíneas a) e b) respectivamente, e bens cujo processo de criação é uma consequência da intervenção do Homem - as obras e instalações militares, bem como os navios da armada, as aeronaves militares e os carros de combate, alíneas i) e j) respectivamente. Factor comum entre os bens de domínio público enumerados no nº1 do art. 84º da CRP, no art. 4º do Decreto-Lei nº477/80, e nos demais diplomas avulsos que sobre eles se debruçam, é a consistência corpórea que os compõe, não obstante atenderem a distintas estruturas materiais. Sendo as obras produto do intelecto e capacidade criativa do Homem, são desnecessárias quaisquer considerações adicionais quanto ao seu processo de criação; é, sim, necessária uma ponderação sobre a sua consistência material. Na verdade, as obras não comportam uma consistência material análoga relativamente aos demais bens de domínio público. A obra é um bem imaterial, intangível e impalpável, que corresponde ao produto intelectual no campo das letras, artes ou ciências, exteriorizado sob forma apreensível pelos sentidos, mas que ganha autonomia face aos meios que a sensibilizam ou exteriorizam É o que resulta da letra do nº3 do art. 1 do CDADC, já que a obra é independente da sua divulgação, publicação, utilização ou exploração, o que significa que a obra protegida corresponde a ideações da mente que não se confundem com o suporte sensível dessas mesmas ideações. V. a anotação ao art. 1º de LUIZ FRANCISCO REBELLO, Código do Direito de Autor e dos Direitos Conexos Anotado, 3ªEdição, Âncora Editora, Dezembro de 2002, pp. 29 e ss.. 10

12 Não nos parece que, face à livre margem de conformação quanto à qualificação dominial por parte do legislador ordinário, isso possa afastar a imaterialidade da obra do património dominial do Estado, excluindo a configuração de uma nova categoria de dominio público, a intelectual. 11

13 PARTE II DOMÍNIO PÚBLICO INTELECTUAL E SUA TITULARIDADE Um dos traços jurídico-normativos do regime dominial é a propriedade pública das coisas públicas 32. Este trabalho não pode prescindir da consideração sobre a titularidade da obra. O nº2 do art. 84º da CRP individualiza o Estado, as regiões autónomas e as autarquias locais como as pessoas colectivas públicas que podem ser titulares de bens de domínio público. Decorridos os prazos de protecção a favor do autor, se ao Estado, às regiões autónomas ou às autarquias locais não corresponder a titularidade da obra, isso originará um impedimento quanto à sua integração no elenco de bens de domínio público, e por conseguinte, implicará uma resposta negativa à questão colocada a propósito deste trabalho. 1. A propriedade intelectual Antes de entrarmos na análise da titularidade do domínio público intelectual, debruçarmo-nos-emos sobre a natureza jurídica dos exlusivos intelectuais na titularidade dos criadores intelectuais, de forma a aclarar a sua titularidade aquando da sua extinção. Cremos valer a pena dedicar algumas páginas a este assunto, que é fundamental no tema objecto deste trabalho. Cabe-nos questionar se a propriedade intelectual se assemelha, ou não, às demais propriedades. Não existem dúvidas que confere ao seu titular um direito absoluto, exercido erga omnes. Mas a propriedade intelectual, face às demais propriedades, incide sobre um bem imaterial dissemelhante. Também estes bens fogem à perpetuidade da propriedade, já que, chegado o final do prazo de protecção legal, o bem intelectual ingressará em domínio público. Já não ingressarão em domínio público os direitos morais autorais, já que estes não se extinguem, mesmo após o decurso do prazo de protecção. Os direitos morais conferem ao autor um vínculo indissolúvel com a obra, sem paralelo na propriedade de bens materiais. Há, então, dissemelhanças entre a propriedade intelectual e as demais 32 Esta é a posição que reúne maior consenso doutrinário, já que têm surgido variadas teorias que dizem respeito a esta questão, há quem defenda que as coisas públicas não pertencem a ninguém, ou quem defenda que as coisas públicas são objecto do direito de propriedade clássico e tradicional da Administração, para uma leitura mais aprofundada sobre o tema, JOSÉ PEDRO FERNANDES, Domínio, cit., pp. 171 e ss.. 12

14 propriedades 33. Não obstante, prevalece a orientação legal 34 de que a propriedade intelectual é propriedade. De natureza especial 35, mas propriedade. A questão não é pacífica A propriedade nos direitos autorais A positivação do direito autoral parece ser fundada no direito de propriedade ao comportar as faculdades de usar, fruir e dispor. Também é claro que o direito de autor é uma situação jurídica subjectiva. São direitos absolutos, sem que com isso signifique que sejam direitos reais. São direitos patrimoniais de exclusivo, cujo objecto específico se traduz na proibição de outros explorarem coisa sua, em virtude dessa coisa só ao titular estar reservada a explorar. As faculdades de usar e fruir ali consagradas, nada mais correspondem do que ao poder de exploração económica exclusiva. Não são diferentes dos poderes conferidos a qualquer um, com a diferença que os outros indivíduos não a podem utilizar e fruir economicamente. Não nos esqueçamos do direito de utilizar e fruir a obra que cada particular tem a partir do momento da sua divulgação: todos podemos recitar alegremente um poema de um autor. A natureza real dos direitos depreende-se da exclusividade reconhecida ao proprietário de gozar plena e exclusivamente das faculdades de usar e fruir. Um direito que não outorga sobre a obra poderes diversos de gozar e fruir dos que cabem a qualquer pessoa, dificilmente é um direito real Sobre estas dissemelhanças, SÉRGIO BRANCO, O domínio público no direito autoral brasileiro Uma obra em domínio público, pp. 25 e ss., disponível em 34 A inserção sistemática do art. 1303º do Código Civil relativo à propriedade intelectual num capítulo relativo à propriedade em geral parece um índice de como o legislador pretendeu resolver o problema quanto à natureza jurídica dos direitos que compõem a propriedade intelectual. Sabemos quão polémica é por vezes a intervenção do legislador a nível da dogmática jurídica. Certo é que a propriedade intelectual foge, no tocante ao seu objecto, aos princípios da propriedade em geral, sendo por isso afastada do regime da propriedade do C.C. 35 É o art. 1302º do C.C. que desde logo afasta as coisas incorpóreas da disciplina do direito de propriedade regulado neste Código. 36 Neste sentido, OLIVEIRA ASCENSÃO, em sentido contrário, PIRES DE LIMA/ANTUNES VARELA/HENRIQUE MESQUITA a propósito da anotação do art. 1303º do Código Civil Anotado, vol. III, Coimbra Editora, 1987, pp. 86 e ss.. 13

15 1.2.Direitos autorais morais Já os direitos morais do autor, irrenunciáveis, intransmissíveis e imprescritíveis, são uma emanação da sua personalidade. São, então, direitos pessoais, que existem em função do vínculo indissolúvel entre autor e obra A insusceptibilidade de apropriação das obras caídas em domínio público A razão que afasta a obra intelectual caída em domínio público dos restantes bens de domínio público é a insusceptibilidade de apropriação real da primeira. O que não se confunde com a susceptibilidade de apropriação real dos meios materiais que a sensibilizam ou exteriorizam. Serão de domínio público as compilações materiais de poemas de uma biblioteca nacional, mas já não o serão os poemas, em si mesmo considerados, enquanto produto intelectual imaterial. O Estado, as regiões autónomas e as autarquias locais apenas poderão ser proprietários do corpus mechanicum. A nosso ver surge, portanto, um impedimento quanto à integração das obras no elenco de bens dominiais. 37 A sua protecção não cessa com a queda da obra no domínio público, sendo ao Estado que compete exercê-lo, através do (ex) Ministério da Cultura, nº2 ao art. 57º do CDADC. 14

16 PARTE III O DOMÍNIO PÚBLICO INTELECTUAL E O SEU REGIME DE UTILIZAÇÃO 1. Natureza jurídica do domínio público intelectual O domínio público intelectual é o campo jurídico oposto ao dos direitos exclusivos dos criadores intelectuais. Com efeito, numa aproximação inicial de domínio público, expirados os prazos de protecção previstos a favor dos seus titulares e sucessores, as obras caídas em domínio público passam a ser utilizadas gratuitamente por toda a comunidade, independentemente de autorização pelos primeiros. Assim, todos temos o direito de as explorar comercialmente. Não é um direito de todos conjuntamente, mas um direito que pertence a cada um. O seu uso comercial por um membro da comunidade não priva o uso comercial pelos demais. Todos temos exactamente as mesmas possibilidades de utilização. Existem, então, na esfera dos particulares, direitos não exclusivos, que são comuns a toda a colectividade. Chamamos a atenção para que esta titularidade pela comunidade do domínio público não se confunde com a titularidade real de cada um. É como que uma titularidade pertencente à comunidade e não a qualquer outra entidade. 2. Regime de utilização do domínio público intelectual É atendendo à função social dos bens intelectuais para todos os membros da sociedade que a lei determina que ao fim de certo período de tempo se extingam os direitos exclusivos que sobre eles incidiam e a colectividade passe a exercer os seus direitos sem qualquer limitação. O usuário poderá fazer com eles o que entender: poderá copiá-los, reeditá-los, traduzi-los ou adaptá-los para uso comercial, auferindo lucros com esse uso. De facto nada exclui que as obras e os desenhos ou modelos em domínio público possam ser explorados economicamente, tanto na sua versão originária, como nas suas versões derivadas. A versão original serve de matéria-prima para as que dela derivam, 15

17 estimulando-se a criação intelectual 38. Vemos, então, que o domínio público intelectual é objecto de uso comum 39 e que se destina à satisfação imediata e directa da necessidade pública de conhecimento intelectual Domínio público intelectual não remunerado No quadro legal actualmente em vigor a utilização ou publicação com fins lucrativos de uma obra nacional caída em domínio público não comporta o pagamento de qualquer contrapartida. Nem ao Estado, nem ao autor. Certo é que o seu regime de utilização pressupõe fiscalização administrativa, que se reportará à protecção da paternidade, genuinidade e integridade das obras caídas em domínio público 40. A administração e o policiamento dos direitos morais do autor estão legalmente entregues a entes públicos, e consequentemente sujeitos à disciplina jurídicaadministrativa geral. 38 A ampla difusão de obras e desenhos ou modelos em domínio público pode ter como consequência maior acesso à cultura e à informação, promovendo o desenvolvimento educacional, social, cultural, científico e económico do país. 39 Similarmente ao modelo de utilização comum dos bens de domínio público, DIOGO FREITAS DO AMARAL, A Utilização, cit., p V. o nº2 do art. 57º do CDADC. 16

18 NOTAS FINAIS No percurso de resposta à questão a que nos propusemos, cruzámos matérias públicas e privadas, abordámos questões de Direito constitucional, Direito administrativo e Direito da propriedade intelectual, cuja junção poderá ter apanhado desprevenido o leitor. Não pretendemos que tal cruzamento cause qualquer distracção quanto à inclinação da posição adoptada, por isso optámos neste momento por elaborar algumas notas finais quanto ao domínio público intelectual. (i) O domínio público intelectual na legislação autoral e industrial carece do significado técnico-jurídico que lhe parece pertencer em Direito Administrativo. (ii) Não obstante, não nos competirá propor outra terminologia para o designar, já que é também utilizada a nível da regulamentação internacional dos direitos de propriedade intelectual. (iii) Apesar da sua positivação internacional, o tratamento do domínio público intelectual tem caído em esquecimento. O que levou em 2007 a Organização Mundial da Propriedade Intelectual a adoptar variadas recomendações no sentido dos seus Estados-Membros estabelecerem um sistema de domínio público acessível, motivando a adopção de estruturas que permitam que qualquer particular não nacional possa também utilizar economicamente os bens de domínio público intelectual nacional. (iv) Após o decurso dos prazos de protecção, sobre os bens de domínio público intelectual não incidirão quaisquer restrições de uso, a não ser o respeito pela paternidade, genuinidade e integridade das obras caídas nesse domínio, cuja defesa exercerá o Estado, através dos organismos públicos que tutelam a área da cultura. (v) A sua utilização inalienável e imprescritível destina-se, realce-se, ao uso comum da colectividade, não suportando usos privativos. (vi) Verifica-se, pois, que entre os bens do domínio público intelectual e os do instituto do domínio público há conexões relevantes, como se demonstrou, mas os primeiros são insusceptíveis de apropriação pública pelo Estado, regiões autónomas e autarquias locais no sentido de que são de titularidade comum. 17

19 (vii) Esta titularidade comum é exercida para a produção da máxima utilidade pública intelectual para a comunidade. 18

20 BIBLIOGRAFIA AMARAL, Diogo Freitas do, A Utilização do Domínio público pelos Particulares, Editora Juriscredi, São Paulo, 1972., Curso de Direito Administrativo, vol. I, 2ªEd., Almedina, Coimbra, 2002., Curso de Direito Administrativo, vol. II, Almedina, Coimbra, AMARAL, Diogo Freitas do/ FERNANDES, José Pedro, Comentário à Lei dos Terrenos do Domínio Hídrico, Coimbra Editora, Coimbra, ASCENSÃO, José de Oliveira, Lições de Direito Comercial Direito Industrial, Lisboa, AAFDL, 1988., Direito de Autor e Direitos Conexos, Coimbra Editora, 1992., Direito Civil Reais, 5ªEd., Coimbra, Coimbra Editora, 1993., Concorrência Desleal, Coimbra, Almedina, AZEVEDO, Bernardo, Servidão de Direito Público, Coimbra Editora, Coimbra, BERMEJO VERA, José, Derecho Administrativo Parte Especial, 2ªEd., Civitas, Madrid, CAETANO, Marcello, Manual de Direito Administrativo, 9ª Edição, Tomo II, Almedina, Coimbra, CAMPINOS, António / GONÇALVES, Luís Couto, Código da Propriedade Industrial Anotado, Almedina, CANOTILHO, José Joaquim Gomes/MOREIRA, Vital, Constituição da República Portuguesa Anotada, 3ªEd., Coimbra Editora, CORDEIRO, António Menezes, Direitos Reais, Lisboa, Lex,

O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS. Cláudia Trabuco

O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS. Cláudia Trabuco O DIREITO DE AUTOR E A DISPONIBILIZAÇÃO DE OBRAS AO PÚBLICO ATRAVÉS DAS REDES DIGITAIS Cláudia Trabuco Centro Português de Fotografia, Porto, 30.10.2007 Plano da exposição 1. Direitos de autor e direitos

Leia mais

NOTA JURÍDICA. corresponde a 343,28. Consequentemente, o valor referido no artigo em apreço equivale a mil vezes o dito índice 100, ou seja, 343.280.

NOTA JURÍDICA. corresponde a 343,28. Consequentemente, o valor referido no artigo em apreço equivale a mil vezes o dito índice 100, ou seja, 343.280. NOTA JURÍDICA 1) A MULTICENCO ESTABELECIMENTOS COMERCIAIS, S.A., ora CONSULENTE, solicitou esclarecimentos sobre a seguinte questão: a celebração, entre a CONSULENTE e o MUNICÍPIO DE SETÚBAL, de contrato

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO

DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO DECRETO-LEI Nº 122/2000, DE 4 DE JULHO O presente diploma transpõe para a ordem jurídica interna a directiva do Parlamento Europeu e do Conselho nº 96/9/CE, de 11 de Março, relativa à protecção jurídica

Leia mais

SEMINÁRIO DIREITO DE AUTOR E BIBLIOTECAS

SEMINÁRIO DIREITO DE AUTOR E BIBLIOTECAS SEMINÁRIO DIREITO DE AUTOR E BIBLIOTECAS Enquadramento jus-autoral dos serviços das bibliotecas Cláudia Trabuco FDUNL, 29.05.2007 Plano da exposição 1. Direitos de autor e direitos conexos mais relevantes

Leia mais

Parecer n.º 157/2010 Data: 2010.06.16 Processo n.º 252/2010 Entidade consulente: Universidade do Porto - Reitoria

Parecer n.º 157/2010 Data: 2010.06.16 Processo n.º 252/2010 Entidade consulente: Universidade do Porto - Reitoria Parecer n.º 157/2010 Data: 2010.06.16 Processo n.º 252/2010 Entidade consulente: Universidade do Porto - Reitoria I - Factos e pedido A Universidade do Porto (UP), através de Lígia Maria Ribeiro, Pró-Reitora

Leia mais

Bens do domínio público e bens culturais: regime actual e proposta de lei

Bens do domínio público e bens culturais: regime actual e proposta de lei Disciplina: Instrumentos de Protecção do Património em Portugal Professor: Prof. Paulo Pereira Aluna: Maria João Monteiro Torres da Silva (mjtorresilva at sapo.pt) 2.º Semestre Bens do domínio público

Leia mais

2 - Aos programas de computador que tiverem carácter criativo é atribuída protecção análoga à conferida às obras literárias.

2 - Aos programas de computador que tiverem carácter criativo é atribuída protecção análoga à conferida às obras literárias. PROTECÇÃO JURÍDICA DE PROGRAMAS DE COMPUTADOR - DL n.º 252/94, de 20 de Outubro Contém as seguintes alterações: - Rectif. n.º 2-A/95, de 31 de Janeiro - DL n.º 334/97, de 27 de Novembro O presente diploma

Leia mais

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17)

M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa e comparativa. (JO L 250 de 19.9.1984, p. 17) 1984L0450 PT 12.06.2005 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B M1 DIRECTIVA DO CONSELHO de 10 de Setembro de 1984 relativa à publicidade enganosa

Leia mais

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES.

ACORDO SOBRE PRIVILÉGIOS E IMUNIDADES CELEBRADO ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA PORTUGUESA E A ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA AS MIGRAÇÕES. Resolução da Assembleia da República n.º 30/98 Acordo sobre Privilégios e Imunidades Celebrado entre o Governo da República Portuguesa e a Organização Internacional para as Migrações, assinado em Lisboa

Leia mais

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO

CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO c E v I CURSO DE EMPREENDEDORISMO E VALORIZAÇÃO DA INVESTIGAÇÃO MÓDULO: Ideia Empresarial/Protecção da Ideia José Paulo Rainho Coordenador do UAtec Universidade de Aveiro Curso de Empreendedorismo e Valorização

Leia mais

Faculdade Nova de Direito. Análise Económica do Direito. Regente da Disciplina: António José Morgado. Autoria: Catarina Romão.

Faculdade Nova de Direito. Análise Económica do Direito. Regente da Disciplina: António José Morgado. Autoria: Catarina Romão. Faculdade Nova de Direito Análise Económica do Direito Regente da Disciplina: António José Morgado Autoria: Catarina Romão Aluna nº 002463 2º Ano, 2º semestre do 1ºciclo de licenciatura Índice Introdução.1

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITOS REAIS Ano Lectivo 2015/2016

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITOS REAIS Ano Lectivo 2015/2016 Programa da Unidade Curricular DIREITOS REAIS Ano Lectivo 2015/2016 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITOS REAIS (02322) 5. Área Científica

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular: DIREITO CONSTITUCIONAL

Ficha de Unidade Curricular (FUC) Unidade Curricular: DIREITO CONSTITUCIONAL INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA INSTITUTO SUPERIOR DE CONTABILIDADE E ADMINISTRAÇÃO DE COIMBRA Parecer do Conselho Técnico-Científico / / Parecer do Conselho Pedagógico / / Ficha de Unidade Curricular

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni

DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS. Guilherme Carboni DIREITOS AUTORAIS EM ESPAÇOS DIGITAIS Guilherme Carboni I. CRIAÇÕES INTELECTUAIS PROTEGIDAS PELA PROPRIEDADE INTELECTUAL Campo da Técnica Campo da Técnica Campo Estético Campo Estético Propriedade Industrial

Leia mais

ASSEMBLEIA DO POVO. Lei n.º 19/91 De 25 de Maio

ASSEMBLEIA DO POVO. Lei n.º 19/91 De 25 de Maio ASSEMBLEIA DO POVO Lei n.º 19/91 De 25 de Maio A grande maioria dos imóveis existentes no país constitui propriedade estatal, quer por reversão, ao abrigo do artigo 1.º, n.º 1 da Lei n.º 43/76, de 19 de

Leia mais

PROTECÇÃO DAS MARCAS, PARA DEFESA DAS EMPRESAS ÍNDICE. Introdução. Terminologia e informações úteis

PROTECÇÃO DAS MARCAS, PARA DEFESA DAS EMPRESAS ÍNDICE. Introdução. Terminologia e informações úteis ÍNDICE Introdução Terminologia e informações úteis Recomendações para ajudar a prevenir a prática de actos ilegais Contactos úteis Diplomas legais mais relevantes 1/7 Introdução A protecção da propriedade

Leia mais

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE

circular ifdr Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública SÍNTESE: ÍNDICE N.º 01/2008 Data: 2008/07/16 Noção de Organismo de Direito Público para efeitos do cálculo de despesa pública Elaborada por: Núcleo de Apoio Jurídico e Contencioso e Unidade de Certificação SÍNTESE: A

Leia mais

As E.P.E. S do Sector da Saúde:

As E.P.E. S do Sector da Saúde: As E.P.E. S do Sector da Saúde: A) O que são. B) A função que desempenham. C) O Sector Público de que não fazem parte. D) Onde estão integradas. E) Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas. F) Síntese.

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA. Preâmbulo

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA. Preâmbulo REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Preâmbulo Tendo em conta que a UFP: É titulada pela Fundação Ensino e Cultura Fernando Pessoa, sua entidade Instituidora e a quem

Leia mais

Revista Jurídica Digital. ISSN 2182-6242 Ano 2 N.º 03 Fevereiro 2015

Revista Jurídica Digital. ISSN 2182-6242 Ano 2 N.º 03 Fevereiro 2015 Data enia Revista Jurídica Digital ISSN 2182-6242 Ano 2 N.º 03 Fevereiro 2015 Revista Jurídica Digital Publicação gratuita em formato digital Periodicidade semestral ISSN 2182-8242 Ano 2 N.º 03 Publicado

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO I

DIREITO ADMINISTRATIVO I UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE DIREITO DIREITO ADMINISTRATIVO I 2.º Ano Turma B PROGRAMA DA DISCIPLINA Ano lectivo de 2011/2012 LISBOA 2011 Regente: Prof. Doutor Fausto de Quadros ELEMENTOS DE ESTUDO

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Enquadramento - Concessão do Direito de Construção, Gestão e Exploração Comercial, em Regime de Serviço Público, da Plataforma Logística. Processo:

Leia mais

Direito Do Autor. Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013

Direito Do Autor. Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013 2013 Roberto Fieira e Pedro Faria Escola Básica e Secundaria da Ponta do Sol 03-12-2013 1 ÍNDICE Direitos Do Autor... 2 1-Copyright... 2 Representação do símbolo... 3 Aspectos Jurídicos... 4 1-Reprodução...

Leia mais

Ministério da Administração do Território

Ministério da Administração do Território Ministério da Administração do Território A Lei Da Nacionalidade Lei N.º 01/05 De 01 de Julho Tornando se necessário proceder a alterações das principais regras sobre a atribuição, aquisição e perda da

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 9º; 18º.

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA Artigo: 9º; 18º. Diploma: CIVA Artigo: 9º; 18º. FICHA DOUTRINÁRIA Assunto: Isenções Taxas Direito à dedução - Complexo Desportivo de Município Piscinas municipais, aulas de hidroginástica e de ginástica diversas; prática

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

Pareceres Jurídicos CCDRAlentejo - http://www.ccdr-a.gov.pt

Pareceres Jurídicos CCDRAlentejo - http://www.ccdr-a.gov.pt Título: DOMÍNIO PÚBLICO MUNICIPAL. CONCESSÕES. Data: 24-11-2015 Parecer N.º: 50/2015 Informação N.º: 173-DSAL/2015 Sobre o assunto mencionado em título, solicitou o Município de... a esta Comissão de Coordenação

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO COMERCIAL DA EMPRESA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DIREITO COMERCIAL DA EMPRESA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular DIREITO COMERCIAL DA EMPRESA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Direito (1º Ciclo) 2. Curso Direito 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular DIREITO COMERCIAL

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão da Cultura e da Educação 2007/2253(INI) 7.3.2008 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a concentração e o pluralismo dos meios de comunicação social na União Europeia (2007/2253(INI))

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura Decreto lei n.º 7/03 de 6 de Junho Considerando a criação do Ministério da Cultura através do Decreto Lei n.º 16/02, de 9 de Dezembro; Convindo garantir o seu funcionamento de acordo

Leia mais

Questões sobre a reprodução e utilização não autorizadas. Lisboa, 25 de Fevereiro de 2010

Questões sobre a reprodução e utilização não autorizadas. Lisboa, 25 de Fevereiro de 2010 Questões sobre a reprodução e utilização não autorizadas Lisboa, 25 de Fevereiro de 2010 O que são licenças de utilização? Uma licença de utilização de software é um contrato pelo qual o autor do programa

Leia mais

Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A.

Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A. Processo: R-36/04 Entidade Visada: ANACOM Autoridade Nacional de Comunicações; PT Comunicações, S.A.; EDP Distribuição de Energia, S.A. Assunto: Ordenamento do território servidões administrativas propriedade

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, nomeadamente o terceiro parágrafo do artigo 159º, REGULAMENTO (CE) Nº 1082/2006 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 5 de Julho de 2006 relativo aos agrupamentos europeus de cooperação territorial (AECT) O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA,

Leia mais

VI CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INTELECTUAL 2015 APRESENTAÇÃO DO CURSO PROGRAMA

VI CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INTELECTUAL 2015 APRESENTAÇÃO DO CURSO PROGRAMA VI CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INTELECTUAL 2015 APRESENTAÇÃO DO CURSO A Associação Portuguesa de Direito Intelectual leva a cabo em 2015, em parceria com a Faculdade de Direito da Universidade de

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5 CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5 APRESENTAÇÃO. O presente número dos Cadernos de Sociomuseologia, reúne um conjunto de documentos sobre museologia e património que se encontram dispersos e muitas

Leia mais

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP

Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Proposta de alteração do regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho Posição da CAP Em Geral Na sequência da publicação do novo Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12

Leia mais

carácter intencional ou não intencional da sua violação.

carácter intencional ou não intencional da sua violação. NOVAS MEDIDAS, PROCEDIMENTOS E RECURSOS PARA ASSEGURAR O RESPEITO DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL No passado dia 1 de Abril foi publicado o Decreto-Lei nº 16/2008, que transpôs para a nossa ordem

Leia mais

Programa de Formação para Profissionais

Programa de Formação para Profissionais Programa de Formação para Profissionais 1 O ACESSO À INFORMAÇÃO DE SAÚDE DIREITOS, PROCEDIMENTOS E GARANTIAS Sérgio Pratas smpratas@gmail.com Maio e Junho 2015 2 Programa: 1. O acesso à informação de saúde

Leia mais

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3

ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 ÉTICA E LEGISLAÇÃO PROFISSIONAL MÓDULO 3 Índice 1. Direito Civil - Continuação...3 1.1. Fatos e Atos Jurídicos... 3 1.2. Direito de Propriedade... 3 1.2.1. Propriedade intelectual... 4 1.2.2. Propriedade

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 6/ B / 2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril]

RECOMENDAÇÃO N.º 6/ B / 2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] Número: 6/B/2004 Data: 25-03-2004 Entidade visada: Secretária de Estado da Administração Pública Assunto: Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública. Promoção a técnico superior de 1.ª classe. Processo:

Leia mais

Contrato de Empreitada

Contrato de Empreitada Contrato de Empreitada anotado Artigos 1207.º a 1230.º do Código Civil Legislação Complementar, Jurisprudência e Anotações José António de França Pitão 2011 Errata Contrato de Empreitada autor José António

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo:

FICHA DOUTRINÁRIA. Processo: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: CIVA Artigo: 9º, nº 30 Assunto: Locação de imóveis L201 2006049 - despacho do SDG dos Impostos, em substituição do Director- Geral, em 24-07-07 Conteúdo: 1. A requerente pretende

Leia mais

DIREITOS CONEXOS. António Paulo Santos Advogado especialista em propriedade intelectual Sócio da APSMAR Advogados

DIREITOS CONEXOS. António Paulo Santos Advogado especialista em propriedade intelectual Sócio da APSMAR Advogados DIREITOS CONEXOS António Paulo Santos Advogado especialista em propriedade intelectual Sócio da APSMAR Advogados DIREITOS CONEXOS Origem e fontes dos direitos conexos. Evolução tecnológica; Convenções

Leia mais

V CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INTELECTUAL 2014 APRESENTAÇÃO DO CURSO PROGRAMA

V CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INTELECTUAL 2014 APRESENTAÇÃO DO CURSO PROGRAMA V CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO INTELECTUAL 2014 APRESENTAÇÃO DO CURSO Dando continuidade à atividade de formação encetada há cerca de vinte anos em parceria com a Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

ASSUNTO: Partilha por divórcio art.º 1790.º do Código Civil Impostos.

ASSUNTO: Partilha por divórcio art.º 1790.º do Código Civil Impostos. Proc.º n.º C. N. 20/2009 SJC CT ASSUNTO: Partilha por divórcio art.º 1790.º do Código Civil Impostos. DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO PROBLEMA: O helpdesk do Balcão das Heranças e Divórcios com Partilha colocou

Leia mais

LEI N.º /2007 Lei reguladora do Direito Fundamental de Associação Sindical

LEI N.º /2007 Lei reguladora do Direito Fundamental de Associação Sindical LEI N.º /2007 Lei reguladora do Direito Fundamental de Associação Sindical A Assembleia Legislativa decreta, nos termos conjugados dos artigos 27.º, 36.º, 40.º, 43.º e 71.º alínea 1, da Lei Básica da Região

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX

PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROJECTO DE LEI N.º 414/IX PROCEDE À ADAPTAÇÃO DO CÓDIGO DOS DIREITOS DE AUTOR E DOS DIREITOS CONEXOS ÀS NOVAS REALIDADES CRIADAS PELA SOCIEDADE DE INFORMAÇÃO Exposição de motivos O presente projecto de

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro

Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Lei n.º 66/98 de 14 de Outubro Aprova o estatuto das organizações não governamentais de cooperação para o desenvolvimento A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º,

Leia mais

Assunto: Conselhos Municipais de Juventude. Lei n.º 8/2009, de 18 de Fevereiro.

Assunto: Conselhos Municipais de Juventude. Lei n.º 8/2009, de 18 de Fevereiro. Exm.º Senhor Presidente do Conselho Directivo da Associação Nacional de Municípios Portugueses Av. Marnoco e Sousa, 52 3004-511 COIMBRA Vossa Ref.ª OFI:802/2009-PB Vossa Comunicação 10/07/2009 Nossa Ref.ª

Leia mais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais

ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais ARTIGO 29.º - Grupo de Protecção de Dados Pessoais 12054/02/PT WP 69 Parecer 1/2003 sobre o armazenamento dos dados de tráfego para efeitos de facturação Adoptado em 29 de Janeiro de 2003 O Grupo de Trabalho

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU

CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU CONSELHO MUNICIPAL DE JUVENTUDE DE VISEU PROPOSTA DE REGULAMENTO 1 Preâmbulo Uma sociedade que quer preparar o futuro tem que criar condições para se proporcionar aos jovens o acesso a uma formação educativa,

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL:

PROPRIEDADE INTELECTUAL: PROPRIEDADE INTELECTUAL: LEGISLAÇÃO - 2 Profa. Dra. Suzana Leitão Russo Prof. Gabriel Francisco Silva Profa. Dra. Ana Eleonora Almeida Paixão Art. 1º Esta Lei regula direitos e obrigações relativos à propriedade

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio

ASSEMBLEIA NACIONAL. Lei n.º 14/91 de 11 de Maio ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 14/91 de 11 de Maio A criação das condições materiais e técnicas para a edificação em Angola de um Estado democrático de direito é um dos objectivos a atingir, na actual fase

Leia mais

A LIBERDADE SINDICAL DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

A LIBERDADE SINDICAL DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A L IBERDADE SINDICAL - 1 A LIBERDADE SINDICAL DOS TRABALHADORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Introdução Dos Princípios da Liberdade Sindical A liberdade sindical tem sido vista e discutida sobre diversas

Leia mais

Recomendação n.º 5 /B/2005 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril]

Recomendação n.º 5 /B/2005 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] Número: 5/B/2005 Data: 20-09-2005 Entidade visada: O Primeiro-Ministro Assunto: Domínio público marítimo. Regiões Autónomas. Processo: R-4041/03 Área: 6 Recomendação n.º 5 /B/2005 [art.º 20.º, n.º 1, alínea

Leia mais

BIBLIOTECA CENTRAL DE MARINHA BI PLANEAMENTO DA DE DESINFESTAÇÃO ACÇÕES DE - DESINFESTAÇÃO BIBLIOTECA BCM E ARQUIVO HISTÓRICO

BIBLIOTECA CENTRAL DE MARINHA BI PLANEAMENTO DA DE DESINFESTAÇÃO ACÇÕES DE - DESINFESTAÇÃO BIBLIOTECA BCM E ARQUIVO HISTÓRICO BIBLIOTECA CENTRAL I - OBJECTIVO A presente norma técnica tem por objectivo estabelecer o desenvolvimento das normas arquivistas e documentais do ARQUIVO HISTÓRICO (AH) decorrentes do REGULAMENTO INTERNO

Leia mais

Faculdade de Direito de Lisboa Ano lectivo de 2015/2016 TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL I TURMA B

Faculdade de Direito de Lisboa Ano lectivo de 2015/2016 TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL I TURMA B Faculdade de Direito de Lisboa Ano lectivo de 2015/2016 TEORIA GERAL DO DIREITO CIVIL I TURMA B Coordenação e regência: Profª Doutora Rosário Palma Ramalho Colaboradores: Prof. Doutor Pedro Leitão Pais

Leia mais

Associação Contraditório. Estatutos

Associação Contraditório. Estatutos Associação Contraditório Estatutos CAPÍTULO I Denominação, Princípios e Objectivos Artigo 1º (Denominação, sede e duração) 1. A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação ASSOCIAÇÃO CONTRADITÓRIO,

Leia mais

Direito à reserva sobre a intimidade da vida privada

Direito à reserva sobre a intimidade da vida privada Direito à reserva sobre a intimidade da vida privada 1) Fundamentos Jurídicos O direito à reserva sobre a intimidade da vida privada está consagrado no elenco de direitos, liberdades e garantias da nossa

Leia mais

BREVE REFERÊNCIA À LEI N.º 32/2007, DE 13 DE AGOSTO E AOS ESTATUTOS DA CONSULENTE

BREVE REFERÊNCIA À LEI N.º 32/2007, DE 13 DE AGOSTO E AOS ESTATUTOS DA CONSULENTE FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º Entidade sem fins lucrativos e de utilidade pública Processo: nº 2155, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2011-06-28.

Leia mais

Lei de Minas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei nº 14/2002, de 26 de Junho

Lei de Minas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Lei nº 14/2002, de 26 de Junho Lei de Minas REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei nº 14/2002, de 26 de Junho Os recursos minerais da República de Moçambique, quando racionalmente avaliados e utilizados, constituem um factor

Leia mais

Parecer PROCESSO: R-2549/06 (A3)

Parecer PROCESSO: R-2549/06 (A3) Parecer PROCESSO: R-2549/06 (A3) ASSUNTO: Atribuição da prestação compensatória de subsídios de férias e de Natal a sócio-gerente Artigo 15.º do Decreto-Lei n.º 28/2004, de 4 de Fevereiro. I. Foram solicitados

Leia mais

Proposta de Lei n.º 247/XII

Proposta de Lei n.º 247/XII Proposta de Lei n.º 247/XII Exposição de Motivos A Diretiva n.º 2012/28/UE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2012, relativa a determinadas utilizações permitidas de obras órfãs,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 219/VIII

PROJECTO DE LEI N.º 219/VIII PROJECTO DE LEI N.º 219/VIII CONSIDERA O TEMPO DE SERVIÇO PRESTADO NA CATEGORIA DE AUXILIAR DE EDUCAÇÃO PELOS EDUCADORES DE INFÂNCIA HABILITADOS COM CURSOS DE FORMAÇÃO A EDUCADORES DE INFÂNCIA PARA EFEITOS

Leia mais

A PESSOA JURÍDICA NO ÂMBITO LEGAL 1

A PESSOA JURÍDICA NO ÂMBITO LEGAL 1 A PESSOA JURÍDICA NO ÂMBITO LEGAL 1 Thiago Ricci de Oliveira ricci.thiago@hotmail.com FACULDADE MARECHAL RONDON/UNINOVE NPI NÚCLEO DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR 1 DEFINIÇÃO DE PESSOA Para bem entender a

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI Abril / 2011 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE

SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE QUALIDADE PARA ATRIBUIÇÃO DA MARCA EUR-ACE REGULAMENTO DA BOLSA DE AVALIADORES Preâmbulo O processo de avaliação de cursos de Engenharia foi iniciado em Portugal, de forma pioneira,

Leia mais

RECOMENDAÇÃO n.º 7/A/2007 [artigo 20.º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] I INTRODUÇÃO

RECOMENDAÇÃO n.º 7/A/2007 [artigo 20.º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] I INTRODUÇÃO Número: 7/A/2007 Data: 30.07.2007 Entidade visada: Presidente do Conselho de Administração dos Serviços Municipalizados de Ponta Delgada. Assunto: Taxas e tarifas. Carácter bilateral. Tarifa de disponibilidade

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Isenções - Prestações de Serviços Médicos Refacturação Redébito - Localização de operações. Processo: nº 1163, por despacho de 2010-11-02, do SDG do

Leia mais

COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO

COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO COMUNICADO N.º 1 INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS LEGAIS DO AGENTE DE EXECUÇÃO Atendendo aos pedidos de esclarecimento solicitados à Comissão para a Eficácia das Execuções relativamente às incompatibilidades

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013 Economia Digital e Direito Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Carolina Leão Oliveira 19 Novembro 2013 Matéria em causa: Uso do

Leia mais

Regime de constituição e de direitos e deveres das associações de pais e de encarregados de educação Decreto-Lei n.º 372/90 de 27 de Novembro

Regime de constituição e de direitos e deveres das associações de pais e de encarregados de educação Decreto-Lei n.º 372/90 de 27 de Novembro Regime de constituição e de direitos e deveres das associações de pais e de encarregados de educação Decreto-Lei n.º 372/90 de 27 de Novembro A Lei n.º 7/77, de 1 de Fevereiro, bem como a legislação que

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

Direito de Empréstimo Público: a Directiva Comunitária e suas Transposições Helena Simões Patrício

Direito de Empréstimo Público: a Directiva Comunitária e suas Transposições Helena Simões Patrício Direito de Empréstimo Público: a Directiva Comunitária e suas Transposições Helena Simões Patrício Lisboa, 29 de Maio de 2007 1 Sumário: 1. Direito de comodato público 2. Harmonização comunitária 3. Acções

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões:

DIREITOS FUNDAMENTAIS. Exame - 16.06.2015. Turma: Dia. Responda, sucintamente, às seguintes questões: DIREITOS FUNDAMENTAIS Exame - 16.06.2015 Turma: Dia I Responda, sucintamente, às seguintes questões: 1. Explicite o sentido, mas também as consequências práticas, em termos de densidade do controlo judicial,

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO O Japão e a República Portuguesa, Desejando celebrar

Leia mais

Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico. HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005

Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico. HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005 Sem inário Prnc i ípio do Segredo Estatístico HotelAltis -Lisboa 13 de Janeiro 2005 João Cadete de Matos Director Departam ento de Estatística Banco de Portugal A protecção de informação estatística confidencialno

Leia mais

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril

Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril Decreto-Lei n.º 72-A/2003 de 14 de Abril A Directiva n.º 2000/26/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 16 de Maio, relativa à aproximação das legislações dos Estados membros respeitantes ao seguro

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI Maio / 2011 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO. A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário

ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO. A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU: I Relatório e factos provados A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário facultativo por

Leia mais

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território

O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território O Ecomuseu Municipal do Seixal como sistema de recursos patrimoniais e museais descentralizados no território Graça Filipe Modelos de redes de museus I Encontro de Museus do Douro Vila Real 24 Setembro

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006.

DIREITOS AUTORAIS INDÍGENAS. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. PORTARIA N o 177/PRES, de 16 de fevereiro 2006. O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO - FUNAI, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n o 4.645, de 25 de

Leia mais

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem "entidades obrigadas"

entidades obrigadas as medidas de vigilância da clientela incluem entidades obrigadas Parecer da OAA Parecer da Ordem dos Advogados (Proposta de Regulamento sobre prevenção de branqueamento de capitais e de financiamento do terrorismo). A prevenção da utilização do sistema financeiro para

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Diretoria de Direito Intelectual Secretaria de Políticas Culturais Ministério da Cultura Constituição Federal - Art. 216 - Constituem patrimônio cultural brasileiro

Leia mais

www.ualdireitopl.home.sapo.pt

www.ualdireitopl.home.sapo.pt UNIVERSIDADE AUTÓNOMA DE LISBOA 1º ANO JURÍDICO CIÊNCIA POLÍTICA E DIREITO CONSTITUCIONAL Regente: Prof. Doutor J.J. Gomes Canotilho Docente aulas teóricas: Prof. Doutor Jonatas Machado Docente aulas práticas:

Leia mais

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006

PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 PORTARIA n. 177/ PRES, de 16 de fevereiro de 2006 O PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO FUNAI, no uso das atribuições que lhes são conferidas pelo Estatuto, aprovado pelo Decreto n. 4.645, de 25 de

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: (com adaptações).

Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. In: Internet: <www.planalto.gov.br> (com adaptações). Texto para os itens de 1 a 15 A Constituição Federal, em seu artigo 5.º, que trata dos direitos e deveres individuais e coletivos, estabelece o direito à proteção das criações intelectuais. No inciso XXVII,

Leia mais

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO

disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO A disponibiliza a LEI DO VOLUNTARIADO Lei n.º 71/98 de 3 de Novembro de 1998 Bases do enquadramento jurídico do voluntariado A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 161.º, alínea c), do

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013

CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 CÓDIGO DE CONDUTA Julho de 2013 1 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 I. Âmbito de Aplicação e Princípios Gerais...4 Artigo 1.º Âmbito Pessoal...4 Artigo 2.º Âmbito Territorial...4 Artigo 3.º Princípios Gerais...4 Artigo

Leia mais

Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia

Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia Decreto n.º 22/95 Acordo de Cooperação Cultural e Científica entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Federação da Rússia Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X. Benefícios fiscais relativos ao mecenato. Artigo 61.º. Noção de donativo. Artigo 62.º ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO X Benefícios fiscais relativos ao mecenato Artigo 61.º Noção de donativo Para efeitos fiscais, os donativos constituem entregas em dinheiro ou em espécie, concedidos,

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais