RECENSEAMENTO ESCOLAR 06/07

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECENSEAMENTO ESCOLAR 06/07"

Transcrição

1

2

3 RECENSEAMENTO ESCOLAR 06/07 Coordenação: Equipa Técnica: Alexandre Paredes Carlos Malaca Carmo Proença Céline Ambrósio Filomena Ramos Joaquim Santos José Rafael Manuela de Brito Nuno Cunha Piedade Galrito Rui Mestre Formulários electrónicos: Luís Martinho Recolha de dados: Irene Marcelino Isabel Bandeira Lucília Rebelo Maria João Pacheco Piedade Guerreiro Valentina Vassalo Gabinete de Informação e Avaliação do Sistema Educativo do Ministério da Educação/Direcção de Serviços de Estatística Edição: Dezembro de 2006 Tiragem: 500 exemplares ISBN (10 dígitos) ISBN (13 dígitos) Capa: Impressão e acabamento: WM Produção de Imagem Lda. Editorial do Ministério da Educação Direcção de Serviços de Estatística Gabinete de Informação e Avaliação do Sistema Educativo (GIASE) Tel.: Fax:

4 NOTA DE APRESENTAÇÃO O Recenseamento Escolar 2006/07, que agora se publica, é expressão do cumprimento de uma atribuição nuclear do GIASE, órgão delegado do Instituto Nacional de Estatística para a produção de estatísticas oficiais no domínio da educação e formação. A publicação detalha a informação estatística divulgada pelo GIASE 1 no início do corrente ano lectivo, constituindo-se como instrumento privilegiado de apoio à tomada de decisão política, aos processos de monitorização e avaliação das medidas de política, bem como ao trabalho de investigação científica. O documento reflecte já a utilização de dados administrativos para fins estatísticos, cumprindo, neste domínio, as recomendações da OCDE e do EUROSTAT. Esta utilização, por enquanto circunscrita à informação respeitante ao pessoal docente e ao pessoal não docente, só foi possível graças ao sistema integrado de informação, que vem sendo construído pela Unidade de Missão para o Sistema de Informação do Ministério da Educação (MISI). Reconhece-se, por fim, que a presente publicação beneficiou da activa colaboração dos estabelecimentos de educação e ensino, bem como das Secretarias Regionais de Educação das Regiões Autónomas, que disponibilizaram, no oportuno momento, a informação necessária à produção estatística. O Director, em exercício, João Trocado da Mata 1 Recenseamento Escolar 2006/07 Dados Globais 3

5 SUMÁRIO ÍNDICE DE QUADROS 5 NOTA METODOLÓGICA 10 ORGANOGRAMA DO SISTEMA DE ENSINO 11 GLOSSÁRIO 12 NOTAÇÕES 18 NOMENCLATURAS 19 CARACTERIZAÇÃO GERAL 21 ESTATÍSTICAS 37 I. POPULAÇÃO ESCOLAR I.0. Educação Pré-Escolar 39 I.1. Ensino Básico 47 I.2. Ensino Secundário 85 I.3. Planos de Estudos Estrangeiros 139 II. RECURSOS HUMANOS II.1. Pessoal Docente 147 II.2. Pessoal Não Docente 157 III. RECURSOS FÍSICOS E TECNOLÓGICOS III.1. Estabelecimentos de Educação e Ensino 161 III.2. Espaços Escolares 165 III.3. TIC - Tecnologias da Informação e da Comunicação 171 4

6 ÍNDICE DE QUADROS CARACTERIZAÇÃO GERAL 1. Alunos matriculados Alunos matriculados, segundo a natureza do estabelecimento - distribuição percentual, por nível e modalidade de ensino Portugal Alunos matriculados, segundo a natureza do estabelecimento - distribuição percentual, por nível e modalidade de ensino Continente Alunos matriculados, segundo o nível de educação/ensino, por NUTS I, II e III Portugal - público e privado Alunos matriculados, segundo o nível de educação/ensino, por NUTS I, II e III Portugal - público Alunos matriculados, segundo o nível de educação/ensino, por NUTS I, II e III Portugal - privado Alunos matriculados, segundo o nível de educação/ensino, por tipologia do estabelecimento Continente Recursos Humanos Pessoal docente em exercício no estabelecimento, segundo a natureza do estabelecimento e nível de educação/ensino, por NUTS I, II e III Portugal Recursos Físicos e Tecnológicos Estabelecimentos de ensino, segundo a natureza e a tipologia do estabelecimento, por NUTS I, II e III Portugal Estabelecimentos de ensino, segundo a natureza e a tipologia do estabelecimento, por escalão de dimensão Continente Relação alunos/computador e relação alunos/computador com ligação à Internet, por tipologia do estabelecimento Continente Alunos e turmas, por nível e modalidade de ensino - relação alunos/turma Continente ESTATÍSTICAS I. População Escolar I.0. Educação Pré-Escolar I I I I I Crianças inscritas, segundo a rede, por NUTS I, II e III Educação pré-escolar Crianças inscritas, segundo a natureza do estabelecimento e idade, por NUTS I, II e III Educação pré-escolar Crianças inscritas, segundo a natureza do estabelecimento e modalidade de ensino, por NUTS I, II e III Educação pré-escolar - rede do ministério da educação Crianças inscritas, segundo a natureza do estabelecimento, modalidade de ensino e idade, por NUTS I, II e III Educação pré-escolar - rede do ministério da educação Crianças inscritas, segundo a natureza do estabelecimento e idade, por NUTS I, II e III Educação pré-escolar - outras redes de outros ministérios

7 ÍNDICE DE QUADROS ESTATÍSTICAS (continuação) I.1. Ensino Básico I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I I Alunos matriculados, segundo o ciclo de estudo e natureza do estabelecimento, por NUTS I, II e III Ensino básico Alunos matriculados, segundo o ciclo de estudo e modalidade de ensino, por NUTS I, II e III Ensino básico Alunos matriculados, segundo o ciclo de estudo e modalidade de ensino, por NUTS I, II e III Ensino básico público Alunos matriculados, segundo a modalidade de ensino e ciclo de estudo, por NUTS I, II e III Ensino básico Alunos matriculados, segundo a modalidade de ensino e ciclo de estudo, por NUTS I, II e III Ensino básico público Alunos matriculados, segundo o ciclo de estudo e ano de escolaridade, por NUTS I, II e III Ensino básico - regular Alunos matriculados, segundo o ciclo de estudo e ano de escolaridade, por NUTS I, II e III Ensino básico público - regular Alunos matriculados, segundo o ciclo de estudo e ano de escolaridade, por NUTS I, II e III Ensino básico - artístico especializado - regime integrado Alunos matriculados, segundo o ciclo de estudo e ano de escolaridade, por NUTS I, II e III Ensino básico público - artístico especializado - regime integrado Alunos matriculados, segundo a modalidade de ensino e tipologia de curso, por NUTS I, II e III Ensino básico - profissional Alunos matriculados, segundo a modalidade de ensino e tipologia de curso, por NUTS I, II e III Ensino básico público - profissional Alunos matriculados, segundo a modalidade de ensino e natureza do estabelecimento, por NUTS I, II e III Ensino básico - 1º ciclo Alunos matriculados, segundo a natureza do estabelecimento e ano de escolaridade, por NUTS I, II e III Ensino básico - regular - 1º ciclo Alunos matriculados, segundo a natureza do estabelecimento e ano de escolaridade, por NUTS I, II e III Ensino básico - artístico especializado - regime integrado - 1º ciclo Alunos matriculados, segundo a modalidade de ensino e natureza do estabelecimento, por NUTS I, II e III Ensino básico - 2º ciclo Alunos matriculados, segundo a natureza do estabelecimento e ano de escolaridade, por NUTS I, II e III Ensino básico - regular - 2º ciclo - directo + E.B.M Alunos matriculados, segundo a natureza do estabelecimento e ano de escolaridade, por NUTS I, II e III Ensino básico - regular - 2º ciclo - directo Alunos matriculados, segundo a natureza do estabelecimento e ano de escolaridade, por NUTS I, II e III Ensino básico - artístico especializado - regime integrado - 2º ciclo Alunos matriculados, segundo a natureza do estabelecimento e tipologia de curso, por NUTS I, II e III Ensino básico - cursos de educação e formação de adultos (EFA) - 2º Ciclo Alunos matriculados, segundo a modalidade de ensino e natureza do estabelecimento, por NUTS I, II e III Ensino básico - 3º ciclo Alunos matriculados, segundo a natureza do estabelecimento e ano de escolaridade, por NUTS I, II e III Ensino básico - regular - 3º ciclo Alunos matriculados, segundo a natureza do estabelecimento e ano de escolaridade, por NUTS I, II e III Ensino básico - artístico especializado - regime integrado - 3º ciclo Alunos matriculados, segundo a natureza do estabelecimento e ano de estudo, por NUTS I, II e III Ensino básico - cursos profissionais - nível de qualificação Alunos matriculados, segundo a natureza do estabelecimento e tipologia de curso, por NUTS I, II e III Ensino básico - cursos de educação e formação (CEF) - 3º Ciclo Alunos matriculados, segundo a natureza do estabelecimento e tipologia de curso, por NUTS I, II e III Ensino básico - cursos de educação e formação de adultos (EFA) - 3º Ciclo Alunos matriculados, segundo a natureza do estabelecimento e tipologia de curso, por NUTS I, II e III Ensino básico - recorrente - 3º ciclo

8 ÍNDICE DE QUADROS ESTATÍSTICAS (continuação) I.2. Ensino Secundário I Alunos matriculados, segundo a orientação curricular e natureza do estabelecimento, por NUTS I, II e III Ensino secundário I Alunos matriculados, segundo a modalidade de formação, por NUTS I, II e III Ensino secundário I Alunos matriculados, segundo a modalidade de formação, por NUTS I, II e III Ensino secundário público I Alunos matriculados, segundo a modalidade de formação, por NUTS I, II e III Ensino secundário privado I Alunos matriculados, segundo o ano de escolaridade, por NUTS I, II e III Ensino secundário - regular I Alunos matriculados, segundo o ano de escolaridade, por NUTS I, II e III Ensino secundário público - regular I Alunos matriculados, segundo o ano de escolaridade, por NUTS I, II e III Ensino secundário privado - regular I Alunos matriculados, segundo o domínio do curso e o ano de escolaridade, por NUTS I, II e III Ensino secundário - artístico especializado - regime integrado I Alunos matriculados, segundo o domínio do curso e o ano de escolaridade, por NUTS I, II e III Ensino secundário público - artístico especializado - regime integrado I Alunos matriculados, segundo a modalidade de formação, tipologia de curso e natureza do estabelecimento, por NUTS I, II e III Ensino secundário - profissional I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário - cursos científico-humanísticos - 10º ano de escolaridade I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário público - cursos científico-humanísticos - 10º ano de escolaridade I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário - cursos científico-humanísticos - 11º ano de escolaridade I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário público - cursos científico-humanísticos - 11º ano de escolaridade I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário - cursos científico-humanísticos - 12º ano de escolaridade I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário público - cursos científico-humanísticos - 12º ano de escolaridade I Alunos matriculados, segundo o agrupamento, por NUTS I, II e III Ensino secundário - cursos gerais - 12º ano de escolaridade I Alunos matriculados, segundo o agrupamento, por NUTS I, II e III Ensino secundário público - cursos gerais - 12º ano de escolaridade I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário - cursos tecnológicos (Port. 550-A/2004, de 21 de Maio) - 10º ano de escolaridade I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário público - cursos tecnológicos (Port. 550-A/2004, de 21 de Maio) - 10º ano de escolaridade I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário - cursos tecnológicos (Port. 550-A/2004, de 21 de Maio) - 11º ano de escolaridade I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário público - cursos tecnológicos (Port. 550-A/2004, de 21 de Maio) - 11º ano de escolaridade I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário - cursos tecnológicos (Port. 550-A/2004, de 21 de Maio) - 12º ano de escolaridade I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário público - cursos tecnológicos (Port. 550-A/2004, de 21 de Maio) - 12º ano de escolaridade I Alunos matriculados, segundo o agrupamento e curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário - cursos tecnológicos - 12º ano de escolaridade I Alunos matriculados, segundo o agrupamento e curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário público - cursos tecnológicos - 12º ano de escolaridade

9 ÍNDICE DE QUADROS ESTATÍSTICAS (continuação) I Alunos matriculados, segundo a modalidade de ensino e o ano de escolaridade/curso, por curso Ensino secundário - artístico especializado - regime integrado I Alunos matriculados, segundo a modalidade de ensino e o ano de escolaridade/curso, por curso Ensino secundário público - artístico especializado - regime integrado I Alunos matriculados, segundo a natureza do estabelecimento e ano de estudo, por NUTS I, II e III Ensino secundário - cursos profissionais - nível de qualificação I Alunos matriculados, segundo a tipologia de curso e natureza do estabelecimento, por NUTS I, II e III Ensino secundário - cursos de educação e formação I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário - recorrente - unidades I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário público - recorrente - unidades I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário - recorrente - blocos I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário público - recorrente - blocos I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário - recorrente - módulos I Alunos matriculados, segundo o curso, por NUTS I, II e III Ensino secundário público - recorrente - módulos I.3. Planos de Estudos Estrangeiros I Alunos matriculados e turmas, por nível de ensino Sistema de ensino alemão 141 I Alunos matriculados e turmas, por nível de ensino Sistema de ensino norte-americano 142 I Alunos matriculados e turmas, por nível de ensino Sistema de ensino britânico 143 I Alunos matriculados e turmas, por nível de ensino Sistema de ensino espanhol 144 I Alunos matriculados e turmas, por nível de ensino Sistema de ensino francês 145 I Alunos matriculados e turmas, por nível de ensino Sistema de ensino sueco 146 II. Recursos Humanos II.1. Pessoal Docente II II II II II II II Educadores de infância em exercício no estabelecimento, segundo a natureza do estabelecimento, por NUTS I, II e III Educação pré-escolar Educadores de infância em exercício no estabelecimento, segundo a natureza do estabelecimento, por NUTS I, II e III Educação pré-escolar - rede do ministério da educação Educadores de infância em exercício no estabelecimento, segundo a natureza do estabelecimento, por NUTS I, II e III Educação pré-escolar - outras redes de outros ministérios Pessoal docente em exercício no estabelecimento, segundo a natureza do estabelecimento, por NUTS I, II e III Ensino básico - 1º ciclo Pessoal docente em exercício no estabelecimento, segundo a natureza do estabelecimento, por NUTS I, II e III Ensino básico - 2º ciclo Pessoal docente em exercício no estabelecimento, segundo a natureza do estabelecimento, por NUTS I, II e III Ensinos básico (3º ciclo) e secundário Professores/formadores em exercício no estabelecimento, por NUTS I, II e III Ensino profissional - privado

10 ÍNDICE DE QUADROS ESTATÍSTICAS (continuação) II Pessoal docente em exercício no estabelecimento, por sistema de ensino Plano de estudos estrangeiros II.2. Pessoal Não Docente II Pessoal não docente, segundo a natureza do estabelecimento, por NUTS I, II e III Educação pré-escolar, ensinos básico e secundário III. Recursos Físicos e Tecnológicos III.1. Estabelecimentos de Educação e Ensino III.1 - Estabelecimentos de ensino, segundo os ensinos ministrados e natureza do estabelecimento, por NUTS I, II e III Portugal III.2. Espaços Escolares III Espaços escolares, por tipologia do estabelecimento Continente III Espaços escolares, por NUTS I, II e III Continente - público e privado III Espaços escolares, por NUTS I, II e III Continente - público III Espaços escolares, por NUTS I, II e III Continente - privado III.3. TIC - Tecnologias da Informação e da Comunicação III III III III III III III III Computadores, segundo o uso no estabelecimento, por tipologia do estabelecimento Continente Computadores, segundo o uso no estabelecimento, por NUTS I, II e III Continente - público e privado Computadores, segundo o uso no estabelecimento, por NUTS I, II e III Continente - público Computadores, segundo o uso no estabelecimento, por NUTS I, II e III Continente - privado Computadores com ligação à internet, segundo o uso no estabelecimento, por tipologia do estabelecimento Continente Computadores com ligação à internet, segundo o uso no estabelecimento, por NUTS I, II e III Continente - público e privado Computadores com ligação à internet, segundo o uso no estabelecimento, por NUTS I, II e III Continente - público Computadores com ligação à internet, segundo o uso no estabelecimento, por NUTS I, II e III Continente - privado

