Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas Multiplataforma para Inspeção de Linhas de Transmissão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas Multiplataforma para Inspeção de Linhas de Transmissão"

Transcrição

1 Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas Multiplataforma para Inspeção de Linhas de Transmissão Willian Ramires Pires Bezerra Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Chesf Geraldo José Adabo Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA

2 Sumário Parte I Inovando com a Chesf Inspeção de Linhas de Transmissão Motivação do Projeto de P&D Diretrizes Principais do Projeto Objetivo do Projeto Parceria Chesf ITA C.E.S.A.R. 2

3 QUEM SOMOS

4 A INSPIRAÇÃO USINA DE ANGIQUINHO

5 A Grandiosidade da CHESF A Chesf, constituída em 1948, teve a finalidade de alavancar o desenvolvimento da Região Nordeste do país. Investindo em modernas tecnologias e com suas grandes realizações, atingimos a posição de maior Empresa de Geração e Transmissão do País.

6 Nosso Negócio - Geração MW - 10% do Brasil

7 Potência Instalada - GW As dez maiores potências A Potência instalada das dez Empresas representa cerca de 70% do total do Sistema Interligado Nacional (excluída a importação)

8 AS UHEs DA CHESF - RIO SÃO FRANCISCO TRÊS MARIAS hm³ 396 MW V = 32%SE CEMIG SOBRADINHO hm³ 1050 MW V = 60%SE APOLÔNIO SALES 440 MW LUIZ GONZAGA hm³ 1500 MW V = 8%SE PAULO AFONSO I MW II MW III MW MAIS DE 90% DA POTÊNCIA INSTALADA DA CHESF ESTÃO CONCENTRADOS NO RIO SÃO FRANCISCO PAULO AFONSO IV 2460 MW XINGÓ 3000 MW

9 Nosso Negócio - Transmissão Mapa do Sistema Elétrico Configuração 2014/ Km de linhas 20% do Brasil

10 Nosso Negócio - Comercialização Distribuidoras 5 Indústrias 2 7,89% Distribuidoras 10 Comercializadoras - 2 Indústrias 21 39,21% PE 4,81% Distribuidoras 22 Comercializadoras 18 Total Contratado em 2013: GWh 23 Estados + DF Total de Contratos: 98 49,59% 3,31% SP 19,38% RJ 13,32% Distribuidoras 6 Comercializadoras 1 BA 18,30% MG 8,88%

11 A VISÃO DE FUTURO DA CHESF

12 PLANEJAMENTO EMPRESARIAL VALORES Respeito às pessoas. Justiça e equidade. Compromisso com a sociedade. Ética e transparência. Respeito ao meio ambiente. MISSÃO Produzir, transmitir e comercializar energia elétrica com qualidade, de forma rentável e sustentável. VISÃO Garantir o crescimento sustentável até 2019.

13 VISÃO Objetivos Estratégias Projetos Atividades Tarefas Onde queremos estar? Para onde vamos agora? Como chegaremos lá? O que faremos? Como faremos? Como executaremos? I N O V A Ç Ã O A INOVAÇÃO é uma das molas propulsoras para o alcance da VISÃO de uma empresa!

14 INVESTIMENTO P&D+I Distribuição dos percentuais relativos a Lei nº /2000 para investimento em P&D 1% da ROL: Segmento % Investimento Obrigatório Realização 2014 Diferença FNDCT 0,40% R$ ,56 R$ ,56 R$ 0,00 MME 0,20% R$ ,24 R$ ,24 R$ 0,00 P&D ANEEL 0,40% R$ ,56 R$ ,98 +R$ ,42 TOTAL 1,00% R$ ,36 R$ , %

15 O QUANTO JÁ FOI INVESTIDO EM P&D+I PELA CHESF? INVESTIMENTO EM P&D+I 2000 a 2014 FNDCT R$ ,84 MME(EPE) R$ ,87 LEI nº 9.991/2000 P&D+I R$ ,00 TOTAL R$ ,71

16 Os nossos maiores Parceiros

17 INVESTIMENTO FUTURO P&D+I : R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ Projeto Projeto de Gestão de Gest Estrut./Estratégicos Programa Programa Programa Programa Programa Programa Ciclo Ciclo Ciclos Antigos Ciclos Antigos

18 PRINCIPAIS PROJETOS P&D+I PROJETOS ESTRATÉGICOS / ESTRUTURANTES INVESTIMENTO CHESF Central Fotovoltaica da Plataforma Solar de Petrolina - 3,0MW CHAMADA ESTRATÉGICA Nº13 ANEEL Plataforma de Valorização Energética de Resíduos CHAMADA ESTRATÉGICA Nº14 ANEEL Análise e desenvolvimento de torre eólica com altura maior ou igual a 120 m - Torre Eólica - UFPE CHAMADA ESTRATÉGICA Nº17 ANEEL Desenvolvimento de uma pá otimizada para rotores eólicos de diâmetro superior a 100 metros utilizando materiais de alto desempenho - Pá Eólica LACTEC CHAMADA ESTRATÉGICA Nº17 ANEEL VANT - FASE 3 - "Sistema de Aeronave não tripulada multiplataforma para inspeção de linhas de transmissão". R$ ,60 R$ ,91 R$ ,75 R$ ,93 R$ ,73

