Modernização e Inovação na Oficina de Truques e Trações da Estrada de Ferro Carajás

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modernização e Inovação na Oficina de Truques e Trações da Estrada de Ferro Carajás"

Transcrição

1 ARTIGO Modernização e Inovação na Oficina de Truques e Trações da Estrada de Ferro Carajás Paulo Borges 1, Jediel Grangeiro 2, Antonio Azevedo 3, Elismar Ramos 4 * 1,2,3 Planejamento e Recursos de Material Rodante - EFC 4 Engenharia e Melhoria Operacional Vale S.A. Avenida dos Portugueses, S/N, Anjo da Guarda C.E.P.: São Luís, Maranhão. Resumo Este trabalho apresenta iniciativas feitas pela Oficina de Manutenção de Truques e Trações OMTT, da Gerência de Planejamento e Recursos de Material Rodante, da Estrada de Ferro Carajás EFC, realizadas desde 2013, com a finalidade de melhorar as condições de trabalho da equipe, por meio da redução da exposição a riscos ergonômicos e de segurança, bem como o aumento de produtividade do processo de manutenção, através da redução de desperdícios. A base para o desenvolvimento do trabalho foi o Sistema Vale de Produção VPS e os conceitos e ferramentas do pensamento enxuto, refletidos em soluções internas e inovadoras. A OMTT é responsável pela manutenção de dois importantes componentes de vagões (truques e conjuntos de choque-tração) e tinha suas atividades realizadas com técnicas extremamente manuais, com grande esforço físico e com forte presença de riscos ergonômicos e de acidentes, além de ter diversas fontes de desperdícios, como de movimentação, transporte e espera, em suas atividades. Com um olhar voltado para identificação de problemas e oportunidades e grande disposição para encontrar soluções internamente, a equipe da OMTT, com o suporte de sua gerência, deu início a várias iniciativas de melhoria, como: redesenho do layout da oficina visando o melhor fluxo de processo e conexão com o cliente; aquisição de equipamentos para simplificação do transporte de componentes, com carros trolleys e guindastes e talhas dedicados, iluminação com LED; concepção e desenvolvimento interno de equipamentos que até então não existiam para as aplicações em processos desse tipo, como: equipamentos para desmontagem de truques, posicionamentos de travessas, laterais e triângulos, prensagem de cunhas de fricção e desmontagem de choque-tração. Com essas iniciativas, a oficina tem hoje atividades com menores exposições a riscos, como: prensamento de mãos e dedos, pois muitas atividades deixaram de ser manuais; acidentes por queda de materiais, através da redução do número de pessoas expostas à movimentação de carga; lesões osteomusculares, por conta da adoção de posicionadores semiautomáticos. Ainda como consequência, passou-se a ter processos mais enxutos que permitiram redução do tempo de ciclo da manutenção preventiva de truques em 54% e aumento da produtividade da equipe de manutenção de conjuntos de choque-tração em 85%. Por último e não menos importe, percebem-se, com essas implantações, ganhos intangíveis como um ambiente de trabalho mais agradável e com equipe muito mais engajada, por conseguir alcançar melhores resultados com menor esforço.

2 Palavras-Chaves: Vagões; Melhoria no processo de manutenção de truques e trações; Desenvolvimento e implantação de novos layout e equipamentos; ganhos em segurança, ergonomia e produtividade. 1. INTRODUÇÃO Este artigo apresenta as iniciativas de melhoria implantadas na Oficina de Truques e Trações da Estrada de Ferro Carajás, que por meio da redução da exposição da equipe de colaboradores aos riscos ergonômicos e de acidentes, melhoraram as condições de trabalho, além de terem aumentado a produtividade dos processos da oficina através da redução de desperdícios em seus processos. 2. O CONTEXTO DA OFICINA DE TRUQUES E TRAÇÕES A Oficina de Truques e Trações da Estrada de Ferro Carajás OMTT, é a responsável pela manutenção de truques de vagões, sejam eles para transporte de minério ou de cargas diversas, cuja estratégia de manutenção, atualmente, é condicional, além de ser responsável também pela manutenção de conjuntos de choque-tração, também destinados as diferentes frotas de vagões da EFC e que, por sua vez, seguem uma estratégia de manutenção preventiva, que prevê manutenções a cada 06 anos. Com uma frota cuja estimativa de crescimento é indicada pelo gráfico na figura 1. Como consequência do crescimento da frota de vagões, há um incremento na demanda por manutenção de componentes de vagões, truques e conjuntos de choque-tração, conforme indicado nas figuras 2 e 3, respectivamente Minério Carga Geral Fig. 1 Projeção da frota de vagões da EFC Truque Mi Truque CG Total Fig 2 Projeção da demanda de manutenção de truques Tração Mi Tração CG Fig 3 Projeção da demanda de manutenção de conjuntos de choque-tração O crescimento previsto da demanda por manutenção de truques e conjuntos de choque-tração, implica na necessidade de ampliação da capacidade de manutenção desses componentes, por meio da redução de seus tempos de ciclo e considerando a não incorrencia de novos riscos aos colaboradores. Esses componentes têm como característica a constitução de ferro fundido e possuírem grande massa e volume quando se trata do manuseio por homens. Em consequência disto, as atividades de manutenção destes componentes são pesadas e exigem grande esforço, sobretudo no manuseio de suas partes. As condições de trabalho dos colaboradores, visivelmente, não eram as mais adequadas, uma vez que atuavam em um ambiente sujo e com baixa iluminação (Figura 4), além de ter excesso de materiais (Figura 5) e realizarem as atividades sobre bancadas comuns, sem qualquer auxílio para o manuseio das peças e de forma, predominantemente, manual, com auxílio de ferramentas como: martelos e alavancas (Figura 6). O transporte destes pesados componentes acontecia quase que exclusivamente por meio de duas pontes rolantes que eram responsáveis pelo atendimento à todas as células da oficina, o

