A SITUAÇÃO DE TRABALHO DO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO, QUANTO À SUA QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO NO SETOR DE MANUTENÇÃO DE UMA INDÚSTRIA TÊXTIL EM MINAS GERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SITUAÇÃO DE TRABALHO DO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO, QUANTO À SUA QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO NO SETOR DE MANUTENÇÃO DE UMA INDÚSTRIA TÊXTIL EM MINAS GERAIS"

Transcrição

1 A SITUAÇÃO DE TRABALHO DO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO, QUANTO À SUA QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO NO SETOR DE MANUTENÇÃO DE UMA INDÚSTRIA TÊXTIL EM MINAS GERAIS José Braga Periard João Bosco Laudares Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET/MG RESUMO: Este artigo visa promover uma ampliação do objeto de pesquisa que tem sido abordado no Grupo de Pesquisa em Formação e Qualificação Profissional (FORQUAP), vinculado ao Mestrado em Educação Tecnológica, no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), que discute as Relações na situação de trabalho dos profissionais técnico, tecnólogo e engenheiro, quanto a sua qualificação e atuação frente às novas tecnologias organizacionais e de gestão estudo em empresas mineiras, ao adentrar-se na cadeia produtiva do setor têxtil mineiro, face à sua expressiva representatividade no mundo do trabalho. De acordo com os mais recentes dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), tem-se que, a necessidade de modernização e competitividade das empresas da cadeia têxtil é um fato, corroborado pelas ações implementadas no mercado interno ou externo, pela defasagem tecnológica do maquinário e equipe técnica, acrescido do déficit da balança comercial em US$ 4,7 bilhões. O Brasil é o quinto maior produtor têxtil do mundo, com um faturamento de US$ 67 bilhões, sendo que 97% deste valor negociado em mercado interno. Este setor é formado por 30 mil empresas que representam 5,5% do PIB nacional da indústria de transformação e que empregam 1,7 milhões de trabalhadores diretos, destacando-se como o 2º maior empregador da indústria de transformação. Os indicadores de investimento no setor em 2011 são da ordem de US$ 2,5 bilhões, face às linhas de financiamentos disponíveis. (ABIT, 2012). Problematiza-se então, neste contexto, quais são as situações de trabalho do técnico de nível médio quanto à formação, a inserção e o seu lugar no setor de manutenção de uma indústria têxtil, com uma formação inicial semelhante às que são encontradas em outras empresas mineiras de grande porte, valendo-se ainda do mesmo modo metodológico aplicado ao estudo

2 em andamento. Atualmente o mundo do trabalho está migrando do modelo de organização e gestão do trabalho científico para o flexível, e a indústria têxtil caracteriza-se por sua heterogeneidade, seja em processos, trabalhadores ou equipamentos, que se mesclam de obsoletos a modernos. Este estudo foi realizado em uma indústria de grande porte do setor têxtil em Belo Horizonte/MG, baseando-se no depoimento de profissionais, com formação em curso técnico de nível médio, seja concluído em escola técnica privada ou pública. Discute-se no referencial teórico, a questão de qualificação e competência, formação inicial e continuada e reflexos da reestruturação produtiva iniciada na década de 90, segundo estudos que apóiam-se na visão da Escola Francesa que preconiza a aprendizagem como eficiência social do indivíduo, baseada na relação Trabalho e Educação, além de outros aspectos apresentados por Laudares e Tomasi (2003), Burnier (2003), Zarifian (2003), Keller (2010) e Valle (2003). Trata-se também, dos desafios atuais postos à atuação profissional por um contexto de globalização econômica e de novas formas de organização da produção e do trabalho. Assim é possível discutir-se as tendências e competências deste trabalhador, seu contexto, sua historicidade e sua vinculação às relações sociais. Esta pesquisa tem uma abordagem qualitativa e baseia-se nos dados coletados através de uma entrevista semiestruturada realizada com profissionais de formação técnica de nível médio em mecânica, eletrotécnica, mecatrônica industrial e automação industrial. Desta forma, pretende-se analisar a sua demanda de formação, demanda de qualificação e requalificação, o lugar posicional na estrutura da empresa, as funções e cargos dos profissionais atuantes, as competências dos mesmos, a gestão do trabalho, o recrutamento, as políticas de formação profissional e os programas de qualificação e requalificação requeridos. Neste cenário, tem-se como resultante, as atuais tendências de mobilidade ocupacional dos técnicos e o (re)direcionamento do técnico de nível médio a um lugar, onde vê-se frente à percepção de degradação do valor social da sua formação profissional. PALAVRAS-CHAVE: Técnico; Indústria Têxtil; Situação de Trabalho.

3 1.Introdução Este artigo busca contribuir com uma resposta à questão levantada no artigo O Técnico de escolaridade média no setor produtivo: seu novo lugar e suas competências (LAUDARES e TOMASI, 2003). Para contribuir com esta investigação, realizou-se uma pesquisa de campo no período de novembro a dezembro de 2011, na empresa HZT Têxtil (nome fictício), estabelecida em Minas Gerais, desde Assim como outras empresas do ramo têxtil brasileiro, a HZT Têxtil tem buscado garantir a sua competitividade e sobrevivência, adotando estratégias que minimizem os impactos causados pela globalização dos mercados e da liberalização comercial impostas na década de 90, fatos que têm provocado grandes impactos em diversos setores industriais, e mais intensamente no setor têxtil e de confecções, segundo os estudos de Keller (2010). Visando alcançar uma posição relevante no mercado de tecido tinto e estampado, malhas e índigo, a empresa estabeleceu políticas para conquistar e manter a confiança de seus clientes, garantindo-lhes a qualidade no atendimento e vantagens no preço e no prazo de entrega. A HZT Têxtil esforça-se na prática de uma gestão ética e socialmente responsável, ao promover a saúde e a segurança do trabalho, desenvolver ações que visem preservar o meio ambiente e prevenir a poluição, e cumprir a legislação e normas aplicáveis. A empresa também defende valores como: respeito pelas pessoas, integridade e transparência, exigência e profissionalismo, performance, responsividade e compromisso comum. Diante dos aspectos acima destacados, procedeu-se um estudo na HZT Têxtil através de alguns sujeitos abordados nesta pesquisa intitulada: A situação de trabalho do técnico de nível médio, quanto à sua qualificação e atuação no setor de manutenção de uma indústria têxtil em Minas Gerais, visando complementar as pesquisas que abordam os movimentos ocupacionais dos técnicos de nível médio no mundo do trabalho. Foram coletados alguns dados através de uma entrevista semi-estruturada, com sujeitos que atuam na empresa como técnicos em manutenção industrial, para conhecer a sua demanda de formação, demanda de qualificação e requalificação, o lugar posicional na

4 estrutura da empresa, as funções e cargos dos profissionais atuantes, as competências dos mesmos, a gestão do trabalho, o recrutamento, as políticas de formação profissional e os programas de qualificação e requalificação que o mercado tem exigido destes profissionais. A amostra em evidência refere-se às entrevistas com cinco técnicos, sendo: um líder de manutenção, um técnico em elétrica e três técnicos em mecânica. Observou-se, quanto aos técnicos entrevistados, que os cargos ocupados são descritos em conformidade com uma escala profissional apresentada da seguinte forma: estagiários, operadores, técnicos e líder, não sendo etapas de crescimento funcional aplicada a todos, mas com enquadres nesta condição. No que se refere à divisão do trabalho, mesmo com um ambiente flexível e facilitação nos contatos diretos entre os profissionais, conforme observado em campo, evidenciou-se uma estrutura verticalizada. Nesta divisão, a gestão do setor de manutenção cabe a um engenheiro, que é responsável pelo estudo e pelo planejamento estratégico das atividades de manutenção preventiva, corretiva e preditiva. A ligação entre o planejado e o executado é coordenada pelo líder de manutenção que prioriza as atividades, remaneja a equipe, interage com outros líderes de setores produtivos, e também com seus fornecedores internos/externos. Aos técnicos, cabe o encargo de executarem as manutenções no nível preventivo e corretivo, além de implementarem, quando necessário, inovações e melhorias contínuas nos equipamentos que estão instalados num parque fabril, onde alternam-se, tecnologia ultrapassada com equipamentos de última geração. Ainda, baseando-se nos estudos de Keller (2010) [...] alguns fatores no passado contribuíram para a heterogeneidade tecnológica da indústria têxtil, tais como: a falta de acesso à automação industrial - provocada pela reserva de mercado para a informática dificultou às grandes empresas ter acesso à tecnologia de ponta; a indústrianacional de máquinas têxteis não podia suprir a demanda nacional; o desenvolvimento tecnológico das máquinas têxteis era difícil de ser alcançado pelos fabricantes nacionais devido ao alto custo dos investimentos para acompanhar o novo padrão tecnológico; e o lento processo de substituição dos equipamentos devido ao longo período de vida útil do maquinário antigo, que mesmo defasados tecnologicamente ganhavam sobrevida para muitas empresas por diversas formas.(keller, 2010).

5 Desta forma, pretende-se na estruturação deste artigo, realizar a apresentação da discussão teórica e das questões dela decorrentes; seguida da apresentação dos resultados da pesquisa de campo referente aos técnicos de nível médio, e do diálogo entre a teoria e a pesquisa empírica, e por último, seguem-se as considerações finais. 2.Discussão teórica e questões dela decorrentes Existem diversos estudos que também buscam interpretar as situações de trabalho, citadas neste artigo, tais como os elaborados por Laudares e Tomasi (2003), Burnier (2003) e Paixão (2007), nos quais discutem-se o lugar do técnico de nível médio no atual mundo do trabalho. As considerações apresentadas nestes estudos foram baseadas num momento social, político e cultural que se distancia num espaço-temporal de dez anos ou mais. E durante este período, muitas situações consolidaram-se, de modo a validar ou questionar as propostas apresentadas. Para Laudares e Tomasi (2003), com [...] a chamada reestruturação produtiva, estabelece-se uma nova configuração no cenário industrial, que diz respeito às novas tecnologias, seja na mudança da base técnica (máquinas, energia, informatização produtiva), seja na mudança dos modelos de organização e de gestão do trabalho (taylorismo, toyotismo). (LAUDARES; TOMASI, 2003). A cadeia têxtil, onde se desenvolve este estudo, é um dos setores mais atingidos pela reestruturação produtiva, pois tem enfrentado a concorrência acirrada dos produtos oriundos dos países asiáticos, com preços abaixo do custo de fabricação de produtos similares nas empresas nacionais, face às cargas tributárias do país, e outras questões como: equipamentos obsoletos, tecnologia defasada, produtividade baixa, matéria-prima de baixa qualidade e valor elevado, pouco capital de giro, salário e encargos com valores acima do que é praticado na concorrência estrangeira. De acordo com os mais recentes dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), a necessidade de modernização e competitividade das empresas da cadeia têxtil é um fato, diante das ações implementadas no mercado interno ou externo, da defasagem tecnológica do maquinário e equipe técnica, acrescido do déficit da balança comercial em US$ 4,7 bilhões. O Brasil é o quinto maior produtor têxtil do mundo, com um faturamento de US$ 67 bilhões, sendo que 97% deste valor negociado em mercado interno. Este setor é formado por 30 mil empresas que

6 representam 5,5% do PIB nacional da indústria de transformação e que empregam 1,7 milhões de trabalhadores diretos, destacando-se como o 2º maior empregador da indústria de transformação. Os indicadores de investimento no setor em 2011 são da ordem de US$ 2,5 bilhões, face às linhas de financiamentos disponíveis. (ABIT, 2012). Neste cenário, encontra-se o sujeito deste estudo, o técnico em sua atuação profissional no setor de manutenção industrial, frente às variáveis do mundo do trabalho. Em estudos anteriores, conforme o elaborado por Laudares e Tomasi (2003), discute-se a tendência do movimento ocupacional e do lugar do técnico na empresa, em razão da entrada do profissional com formação de tecnólogo, que vinha com uma formação profissional mais adequada para atender aos requisitos de gestão, evolução e competitividade do mercado. Mas o que se constata neste recorte, neste ambiente produtivo, através da fala dos sujeitos entrevistados, é que não ocorreu a abertura de lugar para o nível de tecnólogo, conforme previsto, fato constatado pela ausência deste profissional (tecnólogo) na área de manutenção da empresa HZT Têxtil e também pela divisão de cargos existente na empresa, que se restringe a engenheiro e técnico. O distanciamento do técnico para o chão-de-fábrica, não está sendo promovido em razão do lugar ocupado pelo tecnólogo na atual estrutura organizacional na empresa pesquisada. Na HZT Têxtil evidencia-se uma reestruturação produtiva, quando se observa que ocorreu a menos de um ano, um investimento elevado para o Upgrade do sistema de gestão têxtil (SGT) para a versão SGT 320, assimilando também as mais modernas técnicas da engenharia de produção, além da aquisição de novos equipamentos de produção, adquiridos em feiras de negócios têxteis internacionais. Diante destes fatos, o técnico encontra-se requerido a assimilar as técnicas inseridas nestes novos sistemas, equipamentos e processos, e em manifestar sua criatividade, iniciativa, autonomia, senso crítico e técnico na adequação do equipamento, na aplicação de conhecimento, validando assim, o seu lugar efetivamente num contexto social, cultural e profissional. Quanto à exclusão/movimentação do sujeito-técnico pelas condições elencadas na pesquisa de Burnier (2003), não se constata, visto que [...] a mudança ocorrida no mercado de trabalho do técnico de nível médio da década de 1980, o qual ocupava cargos de chefia, para a dura realidade da década seguinte. Nesta, os engenheiros foram empurrados para os lugares antes ocupados pelos técnicos, e

7 esses para os lugares antes ocupados pelos trabalhadores mais experientes. Em algumas montadoras automobilísticas, há técnicos de nível médio trabalhando como operadores de máquinas, o posto mais baixo do processo produtivo. Atribuo esses movimentos à redução do número de vagas e ao aumento da disponibilidade de trabalhadores mais qualificados.(burnier, 2003). Ocorre no atual mundo do trabalho (ano de 2012), uma década após os estudos citados, que há uma elevação do número de vagas para profissionais com formação de nível técnico, mas discute-se a evidência da qualificação esperada para o desempenho técnico requisitado. Este fato, é evidenciado pelo aumento expressivo do número de matrículas (interessados) na formação técnica, pois de acordo com o Censo Escolar de 2010, de estudantes estão matriculados no Ensino Profissional, apresentando uma variação de matrículas de 74,9% para esta etapa do ensino desde (BRASIL, 2010) Segundo Carletto (2006), existe uma exigência crescente da necessidade em aumentar a capacidade dos trabalhadores em solucionar problemas, transformar ações em resultados, otimizar seu desempenho e ser competitivo. Ainda que, as atividades deste profissional estejam restritas às etapas do processo, fragmentadas em razão de produtividade, horas trabalhadas, disponibilidade do equipamento, ou outras inferências, requer-se e estimula-se uma interação profissional do técnico com o processo de manutenabilidade do equipamento. Indaga-se neste momento, sobre a percepção do sujeito quanto ao seu desempenho, de sua ação como profissional técnico, se tem consciência de sua situação profissional no mundo do trabalho, sua capacidade crítica para questionar os procedimentos de modo a agregar mais tecnicidade, sua competência ou se percebe-se em contrapartida, num processo de degradação do seu trabalho, em razão de sua alocação no posto de trabalho. Esta situação é contemplada por Braverman (1981), em seus estudos ao afirmar que: O trabalhador livre pode parcelar voluntariamente o processo de trabalho, mas ele jamais se converte num trabalhador parcelado pela vida afora (BRAVERMAN, 1981). Deste modo, podemos inferir que a condição necessária para o técnico estar percebendo-se no mundo do trabalho, situar-se, está diretamente relacionada com sua posição como indivíduo, e não de um grupo social/profissional (os técnicos). Ao lidar

8 com situações novas, métodos e processos recém-instalados, sem nenhum roteiro ou procedimento operacional padrão, abre uma demanda específica para o profissional interagir-se com esta situação e resgatar seu conhecimento, seus fundamentos, seja de mecânica, elétrica, ou outra área técnica. De acordo com Laudares (2011), esta situação é uma forma do sujeito, enquanto profissional técnico, entender sua condição no processo produtivo, e criar seus meios, sua iniciativa, sua emancipação profissional, e deste modo, tornar-se competente. A tecnologia, hoje requer para o seu desenvolvimento um crescimento de saberes e competências, a serem adquiridos não mais somente pela experiência, mas pela ciência de disciplinas como a eletrônica, a informática, novos materiais, planejamento e gestão industriais, entre outras. Daí a necessidade da contínua qualificação e requalificação profissionais agregando às tarefas e funções produtivas constantes programas formativos específicos ou gerais da ciência do processo produtivo para o trabalhador. (LAUDARES, 2011). Ocorre então, uma acentuada dificuldade de acompanhar as mudanças implementadas em processos produtivos, seja a nível de capacitação ou de exigência de conhecimento prévio, mesmo porque, em uma empresa pode estar sendo praticado e em outra, não. Ainda que tenha o mesmo nível de equipamento/processos, e atue no mesmo ramo. Esta é uma característica da diversidade dos dias atuais do mundo do trabalho. O que se faz necessário, é estar alinhado com as estratégias organizacionais, com a percepção do ambiente econômico, social e tecnológico, e com a integração que o sujeito (técnico) pode realizar ao iniciar uma ação expositiva do conhecimento adquirido. Zarifian (2003), apresenta uma nova reflexão no seu estudo sobre a competência, denominado O modelo da competência, quando revisa o conceito anteriormente estabelecido, dizendo que Competência é a tomada de iniciativa e o assumir de responsabilidade do indivíduo sobre problemas e eventos que ele enfrenta em situações profissionais. (ZARIFIAN, 2003). Nesta reformulação do conceito de competência, ressalta-se que ao indivíduo, não basta ser responsável pela ação gerada, mas sim, assumir as conseqüências, responder por, ir até as ultimas conseqüências na tomada de iniciativa. O poder é resultante de uma ação responsável. Acresce-se, a condição de que este ato é sobre

9 problemas e eventos, ou seja, sobre algo que sempre ocorrerá mais de uma vez, algo redundante. Esta é a situação encontrada na rotina de um técnico de manutenção industrial, quando se depara diariamente com eventos não previsíveis e que requerem um enfrentamento de novas situações, e o resultado, a solução é requerida e mensurada como competência, sem implicar em diferenciais de remuneração. Ser competente não é ser capaz de solucionar algo que se repete em sua ocorrência, e sobre este evento, tornar-se um especialista, mas sim, tera capacidade de solucionar eventos e problemas que surjam inesperadamente. Quando um técnico considera-se competente em seu desempenho, deve-se indagar em quanto eventos colaborou com sua tomada de iniciativa e responsabilidade, ou seja, se está atingindo o cume do exercício da competência, exercendo suas microdecisões, conforme observado por Zarifian (2003). Nos depoimentos obtidos na pesquisa em campo, observa-se que a competência apresentada pelo conhecimento técnico, pelas qualificações em cursos técnicos, são requeridas na fase de inserção ao mundo do trabalho, mas não garantem a permanência. Conta-se neste momento, o que o sujeito, enquanto trabalhador técnico agrega de competências subjetivas, sociais e comunicativas. Valle (2003) sintetiza, que nesta formatação em que a competência tem sido interpretada no mundo do trabalho, ela se constitui numa mediação entre a qualificação e o desempenho no cargo. Assim entende-se, como que profissionais com a mesma formação inicial, conseguem apresentar um desempenho conforme ao requerido, permitindo lhes atingir níveis superiores na empresa. 3.A inserção, a formação e a situação do técnico de nível médio no setor de manutenção a HZT Têxtil De outro lado, os resultados apresentados nesta pesquisa fornecem dados empíricos em relação à demanda de formação dos técnicos, ao relatarem suas trajetórias distintas quanto à sua formação. Identifica-se que um dos entrevistados cursou o ensino médio e em seguida realizou um curso técnico em mecânica. Além de outro, que cursou dois cursos de nível técnico, entendendo que se complementavam. E tem aqueles que já estavam inseridos no mundo do trabalho, como operadores de produção e cursaram um

10 curso de nível técnico visando com este esforço, uma oportunidade de crescimento profissional na empresa. A inserção no mundo do trabalho tem sido recorrente na função de estagiário. Questionou-se aos entrevistados quanto ao modo em que seu deu a formação escolar inicial: se concluiu os estudos primeiramente, ou se foi adquirido simultaneamente a atuações profissionais diversas. Pode ressaltar-se, que consideram o curso de nível técnico uma evolução de formação, quando realizado em seguida a um curso de ensino médio. Evidencia-se neste grupo pesquisado, que a formação inicial apenas se iguala pelo nível técnico, visto as demais qualificações se dispersarem em uma inúmera quantidade de cursos, eventos, feiras, cursos on lineou EAD, alem da leitura de manuais técnicos. Sobre a demanda de qualificação e requalificação, observou-se neste grupo de técnicos, que eles valorizam os cursos de aperfeiçoamento de curta duração e o período de estágio, e têm a HZT Têxtil como a principal referência do mundo do trab alho. De acordo com a fala de um dos entrevistados, encontra muita dificuldade em conciliar os estudos e o trabalho, visto estar cursando nível superior em engenharia elétrica. A condição citada para admissão ao mundo do trabalho nos relatos de três entrevistados foi no nível de estágio, o que permitiu durante um determinado período, sua interação com o ambiente organizacional. A aquisição de conhecimento, ocorre gera lmente através do contato profissional com os demais colegas, que transferem o conhecimento adquirido e/ou prática de trabalho. A mudança ou evolução ocorrida ao assimilar novas atividades, permite um aporte de conhecimento bastante enriquecido por sua visão mais ampla do processo global que ocorre na empresa, enquanto a oportunidade de vivenciar etapas com mais contextualização e não apenas ter uma visão superficial. A capacitação anterior ao trabalho atual, observada no contexto dos relatos dos técnicos, não evidencia uma linha de evolução pessoal, mas, algumas investidas em formação. Com freqüência, o conhecimento adquirido para a realização de alguma atividade profissional se consolidou ainda no período de estágio realizado. Não evidenciou-se um relato de aperfeiçoamento, seguindo algum planejamento definido pela empresa. Com relação à demanda de qualificação/requalificação, percebe-se que os técnicos apresentam uma prática específica de sua formação (saber -aprender fazendo), o que limita a demanda de requalificação ou mesmo um aproveitamento efetivo da sua

11 formação técnica na atuação profissional, conforme acentuado nas falas de alguns técnicos entrevistados, que se seguem. Muito do que é feito aqui, já percebi que as pessoas aprendem por empirismo puro. Começa a trabalhar, começa a mexer, e vai desenvolvendo. (Técnico 5). Adquiri o conhecimento todo na prática, através da experiência com o trabalho, junto aos colegas e aos equipamentos. (Técnico 3). Em relação ao lugar posicional na estrutura da empresa, a porta de entrada foi a partir de oportunidades de estágio ou de recrutamento interno. Acresce-se que ocorre a valorização da prática no dia-a-dia para a ascensão nos cargos dentro da empresa. Com relação à evolução verificada neste nível, vê-se que o esforço individual ou oportunidades escassas, são os imperativos para galgar uma posição destacada no setor; não caracteriza-se que ocorra uma gestão de carreira do profissional, baseada na análise de desempenho criteriosa e que permita um reposicionamento consistente, ou que exista uma relação com o perfil desenhado abaixo. [...] o técnico, profissionalmente reconhecido pela posição hierárquica intermediária, elemento de controle e de articulação na relação entre o escritório de projetos e a oficina, ou seja, entre plano e operação, e, ainda, pela sua qualificação, como detentor de parte dos conhecimentos teóricos e práticos da produção industrial, tem seu lugar redefinido e seu saber colocado em questão. (LAUDARES; TOMASI, 2003). A atuação na área de manutenção, para alguns dos técnicos, torna-se possível no momento em que ocorre uma evolução pessoal do nível operacional para o técnico, face à conclusão do seu curso técnico. Em outro depoimento, tem-se que a oportunidade de atuação como líder de manutenção mecânica, foi ocasionada pelo desempenho individual diferenciado na equipe, respondendo atualmente por uma gestão de um corpo técnico formado por onze técnicos mecânicos. Em relação às atribuições diárias no nível de técnico, inclusive a do cargo de Líder, ocorre uma relação de responsabilidade pelo cargo e a formação igualitáriado nível técnico. As funções são percebidas de forma diversificada no nível técnico, face à necessidade de atendimento das demandas específicas no processo de manutenção industrial. Quando questionados sobre as competências necessárias para se destacar na função, os técnicos relatam que um profissional deve possuir um adequado conhecimento de normas e linguagem técnica, precisa ter uma postura e um papel

12 definido no local de trabalho, além do reconhecimento pelo que faz. Destaca-se também a importância do relacionamento interpessoal e de um bom diálogo entre as pessoas (desenvolvimento de boas relações humanas), segundo o depoimento de um técnico [...] entendo que foi importante ter aprendido para usar o meu trabalho, mas preciso entender, saber tomar uma postura correta, ter um comportamento de homem, responsável, sem comprometer o próximo, ter muita determinação, uma visão ampla do conhecimento técnico. (Técnico 4). Na interpretação das competências apontadas, observa-se a ênfase dada pelo entrevistado, quanto à responsabilidade de si, como indivíduo, para uma tomada de iniciativa (... ter um comportamento de homem...), ser ético, em um contexto social, indo além das competências técnicas requeridas para o técnico. Questionados sobre a forma de gestão do trabalho anterior e atual na empresa, os técnicos relatam que dentro da organização há um padrão para as atividades de cada setor e que cada atividade tem um requisito de conhecimento prático e teórico. O curso técnico ajuda a entender os processos e o motivo pelo qual as coisas funcionam desta ou daquela maneira. Atualmente, segundo os técnicos, a relação entre o engenheiro e os técnicos é bem tranqüila e distinta. Cada um trabalha nas suas funções, de acordo com a sua formação, e as atribuições definidas para cada função, sendo que o trabalhador que venha a atuar na área de manutenção mecânica ou de elétrica na HZT Têxtil, atenda ao requisito de formação técnica. Quanto ao nível de gestor do setor de manutenção precisa ter a formação superior em engenharia. O técnico, na empresa pesquisada, atualmente encontra-se muito próximo do nível operacional. No depoimento feito pelos técnicos observa-se uma inconsistência no aspecto de autonomia, visto que alguns afirmam ter acentuada autonomia, enquanto outros, não concordam. Quanto à estrutura organizacional houve um complemento de dados que explicita que o profissional de formação técnica pode evoluir de um cargo de operador até supervisão. É nítido pelos depoimentos, que a empresa está mobilizando-se para implantar uma nova cultura e superação dos valores organizacionais de antigamente. Neste estudo, também indagou-se aos entrevistados sobre como ocorre a contratação de técnicos no mercado, e obteve-se o retorno de que existem casos em que há a necessidade de recrutar gente de fora para suprir as demandas, mas procura-se dar a oportunidade para o pessoal interno, quando possível.

13 Na opinião dos técnicos, quando existe uma demanda de trabalho diferenciada, eles recebem suporte externo com pessoal especializado (empresas terceirizadas). As atividades de terceirização são bastante específicas, restringindo as áreas de manutenção corretiva especializada ou automação. A tomada de decisão do gestor de manutenção ocorre neste evento, baseando-se no foco da especificidade da tarefa, de aplicação de ferramental específico, da falta de equipe interna capacitada em eventos com recorrência muito baixa, e não no interesse de fragmentação do conhecimento e qualificação da equipe interna, ou em razão de um enquadre propositalmente arquitetado de redução do valor social, político e cultural no mundo do trabalho da organização, conforme mencionado por Paixão (2007) [...] é que o técnico de nível médio tende a ser terceirizado. Esse é mais um indicador de degradação da qualificação desse profissional, na medida em que a empresa se interessa apenas em se ocupar daqueles ou daquilo que lhe é estratégico, a saber, essencial [...] (PAIXÃO, 2007). As atividades de manutenção nos equipamentos da empresa são realizadas pela equipe de técnicos internos. No recrutamento, a preferência é para os candidatos que tenham a formação técnica, pois entende-se que seja mais rápida a assimilação de informação e a inserção deles nas atividades do setor. Para trabalhar no setor de manutenção da HZT Têxtil exige-se uma formação técnica, inclusive com registro no CREA-MG (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais). Evidenciou-se em um dos depoimentos, que existe apenas o lugar para o técnico e o engenheiro, quando de recrutamento externo para o setor de manutenção. Constatase neste estudo, que ocorre um achatamento funcional em razão da evolução na carreira face à formação profissional, face a ocorrência de profissionais com formação de técnico em mecânica e/ou elétrica atuando com a mesma formação do líder de manutenção mecânica. Percebe-se que a discussão sobre o lugar do engenheiro e do técnico se apresenta com papéis definidos na empresa. O lugar do técnico mais próximo ao engenheiro, é evidenciado pela função do técnico que coordena um grupo de profissionais com o mesmo nível de formação técnica, ou seja, a aproximação ocorre pela responsabilidade do cargo e não pela formação profissional. Esta situação, contribui para um afunilamento de oportunidades, visto a condição verticalizada, onde as posições são reduzidas conforme aumentam as responsabilidades e autoridades no sistema capitalista.

14 Nas políticas de formação profissional, observa-se um investimento em capacitação de profissionais vinculados à área técnica. Ocorre a concessão de bolsa de estudo que varia de 70% a 90% do valor do curso, desde que exista possibilidade de aplicação do conhecimento adquirido no trabalho. O trabalhador que se interessar em realizar um curso técnico tem de se inscrever num programa anual de bolsa de estudo mantido pela empresa, e no caso de aprovação de seu pedido, que é avaliado por um comitê interno, formado por profissionais do RH e lideranças diversas, ele é notificado. Quanto aos programas de qualificação e requalificação, percebe-se que também existem divergências de respostas em termos de investimento da empresa para cada cargo, pois a visão de treinamento para os técnicos são mais específicas e operacionais. Nos depoimentos detalhou-se a existência na empresa de uma política de formação profissional qualificante, mas não de um programa de qualificação e requalificação interno, de acordo com as afirmações de alguns técnicos entrevistados [...] não tive muitos treinamentos, foi mais pela prática do dia-adia. (Técnico 1). [...] não existe treinamento externo para essa demanda. É tudo feito por pessoas da empresa. (Técnico 2). Percebe-se nos depoimentos dos técnicos, que indiferente das qualificações apresentadas por cada sujeito, ou melhor, a não evidência de um conjunto prédeterminado de qualificações, que justifique um comportamento profissional uniforme, ou garanta um lugar na estrutura organizacional do setor de manutenção, o que se tem de realidade, ou situação comum, é que a formação inicial técnica, seja o delineador da competência requerida e atendida, ao agregar uma gama de resultados apresentados por cada indivíduo, enquanto um profissional técnico, capaz de solucionar eventos e problemas redundantes, que venham a ocupar-lhe no processo produtivo. 4.Considerações finais Com base no exposto e principalmente nas tendências apresentadas e justificadas no capítulo anterior, pretende-se apresentar algumas reflexões e propostas a trabalhos futuros, focando outros debates a respeito das reestruturações da produção industrial com o objetivo de analisar o novo lugar dos técnicos de nível médio no mundo do trabalho.

15 Os resultados encontrados permitem afirmar a relevância do tema, o que reitera a necessidade de novas pesquisas nesse sentido, uma vez que podem fornecer novos rumos para a compreensão de uma série de conflitos organizacionais atuais, como os que ocorrem entre o perfil requerido dos trabalhadores e as condições reais de trabalho, a questão da valorização da mão-de-obra em contexto de redução de níveis hierárquicos, entre outros. No que diz respeito às relações de trabalho do técnico frente às novas tecnologias organizacionais e de gestão, identifica-se através da análise preliminar das entrevistas realizadas na HZT TÊXTIL que, para este profissional existe ainda uma hierarquia bem definida, verticalizada, agregada de responsabilidades e autoridades, conforme dividem-se as funções no nível hierárquico na empresa, de modo que a interação com o engenheiro ou o líder, dependeria de uma necessidade imperiosa, não indicando assim, uma gestão do trabalho horizontalizada. Há para o técnico, uma confirmação de sua essencialidade, pois sem ele a empresa paralisa o setor de manutenção. Entretanto, observa-se que ocorre um movimento atualmente entre os técnicos, assinalado pelos sujeitos desta pesquisa, de caráter individual, não de grupo, na busca de uma mais-valia profissional obtida pela aquisição de um registro de graduação superior. Isto pode resultar uma desmotivação, visto que na aquisição, não implica que esteja incluso a resultante de mais-valia profissional. Isto, na verdade ocorrerá pelo desempenho, pela tomada de iniciativa, pela aplicação do conhecimento adquirido em eventos os quais estiverem sob sua responsabilidade, mesmo que tenha apenas um nível técnico de formação profissional. Apesar da atividade do profissional técnico, estar sendo realizada próximo ao nível operacional, a este nível não está relegado ou deslocado, principalmente por desenvolver uma atividade de adequação técnica do equipamento às suas características funcionais, e não ao posicionamento junto à máquina, visando sua operação. No mundo do trabalho considerado neste artigo, tem-se uma valorização social e profissional do técnico, não apenas por causa de uma titulação acadêmica, mas devido à situação evidenciada pelo potencial de cada indivíduo ao estabelecer uma integração produtiva e com flexibilidade no enfrentamento dos eventos e problemas demandados, o que resulta num reconhecimento social do profissional.

16 Referências ABIT, Setor têxtil e de confecção brasileiro: Balanço 2011 e perspectivas Disponível em: <http://www.abit.org.br/site/abit/perfildosetor>. Acesso em: jul BRASIL. Portal Brasil. Educação. Sistema Educacional. Ensino Técnico. Brasília, Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/sobre/educacao/sistema-educacional/ensinotecnico>. Acesso em: jul BRAVERMAN, Harry. Trabalho e Capital Monopolista : a degradação do trabalho no século XX. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., BURNIER, Suzana. L. Visões de mundo e projetos de trabalhadores técnicos de nível médio. In: Antropolítica Revista Contemporânea de Antropologia e Política. n. 15, jul-dez. 2003, p Disponível em:<http://www.uff.br/antropolitica/revistasantropoliticas/revista antropolitica_15.pdf>. Acesso em: jul CARLETTO, Balduir. Competências essenciais requeridas para o gerenciamento das linhas de produção da indústria alimentícia : a visão dos seus gestores. 127 p. Dissertação (Mestrado

17 em Engenharia da Produção), Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Paraná, Disponível em:<http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cp pdf>. Acesso em: jul KELLER, Paulo Fernandes. Globalização e mudanças na cadeia têxtil brasileira. São Luís: Editora UFMA, LAUDARES, João Bosco.; TOMASI, Antônio P. N. O técnico de escolaridade média no setor produtivo: seu novo lugar e suas competências. Educação & Sociedade, Campinas, v.24, n.85, p , dez Disponível em:< pdf>. Acesso em: jul Dialética da divisão do trabalho social, em Durkheim, com a divisão manufatureira do trabalho no processo capitalista, em Braverman. In: SOUZA JÚNIOR, Hormindo Pereira de; LAUDARES, João Bosco (Org.). Diálogos conceituais sobre trabalho e educação. Belo Horizonte: PUC Minas, p PAIXÃO, Edmilson L.; LAUDARES, João B. O Lugar do técnico e do tecnólogo na indústria metal-mecânica de Minas Gerais e as demandas do setor produtivo : um estudo de caso na montadora FIAT Automóveis S.A. em Betim/MG. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação Tecnológica). Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo HZT, Disponível em: <http://www.posgraduacao.cefetmg.br/cefet-mg-

18 ppget/index.php/pt/dissertacoes>. Acesso em: jul VALLE, Rogério (Org.). O Conhecimento em ação : novas competências para o trabalho no contexto da reestruturação produtiva. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, ZARIFIAN, Philippe. O modelo da competência : trajetória histórica, desafios atuais e propostas. São Paulo : Editora Senac, 2003.

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

A área de recursos humanos é o filtro da empresa, a porta de entrada de todas as companhias. (Reinaldo Passadori)

A área de recursos humanos é o filtro da empresa, a porta de entrada de todas as companhias. (Reinaldo Passadori) TATIANA LOPES 2012 A área de recursos humanos é o filtro da empresa, a porta de entrada de todas as companhias. (Reinaldo Passadori) PLANEJAMENTO: é uma ferramenta administrativa, que possibilita perceber

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP

UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O A D M I N I S T R A Ç Ã O G E R A L UMA PROPOSTA PARA A NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA FEA JÚNIOR USP Autores: Antonio Carlos Gola Vieira Aluno da Faculdade

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA DESDOBRADOS

CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA DESDOBRADOS CRITÉRIOS DE EXCELÊNCIA DESDOBRADOS Avaliação e diagnóstico da gestão organizacional Proposta Núcleo Técnico da Rede QPC Compromisso com a Excelência 7ª EDIÇÃO 250 pontos Rede de Qualidade, Produtividade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Planejamento Econômico-Financeiro

Planejamento Econômico-Financeiro Planejamento Econômico-Financeiro São Paulo, Junho de 2011 Esse documento é de autoria da E Cunha Consultoria. A reprodução deste documento é permitida desde que citadas as fontes e a autoria do estudo.

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO ALVES, Ana Elizabeth Santos (UESB/UFBA) GT: Trabalho e Educação 1 A Qualificação frente ao atual processo

Leia mais

PERFIL DE EGRESSOS DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FEA.FUMEC

PERFIL DE EGRESSOS DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FEA.FUMEC PERFIL DE EGRESSOS DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA FEA.FUMEC Lúcio Flávio Nunes Moreira luciof@fumec.br Faculdade de Engenharia e Arquitetura da Universidade FUMEC Rua Cobre, 200 Cruzeiro 30.310-190 -

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Retrato do mercado bancário para RH

Retrato do mercado bancário para RH Retrato do mercado bancário para RH Oportunidades X Ameaças - Uma visão panorâmica CLAUDIO PORTO PRESIDENTE DA MACROPLAN Bancarização como uma janela de oportunidades, o apagão de talentos como barreira

Leia mais

A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS

A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS A ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO DE PRODUÇÃO: A REALIDADE DAS EMPRESAS Michelle Mike Nose 1, Daisy Aparecida do Nascimento Rebelatto 2 Universidade de São Paulo 1 Escola de Engenharia de São Carlos Av. Trabalhador

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO

TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA RESUMO TECNOLOGIA E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA POSTO DOURADÃO LTDA Hewerton Luis P. Santiago 1 Matheus Rabelo Costa 2 RESUMO Com o constante avanço tecnológico que vem ocorrendo nessa

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Prof.ª Giselle Reis Brandão IEC - PUC Minas ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES: ADM. DE RECURSOS HUMANOS: As pessoas vistas como recursos, no sentido de instrumentos, meios para

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO

A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO 1 A PERCEPÇÃO DOS GESTORES EM RELAÇÃO À IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING: UM ESTUDO EM EMPRESAS EM DIFERENTES ESTÁGIOS DE IMPLANTAÇÃO Porto Alegre RS Abril 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação,

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos. Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Recursos Humanos Horácio Piva São Paulo - 17/6/2011 OBJETIVOS Consolidar a percepção de que a formação de recursos humanos qualificados é essencial para fortalecer

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

II SEMINÁRIO SOBRE GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL. Palestrante: Luisa Rocha Cabral

II SEMINÁRIO SOBRE GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL. Palestrante: Luisa Rocha Cabral 1 II SEMINÁRIO SOBRE GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL Palestrante: Luisa Rocha Cabral Graduada em Administração Pública pela Escola de Governo Professor Paulo Neves

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

A estrutura do gerenciamento de projetos

A estrutura do gerenciamento de projetos A estrutura do gerenciamento de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

A organização investe fortemente na capacitação de pessoas e na formação de profissionais capazes de atender aos desafios do crescimento acelerado

A organização investe fortemente na capacitação de pessoas e na formação de profissionais capazes de atender aos desafios do crescimento acelerado RELATÓRIO ANUAL GERDAU 27 65 COLABORADORES A organização investe fortemente na capacitação de pessoas e na formação de profissionais capazes de atender aos desafios do crescimento acelerado Ed Carlos Alves

Leia mais

RELATÓRIO EXECUTIVO MESTRADO PROFISSIONAL

RELATÓRIO EXECUTIVO MESTRADO PROFISSIONAL Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Programa de Pós-Graduação em Administração RELATÓRIO EXECUTIVO MESTRADO PROFISSIONAL Programas

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS

PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS 1 PERCEPÇÃO DOS GESTORES SOBRE A IMPLANTAÇÃO DO E-LEARNING NA EMPRESA: ESTUDO DE CASO NA PORTO ALEGRE CLÍNICAS Porto Alegre RS Março 2010 Bianca Smith Pilla Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA

O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Bambuí/MG - 2008 O PROCESSO DE TERCEIRIZAÇÃO E A CARACTERIZAÇÃO DA REDE DE PRESTADORES DE SERVIÇO DE UMA EMPRESA DE CALÇADOS DE SEGURANÇA Júlio César Benfenatti FERREIRA (1); Antônio Carlos SANTOS(2)*

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS

RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Centro de Educação Superior Barnabita CESB 1 RECRUTAMENTO, SELEÇÃO, AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO: ATUAÇÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS Clara de Oliveira Durães 1 Profª. Pollyanna

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR HOJE: a cultura tecnológica no espaço escolar

GESTÃO ESCOLAR HOJE: a cultura tecnológica no espaço escolar 1 GESTÃO ESCOLAR HOJE: a cultura tecnológica no espaço escolar Maio/2008 Fabíola da Conceição Lima Universidade Estadual do Maranhão / Núcleo de Educação a Distância fabiolalima27@hotmail.com Categoria

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho SOLUÇÕES SOCIAIS

PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho SOLUÇÕES SOCIAIS 1 PROTOCOLO DE SOLUÇÕES Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência no Mercado de Trabalho Serviço Social da Indústria de Santa Catarina SOLUÇÕES SOCIAIS 2 Programa: Inclusão da Pessoa com Deficiência

Leia mais

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2

Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ 2 O desempenho do processo de recrutamento e seleção e o papel da empresa neste acompanhamento: Um estudo de caso na Empresa Ober S/A Indústria E Comercio Ana Claudia M. dos SANTOS 1 Edson Leite Lopes GIMENEZ

Leia mais

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Secretaria de Fiscalização de Pessoal Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Fabiano Nijelschi Guercio Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Brasília-DF, 25 de fevereiro de 2013

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM GESTÃO DE PESSOAS APRESENTAÇÃO O curso de especialização Gestão de Pessoas tem por meta desenvolver gestores para atuarem em empresas que estejam inseridas no processo de globalização

Leia mais

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO

A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 624 A TERCEIRA GERAÇÃO DA EAD E SUA INFLUÊNCIA NA DEMOCRATIZAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO Fabiane Carniel 1,

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS POLÍTICA DE GESTÃO DE CARGOS E SALÁRIOS I. Introdução Este Manual de Gestão de Cargos e Salários contempla todas as Áreas e Equipamentos da POIESIS e visa a orientar todos os níveis de gestão, quanto às

Leia mais

1 Descrição do Problema

1 Descrição do Problema 1 Descrição do Problema Este capítulo apresentará o problema de pesquisa em questão. Além disso, serão apresentados o contexto, os objetivos, a motivação, a relevância e a delimitação do estudo. 1.1 Introdução

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIO DE PROGRAMAS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UMA PERSPECTIVA PARA A IMPLANTAÇÃO DO ESCRITÓRIO DE PROJETOS Luis Fernando Vitorino 1, Moacir José dos Santos 2, Monica Franchi Carniello

Leia mais

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem

Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Formação Pedagógica em Educação Profissional: A Prática Pedagógica na Tutoria em Enfermagem Resumo Maria Marly de Oliveira Coelho 1 Francinete Massulo Corrêa 2 O texto em pauta tem como foco reflexões,

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA APLICAÇÃO DA GESTÃO DE PROCESSOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS DA INFORMAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Como atrair e reter talentos

Como atrair e reter talentos Como atrair e reter talentos na Panificação PORQUE A DISCUSSÃO DE TALENTOS É IMPORTANTE PARA ORGANIZAÇÕES COMPETITIVAS? Em toda a história do mundo empresarial, nunca houve tanta preocupação e cuidados

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 ENGENHARIA DE PRODUÇÃO 2.0 SOBRE O CURSO O mercado de trabalho precisa de profissionais completos, com habilidades de gestão e que liderem equipes multidisciplinares em empresas de todos os setores econômicos

Leia mais

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal

Inscrições Abertas. Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal MBA Recursos Humanos Inscrições Abertas Dia e horário das aula: Sexta-Feira 18h30 às 22h30 Quinzenal Sábado 08h30 às 17h30 Quinzenal Carga horária: 600 Horas Duração: 24 meses *As informações podem sofrer

Leia mais

2 O curso de Design na PUC-Rio

2 O curso de Design na PUC-Rio 2 O curso de Design na PUC-Rio Devido à inserção do autor desta pesquisa no Departamento de Artes & Design da PUC-Rio como professor de diversas disciplinas do curso de graduação em Design, supervisor

Leia mais

Administração de Recursos Humanos

Administração de Recursos Humanos Administração de Recursos Humanos Profª Ma. Máris de Cássia Ribeiro Vendrame O que é a Administração de Recursos Humanos? Refere-se às práticas e às políticas necessárias para conduzir os aspectos relacionados

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa.

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. 1. INTRODUÇÃO Prof. Carlos Maurício Duque dos Santos Mestre e Doutorando em Ergonomia pela Escola Politécnica

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O CURRÍCULO NA FORMAÇÃO EM LICENCIATURA EM MATEMÁTICA NO ESTADO DO MARANHÃO Mauro Guterres Barbosa Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

2o. Congresso de Gestão do Ministério Público

2o. Congresso de Gestão do Ministério Público 2o. Congresso de Gestão do Ministério Público Gestão de Pessoas por Competências Prof. Joel Dutra Currículo Prof. Dr. Joel Souza Dutra Diretor Geral do Departamento de Recursos Humanos da Universidade

Leia mais

VIII-008 O IMPACTO DA REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIAS (ESTUDO DE CASO)

VIII-008 O IMPACTO DA REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIAS (ESTUDO DE CASO) VIII-008 O IMPACTO DA REMUNERAÇÃO POR COMPETÊNCIAS (ESTUDO DE CASO) Walter Sigollo (1) Administrador de Empresas com Especialização em Recursos Humanos (FGV / USP). FOTO Superintendente de Recursos Humanos

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Maturidade em Gerenciamento de Projetos" - 1ª Edição Versão do Modelo 1..0-01/Fev/008 - Editora INDG-Tecs - 008 WWW.MATURITYRESEARCH.COM

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES

O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES O PERFIL DO GESTOR ESCOLAR DO MUNICIPIO DE JUSSARA-BA: BREVES REFLEXÕES RESUMO Cristiane Kuhn de Oliveira Universidade do Estado da Bahia UNEB cristiane-kuhn@hotmail.com O presente artigo expõe os resultados

Leia mais