Sistemas de Informação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Informação"

Transcrição

1 MODELO CONCEPTUAL DE DADOS Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras Engenharia Informática 3º ano /2004 Ana Maria Madureira

2 1. MODELO CONCEPTUAL DE DADOS Descreve o S.I. da Organização identificando: ENTIDADES Objectos do mundo real e com existência independente sobre os quais se pretende guardar informação. Ex. Aluno, Disciplina, Cliente, Factura RELAÇÕES Associações entre entidades estabelecidas de acordo com as necessidades de gestão. Ex: Frequenta (Aluno, Disciplina) ATRIBUTOS Dados elementares que caracterizam as entidades e as relações. Ex. ALUNO= #Aluno + Nome + Curso+ Os MCD's devem ser desenvolvidos em paralelo c/ os DFD's na fase de Análise, tendo particular interesse para a definição dos ficheiros ou Base de Dados necessários para o Sistema de Informação. Modelo Conceptual de Dados 2

3 2. ENTIDADES 2.1. Entidade Tipo (ou simplesmente Entidade) Classe de indivíduos caracterizados pelos mesmos Atributos (ex. Aluno) 2.2. Ocorrência de uma Entidade Instanciação de uma Entidade_tipo (ex José, nº ) O número de ocorrências previsto para cada entidade é um objectivo importante da análise tendo em conta que vai determinar a capacidade dos dispositivos de armazenamento de informação Atributos de uma Entidade Atributo Identificador Identifica sem ambiguidade cada ocorrência da entidade Ex. Código_aluno, num_factura O atributo identificador principal (chave) deve ter obrigatoriamente as seguintes características : - Ser ÚNICO existe uma correspondência bionívoca (sem ambiguidade) entre o valor do atributo e a ocorrência da entidade a que se refere; - Ser ETERNO As características e valores do atributo nunca devem ser alterados O atributo identificador principal deve ser definido especificamente para cada Sistema de Informação de modo a ser independente de alterações externas não controláveis. Isto é, de modo a garantir que seja Eterno. Compete ao Analista do Sistema a definição destes atributos. Um atributo identificador chave também deve ser o mais pequeno possível uma vez que vai servir de ligação (chave estrangeira) noutras entidade e relações. Mas nunca tão pequeno que possa ter que ser alterado (deixar de ser eterno)! Modelo Conceptual de Dados 3

4 Atributos descritivos Atributos que caracterizam a entidade e cujos valores para, cada ocorrência da entidade, são (quase) imutáveis ao longo do seu ciclo de vida. Ex. Nome, data nascimento, sexo Atributos de Estado Atributos cujos valores variam ao longo do ciclo de vida da entidade. Ex. Saldo_conta, existência_em stock, ano_aluno Atributos calculados São atributos identificados como relevantes para caracterização de uma entidade mas que podem ser calculados a partir de outros Ex. Idade_aluno, média_curso Atributos de Auditoria São atributos normalmente só considerados na fase de desenho e que se destinam a auditar as operações realizadas sobre cada ocrrência da entidade: Ex. Data_criação, data_ult_alteração, utilizador 2.4. Reconhecimento de Entidades A identificação das entidade relevantes para o Sistema de Informação a modelar constitui uma das tarefas mais importantes do Analista de Sistemas, não existindo nenhum processo científico para o fazer. Sugestão metodológica baseada em tipos de entidades : 1. Identificar todas as entidades com existência física real no ambiente do sistema a modelar, com as quais este comunica e em relação às quais há necessidade de guardar informação sobre o seu ciclo de vida: Ex. Cliente, Fornecedor, Aluno, Professor Ministério_Educação não é, em geral, uma entidade relevante para o sistema de informação de uma escola, apesar de poder haver comunicação de informação, uma vez que não é relevante o seu ciclo de vida. Modelo Conceptual de Dados 4

5 2. Identificar todos os objectos do mundo real com existência física e que constituem os produtos da actividade/negócio da organização: Ex. Produto_acabado, Componente, Artigo, Projecto, Obra, Serviço 3. Identificar todos as entidades informacionais veiculadas por suportes físicos reais (papel, documentos electrónicos) cujo ciclo de vida é relevante para o sistema de informação e pode ser afectado por eventos do ambiente do sistema : Ex. Factura, Encomenda 4. Ao longo da fase de Análise novas entidade vão sendo reconhecidas por agregação e decomposição de entidades ou por relação entre entidades (nomeadamente no caso de relações do tipo m:n entidades relação). Ex. Linha Factura Factura, Produto 5. Os factos que originam as transições de estado de uma entidade (i.e afectam o seu ciclo de vida) também são modelados como Entidades. Um dos atributos sempre requerido é a data do facto (movimento ou transacção). Ex. Movimentos_produto, Movimentos_contabilidade 3. RELAÇÂO Relação Tipo Refere uma associação entre dois (ou mais ) entidades tipo ALUNO CURRICULUM NOTA DATA DISCIPLINA Modelo Conceptual de Dados 5

6 Ocorrência de uma relação Refere uma instanciação da relação caracterizada por uma e uma só ocorrência das entidades que participam na relação Atributo Identificador da relação Em geral é constituído pela concatenação dos atributos identificadores das entidades tipo que nela participam. #Curriculum = #Aluno + #Disciplina desde que seja único. Ex: PRODUTO FORNECIMENTO DATA QUANT ENCOMENDA Se o mesmo produto puder estar em mais do que uma linha (por exemplo no caso de várias datas de entrega) a concatenação das duas chaves (#Produto + #Encomenda) não é única. Neste caso é necessário criar um novo atributo identificador chave (#linha-enc) Cardinalidade de uma entidade numa relação Número (mínimo e máximo) de vezes que cada ocorrência da entidade pode participar na relação. 0,1 cada ocorrência da entidade participa, no máximo, uma vez na relação 1,1 cada ocorrência da entidade participa uma e só uma vez na relação 0, n cada ocorrência da entidade pode participar ou não na relação mais que uma vez 1,n cada ocorrência da entidade participa pelo menos uma vez na relação Modelo Conceptual de Dados 6

7 3.2. Dependência Existencial A cardinalidade mínima = 0 significa que a entidade é independente existencialmente da relação. Isto é, cada ocorrência da entidade pode existir sem estar ligada a essa relação. Se a cardinalidade mínima é superior a zero sigifica que existe uma dependência existencial da entidade em relação à relação. Ex. CLIENTE (1,1) FACTURA (1,n) PRODUTO 3.3. Dimensão de uma Relação Número de entidades que participam na Relação PROFESSOR TURMA AULA SALA DISCIPLINA AULA é uma relação de dimensão 4. Modelo Conceptual de Dados 7

8 Todas as relações podem ser transformadas em relações de dimensão 2 (relações binárias), promovendo as relações a entidades. No exemplo: considerar AULA uma Entidade. PROFESSOR TURMA (1,1) (1,1) AULA SALA (1,1) (1,1) DISCIPLINA 4. SIMBOLOGIA E NOTAÇÃO DAS RELAÇÕES Tipo 1 As relações podem ter dimensão superior a 2 As cardinalidades minima e máxima de uma entidade numa relação são referenciadas junto à entidade (caracterizam a entidade) A Metodologia Merise adopta esta notação. Os exemplos anteriores utilizaram também estas notações CLIENTE (1,1) FACTURA Modelo Conceptual de Dados 8

9 Tipo 2 As relações são sempre binárias (entre duas entidades) A relação não é representada por qualquer símbolo As cardinalidades são referenciadas junto da entidade relacionada, podendo existir várias notações CLIENTE 1,1 0,n FACTURA CLIENTE FACTURA CLIENTE FACTURA 5. TIPOS DE RELAÇÕES BINÁRIAS MODELAÇÃO ER Esta modelação visa garantir a visão relacional dos dados Relações do tipo 1:1 PAÍS #País #Cidade CAPITAL 0, 1 1,1 CIDADE #Cidade #País - Um país tem uma e uma só cidade como capital - Uma cidade pode ser capital de um só país (ou de nenhum) Esta relação é modelada colocando o atributo identificador (chave) de uma entidade como atributo da outra entidade (chave estrangeira). Estes atributos podem ser colocados em ambas as entidades embora apenas seja necessário colocar numa delas para garantir a visão relacional. Modelo Conceptual de Dados 9

10 Relações do tipo 1 : n (um para vários) CLIENTE FACTURA 1,1 0,n #Factura #Cliente Chave Estrangeira Neste caso FACTURA referencia CLIENTE e depende existencialmente da relação com ele. A relação é modelada colocando o atributo chave da entidade principal como atributo (chave estrangeira) da entidade que a referencia. Relações do tipo m : n (muitos para muitos) ALUNO #Aluno CURRICULUM m,n m,n DISCIPLINA #Disciplina Neste caso torna-se necessário criar uma nova Entidade (Entidade-Relação) que se relaciona com as originais através de relações do tipo 1:n. ALUNO #Aluno DISCIPLINA #Disciplina 1,1 1,1 0,n CURRICULUM #Aluno #Disciplina Data Nota 0,n Modelo Conceptual de Dados 10

11 Relações Reflexivas São relações entre entidades do mesmo tipo Ex. Precedencias Disciplina #Disciplina #curso Ano Semestre Neste caso a solução é criar uma nova Entidade (relação) Disciplina Precedências #Disciplina #curso Ano Semestre 2,2 0,n #Disc1 #Disc2 De notar que a cardinalidade mínima e máxima igual a 2: para cada ocorrência da entidade Precedências correspondem duas e só duas ocorrências da entidade Disciplina. Este tipo de relação é típico das estruturas em árvore (ex. Composição de um produto) Modelo Conceptual de Dados 11

12 6. NORMALIZAÇÂO A normalização é uma técnica baseada num conjunto de conceitos e regras propostos por CODD destinados a obter conteúdos de ficheiros de registos (tabelas) adequados à implementação de bases de dados relacionais. Objectivos principais da normalização Visão Relacional dos dados Qualquer relação entre entidades devem ser vista como um objecto informacional idêntico às entidades. Através de linguagens de interrogação relacionais (tipo SQL) estas relações são facilmente obtidas. Não Redundância da Informação Cada dado deve ser armazenado uma única vez base de dados. Evita-se a inconsistência dos dados e reduzem-se os recursos para armazenamento da informação. O Modelo Conceptual de Dados a obter na fase de análise deve identificar todas as entidades e relações relevantes do sistema a modelar, caracterizadas em termos dos atributos e das cardinalidades respectivas. Independentemente da utilização de uma Base de dados relacional na fase de implementação, o MCD final deve estar normalizado. Modelo Conceptual de Dados 12

13 Exemplo : Pretende-se desenvolver uma aplicação informática destinada à gestão da Facturação de uma empresa. Uma factura tem o seguinte formato/conteúdo: #Factura Data #Cliente Nome Morada CodPostal Localidade #Vendedor Nome-vend #Prod Des-Prod Quant Preço-Unit Preço-total Total-factura:. Existindo um número indefinido e variável de produtos por factura o ficheiro de Facturas teria o seguinte conteúdo. Facturas = {#Factura + Data + #Cliente + Nome + Morada + Codpostal + + Localidade + #vendedor + Nome-vend + #Prod1 + Des-Prod1 + Quant1 + Preço-unit1 + Preço + #Prod2 + Des-Prod2 + Quant2 + Preçounit2 + Preço-total #Prodn + Des-Prodn + Quantn + + Preço-unit2 + Preço-total2 + Total-factura } Problemas : - A partir deste conteúdo como obter a relação de todas as facturas onde um dado produto X foi vendido? (notar que em cada factura o mesmo produto X, caso exista, pode ter uma posição diferente ). Não existe uma visão relacional dos dados Modelo Conceptual de Dados 13

14 - É necessário prever um número máximo de produtos por factura - O que fazer se ocorre uma factura com um número superior? - Quanto maior o número máximo previsto maior o despedício (overhead) para facturas com poucos produtos. Origem dos problemas: Existem grupos repetidos (redundância). Um ficheiro não está normalizado se tiver grupos repetidos No exemplo o conteúdo do ficheiro podia ser especificado com as notações do dicionário de dados explicitando o grupo repetido entre chavetas. Facturas = {#Factura + Data + #Cliente + Nome + Morada + Codpostal + + Localidade + #vendedor + Nome-vend + { #Prod + Des-Prod + + Quant + Preço-unit + Preço-total } + Total-factura } 1ª Forma Normal Um ficheiro está na 1ª forma normal se não tiver grupos repetidos No caso do exemplo basta partir o ficheiro em dois : Facturas = {#Factura + Data + #Cliente + Nome + Morada + Codpostal + + Localidade + #vendedor + Nome-vend + Total-factura } Linhas_factura = { #Factura + #Prod + Des-Prod + Quant + Preço-unit + + Preço-total } Modelo Conceptual de Dados 14

15 (Nota : A chave de Linhas_Factura é obtida pela concatenação da chave de Factura (#Factura) com #Produto) Os problemas existentes foram resolvidos: - A partir do ficheiro Linhas_factura é muito simples obter a ralação das facturas onde um dado produto foi vendido. Existe uma visão relacional dos dados SQL SELECT * FROM Linhas_Factura WHERE #Produto = X - Para cada factura existem tantos registos (ocorrências ) de Linhas_facturas quantos os produtos que essa factura tem. Isto é, não há overhead. O grande objectivo da 1ª Forma normal é garantir a Visão Relacional dos Dados Problema ainda existente : REDUNDÂNCIA Ex: - Se um produto for facturado 1000 vezes é necessário guardar a designação do produto 1000 vezes. - nome de um Cliente (e de um Vendedor) é armazenado tantas vezes quantas as facturas onde participou. Solução : 2ª e 3ª Formas normais Garantir que todos os atributos dependam funcionalmente apenas do identificador principal (Chave) Modelo Conceptual de Dados 15

16 Dependência funcional (entre atributos) Um atributo a depende funcionalmente do atributo b se para cada valor de b é possível saber, sem ambiguidade, qual o valor do atributo de a. O grande objectivo da 2ªe 3ª Formas normais é evitar a Redundância dos Dados 2ª Forma normal Um ficheiro está na 2ª forma normal se, para além de estar na 1ª forma normal, cada atributo não chave depende funcionalmente da totalidade da chave. A situação de um ficheiro não estar na 2ª forma normal verifica-se no caso do identificador chave ser composto ( normalmente resultante da aplicação da 1ª forma normal ao retirar os grupos repetidos). Ex. Linhas_factura ( Atributo Identif. = #Factura + #Produto) Linhas_factura = { #Factura + #Prod + Des-Prod + Quant + Preço-unit + + Preço-total } O atributo Des-Prod depende funcionalmente apenas de #Prod. Pressupondo que a designação do produto é fixa e a mesma em todas as facturas verifica-se REDUNDÂNCIA. Solução : Criar um novo ficheiro que relacione #Prod com Des-Prod. Produtos = { #Prod + Des- Prod } Os restantes atributos dependem funcionalmente da totalidade da chave. Modelo Conceptual de Dados 16

17 Nota - O atributo Preço-unit representa o preço unitário do produto na data da factura. O ficheiro Produtos poderá ter também um atributo relativo ao Preço unitário, mas correspondente ao valor de base actual. O que acontece se ele for alterado? É possível refazer integralmente a factura? Importante: A possibilidade de reconstruir os dados/informação com efeitos retroactivos é um dos objectivos mais importantes ( e difíceis) de garantir na concepção de um sistema de Informação 3ª Forma normal Um ficheiro está na 3ª forma normal se, para além de estar na 2ª forma normal, os atributos não chave não dependem funcionalmente uns dos outros. No ficheiro Facturas existem dependências funcionais entre atributos não chave que implicam Redundância: Facturas = {#Factura + Data + #Cliente + Nome + Morada + Codpostal + + Localidade + #vendedor + Nome-vend + Total-factura } A solução é criar novos ficheiros (tabelas) : Clientes = { #Cliente + Nome + Morada + Codpostal + Localidade} Vendedor = { #Vendedor + Nome-vend} No caso do código postal determinar sem ambiguidade a localidade poderia também definir-se um novo ficheiro: Codigos_postais = { codpostal + localidade} Modelo Conceptual de Dados 17

18 Em resumo, normalizando o conteúdo do ficheiro Facturas até à 3ª Forma Normal obtinham-se os seguintes ficheiros normalizados: Facturas = {#Factura + Data + #Cliente + #vendedor + Total-factura } Linhas_factura = { #Factura + #Prod + Quant + Preço-unit + Preço-total } Produtos = { #Prod + Des- Prod } Clientes = { #Cliente + Nome + Morada + Codpostal } Vendedor = { #Vendedor + Nome-vend} Codigos_postais = { Codpostal + Localidade} Nota Os atributos Preço-total, se for igual a Quant*Preço-unit, e Total-factura, se igual ao somatório de Preço-total, constituem também redundância ( atributos calculados). Os atributos calculados não são em geral armazenados. Aparecem apenas nos outputs, como é o caso do documento impresso Factura. Modelo Conceptual de Dados 18

19 Importante: De notar que o exercício (sistemático) de normalização de um documento constituiu um auxiliar precioso de análise para identificação das principais Entidades e Relações da aplicação informática destinada à gestão da Facturação. O Modelo Conceptual de Dados é facilmente derivado: Cliente #Cliente Nome Morada Codpostal Factura #Factura Data #Cliente #Vendedor Vendedor #Vendedor Nome Codpostal #Codpostal Localidade Linha-fact #Factura #Produto Quant Preço-unit Produto #Produto Des-prod Modelo Conceptual de Dados 19

Construir um modelo de dados é: - Identificar, Analisar e Registar a política da organização acerca dos dados

Construir um modelo de dados é: - Identificar, Analisar e Registar a política da organização acerca dos dados 4. Modelo Entidade Associação 4.1. Introdução Modelo de Dados. Visão dos dados em vez de visão das aplicações. Eliminação de redundâncias. Partilha de dados pelas aplicações Construir um modelo de dados

Leia mais

Profa. Daniela Barreiro Claro

Profa. Daniela Barreiro Claro Profa. Daniela Barreiro Claro Modelar é criar representações do mundo real A modelagem relacional pode ser representada via MER (Modelo de Entidade Relacionamento) O MER define estruturas e restrições

Leia mais

Tarefa Orientada 14 Subconsultas

Tarefa Orientada 14 Subconsultas Tarefa Orientada 14 Subconsultas Objectivos: Subconsultas não correlacionadas Operadores ALL, SOME e ANY Subconsultas correlacionadas Operador EXISTS Subconsultas incluídas na cláusula FROM de uma consulta

Leia mais

BANCO DE DADOS PROFESSOR MAURÍCIO - MAURICIO.MELLO@PUCPR.BR AULA 02. O Modelo Entidade-Relacionamento ( MER )

BANCO DE DADOS PROFESSOR MAURÍCIO - MAURICIO.MELLO@PUCPR.BR AULA 02. O Modelo Entidade-Relacionamento ( MER ) AULA 02 BANCO DE DADOS PROFESSOR MAURÍCIO - MAURICIO.MELLO@PUCPR.BR O Modelo Entidade-Relacionamento ( MER ) Fases do Projeto de Bases de Dados (EN94)- O Modelo Entidade- Relacionamento Definição : modelo

Leia mais

4.2. UML Diagramas de classes

4.2. UML Diagramas de classes Engenharia de Software 4.2. UML Diagramas de classes Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Um diagrama de classes serve para modelar o vocabulário de um sistema Construído e refinado ao longo

Leia mais

Processo de desenvolvimento de sistema de informação - DSI

Processo de desenvolvimento de sistema de informação - DSI Diagrama de Entidade-Relação (DER) ou Entidade Associação (DEA) Representa as entidades envolvidas no SI, bem como as relações que existem entre essas entidades. Elementos importantes do diagrama: Entidade

Leia mais

Capítulo 5 Complemento. 5.1 Laudon, Cap. 5

Capítulo 5 Complemento. 5.1 Laudon, Cap. 5 Capítulo 5 Complemento Fundamentos de Bancos de Dados: Modelo de Entidade e Relacionamento - MER 5.1 Laudon, Cap. 5 Modelo mais utilizado: simplicidade e eficiência. Banco de dados relacional. Base: percepção

Leia mais

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Primeiro Teste 21 de Outubro de 2006, 9:00H 10:30H Nome: Número:

Leia mais

Chaves. Chaves. O modelo relacional implementa dois conhecidos conceitos de chaves, como veremos a seguir:

Chaves. Chaves. O modelo relacional implementa dois conhecidos conceitos de chaves, como veremos a seguir: Chaves 1 Chaves CONCEITO DE CHAVE: determina o conceito de item de busca, ou seja, um dado que será empregado nas consultas à base de dados. É um conceito lógico da aplicação (chave primária e chave estrangeira).

Leia mais

UFCD 786. Instalação e configuração de sistemas de bases de dados

UFCD 786. Instalação e configuração de sistemas de bases de dados UFCD 786 Instalação e configuração de sistemas de bases de dados 1 Noção de Base de Dados De uma forma genérica uma base de dados é um conjunto de dados (BD) Exemplos de BD s: Uma agenda de moradas Uma

Leia mais

UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes

UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes I Classes... 2 II Relações... 3 II. Associações... 3 II.2 Generalização... 9 III Exemplos de Modelos... III. Tabelas de IRS... III.2 Exames...3 III.3

Leia mais

Tarefa Orientada 16 Vistas

Tarefa Orientada 16 Vistas Tarefa Orientada 16 Vistas Objectivos: Vistas só de leitura Vistas de manipulação de dados Uma vista consiste numa instrução de SELECT que é armazenada como um objecto na base de dados. Deste modo, um

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Computadores e Sistemas de Informação. Bases de Dados Relacionais (linguagem SQL)

Computadores e Sistemas de Informação. Bases de Dados Relacionais (linguagem SQL) Computadores e Sistemas de Informação Bases de Dados Relacionais (linguagem SQL) 2004/2005 Utilidade das Bases de Dados Recolha e processamento de dados que possuem um volume significativo, que são interrelacionados,

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Tecnologia e Gestão. GesStock. Engenharia Informática. Base de Dados II

Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Tecnologia e Gestão. GesStock. Engenharia Informática. Base de Dados II Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Tecnologia e Gestão GesStock Aplicação para Gestão de Stocks Engenharia Informática Base de Dados II Docente: Artur Lança Isabel Sofia Brito Nuno Gonçalo

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Orivaldo V. Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal

Leia mais

TRABALHO PRÁTICO. Sistema de Gestão de Bases de Dados. Doenças. Alunos: Filipe Alexandre da Silva Vila Real Nuno José Morais Felicio

TRABALHO PRÁTICO. Sistema de Gestão de Bases de Dados. Doenças. Alunos: Filipe Alexandre da Silva Vila Real Nuno José Morais Felicio FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 5º Ano, 1º Semestre Sistemas de Informação - 2000/2001 TRABALHO PRÁTICO Sistema de Gestão de

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS Unidade 1 - Introdução Dados; Banco de Dados; Base de Dados; Projeto de Banco de Dados.

Leia mais

ferramentas de produtividade

ferramentas de produtividade ferramentas de produtividade modelização de dados normalização de dados as bases de dados 3 2002 Luis Borges Gouveia (http://www.ufp.pt/~lmbg) 1 modelização de dados 3 abordagens mínimo comum utilizar

Leia mais

Diagrama de Entidade Associação ou Relacionamento

Diagrama de Entidade Associação ou Relacionamento Diagrama de Entidade Associação ou Relacionamento 1 Quanto à obrigatoriedade dos elementos de uma entidade participarem, ou não, no relacionamento com outra entidade, tem-se: Participação obrigatória de

Leia mais

Desenvolvimento de uma base de dados. Relação. Modelo lógico: SGBD relacional

Desenvolvimento de uma base de dados. Relação. Modelo lógico: SGBD relacional Desenvolvimento de uma base de dados Realidade Bases de dados relacionais e SQL Conceitos básicos de bases de dados relacionais A 3ª forma normal Structured Query Language (SQL) Modelo conceptual (e.g.

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ACCESS 2010 Conceitos Básicos Ficha Informativa Professor : Vanda Pereira módulo didáctico Conceitos Básicos Necessidade das base de dados Permite guardar dados

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB. Disciplina: Banco de Dados Professora: Cheli Mendes Costa Modelo de Dados

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB. Disciplina: Banco de Dados Professora: Cheli Mendes Costa Modelo de Dados Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Banco de Dados Professora: Cheli Mendes Costa Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD. define um conjunto de conceitos para

Leia mais

Exercício de Normalização Escola Secundária de Emídio Navarro 2002/2003 Aplicações Informáticas 11º ano

Exercício de Normalização Escola Secundária de Emídio Navarro 2002/2003 Aplicações Informáticas 11º ano Neste exercício propõe-se realizar a informatização de uma livraria. Assim, o primeiro passo a realizar será começarmos por definir as entidades que poderemos encontrar na livraria: Livros Fornecedores

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. Reservados todos

Leia mais

Introdução à Manipulação de Dados

Introdução à Manipulação de Dados Introdução à Manipulação de Dados Licenciatura em Economia Trabalho Prático 2004 2005 Manutenção de Aviões Depois de várias reclamações feitas no aeroporto por falta de organização, a administração decidiu

Leia mais

Banco de Dados 1 2º Semestre

Banco de Dados 1 2º Semestre Banco de Dados 1 2º Semestre Aula 07 Prof. Gladimir Ceroni Catarino gladimir@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS o Uma coletânea de conceitos que

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento

Modelo Entidade-Relacionamento Modelo Entidade-Relacionamento ome Designação Doc... #Disc... Docente Ensina Disciplina Abordagem proposta por Peter P. Chen (década de 70) para o processo de modelação de dados com ampla aceitação; Trabalho

Leia mais

Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD

Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Valeria Times Bernadette Loscio Robson Nascimento Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Investigação dos Dados Modelagem dos Dados

Leia mais

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG Bases de Dados O que é uma Base de Dados? Dados Pode-se começar por tentar dar uma definição do que são Dados. Os dados são factos em bruto, que não são necessáriamente relevantes para qualquer coisa que

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Fernando Castor A partir de slides elaborados por Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

Disciplina: Unidade II: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade II: Prof.: E-mail: Período: Encontro 03 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade II: Modelagem Conceitual de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM 2. Modelagem Conceitual de Dados (Modelo

Leia mais

Campos, Ricardo. (2008). Apresentação de Bases de Dados. Access 2007. 260 slides. Bases de Dados

Campos, Ricardo. (2008). Apresentação de Bases de Dados. Access 2007. 260 slides. Bases de Dados Campos, Ricardo. (2008). Apresentação de. Access 2007. 260 Ricardo Campos (ricardo.campos@ipt.pt) Autoria Esta apresentação foi desenvolvida por Ricardo Campos, docente do Instituto Politécnico de Tomar.

Leia mais

Uma Aplicação de gestão de stocks com data bases hierárquicos, relações lógicas e indexação secundária, e sua exploração em Teleprocessamento.

Uma Aplicação de gestão de stocks com data bases hierárquicos, relações lógicas e indexação secundária, e sua exploração em Teleprocessamento. Uma Aplicação de gestão de stocks com data bases hierárquicos, relações lógicas e indexação secundária, e sua exploração em Teleprocessamento. RESUMO Descrevem-se as estruturas de bases de dados utilizadas

Leia mais

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 1 a Prova

Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 1 a Prova Prova de Fundamentos de Bancos de Dados 1 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Abril de 2006 Prova sem consulta duas horas de duração 1. Projete uma base de dados relacional para armazenar dados sobre pessoas

Leia mais

Engenharia Informática

Engenharia Informática Escola Superior de Ciência e Tecnologia Engenharia Informática Análise de Sistemas Informáticos 3º ano Exame 12 de Julho de 2006 Docentes: José Correia e João Paulo Rodrigues Duração: 90 m; Tolerância:

Leia mais

EXERÍCIOS DE MODELAGEM DE BANCO DE DADOS

EXERÍCIOS DE MODELAGEM DE BANCO DE DADOS EXERÍCIOS DE MODELAGEM DE BANCO DE DADOS Exercício 1 Construa o modelo Entidades-Relacionamentos a partir da seguinte descrição do sistema: Uma empresa de venda de automóveis retende implementar um sistema

Leia mais

Administração e Optimização de BDs

Administração e Optimização de BDs Departamento de Engenharia Informática 2010/2011 Administração e Optimização de BDs Mini-Projecto 1 2º semestre A resolução deve ser claramente identificada com o número de grupo e entregue sob a forma

Leia mais

Bases de Dados I LEI/2

Bases de Dados I LEI/2 SQL hugomcp@di-ubi.pt, 2009 UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Informática Bases de Dados I LEI/2 1- Mediante o seguinte conjunto de relações: A R S T B C C D D E d 1 d 1 e 1 a 2 d 2 d 2 e

Leia mais

Ciclo de vida de um banco de dados relacional

Ciclo de vida de um banco de dados relacional Ciclo de vida de um banco de dados relacional 1. Formulação e análise de requisitos: a) Relacionamentos naturais entre os dados (independentes de processo). b) Requisitos de uso (dependentes de processo).

Leia mais

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União

Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Tarefa Orientada 12 Junção Externa, Auto-Junção e União Objectivos: Junção externa (Outer JOIN) Junção externa à esquerda (LEFT Outer JOIN) Junção externa à direita (RIGHT Outer JOIN) Junção externa completa

Leia mais

EXAME DE 1ª ÉPOCA Semestre de Verão 2004/2005 20 Junho 2005 duração: 2h30m

EXAME DE 1ª ÉPOCA Semestre de Verão 2004/2005 20 Junho 2005 duração: 2h30m ISEL DEETC SSIC EXAME DE 1ª ÉPOCA Semestre de Verão 2004/2005 20 Junho 2005 duração: 2h30m Introdução aos Sistemas de Informação Engenharia Informática e Computadores Ano Lectivo: 2004 / 2005 2º Sem. Docente:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO 07-05-2013 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA GESTÃO Aula I Docente: Eng. Hercílio Duarte 07-05-2013 2 Objectivo Sistemas Modelos Dados Vs. Informação Introdução aos sistemas de Informação 07-05-2013 3 Introdução

Leia mais

Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I

Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I Prof. Alexandre Unterstell Banco de Dados I Etapas para o projeto de um BD Análise de requisitos Analista: Entrevista Necessidade do negócio As etapas não consideram ainda nenhuma característica específica

Leia mais

Modelo Relacional. 2. Modelo Relacional (Lógico)

Modelo Relacional. 2. Modelo Relacional (Lógico) Modelo Relacional 2. Modelo Relacional (Lógico) Derivado do modelo conceitual; Depende do SGBD escolhido; Independe dos dispositivos de armazenamento; Primitivas: tabelas, linhas e colunas; Transformação

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Objectivos: Funções de agregação Agrupamento e sumário de dados Funções de agregação Nesta tarefa orientada iremos formular consultas que sumariam os

Leia mais

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma Índice Bases de Dados Pedro Quaresma Departamento de Matemática Universidade de Coimbra 2010/2011 1. Parte I Componente Teórica 1.1 Introdução 1.2 Modelo ER 1.3 Modelo Relacional 1.4 SQL 1.5 Integridade

Leia mais

Profº Aldo Rocha. Banco de Dados

Profº Aldo Rocha. Banco de Dados Profº Aldo Rocha Banco de Dados AULA 03: MODELO CONCEITUAL E DE ENTIDADES Turma: ASN102 BELÉM, 19 DE AGOSTO DE 2011 Aula Passada Na aula passada nós trabalhamos a introdução a Banco de dados e a AGENDA

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Modelagem e Projeto de Banco de Dados Especialização em Tecnologia da Informação - Ênfases Março- 2009 1 Material usado na montagem

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L

P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L P L A N I F I C A Ç Ã O A N U A L DEPARTAMENTO: MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS ÁREA DISCIPLINAR: 550 - INFORMÁTICA DISCIPLINA: PSI CURSO: Profissional DE: Téc. de Gestão e Programação de Sist. Informáticos

Leia mais

Bases de Dados. Parte II: Os Modelos ER e EER

Bases de Dados. Parte II: Os Modelos ER e EER Bases de Dados MI / LCC / LEG / LERSI / LMAT Parte II Os Modelos ER e EER 1 O Modelo Entidade-Relacionamento (ER) Modelo ER É um modelo de dados conceptual. É um modelo próximo do modelo relacional. Descreve

Leia mais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD define um conjunto de conceitos para a representação de dados exemplos: entidade, tabela, atributo,... existem modelos para diferentes níveis

Leia mais

Databases. Ferramentas gráficas na modelação lógica das BD. O Modelo Entidade-Relação (Associação) O Modelo de Classes no UML

Databases. Ferramentas gráficas na modelação lógica das BD. O Modelo Entidade-Relação (Associação) O Modelo de Classes no UML Databases Ferramentas gráficas na modelação lógica das BD O Modelo Entidade-Relação (Associação) O Modelo de Classes no UML Databases O Modelo Entidade-Relação ou Entidade-Associação 2 Modelo Entidade-Relação

Leia mais

Modelo de Dados. Modelo para organização dos dados de um BD

Modelo de Dados. Modelo para organização dos dados de um BD Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD define um conjunto de conceitos para a representação de dados exemplos: entidade, tabela, atributo,... existem modelos para diferentes níveis

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

Um modelo de dados é a colecção de, pelo menos, 3 componentes:

Um modelo de dados é a colecção de, pelo menos, 3 componentes: Modelos de Dados 1 Introdução Um modelo de dados é a colecção de, pelo menos, 3 componentes: 1) Um conjunto de tipos de estruturas de dados Define o tipo de dados e como se interrelacionam 2) Um conjunto

Leia mais

O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados.

O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados. Fases do Projeto de um Banco de Dados Modelo ER O Modelo de Entidades e Relacionamentos (MER) é um modelo conceitual usado para projeto de aplicações de banco de dados. É um modelo baseado na percepção

Leia mais

MIG - Metadados para Informação Geográfica

MIG - Metadados para Informação Geográfica MIG - Metadados para Informação Geográfica Introdução à Norma ISO 19115 Henrique Silva, Instituto Geográfico Português, hsilva@igeo.pt Lisboa, 14 de Fevereiro de 2008 Metadados para Informação Geográfica

Leia mais

Sistemas de Bases de Dados

Sistemas de Bases de Dados Sistemas de Bases de Dados Carlos Viegas Damásio José Alferes e Carlos Viegas Damásio Sistemas de Bases de Dados 2014/15 Objectivos - Em Bases de Dados (2º ano) pretendia-se: Que os estudantes fossem capazes

Leia mais

sistemas de informação nas organizações

sistemas de informação nas organizações sistemas de nas organizações introdução introdução aos sistemas de objectivos de aprendizagem avaliar o papel dos sistemas de no ambiente empresarial actual definir um sistema de a partir de uma perspectiva

Leia mais

Ficheiros de dados, registos e campos pág. 2 Limitações das bases de dados baseadas numa só tabela pág. 2 Sistemas de Gestão de Base de Dados pág.

Ficheiros de dados, registos e campos pág. 2 Limitações das bases de dados baseadas numa só tabela pág. 2 Sistemas de Gestão de Base de Dados pág. Conteúdos Dos ficheiros de dados aos sistemas de gestão de base de dados Ficheiros de dados, registos e campos pág. 2 Limitações das bases de dados baseadas numa só tabela pág. 2 Sistemas de Gestão de

Leia mais

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período: Encontro 08 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade III: Modelagem Lógico de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM Relembrando... Necessidade de Dados Projeto

Leia mais

Data Warehousing e OLAP

Data Warehousing e OLAP Data Warehousing e OLAP Jornadas de Engenharia Informática Instituto Politécnico da Guarda Henrique Madeira Departamento de Engenharia Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra

Leia mais

Depois de obtido o diagrama E/A há que estabelecer o esquema relacional correspondente.

Depois de obtido o diagrama E/A há que estabelecer o esquema relacional correspondente. 4. Modelo Entidade Associação 4.1. Introdução 4.2. Propriedades das associações 4.3. Decomposição de Associações vários : vários (M:N) 4.4. Associações Complexas 4.5. Situações Ambíguas 4.6 Esquema Relacional

Leia mais

Teoria De Bases de dados

Teoria De Bases de dados Teoria De Bases de dados Paulo Leocádio Índice A informática na empresa...2 Da dependência à independência dos dados...3 Os três níveis da arquitectura de um SGBD...6 Funções e estrutura de um SGBD...7

Leia mais

Banco de Dados Aula 02. Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian

Banco de Dados Aula 02. Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian Banco de Dados Aula 02 Colégio Estadual Padre Carmelo Perrone Profº: Willian Conceitos básicos Dado: Valor do campo quando é armazenado dento do BD; Tabela Lógica: Representa a estrutura de armazenamento

Leia mais

Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07

Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07 Modelo de Entidade e Relacionamento (MER) - Parte 07 7.1 Definição Consiste em mapear o mundo real do sistema em um modelo gráfico que irá representar o modelo e o relacionamento existente entre os dados.

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

Fernando Fonseca Ana Carolina

Fernando Fonseca Ana Carolina Banco de Dados Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Investigação dos Dados Modelagem dos Dados Modelagem Conceitual Projeto do Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Implementação do Banco

Leia mais

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Desenvolver modelo físico actual Modelo físico actual Modelos a desenvolver tendo em conta a abordagem clássica Desenvolver modelo lógico actual Modelo

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento

Modelo Entidade-Relacionamento Modelo Entidade-Relacionamento Banco de Dados I Fases do Projeto jt de BD Enunciado de requisitos entrevista com o usuário do banco de dados para entender e documentar seus requerimentos de dados. Projeto

Leia mais

Enunciado do Projecto

Enunciado do Projecto Bases de Dados 2006/2007 Enunciado do Projecto Parte 1 O projecto de implementação da disciplina de Bases de Dados para ano ano lectivo 2006/2007 divide-se em duas partes. Este documento contém o enunciado

Leia mais

Tarefa Orientada 10 Obter informação a partir de uma tabela

Tarefa Orientada 10 Obter informação a partir de uma tabela Tarefa Orientada 10 Obter informação a partir de uma tabela Objectivos: Consultar dados de uma tabela Utilizar operadores aritméticos, relacionais, lógicos, de concatenação de cadeias de caracteres, LIKE

Leia mais

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008

Tabela de Símbolos. Análise Semântica A Tabela de Símbolos. Principais Operações. Estrutura da Tabela de Símbolos. Declarações 11/6/2008 Tabela de Símbolos Análise Semântica A Tabela de Símbolos Fabiano Baldo Após a árvore de derivação, a tabela de símbolos é o principal atributo herdado em um compilador. É possível, mas não necessário,

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

Modelo de Domínio vs Modelo da Aplicação

Modelo de Domínio vs Modelo da Aplicação 174 Modelo de Domínio vs Modelo da Aplicação O que é o modelo de domínio? Resposta: é antes de mais um glossário de projecto, porque Identifica os termos utilizados Representa as relações existentes entre

Leia mais

3. Engenharia de Requisitos

3. Engenharia de Requisitos Engenharia de Software 3. Engenharia de Requisitos Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Fases do desenvolvimento de software que mais erros originam (fonte: "Software Testing", Ron Patton)

Leia mais

Bases de Dados! 2014/15! http://ssdi.di.fct.unl.pt/bd!! João Leite (jleite@fct.unl.pt)!!!

Bases de Dados! 2014/15! http://ssdi.di.fct.unl.pt/bd!! João Leite (jleite@fct.unl.pt)!!! Bases de Dados 2014/15 http://ssdi.di.fct.unl.pt/bd João Leite (jleite@fct.unl.pt) Capítulo 1: Introdução Função dos Sistemas de Bases de Dados Visão dos dados Modelos de dados Linguagem de Definição de

Leia mais

Tarefa Orientada 11 Junção Interna

Tarefa Orientada 11 Junção Interna Tarefa Orientada 11 Junção Interna Objectivos: Junção Interna (INNER JOIN) Junção Interna A operação de junção interna (INNER JOIN) é utilizada para combinar colunas de duas ou mais tabelas. O resultado

Leia mais

Manual do GesFiliais

Manual do GesFiliais Manual do GesFiliais Introdução... 3 Arquitectura e Interligação dos elementos do sistema... 4 Configuração do GesPOS Back-Office... 7 Utilização do GesFiliais... 12 Outros modos de utilização do GesFiliais...

Leia mais

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language Programação SQL Manipulação de Dados DML Data Manipulation Language Manipulação de Dados (DML) Os comandos INSERT, UPDATE, DELETE, são normalmente classificados como pertencendo a uma sublinguagem da linguagem

Leia mais

Esquema da Relação. Modelo Relacional. Instância da Relação. Exemplo. Uma base de dados é uma colecção de uma ou mais relações com nomes distintos

Esquema da Relação. Modelo Relacional. Instância da Relação. Exemplo. Uma base de dados é uma colecção de uma ou mais relações com nomes distintos Modelo Relacional Uma base de dados é uma colecção de uma ou mais relações com nomes distintos Uma relação é uma tabela com linhas e colunas Esquema da Relação Descreve as colunas da tabela Especifica

Leia mais

Portfólio do Aluno 2012 / 2013. 3º Ano Linguagem de Programação Módulo n.º 14. 4007 Fábio Oliveira

Portfólio do Aluno 2012 / 2013. 3º Ano Linguagem de Programação Módulo n.º 14. 4007 Fábio Oliveira Portfólio do Aluno 3º Ano Linguagem de Programação Módulo n.º 14 2012 / 2013 4007 Fábio Oliveira Portfólio do Aluno 3º Ano Linguagem a Programação Módulo n.º 14 2012 / 2013 4007 Fábio Oliveira Escola Europeia

Leia mais

Programação Visual 04/05 - EstMedia. Manual do Utilizador. Realizado por Gustavo Patrício nº 4757 António Espingardeiro nº 4328

Programação Visual 04/05 - EstMedia. Manual do Utilizador. Realizado por Gustavo Patrício nº 4757 António Espingardeiro nº 4328 Programação Visual 04/05 - EstMedia Manual do Utilizador Realizado por Gustavo Patrício nº 4757 António Espingardeiro nº 4328 1 Índice Introdução.. 1 Levantamento de Requisitos... 2 Diagrama de Classes....

Leia mais

BANCO DE DADOS I AULA 3. Willamys Araújo

BANCO DE DADOS I AULA 3. Willamys Araújo BANCO DE DADOS I AULA 3 Willamys Araújo Modelo Conceitual Descreve quais dados serão armazenados no banco de dados as relações que existem entre eles. Independe do SGBD e da abordagem do banco de dados

Leia mais

Modelagem dos dados. entendo. Reino Real. Reino. Representação

Modelagem dos dados. entendo. Reino Real. Reino. Representação Modelagem dos dados entendo Reino Real Reino Imaginário (modelagem) Reino Representação represento Nós não somos capazes de representar tudo o que imaginamos. Nós somente representamos o que é interessante.

Leia mais

B.I.S.T. Built-In Self Test

B.I.S.T. Built-In Self Test Instituto Superior de Engenharia do Porto Mestrado de Engenharia Electrotécnica Automação e Sistemas Disciplina de Síntese Alto Nível de Componentes Programáveis B.I.S.T. Built-In Self Test Elaborado por:

Leia mais

Lista de exercícios 01

Lista de exercícios 01 PARTE I Lista de exercícios 01 1. Defina os seguintes termos: entidade, atributo, valor do atributo, atributo composto, atributo multivalorado, atributo derivado, atributo-chave, domínio. 2. Explique as

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes

Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes Banco de Dados Modelo Conceitual, Lógico, Físico, Entidade- Relacionamento (ER) Hélder Nunes Modelos de banco de dados Modelo de banco de dados é uma descrição dos tipos de informações que estão armazenadas

Leia mais

Fundamentos da Análise Multidimensional

Fundamentos da Análise Multidimensional Universidade Técnica de Lisboa INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Informática e Sistemas de Informação Aplicados em Economia Fundamentos da Análise Multidimensional Fundamentos da Análise Multidimensional

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 A Linguagem SQL As raízes da linguagem SQL remontam a 1974, altura em que a IBM desenvolvia

Leia mais

Modelos. Comunicação com clientes

Modelos. Comunicação com clientes Material baseado nas notas de aula: Maria Luiza M. Campos IME/2005 Carlos Heuser - livro Projeto de Banco de Dados CasaNova / PUC/RJ Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Sistemas de Informação Brasília/DF

Leia mais