3 que implicava em uma grande área de alcance das cargas em movimentação e grande número de colaboradores expostos ao raio de ação destas cargas. Todos esses aspectos implicavam em um elevado risco aos colaboradores, fato que podia ser confirmado com uma das maiores taxas de acidentes da gerencia em que a OMTT estava inserida em relação às demais gerencias da mesma diretoria, 3,33 no ano de Fig 6 Bancadas e ferramentas utilizadas na realização das atividades de manutenção Fig 4 Área da OMTT sem limpeza e iluminação adequadas Fig 7 Lateral de um truque ferroviário sendo transportada por uma ponte rolante Fig 5 Área da OMTT com excesso de materiais Não bastando as condições de trabalho inadequadas e com alto risco associado, a produtividade da oficina também era um ponto frágil do processo. Os tempos de realização das atividades eram superiores ao necessário para atendimento ao pico da demanda por componentes, previsto no plano diretor da manutenção. Enquanto se produzia um truque em um tempo de ciclo médio de 59 minutos, foi calculado um tempo TAKT a ser atendido em 2019 de 25 minutos, 136% acima do necessário. Em relação ao processo de manutenção de conjuntos de choque tração pode-se perceber a improdutividade do processo quando comparada com a necessidade no pico de demanda. Enquanto a produção per capta (conjuntos de choque tração produzidos por mês, pelo número de colaboradores da OMTT) anterior as iniciativas de melhoria da oficina eram de 2,7 conjuntos, contra uma necessidade de 7,1 conjuntos no pico de demanda, 62% abaixo do necessário.

4 3. ANÁLISE DOS RISCOS ERGONÔMICOS E DE ACIDENTES Percebendo-se que as atividades exercidas pelos funcionários da Oficina de Truques e Trações eram realizadas em condições não adequadas e com alto risco associado,foi dado início a análise dos riscos de acidentes por meio de ferramenta de comum utilização pela companhia, Análise Preliminar de Riscos APR, e análise das condições ergonômicas das atividades por meio da ferramenta Análise Ergonômica do Trabalho AET. A utilização destas ferramentas permitiu mapear todos os riscos, em níveis que variavam de baixo a muito alto, existentes em cada atividade e a partir da análise destes riscos, definir medidas de correção e controle que eliminassem ou reduzissem os níveis de cada risco mapeado. Como fruto da aplicação das ferramentas, surgiram planos de ação que, dentre as principais medidas previam: o desenvolvimento de equipamentos que facilitassem o manuseio das peças e componentes, de forma que as posturas durante a realização das atividades fossem melhoradas, bem como a exposição das mãos e dedos a pontos de prensamento fosse reduzida; a prospecção e aquisição de soluções no mercado, para simplificação do transporte de peças e componentes de maneira a reduzir a exposição de colaboradores aos riscos associados a essas atividades; implantação de sistemas de iluminação mais eficazes; disponibilização de espaços adequados para realização de reuniões, lanches e para descansos periódicos dos colaboradores; redimensionamento das células de trabalho de maneira que os espaços para circulação dos colaboradores fosse melhorado; Aquisição de ferramentas que minimizassem os riscos de lesões de mãos e dedos; Implantação de equipamentos auxiliares para sustentação do peso de ferramentas; Implantação de biombos que isolem as células onde há geração de fagulhas; Instalação de cancelas para limitação da circulação na área onde ocorrem as atividades de maneira que pessoas não autorizadas não possam acessar a área. 4. ANÁLISE DOS DESPERDÍCIOS NOS PROCESSOS DE MANUTENÇÃO DE TRUQUES E CONJUNTOS DE CHOQUE TRAÇÃO Considerando-se a diferença entre os números de produção realizados e aqueles sinalizados na projeção de demanda para os anos posteriores, pelo plano diretor da manutenção ferroviária PDMF, fez-se necessário um estudo para identificação dos desperdícios associados as atividades de cada célula de manutenção. Desta forma foram realizados worshops de melhorias de processo, com a finalidade de se identificar fontes de desperdício e realizar ações para correção redução das flutuações nos tempos de execução das atividades, bem como na ocorrência de anomalias que impactassem nos resultados do processo, além de aumentar o tempo de valor agregado na realização das atividades. Com a realização dos workshops, foram identificados os tempos de realização das atividades, tempo de agregação de valor e tempo de não agregação de valor da manutenção de truques e de conjuntos de choque-tração, conforme exemplificado na Figura 8. Fig 8 Tempo de ciclo, agregação de valor e não agregação de valor da manutenção de truques Foram mapeadas também as causas de geração de desperdícios e anomalias, o que permitiu o estabelecimento de ações para redução e eliminação destes desperdícios, dentre as quais podem ser destacadas: Estabelecer novos layout para os processos de manutenção de truques e de conjuntos de choque-tração, conforme indicado na Figura 9;

5 Management Development System FMDS e Rota Kamishibai. 5. IMPLANTAÇÕES E RESULTADOS Fig 9 Novo layout da OMTT Estabelecer novos fluxos para os processos de manutenção de truques e de conjuntos de choque tração; Definir equipamentos, ferramentas, materiais e mão de obra necessária a cada célula de trabalho; Calcular estoques padrões para manutenção do fluxo contínuo dos processos de manutenção de truques e conjuntos de choque-tração; Estabelecer referências para cada célula de trabalho; Desenvolver simulador de capacidade para os processos de manutenção de truques e conjuntos de choque tração, de forma a conhecer como as capacidades do processos se comportam em relação a cada cenário simulado, Fig 10; Como fruto das análises e ações realizadas na Oficina de Truques e Trações, temos hoje nos processos dessa oficina, atividades sendo realizadas com condições muito mais seguras e com menores riscos de lesões osteomusculares. Foram muitas implantações que permitiram essa nova condição como: Guindastes e talhas dedicados a cada célula, reduzindo o número de empregados expostos a movimentações de cargas, além da redução de desperdícios por espera e transporte, conforme indicado nas Figuras 11 e 12; Fig 11 Novos guindastes implantados na OMTT Fig 10 Simulação de capacidade da manutenção de conjuntos de choque-tração com o software Arena Estabelecer modelo tático operacional considerando melhor cenário em termos de capacidade; Elaborar matriz de habilidades da equipe de colaboradores da OMTT; Calcular níveis ideiais de estoques para cada produto afim de garantir o atendimento aos clientes; Estabelecer acordo com os clientes, definindo os critérios para atendimento mais adequado; Revisar sistemática de abastecimento de materiais com a finalidade de minimizar as perdas em função da falta deste recurso; Implantação de manutenção autônoma para equipamentos de baixa complexidade; Implantação de ferramentas para gerenciamento da rotina como: Floor Fig 12 Novas talhas implantados na OMTT Trolleys e esteiras para transporte de componentes e peças, possibilitaram uma menor movimentação de cargas e suspensas e, consequentemente, menor exposição a riscos de acidentes, além de reduzir desperdícios de espera e transporte, Figuras 13 e 14;

6 Fig 15 Máquina de Desmontar Trações MDT, desenvolvida na própria OMTT Fig 13 Trolleys implantados na OMTT Fig 16 Posicionador de triângulos, desenvolvido na própria OMTT Fig 14 Esteira implantada na OMTT Desenvolvimento interno e implantação de equipamentos para desmontagem e manuseio de componentes, reduzindo a exposição dos empregados a pontos de prensamento de mãos e dedos, minimizando o tempo em posturas desconfortáveis e o esforço físico durante a realização das atividades das células de desmontagem, de truques, desmontagem de trações, inspeção de trações, recuperação de laterais, recuperação de triângulos, recuperação de travessas, prensagem de cunhas de fricção, além de reduzir os tempos para realização das atividades dessas células, Figuras 15, 16, 17 e 18; Fig 17 Posicionador de lateriais, desenvolvido na própria OMTT Fig 18 Posicionador de travessas, desenvolvido na própria OMTT Novo layout, com redimensionamento das células, permitindo melhor circulação dos operadores, além de melhor fluxo de processo, com redução de desperdício por transporte e movimentação, Figura 19;

7 Fig 19 Vista do novo layout da OMTT Como resultado de todas as implantações feitas na Oficina de Truques e Trações, há números que refletem o sucesso das ações como a significativa redução na taxa de acidentes da gerencia a qual pertence a OMTT, que passou de 3,33 e 2012 para 0,93 em 2014, uma redução de 72%. Em relação a produtividade da oficina, há ganhos também expressivos como a redução no tempo de ciclo da manutenção de truques de 59 minutos para 28 minutos, além de um salto na produtividade do efetivo se considerarmos a manutenção de conjuntos de choque tração, que saiu de 2,7 para 5,1, um aumento de 85% de produtividade. Os números não são os únicos efeitos das iniciativas de melhoria realizadas na Oficina de Truques e Trações da EFC, há também ganhos intangíveis, como a melhora na qualidade de vida dos funcionários e em seu engajamento, que reflete hoje no comportamento de um time que busca todos os dias avanços em seus processos, seja referente a saúde, segurança, produtividade, qualidade ou custos. Podemos afirmar que a OMTT é hoje uma das áreas mais férteis para a melhoria, onde boas ideias se encontram com a vontade de evoluir sempre. 6. AGRADECIMENTOS Por serem os grandes responsáveis pela realização deste trabalho, agradecemos em especial a toda a equipe de colaboradores da OMTT que vem, com grande engajamento, transformando essa oficina nos últimos anos. Agradecemos ainda à liderança atual e a todos aqueles que deixaram suas contribuição ao longo da construção desse trabalho.

DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DO CONJUNTO CHOQUE E TRAÇÃO DOS VAGÕES.

DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DO CONJUNTO CHOQUE E TRAÇÃO DOS VAGÕES. . DISPOSITIVO PARA REALIZAR A RETIRADA E INSTALAÇÃO DO CONJUNTO CHOQUE E TRAÇÃO DOS VAGÕES. RESUMO Com a evolução dos tempos a técnica ferroviária foi sendo aperfeiçoada de tal maneira que se formar homens

Leia mais

Melhoria sistêmica do processo de manutenção de motores de tração de locomotivas na EFC

Melhoria sistêmica do processo de manutenção de motores de tração de locomotivas na EFC Melhoria sistêmica do processo de manutenção de motores de tração de locomotivas na EFC Allan James Ferreira Maciel 1 *, Jediel Pinheiro Grangeiro 2, Sandro Pereira Silva 3 12 Planejamento e Recursos de

Leia mais

CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO. Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários

CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO. Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários CARRO ELETRO HIDRÁULICO PARA RETIRADA DE CONJUNTOS DE CHOQUE E TRAÇÃO Área de atuação: Manutenção Pesada de Vagões Ferroviários Vitória, 30 de setembro de 2011 SUMÁRIO RESUMO...3 OBJETIVOS...4 INTRODUÇÃO...5

Leia mais

Implantação do processo de manutenção de conjunto de força de locomotivas da EFC

Implantação do processo de manutenção de conjunto de força de locomotivas da EFC Implantação do processo de manutenção de conjunto de força de locomotivas da EFC Tiago Tenório 1 *, Jediel Grangeiro 1, Evanaldo Brandão 2 1 lanejamento e recursos de material rodante EFC Vale S.A. 2 Manutenção

Leia mais

Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC

Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC Aplicação de FMEA para Revisão da Estratégia de Manutenção dos Tornos de Rodeiros 165CNC Renato David 1, Allan James Ferreira Maciel 2 *, Jediel Grangeiro 3, Josenilson Rocha 4 1,2,3,4 Planejamento e recursos

Leia mais

Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC

Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC Gestão de riscos - Utilização de monitoramento preditivo online na gestão de riscos na frota de vagões da EFC Paulo Sergio Costa 1 *, Giovanni Augusto Ferreira Dias 1, Diego Freitas 1, Fábio Assunção 1,

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA

PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA PALESTRA PREVENÇÃO DE ACIDENTE NOS TRABALHOS EM ALTURA OBJETIVO: PASSAR CONHECIMENTO E EXPERIÊNCIA ADQUIRIDA NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES EM TRABALHO EM ALTURA O QUE DIZ A LEI SEGUNDO A LEI, A CULPA ESTÁ

Leia mais

Sistema de Produção. Transformação do Fluxo de Valor. Transformação do Fluxo de Valor - Ciclos. Edição de Março de 2013.

Sistema de Produção. Transformação do Fluxo de Valor. Transformação do Fluxo de Valor - Ciclos. Edição de Março de 2013. Sistema de Produção Conceitos - Fique Por Dentro Edição de Março de 2013. Transformação do Fluxo de Valor Cada organização é única, cada fluxo de valor é diferente mas há uma estrutura para cada processo

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Treinamento, Recrutamento, Seleção e Serviços

Treinamento, Recrutamento, Seleção e Serviços PERFIL DA IACO PERFIL DA IACO Fundada em 1993, a IACO atua com qualidade e excelência em Consultoria e Treinamento nas áreas de Mineração, Indústria e Construção. A atuação da IACO tem como foco a capacitação

Leia mais

Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção

Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção Bosch Processo sistêmico de organização e padronização das atividades relacionadas ao processo de produção por Douglas Costa Ferreira Mestre em Engenharia Mecânica pela UFPR - Universidade Federal do Paraná

Leia mais

VIA PERMANENTE. Manipulador de TLS

VIA PERMANENTE. Manipulador de TLS VIA PERMANENTE Manipulador de TLS Ualace Ventura da Silva¹, Antônio Dirceu de Oliveira Ribeiro² 1 Engenharia Ferroviária Vale S.A. - EFVM, Av. Dante Michelini, 5500 29090-900 Vitória, ES Brasil 2 Logística

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Harilaus G. Xenos. Gerenciando a Manutenção Produtiva

Harilaus G. Xenos. Gerenciando a Manutenção Produtiva Harilaus G. Xenos Gerenciando a Manutenção Produtiva PREFÁCIO....................................................................... 11 1. Uma Visão Geral da Manutenção de Equipamentos....................................

