REVISTA QUERUBIM NITERÓI RIO DE JANEIRO Ano 09 Número 21 Volume 2 ISSN REVISTA QUERUBIM Letras Ciências Humanas Ciências Sociais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REVISTA QUERUBIM NITERÓI RIO DE JANEIRO 2013. Ano 09 Número 21 Volume 2 ISSN 1809-3264. REVISTA QUERUBIM Letras Ciências Humanas Ciências Sociais"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE Revista Querubim revista eletrônica FEDERAL de trabalhos científicos nas FLUMINENSE áreas de Letras, Ciências FACULDADE DE EDUCAÇÃO Página 1 de 160 REVISTA QUERUBIM Letras Ciências Humanas Ciências Sociais Ano 09 Número 21 Volume 2 ISSN REVISTA QUERUBIM NITERÓI RIO DE JANEIRO 2013 N I T E R Ó I RJ

2 Página 2 de 160 Revista Querubim 2013 Ano 09 nº 21 vol p. (outubro 2013) Rio de Janeiro: Querubim, Linguagem 2. Ciências Humanas 3. Ciências Sociais Periódicos. I - Titulo: Revista Querubim Digital Conselho Científico Alessio Surian (Universidade de Padova - Italia) Carlos Walter Porto-Goncalves (UFF - Brasil) Darcilia Simoes (UERJ Brasil) Evarina Deulofeu (Universidade de Havana Cuba) Madalena Mendes (Universidade de Lisboa - Portugal) Vicente Manzano (Universidade de Sevilla Espanha) Virginia Fontes (UFF Brasil) Conselho Editorial Presidente e Editor Aroldo Magno de Oliveira Consultores Alice Akemi Yamasaki Andre Silva Martins Elanir França Carvalho Enéas Farias Tavares Guilherme Wyllie Janete Silva dos Santos João Carlos de Carvalho José Carlos de Freitas Jussara Bittencourt de Sá Luiza Helena Oliveira da Silva Marcos Pinheiro Barreto Paolo Vittoria Ruth Luz dos Santos Silva Shirley Gomes de Souza Carreira Vanderlei Mendes de Oliveira Venício da Cunha Fernandes

3 Página 3 de 160 Sumário 01 Educação à distância: como evitar o plágio Katiana Normandia Fonseca Gaúcho: como seus apetrechos são dicionarizados? Kelly Fernanda Guasso da Silva Educação ambiental e mídia alternativa: criando ambientes midiáticos sustentáveis 13 Krischna Silveira Duarte 04 A etnografia virtual e os novos desafios éticos lançados aos pesquisadores online Lúcia 21 Gomes Pinheiro e Raquel Souza de Oliveira 05 Licenciatura em computação e identidade profissional: um estudo de caso do Instituto 28 Federal do Tocantins Luciano Correia Franco e Maria José de Pinho 06 Sobre leitura, memória, e as metáforas do olhar Lucilene Lisboa de Liz e Annaline 35 Curado Piccolo 07 A democratização do ensino e as instituições de educação superior Marcelo Nicomedes 43 dos Reis Silva Filho e Delcimara Batista Caldas 08 Importância das diferentes abordagens didáticas para o aprendizado de alunos do ensino 48 médio Mariana Pereira Lacerda e Leandro Santos Goulart 09 Teoria das representações sociais: a violência e o medo na cidade de São Paulo Marlene 52 Almeida de Ataíde 10 Planejamento educacional: considerações sobre Paulo Freire, correntes pedagógicas e 60 tendências da educação Mayane Ferreira de Farias, Janaina Luciana de Medeiros e Mayara Ferreira de Farias 11 A relevância dos tranportes turísticos para a conribuição negativa dos impactos ambientais 70 Mayara Ferreira de Farias, Janaina Luciana de Medeiros, Judson Daniel Januario da Silva e Mayane Ferreira de Farias 12 A ISO para a prevenção contra o falso marketing verde Mayara Ferreira de 81 Farias, Janaina Luciana de Medeiros, Judson Daniel Januario da Silva e Mayane Ferreira de Farias 13 Comparação de conceitos sobre cultura dos autores Roger Chartier e Clifford Geertz 90 Mayara Ferreira de Farias, Janaina Luciana de Medeiros, Judson Daniel Januario da Silva e Mayane Ferreira de Farias 14 Práticas pedagógicas e alunos com dificuldades em aprender. Nely Jane Mendonça, 96 Eltongil Brandão Barbosa e Wagner dos Santos Mariano 15 O ensino de leitura e escrita na escola: metodologia da olimpíada de língua portuguesa 103 Núbia Régia de Almeida, Tânia Maria de Oliveira Rosa e Márcio Araújo de Melo 16 A aplicação de jogos e brincadeiras no ensino aprendizagem nas séries iniciais Paula 110 Romelinede Souza e Silva, Mayane Ferreira de Farias, Janaina Luciana de Medeiros e Mayara Ferreira de Farias 17 A escrita visceral de Al Berto Rodrigo da Costa Araujo Concepções de moradores e turistas no distrito de São Jorge-GO: uma reconstrução cultural 123 Rodrigo Capelle Suess e Rafael Gonçalves Bezerra 19 Pedagogia da leitura: o que mudou nos últimos trinta anos? Silvio Profirio da Silva Análise de discurso: constituição da subjetividade e da materialidade na linguagem Thaís 138 Fernanda Gavron 21 Bullyin: levantamento sobre casos no ensino fundamental Verônica Ramos Agostinho 145 Silva, Mayane Ferreira de Farias, Janaina Luciana de Medeiros e Mayara Ferreira de Farias 22 RESENHA FARIAS, Mayane Ferreira de. Resenha do texto de MACEDO, Elizabeth; 156 OLIVEIRA, Inês Barbosa de; MAGALHÃES, Luiz Carlos; ALVES, Nilda (org.). Criar currículo no cotidiano. 2 ed. São Paulo: Cortez, Série cultura, memória e currículo, v1). p RESENHA FARIAS, Mayara Ferreira de Resenha da tradução de, SETZER, 158 Valdemar W. Dado, Informação, Conhecimento e Competência. DataGramaZero, Revista de Ciência da Informação n. zero, dez./99.p RESENHA A formação do leitor e o ensino da literatura Rodrigo da Costa AraujoRESENHA: MIGUEZ, Fátima. A Literatura na leitura da infância. Ilustrações de Rui Oliveira. Rio de Janeiro. Nova Fronteira p. 159

4 Página 4 de 160 EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: COMO EVITAR O PLÁGIO Katiana Normandia Fonseca 1 Resumo O presente artigo tem como objetivo realizar, mesmo que de forma sucinta uma análise sobre a Educação na modalidade à Distância EaD, por considerar que as novas tecnologias remetem ao acesso de informações nas mais variadas áreas do conhecimento e desta forma pode ocasionar que alunos não comprometidos com os seus próprios esforços utilizem textos de autores com se estes fossem da sua autoria. Pelo contrário, utilizar textos inteiros ou partes sem fazer a citação dos autores que se debruçaram para pensar e escrever está previsto na legislação como plágio, que é considerado crime de acordo com o Código Penal brasileiro conforme prescreve o seu Artigo 184. Palavras chave: Educação à Distância. Plágio.Código Penal. LONG-DISTANCE EDUCATION: AS TO PREVENT THE PLAGIARISM Abstratct The present article has as objective to exactly carry through, that of form sucinta an analysis on the Education in the long-distance modality - EaD, for considering that the new technologies send to the access of information in the most varied areas of the knowledge and in such a way can cause that not engaged pupils with its proper efforts use texts of authors with if these were of its authorship. By the the opposite, to use entire texts or parts without making the citation of the authors who if had leaned over to think and to write is foreseen in the legislation as plagiarism, that is considered crime in accordance with the Brazilian Criminal Code as prescribes its Article 184. Abstract:Keywords: Long-distance education. Plagiarism. Criminal code. A Educação a Distância: breves considerações Nos últimos anos, dado o desenvolvimento acelerado de tecnologias de comunicação, com o advento das ferramentas via internet, o ensino a distância, conhecido como EaD, ganhou destaque como mais um meio de difusão do conhecimento. Os cursos ministrados via internet são variados, desde aulas de culinária até cursos de Graduação e Pós-Graduação em diversas áreas do conhecimento. De um modo geral podemos afirmar que a EaD aplica as tecnologias disponíveis para fazer acontecer o processo de ensino e aprendizagem, superando as barreiras do espaço e do tempo. Dentre as principais características da EaD, deve-se fortalecer aquelas ligadas a autonomia do estudante, a comunicação e o processo tecnológico, e assim é possível construir um conceito mais completo (GUAREZI, 2009, p. 20). Para efeito de análise, podemos dividir o ensino a distância em duas modalidades. Uma formal, onde há uma instituição de ensino intermediando o contato entre o aluno e o professor. E outra não formal, onde não há uma instituição de ensino fazendo essa intermediação. No primeiro caso, podemos citar os cursos de Graduação, os de Pós-Graduação, o cursos profissionalizantes, os de línguas estrangeiras etc. No segundo caso, podemos enquadrar os 1 Especialista em Gestão de Pessoas pela Universidade de Santo Amaro (UNISA). Tutora dos cursos de Administração e Tecnólogo em Recursos Humanos.

