MANUAL OPERACIONAL PARA IMPLANTAÇÃO DE CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS. Elaboração: NSST Núcleo de Segurança e Saúde no Trabalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL OPERACIONAL PARA IMPLANTAÇÃO DE CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS. Elaboração: NSST Núcleo de Segurança e Saúde no Trabalho"

Transcrição

1 MANUAL OPERACIONAL PARA IMPLANTAÇÃO DE CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS Elaboração: NSST Núcleo de Segurança e Saúde no Trabalho AGOSTO 2008

2 2 NSST NÚCLEO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MANUAL OPERACIONAL PARA IMPLANTAÇÃO DE CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS Diretor Regional Jorge Lins Freire Superintendência Manoelito Souza Assessoria de Desenvolvimento Aroldo Valente Coordenador Lívia Maria Aragão Assessora de Desenvolvimento em Saúde Coordenação Geral Robério Costa Silva Gerente do Núcleo de Segurança e Saúde no Trabalho Coordenação Técnica Ricardo Araújo da Silva Consultor Técnico - NSST Equipe Técnica Fabiana Henkes Fisioterapeuta e Graduanda em odontologia pela FBDC

3 3 APRESENTAÇÃO O Núcleo de Segurança e Saúde no Trabalho (NSST) tem o objetivo de contribuir para a redução de acidentes e doenças do trabalho e reduzir os principais fatores de risco a saúde e segurança nos grupos de empresas de micro, pequeno e médio porte, principalmente nos ramos de atividades que apresentem as maiores taxas de risco de acidentes de trabalho. Este campo de atuação também contempla as diretrizes e estratégias do SESI DR- BA. Além disso, cabe ao NSST oferecer uma melhoria no desenvolvimento de suporte às Unidades de Saúde do SESI. Este manual para implantação de clinicas e consultórios odontológicos, surge com vistas a orientar as unidades do SESI no que refere a um conhecimento mínimo e necessário para a implantação e desenvolvimento da odontologia no setor de saúde. Tal iniciativa, começa em consonância com as normas e resoluções vigentes em nosso país. Convém salientar que o manual oferece o básico na implantação de consultórios odontológicos, sendo que cada unidade é responsável pelo melhoramento, aplicabilidade e desenvolvimento da legislação pertinente para cada vez mais oferecer aos seus clientes uma qualidade adequada preconizada pelos órgãos competentes de nosso país.

4 4 SUMARIO 1. INTRODUÇÃO EXECUÇÃO E APROVAÇÃO DO PROJETO Investigação do Espaço Dimensionamento das Unidades Odontológicas Unidades com Apenas uma Cadeira Odontológica Unidades com Mais de uma Cadeira Odontológica Ambientes de Apoio Sala de Espera Sanitários Destinados ao Público Depósito de Material de Limpeza (DML) Central de material esterilizado (CME) Ambiente Limpo Ambiente Sujo Unidades Odontológicas Individuais 2.4.Ambientes Opcionais Sanitários para Funcionários Depósito de Equipamentos e Materiais Sala Administrativa Copa MATERIAIS DE ACABAMENTO Características Comuns das Áreas Semi-Críticas e críticas: Rejuntes entre as Peças Pintura Teto Tubulações Junção entre o Rodapé e o Piso Vidros Características das Áreas Semi-Críticas... 13

5 Características das Áreas Críticas INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E ILUMINAÇÃO Iluminação Circuitos Elétricos de Iluminação e Alimentação dos Pontos de Força Pontos de Força CLIMATIZAÇÃO Ventilação Equipamentos de Ar Condicionado... a) Dimensionamento... b) Temperatura Ambiente... c) Umidade Relativa do Ar... d) Filtros... e) Tomadas de ar Exterior... f) Dutos de Ar... g) Equipamentos de Pequeno Porte ( aparelho de janela e minisplits) SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS Instalações Sanitárias Dentro do Consultório Ambientes que Executem Procedimentos Instalações para Esgoto Sanitário PROTEÇÃO RADIOLÓGICA Licenciamento e Fiscalização Características das Instalações dos Consultórios Odontológicos com Aparelhos de Raios-X Intra-oral Para realizar Exposições Radiograficas as Unidades Odotológicas Para Revelação de Filmes de Radiografias Intra-oral Equipamento para Radiodiagnóstico Odontológico Características Específicas para Equipamentos de Radiografias Intra- Oral RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE RSS Gestão dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS)

6 Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde (RSS) PLANO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE PGRSS Ações Estabelecidas no PGRSS Levantamento dos Tipos de Resíduos Levantamento das Quantidades Geradas de RSS Formas de Identificar os Resíduos Contidos nos Sacos e Recipientes Acondicionamento do RSS Quanto aos Recipientes Quanto aos Sacos Acondicionamento de RSS do Grupo A Quanto aos Sacos Quanto aos Recipientes Acondicionamento de RSS do grupo B Resíduos Sólidos (GRUPO B) Resíduos Líquidos (GRUPO B) Resíduos Destinados à Reciclagem (GRUPO B) Acondicionamento de RSS do Grupo D Acondicionamento de RSS do Grupo E MANUTENÇÃO PREVENTIVA PARA EQUIPAMENTOS ODONTOLÓGICOS Tipos de Manutenção CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

7 7 INTRODUÇÃO A implantação de uma unidade odontológica esta diretamente relacionada a determinadas condições, as quais devem estar baseadas em normas do ministério da saúde além de respeitar os princípios da ergonomia. A racionalização do espaço físico constitui um elemento importante na produtividade, à medida que, bem planejada, permite a redução de tempo e movimentos na execução das atividades. Em virtude disto, o SESI criou um manual com a finalidade de direcionar as unidades quanto ao planejamento e execução da implantação de consultórios odontológicos desde o desenvolvimento do seu projeto, no que refere tais necessidades, onde são respeitados e seguidos todos os critérios estabelecidos pela ANVISA a partir de orientações constantes na RDC/Anvisa nº 50, de 21 de fevereiro de 2002, e suas atualizações, e legislação vigente no Estado e pelo manual da ANVISA de Serviços Odontológicos: Prevenção e Controle de Riscos. Importante salientar que tal preocupação surge devido ao fato da necessidade de uma padronização no concernente a instalação de um ambiente odontológico adequado e atinente à legislação vigente. É óbvio que apenas este manual não deverá suprir as necessidades de cada unidade, pois as características, demandas internas e de pacientes, bem como espaços físicos, são diferentes de unidade para unidade.

8 8 2. EXECUÇÃO E APROVAÇÃO DO PROJETO Segundo ANVISA (2006) 1, a elaboração do projeto físico do serviço odontológico deve ser sustentada em bases técnicas com uma íntima relação entre condutas funcionais, soluções arquitetônicas e de engenharia, de forma que o espaço selecionado seja racionalizado permitindo a prevenção e a redução dos riscos, favorecendo a melhor assistência prestada. Conforme RDC/ANVISA Nº189 (2003), 2 a vigilância sanitária local (estadual ou municipal) deve avaliar e aprovar todo projeto arquitetônico dos serviços odontológicos públicos e/ou privados previamente ao início da obra. Assim como, áreas de estabelecimentos de saúde já existentes ou locais que previamente não se destinavam aos serviços odontológicos e que serão ampliadas, e/ou reformadas para exercer tal atividade, fica condicionada ao cumprimento das disposições contidas na Resolução ANVISA RDC nº 50 (2002) 3 a saber: 2.1. INVESTIGAÇÃO DO ESPAÇO Objetivo: observar as instalações elétricas e hidrossanitárias, a possível distribuição dos equipamentos odontológicos fixos e móveis e a presença de gases medicinais DIMENSIONAMENTO DAS UNIDADES ODONTOLÓGICAS coletiva. 1, 3 São estabelecidas tomando como referência se a unidade será individual ou 1 Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Serviços Odontológicos: Prevenção e Controle de Riscos / Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília: Ministério da Saúde, ANVISA. Resolução RDC nº 189 de 18 de julho de Disponivel em: <http://pnass.datasus.gov.br/documentos/normas/75.pdf> (06/08/2008) 3 ANVISA. Resolução RDC nº 50 de 21 de fevereiro de Regulamento técnico para planejamento,programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde.

9 Unidades com Apenas uma Cadeira Odontológica por Consultório 4 Área mínima: 9 m 2. (conforme espaço dimensionado na figura 01) 5 Figura 1 -Projeto de consultório odontológico estabelecendo as áreas de trabalho. Primeiro circulo zona de transferência. Segundo círculo zona de trabalho e o terceiro círculo zona de circulação 5 A) Pode-se eximir a CME simplificada descrita anteriormente, instituindo no mesmo ambiente uma bancada com pia e equipamentos de esterilização. Contudo, para isso, devem ser estabelecidas rotinas de assepsia e manuseio de materiais a serem esterilizados, caracterizando uma barreira técnica. B) Quando estabelecidos edificações de uso coletivo: substitui o DML por um carrinho de limpeza, desde que a construção possua área específica onde seja realizada a rotina de higienização dos carrinhos e dos materiais utilizados. 4 Op. cit. 1 e Op. cit. 3 5 Figura retirada do site

10 Unidades com Mais de uma Cadeira Odontológica: Área mínima baseada no número e na quantidade de equipamentos utilizados. Distância mínima de 2 m entre duas cadeiras Distância mínima livre de 0,8 m na cabeceira e de 1 m nas laterais. Objetivos: possibilitar a circulação dos profissionais e minimizar a contaminação por aerossóis. 6 Figura 2 - Projeto de consultório odontológico com duas cadeiras estabelecendo as áreas de trabalho AMBIENTES DE APOIO: Conforme resolução ANVISA RDC nº 50 (2002) são divididos em: Sala de Espera: área mínima de 1,2 m 2 por pessoa; A. Objetivo: espera para pacientes e acompanhantes Sanitários Destinados ao Público: área mínima de 1,6 m 2 e dimensão mínima de 1 m; Depósito de Material de Limpeza (DML): equipado com tanque, Área de no mínimo de 2 m 2. Dimensão mínima de 1m. 6 Op. cit. 1, Op. cit. 3 e Op. cit. 5

11 Central de Material Esterilizado (CME), estabelecido em dois ambientes adjacentes Ambiente Limpo: sala com área mínima de 4,8 m², Deve conter: - Bancada: para equipamentos de esterilização, - Armários: armazenar materiais - Guichê: distribuição dos mesmos. Objetivo: preparo, esterilização e estocagem de materiais Ambiente Sujo local com área mínima de 4,8 m 2, Deve conter: - Bancada, pia e guichê voltados para a área limpa O fluxo de material na central de material esterilizado deve seguir a seguinte ordem, conforme estipulado pela ANVISA: Recebimento de material sujo Separação e lavagem Secagem e empacotamento Armazenamento e distribuição esterilização Objetivo: lavagem e descontaminação de materiais, adequada transferência dos materiais para o ambiente limpo AMBIENTES OPCIONAIS Sanitários para Funcionários 8 - área mínima de 1,6 m 2 e dimensão mínima de 1 m Depósito de Equipamentos e Materiais - área mínima baseada nos tipos de equipamentos e materiais utilizados. Tais dimensões devem estar conforme ao quantitativo de matérias de cada unidade. 7 Op. cit. 1 e Op. cit. 3 8 Importante salientar que as normas de segurança trabalhista no que refere a implantação de setores específicos, devem ser consultadas. Neste caso aconselhamos a consulta da NR 24 - Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho.

12 Sala Administrativa - área mínima de 5,5 m 2 por pessoa Copa - área mínima de 2,6 m 2 e dimensão mínima de 1,15 m MATERIAIS DE ACABAMENTO DOS AMBIENTES FUNCIONAIS QUANTO A SENSIBILIDADE A RISCO DE TRANSMISSÃO DE INFECÇÃO 9 As condições ambientais necessárias ao auxílio do controle da infecção de serviços de saúde dependem de pré-requisitos dos diferentes ambientes do estabelecimento assistencial de saúde, quanto a risco de transmissão da mesma. Nesse sentido, na resolução ANVISA RDC nº 50 (2002) são classificados como: Áreas críticas - ambientes de risco aumentado para transmissão de infecção, onde são feitos procedimentos de risco, com ou sem pacientes, ou onde se encontram pacientes imunodeprimidos. Áreas semicríticas - todos os espaços onde há pacientes com doenças infecciosas de baixa transmissibilidade e doenças não infecciosas. Áreas não-críticas todos os outros ambientes não ocupados por pacientes, onde não se realizam procedimentos de risco. 3.1 CARACTERÍSTICAS COMUNS DAS ÁREAS SEMI-CRÍTICAS E CRÍTICAS: Conforme estabelecido na resolução ANVISA RDC nº 50 (2002) 10 e no manual Processamento de Artigos e Superfícies em Estabelecimentos de Saúde, 11 os materiais para acabamento dessas áreas devem: Ser resistentes à lavagem e ao uso de desinfetantes Permitir acabamento que tornem as superfícies monolíticas, ou seja, mesmo após o uso e limpeza freqüente, os materiais não apresentem ranhuras ou perfis estruturais aparentes; Devem possuir índice de absorção de água inferior a 4%, individualmente ou depois de instalados no ambiente Rejuntes entre as Peças: devem ser de material com o mesmo índice de absorção do material de revestimento. O rejunte de peças cerâmicas ou 9 Op. cit. 1 e Op. cit Op. cit. 1 e Op. cit Brasil. Ministério da Saúde. Manual Processamento de Artigos e Superfícies em Estabelecimentos de Saúde 2ª edição / Coordenação de Controle de Infecção Hospitalar. Brasília-DF, 1994

13 13 similares nas paredes ou pisos não pode ser feito com cimento sem qualquer aditivo antiabsorvente Pintura: usar tintas elaboradas à base de epóxi, PVC, poliuretano ou outras destinadas a áreas molhadas, desde que sejam resistentes à lavagem, ao uso de desinfetantes e não sejam aplicadas com pincel. Quando aplicadas nos pisos devem resistir à abrasão e aos impactos Teto: devem ser contínuos, sendo proibido o uso de forros falsos removíveis, do tipo que interfira na limpeza dos ambientes Tubulações: não deve ser aparentes nas paredes e tetos. Quando não forem embutidas, devem ser protegidas em toda sua extensão por um material resistente a impactos, a lavagem e ao uso de desinfetantes Junção entre o Rodapé e o Piso: Deve favorecer a completa limpeza do canto formado. Rodapés muito arredondados são de difícil execução e em nada facilitam o processo de limpeza do local. A união do rodapé com a parede, deve ocorrer de modo que os dois estejam alinhados, evitando-se que ocorra o ressalto do rodapé, que permite o acúmulo de pó Vidros: É aconselhado utilizar películas protetoras nos vidros ou brises soleils de fachada para a proteção contra o sol e redução do acúmulo de poeira. A utilização de persianas e cortinas em serviços odontológicos é permitida, porém a limpeza deve ser efetuada com maior rigor e rotineiramente 3.2 CARACTERÍSTICAS DAS ÁREAS SEMI-CRÍTICAS 12 : É permitido: O uso de divisórias removíveis, resistentes ao uso de desinfetantes e a lavagem com água e sabão. 12 Op. cit. 1, Op. cit. 3 e Op. cit. 10

14 14 Utilizar forro removível que sejam resistentes aos processos de limpeza, descontaminação e desinfecção. 3.3 CARACTERÍSTICAS DAS ÁREAS CRÍTICAS: Não é permitido o uso de divisórias removíveis. Podem-se utilizar paredes pré-fabricadas desde que, quando instaladas, tenham acabamento monolítico e sejam resistentes à lavagem e ao uso de desinfetantes. Os tetos, especialmente das salas de procedimentos cirúrgicos ou similares, devem ser contínuos, sendo proibido o uso de forros falsosremovíveis, do tipo que interfira na assepsia dos ambientes. 4. INSTALAÇÕES ELÉTRICAS E ILUMINAÇÃO Conforme estabelecido pela ANVISA, todas as instalações elétricas de um consultório odontológico como sistemas de climatização, equipos, disjuntores dentre outras, devem ser projetadas, executadas, testadas e mantidas em conformidade com as normas de segurança no trabalho. 13; ILUMINAÇÃO: Recomenda-se um sistema artificial que permita boa visibilidade em todos os ambientes onde os pacientes são atendidos. Sugere-se o uso de lâmpadas fluorescentes e luminárias dotadas de refletores para melhor distribuição da luz, e aletas que impeçam a iluminação direta excessiva e possuam dispositivos antiofuscamento, obtendo-se um nível de iluminação de a lux,pois conforme a NBR 5413 da ABNT, enquadra-se na classe C com o tipo de atividade visual muito especial e cirurgias CIRCUITOS ELÉTRICOS DE ILUMINAÇÃO E DE ALIMENTAÇÃO DOS PONTOS DE FORÇA: 13 Op. cit. 1 eop. cit NBR Instalações elétricas em estabelecimentos assistenciais de saúde Requisitos de segurança 15 ANVISA. Resolução RDC nº 5413 da ABNT- Iluminância de Interiores.

15 15 Com seus respectivos dispositivos de proteção e divisão, devem ser distintos e dimensionados conforme sua capacidade de condução de corrente elétrica, embutidas ou protegidas por material resistente a impactos, à lavagem e ao uso de desinfetantes, para que não haja depósitos de sujidades em sua extensão Pontos de força: devem ser diversos e distribuídos ao longo da bancada, em quantidade compatível com o numero de equipamentos do consultório, não sendo admitida a utilização de um mesmo ponto para alimentação de diversos equipamentos por meio de extensões, tomadas múltiplas ou benjamins (tês). Se, ao avaliar as cargas instaladas, a carga total for superior a 16 mil watts, deve se realizar uma instalação trifásica, devidamente balanceada. 5. CLIMATIZAÇÃO VENTILAÇÃO: Pode ser natural ou forçada, com a finalidade de evitar o acúmulo de fungos, gases e vapores condensados, sendo que sua eliminação não deve causar danos ou prejuízos às áreas próximas Equipamentos de Ar Condicionado: equipamentos de ar condicionado de janela e os minisplits não permitem que ocorra a renovação do ar necessária para a manutenção de uma boa qualidade do ar ambiente de interiores 17. Esses somente podem ser instalados nos serviços odontológicos quando associados a um sistema de ventilação e/ou exaustão complementar, garantindo, dessa forma, a renovação de ar exterior necessária INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO: Segundo a RESOLUÇÃO - RE Nº 9, de 16 de janeiro de 2003 e Portaria GM/MS n.º 3.523, de 28 de agosto de 1998 os sistemas de climatização devem ser projetados, executados, testados e mantidos seguindo as seguintes recomendações 18,19,20 : 16 Op. cit. 1 e Op. cit Portaria GM/MS n.º 3.523, de 28 de agosto de Resolução RE/Anvisa n.º 9, de 16 de janeiro de 2003, ou as que vierem substituí-las

16 16 a) Dimensionado: realizado por profissional especializado, proporcionando uma vazão mínima de ar exterior de 6 (m3/h)/m2 e uma vazão mínima de ar total de 18 (m3/h)/m2. b) Temperatura Ambiente: deve ser mantida entre 21ºC e 24ºC; c) Umidade Relativa do Ar: entre 40% e 65% durante todo o ano. d) Filtros: uso de filtros classe G1 é obrigatória na captação de ar exterior. O Grau de Pureza do Ar será obtido utilizando-se, no mínimo, filtros de classe G3 nos condicionadores de sistemas centrais. e) Tomadas de Ar Exterior: devem conter filtros classe G3 e telas de proteção de material resistente à corrosão. Situados de forma que evite aspiração de descargas de exaustão (sanitários, laboratórios, lavanderia), como também, a uma distância mínima de oito metros de locais onde haja possibilidade de emanação de agentes poluidores ou gases nocivos, a exemplo de: depósitos de lixo, centrais de gás combustível, grupos geradores, centrais de vácuo, estacionamentos. Devem ser submetidos a limpeza mensal, ou quando forem descartáveis ser usados até a sua obliteração, maximo de três meses. f) Dutos de Ar: quando utilizados, devem ser unidos por meio de juntas à prova de vazamentos. Suas dobras, conexões e acessórios dos também devem ser impermeáveis. Todo retorno de ar deve ser feito através de dutos, sendo vedado o retorno através do forro. g) Equipamentos de Pequeno Porte (aparelho de janela e minisplits): não realizam uma adequada renovação do ar necessária para a manutenção de uma boa qualidade do ar ambiente de interiores, devendo sempre ser instalados associados a um sistema de ventilação e/ou exaustão complementar. Sua instalação e a manutenção devem ser efetuadas conforme preconizado nos manuais do fabricante. Equipamentos de capacidade igual ou superior a 5 TRs ( kcal/h = Btu/h) deverá ser efetuada sempre sob a supervisão de engenheiro mecânico (responsável técnico) habilitado pelo CREA para tal fim ABNT NBR 6401 Instalações centrais de ar condicionado para conforto Parâmetros básicos de projeto 20 NBR 7256 Tratamento de ar em estabelecimentos assistenciais de saúde. 21 Op.cit. 16, Op. cit 17, Op. cit. 18, Op. cit. 19

17 17 6. SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA O abastecimento de água das unidades odontológicas deve ser ou através da rede pública ou possuir abastecimento próprio, com registro da nascente, suficiente em volume ou pressão e sistema de cloração. A água deve possuir grau de potabilidade 22 e todos os serviços devem possuir reservatórios de água (caixa d água) com capacidade mínima correspondente ao consumo de dois dias ou mais. Os reservatórios subterrâneos devem ser protegidos contra infiltrações e ter tampa para facilitar o acesso à inspeção e a limpeza. Sugere-se que a cada seis meses, realize-se a limpeza como também a análise da qualidade da água. 7. INSTALAÇÕES HIDROSSANITÁRIAS 23 As instalações de água fria e quente devem ser projetadas, executadas, testadas e mantidas INSTALAÇÕES SANITÁRIAS: Devem apresentar, no mínimo, um vaso sanitário e um lavatório. Junto aos lavatórios deve existir sempre um recipiente para deposito de sabão líquido, porta papel-toalha e lixeira com tampa, acionada por pedal Dentro do consultório: deve existir, no mínimo, um lavatório exclusivo para a lavagem das mãos e uma pia com bancada para a lavagem do instrumental com distância compatível entre elas, ou barreira para que respingos da pia para lavagem do instrumental não contamine a de lavagem de mãos Ambientes que executem procedimentos: deve haver lavatórios com torneiras ou comandos que dispensem o contato das mãos quando da abertura e fechamento da água, e recipiente com anti-séptico para a higienização das mãos. 22 Portaria MS n.º 518, de 25 de março de 2004, ou a que vier substituí-la; 23 Norma ABNT NBR 8160 Sistemas prediais de esgoto sanitário Projeto e execução. 24 Op. cit. 1

18 INSTALAÇÕES PARA ESGOTO SANITÁRIO: Devem ser projetadas, executadas, testadas e mantidas 25 Serviços odontológicos quando localizados onde se tem uma rede pública de coleta e tratamento de esgoto, todo o esgoto pode ser lançado nessa rede sem qualquer tratamento. Não havendo essa rede, todo o esgoto terá que receber tratamento antes de ser lançado em rios, lagos, etc Pontos de coleta dos efluentes líquidos devem ser instalados para captação de detritos dos equipamentos, lavatórios, pias, torneiras, ralos e pontos de dreno para o sistema de vácuo do serviço odontológico. O sistema de esgoto deve ser projetado com desnível suficiente para escoar todo o volume de detritos apenas pela ação da gravidade e a tubulação utilizada deve possuir, no mínimo, 40 mm de diâmetro. 8. RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA 26 A utilização de Raios X nas unidades odontológicas, em âmbito nacional, é regida pela portaria SVS/MS N.º453 de 1º de junho de 1998, ou outra que vier substituí-la. Essa norma aprova o regulamento técnico que estabelece as diretrizes básicas que visa à proteção radiológica em radiodiagnóstico odontológico. Segundo portaria SVS/MS N.º453 (1998) Procedimentos relacionados ao uso dos raios-x como: construção ou modificação de instalações; operação, desativação, venda de aparelhos ou modificação dos mesmos, como também, transferências desses de local, para serem executadas devem estar de acordo com os requisitos estabelecidos neste regulamento LICENCIAMENTO E FISCALIZAÇÃO: O funcionamento do serviço esta condicionado ao licenciamento pela autoridade sanitária local que corresponde à autoridade competente, no âmbito da área de saúde, com poderes legais para baixar regulamentos e executar licenciamento e fiscalização, inclusive na área de segurança e proteção radiológica. 25 Norma ABNT NBR 8160 Sistemas prediais de esgoto sanitário Projeto e execução. 26 Portaria nº/ 453 de 1º de junho de1998. Aprova o regulamento técnico Diretrizes de Proteção Radiológica em radiodiagnóstico médico e odontológico. 27 Op. cit. 1 e Op. cit. 21

19 19 Serviços odontológicos que apresentem apenas aparelhos de radiografia intraoral são dispensados da aprovação do projeto arquitetônico básico sob os aspectos de proteção radiológica CARACTERÍSTICAS DAS INSTALAÇÕES DOS CONSULTÓRIOS ODONTOLÓGICOS COM APARELHOS DE RAIOS-X INTRA ORAL: Para realizar Exposições Radiográficas as Unidades odontológicas devem: Apresentar dimensões que permita à equipe manter-se à distância de, pelo menos, 2 m do tubo (cabeçote) e do paciente. Dispor de uma barreira protetora (com mínimo de 0,5 mm de chumbo) para o operador manter-se atrás, nos casos de unidades com carga de trabalho superior a 30 ma/min por semana (ou, em termos aproximados, se forem realizadas mais do que 150 radiografias por semana). Manter o mais baixo nível de dose possível conforme estabelecidos na legislação em vigor, através de barreiras físicas com blindagens. Disponibilizar uma capa de proteção plumbífera (mínimo de 0,25 mm de chumbo) para cada equipamento de raios-x. A vestimenta de chumbo deve garantir a proteção do tronco, incluindo tireóide e gônadas dos pacientes,. Nas portas de acesso, exibir o símbolo internacional da radiação ionizante, acompanhado da inscrição: "raios-x, entrada restrita" ou "raios-x, entrada proibida a pessoas não autorizadas"; Op. cit. 1 e Op. cit. 21 Figura 3 - Símbolo universal de radiação ionizante

20 20 Expor orientações escritas, e em local bem visível quanto a proteção radiológica conforme estabelecida na Portaria nº 453 de 1º de junho de1998, a saber: a) "paciente, exija e use corretamente vestimenta plumbífera para sua proteção durante exame radiográfico"; b) "não é permitida a permanência de acompanhantes na sala durante o exame radiológico, salvo quando estritamente necessário"; c) "acompanhante, quando houver necessidade de contenção de paciente, exija e use corretamente vestimenta plumbífera para sua proteção durante exame radiológico" Para Revelação de Filmes de Radiografias Intra-oral: É permitida a utilização de câmaras portáteis de revelação manual, desde que confeccionadas com material opaco. Contudo, no local deve estar disponível um cronômetro, um termômetro e uma tabela de revelação para garantir o processamento nas condições especificadas pelo fabricante EQUIPAMENTO PARA RADIODIAGNÓSTICO ODONTOLÓGICO Todos os aparelhos devem 29 : Ser registrados no Ministério da Saúde assim como, seus componentes (tubo, cabeçote, sistema de colimação, mesa "bucky", "bucky" mural, seriógrafo, sistema intensificador de imagem) e os acessórios de proteção radiológica, para serem comercializados. Apresentar componentes (sistema de colimação gerador, cabeçote e tubo) com certificados de qualidade e com identificação própria (marca, tipo, número de série), por meio de uma etiqueta fixada em lugar visível. 29 Op. cit. 1 e Op. cit. 21

21 21 Estar acompanhados de um manual em português, fornecido pelo fabricante, com as instruções de operação, de manutenção, de proteção radiológica; como também suas características técnicas e especificações de desempenho. Vir acompanhado de um certificado que garante adequada blindagem do cabeçote quanto à radiação de fuga. Emitir um sinal sonoro e luminoso no painel de controle enquanto durar a exposição radiográfica Exibir claramente no painel de controle, por linguagem ou símbolos de fácil compreensão, a terminologia e os valores dos parâmetros de operação a saber: distância fonte-receptor de imagem, tamanho de campo posição do ponto focal, tensão do tubo, filtração inerente e adicional, tempo e corrente do tubo ou seu produto Apresentar a Duração da Exposição designada em tempo (exposições eletronicamente controladas para durar menos de cinco segundos) ou em número de pulsos. Possuir um dispositivo que interrompa automaticamente a irradiação no fim do processo, quer seja, ao final do tempo, da dose ou produto corrente-tempo estabelecidos. O sistema eletrônico deve também assegurar que não ocorra nenhuma irradiação quando o indicador de tempo de exposição estiver na posição zero e o disparador for pressionado Dispor de um botão disparador que 30 : Possibilite suspender a exposição a qualquer momento, dentro do tempo de irradiação estabelecido.. Controle a emissão do feixe de raios-x para que apenas aconteça enquanto dure a pressão intencional. Na necessidade de repetir o procedimento, deve ser necessário inicialmente aliviar a pressão sobre o botão e após pressioná-lo novamente. 30 Op. cit. 1 e Op. cit. 21

22 22 Esteja instalado de tal maneira que evite exposição acidental e que favoreça o posicionamento do Cirurgião Dentista numa distância de, pelo menos, 2 m do tubo e do paciente durante a exposição Características Específicas para Equipamentos de Radiografias Intraoral: A) Tensão: deve ser maior ou igual a 50 kvp, preferencialmente maior que 60 kvp. B) Filtração Total: relaciona-se diretamente com a Tensão de Tubo do aparelho: a) Tensão do Tubo inferior ou igual a 70 kvp: devem possuir uma filtração total permanente não inferior ao equivalente a 1,5 mm de alumínio b) Tensão de tubo superior a 70 kvp: devem possuir uma filtração total permanente não inferior ao equivalente a 2,5 mm de alumínio. C) Distância Foco-Pele: É determinada por um localizador de extremidade de saída aberta que realiza o posicionamento do feixe limitando a distância foco-pele. As localizadores devem atuar de forma que: Aparelhos com tensão de tubo menor ou igual a 60 kvp apresentem distancia foco-pele de no mínimo 18 cm; Aparelhos com tensão de tubo entre 60 e 70 kvp (inclusive) apresentem distância foco-pele de 20 cm e; Aparelhos com tensão de tubo maior que 70 kvp apresentam distancia focopele de 24 cm D) Sistema de Colimação: deve estar presente em todos os aparelhos radiográficos limitando o campo de raios X ao mínimo necessário para cobrir a área em exame. Nos aparelhos intra-orais, o diâmetro do campo não deve ser maior que 6cm na extremidade de saída do localizador. Valores entre quatro e cinco centímetros são permitidos apenas quando houver um sistema de alinhamento e posicionamento do filme. E) Radiação de Fuga: Ocorre um nível mínimo de fuga de radiação (correspondente a uma taxa limitada de kerma (kinetic energy released per unit mass) no ar máxima de 0,25 mgy/h a 1 m do ponto focal, quando operado em

BOM PLANEJAMENTO: PERMITE A REDUÇÃO DE TEMPO E MOVIMENTOS NA EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES.

BOM PLANEJAMENTO: PERMITE A REDUÇÃO DE TEMPO E MOVIMENTOS NA EXECUÇÃO DAS ATIVIDADES. NORMAS: RDC/ANVISA N.º 50, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2002 REGULAMENTA: CONSTRUÇÕES, REFORMAS E AMPLIAÇÕES, INSTALAÇÕES E FUNCIONAMENTO DE ESTABELECIMENTOS ASSISTENCIAIS DE SAÚDE. PROJETO BÁSICO PROJETO EXECUTIVO

Leia mais

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS

RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE. Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Hélida Rosa Silva Enfª Resp. Técnica GRSS CTAALS 1- SUMÁRIO - O que é o plano de gerenciamento (PGRSS) e gerenciamento de resíduos (GRSS)? - Objetivo do PGRSS - Leis que

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde. Fls.: 1 de 11 INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011 VERSÃO: 01/2011 APROVAÇÃO EM: 20 de julho de 2011 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto nº 20/2011 UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICA/CONSULTORIO ODONTOLOGICO. I - DADOS CADASTRAIS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF: Nome Fantasia: Rua/Avenida nº Bairro:

INSPEÇÃO EM CLINICA/CONSULTORIO ODONTOLOGICO. I - DADOS CADASTRAIS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF: Nome Fantasia: Rua/Avenida nº Bairro: Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICA/CONSULTORIO ODONTOLOGICO I - DADOS CADASTRAIS

Leia mais

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado

Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Ambiente físico do Centro de Material Esterilizado Gessilene de Sousa Sobecc, julho2011 Agenda Regulamentação Definição: Centro de Material Esterilizado - CME; Estrutura Física: Áreas de composição; Fluxograma

Leia mais

CHECK - LIST - ARMAZENAMENTO EXTERNO

CHECK - LIST - ARMAZENAMENTO EXTERNO EMPRESA: HOSPITAL DE TRAUMATOLOGIA E ORTOPEDIA DONA LINDU OBJETIVO: ADEQUAR DE ACORDO COM A RDC 306 de 2004 CHECK - LIST - ARMAZENAMENTO ETERNO SETOR: ABRIGO DE RESÍDUOS INSPEÇÃO FEITA POR: DATA: 20 /

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos ANVISA RDC 306/04 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE veronica.schmidt@ufrgs.br O perigo do lixo hospitalar. Resíduos biológicos - culturas de microrganismos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE TERMO DE REFERÊNCIA PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE NO MUNICÍPIO DE CURITIBA

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I Prefeitura Municipal de Curitiba Secretaria Municipal do Meio Ambiente Secretaria Municipal da Saúde PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MODELO SIMPLIFICADO PGRSS - ANEXO I SIGLAS UTILIZADAS:

Leia mais

D E C R E T A: Artigo 2º - Caberá à unidade responsável a divulgação da Instrução Normativa ora aprovada.

D E C R E T A: Artigo 2º - Caberá à unidade responsável a divulgação da Instrução Normativa ora aprovada. GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 17.269, DE 31 DE MARÇO DE 2014. Aprova a Instrução Normativa SSP nº 002/2014 : O Prefeito Municipal de Colatina, no uso das atribuições legais que lhe são conferidas pelo

Leia mais

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS

INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS I- DADOS CADASTRAIS Prefeitura Municipal do Salvador Secretaria Municipal da Saúde Coordenadoria de Saúde Ambiental Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária INSPEÇÃO EM CLINICAS E CONSULTÓRIOS MÉDICOS Razão Social: CGC/CNPJ/CPF:

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Drogarias Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA

Leia mais

Gerenciamento de Resíduo de Serviço de Saúde. Luciene Paiva Enfermeira do Trabalho Especialista em CCIH

Gerenciamento de Resíduo de Serviço de Saúde. Luciene Paiva Enfermeira do Trabalho Especialista em CCIH Gerenciamento de Resíduo de Serviço de Saúde Luciene Paiva Enfermeira do Trabalho Especialista em CCIH Resíduos O ser humano sempre gerou resíduos, desde a Pré-História até os dias atuais. A diferença

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS

Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Orientações para a construção e ampliação de Unidades Básicas de Saúde - UBS Introdução A Secretaria de Estado da Saúde estabeleceu como ação estruturante para a implantação das redes de atenção no Paraná,

Leia mais

PORTARIA 82/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 001/2000

PORTARIA 82/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 001/2000 PORTARIA 82/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 001/2000 Aprova Norma Técnica que fixa a padronização de contenedor para o acondicionamento e procedimentos para o armazenamento de resíduo sólido de serviço de

Leia mais

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública?

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública? QUESTIONÁRIO PARA DIAGNÓSTICO DE ASPECTOS AMBIENTAIS E MANEJO DE RESÍDUO DAS UNIDADE DE SAÚDE. A) Aspectos Ambientais Avaliação da estrutura Responda os itens abaixo com a seguinte legenda: Sim = S Não

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR 1/6 1) DOS OBJETIVOS: 1.1)Normatizar a classificação, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento interno, transporte interno, armazenamento externo e disposição final dos resíduos; 1.2) Elevar

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000

PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 PORTARIA 83/2000 NORMA TÉCNICA SLU/PBH Nº 002/2000 Aprova Norma Técnica que estabelece as características de localização, construtivas e os procedimentos para uso do abrigo externo de armazenamento de

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE COSMÉTICOS E SANEANTES - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA - Lei Federal 6.360/76 e Decreto Estadual (DE) 23.430 de 24/10/1974 (http://www.al.rs.gov.br/legis/);

Leia mais

Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS

Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS Orientações para elaboração de Planos de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde - PGRSS Luís Eduardo Magalhães-BA Março/2015 Werther Brandão Secretário Municipal de Saúde Luziene de Souza Silva

Leia mais

ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (LIXO INFECTANTE)

ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (LIXO INFECTANTE) ACONDICIONAMENTO, COLETA E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (LIXO INFECTANTE) SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS CRUZADAS 3 APLICAÇÃO 4 DEFINIÇÕES 5 RESPONSABILIDADES 6 PROCEDIMENTOS 7 FREQÜÊNCIA

Leia mais

Tatuagem e Colocação de Adornos

Tatuagem e Colocação de Adornos ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde Tatuagem e Colocação de Adornos Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista

Leia mais

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola?

1. Quais os EPIs ( e outros) devem ser utilizados na assistência a pacientes com suspeita de infecção pelo vírus Ebola? Segue abaixo, uma série de perguntas e respostas elaboradas pela GGTES (com base em questionamentos enviados pelos estados), a fim de esclarecer dúvidas e complementar alguns pontos da Nota Técnica nº

Leia mais

Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos

Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Clínicas Odontológicas, CEO e Consultórios Odontológicos Modelo Simplificado

Leia mais

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987

Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 Resolução Estadual nº 08, de 11 de março de 1987 O Secretário de Estado da Saúde e do Bem-Estar Social, no uso de suas atribuições conferidas pelos artigos 45, letras A e P da Lei Estadual nº 6636/74,

Leia mais

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais,

O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N.º 23915, DE 13 DE JANEIRO DE 2004 DISPÕE SOBRE O LICENCIAMENTO SANITÁRIO A QUE ESTÃO SUJEITOS OS SALÕES DE CABELEIREIROS, OS INSTITUTOS DE BELEZA, ESTÉTICA, PODOLOGIA E ESTABELECIMENTOS CONGÊNERES;

Leia mais

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME

CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME CUIDADOS NAS ETAPAS DO PROCESSAMENTODOS ARTIGOS EM CME II SIMPÓSIO NORTE/NORDESTE DE ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO, RECUPERAÇÃO ANESTÉSICA E CENTRO DE MATERIAL E ESTERILIZAÇÃO NADJA FERREIRA Enfermeira

Leia mais

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO

Leia mais

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária

Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária Uma arte que deve andar lado a lado com a saúde. Secretaria de Saúde de Vila Velha Vigilância Sanitária objetivo Este manual estabelece os critérios de higiene e de boas práticas operacionais para o controle

Leia mais

CLÍNICA ODONTOLÓGICA. MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde.

CLÍNICA ODONTOLÓGICA. MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. CLÍNICA ODONTOLÓGICA MODELO DE CHECK LIST PARA DIAGNÓSTICO SITUACIONAL DO PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. Este é um modelo básico de check list para nortear na elaboração

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM HOTEIS E MOTEIS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional

Roteiro de Inspeção LACTÁRIO. Realiza Programa de Saúde do Trabalhador com controle periódico, admissional e demissional GOVERO DO ETADO DO RIO DE JAEIRO ECRETARIA DE ETADO DE AÚDE COORDEAÇÃO DE FICALIZAÇÃO AITÁRIA CARACTERIZAÇÃO Roteiro de Inspeção LACTÁRIO úmero de funcionários úmero de nutricionistas Responsável técnico:

Leia mais

Aspectos de Arquitetura em Projetos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde

Aspectos de Arquitetura em Projetos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde NR 15 NR 24 NR 26 NR 07 PCMSO CENEN PPR NR 09 PPRA ANVISA SERVIÇOS DE SAÚDE NR 32 2 Local de Trabalho para aplicação da NR 32: SERVIÇOS DE SAÚDE Definição: Qualquer edificação destinada à prestação de

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

Gabinete de Apoio ao Licenciamento CHECK-LIST

Gabinete de Apoio ao Licenciamento CHECK-LIST Gabinete de Apoio ao Licenciamento CHECK-LIST Aspectos relativos aos requisitos de instrução do processo e requisitos técnicos : Dec-Lei nº 127/2014 de 22 de agosto Portaria nº 268/2010 de 12 de Maio com

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013

HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR 2013 O Hospital realiza uma combinação complexa de atividades especializadas, onde o serviço de Higienização e Limpeza ocupam um lugar de grande importância. Ao se entrar em um

Leia mais

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO;

INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; INSTITUIÇÃO: DATA: RESPONSÁVEL PELA INSPEÇÃO: NOME DO RESP. PELO SERVIÇO; Tipo do Serviço: ( ) Próprio ( )terceirizado Nome; Possui Licença sanitária? ( ) SIM ( ) NÃO N /ANO: Há um encarregado do setor

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO PUBLICADO NO DOMP Nº 578 DE: 1º/08/2012 PÁG: 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PALMAS DECRETO Nº 293, DE 31 DE JULHO DE 2012 Dispõe sobre as normas sanitárias para o funcionamento das lavanderias em geral, de

Leia mais

NORMA MUNICIPAL Nº. 054

NORMA MUNICIPAL Nº. 054 NORMA MUNICIPAL Nº. 054 Portaria Nº.054. de 05 de julho de 2001 Norma de Armazenamento Externo de Contêineres de Resíduos Sólidos ORIGEM: Gestão Diferenciada de Resíduos Sólidos PALAVRA CHAVE: Resíduos

Leia mais

NOTA TÉCNICA AÇÕES DE ENGENHARIA EM SAÚDE PÚBLICA PARA O ATENDIMENTO DE CASOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE - SRAG

NOTA TÉCNICA AÇÕES DE ENGENHARIA EM SAÚDE PÚBLICA PARA O ATENDIMENTO DE CASOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE - SRAG MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde NOTA TÉCNICA AÇÕES DE ENGENHARIA EM SAÚDE PÚBLICA PARA O ATENDIMENTO DE CASOS DE SÍNDROME RESPIRATÓRIA

Leia mais

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação

Autoclavagem. Microondas. Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Tratamento preliminar e destinação USP Incineração Manejo de Resíduos Sólidos e de Serviços de Saúde Profa. Dra. Vera Letticie de Azevedo Ruiz 2014 1 Deve seguir a Resolução CONAMA nº 316 de 2002 Processo cuja operação seja realizada acima

Leia mais

ROTEIRO PARA INSPEÇÃO E AUTO-INSPEÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ODONTOLOGIA 1 -INTRODUÇÃO:

ROTEIRO PARA INSPEÇÃO E AUTO-INSPEÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ODONTOLOGIA 1 -INTRODUÇÃO: ROTEIRO PARA INSPEÇÃO E AUTO-INSPEÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ODONTOLOGIA 1 -INTRODUÇÃO: A vigilância Sanitária com suas atribuições definidas pela Carta Magna, pela Lei 8080/90 (Dispõe sobre as condições

Leia mais

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos;

a) sempre que se produza uma mudança nas condições de trabalho, que possa alterar a exposição aos agentes biológicos; Os 32 itens da NR-32 a serem trabalhados nesta primeira etapa do projeto 32 para implantação nos estabelecimentos de saúde até 2009 foram selecionados e estudados pela diretoria do Sinsaúde por serem os

Leia mais

PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia

PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia Conselho Regional de Odontologia de Rondônia Modelo (Cada estabelecimento deve adequar à sua realidade) PGRSS Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Odontologia Fonte: http://www.cro-ro.org.br/

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º - Por resíduos perigosos entende-se todo o lixo produzido por:

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Art. 1º - Por resíduos perigosos entende-se todo o lixo produzido por: 1 LEI Nº 897, DE 10 DE OUTUBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE "PROCEDIMENTOS RELATIVOS AOS RESÍDUOS PERIGOSOS" E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Mangaratiba faz saber que a Câmara Municipal de Mangaratiba,

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ RJ AGÊNCIA MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA DE RESÍDUOS

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ RJ AGÊNCIA MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA DE RESÍDUOS ESTADO DO RIO DE JANEIRO PREFEITURA MUNICIPAL DE MACAÉ RJ AGÊNCIA MUNICIPAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA DE RESÍDUOS MODELO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos para descarte de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação

Leia mais

Diretoria Geral de Odontologia Centro de Estudos e Pesquisas Odontológicas

Diretoria Geral de Odontologia Centro de Estudos e Pesquisas Odontológicas Diretoria Geral de Odontologia Centro de Estudos e Pesquisas Odontológicas No Brasil, há alguns anos atrás, os resíduos dos serviços de saúde (RSS) eram manejados da mesma forma que os resíduos domiciliares

Leia mais

. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos

. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos 1 - DISPOSIÇÕES GERAIS. Objetivos. Campo de Aplicação. Autoridade Regulatória. Inspeções Sanitárias. Infrações. Interpretações e Casos Omissos 2 - SISTEMA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA PRINCÍPIOS BÁSICOS. Justificação.

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS.

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO PARA O TRANSPORTE DE ALIMENTOS, MATÉRIA- PRIMA, INGREDIENTES E EMBALAGENS. RESOLUÇÃO.../SESA/PR O Secretário Estadual de Saúde, no uso de suas atribuições legais e: CONSIDERANDO a Portaria nº 326/1997/SVS/MS, a Resolução RDC nº275/2002, a Resolução RDC nº 216/2004, da ANVISA,

Leia mais

SAÚDE. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

SAÚDE. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: SAÚDE 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função: 2.Informações

Leia mais

Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde

Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL Manejo dos Resíduos de Serviços de Saúde Nos Estabelecimentos Assistenciais de Saúde Dados da Pesquisa Nacional de Saneamento Básico apontam que somente 63% dos municípios

Leia mais

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES

NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES NORMAS PARA VEÍCULOS DE TRANSPORTE DE PACIENTES C A ÇA D O R - S C DOCUMENTAÇÃO ALVARÁ SANITÁRIO 1. Requerimento DVS 2. CNPJ (jurídica) cópia atualizada 3. Documento do Veiculo 4. Taxa de Emissão de Alvará

Leia mais

Aplicação de injetáveis. Hotoniel Drumond

Aplicação de injetáveis. Hotoniel Drumond Aplicação de injetáveis Hotoniel Drumond Resolução CFF 499/2008 Dispõe sobre a prestação de serviços farmacêuticos, em farmácias e drogarias Seção V Da aplicação de injetáveis: Art 21 ao 24 Outras legislações

Leia mais

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR 24 - INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO 24.1 Instalações Sanitárias 24.1.1 Todo estabelecimento deve ser dotado de instalações sanitárias, constituídas por vasos sanitários,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Centro Estadual de Vigilância em Saúde Núcleo de Estabelecimento de Saúde PODOLOGIA Ana Carolina Kraemer Enfermeira - Especialista em Saúde Portaria

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DA GESTÃO DE RESIDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE EM UMA UNIDADE MUNICIPAL DE SAÚDE (UMS) DE BELÉM-PA SEGUNDO A LEGISLAÇÃO

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DA GESTÃO DE RESIDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE EM UMA UNIDADE MUNICIPAL DE SAÚDE (UMS) DE BELÉM-PA SEGUNDO A LEGISLAÇÃO AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DA GESTÃO DE RESIDUOS SÓLIDOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE EM UMA UNIDADE MUNICIPAL DE SAÚDE (UMS) DE BELÉM-PA SEGUNDO A LEGISLAÇÃO Raphael de Souza Vale(1) Graduando em Engenharia Ambiental

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho

Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde. Juarez Sabino da Silva Junior Técnico de Segurança do Trabalho Objetivo Estabelecer as diretrizes básicas para a implementação de medidas de proteção

Leia mais

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO I

SERVIÇO ESPECIALIZADO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO ANEXO I ANEXO I BIOSSEGURANÇA NAS ATIVIDADES EXERCIDAS NA UNIDADE O Ministério da Saúde estabelece que para manipulação de microrganismos, devem ser atendidos alguns requisitos de segurança, conforme sua classe

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PÚBLICA COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM LAVANDERIA ESTABELECIMENTO: DATA DA INSPEÇÃO:

Leia mais

RC 02/2005 (SEMA/SESA) ANEXO I

RC 02/2005 (SEMA/SESA) ANEXO I RC 02/2005 (SEMA/SESA) ANEXO I PGRSS Objetivo: redução, reaproveitamento e destinação final ambientalmente correta dos resíduos. Contempla os aspectos referentes à geração, segregação, acondicionamento,

Leia mais

Portaria nº 612/97 SES/GO de 25 de novembro de 1997

Portaria nº 612/97 SES/GO de 25 de novembro de 1997 SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO DE FONTES DE RADIAÇÕES IONIZANTES Portaria nº 612/97 SES/GO de 25

Leia mais

RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 041/2014.

RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 041/2014. RESOLUÇÃO CRMV-RJ Nº 041/2014. Ementa: Dispõe sobre a instalação e o funcionamento dos Serviços de Veterinária Especializados no âmbito do Estado do Rio de Janeiro. O (CRMV-RJ), no das atribuições que

Leia mais

PREZADO CLIENTE DESCRIÇÃO DO PRODUTO GARANTIA DO EQUIPAMENTO

PREZADO CLIENTE DESCRIÇÃO DO PRODUTO GARANTIA DO EQUIPAMENTO ÍNDICE Descrição do Produto... 03 Garantia do Equipamento... 03 Dados Gerais... 04 Especificações Técnicas... 05 Simbologia... 06 Dimensões... 07 Funcionamento... 08 Manutenção... 08 Precauções... 09 Limpeza...

Leia mais

Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto

Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira (Icesp) do Hospital das Clínicas da FMUSP Projeto de Redução dos Resíduos e Descarte Correto Responsável pelo trabalho: Vânia Rodrigues

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO)

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - PGRSS (MODELO BÁSICO) PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (MODELO BÁSICO) I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13)

RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) RESOLUÇÃO SESA Nº 465/2013 (Publicada no Diário Oficial do Estado nº 9036, de 04/09/13) O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, usando da atribuição que lhe confere o Art. 45, Inciso XIV, da Lei Estadual nº 8.485

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENADORIA GERAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NORMA TÉCNICA 2/07 Esta Norma dispõe sobre a Regulamentação e Controle das Condições Sanitárias

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03/2015 Descarte de resíduos infectantes e perfurocortantes. 1. Objetivo e aplicação Conforme as resoluções vigentes, os estabelecimentos de serviços de saúde são responsáveis pelo

Leia mais

SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS

SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS SÍNTESE DA RDC 306/04 ANVISA/MS NATAL/OUT/2013 RDC 306/04/ANVISA RESIDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE - RSS REGULAMENTAÇÃO HARMONIZAÇÃO ENTRE CONAMA E ANVISA Aprimorar, atualizar e complementar RDC 306/04/ANVISA

Leia mais

Diário Oficial da União DOU 10 de abril de 2001

Diário Oficial da União DOU 10 de abril de 2001 Diário Oficial da União DOU 10 de abril de 2001 RESOLUÇÃO - RDC Nº 56, DE 6 DE ABRIL DE 2001 Estabelece os requisitos essenciais de segurança e eficácia aplicáveis aos produtos para saúde, referidos no

Leia mais

Portaria nº 1032/98 SES/GO de 25 de maio de 1998 NORMA TÉCNICA DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CAPÍTULO I DA CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

Portaria nº 1032/98 SES/GO de 25 de maio de 1998 NORMA TÉCNICA DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CAPÍTULO I DA CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Portaria nº 1032/98 SES/GO de 25 de maio de 1998 NORMA TÉCNICA DOS RESÍDUOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE CAPÍTULO I DA CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Art. 1º - São os seguintes os resíduos que apresentam risco potencial

Leia mais

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo

NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 32/2014 Produtos Perigosos em Edificações de Armazenamento e Manejo SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

ANEXO 4 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA

ANEXO 4 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA ANEXO 4 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE SERVIÇOS DE ODONTOLOGIA Data da vistoria: / / A CADASTRO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO TÈCNICO REQUISITOS ESSENCIAIS DE SEGURANÇA E EFICÁCIA DOS PRODUTOS MÉDICOS

REGULAMENTO TÈCNICO REQUISITOS ESSENCIAIS DE SEGURANÇA E EFICÁCIA DOS PRODUTOS MÉDICOS MERCOSUL/GMC/RES.Nº 72/98 REGULAMENTO TÈCNICO REQUISITOS ESSENCIAIS DE SEGURANÇA E EFICÁCIA DOS PRODUTOS MÉDICOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 91/93,

Leia mais

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA

A - IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA ANEXO II REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS PECUÁRIOS ROTEIRO DE INSPEÇÃO DAS BOAS

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA SS/SMA/SJDC Nº 01, DE 29 DE JUNHO DE 1998

RESOLUÇÃO CONJUNTA SS/SMA/SJDC Nº 01, DE 29 DE JUNHO DE 1998 RESOLUÇÃO CONJUNTA SS/SMA/SJDC Nº 01, DE 29 DE JUNHO DE 1998 Aprova as Diretrizes Básicas e Regulamento Técnico para apresentação e aprovação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Serviços de

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Serviços de Limpeza e Disposição

Leia mais

Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências.

Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências. LEI Nº 10.099, DE 07 DE FEVEREIRO DE 1994. Dispõe sobre os resíduos sólidos provenientes de serviços de saúde e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço saber, em cumprimento

Leia mais

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES.

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PRINCIPAIS LEGISLAÇÕES SANITÁRIAS REFERENTES A ESTABELECIMENTOS DE SAÙDE PROJETOS RDC/ANVISA nº 50 de 21 de fevereiro de 2002 RDC/ANVISA nº 307 de 14/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento,

Leia mais

Engenharia Civil José Roberto Hino Junior (2º período) Stéfani Ferreira dos Santos (6º período)

Engenharia Civil José Roberto Hino Junior (2º período) Stéfani Ferreira dos Santos (6º período) Engenharia Civil José Roberto Hino Junior (2º período) Stéfani Ferreira dos Santos (6º período) Estabelecimentos Assistenciais de Saúde; Qualquer edificação destinada a assistência a saúde; Hospitais:

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

A S S U N T O S C NC P NA

A S S U N T O S C NC P NA Local da inspeção: CHECK LIST NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde Código: SEG-NWN/12 Parte: 1/3 Revisão: 00 Participantes: A S S U N T O S C NC P NA EPI S NR 6/NR 32.2.4.7/32.3.9.4.7

Leia mais

M A N U A L D E I N S T R U Ç Õ E S Kit de Sucção

M A N U A L D E I N S T R U Ç Õ E S Kit de Sucção M A N U A L D E I N S T R U Ç Õ E S Kit de Sucção Registre seu equipamento em nosso site: DryZap ÍNDICE Finalidade do manual Simbologia Descrição do produto Composição do produto Garantia Normas gerais

Leia mais

PORTARIA Nº 500 DE 2010

PORTARIA Nº 500 DE 2010 PORTARIA Nº 500 DE 2010 Regulamento técnico para Processamento de artigos por método físico em estabelecimentos sujeitos à Vigilância Sanitária no RS A SECRETÁRIA DA SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL, no uso

Leia mais

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor

Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Arquitetura do CME: seguindo as recomendações da RDC 15-15/03/12 Nome do autor Rosa M. P. Fonseca Supervisora do CC / CME do Hospital Paulistano Diretora do conselho Fiscal da SOBECC gestão 2013-2015 200

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE. RDC 306 Profª.Enfª:Darlene Carvalho

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE. RDC 306 Profª.Enfª:Darlene Carvalho GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE RDC 306 Profª.Enfª:Darlene Carvalho Abrangência : A todos os geradores de Resíduos de Serviços de Saúde Atendimento à saúde humana ou animal Serviços

Leia mais

PORTARIA SMS Nº 028, de 9 de outubro de 2014.

PORTARIA SMS Nº 028, de 9 de outubro de 2014. PORTARIA SMS Nº 028, de 9 de outubro de 2014. REGULAMENTA O DESCARTE DE MEDICAMENTOS E SUBSTÂNCIAS SOB CONTROLE ESPECIAL DA PORTARIA SVS/MS Nº 344/1998. O Secretário Municipal de Saúde de Betim - Gestor

Leia mais