SISTEMA OPERACIONAL LINUX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA OPERACIONAL LINUX"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GUARATINGUETÁ SISTEMA OPERACIONAL LINUX Álvaro Perez Sanchez, Cleber Lopes Campomori, José Marcos Rocca, Pedro Aurélio Lemes Trabalho apresentado na disciplina Sistemas Operacionais 2 para o professor José Geraldo, no curso superior de Tecnologia em Informática, 4 semestre noturno. Guaratinguetá SP 2011

2 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GUARATINGUETÁ SISTEMA OPERACIONAL LINUX Álvaro Perez Sanchez, Cleber Lopes Campomori, José Marcos Rocca, Pedro Aurélio Lemes Trabalho apresentado na disciplina Sistemas Operacionais 2 para o professor José Geraldo, no curso superior de Tecnologia em Informática, 4 semestre noturno. Área de concentração: Sistemas Operacionais Guaratinguetá SP 2011

3

4 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Ken Thompson e Dennis Ritchie Figura 2 - Linus Torvalds Figura 3 - Mascotes GNU e Linux (Tux) Figura 4 - Richard Stallman Figura 5 - Logotipo do Debian Figura 6 - Logotipo Ubuntu Figura 7 - Logotipo Damn Small Linux Figura 8 - Logotipo Endian Firewall Figura 9 - Logotipo Android Figura 10 - Esquema de gerenciamento de memória através [...]... 30

5 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO: O QUE É LINUX? HISTÓRICO Antecessores, Multics e Unix DISTRIBUIÇÕES LINUX O que são disitribuições Exemplos de distribuições Debian Ubuntu Endian Firewall Android DETALHES DO SISTEMA OPERACIONAL LINUX Sistema de arquivos Linux EXT Linux EXT Funcionalidades do Linux EXT Desfragmentação do Linux EXT Recuperação no Linux EXT Compressão no Linux EXT Linux EXT Sistemas de arquivos ou arquivos grandes Escalabilidade de subdiretórios... 23

6 Extends Alocação multiblock Atraso na alocação FSCK rápido Journal checksumming Recursos relacionados aos inodes Presistência na pré-alocação ReiserFS Desvantagens do ReiserFS Gerenciamento de memória Gerenciamento de processos O conceito de processo Os primeiros processos Estados Limite de recursos Preemptivo Política de escalonamento Algoritmo de Escalonamento VANTAGENS E DESVANTAGENS DO LINUX Vantagens Desvantagens CONCLUSÕES BIBLIOGRAFIA... 42

7

8

9 1 INTRODUÇÃO: O QUE É LINUX? Linux é um sistema operacional, responsável pelo funcionamento do computador, que faz a comunicação entre hardware (impressora, monitor, mouse, teclado) e software (aplicativos em geral). O kernel é o coração do Sistema Operacional Linux. Ele é o responsável por garantir que todos os programas terão acesso aos recursos de que necessitam (memória RAM, por exemplo) simultaneamente, fazendo com que haja um compartilhamento concorrente mas sem oferecer riscos à integridade da máquina. O conjunto de um kernel e demais programas responsáveis pela comunicação com este é o que denominamos sistema operacional. Desenvolvido pelo finlandês Linus Torvalds, o Linux tem seu código fonte disponível sob licença GPL para qualquer pessoa utilizar, estudar, modificar e distribuir de acordo com os termos da licença. O Linux é um sistema operacional derivado do Unix.

10 2 HISTÓRICO O nome Linux é uma fusão do nome de seu criador, o finlandês Linus Torvalds com Unix, um sistema operacional de grande porte voltado para servidores, no qual o Linux foi baseado. Para entender a história do Linux é preciso um breve resumo sobre a história do Unix Antecessores, Multics e Unix O Unix e sua história estão intrinsicamente ligados a história de um sistema operacional mais antigo, chamado Multics, o Multics foi criado na década de 1960 por um conjunto de empresas entre elas General Eletric (GE), laboratórios Bell (Bell Labs) e American Telephone an Telegraph (AT&T) além do Massachusets Institute of Technology (MIT). A idéia principal do Multics era quanto as características de tempo compartilhado, aonde vários usuários usam os recursos do computador ao mesmo tempo, compartilhando-o. Ken Thompsom, um dos pesquisadores do Multics que trabalhava na Bell, após a saída da referida empresa do projeto Multics, decidiu que desenvolveria um sistema que mantesse as mesmas características do Multics mas que fosse menor do que o anterior, nasceu então o Unix. Algum tempo mais tarde em 1973 um outro pesquisador da Bell, Dennis Ritchie, reescreveu todo o sistema em uma linguagem de alto nível que ele mesmo criou, o C, isto fez com que o Unix passasse a ter maior aceitação fora da Bell. Figura 1 - Ken Thompson e Dennis Ritchie

11 Entre 1977 e 1983 a AT&T passou a alterar o Unix de modo a poder comercializar o mesmo, isto se deu em meados de 1983 com o desenvolvimento da versão System V que até hoje ainda é usado no mercado. Em 1991 Linus Torvalds, então estudante de Ciências da Computação na Universidade de Helsinki na Finlândia, começa a estudar o Minix uma versão livre do Unix, então o mesmo decide criar um sistema que fosse mais poderoso que o Minix, para isso envia uma mensagem através da Usenet (espécie de antecessor da Internet), divulgando sua idéia, aonde já propõe a colaboração no desenvolvimento do sistema, bem como a disponibilização dos códigos fontes, Ainda em 1991 disponibiliza a versão 0.02 do Kernel (núcleo do sistema), e continua trabalhando até finalmente em 1994 oferecer a versão 1.0. Figura 2 - Linus Torvalds O Linux é um Sistema Operacional livre, que reimplementa as especificações POSIX, que já eram usadas em sistemas Unix (System 4) e BSD. Deste modo o Linux é muito similar ao Unix, mas seu fonte é completamente distinto tendo sido escrito de formas completamente diferentes e separadas.