5 Página 5 de 160 vídeos com aulas diversas no canal youtube e outros meios. Hoje uma infinidade de pessoas acessam aulas de reforço escolar na internet e, também, cursos diversos, como, por exemplo, aulas de jardinagem etc. A massificação do acesso à rede mundial de computadores, que tem se intensificado no Brasil nos últimos anos, facilitou a difusão dos cursos à distância. Em um país com dimensões continentais como é o Brasil, as ferramentas de ensino via internet permitem que pessoas em áreas isoladas, mas com acesso à rede de computadores, possam cursar uma graduação em uma Universidade que esteja presente nos grandes centros. Ainda persiste no Brasil discriminação quanto a qualidade dos cursos formais à distância. No entanto, recentemente, grandes Universidades públicas, como a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Federal Fluminense (UFF), lançaram canais de ensino via internet. Muitas Universidades particulares já lançaram cursos nessa modalidade, uma vez que viram excelente oportunidade de mercado, pois, do ponto de vista da demanda, existe no Brasil um grande mercado potencial para cursos EaD. Diante de várias conceitos de autores sobre EaD, destaca-se o de Aretio apud GUAREZI(2009, p. 19) que afirma: EAD é um sistema tecnológico de comunicação bidirecional que substitui a interação pessoal, em sala de aula, entre professor e aluno como meio preferencial de ensino pela ação sistemática e conjunta de diversos recursos didáticos e pelo apoio de uma organização tutorial de modo a propiciar a aprendizagem autônoma dos estudantes. É de grande importância que os cursos à distância tenham em seu quadro profissionais bem qualificados, além de boa estruturação de suas grades curriculares, bibliotecas, canais de comunicação, salas de aula virtual (Ambiente Virtual de Aprendizado), a fim de atender os interesses do público, sanar suas dificuldades, dando condições de boa formação, com níveis de exigência que os faça cursar de forma séria e comprometida. Hoje em dia existe uma forte valorização dos cursos EaD no mercado de trabalho, pois as grandes empresas têm acreditado que o aluno que consegue se formar à distância tem muito mais compromisso, levando com mais seriedade seus estudos e o seu lado profissional. Plágio: o que é e como evitá-lo na Educação a Distância O plágio pode ser classificado como um ato de cópia ou apresentação de uma ideia sem o devido crédito ao autor. O mesmo pode ocorrer não só no ambiente acadêmico, mas, também, no meio artístico. São reportados casos envolvendo peças de teatro, músicas, obras literárias e, até, criações de empresas, o que envolve quebras de patentes. O plágio representa o mais grave ilícito contra a propriedade intelectual. É mais grave do que a contrafação (pirataria), pois envolve questões éticas que ultrapassam aspectos meramente econômicos, ligados a investimentos de grupos empresariais. O plágio é uma violação à dignidade da pessoa humana, princípio fundamental no Estado Democrático de Direito (Constituição Federal de 1988, art. 1º, III). No meio acadêmico, é comum se tornarem públicos casos de cópias de obras e ideias sem as devidas citações. Nos últimos anos, acompanhamos algumas situações envolvendo cientistas de grandes universidades, o que colocou em xeque a reputação de alguns centros de pesquisa.

6 Página 6 de 160 O advento das tecnologias de informação e os subprodutos da internet as redes sociais e os sites de pesquisa possibilitaram que qualquer pessoa munida de um computador pessoal possa ter acesso a uma obra acadêmica, a uma tese, o que facilitou o ato de plágio. Ressalta-se que o ato de plagiar sempre esteve presente no meio acadêmico, e as novas tecnologias de comunicação só facilitaram o processo. Para Maia e Mattar (2007), a maior parte dos plágios, por parte dos alunos, ocorre como resultado da ignorância das regras de citação, não sendo em geral uma atitude intencional. A expansão dos cursos de educação a distância, conhecidos como EaD, no Brasil tem levantado a discussão sobre o plágio, uma vez que a principal ferramenta dessa forma de ensino é a internet. Em alguns casos, existe pouco, ou nenhum, contato físico entre aluno e professor, o que pode passar a falsa sensação ao aluno de que haverá pouca, ou nenhuma, fiscalização sobre seus trabalhos. As formas de evitar o plágio nos cursos EaD têm de ser as mesmas utilizadas nos cursos presenciais, com a ressalva de que, nos cursos à distância, a atenção do professor precisa ser redobrada, pois, neste caso, o aluno pode se sentir mais propenso a cópia sem citação. Para evitar, devem-se usar softwares capazes de detectar a cópia irregular, e, também, tem de haver maior contato entre aluno e professor, mesmo que por meio de chats. O professor precisa deixar claro que acompanha todos os trabalhos com muita atenção e que será radical na eventualidade de ocorrência de cópia. À Universidade cabe dotar os professores das ferramentas tecnológicas que permitam a detecção do plágio. Além disso, os centros de ensino precisam atentar para a sobrecarga de trabalho sobre o corpo docente, pois o excesso de tarefas pode fazer com que os professores tenham menos tempo para ler todos os trabalhos de forma minuciosa, o que pode deixar passar as cópias sem as devidas citações. Considerações Finais O objetivo deste artigo foi apresentar uma breve análise sobre a Educação a Distância e ressaltar sua relevância para a difusão do conhecimento no século XXI. Além disso, explanamos sobre o plágio nessa modalidade de ensino. É possível concluir que a expansão dos cursos EaD foi possível dentro de um contexto de desenvolvimento das tecnologias de comunicação, a principal delas a internet. O acesso à rede mundial de computadores e as suas ferramentas permite maior interação entre alunos e professores. Para facilitar a análise, os cursos EaD foram divididos em duas modalidades, os chamados formais, que são capitaneados por instituições de ensino, e os não formais, que são os vídeos com aulas diversas disponíveis na internet. Os cursos à distância, sejam eles formais ou não, têm cumprido papel fundamental no acesso ao conhecimento principalmente para comunidades mais isoladas, longe dos grandes centros urbanos onde sabemos concentra-se grande parte dos cursos presenciais. Nessa modalidade de ensino, as barreiras de espaço e do tempo são rompidas, o que a torna um meio democrático de acesso ao aprendizado. No que diz respeito ao meio formal de ensino, ainda persiste no Brasil certa discriminação quanto a qualidade dos cursos EaD. No entanto, grandes Universidades públicas têm dado mais

7 Página 7 de 160 atenção a essa nova forma de ensino e criado canais de cursos à distância. As instituições de ensino particulares, atentas ao potencial desse mercado, já lançaram canais de EaD há algum tempo. O plágio, que é uma preocupação constante no meio acadêmico, tem sido foco de atenção nos cursos à distância. O ato de copiar e citar trechos sem mencionar a fonte encontrou nessa nova modalidade de ensino campo fértil para disseminação. Os fatores que contribuem para isso são: o acesso fácil a obras acadêmicas na internet, possibilitadas, sobretudo, pelos sites de pesquisa; e a distância entre aluno e professor, o que passa a falsa sensação de pouca fiscalização. As formas de conter o plágio nos cursos à distância são as mesmas dos cursos presenciais, com o uso de softwares capazes de detectar a cópia feita de forma irregular. Ao professor, cabe demonstrar que está presente e que acompanha atentamente os trabalhos dos alunos e que será radical na punição. Às Universidades, cabe a tarefa de munir os professores do ferramental básico para conter o plágio. Apesar dos questionamentos quanto à qualidade do ensino e da facilidade de plágio, o Ensino à Distância precisa ser estimulado, pois, em um país com as dimensões continentais como é o Brasil, e com a concentração de cursos de excelência presenciais em determinadas regiões, as aulas via internet cumprem uma função social ao permitir acesso ao conhecimento. Referências Bibliográficas BRASIL, Constituição Federal de GUAREZI, R. C. M; MATOS, M. M. Educação a distância sem segredos. Curitiba: Ibpex, MATTA, C. M. J. ABC da EaD.São Paulo: Pearson Prentice Hall, NORONHA. E. M. Curso de Direito Processual Penal. São Paulo: Saraiva, 1969.

8 Página 8 de 160 GAÚCHO: COMO SEUS APETRECHOS SÃO DICIONARIZADOS? Kelly Fernanda Guasso da Silva 1 Resumo Com o objetivo maior de entender de que maneira os símbolos do gaúcho são designados em dicionários nacionais e regionalistas, pretendemos investigar como os utensílios/apetrechos arreios, boleadeira, laço e relho, utilizados pelo gaúcho rural em seu trabalho no campo ou no dia-a-dia, são representados no Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, de Antônio Houaiss e Mauro Villar, e no Dicionário de Regionalismos do Rio Grande do Sul, de Zeno Cardoso Nunes e Rui Cardoso Nunes. Seguiremos os princípios básicos da História das Ideias Linguísticas e da Análise do Discurso de linha francesa, como vêm desenvolvidos no Brasil nas últimas décadas. Palavras-chave: símbolos, gaúcho, dicionários, apetrechos. Abstract In order to understand how the symbols are designated gaúcho in national and regionalists dictionaries, we intend to investigate how the utensils/accessories arreios, boleadeira, laço and relho, used by rural gaúcho in his work in the field or in the day-to-day, are represented in Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, of Antônio Houaiss e Mauro Villar, and in Dicionário de Regionalismos do Rio Grande do Sul, of Zeno Cardoso Nunes and Rui Cardoso Nunes. Follow the basic principles of the History of Ideas Linguistics and Discourse Analysis of French, as they have been developed in Brazil in recent decades. Keywords: symbols, gaúcho, dictionaries, accessories. Primeiras palavras Nosso objetivo primeiro é trabalhar com os símbolos que envolvem o imaginário do gaúcho, para tanto, elegemos apetrechos que o gaúcho do meio rural utiliza no seu dia a dia ou no seu trabalho e analisamos como eles são dicionarizados. Dessa maneira, nosso objeto de pesquisa é o dicionário, mais especificamente o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, de Antônio Houaiss e Mauro Villar e o Dicionário de Regionalismos do Rio Grande do Sul, de Zeno Cardoso Nunes e Rui Cardoso Nunes. As palavras selecionadas por nós foram: arreios, boleadeira, laço e relho. Propomo-nos a analisá-las e comparar as designações trazidas pelos dicionários elencados, buscando compreender de que maneira esses símbolos do gaúcho são dicionarizados e discursivizados. Escolhemos os apetrechos utilizados pelo gaúcho, em seu trabalho ou no seu dia a dia, justamente por serem esses elementos corriqueiros na vida do gaúcho tradicionalmente rural. É importante considerarmos também o fato de que, para muitas pessoas, principalmente as quais não mantém contato com o sul do Brasil, essas podem ser palavras desconhecidas, por isso buscamos mostrar a maneira pela qual elas são designadas e se, por exemplo, são referenciadas ao Rio Grande do Sul nesses dicionários. Tomamos o nosso objeto de pesquisa segundo a concepção de Auroux (1992), que considera o dicionário um instrumento linguístico que serve de base para a construção de 1Acadêmica do curso de Bacharelado em Letras e Literaturas da Língua Portuguesa na Universidade Federal de Santa Maria. Bolsista Probic FAPERGS, sob orientação da Professora Dr. Verli Petri.

9 Página 9 de 160 conhecimentos, além de representar uma materialidade discursiva de perpetuação linguística. De fato, é a partir da invenção de dicionários e gramáticas que se tronou possível ensinar e aprender uma língua de modo sistematizado. Ainda segundo o mesmo autor é através do dicionário (e da gramática) que se pode descrever e instrumentar uma língua, pois eles não servem apenas para correção ortográfica, mas, principalmente, auxiliam na produção de sentidos, na medida em que fornece ao falante as possibilidades de uso das palavras de determinada língua. Pensarmos nos símbolos que envolvem o imaginário do gaúcho dentro do processo de dicionarização torna-se relevante uma vez que temos nos dicionários uma forma de registro do saber, ou seja, através dos dicionários, temos não só a possibilidade de produzir sentidos, mas também a manutenção do saber e a apresentação de novas maneiras de dizer e de significar dentro de um discurso. Conforme Nunes (2010), tomaremos o dicionário como um discurso sobre a língua e é a partir disso que nos propomos a analisar como os apetrechos do gaúcho são discursivizados em um dicionário nacional, o Houaiss, e em um dicionário regional, o Dicionário de Regionalismos do Rio Grande do Sul. Um gesto interpretativo: comparação entre as designações trazidas pelo dicionário nacional e pelo regional Partiremos das designações dos apetrechos constantes no Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa para as designações constantes no Dicionário de Regionalismos do Rio Grande do Sul, a fim de percebermos se esses apetrechos são referenciados aos gaúchos no dicionário nacional, ou seja, se são considerados regionalismos, assim como, pretendemos entender a maneira pela qual eles são designados no dicionário regional. Outra questão a que daremos atenção é a abrangência das acepções em cada dicionário, considerando como hipótese inicial que, por esses apetrechos serem de uso corriqueiro dos gaúchos, é o dicionário regionalista que abarcará o maior número de acepções para cada termo. Buscando respostas às nossas hipóteses iniciais é que partimos para a análise e posterior comparação propriamente ditas: O Dicionário Houaiss traz para arreio (HOUAISS; VILLAR, 2009, p. 299) quatro acepções, sendo a primeira delas adorno; enfeite, atavio. A segunda acepção é conjunto de apetrechos que permite o trabalho do animal de carga ou de tração (mais usado no plural). A terceira designa-o como um conjunto de peças com que se prepara a cavalgadura para montaria; arreamento (mais usado no plural). E a última acepção refere-o como sinonímia de sela. É somente após todas essas acepções que o dicionário refere o arreio ao Rio Grande do Sul, ao trazer-nos a expressão sair vendendo os arreios, com significado de sair (o cavalo) em disparada sem o cavaleiro, desvencilhando-se das peças do arreamento. Já o Dicionário de Regionalismos (NUNES; NUNES, 1948, p. 41) apresenta-nos o vocábulo arreios, no plural, significando conjunto de peças com que se arreia um cavalo para montar. E, após essa designação, apresenta-nos as peças que compõem os arreios. São elas: baixeiro, enxergão, xergão, xerga, suadouro, carona, lombilho, serigote [...]. Somando um total de vinte e cinco peças componentes. Após essa listagem de peças, temos apresentada a serventia desse apetrecho: servem de cama para o gaúcho, principalmente quando em viagem. E como última informação, mas não menos importante temos a afirmação de que este vocábulo só é usado no plural. A primeira questão que nos chama a atenção, já nesse primeiro vocábulo, é que, enquanto o dicionário nacional apresenta-nos quatro acepções para arreio, o dicionário regional traz-nos três acepções, portanto, uma a menos. Fato que contraria a nossa hipótese inicial de que seria o dicionário regional que abarcaria maior quantidade de acepções para cada termo. Outra questão é

10 Página 10 de 160 que, enquanto no dicionário nacional há um levantamento de significados para o termo, no dicionário regional há uma enumeração de peças dos arreios, essa enumeração de peças revela a necessidade de detalhamento do objeto que tem sua utilidade e que sem essas peças enumeradas pode ficar incompleto, isso nos remete à ideia de manutenção da utilidade tradicional, apagando a significação mais geral do termo, em detrimento da especificidade regional. Segundo Eni Orlandi (2009, p. 82), ao longo do dizer, há toda uma margem de não ditos que também significam. Podemos aproximar essa afirmativa da questão do apagamento encontrado no dicionário regional, pois somos levados a considerar, que o dicionário regional apaga a significação justamente por motivo de serem os arreios apetrechos comuns aos gaúchos, e, por isso, não precisam carregar uma memória generalista; fazem parte da memória discursiva enquanto especificidade da região, fazendo parte de um interdiscurso. O interdiscurso, conforme Eni Orlandi (2009, p. 31) é definido como aquilo que fala antes, em outro lugar, independentemente. É bastante importante, também, o fato de o dicionário regional apresentar-nos apenas entrada no plural, inclusive afirmando que essa palavra só é usada no plural, fato que não se confirma no dicionário nacional, pois apesar de este mencionar que o termo é mais utilizado no plural, ele não o restringe. É imprescindível que compreendamos que o dicionário regionalista tenta de diversas maneiras controlar o sentido sobre o vocábulo em estudo, explicitando a tomada de posição de um sujeito dicionarista que acredita ser a origem do seu dizer e que acredita controlar os sentidos dos verbetes apresentados, o que corresponde aos esquecimentos número 1 e número 2 postulados por Michel Pêcheux. Para a palavra boleadeiras (substantivo, feminino, plural), o dicionário nacional (HOUAISS; VILLAR, 2009, p. 481) traz-nos referência ao Rio Grande do Sul, seguida pela significação da palavra: artefato composto por esferas (de pedra, marfim ou ferro) forradas de couro espesso (retovo) e unidas por três tiras de couro (sogas) presas entre si por uma das pontas. Após a significação da palavra, temos a sua utilidade: usada pelos campeiros para envencilhar animais ou mesmo como arma. Já o dicionário regionalista (NUNES; NUNES, 1948, p. 69) apresenta-nos a palavra boleadeira como um substantivo, feminino, singular, divergindo do que temos no dicionário nacional. Essa contrariedade também pode ser percebida na palavra anterior, a partir disso podemos perceber que essas palavras apresentam certa variação, uma vez que são consideradas pelo dicionário nacional como regionalismos ou como referências ao Rio Grande do Sul, ou seja, são palavras que receberam modificação pelo meio discursivo em que estão inseridas, fazendo parte efetivamente ou não das práticas sociais dos falantes de um determinado grupo. Segundo Eni Orlandi (2009, p. 10) de um lado é na movência, na provisoriedade, que os sujeitos e os sentidos se estabelecem, de outro, eles se estabilizam, se cristalizam, permanecem, ou seja, pelo uso frequente das palavras, elas acabam por modificarem-se ou adequarem-se e é isso que parece ocorrer com as palavras arreios e boleadeira referidas anteriormente. Elas sofreram influência do meio, pelo uso, já que o discurso constantemente renova-se ou a partir da permanência, ou da provisoriedade. Podemos seguir nessa linha entre permanência e provisoriedade para entender o processo pelo qual é designada a boleadeira, no dicionário regionalista, uma vez que nele encontramos praticamente a mesma designação do dicionário nacional, porém com um detalhamento maior. No momento em que o dicionário nacional confirma que a boleadeira é um regionalismo (HOUAISS; VILLAR, 2009, p. 481), ele justifica o fato de o dicionário regional abranger mais detalhadamente esse apetrecho. Temos a utilidade da boleadeira : instrumento de que se servem os campeiros para apreender os animais e também para, nas guerras, abater o inimigo; a sua composição: consta de três pedras redondas retovadas com couro e ligadas entre si por cordas trançadas ou torcidas ; além do modo de usar o apetrecho: para usar a boleadeira o campeiro segura com a mão direita a manicla e imprime às outras duas bolas um movimento rotativo [...]. Com isso, novamente podemos perceber que o detalhamento e a necessidade de registrar os modos

11 Página 11 de 160 de usar esse item nos remetem a uma receita antiga que precisa ser preservada, sob pena de desaparecer, ou seja, podemos perceber uma tentativa de controle do saber, por meio dos dicionaristas, ainda que eles se proponham a uma neutralidade inicial. Bem como, tornam-se aparentes as ilusões do sujeito dicionarista não só de ser o detentor de uma verdade única, mas também de ser a origem desse seu dizer. O item laço, no dicionário nacional (HOUAISS; VILLAR, 2009, p. 1709), recebe sete acepções, entre elas: nó corredio facilmente desatável; armadilha ou rede para apanhar caça; estratagema que tem por fim embair outrem. Em nenhuma das acepções o laço é referido ao gaúcho, essa referência se dá apenas como modo de exemplificação, por meio da menção ao laço de quatro tentos: ( corda forte ) trançado com quatro tiras de couro, típico dos trabalhos pastoris gaúchos. No dicionário regionalista (NUNES; NUNES, 1948, p. 259), o laço foi caracterizado de maneira mais detalhada, informando-nos o comprimento habitual do laço : varia entre oito e dezoito braças ; a sua constituição: constituído de argola, ilhapa, corpo de laço e presilha ; e, ainda, incluindo a acepção de ponto inicial ou final de corrida de cavalos, ou seja, mais uma vez, os sentidos se construíram a partir do jogo entre permanência e provisoriedade, pois ao mesmo tempo em que alguns sentidos se mantêm, outros sentidos foram acrescentados. O vocábulo relho, no dicionário nacional (HOUAISS; VILLAR, 2009, p. 2422), apresenta cinco acepções, sendo a primeira delas: açoite feito de couro torcido ; a segunda: no Rio Grande do Sul, chicote de cabo de madeira, usado para tocar animais ; ou seja, o relho é referenciado ao Rio Grande do Sul, mas não de maneira restrita, como se pode perceber ao identificarmos que apenas na segunda acepção temos referência aos gaúchos. No dicionário de regionalismos (NUNES; NUNES, 1948, p. 427), a acepção se mantém: chicote com cabo de madeira e açoiteira de trança semelhante à de laço, com um pedaço de guasca na ponta. A informação que podemos chamar de nova são os sinônimos de relho apresentados nesse dicionário, são eles: chicote, mango, rebenque, rabo de tatu. Relacionando o regionalismo e a língua nacional, e movimentando questões discursivas como a incompletude da linguagem e o interdiscurso dentro do processo de dicionarização foi que buscamos refletir acerca do funcionamento do dicionário, embasados em Petri (2010, p. 29), como um depositário da língua e da cultura gaúcha e por extensão brasileira. Consideramos, para este nosso trabalho, o dicionário como objeto discursivo que contém e mantém a língua regional e nacional, muito embora não dê conta da língua, pois ela flui, está viva. E, ainda, de acordo com o que afirma Nunes (2010, p. 6), esse objeto discursivo não é algo que estaria na mente das pessoas desde que elas nascem, mas, sim, algo que é produzido por práticas reais em determinadas conjunturas sociais. Fatos esses que indicam a importância do dicionário para a construção e a manutenção de conhecimentos. Palavras finais Como resultados iniciais obtivemos, por exemplo, que muitas palavras consideradas gaúchas, como arreios, laço e relho não são estritamente referenciadas ao gaúcho e nem são tidas, atualmente, como regionalismos. Além do fato de que algumas dessas palavras referentes aos apetrechos do gaúcho, como é o caso dos arreios, que num primeiro momento foram pensados como símbolos, na verdade receberam maior abrangência no dicionário nacional Houaiss do que no Dicionário de Regionalismos. Ao encontro disso é interessante pensarmos no caráter de incompletude da linguagem proposto por Eni Orlandi (2009), conforme essa autora, não há sentidos completos e definitivos, uma vez que tudo pode ser dito de outra maneira, pois o sentido e o sujeito escorregam, derivam

12 Página 12 de 160 para outros sujeitos e para outras posições. Nesse contexto é que se inserem os apetrechos do gaúcho, que são dicionarizados de maneiras diferentes, no dicionário nacional e no regionalista, mas sempre envolvendo sentidos que se mantém e que se deslocam. Ainda acerca dessa questão, propõe Petri (2012) que a presença de uma ideologia popular sobre o sujeito gaúcho pode ser percebida, já que, simultaneamente, efeitos de sentido estão sendo mobilizados e silenciados na sua definição e na definição dos elementos de sua indumentária, para que haja a construção de conhecimentos por meio do dicionário: Trata-se de um lugar onde estão formalizados os sentidos correntes mobilizados pelos falantes daquela região, remetendo-nos à outra época, ao imaginário de passado glorioso, silenciando (na maioria das vezes) os efeitos de sentidos pejorativos que a designação possa vir a produzir (PETRI, 2012, p. 30). Por meio de nossa análise, podemos perceber que o dicionário regionalista mantém a maioria das designações do dicionário nacional, mas apresenta-nos detalhes ou características que deslocam e tentam controlar o saber. Justamente por ser um dicionário de regionalismos é que há a possibilidade de deslocar sentidos, devido a uma aproximação desses regionalismos em relação ao afastamento que o dicionário nacional mantém e/ou procura manter, já que propõe imparcialidade ao denominar-se nacional. Consideramos um importante elemento para os nossos estudos e para o entendimento do que vem a ser o dicionário o fato de que esse instrumento linguístico não é o detentor da verdade geral que possa existir acerca de um termo/vocábulo, mas sim uma possibilidade, dentre tantas, de abordagem e de aproximação de uma apreensão. Auxilia-nos Petri (2012) nessa questão: É esta ideia de dicionário como depositário de uma linguagem regional [...] que nos permite pensá-lo e defini-lo como tesouro de um falar, ainda que [...] funcione como instrumento linguístico, não é pilar de saber metalinguístico da língua portuguesa como um todo, ele é parcial (PETRI, 2012, p. 35). O dicionário, como já afirmamos na parte introdutória deste trabalho, indica uma direção de conhecimento e auxilia na produção de sentidos; registra, permite consulta e possíveis aproximações e distanciamentos entre termos dessa nossa língua que está em contínuo desenvolvimento e que possui muitas especificidades, como os regionalismos sul-riograndenses, sobre os quais buscamos discorrer ao longo deste estudo. E porque respeitamos o seu espaço dentro da produção de conhecimentos é que trouxemos à baila algumas questões que possam contribuir com a produção de sentidos no que se refere não só ao sujeito gaúcho, mas ao próprio dicionário, sendo ele regionalista ou nacional. Referências AUROUX, Sylvain. A revolução tecnológica da gramatização. Trad. Eni Puccinelli Orlandi. Campinas, São Paulo: Editora da UNICAMP, HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. 1ª Edição. Rio de Janeiro: Objetiva, NUNES, Zeno Cardoso; NUNES, Rui Cardoso. Dicionário de regionalismos do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. Martins Livreiro Editora pág. ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise do discurso: princípios e procedimentos. 8ª Edição. Campinas, São Paulo: Pontes, PETRI, Verli. Reflexões acerca do funcionamento das noções de língua e de sujeito no Dicionário de Regionalismos do Rio Grande do Sul. Revista Língua e Instrumentos Linguísticos, n. 23/24. Campinas, São Paulo: RG Editora, 2010, p Gramatização das línguas e instrumentos linguísticos: a especificidade do dicionário regionalista. Revista Língua e Instrumentos Linguísticos, n. 29. Campinas, São Paulo: RG Editora, 2012, p NUNES, José Horta. Dicionários: história, leitura e produção. Revista de Letras da Universidade Católica de Brasília. Vol. 3, nº 1/2, Ano III Disponível em: Acesso em: 20 Ago

13 Página 13 de 160 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MÍDIA ALTERNATIVA: CRIANDO AMBIENTES MIDIÁTICOS SUSTENTÁVEIS Krischna Silveira Duarte Doutoranda em Educação UFPEL Resumo Problematizamos a influência da mídia na produção de subjetividades infantis e propomos a utilização do audiovisual como ferramenta da Educação Ambiental Não-Formal, iniciando a formação de jornalistas ambientais-mirim. Numa pesquisa-ação-participante com nove crianças objetivamos estimular a sua criticidade em relação às imposições midiáticas e relacionar com a qualidade de nossas relações ambientais. Criamos dois dispositivos: a oficina Criando Ambientes Comunicativos Sustentáveis e o programa de TV JORNALECO. A análise comparativa dos questionários aplicados mostra que as crianças passaram a compreender a manipulação das subjetividades e traçar paralelos entre serialização midiática, incentivo ao consumo e a degradação ambiental. Palavras Chave:Educação Ambiental. Audiovisual e educação. Produção de subjetividade. Abstract We questioned thein fluence of media on children's production of subjectivities and propose the use of audiovisual as a tool of Non-Formal Environmental Education, initiating the formation of environmental journalists-mirim. In an action research-participant with nine children a im tostimulate their criticality in relation to charges relating to media and theen vironmental quality of our relation ships.we created two devices: the workshop Creating Sustainable Environments and the TV program JORNALECO. The comparative analysis of the questionnaires shows that children come to understandthe handling of subjects and to draw parallels between media serialization, boost consumptionand environmental degradation. Key words: Environmental Education; Audio-visual and education; Production of subjectivity. Introdução Apresentamos neste trabalho a análise de dados produzidos com um grupo de nove crianças, de oito a dez anos de idade, da rede estadual de ensino fundamental dacidade de Pelotas- RS/Brasil, no qual exploramos a influência negativa dos meios de comunicação de massa sobre a subjetividade infantil. Problematizamos a influência midiática a partir do prisma da Educação Ambiental, analisando as consequências desta manipulação no ambiente e o papel do ser humano frente a esta realidade. Propomos a utilização da mídia alternativa como elemento capaz de inaugurar espaços de singularização das subjetividades, que vão de encontro aos processos de serialização da cultura, dos desejos, dos modos de ser e agir instituídos, no sentido da criação do novo, do resgate da originalidade. Este novo, por sua vez, atua como potência transformadora do ambiente. O principal objetivo do trabalho é estimular as crianças a desenvolverem o senso crítico em relação às imposições midiáticas e a apropriarem-se da ferramenta audiovisual, de forma que possam tomar posse de seu direito à comunicação e que exerçam sua cidadania neste processo. Estas ações educativas e coletivas de mudança social desenvolvidas pelo grupo caracterizam o método da Pesquisa-Ação-Participante (Barbier, 2006 e Brandão, 2009), adotado neste estudo de natureza qualitativa. O perfil do grupo pesquisador justifica-se no fato de que crianças na faixa etária compreendida entre os oito e os onze anos de idade, estão na fase do desenvolvimento infantil que corresponde ao Período Operacional Concreto, ou seja, o sistema cognitivo transcende o pensamento pré-lógico, o que permite encontrar soluções lógicas para os problemas concretos (Piaget, 1976).É neste período também, que surgem os sentimentos morais e sociais de cooperação.

14 Página 14 de 160 O reconhecimento da necessidade do estudo sobre a relação das crianças com a mídia é decorrente da intensa trama cultural audiovisual que experienciamosna contemporaneidade e que submete a constituição da subjetividade infantil à lógica capitalista. A manipulação midiática na fabricação de subjetividades Muitos autores (Bourdieu, Bucci, Guattari, Levy, Thompson, etc.) consideram que a manipulação midiática é uma enorme fonte de poder em nossa sociedade, pois é capaz de difundir uma interpretação fabricada da realidade. Para Bourdieu, esta faculdade é o poder simbólico, uma espécie de poder quase mágico, capaz de produzir efeitos reais sem dispêndio aparente de energia. O poder simbólico como poder de constituir o dado pela enunciação, de fazer ver e fazer crer, de confirmar ou de transformar a visão domundo e, deste modo, a ação sobre o mundo, portanto o mundo; poder quase mágico que permite obter o equivalente daquilo que é obtido pela força (física ou econômica), graças ao efeito específico de mobilização, só se exerce se for reconhecido, quer dizer, ignorado como arbitrário (Bourdieu, 2000, p. 14). Neste contexto a mídia, sobretudo a televisão, é presença marcante nas relações familiares e parte significativa da vida política e cultural do País. Está em 98% dos lares; até mesmo naqueles em que não há geladeira! A TV uniformiza e, portanto, despersonaliza o homem moderno, na medida em que dissemina valores e ideais de vida inalcançáveis pela maioria dos indivíduos. Todavia no espaço/tempo da TV, tais comportamentos são a regra, o que incita o telespectador que possui uma relação muito próxima com o meio - a reproduzir o mesmo padrão. A TV naturaliza o instituído, acomodando as subjetividades. Nós, ignorantes da arbitrariedade da televisão como aponta Bourdieu, tornamo-nos sujeitos passivos da produção de subjetividade e pensamos equivocadamente, que nossas interpretações daquilo que experienciamos são absolutamente próprias, individuais, fruto apenas da nossa subjetividade. O espaço público no Brasil começa e termina nos limites postos pela televisão. Ele se estende de trás para adiante: começa lá onde chegam a luz dos holofotes e as objetivas das câmeras; depois prossegue, assim de marcha à ré, passa por nós e nos ultrapassa, terminando às nossas costas, onde se desmancha a luminescência que sai dos televisores. O resto é escuridão (Bucci, 2005, p. 11). Este fenômeno ocorre de forma sutil: Ao sermos expostos diariamente aos modos de ser glamourizados da televisão, acabamos por identificar-nos com determinados personagens reais ou imaginários. O processo de naturalização do instituído torna as características destes personagens um modo de ser ideal, que neste contexto, inevitavelmente será reproduzido. Daí deriva a capacidade de alienação e violência simbólica que a TV possui: cria uma imagem daquilo que seria a sociedade brasileira, uniformizando, criando a falsa ideia de um País unido, para brutalmente, esconder a desigualdade social estabelecida. O enorme poder concentrado na TV brasileira lhe foi delegado pelo atraso, o mesmo atraso que favoreceu e favorece latifundiários, as empreiteiras, os banqueiros. Entre todos, os donos das emissoras e principalmente das redes são os mais poderosos. A TV é um desequilíbrio a mais num país de desequilíbrios (desequilíbrios que ela, por sinal, esconde) (Bucci, 2005, p. 35). Esta manipulação midiática é uma enorme fonte de poder em nossa sociedade, pois é capaz de difundir uma interpretação fabricada da realidade, de onde se reafirma uma ação alienada sobre o mundo. A disseminação desta falsa compreensão do real objetiva o acobertamento das contradições do sistema capitalista instituído, que alienando os sujeitos, garante sua exploração. Desta forma,

15 Página 15 de 160 produz-se subjetividade e instigam-se desejos que atingem o inconsciente dos sujeitos, moldando comportamentos e fazendo com que os próprios sujeitos tornem-se reprodutores destes discursos. Por meio desta produção de subjetividade, o sistema capitalista molda as relações ambientais, fazendo com que os sujeitos assumam papéis inerentes às regras deste sistema. Assim, na busca pela individualidade que a própria mídia promove -, os sujeitos reproduzem modos de ser e consomem objetos que lhes conferem destaque dos demais, contribuindo assim com a imposição capitalista que a mídia dissimula: manter o domínio de bens privados, ostentar mais poder do que o outro, manter a hierarquia, e assim por diante. À medida que esta lógica se estabelece, o possuir tende a regulamentar as regras do convívio social infantil. Ao consumir determinado produto, a criança configura-se como consumidor, distanciando-se ao mesmo tempo, dos não consumidores. O pertencimento ao grupo está sujeito a ser igual, e ser igual pressupõe possuir os mesmos objetos. O que antes estava atribuído às habilidades de cada um, por exemplo, hoje se resume aos artigos de marca que a criança ostenta, além da adequação de sua imagem aos padrões estabelecidos pela mídia. O eu e o outro são construídos a partir de um jogo de identificações e de imitações padrão que levam a grupos primários voltados para o pai, o chefe, a star de mídia. É, com efeito, no sentido dessa psicologia de massas maleáveis que trabalha a grande mídia (Guattari, 2008, p. 45). A constituição da identidade infantil sofre, portanto, a poda da uniformização midiática desde muito cedo. Esta lógica obedece à seguinte equação: quanto mais precoces forem as crianças, mais cedo se tornarão consumidoras. Quanto mais buscarem estar de acordo com os padrões sociais, mais consumirão objetos que simbolizem estes padrões.deste modo é possível pensar que a produção de elementos audiovisuais alternativos e a análise de seu produto como processo educativo, podem estimular novas maneiras de compreender e atuar no ambiente. A livre expressão dos sonhos, dos desejos e das expectativas dos sujeitos, pode instigar modos de ser comprometidos com o bem estar, com a qualidade de vida das populações, com a sustentabilidade ambiental, enfim, com a saúde. Audiovisual e educação: construindo alternativas às subjetividades forjadas A apropriação da mídia alternativa pelos sujeitos pode ser entendida como uma ação no sentido inverso, que toma posse do que poderiam ser os dispositivos de produção de subjetividade, indo no sentido de uma re-singularização individual e/ou coletiva, ao invés de ir no sentido de uma usinagem pela mídia, sinônimo de desolação e desespero (Guattari, 2008, p. 15). É nesta esfera que nossa investigação propôs-se a trabalhar: Ressignificar asrelações do indivíduo com o outro e consigo mesmo no ambiente, utilizando a mídia alternativa como suporte tecnológico que possibilite a sensibilização, a reflexão, a criação do novo. Desenvolver ações no sentido de resgatar as singularidades e promover a expressão original, autônoma, criando pequenas rupturas no instituído, reinventando maneiras de transformar o ambiente. Deste processo emerge a contribuição da ferramenta audiovisual como elemento capaz de sensibilizar e mobilizar o espectador por meio de narrativas que problematizem, desacomodem, estimulem a reflexão. Trata-se, a cada vez, de se debruçar sobre o que poderiam ser os dispositivos de uma re-singularização individual e/ou coletiva, ao invés de ir no sentido de uma usinagem pela mídia, sinônimo de desolação e desespero (Guattari, 2008, p. 15). Desenvolvemos nossa proposta a partir da oficina Criando Ambientes Midiáticos Sustentáveis e do programa de TV JORNALECO, produzido pelas crianças e veiculado no canal televisivo de Universidade federal do Rio Grande (FURG TV). A oficina tem por objetivo central promover o exercício do olhar crítico em relação às imposições midiáticas, traçando um paralelo entre a