19 INVESTIMENTO TOTAL EM P&D+I PROJETADO Quant. Projetos Concluídos 153 Quant. Projetos em Andamento 36 Quant. Projetos em Contratação DA 12% DA 6% DA 5% DE 36% DE 44% DE 43% DF 1% DF 0% DF 10% 210 projetos DO 42% DO 44% DO 14% Investimento total de: PR 8% PR 6% PR 29% R$ ,28 21 TOTAL DE PROJETOS P&D CHESF 2000 à 2019

20 20

21 Inspeção de Linhas de Transmissão Início do ciclo de manutenção (preditivo) Impacto na confiabilidade e nos custos operacionais Verificação da LT, seus componentes e seu entorno, com o objetivo de detectar defeitos ou anomalias 21

22 Motivação do Projeto P&D Inspeção Aérea Tripulada Operação Programada de Alto Custo Mobilização Não Programada de Muito Alto Custo Baixa Flexibilidade para Operação Noturna Perigosa (Voo baixa atitude e velocidade reduzida) Sistema Elétrico Brasileiro ~ km Linhas de Transmissão de Alta Tensão Chesf é Responsável por km 22

23 Diretrizes Principais do Projeto Fundamentação Teórica (estado da arte) Soluções Pragmáticas Protótipos Experimentais (Desen. Tecnológico) Redução dos Riscos de Desenvolvimento Foco em Inovações Tecnológicas Desenvolvimento Final de Produto de Mercado 23

24 Objetivo do Projeto Prover uma Solução de Baixo Custo Validada Experimentalmente para Inspeção de Linhas de Transmissão através de VANT (RPAS). Propósito da Inspeção de Linhas de Transmissão : Detecção de Defeitos (estruturas e todos os componentes da LT) Crescimento da Vegetação Ocupação Cultivo 24

25 Metodologia de Desenvolvimento dos Projetos P&D Aneel Fase do Desenvolvimento Pesquisa Básica Pesquisa Aplicada Desenvolvimento Experimental Cabeça de Série Lote Pioneiro Inserção no Mercado Resultado do Projeto Desenvolvimento de Conhecimento Protótipo de Demonstração Protótipo de Desenvolvimento Melhoria do Sistema e Preparação para Industrialização Produção do Primeiro Lote Produção e Comercialização 25

26 Parceria Chesf ITA C.E.S.A.R. Fase do Desenvolvimento Pesquisa Aplicada Desenvolvimento Experimental Cabeça de Série Lote Pioneiro Inserção no Mercado Resultado do Projeto Protótipo de Demonstração Protótipo de Desenvolvimento Melhoria do Sistema e Preparação para Industrialização Produção do Primeiro Lote Produção e Comercialização 26

27 Parceria Chesf ITA C.E.S.A.R. Fase do Desenvolvimento Pesquisa Aplicada Desenvolvimento Experimental Cabeça de Série Lote Pioneiro Inserção no Mercado Resultado do Projeto Protótipo de Demonstração Protótipo de Desenvolvimento Melhoria do Sistema e Preparação para Industrialização Produção do Primeiro Lote Produção e Comercialização 27

28 Parceria Chesf ITA C.E.S.A.R. Fase do Desenvolvimento Pesquisa Aplicada Desenvolvimento Experimental Cabeça de Série Lote Pioneiro Inserção no Mercado Resultado do Projeto Protótipo de Demonstração Protótipo de Desenvolvimento Melhoria do Sistema e Preparação para Industrialização Produção do Primeiro Lote Produção e Comercialização 28

29 Parte II Apresentação Técnica Geraldo Adabo - ITA 29

30 Sumário Parte II Requisitos de Alto Nível Cenário Operacional Concepção do Sistema Sistema de Imageamento Plataformas de Inspeção Sistema de Comunicação Plataforma de Comunicação Regulamentação Aeronáutica Próxima Fase Cabeça de Série Benefícios ao Sistema Elétrico 30

31 Requisitos de Alto Nível RPA/RPAS com Plano de Voo Programado Comprimento de Trechos de LTs de até 350 km Imagens no Espectro Visível e Infravermelho (IR) Transmissão de Video da RPA p/ GCS em Tempo Real RPA Voa Próximo da LT para Obtenção de Detalhes Requisitos de Confiabilidade 31

32 Cenário Operacional 32

33 Concepção do Sistema 33

34 Sistema de Imageamento Zona de Exclusão 34

35 Sistema de Imageamento Zona de IR D2 > D1 35

36 Sistema de Imageamento Zona do Visível D3 > D2 36

37 Sistema de Imageamento: Túnel de Voo - Composição Final Imagens nos Espectros Visível e IR 37

38 Plataformas de Inspeção Necessidade de cumprir requisitos do sistema Sobrevoar Linhas de 350 Centenas km de Quilômetros Voar Próximo da Linha para Obter Detalhes Duas Plataformas de Inspeção Asa Fixa Asa Rotativa 38

39 Plataformas de Inspeção Protótipos de Desenvolvimento de Sistemas Aviônicos 39

40 Plataformas de Inspeção Plano de Voo Programado através de Waypoints 40

41 Plataformas de Inspeção Modelo Conceitual Delta IV MTOW: 25 kg Carga Paga Máxima: 10 kg Comprimento de asa: 4,0 m 41

42 Plataformas de Inspeção Modelo Conceitual Delta IV 42

43 Plataformas de Inspeção Fabricação Delta V Desenvolvimento - Catapulta 43

44 Plataformas de Inspeção Modelo Final Delta V 44

45 Plataformas de Inspeção Manufatura - Beta MTOW: 50 kg Carga Paga Máxima: 15 kg Comprimento de asa = 4,2 m 45

46 Plataformas de Inspeção Protótipo Beta 46

47 Plataformas de Inspeção Protótipos de Asa Rotativa (C.E.S.A.R.) 47

48 Sistema de Comunicação LOS (Line of Sight) não cumpre com: Transmissão de Video em Tempo Real do RPA p/ GCS RPAS com Plano de Voo Programado Video C2 GCS 48

49 Sistema de Comunicação LTA Solução BLOS (Beyond LOS) VANT Balão Cativo como Estação Repetidora (Relay) Transmissão de Video em Tempo Real do RPA p/ GCS RPAS com Plano de Voo GCS Programado 49

50 Plataforma de Comunicação Balão Cativo Modelo de Utilidade Estação Repetidora Link de C2 Link de Video Pseudo RPA Validação do Link C2 BLOS Validação do Link de Vídeo BLOS Mitigação dos Riscos de Desenvolvimento 50

51 Plataforma de Comunicação Comunicação BLOS GCS Balão Automóvel 51

52 Regulamentação Aeronáutica DECEA AIC-N 21/10 : Veículos Aéreos Não Tripulados Autorização de Voo: NOTAM / áreas não populadas ANAC Instrução Suplementar Revisão A: Emissão de Certificado de Autorização de Voo Experimental (CAVE) para Veículos Aéreos Não Tripulados Dois níveis de requisitos Até 25 kg e 400 ft - LOS procedimento simplificado Até 150 kg procedimento regular 52

53 Próxima Fase Cabeça de Série Certificação do Sistema Integrar o Conceito de Inspeção de Linhas de Transmissão Desenvolvido na Fase de Desenvolvimento Experimental ao Contexto Operacional Desenvolver Melhorias Tecnológicas Visando à Otimização do Desempenho Técnico Aumentar o Índice de Nacionalização dos Componentes do Sistema Visando à Redução de Custos e ao Incentivo à Indústria Nacional Preparação para Industrialização do Sistema 53

54 Próxima Fase Cabeça de Série 54

55 Principais Benefícios ao Sistema Elétrico Redução do Custo da Inspeção Aérea Equipamentos Equipe Menor custo do km inspecionado Redução do Custo da Inspeção Terrestre Substituída em parte pela inspeção aérea Maior Disponibilidade do Sistema Inspeções mais frequentes Maior efetividade da inspeção Identificação automática de falhas Melhor Programação da Manutenção Séries históricas de imagens armazenadas Geração automática de relatórios de inspeção 55

56 Obrigado pela atenção Willian Ramires - CHESF Geraldo Adabo - ITA Indaiatuba, 15 de junho de

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS Ubirajara Rocha Meira Diretor de Tecnologia 12ª Feira Internacional da Indústria Elétrica e Eletrônica Belo Horizonte MG 19-22 AGOSTO 2008 Sumário O Sistema

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Clique para editar os estilos do texto mestre

Clique para editar os estilos do texto mestre Clique para editar os estilos do texto mestre Realização Segundo nível Terceiro nível Quarto nível» Quinto nível Organização Brasileira para o Desenvolvimento da Certificação Aeronáutica Apoio Patrocínio

Leia mais

Realização. Apoio. Patrocínio

Realização. Apoio. Patrocínio Realização Apoio Patrocínio Ações Indutoras na Área de Defesa MCT/FINEP 4ª CNCTI AÇÕES FINEP NA ÁREA DE VANT Seminário Internacional de Veículos Aéreos Não Tripulados A Missão da FINEP Promover e financiar

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

PLANO DIRETOR DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

PLANO DIRETOR DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PLANO DIRETOR DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA 2013 Superintendência de Gestão da Inovação Tecnológica e Eficiência Energética OIE Abril/2013 1 1. Introdução A Superintendência de Gestão da Inovação Tecnológica

Leia mais

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011

Gestão da Inovação - CEMIG. Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Gestão da Inovação - CEMIG Arlindo Porto Neto Diretor Vice-Presidente (DVP) Data:03/06/2011 Sustentabilidade Mineirão Solar Cemig classificada no Índice Dow Jones de Sustentabilidade DJSI World nos últimos

Leia mais

Lúcio Ma>as Eng. Diretor Lucio.ma>as@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br

Lúcio Ma>as Eng. Diretor Lucio.ma>as@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br Lúcio Ma>as Eng. Diretor Lucio.ma>as@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br Carlos Jamel Biólogo, Diretor cjamel@novaterrageo.com.br www.novaterrageo.com.br Webinar - A Invasão dos VANTs 13/08/2012

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

Aplicação de aeronaves na manutenção do Sistema Elétrico de Potência

Aplicação de aeronaves na manutenção do Sistema Elétrico de Potência Aplicação de aeronaves na manutenção do Sistema Elétrico de Potência Agenda Dados gerais Histórico Principais aplicações Resultados Agenda Dados gerais Histórico Principais aplicações Resultados Dados

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

Desafios e Oportunidades para Energias Renováveis nos Programas Nacionais de Eficiência Energética e Mudanças Climáticas no Brasil

Desafios e Oportunidades para Energias Renováveis nos Programas Nacionais de Eficiência Energética e Mudanças Climáticas no Brasil Desafios e Oportunidades para Energias Renováveis nos Programas Nacionais de Eficiência Energética e Mudanças Climáticas no Brasil Alcides Codeceira Neto Terminal Marítimo de Passageiros Docas do Ceará

Leia mais

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil

Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil IEEE Workshop SMART GRID Trends & Best Practices Aspectos Regulatórios de Redes Inteligentes no Brasil Marco Aurélio Lenzi Castro Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD/ANEEL Salvador,

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL

OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL OPERAÇÃO DE VANT ASPECTOS RELACIONADOS COM A SEGURANÇA OPERACIONAL Luiz Munaretto - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 330 de 1112 - - -

Leia mais

GERAÇÃO A Copel opera 20 usinas próprias, sendo 19 hidrelétricas, uma termelétrica e uma eólica

GERAÇÃO A Copel opera 20 usinas próprias, sendo 19 hidrelétricas, uma termelétrica e uma eólica GERAÇÃO A Copel opera 20 usinas próprias, sendo 19 hidrelétricas, uma termelétrica e uma eólica TRANSMISSÃO O sistema de transmissão de energia é responsável pela operação e manutenção de 32 subestações

Leia mais

A geração eólio-elétrica no mundo

A geração eólio-elétrica no mundo José Cleber Teixeira FIPEN 2010 Fórum Industrial de Produtividade e Negócios 28 / outubro / 2010 1 A geração eólio-elétrica no mundo Em termos mundiais, a exploração da energia eólica para geração de eletricidade

Leia mais

PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411

PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411 PROJETO DE UM MICRO INVERSOR INTEGRADO AOS PAINÉIS SOLARES PARA APLICAÇÃO EM CONSUMIDORES RESIDENCIAIS Solução n o 411 Eng. João Marcos Castro Soares (Diretor de P&D) São Paulo, 29 de abril de 2015 REIVAX

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica DEMANDA GT Arranjos alternativos para geração eólica OBJETIVOS Desenvolver uma turbina eólica de eixo vertical de pás fixas, de pequeno porte e custo reduzido. Realizar ensaios de rendimento do equipamento

Leia mais

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIAS MINERAIS

INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIAS MINERAIS INSTITUTO SENAI DE INOVAÇÃO EM TECNOLOGIAS MINERAIS Slide 1 O que fazer para melhorar a competitividade da indústria? Mobilização Empresarial pela Inovação MEI Melhorar a infraestrutura Disseminar a cultura

Leia mais

Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia

Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia Relatório Sustainability de Sustentabilidade Report 2010 2010 Geração Com entrada em funcionamento de três novas usinas hidrelétricas nos próximos anos, a Light vai ampliar em 230 MW sua produção de energia

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Segundo Fórum Canal Energia/COGEN - Julho de 2013 - Potencial da Energia Solar Fonte: SOLARWORLD 2 Perspectivas da Energia Solar Fonte: The German

Leia mais

People. Passion. Performance.

People. Passion. Performance. People. Passion. Performance. Apresentando Chicago Pneumatic É simples assim. Você tem trabalho a fazer e clientes a atender. A CP está aqui para ajudá-lo a realizar seu trabalho, sem compromisso. Nosso

Leia mais

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação

Objetivo. 0 Conceitos. 0 Funcionalidades. 0 Desafios. 0 Experiências de Implantação Objetivo 0 Conceitos 0 Funcionalidades 0 Desafios 0 Experiências de Implantação Smart Grid Conceitos 0 NÃO é só Medição Eletrônica e Telecom!! 0 Envolve conhecimentos sobre: 0 Tecnologia, Padrões, Normas

Leia mais

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil

As PCHs no contexto energético futuro no Brasil As PCHs no contexto energético futuro no Brasil Campinas, 29 de Outubro de 2013. Charles Lenzi Agenda de Hoje Conjuntura Atual Desafios da Competitividade Nossas propostas Conclusões A ABRAGEL Associação

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO N o 527, DE 8 DE ABRIL DE 2009 Aprova o Regulamento sobre Condições de Uso de Radiofreqüências por Sistemas de Banda Larga por meio de Redes de Energia Elétrica.

Leia mais

Plano Estratégico de Investimentos em Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento ANEEL (P&D) 2014-2018 TAESA TRANSMISSORA ALIANÇA DE ENERGIA ELÉTRICA S.A.

Plano Estratégico de Investimentos em Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento ANEEL (P&D) 2014-2018 TAESA TRANSMISSORA ALIANÇA DE ENERGIA ELÉTRICA S.A. Plano Estratégico de Investimentos em Projetos de Pesquisa e Desenvolvimento ANEEL (P&D) 2014-2018 e Instruções para Captação de Propostas de Projetos de P&D do Grupo TAESA Plano Estratégico de Investimentos

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D

Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Projeto Cidades do Futuro Convênio D423 Cemig D Tadeu Batista Coordenador Projeto Cidades do Futuro tbatista@cemig.com.br cidadesdofuturo@cemig.com.br www.cemig.com.br/smartgrid facebook.com/cemig.energia

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

Desafios legais para regulamentação dos VANTs e oportunidades

Desafios legais para regulamentação dos VANTs e oportunidades Desafios legais para regulamentação dos VANTs e oportunidades O que é Micro VANT? µ VANT ou µ RPAs é uma subdivisão de VANTs levando em conta seu peso máximo de decolagem, autonomia operacional, distância

Leia mais

Classificação: Público

Classificação: Público Classificação: Público Classificação: Público Empresa Um dos maiores e mais sólidos grupos de energia elétrica do Brasil e América Latina, que completa 60 anos em 2012. Principais Atividades Energia: geração,

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

VENDA LOCAÇÃO INSTALAÇÃO MANUTENÇÃO ASSISTÊNCIA 24H

VENDA LOCAÇÃO INSTALAÇÃO MANUTENÇÃO ASSISTÊNCIA 24H Apresentação Institucional Apresentação Manitec Grupos Geradores Soluções em Sistemas de Energia VENDA LOCAÇÃO INSTALAÇÃO MANUTENÇÃO ASSISTÊNCIA 24H f www.facebook.com/manitecgeradores facebook.com/manitecgeradores

Leia mais

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência.

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Microgeração Conceito Geral Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Meio para produção de energia através de instalações de pequena escala, utilizando

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

Drone de mapeamento profissional

Drone de mapeamento profissional Drone de mapeamento profissional 4 razões para escolher o ebee 01. Mais mapas e maior precisão O ebee cobre até 12 km 2 (4,6 mi 2 ) em um único voo, enquanto que, voos sobre áreas menores e com baixa

Leia mais

P&D no Setor Elétrico Programa de P&D regulado

P&D no Setor Elétrico Programa de P&D regulado P&D no Setor Elétrico Programa de P&D regulado pela ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética - SPE Contexto Legal Origem - Lei #

Leia mais

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica

A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 2º Encontro de Negócios de Energia Promoção: FIESP/CIESP A Estrutura do Mercado de Energia Elétrica 05 de setembro de 2001 São Paulo-SP José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Sumário I - Aspectos Institucionais

Leia mais

Voltar a explorar o mar

Voltar a explorar o mar Voltar a explorar o mar Voltar a explorar o mar Com uma visão de longo prazo, a EDP está constantemente a analisar as tecnologias de aproveitamento das energias renováveis, com vista à futura comercialização

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014

CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 CONTRIBUIÇÃO DO FÓRUM DAS ASSOCIAÇÕES EMPRESARIAIS PRÓ- DESENVOLVIMENTO DO MERCADO DE GÁS NATURAL CONSULTA PÚBLICA ANEEL Nº 005/2014 Descrição: Obter subsídios para identificar a necessidade de criação

Leia mais

Copyright 2011 OSIsoft, LLC 1

Copyright 2011 OSIsoft, LLC 1 1 PI System na CEMIG Presented by André Cavallari Wantuil D. Teixeira Agenda Institucional; Implantação do PI System na CEMIG; Hidrologia e Planejamento Energético; CMDR - Centro de Monitoramento e Diagnóstico

Leia mais

PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS

PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS PLANEJAMENTO DA CONEXÃO DE USINAS FOTOVOLTAICAS NO NORTE DE MINAS WORKSHOP ENERGIA FOTOVOLTAICA NO NORTE DE MINAS GERAIS Montes Claros, 11 de setembro de 2015 AGENDA Expansão do Sistema de Distribuição

Leia mais

Projeto Geoimagem Introduzindo Diferencial Estratégico e Técnico aos Sistemas Corporativos de Informações Georreferenciadas da CEMIG

Projeto Geoimagem Introduzindo Diferencial Estratégico e Técnico aos Sistemas Corporativos de Informações Georreferenciadas da CEMIG 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Projeto Geoimagem Introduzindo Diferencial Estratégico e Técnico aos Sistemas Corporativos de Informações Georreferenciadas da CEMIG Carlos Alberto Moura CEMIG

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo. Brasil: vento, energia e investimento. São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Brasil: vento, energia e investimento São Paulo/SP 23 de novembro de 2007 Energia: importância e impactos A energia é um dos principais insumos da indústria

Leia mais

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo Pesquisa 2013

PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO. Resumo Executivo Pesquisa 2013 PERFIL DOS FABRICANTES DE ESTRUTURAS DE AÇO Resumo Executivo Pesquisa 2013 APRESENTAÇÃO Em ação conjunta para o melhor conhecimento das capacidades do mercado brasileiro da construção em aço, o CBCA Centro

Leia mais

Inovação no ar NEGÓCIOS

Inovação no ar NEGÓCIOS Inovação no ar Mercado de Veículos Aéreos Não Tripulados está em expansão no Brasil, abrindo espaço para empresas incubadas e graduadas desenvolverem novos produtos e serviços Para vigiar os passos de

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015 Projeto UTE Rio Grande Rio Grande do Sul Junho 2015 I. Grupo Bolognesi II. Visão Geral dos Projetos III. Mão de Obra IV. Ações Sócio-Ambientais V. Impactos Positivos e Benefícios Visão Geral do Grupo Bolognesi

Leia mais

Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil. Dourival de Souza Carvalho Junior. EPE Empresa de Pesquisa Energética

Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil. Dourival de Souza Carvalho Junior. EPE Empresa de Pesquisa Energética Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil Dourival de Souza Carvalho Junior EPE Empresa de Pesquisa Energética dourival.carvalho@epe.gov.br Desafios da incorporação de

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil RENATO OLIVEIRA GUIMARÃES Empresa Energética do Mato Grosso do Sul S.A. ANTONIO DE PADUA

Leia mais

EXPERIÊNCIAS EM FOTOGRAMETRIA COM VANT Terça-feira, 1 de Abril de 2014 08:48

EXPERIÊNCIAS EM FOTOGRAMETRIA COM VANT Terça-feira, 1 de Abril de 2014 08:48 EXPERIÊNCIAS EM FOTOGRAMETRIA COM VANT Terça-feira, 1 de Abril de 2014 08:48 1 comentário Eng. Manoel Silva Neto Departamento de Fotogrametria Mapeamento com VANT é amplamente aceito como um novo método

Leia mais

Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras

Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras Soluções da Elipse garantem um melhor desempenho ao Centro de Pesquisas da Petrobras Tecnologias da Elipse Software permitem controlar os sistemas de refrigeração e distribuição de energia elétrica aos

Leia mais

Melhoria da Qualidade do Fornecimento de Energia Elétrica das Empresas Distribuidoras

Melhoria da Qualidade do Fornecimento de Energia Elétrica das Empresas Distribuidoras 1 / 16 Melhoria da Qualidade do Fornecimento de Energia Elétrica das Empresas Distribuidoras Seminário Internacional de Automação de Processos Comerciais e Operacionais nas Empresas de Distribuição da

Leia mais

Histórico. 900 AC Moinho persa.

Histórico. 900 AC Moinho persa. Histórico 900 AC Moinho persa. Histórico Moinho Europeu Sistema de giro; Posição do rotor; Número de pás; Altura em relação ao solo; Pás com perfil aerodinâmico; Histórico Moinhos de vento portugueses

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas 1. OBJETIVO DO GUIA DE FERRAMENTAS Então você está pensando em começar ou expandir um negócio de energia limpa? Este é um guia passo a passo para que seu negócio

Leia mais

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA

PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA PROGRAMA DE PATROCÍNIO DA COELBA Guia Básico do Proponente Resumo das diretrizes e critérios da Coelba/ Grupo Neoenergia para patrocínios a projetos socioculturais e ambientais. 1 Índice Introdução 2 1.

Leia mais

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa

V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa V Conferência da RELOP - Associação de Reguladores de Energia dos Países de Língua Oficial Portuguesa Aspetos regulatórios da energia renovável no Brasil Fernando Colli Munhoz Assessor Sup. de Regulação

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

Qualificação da Engenharia brasileira no Desenvolvimento de Helicópteros - a proposta do CNTH: Centro Nacional de Tecnologias de Helicópteros

Qualificação da Engenharia brasileira no Desenvolvimento de Helicópteros - a proposta do CNTH: Centro Nacional de Tecnologias de Helicópteros Congresso SAE BRASIL 2013: Congresso e Exposição Internacionais de Tecnologia da Mobilidade SAE BRASIL, 7 a 9 de outubro, Expo Center Norte, São Paulo, SP Painel Aeroespacial. Tema-título: Soluções Inovadoras

Leia mais

Nova Regulamentação dos Programas de Eficiência Energética Filosofia, Desafios e Perspectivas

Nova Regulamentação dos Programas de Eficiência Energética Filosofia, Desafios e Perspectivas Workshop sobre a Nova Regulamentação dos Programas de Eficiência Energética Nova Regulamentação dos Programas de Eficiência Energética Filosofia, Desafios e Perspectivas Superintendência de Pesquisa e

Leia mais

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria PROGRAMA SENAI + COMPETITIVIDADE INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA (60) MA Construção Civil CE EletroMetalmecânica Energias Renováveis RN Petróleo

Leia mais

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo

O Mercado de Energia Eólica E e no Mundo O Mercado de Energia Eólica E no Brasil e no Mundo Audiência Pública P - Senado Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle Brasília/DF 19 de junho de 2008 Energia: importância

Leia mais

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder

Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás. Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Iniciativas de Produção Mais Limpa na Indústria de Petróleo e Gás Daniela Machado Zampollo Lucia de Toledo Camara Neder Sumário A Empresa - Petrobras A Exploração e Produção de Óleo e Gás Gestão Ambiental

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) Institui o Programa de Incentivo à Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fonte Solar - PIGDES e altera a Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002.

Leia mais

Fornecimento Seguro. O caminho da energia da usina até o consumidor. Roberto Mario Di Nardo Fernando Mirancos da Cunha

Fornecimento Seguro. O caminho da energia da usina até o consumidor. Roberto Mario Di Nardo Fernando Mirancos da Cunha Fornecimento Seguro O caminho da energia da usina até o consumidor Roberto Mario Di Nardo Fernando Mirancos da Cunha MATRIZ ENERGÉTICA PARTICIPAÇÃO DAS FONTES Capacidade de Geração 119,3 GW de Capacidade

Leia mais

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres

Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015. Manoel Arlindo Zaroni Torres Mercado de energia elétrica: condições atuais de atendimento à carga e tendências para 2015 Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 1 de outubro de 2014 Aviso importante Este material pode incluir declarações

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL

POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL POLÍTICA DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO DA ELETROSUL Departamento de Planejamento, Pesquisa e Desenvolvimento - DPD Diretoria de Engenharia 1 ÍNDICE 1 PÚBLICO ALVO... 3 2 FINALIDADE...3 3 FUNDAMENTOS...

Leia mais

Drone AIR6 Aplicações na Área Pública

Drone AIR6 Aplicações na Área Pública Drone AIR6 Aplicações na Área Pública A mais conceituada fabricante de drones para uso profissional. Os drones da AIRBORNE ROBOTICS são fabricados na Áustria e oferecem voos automatizados para diversas

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais

Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08

Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08 Eficiência Energética + Comercialização de Energia Oportunidades Conjuntas 16/10/08 RME Rio Minas Energia Participações S.A Luce Brasil Fundo de Investimentos - LUCE Missão da Light: Ser uma grande empresa

Leia mais

ELETROBRAS Investimentos 1º bimestre

ELETROBRAS Investimentos 1º bimestre ELETROBRAS Investimentos 1º bimestre Ação Autorizado Realizado IMPLANTAÇÃO DA USINA TERMONUCLEAR DE ANGRA III, COM 1.309 MW (RJ) 2.110.817.554,00 78.423.005,00 DE ENERGIA ELÉTRICA NA REGIÃO NORDESTE 629.144.814,00

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

Crescimento com Sustentabilidade

Crescimento com Sustentabilidade Crescimento com Sustentabilidade Djalma Bastos de Morais Diretor Presidente Maio de 2008 1/XX Investimentos asseguram agregação de valor Nossa política de investimentos garante crescimento sustentável:

Leia mais

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos

A VISÃO do ENERGYIN Motivos da sua criação & Objectivos Pólo da Competitividade e Tecnologia da Energia (PCTE) O papel do PCTE na energia solar em Portugal 8 e 9 de Fevereiro de 2010 António Mano - EDP Antonio.ermidamano@edp.pt A VISÃO do ENERGYIN Motivos da

Leia mais

A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009

A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009 Interligação Tucuruí Macapá Manaus: integração da Amazônia ao SIN A Suframa e o desenvolvimento do setor energético regional Manaus Novembro de 2009 Objetivos do modelo do Setor Elétrico Segurança no Modicidade

Leia mais

Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação

Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Formação da Rede Nacional de Institutos SENAI de Inovação Como Ação Estruturante do Programa SENAI de Apoio à Competitividade da Indústria Brasileira SENAI Departamento Nacional Brasília, 18 de Setembro

Leia mais

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013

III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil. Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 III Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil Nelson Fonseca Leite Presidente 06/03/2013 PRINCIPAIS INDICADORES DO SETOR DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

Leia mais

Comitê de líderes empresariais da Mobilização Empresarial pela Inovação - MEI. Apresentação do projeto de energia solar de Tanquinho

Comitê de líderes empresariais da Mobilização Empresarial pela Inovação - MEI. Apresentação do projeto de energia solar de Tanquinho Comitê de líderes empresariais da Mobilização Empresarial pela Inovação - MEI Apresentação do projeto de energia solar de Tanquinho 1 1 A CPFL A CPFL é o maior grupo no setor de energia elétrica e tem

Leia mais

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Luis Felipe Pozzatti Chefe do Setor de Estudos de Novos Potenciais luis.pozzatti@eletrosul.gov.br Eletrosul Segmentos: transmissão

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

BRIEFING BRASIL. Parceiro:

BRIEFING BRASIL. Parceiro: BRIEFING BRASIL Parceiro: 1 ÍNDICE 1 Índice... 1 2 Introdução... 2 3 Apresentação... 3 3.1 Tema 1 Consumo consciente... 3 3.2 Tema 2 - Qualidade e Satisfação no Atendimento ao Cliente... 4 4 Desenvolvimento

Leia mais

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor

Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Perspectivas da Energia Solar e o Apoio do BNDES ao Setor Seminário de Micro e Minigeração Distribuída ANEEL - Abril de 2014 - Potencial da Energia Solar Fonte: SOLARWORLD 2 Perspectivas da Energia Solar

Leia mais

Programas Sistemas Projetos

Programas Sistemas Projetos Programas Sistemas Projetos A Cemig Maior empresa integrada do setor de energia elétrica do País, a Cemig também é o maior grupo distribuidor, responsável por aproximadamente 12% do mercado nacional. A

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

INOVA ENERGIA. Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP

INOVA ENERGIA. Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP INOVA ENERGIA Plano Conjunto de Apoio à Inovação Propostas para atuação ANEEL BNDES FINEP Elementos de Articulação INOVA ENERGIA: Elementos da Proposta Fontes de Recursos Linhas Temáticas Subvenção, Crédito

Leia mais

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética

Leia mais

Elaboração do cadastro de bens e controle do ativo permanente e unitização dos valores;

Elaboração do cadastro de bens e controle do ativo permanente e unitização dos valores; A Empresa A Ativo Energia é uma empresa registrada no CRC-SP e especializada em consultoria e assessoria contábil, focada no setor de energia elétrica, com especialização nas áreas de controle do ativo

Leia mais

Inserção da energia eólica na

Inserção da energia eólica na Inserção da energia eólica na matriz de geração brasileira Prof. Nivalde J. de Castro Roberto Brandão 1 Sumário 1. Matriz de geração brasileira: perfil e tendências. 2. O papel das energias renováveis

Leia mais

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE

A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE A Atuação da Finep em Energia e Tecnologias Limpas DENE Agenda FINEP Departamento de Energia e Tecnologias Limpas DENE Programas Setoriais Inova Energia A Finep A Finep é uma empresa pública vinculada

Leia mais

É assim, essencial para as empresas controlarem e gerirem os seus consumos.

É assim, essencial para as empresas controlarem e gerirem os seus consumos. A eletricidade, gás, água e outros tipos de consumos são elementos fundamentais para o funcionamento da generalidade das empresas e que poderão ter um peso bastante relevante nos seus custos. É assim,

Leia mais

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor...

ÍNDICE ANEXOS. 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4. a. Identificação do Empreendedor... 1/4. b. Informações sobre o Empreendedor... 2517-00-EIA-RL-0001-02 Março de 2014 Rev. nº 01 LT 500 KV MANAUS BOA VISTA E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE 3.2 - Caracterização do Empreendedor... 1/4 a. Identificação do Empreendedor... 1/4 b. Informações

Leia mais

Fornecemos soluções aeronáuticas inteligentes, para que você e sua empresa possam operar sempre com excelência, segurança e rentabilidade.

Fornecemos soluções aeronáuticas inteligentes, para que você e sua empresa possam operar sempre com excelência, segurança e rentabilidade. Idealizada para ser a melhor em seu ramo de atuação, a SkyBound é formada por consultores com sólida formação prática e acadêmica, profundo conhecimento aeronáutico e grande experiência em suas respectivas

Leia mais