11 NOTA METODOLÓGICA O Gabinete de Informação e Avaliação do Sistema Educativo (GIASE) do Ministério da Educação (criado pelo Decreto-Lei n.º 208/2002, de 17 de Outubro) é o órgão delegado do Instituto Nacional de Estatística para a produção de estatísticas oficiais da educação (Despacho Conjunto MPAT/ME/92, de 20 de Novembro). A informação estatística apurada no Recenseamento Escolar 06/07 é referente a Educação Pré-Escolar, Ensinos Básico, Secundário, Pós-Secundário e Profissional / Qualificante, tendo sido obtida a partir de um inquérito exaustivo Série 400, tipo recenseamento, dirigido a todos os estabelecimentos de educação e ensino (EEE). As entidades estatísticas avaliadas reportam-se a população escolar, recursos humanos, físicos e tecnológicos. A partir do referido instrumento de notação foi concebido um formulário electrónico, sublinhando-se o facto de, uma vez mais, todos os EEE públicos terem recorrido a este formato para responder ao inquérito em apreço. A informação estatística referente aos recursos humanos (pessoal docente e não docente) a exercer funções nos EEE públicos foi apurada com base no aproveitamento de informação de natureza administrativa: dados reportados pelos EEE públicos para a MISI (Missão para o Sistema de Informação do Ministério da Educação). Deste facto resulta um corte de série para os indicadores relativos a pessoal docente e não docente. O volume agora divulgado está organizado em dois capítulos: o primeiro, foi elaborado para permitir uma visão global do sistema educativo; o segundo, reservado à difusão de dados estatísticos, encontra-se organizado por áreas temáticas, ordenadas segundo os níveis e graus de ensino, conforme a estrutura do sistema educativo. Para ajudar o utilizador a fazer uma melhor leitura da informação quantitativa disponibilizada, apresentase no início da publicação, o organograma do sistema educativo, um glossário, notações e nomenclaturas utilizadas. O conteúdo estatístico, com o mesmo formato da presente publicação poderá também ser consultado e operacionalizado (ficheiros PDF ou Excel) a partir da Internet, através do seguinte endereço: Além da informação disponibilizada pelos meios referidos, o GIASE, através da Direcção de Serviços de Estatística, poderá facultar outro tipo de apuramentos, os quais poderão ser fornecidos também em suporte papel ou informático. Para esclarecimentos adicionais contactar: Gabinete de Informação e Avaliação do Sistema Educativo Direcção de Serviços de Estatística Tel.: Fax:

12 ORGANOGRAMA DO SISTEMA DE ENSINO (ANO ESCOLAR 2006/2007) UNIVERSITÁRIO POLITÉCNICO ENSINO SUPERIOR DOUTORAMENTO MESTRADO LICENCIATURA 6.º CURSOS BIETÁPICOS LICENCIATURA 5.º LICENCIATURA (2.º CICLO) 5.º LICENCIATURA 4.º LICENCIATURA (2.º CICLO) 4.º LICENCIATURA 4.º BACHARELATO 3.º 2.º 1.º BACHARELATO (1.º CICLO) 3.º 2.º 1.º 3.º 2.º 1.º 18 ENSINO PÓS- -SECUNDÁRIO NÃO SUPERIOR CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA - CET (Nível 4) 18 ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS GERAIS XII CURSOS CIENTÍFICO- HUMANÍSTICOS XII XI X 15 CURSOS TECNOLÓGICOS XII CURSOS TECNOLÓGICOS (1) XII XI X 15 CURSOS PROFIS- SIONAIS (Nível 3) 15 CEF Tipos 4, 5,6e7e curso de formação complementar 15 ENSINO ARTÍSTICO (2) 15 ENSINO RECOR- RENTE 18 ENSINO BÁSICO EDUCAÇÃO PRÉ- -ESCOLAR 3.º CICLO 2.º CICLO IX VIII VII VI V CURSOS PROFIS- SIONAIS (Nível 2) 1.º CICLO 3.º 2.º 1.º CURSOS PROFIS- SIONAIS (Nível 1) CEF Tipos2e3 Tipo 1 CEF IV III II I ENSINO ARTÍSTICO (2) IX VIII VII ENSINO ARTÍSTICO (2) VI 12 V ENSINO ARTÍSTICO (2) IV III II I 10 6 EFA Tipos B3 e B2+B3 EFA Tipos B2 e B1+B2 EFA Tipo B ENSINO RECOR- RENTE 15 PLANO DE ESTUDOS ESTRANGEIROS (1) Portaria 550-A/2004, de 21 de Maio. (2) Ensino Artístico Especializado - em regime integrado. 11

13 GLOSSÁRIO ALUNO Indivíduo que frequenta o sistema formal de ensino após o acto de registo designado como matrícula. ANO DE ESCOLARIDADE Ano de estudos completo legalmente instituído. ANO ESCOLAR Período de tempo compreendido entre 1 de Setembro de cada ano e 31 de Agosto do ano seguinte. ANO LECTIVO Período de tempo compreendido entre o início e o fim das actividades lectivas, a que corresponde um mínimo de 180 dias efectivos de actividades escolares. CENTRO DE RECURSOS Instalações e conjunto de equipamentos técnico-didácticos para apoio às actividades educativas e formativas. CICLO DE ESTUDOS Etapa definida na estrutura do sistema educativo, com determinado tempo de duração e com uma identidade própria, a nível de objectivos, finalidades, organização curricular, tipo de docência e programas. CURSO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO Curso de ensino secundário, com a duração de três anos (10.º, 11.º e 12.º anos), vocacionado consoante a área artística, para o prosseguimento de estudos ou orientados na dupla perspectiva da inserção no mundo do trabalho e do prosseguimento de estudos. CURSO CIENTÍFICO-HUMANÍSTICO Curso do ensino secundário, com a duração de três anos lectivos (10.º, 11.º e 12.º anos), tendo em vista o prosseguimento de estudos no ensino superior. CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Oferta integrada de educação e formação destinada preferencialmente a jovens com idades iguais ou superiores a 15 anos, em risco de abandono escolar ou que já abandonaram o sistema educativo antes da conclusão da escolaridade de 12 anos, bem como àqueles que, após a conclusão de 12 anos de escolaridade, não possuindo uma qualificação profissional, pretendam adquiri-la para ingresso no mercado de trabalho. Confere qualificação de nível 1, 2 ou 3 e certificação de conclusão dos 6.º, 9.º ou 12.º anos de escolaridade, respectivamente. CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Oferta integrada de educação e formação, com dupla certificação escolar e profissional, destinada a adultos, maiores de 18 anos, que não possuam a escolaridade básica de 9 anos, sem qualificação profissional, empregados ou desempregados, inscritos nos Centros de Emprego do IEFP, ou indicados por outras entidades, como empresas, ministérios, sindicatos e outros. Conferem certificação escolar equivalente ao 1.º, 2.º ou 3.º ciclos do ensino básico e certificação profissional de nível 1 ou 2. 12

14 GLOSSÁRIO (continuação) CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Oferta formativa que prepara jovens e adultos candidatos ao primeiro emprego para o desempenho de profissões qualificadas, por forma a favorecer a entrada na vida activa. Constitui uma formação pós-secundária não superior, a desenvolver na mesma área, ou em áreas de formação afins àquela em que o candidato obteve qualificação profissional de nível 3. A organização do curso tem componentes de formação em contexto escolar e em contexto de trabalho. Confere um Diploma de Especialização Tecnológica (qualificação profissional de nível 4) e, sob determinadas condições o diploma do 12.º ano do ensino secundário. CURSO GERAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Curso com a duração de três anos lectivos (10.º, 11.º e 12.º anos), estruturado em componentes (conjuntos de disciplinas) de formação geral, específica e técnica/artística, tendo em vista o prosseguimento de estudos no ensino superior. A partir do ano lectivo de 2004/2005 corresponde ao Curso Cientifíco-Humanístico do Ensino Secundário. CURSO PROFISSIONAL Curso de ensino secundário com um referencial temporal de três anos lectivos, vocacionado para a qualificação inicial dos jovens, privilegiando a sua inserção no mundo do trabalho e permitindo o prosseguimento de estudos. Confere diploma de conclusão do ensino secundário e certificado de qualificação profissional de nível 3. CURSO TÉCNICO DO ENSINO RECORRENTE Curso do ensino secundário, orientado para a qualificação escolar e profissional de indivíduos maiores de 18 anos, facultando a obtenção de certificados e diplomas equivalentes aos do ensino regular. CURSO TECNOLÓGICO Curso do ensino secundário com a duração de três anos lectivos -10. º, 11.º e 12.º anos de escolaridade. Destina-se preferencialmente aos jovens que desejam ingressar no mundo do trabalho após o 12.º ano de escolaridade tendo, no entanto, a possibilidade de ingresso no ensino superior. Confere um diploma de estudos secundários e um certificado de qualificação profissional de nível 3. DOCENTE COM FUNÇÕES LECTIVAS Docente que desempenha funções de ensino junto de pelo menos uma turma, podendo também ter, em alternativa ou não, a tempo inteiro ou parcial, actividades de apoio educativo na sala de aula ou fora dela. DOCENTE COM FUNÇÕES NÃO LECTIVAS Docente ao qual não está atribuída nenhuma turma tendo portanto, uma redução total da componente lectiva. Este docente pode estar abrangido, entre outras, por uma das seguintes situações: pré-aposentação; doença incapacitante para o contacto directo com os alunos em sala de aula; funções de gestão; apoio à biblioteca ou aos laboratórios, ou a elaboração de estudos de natureza diversa e que permitam uma melhoria da qualidade do ensino/aprendizagem. 13

15 GLOSSÁRIO (continuação) EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Conjunto de processos de aprendizagem, formal ou não, através dos quais os adultos desenvolvem as suas capacidades, enriquecem os seus conhecimentos e melhoram as suas qualificações técnicas ou profissionais ou as reorientam de modo a satisfazerem as suas próprias necessidades e as da sociedade. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Subsistema de educação, de frequência facultativa, destinado a crianças com idades compreendidas entre os três anos e a idade de ingresso no ensino básico. Realiza-se em estabelecimentos próprios, designados por jardins de infância, ou incluídos em unidades escolares em que é também ministrado o ensino básico. A educação pré-escolar, no seu aspecto formativo, é complementar e/ou supletiva da acção educativa da família, com a qual estabelece estreita cooperação. EDUCADOR DE INFÂNCIA Docente certificado para a educação pré-escolar, após conclusão de um curso de formação inicial de quatro anos, ministrado numa Escola Superior de Educação ou com habilitação legalmente equivalente. ENSINO ARTÍSTICO ESPECIALIZADO Tipo de ensino de nível secundário que proporciona uma formação especializada, dirigida a indivíduos que revelem potencialidades para ingresso e progressão numa via de estudos artísticos, permitindo a entrada no mercado de trabalho ou o prosseguimento de estudos. Existe nas seguintes áreas: artes visuais, dança e música. ENSINO BÁSICO Nível de ensino que se inicia cerca da idade de seis anos, com a duração de nove anos, cujo programa visa assegurar uma preparação geral comum a todos os indivíduos, permitindo o prosseguimento posterior de estudos ou a inserção na vida activa. Compreende três ciclos sequenciais, sendo o 1.º de quatro anos, o 2.º de dois anos e o 3.º de três anos. É universal, obrigatório e gratuito. ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO Ensino promovido sob iniciativa e responsabilidade de gestão de entidade privada com tutela pedagógica e científica do Ministério da Educação ou do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. ENSINO PRIVADO Vide ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO. ENSINO PÓS-SECUNDÁRIO Vide CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA. ENSINO PROFISSIONAL Ensino que tem por objectivo imediato a preparação científica e técnica para o exercício de uma profissão ou ofício, privilegiando assim a qualificação inicial para entrada no mundo do trabalho e permitindo ainda o prosseguimento de estudos. ENSINO PÚBLICO Ensino que funciona na directa dependência da administração central, das regiões autónomas e das autarquias. 14

16 GLOSSÁRIO (continuação) ENSINO RECORRENTE Modalidade de educação escolar a que têm acesso todos os indivíduos que ultrapassaram a idade normal de frequência do ensino básico e do ensino secundário. Constitui uma segunda oportunidade para os que abandonaram precocemente o sistema educativo e os que o procuram por razões de promoção cultural ou profissional e uma primeira oportunidade para os que nunca frequentaram a escola, atenuando, assim, os desequilíbrios existentes entre os diversos grupos etários, no que respeita aos níveis educativos. Com organização curricular, metodologias e avaliação específicas, atribui diplomas e certificados equivalentes aos do ensino regular. ENSINO REGULAR Conjunto de actividades de ensino ministradas no âmbito da estrutura educativa estabelecida pela Lei de Bases do Sistema Educativo e que se destinam à maioria dos alunos que frequentam o sistema de ensino dentro dos limites etários previstos na lei. ENSINO SECUNDÁRIO Nível de ensino que corresponde a um ciclo de três anos (10.º, 11.º e 12.º anos de escolaridade), que se segue ao ensino básico e que visa aprofundar a formação do aluno para o prosseguimento de estudos ou para o ingresso no mundo do trabalho. Está organizado em cursos predominantemente orientados para o prosseguimento de estudos e cursos predominantemente orientados para a vida activa. ESCOLA Vide ESTABELECIMENTO DE ENSINO. ESTABELECIMENTO DE EDUCAÇÃO Vide JARDIM DE INFÂNCIA. ESTABELECIMENTO DE ENSINO Cada unidade organizacional em que, sob a responsabilidade de um Conselho Executivo ou de um Director (Director Pedagógico ou Encarregado de Direcção), é ministrado o ensino de um ou mais graus. ESTUDANTE Vide ALUNO. FORMADOR Profissional qualificado, cujo perfil funcional integra competências técnico-científicas e pedagógico-didácticas adequadas à formação que ministra, e cuja intervenção facilita ao formando a aquisição de conhecimentos e/ou o desenvolvimento de capacidades, atitudes e formas de comportamento. INSCRIÇÃO Acto administrativo que faculta, depois de efectivada a matrícula, a frequência de um determinado ano escolar, disciplina ou curso. JARDIM DE INFÂNCIA Estabelecimento que oferece, a tempo completo ou parcial, três anos de educação pré-escolar a crianças dos 3 aos 6 anos de idade. O horário é flexível e adaptado às necessidades dos encarregados de educação. O currículo é organizado num ciclo e inclui uma componente socioeducativa. 15

17 GLOSSÁRIO (continuação) LABORATÓRIO Sala específica destinada a actividades de natureza prática de determinadas disciplinas ou áreas disciplinares. MATRÍCULA Acto pelo qual um indivíduo adquire a qualidade de aluno de um determinado curso ou estabelecimento de educação ou de ensino. NÍVEL 2 DE FORMAÇÃO Formação de acesso a este nível: escolaridade obrigatória e formação profissional (incluindo, nomeadamente, a aprendizagem). Esse nível corresponde a uma qualificação completa de utilizar os instrumentos e técnica com ela relacionados. Essa actividade respeita principalmente a um trabalho de execução, que pode ser autónomo no limite das técnicas que lhe dizem respeito. NÍVEL 3 DE FORMAÇÃO Formação de acesso a este nível: escolaridade obrigatória e/ou formação profissional e formação técnica complementar ou formação técnica escolar ou outra de nível secundário. Esta formação implica mais conhecimentos técnicos que o nível 2. Esta actividade respeita principalmente a um trabalho técnico que pode ser executado de uma forma autónoma e/ou incluir responsabilidades de enquadramento e coordenação. NÍVEL 4 DE FORMAÇÃO Formação de acesso a este nível: formação secundária (geral ou profissional) e formação técnica pós-secundária. Esta formação técnica de alto nível é adquirida no âmbito de instituições escolares ou fora dele. A qualificação resultante desta formação inclui conhecimentos e capacidades que pertencem ao nível superior. Não exige, em geral, o domínio dos fundamentos científicos das áreas em causa. Estas capacidades e conhecimentos permitem assumir, de forma geralmente autónoma ou de forma independente, responsabilidades de concepção e/ou de direcção e/ou de gestão. NÍVEL DE ENSINO Refere-se a cada um dos três níveis sequenciais que constituem o sistema de ensino: ensino básico, ensino secundário e ensino superior. PESSOAL DOCENTE Conjunto dos educadores de infância e/ou professores, de um estabelecimento de educação/ensino ou de uma entidade. PESSOAL DOCENTE EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES Conjunto de professores ou educadores de infância de um estabelecimento de ensino com funções lectivas e/ou não lectivas nesse estabelecimento. PESSOAL NÃO DOCENTE Conjunto de profissionais pertencentes a carreiras específicas que, em colaboração com o pessoal docente, contribui para o desenrolar do processo educativo num estabelecimento de ensino. 16

18 GLOSSÁRIO (continuação) PROFESSOR DO ENSINO BÁSICO 1.º CICLO Docente habilitado para a docência do 1.º ciclo do ensino básico, formado como generalista em estabelecimentos de ensino superior. PROFESSOR DO ENSINO BÁSICO 2.º CICLO Docente habilitado para a docência do 2.º ciclo do ensino básico, formado como especialista numa determinada área em estabelecimentos de ensino superior. Inclui ainda pessoal docente portador dos requisitos exigidos para o acesso à profissionalização em exercício ou que dela tenha sido dispensado. PROFESSOR DO ENSINO BÁSICO 3.º CICLO E SECUNDÁRIO Docente habilitado para a docência destes níveis de ensino, formados como especialistas numa determinada área nas universidades. Inclui ainda pessoal docente portador dos requisitos exigidos para o acesso à profissionalização em exercício ou que dela tenha sido dispensado. RECURSOS FÍSICOS Conjunto de salas e equipamentos existentes num estabelecimento de educação/ensino. RECURSOS HUMANOS Conjunto do pessoal docente e do pessoal não-docente de um estabelecimento de educação/ ensino. REDE NACIONAL DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Engloba as redes pública e privada e visa efectivar a universalidade da educação pré-escolar. REDE PRIVADA DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Integra os estabelecimentos de educação préescolar que funcionam no âmbito do ensino particular e cooperativo, em instituições de solidariedade social e em instituições sem fins lucrativos, sob tutela do Ministério da Educação ou de outro ministério. REDE PÚBLICA DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Integra os estabelecimentos de educação préescolar que funcionam na directa dependência da administração central, das regiões autónomas e das autarquias, sob tutela do Ministério da Educação ou de outro ministério. SISTEMA DE ENSINO Estrutura que se compõe de graus e níveis de escolaridade sequenciais e aos quais correspondem grupos etários determinados. TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E DE COMUNICAÇÃO Conjunto de infra-estruturas e ferramentas electrónicas que permitem produzir, armazenar, processar e disseminar/partilhar informação. TIPOS DE CURSOS Classificação dos cursos segundo a sua orientação, nomeadamente o prosseguimento de estudos ou inserção na vida activa. TURMA Conjunto de alunos de um estabelecimento de ensino agrupados em função de uma ou mais características comuns, nomeadamente o ano de escolaridade, o tipo de curso ou a área de estudos. 17

19 NOTAÇÕES SINAIS CONVENCIONAIS - O fenómeno não existe ou valor nulo X Valor desconhecido SIGLAS CAIC CEF CET E.B.M. EFA EPEI M.E. Centro de Animação Infantil e Comunitário Cursos de Educação e Formação Cursos de Especialização Tecnológica Ensino Básico Mediatizado Educação e Formação de Adultos Educação Pré-Escolar e Itinerante Ministério da Educação Tipologia dos estabelecimentos de educação e ensino públicos* JI EB1 EBM EB12 EBI/JI EBI EB2 EB23 EB23/ES ES/EB3 ES ESA EP Jardim de Infância Escola Básica do 1º Ciclo Escola do Ensino Básico Mediatizado Escola Básica dos 1º e 2º ciclos Escola Básica Integrada com Jardim-de-Infância Escola Básica Integrada Escola Básica do 2º Ciclo Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Escola Básica dos 2º e 3º ciclos com Ensino Secundário Escola Secundária com 3º ciclo do Ensino Básico Escola Secundária Escola Secundária Artística Escola Profissional M-N Multinível - Escola privada com Jardim-de-Infância e/ou Ensino Básico e/ou Ensino Secundário * Decreto-Lei n.º 314/97, de 15 de Novembro 18

20 NOMENCLATURAS NOMENCLATURA DAS UNIDADES TERRITORIAIS PARA FINS ESTATÍSTICOS NUTS I NUTS II NUTS III P O R T U G A L Continente Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve Minho-Lima Cávado Ave Grande Porto Tâmega Entre Douro e Vouga Douro Alto Trás-os-Montes Baixo Vouga Baixo Mondego Pinhal Litoral Pinhal Interior Norte Pinhal Interior Sul Dão-Lafões Serra da Estrela Beira Interior Norte Beira Interior Sul Cova da Beira Oeste Médio Tejo Grande Lisboa Península de Setúbal Alentejo Litoral Alto Alentejo Alentejo Central Baixo Alentejo Lezíria do Tejo Algarve R. A. Açores R. A. Açores R. A. Açores R. A. Madeira R. A. Madeira R. A. Madeira NÍVEL I NÍVEL II NÍVEL III 19

21

22 Caracterização Geral

23

24 1.1 - ALUNOS MATRICULADOS, SEGUNDO A NATUREZA DO ESTABELECIMENTO - DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL, POR NÍVEL E MODALIDADE DE ENSINO 2006/2007 Portugal Natureza institucional Total Ensino Público Ensino Privado Nível e modalidade ou tipo de ensino % % % Total , , ,2 Educação Pré-Escolar , , ,5 Rede do Ministério da Educação , , ,9 Outras Redes de Outros Ministérios , , ,3 Ensino Básico , , ,3 1º Ciclo , , ,4 Regular , , ,5 Artístico Especializado (regime integrado) 249 0, , ,7 EFA 429 0, ,0 - - Recorrente (1) 581 0, , º Ciclo , , ,8 Regular , , ,8 Artístico Especializado (regime integrado) 254 0, , ,9 Cursos Profissionais 17 0, ,0 CEF 916 0, , ,5 EFA , ,5 91 8,5 Recorrente (1) 797 0, ,6 43 5,4 3º Ciclo , , ,9 Regular , , ,6 Artístico Especializado (regime integrado) 253 0, , ,8 Cursos Profissionais , , ,2 CEF , , ,7 EFA , , ,3 Recorrente , , ,3 Unidades , , ,4 Blocos 547 5, ,5 41 7,5 Ensino Secundário , , ,9 Regular , , ,8 Cursos Científico-Humanísticos , , ,3 Cursos Gerais (12º) , , ,8 Cursos Tecnológicos (2) , , ,6 Cursos Tecnológicos (12º) , ,5 35 1,5 Artístico Especializado (regime integrado) , , ,8 Cursos Profissionais , , ,5 CEF , , ,0 Recorrente , , ,3 Unidades , , ,1 Curso Geral , , ,3 Cursos Técnicos , , ,5 Blocos , , ,7 Cursos Gerais , , ,3 Cursos Tecnológicos 17 1, ,0 - - Módulos , , ,1 Cursos Científico-Humanísticos , , ,0 Cursos Tecnológicos , , ,9 (1) Só inclui os dados referentes aos estabelecimentos de ensino; (2) Portaria 550-A/2004, 21 de Maio. 23

25 1.2 - ALUNOS MATRICULADOS, SEGUNDO A NATUREZA DO ESTABELECIMENTO - DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL, POR NÍVEL E MODALIDADE DE ENSINO 2006/2007 Continente Natureza institucional Total Ensino Público Ensino Privado Nível e modalidade ou tipo de ensino % % % Total , , ,5 Educação Pré-Escolar , , ,4 Rede do Ministério da Educação , , ,4 Outras Redes de Outros Ministérios , , ,2 Ensino Básico , , ,5 1º Ciclo , , ,5 Regular , , ,5 Artístico Especializado (regime integrado) 249 0, , ,7 EFA 429 0, ,0 - - Recorrente (1) º Ciclo , , ,2 Regular , , ,2 Artístico Especializado (regime integrado) 254 0, , ,9 Cursos Profissionais CEF 631 0, , ,4 EFA , ,5 91 8,5 Recorrente (1) 701 0, ,9 43 6,1 3º Ciclo , , ,3 Regular , , ,0 Artístico Especializado (regime integrado) 253 0, , ,8 Cursos Profissionais 587 0, , ,9 CEF , , ,6 EFA , , ,3 Recorrente , , ,3 Unidades , , ,2 Blocos 382 4, , ,7 Ensino Secundário , , ,1 Regular , , ,3 Cursos Científico-Humanísticos , , ,8 Cursos Gerais (12º) , , ,8 Cursos Tecnológicos (2) , , ,3 Cursos Tecnológicos (12º) , ,5 35 1,5 Artístico Especializado (regime integrado) , , ,8 Cursos Profissionais , , ,6 CEF , , ,9 Recorrente , , ,7 Unidades , , ,4 Curso Geral , , ,7 Cursos Técnicos , , ,5 Blocos 999 1,7 49 4, ,1 Cursos Gerais ,3 32 3, ,7 Cursos Tecnológicos 17 1, ,0 - - Módulos , , ,4 Cursos Científico-Humanísticos , , ,4 Cursos Tecnológicos , , ,1 (1) Só inclui os dados referentes aos estabelecimentos de ensino; (2) Portaria 550-A/2004, 21 de Maio. 24

26 1.3 - ALUNOS MATRICULADOS, SEGUNDO O NÍVEL DE EDUCAÇÃO/ENSINO, POR NUTS I, II e III 2006/2007 Nível de ensino Educação Ensino Básico Total Pré-Escolar NUTS I, II e III Total 1º Ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo Ensino Secundário Portugal Continente Norte Minho Lima Cávado Ave Grande Porto Tâmega Entre-o-Douro-e-Vouga Douro Alto Trás-os-Montes Centro Baixo Vouga Baixo Mondego Pinhal Litoral Pinhal Interior Norte Dão Lafões Pinhal Interior Sul Serra da Estrela Beira Interior Norte Beira Interior Sul Cova da Beira Oeste Médio Tejo Lisboa Grande Lisboa Península de Setúbal Alentejo Alentejo Litoral Alto Alentejo Alentejo Central Baixo Alentejo Lezíria do Tejo Algarve R.A. Açores R.A. Madeira

27 1.4 - ALUNOS MATRICULADOS, SEGUNDO O NÍVEL DE EDUCAÇÃO/ENSINO, POR NUTS I, II e III 2006/2007 Nível de ensino Educação Ensino Básico Total Pré-Escolar NUTS I, II e III Total 1º Ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo PÚBLICO Ensino Secundário Portugal Continente Norte Minho Lima Cávado Ave Grande Porto Tâmega Entre-o-Douro-e-Vouga Douro Alto Trás-os-Montes Centro Baixo Vouga Baixo Mondego Pinhal Litoral Pinhal Interior Norte Dão Lafões Pinhal Interior Sul Serra da Estrela Beira Interior Norte Beira Interior Sul Cova da Beira Oeste Médio Tejo Lisboa Grande Lisboa Península de Setúbal Alentejo Alentejo Litoral Alto Alentejo Alentejo Central Baixo Alentejo Lezíria do Tejo Algarve R.A. Açores R.A. Madeira

28 1.5 - ALUNOS MATRICULADOS, SEGUNDO O NÍVEL DE EDUCAÇÃO/ENSINO, POR NUTS I, II e III 2006/2007 Nível de ensino Educação Ensino Básico Total Pré-Escolar NUTS I, II e III Total 1º Ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo PRIVADO Ensino Secundário Portugal Continente Norte Minho Lima Cávado Ave Grande Porto Tâmega Entre-o-Douro-e-Vouga Douro Alto Trás-os-Montes Centro Baixo Vouga Baixo Mondego Pinhal Litoral Pinhal Interior Norte Dão Lafões Pinhal Interior Sul Serra da Estrela Beira Interior Norte Beira Interior Sul Cova da Beira Oeste Médio Tejo Lisboa Grande Lisboa Península de Setúbal Alentejo Alentejo Litoral Alto Alentejo Alentejo Central Baixo Alentejo Lezíria do Tejo Algarve R.A. Açores R.A. Madeira

29 1.6 - ALUNOS MATRICULADOS, SEGUNDO O NÍVEL DE EDUCAÇÃO/ENSINO, POR TIPOLOGIA DO ESTABELECIMENTO 2006/2007 Continente Nível de ensino Educação Pré- Ensino Básico Total Escolar Tipologia Total 1º Ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo Ensino Secundário Total Público JI EB EB1/JI EB EB EB EBI EBI/JI EBM EB23/ES ES/EB ES ESA EP EPEI e CAIC Privado JI EB EB1/JI ESA EP M-N

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares Título: Educação em Números - Portugal 2008 Autoria: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério da Educação Edição: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2008/2009 - Adultos Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística e Planeamento

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2010/2011 - Jovens

FICHA TÉCNICA. Título Estatísticas da Educação 2010/2011 - Jovens FICHA TÉCNICA Título Estatísticas da Educação 2010/2011 - Jovens Autoria Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatísticas da Educação (DSEE) Divisão de Estatísticas

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação nos estabelecimentos de educação e ensino não superior

Tecnologias da Informação e da Comunicação nos estabelecimentos de educação e ensino não superior Tecnologias da Informação e da Comunicação nos estabelecimentos de educação e ensino não superior Dados disponibilizados pelo GIASE (Resultados Provisórios) NOTA TÉCNICA A presente compilação de dados

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação nos estabelecimentos de educação e ensino não superior

Tecnologias da Informação e da Comunicação nos estabelecimentos de educação e ensino não superior Tecnologias da Informação e da Comunicação nos estabelecimentos de educação e ensino não superior Dados disponibilizados pelo GIASE (Resultados Provisórios) NOTA TÉCNICA A presente compilação de dados

Leia mais

PERFIL DO ALUNO 2008/2009

PERFIL DO ALUNO 2008/2009 PERFIL DO ALUNO 2008/2009 FICHA TÉCNICA Título Perfil do Aluno 2008/2009 Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística

Leia mais

EDUCAÇÃO EM NÚMEROS. Portugal 2015

EDUCAÇÃO EM NÚMEROS. Portugal 2015 EDUCAÇÃO EM NÚMEROS Portugal 2015 FICHA TÉCNICA Título Educação em Números - Portugal 2015 Autoria Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatísticas da Educação

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Observatório do Sistema Educativo da Região Autónoma da Madeira 2. EDITOR/PROPRIEDADE Secretaria Regional de Educação

FICHA TÉCNICA. Observatório do Sistema Educativo da Região Autónoma da Madeira 2. EDITOR/PROPRIEDADE Secretaria Regional de Educação FICHA TÉCNICA EDITOR/PROPRIEDADE Secretaria Regional de Educação TÍTULO Anuário 2014 AUTORIA Observatório do Sistema Educativo da RAM / Gabinete do Secretário EDIÇÃO Observatório do Sistema Educativo da

Leia mais

Tecnologias da Informação e da Comunicação nos estabelecimentos de educação e ensino não superior

Tecnologias da Informação e da Comunicação nos estabelecimentos de educação e ensino não superior Tecnologias da Informação e da Comunicação nos estabelecimentos de educação e ensino não superior Dados disponibilizados pelo GIASE (Resultados Provisórios) NOTA TÉCNICA A presente compilação de dados

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO VILLARET Escola E.B. 2/3 João Villaret Tão importante quanto o que se ensina e se aprende é como se ensina e como se aprende. (César Coll) O Agrupamento de Escolas João Villaret

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO. Modalidades de Educação e Formação Ensino Secundário

SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO. Modalidades de Educação e Formação Ensino Secundário Modalidades de Educação e Formação Ensino Secundário Modalidades de Educação e Formação Ensino Secundário Cursos Científico Humanísticos Cursos Tecnológicos (estes cursos não constituem opção para novos

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras FICHA TÉCNICA Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras Autoria Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatísticas da Educação (DSEE) Divisão

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º).

3. EDUCAÇÃO. O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). 3. EDUCAÇÃO Quadro legal O Estado reconhece a todos o direito à educação e à cultura (CRP, art.º 73º), bem como ao ensino (CRP, art.º 74º). A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei n.º 46/86, de 14 de

Leia mais

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx

1 INFORMAÇÕES SOBRE O TITULAR DA QUALIFICAÇÃO. 1.1 Apelido(s): xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx. 1.3 Data de nascimento (ano/mês/dia): xxxxxxx SUPLEMENTO AO DIPLOMA Este Suplemento ao Diploma segue o modelo elaborado pela Comissão Europeia, pelo Conselho da Europa e pela UNESCO/CEPES. A finalidade deste Suplemento é fornecer dados independentes

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas

Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Os Cursos de Especialização Tecnológica Em Portugal Nuno Mangas Fórum novo millenium Nuno Mangas Covilhã, 22 Setembro 2011 Índice 1 Contextualização 2 Os CET em Portugal 3 Considerações Finais 2 Contextualização

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DOCUMENTO METODOLÓGICO Inquérito ao Sistema Educativo Regional Código: 47 Versão: 1.0 INTRODUÇÃO A necessidade de formular Políticas

Leia mais

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PORTADORES DE DEFICIÊNCIA PRINCÍPIOS GERAIS APLICÁVEIS: Todos os portugueses têm direito à Educação e à Cultura, nos termos da Constituição Portuguesa

Leia mais

Sistema Educativo Português Educação Profissional e Tecnológica

Sistema Educativo Português Educação Profissional e Tecnológica Sistema Educativo Português Educação Profissional e Tecnológica Conferência Nacional sobre Educação Profissional e Tecnológica 5 a 8 de Novembro de 2006 Sistemas de Educação e de Formação em Portugal ENSINO

Leia mais

Formação de Dupla Certificação

Formação de Dupla Certificação Glossário Formação de Dupla Certificação É aquela que confere, simultaneamente, Certificação Escolar e Certificação Profissional Cursos de dupla certificação destinados a Jovens (dos 15 aos 25 anos) Cursos

Leia mais

sucessivamente plasmado no nº1 do artigo 20º do Decreto-Lei nº 409/89, de 18 de Novembro e no artigo 18º do Decreto-Lei nº 312/99, de 10 de Agosto

sucessivamente plasmado no nº1 do artigo 20º do Decreto-Lei nº 409/89, de 18 de Novembro e no artigo 18º do Decreto-Lei nº 312/99, de 10 de Agosto Tem a Administração Educativa recorrido, ora com carácter ocasional, ora com carácter regular, à contratação por oferta de escola de pessoal docente detentor de formação especializada para assegurar a

Leia mais

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21

EEMI ITTI IDO PPOR: : Ministério da Educação. ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo DATTA 1980-11-21 DIÁRIOS DA REPUBLLI ICA DEESSI IGNAÇÇÃO: : EEDUCCAÇÇÃO e Ciência ASSSSUNTTO Estatuto do ensino particular e cooperativo IDEENTTI I IFFI ICCAÇÇÃO Decreto lei nº 553/80 DATTA 1980-11-21 EEMI ITTI IDO PPOR:

Leia mais

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/02916 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Lisboa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 184 11-8-1998 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 3907 seguem as atribuições e competências que lhes são conferidas pelos respectivos estatutos, aprovados, respectivamente, pelos Decretos-Leis n. os 74/95,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Quadro jurídico no sistema educativo português

Quadro jurídico no sistema educativo português I Simpósio Luso-Alemão sobre a Qualificação Profissional em Portugal - Oportunidades e Desafios Isilda Costa Fernandes SANA Lisboa Hotel, Av. Fontes Pereira de Melo 8, Lisboa 24 de novembro 2014 Contexto

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

A Qualificação de Jovens e Adultos

A Qualificação de Jovens e Adultos A Qualificação de Jovens e Adultos Na região do Algarve, a rede de oferta formativa tem vindo a ser construída, alargada e consolidada com a colaboração e empenho de um número crescente de entidades públicas

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

REORIENTAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO EM CURSOS DO NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO

REORIENTAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO EM CURSOS DO NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO REORIENTAÇÃO DO PERCURSO FORMATIVO EM CURSOS DO NÍVEL SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Outubro) O Despacho normativo n.º 29/2008, de 5 de Junho, introduziu alterações ao Despacho

Leia mais

3 Cursos de licenciaturas e diplomas de estudos superiores especializados constantes do Despacho n.º 25 156/2002, de 26 de Novembro, a considerar:

3 Cursos de licenciaturas e diplomas de estudos superiores especializados constantes do Despacho n.º 25 156/2002, de 26 de Novembro, a considerar: s previstos no art. 56.º do Estatuto da Carreira Docente que relevam para a aplicação da alínea c) do n.º 1 do art. 14.º do Decreto-Lei n.º35/2003, de 27 de Fevereiro, na redacção dada pelo Decreto-Lei

Leia mais

A Constituição de Turmas

A Constituição de Turmas DATA: NÚMERO: 20/05/2012 03/12 C/CONHECIMENTO A: REMETIDO A: SG Secretaria-Geral do Ministério da Educação... DGPGF Direção-Geral de Planeamento e Gestão Financeira... DGE Direcção-Geral de Educação...

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos

Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Centros para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) Estrutura, competências e objetivos Maria João Alves Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional 24 de novembro de 2014 I SIMPÓSIO

Leia mais

Organização do Sistema Educativo. Bases do sistema de educação e

Organização do Sistema Educativo. Bases do sistema de educação e Organização do Sistema Educativo Bases do sistema de educação e formação: princípios pios / legislação Os princípios básicos da Educação, consagrados na Constituição da República Portuguesa (CRP) Actividade

Leia mais

Macau é o primeiro território no quadro da Região da Grande China, onde vigora o regime de escolaridade gratuita de 15 anos.

Macau é o primeiro território no quadro da Região da Grande China, onde vigora o regime de escolaridade gratuita de 15 anos. Educação Desde a criação da RAEM, o Governo tem promovido o desenvolvimento do ensino não superior e do ensino superior de Macau, para concretizar a acção governativa de construção da prosperidade de Macau

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto

ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES. REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. I - Objecto ESCOLA SECUNDÁRIA FERNÃO DE MAGALHÃES REGULAMENTO DOS CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos I - Objecto O presente regulamento define a organização, desenvolvimento e acompanhamento dos Cursos de Educação

Leia mais

MODALIDADES DE FORMAÇÃO. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda

MODALIDADES DE FORMAÇÃO. Centro de Emprego e Formação Profissional da Guarda MODALIDADES DE FORMAÇÃO 1 CURSOS DE APRENDIZAGEM FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE JOVENS EM ALTERNÂNCIA O que são? São cursos que: > Dãoumaqualificaçãoepreparamparaomercadode trabalho. > Duram aproximadamente

Leia mais

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1 ORGANIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 7.1.1 PRINCÍPIOS GERAIS. BASE LEGISLATIVA DE REFERÊNCIA A educação pré-escolar é a primeira etapa da educação básica no processo de educação

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA PLANO DE ESTUDOS DO 51º CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Janeiro de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO CURRICULAR... 5 6.

Leia mais

SISTEMA EDUCATIVO PORTUGUÊS

SISTEMA EDUCATIVO PORTUGUÊS SISTEMA EDUCATIVO PORTUGUÊS Descrição sumária referente ao ano lectivo de 2004/05 Ministério da Educação GIASE 2 ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO... 4 I EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR... 6 II ENSINO BÁSICO... 9 III ENSINO

Leia mais

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS

ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE Paço de Arcos EDITAL EM EXPLORAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE MERCADORIAS ANO LECTIVO 2008/2009 O Presidente do Conselho Directivo da Escola Náutica Infante D. Henrique,

Leia mais

REFERENTE DE NECESSIDADES FORMATIVAS - CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

REFERENTE DE NECESSIDADES FORMATIVAS - CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS REFERENTE DE NECESSIDADES FORMATIVAS - CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Nível de prioridade das necessidades formativas dos Cursos de Educação e Formação de Adultos face à dinâmica de emprego,

Leia mais

Boas práticas. Vias de Conclusão e Certificação do Ensino Secundário

Boas práticas. Vias de Conclusão e Certificação do Ensino Secundário Jornadas de Formação Profissional Boas práticas Região Autónoma da Madeira Vias de Conclusão e Certificação do Ensino Secundário (Decreto lei nº 357/2007 de 29 de Outubro) Os melhores RUMOS para os Cidadãos

Leia mais

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL

DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL DOCENTE DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Natureza do trabalho Os docentes de educação especial exercem as suas funções junto de crianças e jovens do ensino pré-escolar, básico e secundário com necessidades educativas

Leia mais

I SÉRIE - N.º 16-18-4-2002

I SÉRIE - N.º 16-18-4-2002 466 Decreto Legislativo Regional n.º 13/2002/A de 12 de Abril Organização e funcionamento do sistema de reconhecimento e validação de competências e da educação e formação de adultos A Lei de Bases do

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

Formação para Técnico de Segurança no Trabalho, Nível 4 de Qualificação, QNQ

Formação para Técnico de Segurança no Trabalho, Nível 4 de Qualificação, QNQ NOTA TÉCNICA N.º 3 TEMA: Formação Profissional de SST Formação para Técnico de Segurança no Trabalho, Nível 4 de Qualificação, QNQ Formação para Técnico Superior de Segurança no Trabalho, Níveis 6 a 8

Leia mais

Proposta de Decreto Legislativo Regional

Proposta de Decreto Legislativo Regional Proposta de Decreto Legislativo Regional Regulamenta na Região Autónoma dos Açores, os aspectos relativos à realização, em escolas da rede pública, do estágio pedagógico das licenciaturas em ensino e dos

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS Versão 1.1 Setembro 2013 1. Critérios (mínimos) de referência quanto à qualificação do corpo docente para a acreditação

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC)

REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) REGULAMENTO CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS (EFA) CURSOS DE FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS (FMC) Legislação de Referência: Despacho n.º 334/2012, de 11 de janeiro Portaria n.º 283/2011, de 24

Leia mais

FICHAS SÍNTESE NACIONAIS SOBRE OS SISTEMAS EDUCATIVOS NA EUROPA E REFORMAS EM CURSO PORTUGAL JUNHO 2009

FICHAS SÍNTESE NACIONAIS SOBRE OS SISTEMAS EDUCATIVOS NA EUROPA E REFORMAS EM CURSO PORTUGAL JUNHO 2009 FICHAS SÍNTESE NACIONAIS SOBRE OS SISTEMAS EDUCATIVOS NA EUROPA E REFORMAS EM CURSO PORTUGAL JUNHO 2009 1. População escolar e língua de instrução Em 2006-2007, o número de jovens entre os 0 e os 29 anos

Leia mais

Alternativas de formação escolar e profissional após o 9º ano de escolaridade. Informação atualizada para 2013/2014

Alternativas de formação escolar e profissional após o 9º ano de escolaridade. Informação atualizada para 2013/2014 Alternativas de formação escolar e profissional após o 9º ano de escolaridade Informação atualizada para 2013/2014 ENSINO BÁSICO ENSINO SECUNDÁRIO Mundo do Trabalho CET Cursos de Especialização Tecnológica

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

Literacia Estatística ao serviço da Cidadania. Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem

Literacia Estatística ao serviço da Cidadania. Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem Serviço de Difusão Literacia Estatística ao serviço da Cidadania Portal do INE e Projeto ALEA Uma primeira abordagem Rede de Bibliotecas Escolares Formação para Professores fevereiro - maio.2012 Itinerário

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL Considerando que, nos termos do n 3 do artigo 45. do Decreto -Lei n 74/2006, de 24 de margo, alterado pelos Decretos-Lei n

Leia mais

Apoios ao Investimento em Portugal

Apoios ao Investimento em Portugal Apoios ao Investimento em Portugal AICEP Abril 2015 FINANÇAS Índice Investimento Produtivo Auxílios Estatais Máximos Incentivos Financeiros Incentivos Fiscais Investimento em I&D Empresarial Incentivos

Leia mais

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05)

(Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Instituto Politécnico de Portalegre ESCOLA SUPERIOR AGRÁRIA DE ELVAS Normas regulamentares dos Cursos de Especialização Tecnológica (Decreto-Lei nº 88/2006, de 23/05) Elvas Julho de 2012 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Fatores Determinantes para o Crescimento do Emprego de Jovens CREJOV

Fatores Determinantes para o Crescimento do Emprego de Jovens CREJOV Fatores Determinantes para o Crescimento do Emprego de Jovens CREJOV THINK TANK 30 de abril de 2013 POAT/FSE: Gerir, Conhecer e Intervir Situação População 15-24 anos- Taxas Dezembro2012 NEETs 18,6 Abando.E.P

Leia mais

Normas para as Matrículas das Crianças da Educação Pré-escolar e dos Alunos dos Ensinos Básico e Secundário

Normas para as Matrículas das Crianças da Educação Pré-escolar e dos Alunos dos Ensinos Básico e Secundário Índice Legislação Geral 1 Legislação Acção Social e Seguro Escolar 2 Alargamento da Rede de Edcação pré-escolar 2 Educação Especial 3 Inclusão e Sucesso Educativo 4 Notícias 5 Encerramento do Ano Lectivo

Leia mais

SECRETARIA-GERAL Centro de Informação e Relações Públicas CIREP. Legislação divulgada no B. I. Janeiro 2010

SECRETARIA-GERAL Centro de Informação e Relações Públicas CIREP. Legislação divulgada no B. I. Janeiro 2010 2010-01-29 Janeiro SECRETARIA-GERAL Centro de Informação e Relações Públicas CIREP Legislação divulgada no B. I. Janeiro 2010 Despacho n.º 1/2010. D.R. n.º 1, Série II de 2010-01-04, dos Ministérios dos

Leia mais

ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL

ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL 9º ano: e depois? Sistema Educativo Português 2013/2014 ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL Objetivos Promover a auto - exploração (interesses, capacidades, competências

Leia mais

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação

PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação PEDIDO DE ACREDITAÇÃO PRÉVIA DE NOVO CICLO DE ESTUDOS (PAPNCE) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação Versão de Abril de 2014 APRESENTAÇÃO DO PEDIDO A1. Instituição de ensino superior

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 20 Dezembro 2011. Jornada de Prevenção FDL

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO 20 Dezembro 2011. Jornada de Prevenção FDL 20 Dezembro 2011 Jornada de Prevenção FDL Direcção de Serviços para a Promoção da Segurança e Saúde no Trabalho Divisão de Promoção e Avaliação de Programas e Estudos Divisão de Regulação de Entidades

Leia mais

perfil dos imigrantes em portugal: por países de origem e regiões de destino

perfil dos imigrantes em portugal: por países de origem e regiões de destino perfil dos imigrantes em portugal: por países de origem e regiões de destino Conceição Rego Maria Filomena Mendes José Rebelo Graça Magalhães Resumo: Palavras-chave Códigos JEL Abstract: Keywords JEL Codes

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Finalidades e objectivos educacionais 2 3. Organização interna do CEAH 2 4. Habilitações de acesso

Leia mais

Curso de Formação Complementar. Apresentação

Curso de Formação Complementar. Apresentação Curso de Formação Complementar I Apresentação O curso de Formação Complementar destina-se a jovens titulares de cursos de Tipo 2, Tipo 3 ou outros cursos de qualificação inicial de nível 2, que pretendam

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

Licenciatura em Informática Licenciatura em Engenharia Multimédia

Licenciatura em Informática Licenciatura em Engenharia Multimédia Ensinar a saber fazer Profissionais com Futuro desde 1990 L I C E N C I A T U R A S ADEQUADAS AO PROCESSO DE BOLONHA Licenciatura em Informática Licenciatura em Engenharia Multimédia A estratégia do ISTEC

Leia mais

Documento Metodológico

Documento Metodológico Documento Metodológico Designação da operação estatística: Inquérito aos Alunos com Necessidades Especiais de Educação Sigla da operação estatística: Inq. NEE Código da operação estatística: 418 Código

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Denominação A Escola Profissional adopta a designação de ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS e a abreviatura EPF. ARTIGO

Leia mais

INIDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

INIDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INIDE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Relatório explicativo dos Organigramas do Sistema de Educação (Elaborados com base na Lei 13/01 de 31 de Dezembro) Cada Organigrama apresentado (tanto a

Leia mais

CET. Desenvolvimento de Produtos Multimédia. Curso de Especialização Tecnológica ÁREA DE FORMAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL

CET. Desenvolvimento de Produtos Multimédia. Curso de Especialização Tecnológica ÁREA DE FORMAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL CET Curso de Especialização Tecnológica Desenvolvimento de Produtos Multimédia ÁREA DE FORMAÇÃO Ciências Informáticas IPCA PERFIL PROFISSIONAL Técnico de Desenvolvimento de Produtos Multimédia LOCAL DE

Leia mais

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro

ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL JOAQUIM AZEVEDO. O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos. O passado, o presente e o futuro ENSINO PROFISSIONAL EM PORTUGAL O ensino profissional: uma aposta bem sucedida com quase 25 anos O passado, o presente e o futuro JOAQUIM AZEVEDO 16 MAR 2012 Uma aposta em quê, em particular? Desenvolvimento

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR I. Introdução Nos termos do art.º 22º da Lei nº 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Guião para apreciação dos pedidos de registo da criação de cursos técnicos superiores profissionais

Guião para apreciação dos pedidos de registo da criação de cursos técnicos superiores profissionais Guião para apreciação dos pedidos de registo da criação de cursos técnicos superiores profissionais NOTA: Aconselha-se a utilização dos novos formulários, uma vez que se procedeu a uma otimização nas suas

Leia mais

Ponto de Acesso INE Biblioteca IPB Formação de utilizadores. Beja, Outubro de 2009 ESEB

Ponto de Acesso INE Biblioteca IPB Formação de utilizadores. Beja, Outubro de 2009 ESEB Ponto de Acesso INE Biblioteca IPB Formação de utilizadores Organização I Parte Informação sobre o Ponto de Acesso do INE no Instituto Politécnico de Beja II Parte Pesquisa de informação estatística Como

Leia mais

Concursos e mobilidade. 5/6 de junho de 2014

Concursos e mobilidade. 5/6 de junho de 2014 Concursos e mobilidade 5/6 de junho de 2014 Regime de seleção, recrutamento e mobilidade do PD A satisfação das necessidades de pessoal docente das escolas é suprida através dos concursos: interno e externo

Leia mais

Para quem inscrito no 12º ano sem o concluíres

Para quem inscrito no 12º ano sem o concluíres Os Cursos de Especialização Tecnológica (CET) são formações pós-secundárias não superiores que te preparam para uma especialização científica ou tecnológica numa determinada área de formação. Para quem

Leia mais

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 1. Introdução O Curso de Especialização em Administração Hospitalar (CEAH) da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Universidade

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA. (Edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA. (Edição 2012-2014) 1/10 EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA (Edição 2012-2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA S SERVIÇOS JURÍDICOS. ÁREA DE FORMAÇÃO Ciências Jurídicas PERFIL PROFISSIONAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA S SERVIÇOS JURÍDICOS. ÁREA DE FORMAÇÃO Ciências Jurídicas PERFIL PROFISSIONAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA S SERVIÇOS JURÍDICOS ÁREA DE FORMAÇÃO Ciências Jurídicas PERFIL PROFISSIONAL Técnico Especialista em Serviços Jurídicos LEGISLAÇÃO APLICÁVEL Decreto-lei nº 88/2006,

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÓMICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO Competindo ao Ministério da Educação definir a política educativa e coordenar a sua aplicação, bem como assegurar o funcionamento

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA

ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA ANEXO 19 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS EFA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 ÍNDICE Introdução 2 1. Objecto 2 2. Destinatários 2 3. Percursos Formativos 3 4. Organização

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO CURSOS ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA (Com base no Regulamento de Estudos revisto e alterado em Reunião do Conselho Científico de 27 Novembro 2006) Anos Lectivos 2006/2007 e 2007/2008 Artigo 1.º

Leia mais

Educação e Formação em Portugal

Educação e Formação em Portugal Educação e Formação em Portugal Título: Educação e Formação em Portugal Autor: Ministério da Educação Editor: Ministério da Educação Impressão: Editorial do Ministério da Educação Design gráfico: WM.Imagem

Leia mais