Os psicológos e sua inserção no SUAS:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os psicológos e sua inserção no SUAS:"

Transcrição

1 1 Os psicológos e sua inserção no SUAS: da sensação inicial de perda de identidade ao reconhecimento de uma nova profissionalidade e de suas bases teóricas 1 Eduardo Mourão Vasconcelos 1) Introdução: a emergência no país dos novos programas de assistência social e o processo de inserção de psicólogos em suas equipes como um ritual de passagem A criação e implementação gradativa do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) no Brasil vem significando um novo campo de atuação para os psicólogos, mas esta inserção no perfil de trabalho requerido pelos novos serviços vem se mostrando difícil e problemática. Analisar os vários aspectos deste processo de inserção dos psicólogos nestes serviços é o tema deste pequeno ensaio, escrito a partir de minha experiência de assessoria realizada no período entre 2004 e 2005 à linha de programas sociais em implementação no Estado do Rio de Janeiro a partir de 2000, pela Secretaria de Estado da Família e da Assistência Social, por meio da coordenação de esforços com as prefeituras. No plano nacional, esta perspectiva de programas de assistência social foi sancionada na Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS), de 1993, mas apenas teve condições de ser efetivamente implementada em todo o território a partir da IV Conferência Nacional de Assistência Social, em 2003, que levou ao estabelecimento de diretrizes formais em 2004, no documento Política Nacional de Assistência Social (PNAS) (Ministério do Desenvolvimento e Combate à Fome, 2004), e ao lançamento da Norma Operacional Básica de 2005 (PNAS/NOB/SUAS), documentos oficiais que servem de referência para a implantação concreta destes programas, de forma descentralizada, nos estados e nos municípios de todo o país. Nesta Norma Operacional, são indicados os diferentes níveis de atenção e proteção social (básica e especial, mas com vários níveis de complexidade) e a distribuição dos serviços (Centros de Referência da Assistência Social CRAS, e os Centros de Referência Especializada da Assistência Social - CREAS) destinados aos vários tipos de municípios, de acordo com o porte populacional. As equipes devem contar com profissionais de serviço social e de psicologia, embora outros profissionais afins também tenham acesso, como os pedagogos. Portanto, se alguns estados, como o Rio de Janeiro, iniciaram este tipo programa já na virada do milênio, foi a partir de 2005 que se iniciou em todo o país esta inserção mais acelerada de psicólogos nestes novos serviços de assistência social. O contato com psicólogos integrados às equipes municipais no Estado do Rio de Janeiro, através das demandas feitas à coordenação do programa, de conversas pessoais ou de discussões 1 Texto elaborado em 2005 para assessoria e capacitação de profissionais para a Secretaria de Estado da Família e da Assistência Social do Rio de Janeiro, e já publicado em Rosana Morgado, Eduardo M Vasconcelos e Joana Garcia, Cadernos de Assistência Social, vol 1: contribuições para a proteção básica e proteção especial. Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos, Resende RJ, 2011, 92 págs. A presente versão passou por uma rápida revisão e algumas pequenas mudanças e ampliações.

2 coletivas de eventos formais de capacitação, revelou que este processo de inserção no trabalho das equipes tem sido problemático e conflituoso. A partir dos depoimentos, pude perceber que este processo, quando vivido de forma comprometida, aberta e sincera por parte do profissional, no sentido de enfrentar o desafio colocado, tem muitas similaridades com aquilo que os antropólogos denominam de ritual de passagem. Embora encontremos visões diferenciadas destes rituais entre os cientistas sociais, inclusive algumas que os vêm unicamente na direção da adaptação ao status quo e de reforço dos laços de solidariedade social e da tradição, outras os avaliam como dispositivos ou processos sociais e pessoais que podem levar a alternativas ideológicas e culturais, levando ou não a reforçar o status quo. Por exemplo, em trabalhos já clássicos, Gluckman (1963) e Turner et al (1966), da escola de antropologia social inglesa, pensam que os rituais oferecem a possibilidade de atualização de antiestruturas e de estados potenciais e liminares da sociedade, estimulando a sua transformação e abrindo caminhos para as variantes possíveis de destino, em um processo que chamam de drama social. Por sua vez, como um dos melhores representantes da antropologia social brasileira, Roberto Da Matta (1981) avalia o próprio trabalho de campo em antropologia como um ritual de passagem. Assim, vê a ruptura metodológica introduzida por Malinowski na antropologia social no século XX como esta abertura ao desconhecido de uma outra cultura. Nesta virada, os antropólogos deixam a segurança dos gabinetes e bibliotecas, onde colecionavam e sistematizavam relatos avulsos de viajantes, cheios de surpresas e curiosidade em relação ao exotismo das culturas distantes, mas também marcados por interesses comerciais e colonialistas, ou simplesmente, por visões estereotipadas e, às vezes, preconceituosas. Na nova postura, cada um é encorajado a assumir ele mesmo o papel de viajante aventureiro. Este processo, que requer um contato íntimo com a outra cultura, aprender a sua língua e viver seus rituais por dentro, visa buscar dados sem nenhuma intermediação de outras pessoas/culturas e produzir um processo de relativização de suas próprias crenças e valores pessoais, incluindo de sua própria identidade profissional, para poder apreender propriamente as ações dos nativos como um sistema cultural e social com uma lógica e dinâmica própria. Assim, a inserção profunda em outras culturas exigida pelo trabalho de campo representa um verdadeiro ritual de passagem para o antropólogo, quando é obrigado a repensar seu próprio processo de socialização e sua própria identidade, é forçado a exercitar novas perspectivas de olhar os fenômenos sociais, étnicos e culturais, levando a um profundo enriquecimento pessoal, de sua visão de mundo, bem como obriga a própria antropologia a um processo permanente de colocar em dúvida seus próprios postulados e formas de identidade profissional. Em minhas andanças como assessor e agente de capacitação para as equipes de assistência social no Estado do Rio durante vários anos, até 2006, ouvi vários relatos de inserção de colegas psicólogos no programa que a meu ver se assemelhavam muito a este ritual descrito por Da Matta, com várias fases. Vamos verificar melhor isso. Em geral, ao se inserirem nas equipes, muitas vezes com pouquíssima informação sobre o que irão fazer, a maioria dos psicólogos recém-chegados leva um verdadeiro susto, pois os modelos profissionais mais idealizados e reconhecidos na cultura e o currículo nos cursos universitários geralmente são voltados para a psicologia clínica convencional, exercida nos consultórios privados. A primeira tentação é reproduzir estes modelos nos bairros populares: é o que eu sei fazer, ou esta é a minha competência. A impossibilidade de fazê-lo ou os desacertos deste tipo de prática na assistência social, quando permitidas (o que não corresponde às propostas normativas 2

3 3 do programa), geram uma sensação forte de perda de minha identidade como psicólogo(a) ou de estar no lugar errado. Contudo, vários conseguiram ultrapassar esta perplexidade inicial. Conheci muitos psicólogos que aceitaram o desafio de forma sincera e comprometida e que não viram o novo trabalho apenas como um bico temporário que lhes dariam uma renda fixa, para poder se lançar, aí sim com todo o afinco, na clínica particular. Entenderam a importância ética e social do programa, e mesmo sem saber bem o que fazer lá, compreenderam que as dificuldades não significavam apenas de um déficit de competência pessoal, ou que não deveriam sedar a ansiedade ou até mesmo a depressão por qualquer meio, e se abriram para o diferente representado pelos serviços e pelo novo tipo de clientela. Esta postura os levou a assumir a sensação de estranhamento, buscando conhecer a população alvo do programa, sua realidade e cultura próprias, e se abrindo para as novas possibilidades de ação profissional. Nesta trajetória, baixaram as resistências e defesas, aprenderam a aprender com a nova realidade, com os profissionais de outras áreas ou com psicólogos com mais experiência no campo, se permitiram a ousadia de experimentar novas práticas que julgavam mais adequadas ao novo contexto, e foram flexibilizando a identidade profissional aprendida no passado. Convido então o leitor a se perguntar: não se trataria, portanto, e verdadeiramente, de um ritual de passagem? Entretanto, mesmo se a resposta for positiva, não seria bom nos interrogar qual a natureza desta mudança? Seria mesmo o caso de uma crise tão global assim da identidade profissional dos psicólogos? 2) A hipótese central deste texto: A inserção dos psicólogos no SUAS não induz a uma crise global de uma suposta identidade profissional única e global em psicologia, mas se trata de uma nova ênfase em formas de profissionalidade já existentes, mas até então secundarizadas na sociedade e na universidade brasileira. Creio que o processo de inserção dos psicólogos no SUAS possa ser descrito parcialmente por meio desta analogia com os rituais de passagem, como indicamos na seção anterior, em que tentamos criar uma imagem mais inspiradora e positiva das mudanças que ocorrem no nível individual dos profissionais e de alguns aspectos do desenvolvimento da profissão, como ocorreu com a antropologia. No entanto, precisamos a partir de agora ampliar o escopo da análise, para compreender melhor suas várias dimensões. Aqueles colegas que continuaram a sua inserção na assistência social e procuraram sustentar de forma mais sistemática as novas práticas, através da troca de experiências e de busca de bases teórico-operativas adequadas, puderam perceber que há um bom tempo existe no Brasil ramos da psicologia, particularmente a psicologia social e comunitária, que já vem trabalhando com modelos teóricos e de prática profissional dirigidos para realidades similares. De forma um pouco diferenciada, a própria psicologia clínica teve que realizar um processo algo semelhante, quando se deparou com os novos serviços de atenção psicossocial da reforma psiquiátrica, cujos dispositivos de atuação são muito diferentes da clínica psicoterápica particular (Vasconcelos, 1999). Assim, nas discussões de capacitação que tivemos no SUAS no Estado do Rio de Janeiro, pude então constatar e desenvolver melhor minha compreensão desta trajetória. Em minha opinião, o processo de ritual de passagem é inteiramente genuíno e necessário, com mudanças pessoais e de identidade profissional profundos. Entretanto,

4 4 não se trata de perder a identidade profissional de forma global, mas apenas se abrir para novas formas de profissionalidade em psicologia, que no contexto brasileiro foram secundarizadas, particularmente na sua representação social mais difusa na sociedade e nos cursos universitários, mas que já vinham sendo identificadas e praticadas há pelo menos duas décadas no Brasil. Para discutir melhor esta afirmação, inclusive explicitando os conceitos utilizados, vamos precisar ir devagar e em partes, estabelecendo um trajeto que partirá de uma explicação mais clara do contexto e das características diferenciadas destes novos serviços e programas sociais. 3) Os princípios e características básicas da nova assistência social que configuram formas de profissionalidade diferenciadas Se tentarmos fazer uma caracterização das práticas profissionais requeridas no contexto do SUAS, de forma independente do tipo específico de profissional, podemos identificar de forma bastante esquemática as seguintes características e princípios mais fundamentais 2 : a) O objeto da prática profissional: trata-se de situações de vulnerabilidade e risco social, ou seja, fenômenos complexos e multidimensionais, envolvendo aspectos econômicos, sociais, políticos, culturais, étnicos, psicológicos, de gênero, de geração, etc. b) A população alvo: os grupos sociais mais expoliados e pauperizados da sociedade brasileira, com uma vida social e cultural muito diferente da nossa, já que a grande maioria de nós profissionais temos origem nas classes médias. c) Universalização da proteção: característica inerente às políticas sociais como direito de cidadania, e dessa forma trabalhando na perspectiva de superar a antiga tradição brasileira de focar os programas sociais nos grupos populacionais de maior importância econômica, política e social. Os programas devem ser planejados diretamente para isso, na sua oferta espacial no território, no montante de recursos, na forma ativa de buscar seus usuários, na formatação cultural implícita, nos dispositivos de acessibilidade, etc. d) Descentralização político administrativa e territorialização: a atenção é dada no território, no local de vida e trabalho da população alvo, sob a gestão mais direta do poder municipal e de suas agências locais, mas de forma integrada com a gestão estadual e federal; e) Participação, controle social, visibilidade social e prestação de contas: o usuário não é mais uma pessoa isolada que compra serviços de forma individualizada, mas sim: - um cidadão e um ser coletivo com direitos; - e que deve ser estimulado a ter voz ativa, participar, fiscalizar e atuar nas instâncias de controle social; 2 O capítulo sobre Proposta Conceitual do PAIF e do SUAS nesta coletânea apresenta uma discussão mais sistemática sobre cada uma destas características, além de remeter para as referências bibliográficas mais importantes.

5 5 - em relação à psicologia clínica privada, esta é uma relação muito diferenciada daquela em que o discurso do cliente deve ser apenas interpretado em função de seu significado estritamente psicológico. f) Integralidade: embora constitua um conceito complexo, podemos indicar os principais sentidos em que ele pode ser compreendido: - como uma imagem e perspectiva utópica de futuro, mas que orienta e direciona nosso planejamento e prática no presente; - como princípio de reconhecimento das necessidades específicas de diferentes grupos da população, a partir das várias clivagens: classe social, gênero, etnia, geração, cultura, condição existencial mais singular (preferência erótica, deficiência, transtorno mental, outras doenças crônicas, etc). - como um modo mais flexível da organização e do processo de trabalho; - como princípio integrador de políticas e programas, na direção da intersetorialidade e interdisciplinaridade; g) Intersetorialidade: significa fazer todos os esforços na direção de criticar e ir superando a atual fragmentação administrativa, institucional e financeira, a descontinuidade, a superposição e competição entre agências no setor público, buscando articular interesses comuns, o estabelecimento de responsabilidades compartilhadas por determinadas linhas de atuação e de ação concreta integrada. Assim, programas dirigidos a situações de vulnerabilidade social implicam necessariamente ações multidimensionais integradas nas áreas de infra-estrutura urbana, transporte, saúde, educação, trabalho e renda, assistência social, cultura, etc. h) Interdisciplinaridade 3 : Este princípio, também complexo, busca: - a superação das conseqüências da especialização e da fragmentação das diversas áreas de conhecimento, das competências profissionais e das técnicas de intervenção. O velho sistema desintegrado e com ações uniprofissionais desarticuladas: + funciona com base na competência fragmentada dos profissionais, sem abertura para novas abordagens que assumam toda a complexidade dos problemas em foco; + provoca seleção, desresponsabilização e negligência em relação a usuários, temas e questões que não se encaixam nas competências especializadas. - a formação de equipes que atuam na transversalidade das questões econômicas, sociais, políticas, culturais, ambientais, jurídicas, relacionais, psicológicas, de gênero, etc. - a responsabilização de toda equipe pelo agenciamento inicial da totalidade das necessidades dos usuários, o que implica em uma profissionalidade mais complexa dos trabalhadores; 3 Para este tema, além da referência ao capítulo sobre proposta conceitual nesta coletânea, ver especialmente um outro trabalho de minha autoria já publicado (Vasconcelos, 2002).

6 6 - uma disposição fundamental para aprender a aprender, para o trabalho colaborativo entre os profissionais dentro das equipes e entre equipes, para superar o isolamento das intervenção. Dadas todas estas características e princípios, quais as implicações deste novo contexto de políticas, programas e práticas para os profissionais, particularmente para os psicológos? Com entender o que chamamos de novas formas de profissionalidade? Para compreender melhor isto, precisamos de alguns conceitos oriundos da sociologia das profissões, discutidos na próxima seção. 4) Para entender as novas formas de profissionalidade: os elementos constitutivos e a dinâmica do profissionalismo Embora apresente muitas visões diferenciadas, algumas linhas importantes dentro da sociologia das profissões geralmente identificam no que chamam profissionalismo pelo menos quatro elementos básicos, de forma bastante esquemática 4 : a) Processo de inserção histórica na longa divisão social e técnica do trabalho e da constituição dos saberes enquanto estratégia de poder, ao longo da história da humanidade; b) Reconhecimento e formalização de um mandato social e legal sobre um campo específico, com responsabilização legal e ética sobre a prática profissional, fronteiras de competência e atribuições privativas; c) Institucionalização de organizações corporativas (conselhos profissionais, associações profissionais e científicas, sindicatos, etc) que organizam o controle sobre a formação e as práticas dos filiados, incluindo normas éticas, bem como a defesa de interesses econômicos e políticos; d) Cultura profissional: conjunto mais geral ou particular e compartilhado de valores, representações e identidades sociais e profissionais, preferências teóricas e técnicas, estilos de vida, padrões de relação com a clientela, com a sociedade mais ampla e com a vida política. Como se pode ver, o profissionalismo é um fenômeno abrangente e de raízes históricas profundas, com várias características e processos internos e com diferentes níveis de dinâmica de transformação ou resistências a mudanças. Por exemplo, na atualidade, a maioria dos países ocidentais apresenta mandatos sociais e legais aprovados através da legislação emanada por seus parlamentos, e portanto, com enormes dificuldades para mudanças mais significativas nas leis e normas específicas que regulam o exercício profissional e a competição inter-corporativa. Por outro lado, de modo geral, a cultura 4 Também para este tema, ver o trabalho indicado na nota anterior (Vasconcelos, 2002).

7 7 profissional difusa na sociedade e nos grupos particulares de profissionais apresentam uma maior flexibilidade no conjunto dos elementos do profissionalismo. Contudo, pode também incluir algumas formas muito institucionalizadas de prática e normas sociais, particularmente resistentes a mudanças, quando consolidadas em currículos, nos cursos de formação profissional universitária, e nas gerações de profissionais que ocupam os principais cargos como professores e pesquisadores. Estes atores sociais, dependendo de sua origem social, de sua inserção nos interesses hegemônicos da sociedade e de seus posicionamentos ético-políticos e existenciais, podem às vezes resistir muito a incorporar novas competências e práticas, por representar um campo de enorme luta entre interesses econômicos e capitais simbólicos (no sentido dado ao termo por Bourdieu) consolidados entre diferentes profissionais de prestígio e grupos de profissionais. Os processos de inserção histórica significam um componente de abertura a novas práticas, cuja velocidade de mudanças vem acelerando muito, particularmente a partir da segunda metade do século XX, com o desenvolvimento e a ampliação de políticas sociais de caráter universal em países centrais e de socialismo real, e que foram se difundindo gradativamente para os países periféricos. Da mesma forma, a emergência dos chamados novos movimentos sociais, a partir dos anos 60, ligados a novas clivagens de classe social, gênero, geração, expoliação urbana, etnia, ecologia, condições existenciais particulares (identidades sexuais e preferências eróticas, deficiências, doenças e quadros crônicos, etc), também implicou em novas práticas profissionais inseridas em formas mais complexas de divisão sócio-técnica do trabalho e de relações de saber-poder, polarizadas e intrinsecamente moldadas pelas lutas específicas em cada um desses campos. É exatamente neste campo de novas práticas que vão se conformando as novas formas de profissionalidade, como um processo de agregação e sedimentação gradual das modalidades de práticas profissionais emergentes, com forte caráter instituinte dentro da dinâmica dos componentes convencionais do profissionalismo, e que gradualmente vão criando e legitimando novas competências e arranjos teóricos e operativos, bem como novos nichos de culturas profissionais específicas. Muitas vezes, estas formas mais recentes de profissionalidade são incorporadas ao conjunto da cultura profissional de maneira apenas secundarizada, dada a hegemonia econômica e cultural das práticas e das formas mais convencionais de profissionalidade, que moldaram, até então, o mandato profissional, as características principais das organizações e normas corporativas, e as instituições, o conteúdo e as normas de formação profissional e pesquisa acadêmica. Algumas vezes, contudo, as organizações corporativas, particularmente quando vanguardeadas por lideranças com uma visão ético-política renovadora, crítica e progressista, têm um papel importante de pesquisar, compreender e divulgar estas formas de profissionalidade emergentes e mais orgânicas aos interesses popular-democráticos de seu país, ou até mesmo no plano internacional. Esse me parece o caso particular das organizações corporativas da psicologia no Brasil, como veremos na próxima seção. 5) As transformações na profissionalidade dos psicólogos no Brasil nas últimas décadas e a relação com a sua inserção nas novas políticas sociais universais Penso que agora temos os principais elementos históricos e conceituais para continuar a desenvolver a hipótese central que expus rapidamente na seção 2 acima. Apenas para reconstituir o raciocínio, em primeiro lugar reconhecemos que o novo perfil de práticas requerido na atual política de assistência social, no SUAS, exige um ritual de passagem em relação às formas de profissionalidade mais convencionais hegemônicas na formação universitária, na sociedade mais geral e no universo dos

8 8 profissionais de saúde em particular. Esta representação social e imagem do psicólogo 5 é mesmo marcante da identidade dos profissionais, e seu ultrapassamento requer uma disposição pessoal e profissional efetiva para se possa reconhecer e buscar novos modelos de prática. Entretanto, já também apontamos acima para a perspectiva de que estas novas formas de profissionalidade no campo da assistência social não significam propriamente a negação da herança e a identidade profissional mais global dos psicólogos, mas apenas o reconhecimento de modelos e práticas profissionais com pouca visibilidade social dentro da cultura profissional dominante, mas que já fazem parte do repertório da profissão no país pelo menos desde a década de Elas vem sendo reconhecidas sistematicamente pelo chamado Sistema Conselhos de Psicologia (SCP), que engloba o Conselho Federal de Psicologia (CFP) e os vários Conselhos Regionais (CRPs). Gostaria de comprovar melhor isto, mostrando como, em alguns trabalhos significativos que investigam as práticas emergentes em psicologia no país, as características destas formas de profissionalidade já estavam indicadas pelos menos desde os meados dos anos 80, em um primeiro momento mais voltadas para a psicologia social e comunitária, mas depois associadas a todos os campos de atuação da psicologia. O primeiro exemplo é de um livro de minha própria autoria, O que é psicologia comunitária?, da conhecida coleção Primeiros Passos, publicado pela Editora Brasiliense, com primeira edição em Na verdade, este foi o primeiro livro brasileiro voltado para o tema. Neste pequeno ensaio de caráter introdutório e sintético, marca registrada daquela coleção, procurei identificar as características das práticas convencionais em psicologia e compará-las às da psicologia comunitária, que vinham sendo utilizadas de forma orgânica aos vários movimentos sociais populares que emergiram de forma mais explícita a partir de 1978, inclusive como uma mobilização social e reação ao regime militar. Esta comparação foi revisada, incluindo rápidas atualizações, mas sem mudar o conteúdo original do trabalho, e é reproduzida no Quadro 1: Quadro 1: Características da Abordagem da Psicologia Convencional e da Psicologia Comunitária PSICOLOGIA CONVENCIONAL PSICOLOGIA COMUNITÁRIA 1) Unidisciplinar, uniparadigmática e uniprofissional; foco no psicológico de forma independente do social. 1) A realidade psicológica é complexa, integrando aspectos sociais, psíquicos e biológicos; abordagem interdisciplinar e interparadigmática; trabalho em equipes interprofissionais horizontalizadas. 2) Abordagem individual dos fenômenos psíquicos; ênfase na singularidade das pessoas. 2) Embora levando em conta a singularidade de cada pessoa, a ênfase é nos processos grupais e coletivos; conteúdo psicológico também com conotações sociais, institucionais, culturais e 5 Esta representação difusa na sociedade e nos cursos universitários, associada principalmente à clínica privada e ao seu caráter exclusivamente terapêutico e individualizado, vem sendo sistematicamente pesquisada por investigadores universitários e pelas organizações corporativas no Brasil, com uma série de trabalhos publicados sobre o assunto. Ver particularmente os trabalhos de Praça e Novaes (2004); Ferreira Neto (2004); Conselho Federal de Psicologia (1994, 1992), Conselho Regional de Psicologia 4.a Região (1992), e Mello (1975).

9 9 3) Abordagem geralmente desarticulada de uma visão social mais ampla, e geralmente se pretende neutra em relação às questões ético-políticas. 4) Formação profissional predominantemente teórica, intramuros e com poucos vínculos com a prática. políticas individuais e coletivas. 3) Abordagem articulada a uma visão histórica e social mais ampla; explicitação de compromisso ético-político. 4) Formação necessariamente integra intimamente ensino, pesquisa e extensão, com forte relação teoria/prática; atividades realizadas prioritariamente nos serviços e nos locais de vida e trabalho da população. 5) Técnicas e atividades profissionais predominantemente curativas. 5) Integração de recursos curativos e preventivos, com ênfase na prevenção. 6) Teorização e atividades dirigidas principalmente para consultórios e serviços privados rentáveis; baixa accessibilidade financeira e geográfica, com concentração em áreas nobres das cidades e em grupos sociais privilegiados econômica e culturalmente. 7) Prática profissional altamente especializada com base em competências parciais e na competição profissional; clientela se adapta à divisão técnica do trabalho, sendo referenciada a distintos serviços não integrados; tendência à desresponsabilização e a buracos na assistência integral à clientela. 8) Práticas sofisticadas exigem formação longa, demorada, de alto custo, que é repassada aos serviços, com elitização social. 9) Práticas exigem presença e dependência do profissional; lugar do poder centrado nele e na manutenção do monopólio do seu saber profissional especializado. 6) Prioridade básica para as classes populares e para serviços públicos gratuitos, descentralização em locais de trabalho e moradia da população, com máximo de acessibilidade geográfica e adequação às características sociais e culturais da população. 7) Profissionais e práticas mais generalistas e flexíveis, apropriadas à complexidade e variabilidade das situações; busca de pesquisa e sistematização de práticas inovadoras e/ou alternativas; ênfase na responsabilidade pelo cuidado integral da clientela; intersetorialidade. 8) Pesquisa e sistematização de práticas simplificadas, apropriadas às condições sociais e culturais populares; extensão da cobertura com qualidade. 9) Apesar da provisão direta de serviços, forte ênfase também no agenciamento de recursos, assessoria e capacitação de agentes locais; busca de democratização do conhecimento e do empoderamento dos usuários. 10) Abordagem não interage com o conhecimento difuso e práticas informais populares. 11) Práticas planejadas e executadas pelo profissional sem participação da clientela. 10) Reconhecimento e diálogo com saber e práticas autônomas da população. 11) Efetiva participação da clientela na definição de prioridades, planejamento, execução e avaliação dos serviços, e na formação dos profissionais; controle social através dos conselhos de política social. 12) Ação restrita ao trabalho especializado e estritamente profissional nos consultórios, escola e empresa. 12) Ação ampliada envolvendo: a) intervenção direta especializada junto à clientela dentro dos serviços; b) ação direta especializada junto à clientela nas casas e em espaços comunitários abertos; c) ação difusa em projetos sociais e intersetoriais mais amplos, com a população e outras agências; d) capacitação de agentes comunitários e técnicos em projetos especializados e intersetoriais; e) pesquisa, planejamento e gestão de programas sociais, de educação, saúde e saúde mental;

10 10 f) ação na sociedade mais ampla para defesa de direitos, mudança das representações sociais e dos estigmas, e militância política. Um segundo livro, desta vez promovido e organizado pelo Conselho Federal de Psicologia, datado de 1994, apresenta de forma sintética em um de seus capítulos, de autoria de Virgílio Bastos e Rosemary Achcar 6, as características das práticas emergentes em psicologia e os desafios para a formação profissional. A partir das indicações feitas neste trabalho, montei uma síntese das principais características, que é apresentada no Quadro 2 a seguir: Quadro 2: Movimentos Emergentes no Exercício Profissional do Psicólogo no Brasil TENDÊNCIAS DETECTADAS NA PRÁTICA PROFISSIONAL DO PSICÓLOGO NO BRASIL PRÁTICA CONVENCIONAL PRÁTICAS EMERGENTES 1) Concepção sobre o fenômeno psicológico Centrado no plano individual (indívíduo a-histórico, isolado de seu contexto social) 2) Fontes de conhecimento que embasam a prática Perspectiva unidisciplinar Visto na interdependência com o contexto sóciocultural Perspectiva interdisciplinar 3) Natureza da intervenção (I) Centrada na ação do psicólogo isoladamente Atuação em equipes interprofissionais 4) Natureza da intervenção (II) Focada no indivíduo: intra-psi, caráter curativo, remediativo 5) Nível da intervenção Restritiva ao plano de aplicação das técnicas (reduzido poder de intervenção) 6) Recursos técnicos Restritos e originários basicamente no âmbito da própria psicologia 7) Clientela Predominantemente de classe média e com poder aquisitivo (crianças e adultos) Centrada em contextos, em grupos; ação preventiva, prospectiva Atuação no nível mais estratégico: maior poder decisório (assessoria, gerência, consultoria) Diversidade de recursos e instrumentos; pluralidade de técnicas que podem extrapolar o campo da psicologia Mais diversificada: acesso a segmentos social excluídos; classes populares 8) Atitudes em relação aos conhecimentos, técnicas e práticas Consumista: aplicar aquilo que foi gerado em outros Crítica: preocupação em gerar conhecimentos e contextos tecnologia apropriados à realidade em que atuam 6 A referência bibliográfica completa é: BASTOS, Virgílio BB e ACHCAR, Rosemary Dinâmica profissional e formação do psicólogo: uma perspectiva de integração, in Conselho Federal de Psicologia (org) Psicólogo brasileiro: práticas emergentes e desafios para a formação. São Paulo, Casa do Psicólogo, 1994

11 11 9) Natureza do compromisso enquanto profissional Preocupação humanista e voltada para o Preocupação com o engajamento pela atendimento de necessidades individuais transformação social Em minha opinião, os Quadros 1 e 2 apresentados acima são importantes primeiro por que mostram claramente que estas formas emergentes de profissionalidade já estavam esboçadas desde os anos 1980, e que foram devidamente identificadas e sistematizadas pelo Conselho Federal de Psicologia e por pesquisadores. Em segundo lugar, por que identificam os seus principais traços, podendo servir de referência para a discussão destes modelos de prática entre os profissionais interessados. Além destes dois trabalhos, gostaria de remeter o leitor interessado às publicações oficiais do Sistema Conselhos de Psicologia, que vem de forma sistemática divulgando trabalhos descritivos sobre universos temáticos e novas práticas emergentes. Por exemplo, o leitor pode ter uma boa idéia destas formas recentes de profissionalidade se fizer uma visita às publicações do CFP, Psicologia, ciência e profissão e Psicologia, ciência e profissão: diálogos, nos números disponíveis na Internet, desde 2002, no sítio Um rastreamento nestas publicações indica os seguintes campos temáticos e de práticas, apresentados no Quadro 3: Quadro 3: Campos temáticas e práticas emergentes nas publicações do Conselho Federal de Psicologia, nos números disponíveis na Internet, desde ) Campos temáticos: - debates teóricos e acadêmicos; - pesquisa em psicologia; - processos sociais e políticos associados à cidadania e aos direitos humanos e sociais, tais como violência social, déficit habitacional e grupos sociais sem teto, etc; - questões de gênero, etnia e geração (por ex., idosos, crianças e adolescentes ) e relação com a saúde mental; - reforma sanitária, reforma psiquiátrica, luta antimanicomial e direitos humanos; - saúde mental do trabalho; - psicologia institucional; - artes; - religião. 2) Práticas profissionais: - práticas clínicas convencionais; - práticas em serviços de saúde, particularmente em psicologia hospitalar; - práticas em serviços de saúde mental, principalmente ligados ao processo de reforma psiquiátrica e à luta antimanicomial; - atuação sócio-comunitária com grupos sociais especiais, como moradores de rua; - atuação profissional na área do judiciário e do sistema penitenciário; - atuação em instituições; - testes psicológicos e sua avaliação crítica.

12 12 Como o leitor pode apreender, os artigos destas publicações vem abordando de forma sistemática os campos temáticos e as práticas emergentes envolvidos nestas formas de profissionalidade que ficaram secundarizadas nas representações sociais do psicólogo difusas na sociedade, e particularmente nos cursos universitários de psicologia. Assim, aqueles engajados nos novos programas de assistência social encontrarão nelas uma fonte muito interessante de seu estudo, como forma de sustentar sua prática profissional inserida no SUAS. Na continuidade do presente trabalho, tendo em vista disponibilizar mais elementos para subsidiar esta prática profissional do psicólogo no SUAS, farei agora uma maior aproximação com o tema da atenção psicossocial a famílias, foco central do trabalho nos novos programas de assistência social. 6) Uma nova concepção de atenção psicossocial dirigida à família no âmbito da assistência social do SUAS e suas bases teóricas As sistematizações dos modelos históricos e técnicos de atuação dos psicólogos com famílias (Pereira, 2002; Melman, 2001; Elkaïm, 1998;) indicam que as principais formas atuais de atuação da psicologia tendo como objeto famílias no Brasil são o diagnóstico e a psicoterapia individual, de grupo e de família. Alguns modelos alternativos chegam a ultrapassar o setting convencional da psicoterapia, se abrindo para intervenções na rede social da família (Sluzki, 1997). Embora estes modelos de prática possam ter plena relevância no âmbito de serviços privados e públicos do campo da saúde mental, particularmente nos ambulatórios, no âmbito da assistência social, as características indicadas para as práticas convencionais listadas nos Quadros 1 e 2 acima apontam sérios limites para a sua utilização no contexto do SUAS. Esta perspectiva de avaliação não tem a menor pretensão de invalidar as inúmeras contribuições teóricas que estes campos têm feito para a compreensão dos mecanismos psicológicos e psicossociais envolvidos nas relações familiares, de gênero e das vivências de grupos geracionais específicos, que são fundamentais para o acúmulo do conhecimento sobre estes fenômenos. Entretanto, qualquer apropriação deste conhecimento para a perspectiva da assistência social deve levar em consideração alguns aspectos importantes: a capacidade de integração interdisciplinar com outros campos de conhecimento e olhares críticos 7 ; a importância de um foco prioritário na realidade social e cultural específica das classes populares (que constitui o objeto principal dos programas de assistência social), dado que estas abordagens geralmente são produzidas para uma clientela das classes médias e altas; e a capacidade de subsidiar práticas profissionais outras que não o modelo clínico convencional. Tendo em vista esta avaliação, a concepção de assistência social em vigor e minha experiência em pesquisa e assessoria no campo da saúde mental, no âmbito dos novos serviços de atenção psicossocial ligados à reforma psiquiátrica, e particularmente no campo da assistência social, venho sistematizando e fazendo algumas proposições e recomendações básicas sobre os modelos de atuação e as formas de profissionalidade do psicólogo no SUAS. Gostaria de colocá-las em discussão aqui: 7 Por exemplo, nos dois volumes organizados por Elkaïm (1998) de revisão das terapias familiares na atualidade, em um trabalho de excelente qualidade e claramente recomendável, autoras feministas mostram alguns limites das abordagens atuais, dada a ênfase absoluta nos aspectos psicológicos e o olhar moldado pelo setting terapêutico, em levar em consideração os problemas gerados pela violência doméstica masculina.

13 13 a) A abordagem clínica convencional por parte de psicólogos deve acontecer apenas em situações de emergência, ou seja, em casos de crises psíquicas de usuários, quando estes estão inseridos diretamente em outros tipos de atividades ligadas aos serviços ou projetos de assistência social; b) Este atendimento deve visar apenas o acolhimento inicial, providenciando-se o devido encaminhamento responsável e monitorado para serviços de saúde mental; c) Em caso de não haver no município este tipo de serviço, os profissionais da assistência social devem iniciar imediatamente uma negociação com a Secretaria de Saúde local para encaminhamento intermunicipal ou para criação deste tipo de serviço; d) As questões psíquicas e psicossociais devem ser abordadas, no âmbito do SUAS, de forma imanente às estratégias de reprodução social e de reinvenção das novas formas de viver, assumindo a complexidade e multidimensionalidade da vida. Em outras palavras, a proposta é de que, a não ser em casos excepcionais de emergência, indicados acima, os psicólogos não devem oferecer atividades psicoterápicas convencionais nos programas de assistência social do SUAS. A concepção implícita é de que este tipo de prática deve ser restrito a alguns tipos específicos de serviços de saúde mental, como os ambulatórios, pois mesmo a atenção psicossocial provida nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), no contexto da reforma psiquiátrica, já apresenta um rol bem mais amplo de práticas, nos quais os psicólogos estão envolvidos (Vasconcelos, 1999; Venâncio et al, 1997; Costa e Figueiredo, 2004; Saraceno, 1999). A tendência já conhecida de uso de práticas psicoterapêuticas convencionais no contexto de serviços de saúde mental para população baixa renda é a da reprodução elitizadora do modelo de consultório, fazendo com que os psicólogos se limitem a uma agenda semanal fechada de atendimentos individuais de cerca de 15 a 20 clientes ou um pouco mais, dependendo da carga horária semanal de trabalho, evitando a sua inserção em outros ou novos tipos diferenciados de práticas. Além disto, a clientela que tende a aderir a este tipo modelo de atendimento geralmente é aquela que apresenta os melhores indicadores econômicos, sociais, e educacionais nos bairros populares (Vasconcelos, 1992). Quanto à última proposição acima, na alínea (d), trata-se de uma proposição teórica fundamental, complexa, que privilegia algumas abordagens na história da psicologia clínica e da psicologia social, mas que tem também claras implicações nos modelos de prática e nas formas de profissionalidade. Abaixo, buscarei identificar os movimentos e abordagens teóricas que me parecem mais relevantes para a atuação no campo da assistência social, incluindo algumas referências bibliográficas mais importantes: a) A Psiquiatria Democrática, movimento social italiano de profissionais de saúde mental, foi quem liderou o processo de reforma psiquiátrica naquele país, fechando as instituições com características manicomiais e criando serviços de atenção psicossocial efetivamente substitutivos ao hospital psiquiátrico convencional (Barros, 1994; Sarraceno, 1999). Além de Franco Basaglia (2005), sua liderança mais conhecida, o movimento possui várias outras lideranças ainda vivas, como Franco Rotelli, que, em

14 14 texto hoje já considerado clássico, assim expressa a concepção básica de atenção psicossocial do movimento: a ênfase não é mais colocada no processo de cura, mas no projeto de invenção da saúde e de reprodução social do paciente. (...) não existe mais uma saúde, mas existem mil. (...) O problema não é a cura (a vida produtiva) mas a produção de vida, de sentido, de sociabilidade, a utilização das forma (dos espaços coletivos) de convivência dispersa (Rotelli, 1990). Assim, na concepção do movimento, as transformações psicológicas nos indivíduos e nas famílias acontecem no próprio processo de inserção dos usuários e de suas famílias em projetos de trabalho, de arte e cultura, de dispositivos residenciais, no aumento do poder contratual através de benefícios sociais e pecuniários, do acesso aos demais serviços e programas sociais, de conquista e convivência social nos espaços públicos das cidades, da participação cidadã em associações civis e na vida civil e política, etc. b) O chamado movimento institucionalista e grupalista, que reúne várias tendências, abordagens e movimentos particulares. Entre eles, tendo em vista a relevância para o nosso tema, podemos destacar: b.1) A socioanálise nasceu na França, nos anos 60, tendo como principais expoentes Lapassade e Lourau 8. Constitui uma abordagem mais sociológica, com fortes aproximações ao marxismo e às obras de Sartre mais próximas do marxismo, mas também se apropria de forma muito própria de alguns conceitos psicanalíticos. Está centrada na idéia chave de que todos os fenômenos grupais e organizacionais têm sua face de superfície visível, mas estão atravessados de ponta a ponta por processos institucionais ocultos e reprimidos, que podemos chamar de inconsciente social. Aqui há forte aproximação com Marx, na sua descrição das formas de ocultamento das relações sociais de dominação, mas a contribuição original da socioanálise está em revelar os processos institucionais e subjetivos deste ocultamento. Por outro lado, da mesma forma que no plano individual há o que Freud chamou de retorno do recalcado, há também processos de retorno do reprimido social. Em termos muito sintéticos, no processo de intervenção em coletivos, a socioanálise constitui uma práxis que estimula a emergência dos chamados analisadores, eventos e processos que apontam ou revelam as relações de poder e as estruturas do inconsciente social, permitindo aos atores sociais identificarem com mais clareza as forças instituídas, bem como as forças instituintes e renovadoras da dinâmica institucional, que podem ser mobilizadas nos processos de mudança social e política. Assim, as contribuições da socioanálise são fundamentais e têm enorme relevância no trabalho com grupos, em organizações, em projetos econômico-sociais e no trabalho comunitário. b.2) A esquizoanálise de Felix Guattari e Gilles Deleuze caminha em uma direção muito próxima a da Psiquiatria Democrática e da socioanálise, se apropriando e modificando de uma maneira muito própria referenciais teóricos variados, mas principalmente da psicanálise, do marxismo e do pensamento de Nietzsche. Seu principal representante foi Guattari, autor francês com vários livros sobre o tema e sobre experiências concretas de práticas e intervenções no campo social, da saúde e da saúde mental. Guattari propõe que: 8 Para uma primeira introdução à socioanálise, sugiro o livro recente de Lourau (2004), para depois fazer uma incursão nos livros mais clássicos, como Lapassade (1983) e Lourau (1995).

15 15 O inconsciente pode voltar-se para o passado e retrair-se no imaginário, mas pode igualmente abrir-se para o aqui e agora, ter escolha com relação ao futuro (...) O que importa, agora (...) é o que denomino devir. (...) A única maneira de percutir o inconsciente, de fazê-lo sair da rotina, é dando ao desejo o meio de se exprimir no campo social (...): construir sua própria vida, construir algo de vivo, não somente com os próximos, com as crianças seja numa escola ou não com amigos, com militantes, mas também consigo mesmo, para modificar, por exemplo, sua própria relação como o corpo, com a percepção das coisas (...). (Guattari, ). A esquizoanálise tem vários representantes argentinos e brasileiros importantes, tais como Suely Rolnick, Gregório Baremblitt, Regina Benevides de Barros, Antonio Lancetti, Peter Pál Pelbart e Heliana Rodrigues, entre vários outros. b.3) A psicossociologia teve origem na França, nos anos 70, com base nas obras culturais de Freud, mas integrando algumas contribuições da filosofia de Castoriadis e da sociologia da ação social de Touraine. Os autores mais conhecidos são Pagès, Kaës, Anzieu, Enriquez, Levy, Barus-Michel e também os ingleses Bion e Elliot Jacques, todos eles com trabalhos já publicados no Brasil 10. Os psicossociólogos utilizam seus conceitos a partir da intervenção psicossociológica, na qual o profissional é chamado a atuar em grupos, associações, instituições e projetos sociais, no sentido de estimular que os participantes tenham acesso aos mecanismos conscientes e inconscientes que atuam nos processos grupais e institucionais. Muitas vezes, mesmo projetos marcados pelas melhores intenções no plano consciente, no sentido de buscar idéias críticas, estratégias participativas e valores democráticos, podem estar sendo montados de forma a articular e mobilizar inconscientemente formas de subjetividade que implicam em perda da autonomia, autoritarismo, ou até mesmo fanatismo e violência. b.4) A psicoterapia institucional francesa se desenvolveu na França desde a II Guerra Mundial, a partir de experiências internas aos hospitais psiquiátricos convencionais, e retrabalhou e ampliou conceitos psicanalíticos para a compreensão, democratização e transformação das relações institucionais nos serviços, por meio de ações horizontalizadas de decisão coletiva, divisão de trabalho e práticas grupais. Seus principais autores são os franceses Tosquelles e Oury, mas há autores brasileiros que vem sistematizando e divulgando seus conceitos e práticas (Vertzman et al, 1992; Verztman e Gutman, 2001; Moura, 2003). A meu ver, uma das idéias mais férteis desta abordagem é a concepção dos serviços como campos transferenciais multifocais envolvendo todas as pessoas, atividades e objetos, oferecendo: - um acolhimento imediato, aberto para toda a clientela adscrita ao serviço, e assumido por todos seus profissionais e demais trabalhadores, independente de sua situação funcional, bem como pelos usuários mais cotidianos e freqüentes; 9 Esta inserção constitui na verdade uma montagem de vários trechos do livro, para tornar suas idéias mais compreensíveis e accessíveis ao leitor não acostumado com seu estilo. Além desta obra, o leitor interessado pode consultar Baremblitt (1992), outras obras individuais do próprio Guattari (1988, 1992), de Guattari e Rolnik (1986) e de Guattari et al (2003). 10 Considero que uma boa introdução a esta corrente pode ser obtida pela leitura das seguintes obras, sugerindo-se respeitar a ordem de apresentação: Levy et al, 1994; Barus-Michel, 2004; Enriquez, 1997; e Kaës et al, 1991.

16 16 - uma organização interna sem verticalização e hierarquia (que reforçam a burocracia e a esterilização das mensagens verbais e emocionais), valorizando-se relações horizontalizadas, oblíquas e transversais, entre os vários atores sociais envolvidos, estimulando a implicação de todos com a tomada de responsabilidade pela atenção; - um leque o mais variado possível de dispositivos concretos capazes de atrair, gerar identificações e vínculos 11 para os mais diversos tipos de usuários do serviço e de situações. Para se ter uma idéia do alcance desta concepção, os projetos que hoje são desenvolvidos no âmbito da assistência social do SUAS, tais como as brinquedotecas, as atividades de suporte escolar, os projetos de lazer, cultura, arte, esporte; os grupos e oficinas de trabalho e renda, grupos de mulheres, grupos de socialização, clubs de dança e socialização para idosos, etc, têm um enorme potencial de reabilitação psicossocial, já que criam espaços em que este tipo de relações e vínculos podem ser claramente estimulados. b.5) A escola argentina de grupo operativo teve como principais autores Bleger e Pichon-Rivière, com os principais trabalhos publicados a partir dos anos 60. Esta abordagem integra conceitos da psicanálise de Melanie Klein e do marxismo, desenvolvendo uma metodologia centrada na análise crítica dos processos grupais na sua relação com o desenvolvimento de sua tarefa, ou praxis. Em outras palavras, enquanto os métodos convencionais de psicoterapia de grupo centram sua análise das relações transferenciais entre terapeuta e clientes, Pichon-Rivière buscou abordar as relações que os participantes de grupos sociais estabelecem com as tarefas que se propõem, e daí o nome de grupo operativo 12. Assim, ao mesmo tempo em que o grupo busca realizar seu trabalho concreto, ele também deve refletir sobre os processos subjetivos e inconscientes que estão atuando no momento. c) A psicologia sócio-histórica e seus principais autores originais, Vigotsky, Luria, Rubinstein e Leontiev, se desenvolveram na União Soviética, a partir da década de 30, mas suas obras só puderam ter plena divulgação mais tarde, com o afrouxamento gradual da repressão intelectual e cultural naquele país, a partir da década de 70. Construída a partir dos princípios mais gerais do marxismo, parte das noções de sujeito, subjetividade e das patologias como constituídos socialmente, na história concreta do indivíduo, em seus sistemas de relações, e na própria capacidade dos sujeitos de ações e de doações de sentidos e significados neste contexto histórico específico (Rey, 2001). Nesta direção rompe com o dualismo entre o social e o individual, criticando as abordagens baseadas em princípios universais e a-históricos, que sustentam o psicologismo presente em boa parte das teorias psicológicas contemporâneas, ou que reduzem mecanicamente os indivíduos apenas à sujeição ou internalização de forças sociais, ideológicas, culturais ou meramente discursivas. Esta abordagem já tem várias obras publicadas e fortes representantes no Brasil, entre os quais se destaca, a meu ver, 11 A noção de vínculo da psicoterapia institucional é muito semelhante à idéia de Winnicott de estimular a criação de objetos transicionais, bem como ao conceito de Guattari de produção desejante. 12 Para uma introdução aos conceitos básicos da abordagem de grupo operativo, ver Saidon (1982).

17 17 o cubano Fernando Gonzalez Rey, profundo conhecer das matrizes soviéticas e de seu debate com as teorias ocidentais 13. Já que esta corrente deu mais ênfase aos temas da psicologia do desenvolvimento e da cognição, tiveram maior influência no campo da educação, da psicologia educacional e particularmente da psicologia social. d) Outras correntes da psicologia social e comunitária e do serviço social: d.1) Outras correntes progressistas da psicologia social: há aqui um leque bastante sugestivo de contribuições, mas gostaria de chamar a atenção particularmente para a corrente dos estudos das representações sociais. Esta abordagem busca revelar as formas com que os sujeitos e grupos sociais particulares vêem e representam as várias dimensões da vida e da dinâmica social, como dão sentido a elas, como percebem as relações de poder e dominação, como estas representações estão envolvidas nas formas particulares de ação destes sujeitos nos projetos sociais e econômicos estatais e privados, e quais as possíveis razões que levam estes sujeitos e grupos a se envolverem eventualmente em processos de mudança social. No Brasil, já há uma tradição bastante sedimentada destes estudos, com inúmeros trabalhos já publicados 14, que investigam as representações sociais envolvidas nos processos econômicos, no trabalho, nos movimentos sociais, nas identidades coletivas, nas relações inter-étnicas, nas minorias e grupos sociais específicos (como os moradores de rua), nos processos de saúde e doença, nas relações familiares e de gênero, na sexualidade, nas vivências das crianças, adolescentes e idosos, etc. Em suma, estes estudos são fundamentais para o conhecimento dos processos sociais e subjetivos de grupos sociais específicos, particularmente quando investigam as representações próprias das classes populares, permitindo aos profissionais que atuam junto a elas uma melhor compreensão da sua cultura e dos parâmetros subjetivos e simbólicos que orientam a sua ação na comunidade local e na sociedade mais ampla. d.2) A tradição da psicologia comunitária constitui um campo aplicado da psicologia social, com estudos voltados para a sistematização e apropriação de teorias e técnicas aplicáveis na intervenção concreta na realidade social, bem como para a descrição e análise de práticas e projetos já desenvolvidos, particularmente junto a grupos populares e movimentos sociais. No Brasil, há vários autores identificados com esta tradição, incluindo o autor do presente ensaio (Vasconcelos, 1985, 2008a e 2008b), como também Willian Cesar Pereira (1994, 2001 e 2004), e Campos (1996), entre outros. Como os leitores podem depreender, esta tradição constitui uma contribuição imprescindível para os psicólogos e demais profissionais que atuam no campo da assistência social. d.3) As abordagens e estratégias de empoderamento (empowerment) tiveram no Brasil suas primeiras formulações mais voltadas para os campos do serviço social e da saúde mental. Os principais autores que publicam sobre o tema são Vicente Faleiros (1999), a 13 Assim, aos leitores interessados nesta corrente, sugiro particularmente os trabalhos de Rey, pelo seu conhecimento e avaliação crítica da psicologia soviética, contexto no qual os autores da abordagem sóciohistórica se desenvolveram, e cuja obra e evolução Rey também conhece profundamente, inclusive no seu debate com os autores ocidentais. Para um primeiro contato, sugiro os seguintes trabalhos, se possível na seqüência proposta: Rey, 2004, 2001 e 2003; Pinto, 2005; Bock, 2001; Vigotsky, Para os leitores interessados no tema, sugiro as seguintes obras: Moreira e Oliveira (1998), Jovchelovitch e Guareschi (1994); Oro (2004); Moscovici (2004) e Jodelet (2001).

18 18 partir do serviço social, e o próprio autor deste ensaio, por uma perspectiva mista que inclui principalmente o serviço social e o campo da saúde mental (Vasconcelos, 2003 e 2006). A abordagem de Faleiros está mais direcionada ao trabalho profissional com indivíduos, mas inserindo-os nos processos de coletivização e inserção em organizações sociais de defesa dos direitos. A minha perspectiva está mais centrada em estratégias de auto-empoderamento grupal e coletivo, nas quais se destacam os seguintes dispositivos: - grupos de ajuda mútua, em que os participantes trocam apoio emocional, buscam se informar, identificam recursos e sistematizam as estratégias usadas para lidar com seus problemas comuns; - grupos de suporte mútuo, que começam com atividades coletivas externas simples de cuidado doméstico, lazer, esporte, até projetos mais arrojados de cultura, esporte, trabalho, renda, moradia, etc, com diversos níveis de financiamento e provisão de recursos pelo Estado; - iniciativas de defesa de direitos, que pode ser informal, pelos próprios cidadãos, ou profissional, por meio de profissionais especializados, particularmente advogados; - iniciativas de mudança na cultura e na sociedade civil, visando a transformação das representações e relações de poder discriminatórias, segregadoras e opressivas na sociedade, por meio de recursos de educação popular e de mídia, como rádio, imprensa, cartilhas, e particularmente vídeo, televisão e Internet; - participação nas instâncias de controle social e militância política mais ampla, incluindo a capacitação e participação nos conselhos e outras instâncias de controle social de políticas setoriais, bem como a militância social e política em outras esferas, como movimentos sociais, sindicatos, partidos políticos, etc. e) Os estudos interdisciplinares sobre relações de gênero, família e grupos geracionais específicos: Sem deixar de incluir, mas também ultrapassando o campo da psicologia social e comunitária stricto sensu, é importante considerar um amplo campo, o do estudo das relações de gênero, família e grupos geracionais específicos, e de seus processos incidentes mais prioritários, como a violência doméstica, que tem sido objeto de investigação de várias áreas de conhecimento: a própria psicologia social, a psicologia do desenvolvimento, a psicologia clínica, os estudos feministas e de gênero, os estudos interdisciplinares de grupos geracionais específicos (crianças, adolescentes, gestantes, e idosos), a gerontologia, a saúde coletiva, o serviço social, a antropologia social, a demografia e a sociologia, etc. Trata-se de um amplo conjunto de estudos 15, muitas 15 Podemos listar aqui algumas das obras consideradas fundamentais neste conjunto, publicadas no Brasil: a) obras diretamente voltadas para a intervenção social e psicossocial com famílias, de importância clara para o trabalho no SUAS: Acosta et al, 2003; Moreira, 2006; Baier, s/ data; b) obras que focam os processos familiares na sua relação com a saúde: Mello Filho e Burd, 2004; Elsen et al, 2002; c) estudos na perspectiva das políticas sociais e do serviço social: Kaloustian, 2004; Sales et al, 2004; Carvalho, 2003; Rosa, 2003; Rizzini, 2002; d) obras na perspectiva da sociologia e antropologia social: Minayo, 2002; Sarti, 2005; Peixoto et al, 2000;

19 19 vezes sem delimitações claras de campos de saber, e de importância fundamental para subsidiar a teoria e a prática da assistência social focada na família, particularmente quando estes estudos se dedicam às classes populares. e) Os estudos antropológicos sobre o nervoso, código cultural próprio das classes populares para abordar os fenômenos mentais Desde o início dos anos 80, a antropologia social brasileira, sob a liderança principal do prof. Luis Fernando Dias Duarte, mas também com contribuições de Gilberto Velho e Roberto Da Matta, vem investigando como a classe trabalhadora no Brasil e em vários outros países possui códigos próprios para representar os fenômenos mentais. Segundo eles, de forma diferente das elites das sociedades ocidentais, que comungam uma representação mais individualista, igualitária e psicologizada do universo subjetivo, as classes populares brasileiras vêem os fenômenos mentais projetados em uma visão hierarquizada e holística da vida, na qual cada pessoa só se compreende inserida no seu círculo de relações familiares, de vizinhança e de comunidade. Nesta ótica é que se pode entender o modelo do nervoso ou dos problemas de nervo, que apenas formalmente tem uma conformação somática, muito mais como uma estratégia de desculpabilização, e que pelo contrário envolvem profundas dimensões sociais e morais, muito focadas nas dificuldades concretas de subsistência (condições de vida e trabalho), na perda de vínculos culturais e da rede de suporte social, como também na quebra da reciprocidade nas relações interpessoais e familiares diretas (como no caso de violência doméstica). Na medida em que a maioria dos profissionais de nível universitário teve uma socialização de base e uma formação universitária mais hegemonicamente marcadas pela representação individualista, há um enorme descompasso, em programas e serviços de saúde, saúde mental e da área social, entre os códigos culturais e lingüísticos próprios dos usuários oriundos das classes populares e os códigos dos profissionais e suas abordagens teóricas e operativas. Assim, é fundamental que todos os profissionais da assistência social conheçam esta literatura 16. e) obras mais diretamente associadas à gerontologia: Veras, 1994; Py, 1999 e 2004; f) estudos interdisciplinares voltados para o tema da violência doméstica: Azevedo e Guerra, 1993; Morrison e Biehl, 2000; g) estudos marcados pela perspectiva de gênero: Araújo e Scalon, 2005; h) estudos interdisciplinares na perspectiva demográfica: Heilborn et al, 2006; Goldani, 2002; i) estudos do campo da psicologia social: Takeuti, Para o monitoramento dos processos e indicadores sociais e demográficos referentes ao campo, sugiro acompanhar os trabalhos impressos produzidos ou disponíveis eletronicamente na Internet pelas seguintes agências: IBGE (www.ibge.gov.br), Associação Brasileira de Estudos Populacionais (www.abep.org.br), IPEA (uma agência dos Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão) (www.ipea.gov.br). É fundamental também acompanhar os trabalhos produzidos por Pochmann et al (2003 em diante), intitulados Atlas da exclusão social no Brasil. 16 Sugiro ao leitor que queira se introduzir nesta literatura, se iniciar por Duarte e Ropa (1985), por Velho (1981, especialmente caps 1 e 6) e Da Matta (1979, particularmente o conhecido capítulo Você sabe com quem está falando? ), passando pela revisão desta bibliografia feita por Venâncio (2001) e Fonseca (2008), para finalmente se aventurar na obra mais complexa de Duarte (1986).

20 20 Finalmente, para concluir esta seção sobre as bases teóricas da concepção de atenção psicossocial aqui indicada, creio ser necessário fazer algumas observações adicionais. A primeira está relacionada às próprias características de nosso objeto e de seu estudo: trata-se de um campo plural, polissêmico, exatamente dado o caráter multidimensional e complexo dos fenômenos que aborda. Penso ser impossível se reduzir a uma só abordagem, dada a complexidade e o caráter multifacetado da realidade social em que nos inserimos para intervir e montar projetos concretos. Quando se trata da subjetividade, e principalmente em sua interação com o social, penso que nos convém lembrar de Freud e seus modelos metapsicológicos. Muitas vezes, um só fenômeno no aparelho psíquico requereu dele a utilização simultânea de dois ou mais de seus modelos, dadas as características ao mesmo tempo econômicas, dinâmicas e topológicas do processo em análise. O campo psicossocial nos exige, portanto, conhecer de forma pluralista as abordagens mais diretamente ligadas ao objeto de conhecimento e trabalho, bem como ir aos poucos avaliando suas diferentes potencialidades, limites, parcialidades ou problemas, para poder enfrentar os desafios complexos colocados pelos seus fenômenos e pela nossa intervenção no seu âmbito 17. Neste ponto do texto, é importante então relembrar nossa hipótese neste estudo, de que estas abordagens já estavam disponíveis no Brasil no campo da psicologia social e comunitária, bem como em disciplinas intimamente associadas a ele, desde os anos Portanto, pudemos demonstrar que as bases teóricas e operativas para o trabalho na assistência social já estavam disponíveis e publicadas no campo psicológico desde então, mas que não eram reconhecidas nas linhas hegemônicas de formação e identidade profissional. e que retomá-las constitui uma necessidade urgente para os psicólogos que não tem contato com elas. Para aqueles que já têm alguma familiaridade nesta direção, será possível avançar em novas direções, para uma ampliação interdisciplinar do conhecimento teórico e operativo em outras áreas de conhecimento, que poderão fortalecer nossa capacidade de intervir na assistência social. Trata-se de uma aproximação gradual a campos como os das políticas sociais; de planejamento, monitoramento e avaliação de políticas públicas; da economia política, etc. De qualquer forma, para todos os indicados acima, creio que esta aproximação só poder ser lenta e gradual, sem ansiedade, mas de forma muito firme. É preciso lembrar novamente de que se trata do desenvolvimento de formas diferenciadas de profissionalidade, em um processo complexo, e isso pede um investimento decisivo por parte dos profissionais e da gestão dos programas. Assim, as iniciativas podem ser até mesmo individuais (o investimento na compra de livros e em leituras pessoais, proposição de grupos de estudo informais junto aos colegas), mas é fundamental que os gestores de programas e serviços promovam formas coletivas de conhecimento e aprofundamento destas contribuições tão importantes. É possível estimular e subsidiar: 17 Não se defende aqui, de forma alguma, uma proposta de ecletismo, ou seja, o uso aleatório de matrizes paradigmáticas, epistemológicas, teóricas e ético-políticas variadas, de forma indiferenciada. Em primeiro lugar, as contribuições acima já foram escolhidas a partir de um partilhamento comum de certos valores ético-políticos fundamentais, que configuram uma aliança pluralista em defesa dos interesses e das lutas popular-democráticas, tanto teórica quanto prática, pois seus representantes vêm participando de movimentos sociais populares no Brasil. Além disso, no conhecimento acumulativo destas contribuições, é necessário conhecer as diferenças, os pontos de contato e as várias áreas nas quais é impossível qualquer acoplamento linear, quando então se tornam necessárias estratégias mais complexas de um trabalho interdisciplinar ou, em um conceito mais exato, inter-paradigmático. Para o leitor interessado nesta perspectiva de trabalho interdisciplinar e inter-paradigmático, ver meu livro Complexidade e pesquisa interdisciplinar (Vasconcelos, 2002), particularmente os capítulos 2 e 3 da primeira parte, e o Tomo I da coletânea "Abordagens psicossociais" (Vasconcelos, 2008a).

6 Considerações finais

6 Considerações finais 6 Considerações finais Este pesquisa objetivou investigar como vem se caracterizando o processo de reforma psiquiátrica em Juiz de Fora e suas repercussões no trabalho dos assistentes sociais no campo

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3 COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3 Concessão de benefícios eventuais e análises correlatas, na Politica de Assistência Social. Considerando que o Conselho Regional de Serviço Social

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO BÁSICA O VÍNCULO E O DIÁLOGO NECESSÁRIOS ÍNDICE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS / DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO GERAL DE SAÚDE MENTAL COORDENAÇÃO DE GESTÃO DA ATENÇÃO BÁSICA

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência

Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência Universidade Estadual de Goiás Centro Regional de Referência CURSO DE ATUALIZAÇÃO SOBRE INTERVENÇÃO BREVE E ACONSELHAMENTO MOTIVACIONAL PARA USUÁRIOS DE ÁLCOOL, CRACK E OUTRAS DROGAS Rede de Atenção e

Leia mais

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL

REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL REUNIÃO DE CONDOMINIO: UMA (RE) INVENÇÃO À SAÚDE MENTAL Bárbara Leite 1 Paula Filippom 2 Francilene Raimone 3 Stelamaris Gluck 4 O problema é procurar aquilo que sai da terra, isto é, o que acontece quando

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo Caderno de Propostas VIII COREP - SP Congresso Regional de Psicologia Psicologia, Ética e Cidadania: Práticas Profissionais a Serviço da Garantia de Direitos 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS -

Leia mais

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach

REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL. Patricia Maia von Flach REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Patricia Maia von Flach Rede de Atenção Psicossocial PORTARIA 3088 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 OBJETIVOS: I - Ampliar o acesso à atenção psicossocial da população em geral; II

Leia mais

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP

Conheça as propostas formuladas nos eventos preparatórios em todo o estado de SP Eixo: 1. Democratização do Sistema Conselhos e Ampliação das formas de interação com a categoria Proposta: Conhecer as práticas dos psicólogos nos municípios. Eixo: 1. Democratização do Sistema Conselhos

Leia mais

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA

Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Projetos de Extensão SERVIÇO SOCIAL Estudo sociais em parceria com o fórum de UVA Serviços técnicos do Serviço Social na área da família e infância nos processos do Fórum de União da Vitória O Serviço

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Página 1 de 5 O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Leandro Nunes 1 Primeiramente, gostaria de me posicionar e anunciar de que campo da ciência psicológica vou estruturar meu argumento. No entanto afirmo que me

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires

POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes. Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, SUAS e legislações pertinentes Profa. Ma. Izabel Scheidt Pires REFERÊNCIAS LEGAIS CF 88 LOAS PNAS/04 - SUAS LOAS A partir da Constituição Federal de 1988, regulamentada

Leia mais

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br

O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. Conheça: est.edu.br O talento é seu. A gente só aperfeiçoa. EXTENSÃO Conheça: est.edu.br PROGRAMA DE EXTENSÃO A Faculdades EST é vinculada à Rede Sinodal de Educação, identificada com a Igreja Evangélica de Confissão Luterana

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

O PAPEL DO ASSISTENTE SOCIAL NA SAÚDE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS

O PAPEL DO ASSISTENTE SOCIAL NA SAÚDE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS O PAPEL DO ASSISTENTE SOCIAL NA SAÚDE PÚBLICA NO MUNICÍPIO DE TRÊS LAGOAS MÁRCIA APARECIDA DOS SANTOS SOLANGE RODRIGUES DE ALMEIDA BERNACHI ACADEMICAS DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL 2012 ASSOCIAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR

INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA-PR SANTOS, Elaine Ferreira dos (estagio II), WERNER, Rosiléa Clara (supervisor), rosileawerner@yahoo.com.br

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR

SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR SERVIÇO SOCIAL E TRABALHO INTERDISCIPLINAR Fátima Grave Ortiz é assistente social, mestre e doutora em Serviço Social pela UFRJ. É professora da Escola de Serviço Social da mesma universidade, e compõe

Leia mais

Política Nacional de Saúde do Homem

Política Nacional de Saúde do Homem Política Nacional de Saúde do Homem O Ministério da Saúde lançou a Política Nacional de Saúde do Homem. O objetivo é facilitar e ampliar o acesso da população masculina aos serviços de saúde. A iniciativa

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR É parte de um Sistema Nacional