Leia mais

DISPOSITIVO ERGONÔMICO PARA MANUTENÇÃO DOS ATUADORES DO SISTEMA DE FRENAGEM DOS GERADORES NA UHE-TUCURUÍ

DISPOSITIVO ERGONÔMICO PARA MANUTENÇÃO DOS ATUADORES DO SISTEMA DE FRENAGEM DOS GERADORES NA UHE-TUCURUÍ DISPOSITIVO ERGONÔMICO PARA MANUTENÇÃO DOS ATUADORES DO SISTEMA DE FRENAGEM DOS GERADORES NA UHE-TUCURUÍ Autores Clayton da Silva Teles Gilberto de Jesus Sampaio Gomes Iramar Castro Batista James Ricardo

Leia mais

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão

A Vale no Maranhão. A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão A Vale no Maranhão Estamos presentes em mais de 38 países Geramos mais de 174 mil empregos no mundo Além de minérios, atuamos na área de fertilizantes e nos segmentos de logística, energia

Leia mais

MONITORAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS. Roberta Thees* Artur Furtado

MONITORAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS. Roberta Thees* Artur Furtado MONITORAMENTO DE RISCOS OPERACIONAIS Roberta Thees* Artur Furtado A MRS LOGÍSTICA A MRS atua no transporte ferroviário de cargas desde 1996, operando e monitorando a malha sudeste da Rede Ferroviária Federal.

Leia mais

Necessidade de Equipamentos para MRS baseada em Estudos e Análise da Engenharia de Manutenção. Gerência Corporativa de Engenharia de Manutenção

Necessidade de Equipamentos para MRS baseada em Estudos e Análise da Engenharia de Manutenção. Gerência Corporativa de Engenharia de Manutenção Necessidade de Equipamentos para MRS baseada em Estudos e Análise da Engenharia de Manutenção Gerência Corporativa de Engenharia de Manutenção Seminário Negócio nos Trilhos 2009 - São Paulo - 11.nov.2009

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

VI Jornadas técnicas de segurança no trabalho da AEVA

VI Jornadas técnicas de segurança no trabalho da AEVA VI Jornadas técnicas de segurança no trabalho da AEVA Agenda Volkswagen Autoeuropa em Portugal Produtos e produção Recursos Humanos Boas práticas preventivas 2/32 Volkswagen Autoeuropa em Portugal 3/32

Leia mais

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura

Aplicação de Layout Celular na Recuperação de. Eficiência na Remanufatura Aplicação de Layout Celular na Recuperação de Produtos: Uma Proposta Lean para Aumentar a Eficiência na Remanufatura (UFSC) - marinabouzon@gmail.com Carlos M. Taboada Rodriguez taboada@deps.ufsc.br Abelardo

Leia mais

Segurança do Trabalho. Papel do Gestor Frente a Prevenção

Segurança do Trabalho. Papel do Gestor Frente a Prevenção Segurança do Trabalho Papel do Gestor Frente a Prevenção Papel do gestor frente a prevenção O gestor é responsavel pela segurança de suas equipes: Integração de novos funcionários Conhecer através da CIPA

Leia mais

Implantação de plano de contingência no caso de perda do CCO da EFC

Implantação de plano de contingência no caso de perda do CCO da EFC ARTIGO Implantação de plano de contingência no caso de perda do CCO da EFC Cassio Miranda¹, Eggo Pinheiro¹, Francinaldo Santos¹, Joel Saraiva², Theo Laguna³ 1 Departamento de Automação e Telecomunicações,

Leia mais

Portfólio CETCB & CFO. Treinamentos. Consultoria

Portfólio CETCB & CFO. Treinamentos. Consultoria Portfólio CETCB & CFO Consultoria e Treinamentos Consultoria e treinamento Prestadora de serviço - Fundada em 2008; Soma aproximadamente 05 anos de experiência em seu corpo de Consultores; Atua nos mais

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral

AGENDA. A Vale. O Maior Projeto de Logística da America Latina. - Exportação de Minério. - Logística da Vale de Carga Geral Vale no Maranhão AGENDA A Vale O Maior Projeto de Logística da America Latina - Exportação de Minério - Logística da Vale de Carga Geral A Vale no Mundo A Vale tem operações mineradoras, laboratórios de

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos INTRODUÇÃO A importância da manutenção em máquinas e equipamentos A manutenção de máquinas e equipamentos é importante para garantir a confiabilidade e segurança dos equipamentos, melhorar a qualidade

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE Menor Lead Time Estrutura do STP Just-In-Time Fluxo Contínuo Takt Time Produção Puxada Kanban Custo Mais Baixo CLIENTE Segurança Moral Jidoka Separação Homem/ Máquina Poka-Yoke Inspeção Fonte Ação Imediata

