PROFINET - Inovações Siemens AG All Rights Reserved.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROFINET - Inovações 2010. Siemens AG 2010. All Rights Reserved."

Transcrição

1 PROFINET - Inovações 2010

2 Novos Recursos Estágio de Disponibilização 2010 Rev.2.6

3 Conteúdo Estágio de disponibilização 2010 Shared Device I-Device PROFIenergy MRP IRT e Modo Isócrono no SIMATIC Expansões de Web Mini-IP Config Tratamento de Opções pelo SIMATIC ET 200S Visão Geral de Produto

4 Estágio de disponibilização 2010 Shared Device I-Device PROFIenergy MRP IRT e Modo Isócrono no SIMATIC Expansões de Web Mini-IP Config Tratamento de Opções pelo SIMATIC ET 200S Visão Geral de Produto

5 Inovações da Rede Exigências do Cliente mais flexível mais eficiente menor custo Conceitos inovadores de planta Shared Device/I-Device Integração de TI IWLAN Fieldbus Quantidade de Recursos Desempenho Diagnóstico Arquitetura Modelagem de dispositivos Acesso à rede Compatibilidade Fieldbus Quantidade de Recursos Desempenho Diagnóstico Melhoria PROFIBUS PROFINET Tecnologia Ethernet aberta alto-desempenho criadas para IT Page 5 Aug-2010 Jomar Misseno

6 Evolução PROFINET Estágio de disponibilização 2008 Melhorias 2009 Estágio de disponibilização 2010 Novas funções FastStartUp IRT Substituição de dispositivos s/ MMC/PG Web Topologia Funções Conforme 2008 Expansões de diagnóstico Produtos Adicionais Novas funções Shared Device I-Device Redundancy IRT e Modo isócrono Expansões Web Mini-IP Config PROFIenergy Page 6 Aug-2010 Jomar Misseno

7 Inovações PROFINET 2010 Visão Geral Controlador de ES F Shared Device Controlador de ES Controlador de ES 1 CPU1 I-Device PROFIenergy Controlador HMI i-device Dispositivo de ES como Dispositivo Compartilhado CPU2 Dispositivo de ES 1 / Controlador de ES 2 DC24V Dispositivo de ES 2 MRP Web Página definida pelo usuário IRT e Modo isócrono µs Tratamento de Opções Web Visualização da Topologia da Rede Mini-IP Config IP = 1 IP = 2 Proj_M Proj_M Proj_M NoS = A NoS = B IP = 3 NoS = C Page 7 Aug-2010 Jomar Misseno

8 Estágio de disponibilização 2010 Shared Device I-Device PROFIenergy MRP IRT e Modo Isócrono no SIMATIC Expansões de Web Mini-IP Config Tratamento de Opções pelo SIMATIC ET 200S Visão Geral de Produto

9 Situação Inicial Segundo controlador em subsistemas separados - novas funções adicionadas ao sistema atual Controlador de ES 1 Controlador de ES 2 - A CPU não pode ser expandida - adição de funcionalidades de segurança a um sistema não-seguro IE / PROFINET -recursos caros (p. ex solda a laser) - a ser compartilhado Dispositivo de ES 1 Dispositivo de ES 2 - Em novos projetos - Solicitações de alterações na comissionamentos - Aperfeiçoamentos / Remodelações - Expansão da produção - Etc Page 9 Aug-2010 Jomar Misseno

10 Situação Inicial Segundo controlador com dispositivos de ES adicionais - um segundo controlador normalmente significa um sistema separado Controlador de ES 1 Controlador de ES 2 - cada controlador acessa apenas seu respectivo dispositivo, então, um novo dispositivo também é necessário - qualquer interação entre os dois dispositivos exige uma fiação ou comunicação extra através as CPUs IE / PROFINET Dispositivo de ES 1 Dispositivo de ES 2 Um segundo controlador Normalmente significa um hardware extra, mais instalação de painéis, cabeamento, esforços de engenharia Page 10 Aug-2010 Jomar Misseno

11 Shared Device (Dispositivo Compartilhado) Uma solução mais simples com PROFINET Controlador de ES 1 Controlador de ES 2 Dois controladores diferentes acessando o mesmo dispositivo (estação de ES, drive, etc) IE / PROFINET - mesma rede - atribuição flexível de módulos para diferentes CPUs Shared Device Custos reduzidos Soluções otimizadas Arquitetura simplificada Page 11 Aug-2010 Jomar Misseno

12 Shared Device Acesso à Rede e Endereçamento Controlador de ES 1 Controlador de ES 2 IE / PROFINET Dispositivo de ES RT/IRT TCP/IP RT/IRT TCP/IP RT/IRT TCP/IP Ciclo 1 Ciclo 2 Ciclo n Arquitetura PROFINET Page 12 Aug-2010 Jomar Misseno Operação de múltiplos controladores Endereços claros Diagnósticos de sistemas separados dos controladores e respectivos módulos Independente da Comunicação RT/IRT

13 Shared Device - Casos de Aplicação Funções extras adicionadas / Aumento de desempenho da CPU Escalonamento de Desempenho Menos gabinetes e instalações Menos cabeamento Menor sobrecarga do hardware Page 13 Aug-2010 Jomar Misseno

14 Shared Device - Casos de Aplicação Adição de funcionalidades de segurança a um sistema não-seguro Controlador de ES F Controlador de ES Controlador de ES F Controlador de ES IE / PROFINET PN / PROFIsafety IE / PROFINET PN / PROFIsafety PM F-DI F-PM DO PM DI DO PM F-DI DI F-PM DO Dispositivo de ES como Shared Device E-Stop (Parada de Emergência) E-Stop (Parada de Emergência) K1 Fonte de Energia Externa Fonte de Energia Externa Desligamento de segurança (Failsafe) com Shared Device Page 14 Aug-2010 Jomar Misseno Menos Cabeamentos e Instalações Baixa sobrecarga do hardware Engenharia mais simples

15 Shared Device - Casos de aplicação Recursos de processos compartilhados p. ex. fonte laser Situação preliminar Engenharia complexa Interface complicada Solução mais simples: Recurso de processo compartilhado com Dispositivo Compartilhado Célula de Produção 1 Célula de Produção 2 Controlador de ES 1 Controlador de ES 2 Célula de Produção 1 Controlador de ES 1 Célula de Produção 2 Controlador de ES 2 Barramento 1 Barramento 2 Interface 1 Interface 2 IE / PROFINET Dispositivo de ES com Dispositivo Compartilhado Fonte Laser Condutor/OF de laser Fonte Laser Condutor/OF de laser Equipamento de processo compartilhado com Shared Device Page 15 Aug-2010 Jomar Misseno Proteção do investimento Menos cabeamento Baixa sobrecarga do hardware Engenharia mais simples

16 Shared Device (Dispositivo Compartilhado) Possíveis Aplicações Projetos modulares Integração de segurança em projetos standard Expansão da produção Solicitações de alterações em projetos em fases avançadas (como em/após TAF, comissionamento, start-up) Aperfeiçoamentos de Plantas Remodelações e Modernização de Máquinas Page 16 Aug-2010 Jomar Misseno

17 Shared Device por PROFINET Principais Benefícios Proveito dos novos recursos adicionados à atual aplicação Economias em: HW (IMs, PMs) cabeamento painéis e instalações engenharia tempo Arquitetura limpa, com menos dispositivos Proteção do investimento no Hardware e aplicativos Shared Device Recurso inovador PROFINET com valor agregado Page 17 Aug-2010 Jomar Misseno

18 Estágio de disponibilização 2010 Shared Device I-Device PROFIenergy MRP IRT e Modo Isócrono no SIMATIC Expansões de Web Mini-IP Config Tratamento de Opções pelo SIMATIC ET 200S Visão Geral de Produto

19 Opções para transferência de dados entre CPUs em PROFINET CBA (Component based Automation Automação baseada em Componentes) - sistema orientado para o componente - configuração em uma forma gráfica - transmissão de pequena quantidade de dados cíclicos CPU1 PROFINET CBA CPU2 I-Device Comunicação PROFINET IO - acesso direto a imagem ES - 1.a CPU = PN IO Controler/ 2.a CPU = PN IO Device. - transmissão de pequena quantidade de dados cíclicos. CPU1 PROFINET IO com I-Device CPU2 Comunicações PROFINET IO - Mapeamento de endereço de imagem ES através do acoplador PN/PN. (Ainda é necessário para diferentes endereços de subrede). - transmissão de pequena quantidade de dados cíclicos. CPU1 PROFINET IO com PN/PN Coupler CPU2 Comunicações TCP/IP nativo - canal TCP/IP livre na rede PN- transmissão de grande quantidade de dados acíclicos. CPU1 TCP/IP Send/Receive CPU2 Opções de comunicação Alternativas flexíveis Podem ser utilizadas de acordo com o objetivo da aplicação Page 19 Aug-2010 Jomar Misseno

20 I-Device Comunicações PROFINET IO Controlador de ES 1 I-Device CPU1 IE / PROFINET CPU2 (dispositivo de ES 1 / controlador de ES 2) Sistema Operacional Aplicação / Programa de usuário Sistema Operacional Aplicação / Programa de usuário Imagem de processamento de ES End. de entrada End. de saída Imagem de processamento de ES End. de entrada End. de saída PROFINET IO Page 20 Aug-2010 Jomar Misseno

21 I-Device (Intelligent CPU como IO device) - Um IO Controller (S7-CPU, ET 200 CPU, SIMOTION ) também pode ser operado como um IO Device Controlador de ES 1 CPU1 - Com a funcionalidade de IO Controller na mesma interface IE / PROFINET - A Comunicação controlador-controlador em um simples acesso de imagem ES, sem acopladores PN-PN ou Telegramas de TCP/IP e Send/Receive Dispositivo de ES 1 CPU2 Controlador de ES 2 I-Device - Permite controladores locais em uma arquitetura modular para comunicar a uma estação de nível superior (controlador principal) Dispositivo de ES 2 I-Device solução simples e rápida Page 21 Aug-2010 Jomar Misseno Interface ES de CPUs familiar e simples Interface de CPUs em diferentes projetos Integração entre controladores não Siemens Economias em acopladores PN-PN (rede transparente)

22 Integração de I-Device Controlador de ES 1 PROFINET em todo o sistema Uma subrede, diversos sistemas ES Cabeamento ligado Dispositivo de ES 1 IE / PROFINET I-Device Não afeta RT/IRT Controlador de ES 2 Acesso à web e ES simultâneo Dispositivo de ES 2 Dispositivo de ES 3 I-Device e integração de rede Page 22 Aug-2010 Jomar Misseno Acesso irrestrito Diagnóstico de todo o sistema

23 Cenário Misto Combinação de I-Device e Shared Device Controlador de ES 1 Controlador ES 2 (local) Controlador de ES 1 IE / PROFINET IE / PROFINET I-Device Shared Device Dispositivo de ES 1 Subsistemas separados E/S transparente I-Device com Shared Device Page 23 Aug-2010 Jomar Misseno Menos cabeamento Menor sobrecarga do hardware Engenharia mais simples Ideal para arquitetura modular, com Segurança

24 I-Device Exemplos de Aplicações Plantas modulares Máquinas secionais Linhas de montagem Engarrafamento Prensas Linhas de produção Sistema de Transportadoras Page 24 Aug-2010 Jomar Misseno

25 I-Device por PROFINET Principais Benefícios Método de comunicação mais simples e mais rápido assim como a leitura ou escrita em uma estação de E/Ss distribuída maior desempenho Com PN é possível a operação simultânea na mesma rede em contraste com os field buses estabelecidos nas quais diferentes interfaces de comunicação com cabeamento e endereços diferentes de modo correspondente são necessários para comunicações descendentes ou ascendentes. acesso transparente para opções de diagnóstico parametrização através da web ou TCI Permitir arquitetura modular com estação de controladores locais e CPU central comunicação ascendente e descendente da mesma maneira Fácil transição de PROFIBUS para PROFINET devido ao know-how existente em forma de programas e arquivos GSD A comunicações entre diferentes fabricantes se torna possível graças à utilização de GSDML Integração flexível de funções de Segurança I-Device Mais flexibilidade com PROFINET Diversas possibilidades com o I-Device em PROFINET Page 25 Aug-2010 Jomar Misseno

26 Estágio de disponibilização 2010 Shared Device I-Device PROFIenergy MRP IRT e Modo Isócrono no SIMATIC Expansões de Web Mini-IP Config Tratamento de Opções pelo SIMATIC ET 200S Visão Geral de Produto

27 Acompanhando as tendências economia de energia nas indústrias Economia de energia e produtividade ao mesmo tempo? Novos regulamentos legais e ambientais Como as empresas de produção continuam operando de maneira lucrativa? Os recursos se tornam cada Como os recursos podem ser conservados? vez mais e mais limitados Onde você poderá explorar todo potencial Aumento de preço de energia de economia de energia para reduzir Uso confiável, produtivo, custos? econômico, eficiente de energia 24 horas por dia? PROFIenergy reduz o consumo de energia em "standby" Page 27 Aug-2010 Jomar Misseno

28 Por que PROFIenergy? Demanda energética sem PROFIenergy Demanda energética reduzida com PROFIenergy Curva de registro (Valores em kwh, 15 min) Fim de semana Fim de semana A antiga demanda energética fora do momento de produção: aprox. 60% da demanda energética durante a produção. Até 80% da economia de energia com PROFIenergy Potencial de economia de energia Page 28 Aug-2010 Jomar Misseno até 80 por cento de economia de energia nas pausas da produção!

29 PROFIenergy Os casos de uso Os casos de uso Desligando em pausas curtas Desligando em pausas longas Desligando em pausas não planejadas Leitura dos dados medidos Caracterizado por Economia de energia otimizada com rápida disponibilidade Máximo de economia de energia Tempo e duração da pausa são desconhecidos Muitos dispositivos medem a energia implicitamente (p. ex.fcs) PROFIenergy Page 29 Aug-2010 Jomar Misseno concentra-se no desligamento nas pausas e é capaz de lidar com os diferentes requisitos.

30 O que é PROFIenergy? Definição e condições marginais Definição: PROFIenergy é uma interface de dados baseado em PROFINET que permite o desligamento coordenado e centralmente controlado de cargas em pausas independente do fornecedor e do dispositivo. Fornecedor de dispositivo / sistema Implementação nos dispositivos Blocos para manuseio do PROFIenergy Page 30 Aug-2010 Jomar Misseno O PROFIenergy define Tratamento de protocolo Mecanismos de transporte Interface de controle Funções de status Usuário / Construtor de planta Coordenação de desligamento e acionamento das sequências Libera sinais para o processo

31 PROFIenergy Funções de status e interface de controle PROFIenergy Interface de controle Start_Pause End_Pause Funções de status Device_Identify Query_Modes PEM_Status Query_Measurement Início de pausa através da transferência de tempo de pausa A resposta de tempo do dispositivo pode ser lida Reinicialização explicita Leitura dos comandos suportados... dos status de energia (dados de desempenho, de tempos)... do status atual... dados medidos PROFIenergy também corresponde a um dos requisitos futuros! Page 31 Aug-2010 Jomar Misseno

32 Cinco boas razões para PROFIenergy Controlador Periferia Decentralizada PROFIenergy HMI Drives e Motion Control DC24V Page 32 Aug-2010 Jomar Misseno Seleção livre para o dispositivo através do padrão independente do fornecedor Proteção do investimento através de uma integração simples sem reações aos padrões existentes Economia de energia mesmo em pausas curtas graças à comutação granular Alta confiabilidade no sistema através da comutação coordenada Economia de custos através da omissão de hardware externo permitem a economia de energia em pausas através do desligamento de cargas desnecessárias!

33 Exemplo de aplicação definição de tarefas Controlador Conhece a resposta de comutação do dispositivo Coordena as sequências de acionamento e desligamento Condições: A transportadora deve ser desligada 2 minutos após o robô, e ligada 2 minutos antes do robô Início de pausa: 12:00 Fim de pausa: 12:45 PROFIenergy Transportadora Tempo de desligamento = 1 min Tempo de ativação = 1 min Tempo mínimo de espera = 2 min Então, tempo mínimo de pausa = 4 min Page 33 Aug-2010 Jomar Misseno Robô Tempo de desligamento = 3 min Tempo de ativamento = 5 min Tempo mínimo de espera = 2 min Então, tempo mínimo de pausa = 10 min

34 Exemplo de aplicação coordenação e comando LIGADO início_pausa 2min Transportadora 2min reduzindo o ritmo fim_pausa Aumentando o ritmo DESLI- GADO LIGADO início_pausa Robô fim_pausa DESLI- GADO 12: :45 Page 34 Aug-2010 Jomar Misseno

35 PROFIenergy Benefícios para o cliente Início rápido através da integração em grupos de produtos conhecidos e o uso de Fabricante de Máquinas mecanismos existentes Proteção de investimento através de uma expansão simples de programas existentes Baixas exigências de programação através de blocos de função recarregáveis Vantagens competitivas através do marketing de máquinas de baixo consumo Proprietário da Planta Economia de energia através do desligamento de cargas desnecessárias Redução nos custos da produção garantindo uma vantagem competitiva Cumpre com os acordos de proteção ambiental da fábrica/legais Proteção de investimento através da melhoria dos padrões existentes na fábrica PROFIenergy Page 35 Aug-2010 Jomar Misseno Apenas soluções simples e rápidas resultam em sucesso e são aceitáveis na prática!

36 Estágio de disponibilização 2010 Shared Device I-Device PROFIenergy MRP IRT e Modo Isócrono no SIMATIC Expansões de Web Mini-IP Config Tratamento de Opções pelo SIMATIC ET 200S Visão Geral de Produto

37 MRP - Media Redundancy Protocol configuração de anel básica (utilizando Switches Ethernet Industriais) - A confiabilidade é um fator crucial em sistemas de automatização - A falha de um componente de rede deve ser rapidamente compensado e isolado, IE / PROFINET - sem afetar a comunicação dos outros nós. - Alguns mecanismos de redundância são desenvolvidos para substituir falhas rapidamente Media redundancy Page 37 Aug-2010 Jomar Misseno Disponibilidade aumentada arquitetura de anel Caminho alternativo para o fluxo de comunicação Inicialmente apenas através dos PCs e Switches IE

38 MRP - Media Redundancy Protocol Configuração de Anel sem Switches IE específico - Inovação para simplificação da arquitetura do sistema - Agora com switches IE/PN on-board integrados de CPUs SIMATIC e ET 200 com MRP IE / PROFINET - Sem necessidade de Switches IE para fechar e gerir o anel - Um dos equipamentos assume o papel de Gerenciador do Anel automaticamente MRP através de portas PN integradas Page 38 Aug-2010 Jomar Misseno Maior disponibilidade da planta Maior flexibilidade Custos reduzidos menos equipamentos necessários

39 MRP - Media Redundancy Protocol Mudança de Transmissão - No caso de uma falha no segmento ou em um participante do anel, a comunicação é retomada - um segundo caminho de comunicação através da rede aberta pelo Gerenciador de Anel - através desse caminho alternativo, a comunicação é direta. IE/ PROFINET - A falha é limitada ao segmento ou dispositivos danificado Page 39 Aug-2010 Jomar Misseno

40 MRP - Media Redundancy Protocol Arquitetura de Anel Combinada - O anel pode ser fechado com portas on-board integradas e também com Switches IE externos - Switches IE Externos permitem a conexão de dispositivos sem o recurso de MPR IE / PROFINET - Os Switches IE também permitem que outros segmentos (árvore ou estrela) sejam conectados ao anel MRP através de Switches IE on-board e externos Page 40 Aug-2010 Jomar Misseno Flexibilidade adicional ao sistema

41 MRP Media Redundancy Protocol Característica IEC Edição Padrão INTERNACIONAL Baseada na topologia em anel. Os conceitos básicos de MRP e HSR - High Speed Redundancy (apenas para Switches IE) são idênticos. Número máximo (50) de nós do anel Controlador de ES PN Dispositivos de ES PN Componentes da Infraestrutura da Rede (Switches IE) Configuração e Diagnóstico em STEP7 Tempo de reconfiguração 200ms (não é adequado para IRT ou tarefas urgentes) Page 41 Aug-2010 Jomar Misseno

42 MRP Media Redundancy no SIMATIC NET As seguintes técnicas de mídia redundancy para topologia em anel como suportado pelos produtos SIMATIC NET: HSR (Alto Speed Excesso) Tempo de reconfiguração: 0.3 segundos HSR é usado apenas em switches IE MRP (Media Redundancy Protocol) Tempo de reconfiguração: 0.2 segundos O mecanismo desses métodos são similares. Como ambos os métodos, até 50 dispositivos podem estar inseridos no anel O HSR e o MRP não podem ser utilizados em apenas um anel Page 42 Aug-2010 Jomar Misseno MRP- Configuração com STEP7

43 MRP Media Redundancy Protocol Possíveis funções de nó de anel Um nó de anel deve ser o Media Redundancy Manager - MRM (Automaticamente definido pelo Step 7, posteriormente, ele pode ser alterado pelo usuário) Todos os outros nós de anel são Media Redundancy Clients - MRC Pacotes de teste Pacotes de teste MRM Conexão redundante MRC MRC MRC Page 43 Aug-2010 Jomar Misseno

44 Editor de Topologia - Verificação verificando o Anel no Editor de Topologia. Page 44 Aug-2010 Jomar Misseno

45 Status On-line uma conexão interrompida Page 45 Aug-2010 Jomar Misseno

46 MRP Media Redundancy Protocol Cenários comuns Gerenciamento de Sistema IE / PROFINET IE / PROFINET CPU + CP CPU + CP CPU + CP Subsistema 1 Subsistema 2 Subsistema 3 Anel central com subsistemas separados Page 46 Aug-2010 Jomar Misseno Diversos anéis locais

47 MRP Media Redundancy Protocol Exemplos de Aplicação MRP em PROFINET Page 47 Aug-2010 Jomar Misseno Normalmente para plantas e processos não urgentes, mas que necessitam de uma maior disponibilidade, um reinício rápido e manutenção reduzida: Integração da Planta (sobre as celulas ou máquinas de produção) Construção Água e Água Residual Infraestrutura Combinado com SIMATIC de segurança completa todos os requisitos para o uso em, p. ex., controle das aberturas de descarga de fumaça em arranha-céus, prédios públicos, túneis, etc.) Redução de tempo de serviço e paralisação Maior disponibilidade da planta Redução de custo com flexibilidade

48 O MRP trabalha em princípio como HSR Sistema de demonstração "Mecanismos de redundância em Rede industrial com SCALANCE X O sistema de demonstração SCALANCE pode ser utilizado como uma biblioteca básica para Ethernet Industrial e SCALANCE X. Em diversas línguas essa Animação em Flash explica o básico e o conceito de diferentes tecnologias. Identificação de Entrada: Data: High-Speed Redundancy (Alemão/Inglês) (aprox. 30MB, 8 Minutos) Page 48 Aug-2010 Jomar Misseno

49 Estágio de disponibilização 2010 Shared Device I-Device PROFIenergy MRP IRT e Modo Isócrono no SIMATIC Expansões de Web Mini-IP Config Tratamento de Opções pelo SIMATIC ET 200S Visão Geral de Produto

50 PROFINET IRT e Modo isócrono com portfólio expandido Internet SIMATIC S7-400 SIMATIC WinAC + SIMATIC WinCC SIMATIC S7-300 SIMOTION P SCALANCE X IRT IE TCP/IP Modo Isócrono e IRT PROFINET SIMATIC ET 200S HS SIMOTION D + Eixo múltiplo SINAMICS Eixo Simples SINAMICS S Eixo múltiplo SINAMICS S PROFINET IRT disponível desde 2005 Integração dos dispositivos de campo distribuídos, drives, controladores de movimento e PLCs TCP/IP simultâneo para engenharia, diagnóstico, conexão da HMI e WEB Modo Isócrono e IRT PROFINET Mais possibilidades de aplicação com altas dinâmicas e precisão também com os equipamentos SIMATIC Page 50 Aug-2010 Jomar Misseno

51 O PROFINET é comunicação em tempo real! Comunicação TCP/IP e em Tempo Real simultaneamente através de um único cabo Comunicação em Tempo Real Escalonável capaz de aplicações de alto desempenho (250 µseg!) com um jitter muito pequeno (< 1µseg!) Real-Time (RT) und/oder Isochronous Real-Time (IRT) Internet Automação da Manufatura Controle de Movimento 100ms 250µs RT Serviços de IT IRT TCP/IP PROFINET IRT Comunicação Contínua Tempo de reação simultaneamente curto e determinista Page 51 Aug-2010 Jomar Misseno

52 PROFINET IRT Reserva de largura de banda Ethernet IRT- Canal Canal Padrão IRT- Canal Canal Padrão IRT- Canal Ciclo 1 Ciclo 2 = Janela de tempo Ciclo n isto é 1 ms Controlador de Posição Comunicação isócrona IRT - Dados RT- Comunicação RT - Dados Comunicação Padrão TCP/IP - Dados Canal IRT Intervalos de tempo separados exclusivamente reservados para quadros IRT Telegramas padrão não pode interromper o ciclo IRT Planejamento de comunicação adicional para máximo desempenho Page 52 Aug-2010 Jomar Misseno

53 PROFINET IRT Princípios Básicos Linha rápida reservada para comunicações IRT Tempo real garantido, independente da carga da rede o tráfico de dados TCP/IP ocorre quase que em paralelo IRT RT IRT RT TCP/IP Linha Rápida reservada para IRT RT TCP/IP RT IRT RT TCP/IP RT RT RT TCP/IP TCP/IP TCP/IP TCP/IP RT Congestioname nto TCP/IP Page 53 Aug-2010 Jomar Misseno

54 Hardware especial apenas para IRT Aplicação de TI p. ex.. HTTP SNMP DHCP... TCP/UDP IP Ethernet Aplicações de PROFINET Diagnóstico de Configuração Não em Tempo Real Tempo Real 1 2 RT 3 Controlador Ethernet Padrão ou ERTEC Processament o de dados IRT ERTEC TCP/IP Parametrização e Configuração Dados de Diagnóstico A negociação do canal de dados do usuário Tempo Real RT Transmissão de dados do usuário cíclica de alto desempenho Alarmes/mensagens de eventos ativados Isócrono em Tempo Real IRT Transmissão de dados do usuário simultânea Suporte de hardware através ERTEC, por exemplo Jitter <1µseg Page 54 Aug-2010 Jomar Misseno

55 Recurso PROFINET único: Comunicação TCP/IP e em Tempo Real PROFINET PLC PC Internet Explorer PROFINET HTTP SNMP Tomada TCP / UDP IP Tempo Real RT IRT PROFINET Dispositivo de campo Ethernet ERTEC Cabo IE/PROFINET PC Servidor SNMP/OPC Sistema de sensores PROFINET PLC Page 55 Aug-2010 Jomar Misseno

56 Modo isócrona Sincronismo perfeito Aquisição isócrona simultânea dos valores de posição atuais Ativação isócrona simultânea dos valores de referência Ciclo de comunicação Controlador Dispositivo de campo Controle de Movimento Drive Modo isócrono Sincronização dos ciclos de controle para o ciclo de barramento Fechando os loops de controle através do barramento Tarefas de controle de movimento distribuídas (eixo de transmissão, sincronização de eixo, aplicações de múltiplos eixos) Page 56 Aug-2010 Jomar Misseno

57 Operação padrão tempo de reação CPU T3 T5 T2 T6 T1 T4 ET 200 ET 200 Page 57 Aug-2010 Jomar Misseno T7 Muitos ciclos descoordenados T1: Leitura de sinal de entrada T2: Barramento de placa mãe ET 200 T3: Profinet T4: Ciclo de programa de CPU T5: Profinet T6: Barramento de placa mãe ET 200 T7: Envio de sinal de saída Tempo de reação Melhor cenário: Total de todos os ciclos individuais Pior cenário: 2 x (total de todos os ciclos individuais) Precisão de tempo na saída de sinal 2 x total de ciclos da CPU para saída (T4 to T7) Consistência de sinais periféricos Em modo distribuído, máximo de 1 palavra dupla (32 bits) (valores mais altos apenas com auxílio de funções do sistema)

58 Taxas de tempo com modo isócrono determinista Relógio do sistema Ti: Leitura de entradas em um tempo fixo Q OB I Q OB I Q OB I OB: Processamento de dados na CPU Te Ts Para: Escrita de entradas em um tempo fixo CPU Todos os intervalos de tempo coordenados em uma ordem adequada ET 200 ET 200 Page 58 Aug-2010 Jomar Misseno

59 Modo isócrono e IRT Função Suporte total de IRT através de SIMATIC PN-CPUs, ET200, SIMOTION e SINAMICS S Modo isócrono µs Modo isócrono e IRT Máx. de resposta determinista mesmo com tráfico TCP/IP paralelo Sincronização do terminal Programa do CPU terminal Page 59 Aug-2010 Jomar Misseno

60 Exemplo Configuração do contador rotativo Tarefa: Ler os contadores a cada 32 ms e registrar a diferença para a contagem anterior. Erros de medição: Sem o modo isócrono descentralizado 10% Sem o modo isócrono centralizado 3% Com modo isócrono 0,1% Page 60 Aug-2010 Jomar Misseno

61 Exemplo Demonstração de Múltiplos Equipamentos Sync-Slave 416F PN Sync-Slave 319-3F PN Sync-Master Simotion P350 Sync-Slave ET200S PN Page 61 Aug-2010 Jomar Misseno

62 ciclo 250µs IRT, visão geral de diversos ciclos Sync 1ms Page 62 Aug-2010 Jomar Misseno

63 ciclo 250µs IRT, detalhes de uma sincronização Sync 1µs Page 63 Aug-2010 Jomar Misseno

64 ciclo 250µs IRT, ciclo, detalhes de diversas sincronizações (Osci: congelado) Sync Page 64 Aug-2010 Jomar Misseno 1µs Alta precisão e alto desempenho com PROFINET: E/Ss em 33,6 µs 100 eixo servo em 70 µs

65 Modo isócrono IRT Exemplos de Aplicação Tarefas de Controle de Movimento Normais Posicionamento de cilindros hidráulicos (controle) Engarrafamento Prensas Máquinas de impressão Classificador / Logística Excitação na geração de energia (Turbinas de Ventos) Modo Isócrono e IRT Page 65 Aug-2010 Jomar Misseno Qualidade de Produção Garantida Maior precisão (Determinismo) Repetitividade aumentada no processo

66 Estágio de disponibilização 2010 Shared Device I-Device PROFIenergy MRP IRT e Modo Isócrono no SIMATIC Expansões WEB Mini-IP Config Tratamento de Opções pelo SIMATIC ET 200S Visão Geral de Produto

67 Expansões Web Página Web Definida pelo Usuário Função Suplementar os websites padrão atuais com páginas específicos da aplicação Os valores do programa do usuário podem ser exibidos e modificados no website Não substitui sistemas HMI Página web definida pelo usuário Diagnóstico específicos de aplicação Adaptação dos parâmetros da máquina Funções de interface homem-máquina para fins de manutenção Page 67 Aug-2010 Jomar Misseno

68 Expansões de Web Fluxo de trabalho para criar uma página web 1 Aplicação Aplicação Web Web Visitar página web no navegador 4 Criar uma página web 2 Converter em DBs Expansão do programa de usuário 3 STEP STEP 7 7 Projekt DB100 DB99 Fazer download em PLC Importação no Projeto STEP 7 Page 68 Aug-2010 Jomar Misseno

69 Expansões de Web Topologia de Rede Visualização de Gráfico Função Topologia de Rede permitida pelo LLDP As conexões podem ser exibidas graficamente e monitoradas (status) on-line no website Acesso simples pelo navegador Sem a necessidade de ferramentas de engenharia Topologia de rede na web Gerada automaticamente Diagnóstico básico sem Ferramenta de Engenharia Page 69 Aug-2010 Jomar Misseno

70 Expansões de Web Topologia de Rede Status e Diagnóstico Expansões web Page 70 Aug-2010 Jomar Misseno Implementação e manutenção de planta mais flexíveis Acesso on-line sem Ferramenta de Engenharia Acesso através da rede

71 Estágio de disponibilização 2010 Shared Device I-Device PROFIenergy MRP IRT e Modo Isócrono no SIMATIC Expansões de Web Mini-IP Config Tratamento de Opções pelo SIMATIC ET 200S Visão Geral de Produto

72 IP-Configuração de máquinas em série em uma integração da planta Implementação central, HMI,... Comunicações CPU-CPU Retrospectiva atribuição de diferentes nomes e Ips de controladores PN A mesma máquina diversas vezes na planta IP =?? 1 IP = 2?? Proj_M NoS =? A Proj_M NoS = B? Proj_M IP = 3?? NoS = C? Construtores de máquina (OEM) em série Page 72 Aug-2010 Jomar Misseno

73 Configuração de IP (Mini-IP-Config) Função Suite IP (endereço de IP / forma de tela de subrede / endereço do roteador, nome da estação) pode ser atribuído automaticamente através do programa do usuário ou DPC Se o suite IP for atribuído pelo projeto, a atribuição dinâmica do suite IP através do programa do usuário ou DCP é suspenso. Mini-IP-Config Page 73 Aug-2010 Jomar Misseno Adaptação do endereço de IP em alteração do projeto Máquinas padrão podem ser inseridas na rede IP no local Tratamento mais fácil do projeto e implementação mais rápido

74 Estágio de disponibilização 2010 Shared Device I-Device PROFIenergy MRP IRT e Modo Isócrono no SIMATIC Expansões de Web Mini-IP Config Tratamento de Opções pelo SIMATIC ET 200S Visão Geral de Produto

PROFINET. O padrão em Ethernet Industrial para Automação

PROFINET. O padrão em Ethernet Industrial para Automação PROFINET O padrão em Ethernet Industrial para Automação O que é PROFINET? É um padrão aberto baseado no Industrial Ethernet É desenvolvimento da PROFIBUS & PROFINET International (PI) Utiliza padrões TCP/IP

Leia mais

Totally Integrated Automation (TIA) Portal Siemens AG 2015. All Rights Reserved. siemens.com/tia-portal

Totally Integrated Automation (TIA) Portal Siemens AG 2015. All Rights Reserved. siemens.com/tia-portal 20 Maio 2015 Totally Integrated Automation (TIA) Portal siemens.com/tia-portal Indústria - Tendências Tendências Comunicação de campo baseada em Ethernet Funcionalidades IT Aumento de capacidade e flexibilidade

Leia mais

Migrando das clássicas tecnologias Fieldbus

Migrando das clássicas tecnologias Fieldbus EtherCAT simplifica a arquitetura de controle Exemplo: Arquitetura de controle de uma prensa hidráulica, Schuler AG, Alemanha Arquitetura de controle com Fieldbus clássicos Desempenho dos Fieldbus clássicos

Leia mais

Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015

Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015 Protocolos Industriais PROFIbus & PROFINET Redes Industriais Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução O PROFIBUS é um padrão aberto de rede de comunicação industrial, utilizado em

Leia mais

Panorama da Tecnologia Profinet

Panorama da Tecnologia Profinet Panorama da Tecnologia Profinet Conteúdo 1. Organização 2. História 3. Tecnologia 4. Suporte 5. Outlook Conteúdo 1. Organização 2. História 3. Tecnologia 4. Suporte 5. Outlook Organização - Panorama da

Leia mais

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO g S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO SUMÁRIO 1. Objetivo 2. História 3. O Que é Profibus? 4. Profibus PA 5. Instrumentos 6. Bibliografia 1. OBJETIVO

Leia mais

SIMATIC Sistemas de visão Produtividade e qualidade asseguradas. integrador certificado: SOLUCOES INTELIGENTES

SIMATIC Sistemas de visão Produtividade e qualidade asseguradas. integrador certificado: SOLUCOES INTELIGENTES SIMATIC Sistemas de visão Produtividade e qualidade asseguradas integrador certificado: SOLUCOES INTELIGENTES Sistemas de visão Visão geral da linha de produtos Série SIMATIC VS720A - As câmeras inteligentes

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado GE Intelligent Platforms Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado Na vanguarda da evolução da automação industrial. Acreditamos que o futuro da automação industrial seguirá o mesmo

Leia mais

PROFINET - Descrição do Sistema. Tecnologia e Aplicação

PROFINET - Descrição do Sistema. Tecnologia e Aplicação PROFINET - Descrição do Sistema Tecnologia e Aplicação Figura 1 - PROFINET satisfaz a todos os requerimentos da tecnologia de automação Introdução Os ciclos de inovação cada vez mais curtos para novos

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local

SUBESTAÇÕES. Comando de controle e Scada local SUBESTAÇÕES Comando de controle e Scada local COMANDO DE CONTROLE E SCADA LOCAL A solução fornecida pela Sécheron para o controle local e para o monitoramento das subestações de tração é um passo importante

Leia mais

Diretoria Associação Profibus - Profinet

Diretoria Associação Profibus - Profinet PROF I NE T-De s c r i ç ã odos i s t e ma T e c nol og i aeapl i c a ç ã o Diretoria Associação Profibus - Profinet Marco Aurélio Padovan - Sense Eletrônica Ltda Presidente da Associação PROFIBUS Brasil

Leia mais

Comunicado à Imprensa

Comunicado à Imprensa Brazil Windpower 2012 Página 1 de 5 Beckhoff na Brazil Windpower 2012: Segundo pavimento, Estande 261, 262 Tecnologia para turbinas: Soluções abertas de automação para energia eólica A Brazil Windpower

Leia mais

SCADA. Gerenciamento de Energia Integrado ao Sistema de Automação. Márcio Santos Consultor Técnico Siemens Brasil

SCADA. Gerenciamento de Energia Integrado ao Sistema de Automação. Márcio Santos Consultor Técnico Siemens Brasil SCADA Gerenciamento de Energia Integrado ao Sistema de Automação Márcio Santos Consultor Técnico Siemens Brasil Tendências Mundiais Mudanças Climáticas Custos Energéticos Escopos Legais e Pressões Populares

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

SIMOREG SINAMICS DCM Siemens Ltda. 2013. Todos direitos reservados.

SIMOREG SINAMICS DCM Siemens Ltda. 2013. Todos direitos reservados. Guia de Migração SIMOREG SINAMICS DCM Apresentação SINAMICS DCM é o produto que irá substituir o bem sucedido SIMOREG DC-MASTER. Complementa a família de acionamento SINAMICS com a tecnologia CC Nossos

Leia mais

FAdC i Frauscher Advanced Counter i

FAdC i Frauscher Advanced Counter i FAdC i Frauscher Advanced Counter i PT FAdC i FRAUSCHER Advanced Counter i Detecção de via livre para requisitos especiais O FAdCi é uma variante especialmente econômica da mais nova geração de contagem

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Ementa Proposta CAP: 1 - INTRODUÇÃO ÀS REDES INDUSTRIAIS ; CAP: 2 - MEIOS FÍSICOS ; CAP: 3 - REDES

Leia mais

Família CJ2. Novos CLPs com alta qualidade comprovada. Controladores Programáveis

Família CJ2. Novos CLPs com alta qualidade comprovada. Controladores Programáveis Controladores Programáveis Família CJ2 Novos CLPs com alta qualidade comprovada. >> Flexibilidade em comunicação >> Desenvolvimento mais rápido de máquinas >> Inovação através da evolução Inovação sem

Leia mais

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital Histórico IEEE 1394 1986 - primeiras idéias concretas trazidas pela Apple Computers que adotou a denominação FireWire. 1987 - primeira especificação do padrão. 1995 adoção pelo IEEE do padrão IEEE 394.

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

PROFINET. Guilherme Magalhães de Bastos e Lucas Fernandes Sousa

PROFINET. Guilherme Magalhães de Bastos e Lucas Fernandes Sousa 1 de 5 PROFINET Guilherme Magalhães de Bastos e Lucas Fernandes Sousa Pontifícia Universidade Católica de Goiás E-mails: guilherme_12_94@hotmail.com, lucas_f.s@hotmail.com Avenida Primeira Avenida, Setor

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Conceito de automação pneumática - uma comparação entre um terminal de válvulas e válvulas avulsas

Conceito de automação pneumática - uma comparação entre um terminal de válvulas e válvulas avulsas White Paper Conceito de automação pneumática - uma comparação entre um terminal de válvulas e válvulas avulsas Válvulas avulsas ou terminal de válvulas para controle de equipamentos automatizados pneumáticos?

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

REDES INDUSTRIAIS AS-INTERFACE

REDES INDUSTRIAIS AS-INTERFACE Em 1990, na Alemanha, um consórcio de empresas elaborou um sistema de barramento para redes de sensores e atuadores, denominado Actuator Sensor Interface (AS-Interface ou na sua forma abreviada AS-i).

Leia mais

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1

Descritivo Técnico. SLAView - Descritivo Técnico Build 5.0 release 4 16/02/2011 Página 1 Descritivo Técnico 16/02/2011 Página 1 1. OBJETIVO O SLAview é um sistema de análise de desempenho de redes IP por meio da monitoração de parâmetros de SLA (Service Level Agreement, ou Acordo de Nível

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda.

Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda. Artigos Técnicos Profibus: para todas as exigências Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda. No novo contexto da automação, os barramentos de campo são normalmente

Leia mais

Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool. Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR

Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool. Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR Solução Integrada para Automação em Usinas de Açúcar e Álcool Usina Alto Alegre Unidade Santo Inácio/PR Grupo Lincoln Junqueira Grupo Alto Alegre Unidade Central Presidente Prudente/SP Unidade Floresta

Leia mais

Transformando seus desafios em vantagens. Isso é produção inteligente, segura e sustentável

Transformando seus desafios em vantagens. Isso é produção inteligente, segura e sustentável Transformando seus desafios em vantagens Isso é produção inteligente, segura e sustentável Transformando seu negócio As negociações de sempre? Aqueles dias fazem parte do passado. As empresas de hoje devem

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

PROFINET R e d e d e c o m u n i c a ç õ e s p r e p a r a d a p a r a o f u t u r o

PROFINET R e d e d e c o m u n i c a ç õ e s p r e p a r a d a p a r a o f u t u r o PROFINET R e d e d e c o m u n i c a ç õ e s p r e p a r a d a p a r a o f u t u r o» Redundância de meio» R e d e a b e r t a» C o n f i g u ra ç ã o f á c i l PROFINET Ethernet Industrial aberta para

Leia mais

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves

Aula 03 Redes Industriais. Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves 1 Aula 03 Redes Industriais Informática Industrial II ENG1023 Profª. Letícia Chaves Plano de aula Tópicos da aula: 1 Introdução 2 Benefícios na utilização de redes 3 Dificuldades na utilização de redes

Leia mais

Treinamentos 2014. GE Intelligent Platforms

Treinamentos 2014. GE Intelligent Platforms Treinamentos 2014 GE Intelligent Platforms Curso de Configuração e Operação Painel de Operação IHM Quick Panel Permitir ao aluno conhecer o Painel de Operação Quick Panel View IHM, suas características

Leia mais

FAdC Frauscher Advanced Counter

FAdC Frauscher Advanced Counter FAdC Frauscher Advanced Counter PT FAdC FRAUSCHER Advanced Counter A detecção de via livre do futuro O Frauscher Advanced Counter (FAdC) é a mais nova geração de sistemas de contagem de eixos com base

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Siemens Ltda. Av. Mutinga, 3800 05110-902 Pirituba São Paulo - SP Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Sustentabilidade e Eficiência Energética

Leia mais

Automação Sem Limites

Automação Sem Limites representado por: Automação Sem Limites Você espera mais do seu sistema HMI/SCADA do que uma simples ferramenta tecnológica? Você procura soluções inovadoras e seguras? Então é hora de conhecer o zenon

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

PROFIsafe o perfil de segurança PROFIBUS

PROFIsafe o perfil de segurança PROFIBUS PROFIsafe o perfil de segurança PROFIBUS César Cassiolato Gerente de Produtos - Smar Equipamentos Industriais Ltda e Vice-Presidente da Associação PROFIBUS Brasil. INTRODUÇÃO A demanda por mais e mais

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Documentação de treinamento SCE para a solução de automação universal Totally Integrated Automation (TIA)

Documentação de treinamento SCE para a solução de automação universal Totally Integrated Automation (TIA) Documentação de treinamento SCE para a solução de automação universal Totally Integrated Automation (TIA) Siemens Automation Cooperates with Education Módulo TIA Portal 010-070 Comunicação com o 2x SIMATIC

Leia mais

Partidas para motores ultra-compactas SIRIUS 3RM1

Partidas para motores ultra-compactas SIRIUS 3RM1 Partidas para motores ultra-compactas SIRIUS 3RM1 Partidas para motores SIRIUS 3RM1 Multifuncionais e com apenas 22,5 mm de largura siemens.com/motorstarter/3rm1 Answers for industry. Acionamento de motores

Leia mais

Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência

Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência 2 Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência A Família PS 6000 é o mais recente sistema de solda por resistência

Leia mais

ORKAN AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LINHA GERAL DE PRODUTOS

ORKAN AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LINHA GERAL DE PRODUTOS ORKAN AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LINHA GERAL DE PRODUTOS SYSTEM SLIO Sistema de I/Os Remotos Simples e inteligente, o System Slio é um sistema de I/O s descentralizado, eficaz e moderno. Foi especialmente projetado

Leia mais

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power s Totally Integrated Power Ferramentas SIMARIS Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Answers for infrastructure and cities. Planejamento de distribuição de energia mais

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15 até 15.2.1 Moraes Engenharia de Automação Industrial 2ª. Edição LTC Cap.: 6.3 até 6.3.1 1. Primeira prova 32 pt 2.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PROFIBUS www.profibus.org.br

ASSOCIAÇÃO PROFIBUS www.profibus.org.br Fundamentos e tecnologia do protocolo PROFIBUS Infra-estrutura de comunicação em Indústrias WORKSTATIONS Workstations Rede Industrial Fieldbus Ethernet Ethernet corporativa Rede corporativa LAN LAN Linking

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-30

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-30 Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-30 SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO TÉRMICO WWW.THERMAL.PENTAIR.COM digitrace ngc-30 O DigiTrace NGC-30 é um avançado sistema

Leia mais

Notas de Aplicação. Configurando o ezap900/901 para acesso via Ethernet. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Configurando o ezap900/901 para acesso via Ethernet. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Configurando o ezap900/901 para acesso via Ethernet HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00053 Versão 1.02 abril-2009 HI Tecnologia Configurando o ezap900/901 para acesso via

Leia mais

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores

prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores prof.edney@superig.com.br Redes de Computadores Apresentação do professor, da disciplina, dos métodos de avaliação, das datas de trabalhos e provas; introdução a redes de computadores; protocolo TCP /

Leia mais

Freelance Sistema de controlo distribuído para aplicações de processo. 91.3 m3/h 92.0 m3/h 81.6 % 7.23 MW 44.6 % 45.0 % 50.7 m3/h 50.0 m3/h 7.

Freelance Sistema de controlo distribuído para aplicações de processo. 91.3 m3/h 92.0 m3/h 81.6 % 7.23 MW 44.6 % 45.0 % 50.7 m3/h 50.0 m3/h 7. No Filter 81.6 % Auto 249.1 m3/h 250.0 m3/h Auto 91.3 m3/h 92.0 m3/h Auto Auto 99.7 m3/h 100.0 m3/h 40.0 m3/h 7.23 MW Auto 50.7 m3/h 50.0 m3/h 7.2 % Auto 44.6 % 45.0 % Freelance Sistema de controlo distribuído

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 3 Rede AS-I Actuador - Sensor - Interface Capítulo 3 Histórico A rede AS-Interface

Leia mais

Rede Profibus. Process. Manufacturing PLC PROFIBUS-PA. Internet PROFINET IEC 61158-2 RS-485/FO PROFIBUS-DP IPC. AS-Interface

Rede Profibus. Process. Manufacturing PLC PROFIBUS-PA. Internet PROFINET IEC 61158-2 RS-485/FO PROFIBUS-DP IPC. AS-Interface Rede Profibus OS OS Internet PLC Manufacturing IPC PROFINET Process RS-485/FO PROFIBUS-DP IEC 61158-2 PROFIBUS-PA AS-Interface Rede Profibus PROFIBUS desenvolvido na Alemanha, inicialmente pela Siemens

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações

Redes de Comunicações. Redes de Comunicações Capítulo 0 Introdução 1 Um pouco de história Século XVIII foi a época dos grandes sistemas mecânicos Revolução Industrial Século XIX foi a era das máquinas a vapor Século XX principais conquistas foram

Leia mais

Guia para atualização de Firmware dos racks RIO1608-D & RIO3224-D. (Firmware 1.50)

Guia para atualização de Firmware dos racks RIO1608-D & RIO3224-D. (Firmware 1.50) Guia para atualização de Firmware dos racks RIO1608-D & RIO3224-D (Firmware 1.50) PRECAUÇÕES 1. O usuário assume total responsabilidade pela atualização. 2. Atualize o Firmware de uma unidade por vez.

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

Para o futuro, padronizado e com plataforma cruzada

Para o futuro, padronizado e com plataforma cruzada Para o futuro, padronizado e com plataforma cruzada Rede é a resposta! O que muitos acreditavam ser uma tendência atual foi padronizado na HEUFT há muito tempo: nós introduzimos uma família de equipamentos

Leia mais

IO-Link T15 - Soluções em sensores inteligentes IO Link

IO-Link T15 - Soluções em sensores inteligentes IO Link 5058-CO900F IO-Link T15 - Soluções em sensores inteligentes IO Link Programação Quem/O que é IO-Link? A importância do IO-Link Exemplos de aplicações (situações de uso) Arquitetura do Sistema IO-Link Configuração/Demonstração

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Programação Básica em STEP 7 A Família SIMATIC S7. SITRAIN Training for Automation and Drives Página 1-1

Programação Básica em STEP 7 A Família SIMATIC S7. SITRAIN Training for Automation and Drives Página 1-1 Conteúdo Pág. A Família SIMATIC...... 2 S7-200...... 3 S7-200: Módulos...... 4 S7-200: Design da CPU...... 5 S7-300...... 6 S7-300: Módulos...... 7 S7-300: Design da CPU...... 8 S7-400...... 9 S7-400:

Leia mais

Política de Treinamento DME

Política de Treinamento DME Política de Treinamento DME Aperfeiçoamento Técnico com respeito ao Profissional. A DME é uma empresa voltada para o atendimento das necessidades em conclusão e consumo de Energia Elétrica, consagrou-se

Leia mais

Simplifique a complexidade do sistema

Simplifique a complexidade do sistema 1 2 Simplifique a complexidade do sistema Com o novo controlador de alto desempenho CompactRIO Rodrigo Schneiater Engenheiro de Vendas National Instruments Leonardo Lemes Engenheiro de Sistemas National

Leia mais

Objetivo: orientar como proceder em casos de substituição de CPU s de S7-1200 versão 3 por equivalentes de versão 4.

Objetivo: orientar como proceder em casos de substituição de CPU s de S7-1200 versão 3 por equivalentes de versão 4. S7-1200 Compatibilidade CPU V3 e V4 Denilson Pegaia Objetivo: orientar como proceder em casos de substituição de CPU s de S7-1200 versão 3 por equivalentes de versão 4. Aviso: Este documento apresenta

Leia mais

Usina Totalmente Integrada, Solução para Operação e Gestão Inteligente do Processo Industrial

Usina Totalmente Integrada, Solução para Operação e Gestão Inteligente do Processo Industrial Usina de Inovações Brasil Novembro 2008 Usina Totalmente Integrada, Solução para Operação e Gestão Inteligente do Processo Industrial Christian Marcatto Fabio Elias Fluxograma geral do processo produtivo

Leia mais

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A

Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A Interface Ethernet SIEMENS 828D T60542A ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. INSTALAÇÃO... 3 2.1 CNC...3 2.1.1. Configuração...3 2.2 PC...6 2.2.1 Configurar a rede Microsoft...6 2.2.2. Inibir o Firewall da rede

Leia mais

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 56 Capítulo IV Arquiteturas e redundâncias em redes Ethernet Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) As atuais soluções de automação de subestações um relé de proteção 99,9945%

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 16 MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Microeletrônica equipamentos microprocessados necessidade

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

Industrial. CVI3 Sistema de montagem avançado. More Than Productivity. Soluções integradas Controle avançado do processo Flexibilidade incomparável

Industrial. CVI3 Sistema de montagem avançado. More Than Productivity. Soluções integradas Controle avançado do processo Flexibilidade incomparável Industrial Tools 3 Sistema de montagem avançado Soluções integradas Controle avançado do processo Flexibilidade incomparável More Than Productivity Soluções totalmente integradas para aplicações delicadas

Leia mais

Aperfeiçoamento Técnico com respeito ao Profissional.

Aperfeiçoamento Técnico com respeito ao Profissional. Política de Treinamento DME Aperfeiçoamento Técnico com respeito ao Profissional. A DME é uma empresa voltada para o atendimento das necessidades em conclusão e consumo de Energia Elétrica, consagrou-se

Leia mais

Allen-Bradley Logix para interface Profibus PA MANUAL DO USUÁRIO

Allen-Bradley Logix para interface Profibus PA MANUAL DO USUÁRIO Allen-Bradley Logix para interface Profibus PA MANUAL DO USUÁRIO Rev 503 Agosto de 2007 1788HP-EN2PA Manual do Usuário Rev 503 Índice Capítulo 1 Introdução3 Capítulo 2 Operação e Instalação do Módulo4

Leia mais

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO

FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO o PROTOCOLO FOUNDATION FIELDBUS NA INDÚSTRIA DE PROCESSO Sup. Eng. de Aplicação de Sistemas da YokogawaAmérica do Sul Neste trabalho discorre-se sobre a rede foundation fieldbus, situando-a dentro do universo

Leia mais

Interfaces Homem-Máquina

Interfaces Homem-Máquina Interfaces Homem-Máquina www.altus.com.br Muito mais que IHMs Insuperável: gráficos vetoriais em hardware de alto desempenho Interativa: comunicação com diversos dispositivos de automação Intuitiva: biblioteca

Leia mais

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis

Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Desenvolva Sistemas de Medições Distribuídos e Portáteis Henrique Tinelli Engenheiro de Marketing Técnico NI Nesta apresentação, iremos explorar: Plataforma NI CompactDAQ Distribuída Sistemas de Medição

Leia mais

UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida UMG 96S

UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida UMG 96S UMG 96S UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida Os instrumentos de medição universal com montagem embutida da família de produto UMG 96S foram principalmente concebidos para utilização

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO

Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO Industrial SOLUÇÕES EM AUTOMAÇÃO Soluções em Automação INDUSTRIAL TRAINING. STEP 5 Standard ( Básico). Duração: 40 horas. Público Alvo. Este curso se destina a profissionais das áreas de planejamento,

Leia mais

Máquinas seguras de forma rápida e fácil com alta produtividade

Máquinas seguras de forma rápida e fácil com alta produtividade Máquinas seguras de forma rápida e fácil com alta produtividade Explorando as vantagens da tecnologia de segurança integrada siemens.com.br/safety Answers for industry. Safety Integrated propicia fácil

Leia mais

Bem-vindo à geração Nextoo. altus evolução em automação

Bem-vindo à geração Nextoo. altus evolução em automação Bem-vindo à geração Nextoo evolução em automação Série Nexto A nova geração de controladores A Altus apresenta a nova geração de Controladores Programáveis. A Série Nexto foi desenvolvida com o conceito

Leia mais

WirelessHART Manager

WirelessHART Manager Descrição do Produto O uso de tecnologias de comunicação de dados sem fio em sistemas de automação industrial é uma tendência em crescente expansão. As vantagens do uso de tecnologia sem fio são inúmeras

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Comunicado à Imprensa

Comunicado à Imprensa Interpack 2014 Página 1 de 6 Beckhoff na feira Interpack 2014, em Düsseldorf: ao ar livre FG 15-1 Fórum de Soluções Beckhoff: embalagem com economia de recursos com controle baseado em PC A Beckhoff está

Leia mais

Regulador Digital de Tensão DIGUREG

Regulador Digital de Tensão DIGUREG Regulador Digital de Tensão DIGUREG Totalmente digital. Software para parametrização e diagnósticos extremamente amigável. Operação simples e confiável. Ideal para máquinas de pequena a média potência.

Leia mais

CONTROLE INTELIGENTE DE MOTOR

CONTROLE INTELIGENTE DE MOTOR CONTROLE INTELIGENTE DE MOTOR SATISFAÇA HOJE AS NECESSIDADES DE PRODUÇÃO DO FUTURO CONTROLE INTELIGEN PARTE INTEGRAL DE SUA ARQUITETURA INTEGRADA Sabemos que você precisa controlar o rendimento, reduzir

Leia mais

Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser

Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser configurados e instalados em modo redundante Disponibilidade

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores I

Arquitetura e Organização de Computadores I Arquitetura e Organização de Computadores I Interrupções e Estrutura de Interconexão Prof. Material adaptado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Interrupções

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

CPs Altus PROFIBUS-DP

CPs Altus PROFIBUS-DP CPs Altus PROFIBUS-DP Programa do Workshop 1 - Redes de Campo 2 - PROFIBUS 3 - PROFIBUS-DP 4 - PROFIBUS-DP Redundante 5 - CPs Altus PROFIBUS - DP 6 - Série AL-2000 PROFIBUS-DP 7 - Série Quark PROFIBUS-DP

Leia mais

Programação Básica em STEP 7 Comunicação via MPI. SITRAIN Training for Automation and Drives. Página 13-1

Programação Básica em STEP 7 Comunicação via MPI. SITRAIN Training for Automation and Drives. Página 13-1 Conteúdo Página Subredes no SIMATIC... 2 Métodos de Comunicação S7... 3 Conexão MPI...... 4 Opções para Conexão MPI.... 5 Global Data: Visão Geral... 6 Círculos GD... 7 Global Data: Procedimento de Configuração...

Leia mais

CANopen Rede para Máquinas & Instalações

CANopen Rede para Máquinas & Instalações Redes & Arquiteturas - SEB01 PAE CANopen Rede para Máquinas & Instalações Palestrante: Carlos POSSEBOM, Centro de Aplicações - Schneider Electric the Redes & Arquiteturas - SEB01 PAE CANopen Rede para

Leia mais