DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESCRIÇÃO DAS REVISÕES"

Transcrição

1 20/01/29 Página 1 de 13 - PROGRAMA DE EMERGÊNCIAS MÉDICAS E PRIMEIROS DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBS. 20/01/29 Emissão Inicial ELABORAÇÃO: (ÁREA) FUNÇÃO / INICIAIS: R SO / VC APROVAÇÃO: (ÁREA) FUNÇÃO/ INICIAIS: R SSTMA / SFL ANÁLISE CRÍTICA: (ÁREA) FUNÇÃO/ INICIAIS: R SST / RMGC DISTRIBUIÇÃO: (ÁREA) FUNÇÃO/ INICIAIS: R SSTMA / CLT

2 20/01/29 Página 2 de 13 - PROGRAMA DE EMERGÊNCIAS MÉDICAS E PRIMEIROS Í N D I C E P Á G I N A S 1. OBJETIVO 3 2. ABRANGÊNCIA 3 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3 4. DEFINIÇÕES 3 5. RESPONSABILIDADES ANEXOS 13 I II III Lista de Verificação dos Equipamentos Médicos Lista de Verificação do Veículo Ambulância Lista dos Recursos de Apoio Médico Externo IV Protocolo de Atendimento a Acidente com Material Biológico V Modelo de Planilha de Atendimento a Emergências com Material Biológico VI Fluxograma de Atendimento a Emergências Médicas

3 20/01/29 Página 3 de 13 - PROGRAMA DE EMERGÊNCIAS MÉDICAS E PRIMEIROS 1. OBJETIVO De forma integrada com as ações de Organização de Resposta a Situações de Emergência, o Programa Integrado de SSTMA Área de Concentração - Saúde deve ser implementado nos Empreendimentos / Contratos, através da sistemática descrita neste procedimento denominada Programa de Emergências Médicas e Primeiros Socorros - PEMPS. Esse Programa de Emergências Médicas e Primeiros Socorros - PEMPS apresenta os seguintes objetivos: Minimização do perigo à vida dos Integrantes e Subcontratados que pode resultar de uma emergência médica ou exposição acidental; Estabelecer ações de Primeiros Socorros buscando potencializar a sobrevivência da vítima, prevenir / reduzir eventuais seqüelas decorrentes e reduzir o período de tratamento médico; Garantir que as atividades laborais sejam normalizadas o mais rápido possível nos Empreendimentos / Contratos; Fornecer informações e notificar as Agências Governamentais; Manter a credibilidade e a boa reputação da empresa. Fomentar a interação e sinergia entre as ações de Segurança do Trabalho e de Saúde durante eventos de emergências. 2. ABRANGÊNCIA Este procedimento se aplica a todos os Empreendimentos / Contratos em escalas brasileira e internacional. 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Programa de Atividades Operacionais do Serviço de Saúde (PAOSS) Programa Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) Investigação de Incidentes e Acidentes PI-PR-011 PI-PR-051 PI-PR-056 Em termos brasileiros, a Norma Regulamentadora NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde é um documento de referência legal. 4. DEFINIÇÕES Emergência Médica: Casos de agravo à saúde causada por incidentes / acidentes e / ou doenças agudas, associadas ou não a uma situação de emergência.

4 20/01/29 Página 4 de 13 - PROGRAMA DE EMERGÊNCIAS MÉDICAS E PRIMEIROS Acidente É um incidente que resultou em lesão, doença ou morte. Doença Condição mental, física ou social adversa identificável surgida e / ou agravada em função de uma atividade ocupacional ou relacionada ao trabalho. Cenário / Situação de Emergência Eventos ou condições não planejadas e identificáveis, com potencial de causar poluição ou riscos à segurança e saúde no trabalho, implicando em estado de perturbação parcial ou total do Empreendimento / Contrato e exigindo, em função de sua extensão e graduação, procedimentos especiais e / ou requerendo auxílio externo. Normalmente, são exemplos: incêndios, explosões, vazamentos em equipamentos e / ou de líquidos perigosos e / ou inflamáveis, acidentes de transporte, derramamento de combustíveis, acidentes de trabalho, intoxicação alimentar, falha e / ou colapso de estruturas e sistemas de controle ambiental, etc. Classificação das Emergências Médicas: Nível OPG Ocorrência de Pequena Gravidade: São ocorrências associadas a lesões ou doenças que não apresentam perigo de vida ou seqüela, não requerendo intervenções imediatas na vítima, podendo ser resolvidas no próprio Serviço de Saúde do Empreendimento / Contrato. Por exemplo: contusões leves, escoriações, pequenos ferimentos cortantes, queimaduras de 1º grau, irritação ocular, picadas de insetos, diarréias leves, cefaléias, náuseas, dor de dente e outras situações. Nível OMG Ocorrência de Média Gravidade: São ocorrências associadas a lesões ou doenças com alteração do estado de saúde da vítima, porém, sem o perigo iminente de vida ou de seqüela, com atendimento inicial em nível do Serviço de Saúde do Empreendimento / Contrato, havendo necessidade de atenção médica complementar. Por exemplo: entorses ou contusões médias com e sem suspeita de fratura, corte e lacerações com necessidade de sutura, corpo estranho ocular, queimaduras 2º grau, dor abdominal e febre, vômitos, desmaios, crise hipertensiva, cólicas ou dores mais intensas, falta de ar. Nível OAG Ocorrência de Alta Gravidade: São ocorrências associadas a lesões ou doenças com alterações importantes do estado de saúde da vítima com perigo iminente de vida ou de seqüela, requerendo ação local de todo o Serviço de Saúde do Empreendimento / Contrato para estabilização do quadro e remoção imediata para Rede de Atendimento Médico de Apoio.

5 20/01/29 Página 5 de 13 - PROGRAMA DE EMERGÊNCIAS MÉDICAS E PRIMEIROS Por exemplo: parada cardiorrespiratória, traumatismos de crânio ou coluna, convulsões ou inconsciência, lesões oculares graves, fraturas expostas, amputações traumáticas, esmagamento, hemorragias, queimaduras de 3 ou 2º graus extensas, queimaduras elétricas, acidentes com animais peçonhentos ou intoxicações. 5. RESPONSABILIDADES Diretor de Contrato Assegurar os recursos financeiros, materiais, humanos e de apoio para implementação deste Programa de Emergências Médicas e Primeiros Socorros; Autorizar a realização de Exercícios Simulados de emergência médica para teste da eficácia do Programa. Administrativo / Financeiro Apoiar o Diretor de Contrato na alocação dos recursos financeiros essenciais à implementação do Programa de Emergências Médicas e Primeiros Socorros; Equipe Dirigente Apoiar a implementação do Programa de Emergências Médicas e Primeiros Socorros em suas áreas de competência. Médico do Trabalho Elaborar, atualizar e avaliar a eficácia do Programa de Atendimento a Emergências Médicas e Primeiros Socorros; Implementar o Programa de Atendimento a Emergências Médicas e Primeiros Socorros; Avaliar a gravidade da vítima e efetuar o devido enquadramento da Ocorrência em um dos Níveis de Emergência Médica (OPG, OMG, OAG); Coordenar a Equipe de Saúde do Empreendimento / Contrato; Coordenar a Equipe de Resgate; Manter o Diretor de Contrato e a Equipe Dirigente informados sobre a evolução da emergência médica;

6 20/01/29 Página 6 de 13 - PROGRAMA DE EMERGÊNCIAS MÉDICAS E PRIMEIROS Estruturar o Serviço de Saúde do Empreendimento / Contrato com os equipamentos e medicamentos para o adequado atendimento de Emergências, em função dos Perigos / Riscos identificados nas APNRs Análise Preliminar de Níveis de Risco; Solicitar recursos adicionais externos em emergências médicas, sempre que necessário; Identificar necessidades de competência e treinamento da equipe de saúde e dos integrantes para o atendimento de Emergências Médicas e Primeiros Socorros e comunicar a área de SSTMA para elaboração / atualização do Programa de Treinamento do Empreendimento / Contrato; Identificar e contatar recursos médicos de apoio na região do Empreendimento / Contrato compatível com as necessidades e Perigos / Riscos identificados nas APNRs; Planejar e avaliar os exercícios simulados deste Programa, em conjunto com a Segurança do Trabalho. Técnico de Enfermagem do Trabalho Prestar os Primeiros Socorros à vítima, sob orientação do Médico do Trabalho, incluindo-se as ações de prevenção a soro conversão de doenças; Inspecionar periodicamente, ou quando se fizer necessário, os recursos de infra-estrutura associados à sala de emergência, respectivos conteúdos da ambulância e demais veículos de resgate, para verificação das condições operacionais e a disponibilidade de medicamentos e materiais de emergência médica. O Anexo I apresenta um modelo de Lista de Verificação LV; Coordenar a Equipe de Resgate na ausência do Médico do Trabalho; Comunicação com os recursos médico-hospitalares de apoio da região do Empreendimento / Contrato, via telefônica, informando o deslocamento e o estado de saúde da vítima ao Serviço de Saúde externo determinado; Acompanhar o transporte da vítima, quando necessário se fizer; Elaborar, disponibilizar e manter atualizadas as Listas de Comunicações Médicas Internas e Externas em pontos estratégicos dos Empreendimentos / Contratos. Auxiliar de Enfermagem do Trabalho quando existir Prestar os Primeiros Socorros à vítima, sob orientação do Técnico de Enfermagem do Trabalho ou do Médico do Trabalho, incluindo-se as ações de prevenção a soro conversão de doenças;

7 20/01/29 Página 7 de 13 - PROGRAMA DE EMERGÊNCIAS MÉDICAS E PRIMEIROS Na ausência do Técnico de Enfermagem do Trabalho, inspecionar periodicamente, ou quando se fizer necessário, a sala de emergência e o conteúdo da ambulância e demais veículos de resgate para verificação das condições operacionais e a disponibilidade de medicamentos e materiais de emergência médica, nos termos do modelo de Lista de Verificação constante do Anexo I; Na ausência do Médico do Trabalho e do Técnico de Enfermagem do Trabalho, deve coordenar a Equipe de Resgate ao Acidentado ou vitimado por mal-súbito; Na ausência do Técnico de Enfermagem, acompanhar o transporte da vítima, sempre que necessário. Segurança do Trabalho Garantir compatibilidade e sinergia entre as ações de mitigação / controle descritas no Plano de Atendimento a Emergências dos Empreendimentos / Contratos com este Programa em termos de atuação das Brigadas de Emergência / Equipe de Resgate; Planejar e avaliar os exercícios simulados deste Programa, em conjunto com o Médico do Trabalho; Equipe de Resgate ou Brigada de Emergência Realizar as ações de observação inicial da vítima e do local do evento de emergência médica, sob a orientação do Líder da Brigada de Emergência; Solicitar a presença da Equipe de Saúde para o atendimento / remoção da vítima; Efetuar o isolamento da área de ocorrência da emergência e auxiliar a Equipe de Saúde a prestar os Primeiros Socorros à vítima;. Condutor da Ambulância e / ou Veículos de Resgate Condução defensiva e segura da vítima até o Serviço de Saúde do Empreendimento / Contrato ou local de apoio externo conveniado; Manter a ambulância e demais veículos de resgate abastecidos com o tanque cheio; Manter o veículo limpo, higienizado e organizado, efetuando, entre outras ações, a troca de lençóis da maca interna sempre após uma remoção; Assegurar a operacionalidade dos veículos ambulância e outros de resgate, através de Inspeções periódicas, com base na aplicação de Lista de Verificação LV, conforme modelo apresentado no Anexo II; Conhecer os trajetos viários aos serviços médicos externos de apoio; Verificar periodicamente eventuais obstruções e / ou interferências no trânsito interno do Empreendimento / Contrato, em função de avanços ou mudanças nas Frentes de Trabalho;

8 20/01/29 Página 8 de 13 - PROGRAMA DE EMERGÊNCIAS MÉDICAS E PRIMEIROS Atender aos requisitos de competência legal para o exercício da função, conforme requisitos legais vigentes em cada País. No caso brasileiro, ser maior de 21 anos, possuir Carteira Nacional de Habilitação - Categoria D, treinamento em Direção Defensiva, Primeiros Socorros e Condutor de Veículo de Emergências, conforme previsto na Lei Federal 9503/97 e Portaria CONTRAN 168/ Organização de Resposta a Emergências Médicas Em complemento à Organização de Resposta a Emergências do Empreendimento / Contrato, a estrutura para atuação em Emergências Médicas e Primeiros Socorros deve ser composta pelos seguintes componentes: Equipe de Saúde: é um grupo formado pelos integrantes do Serviço de Saúde do Empreendimento / Contrato (Médico do Trabalho, Enfermeiro do Trabalho, Auxiliar de Enfermagem do Trabalho, Condutor da Ambulância, etc); Equipe de Resgate / Brigada de Emergência: é um grupo com composição definida em cada Empreendimento / Contrato, devendo envolver integrantes da Segurança do Trabalho, Produção e Administrativo, devidamente treinados em Primeiros Socorros visando o atendimento inicial da emergência médica e eventual transporte da vítima para o Serviço de Saúde local ou para a ambulância. A forma operacional de atuação desse Grupo deve estar descrita em procedimento local, segundo recursos, capacidade instalada, magnitude dos Perigos / Riscos e demais peculiaridades do Empreendimento / Contrato associadas, por exemplo, à infra-estrutura de atendimento externo à emergência, distâncias de deslocamento, etc Recursos do Empreendimento / Contrato Os Empreendimentos / Contratos devem descrever em seus Programas de Emergências Médicas e Primeiros Socorros locais, os recursos internos disponíveis para atuação do Serviço de Saúde nesses eventos, os quais devem incluir: Descrição do Serviço de Saúde (Ambulatório) e seus recursos para atuação em emergência; Unidades móveis para resgate / atendimento / transporte de vítimas; Materiais disponíveis no Serviço de Saúde para atendimento de emergências; Medicamentos de Emergência disponíveis no Serviço de Saúde e Frentes de Trabalho. A relação de materiais e medicamentos deve compor um anexo do Programa local.

9 20/01/29 Página 9 de 13 - PROGRAMA DE EMERGÊNCIAS MÉDICAS E PRIMEIROS 6.3. Recursos Externos de Serviços Médicos de Apoio Os Empreendimentos / Contratos devem identificar, selecionar e relacionar os Serviços Médicos de Apoio externos disponíveis na região para atuação nas emergências médicas devendo incluir informações tais como: Nome da Instituição, Especialidade, Endereço, Telefone, Pessoa de Contato, etc., nos termos do Anexo III. Esta listagem pode incluir também outros serviços de apoio ao atendimento, assim como lista de telefones úteis, tais como Corpo de Bombeiros e etc Trajetos aos Serviços Médicos de Apoio Externos Os Empreendimentos / Contratos devem identificar o trajeto de menor tempo possível a Unidade Hospitalar mais próxima, assim como, o tempo simulado de percurso. Essa definição de trajeto e de rota alternativa devem ser identificadas e se constituir em anexo desse Programa Comunicações durante as Emergências Médicas Visando-se assegurar rápida resposta e eficácia nas ocorrências de eventos de emergência médica devem ser atendidos requisitos de comunicação. A Equipe de Saúde deve ser acionada via rádio, em freqüência de emergência ou através de telefone com ramal específico e pré-estabelecido e / ou pessoalmente. Nessa comunicação devem ser repassadas informações precisas, tais como: Localização da ocorrência; Nível de gravidade; Número de vítimas; Tipo de ocorrência, equipamento / máquina / estrutura envolvida. A comunicação deve ser objetiva e discreta, no intuito de preservar a ética médica e sem causar a presença de curiosos ao local da ocorrência Ações Operacionais nas Emergências Médicas De forma alinhada com as ações de mitigação / controle constantes do Procedimento de Atendimento a Situações de Emergências dos Empreendimentos / Contratos, a Equipe de Saúde e demais envolvidos em emergências médicas devem atender as seguintes ações operacionais durante e após as emergências:

10 20/01/29 Página 10 de 13 - PROGRAMA DE EMERGÊNCIAS MÉDICAS E PRIMEIROS Durante as Emergências Ocorrências de Pequena OPG e Média Gravidade OMG Informar a Equipe de Saúde e acompanhar o integrante ao Serviço de Saúde para que receba atendimento adequado. O vitimado deve ser transportado para o Serviço de Saúde pela Equipe de Resgate / Brigada de Emergência, se acionada, pelo Encarregado / Responsável pelo Setor envolvido da Vítima ou, se adequado, com recursos próprios sempre após ciência do Responsável / Liderança. Os eventos de Pequena Gravidade OPG devem, sempre que possível, ser resolvidos em nível local do Empreendimento / Contrato e os de média gravidade OMG podem necessitar de atendimento complementar da rede de apoio identificada. Ocorrências de Alta Gravidade OAG O Médico do Trabalho, o Condutor da Unidade Móvel e o Técnico de Enfermagem devem dirigir-se com a Ambulância ao local da ocorrência. Os Técnicos de Segurança do Trabalho do Empreendimento / Contrato e da empresa Subcontratada / Prestadora de Serviços, se o caso, também devem seguir para o local do evento, atuando de acordo com o Plano de Atendimento a Emergência do Empreendimento / Contrato. A Equipe de Saúde inicia o atendimento a vítima, sendo a mobilização e a remoção da vítima, caso necessário, executada com a devida proteção da coluna vertebral utilizando-se para tanto colares cervicais e pranchas, que devem estar disponíveis no Empreendimento / Contrato. Transportar a vítima para o Serviço de Saúde, acessando-o exclusivamente pela Sala de Emergência, onde o Médico do Trabalho complementa a avaliação clínica e demais ações necessárias (curativos, imobilizações, punções venosas, estabilização e eventual deslocamento à Rede Médica de Apoio). Em situação de especial gravidade a vítima deve ser conduzida diretamente à rede médica de apoio, para atendimentos de urgência e emergências. A ambulância deve ser conduzida com o sinalizador luminoso acionado, em velocidade compatível com as condições de tráfego sem colocar em risco seus passageiros e somente usar o sinal sonoro / sirene quando absolutamente necessário em locais de trânsito intenso. Assim que possível, o Médico de Trabalho deve registrar o atendimento à situação de emergência médica em formulário definido pelo próprio do Empreendimento / Contrato. Na presença de acidente com óbito, a equipe de saúde deve auxiliar o isolamento da área, para manter preservadas as suas características, não mexer ou remover a vítima e aguardar a presença de autoridades competentes.

11 20/01/29 Página 11 de 13 - PROGRAMA DE EMERGÊNCIAS MÉDICAS E PRIMEIROS No caso brasileiro, autoridade policial e representante do Ministério do Trabalho e Emprego. Nas situações em que se removeu o acidentado para atendimento e ocorreu o óbito, o corpo do acidentado deve permanecer na unidade de atendimento até a sua liberação por autoridade competente local. NOTAS: 1. Em situações de incidentes com materiais biológicos (acidentes com perfuro-cortantes e outros, tais como contaminação de mucosas e de lesão pré-existente de pele com sangue ) a tratativa a ser adotada esta descrita no Anexo IV - Protocolo de Atendimento a Acidente com Material Biológico. 2. Os Serviços de Saúde devem afixar nos locais de procedimentos médicos a planilha PAMB Plano de Atendimento a Emergências com Material Biológico, com orientações resumidas do Protocolo de Atendimento a Acidentes com Material Biológico. O Anexo V apresente a ferramenta Após as Emergências O monitoramento da evolução do acidentado ou vitimado por mal-súbito internado em Hospital de Apoio deve ser conduzido pelo Médico do Trabalho, através de visitas periódicas. Em casos de Acidentes do Trabalho a equipe de segurança do trabalho, juntamente com a equipe de saúde devem conduzir uma investigação das causas básicas / raiz que envolveram ou que concorreram para a geração do evento, conforme rotina descrita no procedimento PI-PR-056- Investigação de Incidentes / Acidentes. Nos termos da legislação brasileira, se exigido, emitir a CAT Comunicação de Acidente do Trabalho. Uma avaliação de todas as ações desenvolvidas na Emergência Médica, com o propósito de identificar Não-Conformidades e adotar ações corretivas e de melhoria contínua dos processos deve ser realizada com a participação de todos os envolvidos. Os Perigos / Riscos que a Equipe Médica / de Resgate / Brigada de Emergência e demais envolvidos estejam expostos durante e / ou após a ocorrência médica devem ser identificados pelos Empreendimentos / Contratos de acordo com a sistemática de Análise Preliminar de Níveis de Risco e monitorados pelo Serviço de Saúde Exercícios Simulados Periodicamente, as Áreas de Saúde e de Segurança do Trabalho devem agendar datas para realização de Simulados de Emergências Médicas, visando uma avaliação da eficácia deste Procedimento.

12 20/01/29 Página 12 de 13 - PROGRAMA DE EMERGÊNCIAS MÉDICAS E PRIMEIROS Podem ser realizados Exercícios Simulados apenas de partes do Programa de Emergências Médicas e Primeiros Socorros, como por exemplo, Primeiros Socorros, ações de remoção e transporte do acidentado, comunicação, ações operacionais, etc. O Diretor de Contrato e as áreas Administrativa e Financeira, de Saúde e de Segurança, em conjunto, devem avaliar a necessidade ou não de informar previamente, a realização de simulado a todo o Empreendimento / Contrato ou parte dele. O Planejamento do Exercício Simulado, feito sob a responsabilidade conjunta das Áreas de Saúde e de Segurança, com a participação do Responsável pelo Setor envolvido na simulação, deve contemplar os seguintes itens: Objetivo do simulado; Tipo do simulado; Situação proposta; Ações de Emergência Médica propostas. O Simulado deve ser avaliado dentro de um período de até 72 (setenta e duas) horas após a sua realização. Os Empreendimentos / Contratos devem listar com nome, especialidade, endereço e números de telefones, dos serviços médicos de apoio ao atendimento à emergência médica e primeiros socorros, nos termos do Anexo III. Esta listagem pode incluir também outros serviços de apoio ao atendimento, assim como lista de telefones úteis, tais como Corpo de Bombeiros e etc. O nome do Médico Coordenador / Examinador e os meios de contato devem estar identificados neste programa e no fluxograma de atendimento a emergências médicas, conforme Anexo VI. O acompanhamento do Acidentado ou vitimado por mal-súbito, já internado em Hospital de Apoio, deve ser diário e feito pelo Médico Coordenador / Examinador, em conjunto com os Médicos do quadro clínico do Serviço de Apoio FLUXOGRAMA- ATENDIMENTO A EMERGÊNCIAS MÉDICAS O Anexo VI apresenta um modelo de fluxograma de Atendimento a Emergências Médicas. O nome do Médico Coordenador / Examinador e os meios de contato devem estar identificados neste fluxograma de atendimento a emergências médicas.

13 20/01/29 Página 13 de 13 - PROGRAMA DE EMERGÊNCIAS MÉDICAS E PRIMEIROS 6.8. RASTREABILIDADE Os Empreendimentos / Contratos devem considerar como registros gerados pelo Programa de Emergências Médicas e Primeiros Socorros, os seguintes documentos: Listas de Presença dos Treinamentos; Relatórios de Atendimento a Emergências Médicas; Avaliações dos Exercícios Simulados. Lista de Verificação L.V do veículo Ambulância. Lista de Verificação L.V dos Equipamentos Médicos. Esses registros devem ser controlados nos termos da sistemática definida no procedimento PI-PR-058 Controle de Documentos e Registros 7. ANEXOS I Lista de Verificação dos Equipamentos Médicos II Lista de Verificação do Veículo Ambulância III Lista dos Recursos de Apoio Externo IV Protocolo de Atendimento a Acidente com Material Biológico. V Modelo de Planilha de Atendimento a Emergências com Material Biológico VI Fluxograma de Atendimento a Emergências Médicas

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5 Página 2 de 5 1 OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo o estabelecimento das diretrizes para elaboração de procedimentos técnicos e administrativos a serem adotados em situações emergenciais, tais

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA

CÓPIA NÃO CONTROLADA 2/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. CONDIÇÕES GERAIS... 3 2.1. Campo de Aplicação... 3 2.2. Responsabilidades... 3 2.2.1. Diretor do Projeto... 3 2.2.2. Diretor de Construção... 3 2.2.3. Demais Diretores e

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 02/03/29 Página 1 de 23 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 02/03/29 Emissão Inicial ELABORAÇÃO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R STMA / RMGC APROVAÇÃO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R SSTMA / SFL ANÁLISE

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 20/11/28 Página 1 de 14 - MONITORAMENTO, MEDIÇÃO E MENSURAÇÃO DE DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 20/11/28 Emissão Inicial RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES

DESCRIÇÃO DAS REVISÕES 21/11/28 Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 21/11/28 Emissão Inicial RESPONSÁVEL PELO DOCUMENTO: (ÁREA) FUNÇÃO/INICIAIS: R SO / VC RESPONSÁVEL PELA DISTRIBUIÇÃO : (ÁREA)

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

NR 35 Trabalho em Altura

NR 35 Trabalho em Altura Professor Flávio Nunes NR 35 Trabalho em Altura CLT: Art.200 www.econcursando.com.br 1 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para

Leia mais

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio.

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio. OBJETIVO O PGR - Programa de Gerenciamento de Risco e PAE - Plano de Ação de Emergências são parte integrante do PBA Plano Básico Ambiental da Estrada-Parque Visconde de Mauá, que compreende a identificação,

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Auxiliar de Farmácia

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Auxiliar de Farmácia Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código:136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO) Procedimento PREPARAÇÃO E RESPOSTA A EMERGENCIA PR.11 Revisão: 00 Página 1 de 4 1. OBJETIVO Estabelecer e manter planos

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

Comunicação investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho

Comunicação investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho 1. OBJETIVO Padronizar e estabelecer requisitos mínimos para a comunicação, investigação e análise de quase acidentes e acidentes do trabalho. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Nas dependências e em atividades externas

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios:

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: 1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: a) é elaborada por proposta da área de gestão de continuidade de negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob

Leia mais

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS

OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES 4 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 5 TERMINOLOGIA 6 DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE GESTÃO DE MUDANÇAS Impresso em 26/08/2015 10:31:18 (Sem título Aprovado ' Elaborado por Daniel Trindade/BRA/VERITAS em 01/11/2013 Verificado por Cintia Kikuchi em 04/11/2013 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em

Leia mais

ANEXO III METAS DE PRODUÇÃO: POR SERVIÇO. AÇÕES METAS INDICADORES RESULTADOS 1. Recursos Humanos: 1.

ANEXO III METAS DE PRODUÇÃO: POR SERVIÇO. AÇÕES METAS INDICADORES RESULTADOS 1. Recursos Humanos: 1. ANEXO III METAS DE PRODUÇÃO: POR SERVIÇO AÇÕES METAS INDICADORES RESULTADOS 1. Recursos Humanos: 1. 1. 1. Prestar serviços ao CONSAVAP na Manter o sistema funcionando 100% de efetividade no Serviço operante

Leia mais

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados

NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados NR.33 Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados O objetivo desta NR é estabelecer os requisitos mínimos para identificação de espaços confinados e o reconhecimento, avaliação, monitoramento

Leia mais

INDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS

INDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Nº PE 4604.52-6270-948-SMS-011 CLIENTE: PROGRAMA: ÁREA: PETROBRAS MODERNIZAÇÃO DO PONTO DE ENTREGA DE ARAÇAS FOLHA 1/12 TÍTULO: ENGENHARIA/IENE /IETEG/CMIPE PLANO DE EMERGÊNCIAS MEDICAS E PRIMEIROS SOCORROS

Leia mais

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE

Manual de Assistência 24 horas. Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE Manual de Assistência 24 horas Assistência 24 Horas AUTOCONTROLE I. Assistência 24 Horas 1. Descrição da Assistência 24 Horas Prestação de atendimento ao cliente/usuário através da administração de rede

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo estabelecer diretrizes para elaboração do Plano de Emergência para Transporte de Produtos Perigosos. O plano deverá garantir de imediato, no ato

Leia mais

Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho

Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho Anexo 1.4-5 - Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho 1 pág de 16 Programa de Proteção ao Trabalhador e Segurança no Ambiente de Trabalho 2 pág de 16 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT. Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013

Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT. Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013 Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013 Fase: Diagnóstico Eloisa Barroso de Mattos Nutricionista Raquel Leão Firmino Reis

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo.

O presente resumo não dispensa a leitura atenta do Parecer anexo. Recomendações Jurídico-Trabalhistas Interessados: Federação das Associações de Arrozeiros do Estado Rio Grande do Sul Federarroz e Outros Assunto: Resumo Referente Às Obrigações Patronais Trabalhistas

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES

CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI ANALISTA DE GESTÃO RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES CELG DISTRIBUIÇÃO S.A EDITAL N. 1/2014 CONCURSO PÚBLICO ANALISTA DE GESTÃO ANALISTA DE SISTEMA ÊNFASE GOVERNANÇA DE TI RESPOSTAS ESPERADAS PRELIMINARES O Centro de Seleção da Universidade Federal de Goiás

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

NR-15 (Texto para Consulta Pública)

NR-15 (Texto para Consulta Pública) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para alteração da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

Inclui no "Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração" as ementas referentes à Norma Regulamentadora nº 33

Inclui no Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração as ementas referentes à Norma Regulamentadora nº 33 SIT - Portaria nº 39/2008 25/2/2008 PORTARIA SIT Nº 39, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2008 DOU 25.02.2008 Inclui no "Ementário - Elementos para Lavratura de Autos de Infração" as ementas referentes à Norma Regulamentadora

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos

Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos Gerenciamento de Riscos do Projeto Eventos Adversos 11. Gerenciamento de riscos do projeto PMBOK 2000 PMBOK 2004 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos 11.1 Planejamento de gerenciamento de riscos

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE

EDITAL DE LICITAÇÃO CONCORRÊNCIA Nº 017/2015 ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE ANEXO Q12 DIRETRIZES DE SAÚDE, MEIO AMBIENTE E SEGURANÇA PARA CONTRATOS SERVIÇOS ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA E COMPLEMENTARES 3. NOMENCLATURA 4. DEFINIÇÕES 5. RESPONSABILIDADES 6. REQUISITOS

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012

RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012 RESOLUÇÃO - RDC Nº 23, DE 4 DE ABRIL DE 2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade de execução e notificação de ações de campo por detentores de registro de produtos para a saúde no Brasil. A Diretoria Colegiada

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR

AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR Normas NR: NA 6 Pág: 1/1 AVALIAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE RADIOLOGIA, DIAGNÓSTICO POR IMAGEM, RADIOTERAPIA E MEDICINA NUCLEAR 1. Objetivo Sistematizar a metodologia de Avaliação das

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014 Dispõe sobre a aprovação do Documento Acessório Comum Política de Gestão de Riscos,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 CONCEITOS... 3 4 ESTRUTURA NORMATIVA...

Leia mais

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo A Norma Regulamentadora 9 estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação,

Leia mais

1. Esta Política institucional de gestão de continuidade de negócios:

1. Esta Política institucional de gestão de continuidade de negócios: 1. Esta Política institucional de gestão de continuidade de negócios: a) é elaborada por proposta da área de gestão de continuidade de negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob

Leia mais

Manual básico para novos servidores SEGURANÇA DO TRABALHO

Manual básico para novos servidores SEGURANÇA DO TRABALHO Manual básico para novos servidores SEGURANÇA DO TRABALHO Sorocaba Março de 2014 SEGURANÇA DO TRABALHO É a atividade desenvolvida por profissionais que compõem o SESMT (Serviço Especializado em Segurança

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

BINACIONAL ALCÂNTARA CYCLONE SPACE

BINACIONAL ALCÂNTARA CYCLONE SPACE N.º: PRO-0001-DG BR- GSA Página 1 de 5 Responsabilidade Técnica: Josildo L. Portela - Gerência Socioambiental Necessidade de Treinamento: Sim Público-alvo: Responsáveis por veículos a Diesel, Gestores

Leia mais

PAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA

PAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA PAE PROGRAMA DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Quattor UN QB e PE / DCX REVISÃO MODIFICAÇÃO DATA 0 Emissão Inicial 31.03.2006 1 Revisão conforme solicitação do Subcomitê de Análise de Risco a acréscimo do hiperlink

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? Objetivos da APR Entre os principais objetivos da análise preliminar de risco, podemos destacar:

O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? Objetivos da APR Entre os principais objetivos da análise preliminar de risco, podemos destacar: O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? A expressão APR significa Análise Preliminar de Risco é muito utilizada no dia-a-dia dos profissionais da área de segurança e saúde do trabalho. APR é uma técnica

Leia mais

MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: GESTÃO HOSPITALAR

MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: GESTÃO HOSPITALAR MARATONA DO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO DESCRITIVO TÉCNICO DA OCUPAÇÃO DE: GESTÃO HOSPITALAR 2015/2016 1. INTRODUÇÃO Nome da Ocupação: Tecnologia em Gestão Hospitalar Descrição da ocupação: O tecnólogo em

Leia mais

Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores

Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores A Cisco Systems, Inc. (Cisco) tomará todas as medidas práticas e razoáveis para garantir a segurança do local de trabalho

Leia mais

Política de Segurança da Informação

Política de Segurança da Informação Segurança da Informação BM&FBOVESPA Última revisão: maio de 2014 Uso interno Índice 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. CONCEITOS... 3 4. ESTRUTURA NORMATIVA... 3 5. DIRETRIZES... 4 6. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Título: Tipo do Documento: SubTipo: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Plano de Controle a Emergências

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. Procedimento de Gestão OGX Denominação: Tratamento de não conformidades, ações corretivas e preventivas PG.SMS.015 SUMÁRIO Este procedimento define a sistemática utilizada na identificação, registro e

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS

IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS Versão: 02 Página 1 de 5 1. OBJETIVO: Definir a metodologia para identificar e avaliar os aspectos e impactos ambientais, a fim de determinar as medidas necessárias para controle. 2. APLICAÇÃO: Este procedimento

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO IDENTIFICAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E CADASTRO DE CLIENTES

PROCEDIMENTOS DE PREVENÇÃO À LAVAGEM DE DINHEIRO E AO FINANCIAMENTO DO TERRORISMO IDENTIFICAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E CADASTRO DE CLIENTES SUMÁRIO ITEM INDICE FOLHAS 1 Diretriz 2 2 Objetivo 2 3 Referencias 2 4 Funções Envolvidas 2 5 Procedimentos 2 6 Formulários Aplicáveis 6 7 Avaliação da Eficácia 7 REGISTRO DAS ALTERAÇÕES REVISÃO DATA ALTERAÇÃO

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão

Procedimento Operacional Padrão Data de Vigência: Página 1 de 6 1- Objetivo: Estabelecer e padronizar os procedimentos a serem adotados na ocorrência de acidentes de trabalho com empregados da Sede Inspetorial, Departamentos e Filiais

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ORDEM DE SERVIÇO Nº 1/SETIN, DE 30 DE SETEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, no

Leia mais

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Sustentabilidade Para garantir um futuro próspero às próximas gerações, nós fomentamos a Sustentabilidade como um pilar fundamental para o

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Rodrigues de Abreu Código: 135 Município: Bauru Eixo Tecnológico: Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SEGURNAÇA

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM NOV/2009 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004

MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 MINISTÉRIO DA SAÚDE (MS) - 2004 INTRODUÇÃO Última edição do Manual (revista e atualizada): 2006 Objetivo: Implantação do Serviço de Atendimento Móvel às Urgências Atende aos princípios e diretrizes do

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Realizar o gerenciamento dos projetos desde o seu planejamento, desenvolvimento, recebimento, análise crítica, controle e distribuição nas obras. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Manual

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Professor GILBERTO MARTIN

Plano de Trabalho Docente 2013. Professor GILBERTO MARTIN 1 Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município:CASA BRANCA - SP Área Profissional: SAÚDE, AMBIENTE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10

Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU. Nota Técnica nº 10 Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Saúde Complexo Regulador Estadual Central de Regulação das Urgências/SAMU Nota Técnica nº 10 LIBERAÇÃO E SOLICITAÇÃO DE AMBULÂNCIA DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

UNIDADE RESPONSÁVEL: Secretaria de Saúde, Departamento de Frotas e Demais Estrutura Administrativa e Logisticado Município.

UNIDADE RESPONSÁVEL: Secretaria de Saúde, Departamento de Frotas e Demais Estrutura Administrativa e Logisticado Município. Fls.: 1 de 5 INSTRUÇÃO NORMATIVA SPP Nº 002/2011 VERSÃO: 001/2011 APROVAÇÃO EM: 20 de julho de 2011 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto nº 20/2011 UNIDADE RESPONSÁVEL: Secretaria de Saúde, Departamento de Frotas

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta.

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. 06/IN01/DSIC/GSIPR 01 11/NOV/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações GESTÃO DE CONTINUIDADE DE NEGÓCIOS EM SEGURANÇA DA

Leia mais

NR.35 TRABALHO EM ALTURA

NR.35 TRABALHO EM ALTURA NR.35 TRABALHO EM ALTURA Objetivo e Campo de Aplicação Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o planejamento, a organização e a execução,

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO 1 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO PORTARIA Nº 3.214 DE 08/06/78 - NR7 (com redação dada pela Portaria nº 24 de 29/12/94 e Portaria nº 8 de 08/05/96) DO OBJETO A Norma Regulamentadora

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL PARTE: I Conceitos da gestão ambiental Aplicação: micro, pequenas e médias empresas. Referência: Norma NBR ISO 14001:2004 Tempo para implantação: de 5 à 12 meses. Duas Momentos (fases): planejamento implementação

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1. OBJETIVO O Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações, de identificação

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes.

Aplica-se obrigatoriamente a todas as áreas que possuem empresas contratadas na Vale Fertilizantes. Responsável Técnico: Alex Clementino Ferreira Gerência de Sistema de Gestão Público-alvo: Empregados designados para realizarem as auditorias. 1. OBJETIVO Nº: PGS-3209-82-04 Pág.: 1 de 8 Código de Treinamento:

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5. OG Procedimento de Gestão PG.SMS.014 Denominação: Auditoria Interna do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento estabelece premissas básicas sobre os critérios de planejamento e princípios a

Leia mais

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho

SIMULADOS - Professor Flávio Nunes Segurança e Saúde no Trabalho 1. Com base na CLT e com a Norma Regulamentadora 07 (PCMSO), julgue os itens a seguir. I. Quando na fase de reconhecimento dos riscos ambientais não for detectado risco específico, o controle médico poderá

Leia mais