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

PROGRAMA DE REABILITAÇÃO BASEADO EM COMUNIDADE: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA E DE SUA FAMÍLIA

PROGRAMA DE REABILITAÇÃO BASEADO EM COMUNIDADE: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA E DE SUA FAMÍLIA PROGRAMA DE REABILITAÇÃO BASEADO EM COMUNIDADE: UMA EXPERIÊNCIA DE PROMOÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA E DE SUA FAMÍLIA Dra. Tatiana Maria Araújo da Fonseca Licenciada em Serviço

Leia mais

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei:

Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO a seguinte Lei: LEI N.º 1135/13, DE 01 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Queimados e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de Queimados, APROVOU e eu SANCIONO

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 60 h Prática: 15 h Créditos: 4 A Biologia e o educador. Herança e meio, a hereditariedade. Reprodução humana. As funções vegetativas (digestão e alimentos,

Leia mais

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres

Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Atenção à Saúde e Saúde Mental em Situações de Desastres Desastre: interrupção grave do funcionamento normal de uma comunidade que supera sua capacidade de resposta e recuperação. Principais causas de

Leia mais

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis

Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Construção das Políticas Públicas processos, atores e papéis Agnaldo dos Santos Pesquisador do Observatório dos Direitos do Cidadão/Equipe de Participação Cidadã Apresentação O Observatório dos Direitos

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS

TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS TEMA AS EQUIPES DE REFERÊNCIAS POR SERVIÇOS DE PROGRAMAS Programação Primeiro Dia: I Seção Discutindo Papéis 1-8h30 às 12h30 Abertura e Boas-vindas Dinâmica de Apresentação Acordos de Convivência Trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Diário Oficial da União nº 109, de 6 de Junho de 2012 (quarta-feira) Seção 1 Págs. 227_232 Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA/PA. CONCURSO PU BLICO N. o 01/2015. EDITAL DE RETIFICAC A O N. o 09/2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA/PA. CONCURSO PU BLICO N. o 01/2015. EDITAL DE RETIFICAC A O N. o 09/2015 CONCURSO PU BLICO N. o 01/2015 EDITAL DE RETIFICAC A O N. o 09/2015 A Prefeitura Municipal de Abaetetuba/PA, no uso de suas atribuic o es legais, nos termos do subitem 16.6 do Edital Retificado e Consolidado

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios:

Art. 2 O Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS é regido pelos seguintes princípios: LEI Nº 1720/2012 Dispõe sobre o Sistema Municipal de Assistência Social de Mangueirinha SUAS (Sistema Único de Assistência Social). Faço saber, que a Câmara Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná

Leia mais

Ações Socioeducativas

Ações Socioeducativas AÇÕES SOCIOEDUCATIVAS NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Assistência Social Ações Socioeducativas Garantia dos direitos Inclusão social Desenvolvimento do protagonismo Desenvolvimento da autonomia individual

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental?

Patrícia Dorneles 1) Por que é necessária a desinstitucionalização na Saúde Mental? Entrevista com Patrícia Dorneles, terapeuta ocupacional, professora do curso de Terapia Ocupacional da UFRJ e ex-assessora técnica do Ministério da Cultura na implementação de políticas públicas de Cultura

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 Estabelece instruções sobre Benefício de Prestação Continuada-BPC referentes a dispositivos

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV

SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SERVIÇOS DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS SCFV SOCIOASSISTENCIAL X SOCIOEDUCATIVO SOCIOASSISTENCIAL apoio efetivo prestado a família, através da inclusão em programas de transferência de renda

Leia mais

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do

Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do Departamento da Rede SocioassistencialPrivada do SUAS Dados Gerais: Pesquisa das Entidades de Assistência Social Privadas sem Fins Lucrativos PEAS realizada em 2006,pormeiodeparceriaentreoMDSeoIBGE. Objeto

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968

O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 O Suas Sistema Único da Assistência Social em perspectiva Valéria Cabral Carvalho, CRESS nº 0897 Luiza Maria Lorenzini Gerber, CRESS nº 0968 Com a Constituição Federal de 1988, a Assistência Social passa

Leia mais

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS

Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Curso I Introdução ao provimento de serviços e benefícios socioassistenciais do SUAS Módulo II - O provimento dos serviços socioassistenciais Proteção Social Especial Recife, fevereiro/2014 Conteúdo Programático

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE

SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL-SUAS TRABALHANDO EM REDE CONCEITO DE REDE Para as Ciências Sociais: conjunto de relações sociais entre um conjunto

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS.

NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. NOME DO SERVIÇO: SERVIÇO DE CONVIVÊNCIA E FORTALECIMENTO DE VÍNCULOS. DESCRIÇÃO GERAL: Serviço realizado em grupos, organizado a partir de percursos, de modo a garantir aquisições progressivas aos seus

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 406, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Disciplina a Especialidade Profissional Terapia Ocupacional nos Contextos Sociais e dá outras providências. O Plenário do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia

Leia mais

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014

45ª Semana de Serviço Social. OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade. 14 a 16 de maio de 2014 45ª Semana de Serviço Social OS MEGA EVENTOS E MOVIMENTOS SOCIAIS: discutindo o direito à cidade 14 a 16 de maio de 2014 Na Copa, comemorar o quê?. É com este mote criativo e provocativo que o Conjunto

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 24-CEPE/UNICENTRO, DE 18 DE SETEMBRO DE 2014. Aprova o Curso de Especialização em Famílias e Práticas Profissionais, modalidades modular/regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da

Leia mais

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL Profa. Rosemara Soares de Souza Caires Unidade II SERVIÇO SOCIAL INTERDISCIPLINAR Aproximações entre o Serviço Social e a Interdisciplinaridade A interdisciplinaridade se manifesta na profissão por meio

Leia mais

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO

A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A GESTÃO DO CREAS E AS MUDANÇAS COM A TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO A Assistência Social como política de proteção social configura uma nova situação para o Brasil: garantir proteção a todos, que

Leia mais

Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição

Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição Curso de Especialização Gestão Educacional 5ª Edição EMENTA DAS DISCIPLINAS Gestão Educacional e organização do trabalho pedagógico pressupostos teórico - metodológicos Alberto Albuquerque Gomes Total

Leia mais

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola

3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola 3.3. Conselho escolar e autonomia: participação e democratização da gestão administrativa, pedagógica e financeira da educação e da escola João Ferreira de Oliveira - UFG Karine Nunes de Moraes - UFG Luiz

Leia mais

PLANO FORTALEZA DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. www.fortaleza.ce.gov.br

PLANO FORTALEZA DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS. www.fortaleza.ce.gov.br PLANO FORTALEZA DE AÇÕES INTEGRADAS DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS www.fortaleza.ce.gov.br EIXOS DO PLANO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK 1. Gestão e Informação 2. Prevenção e Mobilização Social 3.

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

28/11/2007 - Quart ética. Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz

28/11/2007 - Quart ética. Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz 28/11/2007 - Quart ética Tema: Saúde Mental do Trabalhador Psicólogo: a quantas anda? Palestrante: Valéria Ruiz Agradeço o convite para participar deste encontro. Considero muito importante a iniciativa

Leia mais

Notícia: Diretrizes Curriculares Nacionais Para os Cursos de Graduação em Psicologia 1

Notícia: Diretrizes Curriculares Nacionais Para os Cursos de Graduação em Psicologia 1 Psicologia: Teoria e Pesquisa Mai-Ago 2004, Vol. 20 n. 2, pp. 205-208 Notícia: Diretrizes Curriculares Nacionais Para os Cursos de Graduação em Psicologia 1 Câmara de Educação Superior Conselho Nacional

Leia mais

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015

PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AÇÕES EM SAÚDE DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA 2012-2015 Brasília - DF 2012 1 O presente Plano

Leia mais

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Coordenadoria de Educação Permanente - CEP Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Elaboração: Ana Marta Lobosque 2007 AULA

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

A Educação Física no campo da saúde

A Educação Física no campo da saúde A Educação Física no campo da saúde V Encontro de Coordenadores de Cursos De Educação Física do Estado do Paraná A atuação do profissional de Educação Física no Sistema Único de Saúde - SUS Prof.Ms. Alexandre

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL Lisandra Marisa Príncepe Faculdade Sumaré lisandra.marisa@sumare.edu.br Juliana Diamente Faculdade Sumaré juliana.diamente@sumare.edu.br RESUMO: Neste texto, discutem-se

Leia mais

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA

O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA O PSICÓLOGO NA COMUNIDADE: UMA PESPECTIVA CONTEMPORÂNEA (2011) Dayana Lima Dantas Valverde Psicóloga, graduada pela Faculdade de Tecnologia e Ciências de Feira de Santana, BA. Pós-graduanda em Saúde Mental

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

Transtornos do Espectro do Autismo

Transtornos do Espectro do Autismo Transtornos do Espectro do Autismo O Município adotou o documento Ministerial, LINHA DE CUIDADO PARA A ATENÇÃO ÀS PESSOAS COM TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO E SUAS FAMILIAS NA REDE DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular

A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica A construção participativa da Base Nacional Comum Curricular Direitos e Objetivos de Aprendizagem e Desenvolvimento Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 Ementa: Realização de estudo socioeconômico para a concessão de benefícios eventuais e outros benefícios sociais. A presente Orientação Técnica tem por objetivo responder

Leia mais

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS

Edital nº 003/2010/GSIPR/SENAD / MS PLANO INTEGRADO DE ENFRENTAMENTO AO CRACK E OUTRAS DROGAS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA GABINETE DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL SECRETARIA NACIONAL DE POLITICAS SOBRE DROGAS MINISTÉRIO DA SAÚDE Comitê Gestor do Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas

Leia mais