12 Linus Torvalds ao desenvolver o Linux não tinha intenção de ganhar dinheiro a intenção primordial era desenvolver um sistema que atendesse as suas necessidades pessoais, além é claro da pesquisa. Desde o começo o estilo de desenvolvimento foi baseado na ajuda coletiva, aonde vários desenvolvedores são coordenados por Linus, de forma colaborativa melhorando o sistema que ele criou. Milhares de pessoas no mundo ajudaram e ainda ajudam a desenvolver o Linux apenas pelo prazer de se criar um sistema cada vez melhor, isso faz dele a potência que é nos quesitos estabilidade e segurança. O Linux é regido pela licença GPL a referida licença basicamente dita que qualquer um pode usar o programa desde que não o torne fechado. Ou seja, você pode alterar e até comercializar o programa, mas nunca fechar o seu código. A história do Linux ainda se funde a do GNU, o GNU é um projeto que começou em 1984 por Richard Stallman com o objetivo de desenvolver um sistema compatível com Unix (Unix-like). O Linux é apenas um kernel (núcleo do sistema) o GNU é um conjunto de softwares, que foram até mesmo usados por Linus no desenvolvimento do Linux. Deste modo o sistema acabou se fundindo, se tornando uma junção do Kernel (Linux) e demais itens do Sistema (GNU). Deste modo o sistema leva usualmente o nome de seu núcleo, o Linux, mas o termo correto é GNU/Linux. Figura 3 - Mascotes GNU e Linux (Tux) Figura 4 - Richard Stallman

13 3 DISTRIBUIÇÕES LINUX 3.1. O que são disitribuições Entende-se como sistema operacional, um software que como um todo é capaz de fazer o computador funcionar de forma útil, provendo acesso aos dispositivos de hardware disponíveis, bem como fornecendo programas e aplicações para a interação do usuário nas mais diversas aplicações. As distribuições são a junção de todos esses fatores, núcleo do sistema (kernel Linux), programas (ex: Shell), aplicativos (ex: navegador Firefox). O que difere uma distribuição da outra é a versão utilizada do Kernel, e os programas e aplicativos disponibilizados, bem como o foco da distribuição, existem distribuições voltadas para todos os tipos de atividade, servidores, desktop, roteadores de redes, firewall, mobile e etc. Um fato que deixa claro a diferença que as distribuições podem ter entre si de acordo com o que oferecem se baseia no tamanho em bytes de algumas delas, existem distribuições capazes de rodar a partir de um simples disquete de 1.44MB até distribuições que ocupam 3 DVD s de 4.7GB Exemplos de distribuições Hoje existem centenas de distribuições voltadas para as mais diversas aplicações, como citado existem muitas diferenças e peculiaridades entre as elas. Seguem alguns exemplos, suas funções, peculiaridades e foco principais.

14 Debian Debian ou Debian GNU/Linux é uma distribuição focada na estabilidade que existe desde 1996, atualmente a versão estável se encontra na 6.0 (codinome Squeeze). O Debian prima por estabilidade, haja visto que há uma cultura de se manter sempre versões antigas e testadas de todos os pacotes e bibliotecas, garantindo alta confiabilidade, a versão estável da distro nunca recebe pacotes antes dos mesmos serem exaustivamente testados, isso faz com que o Debian seja uma distribuição amplamente utilizada em servidores. Outro fator diferencial do Debian é o gerenciador de pacotes APT que permite a instalação, remoção, atualização e configuração de pacotes de instalação de forma simples, fácil, eficaz e segura. Figura 5 - Logotipo do Debian Ubuntu Esta distribuição existe desde 2004, é uma distribuição baseada no Debian, também utilizando o gerenciador de pacotes APT, tem tido grande destaque no mercado Linux nos últimos três anos, apresentando grandes facilidades na sua instalação e uso para desktops, as versões do Ubuntu são lançadas a cada seis meses sempre no mês quatro e no mês dez. O número das versões obedece a este padrão começando na versão 4.10(ano 2004, mês 10), 5.04(ano 2005, mês 04) e assim sucessivamente. O ubuntu costuma trazer inovações interessantes aos usuários de desktop a cada nova versão, sendo considero o Linux mais fácil de usar, devido as suas ferramentas intuitivas e bem construídas graficamente. A última

15 versão é a 11.4 (codinome Natty Narwhal), que traz como grande novidade o uso do novo e polêmico gerenciador de janelas Unity, que promete um Desktop mais produtivo e bonito em comparação aos demais gerenciadores de janela. Figura 6 - Logotipo Ubuntu Damn Small Linux É uma distribuição baseada no Debian, que faz parte de um tipo denominado minidistribuições, basicamente se trata de um Linux live-cd (roda direto do CD, sem necessidade de instalação, sendo possível seu uso até mesmo em computadores sem disco rígido), a pequena distribuição oferece um desktop pronto e completo, contendo suíte de escritório, navegador de internet, cliente de mensagens instantâneas entre outros aplicativos. Devido ao seu tamanho é também muito leve e pode rodar bem no modo denominado light em um 486 DX2 de 66 Mhz com 16MB de memória RAM, com uma máquina com 128MB de RAM é capaz de rodar no seu modo full com todos os aplicativos e recursos da distribuição plenamente funcionais. A distribuição tem pouco mais de 50MB o que permite sua gravação até mesmo em CD s do tipo Business Card. Se encontra na versão Figura 7 - Logotipo Damn Small Linux

16 Endian Firewall Como o próprio nome sugere o Endian é um firewall baseado em Linux que pode transformar qualquer computador em um poderoso roteador/firewall. Conta com interface Web unificada de acesso e gerenciamento. Dispõe de ferramentas comuns e avançadas para firewall e roteamento, como por exemplo NAT, Proxy, DHCP, VPN, Anti-vírus e Anti-Spam para e Web, filtro de conteúdo, estatísticas e logs, dentre outras ferramentas. Se encontra atualmente na versão Figura 8 - Logotipo Endian Firewall Android Sistema operacional mobile da Google que utiliza o kernel Linux. Não é desenvolvido internamente no kernel e sim numa estrutura externa desenvolvida pela Google. O sistema foi desenvolvido inicialmente pela própria Google que posteriormente passou o desenvolvimento para a Open Handset Alliance, ficando apenas com o gerenciamento do produto e a engenharia de processos. O Android é desenvolvido com bibliotecas que permite ao desenvolvedor programar para ele utilizando Java realizando o controle do aparelho por intermédio dessas bibliotecas. O crescimento do Android foi exponencial no último ano, atingindo algumas marcas altamente expressivas como: duzentos mil aplicativos desenvolvidos e disponibilizados no Google Market (loja de aplicativos do Android), cem milhões de aparelhos Android ativados, quatro bilhões e meio de aplicações instaladas através

17 do Android Market. Com estes números o Android se tornou a plataforma mais utilizada em smarthphones estando em primeiro lugar com 38,5% de todo o mercado. Figura 9 - Logotipo Android

18 4 DETALHES DO SISTEMA OPERACIONAL LINUX 4.1. Sistema de arquivos Linus Torvalds adaptou o sistema de arquivos do MINIX, de Andrew Tanenbaum, para o Linux. Esse sistema de arquivos estendeu o limite do volume para 2 GiB e o tamanho do nome de arquivo para 255 caracteres Linux EXT2 A influência do UNIX pode ser vista, p.ex., na utilização de grupos de blocos, que são análogos aos grupos de cilindros utilizados pelo FFS. O tamanho máximo de um volume Ext2 é de 8 TiB. O Ext2 foi projetado e implementado para corrigir as deficiências do Ext e prover um sistema que respeitasse a semântica UNIX. A influência do UNIX pode ser vista, p.ex., na utilização de grupos de blocos, que são análogos aos grupos de cilindros utilizados pelo FFS. A versão original do FFS originou o que é hoje conhecido como UFS1 (Unix File System 1). O bloco, que consiste num conjunto de setores (cada setor tem 512 bytes), é a menor unidade de alocação para o Ext2. O tamanho pode ser de 1024, 2048 ou 4096 bytes e é definido na formatação. A partição EXT2 é o tipo usado para criar o sistema de arquivos Linux Native usado para armazenar o sistema de arquivos EXT2 (após a formatação) e permitir o armazenamento de dados.

19 Linux EXT3 A principal diferença entre o Ext2 e o Ext3 é a implementação do journaling, que consiste em um registro (log ou journal) de transações cuja finalidade é recuperar o sistema em caso de desligamento não programado. Há três níveis de journaling disponíveis na implementação do Ext3: Journal: os metadados e os dados (conteúdo) dos arquivos são escritos no journal antes de serem de fato escritos no sistema de arquivos principal. Isso aumenta a confiabilidade do sistema com uma perda de desempenho, devido a necessidade de todos os dados serem escritos no disco duas vezes. Writeback: os metadados são escritos no journal mas não o conteúdo dos arquivos. Essa opção permite um melhor desempenho em relação ao modo journal, porém introduz o risco de escrita fora de ordem onde, por exemplo, arquivos que são apensados durante um crash podem ter adicionados a eles trechos de lixo na próxima montagem. Ordered: é como o writeback, mas força que a escrita do conteúdo dos arquivos seja feita após a marcação de seus metadados como escritos no journal. Esse é considerado um meio-termo aceitável entre confiabilidade e performance, sendo, portanto, o nível padrão. A vantagem de usar ext3 é que melhora a recuperação do sistema de arquivos caso ocorra algum desligamento súbito do computador, por meio da gravação seqüencial dos dados na área de metadados e acesso mhash da sua árvore de diretórios. Embora o seu desempenho (velocidade) seja menos atrativo que o de outros sistemas de arquivos (como ReiserFS e XFS), ele tem a importante vantagem de permitir que seja feita a atualização direta a partir de um sistema com ext2, sem a necessidade de realizar um backup e restaurar posteriormente os dados, bem como o menor consumo de processamento.

20 Enquanto em alguns contextos a falta de funções de sistemas de arquivos "modernos", como alocação dinâmica de inodes e estruturas de dados em árvore, poderia ser considerada uma desvantagem, em termos de "recuperabilidade" isso dá ao ext3 uma significante vantagem sobre sistemas de arquivos que possuem-nas. Os metadados do sistema de arquivos estão todos em locais fixos e bem conhecidos, e há certa redundância inerente à estrutura de dados, que permite que sistemas ext2 e ext3 sejam recuperáveis no caso de uma corrupção de dados significante, em que sistemas de arquivos em árvore não seriam recuperáveis Funcionalidades do Linux EXT3 A estrutura da partição ext3 é semelhante à da ext2, pelo que a migração de um formato para o outro é simples. A adição do journaling é feita em um arquivo chamado.journal que fica oculto pelo código ext3 na partição (desta forma ele não poderá ser apagado, o que comprometeria o funcionamento do sistema). A estrutura idêntica da partição ext3 com a ext2 torna mais fácil a manutenção do sistema, já que todas as ferramentas para recuperação ext2 funcionarão sem problemas, sendo mesmo possível montar uma partição ext3 como se fosse ext2. Como o ext3 visa uma grande compatibilidade com o ext2, muitas das estruturas ondisk são similares àquelas da ext2. Por causa disso, o ext3 não possui muitas das funções mais recentes como alocação dinâmica de inodes e tamanhos de blocos variáveis (fragmentos ou caudas). Os sistemas de arquivos ext3 não podem ser checados enquanto são montados para escrita. Um dump do sistema de arquivos feito enquanto ele está sendo montado para leitura e escrita pode resultar em dados corrompidos dentro do arquivo de dump.

21 Desfragmentação do Linux EXT3 Não há uma ferramenta online de desfragmentação funcional em nível de sistema de arquivos. Um desfragmentador offline da ext2, e2defrag, existe mas requer que um sistema ext3 seja revertido previamente ao ext2. Mas, dependendo das funcionalidades ativadas no sistema de arquivos, o e2defrag pode destruir dados; ele não sabe lidar com muitas das novas funcionalidades do ext Recuperação no Linux EXT3 Diferentemente do ext2, o ext3 zera os ponteiros de blocos nos inodes de arquivos apagados. Ele faz isso para simplificar o acesso de leitura e escrita quando o journal está sendo utilizado após uma montagem "suja". Isso, no entanto, previne efetivamente que os arquivos sejam recuperados. O único recurso do usuário é fazer um "grep" no disco rígido para buscar por dados que sejam sinalizadores de início/fim de arquivo. Isso provê uma remoção de arquivos um pouco mais segura que em sistemas ext2, o que pode ser tanto uma vantagem quanto uma desvantagem Compressão no Linux EXT3 Suporte a compressão transparente de dados (disponível como um patch extra-oficial para ext2) não está disponível no ext3. O ext3 tem um tamanho máximo para arquivos e para o sistema de arquivos inteiro. Esses limites dependem do tamanho de bloco do sistema de arquivos; a tabela abaixo resume esses limites:

22 Tabela com tamanho de blocos e tamanho de arquivos O tamanho de bloco de 8 KiB está apenas disponível para arquiteturas (como a alpha) que permitem paginação de 8 KiB Linux EXT4 Ext4 é a evolução do sistema de arquivos mais usados no Linux, o Ext3. De muitas maneiras, Ext4 é uma profunda melhoria sobre o Ext3, sendo o Ext3, com muitas melhorias frente o Ext2. No Ext3 foi principalmente a adição de Journaling sobre o Ext2, mas Ext4 teve mudanças importantes na estrutura do sistema de arquivos destinado ao armazenamento de dados. O resultado é um sistema de arquivos com um design aperfeiçoado, melhor performance, confiável e com muitos recursos. Um sistema de arquivos Ext3 existente, pode ser migrado para Ext4 com um procedimento fácil, onde consiste a execução de um casal de comandos em modo read-only (descrito na próxima seção). Por meio disto você melhora a performance, limites de armazenamentos e recursos do sistema de arquivos corrente, com ou sem a reformatação e/ou reinstalação do SO e softwares environment. Se você precisa das vantagens do Ext4 em um sistema em produção, você pode atualizar o sistema de arquivos. O processo é seguro é não há riscos para seus dados (obviamente, fazer backup de dados críticos é recomendado,

23 pois você está atualizando seu sistema de arquivos). O Ext4 vai usar uma nova estrutura de dados somente em novos dados, a estrutura antiga continuará intocada, é será possível para leitura/escrita se for preciso. Desta forma, é claro, assim que uma vez convertido o sistema de arquivos para Ext4, você não vai poder voltar para o Ext3 novamente Sistemas de arquivos ou arquivos grandes Atualmente, Ext3 suporta 16TB de tamanho máximo no sistema de arquivos, e 2TB de tamanho máximo de um arquivo. Ext4 adiciona 48-bit endereçados, obtendo assim 1EB de tamanho máximo de sistema de arquivos e 16TB de tamanho máximo de arquivos. 1 EB = 1,048,576 TB (1 EB = 1024 PB, 1 PB = 1024 TB, 1 TB = 1024 GB) Escalabilidade de subdiretórios Atualmente a possibilidade máxima de número de subdiretórios contendo um único diretório no Ext3 é Ext4 quebra esse limite, e possibilita um número ilimitado de subdiretórios Extends Os tradicionais sistemas de arquivos derivados do Unix como o Ext3, utilizam um esquema de mapeamento indireto de blocos para manter cada trilho do bloco usado correspondente no dado de um arquivo. Isto é ineficiente para arquivos grandes, especialmente um arquivo grande deletado e/ou operações truncate, porque o mapeamento

24 mantém uma entrada para muitos blocos únicos, e grandes arquivos tem muitos blocos. Os sistemas de arquivos modernos usam uma abordagem diferente chamada extends. Um extends é basicamente um punhado de blocos físicos continuo. Isto pode ser basicamente definido: Os dados no próximo bloco n. Por exemplo, um arquivo de 100MB pode ser alocado em um único extends deste tamanho, em vez de precisar da criação de um mapeamento indireto para blocos (4KB por bloco). Arquivos grandes são divididos em diversos extends. Extends melhora a performance e também ajuda a reduzir a fragmentação, uma vez que incentiva o continuo layouts do disco Alocação multiblock Quando o EXT3 precisa de nova escrita de dados no disco, há um alocador de blocos que decide quais blocos livres deverá ser usado para a escrita do dado. Mas o alocador de blocos do Ext3 somente alocar um bloco (4KB) em um momento. Esta forma que o sistema precisa para escrever 100MB de dados mencionado anteriormente em outro ponto, será necessário para chamar o alocador de blocos vezes (isto simplesmente para 100MB!). Não só isto é ineficiente, como também não permite que o bloco de alocação utilize a política de alocação porque ele não sabe como o total de muitos dados deve ter a alocação iniciada, ele apenas conhece sobre um simples bloco. Ext4 usa multiblock allocator (mballoc), no qual, aloca muitos blocos em uma simples chamada, em vez de um simples bloco por chamada, evitando um monte de overhead. Isto melhora a performance, e é especialmente útil com alocação atrasada e extends. Este novo recurso não afeta o formato do disco.

25 Atraso na alocação Atraso na alocação é um recurso de performance (isto não muda o formato do disco) encontrado em poucos sistemas de arquivos modernos, tais como o XFS, ZFS, btrfs ou Reiser 4, que constitui em um atraso na alocação de blocos tanto quando possível, contrário aos tradicionais sistemas de arquivos (tais como o Ext3, Reiser3, etc) fazem: alocando os blocos com a maior brevidade possível. Por exemplo, em um processo de escrita, o código do sistema de arquivos irá atribuir imediatamente os blocos quando os dados forem coletados mesmo se os dados não estiverem sendo escritos agora para o disco, eles vão ser mantidos em cache durante um tempo. Esta abordagem tem algumas desvantagens.por exemplo, quando um processo esta escrevendo continuamente em um arquivo, crescente, sucessivamente sendo escritos atribuindo blocos para os dados, mas ele não sabe se o arquivo se manterá crescente. Atrasando a alocação, por outro lado, não afetaria os blocos imediatamente quando o processo de escrita, sim, ela atrasa a alocação dos blocos, enquanto o arquivo é mantido em cache, até que ele esteja realmente indo para escrito no disco. Isto da ao bloco de alocação a capacidade de alocar em situações em que sistemas antigos não poderia. Atraso na alocação trabalha muito bem com as duas características anteriormente mencionadas, extents e alocação multiblock, porque, em muitos casos um trabalho em que o arquivo é gravado para o último disco que será atribuído em blocos extends, cuja alocação é feita com o mballoc. O desempenho é muito melhor, e a fragmentação é muito melhorada em alguns workloads FSCK rápido Fsck é uma operação muito lenta, especialmente o primeiro passo: checagem de todos os inodes em um sistema de arquivos.