Leia mais

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto SP 2009

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto SP 2009 O que é o Programa 5Ss? O Programa 5Ss é uma filosofia de trabalho que busca promover a disciplina na empresa através de consciência e responsabilidade de todos, de forma a tornar o ambiente de trabalho

Leia mais

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com

TMS e Roteirizadores. Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com TMS e Roteirizadores Breno Amorim brenoamorim@hotmail.com Definição TMS (Transportation Management System) é um produto para melhoria da qualidade e produtividade de todo o processo de distribuição. Este

Leia mais

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia

Treinamentos Técnicos de Engenharia de Manutenção. JWB Engenharia Treinamentos de de Manutenção Treinamentos Técnicos de de Manutenção Treinamentos de de Manutenção Treinamentos 1) Indicadores de Desempenho da Manutenção Benchmarking 16 horas 2) 5 S Base para a Manutenção

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS

OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS OFERTA DE CONSULTORIAS TÉCNICAS E DE GESTÃO PARA NEGÓCIOS A Universidade do Estado do Pará (UEPA) através da (RITU) com apoio do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), disponibiliza ao

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

REDUZA O DESPERDÍCIO E FIQUE LEAN!

REDUZA O DESPERDÍCIO E FIQUE LEAN! Lean Manufacturing & Maintenance REDUZA O DESPERDÍCIO E FIQUE LEAN! As Indústrias são muitas vezes surpreendidas ao saberem que apenas uma pequena fração de suas atividades realmente agregam valor para

Leia mais

Título: De Olho na Produção

Título: De Olho na Produção Título: De Olho na Produção Resumo O De Olho na Produção trata-se de um sistema inovador de gestão de informação que tem por premissas: projetar a chegada dos vagões até os pontos de carregamento e descarga,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Cristiano Marques de Oliveira Delphi Automotive Systems E-mail: cristiano.m.oliveira@delphi.com

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

SmartMine. O controle da mina em suas mãos

SmartMine. O controle da mina em suas mãos SmartMine. O controle da mina em suas mãos SmartMine. Alta tecnologia, máximo desempenho. O SmartMine é uma solução completa para a operação e otimização de minas subterrâneas e a céu aberto. Um conjunto

Leia mais

PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS

PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS PROTEÇÃO PARA CONTAMINAÇÃO DE LASTRO REGIÃO DE CARREGAMENTOS - 1 - RESUMO Em regiões de carregamento, principalmente pontos de carga de minérios, existe uma grande contaminação do lastro ferroviário. Esta

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Sistema de Gestão de Vagões

Sistema de Gestão de Vagões Sistema de Gestão de Vagões 2 Resumo Para os profissionais da área de programação, gerenciar a manutenção em mais de 3000 vagões por mês, não é tarefa fácil. O desafio é sistematizar cada informação a

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO EDUARDO ROCHA BRUNO CATTANY FERNANDO BAPTISTA Descrição da(s) atividade(s): Indicar qual software integrado de gestão e/ou ferramenta

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA DESCARGA DE CARVÃO COMPACTADO

OTIMIZAÇÃO DA DESCARGA DE CARVÃO COMPACTADO OTIMIZAÇÃO DA DESCARGA DE CARVÃO COMPACTADO 1 RESUMO O agarramento de material no fundo dos vagões sempre foi um dos maiores gargalos operacionais enfrentados na descarga de carvão mineral. Problema que

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Mãos e dedos. atenção. Risco de: Esmagamentos Escoriações Cortes Amputações Fraturas

Mãos e dedos. atenção. Risco de: Esmagamentos Escoriações Cortes Amputações Fraturas Mãos e dedos Risco de: Esmagamentos Escoriações Cortes Amputações Fraturas Nenhum empregado foi exposto ao perigo para produzir esse material. As fotos simulam possíveis situações de risco no seu dia de

Leia mais

Manutenção preventiva

Manutenção preventiva A UU L AL A Manutenção preventiva Consideremos o motor de um automóvel. De tempos em tempos o usuário deverá trocar o óleo do cárter. Não realizando essa operação periódica, estaria correndo o risco de

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Projeto de estágio on the job Câmpus Santos Dumont do IF Sudeste MG 3ª Edição 2013/2014

Projeto de estágio on the job Câmpus Santos Dumont do IF Sudeste MG 3ª Edição 2013/2014 Projeto de estágio on the job Câmpus Santos Dumont do IF Sudeste MG 3ª Edição 2013/2014 1) Introdução Uma vez que o Câmpus Ssantos Dumont se dispõe a ser referência no ensino e desenvolvimento de tecnologias

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014.

RIO GRANDE DO NORTE. SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. RIO GRANDE DO NORTE SALVADOR/BA, 04 de Setembro de 2014. Monitoramento de veículos na Revenda Francisco Correia E-mail: zonanortegas@ig.com.br O Mercado de GLP em Natal/RN O Mercado de GLP em Natal/RN

Leia mais

PROCESSOS PARA REDUÇÃO DO CUSTO

PROCESSOS PARA REDUÇÃO DO CUSTO PROCESSOS PARA REDUÇÃO DO CUSTO A BgmRodotec Empresa de tecnologia que desenvolve, implanta e presta consultoria ao Software de gestão Globus. Atuamos exclusivamente no mercado de transportes há 30 anos;

Leia mais

Principais critérios que influenciam na determinação dos coeficientes da capacidade ferroviária

Principais critérios que influenciam na determinação dos coeficientes da capacidade ferroviária Principais critérios que influenciam na determinação dos coeficientes da capacidade ferroviária OBJETIVO Este artigo tem como objetivo apresentar uma metodologia para o cálculo da capacidade de um trecho

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção)

TPM -Total Productive Maintenance. (Gestão da Manutenção) TPM -Total Productive Maintenance (Gestão da Manutenção) 1 MANUTENÇÃO À MODA ANTIGA Nada de prevenção! Só se conserta quando quebrar e parar de funcionar. Use até acabar... Manutenção não tem nada em comum

Leia mais

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014

Tecnologia da Informac aõ como aliada. PETRUS, Abril 2014 Tecnologia da Informac aõ como aliada PETRUS, Abril 2014 Evolução da TI 60 70 80 90 A Era do Processamento de Dados A Era dos Sistemas de Informações A Era da Inovação e Vantagem Competitiva A Era da Integração

Leia mais

REDUÇÃO DE CUSTO OPERACIONAIS COM PNEUS NA MINERAÇÃO SAMARCO MINERAÇÃO

REDUÇÃO DE CUSTO OPERACIONAIS COM PNEUS NA MINERAÇÃO SAMARCO MINERAÇÃO REDUÇÃO DE CUSTO OPERACIONAIS COM PNEUS NA MINERAÇÃO SAMARCO MINERAÇÃO 1 Mina 2 Britagem e Peneiramento 3 Pilha Pulmão 4 Moagem/Deslamagem/Flotação em colunas 5 Tanques de homogeinização e de bombeamento

Leia mais

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS

O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS O SISTEMA DE MANUTENÇÃO COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE RESULTADOS Celeste Maria de Almeida (1) Resumo Objetivo do trabalho é demonstrar como os recursos disponíveis no Sistema Informatizado de Manutenção

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale

Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale ARTIGO Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale Isaias Moreira de Freitas 1, Bruno Teieira Barros 2, Francisco Nascimento Chagas 3 1 Ger. de Engenharia Ferroviária, Av. Dante Micheline,

Leia mais

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança

1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança BOAS PRÁTICAS PREVENTIVAS PORTUCEL - Fábrica de Cacia Paula Lima (Técnico Sup. HST) 100505PL1P 1. As Actividades do Técnico de Higiene e Segurança ENQUADRAMENTO LEGAL Ver em pormenor no Artº 98º da DL

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

Horário dos Cursos: Turmas A: 18h às 22h Turmas B: sexta-feira (18h às 22h) e sábado (08h às 12h) e (13h às 17h)

Horário dos Cursos: Turmas A: 18h às 22h Turmas B: sexta-feira (18h às 22h) e sábado (08h às 12h) e (13h às 17h) Horário dos Cursos: Turmas A: 18h às 22h Turmas B: sexta-feira (18h às 22h) e sábado (08h às 12h) e (13h às 17h) CONTEÚDO DOS CURSOS - UNIAGRESTE ÁREA GESTÃO Organização de Estoques - Conceito e tipos

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA.

PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA. PLANEJAMENTO PARA IMPLANTAÇÃO DE GRANDE REPARO E MELHORIAS NA ÁREA DA REDUÇÃO DURANTE REFORMA DO ALTO FORNO Nº 1 DA COSIPA. Luís Augusto Piffer 1 José Henrique Coelho Wanderley Costa 2 RESUMO Após 10 anos

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA PARA REALIZAR A AUTOMATIZAÇÃO DA ANÁLISE DOS PROCESSOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO CEARÁ. SUMÁRIO Objetivo da contratação...2

Leia mais

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga

UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 - Sistemas de transporte e elevação de carga 16 Valores Introdução No âmbito da ufcd 5811 Sistemas de transporte e elevação de cargas, foi-nos

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento - IGS

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento - IGS Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento - IGS Gestão de Manutenção em Estações de Tratamento de Esgoto Utilização de Novas Tecnologias 2013 1 OC Estrutura Organizacional

Leia mais

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos

De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos De Boas Ideias para Uma Gestão Baseada em Processos O que você vai mudar em sua forma de atuação a partir do que viu hoje? Como Transformar o Conteúdo Aprendido Neste Seminário em Ação! O que debatemos

Leia mais

SOLUÇÕES AMBIENTE SEGURO SEUS NEGÓCIOS DEPENDEM DISSO!

SOLUÇÕES AMBIENTE SEGURO SEUS NEGÓCIOS DEPENDEM DISSO! SOLUÇÕES AMBIENTE SEGURO SEUS NEGÓCIOS DEPENDEM DISSO! O ambiente de Tecnologia da Informação (TI) vem se tornando cada vez mais complexo, qualquer alteração ou configuração incorreta pode torná-lo vulnerável

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Sistematizar os procedimentos de execução de trabalho em altura acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Esta instrução de

Leia mais

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN E GESTÃO DA MANUTENÇÃO NUMA METALOMECÂNICA

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN E GESTÃO DA MANUTENÇÃO NUMA METALOMECÂNICA APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS LEAN E GESTÃO DA MANUTENÇÃO NUMA METALOMECÂNICA MESTRADO EM ENGENHARIA E GESTÃO DA QUALIDADE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO GUIMARÃES 2015 Dissertação de Mestrado em Engenharia e Gestão

Leia mais

Atividade 2: Desenvolvimento de um pequeno processo de fabricação

Atividade 2: Desenvolvimento de um pequeno processo de fabricação Introdução à Engenharia Elétrica I 2007.1 Grupo 1 Professor Fernando Passold Atividade 2: Desenvolvimento de um pequeno processo de fabricação Desafio: Numa fábrica, existe uma máquina chamada máquina

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO

GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS PARA A INOVAÇÃO Indicadores e Diagnóstico para a Inovação Primeiro passo para implantar um sistema de gestão nas empresas é fazer um diagnóstico da organização; Diagnóstico mapa n-dimensional

Leia mais

Grupo Gemea. Grupo de Estudo de Maximização da Eficiência Agroindustrial. Manutenção PreventivaPreditiva

Grupo Gemea. Grupo de Estudo de Maximização da Eficiência Agroindustrial. Manutenção PreventivaPreditiva Grupo Gemea Grupo de Estudo de Maximização da Eficiência Agroindustrial Manutenção Preventiva Cristian Leite: Administrador de Empresas e Técnico Mecânico, especializado MBA em Gestão Empresarial pela

Leia mais

6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos

6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos 6 Benefícios operacionais e financeiros atingidos após implantação do roteirizador de veículos 6.1 Introdução Esse capítulo tem o objetivo de descrever todos os ganhos observados após a implantação do

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

PROGRAMA 5S: Parceiro na administração do tempo

PROGRAMA 5S: Parceiro na administração do tempo PROGRAMA 5S: Parceiro na administração do tempo Aliny MALAGUTI¹ - RGM 070591 Carolina Stoze NARDY¹ - RGM 070498 Lidiane Aparecida Dias COSTA¹ - RGM 067031 Renato Francisco Saldanha SILVA² Elcio Aloísio

Leia mais

PHC Frota CS. Controle todos os custos e utilizadores da frota

PHC Frota CS. Controle todos os custos e utilizadores da frota PHCFrota CS DESCRITIVO O módulo PHC Frota contém ferramentas para o controlo total sobre os custos da frota, manutenção e estado da mesma. PHC Frota CS Controle todos os custos e utilizadores da frota

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Departamento de Eng. Produção. Operação Ferroviária Circulação

Departamento de Eng. Produção. Operação Ferroviária Circulação Departamento de Eng. Produção Operação Ferroviária Circulação Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 Introdução A operação ferroviária diz respeito à circulação

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

Ferramenta computacional autônoma para aquisição remota de dados de gerência em equipamentos de sinalização

Ferramenta computacional autônoma para aquisição remota de dados de gerência em equipamentos de sinalização Ferramenta computacional autônoma para aquisição remota de dados de gerência em equipamentos de sinalização Roteiro Visão geral do problema. O sistema de sinalização da EFVM; Manutenção das características

Leia mais

ERGONOMIA APLICADA, SUCESSO ALCANÇADO NAS MANUTENÇÕES DA UHE JUPIÁ

ERGONOMIA APLICADA, SUCESSO ALCANÇADO NAS MANUTENÇÕES DA UHE JUPIÁ ERGONOMIA APLICADA, SUCESSO ALCANÇADO NAS MANUTENÇÕES DA UHE JUPIÁ Autores Antonio Mauro Lisboa Renó José Antonio Carneiro Saturnino Nunes Neto CESP Companhia Energética de São Paulo RESUMO A UHE Jupiá

Leia mais

DESIGN E TECNOLOGIA ITALIANA PARA IMPULSIONAR O SEU ESTALEIRO

DESIGN E TECNOLOGIA ITALIANA PARA IMPULSIONAR O SEU ESTALEIRO DESIGN E TECNOLOGIA ITALIANA PARA IMPULSIONAR O SEU ESTALEIRO MAIS DE 40 ANOS DE EXPERIÊNCIA SEMPRE BUSCAMOS NOVOS CAMINHOS NOSSOS PRODUTOS E SERVIÇOS Buscamos constantemente novas formas e soluções, utilizando

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações Aula

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO

ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO ATUALIZAÇÃO NO PROCESSO DE GESTÃO DO DELIAMENTO DOS SERVIÇOS EXECUTADOS PELO ARSENAL DE MARINHA DO RIO DE JANEIRO CF(EN) Marcus Vinicius de Noronha Chefe do Departamento de Planejamento e Controle Industrial

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais