5 o Seminário Internacional de Suinocultura. 27 e 28 de setembro de 2000 Expo Center Norte, SP. Anais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "5 o Seminário Internacional de Suinocultura. 27 e 28 de setembro de 2000 Expo Center Norte, SP. Anais"

Transcrição

1

2 5 o Seminário Internacional de Suinocultura 27 e 28 de setembro de 2000 Expo Center Norte, SP Anais

3 Exemplares desta publicação podem ser solicitados a: Gessulli Eventos Caixa Postal Porto Feliz, SP e mail: Tiragem: 700 exemplares Coordenação Editorial: 1 Comissão de Suporte Técnico da Embrapa Suínos e Aves: e mail: Tânia Maria Biavatti Celant Paulo R. S. da Silveira Simone Colombo Flávio Bello Fialho Irene Z. P. Camera SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE SUINOCULTURA, 5., 2000, São Paulo, SP. Anais do 5 o Seminário Internacional de Suinocultura. Concórdia: Embrapa Suínos e Aves, p. 1. Suinocultura congresso. I. Título. CDD c EMBRAPA As palestras foram formatadas diretamente dos originais enviadas em disquete pelos autores.

4 CO-PROMOÇÃO Embrapa Suínos e Aves ORGANIZAÇÃO Gessulli Eventos iii

5 PATROCÍNIO Agribrands do Brasil Ltda Pharmácia Upjohn APOIO ABCS APCS iv

6 COORDENADOR TÉCNICO Luciano Roppa ORGANIZADOR Osvaldo Penha Gessulli COORDENADORA DO EVENTO Célia Regina Gazzi AGRADECIMENTOS ABCS APCS Embrapa Suínos e Aves v

7 APRESENTAÇÃO Entrando em sua quinta edição, o Seminário Internacional de Suinocultura passa a ocupar um espaço definitivo no calendário de eventos de nosso país. Trata-se de um evento para Empresários (Criadores e Técnicos), que nele buscam a ampliação dos seus conhecimentos para enfrentar os problemas diários de seus empreendimentos. Nesta 5 a edição, o programa estará voltado à três dos principais fatores que direcionarão os sistemas de produção do futuro: Proteção ao Meio Ambiente, Bem-Estar dos Animais e Genética e Marketing da Carne Suína. No Painel de Genética e Marketing da Carne Suína, o seminário abordará aos avanços mais recentes em melhoramento genético e o arrojado trabalho de marketing para aumentar o consumo da carne suína em nosso país. No Painel de Produção, abordaremos os rumos da suinocultura brasileira em relação aos mega projetos, sistemas integrados e independentes, a nutrição como ferramenta essencial para maximizar o potencial produtivo dos suínos e como coadjuvante no controle da poluição ambiental. O Painel sobre Bem-Estar dos Suínos, inicia-se com uma definição das boas condições de criação e continua com uma completa abordagem sobre o sistema Deep Bedding, que começa a ser amplamente usado nos Estados Unidos, Canadá, Europa, Austrália, Chile e Argentina. Com a vantagem de diminuir custos de instalação na fase de engorda e por acabar praticamente com a poluição do meio ambiente através dos dejetos, este sistema tem atendido plenamente às exigências tanto do consumidor como do criador. E para finalizar, no Painel sobre Reprodução e Ambiência, abordaremos a importância do meio ambiente sobre a reprodução, criação de suínos ao ar livre e o transplante de embriões, através de uma excelente palestra de um grande especialista neste setor, que abre uma nova perspectiva para a disseminação de material genético de alta qualidade. Dr. Luciano Roppa Coordenador técnico vii

8 AGRADECIMENTOS Agradecemos a Agroceres Pic Suínos Biotecnologia e Nutrição Animal S.A, pela participação dos palestrantes Dr. Fernando Pereira e Dr. Pablo Santa Maria, no 5 o Seminário Internacional de Suinocultura. PIC ix

9 AGRADECIMENTOS Agradecemos a Dalland do Brasil Agropecuária Ltda, pela participação do palestrante Dr. Tette van der Lende, no 5 o Seminário Internacional de Suinocultura. xi

10 AGRADECIMENTOS Agradecemos a IMV Instrumentos Veterinários Palhetas do Brasil Ltda, pela participação do palestrante Dr. Gustavo Decuadro, no 5 o Seminário Internacional de Suinocultura. xiii

11 AGRADECIMENTOS Agradecemos a Nutron Alimentos Ltda, pela participação dos palestrantes Dr. Mark Cole e Dr. Antonio Mario Penz, no 5 o Seminário Internacional de Suinocultura. xv

12 AGRADECIMENTOS Agradecemos a Seghers Hibridy do Brasil Agropecuária Ltda, pela participação da palestrante Dra. Nadine Buys, no 5 o Seminário Internacional de Suinocultura. xvii

13 AGRADECIMENTOS Agradecemos a Zinpro Animal Nutrition, pela participação do palestrante Dr. Tim Fakler, no 5 o Seminário Internacional de Suinocultura. xix

14 PROGRAMA 27/09/2000 Quarta-feira 08h25 08h45 Abertura: Luciano Roppa (Coordenador do Evento) 08h45 12h30 Painel: Genética e Marketing; Coordenador: Dr. José Adão Braun (Presidente ABCS) 08h45 09h15 Situação e atuação da suinocultura brasileira; José Adão Braun (Presidente da ABCS) 09h15 10h00 Consumo da carne suína a experiência brasileira; Paulo Tramontini (ACCS, Santa Catarina) 10h00 10h30 Coffee Break 10h30 11h15 Potencial dos marcadores genéticos na suinocultura; Fernando Pereira (Agroceres PIC) 11h15 12h00 Avanços técnicos recentes em melhoramento genético de suínos; Nadine Buys (Seghers Gentec, Bélgica) 12h00 12h30 Debate 12h30 14h00 Almoço 14h00 19h00 Painel: Nutrição e produção; Coordenador: Luciano Roppa 14h00 14h45 Sistemas de produção; Mário Faccin (Master, Brasil) 14h45 15h30 Nutrition and sow prolificacy; Tim Fakler (Zinpro, EUA) 15h30 16h00 Coffee Break 16h00 17h00 Recent advances in the feeding and nutrition of the piglet; Mark Cole (SCA, Inglaterra) 17h00 17h45 A influência da nutrição na preservação do meio ambiente; A. Mário Penz (Nutron Alimentos, Brasil) 17h45 18h30 Debate xxi

15 28/09/2000 Quinta-feira 08h00 12h30 Painel: Bem-estar dos suínos; Coordenador: Flauri Ademir Migliavacca (Mig-Plus Nutrição Animal RS) 08h00 08h50 Bem-estar dos suínos; Luís Carlos Pinheiro Machado F o (Universidade Federal Sta. Catarina) 08h50 10h00 Deep bed swine finishing; Jeff Hill (Michigan State University, EUA) 10h00 10h30 Coffee-Break 10h30 11h10 Produção de suínos em sistemas Deep Bedding: experiência brasileira; Paulo Armando Oliveira (Embrapa/CNPSA) 11h10 11h40 Produção de suínos em cama sobreposta (Deep Bedding): Aspectos sanitários; Nelson Mores (Embrapa CNPSA) 11h40 12h30 Debate 12h30 14h00 Almoço 14h00 18h45 Painel: Reprodução e ambiência; Coordenador: Paulo R. S. da Silveira/Embrapa Suínos e Aves 14h00 14h45 Producción porcina al aire libre; Pablo Santa Maria (Argentina) 14h45 15h30 Biological and genetic aspects of pre- and perinatal mortality in swine; Tette van der Lende (Wageningen Inst., Holanda) 15h30 16h00 Coffee-Break 16h00 16h45 Embryo transfer in pigs: current status and prospects for commercial applications; Tette van der Lende (Wageningen Inst., Holanda) 16h45 17h30 A influência do meio ambiente na reprodução das porcas; Irenilza de Alencar Nääs (Unicamp/Brasil) 17h30 18h15 Control sanitario de los verracos en un centro de produccion de semen; Gustavo Dequadro (IMV, França) 18h15 18h45 Entrega do prêmio Claudio Lowenthal para a melhor palestra realizada no 4 o Seminário, em h45 19h15 Debate e encerramento xxii

16 SUMÁRIO Situação e atuação da suinocultura brasileira José Adão Braun Consumo da carne suína a experiência brasileira Paulo Tramontini Potencial dos marcadores genéticos na suinocultura Fernando Antonio Pereira Sistema de produção Mário Faccin Nutrition and sow prolificacy Timothy M. Fakler, James E. Pettigrew, Christof J. Rapp Recent advances in the feeding and nutrition of the piglet Mark Cole, Mike Varley A influência da nutrição na preservação do meio ambiente Antônio Mário Penz Junior Bem-estar dos suínos Luiz Carlos Pinheiro Machado Filho, Maria José Hötzel Deep bed swine finishing Jeff D. Hill Produção de suínos em sistemas Deep Bedding: experiência brasileira Paulo Armando V. de Oliveira Produção de suínos em cama sobreposta (Deep Bedding): Aspectos sanitários Nelson Morés Producción porcina al aire libre Pablo Santa María Embryo transfer in pigs: current status and prospects for commercial applications T.van der Lende, W. Hazeleger Biological and genetic aspects of pre- and perinatal mortality in swine T.van der Lende, B.T.T.M. van Rens, J.I. Leenhouwers A influência do meio ambiente na reprodução das porcas Irenilza de Alencar Nääs Control sanitario de los verracos en un centro de produccion de semen Gustavo Decuadro-Hansen Recent Technological Advances in Pig Genetic Improvement Nadine Buys xxiii

17 SITUAÇÃO E ATUAÇÃO DA SUINOCULTURA BRASILEIRA José Adão Braun 1 Presidente da ABCS Associação brasileira de criadores de suínos ABCS Fundada em Estrela RS em 13 de novembro de É integrada pelo conjunto das associações de cada unidade da federação a ela filiadas. Tem por finalidade precípua: A defesa dos criadores de suínos. O desenvolvimento da suinocultura. O estímulo à criação de suínos. Outras atividades Promover a fundação de associações filiadas em todas as unidades da federação. Promover o melhoramento zootécnico do rebanho suíno do Brasil. Realizar o registro genealógico de suínos no Brasil. Promover e fixar calendário de eventos de âmbito nacional e internacional. Promover e fixar calendário das exposições nacionais e internacionais. Manter intercâmbio com entidades do Brasil e do exterior. Colaborar para o desenvolvimento da pesquisa suinícola. Realizar convênios com entidades do Brasil e do exterior. Assessorar as instituições oficiais e particulares no estudo de problemas relacionados a suinocultura. 1 Texto extraido diretamente da apresentação da palestra em Power Point, não tendo sido produzido para a editoração científica dos anais a íntegra da palestra 1

18 Figura 1 Quadro das associações filiadas A ABCS é administrada e fiscalizada pelos seguintes órgãos: 1. Conselho deliberativo superior. 2. Conselho fiscal. 3. Diretoria. 4. Conselho técnico. 5. Colégio de jurados. 2

19 , , ,000 80,000 60,000 40,000 20, Figura 2 Total registrado no PBB Período 1958/1999 MG 15,21% MT 2,70% MS 2,44% GO 10,11% RS 16,23% SP 3,00% PR 28,99% SC 21,32% Figura 3 Suínos registrados por estado

20 Pietrain ,33 Landrace ,90 Hampshire 40 0,03 Cruzados ,94 Duroc ,97 Large White ,83 Figura 4 Suínos registrados no PBB 1999 por Raça Machos ,65% Fêmeas ,35% Figura 5 Por Sexo 4

21 Prioridades da atual diretoria Defesa política da classe. Relacionamento e entrosamento entre ABCS e associações estaduais. Intercâmbio com outras entidades nacionais e internacionais. Registro genealógico. Aumento do consumo da carne suína. Aumento das exportações. Suprimento de insumos para rações. Meio Ambiente. 5

22 CONSUMO DA CARNE SUÍNA A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA Paulo Tramontini 1 Coordenador Fundo de Promoção da Carne Suína e seus derivados Presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos ACCS. A importância da suinocultura brasileira Atividades em pequenas e médias propriedades Gera 2,5 milhões de empregos na Região Sul, mais São Paulo e Minas Gerais Fixa o homem no campo Viabiliza o produtor de cereais Movimenta uma grande cadeia agropecuária Transforma sub produtos, resíduos e alimentos não convencionais em proteína animal de alta qualidade. Tem como função Produzir alimentos de alta qualidade para o consumidor brasileiro e estrangeiro. Tabela 1 Produção de proteínas de origem animal Tipo/Anos * %Participação Carne Suína Carne de Aves Carne Bovina TOTAL *Previsão Fonte: USDA Março/99 Consumo brasileiro Carne bovina 49,6% 33,5 kg ao ano Carne aves 34,6% 23,4 kg ao ano Carne suína 15,8% 10,7 kg ao ano 1 Texto extraido diretamente da apresentação da palestra em Power Point, não tendo sido produzido para a editoração científica dos anais a íntegra da palestra 6

23 Tabela 2 Consumo carne suína Países *1999 Dinamarca 69,2 69,2 71,1 70,2 Espanha 56,3 57,8 58,5 58,5 Alemanha 54,7 53,2 56,4 58,1 França 34,8 35,3 36,0 37,0 Itália 35,3 34,8 35,4 35,6 Reino Unido 23,5 24,1 24,4 24,1 Hong Kong 49,9 52,7 56,5 56,7 China 25,8 28,1 29,4 30,0 Japão 16,9 16,5 16,5 16,4 Taiwan 41,7 39,6 42,5 42,1 Canadá 29,9 29,4 31,0 31,8 USA 28,7 28,5 30,7 30,6 México 9,6 10,1 10,1 10,0 Rússia 14,5 14,0 12,8 11,8 Brasil 9,4 8,9 9,3 10,7 Fatores que influenciam no baixo consumo da carne suína Grande extensão territorial que permite produzir bovinos a baixo custo Grande desenvolvimento da avicultura e diferenciação de cortes Custos do produto ao consumidor Preconceitos relacionados a Carne Suína Tabela 3 Consumo percapita de carne suína fresca e industrializada por região do Brasil Região/Carne Fresca Industrializada Total kg % kg % kg Sul e Sudeste Centro Oeste Nordeste Norte Fonte: Instituto CEPA/SC, Revista Avicultura e Suinocultura Industrial, Dez

24 Consumo da média per capita Anos 70 Anos 80 Anos 90 Anos 70 Anos 80 Anos 90 Figura 1 Pesquisa de mercado da Carne Suína no Brasil PARTICIPAÇÃO NO CONSUMO POR TIPO DE CARNE PARTICIPAÇÃO NO CONSUMO POR TIPO DE CARNE 100% 80% 60% 40% 20% 0% Anos 70 Anos 80 Anos a a 1993 Aves Bovinos Suínos Aves Bovinos Suínos Brasil Mundo Figura 2 Participação das carnes Opinião do consumidor sobre a carne suína Efetua a compra por impulso ou é planejada? Carne inatura: 56% por impulso 44% planejada Embutidos: 32% por impulso 68% planejada Importante=Boa apresentação 8

25 PRINCIPAIS PONTOS FORTES DA CARNE SUÍNA 8% Sabor Outros 92% Figura 3 O que o leva comprar a carne suína? Sabor: 92% 60% Principais Pontos Fracos da Carne Suína 55% 50% 40% 35% 30% 20% 10% 10% 0% Outros Faz Mal/Perigosa Gordura/Colesterol Figura 4 Por que a carne suína não é consumida com mais freqüência? 9

26 Como reverter o quadro do baixo consumo da carne suína Criação do fundo de promoção da carne suína e seus derivados. Maio de 1997 Porto Alegre Novembro de 1997 São Paulo Normalização do Fundo Participantes Janeiro de 1998 Início Arrecadação Mitos e verdades MITO = A carne suína tem muito colesterol X VERDADE = A carne suína tem nível de colesterol igual ou menor que as outras carnes MITO = A carne suína tem pouca proteína X VERDADE = Essa carne é uma importânte fonte de proteínas e vitaminas do complexo b MITO= O suíno é criado em ambiente sujo e alimentado com restos de comida X VERDADE= A grande maioria das granjas é tecnificada e tem rígido controle sanitário e nutricional Objetivos gerais Aumentar o consumo per capita no Brasil Colocar a Carne Suína no mercado de consumo Romper mitos e tabus existentes Melhorar a imagem da suinocultura nacional Aumentar a divulgação do setor Criar uma padronização de cortes da Carne Suína Instalar, no consumidor a necessidade de adquirir carnes inspecionadas 10

27 Objetivos específicos 5 o Seminário Internacional de Suinocultura Difundir através dos meios de comunicação os controles de higiêne e sanidade Obter informações técnicas sobre a Carne Suína e difundí-las à médicos e nutricionistas Difundir que a Carne Suína é uma proteína importante Esclarecimento quanto aos níveis de colesterol Fomentar um maior consumo desta saborosa carne Envolvimento de toda cadeia produtiva para aderirem à campanha Difundir quanto ao ganho da cadeia produtiva, após o aumento do consumo da Carne Suína Divulgar que a Carne Suína é a carne mais consumida no mundo. Cuide da sua saúde: Consuma carne suína. 11

28 POTENCIAL DOS MARCADORES GENÉTICOS NA SUINOCULTURA Fernando Antonio Pereira Agroceres PIC, Caixa Postal 400, Rio Claro, SP 1 Antecedentes As mudanças de exigência do mercado e a tecnologia disponível têm sido os fatores preponderantes para o direcionamento histórico do melhoramento genético de suínos. Há cerca de cinco décadas, iniciou-se a aplicação de alguns métodos científicos, principalmente da genética quantitativa e da estatística na seleção dos suínos; mas, por um bom período, ainda houve predomínio dos métodos empíricos de seleção, baseados na aparência exterior dos animais. Embora tais métodos possam ser considerados arcaicos às vistas da tecnologia hoje disponível, há que se considerar que eles não apenas atendiam à demanda da época como também serviram de importante referência para a evolução que se seguiu. A partir do início dos anos sessenta, os programas de seleção baseados nos conhecimentos da genética quantitativa e da estatística foram sendo ampliados. As novas tecnologias desenvolvidas nestas áreas possibilitaram a obtenção de progresso genético crescente e ocorreram importantes mudanças nos objetivos e critérios de seleção. Trata-se, portanto, de uma clara substituição do processo empírico pelo científico. A década passada ficou marcada pela enorme expansão dos conhecimentos associados à genética molecular, cujo principal benefício para o melhoramento genético de suínos se deu na grande agregação de informações sobre o seu genoma. E, como consequência, ainda neste período, deu-se início à chamada seleção assistida por marcadores genéticos. Surgiram especulações sobre o potencial desta nova geração de tecnologias substituir aquela da genética quantitativa; entretanto, com o melhor entendimento dos fatos, ficou claro que estas tecnologias são complementares e é dentro deste princípio que os programas mais avançados de melhoramento genético de suínos estão estruturados. Tais progressos recentes permitem antever um cenário futuro diferenciado em relação ao que tem sido o melhoramento genético para a cadeia da suinocultura, tanto no que se refere ao impacto econômico global quanto no seu aspecto qualitativo, em relação a possibilidade de trabalhar características anteriormente impossíveis de serem trabalhadas. 12

29 2 O uso de marcadores genéticos Dentre as espécies de animais domésticos, a suína é certamente uma das que mais tem se beneficiado do grande progresso no conhecimento do genoma de várias espécies de animais e vegetais, ocorrido principalmente nos anos noventa. E isto tem se verificado tanto pelos investimentos diretos em pesquisas do seu próprio genoma como pela rápida conversão dos conhecimentos adquiridos em ferramentas aplicadas à seleção. Vários loci que têm influência sobre características de importância econômica para a indústria suinícola, ou QTL (do inglês, Quantitative Trait Loci) têm sido identificados. Alguns desses já estão sendo utilizados nos programas de seleção e outros estão em fase de validação, conforme relata PLASTOW (2000). Atualmente, o mapa do genoma do suíno conta com mais de 2000 loci, que incluem algumas centenas de genes. Um marcador genético pode ser definido como um segmento específico e conhecido de DNA, que associa a presença de um ou mais genes a um efeito importante sobre determinada característica. Assim, o uso de marcadores genéticos constitui um mecanismo direto para identificação do genótipo (constituição genética) dos suínos para características de interesse. O primeiro marcador genético que governa uma característica importante para o melhoramento genético de suínos, somente se tornou disponível em 1991, quando pesquisadores canadenses desenvolveram a técnica para identificação do chamado Gene Halotano (ver FUJII et al., 1991), cujo efeito tem várias denominações, dentre elas a sigla PSS (Porcine Stress Syndrome) que significa Síndrome do Estresse Suíno. O licenciamento desta técnica foi obtido pela The Innovations Foundation, de Toronto, Canadá, sob a denominação HAL Outro marco desta última década foi a associação dos objetivos do melhoramento genético de suínos às exigências da indústria suinícola além do que ocorre no segmento de produção de suínos para abate. Assim, os objetivos de seleção passaram a contemplar características qualitativas relacionadas ao produto final aquele que vai à mesa do consumidor. Isto só se tornou possível porque o uso de técnicas como o BLUP e os marcadores genéticos permitem avaliar características que não se expressam ou não podem ser medidas no indivíduo que está sendo avaliado. Desta forma, ao objetivo de seleção anterior, conversão de alimento em carne magra, foi agregado o objetivo qualitativo desta carne magra. Além da seleção para características qualitativas da carne, os marcadores genéticos são particularmente úteis como auxílio à seleção de diversas características que são difíceis de serem selecionadas pelos métodos convencionais. É o caso da seleção para resistência a doenças e da seleção para eficiência reprodutiva. Outra importante aplicação dos marcadores é para aumento da precisão da seleção e, consequentemente, da resposta à seleção. Plastow (2000) cita, como exemplo, os estudos de Meuwissen e Goddard (1996), que estimaram um aumento da resposta à seleção para eficiência reprodutiva e qualidade de carne de 38 a 64%, com o uso de marcadores genéticos. A extensão da contribuição dos marcadores para o melhoramento genético de algumas características de alta importância econômica é melhor ilustrada nos exemplos a seguir. Podemos trabalhar com linhas genéticas de alta prolificidade, mas os marcadores genéticos permitem identificar, com alta precisão, os indivíduos mais 13

30 prolíficos desta mesma linha, além de possibilitar a seleção, em ambos os sexos, para características que só se expressam em um deles (ex. tamanho da leitegada). Podemos identificar uma raça com boa qualidade de carne, mas como identificar os indivíduos com melhor qualidade de carne desta raça? O teste de progênie ou a avaliação de indivíduos parentes, para uso do BLUP, é caro e demorado. Por outro lado, com o teste de DNA para marcadores que afetam a qualidade da carne pode-se identificar com precisão o genótipo de cada indivíduo e, assim, produzir descendentes com o genótipo desejado e sem falhas nesta identificação. O uso de vacinas e medicamentos para controle de enfermidades enfrenta barreiras de custo, segurança alimentar e ambiental. Já a seleção genética, pelos procedimentos convencionais, torna-se praticamente inviável em razão da necessidade de desafiar os animais na presença da doênça. Neste contexto, a identificação de marcadores genéticos para resistência a determinada doença ou mesmo resistência geral a enfermidades, possibilita, com precisão, produzir indivíduos resistentes. Uma outra importante aplicação dos marcadores genéticos é para criar produtos diferenciados para exigências específicas do mercado, identificando individualmente animais portadores de um determinado marcador em uma população. Além desta, o uso dos marcadores possibilita reduzir o atraso genético das granjas comerciais. Fora dos programas regulares de melhoramento genético de suínos, os marcadores genéticos também encontram importantes campos de aplicação. É o caso do seu uso para rastreabilidade de produtos específicos, como acontece quando se quer comprovar se produtos comerciais oriundos de uma determinada raça ou linha, de fato o são. O mesmo se aplica quando se quer comprovar se determinados animais utilizados para reprodução são, de fato, oriundos de determinadas linhas genéticas ou de determinados ancestrais. Existe, no momento, pouco mais de uma dezena de marcadores genéticos em uso nos programas de seleção, conforme mostra a Tabela 1. Por outro lado, o número de marcadores conhecidos e em fase de validação já se aproxima de uma centena. Isto mostra que estamos ainda em uma fase inicial do conhecimento e uso dos marcadores genéticos e, portanto, espera-se uma grande evolução dos conhecimentos e aplicação desta técnica nos próximos anos. 14

31 Tabela 1 Marcadores genéticos em uso Marcador/Teste Observação Identificação paternidade Uso não exclusivo HAL Qualidade da carne uso não exclusivo ESR Tamanho de leitegada uso exclusivo (PIC) PRLR Tamanho de leitegada uso exclusivo (PIC) KIT Cor branca uso exclusivo (PIC) MC1R Cor vermelha/preta uso exclusivo (PIC) MC4R Crescimento e deposição de gordura uso exclusivo (PIC) FUT1 Resistência à E.coli F18 uso exclusivo (PIC/ITH suiça) RN Qualidade da carne teste exclusivo e não exclusivo (breve) AFABP, HFABP Gordura intramuscular uso não exclusivo IGF2 Composição da carcaça uso exclusivo (seghers) Trade secret tests Várias características Fonte: PLASTOW (2000) 3 Resumo e considerações finais O desenvolvimento acelerado de conhecimentos da genética molecular está dando origem a uma nova geração de tecnologia aplicada ao melhoramento genético de suínos. São também promissores os novos desenvolvimentos em tecnologias de reprodução, tais como a transferência não cirúrgica de embriões, a conservação de sêmen e a sexagem de sêmen, que poderão modificar a forma como o melhoramento genético é disseminado na estrutura comercial de produção de suínos. Este novo cenário exige uma reflexão sobre aspectos importantes que influenciam a taxa de progresso genético, a diferenciação de produtos e a disseminação de genes em uma estrutura de melhoramento genético, alguns dos quais relacionamos a seguir. Espera-se um crescimento exponencial dos conhecimentos do genoma dos suínos, em um período de tempo relativamente curto, abrindo grandes possibilidades de utilização dos mesmos nos programas de seleção, mas, ao mesmo tempo, trazendo grandes desafios quanto ao entendimento dos possíveis impactos futuros na variabilidade genética das populações e possiveis efeitos antagônicos em outras características; A técnica de marcadores genéticos possibilita não apenas fixar alelos desejáveis em uma população, em curto espaço de tempo, como também diferenciar produtos dentro de uma mesma linha genética, para um nicho específico de mercado, deixando flutuante a frequência de cada alelo; Espera-se uma crescente importância de características qualitativas da carne suína, cujo melhoramento genético pode ser contemplado com a utilização de novos marcadores genéticos; 15

32 Características anteriormente não incluídas nos programas de seleção, como é o caso da resistência a doenças, passarão a ser contempladas por meio de uso de marcadores genéticos; A melhoria das técnicas de reprodução proporcionará maior eficiência e menor custo da disseminação de genes; Os grandes investimentos necessários aos novos desenvolvimentos exigirão dos investidores uma ampla base de distribuição dos seus produtos, própria ou por meio de terceiros, para possibilitar retorno econômico compatível; A demanda por uma eficiente integração entre entidades públicas e privadas de pesquisa e desenvolvimento deverá ser ainda maior do que nos dias atuais, em decorrência da velocidade hoje exigida em capitalizar conhecimentos básicos, transformando-os em tecnologia aplicada. 4 Referências bibliográficas Bulfield, G. (1998) Will animal breeding become a biotechnology. Proc. 6 th World Congr. Genet. Appl. Liv. Prod. 23: De Vries, A.G.; Sosnicki, A.; Garnier, J.P.; Plastow, G.S. (1998) The role of major genes and DNA tecnology in selection for meat quality and pigs. Meat Science 49: Suppl 1, S245 S255. Fujii, J.; Otsu,K.; Zorzato, F.; De Leon, S.; Khanna, V.K.; Weiler, J.L.; O Brien, P.J.; Maclennan, D.H. (1991) Science, 253, 448. Meuwissen, T.H.E.; Goddard, M.E. (1996) The use of maker haplotypes in animal breeding schemes. Genet. Sel. Evol., 28, Pereira, F. A.; Sesti, L.A.C.; Van Der Steen, H. A.M. (1998) Use of world wide genetics for local needs. Proc. 6 th World Congr. Genet. Appl. Liv. Prod. 26: Pereira, F. A. (2000) Melhoramento Genético de Suínos. In: XXXVII Reunião anual da sociedade brasileira de zootecnia, 2000, Viçosa. Anais...SBZ: Viçosa,2000.p.8. Plastow, G.S.; Kuiper, M.; Wales, R.; Archibald, A.L.; Haley, C.S.; Siggens, K.W. (1998). AFLP for mapping and QTL detection in commercial pigs. Proc 6 th World Congress on Genetics Applied to Livestock Production 26, Plastow, G. S. (2000). Molecular Genetics in the Swine Industry. In: Anais do II Simpósio Nacional sa SBMA, 2000, Belo Horizonte. P.21. Rothschild, M.F.; Plastow, G.S. (1999) Advances in pig genomics and industry applications. AgBiotechNet, 10:1 8. Visscher, P.M.; Haley, C.S. (1998) Strategies for marker-assisted selection in pig breeding programmes. Proc. 6 th World Congr. Genet. Appl. Liv. Prod.23:

33 SISTEMA DE PRODUÇÃO Mário Faccin Médico Veterinário Consultor Produtor de Suínos Master Agropecuária Ltda Videira SC Passado Presente Futuro Definição Sistema de Produção é um conjunto de fatores ou elementos, interrelacionados e organizados com o objetivo de produzir, no caso, o suíno. Para organizar um bom Sistema de Produção, precisamos entender a Cadeia Suína, sua organização e funcionamento, sua história e suas tendências(fig.1) Genética Nutrição Fornecedor Instalação Sanidade Manejo Leis Ambientais Indústria Distribuidor Consumidor Gestão de Negócios Figura 1 Cadeia suína 17

34 1 Histórico da suinocultura brasileira Anos 70 Produtores independentes Característica pequeno porte Início sistemas de integração Introdução novas técnicas Material genético ABCS Uso de concentrados Início cruzamentos Sistemas de produção semi-confinados em ciclo completos Baixo relacionamento de parceria e sem vínculo legal Facilidade de custeio via integradora (prazo de lote) Indústria querendo organizar constância e uniformidade de fornecimento. Pensamento de volume com desconhecimento da importância da qualidade. Sanidade sem fundamentação e período de importação de inúmeros problemas (respiratórios, virais, etc). Anos 80 No Sul, reforço nos sistemas de integração (SC, RS e PR) e no restante do país o início da implantação de unidades maiores, incentivadas pelas empresas de genética que iniciavam sua operação no país. Material genético entrada de material genético oriundo de empresas de melhoramento e início do declínio do sistema de melhoramento organizado via ABCS. Reforço na área nutricional para atender avanços da genética e qualidade dos animais (mais carne). Início dos núcleos em substituição aos concentrados. Consolidação dos cruzamentos de raças como fator de produtividade. Sistemas de produção em transformação Confinamento total Produção em 2 segmentos: Unidades produtoras de leitões UPL Unidades terminadoras de leitões UTL 18

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação do desmame precoce no desempenho de leitões Carolina Gonçalves Borges 1 ; Marco Antônio Pereira da Silva 1 ; Jakeline Fernandes Cabral

Leia mais

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância?

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? por Manuel Neves-e-Castro,M.D. Clinica de Feminologia Holistica Website: http://neves-e-castro.pt Lisboa/Portugal Evento Cientifico Internacional

Leia mais

DESEMPENHO DE FÊMEAS SUÍNAS DE PRIMEIRO E SEGUNDO PARTOS EM FUNÇÃO DO FORNECIMENTO DE DIFERENTES NÍVEIS DE LISINA NA DIETA DE LACTAÇÃO

DESEMPENHO DE FÊMEAS SUÍNAS DE PRIMEIRO E SEGUNDO PARTOS EM FUNÇÃO DO FORNECIMENTO DE DIFERENTES NÍVEIS DE LISINA NA DIETA DE LACTAÇÃO DESEMPENHO DE FÊMEAS SUÍNAS DE PRIMEIRO E SEGUNDO PARTOS EM FUNÇÃO DO FORNECIMENTO DE DIFERENTES NÍVEIS DE LISINA NA DIETA DE LACTAÇÃO PERFORMANCE OF FIRST- AND SECOND-PARITY FEMALE SWINE ACCORDING TO

Leia mais

Processo Seletivo 2013-2 - Inglês. Para a primeira questão, os critérios de correção foram definidos como seguem, abaixo:

Processo Seletivo 2013-2 - Inglês. Para a primeira questão, os critérios de correção foram definidos como seguem, abaixo: 1) Gabarito oficial definitivo - Questão 1 Para a primeira questão, os critérios de correção foram definidos como seguem, abaixo: Quando o candidato redigiu: (Because) gut microbe may fight obesity and

Leia mais

A Suinocultura Norte Americana. José Henrique Piva PIC Americas

A Suinocultura Norte Americana. José Henrique Piva PIC Americas A Suinocultura Norte Americana José Henrique Piva PIC Americas Meus objetivos com esta apresentação Dar uma visão das principais mudanças, oportunidades e desafios enfrentados pela industria suína. Mostrar

Leia mais

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade

Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Gestão na Suinocultura Com Foco na Produtividade Marco Lubas Cuiabá 05-05-2010 Produtividade 1. Quanto está produzindo? 2. Quanto é o potencial de sua produção? 3. Quais os Limitantes? PRODUTIVIDADE X

Leia mais

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira

RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente. Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS VICE Presidente Estimativas, Mercados e Desafios para a Exportação de Carne Suína Brasileira Localização da Suinocultura Norte e Nordeste Abates: 2% Exportações: 0% Matrizes

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales - SP EE: Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Habilitação

Leia mais

INTERFERÊNCIA DO TREINAMENTO EM NATAÇÃO COM DIFERENTES INTENSIDADES NA CARCINOGÊNESE EXPERIMENTAL DO CÓLON

INTERFERÊNCIA DO TREINAMENTO EM NATAÇÃO COM DIFERENTES INTENSIDADES NA CARCINOGÊNESE EXPERIMENTAL DO CÓLON WELLINGTON LUNZ INTERFERÊNCIA DO TREINAMENTO EM NATAÇÃO COM DIFERENTES INTENSIDADES NA CARCINOGÊNESE EXPERIMENTAL DO CÓLON Dissertação apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências

Leia mais

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Parceria entre Alta Genetics, Pfizer e Sérgio Nadal promete acelerar os rebanhos comerciais do país. A carne

Leia mais

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria

Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria VII Seminário ABMR&A da Cadeia Produtiva de Carne Bovina Feicorte 2007 Mercado internacional da carne bovina: a visão da indústria Médica Veterinária Andréa Veríssimo M. Appl. Sc. Farm Management Lincoln

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM REATORES ANAERÓBIOS NO TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS EM DIFERENTES ÉPOCAS DO ANO

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM REATORES ANAERÓBIOS NO TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS EM DIFERENTES ÉPOCAS DO ANO AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE BIOGÁS EM REATORES ANAERÓBIOS NO TRATAMENTO DE DEJETOS DE SUÍNOS EM DIFERENTES ÉPOCAS DO ANO Dal Mago, A.* 1 ; Gusmão, M.C. 2 ; Belli Filho, P. 3 ; Oliveira, P.A.V. 4 ; Gosmann,

Leia mais

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH

UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Dr Carlos Isaia Filho Ltda. SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH SAMPLE SIZE DETERMINATION FOR CLINICAL RESEARCH Duolao Wang; Ameet Bakhai; Angelo Del Buono; Nicola Maffulli Muscle, Tendons and Ligaments Journal, 2013 Santiago A. Tobar L., Dsc. Why to determine the

Leia mais

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO

PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA E CONSUMO INTERNO BRASILEIRO WESP-GUTERRES, Caroline 1 ; TEIXEIRA, José Domingos Lemos 1 ; ARALDI,Daniele Furian 2 Palavras-Chave: Brasil. Consumo de carne. Bovinocultura. Introdução

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL

SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS PARA A COTURNICULTURA NO BRASIL Antonio Gilberto Bertechini Professor Titular-UFLA Introdução O agronegócio tem tido papel fundamental para a economia brasileira e representa

Leia mais

Considerações sobre Sistemas de Avaliação e

Considerações sobre Sistemas de Avaliação e Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia FMVZ Campus de Botucatu Departamento de Produção Animal Considerações sobre Sistemas de Avaliação e Tipificação de Carcaças André démendes Jorge Zootecnista

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM SUINOS RELATO DE CASO

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM SUINOS RELATO DE CASO INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM SUINOS RELATO DE CASO ÁVILA, Francielly Castro de 1 ; COPETTI, Gabriel Pissinin¹; HENKES, Thalis¹; GARLET, Ricardo¹; MUNCHEM, Gustavo Ruan¹; KAISER, Vagner Ventura¹; BORGES, Luiz

Leia mais

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682.

fls. 776 Se impresso, para conferncia acesse o site http://esaj.tjsc.jus.br/esaj, informe o processo 0300287-79.2015.8.24.0175 e o cdigo 353F682. fls. 776 fls. 777 fls. 778 fls. 779 fls. 780 fls. 781 fls. 782 fls. 783 1/107 LAUDODEAVALIAÇÃO ECONÔMICA fls. 784 2/107 Códigodoimóvel NomedoImóvel Endereço Bairro Cidade UF Proprietário Documento RegistrodeImóveis

Leia mais

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET

BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET BR-EMS MORTALITY AND SUVIVORSHIP LIFE TABLES BRAZILIAN LIFE INSURANCE AND PENSIONS MARKET 2015 1 e-mail:mario@labma.ufrj.br Tables BR-EMS, mortality experience of the Brazilian Insurance Market, were constructed,

Leia mais

BNDES ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAS 1 - AO1 SUINOCULTURA GERÊNCIA SETORIAL DE AGROINDÚSTRIA

BNDES ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAS 1 - AO1 SUINOCULTURA GERÊNCIA SETORIAL DE AGROINDÚSTRIA ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAS 1 - AO1 GERÊNCIA SETORIAL DE AGROINDÚSTRIA Data: 20/12/95 N o 6 BNDES SUINOCULTURA INTRODUÇÃO Em termos humanos, a carne suína é a mais consumida no mundo. No Brasil, o consumo

Leia mais

EFEITO DA NUTRIÇÃO NA REPRODUÇÃO EM MARRÃS REVISÃO DE LITERATURA EFFECT OF NUTRITION ON THE REPRODUCTION IN GILTS A REVIEW

EFEITO DA NUTRIÇÃO NA REPRODUÇÃO EM MARRÃS REVISÃO DE LITERATURA EFFECT OF NUTRITION ON THE REPRODUCTION IN GILTS A REVIEW EFEITO DA NUTRIÇÃO NA REPRODUÇÃO EM MARRÃS REVISÃO DE LITERATURA EFFECT OF NUTRITION ON THE REPRODUCTION IN GILTS A REVIEW Márcio Gilberto ZANGERONIMO Médico Veterinário, DSc. Professor Adjunto do Departamento

Leia mais

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015

JURANDI MACHADO - DIRETOR. Cenário Carnes 2014/2015 JURANDI MACHADO - DIRETOR Cenário Carnes 2014/2015 Oferta e Demanda de Carne Suína CARNE SUÍNA 2014 (a)* no Mundo (Mil toneladas) 2015 (b)* Var % (b/a) PRODUÇÃO 110.606 111.845 1,12 CONSUMO 109.882 111.174

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015

AVICULTURA DE CORTE. José Euler Valeriano. Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEM ESTAR ANIMAL - O FUTURO AVICULTURA DE CORTE José Euler Valeriano Avicultor 2015 Belo Horizonte MG 25/06/2015 BEA BEM ESTAR ANIMAL Como definir BEM ESTAR? O animal precisa encontrar no meio ambiente

Leia mais

IMPACTO DE ESTRATÉGIAS NUTRICIONAIS NO CUSTO DE ARMAZENAGEM, TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE DEJETOS DE SUÍNOS

IMPACTO DE ESTRATÉGIAS NUTRICIONAIS NO CUSTO DE ARMAZENAGEM, TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE DEJETOS DE SUÍNOS IMPACTO DE ESTRATÉGIAS NUTRICIONAIS NO CUSTO DE ARMAZENAGEM, TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO DE DEJETOS DE SUÍNOS Palhares, J.C.P.*; Miele, M.; Lima, G.J.M.M. de 1 Pesquisadores da Embrapa Suínos e Aves, Br

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

Modelagem e Simulação de Incêndios. Fire dynamics. Carlos André Vaz Junior

Modelagem e Simulação de Incêndios. Fire dynamics. Carlos André Vaz Junior Modelagem e Simulação de Incêndios Fire dynamics Carlos André Vaz Junior INTRODUÇÃO Fire dynamics is a very quantitative and mathematically complex subject. The term fire dynamics came into common use

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=581>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Herdabilidade para idade a primeira parição em éguas Mangalarga Raul Sampaio de Almeida

Leia mais

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50 ASSOCIAÇÃO 1 DORPER BRASIL SEM FRONTEIRAS NEWS ANO IV N o 04 R$ 19,50 9 771414 620009 0 2 ORGÃO OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO ABC & DORPER B R A S I L BRASILEIRA DOS CRIADORES DE DORPER BIOTECNOLOGIAS REPRODUTIVAS

Leia mais

ANÁLISE REPRODUTIVA E PRODUTIVA DO SISTEMA INTENSIVO DE CRIAÇAO DE SUINOS AO AR LIVRE (SISCAL) NA REGIAO DE ARAGUAINA - TO

ANÁLISE REPRODUTIVA E PRODUTIVA DO SISTEMA INTENSIVO DE CRIAÇAO DE SUINOS AO AR LIVRE (SISCAL) NA REGIAO DE ARAGUAINA - TO ANÁLISE REPRODUTIVA E PRODUTIVA DO SISTEMA INTENSIVO DE CRIAÇAO DE SUINOS AO AR LIVRE (SISCAL) NA REGIAO DE ARAGUAINA - TO Daniel Henrique Sousa Tavares 1; Gerson Fausto da Silva 2 1 Aluno do Curso de

Leia mais

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura

Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Panorama Atual e Plano de Desenvolvimento para a Caprinovinocultura Francisco Edilson Maia Presidente da Comissão Nacional de Caprinos e Ovinos CNA Presidente da Câmara Setorial e Temática de Ovinos e

Leia mais

COMPETITIVIDADE DE DOIS MODELOS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE COMPETITIVENESS OF THE TWO MODELS BROILER PRODUCTION

COMPETITIVIDADE DE DOIS MODELOS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE COMPETITIVENESS OF THE TWO MODELS BROILER PRODUCTION COMPETITIVIDADE DE DOIS MODELOS DE PRODUÇÃO DE FRANGOS DE CORTE COMPETITIVENESS OF THE TWO MODELS BROILER PRODUCTION Levy Rei de França Universidade de Rio Verde, Rio Verde franca@fesurv.br José Gilberto

Leia mais

Agrárias (CCA) da Universidade Federal da Paraíba, Areia, PB, Brasil;

Agrárias (CCA) da Universidade Federal da Paraíba, Areia, PB, Brasil; 1 MARIA DA CONCEIÇÃO GONÇALVES MACÊDO 1, SEBASTIÃO RODRIGO DE LIMA NASCIMENTO 1, NATAN MEDEIROS GUERRA 2, ANNE CAROLINE CÂMARA DE ALMEIDA 3, LUDMILA DA PAZ GOMES DA SILVA 4. 1 Graduanda (o) em Medicina

Leia mais

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho

Banca examinadora: Professor Paulo N. Figueiredo, Professora Fátima Bayma de Oliveira e Professor Joaquim Rubens Fontes Filho Título: Direção e Taxa (Velocidade) de Acumulação de Capacidades Tecnológicas: Evidências de uma Pequena Amostra de Empresas de Software no Rio de Janeiro, 2004 Autor(a): Eduardo Coelho da Paz Miranda

Leia mais

Resumo. pela presença extra, total ou parcial, do cromossoma 21. Assim, existe uma alteração

Resumo. pela presença extra, total ou parcial, do cromossoma 21. Assim, existe uma alteração Resumo A Trissomia XXI caracteriza-se por um distúrbio de origem genética causado pela presença extra, total ou parcial, do cromossoma 21. Assim, existe uma alteração generalizada do Sistema Nervoso Central

Leia mais

Perspectivas da pecuária no cenário mundial. 16o. Seminário Nacional de Criadores e Pesquisadores

Perspectivas da pecuária no cenário mundial. 16o. Seminário Nacional de Criadores e Pesquisadores Perspectivas da pecuária no cenário mundial 16o. Seminário Nacional de Criadores e Pesquisadores O Cenário Atual As mudanças na agricultura e produção animal. A tecnologia e sua influência no aumento da

Leia mais

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos.

Palavras-chave: Controle Autonômico; Recuperação; Treinamento Esportivo; Esportes Coletivos. RESUMO O futsal é um esporte intermitente com muitas substituições e pausas durante a partida, o que possibilita a recuperação de variáveis fisiológicas durante esses momentos, proporcionando ao jogador,

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

Osler Desouzart osler@terra.com.br

Osler Desouzart osler@terra.com.br Osler Desouzart osler@terra.com.br Entre out/08 e fev/09 parecia que o mundo acabaria em 2009 2009 foi severo para o mercado mundial de carnes. Apesar disso, a produção registrou um aumento de 0,5% em

Leia mais

FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS

FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS FORMULAÇÃO DE RAÇÕES UTILIZANDO CALCULADORAS Benedito Marques da Costa 1, Maria do Carmo M. M. da Costa 2 RESUMO Formular rações não é difícil, porém gasta - se tempo nos cálculos. No método da tentativa

Leia mais

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL

PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL PROGRAMA DE FOMENTO AO CRUZAMENTO ANGUS MANUAL 1. A RAÇA ABERDEEN ANGUS Originária da Escócia, a raça foi selecionada em função de suas características superiores de precocidade, fertilidade, rusticidade,

Leia mais

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite Árvore da informação do agronegócio do leite identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite 1. Introdução Claudio Nápolis Costa 1 A exposição dos mercados dos diversos países às pressões

Leia mais

Implementac a o do Alelo Animal/ Animal GRIN no Brasil. Samuel Rezende Paiva Embrapa Labex EUA Recursos Genéticos

Implementac a o do Alelo Animal/ Animal GRIN no Brasil. Samuel Rezende Paiva Embrapa Labex EUA Recursos Genéticos Implementac a o do Alelo Animal/ Animal GRIN no Brasil Samuel Rezende Paiva Embrapa Labex EUA Recursos Genéticos O Que é o Alelo Animal? PORTAL ALELO, lançamento final 2013: https://www.embrapa.br/alelo

Leia mais

Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC

Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC Altos Níveis de Estoque nas Indústrias de Conexões de PVC Junior Saviniec Ferreira; Letícia Stroparo Tozetti Faculdade Educacional de Araucária RESUMO O problema de estoque elevado é cada vez menos frequente

Leia mais

Gerenciamento de projetos SMART GRID

Gerenciamento de projetos SMART GRID Gerenciamento de projetos SMART GRID OBJETIVO Em razão da (o): Grandiosidade e complexidade dos projetos SMART GRID Contexto econômico local e global vs. QUALIDADE dos serviços públicos. p Exigências de

Leia mais

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária

Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Responsabilidades Secretaria de Defesa Agropecuária Prevenção, controle e erradicação de doenças e pragas animais e vegetais de interesse econômico e de importância para a saúde pública. Assegurar a sanidade,

Leia mais

Guião A. Descrição das actividades

Guião A. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Ponto de Encontro Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: Um Mundo de Muitas Culturas Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO

Leia mais

Fórum de Editores Científicos na Área da Saúde Pública Abrascão 2006, Rio de Janeiro. Revisão por pares. Cesar Victora Epidemiologia UFPEL

Fórum de Editores Científicos na Área da Saúde Pública Abrascão 2006, Rio de Janeiro. Revisão por pares. Cesar Victora Epidemiologia UFPEL Fórum de Editores Científicos na Área da Saúde Pública Abrascão 2006, Rio de Janeiro Revisão por pares Cesar Victora Epidemiologia UFPEL Editor Associado Internacional, AJPH Editor Associado, Rev Bras

Leia mais

Lucas de Assis Soares, Luisa Nunes Ramaldes, Taciana Toledo de Almeida Albuquerque, Neyval Costa Reis Junior. São Paulo, 2013

Lucas de Assis Soares, Luisa Nunes Ramaldes, Taciana Toledo de Almeida Albuquerque, Neyval Costa Reis Junior. São Paulo, 2013 COMPARATIVE STUDY OF THE ATMOSPHERIC DISPERSION MODELS AND THROUGH THE ANALYSIS OF AIR QUALITY IN THE METROPOLITAN REGION OF GRANDE VITÓRIA Lucas de Assis Soares, Luisa Nunes Ramaldes, Taciana Toledo de

Leia mais

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira

Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A. Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Grupo JBS S/A Desafio da Industria Brasileira Carlos Eduardo Rocha Paulista Zootecnista FAZU Msc. Melhoramento Genético UNESP MBA em Marketing FEA USP AUSMEAT Curso de Formação

Leia mais

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java

Tese / Thesis Work Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Licenciatura em Engenharia Informática Degree in Computer Science Engineering Análise de desempenho de sistemas distribuídos de grande porte na plataforma Java Performance analysis of large distributed

Leia mais

Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral

Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral Aspectos da Sincronização de Estro em Bovinos de Acordo com a Fase do Ciclo Estral Carlos Antônio de Carvalho Fernandes 1 Faculdade de Medicina Veterinária.- Unifenas. Rod. MG 179 km 0 371300-000 Alfenas

Leia mais

Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica

Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica Gestão de Propriedade Intelectual aplicada ao Desenvolvimento de Inovações e Aceleração de Empresas de Base Tecnológica Resumo As experiências vivenciadas pela equipe da Accelera IP evidenciam a dificuldade

Leia mais

ADIÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS POLIINSATURADOS ÔMEGA 3 NA DIETA DE FÊMEAS SUÍNAS E SEU EFEITO NO TAMANHO DA LEITEGADA

ADIÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS POLIINSATURADOS ÔMEGA 3 NA DIETA DE FÊMEAS SUÍNAS E SEU EFEITO NO TAMANHO DA LEITEGADA ADIÇÃO DE ÁCIDOS GRAXOS POLIINSATURADOS ÔMEGA 3 NA DIETA DE FÊMEAS SUÍNAS E SEU EFEITO NO TAMANHO DA LEITEGADA Autores: Bárbara Barbi de FREITAS; Leopoldo Malcorra DE ALMEIDA; Fabiana MOREIRA; Juahil OLIVEIRA;

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES. VI SIMCORTE - Marketing da Carne Bovina no Contexto do Mercado Internacional

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES. VI SIMCORTE - Marketing da Carne Bovina no Contexto do Mercado Internacional ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES Viçosa - MG, Maio, 2008 VI SIMCORTE - Marketing da Carne Bovina no Contexto do Mercado Internacional Monique S. Morata TÓPICOS DO DIA O mercado

Leia mais

UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO

UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO No inicio da inseminação artificial (IA) no Brasil, em meados da década de 1970, os principais argumentos gerenciais dos técnicos e produtores para a

Leia mais

Agência de Vigilância Sanitária - ANVISA ITEM 8

Agência de Vigilância Sanitária - ANVISA ITEM 8 2ª Reunião Extraordinária da Câmara Setorial de Alimentos Agência de Vigilância Sanitária - ANVISA ITEM 8 INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS PARA O MONITORAMENTE E GERENCIAMENTO DA CADEIA DE FRIO Luis Madi / Eloísa

Leia mais

6 Só será permitido o uso de dicionário INGLÊS/INGLÊS.

6 Só será permitido o uso de dicionário INGLÊS/INGLÊS. 1 2 3 4 5 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Se, em qualquer outro local deste Caderno, você assinar, rubricar,

Leia mais

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing

User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing User interface evaluation experiences: A brief comparison between usability and communicability testing Kern, Bryan; B.S.; The State University of New York at Oswego kern@oswego.edu Tavares, Tatiana; PhD;

Leia mais

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos

GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO. Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos GESTÃO PARA RENTABILIDADE NA FASE DE CRESCIMENTO Daniel Linhares Gerente de Serviços Técnicos JOGANDO PARA VENCER NA FASE DE CRESCIMENTO: PROPOSIÇÃO DE ESTRATÉGIA Entender o negócio Panorama geral do negócio

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45

RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 RELATÓRIO DE PESQUISA - 45 2005 Disponível em nosso site: www.lisina.com.br Níveis de Energia Metabolizável e Relação Lisina Digestível por Caloria em Rações para Suínos Machos Castrados em Terminação

Leia mais

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP -

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - VII Simpósio Associação Brasileira de Proteção dos Alimentos ABRAPA - Melhorando a inocuidade da carne de aves

Leia mais

Processo de exportação de perecíveis aos EUA. (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya)

Processo de exportação de perecíveis aos EUA. (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya) Processo de exportação de perecíveis aos EUA (Frederico Tavares - Gerente de Comércio Internacional, UGBP: Union of Growers of Brazilian Papaya) World Production of Tropical Fruit World production of tropical

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

O sucesso do Gir Leiteiro

O sucesso do Gir Leiteiro O sucesso do Gir Leiteiro The success of Dairy Gir Por/Text Silvio Pinheiro Queiroz 50_Animal Business-Brasil Sumário Fruto de rigoroso e persistente trabalho de seleção genética, o Gir Leiteiro vem alcançando

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 MARCELA BENEVENTE [1], LUCIANA MOURA CAMPOS PARDINI [2], ADRIANA CAMARGO FERRASI [1,3], MARIA INES DE MOURA CAMPOS PARDINI [3], ALINE FARIA GALVANI [3], JOSE JOAQUIM TITTON RANZANI [2] 1. Instituto de

Leia mais

Lung Cancer. Risk Factors

Lung Cancer. Risk Factors Lung Cancer The lungs are the organs that help us breathe. They help to give oxygen to all the cells in the body. Cancer cells are abnormal cells. Cancer cells grow and divide more quickly than healthy

Leia mais

Coleta e Análise de Dados

Coleta e Análise de Dados Uma ferramenta para melhorar os resultados no campo Renato Pavan Anderlini Médico Veterinário Mestrado UNESP Botucatu Cel: (11) 986 770 089 renato.pavan@multbovinos.com.br BeefExpo 2015 O que são dados?

Leia mais

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS

01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS 01-A GRAMMAR / VERB CLASSIFICATION / VERB FORMS OBS1: Adaptação didática (TRADUÇÃO PARA PORTUGUÊS) realizada pelo Prof. Dr. Alexandre Rosa dos Santos. OBS2: Textos extraídos do site: http://www.englishclub.com

Leia mais

Principais mitos que afetam o consumo de carne suína no Nordeste. Faviano Moreira Professor do IFRN Consultor do Sebrae

Principais mitos que afetam o consumo de carne suína no Nordeste. Faviano Moreira Professor do IFRN Consultor do Sebrae consumo de carne suína no Nordeste Faviano Moreira Professor do IFRN Consultor do Sebrae Pesquisas existentes Cadeia produtiva Tecnificada x subsistência Mudanças no perfil do consumidor nordestino? Velocidades

Leia mais

Barreiras Sanitárias e o Comércio Internacional

Barreiras Sanitárias e o Comércio Internacional Barreiras Sanitárias e o Comércio Internacional Evolução do Processo Agroindustrial D É C A D A D E 30 A té a década de 30 - o criador fazendo o abate. Era pré industrial. R eino da banha e do suíno de

Leia mais

Guião M. Descrição das actividades

Guião M. Descrição das actividades Proposta de Guião para uma Prova Grupo: Inovação Disciplina: Inglês, Nível de Continuação, 11.º ano Domínio de Referência: O Mundo do trabalho Duração da prova: 15 a 20 minutos 1.º MOMENTO Guião M Intervenientes

Leia mais

Livia Pires Chaves. Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso. Dissertação de Mestrado

Livia Pires Chaves. Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso. Dissertação de Mestrado Livia Pires Chaves Gestão de Estoque na Indústria de Manutenção de Motores Aeronáuticos: Estudo de Caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CENTRO UNIVERSITÁRIO METROPOLITANO DE SÃO PAULO CURSO ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS UMA VANTAGEM COMPETITIVA COM A TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS AMANDA ZADRES DANIELA LILIANE ELIANE NUNES ELISANGELA MENDES Guarulhos

Leia mais

Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte:

Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte: Selecionando para Melhorar as Carcaças do Gado de Corte: Leonardo Campos 1 e Gabriel Campos 2 O professor e pesquisador norte-americano R.A. Bob Long, colunista da revista Angus Journal e autor do Sistema

Leia mais

FACULDADE PRESBITERIANA AUGUSTO GALVÃO ENGENHARIA AMBIENTAL

FACULDADE PRESBITERIANA AUGUSTO GALVÃO ENGENHARIA AMBIENTAL FACULDADE PRESBITERIANA AUGUSTO GALVÃO ENGENHARIA AMBIENTAL ZONEAMENTO URBANO E GESTÃO PÚBLICA EM CAMPO FORMOSO JAILSON DA SILVA PINTO Campo Formoso BA abril de 2014 JAILSON DA SILVA PINTO ZONEAMENTO URBANO

Leia mais

Análise Probabilística de Semântica Latente aplicada a sistemas de recomendação

Análise Probabilística de Semântica Latente aplicada a sistemas de recomendação Diogo Silveira Mendonça Análise Probabilística de Semântica Latente aplicada a sistemas de recomendação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de

Leia mais

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre

Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Análise da vigilância para Peste Suína Clássica (PSC) na zona livre Feira de Santana, 05 de maio de 2015 FFA Abel Ricieri Guareschi Neto Serviço de Saúde Animal Superintendência MAPA no PR Amparo legal

Leia mais

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Renata Céli Moreira da Silva Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

A eficiência do signo empresarial e as estratégias de legitimação do campo do design

A eficiência do signo empresarial e as estratégias de legitimação do campo do design Marcelo Vianna Lacerda de Almeida A eficiência do signo empresarial e as estratégias de legitimação do campo do design Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Design

Leia mais

SISTEMA INFORMATIZADO PARA CONTROLE DE SUÍNOS

SISTEMA INFORMATIZADO PARA CONTROLE DE SUÍNOS SISTEMA INFORMATIZADO PARA CONTROLE DE SUÍNOS Autor(es) Andreia Malucelli Email: malu@ppgia.pucpr.br Vínculo: Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR Endereço: Rua Imaculada Conceição, 1155

Leia mais

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks Conteúdo: Reading - Typographic Marks Habilidades: Utilizar as Marcas Tipográficas para facilitar a compreensão e também chamar a atenção do leitor. Typographic Marks O que são marcas tipográficas? As

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

1- ESTUDO DESIGN PARA A COMPETITIVIDADE 2 PROJETOS DESENVOLVIDOS PELO PROGRAMA BRASILEIRO DO DESIGN 1995/2002 3 PERSPECTIVAS PARA 2003

1- ESTUDO DESIGN PARA A COMPETITIVIDADE 2 PROJETOS DESENVOLVIDOS PELO PROGRAMA BRASILEIRO DO DESIGN 1995/2002 3 PERSPECTIVAS PARA 2003 1- ESTUDO DESIGN PARA A COMPETITIVIDADE 2 PROJETOS DESENVOLVIDOS PELO PROGRAMA BRASILEIRO DO DESIGN 1995/2002 3 PERSPECTIVAS PARA 2003 ESTUDO DESIGN PARA A COMPETITIVIDADE Japão Alemanha Canadá Reino Unido

Leia mais

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA

ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS REIS LIMA JOSÉ RODOLFO ABREU VIEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO NÚCLEO DE PÓS - GRADUAÇÃO NPGA CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL AVANÇADA - CPA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANTONIO ROBINSON GONÇALVES IVANA DOS

Leia mais

FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS GEORGE PINHEIRO RAMOS

FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS GEORGE PINHEIRO RAMOS FUNDAÇÃO INSTITUTO CAPIXABA DE PESQUISAS EM CONTABILIDADE, ECONOMIA E FINANÇAS GEORGE PINHEIRO RAMOS FATORES DETERMINANTES E INFLUENCIADORES DE COMPRA DA MÚSICA GOSPEL VITÓRIA 2013 2 GEORGE PINHEIRO RAMOS

Leia mais

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese

Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Portuguese Lesson A Welcome to Lesson A of Story Time for Portuguese Story Time is a program designed for students who have already taken high school or college courses or students who have completed other

Leia mais

As Novas Formas de Financiamento da Economia

As Novas Formas de Financiamento da Economia As Novas Formas de Financiamento da Economia Francisco Fonseca Vice-Presidente ANJE 2º CONGRESSO DAS EMPRESAS E DAS ACTIVIDADES ECONÓMICAS - LISBOA O que são? Formas alternativas de financiamento incluem

Leia mais

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS

TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO TUTORIA INTERCULTURAL NUM CLUBE DE PORTUGUÊS SANDRA MARIA MORAIS VALENTE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO Área de

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES Pablo Zotti AMADOR 1 ; Maribel Barbosa da CUNHA 2 1 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC; 2 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC

Leia mais

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM.

ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS. Prova-modelo. Instruções. Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. ACFES MAIORES DE 23 ANOS INGLÊS Prova-modelo Instruções Verifique se o exemplar da prova está completo, isto é, se termina com a palavra FIM. A prova é avaliada em 20 valores (200 pontos). A prova é composta

Leia mais

SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA

SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA SISTEMA DE RASTREABILIDADE BOVINA Ricardo Toshio Yugue EAN BRASIL Grupo de Trabalho para Automação, Rastreabilidade e Padronização Comercial da Carne Bovina 24 SUMÁRIO presente projeto tem por objetivo

Leia mais

Erasmus Student Work Placement

Erasmus Student Work Placement Erasmus Student Work Placement EMPLOYER INFORMATION Name of organisation Address Post code Country SPORT LISBOA E BENFICA AV. GENERAL NORTON DE MATOS, 1500-313 LISBOA PORTUGAL Telephone 21 721 95 09 Fax

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO.

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. SISTEMA DE PRODUÇÃO DE CARNE ORGÂNICA: A RASTREABILIDADE COMO FERRAMENTA PARA A CERTIFICAÇÃO. Valmir L. Rodrigues Médico Veterinário/Biorastro Hoje, mais que antigamente, o consumidor busca serviços de

Leia mais