26 No Ext4, até o fim de cada grupo da tabela de inode estará armazenado uma lista de inodes inutilizados ( com checksum, por segurança), assim o fsck não irá checar estes inodes. O resultado final é que o tempo do fsck melhorou de 2 a 20 vezes, dependendo do número usado de inodes. Deve-se notar que é o fsck, e não o Ext4, que irá montar a lista de inodes inutilizados. Isso significa que você deve executar o fsck para obter a lista de inodes inutilizados construída, e só na próxima execução do fsck será mais rápida. Há também uma característica que ajuda a acelerar o fsck flexible block groups que também acelera as operações em arquivos Journal checksumming O Journal é mais utilizado na parte do disco, construindo os blocos mais propensos a falhas de hardware. A recuperação de um journal corrompido pode levar a uma corrupção massiva. Mas journal checksumming tem um bonus: ele permite a conversão e gravação em duas-fases, sendo no Ext3 o journal em única fase, acelerando a operação no sistema de arquivos para mais de 20% em alguns casos assim a reabilitação e a performance são melhoradas ao mesmo tempo Recursos relacionados aos inodes Aumento de inodes: Ext3 suporta a configuração de tamanho de inode ( pelo parâmetro -l do mkfs), mas o tamanho padrão de inode é 128 bytes. Ext4 tem como padrão 256 bytes. Isto é necessário para acomodar algumas características extras (como o timestamp em nano segundos ou versonamento de inodes), e o espaço restante do inode será utilizado para

27 armazenar atributos extends suficientemente pequenos para caber nesse espaço. Isto facilitará o acesso aos atributos com maior agilidade, e melhora no desempenho das aplicações que usem alocação extend por um fator de 3-7 vezes. A reserva de inode consiste em alocar vários inodes quando um diretório é criado, esperando que eles sejam utilizados no futuro. Melhorando a performance, porque quando novos arquivos forem criados neste diretório, eles serão capazes de utilizar os inodes reservados. Portanto a criação de um arquivo, como também a ação de apagar o mesmo, será mais eficiente. timestamps em nano segundos significa que áreas com tempo modificado sejam capazes de usar resoluções em nano segundos em vez de segundo como no Ext Presistência na pré-alocação As aplicações chamam o sistema de arquivos para pré-alocar o espaço, e o sistema de arquivos aloca a quantida necessária de blocos e estrutura de dados, mas não há dados sobre o assunto até que a aplicação realmente precisa para escrever os dados no futuro. Isto é o que faz aplicações P2P quando pré-aloca o espaço necessário para uma transferência que irá durar horas ou dias, mas muito mais eficiente quando implementado por um sistema de arquivos do que por uma API genérica. Isto tem varios usos: em primeiro lugar, para evitar aplicações (como aplicativos P2P) faze-lo propriamente e ineficientemente, mediante o preenchimento de um arquivo com zeros. Segundo, para melhoria da fragmentação, uma vez que os blocos serão alocados em um tempo, e continuamente se possível. Terceiro, para assegurar que os pedidos tenham sempre o mesmo espaço solitado para a necessidade, o que é importante para aplicações RT-ish, pois sem a pré-alocação o sistema de

28 arquivos poderá ficar cheio no meio de uma operação importante. Este recurso estará disponível via libc posix_fallocate() interface ReiserFS ReiserFS usa árvores balanceadas para tornar o processo de busca de arquivos, informações sobre segurança e outros metadados mais eficientes. Para arquivos muito pequenos, seus dados podem ser armazenados próximos aos metadados, então, ambos podem ser recuperados com um pequeno movimento do mecanismo da "cabeça" de leitura do disco. Essa propriedade vai contribuir para um melhor desempenho caso uma aplicação necessite abrir muitos arquivos pequenos rapidamente. No caso de um desligamento incorreto do sistema, o ReiserFS é capaz de recuperar a consistência do sistema de arquivos em pouco tempo e a possibilidade de perda de pastas ou partições é reduzida. Em compensação, os arquivos que eventualmente estiverem sendo gravados no exato momento em que acabou a energia ficarão com seus dados corrompidos, haverá acesso aos arquivos normalmente, mas o conteúdo estará truncado ou incompleto Desvantagens do ReiserFS Uma desvantagem do ReiserFS é o seu consumo de CPU muito elevado. Utiliza no mínimo 7 por cento da CPU, chegando a usar até 99 por cento, quando a actividade de disco é elevada. O futuro do ReiserFS é atualmente dado como incerto, em virtude da prisão em 10 de Outubro de 2006 de Hans Reiser, seu criador, e sua condenação em 28 de Abril de 2008 pelo

29 assassinato de sua mulher no início de Setembro de Atualmente, devido à paralisação das atividades da Namesys, o projeto ReiserFS está armazenado em kernel.org Gerenciamento de memória Cada processo no Linux possui prioridades com relação à alocação de memória. O Linux também possui uma característica de alocar determinados recursos dos processos que foram executados para garantir que estes retornem de maneira mais eficiente quando estes forem requisitados novamente. Caso a memória física (memória RAM) esteja totalmente carregada, é iniciado um processo de operação com a memória virtual, a memória SWAP. (Silva APUD Lima, 2007). Esse espaço da memória utilizado para armazenar estes recursos é chamado de cache ou ainda prefetch. Se verificarmos os níveis de memória durante a utilização do sistema, veremos que mesmo com poucos programas abertos, a memória vai estar praticamente toda ocupada. Isso ocorre pelo fato de que o Linux está alocando as páginas de memória livre para a alocação desses recursos dos processos que são encerrados. Porém, devido a algoritmos complexos e totalmente eficientes, além da memória SWAP (memória virtual), o sistema pode operar sem lentidões. À medida que mais processos vão sendo executados, e como estes tem preferência de alocação na memória física, o Linux começa a jogar estes recursos alocados para a memória SWAP. Os processos a serem lançados para a memória SWAP geralmente seguem o padrão de latência do processo: os processos não utilizados a mais tempo são lançados para a memória SWAP. Isso libera espaço na memória física, permitindo a alocação de mais processos nessa memória. Essa memória SWAP é uma partição no disco rígido (partição SWAP) dedicada exclusivamente para estes despejos de processos em caso de necessidade de

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GOIÁS SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Joselito Antônio Vilas Boas Junior LINUX FUNDAMENTOS DE T.I.

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GOIÁS SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Joselito Antônio Vilas Boas Junior LINUX FUNDAMENTOS DE T.I. FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GOIÁS SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Joselito Antônio Vilas Boas Junior LINUX FUNDAMENTOS DE T.I. GOIÂNIA NOVEMBRO, 2014 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GOIÁS SENAC GESTÃO

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Introdução ao Linux e Instalação do Ubuntu Linux História Em 1973, um pesquisador da Bell Labs, Dennis Ritchie, reescreveu todo o sistema Unix numa

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Sistemas de Arquivos NTFS, FAT16, FAT32, EXT2 e EXT3

Sistemas de Arquivos NTFS, FAT16, FAT32, EXT2 e EXT3 Sistemas de Arquivos NTFS, FAT16, FAT32, EXT2 e EXT3 Os sistemas de arquivos é a parte do SO responsável pelo gerenciamento dos arquivos (estrutura, identificação, acesso, utilização, proteção e implementação).

Leia mais

Sistema de Arquivos EXT3

Sistema de Arquivos EXT3 Sistema de Arquivos EXT3 Introdução Ext3 é uma nova versão do Ext2. Possui as mesmas estruturas do ext2, além de adicionar as propriedades do Journal. O uso do Ext3 melhora na recuperação do sistema(dados),

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO SEMINÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO SEMINÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO SEMINÁRIO JOURNALING FILESYSTEMS Seminário com o tema Journaling FileSystems

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA

SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2015 1 SUMÁRIO 1. Histórico do sistema operacional 2. Licença de softwares 3. Aspectos

Leia mais

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc.

Usuários. Aplicativos e programas dos usuários. Kernel gerenciamento de processos, memória, sistema de arquivos, I/O, etc. 1 1.0 Kernel O kernel (núcleo) representa o coração do Sistema Operacional. Atribuições do kernel: - gerenciamento dos arquivos em disco; - inicializar programas e executá-los; - alocar e gerenciar memória

Leia mais

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre 16:21:50 Introdução à Informática com Software Livre 1 16:21:50 Hardware & Software 2 16:21:50 Hardware Hardware é a parte física de um computador, é formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo,

Leia mais

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Introdução ao Linux Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Sistema Operacional Linux Embora o Sistema Operacional Microsoft Windows ainda seja predominante no mercado de desktops e Notebooks,já é, bastante

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Gerenciamento de Memória no Linux O Linux é um sistema operacional com memória virtual paginada, isto quer dizer que

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE

SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE Curso Técnico em Redes de Computadores Disciplina de Sistemas Operacionais Livres SISTEMA OPERACIONAL & SOFTWARE LIVRE Professora: Juliana Cristina dos Santos E-mail: professora@julianacristina.com Site:

Leia mais

Introdução a Sistemas Abertos

Introdução a Sistemas Abertos Introdução a Sistemas Abertos Apresentação filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistemas Abertos Qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído inclusive com seu código fonte

Leia mais

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG

Universidade Federal de Goiás. Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Universidade Federal de Goiás Ubuntu Desktop Alexandre Ferreira de Melo CERCOMP / UFG Conpeex / 2010 Agenda Introdução Conceitos Categorias de Software História do Linux Arquitetura do Linux Ubuntu Projeto

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistema Operacional Conteúdo retirado do livro Sistemas Operacionais Marcos Aurélio Pchek Laureano Diogo Roberto Olsen

Leia mais

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Apresentação do Curso 1 Objetivos do Curso Sistema Operacional Unix/Linux;

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 1 Introdução aos Sistemas Operacionais GNU/Linux. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 1 Introdução aos Sistemas Operacionais GNU/Linux. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 1 Introdução aos Sistemas Operacionais GNU/Linux Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS... 3 Monousuário x Multiusuário...

Leia mais

Sistema de Arquivos do Windows

Sistema de Arquivos do Windows Registro mestre de inicialização (MBR) A trilha zero do HD, onde ficam guardadas as informações sobre o(s) sistema(s) operacionais instalados. Onde começa o processo de inicialização do Sistema Operacional.

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS LINUX... 3 SISTEMA DE ARQUIVOS E PARTICIONAMENTO...

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Software Livre Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) - A liberdade de executar

Leia mais

AULA 5 Sistemas Operacionais

AULA 5 Sistemas Operacionais AULA 5 Sistemas Operacionais Disciplina: Introdução à Informática Professora: Gustavo Leitão Email: gustavo.leitao@ifrn.edu.br Sistemas Operacionais Conteúdo: Partições Formatação Fragmentação Gerenciamento

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS Gestão da Tecnologia da Informação. Daniel Augusto, Rodrigo Damasceno, Andrey Castro LINUX CENTOS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS Gestão da Tecnologia da Informação. Daniel Augusto, Rodrigo Damasceno, Andrey Castro LINUX CENTOS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS Gestão da Tecnologia da Informação Daniel Augusto, Rodrigo Damasceno, Andrey Castro LINUX CENTOS Lucília Gomes Ribeiro GOIÂNIA, 2015 Daniel Augusto, Rodrigo Damasceno,

Leia mais

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux Kernel Linux Representação artística do núcleo Linux Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903 Índice Introdução...2 O que é o Kernel...3 Como surgiu...4 Para que serve...5 Versões...6 Versões

Leia mais

Programação de Computadores

Programação de Computadores Programação de Computadores Aula 04: Sistema Operacional Material Didático do Livro: Introdução à Informática Capron,, H. L. e Johnson, J. A Pearson Education Sistemas Operacionais: Software Oculto Serve

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 OBJETIVO

1 INTRODUÇÃO 2 DESENVOLVIMENTO 2.1 OBJETIVO 1 INTRODUÇÃO Este trabalho visa apresentar um estudo detalhado sobre o Sistema de Arquivos (File System) ReiserFS que foi desenvolvido inicialmente por Hans Reiser e que atualmente está sendo patrocinado

Leia mais

01/04/2012. Voltar. Voltar

01/04/2012. Voltar. Voltar Introdução à Informática Capítulo 3 Sistemas Operacionais: Software em Segundo Plano Objetivos Descrever as funções de um sistema operacional. Explicar os fundamentos do sistema operacional de um computador.

Leia mais

Qual é o melhor? Há um ano, todas as principais

Qual é o melhor? Há um ano, todas as principais Comparativo dos sistemas de arquivos para Linux CAPA Qual é o melhor? Será que os novatos Btrfs e Ext4 superam os sistemas de arquivo tradicionais do Linux? por Marcel Hilzinger Há um ano, todas as principais

Leia mais

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional Curso de Linux Básico com o Felipe Buarque de Queiroz felipe.buarque@gmail.com Unidade Gestora de Tecnologia da Informação - UGTI Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Alagoas - FAPEAL Maio de 2009

Leia mais

Nível 3 Sistema Operacional

Nível 3 Sistema Operacional Nível 3 Sistema Operacional Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Nível

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Tipos de Sistemas Operacionais Com o avanço dos computadores foram surgindo alguns tipos de sistemas operacionais que contribuíram para o desenvolvimento do software. Os tipos de

Leia mais

Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do

Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do OBJETIVOS Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do Exército Brasileiro. SUMÁRIO 1. Introdução 2.

Leia mais

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação.

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. 1.Todo software livre deve ser desenvolvido para uso por pessoa física em ambiente com sistema

Leia mais

Aula 01. Introdução ao Linux

Aula 01. Introdução ao Linux Aula 01 Introdução ao Linux Introdução Objetivos aprender a usar um novo sistema aprender a usar uma nova interface Como no Windows navegar pela internet (e-mails, facebook, etc) criar pastas e arquivos

Leia mais

CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais

CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais De modo semelhante ao Linux, o Windows é considerado um software microbásico. Uma característica desse tipo

Leia mais

Aula 01 Visão Geral do Linux

Aula 01 Visão Geral do Linux Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Administração de Redes de Computadores Aula 01 Visão Geral do Linux Prof. Gustavo Medeiros de Araujo Profa.

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos:

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Estruturas de Sistemas Operacionais Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Os serviços que o sistema operacional oferece. A interface que o sistema operacional torna disponível

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Sistemas de Arquivos. Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas.

Sistemas de Arquivos. Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos: Mecanismos para armazenamento on-line e acesso de dados e programas. Sistemas de Arquivos Um sistema de arquivos implica: Conceituação de arquivos e diretórios

Leia mais

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1

Princípios de TI - Computadores. Sistema Operacional. CECOMP Colegiado de Engenharia da Computação. Prof. Fábio Nelson. Slide 1 Sistema Operacional Slide 1 Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos do computador (CPU, dispositivos periféricos). Estabelece

Leia mais

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS I N F O R M Á T I C A Sistemas Operacionais Campus Itaqui-RS Sistemas Operacionais É o software que gerencia o computador! Entre suas funções temos: inicializa o hardware do computador fornece rotinas

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000

Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000 1 Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000 Gerenciador de E/S Objetivo é fornecer uma estrutura de modo eficiente para lidar com a grande variedade de dispositivos Bastante relacionado

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Sistemas Operacionais: Software Oculto Introdução a Computação Sistemas Operacionais Serve como um intermediário entre o hardware e os softwares aplicativos. Sistema Operacional Software de sistemas Kernel

Leia mais

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola SO - Conceitos Básicos Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Definição de SO É uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. É uma estrutura

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip

Para continuar, baixe o linux-vm aqui: http://www.gdhpress.com.br/downloads/linux-vm.zip Se, assim como a maioria, você possui um único PC ou notebook, uma opção para testar as distribuições Linux sem precisar mexer no particionamento do HD e instalar o sistema em dualboot, é simplesmente

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO:

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO: SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br FUNÇÃO: GERENCIAR, ADMINISTRAR OS RECURSOS DA MÁQUINA. SISTEMA OPERACIONAL EXEMPLOS MS-DOS WINDOWS 3.1 WINDOWS 95 WINDOWS

Leia mais

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior Unix: Sistema de Arquivos Geraldo Braz Junior 2 Arquivos Um arquivo é visto pelo SO apenas como uma seqüência de bytes: nenhuma distinção é feita entre arquivos ASCII, binários, etc.; Muitos programas

Leia mais

Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1

Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1 GLOSSÁRIO Sistema Gerenciador de Locadora Glossário Versão 1.1 Responsável: Gustavo Teles GL01 Glossário 01 Página 1 de 7 A Aba - 1. Ficha com objetivo de separar ou agrupar em um mesmo contexto campos

Leia mais

PLANO DE AULA. Ambiente Operacional Unix Profa. Morganna

PLANO DE AULA. Ambiente Operacional Unix Profa. Morganna PLANO DE AULA 1. Sistema operacional Unix 2. Sistema operacional Linux 3. Utilização dos sistemas operacionais 1 - Sistema Operacional UNIX História 1964 sistema operacional MULTICS (Multiplexed Information

Leia mais

UNIX & Linux. Histórico, distribuição licença, características. Taisy Weber

UNIX & Linux. Histórico, distribuição licença, características. Taisy Weber UNIX & Linux Histórico, distribuição licença, características Taisy Weber História de UNIX 1969 - Ken Thompson Bell Laboratories, PDP-7 Dennis Ritchie logo juntou-se a Thompson Ritchie havia trabalhado

Leia mais

Estudo de Caso 2: Windows Vista

Estudo de Caso 2: Windows Vista Faculdades Integradas de Mineiros Curso de Sistemas de Informação Sistemas Operacionais II Estudo de Caso 2: Windows Vista Grupo 4 Helder / Wagner / Frantyeis Junho/2010 O Windows usa uma estratégia Just-In-Time

Leia mais

Prof. Arthur Salgado

Prof. Arthur Salgado Prof. Arthur Salgado O que é um sistema operacional? Conjunto de programas de sistemas situados entre os softwares aplicativos e o hardware Estabelece uma interface com o usuário Executa e oferece recursos

Leia mais

Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta

Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta Dailson Fernandes www.dailson.com.br contato@dailson.com.br Facebook: dailson.fernandes Twitter: @dailson_ Habilidades Instalar o sistema operacional; Instalar

Leia mais

Curso Introdução ao Linux. Desmistificando o Software Livre. Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com.

Curso Introdução ao Linux. Desmistificando o Software Livre. Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com. Curso Introdução ao Linux Desmistificando o Software Livre Nícholas André - www.iotecnologia.com.br - nicholas@iotecnologia.com.br Índice 1 O que é Software Livre? 2 A história por trás do Software Livre.

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Publicado por brain em Sáb, 2006-03-25 19:35. :: Documentação [http://brlinux.org/linux/taxonomy/term/13]

Publicado por brain em Sáb, 2006-03-25 19:35. :: Documentação [http://brlinux.org/linux/taxonomy/term/13] O que é Linux Publicado por brain em Sáb, 2006-03-25 19:35. :: Documentação [http://brlinux.org/linux/taxonomy/term/13] por Augusto Campos Este artigo responde a diversas dúvidas comuns de novos usuários,

Leia mais

Introdução ao Linux MICHELLE NERY

Introdução ao Linux MICHELLE NERY Introdução ao Linux MICHELLE NERY O que é preciso saber para conhecer o Linux? Entender os componentes de um computador. Conhecimentos básicos de sistemas operacionais. Referência: Sistemas Operacionais

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

4. Conceitos Básicos de Computação: Sistemas Operacionais

4. Conceitos Básicos de Computação: Sistemas Operacionais Introdução à Computação 5910157 4. Conceitos Básicos de Computação: Sistemas Operacionais Prof. Renato Tinós Local: Depto. de Física e Matemática (FFCLRP/USP) 1 Principais Tópicos 4.1. Introdução aos Sistemas

Leia mais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. O Mundo dos Softwares e Introdução aos Sistemas Operacionais

Informática. Prof. Macêdo Firmino. O Mundo dos Softwares e Introdução aos Sistemas Operacionais Informática Prof. Macêdo Firmino O Mundo dos Softwares e Introdução aos Sistemas Operacionais Macêdo Firmino (IFRN) Informática Março de 2012 1 / 26 Software O Hardware não consegue executar qualquer ação

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc.

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc. Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software Prof. MSc. Hugo Souza Continuando nossas aulas relativas ao Módulo 1, veremos a seguir

Leia mais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais

Professor: Roberto Franciscatto. Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Professor: Roberto Franciscatto Curso: Engenharia de Alimentos 01/2010 Aula 3 Sistemas Operacionais Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware: Gerencia os recursos

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

O que é o GNU/LINUX? O que e o Kernel?

O que é o GNU/LINUX? O que e o Kernel? O que é o GNU/LINUX? Muita gente confunde Linux com sistema operacional. Digamos que parcialmente não esteja errado. O Linux(núcleo, coração do sistema), ele e responsável pelo funcionamento do computador,

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais de Rede Linux. Prof. Michel Moron Munhoz michel.moron@aes.edu.br

Administração de Sistemas Operacionais de Rede Linux. Prof. Michel Moron Munhoz michel.moron@aes.edu.br Administração de Sistemas Operacionais de Rede Linux Prof. Michel Moron Munhoz michel.moron@aes.edu.br Conteúdo da disciplina (1 de 2) Visão Geral (multitarefa, mono-tarefa, memória virtual, ambiente gráfico

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

Estudo de Caso II: LINUX

Estudo de Caso II: LINUX Estudo de Caso II: LINUX AULA 9 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) ( romildo@romildo.net ) Romildo Martins Na aula de hoje Histórico do Linux Personagens Características Licença Distribuição

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 9-1. O KERNEL DO LINUX Nos sistemas GNU/Linux, todas as distribuições baseadas nos sistemas GNU/Linux existentes são compatíveis, graças ao uso de um kernel único desenvolvido por uma equipe de

Leia mais

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento

BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 Parte 2) Prof. Marcelo Z. do Nascimento 1 Gerência de espaço em disco Cópia de segurança do sistema de arquivo Roteiro Confiabilidade Desempenho

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II

GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II GESTÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS II Servidores Definição Servidores História Servidores Tipos Servidores Hardware Servidores Software Evolução do Windows Server Windows Server 2003 Introdução Windows Server

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

Faculdades São José Tecnologia em Sistemas de Informação. Yuri Felix Valter Neves Lucian Fialho Gustavo Brasil. Sistema Operacional Windows Vista

Faculdades São José Tecnologia em Sistemas de Informação. Yuri Felix Valter Neves Lucian Fialho Gustavo Brasil. Sistema Operacional Windows Vista Faculdades São José Tecnologia em Sistemas de Informação Yuri Felix Valter Neves Lucian Fialho Gustavo Brasil Sistema Operacional Windows Vista Rio de Janeiro 2010 Yuri Felix Valter Neves Lucian Fialho

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA

INTRODUÇÃO AO SISTEMA MANUAL DE INSTALAÇÃO DE SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO Nome do Software: Guarux Versão do Software: Guarux Educacional 4.0 INTRODUÇÃO AO SISTEMA O Guarux Educacional 4.0 é uma distribuição idealizada pela

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Administração de Sistemas Livres. Prof. Lais Farias Alves

Administração de Sistemas Livres. Prof. Lais Farias Alves Administração de Sistemas Livres Prof. Lais Farias Alves Administração de Sistemas Livres Software e Suas Licenças O que é um Software Livre? Software Livre x Software Proprietário Software e Suas Licenças

Leia mais

Fazer um paralelo entre os dois sistemas Apresentar diferenças e semelhanças Apresentar compatibilidades Resolver questões

Fazer um paralelo entre os dois sistemas Apresentar diferenças e semelhanças Apresentar compatibilidades Resolver questões L i n u x X Wi n d o w s 1/29 O B J E T I VO S Fazer um paralelo entre os dois sistemas Apresentar diferenças e semelhanças Apresentar compatibilidades Resolver questões 2/29 L i n u x X Wi n d o w s Licenças

Leia mais

INSS. Prof. Rafael Araújo. Informática. software assim licenciado. A esta versão de copyright, dá-se o nome de copyleft.

INSS. Prof. Rafael Araújo. Informática. software assim licenciado. A esta versão de copyright, dá-se o nome de copyleft. SOFTWARE LIVRE Software Livre é todo programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado, modificado e redistribuído sem nenhuma restrição. O software livre tem seu modelo de desenvolvimento baseado

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba. Eu defendo!!! Mini Curso. Linux

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba. Eu defendo!!! Mini Curso. Linux INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba Mini Curso Linux Eu defendo!!! Apresentação Rafael Arlindo Dias Técnico em Informática CEFET Rio Pomba/MG Cursos

Leia mais

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação 1 ROM-BIOS ROM-BIOS Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). O termo é incorretamente conhecido como: Basic Integrated Operating

Leia mais

Informática. Jamille Silva Madureira

Informática. Jamille Silva Madureira Informática Jamille Silva Madureira Conceitos de sistemas operacionais Sistemas Operacionais Atuais Desktop: Windows 7 e 8; Linux; Mac OS. Dispositivos Móveis: Windows Mobile; Android; iphone OS. Desktop

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Ambiental Prof.: Maico Petry SISTEMAS OPERACIONAIS DISCIPLINA: Informática Aplicada DEFINIÇÃO É um programa de controle do computador. O

Leia mais

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux 4 Capítulo 1 Sistema Operacional É uma coleção de programas que inicializa hardwares, fornece rotinas básicas para controle de dispositivos, mantém a integridade de um sistema. Um sistema operacional de

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistema de Arquivos Arquivos Espaço contíguo de armazenamento Armazenado em dispositivo secundário Estrutura Nenhuma: seqüência de bytes Registros, documentos,

Leia mais

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com)

Noções de Software. André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Software; Sistemas Operacionais: Evolução; Conceitos Básicos; Tipos; Exemplos. DEINFO/UFRPE

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais