Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo"

Transcrição

1 Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica : Metalurgia Qualificação Profissional: Soldador Arame Tubular SÃO PAULO

2 Formação Inicial e continuada - Plano de Curso de Qualificação Profissional Soldador Arame Tubular- AT SENAI-SP, 2009 Diretoria Técnica Coordenação Gerência de Educação Elaboração Gerência de Educação Escola SENAI Mário Henrique Simonsen CFP Piracicaba Escola SENAI Eng.º Octávio Marcondes Ferraz CFP Ribeirão Preto 2

3 SUMÁRIO I. QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL SOLDADOR ARAME TUBULAR - AT... 5 a) Objetivo...5 b) Requisitos de Acesso...5 c) Perfil da Qualificação Profissional Soldador Arame Tubular - AT...5 II. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR... 6 a) Quadro de Organização Curricular...6 b) Enfoque didático-pedagógico...6 c) Ementa de conteúdo formativo...9 d) Organização de turmas...24 III. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO IV. CRITÉRIOS DE APROVEITAMENTO DE CONHECIMENTOS E EXPERIÊNCIAS ANTERIORES V. INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS VI. PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO VII. CERTIFICADOS

4 4

5 I. QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL SOLDADOR ARAME TUBULAR - AT 1 a) Objetivo O Curso de Qualificação Profissional Soldador Arame Tubular - AT. tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a soldagem processo Arame Tubular, permitindo a aquisição de capacidades relativas a soldagem nas posições plana, horizontal e vertical, considerando a legislação pertinente, normas técnicas, bem como aspectos de saúde e meio ambiente. b) Requisitos de Acesso Os candidatos ao curso devem: ter concluído a 6ª série ou 7º ano 2 do Ensino Fundamental, ter, no mínimo, 18 anos completos. c) Perfil da Qualificação Profissional Soldador Arame Tubular - AT Corta, prepara e solda material metálico pelo processo Arame Tubular, nas posições plana, horizontal e vertical, para confecção e recuperação de equipamentos, máquinas, estruturas metálicas e ferramentas, utilizando materiais em aço carbono, montando e preparando o equipamento de soldagem e seguindo legislação pertinente, procedimentos e normas técnicas, de qualidade, de preservação ambiental, de saúde e segurança. 1 Esta Qualificação Profissional faz parte do Itinerário Formativo da Área Tecnológica de Metalurgia, disponível na Intranet, área Ensino Itinerários Formativos. 2 De acordo com a Lei Federal de 6 de fevereiro de 2006 que institui o ensino fundamental de 9 anos. 5

6 II. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR a) Quadro de Organização Curricular LEGISLAÇÃO UNIDADES CURRICULARES CARGA HORÁRIA TOTAL (HORAS) Lei Federal n o 9394/96 Decreto Federal nº5154/04 Lei Federal nº11741/08 Tecnologia da Soldagem-AT Simbologia da Soldagem Solda de Junta em Ângulo 3F-AT Solda de Junta de Topo 3G -AT Carga Horária Total 36 h 36 h 48 h 48 h 168 h b) Enfoque didático-pedagógico Os processos de ensino e de aprendizagem devem ser planejados pelo docente e desenvolvidos com a utilização de diferentes métodos, estratégias e técnicas, tendo em vista a aquisição de capacidades técnicas, sociais, organizativas e metodológicas e conhecimentos definidos como conteúdo formativo e necessários para o desempenho profissional do Soldador Arame Tubular - AT. Desse modo, o curso deve ser desenvolvido a partir da proposição de situações contextualizadas e desafiadoras, tais como situações-problema que envolvam tarefas, operações ou ensaios. Além disso, podem ser desenvolvidos projetos, pesquisas e atividades que levem o aluno ao entendimento tecnológico da área de soldagem processo Arame Tubular. De forma análoga, Simbologia de Soldagem, como pré-requisito para preparação, execução e controle de qualidade dos processos de soldagem, é uma unidade curricular que deve ser desenvolvida no início do curso. As aulas deverão ser desenvolvidas com enfoque nos fundamentos do traçado, das formas geométricas e da utilização dos instrumentos de Desenho Técnico Mecânico; a partir disso, o foco recai sobre o desenho de juntas de soldagem, mais especificamente de conjuntos soldados. É importante ressaltar que o objetivo dessa unidade curricular deve estar voltado prioritariamente à interpretação de desenhos e simbologia de soldagem, Considerando que o enfoque é a interpretação, atividades que envolvem a elaboração de croquis e desenhos de conjuntos de peças, podem contribuir para o alcance desse objetivo. 6

7 Dessa forma, é importante que todos os exemplos, modelos e exercícios sejam focados nos processos de soldagem, considerando suas diversas etapas, e que, para isso, haja integração de planejamento e desenvolvimento das aulas com as demais unidades curriculares propostas para o curso. A unidade curricular Tecnologia da Soldagem - AT tem como objetivo a consolidação e aplicação de princípios e conceitos referentes ao processo de soldagem e a todas as variáveis e aspectos que os envolvem. Para isso serão desenvolvidos, numa visão teórica-prática, os fundamentos técnicos e científicos referentes às características e aplicabilidade do processo de soldagem com eletrodo revestido, de técnicas, de materiais, máquinas, instrumentos, ferramentas, dispositivos e acessórios a eles referentes. Os aspectos de segurança devem ter destaque em função da constante exposição a riscos químicos, físicos, ambientais e ergonômicos a que esse profissional está sujeito, no exercício de suas funções. Nesse curso, essa Unidade Curricular assume uma característica estratégica na formação do Soldador, considerando a riqueza e diversidade do conteúdo formativo proposto, que vai possibilitar e favorecer o desenvolvimento das competências específicas que irão consolidar o perfil desse profissional. Portanto, o docente deve elaborar seu planejamento propondo a análise de exemplos, a realização de demonstrações e exercícios e a proposição de atividades, contextualizados com a área tecnológica da soldagem com eletrodo revestido. Isso justifica sua inclusão no início do curso, já inserindo o aluno no contexto teórico e prático da área tecnológica. Quanto à Unidade Curricular Solda de Junta de Topo 3G -AT, as aulas devem ser desenvolvidas com enfoque na execução do processo de soldagem Arame Tubular, prevendo o desenvolvimento de habilidades, a aplicação de técnicas, normas e procedimentos, a operação e regulagem de máquinas, a utilização de materiais e equipamentos de proteção, cuja abordagem envolve atividades relacionadas ao processos eletrodo revestido. Para isso, o docente deve propor suas situações de aprendizagem considerando as capacidades técnicas, as sociais, organizativas e metodológicas e os conhecimentos, provenientes da análise do perfil, expressos na ementa de conteúdos. Quanto à Solda de Junta em Ângulo 3F-AT, as aulas devem ser desenvolvidas com enfoque na execução do processo de soldagem Arame Tubular, prevendo o desenvolvimento de habilidades, a aplicação de técnicas, normas e procedimentos, a operação e regulagem de máquinas, a utilização de materiais e equipamentos de proteção, cuja abordagem envolve atividades relacionadas ao processos eletrodo revestido. Para isso, o docente deve propor suas situações de aprendizagem considerando as capacidades técnicas, as sociais, organizativas e metodológicas e os conhecimentos, provenientes da análise do perfil, expressos na ementa de conteúdos. No decorrer do processo formativo, deve-se observar: 7

8 a avaliação não tem um fim em si mesma, mas insere-se como estratégia fundamental para o desenvolvimento de competências; a avaliação não enfocará aspectos isolados da teoria desvinculada da prática, sem estabelecer relações entre elas; a avaliação fomentará a resolução de problemas em que seja necessário mobilizar conhecimentos, habilidades e atitudes. a avaliação enfatizará a proposição de situações, hipotéticas ou não, de ordem teórica e prática, que envolvem elementos relevantes na caracterização de desempenho profissional do Soldador Processo Arame Tubular; os resultados das avaliações deverão ser sempre discutidos com os alunos, para que haja clareza sobre o pretendido e o alcançado. Ademais, o processo de avaliação deve estar centrado principalmente nos resultados demonstrados pelo aluno durante a realização das situações de aprencizagem propostas. 8

9 c) Ementa de conteúdo formativo MÓDULO DE QUALIFICAÇÃO SOLDADOR PROCESSO ARAME TUBULAR - AT Unidade Curricular: Tecnologia da Soldagem - AT - 36 horas Capacidades Técnicas 3 Conhecimentos Identificar tipos, características e aplicabilidade de equipamentos de proteção utilizados no processo de soldagem. Selecionar equipamentos de proteção utilizados no processo de soldagem. Identificar aplicações da solda de revestimento. Indicar aplicações da solda em materiais dissimilares. Identificar tipos, características e aplicabilidade das diversas lixas a serem utilizadas na aplicação de técnicas de lixamento. Selecionar rebolos a serem utilizados na aplicação de técnicas de esmerilhamento. Identificar as características e aplicabilidade das diversas técnicas de controle de deformação de soldagem. Identificar as características e aplicabilidade do processo de soldagem MAG. Identificar as características e aplicabilidade dos diversos processos de corte (cortes térmicos e mecânicos), utilizados na preparação de juntas a serem soldadas. Identificar as características e aplicabilidade dos diversos processos de corte (cortes térmicos e mecânicos). Identificar as características e aplicabilidade dos Metais Ferrosos: Tipos; Características; Classificação; Propriedades físicas; Propriedades químicas; Propriedades mecânicas e metalúrgicas; Estrutura cristalina ; Aplicabilidade; Diagrama ferrocarbono. Metais Não-Ferrosos e Suas Ligas: Tipos; Características; Classificação; Propriedades físicas; Propriedades químicas; Propriedades mecânicas e metalúrgicas, Estrutura cristalina;aplicabilidade. Eletricidade Básica : Definições; Grandezas elétricas; Circuitos elétricos; Circuitos energizados; Equipamentos de proteção individual e coletiva; Radiação emitidas na soldagem; iluminação. Consumíveis de soldagem: Arames Eletrodos (Arames Sólidos); Normalização; Especificação; Classificação; Aplicação;Procedimentos de conservação e armazenagem. Equipamentos de Proteção Individual e Coletiva: Tipos, características, normalização, aplicabilidade. Riscos: ergonômicos; físicos; químicos; manuseio e transporte de cargas. Lixas : tipos; características; aplicabilidade. Rebolos: tipos; características; aplicabilidade. Lixamento: tipos; características de máquinas; ferramentas; acessórios. 3 Caracterizam uma qualificação, expressando desempenhos específicos (explicitados por verbos), seguidos de contextualização (conhecimento) que são resultado da análise das competências profissionais de um perfil. Permitem operar eficientemente os objetos e variáveis que interferem diretamente na criação do produto. Implicam o domínio dos conteúdos do âmbito do trabalho e a posse de conhecimento e habilidades necessários em determinada atividade. 4 As capacidades sociais permitem responder a relações e procedimentos estabelecidos na organização do trabalho, e integrar-se com eficácia, em nível horizontal e vertical, cooperando com outros profissionais de forma comunicativa e construtiva; as organizativas permitem coordenar as diversas atividades, participar na organização do ambiente de trabalho e administrar racional e conjuntamente os aspectos técnicos, sociais e econômicos implicados, bem como utilizar forma adequada e segura os recursos materiais e humanos à disposição; as metodológicas permitem responder a situações novas e imprevistas que se apresentem no trabalho, com relação a procedimentos, seqüências, equipamentos e produtos, encontrar soluções apropriadas e tomar decisões autonomamente. 9

10 MÓDULO DE QUALIFICAÇÃO SOLDADOR PROCESSO ARAME TUBULAR - AT Unidade Curricular: Tecnologia da Soldagem - AT - 36 horas diversos tipos de materiais utilizados na confecção de escovas a serem aplicadas no escovamento da junta soldada. Identificar as diversas técnicas de controle de deformação de soldagem. Avaliar as possíveis causas e soluções de descontinuidade provenientes do processo de corte. Identificar as propriedades mecânicas do metal de base. Aplicar as técnicas de marcação da soldagem realizada. Identificar as técnicas de realização dos ensaios de líquido penetrante. Identificar características do processo de soldagem pelo processo MAG. Identificar características e aplicabilidade de máquinas, ferramentas e acessórios utilizados nos processos de corte. Identificar características e aplicabilidade dos diversos processos mecânicos e químicos para limpeza de superfície, na preparação de juntas soldadas. Identificar características e aplicabilidade dos diversos processos manuais e mecânicos da junta soldada. Identificar características e tipos de radiações emitidas na soldagem. Identificar causas e possíveis soluções de Esmerilhamento: tipos; características de máquinas; ferramentas; acessórios. Escovação: tipos; características de máquinas; ferramentas; acessórios. Corte: características; aplicação; descontinuidades; mecânico; térmico. Simbologia e Terminologia: tipos; características; aplicabilidade. Processo Arame Tubular: Máquinas; Equipamentos; Ferramentas ; Acessórios de Soldagem; Gases. Controle de Temperatura: tipos, características e aplicabilidade dos instrumentos de controle de temperatura de pré e pós-aquecimento dos processos de soldagem; isolantes térmicos. Descontinuidades e Defeitos na Soldagem: tipos, características, causas e efeitos; instrumentos para detecção de descontinuidade e correção do defeito. Limpeza e acabamento do metal de base, consumíveis e superfície soldada: Processo Mecânico e Processo Químico. Corrosão: definição; tipos, características; causas e efeitos. Ensaios destrutivos e não-destrutivos: definição; tipos; características; aplicabilidade. Soldabilidade dos materiais metálicos e suas ligas:tipos; características e aplicabilidade no processo Arame Tubular. descontinuidade provenientes do processo de limpeza de juntas. Identificar classificação, especificação e aplicação de arames. Selecionar dispositivos e gabaritos necessários à execução do trabalho de soldagem. Identificar instrumentos para controle de temperatura. Selecionar máquinas, ferramentas e acessórios utilizadas nos processos de limpeza de superfície, na 10

11 MÓDULO DE QUALIFICAÇÃO SOLDADOR PROCESSO ARAME TUBULAR - AT Unidade Curricular: Tecnologia da Soldagem - AT - 36 horas preparação de juntas soldadas. Apontar os efeitos dos fumos e gases provenientes do processo de soldagem MAG. Identificar tipos, características e aplicabilidade de máquinas, ferramentas e acessórios utilizados nos processos de corte. Identificar máquinas, ferramentas e acessórios utilizados nos processos de limpeza da junta soldada. Identificar máquinas, ferramentas e instrumentos necessários à execução do trabalho de soldagem. Aplicar métodos e procedimentos de armazenagem, secagem, e manutenção de consumíveis utilizados nos processos de soldagem. Identificar os diversos processos manuais e mecânicos para limpeza da junta soldada. Identificar os diversos tipos de deformação de peças soldadas. Identificar os riscos referentes à utilização de lixas na aplicação de técnica de lixamento nas juntas soldadas. Identificar os riscos referentes à utilização de máquinas e ferramentas para a eliminação de defeitos da junta soldada Identificar os riscos referentes à utilização de máquinas, ferramentas e produtos químicos aplicados no processo de acabamento da junta soldada. Apontar os riscos referentes à utilização de produtos químicos aplicados nos processos de decapagem química. Identificar os riscos referentes à utilização de rebolos de acabamento na aplicação de técnica de esmerilhamento nas juntas soldadas. Identificar os tipos, as características e aplicabilidade das diversas lixas a serem utilizadas na aplicação de técnica de lixamento. Identificar os tipos, as características e aplicabilidade 11

12 MÓDULO DE QUALIFICAÇÃO SOLDADOR PROCESSO ARAME TUBULAR - AT Unidade Curricular: Tecnologia da Soldagem - AT - 36 horas das diversas técnicas de decapagem e seus correspondentes produtos químicos a serem utilizadas nos processos de acabamento da junta soldada. Identificar os tipos, características e aplicabilidade das máquinas e ferramentas utilizadas na eliminação de defeitos da junta soldada. Identificar os tipos, características e aplicabilidade de ferramentas utilizadas nos processos de alívio de tensão da junta soldada por martelamento. Identificar os tipos, características e aplicabilidade de máquinas e ferramentas utilizadas no processo de lixamento das juntas soldadas. Identificar os tipos, características e aplicabilidade de máquinas e ferramentas utilizadas no processo de esmerilhamento das juntas soldadas. Identificar propriedades físicas, mecânicas e metalúrgicas dos metais de base utilizados na soldagem. Identificar propriedades mecânicas e metalúrgicas (estrutura cristalina) dos aços médio carbono. Identificar propriedades mecânicas, químicas e metalúrgicas dos materiais utilizados na montagem de juntas soldadas. Identificar propriedades metalúrgicas (estrutura cristalina) dos materiais a serem soldados. Identificar propriedades metalúrgicas (estrutura cristalina) dos consumíveis de soldagem. Identificar propriedades químicas (corrosão, elementos químicos) dos consumíveis de soldagem. Identificar riscos ergonômicos, físicos e químicos nocivos à saúde. Identificar técnicas de inclinação de eletrodos revestidos. Selecionar EPI e EPC utilizados no manuseio de equipamentos energizados. 12

13 MÓDULO DE QUALIFICAÇÃO SOLDADOR PROCESSO ARAME TUBULAR - AT Unidade Curricular: Tecnologia da Soldagem - AT - 36 horas Identificar tipos de proteção utilizados em circuitos elétricos. Identificar tipos de riscos existentes em circuitos elétricos. Identificar tipos e características das descontinuidades da junta soldada. Identificar tipos e características de consumíveis utilizados na soldagem. Identificar tipos e características de ensaios nãodestrutivos, aplicados na avaliação visual de juntas soldadas. Identificar técnicas de inclinação da tocha. Identificar técnicas de movimentação da tocha. Identificar tipos e características de instrumentos de medição, utilizados na montagem de juntas. Identificar tipos e características elétricas das máquinas e instrumentos utilizados nos processos de soldagem. Identificar tipos e propriedades dos metais de adição utilizados nos processos de soldagem. Identificar tipos, características e aplicabilidade das máquinas de energia sinérgica e pulsada. Identificar tipos, características e aplicabilidade das máquinas de soldagem pulsadas e convencionais. Identificar tipos, características e aplicabilidade das máquinas, ferramentas e acessórios utilizados no processo de soldagem MAG. Identificar tipos, características e aplicabilidade das máquinas de soldagem convencionais. Identificar tipos, características e aplicabilidade das técnicas de preparação de emenda do cordão de solda. Identificar tipos, características e aplicabilidade das técnicas de soldagem de revestimento de peças. Identificar tipos, características e aplicabilidade das 13

14 MÓDULO DE QUALIFICAÇÃO SOLDADOR PROCESSO ARAME TUBULAR - AT Unidade Curricular: Tecnologia da Soldagem - AT - 36 horas técnicas de resfriamento da peça soldada. Identificar tipos, características e aplicabilidade de ensaios não-destrutivos, aplicados na avaliação visual de juntas soldadas. Identificar tipos, características e aplicabilidade de exaustores utilizados nos processos de soldagem. Identificar tipos, características e aplicabilidade de instrumentos utilizados na inspeção visual das juntas soldadas. Identificar tipos, características e aplicabilidade de instrumentos utilizados na identificação da localização e da extensão do defeito da junta soldada. Identificar tipos, características e aplicabilidade de máquinas utilizadas nos procedimentos de préaquecimento, no processo de soldagem. Identificar tipos, características e aplicabilidade de máquinas, ferramentas, instrumentos e acessórios utilizados na preparação de emendas dos cordões de solda. Identificar tipos e características dos materiais metálicos (aço, ferro, fundido, alumínio, bronze, cobre, aço inoxidável, etc.) utilizados nos processos de soldagem. Identificar tipos, características e aplicabilidade de metais de adição para solda de revestimento. Identificar tipos, características e aplicabilidade dos acessórios de máquinas para soldagem. Identificar tipos, características e aplicabilidade dos acessórios de máquinas de soldagem convencionais. Identificar tipos, características e aplicabilidade dos ensaios destrutivos utilizados na verificação das características mecânicas das juntas soldadas. Identificar tipos, características e aplicabilidade dos instrumentos utilizados nos processos de controle de temperatura da junta soldada. 14

15 MÓDULO DE QUALIFICAÇÃO SOLDADOR PROCESSO ARAME TUBULAR - AT Unidade Curricular: Tecnologia da Soldagem - AT - 36 horas Identificar tipos, características e aplicabilidade dos isolantes térmicos a serem utilizados na peça soldada. Identificar tipos, características e aplicabilidade dos procedimentos de controle de temperatura de interpasse, nos processos de soldagem. Identificar tipos, características e aplicabilidades dos EPI e EPC utilizados na soldagem. Identificar tipos, características e conseqüências das descontinuidades das juntas soldadas. Identificar tipos, características, aplicabilidade e propriedades mecânicas e metalúrgicas (estrutura cristalina) dos aços baixo carbono. Identificar tipos, características, aplicabilidade e soldabilidade dos aços médio carbono. Identificar tipos, características, propriedades e aplicabilidade das ligas metálicas. Identificar tipos, características, propriedades e aplicabilidade de aço baixo carbono. Identificar tipos, características, propriedades e aplicabilidade dos metais de base e do metal depositado na junta soldada. Capacidades Sociais, Organizativas e Metodológicas 4 Argumentar tecnicamente. Fazer previsão de conseqüências. Manter o local de trabalho limpo e organizado. Seguir normas e procedimentos. Ter consciência prevencionista em relação a saúde e segurança no trabalho. Trabalhar em equipe. Zelar pelas condições de equipamentos, máquinas, instrumentos e ferramentas. 15

16 MÓDULO DE QUALIFICAÇÃO SOLDADOR PROCESSO ARAME TUBULAR - AT Unidade Curricular: Simbologia da Soldagem - 36 horas Capacidades Técnicas Conhecimentos Desenhar formas em perspectiva a mão livre Elaborar desenho de conjuntos soldados. Elaborar desenho de peças. Identificar formas em perspectiva. Identificar formas geométricas planas e espaciais. Identificar os principais fundamentos do desenho técnico mecânico (projeção ortogonal, desenho geométrico, cotagem, cortes e escala) Identificar simbologia de soldagem. Interpretar desenho técnico de conjuntos montados (caldeiraria, metalmecânica, conjuntos montados). Interpretar desenhos. Ler e interpretar desenho técnico mecânico. Ler e interpretar simbologia de soldagem. Unidades de medidas: milímetro; polegada; grau. Características, funções e manejos de materiais e instrumentos: papel; lápis; borracha; compasso; régua T ; esquadros; régua paralela; escalímetro. Caligrafia técnica; Figuras e sólidos geométricos: ponto, linha e reta; superfícies planas e figuras planas; cubo, pirâmides, prismas e sólidos de revolução. Projeção ortográfica: definição; tipos de linhas; planos de projeção; vistas. Cotagem: definição; elementos; com eixo de simetria; detalhes; simbologias; por face de referência; por linhas básicas; furos espaçados igualmente; espaços reduzidos; por coordenadas. Escala: definição; natural; de ampliação; de redução. Capacidades Sociais, Organizativas e Metodológicas Argumentar tecnicamente. Fazer previsão de conseqüências. Seguir normas e procedimentos. Ser cuidadoso. Ter atenção a detalhes. Ter consciência prevencionista em relação à saúde e segurança no trabalho. Ter rigor técnico. Cortes: definição; tipos de cortes. Tipos de juntas soldadas Casos especiais de projeção ortográfica: vistas laterais; vista auxiliar; vista simplificada; rotação de elementos oblíquos; vista especial com indicação. Projeção no 3º diedro. Componentes padronizados. Tolerância: dimensional; geométrica; ajustes e aplicações tabela ISO. Desenho rigoroso de detalhes e de conjuntos. Simbologia de soldagem. 16

17 MÓDULO DE QUALIFICAÇÃO SOLDADOR PROCESSO ARAME TUBULAR Unidade Curricular: Solda de Junta em Ângulo 3F - AT - 48 horas Capacidades Técnicas Conhecimentos Ajustar parâmetros ao operar máquinas, na soldagem pelo processo Arame Tubular. Analisar, no procedimento, as informações referentes à temperatura de interpasse, na soldagem pelo processo Arame Tubular. Aplicar normas de segurança referentes aos circuitos elétricos, na operação de máquinas, no processo de soldagem Arame Tubular. Aplicar normas de segurança, de acordo com o local de trabalho, na soldagem pelo processo Arame Tubular. Aplicar técnicas de inclinação da tocha, na soldagem de peças em aço baixo carbono, em todas as posições, pelo processo Arame Tubular. Aplicar técnicas de limpeza entre os passes da soldagem, de acordo com procedimentos, na Aplicar técnicas de limpeza entre os passes de soldagem, na soldagem de peças em aço, em aço baixo carbono, em todas as posições, pelo processo Arame Tubular. Aplicar técnicas de movimentação da tocha, na soldagem de em aço baixo carbono, em todas as posições, pelo processo Arame Tubular. Aplicar técnicas de pré-aquecimento, no controle de temperatura, na soldagem pelo processo Arame Tubular. Aplicar técnicas de soldagem com arame metal core, na Avaliar as condições de acabamento, após a Processo Arame Tubular: Definição; Fundamentos do processo; Equipamentos de soldagem; Tipos características e aplicação dos acessórios das máquinas de solda; Tipos de máquinas para soldagem; Retificadores, transformadores, inversores; Máquina de soldagem sinérgicas; Comportamento da atmosfera ativa no processo MAG; Máquina de soldagem multiprocesso; Tipos de Transferência do metal de adição; Tipos e funções dos consumíveis Gases e eletrodos; Características e aplicações; Descontinuidades induzidas pelo processo. Técnicas Processo Arame Tubular : ângulos e movimentos laterais; sentido da soldagem; ângulo de inclinação transversal; ângulo de inclinação longitudinal; comprimento do arco elétrico na soldagem; Técnica de soldagem em junta de topo e de ângulo, em aço baixo carbono, em todas as posições. Técnica de Soldagem na posição plana, de topo e horizontal em ângulo, com arame metal-cored. Regulagem de parâmetros de soldagem, em todas as posições. Operação de equipamentos de soldagem sinérgicos e pulsados. Regulagem de parâmetros, seguindo especificações técnicas definidas em catálogos e em procedimentos. Segurança e higiene na soldagem: radiações emitidas na soldagem, raios ultravioleta, raios infravermelho, proteção ocular e facial, área protegida pelos equipamentos, materiais utilizados nos equipamentos, visor para lente filtrante e lente de proteção, ventilação, lentes de proteção, lentes filtrantes, manutenção, vestuário de proteção, luvas, macacões, casacos, aventais, mangas, perneiras, aventais conjugados, touca, sapato de segurança, protetores auriculares, equipamentos de proteção respiratória. aplicação dos processos de limpeza entre os passes de soldagem da junta soldada, pelo processo Arame 17

18 Tubular. MÓDULO DE QUALIFICAÇÃO SOLDADOR PROCESSO ARAME TUBULAR Unidade Curricular: Solda de Junta em Ângulo 3F - AT - 48 horas Avaliar as condições do ambiente onde será realizada a soldagem, em aço, em aço baixo carbono, em todas as posições, pelo processo Arame Tubular, tendo em vista evitar interferências no processo (vento, poeira, umidade). Avaliar viabilidade técnica e econômica dos processos de limpeza de superfície da junta a ser soldada, na Compatibilizar dados de temperatura medidos em instrumento e equiparar com o procedimento, na Consultar, em catálogos e manuais, as especificações de máquinas, ferramentas e acessórios utilizados na preparação de emendas do cordão de solda, na Controlar a temperatura entre os passes, na soldagem de peças em aço, em aço baixo carbono, em todas as posições, pelo processo Arame Tubular. Controlar temperatura entre os passes, de acordo com procedimentos, na soldagem pelo processo Arame Tubular. Definir máquinas, ferramentas e acessórios para preparação de emendas nos cordões de solda, na Executar limpeza mecânica entre os passes de soldagem, na soldagem pelo processo Arame Tubular. Identificar as vantagens de utilização das máquinas, na Identificar normas de segurança, de acordo com o local de trabalho (ambientes confinados, riscos de queda, incêndio, explosão, etc), na soldagem pelo processo Arame Tubular. Identificar risco de acidentes em ambientes de soldagem. Identificar vantagens e desvantagens da soldagem com metal cored, na soldagem pelo processo Arame 18

19 Tubular. MÓDULO DE QUALIFICAÇÃO SOLDADOR PROCESSO ARAME TUBULAR Unidade Curricular: Solda de Junta em Ângulo 3F - AT - 48 horas Preparar, de acordo com procedimentos, a emenda do cordão de solda, na soldagem pelo processo Arame Tubular. Realizar cálculo de temperatura de interpasse, fazendo conversão de unidades, a partir de resultados obtidos em instrumentos de medição, na soldagem pelo processo Arame Tubular. Regular parâmetros de máquinas, na soldagem de peças em aço, em aço baixo carbono, em todas as posições, pelo processo Arame Tubular. Regular parâmetros para soldagem pelo processo MAG, utilizando arame metal cored, de acordo com especificações técnicas de catálogos e manuais. Relacionar a temperatura de interpasse com as características do metal de base, na soldagem pelo processo Arame Tubular. Selecionar as fontes para operar máquinas, na Selecionar corretamente os EPI e EPC na soldagem de peças pelo processo Arame Tubular. Selecionar o arame metal core para soldagem pelo processo Arame Tubular. Soldar junta de peças, em aço baixo carbono, em todas as posições, pelo processo Arame Tubular. Soldar peças com arame metal core, na soldagem pelo processo Arame Tubular. Soldar pelo processo MAG utilizando máquinas, de acordo com normas e procedimentos. Utilizar acessórios de máquinas de soldagem, de acordo com o procedimento, na soldagem pelo processo Arame Tubular. Utilizar EPI e EPC de acordo com o processo de limpeza da junta soldada, na soldagem pelo processo MAG. Utilizar EPI na soldagem de peças em aço baixo carbono, em todas as posições, pelo processo Arame Tubular. 19

20 MÓDULO DE QUALIFICAÇÃO SOLDADOR PROCESSO ARAME TUBULAR Unidade Curricular: Solda de Junta em Ângulo 3F - AT - 48 horas Utilizar EPI para operar máquinas, na soldagem pelo processo Arame Tubular. Utilizar EPIs adequados na aplicação de técnicas de controle de temperatura de interpasse, na soldagem pelo processo Arame Tubular. Utilizar máquinas de soldagem, de acordo com o procedimento, na soldagem pelo processo Arame Tubular. Utilizar máquinas, ferramentas e acessórios para preparação de emendas nos cordões de solda, na Capacidades sociais, organizativas e metodológicas Prever conseqüências. Seguir normas e procedimentos. Ser criterioso. Ser cuidadoso. Ser ético. Ser metódico. Ter consciência prevencionista em relação à saúde e segurança no trabalho. Ter raciocínio lógico. Trabalhar em equipe. 20

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: METALMECÂNICA Aperfeiçoamento

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Eletroeletrônica

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 11741/08 e Lei nº 11.741/08) PLANO DE CURSO Área: Manutenção Mecânica Qualificação:

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Resolução CNE/CEB 5154/04) Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Gráfica Qualificação

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Gestão

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Tecnologia

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Tecnologia

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI. Robson Braga de Andrade. Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI. Robson Braga de Andrade. Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET Rafael Esmeraldo Lucchesi Ramacciotti Diretor de Educação e Tecnologia SERVIÇO NACIONAL

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Logística

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Eletroeletrônica

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada de Trabalhadores (Resolução CNE/CEB 5154/04) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalmecânica

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11.741/08) PLANO DE CURSO Área: Segurança do Trabalho

Leia mais

SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS

SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS (Arame Tubular, Eletrodo Revestido, MIG/MAG e TIG) Esquemas de Certificação Maio de 2015 Página 1 de 42 SUMÁRIO Soldador de Materiais Metálicos no Processo Arame Tubular...

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Eletroeletrônica

Leia mais

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão.

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão. CatÁlogo de cursos Eixo tecnológico - Controle e Processos Industriais Ajustador Mecânico Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: MECÂNICO DE AR CONDICIONADO AUTOMOTIVO - PRONATEC 200 horas ÁREA: AUTOMOTIVA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

Vantagens e Desvantagens do Ensino a Distância

Vantagens e Desvantagens do Ensino a Distância Solda soldagem EaD 10/10/2010 Vantagens e Desvantagens do Ensino a Distância Prof. Dr. Almir M. Quites www.soldasoft.com.br O mercado exige cada vez mais qualificação profissional, mas todos nós temos

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5.154/04 e Lei Federal nº 11.741/2008) PLANO DE CURSO Área: Manutenção Mecânica

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área: Eletroeletrônica

Leia mais

Prêmio Soldador Padrão 2016

Prêmio Soldador Padrão 2016 Prêmio Soldador Padrão 2016 Inscrições de 01/04/2016 até 15/07/2016 INSCRIÇÕES GRATUITAS Instruções aos Competidores INTRODUÇÃO O Prêmio Soldador Padrão tem como objetivo estimular o aprendizado e o desenvolvimento

Leia mais

Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático

Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático As atividades de soldagem são um desafio constante aos profissionais de saúde e segurança do trabalho. Calor excessivo, movimentos repetitivos,

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: ELETRICISTA INSTALADOR PREDIAL DE BAIXA TENSÃO - PRONATEC 224 horas ÁREA: ENERGIA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI

INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI INSPECTORES DE SOLDADURA SISTEMA AWS / CWI PROGRAMA DO CURSO AWS / CWI Programa de Formação AWS / CWI, Documentos a distribuir aos Formandos, exames AWS conteúdo e respectiva classificação para aprovação

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO Prof. Marcio Gomes 1 Soldagem a arco elétrico É um processo de soldagem por fusão em que a fonte de calor é gerada por um arco elétrico formado

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Química

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Processos de fabricação

Processos de fabricação Processos de fabricação SOLDAGEM 1 Soldagem: introdução A soldagem está intimamente ligada às mais importantes atividades industriais que existem no mundo moderno: construção naval, ferroviária, aeronáutica

Leia mais

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são:

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são: 1 Objetivo/Justificativa 2 Introdução 2.1 Soldagem por Arco Submerso 2.1.1 Princípio de Funcionamento 2.2 Soldagem por Arame Tubular 2.2.1 Princípio de Funcionamento 3 Descrição da Prática 3.1 Materiais

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 53 CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 54 PROCESSO MIG/MAG (METAL INERT GAS/METAL ACTIVE GAS) MIG é um processo por fusão a arco elétrico que utiliza um arame eletrodo consumível continuamente alimentado à poça

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG)

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Este é o processo mais amplamente usado devido a sua versatilidade e alta qualidade bem como a aparência estética do acabamento

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral.

Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Ementas: Cálculo Diferencial e Integral 80hrs Funções de uma variável e seus gráficos; Limites e continuidade; Derivada; Diferencial; Integral. Desenho Mecânico 80hrs Normalização; Projeções; Perspectivas;

Leia mais

REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA

REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA REVESTIMENTOS AUTOMATIZADOS EM CAMISAS DE MOENDA Tcg Alexandre Serra dos Santos Para se fazer o trabalho de revestimento protetor das camisas de moenda através de um sistema automatizado é necessário uma

Leia mais

CURSO ONLINE CORELDRAW ILUSTRAÇÃO DIGITAL PLANO DE CURSO

CURSO ONLINE CORELDRAW ILUSTRAÇÃO DIGITAL PLANO DE CURSO CURSO ONLINE CORELDRAW ILUSTRAÇÃO DIGITAL PLANO DE CURSO Objetivo: O Curso EAD - CorelDRAW - Ilustração digita tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a criação de desenhos, logotipos

Leia mais

E-QP-ECD-077 REV. C 01/Abr/2008 - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES

E-QP-ECD-077 REV. C 01/Abr/2008 - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES ENGENHARIA - PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - TUBULAÇÕES Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado, a proposta e a justificativa.

Leia mais

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014.

Parecer de Autorização de Funcionamento: CEED nº 650/2014. CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA O Curso Técnico de Nível Médio em Eletrotécnica, Eixo Tecnológico Controle e Processos Industriais são organizados em 3 módulos de 400 horas. Ao final do curso, 400 horas

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS. Introdução COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL SOLDAGEM DE AÇOS INOXIDÁVEIS Introdução Os aços inoxidáveis austeníticos são facilmente soldados com ou sem arame de enchimento. Ë considerável a utilização

Leia mais

FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM

FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM NORMA FBTS N-008 Novembro/15 Revisão 0 CRITÉRIOS PARA A QUALIFICAÇÃO E A CERTIFICAÇÃO DE SUPERVISORES E ENCARREGADOS DE SOLDAGEM FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA

Leia mais

versão com máscara disponível Apresentação do Sistema

versão com máscara disponível Apresentação do Sistema versão com máscara disponível Apresentação do Sistema Treinamento e simulação de soldagem em um ambiente virtual. Agilize seus processos de capacitação de soldadores com esta nova ferramenta. O SOLVI é

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

Rua Benedito Freire da Paz, 197 Boa Esperança Santa Luzia/MG. Telefone: 3641-4518 www.senai-mg.org.br

Rua Benedito Freire da Paz, 197 Boa Esperança Santa Luzia/MG. Telefone: 3641-4518 www.senai-mg.org.br Segurança na Operação de Empilhadeira Operam empilhadeiras e as demais atividades relativas ao manuseio e transporte de cargas observando os requisitos da norma regulamentadora 11 e as das demais normas

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Logística

Leia mais

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Área Profissional: INDÚSTRIA Qualificação

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem: - Grande aplicação nas atividades industriais que existem no mundo moderno: construção naval, ferroviária, aeronáutica e automobilística,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

Suportes de Tubulações

Suportes de Tubulações Suportes de Tubulações Classificação dos Suportes Destinados a sustentar os pesos Fixos Semimóveis Móveis (Suportes de mola e suportes de contrapeso) Destinados a limitar os movimentos dos tubos Dispositivo

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 07 Solda A soldagem é um tema muito extenso. Basicamente a soldagem é a união de materiais, mas existem inúmeros processos totalmente diferentes

Leia mais

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS SETEMBRO / 2005 SANTA MARIA - RS Avenida. Medianeira 1900, Centro Santa Maria/ RS, CEP 97060-002- Fone (55) 3027 8911 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções.

Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções. São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro, 2010 Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções. Paulo Rogerio Santos de Novais * * Tecnólogo

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

CM ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA PLANO DE CURSO

CM ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA PLANO DE CURSO CM ENCARREGADO DE MONTAGEM MECÂNICA PLANO DE CURSO Perfil Profissional Competência Geral obra. Coordenar as montagens mecânicas de acordo com o planejamento da Competência de Gestão Identificar e interpretar

Leia mais

Processos Construtivos

Processos Construtivos Patrocínio: Coordenação: Parcerias: Processos Construtivos Soldagem Elaborado por: Bruno Stupello As informações e análises contidas nesse documento são de responsabilidade do Centro de Estudos em Gestão

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências CARGO AGENTE DE MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS Área de Concentração: Funilaria de Autos 1. Os processos de soldagem podem ser classificados em três

Leia mais

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem?

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? 1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? (a) Controle de Desempenho de Soldadores e Operadores de Soldagem.. (b) Registro da

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem semi-automática GMAW. Familiarizar-se com os consumíveis

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: CARPINTEIRO DE OBRAS - PRONATEC - 224 horas ÁREA: CONSTRUÇÃO MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): UNIDADE DE ARAGUAÍNA Plano de Curso Simplificado

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Fundição A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento nos principais setores industriais do Brasil e possui um programa

Leia mais

LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO. 1. Descrição Física

LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO. 1. Descrição Física LABORATÓRIO DE FUNDIÇÃO 1. Descrição Física O espaço físico deste laboratório deve ser de 100 m 2, com piso em cimento queimado e uma área de aproximadamente 3 m 2 em terra batida para vazamento de metal,

Leia mais

Higiene e Segurança no Trabalho

Higiene e Segurança no Trabalho Curso Técnico em Mecânica Integrado ao Ensino Médio. Higiene e Segurança no Trabalho EPI & EPC Joinville, outubro de 2014 Medidas de Proteção no Trabalho Quando se fala em Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM

SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM SIMBOLOGIA DA SOLDAGEM Ricardo Leli dos Santos (leli@ig.com.br) Aires Gomes Sabino (agsabino@bol.com.br) Cícero Roberto Gonçalves Bezerra (fe3c_w@gmx.net) RESUMO A simbologia de soldagem é a representação

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI

NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI ANEXO II NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI Equipamento de Proteção Individual EPI Enquadramento NR 06 Anexo I A PROTEÇÃO DA CABEÇA Proteção da cabeça contra: A.1.1. Impactos de objetos sobre o crânio;

Leia mais

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Missão Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. Políticas de Gestão do

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

Prever, separar e inspecionar os equipamentos, ferramentas, aparelhos, dispositivos, materiais, EPI s e EPC s necessários. Capacete de segurança

Prever, separar e inspecionar os equipamentos, ferramentas, aparelhos, dispositivos, materiais, EPI s e EPC s necessários. Capacete de segurança 80 - COMISSÃO TRIPARTITE PERMANENTE DE NEGOCIAÇÃO DO SETOR ELETRICO NO ESTADO DE SP QUADRO DEMONSTRATIVO DAS ETAPAS DE SEGURANÇA: Objetivo: Padronizar os procedimentos de segurança Inspeção Geral em TP

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO. Área Profissional: INDÚSTRIA

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO. Área Profissional: INDÚSTRIA Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo PLANO DE CURSO Área Profissional: INDÚSTRIA Aprendizagem Industrial: Mecânico de Manutenção SÃO PAULO Plano de Curso de Qualificação

Leia mais

Integrado em Automação Industrial

Integrado em Automação Industrial Plano de Trabalho Docente (PTD) Integrado em Automação Industrial Ano Letivo de 2014 1 Sumário 1º Módulo COMPONENTE CURRICULAR: ELETRICIDADE BÁSICA... 5 COMPONENTE CURRICULAR: INSTALAÇÕES ELÉTRICAS...

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PROTEÇÃO DO HOMEM NOS SERVIÇOS DE REPARO DE CAVITAÇÃO DE UNIDADES GERADORAS

EVOLUÇÃO DA PROTEÇÃO DO HOMEM NOS SERVIÇOS DE REPARO DE CAVITAÇÃO DE UNIDADES GERADORAS EVOLUÇÃO DA PROTEÇÃO DO HOMEM NOS SERVIÇOS DE REPARO DE CAVITAÇÃO DE UNIDADES GERADORAS Autores Luiz Antonio Bueno Gerente da Divisão de Segurança e Higiene Industrial Sueli Pereira Vissoto Técnica de

Leia mais

Equipamentos de Proteção Individual (EPI)

Equipamentos de Proteção Individual (EPI) Equipamentos de Proteção Individual (EPI) SEGURANÇA NA SOLDAGEM Segurança na Soldagem 1.1 - Principais riscos para um soldador 1.1.1 - Poluição por fumos de soldagem 1.1.2 - Radiações visíveis e invisíveis

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec:PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

FORMAÇÃO INICIAL. Qualificação Profissional Básica PLANO DE CURSO PRONATEC EAD. ELETRICISTA DE AUTOMÓVEIS 220 horas

FORMAÇÃO INICIAL. Qualificação Profissional Básica PLANO DE CURSO PRONATEC EAD. ELETRICISTA DE AUTOMÓVEIS 220 horas FORMAÇÃO INICIAL Qualificação Profissional Básica PLANO DE CURSO PRONATEC EAD ELETRICISTA DE AUTOMÓVEIS 220 horas (176 horas à distância e 44 presencial) ÁREA PROFISSIONAL: Automotiva EIXO TECNOLÓGICO:

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE IV SOLDAGEM

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE IV SOLDAGEM MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE IV SOLDAGEM Soldagem A soldagem é o mais importante processo de união de metais utilizado na indústria. Aplicações da soldagem: Estruturas simples Grades Portões Estruturas

Leia mais

METALURGIA DA TRANSFORMAÇÃO GABARITO

METALURGIA DA TRANSFORMAÇÃO GABARITO CONCURSO PÚBLICO DOCENTE IFMS EDITAL Nº 002/2013 CCP IFMS METALURGIA DA TRANSFORMAÇÃO Uso exclusivo do IFMS. GABARITO QUESTÃO 1 (Valor 4 pontos) A Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008, equiparou os

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL JOSE IGNACIO PEIXOTO. Solda Elétrica

CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL JOSE IGNACIO PEIXOTO. Solda Elétrica CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL JOSE IGNACIO PEIXOTO Solda Elétrica Presidente da FIEMG Robson Braga de Andrade Gestor do SENAI Petrônio Machado Zica Diretor Regional do SENAI e Superintendente de Conhecimento

Leia mais

MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO

MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO MÓDULO 3 3.1 - QUALIFICAÇÃO DE INSTALADOR, INSPETOR, SOLDADOR E SOLDA DE TOPO POR TERMOFUSÃO E DE ELETROFUSÃO O INSTALADOR, ou empresa instaladora, para ser qualificada como instaladora de tubos poliolefínicos

Leia mais

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências.

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências. Titulação : Eletricista Nome Abreviado : Eletricista Nível : Aprendizagem Tipo de Curso : Aprendizagem Industrial Área : Eletroeletrônica Segmento de Área : Eletricidade Estratégia : Presencial Carga Horária

Leia mais

Curso Técnico em Química Disciplina: Higiene e Segurança do Trabalho Prof. Naila Borba NORMAS REGULAMENTADORAS

Curso Técnico em Química Disciplina: Higiene e Segurança do Trabalho Prof. Naila Borba NORMAS REGULAMENTADORAS Curso Técnico em Química Disciplina: Higiene e Segurança do Trabalho Prof. Naila Borba NORMAS REGULAMENTADORAS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (EP I) - NR 6 Em muitos servicos, o trabalhador precisa

Leia mais

SENAI - CE CFP - Antônio Urbano de Almeida - AUA

SENAI - CE CFP - Antônio Urbano de Almeida - AUA Unidade Escolar CNPJ Razão Social Nome de Fantasia Esfera Administrativa Endereço (Rua, No) Cidade/UF/CEP Telefone/Fax E-mail de Contato Site da Unidade Área do Plano 03.768.202/0002-57 SENAI - CFP - Antônio

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 62 CAPÍTULO 9 SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 63 SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO É um processo de soldagem por fusão a arco elétrico que utiliza um eletrodo consumível, no qual o calor

Leia mais

Soldagem de manutenção

Soldagem de manutenção Soldagem de manutenção Prof. Dr. Almir Quites www.soldasoft.com.br 11/11/2001 1) Introdução Aqueles que fazem parte de equipe de manutenção industrial, em uma refinaria, por exemplo, vivem numa rotina

Leia mais

Corte e Goivagem pelo Processo PLASMA

Corte e Goivagem pelo Processo PLASMA Senai RJ Volta Redonda Corte e Goivagem pelo Processo PLASMA Edson Urtado O histórico... Processo desenvolvido nos anos 50; No início o plasma foi desenvolvido para o corte do aço inóx e alumínio; Alto

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Indústria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico de Técnico

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecatrônica

Leia mais

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria SSMT n.º 05, de 07 de maio de 1982 17/05/82

Leia mais

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA

MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA MONTAGEM INDUSTRIAL UNIDADE VII MONTAGEM ESTRUTURA METÁLICA Montagem Estrutura Metálica Em uma obra de estruturas metálicas, a montagem é considerada uma das fases mais importantes por representar uma

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL

SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL METAL/MECÂNICA SENAI RR SENAI RR SENAI, SUA CONQUISTA PROFISSIONAL ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DOS CURSOS 1. TÍTULO INTRODUÇÃO À HIDRÁULICA Proporcionar ao treinando a compreensão dos princípios básicos da

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Logística

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015

Plano de Trabalho Docente 2015 Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA / SP Eixo tecnológico: Industria Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha

Índice. Instruções Gerais. EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) Luvas Isolantes de Borracha. Mangas Isolantes de Borracha Isolantes de Índice Instruções Gerais EPI s (Equipamentos de Proteção Individual) 5 8 Luvas Isolantes de Borracha 10 Mangas Isolantes de Borracha 12 EPC s (Equipamentos de Proteção Coletiva) 14 Manta Isolante

Leia mais

Sistema de Proteção Respiratória para Solda 3M Speedglas TM Série 9002 com Motorizado Adflo

Sistema de Proteção Respiratória para Solda 3M Speedglas TM Série 9002 com Motorizado Adflo Sistema de Proteção Respiratória para Solda 3M Speedglas TM Série 9002 com Motorizado Adflo DESCRIÇÃO O sistema respiratório 3M Adflo é um equipamento combinado de proteção facial com filtro de luz e proteção

Leia mais

SENAI - CE Centro de Educação e Tecnologia Alexandre Figueira Rodrigues - CET AFR

SENAI - CE Centro de Educação e Tecnologia Alexandre Figueira Rodrigues - CET AFR Unidade Escolar CNPJ Razão Social Nome de Fantasia Esfera Administrativa Endereço (Rua, No) Cidade/UF/CEP Telefone/Fax E-mail de Contato Site da Unidade Área do Plano 03.768.202/0007-61 SEI - Centro de

Leia mais