16 Página 16 de 160 produção de subjetividade e os conflitos ambientais. Desta forma, buscamos soluções locais para estes conflitos nas esferas mental, social e ambiental da ecologia. O programa JORNALECO trabalha em dois sentidos: é plataforma experimentativa para os aprendizados audiovisuais e disseminador dessas novas subjetividades que foram se constituindo ao longo de nossas ações. Neste sentido, O JORNALECO pode ser comparado a um território existencial particular a este grupo, pois o território é o espaço da subjetivação fechada nela mesma, que ocorre por meio da apropriação que estes sujeitos fazem dos instrumentos audiovisuais, conquistando o direito exercer seus modos de comunicar, de enunciar suas ideias, seus valores, seus desejos e suas necessidades. Desta forma, o ato de comunicar torna-se um exercício de cidadania, pois o grupo torna-se sujeito de atividades de ação comunitária, em um processo educativo que agrega novos elementos à sua cultura. Estas pequenas intervenções, envolvendo pequenos grupos da sociedade podem ser entendidas como aquilo que Guattari conceituou como revolução molecular: o ato de aproveitar e constituir linhas de fuga capazes de mudar o infeliz estado das coisas enraizado em nossa sociedade. Assim, nossa proposta pode ser entendida como um Klinamem vocábulo grego que significa desvio, invenção, e que alude à ideiademocritiana de que la realidad esta constituida por átomos que caen en el vacio según trayectorias rectas. Cuando uno de ellos se desvia y entra en colisión con otro, en un mínimo de tiempo pensable, se crea una nueva unidad, inexistente hasta el momento, que constituye una invención. (Baremblitt, 2000, [s. p.]). Portanto, podemos afirmar que tanto a oficina Criando Ambientes Midiáticos Sustentáveis quanto o programa JORNALECO, constituem-se nestes pequenos desvios na trajetória de um átomo, e que a matéria nova que surge desta colisão, são novas maneiras de produzir subjetividade, que problematizam, desacomodam, que permitem a construção conjunta de novos valores humanos, que incentivam a atuação dos sujeitos como agentes de transformação da crise ambiental vigente. A estrutura da oficina foi desenvolvida de acordo com os mecanismos de percepção infantis, o que possibilitou trabalharmos de modo efetivo na construção de novas lógicas, distintas daquelas instituídas pelo sistema do capital e dissimuladas pela mídia. Para isso nossas ações foram organizadas de modo a favorecer a participação ativa das crianças em todas as etapas do processo, permitindo assim que os conteúdos trabalhados fossem de fato internalizados por elas. No nível moral, as concepções de bem e de mal serão abstrações das relações sociais efetivamente vividas. Por esta razão, uma educação moral que objetiva desenvolver a autonomia da criança não deve acreditar nos plenos poderes dos belos discursos, mas sim levar a criança a viver situações onde sua autonomia será fatalmente exigida (Piaget, 1994, p. 19). Nesta perspectiva,entendemos que o programa JORNALECO se constitui como plataforma experimentativa, pois é nas atividades relativas à produção do programa que as crianças exercem a autonomia de forma cidadã. Na esfera mental, as crianças são levadas a refletir sobre as imposições midiáticas, a repensar seus comportamentos e a buscar soluções para os problemas ambientais. Na social, são instigados a exercer seu papel como cidadãos, agentes capazes de transformar a realidade disforme que se coloca para todos nós. Além disso, os afazeres da produção do programa exigiram do grupo dinâmicas mais harmônicas de relacionamento, instigando o respeito ao espaço do outro, à realização de atividades em grupo, à valorização das diferenças, etc.

17 Página 17 de 160 Atividades da oficina Quanto à esfera ambiental, podemos destacar a produção do JORNALECO como elemento capaz de plasmar nossas ações desenvolvidas nas distintas esferas da ecologia. Criar o JORNALECO permitiu às crianças traçar relações entre as esferas mental e social, o que derivou em ações em nível ambiental. O melhor é a criação, a invenção de novos Universos de referência; o pior é a mass-midialização embrutecedora, à qual são condenadas hoje em dia milhares de indivíduos. As evoluções tecnológicas, conjugadas a experimentações sociais desses novos domínios, são talvez capazes de nos fazer sair do período opressivo atual e de nos fazer entrar em uma era pós-mídia, caracterizada por uma reapropriação e uma re-singularização da utilização da mídia. (Guattari, 1992, p ). Juntos desenvolvemos atividades de autoanálise e análise da mídia televisiva, com o intuito de refletir sobre a influência midiática no espaço ambiental, social e subjetivo da atuação dos sujeitos. Assim, queríamos provocar a reflexão, a autonomia e a criticidade dos educandos, de modo a promover maneiras mais sustentáveis de justiça social, equilíbrio ambiental e liberdade mental de existir no mundo e com o mundo. O importante, não resta dúvida, é não pararmos satisfeitos ao nível das instituições, mas submetê-las à análise metodicamente rigorosa de nossa curiosidade epistemológica (Freire, 2009, p. 45).

18 Página 18 de 160 Metodologia e análise de dados Escolhemos a análise qualitativa porque esta pesquisa trabalha com o universo de significados, motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes, o que corresponde a um espaço mais profundo das relações, dos processos e dos fenômenos que não podem ser reduzidos à operacionalização de variáveis (Minayo, 1994, p. 22). Ao analisar os dados da pesquisa, nosso objetivo foi buscar no discurso dos participantes, relatos que convergissem para as práticas e diálogos desenvolvidos no decorrer da oficina e que, de alguma forma, respondessem à questão de pesquisa elencada: É possível criar antídotos para a produção de subjetividades imposta pelos MCM por meio de produções audiovisuais alternativas, que estimulem maneiras sustentáveis de existência?. Para isto foi aplicado um questionário às crianças no início e ao final das atividades da oficina, de maneira a verificar possíveis mudanças na maneira com que o grupo percebe e se relaciona com a mídia e com o ambiente. As perguntas foram: 1- O que você entende por ambiente? 2- Qual é seu papel nele? 3- Quais são os problemas ambientais que você conhece? 4- O que você pode fazer em relação a eles? 5- O que a televisão tem a ver com o ambiente? Em consonância com os objetivos do trabalho, - que busca a construção de valores que instiguem a ação transformadora no ambiente - a análise será conduzida por meio da abordagem indutiva, pois considera não apenas o conteúdo manifesto, mas também o significado latente dos dados através de um processo indutivo, que emerge da fala e da visão de mundo dos sujeitos. De acordo com Roque Moraes, este tipo de abordagem visa à compreensão dos fenômenos investigados e, ao contrário da análise dedutiva, que parte de uma teoria, a abordagem indutiva, também chamada de construtiva ou subjetiva, visa chegar a uma teoria a partir dos dados que constituem a pesquisa. Sua finalidade não é generalizar ou testar hipóteses, mas construir uma compreensão dos fenômenos investigados (Moraes, 1999, p. 15). As respostas dos questionários evidenciam que após a oficina as crianças passaram a identificaram os processos de manipulação e serialização das subjetividades e alcançaram um nível de compreensão destes fenômenos que permite traçar paralelos entre a serialização midiática, o incentivo ao consumo e a degradação ambiental. Quanto a isto, destaca-se a reflexão que um dos participantes faz entre TV e ambiente: Tem a ver com o ambiente porque faz nós comprar as coisa e tirar uma parte do meio ambiente que vivemos. Outra participante confirma esta ideia quando diz: Ela nos faz comprar coisas que destrói o meio ambiente. Outro aspecto questionado na fala dos participantes é a passividade dos espectadores em relação às imposições midiáticas. A menina de dez anos diz o seguinte: Ela nos mostra oque não é verdade para nós deixamos tudo do jeito que tá O menino de oito, afirma: (...) a teve fala com selebro das crianças e que fas elas fica muito tempo na teve.... Estes relatos demonstram que a capacidade crítica-reflexiva dos participantes, sem dúvida foi estimulada. As respostas que em um primeiro momento mostravam-se ingênuas ao descreverem

19 Página 19 de 160 a TV como elemento que auxilia no cuidado com o ambiente, que avisa quando tem algo errado com o solo, passaram a expressar a compreensão da força deste suporte como dispositivo capaz de moldar a percepção e a ação sobre o mundo. Assim, podemos afirmar que atividades de Educação Ambiental Não Formal que envolvam a apropriação dos dispositivos técnicos audiovisuais, o diálogo e a reflexão sobre este suporte, podem abrir espaços para a criação de novas linguagens que sirvam de antídotos para a uniformização midiática. Quanto à percepção do ambiente e à forma de atuação de cada um neste, nota-se que compreensão das crianças adquiriu maior profundidade. As respostas tornaram-se mais complexas ao fundamentarem-se nas relações de causa e efeito, incluindo o ser humano como parte do tecido que compõe a teia da vida. Destaco a resposta que uma das participantes redigiu antes da oficina, quando questionada sobre quais eram os problemas ambientais dos quais ela tinha conhecimento: Poluição, corte de árvores. Ao final de nossos encontros, quando questionada novamente sobre o mesmo tema, a menina responde: Eu conheço vários problemas um deles é que as pessoas jogam muitos lixos e prejudicam as enchentes. A aproximação entre os problemas ambientais e o cotidiano dos participantes possibilitou articular estas atividades de Educação Ambiental Não-Formal sob a estratégia que prevê a compreensão do contexto global e a ação em âmbito local. Isto só foi possível porque o tema ambiente foi trazido para a realidade destas crianças através do exercício de (re) olhar, de treinar o olhar para perceber a realidade em uma escala mais abrangente. Através da lente da câmera, fomos aos poucos desvelando realidades que há muito estavam ali presentes, sem serem percebidas. Este novo olhar provocou, desacomodou, suscitou diálogos e promoveu intervenções. A primeira edição do programa JORNALECO, gravado na escola durante a oficina, trabalhou a questão do lixo. O tema foi sugerido pelas próprias crianças, que ao lançarem este novo olhar para a escola, perceberam a quantidade de lixo que havia jogado pelo pátio, a falta de lixeiras de coleta seletiva e que as poucas lixeiras que havia não estavam devidamente identificadas. Questionaram também de onde surgiram as dezenas de bitucas de cigarro jogadas pelo chão, enquanto discutiam entre si sobre quem estaria fumando dentro da escola o que para eles é errado. Resolveram então, fazer uma faxina na escola, catando o lixo que estava no chão, separando-o e organizando as lixeiras para que fosse implementada a coleta seletiva na escola. Tanto a faxina das crianças quanto a gravação do programa JORNALECO constituem-se em pequenas intervenções geradas a partir do simples exercício de trocar as lentes (pelas lentes da câmera, neste caso). Estas micro-intervenções emergem do reconhecimento que estas crianças fazem delas mesmas como sujeitos capazes de lançar hipóteses para lidar com os problemas ambientais, de questionar, de criar, de agir e de transformar o mundo. Esta mudança de percepção sobre a natureza e sobre a atuação deles como agentes sociais responsáveis pelo ambiente, fica clara na comparação dos dois relatos da mesma participante: O que você pode fazer em relação aos problemas ambientais que você conhece? E depois: não poluir o ambiente mas cuidar do ambiente. Fazer uma reciclagem e convidar um grupo de pessoas para limpar as ruas da cidade.

20 Página 20 de 160 Analisando estes relatos com a finalidade de comporuma breve mostraderesultados alcançados, podemos elencar atomada de decisão, o reconhecimento da capacidade para a ação, a necessidade de transformação social e o compromisso com a vida, como principais indicativos da subjetividade deste grupo que se constituiu na oficina. As crianças se reconhecem como cidadãos capazes de transformar a realidade de opressão a qual estamos submetidos. Tornaram-se mais críticos, mais reflexivos. A postura passiva que apresentavam inicialmente cedeu lugar a uma atitude interventiva, capacitada para a ação. A compreensão do contexto sistêmico do ambiente possibilitou que eles traçassem planos objetivos para lidar com os conflitos ambientais locais. E foram além dos planos, eles de fato se organizaram para solucioná-los e agiram. Esta tomada de consciência e de iniciativa mostram que houve também, no decorrer da oficina, uma melhoria na auto-estima destas crianças, que hoje percebem que suas vozes devem ser ouvidas e sentem-se capazes de se fazer ouvir. Neste sentido pode-se prever que o programa JORNALECO se constituirá como espaço interventivo, gerador de klinamens, através do qual estas crianças tornam-se porta-vozes de outras crianças, encorajando-as a tomar posse de sua cidadania também. Ações como esta nos mostram que novas maneiras de existir no mundo e com o mundo são mais do que meras utopias quando se tornam concretizáveis através do esforço e da dedicação conjuntos. Notas 1Neste estágio do desenvolvimento as operações mentais da criança ainda se dão caso por caso, concreto por concreto. Apenas no estágio máximo do desenvolvimento infantil, a partir dos 11, 12 anos de idade, a lógica torna-se simbólica, permitindo a interpretação de conceitos abstratos. 2 Dados do Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE). Disponível em Acesso em 20 de maio de Piaget descreve os processos da imitação em seis estágios que ocorrem durante o período sensório-motor, dos 0 aos 2 anos de idade. 4 De acordo com Guattari (1987:323), o território existencial é relativo tanto a um espaço vivido, quanto a um sistema percebido no seio do qual um sujeito se sente em casa. 5Disponível em Acesso em 19 Mar Site da Fundação Gregório Baremblitt Instituto Félix Guattari. Fundação Gregório Baremblitt. Referências BAREMBLITT, Gregório.Site da Fundação Gregório Baremblitt - Instituto Félix Guattari. Disponível em Acesso em 19 de março de BARBIER, R. Pesquisa-ação. Brasília: editora Liber Livro, (Coleção Pesquisa, 3). BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. 3ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, BRANDÃO, C. R. (Org.). Pesquisa Participante. 8ª ed. São Paulo: Brasiliense, BUCCI, Eugênio. Brasil em Tempo de TV. São Paulo, SP: Boitempo, FREIRE, PAULO. Pedagogia da Autonomia. 39ª ed. São Paulo: Paz e Terra, GUATTARI, Félix. Revolução Molecular: pulsações políticas do desejo. São Paulo, EDUSP, Caosmose: um novo paradigma estético. Editora 34 Ltda. Rio de Janeiro, As Três Ecologias. 19ª ed. Campinas, SP. Papirus, MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa Social: teoria, método, criatividade. Petrópolis: Vozes, MORAES, Roque. Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, p. 7-32, PIAGET, Jean. Ensaio de Lógica Operatória. 2ª ed. São Paulo:Editora da Universidade de São Paulo, 1976.

PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE INFANTIL: mídia alternativa e Educação Ambiental

PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE INFANTIL: mídia alternativa e Educação Ambiental HISPANISTA Vol XII nº 55 Octubre Noviembre Diciembre de 2013 Revista electrónica de los Hispanistas de Brasil - Fundada en abril de 2000 ISSN 1676-9058 ( español) ISSN 1676-904X (portugués) PRODUÇÃO DE

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo

Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo Resenha Práticas avaliativas e aprendizagens significativas em diferentes áreas do currículo (SILVA, Jansen Felipe; HOFFMAN, Jussara; ESTABAN, Maria Teresa. Porto Alegre: Mediação. 2003). André Luiz da

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino

Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino Título: A formação do professor para o uso do jornal na sala de aula no ensino fundamental Resumo O projeto de iniciação científica está vinculado à pesquisa Uso do jornal em sala de aula e compreensão

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS Pedagogia 4ª Série Organização e Metodologia da Educação Infantil A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

IDENTIDADE DOCENTE NA TUTORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IDENTIDADE DOCENTE NA TUTORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA IDENTIDADE DOCENTE NA TUTORIA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA IINTRODUÇÃO Educação a distância (EaD) é uma modalidade de educação na qual aluno e professor estão separados fisicamente, pautada no pressuposto de

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2003 - Érika Nunes Martins Simões Formação do Professor de - Sheila Andrade

Leia mais

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática.

LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i. Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. LUDENS 2011: jogos e brincadeiras na matemática i Palavras-chaves: lúdico na matemática, jogo, ensino da matemática. Justificativa A Matemática faz parte do cotidiano das pessoas. Nas diversas atividades

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

EDUCAÇÃO E TECNOLOGIAS: REFLEXÕES PARA O PROFESSOR

EDUCAÇÃO E TECNOLOGIAS: REFLEXÕES PARA O PROFESSOR EDUCAÇÃO E TECNOLOGIAS: REFLEXÕES PARA O PROFESSOR Carina Aparecida Bento da Costa 1 Cláudia da Silva Cunha 2 Liliane Patrícia Oliveira Rezende 3 RESUMO O presente trabalho consiste em fazer uma reflexão

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este?

ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: que lugar é este? Universidade do Sul de Santa Catarina UNISUL maria.schlickmann@unisul.br Palavras iniciais... As reflexões que apresento neste texto são um recorte de estudo que venho realizando na minha tese de doutorado.

Leia mais

Profª Drª Maria Aparecida Baccega

Profª Drª Maria Aparecida Baccega Profª Drª Maria Aparecida Baccega http://lattes.cnpq.br/8872152033316612 Elizabeth Moraes Gonçalves - UMESP Alguns dados de currículo Livre Docente em Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA ESTÁGIO DOCENTE NA DISCIPLINA METODOLOGIA DA GEOGRAFIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM GEOGRAFIA DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Gilvan Charles Cerqueira de Araújo 1 INTRODUÇÃO Este

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza

CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE. Elaine Fernanda Dornelas de Souza Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 721 CINEMA PEDAGÓGICO COMO INTERVENÇÃO PARA PRÁTICA DOCENTE Elaine Fernanda Dornelas de Souza Serviço Nacional de

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Letras - Inglês Obs.: Para proposta

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves

Encontro: 20 e 21 de Setembro. Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves Encontro: 20 e 21 de Setembro Prof. Esp. Angélica Viriato Ortiz Alves 1 RAÍZES - Habilidades, Qualidades, Valores 2 TRONCO: Nome / Formação 3 GALHOS/FOLHAS: Projetos para o futuro 4 FLORES: Projetos em

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA

UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA CIÊNCIAS HUMANAS EDUCAÇÃO UM ESTUDO EXPLORATÓRIO DA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS NA REDE PÚBLICA E PRIVADA NATÁLIA CORRÊA Curso de Pedagogia Faculdade de Educação NEIDE BARBOSA SAISI

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Referência: CHAGURI, J. P. A Importância do Ensino da Língua Inglesa nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: O

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM

O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM O PEDAGOGO NA DOCÊNCIA E SUA IMPORTÂNCIA NO ENSINO- APRENDIZAGEM Helena Harumi Maruyama G Pedagogia INESUL LONDRINA PR Orientadora Ms. Maria Eliza Corrêa Pacheco D Pedagogia INESUL LONDRINA PR PAINEL e-mail:

Leia mais

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis)

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) Moema Gomes Moraes Universidade Estadual de Goiás (UEG)/ CEPAE-UFG

Leia mais

1» A revolução educacional e a educação em valores 11

1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Sumário Introdução 9 1» A revolução educacional e a educação em valores 11 Introdução 12 As causas da revolução educacional 12 O triplo desafio pedagógico 14 Da transmissão à educação 15 O que pretende

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 05/2014 CARGO E UNIDADES: Professor de Educação Infantil e Fundamental (MACAÍBA) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova:

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO *

SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * 1 SALA/AMBIENTE DE LEITURA: DISCURSOS SOBRE A ATUAÇÃO DO PROFESSOR NO NOVO ESPAÇO * Denise Franciane Manfré Cordeiro Garcia (UNESP/São José do Rio Preto) Fernanda Correa Silveira Galli (UNESP/São José

Leia mais

A LITERATURA ESCOLARIZADA

A LITERATURA ESCOLARIZADA Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Pedagogia N. 12, JAN/JUN 2012 A LITERATURA ESCOLARIZADA Raylla Portilho Gaspar 1 RESUMO Esse artigo

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE *

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO ONLINE * DILMEIRE SANT ANNA RAMOS VOSGERAU ** m 2003, com a publicação do livro Educação online, o professor Marco Silva conseguiu, com muita pertinência, recolher

Leia mais

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq

qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq qwertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwerty uiopasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasd fghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfghjklzx cvbnmqwertyuiopasdfghjklzxcvbnmq LITERATURA wertyuiopasdfghjklzxcvbnmqwertyui INFANTIL opasdfghjklzxcvbnmqwertyuiopasdfg

Leia mais

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS

O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS O USO DO FÓRUM DE DISCUSSÃO E RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS NO AVA MOODLE: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA PARA ALUNAS SURDAS Carlos Eduardo Rocha dos Santos, UNIBAN, carlao_santos@yahoo.com.br Oswaldo

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD

A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD Neusa Teresinha Bohnen (UNITINS) 1. Considerações iniciais Aprender uma Língua Estrangeira (LE) assume um caráter mais importante em tempos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 A MATERIALIZAÇÃO

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010.

OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Resenha OLIVEIRA, Luciano Amaral. Coisas que todo professor de português precisa saber: a teoria na prática. São Paulo: 184 Parábola Editorial, 2010. Leticia Macedo Kaeser * leletrasufjf@gmail.com * Aluna

Leia mais

A FAMÍLIA E O ADOLESCENTE APRENDIZ

A FAMÍLIA E O ADOLESCENTE APRENDIZ 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA A FAMÍLIA E O ADOLESCENTE APRENDIZ BARRETO, Adriano Albuquerque

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

profunda. São questões que nortearam a pesquisa: Como o aluno se percebe no processo de interatividade do curso? Como se dá o acesso ao conhecimento?

profunda. São questões que nortearam a pesquisa: Como o aluno se percebe no processo de interatividade do curso? Como se dá o acesso ao conhecimento? EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA: A CULTURA (DE) ORGANIZADORA DO REAL THOMAZ, Sueli Barbosa UNIRIO BITTENCOURT, Cristiane UNIRIO GT-11: Política de Educação Superior I Introdução Este texto é parte integrante

Leia mais

A emergência da ideologia, da história e das condições de produção no. prefaciamento dos dicionários

A emergência da ideologia, da história e das condições de produção no. prefaciamento dos dicionários A emergência da ideologia, da história e das condições de produção no prefaciamento dos dicionários Verli PETRI vpetri@terra.com.br Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) O processo de prefaciamento/apresentação

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com

Carlos Fabiano de Souza IFF UFF carlosfabiano.teacher@gmail.com VIII Jornada de Estudos do Discurso NARRANDO A VIDA SOCIAL A FALA DO PROFESSOR DE INGLÊS SOBRE A SUA ATIVIDADE DOCENTE EM CURSOS DE IDIOMAS: POR UM ITINERÁRIO INVESTIGATIVO NA INTERFACE TRABALHO & LINGUAGEM

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL VAI E VEM DAS EQUAÇÕES: UMA EXPERIÊNCIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Tanise Coppetti Universidade Federal de Santa Maria tani_coppetti@hotmail.com Resumo: Este trabalho apresenta uma atividade a respeito de equações

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba Andréia Miranda de Moraes Nascimento, UNIMEP, chicobororo@gmail.com Mariana de

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA

O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA O DESENVOLVIMENTO DOS SABERES EXPERIENCIAIS ACERCA DAS EMOÇÕES NAS PRÁTICAS DOS BOLSISTAS DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA Luciana da Silva Catardo Acadêmica do curso de Ciências Biológicas/Licenciatura na Universidade

Leia mais

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível?

A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? 1 A atuação do educador e as tecnologias: uma relação possível? Natália Regina de Almeida (UERJ/EDU/CNPq) Eixo Temático: Tecnologias: Pra que te quero? Resumo As novas tecnologias estão trazendo novos

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE

ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE ENSINO DA ARTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORMAÇÃO DE CIDADÃOS VISANDO A SUSTENTABILIDADE Elaine Barbosa da Silva Xavier Faculdade de Ciências da Administração de Pernambuco - Mestranda Neuma Kelly Vitorino

Leia mais

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MESTRADOS PROFISSIONAIS COMO ESTRATÉGIA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Maria Cristina Araújo de Oliveira UFJF mcrisoliveira6@gmail.com Resumo: O artigo apresenta um breve panorama

Leia mais

Novas possibilidades de leituras na escola

Novas possibilidades de leituras na escola Novas possibilidades de leituras na escola Mariana Fernandes Valadão (UERJ/EDU/CNPq) Verônica da Rocha Vieira (UERJ/EDU/CNPq) Eixo 1: Leitura é problema de quem? Resumo A nossa pesquisa pretende discutir

Leia mais

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM

Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO .. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM Profª Drª Jorgeta Zogheib Milanezi DIDÁTICA DO ENSINO O DOMÍNIO DE UMA PROFISSÃO NÃO EXCLUI O SEU APERFEIÇOAMENTO.. AO CONTTRÁRIO, SERÁ MESTRE QUEM CONTINUAR APRENDENDO.. Piere Furter AVALIAR PARA CONHECER

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2

OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2 OBJETOS DE APRENDIZAGEM EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: CONHEÇA O AMBIENTE ATRAVÉS DO WIKI Rosane Aragón de Nevado 1 ; Janaína Oppermann 2 RESUMO Os hábitos e costumes humanos tem alterado intensamente os ecossistemas

Leia mais

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS

JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS JOGOS ONLINE NA CONSTRUÇÃO DE CONCEITOS MATEMÁTICOS Lucas Gabriel Seibert Universidade Luterana do Brasil lucasseibert@hotmail.com Roberto Luis Tavares Bittencourt Universidade Luterana do Brasil rbittencourt@pop.com.br

Leia mais

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL

VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL VYGOTSKY E O PAPEL DA BRINCADEIRA NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL Elisa Nélia da Cunha Brasiliense 1 Resumo: O objetivo deste texto é expor, segundo Vygotsky, a importância das brincadeiras de fazde-conta

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES P R O POS T A A INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES SOBRE NÓS Quem Somos A mantenedora do Seu Professor atua há mais de 18 anos no segmento educacional, com escolas de Ensino Fundamental, Médio, cursos técnicos,

Leia mais