A N E X O I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES E ENCARGOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A N E X O I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES E ENCARGOS"

Transcrição

1 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENADORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA DIVISÃO DE EXECUÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA A N E X O I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES E ENCARGOS CLIMATIZAÇÃO DE DIVERSOS AMBIENTES DA PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA

2 1. OBJETIVO Estabelecer os requisitos, condições e diretrizes técnicas e administrativas necessárias, contidas neste caderno de especificações e encargos, na planilha orçamentária e no conjunto de pranchas, visando à execução dos serviços de reforma em ambientes do edifício-sede da Procuradoria Geral da República. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO Este documento aplica-se à contratação dos serviços de climatização, adequação de equipamentos e adaptação do layout nos ambientes indicados a seguir no edifício-sede da Procuradoria Geral da República: a) Garagem Subsolo (Salas técnicas dos prestadores de serviço e CAG) b) Bloco E Subsolo (Vestiários, marcenaria, jardinagem, sala apoio Dieng, depósito da limpeza) c) Bloco F Térreo e Mezanino (Sala de monitoramento do sistema de CFTV) d) Garagem Subsolo (Sala do no-break) 3. PRAZO DE ENTREGA E GARANTIA DOS SERVIÇOS Os serviços, objeto da presente especificação, deverão ser realizados no prazo máximo de 120 (noventa) dias corridos e ter garantia não inferior à 01 (um) ano, contado do recebimento definitivo dos mesmos. Os interessados deverão considerar que parte dos serviços serão realizados durante o período noturno e em finais de semana e feriados, tendo em vista a impossibilidade de parada do sistema de ar condicionado, pois a edificação encontra-se ocupada e em plena atividade. 4. RECEBIMENTO O objeto do presente Termo deverá ser recebido da seguinte forma: (a) Provisoriamente, para efeito de posterior verificação da conformidade do serviço executado com a presente especificação; (b) Definitivamente, no prazo máximo de 90 dias após a verificação da qualidade e do quantitativo do serviço executado, e conseqüente aceitação. 5. REFERÊNCIAS Constituem partes integrantes da presente especificação os seguintes documentos e projetos: (a) Caderno de especificações e encargos (b) Planilha orçamentária (Anexo I)

3 (c) Cronograma físico-financeiro (Anexo II) (d) Planilha de seleção do fan-coil (Anexo III) (e) Pranchas (Anexo IV): Climatização CLM 1/6 a 6/6 Elétrico ELE 5/5 Arquitetura ARQ 1/1 6. NORMAS E DISPOSIÇÕES GERAIS Os materiais empregados e a execução dos serviços deverão obedecer rigorosamente às seguintes condições: às normas, especificações técnicas e rotinas constantes do presente documento; às prescrições, recomendações e manuais dos fabricantes relativamente ao emprego, uso, transporte e armazenagem do produto; às normas técnicas mais recentes da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e do INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia), em especial as seguintes: (a) NBR 5.410: Instalações elétricas de baixa tensão; (b) NBR : Instalações de ar-condicionado; (c) Às disposições legais federais, estaduais e municipais pertinentes; (d) Aos regulamentos das empresas concessionárias de energia, água e esgoto; (e) Às normas técnicas específicas, se houver; (f) Às normas internacionais consagradas, na falta das normas da ABNT ou para melhor complementar os temas previstos por essas; (g) Às normas regulamentadoras do Ministério do Trabalho, em especial as seguintes: NR-6 - Equipamentos de Proteção Individual EPI; NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade; NR-18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção; NR-23: Proteção Contra Incêndios. (h) À Resolução CONFEA n. º 425/98 (ART). (i) Às publicações da ASHRAE (American Society of Heating, Refrigerating and Air Conditioning Engineers), HVAC Systems Duct Design SMACNA (Sheet Metal and Air Conditioning Contractor's National Association); (j) Os materiais a serem instalados deverão ser novos, de qualidade adequada e deverão estar de acordo com as últimas revisões dos padrões da ABNT e normas acima. (k) Todos os materiais, equipamentos e instalações deverão estar de acordo com os regulamentos de

4 proteção contra incêndio; (l) Os serviços deverão ser executados de acordo com a presente especificação, sendo que qualquer solicitação de modificação deverá ser feita à Coordenadoria de Engenharia e Arquitetura da PGR, por escrito e fundamentada, para análise da mesma. (m) Qualquer esclarecimento adicional sobre os serviços a serem executados, objeto da presente especificação, poderá ser obtido na Coordenadoria de Engenharia e Arquitetura da PGR. (n) Todos os materiais ou equipamentos citados na presente especificação técnica admitem substituição por outros equivalentes (mesma função e desempenho técnico), sob consulta e eventual aprovação da Coordenadoria de Engenharia e Arquitetura da PGR. (o) Antes do início da execução de cada serviço, deverão ser verificadas (diretamente na obra e sob a responsabilidade da Contratada) as condições técnicas e as medidas locais ou posições a que o mesmo se destinar. (p) Estão inclusos todos os serviços e fornecimento de todos os materiais, incluindo andaime, equipamentos, ferramentas e acessórios necessários à execução de cada serviço, exceto os descritos nesta especificação como reaproveitamento ou de fornecimento pelo Contratante. (q) Todas as imperfeições verificadas nos serviços vistoriados, bem como discrepâncias dos mesmos em relação aos desenhos e especificações, deverão ser corrigidas antes do prosseguimento dos trabalhos. (r) Considerando que a empresa a ser contratada tem qualificação técnica e comprovada capacidade para a execução dos serviços, objeto da presente especificação, de modo algum será aceita qualquer alegação, durante a execução do contrato, quanto a possíveis indefinições, omissões ou incorreções contidas no conjunto de elementos que constituem o presente Projeto, como pretexto para pretender cobrar materiais/equipamentos e/ou serviços ou alterar a composição de preços unitários. Por conseguinte, a interessada deverá incluir no valor GLOBAL da sua proposta as complementações e acessórios ocasionalmente omitidos no Projeto, mas implícitos e necessários à perfeita e completa execução dos serviços. (s) Será obrigatória a vistoria por técnico especializado, representando a empresa licitante, nas dependências onde serão executados os serviços, para conhecimento das características, dificuldades e condições especiais para realização dos serviços a serem executados, quando serão prestados todos e quaisquer esclarecimentos adicionais à presente especificação. 7. FISCALIZAÇÃO A Coordenadoria de Engenharia e Arquitetura será responsável pelo acompanhamento e fiscalização da execução do contrato, fazendo as anotações e registros de todas as ocorrências e determinando o que for necessário à regularização das falhas ou defeitos observados, para o fiel

5 cumprimento das cláusulas e condições estabelecidas. A fiscalização será dividida da seguinte forma: Seção de Climatização (SECLIM) responsável pelas instalações mecânicas; Seção de Automação Predial e Sonorização (SEAPS) responsável pelas instalações elétricas; Seção de Obras de Engenharia (SOENG) responsável pela parte civil; A fiscalização da execução do contrato por parte da instituição não exclui nem reduz a responsabilidade da empresa com relação ao mesmo. A unidade gestora do contrato terá livre acesso e autoridade para definir toda e qualquer ação de orientação, gerenciamento, controle e acompanhamento da execução do contrato, fixando normas nos casos não especificados e determinando as providências cabíveis. A unidade gestora do contrato terá poderes para: (a) Suspender a execução dos serviços total ou parcialmente, em qualquer tempo, sempre que julgar necessário; (b) Recusar qualquer serviço cuja qualidade não se revista do padrão desejado, bem como qualquer material, produto ou equipamento que não atenda, satisfatoriamente, os fins a que se destinam; (c) No caso de rejeição do material pela unidade gestora do contrato, a empresa deverá retirá-los das dependências da Instituição no prazo máximo de 48 (quarenta e oito) horas, sob pena de incidir nas penalidades previstas; (d) Os serviços não aceitos pela unidade gestora do contrato deverão ser refeitos pela empresa sem nenhum ônus adicional para a Instituição. 8. ESCOPO DOS SERVIÇOS 8.1 Descrições gerais dos serviços (a) Garagem Subsolo (Salas técnicas dos prestadores de serviço e CAG): Trata-se de condicionamento de ar para verão, proporcionando condições de conforto térmico nos recintos beneficiados pela filtragem, resfriamento, desumidificação, renovação e movimentação do ar. Para as salas técnicas das empresas de manutenção foi adotado um sistema de expansão indireta do tipo fan-coil, com distribuição e retorno de ar por meio de rede de dutos, difusores, grelhas de retorno e grelhas de porta. A renovação do ar é garantida por comunicação da casa de máquinas com o meio externo por meio de duto, utilizando a pressão estática do próprio ventilador do fan-coil. A vazão de ar de renovação deve ser igual a 1050 m3/h. O condicionador de ar utilizado deverá ter a capacidade de resfriamento igual ou superior a 10 TR. Para alimentação hidráulica do fan-coil foi prevista uma derivação na tubulação que alimenta o sistema secundário da CAG com instalação de duas bombas (primária e reserva). Esse novo circuito hidráulico atenderá tanto o fan-coil das salas técnicas quanto o fan-coil do no-break (existente), cuja alimentação atual deverá ser substituída

6 conforme o projeto. Também deverão ser instaladas duas válvulas de bloqueio tipo borboleta nas tubulações de recalque e retorno do Bloco F localizadas em trecho linear da CAG, com recomposição dos revestimentos térmicos e mecânicos da tubulação. Para o vestiário foi prevista uma caixa de exaustão com vazão de 1050 m3/h. O último serviço especificado para esse lote é a substituição da serpentina do fan-coil do no-break. Esse serviço será realizado apenas após os testes de funcionamento desse equipamento com sua nova rede de alimentação hidráulica caso o mesmo não esteja atendendo a carga térmica ambiente. Na parte civil foram previstos os fechamentos com alvenaria dos locais onde existem grades de comunicação das salas técnicas, criação da casa de máquinas, fechamento e abertura para portas e instalação de portas. Na parte elétrica foram previstos os circuitos de alimentação e automação para as bombas, fan-coil e exaustor. (b) Bloco E Subsolo (Vestiários, marcenaria, jardinagem, sala apoio Dieng, depósito da limpeza): Trata-se de condicionamento de ar para verão, proporcionando condições de conforto térmico nos recintos beneficiados pela filtragem, resfriamento, desumidificação e movimentação do ar. Para esses ambientes foi adotado um sistema de expansão direta do tipo bi-split com condensação a ar. As unidades condensadoras serão de BTU/h e BTU/h, com unidades evaporadoras tipo hi-wall de BTU/h (2 unidades) e BTU/h (2 unidades), respectivamente. Para o ambiente de depósito de material de limpeza será instalado um exaustor axial no forro, com vazão de 583 m3/h. Todos os ambientes serão fechados com forro com revestimento acústico. O forro será necessário visando o bom funcionamento dos condicionadores de ar e também visando o retorno da operação do insuflador de ar da garagem, cujas grelhas de descarga ficarão acima do nível do forro, permitindo a passagem do ar por esses ambientes e seguindo em direção à garagem. Dois ambientes terão o local das grades de comunicação atualmente existentes fechados com alvenaria, de forma a dar o encaminhamento adequado para a fluxo de ar sob o forro. Devido à instalação do forro serão necessárias adequações em outras instalações como luminárias, sprinklers e detectores de fumaça. (c) Bloco F Térreo e Mezanino (Sala de monitoramento do sistema de CFTV): Trata-se de condicionamento de ar para verão, proporcionando condições de conforto térmico nos recintos beneficiados pela filtragem, resfriamento, desumidificação e movimentação do ar. Para esses ambientes foi adotado um sistema de expansão direta do tipo split com condensação a ar. A unidade condensadora será de BTU/h e ficará alocada no gramado atrás do Bloco F. A unidades evaporadoras será do tipo hi-wall de BTU/h. Para encaminhamento da rede frigorígena será feito furo no piso e na laje. Deverá ser feito também um caixilho de forma a embutir a tubulação frigorígena e de dreno. (d) Garagem Subsolo (Sala do no-break): Consiste no remanejamento das duas unidades evaporadoras localizadas no ambiente. Elas serão remanejadas de forma que não fiquem diretamente em cima dos no-breaks, de forma evitar possíveis danos devido à condensações. Para

7 esse procedimento deverão ser observadas as orientações relativas à instalações de equipamentos de expansão direta com tubulações de cobre. Deverá ser recolhido todo o gás na unidade condensadora, redimensionado os tamanhos da tubulação frigorígena, com a devida solda das conexões e trechos necessários, tubulação de dreno e cabo de alimentação elétrica e comando (não será permitido emendas nos cabos). A fixação das unidades deverá seguir o padrão existente bem como os detalhes apresentados no projeto executivo. Após o remanejamento deverá ser realizada pressurização e limpeza com nitrogênio e posterior vácuo para então preencher a linha com o refrigerante. Deverão ser realizados todos os testes bem como adicional carga de gás, se necessário. 8.2 Instalações Eletromecânicas (a) Fornecimento, transporte horizontal, transporte vertical e instalação, em local conforme projeto (Anexo I), dos equipamentos e acessórios conforme especificados (Itens 9 e 10), e também de todos os materiais necessários à perfeita execução do objeto desta especificação; 8.3 Obra Civil (a) Fornecimento, transporte horizontal, transporte vertical e instalação, em local conforme projeto (Anexo I), dos equipamentos, materiais e acessórios conforme especificados (Item 11), e também de todos os materiais necessários à perfeita execução do objeto desta especificação; 8.4 Teste da instalações após finalização dos serviços (a) As novas instalações deverão ser testadas após a finalização dos serviços, bem como todo sistema hidráulico que sofreu alterações. Os novos equipamentos deverão estar em perfeitas condições de funcionamento e operação. As válvulas deverão ser testadas em operação manual e automática. 8.5 Limpeza dos ambientes (a) As áreas de trabalho deverão ser deixadas limpas, principalmente após a execução dos serviços, sendo que todos os entulhos deverão ser removidos após cada dia de serviço. O entulho deverá ser acondicionado em recipientes próprios, fornecidos pela CONTRATADA, devendo ser removidos tão logo estejam cheios. (b) Ao término dos serviços deverá ser procedida a limpeza final do ambiente com a remoção cuidadosa de todas as manchas com produtos e técnicas apropriadas, dispensando-se especial atenção à perfeita execução dessa limpeza nos revestimentos,vidros, etc. Os custos referentes às operações de limpeza dos ambientes deverão estar contemplados nos valores apresentados para a execução dos respectivos serviços. 9. ESPECIFICAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS, ACESSÓRIOS E PROCEDIMENTOS PARTE MECÂNICA 9.1 Unidade climatizadora tipo fan coil

8 Unidade montada em módulos, gabinete vertical, as quais devem atender às exigências técnicas e dimensionais indicadas em projeto. (c) Gabinete: de construção robusta, em perfis de chapa de aço, com tratamento anticorrosivo e pintura de acabamento, provido de isolante térmico e acústico em material incombustível com painéis frontais, laterais e traseiros facilmente removíveis (revestidos interna e externamente com chapas de aço galvanizado e com isolante térmico). Os painéis devem ter guarnições de borracha devidamente coladas. Além disso, deverão ser presos por meio de parafusos do tipo sextavado interno, sendo a sua remoção por puxadores laterais, de modo a facilitar a manutenção. (d) Ventilador: deverá ser do tipo centrífugo, de dupla aspiração e de pás curvadas para frente (sirocco) em aço carbono. Será de construção robusta em chapa de aço com tratamento anticorrosivo (galvanizado), sendo o rotor estática e dinamicamente balanceado segundo grau de qualidade G 6.3 de acordo com normas VDI O ventilador e o respectivo motor deverão ser montados em base rígida única, flutuante (amortecedores de vibração de borracha). Os eixos serão montados sobre mancais auto-alinhantes e de lubrificação permanente. O ventilador deverá ter capacidade suficiente para circular vazão de ar prevista com uma velocidade de descarga não superior a 12 m/s. (e) Motor de acionamento: o motor do ventilador deverá ser da marca WEG, GE, ARNO ou EBERLE, tipo indução à prova de pingos e respingos, para 40 ºC de elevação máxima de temperatura, em funcionamento contínuo. Deverá será completado com polia regulável, correia e trilhos esticadores. (f) Serpentinas de resfriamento: construídas de tubos paralelos de cobre, com aletas de cobre ou alumínio, espaçadas adequadamente, perfeitamente fixadas aos tubos por meio de expansão mecânica e testadas a uma pressão de 21kgf/cm². Os coletores deverão ser em cobre com válvula de respiro e dreno, e com luvas soldadas nas pontas, para adaptação à rede hidráulica de água gelada. A velocidade de ar na face da serpentina não deve ser superior a 2,98 m/s e a perda de carga no lado da água não deve ser superior a 6,0 mca. (g) Filtros de ar: a filtragem será realizada por filtro em moldura de papelão, classe G4. A instalação destes filtros deverá permitir fácil colocação e retirada, com perfeita vedação. A velocidade de ar na face dos filtros não deve ser superior a 2,98 m/s. (h) Bandeja de recolhimento de água: as bandejas de recolhimento de água de condensação deverão ter caimento para o lado da drenagem com saída de ¾'' protegida, com isolamento térmico e tratamento contra corrosão, com underseal. (i) Amortecedores de vibração: cada fan-coil deverá ser instalado sobre dormentes de concreto e amortecedores de vibração.

9 (j) Dreno: deverá apresentar sifão, conforme detalhes de projeto, sendo interligado até o ralo da rede de esgoto. (k) Casa de máquinas: deverá ter dimensões mínimas de 3,0 metros de largura por 2,5 metros de profundidade. Deve-se obedecer o espaço mínimo de 0,70 metros entre as paredes e os equipamentos visando acesso a manutenção. As portas e paredes deverão possuir isolamento acústico lavável (tipo sonex ou similar), piso industrial (granitina ou epóxi piso industrial de alta resistência) com caimento e ralo, portas que abram para fora, com folha dupla (2x0,80m), atenuadores de ruídos nas saídas dos dutos de insuflamento e retorno. 9.2 Dutos e acessórios Para a fabricação dos dutos, além das informações indicadas nas plantas de detalhes, devem ser seguidas as exigências técnicas a seguir: (l) Os dutos deverão ter sua espessura conforme recomendação das normas ABNT, ASHRAE, SMACNA de acordo com a maior dimensão do trecho. Lado maior Bitola da chapa Espessura [mm] Até 30 a cm 26 0,50 De 31 a 75 cm 24 0,64 De 76 a 140 cm 22 0,79 De 141 a 210 cm 20 0,95 De 211 a 300 cm 18 1,27 (m)deverão obedecer aos padrões normais de serviço descritos nos manuais especializados para o caso. As interligações dos dutos convencionais por meio de chavetas S ou barras especiais, conforme largura dos mesmos. (n) Nos pontos onde a galvanização for afetada deverá ser feita à correção. (o) Os dutos deverão possuir porta de inspeção a espaços regulares não superiores a 3 metros e próximas das curvas e derivações. As janelas deverão ser aparafusadas, usando-se juntas de borracha ou feltro, de maneira a ficarem hermeticamente fechadas. Suas dimensões devem ser no mínimo 30x30cm. (p) Transições em dutos, inclusive conexões entre equipamentos e dutos, deverão ter uma conicidade não maior que 20 em ambos os planos e todas as conexões devem ser flangeadas. (q) A conexão entre os condicionadores, ou entre os ventiladores e os dutos de insuflamento será do tipo flexível (lona), de modo a não transmitir vibrações aos dutos e não propagar ruídos aos ambientes condicionados. (r) Nos pontos onde forem detectadas vibrações, os dutos deverão ser providos, a posteriori, de apoios

10 de borracha. (s) Cada elemento de duto deverá ser suspenso ou suportado, de maneira independente e diretamente à estrutura da edificação mais próxima, sem conexão com os outros elementos já sustentados. (t) Os tirantes e ferragens pertinentes deverão ter tratamento anti-corrosivo. (u) Os dutos não devem ter contato com paredes. Assim, onde houver passagem de dutos através de paredes, as bordas do furo na parede devem ser enquadradas com peças de madeira devidamente tratadas e o duto ser isolado destas peças através de vedação por um elemento elastômero. (v) Para minimizar contaminação com microorganismos ou poluentes nos sistemas de distribuição de ar, as superfícies internas dos dutos devem ser lisas, não adsorventes, nem absorventes. Não aplicar bidins ou isolamento térmico ou acústico de qualquer natureza. (w)para minimizar a contaminação do duto antes do começo da instalação todas as bocas dos dutos devem ser seladas com cobertura de proteção durante o transporte para a obra, durante a armazenagem na obra e no período entre a montagem e o start-up. (x) Para permitir a inspeção e limpeza do duto este deve possuir portas de acesso que devem estar livres de obstruções que dificultem a manutenção. As áreas a seguir indicadas têm de ter acesso para inspeção e limpeza, nomeadamente: (y) Entradas de ar exterior e seus plenos/dutos; (z) Drenos e tabuleiros de condensados; (aa)ventiladores. (bb) Em todos os dutos onde não for possível a limpeza mecânica o acesso humano para limpeza deve ser possível, seguro e sem obstáculos. Todos os painéis de acesso devem ser de abertura facilitada e construídos de forma a não comprometerem a estanqueidade e o isolamento térmico ou acústico. Devem ser instalados de modo seguro, e seguros ao duto com um cabo de aço, de forma a evitar que caiam e causem ferimentos aos ocupantes. Se um componente tiver de ser desmontado, então a sua posição e interfaces com o duto devem estar claramente marcadas de forma indelével para facilitar a sua remontagem. (cc)os dutos metálicos deverão ser apoiados através de suportes a cada 2 metros. (dd) Preferencialmente deve-se adotar conjuntos com curvas suaves (raio longo) para as derivações e bifurcações das redes de dutos não serão aceitas derivações de dutos diretamente do ramal principal (te de 90º). (ee)os joelhos e curvas deverão ser dotados de veias defletoras de dupla espessura, para atenuar as perdas de carga e nível de ruído. (ff) Todos os colarinhos serão dotados de captores de ar de boa fabricação e de fácil regulagem, de

11 modo a distribuir uniformemente o ar através dos difusores e/ou grelhas. (gg) Todas as juntas deverão ser vedadas com massa plástica. (hh) As junções dos dutos e isolamentos deverão ser protegidos contra penetração de umidade por barreira de vapor (frio asfalto). (ii) Por garantia, todas as dobras de chapa, inclusive os vincos, onde a galvanização possa ter sido danificada, deverão receber pintura anticorrosiva (zarcão). (jj) 9.3 Grelhas e acessórios Para a fabricação das grelhas, além das informações indicadas nas plantas de detalhes, devem ser seguidas as exigências técnicas a seguir: (kk) Difusor de insuflamento: deverão ser fornecidos e instalados em alumínio extrudado, anodizado, cor natural, com uma via ou quatro vias, quadrado ou retangular, com registro controlador de vazão, com caixa plenum se a alimentação for por duto flexível, de baixa perda de pressão. (ll) Grelha de ventilação: deverão ser fornecidos e instalados em alumínio extrudado, anodizado, cor natural, com registro, de baixa perda de pressão. (mm) Registros e venezianas: deverão ser compostas de veneziana em alumínio anodizado natural com tela de nylon, registro controlador de vazão em chapa de aço galvanizada. (nn) Filtros de ar: os elementos filtrantes indicados em prancha deverão ser confeccionados em fibra sintética descartável classe G3 para os fan coils e F2 para a tomada de ar externo, conforme nomenclatura utilizada na norma ABNT Caixa de ventilação Para a fabricação das caixas de ventilação, além das informações indicadas nas plantas de detalhes, devem ser seguidas as exigências técnicas a seguir: (oo) Gabinete: de construção robusta, em perfis de chapa de aço, com tratamento anticorrosivo e pintura de acabamento, provido de isolante acústico em material incombustível com painéis laterais e traseiros facilmente removíveis. Os painéis devem ter guarnições de borracha devidamente coladas. Deverá conter também veneziana de aspiração. (pp) Ventilador: deverá ser do tipo centrífugo, de dupla aspiração e de pás curvadas para frente em aço galvanizado. Será de construção robusta em chapa de aço com tratamento anticorrosivo (galvanizado), sendo o rotor estática e dinamicamente balanceado segundo grau de qualidade G 6.3 de acordo com normas VDI O ventilador e o respectivo motor deverão ser montados em base rígida única, flutuante. Os eixos serão montados sobre mancais auto-alinhantes e de lubrificação

12 permanente. O ventilador deverá ter capacidade suficiente para circular vazão de ar prevista com uma velocidade de descarga não superior a 10 m/s. (qq) Motor de acionamento: o motor do ventilador deverá ser da marca WEG, GE, ARNO ou EBERLE, tipo indução à prova de pingos e respingos, para 40 ºC de elevação máxima de temperatura, em funcionamento contínuo. Será completado com polia regulável, correia e trilhos esticadores. Grau de proteção: IP Bomba hidráulica Para a fabricação das bombas, além das informações indicadas nas plantas de detalhes, devem ser seguidas as exigências técnicas a seguir: (rr)descrição: Tipo de água Para água limpa, isenta de elementos corrosivos, com temperatura mínima de 4 ºC e máxima de 40 ºC. Marca KSB, WORTHINGTON, IMBIL ou GLASS Rotação máxima 1750 RPM Acoplamento Luva elástica Carcaça Ferro fundido Rotor Ferro fundido, para água gelada Gaxeta Amianto grafitizado ou teflon Base do conjunto moto-bomba Ferro fundido Tipo Centrífuga Rendimento mínimo 60 % (ss)as bombas para recirculação de água deverão ser horizontais com acoplamento entre o motor e a bomba por meio de luva com espaçador. Deverão atender a norma ASME B73.1. (tt) Deverá ser prevista a desmontagem do conjunto girante por trás, sem que sejam desconectadas as tubulações de sucção e descarga ( back pull out ). A vedação deverá ser feita por selo gaxeta. (uu) O instalador não deverá selecionar os rotores mínimos ou máximos da família de curvas do fabricante para as condições de projeto. (vv) Deverão ser fabricadas com componentes dimensionados para suportar uma pressão na sucção e na descarga, superiores à pressão de trabalho. (ww) A potência nominal do motor de acionamento deverá ser, pelo menos, 20% superior ao BHP do ponto de seleção. (xx) Deverão ser instalados variadores de freqüência. O sensores de pressão que aciona esses elementos será instalados no trecho linear antes da derivação para os condicionadores de ar,

13 conforme indicação em projeto. (yy) Motor: Marca Tipo EBERLE, GE, ARNO ou WEG Indução, à prova de pingos e respingos, para 40 ºC de elevação máxima de temperatura, trifásico e 4 pólos. (zz)os motores elétricos deverão ser de alto rendimento, trifásicos, com proteção IPW-55 e isolamento classe F, com vedação de temperatura classe B. Os motores das bombas secundárias deverão apresentar variadores de freqüência. (aaa) Assentamento: as bombas deverão ser assentadas em bases anti-vibratórias individuais, compostas de base de inércia (concreto) e amortecedores de vibração. 9.6 Tubulações, válvulas, conexões e acessórios da rede hidráulica (a) Tubulação (DN 15 à 50 ½'' a 2''): tubo de aço ASTM A-120, sem costura, preto, dimensões ANSI B 36.10, extremidades rosqueadas ABNT NBR-6414, Sch. 40. Ref: MANNESMANN ou similar. (b) Tubulação (DN 65 à ½'' a 6''): tubo de aço ASTM A-120, sem costura, preto, dimensões ANSI B 36.10, Sch. 40, extremidades chanfradas ANSI B para solda de topo, sendo que as ligações dos tubos às conexões serão feitas por flanges com pescoço. Ref: MANNESMANN ou similar. (c) Conexões (DN 15 à 50 ½'' a 2''): conexões de ferro maleável, ABNT NBR-6590, dimensões ABNT NBR-6943, classe 10, extremidades rosqueadas ABNT NBR Ref.: FUNDIÇÃO TUPY ou similar. (d) Conexões (DN 65 à ½'' a 6''): conexão tubular, sem costura, aço ASTM A-234 grau WPB, preta, dimensões ANSI B 16.9, extremidades chanfradas ANSI B16/25, peso standard. Ref.: CONFORJA ou similar. (e) Flanges (DN 65 à ½'' a 4''): flange com pescoço, aço forjado ASTM A-181 grau 1, dimensões ANSI B 16.5, classe 150, face com ressalto de 1.6 mm ou face plana (quando necessário). Ref: CONFORJA ou similar. (f) Diversos: - ½ luva soldáveis, DN 15 a DN 50 (½'' a 2''): serão de aço forjado ASTM A-105 grau 1, dimensões ANSI B 16.11, classe 2000#, uma extremidade com rosca ABNT NBR Ref.: CONFORJA ou similar.

14 - Juntas de expansão: De borracha, corpo em elastômero, revestidas internamente com PTFE, serão instaladas, nos locais aonde for necessário, juntas de expansão nas tubulações, para acomodação das tensões devidas à contrações e expansões das tubulações. Flanges com furação ANSI-150. Ref: NIAGARA ou similar. - Purgadores de ar: serão do tipo automático, universal, corpo em latão, conexões rosqueadas para líquido, pressão de trabalho 150 psi. Ref.: Modelo ZUT X 25. Referência: Tour & Anderson. - Fitas de teflon para vedação de roscas: carretéis de 50m com ½''. - Juntas para flanges: De papelão hidráulico, ABNT P-EB-212, grafitado em ambos os lados ou neoprene, espessura 1.6 mm (1/16''), pré-cortado, para flanges ANSI-B-16.5, classe 150, ou flanges AWWA C-207, classe D. Ref.: Fig. U-60 da ASBERIT ou similar. - Parafuso cabeça sextavada: ASTM A-193-Gr.B7, rosca UNC 2A e porca sextavadas ASTM A-194 Gr. 2H, rosca UNC 2B, galvanizados. - Estojo com parafuso: ASTM A-193-Gr.B7, rosca UNC 2A, com porcas sextavadas ASTM A-194 Gr. 2H, rosca UNC 2B, galvanizados. (g) Registro de bloqueio (DN 15 a DN 50 (½'' a 2''): serão do tipo esfera, de aço fundido, conforme a normas API 6D e P-EB-141 II, classe 125 psi. Corpo bipartido. Esfera e haste (estendida) em inox. Passagem plena. Sedes e anéis de assentamento em PTFE. Extremidades flangeadas padrão ANSI- B Face com ressalto. Face a face padrão ANSI-B Ref. Tour & Anderson Catálogo de produtos. (h) Registro de bloqueio (DN 65 a DN 100 (2 ½'' a 4''): serão do tipo borboleta conforme norma ABNT-PB-15, classe 125 psi, corpo extra-curto do tipo wafer semi lug, com sede em elastômero de alta resistência, providas de semi lug, que faz parte integrante do corpo da válvula para montagem entre flanges ANSI-B-16.5, com vedação total nas duas direções e acionamento manual por alavanca com placa de travamento em várias posições, corpo de ferro fundido ASTM-A-126, grau B ou ferro nodular, disco de ferro nodular ASTM-A-536, grau 65 ou bronze-alumínio, haste em AISI-410 e sede de BUNA_N, ref. Catálogo CIWAL 82, pág. 174 ou equivalente. (i) Válvula de regulagem (DN 15 a DN 50 (½'' a 2''): serão do tipo globo, de bronze fundido ASTM- B62, classe 125 psi, castelo roscado, haste ascendente com rosca interna, re-engaxetável em serviço quando totalmente aberta, extremidades com roscas segundo ABNT NBR-6114, com vedação cônica, dimensões conforme ANSI-B-36.10, ref. Catálogo CIWAL 82, pág. 99, fig. 114-C ou equivalente. (j) Válvula de regulagem (DN 65 a DN 100 (2 ½'' a 4''): serão do tipo globo, de ferro fundido ASTM- A-126, grau B, classe 125 psi, tampa aparafusada, internos em bronze, haste com rosca externa e volante ascendentes, extremidades flangeadas face plana conforme ANSI-B-16.1, dimensões

15 padrões ANSI-B-16.10, ref. Catálogo CIWAL 82, pág. 77, fig. 7 ou equivalente. (k) Válvula de retenção (DN 65 a DN 150 (2 ½'' a 6''): serão do tipo duplex, wafer, para montagem entre flanges, de ferro fundido ASTM-A-126, grau B, classe 125 psi, disco de bronze ASTM-B-62, sede de BUNA-N, eixos de aço inoxidável AISI-304, molas de aço inoxidável AISI-302, ref.: catálogo NIAGARA 89, pág. 130, fig. 80 ou equivalente. (l) Válvula de balanceamento (DN 15 a DN 50 (½'' a 2''): serão do tipo STAD, corpo fabricado em ferro fundido nodular EN-GJS , cabeçote, haste e cone de fechamento fabricados em AMETAL, uma liga que garante resistência à corrosão. Pontos de medição auto-vedantes, vedações em EPDM. Classe de pressão PN 20 (20kgf/cm²); conexões em rosca segundo ABNT NBR-6414; cone com juntas em borracha EPDM. Com capa de proteção térmica e volante em Poliamida e TPE. Ref. Tour & Anderson Catálogo de produtos. (m)filtro em Y (DN 15 a DN 50 (½'' a 2''): podem ser fornecidos em bronze fundido ASTM-B-62, açocarbono fundido ASTM-A-216 WCB, ou aço inoxidável ASTM-A-296 CF8, com elemento filtrante em aço inox AISI 304. Conexões rosqueadas segundo ABNT NBR Ref. NIAGARA Catálogo de produtos. (n) Filtro em Y (DN 65 a DN 150 (2 ½'' a 6''): podem ser fornecidos em bronze fundido ASTM-B-62, aço-carbono fundido ASTM-A-216 WCB, ou aço inoxidável ASTM-A-296 CF8. Conexões flangeadas de acordo com a norma ANSI-304 ou DIN 3300, elemento filtrante substituível, classe 150. Ref. NIAGARA, flangeado, ferro fundido, Fig. 975 Catálogo de produtos. (o) Isolamento térmico: As tubulações de água gelada deverão ser isoladas termicamente com manta ou tubo elastomérico conforme espessura indicadas abaixo. Toda a tubulação que não estiver sobre o forro, em shafts ou em canaleta enterrada, deverá ser recoberta com alumínio liso externamente, sendo que os trechos retos utilizarão à espessura de 0,15 mm e nas curvas, derivações e válvulas utilizarão à espessura de 0,40 mm, fixados a tubulação através de cintas de alumínio de 12,7 mm de largura com espessura não inferior a 0,5 mm. Aplicar o alumínio liso nas partes externas e internas das casas de máquinas. Por cima do recobrimento metálico do isolante serão pintadas ou colocadas etiquetas com setas indicando o sentido do fluxo. ISOLAMENTO ARMAFLEX AF - TUBULAÇÃO DE FERRO Diâmetro Nominal Sem recobrimento de alumínio Com recobrimento de alumínio 3/4 Tubo R28 Espessura 25mm Tubo T28 Espessura 33,5mm 1 Tubo R35 Espessura 27mm Tubo T35 Espessura 35mm 1 1/4 Tubo R42 Espessura 27mm Tubo T42 Espessura 36,5mm 1 1/2 Tubo R48 Espessura 27,5 mm Tubo T48 Espessura 37,5mm 2 Tubo R60 Espessura 29mm Tubo T60 Espessura 39mm 2 1/2 Tubo R76 Espessura 30mm Tubo T76 Espessura 40,5mm 3 Tubo R89 Espessura 30,5mm Tubo T89 Espessura 41,5mm

16 4 Tubo R114 Espessura 31,5mm Tubo T114 Espessura 43mm 5 Tubo R140 Espessura 32mm Tubo T140 Espessura 44,5mm 6 Tubo R168 Espessura 32,5mm Tubo T168 Espessura 45mm 8 Dupla camada manta M-99-E 2x Espessura 19mm Dupla camada manta M-99-E 2x Espessura 19mm 9.7 Especificação dos serviços de instalação da rede hidráulica (a) Suportes, guias e âncoras: - Toda tubulação será suportada, ancorada, guiada e escorada de acordo com as necessidades do projeto. - Os suportes metálicos serão construídos e montados de acordo com as normas de construção e montagem das estruturas metálicas em vigor, (BR-14 da ABNT). - O espaçamento dos suportes da tubulação não será maior que 2,5 m, qualquer que seja a bitola do tubo. - Durante a montagem serão previstas pela Contratada suportes provisórios, de modo que a linha não sofra tensões exageradas nem que esforços apreciáveis sejam transmitidos aos equipamentos, mesmo que por pouco tempo. - As linhas cujo vão entre suportes e/ou cujos suportes não foram projetados para suportarem os testes hidrostáticos e a lavagem com água, terão suportes adicionais provisórios. Estes suportes serão construídos e montados pela Contratada. - Os pontos de ancoragem somente serão fixados após a montagem total da linha. - Somente será permitido soldar suportes em tubos ou equipamentos (mesmo os provisórios) quando indicados no projeto ou permitidos pela fiscalização da Contratante. - Os suportes tem que ser locados com uma tolerância de +3 mm na direção perpendicular ao tubo e +150 mm na direção longitudinal, salvo indicação em contrário. - Todas as superfícies dos suportes receberão pintura anti-corrosiva antes de sua fixação. As partes da pintura afetadas pela colocação da linha serão recompostas. - Os coxins de neoprene serão montados conforme especificados. - As linhas somente serão testadas após a colocação de suportes, guias, âncoras e batentes. (b) Limpeza e preparação das superfícies - Todo sistema de tubulação será limpo internamente antes dos testes. A limpeza será realizada através de bombeamento contínuo de água na tubulação, até que esta fique completamente limpa. - Toda a tubulação será livre de escórias, salpicos de solda, rebarbas ou matérias estranhas. - Caso a limpeza da tubulação necessite ser realizada por meios químicos, as soluções de detergentes,

17 ácidos, etc., serão submetidas a avaliação prévia da Contratante. - Após o término, a tubulação será completamente lavada com água para remover todos e quaisquer traços desses produtos químicos. - Especial cuidado será observado, caso nas linhas estejam instalados componentes que conforme seu material, possam ser danificado pela limpeza química. - Durante a montagem e principalmente após a limpeza, as tubulações serão adequadamente protegidas ou fechadas com tampas provisórias para evitar a entrada de corpos estranhos que venham a comprometer as linhas, quando de sua colocação em operação. - Se a limpeza com água se tornar impraticável devido à contaminação ou qualquer outra objeção, será usado ar. Na limpeza, toda restrição ao fluxo deve ser removida. - As partes retiradas serão limpas separadamente e se necessários substituídas por peças provisórias. - Todas as válvulas do sistema estarão totalmente abertas, com exceção das válvulas de bloqueio dos instrumentos que estarão fechadas; preferencialmente os instrumentos serão retirados. - Durante a limpeza, será tomado cuidado para que as pressões sejam sempre menores que as de operação. - O serviço será feito até que seja constatada a limpeza total do sistema. - As linhas conectadas às unidades resfriadoras, condicionadores, bombas, etc., serão isoladas ou serão colocados filtros provisórios. - As válvulas de segurança e de disco de ruptura serão isoladas ou retiradas. - Todos os ""vents"" e drenos do sistema serão abertos. - As válvulas de controle serão retiradas; para substituí-las, o fluxo será feito por "by-pass" ou "carretel". - A limpeza terá que ser feita na presença da Contratante e a metodologia adotada, previamente apresentada, será por ela aprovada. - A Contratada fornecerá todo o equipamento e pessoal necessário à limpeza. (c) Preparação da superfície da tubulação: todas as tubulações serão reparadas na oficina do campo, antes de receber pintura ou isolamento térmico, pelo processo de limpeza por solventes e desenferrujamento e/ou limpeza de ferramentas motorizadas, conforme descrito a seguir: - Os tubos uma vez, montados, terão novamente as juntas preparadas, para a pintura ou isolamento. - A Contratada fornecerá todo o equipamento, material e pessoal necessários à limpeza externa da tubulação. - Limpeza da superfície por solventes e desenferrujantes.

18 - Remoção de impurezas insolúveis nos solventes tais como argila, salpico de cimento, cais, escamas de ferrugem profunda, restos de pintura antiga, etc., através de meios mecânicos (lixas, escova de aço, etc.). - As carepas de solda, tanto sobre a solda como nas áreas adjacentes, serão removidas por meios mecânicos como esmerilhamento. - Os resíduos serão enxaguados com água limpa e limpos com panos embebidos de solventes; estes serão substituídos por outros limpos tantas vezes quanto for necessário para obtenção de uma superfície limpa e isenta de qualquer contaminação oleosa. Os solventes serão aromáticos (xilol, toluol), alifáticos (aguarrás, naftas, solventes para borrachas), cloratos (tricloroestileno, tetracloreto de carbono). Gasolina comum não será utilizada. Os solventes somente serão usados em ambientes bem ventilados. - Aplicação de líquido desenferrujante à base de ácido fosfórico para remover ou passivar ferrugem ligeira, deixando a superfície ferrosa fosfatizada. A aplicação será de acordo com as especificações do fabricante. Após o tempo necessário para ação do produto (conforme fabricante), a superfície será tratada com escova de aço ou lixa de remover os produtos de reação. - A primeira demão de fundo será aplicada imediatamente após o término da limpeza. - Limpeza da superfície por ferramentas motorizadas: - Remoção da carepa da limpeza, ferrugem ou tinta velha solta ou não aderente aplicando-se ferramentas motorizadas como escovas rotativas, lixadeiras, esmerilhadeiras, etc.. Será completado, quando necessário com limpeza por solvente e limpeza manual. - Todo o fluxo e respingo de solda serão removidos com ferramentas motorizadas. - Toda área acessível será limpa, bem como rebites, conexões, reentrâncias angulosas e fendas, com ajuda de escova de aço, pistola de agulha, marteletes descascadores, lixadeiras e rebolos ou a combinação de dois ou mais equipamentos. Todos os equipamentos serão usados de modo a se evitar a formação de rebarbas, arestas vivas e cortes na superfície. - A poeira e os resíduos provenientes das limpezas serão removidos da superfície. - No caso de se fazer necessário, remover resíduos de óleo e graxa com solventes. - A primeira demão de primer será aplicada tão logo seja possível, após a limpeza e antes que qualquer deteriorização possa ocorrer (no mesmo período de trabalho). - No caso de se operar próximo a materiais inflamáveis e explosivos, serão empregados equipamentos à prova de centelha. (d) Pintura - Todas as tubulações que não irão sofrer processo de isolamento térmico serão pintadas. - As tubulações que receberem isolamento térmico, serão preparadas e receberão pintura de fundo.

19 - A superfície preparada receberá a tinta de fundo especificada, dentro de um prazo de 2(duas) horas, podendo, a critério exclusivo da Contratante ser estendido até o máximo de 6 (seis) horas. - Se ocorrer oxidação ou contaminação da superfície ou for excedido o prazo estabelecido, será feito novo preparo, antes da aplicação da primeira demão de tinta. - As tintas serão aplicadas a trincha, rolo ou pistola, baseando-se nas condições do objeto a ser pintado, do sistema da pintura adotado e condições atmosféricas. - Toda poeira será removida com escovão de nylon ou pano seco limpo, antes da aplicação de qualquer demão de tinta. - O preparo e pintura das superfícies não serão executados em dias de chuvas ou umidade relativa do ar superior a 85% ou sob ventos fortes. - Quando houver expectativas de ocorrência de chuva, não serão executados serviços de limpeza e pintura. - Não será aplicada tinta em superfícies de aço, à temperatura superior a 52 o C ou inferior a 10 o C. - Nos casos onde há insolação sobre a superfície, acarretando temperatura da mesma acima de 52 o C, será providenciada cobertura adequada para evitar a insolação direta. - Os equipamentos só serão pintados após o término dos testes hidrostáticos e inspeção. - As trinchas, rolos e pincéis, serão de boa qualidade, mantidos limpos e em bom estado. - Toda a pintura será feita cuidadosamente, com mão-de-obra experiente. Será aplicada de maneira a evitar respingos, corredeiras, excesso de tinta ou rugosidade e com espessura uniforme de película. - Todos os ingredientes contidos em qualquer tinta serão completamente misturados antes de uso, de modo a formar uma tinta homogênea, de consistência uniforme. A tinta será agitada freqüentemente durante a aplicação, para manter-se neste estado. As tintas cujos ingredientes são embalados separadamente serão rigorosamente misturadas antes do uso. - Nenhum diluidor será adicionado à tinta, salvo quando houver recomendações expressas para tal. Quando isso ocorrer, as diluições serão feitas exclusivamente com a tinta durante o processo de mistura ou homogeneização ou durante o uso e aplicação da tinta. - O ar comprimido a ser usado na pintura à pistola, deverá estar isento de óleo e umidade. - As tubulações, sempre que possível, serão pintadas em oficinas ou local próprio, sendo que as regiões que receberão solda, não serão pintadas numa faixa de 100 mm medidos a partir do chanfro. - Após a soldagem e o ensaio hidrostático, executar limpeza mecânica com escova rotativa e aplicar a trincha, naquela região, o mesmo sistema de pintura. - A pintura será executada no sentido descendente (de cima para baixo) nas superfícies verticais.

20 - Será providenciada total proteção a todos os equipamentos, paredes, pisos, tetos e outras superfícies passíveis de sofrer a ação da pintura. - Será providenciada imediata e total remoção da tinta depositada, face às aplicações, nas hastes de válvulas, eixos de motores e outros equipamentos nos quais a tinta depositada impedirá o livre movimento dos mesmos. - Placas de identificação, manômetros, vidros dos instrumentos, etc., serão convenientemente protegidos. A remoção de qualquer equipamento ou instrumento será feita após prévia consulta. - A Contratante autorizará, a seu exclusivo critério, a execução de serviços em condições não previstas por esta especificação. Os casos omissos serão decididos por ela. - Para a pintura de fundo (primer), adotar o seguinte procedimento: aplicar tinta primer sintética de base alquídica em pigmentos de óxidos de ferro e chumbo, em 2(duas) demãos de 40 micra cada; o tempo de secagem entre demãos será de 24(vinte e quatro) horas. - Para pintura de acabamento adotar o seguinte processo: - Aplicar tinta esmalte de base alquídica com pigmentos de dióxido de titânio em 2 (duas) demãos de 40 micra cada. - O tempo de secagem de demão será de 24 (vinte e quatro) horas e aguardar 72 (setenta e duas) horas para a secagem final. Antes da aplicação da pintura de acabamento, será observado um tempo mínimo de 24 (vinte e quatro) horas para a secagem do primer. - No caso de tubulação não aparente (isolada termicamente), a mesma receberá em intervalos não superior a 6(seis) metros, identificações constituídas por faixas coloridas e setas indicativas no sentido do fluxo, além da codificação escrita correspondente. - Também para o caso das tubulações aparentes a indicação do sentido do fluxo e sua codificação será executada no intervalo mínimo acima indicado. - A pintura em faixas obedecerá as seguintes regras: - A largura da faixa será igual ao diâmetro nominal do tubo, ou 10 cm no mínimo para tubos de diâmetro inferior. - Quando no caso de faixa composta, será preparada uma base em tinta, cor alumínio, com largura igual a largura das faixas mais 100 a 200 mm, de acordo com o diâmetro do tubo. - Independentemente dos intervalos de identificação, estas serão pintadas antes e após as curvas de qualquer tubulação, em ambos os lados das paredes ou lajes, nas proximidades dos equipamentos, etc. - As cores a serem adotadas serão: -Gelada: verde c/ faixa vermelha (e) Testes

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria Geral da República TERMO DE CONTRATO N.º /2012

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria Geral da República TERMO DE CONTRATO N.º /2012 Procuradoria Geral da República TERMO DE CONTRATO N.º /2012 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL E A EMPRESA XXXX, PARA CLIMATIZAÇÃO, ADEQUAÇÃO DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO FL.: 1/8 SECRETARIA DE ESTADO DA CULTURA DO ESTADO DE SÃO PAULO SISTEMA DO AR CONDICIONADO CENTRO DE CULTURA, MEMÓRIA E ESTUDOS DA DIVERSIDADE SEXUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. LOJAS 515 e 518 - METRÔ REPÚBLICA

Leia mais

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO:

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO: 1. DESCRIÇÃO: OBJETO: O sistema de ventilação mecânica visa propiciar as condições de qualidade do ar interior nos vestiários do mercado público de Porto Alegre. Para a manutenção das condições serão controlados

Leia mais

VENTILADORES. Aspectos gerais. Detalhes construtivos. Ventiladores

VENTILADORES. Aspectos gerais. Detalhes construtivos. Ventiladores VENTILADORES Aspectos gerais As unidades de ventilação modelo BBS, com ventiladores centrífugos de pás curvadas para frente, e BBL, com ventiladores centrífugos de pás curvadas para trás, são fruto de

Leia mais

GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO

GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS INTRODUÇÃO Os gabinetes de ventilação da linha são equipados com ventiladores de pás curvadas para frente (tipo "sirocco"), de dupla aspiração

Leia mais

0(025,$/'(6&5,7,92. (63(&,),&$d (67e&1,&$63$5$,167$/$d 2'2/27(

0(025,$/'(6&5,7,92. (63(&,),&$d (67e&1,&$63$5$,167$/$d 2'2/27( 35(* 235(6(1&,$/683$71ž 0(025,$/'(6&5,7,92 (63(&,),&$d (67e&1,&$63$5$,167$/$d 2'2/27( As presentes especificações estabelecem os requisitos mínimos a serem obedecidos no fornecimento e instalação dos materiais

Leia mais

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas das linhas E e EP de nossa fabricação assim como seus acessórios e opcionais. Dele constam informações técnicas, desde a construção,

Leia mais

Apresentação de Produto ECLIPSE ECLIPSE SÉRIE YM

Apresentação de Produto ECLIPSE ECLIPSE SÉRIE YM Apresentação de Produto ECLIPSE ECLIPSE SÉRIE YM Climatizador de ar ECLIPSE As unidades climatizadoras ECLIPSE, estão disponíveis em 16 modelos, com vazões de ar que variam de 1.300 a 34.000 m 3 /h, e

Leia mais

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida.

Podemos filtrar ou separar para aproveitar tanto a parte líquida quanto a parte sólida. 1. FILTRAGEM 1/6 É o processo que tem como objetivo de separar mecanicamente sólidos de líquidos ou gases. Quando a separação se faz por meio de coalescência ou centrifugação, dizemos que se trata apenas

Leia mais

PROJETO AME BOTUCATU

PROJETO AME BOTUCATU PROJETO AME BOTUCATU Memorial Descritivo Ar Condicionado - PRELIMINAR Ass: - Data: - - PARA INFORMAÇÃO Ass: - Data: - - PARA APROVAÇÃO Ass: - Data: - X LIBERADO P/ FABRICAÇÃO Ass: CONNECT / ALDE BARCELOS

Leia mais

Coldex Tosi Ar Condicionado

Coldex Tosi Ar Condicionado Coldex Tosi Ar Condicionado Intercambiador de Calor de Extensão Direta 2 a 40 TR ESPECIICAÇÕES CONSTRUTIVAS Os climatizadores Modelo foram projetados visando obter maior vida útil, performance e facilidade

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

VENTILADOR INDUSTRIAL

VENTILADOR INDUSTRIAL VENTILADOR INDUSTRIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES INDUSTRIAIS Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: E L D I 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

Catálogo Técnico. www.novema.com.br

Catálogo Técnico. www.novema.com.br Catálogo Técnico 2014 www.novema.com.br ÍNDICE VÁLVULAS: Fig. Pág. Gaveta HA FoFo FLG ANSI 125 LBS VB NVM 01 F 04 Gaveta HA FoFo FLG ANSI 125 LBS VI NVM 02 F 05 Gaveta HA WCB FLG ANSI 150 LBS NVM 03 06

Leia mais

PALÁCIO DA ABOLIÇÃO PROJETO DE AR CONDICIONADO ASSUNTO: MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES E ESPEFIFICAÇÕES TÉCNICAS

PALÁCIO DA ABOLIÇÃO PROJETO DE AR CONDICIONADO ASSUNTO: MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES E ESPEFIFICAÇÕES TÉCNICAS PALÁCIO DA ABOLIÇÃO PROJETO DE AR CONDICIONADO ASSUNTO: MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES E ESPEFIFICAÇÕES TÉCNICAS AUTOR : COMARU PROJETOS E CONSULTORIA DATA : JULHO DE 2008 ÍNDICE: 1.0 Relação de desenhos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela:

TERMO DE REFERÊNCIA. 2.1 A manutenção preventiva para os aparelhos de Ar Condicionado do tipo janela: ANEXO II TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO DA LICITAÇÃO 1.1 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA COM REPOSIÇÃO PARCIAL DE PEÇAS ORIGINAIS DOS EQUIPAMENTOS DE REFRIGERAÇÃO

Leia mais

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind.

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind. CONTEÚDO: Capítulo 4 Válvulas Industriais Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: 1 VÁLVULAS DEFINIÇÃO: DISPOSITIVOS DESTINADOS A ESTABELECER, CONTROLAR E INTERROMPER O FLUXO

Leia mais

FÓRUM DE BARREIRAS PRÉDIO NOVO

FÓRUM DE BARREIRAS PRÉDIO NOVO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA FÓRUM DE BARREIRAS PRÉDIO NOVO MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DAS INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO EMPRESA RESPONSÁVEL: Senemig Engenharia LTDA RESPONSÁVEIS TÉCNICOS:

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

U.O. ADMINISTRAÇÃO GERAL PROJETOS E OBRAS

U.O. ADMINISTRAÇÃO GERAL PROJETOS E OBRAS INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE AR CONDICIONADO NO E.R. GUARULHOS 1. OBJETO O presente memorial refere-se ao fornecimento e instalação de conjuntos de ar condicionado, a serem instalados no E.R. Guarulhos, localizado

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ CADERNO DE MEMORIAL DESCRITIVO EQUIPAMENTOS DE VENTILAÇÃO LOCAL: FORTALEZA-CE UNIDADE: RESTAURANTE UNIVERSITÁRIO DATA: JANEIRO/2010 AUTOR: ADERBAL COSTA ARAÚJO ENG MECÂNICO

Leia mais

Coldex Tosi Ar Condicionado

Coldex Tosi Ar Condicionado Coldex Tosi Ar Condicionado Especificações Construtivas Os climatizadores (Fan Coil Tosi Baby) foram projetado vizando obter maior vida útil, performance adequada e facilidade de instalação, operação

Leia mais

VENTILADORES LIMIT LOAD

VENTILADORES LIMIT LOAD VENTILADORES LIMIT LOAD UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES LIMIT LOAD Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: ELSC 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

VENTILAÇÃO E EXAUSTÃO DE COZINHA

VENTILAÇÃO E EXAUSTÃO DE COZINHA INSTALAÇÕES MECÂNICAS E DE UTILIDADES VENTILAÇÃO E EXAUSTÃO DE COZINHA O projeto de exaustão por ventilação mecânica para as instalações da área de serviço da EEP Escola de Ensino Profissionalizante justifica-se

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe.

ESPECIFICAÇÕES Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe. 01/66 FIG.Nº.:AG-01 Bitola 1/8 á 1. Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe. Nº NOMES DAS PARTES CONSTRUÇÃO 01 TRAVA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO Folha 1 / 7 Sistema de Ar Condicionado SALA CLUSTER

MEMORIAL DESCRITIVO Folha 1 / 7 Sistema de Ar Condicionado SALA CLUSTER MEMORIAL DESCRITIVO Folha 1 / 7 Nº Arquivo 051212 1 Objetivo Estabelecer os procedimentos para o fornecimento e instalação de equipamentos para o Sistema central de Ar Condicionado para climatização da

Leia mais

Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada

Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada Fábrica: Av. Brasil, 20.151 Coelho Neto Rio de Janeiro CE 21.530-000 Telefax: (21) 3372-8484 vendas@trocalor.com.br

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada em manutenção preventiva e corretiva, com reposição de peças originais, sem ônus adicional para a CONTRATANTE, em aparelhos

Leia mais

1. OBJETIVO NORMAS APLICÁVEIS

1. OBJETIVO NORMAS APLICÁVEIS TEATRO DA FUNDAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR EM PORTO VELHO RO Documento: Memorial descritivo e justificativo Ar Condicionado Emissão: E00 Responsável: Arq. Mateus Moreira Pontes Data: 22/09/2015

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO SELF CONTAINED

CATÁLOGO TÉCNICO SELF CONTAINED CATÁLOGO TÉCNICO SELF CONTAINED Capacidade de 3 a 50TR Estrutura em perfil de alumínio extrudado Tampas rechapeadas e facilmente removíveis Pintura eletrostática a pó Várias opções de montagem e acabamentos

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO INSTALAÇÃO DOS BATENTES A instalação dos batentes é simples porém, são necessários alguns cuidados básicos para obter uma porta em perfeitas condições: Para a fixação do batente, levantam-se as grapas

Leia mais

A t é 5 0 0 m m c a- TUPY OU SIMILAR/ CLASSE 10- ISO R-7 ABNT PO14 DIN 2999 (BSP)

A t é 5 0 0 m m c a- TUPY OU SIMILAR/ CLASSE 10- ISO R-7 ABNT PO14 DIN 2999 (BSP) GÁS COMBUSTÍVEL 9 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9. GÁS COMBUSTÍVEL Todos os materiais e forma de instalação

Leia mais

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO Normas Aplicáveis MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO - NBR 15.979 Sistemas para Distribuição de Água e Esgoto sob pressão Tubos de polietileno PE 80 e PE 100 Procedimentos de Reparo - NBR 14.461 Sistemas

Leia mais

vendas1@juntasamf.com.br

vendas1@juntasamf.com.br À Sr( a) Ref.: Apresentação para Cadastro de Fornecedor Prezados Senhores, Vimos através desta, apresentar a Juntas AMF Ind. e Com. de Peças Ltda., uma empresa que já se tornou referencia no mercado de

Leia mais

Bipartida Axialmente

Bipartida Axialmente Linha BP BI-PARTIDA ROTOR DE DUPLA SUCÇÃO Bipartida Axialmente Soluções em Bombeamento INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas da linha BP de nossa fabricação. Nele constam

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 144

Norma Técnica SABESP NTS 144 Norma Técnica SABESP NTS 144 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido novos e sujeitos à umidade freqüente Especificação São Paulo Maio - 2001 NTS 144 : 2001 Norma

Leia mais

GABINETES DE VENTILAÇÃO

GABINETES DE VENTILAÇÃO GABINETES DE VENTILAÇÃO espirovent UMA MARCA DO GRUPO DUTOS E Descricao e Nomenclatura GABINETES DE VENTILACAO GABINETES DE VENTILAÇÃO PERSPECTIVA GERAL As caixas de ventilação da linha ESDG e ELDG são

Leia mais

INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA

INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE VENTILAÇÃO MECÂNICA MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva e Justificativa

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB P SUL Ceilândia - DF Novas Instalações Código do Projeto: 3946-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37

Leia mais

Válvula Globo. Apresentação. Construção. Vantagens. Aplicações. + Adequada para aplicações em regimes severos de operação

Válvula Globo. Apresentação. Construção. Vantagens. Aplicações. + Adequada para aplicações em regimes severos de operação 517 Válvula Globo 2/2 Vias - Acionamento Manual Apresentação Válvula Globo metálica flangeada (tipo aerodinâmica), acionada manualmente por volante. Ideal para o controle ou bloqueio de fluidos como: vapor,

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 159

Norma Técnica SABESP NTS 159 Norma Técnica SABESP NTS 159 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido pintados e em contato direto com esgoto Especificação São Paulo Rev. 1 - Outubro - 2001 NTS

Leia mais

Resfriadores Evaporativos BRISBOX

Resfriadores Evaporativos BRISBOX Características do Produto: Resfriadores Evaporativos BRISBOX BRISBOX Aplicações Resfriadores evaporativos Munters, possuem uma ótima performance energética e podem ser aplicados em: Bingos; Boates; Academias;

Leia mais

Megabloc Manual Técnico

Megabloc Manual Técnico Bomba Padronizada Monobloco Manual Técnico Ficha técnica Manual Técnico Todos os direitos reservados. Os conteúdos não podem ser divulgados, reproduzidos, editados nem transmitidos a terceiros sem autorização

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS COMPONENTES DO CRM COM MEDIDOR TIPO DIAFRAGMA (G4, G6, G10 ou G16) Í N D I C E D E R E V I S Õ E S

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS COMPONENTES DO CRM COM MEDIDOR TIPO DIAFRAGMA (G4, G6, G10 ou G16) Í N D I C E D E R E V I S Õ E S USUÁRIO: CEGÁS FOLHA: 1 de 5 OBJETO: AMPLIAÇÃO DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL OBRA. Í N D I C E D E R E V I S Õ E S REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS 0 A B EMISSÃO PARA APROVAÇÃO ATENDENDO COMENTÁRIOS

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS GERAIS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS GERAIS Armários Construídos em madeira compensada laminada do tipo virola naval de 15 mm de espessura, revestido internamente laminado melamínico liso e externamente em laminado melamínico texturizado. Os que

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso.

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A próxima turma do curso VÁLVULAS INDUSTRIAIS está programada para o período de 16 a 19 de setembro de 2013, no Rio de

Leia mais

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS

NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS NORMA TÉCNICA NTE - 011 PADRÕES PRÉ-FABRICADOS 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo padronizar, especificar e fixar os critérios e as exigências técnicas mínimas relativas à fabricação e o recebimento

Leia mais

CATÁLOGO 800035-A Observações sobre as fichas técnicas

CATÁLOGO 800035-A Observações sobre as fichas técnicas CATÁLOGO 800035-A sobre as fichas técnicas Os dados constantes nas fichas técnicas a seguir podem sofrer alterações sem prévio aviso. Alguns modelos possuem pequenas alterações em seus projetos construtivos,

Leia mais

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo.

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo. AR COMPRIMIDO Nos diversos processos industriais, os sistemas de ar comprimido desempenham papel fundamental na produção e representam parcela expressiva do consumo energético da instalação. Entretanto,

Leia mais

E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site: www.unicompbrasil.com.br

E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site: www.unicompbrasil.com.br UNICOMP COM. DE EQUIPAMENTOS PNEUMÁTICOS LTDA. Rua Leopoldo de Passos Lima, 238 Jardim Santa Fé. CEP.: 05271-000 São Paulo SP. Telefones: (11) 3911-4665 / 4682 E-mail: vendas@unicompbrasil.com.br Site:

Leia mais

ANEXO III PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO

ANEXO III PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO CONCORRÊNCIA DIRAT/CPLIC- 005/2006 1 Equipamento : Chillers ANEXO III PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO 1. PROGRAMA DE TRABALHO DE MANUTENÇÃO PREVENTIVA Verificar a existência de ruídos e vibrações anormais

Leia mais

GLASS Bombas e Válvulas

GLASS Bombas e Válvulas BOMBAS CENTRIFUGAS DE USO GERAL APLICAÇÕES: *Tratamento e abastecimento de água; *Construção civil; *Ar condicionado; *Industrias em geral, *Química e petroquímica; *Distribuidoras de derivados de petróleo;

Leia mais

- Cilindro Pneumático ISO

- Cilindro Pneumático ISO de Instalação, Operação e Manutenção Janeiro 2000 - ISO Série P1E (Tubo Perfilado) 32 a 100 mm Índice Introdução... 1 Características Técnicas... 1 Características Construtivas... 1 Instalação... 2 Manutenção...

Leia mais

PLANO DE MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO PREDIAL APÊNDICE A

PLANO DE MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO PREDIAL APÊNDICE A TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA DIRETORIA DE ENGENHARIA E ARQUITETURA PLANO DE MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO PREDIAL APÊNDICE A A amplitude da manutenção e inspeção indicada no Termo de Referência está

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563.

FIPAI Fundação para o Incremento da Pesquisa e do Aperfeiçoamento Industrial Tomada de Preço nº. 003/2013 Processo Finep nº 01.09.0563. ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS LOTE 01 Especificar Sistema de Geração de Ar Comprimido, incluindo compressor, secador por adsorção e filtros coalescentes Diagrama Pneumático. Confirmar detalhes com equipe

Leia mais

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBME Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração,

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

GABINETE Chapas de aço carbono SAE 1020 galvanizadas. Tratado quimicamente com fosfato de zinco, pintado com pó epóxi na cor bege, curada em estufa.

GABINETE Chapas de aço carbono SAE 1020 galvanizadas. Tratado quimicamente com fosfato de zinco, pintado com pó epóxi na cor bege, curada em estufa. As Cortinas de Ar TroCalor são destinadas a impedir a mistura de fluxos de ar ao isolar dois ambientes distintos através da formação de uma barreira de ar entre eles, mantendo ideais as condições de temperatura

Leia mais

Válvulas Criogênicas. Guia de Produtos - 2011. www.qualitecinstrumentos.com.br

Válvulas Criogênicas. Guia de Produtos - 2011. www.qualitecinstrumentos.com.br Válvulas Criogênicas Guia de Produtos - 2011 Linha de Produtos Válvulas de Segurança Industriais Fluído: Gases, vapores, fluidos e refrigerantes Diâmetro: 1/4 até 2 Temperatura: -50 C (-58 F)... +225 C

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CECIERJ TERMO DE REFERÊNCIA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FUNDAÇÃO CECIERJ TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO Prestação de serviço de retífica e instalação de 4 (quatro) compressores marca Worthington, reforma de 2 (duas) torres de resfriamento marca Alpina, manutenção de 5 (cinco)

Leia mais

MEMORIAL AR CONDICIONADO COMPLEXO PAULO CAVALCANTE

MEMORIAL AR CONDICIONADO COMPLEXO PAULO CAVALCANTE MEMORIAL AR CONDICIONADO COMPLEXO PAULO CAVALCANTE Página 1 de 15 ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 NORMAS TÉCNICAS 3.0 PARAMETROS DE PROJETO 4.0 DADOS CARGA TÉRMICA 5.0 ESPECIFICAÇÕES DOS EQUIPAMENTOS VRF 5.1

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSV 6/50 - DENTAL SPLIT - 1 ESTÁGIO - 120 psig

CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSV 6/50 - DENTAL SPLIT - 1 ESTÁGIO - 120 psig SCHULZ: INÍCIO DE FABRICAÇÃO - ABRIL/005 CATÁLOGO TÉCNICO COMPRESSOR - MSV 6/ - DENTAL SPLIT - 1 ESTÁGIO - 10 psig CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS ISENTO DE ÓLEO L C DESLOCAMENTO TEÓRICO pés /min PRESSÃO MÁX.

Leia mais

VEMAQ 10-1 - CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS 1.1 - APRESENTAÇÃO

VEMAQ 10-1 - CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS 1.1 - APRESENTAÇÃO Equipamento: COLETOR COMPACTADOR DE LIXO 10 m³ Modelo : CCL-10 Aplicação: Coleta de resíduos domésticos e/ou industriais,selecionados ou não Fabricante: VEMAQ - Indústria Mecânica de Máquinas Ltda 1 -

Leia mais

Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos.

Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos. Tubulações Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos. Tubulação é conjunto de tubos e seus diversos acessórios(curvas, tês, reduções, flanges, luvas, junta de expansão, válvulas,

Leia mais

MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS

MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS 6 MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS Versão 2014 Data: Abril / 2014 6.1. Tubos e Conexões... 6.3 6.1.1. Sistema em aço... 6.3 6.1.1.1. Tubos... 6.3 6.1.1.2. Conexões... 6.3 6.1.2. Sistema em cobre rígido...

Leia mais

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO

V Á L V U L A S. MANIFOLD Série 2700 LAMINADO V Á L V U L A S MANIFOLD Série 2700 LAMINADO Índice Informações gerais... 02 Manifold de 2 vias... 04 Manifold de 3 vias... 09 Manifold de 5 vias... 12 Suporte... 15 1 As modernas válvulas Manifold Série

Leia mais

FINALIDADE DESTA ESPECIFICAÇÃO

FINALIDADE DESTA ESPECIFICAÇÃO SESC PANTANAL HOTEL SESC PORTO CERCADO POSTO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL SÃO LUIZ BARÃO DE MELGAÇO/MT ESTRUTURAS METÁLICAS PARA COBERTURA DE BARRACÃO DEPÓSITO MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO VI 1. FINALIDADE DESTA

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CLIMATIZAÇÃO

CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CLIMATIZAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS M E M O R I A L D E S C R I T I V O E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S C R I T É R I O D E M E D I Ç Ã O CLIMATIZAÇÃO COREN CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SERGIPE ARACA

Leia mais

- Válvulas com Flange -

- Válvulas com Flange - Procedimentos de Montagem e Manutenção - Válvulas com Flange - Para Sistemas de Vapor, Óleo Térmico e Outros Processos Industriais. Em uma instalação industrial de aquecimento, devem ser previstas facilidades

Leia mais

Água quente e vapor condensadoras evaporadoras água gelada aplicações especiais

Água quente e vapor condensadoras evaporadoras água gelada aplicações especiais Água quente e vapor condensadoras evaporadoras água gelada aplicações especiais Fábrica: Av. Brasil, 20.151 Coelho Neto Rio de Janeiro CEP 21.530-000 Telefax: (21 3372-8484 vendas@trocalor.com.br www.trocalor.com.br

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais

CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno

CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno CUIDADOS NO TESTE DE ESTANQUEIDADE, DE DESIDRATAÇÃO E DE CARGA DE REFRIGERANTE NOS CONDICIONADORES DE AR DIVIDIDOS * Oswaldo de Siqueira Bueno 1.0 Introdução Existe um crescimento enorme em termos de instalação

Leia mais

(DOU 166 31.8.98, Seção I, pags. 40 a 42)

(DOU 166 31.8.98, Seção I, pags. 40 a 42) (DOU 166 31.8.98, Seção I, pags. 40 a 42) Portaria nº 3.523/GM Em, 28 de agosto de 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 87, Parágrafo único, item II, da Constituição

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO VÁLVULAS E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA

CATÁLOGO TÉCNICO VÁLVULAS E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA CATÁLOGO TÉCNICO S E FILTROS INDUSTRIAIS PRODUTOS COM QUALIDADE E SEGURANÇA ÍNDICE S FIG. PÁG. Gaveta HA FoFo FLG ANSI - 125# - V.B. 10 1 Gaveta HA FoFo FLG ANSI - 125# - V.I. 11 2 Gaveta HA WCB FLG ASME

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA QUADRA POLIESPORTIVA COBERTA COM

Leia mais

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO E PLANILHA DE SERVIÇOS

ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO E PLANILHA DE SERVIÇOS ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO E PLANILHA DE SERVIÇOS MEMORIAL DESCRITIVO 1.0 - INTRODUÇÃO Este memorial descritivo tem por objetivo definir as especificações e características técnicas básicas para a execução

Leia mais

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA 80-40 / 2. 2. Descrição Geral. 4. Dados de Operação Manual Técnico e Curvas Características Nº A1150.0P/3 Bomba Centrífuga para Uso Geral 1. Aplicação A bomba é indicada para o bombeamento de líquidos limpos ou turvos e encontra aplicação preferencial em

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais

Válvulas reguladoras de pressão auto-operadas

Válvulas reguladoras de pressão auto-operadas Válvulas reguladoras de pressão autooperadas SR DIN PN 6 ANSI 300 DN 5 a 00 mm /2" a 4" SR 5R, R, 5E, E Aplicação As válvulas autooperadas reguladoras e redutoras de pressão SR 5R e SR R servem para controlar

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

FIGURA 63 - a) TUBULAÇÕES DE RETORNO DIRETO b) TUBULAÇÕES DE RETORNO INVERSO

FIGURA 63 - a) TUBULAÇÕES DE RETORNO DIRETO b) TUBULAÇÕES DE RETORNO INVERSO 82 7 DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Os sistemas de distribuição de água podem ser classificados como: - Sem Recirculação: A água flui através do sistema sem reaproveitamento. - Recirculação Aberta: A água é bombeada

Leia mais

MOTOBOMBAS E CONJUNTOS PARA COMBATE A INCÊNDIO

MOTOBOMBAS E CONJUNTOS PARA COMBATE A INCÊNDIO MOTOBOMBAS E CONJUNTOS PARA COMBATE A INCÊNDIO Motobombas para combate a incêndio ÍNDICE FSGIN Pg. 3 FIN Pg. 13 Pg. 33 A Famac tem a solução certa em Bombas para sistemas de combate a incêndio. CONJUNTOS

Leia mais

ELEMENTOS DE VEDAÇÃO. Treinamento. Antenor Vicente

ELEMENTOS DE VEDAÇÃO. Treinamento. Antenor Vicente ELEMENTOS DE VEDAÇÃO Treinamento Antenor Vicente VEDAÇÃO PROCESSO USADO PARA IMPEDIR A PASSAGEM, DE MANEIRA ESTÁTICA OU DINÂMICA DE LÍQUIDOS, GASES E SÓLIDOS DE UM MEIO PARA OUTRO JUNTAS JUNTA É TODO MATERIAL

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES CASA DE RUI BARBOSA

MANUAL DE OPERAÇÕES CASA DE RUI BARBOSA MANUAL DE OPERAÇÕES CLIMATIZAÇÃO DA BIBLIOTECA CASA DE RUI BARBOSA Av. São Clemente, Nº134 Botafogo Rio de Janeiro/RJ 1 O presente Manual tem por objetivo descrever e especificar as características operacionais,

Leia mais

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762 Apresentação Apresentação Fundada em 2003, a Masterfer é, hoje, uma renomada fornecedora de produtos para saneamento. Prima por possuir um atendimento de forma única e objetiva, o que a credencia apresentar

Leia mais

V Á L V U L A S SÉRIE 2700

V Á L V U L A S SÉRIE 2700 V Á L V U L A S SÉRIE 2700 Válvulas de agulha compactas de alta confiabilidade e versatilidade para controle de processos e uso geral na indústria. As modernas válvulas de agulha Série 2700 da Detroit

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA - TR 2 DA DESCRIÇÃO BÁSICA DOS SERVIÇOS, EQUIPAMENTOS E COMPONENTES

TERMO DE REFERÊNCIA - TR 2 DA DESCRIÇÃO BÁSICA DOS SERVIÇOS, EQUIPAMENTOS E COMPONENTES CENTRO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 1 DO OBJETO TERMO DE REFERÊNCIA - TR Pregão Eletrônico nº 015/08 Anexo II 1.1 Prestação de serviços para instalação/remanejamento

Leia mais

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo)

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo) Manual Técnico A3405.0P Bombas Submersas 1. Aplicação É recomendada para o abastecimento de água limpa ou levemente contaminada, abastecimento de água em geral, irrigação e sistemas de aspersão pressurizados

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais