I s n t s a t l a a l ção ã o de d e Sis i t s e t m e as a s de d Irrigação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I s n t s a t l a a l ção ã o de d e Sis i t s e t m e as a s de d Irrigação"

Transcrição

1 Instalação de Sistemas de Irrigação

2 PROJETOS EUCALIPTOS Layout de Água TRANSPORTES CARPINTARIA CP025 CP19 ESCADA CP024 AR CP023 CP18 ESCRITORIO CP17 ESTACIONAMENTO CP R CP21A CP CP21 CP12 CP13 CP14 CP15 CP20A CP CP05 CP04 CP CP09 CP01 CP08 CP10 CP02 CP11 CP03

3 ESTACIONAMENTO DIESEL GASOLINA CP025 ESCADA ESCRITORIO CP024 AR CP023 PROJETOS Projeto hidráulica CP CP05

4 1) MARCAÇÃO DA OBRA: Bandeirinhas de válvulas Bandeirinhas de aspersores

5 1) MARCAÇÃO DA OBRA:

6 1) MARCAÇÃO DA OBRA: 8m 4m A marcação deve ser feita utilizando-se trena e tendo como referência os extremos de cada área. Caso as medidas no campo não sejam idênticas às do projeto, dividir o alinhamento pelo número de pontos locados na planta.

7 1) MARCAÇÃO DA OBRA: 4,25 m 8,5 m A marcação deve ser feita utilizando-se trena e tendo como referência os extremos de cada área. Iniciar sempre pelos cantos e pelas pontas

8 1) MARCAÇÃO DA OBRA: Se a variação da distância entre estes pontos for igual ou menor a 10 % do espaçamento do projeto, efetuar a marcação nesse novo espaçamento. Se for maior, o projeto precisa ser revisado e um novo dimensionamento executado. X 15 m 15 m 18,5 m 48,5 m 16,17 m 16,17 m 16,17 m Raio dos aspersores no projeto = 15 m Largura da área = 48,5 m Distância de instalação entre os aspersores no campo = 48,5 m / 3 = 16,17 m As possíveis alterações no projeto original devem ser anotadas para que o mesmo seja redesenhado e/ou recalculado, caso necessário.

9 2) ABERTURA DAS VALAS: As valas deverão ser abertas com profundidade mínima de 0,30 m para as redes laterais ou secundárias dos setores e valores entre 0,40 m a 0,50 m de profundidade para a linha principal / adutora ou mestra;. diâmetros de 32 mm a 50 mm profundidade de 0,30 m 0,30. diâmetro de 75 mm profundidade de 0,40 m 0,40

10 2) ABERTURA DAS VALAS: 3) ABERTURA DAS VALAS (cont.):. diâmetros de 100 mm ou mais profundidade de 0,50 m 0,50 Para a largura das valas, deve-se considerar os diâmetros e quantidades de tubos e eletrodutos que vão ser acomodados.

11 2) ABERTURA DAS VALAS: As valas que derivam de outras, devem obedecer rigorosamente ao ângulo da conexão (no caso de PVC) que vai receber: 90º ou 45º; ângulos diferentes forçam as conexões e tubulações que, com o peso do solo, acabam por causar rompimentos. + 90º - 90º vala ERRADO

12 2) ABERTURA DAS VALAS: Na montagem de tubulação de PEAD (polietileno), é importante que, na saídas das conexões também as valas estejam de acordo com o ângulo (grau) das conexões que vão ser montadas. = 90º = 90º vala CORRETO

13 2) ABERTURA DAS VALAS: As valas devem ter seu fundo nivelado para assentar a tubulação completamente. Fundo nivelado X Fundo desnivelado

14 2) ABERTURA DAS VALAS: LOCAIS JÁ GRAMADOS: Cortar a grama com pá reta, Remover a placa e deixar de lado, sempre virada para cima; Forrar com lona plástica a borda do local da valeta que vai receber a terra; Escavar e depositar a terra sobre a lona plástica; Não misturar solo do fundo com solo da superfície, se diferentes.

15 2) REATERRO DAS VALAS: Quando possível, molhe o solo à medida que ele vai sendo reposto na vala, isso facilita o preenchimento dos espaços entre os tubos e eletrodutos; Solos mais argilosos sofrem maior compactação que solos mais arenosos e estão, portanto, mais sujeitos à variação de volume; É recomendação dos fabricantes que se faça um berço ou cama de areia para assentar tubulações em solos que apresentam cascalho, matacões ou impurezas capazes de danificar os tubos; solo tubulação areia (mínimo 15 cm)

16 2) REATERRO DAS VALAS: Quando o fundo da valeta for constituído de argila saturada ou lodo, sem condições mecânicas para o assentamento dos tubos, deve-se executar uma base de cascalho ou de concreto convenientemente estaqueada. A tubulação sobre essas bases, deve ser assentada apoiada sobre um berço de areia ou material equivalente. tubulação areia (mínimo 15 cm) concreto ou cascalho

17 5) REDE HIDRÁULICA (cont.): Montagem Nunca aquecer tubulações ou conexões na obra; Curvas devem ser feitas com as conexões apropriadas ou combinado-se essas conexões; Não é permitida também a execução de bolsas ou furos nos tubos e conexões; Luvas de correr são recomendadas quando é necessário Luvas de correr são recomendadas quando é necessário provocar deflexões (flechas) nos tubos;

18 5) REDE HIDRÁULICA (cont.): Montagem Para tubos com Junta Soldável, cortar o tubo no esquadro e chanfrar a ponta com uma lima chata fina. Verificar se a ponta e a bolsa a serem soldadas estão perfeitamente limpas. Com uma lixa fina (lixa 180 ou 200), tirar o brilho das superfícies a serem soldadas, para melhorar o contato entre as partes (bolsa e ponta) e o adesivo (fig.1); Limpar as superfícies lixadas com solução limpadora, eliminando as impurezas que podem impedir a ação do adesivo. Esta limpeza também prepara o PVC para a soldagem (fig. 2); Fig. 1 Fig. 2 Fonte: Tigre S/A

19 Montagem 5) REDE HIDRÁULICA (cont.): Aplicar com pincel, uma camada fina e uniforme de adesivo (cola) no primeiro terço da parte interna da bolsa e camada igual na parte externa (ponta) do tubo. O adesivo deve ser sempre aplicado primeiro na bolsa e depois na ponta (inclusive em conexões) (fig. 3); Juntar as duas peças forçando o encaixe da ponta até o fundo da bolsa, sem girar (torcer) o tubo ou a conexão (fig. 4); Fig. 3 Fig. 4 Fonte: Tigre S/A

20 Montagem 5) REDE HIDRÁULICA (cont.): Soldagem do PVC área da cola ponta bolsa área da cola

21 Montagem 5) REDE HIDRÁULICA (cont.): Remover o excesso de adesivo externo com um pano limpo ou estopa e deixar secar. Aguardar o tempo indicado pelo fabricante (em função dos diâmetros das peças e pressão de trabalho) para liberar o fluxo de água e submeter a tubulação à pressão de trabalho; Refazer as juntas que apresentarem problemas na execução; Refazer as juntas que você não se sentiu seguro após a execução, seja por tempo excessivo entre a aplicação do adesivo e o encaixe das conexões, seja por desconfiar da profundidade do encaixe entre tubo e bolsa.

22 5) REDE HIDRÁULICA (cont.): Montagem Para os tubos com Junta Elástica, cortar o tubo no esquadro e chanfrar a ponta com uma lima chata fina. Medir a profundidade da bolsa e marcar na ponta do tubo (fig.1); Limpar a aponta e bolsa do tubo e alojar o anel de borracha na virola da bolsa (fig. 2); Fig. 1 Fig. 2 Fonte: Tigre S/A

23 5) REDE HIDRÁULICA (cont.): Montagem Aplicar pasta lubrificante sobre o anel de borracha e a ponta do tubo (nunca utilizar óleos ou graxas que atacam o anel de borracha) (fig. 3); Alinhar os tubos e encaixar a ponta na bolsa. Recuar 1 cm usando como referência a marcação no tubo (fig. 4); Refazer as juntas que apresentarem problemas na execução. Fig. 3 Fig. 4 Fonte: Tigre S/A

24 Montagem 5) REDE HIDRÁULICA (cont.): Observar sempre na planta hidráulica, o diâmetro e classe de pressão dos tubos nos trechos que vão ser montados; Deve-se evitar montagem de PVC junta soldável (JS) quando a temperatura ambiente estiver muito alta: a solda (que é uma solução da resina do próprio PVC + solvente) se evapora muito rápido; ao esfriar, haverá a contração (redução no comprimento) dos tubos e essa força é capaz de destacar uma união bolsa x ponta, ocasionando vazamentos; JS

25 5) REDE HIDRÁULICA (cont.): Montagem Para tubos de diâmetros a partir de 75 mm ou linhas muito longas, a recomendação é montar tubos soldáveis (JS) alternados com tubos junta elástica (JE) (de mesmo diâmetro e classe de pressão), garantindo que, quando a tubulação resfriar (à noite, com o reaterro da vala ou quando a água circular) vai haver o trabalho da junta elástica, sua movimentação; A contração e dilatação nos tubos pode ser muito grande; JE JS Junta elástica Junta soldável

26 5) REDE HIDRÁULICA (cont.): Montagem Toda boca (ponta ou bolsa) de tubo ou conexão deve ser fechada durante a montagem da obra para impedir a entrada de terra, animais ou outro tipo de objeto quando a junta não for executada imediatamente. Isso impede a Isso impede a entrada de sujeira ou animais de pequeno porte na tubulação facilitando muito a limpeza da rede com água.

27 4) INSTALAÇÃO ELÉTRICA Emendas com conectores blindados Utilizar caixas de passagens onde teremos emendas. Aterramento apropriado. Proteções necessárias.

28 4) INSTALAÇÃO ELÉTRICA CODIFICAR FIOS: Recomendação: - Fio Comum: Cor Azul - Fio Retorno Válvulas: Cor Preta - Fio Sensor: Cor Branca - MV: Cor Vermelha - Terra: Cor Verde

29 4) INSTALAÇÃO ELÉTRICA Instalação pode ser com cabos diretamente enterrados, ou Cabos sondados dentro de eletrodutos rígidos ou flexíveis.

30 4) INSTALAÇÃO ELÉTRICA

31 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES Os aspersores escamoteáveis, quando utilizados em gramados, devem ser instalados ao nível do solo de forma que não fiquem visíveis acima da superfície do mesmo. 10 cm M IN. Muro, parede ou calçada 10 cm M IN. Muro, parede ou calçada Superfície do terreno Superfície do terreno Nivelar aspersor com superfície do terreno Nivelar aspersor com superfície do terreno 30 cm M ÍNIM O Aspersor SPRAY escamoteável Tubo flexível 1/2" SWING PIPE 30 cm M ÍNIM O Aspersor ROTOR escamoteável Tubo flexível 1/2" SWING PIPE Adaptador rosca macho/barb Linha Lateral com tê ou joelho PVC Linha Lateral com tê ou joelho PVC Adaptador rosca macho/barb Adaptador rosca macho/barb (2a) (2b)

32 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES A locação dos aspersores escamoteáveis deve seguir rigorosamente o projeto; Nem sempre, no desenho, o projetista consegue mostrar exatamente o local correto de instalação; Algumas dicas dos locais ideais de instalação: Ângulos agudos com bocais ajustáveis VAN

33 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES Algumas dicas dos locais ideais de instalação: Ângulos obtusos com bocais ajustáveis VAN ou MPR

34 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES Ângulos retos: prefira sempre bocais MPR ou U

35 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES Instalação errada Posição correta

36 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES Posição correta de montagem

37 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES A posição de montagem está correta?

38 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES Podia ser melhor...

39 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES Posição incorreta de montagem! Mesmo usando bocais ajustáveis! Área sem molhar!

40 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES Em áreas irregulares, sempre um aspersor por vértice

41 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES Áreas menores, alternar a montagem dos aspersores

42 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES Áreas sem Irrigação! Verificar sempre o recobrimento!

43 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES

44 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES RUIM!!

45 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES RESULTADO

46 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES Menos ruim

47 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES Ótimo

48 PARA GRAMADOS SEMPRE OBSERVAR A SUPERPOSIÇÃO DOS ASPERSORES, A DISPOSIÇÃO TEM QUE ESTAR SEMPRE PRÓXIMA DE PÉ NO PÉ

49

50

51 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES NIVELAMENTO

52 5) INSTALAÇÃO DOS ASPERSORES ESPAÇAMENTO DE MEIO-FIO E PAREDES 10 cm M IN. Calçada ou meio fio Aspersor

53 7) LIMPEZA DA REDE Sempre efetuar a limpeza da rede hidráulica antes dos testes nos aspersores e instalação final dos bocais; Recomendamos montar registros tipo esfera nos finais das linhas mestra/adução para a limpeza quando necessário (no início de funcionamento e após efetuar reparos na rede); Sempre que possível, nunca montar a última válvula no final da tubulação;

54 7) LIMPEZA DA REDE As últimas válvulas do sistema sempre estão sujeitas a maior entupimento se montadas no final de uma curva. Prefira sempre a montagem em TÊ. tubo curva sujeira Montagem não indicada tê tubo sujeira registro Preferir esta montagem

55 7) LIMPEZA DA REDE Por onde começar a instalação dos bocais após a limpeza do setor? Aspersor # 1 ou aspersor # 8? Onde está a maior pressão (qual aspersor joga mais água)? Onde a sujeira se acumula?

56 7) LIMPEZA DA REDE Quando não há aclives ou declives, o aspersor com a maior pressão é o # 1; A sujeira se acumula no aspersor # 8; Começar a instalação dos bocais pelo # em nível

57 7) LIMPEZA DA REDE Em aclives, o aspersor com a maior pressão também é o # 1; A sujeira se acumula no aspersor # 8 ou antes, próximo do final; Começar a instalação dos bocais pelo # 1.

58 7) LIMPEZA DA REDE Em declives, observar a quantidade de água que sai nos aspersores # 1 e # 8; A sujeira se acumula sempre no aspersor # 8; Verificar se sai bastante água no aspersor # 1 e começar a instalação dos bocais por ele.

59 7) LIMPEZA DA REDE Em declives, observar a quantidade de água que sai nos aspersores; A sujeira se acumula sempre no aspersor # 8; Verificar se sai bastante água no aspersor # 1. Se não, começar pelo aspersor # 8.

60 9) AJUSTES FINAIS Retornar ao sistema depois de 30 dias e fazer ajustes e verificar pontos secos e necessidades extras.

61 Fórmula para cálculo do tempo de ET x 60 (PR x EFF) = T Irrigação ET = Evapotranspiração - mm 60 = a formula constant PR = Taxa de Precipitação mm/h EFF = eficiência do sistema em decimal T = Tempo de operação do sistema.

62 INSTALAÇÃO

63 INSTALAÇÃO

64 INSTALAÇÃO

65 INSTALAÇÃO

66 INSTALAÇÃO

67 INSTALAÇÃO

68 INSTALAÇÃO

69 INSTALAÇÃO

70 INSTALAÇÃO

71 INSTALAÇÃO

72 INSTALAÇÃO

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ductilfort são uma linha em PVC dúctil utilizada na construção de redes para condução de água. Perfeitamente intercambiáveis às tubulações de ferro

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Esquema de Instalação Hidráulica RESIDENCIAL Atenção: Modelo meramente ilustrativo em casas térreas. Para sua segurança e garantia do bom funcionamento das tubulações de

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort Amanco PBAfort Os tubos Amanco PBAfort constituem a linha em PVC rígido utilizada na construção de redes enterradas para condução de água. São resistentes à corrosão tanto em relação à água transportada

Leia mais

Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral.

Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral. Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral. SETEMBRO/2011 Bitolas: 20, 25, 32, 40,50,60, 75, 85, 110 milímetros; Pressão

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort s o l u ç õ e s a m a n c o i n f r a e s t r u t u r a Linha Amanco Novafort para Redes Coletoras de Esgotos e Águas Pluviais para Infraestrutura A linha Amanco

Leia mais

Vinilfort 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras;

Vinilfort 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS: 2. BENEFÍCIOS: Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras; Vinilfort Localização no Website Tigre: Obra Infra-estrutura Saneamento Esgoto VINILFORT Função: Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras; Aplicações: Ligações prediais, redes coletoras, interceptores

Leia mais

Orientações Técnicas sobre Instalações de Irrigação IRRIGAÇÃO CATÁLOGO TÉCNICO

Orientações Técnicas sobre Instalações de Irrigação IRRIGAÇÃO CATÁLOGO TÉCNICO Orientações Técnicas sobre Instalações de Irrigação IRRIGAÇÃO CATÁLOGO TÉCNICO as à direita Um futuro melhor, essa é a nossa inspiração. SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade, para a TIGRE, está muito além

Leia mais

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES

LATERAIS E ADUTORAS MATERIAIS EMPREGADOS EM TUBULAÇÕES LATERAIS E ADUTORAS Uma tubulação em irrigação pode, conforme a finalidade, ser designada como adutora, ramal ou lateral. A adutora é aquela tubulação que vai da bomba até a área a ser irrigada. Normalmente

Leia mais

Coletor Esgoto. Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras.

Coletor Esgoto. Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras. Coletor Esgoto Obra Infra-estrutura Saneamento Esgoto Coletor esgoto Transporte de esgoto sanitário em redes coletoras. Ligações prediais, redes coletoras, interceptores de esgoto sanitário, sistemas condominais,

Leia mais

ÍNDICE VINILFORT E VINILFORT ULTRA

ÍNDICE VINILFORT E VINILFORT ULTRA ÍNICE VINILFORT E VINILFORT ULTRA Características da Linha Vinilfort Itens da Linha Vinilfort Características da Linha Vinilfort Ultra Itens da Linha Vinilfort Ultra Instruções Gerais Tabelas de Perda

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS A PLASTUBOS é uma empresa do Grupo Empresarial DVG, especializada na produção de tubos rígidos e conexões de PVC para água e esgoto predial, infra-estrutura, irrigação e eletricidade.

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Colefort Tubos

MANUAL TÉCNICO Amanco Colefort Tubos Amanco Colefort Tubos Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Colefort fazem parte da linha de tubos coletores em PVC utilizados pelas empresas públicas e privadas para a construção e manutenção de redes coletoras

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA

MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA 1. INTRODUÇÃO Este memorial descritivo se destina a orientar a montagem e a operação do sistema de tratamento de efluentes denominado

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Localização no Website Tigre: Obra Predial Esgoto CAIXA MÚLTIPLA ESGOTO Função: A linha Caixa Múltipla Esgoto completa a solução

Leia mais

CONEXÕES PARA ÁGUA FRIA EM PVC

CONEXÕES PARA ÁGUA FRIA EM PVC CONEXÕES PARA ÁGUA FRIA EM PVC Tubos e Conexões de PVC, para Água Fria, com Junta Soldável Norma Regulamentadora: ABNT NBR 5648 / jan 1999. Campo de Aplicação: Sistemas Prediais, condominiais e pequenas

Leia mais

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA DCC - RESPONDENDO AS DÚVIDAS 10. INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Av. Torres de Oliveira, 76 - Jaguaré CEP 05347-902 - São Paulo / SP INSTALAÇÃO HIDRÁULICA 1. INTRODUÇÃO As instalações de água fria devem atender

Leia mais

Sistemas Hidráulicos Sanitários. Água fria Água quente Esgoto Águas Pluviais Combate a incêndio Gás

Sistemas Hidráulicos Sanitários. Água fria Água quente Esgoto Águas Pluviais Combate a incêndio Gás Sistemas Hidráulicos Sanitários Água fria Água quente Esgoto Águas Pluviais Combate a incêndio Gás Sistemas Hidráulicos Sanitários Instalação hidro-sanitária água fria Processo Executivo 1) Colocar todas

Leia mais

FORMATO DA REDE. Basicamente existem dois formatos de rede: aberto ou em circuito fechado (anel). Formato Aberto: Formato Fechado:

FORMATO DA REDE. Basicamente existem dois formatos de rede: aberto ou em circuito fechado (anel). Formato Aberto: Formato Fechado: FORMATO DA REDE Basicamente existem dois formatos de rede: aberto ou em circuito fechado (anel). Formato Aberto: Quando não justifica fazer um anel, pode-se levar uma rede única que alimente os pontos

Leia mais

Adaptação do para-brisa inteiriço por bipartido

Adaptação do para-brisa inteiriço por bipartido Adaptação do para-brisa inteiriço por bipartido A instalação dos pára-brisas, só deve ser feita por profissionais experientes, em caso de dúvida durante a instalação, favor contatar a assistência disponível

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Celfort Tubos

MANUAL TÉCNICO Amanco Celfort Tubos Amanco Celfort Tubos Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Celfort fazem parte da linha de tubos coletores em PVC utilizados pelas empresas públicas e privadas para a construção e manutenção de redes coletoras

Leia mais

III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO

III. PERFIL PROFISSIONAL DE CONCLUSÃO DOS EGRESSOS DO CURSO PLANO DE CURSO RESUMIDO CURSO Instalador Hidráulico Residencial CBO 7241-15 COD-SGE 014.395 MODALIDADE Qualificação Profissional Área Tecnológica Construção Civil CARGA HORÁRIA 220 horas ITINERÁRIO Regional

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO Revisão 03 INSTALAÇÃO DO DISCO SOLAR Parabéns por adquirir um dos mais tecnológicos meios de aquecimento de água existentes no mercado. O Disco Solar é por sua natureza uma tecnologia

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA C A T Á L O G O T É C N I C O SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA CAIXA D ÁGUA EM FIBRA DE VIDRO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Hidráulica de Linhas pressurizadas Parte 1 - Tubulações FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Tubulações A qualidade e integridade de instalação depende: Escolha do material e do diâmetro adequado

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDROSSANITÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDROSSANITÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDROSSANITÁRIO OBRA: Biblioteca do câmpus Ibirama LOCALIZAÇÃO: Rua Dr. Getúlio Vargas, 3006 Ibirama/SC 89140-000 SISTEMAS A SEREM EXECUTADOS: Sistema de Água Fria Potável Sistema

Leia mais

MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA

MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa de soluções para armazenamento de água no Brasil. Campeã de vendas no seu segmento, garante a liderança no mercado

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

PROJETO BÁSICO PARA MANUTENÇÃO DO VIVEIRO DO CRAD

PROJETO BÁSICO PARA MANUTENÇÃO DO VIVEIRO DO CRAD PROJETO BÁSICO PARA MANUTENÇÃO DO VIVEIRO DO CRAD O objeto deste projeto básico refere-se aos serviços de manutenção e reforma do viveiro de referência do CRAD-UNIVASF. Faz parte deste projeto o memorial

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA C A T Á L O G O T É C N I C O SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA CAIXA D ÁGUA EM POLIETILENO MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

CAPÍTULO 11 ENGETUBO

CAPÍTULO 11 ENGETUBO 138 CAPÍTULO 11 ENGETUBO 1. Generalidades Os geotubos são tubos fabricados a partir de materiais poliméricos e são classificados como flexíveis. No caso do Engetubo da Engepol o polímero é o PEAD polietileno

Leia mais

NEUBAU ENGENHARIA E ASSESSORIA LTDA

NEUBAU ENGENHARIA E ASSESSORIA LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO SISTEMA DE ESGOTO OBRA: IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL ALVORADA LOCALIZAÇÃO: Rua Norberto Raduenz Bairro Testo Central Pomerode - SC SISTEMAS A SEREM EXECUTADOS: Rede

Leia mais

Tubos e Conexões com Qualidade Schulz

Tubos e Conexões com Qualidade Schulz Linha ConectAR Tubos e Conexões com Qualidade Schulz O constante crescimento da indústria, dos processos tecnológicos e o forte impulso da automação industrial, exigem instalações de ar comprimido, eficientes,

Leia mais

4.1 Tubo Coletor de Esgoto Kanasan Ocre

4.1 Tubo Coletor de Esgoto Kanasan Ocre 4.1 Tubo Coletor de Esgoto Kanasan Ocre O Kanasan é um tubo corrugado de dupla parede, fabricado em Polietileno de Alta Densidade (PEAD), semi rígido, anelado externamente e liso internamente (Figura 1,

Leia mais

Sistema de condução para redes de ar comprimido, com união por termofusão. A revolução em sistema de condução para redes de ar comprimido

Sistema de condução para redes de ar comprimido, com união por termofusão. A revolução em sistema de condução para redes de ar comprimido Sistema de condução para redes de ar comprimido, com união por termofusão. A revolução em sistema de condução para redes de ar comprimido MEMBRO A tecnologia e segurança do PP-R, agora também para redes

Leia mais

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net

AV. Herminio Gimenez RC - RUC: 80061756-8 COR: CIUDAD DEL ESTE-PY TEL: +595 983 613802 contato@options-sa.net - www.options-sa.net COR: -Instalação rápida e fácil, fixação com resina, ondulação de 2 a 4 mm para passagem dos cabos de energia. - Pode ser instalada em piscinas ou hidromassagens onde não tenha sido previsto sistema de

Leia mais

DRENAGEM DE AR CONDICIONADO

DRENAGEM DE AR CONDICIONADO SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA DRENAGEM DE AR CONDICIONADO LOTE 2 Versão: 002 Vigência: 12/2014 GRUPO DRENAGEM DE AR-CONDICIONADO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS027 CONSERTO DE REDES ADUTORAS DE ÁGUA Revisão: 01 Abr.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS027 CONSERTO DE REDES ADUTORAS DE ÁGUA Revisão: 01 Abr. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...3 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...3

Leia mais

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO Normas Aplicáveis MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO - NBR 15.979 Sistemas para Distribuição de Água e Esgoto sob pressão Tubos de polietileno PE 80 e PE 100 Procedimentos de Reparo - NBR 14.461 Sistemas

Leia mais

K 2.200 K 2.200, 1.671-804.0, 2015-06-02

K 2.200 K 2.200, 1.671-804.0, 2015-06-02 Compacta, leve, prática: a K 2.200 é perfeita para limpezas de varandas, garagens e áreas pequenas. O poderoso esfregão PS 20 possui proteção contra respingos integrada e foi especialmente adaptado para

Leia mais

HIDROGOOD Horticultura Moderna

HIDROGOOD Horticultura Moderna Fevereiro 2014 Parabéns! Você acaba de adquirir produtos Hidrogood, desenvolvidos e comercializados por empresa nacional da mais alta qualidade reconhecida no exterior! Esta apostila visa orientar a montagem

Leia mais

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762 Apresentação Apresentação Fundada em 2003, a Masterfer é, hoje, uma renomada fornecedora de produtos para saneamento. Prima por possuir um atendimento de forma única e objetiva, o que a credencia apresentar

Leia mais

O melhor do plástico. Construindo um Novo Tempo

O melhor do plástico. Construindo um Novo Tempo O melhor do plástico. Construindo um Novo Tempo Índice Acessórios para Banheiro... Válvulas... 3 Torneiras-Bóia... 3 Caixas... 3 Sifões... 3 Ferramentas para Construção... 4 Caixas Sifonadas... 4 Bombonas...

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 1.1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas 01520.8.1.1 m² 7,50 1.2 Ligação provisória de água para a obra

Leia mais

Barramento Elétrico Blindado KSL70

Barramento Elétrico Blindado KSL70 Barramento Elétrico Blindado KSL70 PG: 2 / 19 ÍNDICE PÁG. 1.0 DADOS TÉCNICOS 03 2.0 - MÓDULO 04 3.0 SUSPENSÃO DESLIZANTE 05 4.0 TRAVESSA DE SUSTENTAÇÃO 06 5.0 EMENDA DOS CONDUTORES E DOS MÓDULOS 07 6.0

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA C A T Á L O G O T É C N I C O SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA FILTRO PARA CAIXA D ÁGUA MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções para

Leia mais

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS ENDEREÇO: Rua nº 01 - Loteamento Maria Laura ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² 1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 1.1 Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE C A T Á L O G O D E P R O D U T O S SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DO MEIO AMBIENTE CISTERNA MUITO MAIS INOVAÇÃO E FACILIDADE PARA ARMAZENAR ÁGUA DA CHUVA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

LIGAÇÕES PREDIAIS ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

LIGAÇÕES PREDIAIS ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 LIGAÇÕES PREDIAIS PÁGINA 1/49 MOS 4ª Edição ESPECIFICAÇÕES MÓDULO 17 VERSÃO 00 DATA jun/2012 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1701 a 1714 LIGAÇÃO PREDIAL DE

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

AQUECEDOR COM CONTROLE REMOTO

AQUECEDOR COM CONTROLE REMOTO AQUECEDOR CENTRAL COM CONTROLE REMOTO AQUECEDOR CENTRAL DIGITAL I - CARACTERÍSTICAS E BENEFÍCIOS Aquece todos o pontos do banheiro Controle Remoto de Temperatura digital : - totalmente antichoque - você

Leia mais

STOL CH 701. 7R3-1 Rear Skin. Note: Tanto o lado superior como o lado inferior do revestimento estão perpendiculares a dobra longitudinal.

STOL CH 701. 7R3-1 Rear Skin. Note: Tanto o lado superior como o lado inferior do revestimento estão perpendiculares a dobra longitudinal. 7R3-1 Rear Skin Note: Tanto o lado superior como o lado inferior do revestimento estão perpendiculares a dobra longitudinal. Manuseia o revestimento Com muita atenção e delicadeza. desta forma você evitará

Leia mais

Manual Descritivo para Construção do ASBC

Manual Descritivo para Construção do ASBC Manual descritivo para construção do ASBC 1 Felipe Marques Santos Manual Descritivo para Construção do ASBC (Aquecedor Solar de Baixo Custo) Coordenador: Prof. Dr. Rogério Gomes de Oliveira 2 Manual descritivo

Leia mais

SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA

SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA CATÁLOGO TÉCNICO SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA TANQUES ESPECIAIS MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA ARMAZENAR PRODUTOS ESPECIAIS. A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções para armazenamento

Leia mais

Cabine de Pintura a Pó Tipo Cartucho Modelo CFC-1000

Cabine de Pintura a Pó Tipo Cartucho Modelo CFC-1000 Cabine de Pintura a Pó Tipo Cartucho Modelo CFC-1000 PREZADO CLIENTE Você está recebendo mais um produto com a qualidade e garantia DeVilbiss. A sua produção comprovará que o desempenho e a facilidade

Leia mais

LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS

LABORATÓRIO DE MECÂNICA DOS FLUIDOS MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS Nome: n o MEDIDAS DE PERDAS DE CARGA LOCALIZADAS - OBJETIVO Consolidar o conceito de perda de carga a partir do cálculo das perdas localizadas em uma tubulação. - PERDA DE CARGA LOCALIZADA Na prática,

Leia mais

Sistema de tubos em polipropileno de alta resistência para esgoto e águas pluviais. Maior segurança. Máxima resistência.

Sistema de tubos em polipropileno de alta resistência para esgoto e águas pluviais. Maior segurança. Máxima resistência. Sistema de tubos em polipropileno de alta resistência para esgoto e águas pluviais. Maior segurança. Máxima resistência. União deslizante de duplo lábio: maior segurança e facilidade de trabalho. O anel

Leia mais

DICAS ANTES DA COMPRA

DICAS ANTES DA COMPRA DICAS ANTES DA COMPRA Madeira: É um material natural e variações são consideradas normais, nuances e veios existentes nos pisos são próprios da madeira; imperfeições naturais, nós e variações nas tonalidades

Leia mais

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 3 Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 Substitui: Dezembro/2000 Página 1 de 14 Introdução: As Rodas Scotch-Brite C&P (Cutting & Polishing) são um eficiente e econômico produto

Leia mais

Memorial Descritivo OBRA: CERCAMENTO DOS LOTES Nº02 E Nº03 DA QUADRA Nº344

Memorial Descritivo OBRA: CERCAMENTO DOS LOTES Nº02 E Nº03 DA QUADRA Nº344 Memorial Descritivo OBRA: CERCAMENTO DOS LOTES Nº02 E Nº03 DA QUADRA Nº344 Endereço da obra: Quadra 128, situada na esquina da Rua Ijui esquina Rua Inhacorá, Bairro Recanto do Sol, Horizontina - RS. O

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA TANQUES MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções para armazenamento de água do Brasil. Campeã em

Leia mais

EMOP - Outubro/2013. m x m = m² 3.281,25 0,60 1.968,75 1.968,75 m²

EMOP - Outubro/2013. m x m = m² 3.281,25 0,60 1.968,75 1.968,75 m² 01 01 1.1 01.018.0001-0 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE TRÊS RIOS Centro - /RJ Marcação de obra sem instrumento topográfico, considerada a projeção horizontal da área envolvente 3.281,25 0,60 1.968,75 1.968,75

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 21-26 6. FOSSAS SEPTICAS As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgotos domésticos que detêm os despejos por um período que permita a

Leia mais

Projecto de uma mini mini-hídrica

Projecto de uma mini mini-hídrica Projecto de uma mini mini-hídrica José Pinto da Cunha 1 Lista de material 1 tupperware cilíndrico em PVC transparente com 20 cm e altura 9 cm;(marca Canasta; Continente; Jumbo) (ref. 5601323101891); 1

Leia mais

COMO MEDIR A PRESSÃO DO ÓLEO

COMO MEDIR A PRESSÃO DO ÓLEO Página 1 de 6 COMO MEDIR A PRESSÃO DO ÓLEO MOTOR WILLYS 6 CILINDROS BF-161 Com uma simples medição da pressão do óleo você pode avaliar o estado geral do seu motor Willys seja ele novo ou usado e evitar

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO RAMPA NAÚTICA DE ARAGARÇAS-GO O presente memorial descritivo tem por objetivo fixar normas específicas para CONSTRUÇÃO DE UMA RAMPA NAÚTICA - RIO ARAGUAIA, em área de 3.851,89

Leia mais

MANUAL Aquecedor Solar de Baixo Custo Didático

MANUAL Aquecedor Solar de Baixo Custo Didático Rio de Janeiro, 18 de outubro de 2010 Conteúdo 1. Objetivo...2 2. O Modelo...2 3. Montagem e desmontagem...3 3.1 Cuidados gerais - IMPORTANTE... 3 3.2 Montagem... 3 3.3 Desmontagem... 4 4. Experiências...6

Leia mais

IFSC - Campus São José Área de Refrigeração e Ar Condicionado Prof. Gilson Desenvolvimento de Chapas

IFSC - Campus São José Área de Refrigeração e Ar Condicionado Prof. Gilson Desenvolvimento de Chapas DESENVOLVIMENTO DE CHAPAS É o processo empregado para transformar em superfície plana, peças, reservatórios, uniões de tubulações e de dutos, normalmente feitos em chapas, razão pela qual este processo

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS

EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS MEMORIAL DESCRITIVO I N S T A L A Ç Õ E S H I D R O - S A N I T Á R I A S EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELEGRAFOS AC. CERES ENDEREÇO: AV. PRESIDENTE VARGAS, Nº220, CENTRO, CERES - GO. Página 1 de 8

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR ANTES DA INSTALAÇÃO: Para podermos ter uma excelente apresentação da instalação não dependemos

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO OPERACIONAL ITOPR 007- REV 01 Título: EMENDAS EM CORREIAS TRANSPORTADORAS CABO DE AÇO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO OPERACIONAL ITOPR 007- REV 01 Título: EMENDAS EM CORREIAS TRANSPORTADORAS CABO DE AÇO 1- DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA: Catálogos Goodyear, Mercúrio, Contitech 2- MATERIAIS E FERRAMENTAS: 2.1) Materiais: IT Descrição 01 Borracha de ligação, cabos/cobertura 02 Borracha de cobertura inferior e

Leia mais

O projeto abastecerá, de forma direta, 84 (oitenta e quatro) famílias, e também conectará, nos nós 5 e 7 na planta, a outra rede existente.

O projeto abastecerá, de forma direta, 84 (oitenta e quatro) famílias, e também conectará, nos nós 5 e 7 na planta, a outra rede existente. SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PICADA ARROIO DO MEIO ARROIO DO MEIO / RS MEMORIAL DESCRITIVO 1. Considerações preliminares O presente projeto visa à implantação de melhorias no sistema de abastecimento

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

Soluções Amanco. Linha Infraestrutura. Adução de Água Distribuição de Água Ligação Predial Coletor de Esgotos e Águas Pluviais Soldagem e Acoplamento

Soluções Amanco. Linha Infraestrutura. Adução de Água Distribuição de Água Ligação Predial Coletor de Esgotos e Águas Pluviais Soldagem e Acoplamento Soluções Amanco Linha Infraestrutura Adução de Água Distribuição de Água Ligação Predial Coletor de Esgotos e Águas Pluviais Soldagem e Acoplamento Estados Unidos da América 2 a Mexichem México 9 2 Honduras

Leia mais

CAPÍTULO IV: INSTALAÇÕES DE ÁGUA FRIA E E S G O T O S SANITÁRIOS

CAPÍTULO IV: INSTALAÇÕES DE ÁGUA FRIA E E S G O T O S SANITÁRIOS CAPÍTULO IV: INSTALAÇÕES DE ÁGUA FRIA E E S G O T O S SANITÁRIOS 1. MEMORIAL DESCRITIVO a) As instaiaçoes serão executadas em condições totalmente operacionais, sendo que o fornecimento de materiais, equipamentos

Leia mais

ÍNDICE. 11. Instalação do CONTROLADOR ELETRO ELETRÔNICO E SENSORES...31. 13. Capa TÉRMICA...33

ÍNDICE. 11. Instalação do CONTROLADOR ELETRO ELETRÔNICO E SENSORES...31. 13. Capa TÉRMICA...33 ÍNDICE 1. PRODUTO SORIA...04 2. ALGUMAS VANTAGENS...05 3. PRODUTO SORIA...06 4. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...07 5. KIT DE INSTALAÇÃO...08 6. ACESSÓRIOS...09 7. DIMENSIONAMENTO DOS COLETORES...10 8. Dimensionamento

Leia mais

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha

SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha SISTEMA ALTERNATIVO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Tanque séptico e Filtro Anaeróbio com fluxo ascendente EMEI Princesinha Carazinho, RS, 30 de junho de 2014. APRESENTAÇÃO OBRA: Tanque Séptico Escola Municipal

Leia mais

CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO

CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO CASA DE MÁQUINAS Item essencial para qualquer tipo de piscina. É nela que ficam acondicionados o Sistema Filtrante (Filtro e Bomba) registros, válvulas, fios e acionadores.

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO HIDRO SANITÁRIO OBRA: ANEXO 01 Proprietário: CREA SC - CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SANTA CATARINA Responsável Projeto: Eng Civil Cleber Giordani

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO TUBOS PRFV

MANUAL DE INSTALAÇÃO TUBOS PRFV MANUAL DE INSTALAÇÃO TUBOS PRFV JOPLAS INDUSTRIAL LTDA Revisão: 03 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO 04 2. MANUSEIO DOS TUBOS 04 2.1 INSPEÇÃO 04 2.2 DESCARGA E MANUSEIO 04 2.3 ARMAZENAMENTO 05 2.3.1 Tubos 05 2.3.2

Leia mais

MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS

MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS 6 MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS Versão 2014 Data: Abril / 2014 6.1. Tubos e Conexões... 6.3 6.1.1. Sistema em aço... 6.3 6.1.1.1. Tubos... 6.3 6.1.1.2. Conexões... 6.3 6.1.2. Sistema em cobre rígido...

Leia mais

Para se obter os melhores resultados, é essencial seguir exatamente as instruções de colocação.

Para se obter os melhores resultados, é essencial seguir exatamente as instruções de colocação. Para se obter os melhores resultados, é essencial seguir exatamente as instruções de colocação. PREPRÇÃO s réguas de piso devem permanecer e climatizar durante 48 horas dentro da embalagem fechada sob

Leia mais

IRRIGAÇÃO DE PROJETOS PAISAGÍSTICOS E CAMPOS ESPORTIVOS

IRRIGAÇÃO DE PROJETOS PAISAGÍSTICOS E CAMPOS ESPORTIVOS IRRIGAÇÃO DE PROJETOS PAISAGÍSTICOS E CAMPOS ESPORTIVOS Prof. Luiz A. Lima Departamento de Engenharia Universidade Federal de Lavras INTRODUÇÃO A irrigação de projetos paisagísticos vem crescendo substancialmente

Leia mais

ORÇAMENTO BÁSICO CONCORRÊNCIA N.O. 0-001-13 COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS - POTIGÁS

ORÇAMENTO BÁSICO CONCORRÊNCIA N.O. 0-001-13 COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS - POTIGÁS ORÇAMENTO BÁSICO CONCORRÊNCIA N.O. 0-001-13 COMPANHIA POTIGUAR DE GÁS - POTIGÁS Item Descrição dos Serviços Unid. Quant. Valor Unitário Máximo aceitável pela Potigás 1.0 Mobilização vb 1 Conforme proposta

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

Introdução. Equipamentos necessários para produção de cerveja

Introdução. Equipamentos necessários para produção de cerveja Introdução O objetivo deste manual é demonstrar a construção dos equipamentos básicos para produção caseira de cerveja, sem a necessidade de ferramentas profissionais e utilizando materiais encontrados

Leia mais

Soluções FORTLEV para a Sua Obra

Soluções FORTLEV para a Sua Obra Soluções FORTLEV para a Sua Obra 1 2 3 6 9 8 7 5 Soluções para Cuidar da Água 1. Caixa de Polietileno FORTLEV 2. Tanque Fortplus FORTLEV 3. Filtro de Entrada FORTLEV Soluções para Cuidar do Meio Ambiente

Leia mais

TUBOS E CONEXÕES PETROFORT MANUAL DE ORIENTAÇÃO

TUBOS E CONEXÕES PETROFORT MANUAL DE ORIENTAÇÃO TUBOS E CONEXÕES PETROFORT MANUAL DE ORIENTAÇÃO Orientaçõe gerais para manuseio, instalação e manutenção. 1 1) Projeto O projeto deve observar todo o traçado, e verificar os pontos irregulares. Estes pontos

Leia mais

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo.

Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Aquecedor Solar Tubos de Vácuo. Manual de instalação Ultrasolar Tel: (11) 3361 3328 Fax: (11) 3361 5810 www.ultrasolar.com.br Aquecedor Solar de Agua. Os aquecedores solares de água a vácuo Ultrasolar,

Leia mais

Mancais de rolamento I

Mancais de rolamento I A UU L AL A Mancais de rolamento I Um mecânico de manutenção, ao iniciar a desmontagem de um conjunto mecânico, constatou a existência de uma série de rolamentos. Examinando os rolamentos, verificou que

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais

A t é 5 0 0 m m c a- TUPY OU SIMILAR/ CLASSE 10- ISO R-7 ABNT PO14 DIN 2999 (BSP)

A t é 5 0 0 m m c a- TUPY OU SIMILAR/ CLASSE 10- ISO R-7 ABNT PO14 DIN 2999 (BSP) GÁS COMBUSTÍVEL 9 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 9. GÁS COMBUSTÍVEL Todos os materiais e forma de instalação

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Parque Universitário BACIA I Coletor Vila Goulart 300 mm Instalações

Leia mais

ESTUFAS DE BAIXO CUSTO MODELO PESAGRO-RIO (Informe Técnico 29, ISSN 0101-3769)

ESTUFAS DE BAIXO CUSTO MODELO PESAGRO-RIO (Informe Técnico 29, ISSN 0101-3769) 1 ESTUFAS DE BAIXO CUSTO MODELO PESAGRO-RIO (Informe Técnico 29, ISSN 0101-3769) Marco Antonio de Almeida Leal Luiz Carlos Santos Caetano José Márcio Ferreira INTRODUÇÃO Atualmente existem várias atividades

Leia mais