A SITUAÇÃO DE TRABALHO DO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO, QUANTO À SUA QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO NO SETOR DE MANUTENÇÃO DE UMA INDÚSTRIA TÊXTIL EM MINAS GERAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SITUAÇÃO DE TRABALHO DO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO, QUANTO À SUA QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO NO SETOR DE MANUTENÇÃO DE UMA INDÚSTRIA TÊXTIL EM MINAS GERAIS"

Transcrição

1 A SITUAÇÃO DE TRABALHO DO TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO, QUANTO À SUA QUALIFICAÇÃO E ATUAÇÃO NO SETOR DE MANUTENÇÃO DE UMA INDÚSTRIA TÊXTIL EM MINAS GERAIS José Braga Periard João Bosco Laudares Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais CEFET/MG RESUMO: Este artigo visa promover uma ampliação do objeto de pesquisa que tem sido abordado no Grupo de Pesquisa em Formação e Qualificação Profissional (FORQUAP), vinculado ao Mestrado em Educação Tecnológica, no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), que discute as Relações na situação de trabalho dos profissionais técnico, tecnólogo e engenheiro, quanto a sua qualificação e atuação frente às novas tecnologias organizacionais e de gestão estudo em empresas mineiras, ao adentrar-se na cadeia produtiva do setor têxtil mineiro, face à sua expressiva representatividade no mundo do trabalho. De acordo com os mais recentes dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), tem-se que, a necessidade de modernização e competitividade das empresas da cadeia têxtil é um fato, corroborado pelas ações implementadas no mercado interno ou externo, pela defasagem tecnológica do maquinário e equipe técnica, acrescido do déficit da balança comercial em US$ 4,7 bilhões. O Brasil é o quinto maior produtor têxtil do mundo, com um faturamento de US$ 67 bilhões, sendo que 97% deste valor negociado em mercado interno. Este setor é formado por 30 mil empresas que representam 5,5% do PIB nacional da indústria de transformação e que empregam 1,7 milhões de trabalhadores diretos, destacando-se como o 2º maior empregador da indústria de transformação. Os indicadores de investimento no setor em 2011 são da ordem de US$ 2,5 bilhões, face às linhas de financiamentos disponíveis. (ABIT, 2012). Problematiza-se então, neste contexto, quais são as situações de trabalho do técnico de nível médio quanto à formação, a inserção e o seu lugar no setor de manutenção de uma indústria têxtil, com uma formação inicial semelhante às que são encontradas em outras empresas mineiras de grande porte, valendo-se ainda do mesmo modo metodológico aplicado ao estudo

2 em andamento. Atualmente o mundo do trabalho está migrando do modelo de organização e gestão do trabalho científico para o flexível, e a indústria têxtil caracteriza-se por sua heterogeneidade, seja em processos, trabalhadores ou equipamentos, que se mesclam de obsoletos a modernos. Este estudo foi realizado em uma indústria de grande porte do setor têxtil em Belo Horizonte/MG, baseando-se no depoimento de profissionais, com formação em curso técnico de nível médio, seja concluído em escola técnica privada ou pública. Discute-se no referencial teórico, a questão de qualificação e competência, formação inicial e continuada e reflexos da reestruturação produtiva iniciada na década de 90, segundo estudos que apóiam-se na visão da Escola Francesa que preconiza a aprendizagem como eficiência social do indivíduo, baseada na relação Trabalho e Educação, além de outros aspectos apresentados por Laudares e Tomasi (2003), Burnier (2003), Zarifian (2003), Keller (2010) e Valle (2003). Trata-se também, dos desafios atuais postos à atuação profissional por um contexto de globalização econômica e de novas formas de organização da produção e do trabalho. Assim é possível discutir-se as tendências e competências deste trabalhador, seu contexto, sua historicidade e sua vinculação às relações sociais. Esta pesquisa tem uma abordagem qualitativa e baseia-se nos dados coletados através de uma entrevista semiestruturada realizada com profissionais de formação técnica de nível médio em mecânica, eletrotécnica, mecatrônica industrial e automação industrial. Desta forma, pretende-se analisar a sua demanda de formação, demanda de qualificação e requalificação, o lugar posicional na estrutura da empresa, as funções e cargos dos profissionais atuantes, as competências dos mesmos, a gestão do trabalho, o recrutamento, as políticas de formação profissional e os programas de qualificação e requalificação requeridos. Neste cenário, tem-se como resultante, as atuais tendências de mobilidade ocupacional dos técnicos e o (re)direcionamento do técnico de nível médio a um lugar, onde vê-se frente à percepção de degradação do valor social da sua formação profissional. PALAVRAS-CHAVE: Técnico; Indústria Têxtil; Situação de Trabalho.

3 1.Introdução Este artigo busca contribuir com uma resposta à questão levantada no artigo O Técnico de escolaridade média no setor produtivo: seu novo lugar e suas competências (LAUDARES e TOMASI, 2003). Para contribuir com esta investigação, realizou-se uma pesquisa de campo no período de novembro a dezembro de 2011, na empresa HZT Têxtil (nome fictício), estabelecida em Minas Gerais, desde Assim como outras empresas do ramo têxtil brasileiro, a HZT Têxtil tem buscado garantir a sua competitividade e sobrevivência, adotando estratégias que minimizem os impactos causados pela globalização dos mercados e da liberalização comercial impostas na década de 90, fatos que têm provocado grandes impactos em diversos setores industriais, e mais intensamente no setor têxtil e de confecções, segundo os estudos de Keller (2010). Visando alcançar uma posição relevante no mercado de tecido tinto e estampado, malhas e índigo, a empresa estabeleceu políticas para conquistar e manter a confiança de seus clientes, garantindo-lhes a qualidade no atendimento e vantagens no preço e no prazo de entrega. A HZT Têxtil esforça-se na prática de uma gestão ética e socialmente responsável, ao promover a saúde e a segurança do trabalho, desenvolver ações que visem preservar o meio ambiente e prevenir a poluição, e cumprir a legislação e normas aplicáveis. A empresa também defende valores como: respeito pelas pessoas, integridade e transparência, exigência e profissionalismo, performance, responsividade e compromisso comum. Diante dos aspectos acima destacados, procedeu-se um estudo na HZT Têxtil através de alguns sujeitos abordados nesta pesquisa intitulada: A situação de trabalho do técnico de nível médio, quanto à sua qualificação e atuação no setor de manutenção de uma indústria têxtil em Minas Gerais, visando complementar as pesquisas que abordam os movimentos ocupacionais dos técnicos de nível médio no mundo do trabalho. Foram coletados alguns dados através de uma entrevista semi-estruturada, com sujeitos que atuam na empresa como técnicos em manutenção industrial, para conhecer a sua demanda de formação, demanda de qualificação e requalificação, o lugar posicional na

4 estrutura da empresa, as funções e cargos dos profissionais atuantes, as competências dos mesmos, a gestão do trabalho, o recrutamento, as políticas de formação profissional e os programas de qualificação e requalificação que o mercado tem exigido destes profissionais. A amostra em evidência refere-se às entrevistas com cinco técnicos, sendo: um líder de manutenção, um técnico em elétrica e três técnicos em mecânica. Observou-se, quanto aos técnicos entrevistados, que os cargos ocupados são descritos em conformidade com uma escala profissional apresentada da seguinte forma: estagiários, operadores, técnicos e líder, não sendo etapas de crescimento funcional aplicada a todos, mas com enquadres nesta condição. No que se refere à divisão do trabalho, mesmo com um ambiente flexível e facilitação nos contatos diretos entre os profissionais, conforme observado em campo, evidenciou-se uma estrutura verticalizada. Nesta divisão, a gestão do setor de manutenção cabe a um engenheiro, que é responsável pelo estudo e pelo planejamento estratégico das atividades de manutenção preventiva, corretiva e preditiva. A ligação entre o planejado e o executado é coordenada pelo líder de manutenção que prioriza as atividades, remaneja a equipe, interage com outros líderes de setores produtivos, e também com seus fornecedores internos/externos. Aos técnicos, cabe o encargo de executarem as manutenções no nível preventivo e corretivo, além de implementarem, quando necessário, inovações e melhorias contínuas nos equipamentos que estão instalados num parque fabril, onde alternam-se, tecnologia ultrapassada com equipamentos de última geração. Ainda, baseando-se nos estudos de Keller (2010) [...] alguns fatores no passado contribuíram para a heterogeneidade tecnológica da indústria têxtil, tais como: a falta de acesso à automação industrial - provocada pela reserva de mercado para a informática dificultou às grandes empresas ter acesso à tecnologia de ponta; a indústrianacional de máquinas têxteis não podia suprir a demanda nacional; o desenvolvimento tecnológico das máquinas têxteis era difícil de ser alcançado pelos fabricantes nacionais devido ao alto custo dos investimentos para acompanhar o novo padrão tecnológico; e o lento processo de substituição dos equipamentos devido ao longo período de vida útil do maquinário antigo, que mesmo defasados tecnologicamente ganhavam sobrevida para muitas empresas por diversas formas.(keller, 2010).

5 Desta forma, pretende-se na estruturação deste artigo, realizar a apresentação da discussão teórica e das questões dela decorrentes; seguida da apresentação dos resultados da pesquisa de campo referente aos técnicos de nível médio, e do diálogo entre a teoria e a pesquisa empírica, e por último, seguem-se as considerações finais. 2.Discussão teórica e questões dela decorrentes Existem diversos estudos que também buscam interpretar as situações de trabalho, citadas neste artigo, tais como os elaborados por Laudares e Tomasi (2003), Burnier (2003) e Paixão (2007), nos quais discutem-se o lugar do técnico de nível médio no atual mundo do trabalho. As considerações apresentadas nestes estudos foram baseadas num momento social, político e cultural que se distancia num espaço-temporal de dez anos ou mais. E durante este período, muitas situações consolidaram-se, de modo a validar ou questionar as propostas apresentadas. Para Laudares e Tomasi (2003), com [...] a chamada reestruturação produtiva, estabelece-se uma nova configuração no cenário industrial, que diz respeito às novas tecnologias, seja na mudança da base técnica (máquinas, energia, informatização produtiva), seja na mudança dos modelos de organização e de gestão do trabalho (taylorismo, toyotismo). (LAUDARES; TOMASI, 2003). A cadeia têxtil, onde se desenvolve este estudo, é um dos setores mais atingidos pela reestruturação produtiva, pois tem enfrentado a concorrência acirrada dos produtos oriundos dos países asiáticos, com preços abaixo do custo de fabricação de produtos similares nas empresas nacionais, face às cargas tributárias do país, e outras questões como: equipamentos obsoletos, tecnologia defasada, produtividade baixa, matéria-prima de baixa qualidade e valor elevado, pouco capital de giro, salário e encargos com valores acima do que é praticado na concorrência estrangeira. De acordo com os mais recentes dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), a necessidade de modernização e competitividade das empresas da cadeia têxtil é um fato, diante das ações implementadas no mercado interno ou externo, da defasagem tecnológica do maquinário e equipe técnica, acrescido do déficit da balança comercial em US$ 4,7 bilhões. O Brasil é o quinto maior produtor têxtil do mundo, com um faturamento de US$ 67 bilhões, sendo que 97% deste valor negociado em mercado interno. Este setor é formado por 30 mil empresas que

6 representam 5,5% do PIB nacional da indústria de transformação e que empregam 1,7 milhões de trabalhadores diretos, destacando-se como o 2º maior empregador da indústria de transformação. Os indicadores de investimento no setor em 2011 são da ordem de US$ 2,5 bilhões, face às linhas de financiamentos disponíveis. (ABIT, 2012). Neste cenário, encontra-se o sujeito deste estudo, o técnico em sua atuação profissional no setor de manutenção industrial, frente às variáveis do mundo do trabalho. Em estudos anteriores, conforme o elaborado por Laudares e Tomasi (2003), discute-se a tendência do movimento ocupacional e do lugar do técnico na empresa, em razão da entrada do profissional com formação de tecnólogo, que vinha com uma formação profissional mais adequada para atender aos requisitos de gestão, evolução e competitividade do mercado. Mas o que se constata neste recorte, neste ambiente produtivo, através da fala dos sujeitos entrevistados, é que não ocorreu a abertura de lugar para o nível de tecnólogo, conforme previsto, fato constatado pela ausência deste profissional (tecnólogo) na área de manutenção da empresa HZT Têxtil e também pela divisão de cargos existente na empresa, que se restringe a engenheiro e técnico. O distanciamento do técnico para o chão-de-fábrica, não está sendo promovido em razão do lugar ocupado pelo tecnólogo na atual estrutura organizacional na empresa pesquisada. Na HZT Têxtil evidencia-se uma reestruturação produtiva, quando se observa que ocorreu a menos de um ano, um investimento elevado para o Upgrade do sistema de gestão têxtil (SGT) para a versão SGT 320, assimilando também as mais modernas técnicas da engenharia de produção, além da aquisição de novos equipamentos de produção, adquiridos em feiras de negócios têxteis internacionais. Diante destes fatos, o técnico encontra-se requerido a assimilar as técnicas inseridas nestes novos sistemas, equipamentos e processos, e em manifestar sua criatividade, iniciativa, autonomia, senso crítico e técnico na adequação do equipamento, na aplicação de conhecimento, validando assim, o seu lugar efetivamente num contexto social, cultural e profissional. Quanto à exclusão/movimentação do sujeito-técnico pelas condições elencadas na pesquisa de Burnier (2003), não se constata, visto que [...] a mudança ocorrida no mercado de trabalho do técnico de nível médio da década de 1980, o qual ocupava cargos de chefia, para a dura realidade da década seguinte. Nesta, os engenheiros foram empurrados para os lugares antes ocupados pelos técnicos, e

7 esses para os lugares antes ocupados pelos trabalhadores mais experientes. Em algumas montadoras automobilísticas, há técnicos de nível médio trabalhando como operadores de máquinas, o posto mais baixo do processo produtivo. Atribuo esses movimentos à redução do número de vagas e ao aumento da disponibilidade de trabalhadores mais qualificados.(burnier, 2003). Ocorre no atual mundo do trabalho (ano de 2012), uma década após os estudos citados, que há uma elevação do número de vagas para profissionais com formação de nível técnico, mas discute-se a evidência da qualificação esperada para o desempenho técnico requisitado. Este fato, é evidenciado pelo aumento expressivo do número de matrículas (interessados) na formação técnica, pois de acordo com o Censo Escolar de 2010, de estudantes estão matriculados no Ensino Profissional, apresentando uma variação de matrículas de 74,9% para esta etapa do ensino desde (BRASIL, 2010) Segundo Carletto (2006), existe uma exigência crescente da necessidade em aumentar a capacidade dos trabalhadores em solucionar problemas, transformar ações em resultados, otimizar seu desempenho e ser competitivo. Ainda que, as atividades deste profissional estejam restritas às etapas do processo, fragmentadas em razão de produtividade, horas trabalhadas, disponibilidade do equipamento, ou outras inferências, requer-se e estimula-se uma interação profissional do técnico com o processo de manutenabilidade do equipamento. Indaga-se neste momento, sobre a percepção do sujeito quanto ao seu desempenho, de sua ação como profissional técnico, se tem consciência de sua situação profissional no mundo do trabalho, sua capacidade crítica para questionar os procedimentos de modo a agregar mais tecnicidade, sua competência ou se percebe-se em contrapartida, num processo de degradação do seu trabalho, em razão de sua alocação no posto de trabalho. Esta situação é contemplada por Braverman (1981), em seus estudos ao afirmar que: O trabalhador livre pode parcelar voluntariamente o processo de trabalho, mas ele jamais se converte num trabalhador parcelado pela vida afora (BRAVERMAN, 1981). Deste modo, podemos inferir que a condição necessária para o técnico estar percebendo-se no mundo do trabalho, situar-se, está diretamente relacionada com sua posição como indivíduo, e não de um grupo social/profissional (os técnicos). Ao lidar

8 com situações novas, métodos e processos recém-instalados, sem nenhum roteiro ou procedimento operacional padrão, abre uma demanda específica para o profissional interagir-se com esta situação e resgatar seu conhecimento, seus fundamentos, seja de mecânica, elétrica, ou outra área técnica. De acordo com Laudares (2011), esta situação é uma forma do sujeito, enquanto profissional técnico, entender sua condição no processo produtivo, e criar seus meios, sua iniciativa, sua emancipação profissional, e deste modo, tornar-se competente. A tecnologia, hoje requer para o seu desenvolvimento um crescimento de saberes e competências, a serem adquiridos não mais somente pela experiência, mas pela ciência de disciplinas como a eletrônica, a informática, novos materiais, planejamento e gestão industriais, entre outras. Daí a necessidade da contínua qualificação e requalificação profissionais agregando às tarefas e funções produtivas constantes programas formativos específicos ou gerais da ciência do processo produtivo para o trabalhador. (LAUDARES, 2011). Ocorre então, uma acentuada dificuldade de acompanhar as mudanças implementadas em processos produtivos, seja a nível de capacitação ou de exigência de conhecimento prévio, mesmo porque, em uma empresa pode estar sendo praticado e em outra, não. Ainda que tenha o mesmo nível de equipamento/processos, e atue no mesmo ramo. Esta é uma característica da diversidade dos dias atuais do mundo do trabalho. O que se faz necessário, é estar alinhado com as estratégias organizacionais, com a percepção do ambiente econômico, social e tecnológico, e com a integração que o sujeito (técnico) pode realizar ao iniciar uma ação expositiva do conhecimento adquirido. Zarifian (2003), apresenta uma nova reflexão no seu estudo sobre a competência, denominado O modelo da competência, quando revisa o conceito anteriormente estabelecido, dizendo que Competência é a tomada de iniciativa e o assumir de responsabilidade do indivíduo sobre problemas e eventos que ele enfrenta em situações profissionais. (ZARIFIAN, 2003). Nesta reformulação do conceito de competência, ressalta-se que ao indivíduo, não basta ser responsável pela ação gerada, mas sim, assumir as conseqüências, responder por, ir até as ultimas conseqüências na tomada de iniciativa. O poder é resultante de uma ação responsável. Acresce-se, a condição de que este ato é sobre

9 problemas e eventos, ou seja, sobre algo que sempre ocorrerá mais de uma vez, algo redundante. Esta é a situação encontrada na rotina de um técnico de manutenção industrial, quando se depara diariamente com eventos não previsíveis e que requerem um enfrentamento de novas situações, e o resultado, a solução é requerida e mensurada como competência, sem implicar em diferenciais de remuneração. Ser competente não é ser capaz de solucionar algo que se repete em sua ocorrência, e sobre este evento, tornar-se um especialista, mas sim, tera capacidade de solucionar eventos e problemas que surjam inesperadamente. Quando um técnico considera-se competente em seu desempenho, deve-se indagar em quanto eventos colaborou com sua tomada de iniciativa e responsabilidade, ou seja, se está atingindo o cume do exercício da competência, exercendo suas microdecisões, conforme observado por Zarifian (2003). Nos depoimentos obtidos na pesquisa em campo, observa-se que a competência apresentada pelo conhecimento técnico, pelas qualificações em cursos técnicos, são requeridas na fase de inserção ao mundo do trabalho, mas não garantem a permanência. Conta-se neste momento, o que o sujeito, enquanto trabalhador técnico agrega de competências subjetivas, sociais e comunicativas. Valle (2003) sintetiza, que nesta formatação em que a competência tem sido interpretada no mundo do trabalho, ela se constitui numa mediação entre a qualificação e o desempenho no cargo. Assim entende-se, como que profissionais com a mesma formação inicial, conseguem apresentar um desempenho conforme ao requerido, permitindo lhes atingir níveis superiores na empresa. 3.A inserção, a formação e a situação do técnico de nível médio no setor de manutenção a HZT Têxtil De outro lado, os resultados apresentados nesta pesquisa fornecem dados empíricos em relação à demanda de formação dos técnicos, ao relatarem suas trajetórias distintas quanto à sua formação. Identifica-se que um dos entrevistados cursou o ensino médio e em seguida realizou um curso técnico em mecânica. Além de outro, que cursou dois cursos de nível técnico, entendendo que se complementavam. E tem aqueles que já estavam inseridos no mundo do trabalho, como operadores de produção e cursaram um

10 curso de nível técnico visando com este esforço, uma oportunidade de crescimento profissional na empresa. A inserção no mundo do trabalho tem sido recorrente na função de estagiário. Questionou-se aos entrevistados quanto ao modo em que seu deu a formação escolar inicial: se concluiu os estudos primeiramente, ou se foi adquirido simultaneamente a atuações profissionais diversas. Pode ressaltar-se, que consideram o curso de nível técnico uma evolução de formação, quando realizado em seguida a um curso de ensino médio. Evidencia-se neste grupo pesquisado, que a formação inicial apenas se iguala pelo nível técnico, visto as demais qualificações se dispersarem em uma inúmera quantidade de cursos, eventos, feiras, cursos on lineou EAD, alem da leitura de manuais técnicos. Sobre a demanda de qualificação e requalificação, observou-se neste grupo de técnicos, que eles valorizam os cursos de aperfeiçoamento de curta duração e o período de estágio, e têm a HZT Têxtil como a principal referência do mundo do trab alho. De acordo com a fala de um dos entrevistados, encontra muita dificuldade em conciliar os estudos e o trabalho, visto estar cursando nível superior em engenharia elétrica. A condição citada para admissão ao mundo do trabalho nos relatos de três entrevistados foi no nível de estágio, o que permitiu durante um determinado período, sua interação com o ambiente organizacional. A aquisição de conhecimento, ocorre gera lmente através do contato profissional com os demais colegas, que transferem o conhecimento adquirido e/ou prática de trabalho. A mudança ou evolução ocorrida ao assimilar novas atividades, permite um aporte de conhecimento bastante enriquecido por sua visão mais ampla do processo global que ocorre na empresa, enquanto a oportunidade de vivenciar etapas com mais contextualização e não apenas ter uma visão superficial. A capacitação anterior ao trabalho atual, observada no contexto dos relatos dos técnicos, não evidencia uma linha de evolução pessoal, mas, algumas investidas em formação. Com freqüência, o conhecimento adquirido para a realização de alguma atividade profissional se consolidou ainda no período de estágio realizado. Não evidenciou-se um relato de aperfeiçoamento, seguindo algum planejamento definido pela empresa. Com relação à demanda de qualificação/requalificação, percebe-se que os técnicos apresentam uma prática específica de sua formação (saber -aprender fazendo), o que limita a demanda de requalificação ou mesmo um aproveitamento efetivo da sua

11 formação técnica na atuação profissional, conforme acentuado nas falas de alguns técnicos entrevistados, que se seguem. Muito do que é feito aqui, já percebi que as pessoas aprendem por empirismo puro. Começa a trabalhar, começa a mexer, e vai desenvolvendo. (Técnico 5). Adquiri o conhecimento todo na prática, através da experiência com o trabalho, junto aos colegas e aos equipamentos. (Técnico 3). Em relação ao lugar posicional na estrutura da empresa, a porta de entrada foi a partir de oportunidades de estágio ou de recrutamento interno. Acresce-se que ocorre a valorização da prática no dia-a-dia para a ascensão nos cargos dentro da empresa. Com relação à evolução verificada neste nível, vê-se que o esforço individual ou oportunidades escassas, são os imperativos para galgar uma posição destacada no setor; não caracteriza-se que ocorra uma gestão de carreira do profissional, baseada na análise de desempenho criteriosa e que permita um reposicionamento consistente, ou que exista uma relação com o perfil desenhado abaixo. [...] o técnico, profissionalmente reconhecido pela posição hierárquica intermediária, elemento de controle e de articulação na relação entre o escritório de projetos e a oficina, ou seja, entre plano e operação, e, ainda, pela sua qualificação, como detentor de parte dos conhecimentos teóricos e práticos da produção industrial, tem seu lugar redefinido e seu saber colocado em questão. (LAUDARES; TOMASI, 2003). A atuação na área de manutenção, para alguns dos técnicos, torna-se possível no momento em que ocorre uma evolução pessoal do nível operacional para o técnico, face à conclusão do seu curso técnico. Em outro depoimento, tem-se que a oportunidade de atuação como líder de manutenção mecânica, foi ocasionada pelo desempenho individual diferenciado na equipe, respondendo atualmente por uma gestão de um corpo técnico formado por onze técnicos mecânicos. Em relação às atribuições diárias no nível de técnico, inclusive a do cargo de Líder, ocorre uma relação de responsabilidade pelo cargo e a formação igualitáriado nível técnico. As funções são percebidas de forma diversificada no nível técnico, face à necessidade de atendimento das demandas específicas no processo de manutenção industrial. Quando questionados sobre as competências necessárias para se destacar na função, os técnicos relatam que um profissional deve possuir um adequado conhecimento de normas e linguagem técnica, precisa ter uma postura e um papel

12 definido no local de trabalho, além do reconhecimento pelo que faz. Destaca-se também a importância do relacionamento interpessoal e de um bom diálogo entre as pessoas (desenvolvimento de boas relações humanas), segundo o depoimento de um técnico [...] entendo que foi importante ter aprendido para usar o meu trabalho, mas preciso entender, saber tomar uma postura correta, ter um comportamento de homem, responsável, sem comprometer o próximo, ter muita determinação, uma visão ampla do conhecimento técnico. (Técnico 4). Na interpretação das competências apontadas, observa-se a ênfase dada pelo entrevistado, quanto à responsabilidade de si, como indivíduo, para uma tomada de iniciativa (... ter um comportamento de homem...), ser ético, em um contexto social, indo além das competências técnicas requeridas para o técnico. Questionados sobre a forma de gestão do trabalho anterior e atual na empresa, os técnicos relatam que dentro da organização há um padrão para as atividades de cada setor e que cada atividade tem um requisito de conhecimento prático e teórico. O curso técnico ajuda a entender os processos e o motivo pelo qual as coisas funcionam desta ou daquela maneira. Atualmente, segundo os técnicos, a relação entre o engenheiro e os técnicos é bem tranqüila e distinta. Cada um trabalha nas suas funções, de acordo com a sua formação, e as atribuições definidas para cada função, sendo que o trabalhador que venha a atuar na área de manutenção mecânica ou de elétrica na HZT Têxtil, atenda ao requisito de formação técnica. Quanto ao nível de gestor do setor de manutenção precisa ter a formação superior em engenharia. O técnico, na empresa pesquisada, atualmente encontra-se muito próximo do nível operacional. No depoimento feito pelos técnicos observa-se uma inconsistência no aspecto de autonomia, visto que alguns afirmam ter acentuada autonomia, enquanto outros, não concordam. Quanto à estrutura organizacional houve um complemento de dados que explicita que o profissional de formação técnica pode evoluir de um cargo de operador até supervisão. É nítido pelos depoimentos, que a empresa está mobilizando-se para implantar uma nova cultura e superação dos valores organizacionais de antigamente. Neste estudo, também indagou-se aos entrevistados sobre como ocorre a contratação de técnicos no mercado, e obteve-se o retorno de que existem casos em que há a necessidade de recrutar gente de fora para suprir as demandas, mas procura-se dar a oportunidade para o pessoal interno, quando possível.

13 Na opinião dos técnicos, quando existe uma demanda de trabalho diferenciada, eles recebem suporte externo com pessoal especializado (empresas terceirizadas). As atividades de terceirização são bastante específicas, restringindo as áreas de manutenção corretiva especializada ou automação. A tomada de decisão do gestor de manutenção ocorre neste evento, baseando-se no foco da especificidade da tarefa, de aplicação de ferramental específico, da falta de equipe interna capacitada em eventos com recorrência muito baixa, e não no interesse de fragmentação do conhecimento e qualificação da equipe interna, ou em razão de um enquadre propositalmente arquitetado de redução do valor social, político e cultural no mundo do trabalho da organização, conforme mencionado por Paixão (2007) [...] é que o técnico de nível médio tende a ser terceirizado. Esse é mais um indicador de degradação da qualificação desse profissional, na medida em que a empresa se interessa apenas em se ocupar daqueles ou daquilo que lhe é estratégico, a saber, essencial [...] (PAIXÃO, 2007). As atividades de manutenção nos equipamentos da empresa são realizadas pela equipe de técnicos internos. No recrutamento, a preferência é para os candidatos que tenham a formação técnica, pois entende-se que seja mais rápida a assimilação de informação e a inserção deles nas atividades do setor. Para trabalhar no setor de manutenção da HZT Têxtil exige-se uma formação técnica, inclusive com registro no CREA-MG (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais). Evidenciou-se em um dos depoimentos, que existe apenas o lugar para o técnico e o engenheiro, quando de recrutamento externo para o setor de manutenção. Constatase neste estudo, que ocorre um achatamento funcional em razão da evolução na carreira face à formação profissional, face a ocorrência de profissionais com formação de técnico em mecânica e/ou elétrica atuando com a mesma formação do líder de manutenção mecânica. Percebe-se que a discussão sobre o lugar do engenheiro e do técnico se apresenta com papéis definidos na empresa. O lugar do técnico mais próximo ao engenheiro, é evidenciado pela função do técnico que coordena um grupo de profissionais com o mesmo nível de formação técnica, ou seja, a aproximação ocorre pela responsabilidade do cargo e não pela formação profissional. Esta situação, contribui para um afunilamento de oportunidades, visto a condição verticalizada, onde as posições são reduzidas conforme aumentam as responsabilidades e autoridades no sistema capitalista.

14 Nas políticas de formação profissional, observa-se um investimento em capacitação de profissionais vinculados à área técnica. Ocorre a concessão de bolsa de estudo que varia de 70% a 90% do valor do curso, desde que exista possibilidade de aplicação do conhecimento adquirido no trabalho. O trabalhador que se interessar em realizar um curso técnico tem de se inscrever num programa anual de bolsa de estudo mantido pela empresa, e no caso de aprovação de seu pedido, que é avaliado por um comitê interno, formado por profissionais do RH e lideranças diversas, ele é notificado. Quanto aos programas de qualificação e requalificação, percebe-se que também existem divergências de respostas em termos de investimento da empresa para cada cargo, pois a visão de treinamento para os técnicos são mais específicas e operacionais. Nos depoimentos detalhou-se a existência na empresa de uma política de formação profissional qualificante, mas não de um programa de qualificação e requalificação interno, de acordo com as afirmações de alguns técnicos entrevistados [...] não tive muitos treinamentos, foi mais pela prática do dia-adia. (Técnico 1). [...] não existe treinamento externo para essa demanda. É tudo feito por pessoas da empresa. (Técnico 2). Percebe-se nos depoimentos dos técnicos, que indiferente das qualificações apresentadas por cada sujeito, ou melhor, a não evidência de um conjunto prédeterminado de qualificações, que justifique um comportamento profissional uniforme, ou garanta um lugar na estrutura organizacional do setor de manutenção, o que se tem de realidade, ou situação comum, é que a formação inicial técnica, seja o delineador da competência requerida e atendida, ao agregar uma gama de resultados apresentados por cada indivíduo, enquanto um profissional técnico, capaz de solucionar eventos e problemas redundantes, que venham a ocupar-lhe no processo produtivo. 4.Considerações finais Com base no exposto e principalmente nas tendências apresentadas e justificadas no capítulo anterior, pretende-se apresentar algumas reflexões e propostas a trabalhos futuros, focando outros debates a respeito das reestruturações da produção industrial com o objetivo de analisar o novo lugar dos técnicos de nível médio no mundo do trabalho.

15 Os resultados encontrados permitem afirmar a relevância do tema, o que reitera a necessidade de novas pesquisas nesse sentido, uma vez que podem fornecer novos rumos para a compreensão de uma série de conflitos organizacionais atuais, como os que ocorrem entre o perfil requerido dos trabalhadores e as condições reais de trabalho, a questão da valorização da mão-de-obra em contexto de redução de níveis hierárquicos, entre outros. No que diz respeito às relações de trabalho do técnico frente às novas tecnologias organizacionais e de gestão, identifica-se através da análise preliminar das entrevistas realizadas na HZT TÊXTIL que, para este profissional existe ainda uma hierarquia bem definida, verticalizada, agregada de responsabilidades e autoridades, conforme dividem-se as funções no nível hierárquico na empresa, de modo que a interação com o engenheiro ou o líder, dependeria de uma necessidade imperiosa, não indicando assim, uma gestão do trabalho horizontalizada. Há para o técnico, uma confirmação de sua essencialidade, pois sem ele a empresa paralisa o setor de manutenção. Entretanto, observa-se que ocorre um movimento atualmente entre os técnicos, assinalado pelos sujeitos desta pesquisa, de caráter individual, não de grupo, na busca de uma mais-valia profissional obtida pela aquisição de um registro de graduação superior. Isto pode resultar uma desmotivação, visto que na aquisição, não implica que esteja incluso a resultante de mais-valia profissional. Isto, na verdade ocorrerá pelo desempenho, pela tomada de iniciativa, pela aplicação do conhecimento adquirido em eventos os quais estiverem sob sua responsabilidade, mesmo que tenha apenas um nível técnico de formação profissional. Apesar da atividade do profissional técnico, estar sendo realizada próximo ao nível operacional, a este nível não está relegado ou deslocado, principalmente por desenvolver uma atividade de adequação técnica do equipamento às suas características funcionais, e não ao posicionamento junto à máquina, visando sua operação. No mundo do trabalho considerado neste artigo, tem-se uma valorização social e profissional do técnico, não apenas por causa de uma titulação acadêmica, mas devido à situação evidenciada pelo potencial de cada indivíduo ao estabelecer uma integração produtiva e com flexibilidade no enfrentamento dos eventos e problemas demandados, o que resulta num reconhecimento social do profissional.

16 Referências ABIT, Setor têxtil e de confecção brasileiro: Balanço 2011 e perspectivas Disponível em: < Acesso em: jul BRASIL. Portal Brasil. Educação. Sistema Educacional. Ensino Técnico. Brasília, Disponível em: < Acesso em: jul BRAVERMAN, Harry. Trabalho e Capital Monopolista : a degradação do trabalho no século XX. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., BURNIER, Suzana. L. Visões de mundo e projetos de trabalhadores técnicos de nível médio. In: Antropolítica Revista Contemporânea de Antropologia e Política. n. 15, jul-dez. 2003, p Disponível em:< antropolitica_15.pdf>. Acesso em: jul CARLETTO, Balduir. Competências essenciais requeridas para o gerenciamento das linhas de produção da indústria alimentícia : a visão dos seus gestores. 127 p. Dissertação (Mestrado

17 em Engenharia da Produção), Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Paraná, Disponível em:< Acesso em: jul KELLER, Paulo Fernandes. Globalização e mudanças na cadeia têxtil brasileira. São Luís: Editora UFMA, LAUDARES, João Bosco.; TOMASI, Antônio P. N. O técnico de escolaridade média no setor produtivo: seu novo lugar e suas competências. Educação & Sociedade, Campinas, v.24, n.85, p , dez Disponível em:< pdf>. Acesso em: jul Dialética da divisão do trabalho social, em Durkheim, com a divisão manufatureira do trabalho no processo capitalista, em Braverman. In: SOUZA JÚNIOR, Hormindo Pereira de; LAUDARES, João Bosco (Org.). Diálogos conceituais sobre trabalho e educação. Belo Horizonte: PUC Minas, p PAIXÃO, Edmilson L.; LAUDARES, João B. O Lugar do técnico e do tecnólogo na indústria metal-mecânica de Minas Gerais e as demandas do setor produtivo : um estudo de caso na montadora FIAT Automóveis S.A. em Betim/MG. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação Tecnológica). Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo HZT, Disponível em: <

18 ppget/index.php/pt/dissertacoes>. Acesso em: jul VALLE, Rogério (Org.). O Conhecimento em ação : novas competências para o trabalho no contexto da reestruturação produtiva. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, ZARIFIAN, Philippe. O modelo da competência : trajetória histórica, desafios atuais e propostas. São Paulo : Editora Senac, 2003.

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO

Pesquisa realizada com os participantes do 16º Seminário Nacional de Gestão de Projetos APRESENTAÇÃO Pesquisa realizada com os participantes do de APRESENTAÇÃO O perfil do profissional de projetos Pesquisa realizada durante o 16 Seminário Nacional de, ocorrido em Belo Horizonte em Junho de, apresenta

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A IMPORTÂNCIA DA MUDANÇA DE CULTURA DAS PESSOAS COMO UM DOS FATORES DE SUCESSO DE PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Elisa Maçãs IDÉIAS & SOLUÇÕES Educacionais e Culturais Ltda www.ideiasesolucoes.com 1

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS

GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO APRESENTAÇÃO E GRADE CURRICULAR DOS CURSOS Graduação PROCESSOS GERENCIAIS 1.675 HORAS Prepara os estudantes para o empreendedorismo e para a gestão empresarial. Com foco nas tendências

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

O que é ser um RH estratégico

O que é ser um RH estratégico O que é ser um RH estratégico O RH é estratégico quando percebido como essencial nas decisões estratégicas para a empresa. Enquanto a área de tecnologia das empresas concentra seus investimentos em sistemas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O estágio

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial

PARTE III Introdução à Consultoria Empresarial FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações

Uso de Equipamentos de Informática e Telecomunicações O SETOR SERVIÇOS DO ESTADO DO ACRE Estrutura Características Setoriais e Regionais A Paer pesquisou as unidades locais, com mais de 20 pessoas ocupadas, do setor serviços do, constatando a presença de

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

Apesar de colocar-se no campo das Engenharias, profissional destaca-se, também, pelo aprimoramento das relações pessoais

Apesar de colocar-se no campo das Engenharias, profissional destaca-se, também, pelo aprimoramento das relações pessoais Lustre sem graxa Engenharia de Produção Apesar de colocar-se no campo das Engenharias, profissional destaca-se, também, pelo aprimoramento das relações pessoais Falo sempre com a minha família que não

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO

FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FEA USP ARTIGO COMO AS MUDANÇAS NAS ORGANIZAÇÕES ESTÃO IMPACTANDO A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS Paola Moreno Giglioti Administração

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão

O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão O desafio da liderança: Avaliação, Desenvolvimento e Sucessão Esse artigo tem como objetivo apresentar estratégias para assegurar uma equipe eficiente em cargos de liderança, mantendo um ciclo virtuoso

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH

Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Pessoas no centro da estratégia Soluções para desafios em RH Os papéis do executivo de RH Pessoas são os principais ativos de uma empresa e o executivo de Recursos Humanos (RH), como responsável por administrar

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Coordenadoria Geral de Pós-Graduação Lato Sensu PORTFÓLIO ESPECIALIZAÇÃO / MBA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Sumário ÁREA: CIÊNCIAS DA SAÚDE... 2 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO: PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO... 2 ÁREA: COMUNICAÇÃO E LETRAS...

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP

Fatores e Indicadores de Desempenho ADP Fatores e Indicadores de Desempenho ADP RESPONSABILIDADE / COMPROMETIMENTO COM A INSTITUIÇÃO - Assumir o compromisso na realização das atribuições - Atuar com disposição para mudanças - Buscar qualidade

Leia mais

Como atrair e reter talentos

Como atrair e reter talentos Como atrair e reter talentos na Panificação PORQUE A DISCUSSÃO DE TALENTOS É IMPORTANTE PARA ORGANIZAÇÕES COMPETITIVAS? Em toda a história do mundo empresarial, nunca houve tanta preocupação e cuidados

Leia mais

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail.

**Graduandas em Turismo - Universidade Federal de Minas Gerais babicddelgado@gmail.com; carinafneves@hotmail.com; nilleeee@hotmail. EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: OS SOFTWARES LIVRES COMO MEIOS DE ACESSO À GRADUAÇÃO DE TURISMO* Bárbara Cardoso Delgado Carina Fernandes Neves Janille de Oliveira Morais RESUMO Pretende-se delinear uma análise

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES Das

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Administração 5ª Série Administração de Recursos Humanos I A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem desenvolvido por meio de um conjunto

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON

GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON GESTÃO DE EMPRESA FAMILIAR: Um estudo de caso da HEBRON Antonio Henrique Neto, Discente da Faculdade Integrada de Pernambuco - FACIPE Suzane Bezerra de França, - FACIPE, SEDUC/PE docente. suzyfranca@yahoo.com.br

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 244 ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 1 Entrevista com Francisco Diretor de Articulação Nacional da ABRAIC, sobre a profissão de analista de inteligência competitiva

Leia mais

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas

1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem. Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas 1 SEPAGE Seminário i Paulista de Gestão em Enfermagem Liderança Coaching e Desenvolvimento de Pessoas Maria Lúcia Alves Pereira Cardoso GEPAG UNIFESP abril / 2009 CONTEXTO Características do Trabalho no

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Educação que valoriza o seu tempo: presente e futuro Educação a Distância Os mesmos professores. A mesma aula. O mesmo diploma. A única diferença é a sala de aula que fica em suas

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL

Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Pesquisa TERCEIRIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO NO BRASIL Data da Pesquisa: Junho 2009 Realização: Pesquisa realizada através do Site www.indicadoresdemanutencao.com.br Divulgação e Colaboração: Divulgação e colaboração

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva

Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências. José Roberto Gomes da Silva Ensino Superior no Século XXI: Mudanças, Desafios e Competências José Roberto Gomes da Silva Os desafios de gestão das IES Maior Complexidade Mudanças na sociedade Competitividade Novo papel Nova identidade

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES

SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES SITUAÇÃO DOS RECURSOS HUMANOS DA ÁREA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NAS IFES Introdução A questão dos recursos humanos na área de Tecnologia da Informação é assunto de preocupação permanente no Colégio de

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS

componente de avaliação de desempenho para sistemas de informação em recursos humanos do SUS Informação como suporte à gestão: desenvolvimento de componente de avaliação de desempenho para sistemas de Esta atividade buscou desenvolver instrumentos e ferramentas gerenciais para subsidiar a qualificação

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM

GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS NÚCLEO COMUM DISCIPLINA: Gestão de Pessoas EMENTA: O sistema clássico de estruturação da gestão de recursos humanos e suas limitações: recrutamento e seleção, treinamento

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE

UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE Edição Especial Terceirização ondagem O termômetro da indústria tocantinense Palmas, Tocantins junho de 2014 UTILIZAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS PELA INDÚSTRIA TOCANTINENSE 72% das empresas industriais

Leia mais

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel

Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Instituto de Informática Síntese do Projeto Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação PUC Minas/São Gabriel Belo Horizonte - MG Outubro/2007 Síntese

Leia mais

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações

Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações Objetivo Promover reflexões acerca da identidade, do papel e das atribuições das equipes pedagógicas do IFTM, visando à construção coletiva de ações a serem implementadas nos câmpus do Instituto. A identidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS, BACHARELADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas

Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Os cinco subsistemas de Gestão de Pessoas Trabalho de Gestão de Pessoas Alunos: Nilce Faleiro Machado Goiânia,4 de dezembro de 2015 1 Sumário Capa...1 Sumário...2 Introdução...3

Leia mais

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização

EIXO DE APRENDIZAGEM: CERTIFICAÇÃO E AUDITORIA Mês de Realização S QUE VOCÊ ENCONTRA NO INAED Como instituição que se posiciona em seu mercado de atuação na condição de provedora de soluções em gestão empresarial, o INAED disponibiliza para o mercado cursos abertos,

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas

MBA em Gestão de Pessoas REFERÊNCIA EM EDUCAÇÃO EXECUTIVA MBA em Gestão de Pessoas Coordenação Acadêmica: Profª. Dra. Ana Ligia Nunes Finamor A Escola de Negócios de Alagoas. A FAN Faculdade de Administração e Negócios foi fundada

Leia mais

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6.

Nani de Castro. Sumário. Resumo de Qualificações... 2. Atuação no Mercado... 3. Formação Profissional... 5. Contatos... 6. Sumário Resumo de Qualificações... 2 Atuação no Mercado... 3 Formação Profissional... 5 Contatos... 6 Página 1 de 6 Resumo de Qualificações Consultora responsável pela organização e gestão da RHITSolution,

Leia mais