Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Várias Publicações. LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado"

Transcrição

1 :11:00. Fonte LUSA. Notícia SIR Temas: economia portugal finanças sociedade LusaTV: Aumento da carga fiscal melhorou qualidade da Segurança Social - Sec. Estado DATA:. ASSUNTO: Conferência "Novos desafios para as pensões em Portugal". TEXTO: Lisboa, 17 Mar (LusaTV) - O aumento da carga fiscal foi necessário, na medida em que garante a sustentabilidade das finanças públicas e melhora a qualidade da segurança social, afirmou hoje o secretário de Estado da Segurança Social, Pedro Jesus Marques. "Tratou-se de um aumento da carga fiscal que foi necessário para garantir a sustentabilidade das finanças públicas e estamos a ter bons resultados", disse Pedro Jesus Marques, à margem da conferência "Novos desafios para as pensões em Portugal", no Centro Cultural de Belém, em Lisboa. O secretário de Estado referiu que, sobretudo a partir de 1995, "houve um cumprimento adequado da então em vigor lei de bases e foi reforçada a transferência do orçamento do Estado das verbas dos impostos". Segundo Pedro Jesus Marques, "as contribuições dos trabalhadores e das empresas devem financiar as prestações de natureza contributiva", tais como reformas ou outras pensões sociais. "Foi esse o sinal que o Governo deu quando reforçou o financiamento da Segurança Social e as verbas vindas do IVA (imposto sobre o valor acrescentado), canalizando para a Segurança Social dos portugueses parte dos nossos impostos", sublinhou. Questionado sobre as recentes declarações do ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, relativamente à possibilidade de falência no sistema, Pedro Jesus Marques considerou que estas devem ser entendidas "em sintonia" com a actual posição do Governo nesta matéria. "O governo está perfeitamente em sintonia sobre essa matéria e se nada fosse feito pelo executivo, só os recursos do sistema de Segurança Social teriam que ser complementados com outras fontes de financiamento, tais como os impostos", à semelhança do que está a ser feito, acrescentou o secretário de Estado. "Se nada fosse feito, daqui a dez anos teríamos um sistema de défice", disse, a concluir.

2 SMS. LusaTV/Fim Público Paulo Duarte/AP (arquivo) O Governo defende que possam também ser organizados regimes complementares para os trabalhadores nas empresas Opção será discutida com parceiros sociais Governo propõe complementos de reforma suportados pelas empresas h56 O Governo quer discutir com os parceiros sociais a introdução de regimes complementares de reforma de natureza profissional, a criar dentro das próprias empresas para os seus trabalhadores, anunciou hoje o secretário de Estado da Segurança Social, Pedro Marques. O responsável, que assistiu à abertura do seminário "Novos Desafios para as Pensões em Portugal", promovido pela Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Património, disse que essa discussão vai inserir-se no debate global sobre a sustentabilidade da Segurança Social que o Governo vai ter em sede de concertação social. "Queremos discutir com os parceiros sociais quais os incentivos mais adequados do ponto de vista das empresas para os chamados regimes profissionais, em que, para além da poupança do sistema público [reformas e pensões] e da individual, possam ser organizadas nas próprias empresas regimes complementares para os trabalhadores dessas empresas", explicou o secretário de Estado. Pedro Marques admitiu ainda que o Executivo poderá, "progressivamente", adoptar um "reforço da via fiscal em função das prestações", se se justificar esse caminho, a exemplo do que aconteceu com o reforço extraordinário através do IVA. Além dos regimes complementares de reforma a criar no âmbito das empresas, o membro do Governo sublinhou o facto de se ter reintroduzido os incentivos fiscais à entrada nas poupanças individuais optativas, como os planos de poupança reforma. No seu entender, foi "um passo muito significativo", na linha do que acontece nos restantes países europeus, que implica "um grande esforço do ponto de vista das contas públicas". Deixando entender que o Governo não pretende ir mais longe nesta matéria, Pedro Marques reafirmou as dúvidas quanto à bondade do plafonamento (que permitiria aos contribuintes optarem

3 por sistemas privados), tanto pela dificuldade de financiamento do sistema no período transitório como pelos "resultados duvidosos a longo prazo". O secretário de Estado respondia a uma das perguntas colocadas pelo presidente da Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Património, Manuel Vasconcelos de Guimarães, que questionou sobre os cenários futuros do sistema, em particular sobre se vai ou não haver plafonamento e a partir de que valores. O plafonamento permitiria, acima de determinado salário, a opção pelo sistema privado, o que retiraria do sistema público o pagamento dessas pensões, mas também o privaria das verbas entretanto pagas pelo contribuinte. Correio da Manhã Manuel Moreira Os trabalhadores terão Fundos de Pensões nas suas empresas Economia :00:00 Pensões: estímulo para a criação de regimes profissionais Fundos empresariais pagam reformas O Governo vai dar incentivos às empresas que criem regimes complementares para o pagamento das reformas aos seus empregados. A proposta será apresentada em sede de Concertação Social já no próximo mês de Abril, depois de fechada a discussão sobre a alteração do subsídio de desemprego. Trata-se de um instrumento opcional de gestão e protecção dos trabalhadores, apurou o CM junto do Ministério do Trabalho. A filosofia é a de construir um edifício jurídico que permita à empresa criar uma espécie de fundo de pensões (à semelhança do existente no sector bancário) que irá reforçar a contribuição do sistema público (financiado pela entidade patronal em 21,75 por cento e pelo trabalhador em 11 por cento) na construção da reforma de cada trabalhador.

4 Existem três espécies de contrapartidas para as empresas que criarem este tipo de fundo; em primeiro lugar há um novo instrumento de negociação colectiva que poderá compensar a negociação salarial. Em segundo, existirão benefícios fiscais, uma vez que o tratamento contabilístico dado às verbas canalizadas para a constituição daquele fundo será mais favorável. Por último, o Governo está disposto a estudar um conjunto de contrapartidas em sede de concertação para discriminar positivamente as empresas que se disponham a constituir aquele terceiro pilar de financiamento das reformas. Esta intenção de criar um terceiro pilar de financiamento das reformas (para além da contribuição pública e dos complementos privados como é o caso dos Planos Poupança Reforma) encontra-se previsto no Programa do Governo. Entretanto, o secretário de Estado da Segurança Social, que falava à margem do seminário Novos Desafios para as Pensões em Portugal admitiu que o Governo poderá progressivamente, adoptar um reforço da via fiscal em função das prestações, se se justificar esse caminho, a exemplo do que aconteceu com o reforço extraordinário através do IVA (parte das receitas arrecadadas com o aumento da taxa de 17 para 19 por cento são canalizadas para o financiamento da Segurança Social). Fonte do Ministério do Trabalho negou, peremptoriamente, que este reforço resulte de um aumento dos impostos. Estamos a falar de reafectação de receitas, que serão sempre autorizadas pelo Ministério das Finanças, acrescentou a mesma fonte. CRIAR CONTAS INDIVIDUAIS A criação de contas individuais onde é registado tudo aquilo que o contribuinte paga e retira pode ser um dos caminhos para tornar o sistema mais à medida de cada pessoa, sem custos adicionais. A solução é apontada por Diogo de Lucena, administrador da Fundação Calouste Gulbenkian, presente ontem no simpósio Novos Desafios para as Pensões em Portugal. Implementar estas contas, que exigem uma contabilidade rigorosa para cada pessoa, vai permitir a cada contribuinte escolher a altura que mais lhe convém para passar à reforma, sabendo de antemão que vai receber uma pensão mais ou menos valiosa, consoante os anos de trabalho. PENSÕES BENEFICIÁRIOS Mais de um em cada quatro portugueses é pensionista da Segurança Social. Actualmente, 2666 milhões têm pensões de invalidez, velhice ou sobrevivência. VALORES

5 Em 2003 foram pagos 8,8 milhões de euros em pensões, mais 44,8 por cento do que em Este valor perfaz uma média nacional de 278 euros mensais por pensionista. CONCELHOS O maior número de pensionistas situa-se nos concelhos do Interior, centro e sul. A média regional de pensões mais baixa, 226 euros, situa-se no Interior Norte e a mais alta, 357 euros, na Grande Lisboa. Miguel Alexandre Ganhão SIC Publicação: :37 Última actualização: :03 Arquivo SIC Reformas com ajuda das empresas Proposta do Governo para financiar Segurança Social O Governo quer que as empresas ajudem a pagar a reforma dos trabalhadores. O pagamento dos chamados complementos será uma forma de financiar a Segurança Social.

6 As empresas que criem regimes complementares para o pagamento de reformas aos trabalhadores poderão vir a receber incentivos do Governo. A proposta será apresentada em Abril na concertação social. A ideia é levar as empresas a criar uma espécie de fundo de pensões, semelhante ao que existe no sector bancário, que permitiria reforçar a contribuição do sistema público na reforma de cada trabalhador. As empresas passavam a ter um novo instrumento de negociação colectiva que poderá compensar a tabela salarial. Teriam benefícios fiscais. E um conjunto de outras contrapartidas que o Governo está disposto a estudar com os parceiros em sede de concertação. Para além da contribuição pública e dos complementos privados como é o caso dos planos poupança reforma este seria assim mais um meio de financiamento, previsto no programa do Governo, para garantir a sustentabilidade da Segurança Social. O Governo pondera também, e se se justificar, adoptar de forma progressiva um reforço da via fiscal em função das prestações, como já aconteceu com o reforço extraordinário através do IVA. RTP Pensões: Governo propõe regimes complementares de natureza profissional O governo quer discutir com os parceiros sociais a introdução de regimes complementares de reforma de natureza profissional, a criar dentro das próprias empresas para os seus trabalhadores, disse hoje o secretário de Estado da Segurança Social. Pedro Marques, que hoje assistiu à abertura do seminário "Novos Desafios para as pensões em Portugal", promovido pela Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Património, disse que essa discussão se vai inserir no debate global sobre a sustentabilidade da segurança social que o governo vai ter em sede de concertação social. "Queremos discutir com os parceiros sociais quais os incentivos mais adequados do ponto de vista das empresas para os chamados regimes profissionais, em que, para além da poupança do sistema público (reformas e pensões) e da individual, possam ser organizadas nas próprias empresas regimes complementares para os trabalhadores dessas empresas", disse.

7 O secretário de Estado admitiu ainda que o governo poderá, "progressivamente", adoptar um "reforço da via fiscal em função das prestações", se se justificar esse caminho, a exemplo do que aconteceu com o reforço extraordinário através do IVA. Agência LUSA :57:57 Rádio Renascença Segurança Social: As propostas do Governo Este assunto será agora discutido com os parceiros sociais

8 Este assunto será agora discutido com os parceiros sociais O Governo vai propôr aos parceiros sociais a introdução de regimes complementares de reforma a criar pelas próprias empresas. Pedro Marques (18:10) O anúncio foi feito pelo secretário de Estado da Segurança Social. Pedro Marques participava na abertura do seminário "Novos Desafios para as Pensões em Portugal", hoje, em Lisboa. "Queremos discutir com os parceiros sociais quais os incentivos mais adequados também do ponto de vista das empresas, para os chamados regimes profissionais, em que, para além da poupança do sistema público e para além das poupanças individuais, poderem ser organizados nas próprias empresas regimes complementares para os trabalhadores dessas empresas". Pedro Marques admitiu ainda que o financiamento das contribuições sociais possa vir a ser feito pelo reforço progressivo da via fiscal: "nós entendemos que todas as prestações que sejam de natureza contributiva são financiadas por contribuições, as prestações de natureza não contributiva, de solidariedade, devem progressivamente ser também financiadas pelos impostos". "Esse princípio foi reforçado em 2001 e queremos agora discutir com os parceiros sociais se há ou não margem para continuar a alargar o príncípio e se ele deve ser alargado" - concluiu o governante. Pedro Marques voltou também a afirmar que, mesmo que não consiga o apoio dos parceiros sociais, o Governo vai avançar com as alterações na atribuição do subsídio de desemprego. Mudanças que prevêem medidas mais exigentes e rigorosas, diz o secretário de Estado. Rádio Renascença Segurança Social: As sugestões de Ribeiro Mendes

9 O antigo secretário de Estado da Segurança Social, Ribeiro Mendes, defende a redução progressiva da taxa de substituição do subsídio de desemprego. A jornalista Ana Carrilho, com declarações Ribeiro Mendes (22:19) Em declarações à Renascença, à margem do o Seminário "Novos Desafios para as pensões em Portugal", promovido pela Associação de Fundos de Pensões, Ribeiro Mendes apontou vários caminhos para a sustentabilidade do sistema de Segurança Social. Nas medidas imediatas, defende a redução progressiva da taxa de substituição do subsídio de desemprego, medida que iria retirar pressão sobre as finanças da Segurança Social e "desincentivar os comportamentos que prolongam a situação de desemprego". Para Ribeiro Mendes, não há dúvidas de que, mais cedo ou mais tarde, a idade legal de reforma vai ter mesmo que aumentar, acompanhando o aumento da esperança de vida. O especialista defende também, por exemplo, a introdução do plafonamento ou de tectos contributivos, apesar do actual ministro Vieira da Silva já ter dito que essa não é uma solução viável. Com a diminuição das receitas da Segurança Social, a alternativa é aumentar as taxas contributivas ou aumentar o défice. Apesar de tudo, Ribeiro Mendes considera que esta última hipótese pode ser aceite pela União Europeia, porque o que estaria em causa era uma reforma. Mesmo assim, já é certo que as pensões futuras serão sempre mais baixas, devido à fórmula de cálculo aplicada, sustenta. O antigo secretário de Estado da Segurança Social defende que a fórmula de cálculo que reflecte toda a carreira contributiva entre de imediato em vigor, abolindo o período de transição que devia decorrer até Certo é que os portugueses já vão pensando que têm que arranjar mecanismos complementares ao sistema público. Apesar de alguma desconfiança, investe-se cada vez mais em PPR s, sobretudo a classe média, sublinha Ribeiro Mendes.

10 Na opinião do especialista em Segurança Social, as pensões de sobrevivência é outra área que merece mudanças. Ribeiro Mendes aplaude a decisão de Vieira da Silva em relação às reformas antecipadas. Considera que é um regime que não pode ser totalmente eliminado, mas muito restrito sobretudo para trabalhadores de baixa qualificação e que ficam sem emprego quase no fim da vida activa.

11 Agência Financeira De natureza profissional Governo quer complementos de reforma organizados pelas empresas [ 2006/03/17 14:52 ] EditorialPGM Pensões mínimas sobem acima da inflaçãoartigos relacionados Um quarto da população é pensionista da Segurança Social Estado tem de pagar menos a pensionistas e desempregados Mais de mil funcionários do Estado são pensionistas Links relacionados Já declarou o IRS? Saiba já se vai receber ou pagar e quanto! O Governo quer discutir com os parceiros sociais a introdução de regimes complementares de reforma de natureza profissional. A ideia é criar dentro das próprias empresas para os seus trabalhadores, disse hoje o secretário de Estado da Segurança Social, citado pela Lusa. Pedro Marques, que hoje assistiu à abertura do seminário «Novos Desafios para as pensões em Portugal», promovido pela Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Património, disse que essa discussão se vai inserir no debate global sobre a sustentabilidade da segurança social que o governo vai ter em sede de concertação social. «Queremos discutir com os parceiros sociais quais os incentivos mais adequados do ponto de vista das empresas para os chamados regimes profissionais, em que, para além da poupança do sistema público (reformas e pensões) e da individual, possam ser organizadas nas próprias empresas regimes complementares para os trabalhadores dessas empresas», disse. O secretário de Estado admitiu ainda que o governo poderá, «progressivamente», adoptar um «reforço da via fiscal em função das prestações», se se justificar esse caminho, a exemplo do que aconteceu com o reforço extraordinário através do IVA.

12 Diário de Notícias Online Governo quer negociar pensões complementares Criar incentivos para as empresas investirem em planos complementares de reforma para os seus trabalhadores é uma aposta do Governo, ontem defendida pelo secretário de Estado da Segurança Social. "Queremos discutir com os parceiros sociais quais os incentivos mais adequados do ponto de vista das empresas para os chamados regimes profissionais em que, para além da poupança do sistema público e da individual possam ser organizadas nas próprias empresas regimes complementares para os trabalhadores dessas empresas", disse Pedro Marques, que falava no seminário "Novos Desafios para as Pensões em Portugal". Ao contrário da realidade de outros países europeus, em que os fundos profissionais têm uma longa tradição e peso nas soluções de reforma, em Portugal os planos complementares de reforma por iniciativa das empresas estão praticamente limitados ao sector bancário e ao universo das empresas de capital público. Em cima da mesa estão não apenas regimes de empresa, mas também sectoriais, tanto da iniciativa de empresas como de sindicatos. No seminário promovido pela Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pedro Marques relançou a ideia de reforçar o papel dos impostos no financiamento da Segurança Social - tal como aconteceu com a consignação de receitas do IVA -, em particular para algumas prestações que não dependem do esforço contributivo. Numa entrevista ao DN, em Novembro, Vieira da Silva já tinha defendido essa solução, para fazer à face ao crescimento das despesas, sem penalizar mais as empresas e os trabalhadores que são os principais contribuintes do sistema. Na ocasião, o ministro

13 admitiu, sem compromisso, que em estudo estão várias hipóteses, desde impostos sobre a poluição, sobre o valor acrescentado das empresas, ou simplesmente canalizar mais receitas fiscais para o sistema. Diário Económico Segurança Social > :52 Governo admite reforço "progressivo" da via fiscal DE com Lusa O secretário de Estado da Segurança Social admitiu hoje um reforço "progressivo" da via fiscal para financiar as contribuições sociais "se isso se justificar". Pedro Marques, que falava à saída da sessão de abertura do seminário "Novos desafios para as pensões em Portugal", disse que o governo quer discutir essa possibilidade com os parceiros sociais. O secretário de Estado sublinhou o princípio de que as contribuições dos trabalhadores e das empresas devem financiar as prestações de natureza contributiva, enquanto os complementos que não têm a ver com as contribuições dos trabalhadores e decorrem de uma decisão de solidariedade para com os que mais precisam "têm que ser pagos com os impostos". "Este princípio foi reforçado em 2001 e queremos discutir com os parceiros sociais se deve ou não haver margem para continuar a alargar este princípio", afirmou. No seu entender, é preciso analisar as prestações sociais, ver as alterações ocorridas desde 2001, e "se se justificar um reforço da via fiscal em função da natureza das prestações, esse caminho pode ser adoptado progressivamente", disse, dando como exemplo o reforço extraordinário feito em 2005 através do IVA. Pedro Marques reafirmou ainda a importância dada pelo governo à reforma do subsídio de desemprego, sobretudo para combater o uso indevido desta prestação.

14 Segundo disse, vai realizar-se, "nas próximas semanas", uma reunião da concertação social "para ultimar as propostas a curto prazo", sublinhando que apesar do esforço para obter consensos o governo vai legislar sobre a matéria mesmo que não haja acordo. Um dos pontos "mais importantes" dessa reforma refere-se às características dos empregos que os beneficiários do subsídio podem ou não rejeitar. "Hoje é demasiado vago" e os beneficiários "rejeitam demasiadas" vezes as ofertas, afirmou, sublinhando que a legislação actual contém "demasiadas margens para um uso indevido" desta prestação. O aumento significativo dos encargos com os subsídios de desemprego é um dos factores que tem sido apontado, a par do aumento continuado das despesas com as pensões, para a situação financeira actual da Segurança Social. Economía + títulos de Economía Diário Económico Pensões > :45 Governo propõe regimes complementares de natureza profissional DE com Lusa O Governo quer discutir com os parceiros sociais a introdução de regimes complementares de reforma de natureza profissional, a criar dentro das próprias empresas para os seus trabalhadores, disse hoje o secretário de Estado da Segurança Social. Pedro Marques, que hoje assistiu à abertura do seminário 'Novos Desafios para as pensões em Portugal', promovido pela Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Património, disse que essa discussão se vai inserir no debate global sobre a sustentabilidade da segurança social que o governo vai ter em sede de concertação social. "Queremos discutir com os parceiros sociais quais os incentivos mais adequados do ponto de vista das empresas para os chamados regimes profissionais, em que, para além da poupança do sistema público (reformas e pensões) e da individual, possam ser organizadas nas próprias empresas regimes complementares para os trabalhadores dessas empresas", disse.

15 O secretário de Estado admitiu ainda que o governo poderá, "progressivamente", adoptar um "reforço da via fiscal em função das prestações", se se justificar esse caminho, a exemplo do que aconteceu com o reforço extraordinário através do IVA.

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental

Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas. Algumas Medidas de Política Orçamental Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas Algumas Medidas de Política Orçamental CENÁRIO O ano de 2015 marca um novo ciclo de crescimento económico para Portugal e a Europa. Ante tal cenário,

Leia mais

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL

ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL ACORDO SOBRE AS LINHAS ESTRATÉGICAS DE REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL Julho de 2006 1 O sistema de protecção social português encontra-se hoje, tal como na generalidade dos países desenvolvidos, perante desafios

Leia mais

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar margaridacorreadeaguiar@gmail.com TÓPICOS DEFINIÇÕES

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente

Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Informação necessária à avaliação do Programa da Coligação Portugal à Frente Lisboa, 10 de Outubro de 2015 Na sequência da reunião mantida no dia 9 de Outubro de 2015, e com vista a permitir a avaliação

Leia mais

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES: - só em 2006 a Segurança Social perdeu

Leia mais

* DOCUMENTOS DE APOIO *

* DOCUMENTOS DE APOIO * E m A N Á L I S E * DOCUMENTOS DE APOIO * Nº 10 Dezembro 2006 Gabinete de Investigação e Projectos Reforma da Segurança Social Síntese Portugal dispõe de um Sistema Público de Segurança Social que se desenvolveu

Leia mais

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que:

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Declaração ao país António José Seguro 19 de Julho de 2013 Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Não houvesse mais cortes nas reformas e nas pensões Não houvesse mais despedimentos na função

Leia mais

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira

A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR. Palestrante: Manuel Moreira A IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA DA PROTECÇÃO SOCIAL COMPLEMENTAR Palestrante: Manuel Moreira OBJECTIVOS DA SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem o fim primordial de libertar os membros da sociedade das preocupações

Leia mais

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO

INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO FISCAL N.º 1/2009 JAN/FEV 2009 INICIATIVA PARA O INVESTIMENTO E EMPREGO Nuno Sampayo Ribeiro No Conselho de Ministros de 13 de Dezembro de 2008 foi aprovado um reforço do investimento público. O qual será

Leia mais

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo REFORMAS E PENSÕES EM PORTUGAL PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo 20 de Fevereiro de 2014 Quem Somos > Os Nossos Valores > Ativos Sob Gestão

Leia mais

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009

A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 STPT Sindicato dos Trabalhadores 1 do Grupo Portugal Telecom Fundamentação Económica A. E. / P T Comunicações PROPOSTA DE REVISÃO * 2009 A proposta de revisão do AE/PT-C que para efeitos de negociação

Leia mais

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social

ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social ESTRATÉGIA ORÇAMENTAL 2011-2015 Administração Pública e Segurança Social O Ministro das Finanças apresentou recentemente o "Documento de Estratégia Orçamental 2011-2015", que contém diversas medidas a

Leia mais

Decreto-Lei n.º 140-B/2010. de 30 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 140-B/2010. de 30 de Dezembro Decreto-Lei n.º 140-B/2010 de 30 de Dezembro O presente decreto-lei é mais um passo no objectivo do Governo de reafirmar os princípios de convergência e universalização dos regimes de protecção social

Leia mais

Ponto da situação sobre a aposentação

Ponto da situação sobre a aposentação Ponto da situação sobre a aposentação Com a publicação da Lei nº 11/2008, de 20 de Fevereiro, são introduzidas mudanças pontuais ao regime de aposentação que já tinha sido alterado nos anos mais recentes.

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Decreto-Lei n.º 167-E/2013, de 31 de dezembro

Decreto-Lei n.º 167-E/2013, de 31 de dezembro Decreto-Lei n.º 167-E/2013, de 31 de dezembro A necessidade de contenção da despesa pública no longo prazo com caráter de definitividade obriga à redução da despesa no setor da segurança social, o que

Leia mais

Aumento do Custo de Vida Degradação das condições económicas e sociais para a generalidade dos portugueses

Aumento do Custo de Vida Degradação das condições económicas e sociais para a generalidade dos portugueses Aumento do Custo de Vida Degradação das condições económicas e sociais para a generalidade dos portugueses O ano de 2011 é marcado por um acentuado aumento do custo de vida, concretizado pela subida da

Leia mais

Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1

Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1 Desigualdades criam dificuldades à sustentabilidade da Segurança Social Pág. 1 A ELIMINAÇÃO DA DESIGUALDADE DAS REMUNERAÇÕES ENTRE HOMENS E MULHERES EM PORTUGAL MELHORARIA A REPARTIÇÃO DA RIQUEZA E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

1. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 1. 2. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 2

1. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 1. 2. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 2 Radios_25_Maio_2015 Revista de Imprensa 1. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 1 2. Greve no Metro de Lisboa, Antena 1 - Notícias, 25-05-2015 2 3. PS quer alterar o Código do IVA,

Leia mais

NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES

NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES O Novo Regime Jurídico do Sector Empresarial Local O novo regime jurídico do sector empresarial

Leia mais

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva

A visão Social da Previdência Complementar. Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva A visão Social da Previdência Complementar Palestrante: Henda Mondlane F. da Silva Protecção Social Obrigatória vs Protecção Social Complementar As alterações efectuadas nos últimos anos ao Regime da Segurança

Leia mais

Porque razão a banca e o governo querem transferir os Fundos de Pensões para a Segurança Social Pág 1

Porque razão a banca e o governo querem transferir os Fundos de Pensões para a Segurança Social Pág 1 Porque razão a banca e o governo querem transferir os Fundos de Pensões para a Segurança Social Pág 1 PORQUE RAZÃO A BANCA PRETENDE TRANSFERIR OS FUNDOS DE PENSÕES PARA A SEGURANÇA SOCIAL E OS RISCOS PARA

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 312/XI

PROJECTO DE LEI N.º 312/XI Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 312/XI DEFINE O DIREITO À ANTECIPAÇÃO DA APOSENTAÇÃO E ATRIBUIÇÃO DA PENSÃO DE VELHICE A TRABALHADORES QUE TENHAM COMEÇADO A TRABALHAR ANTES DE COMPLETAREM 16 ANOS

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE REFEIÇÃO E VIAGEM (2013)

AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE REFEIÇÃO E VIAGEM (2013) AJUDAS DE CUSTO E SUBSÍDIOS DE REFEIÇÃO E VIAGEM (2013) Com a entrada em vigor da Lei do Orçamento do Estado para 2013 (n.º 66 -B/2012, de 31 de Dezembro de 2012), procedeu -se à actualização da remuneração

Leia mais

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO O direito ao trabalho e ao emprego com direitos é cada vez mais posto em causa no nosso país. As políticas seguidas

Leia mais

REFORMA DO REGIME DE APOSENTAÇÕES

REFORMA DO REGIME DE APOSENTAÇÕES Ministério das Finanças e da Administração Pública Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social REFORMA DO REGIME DE APOSENTAÇÕES ÍNDICE DE ASSUNTOS I - PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA REFORMA 5 1. Cessação

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2014

SEGUROS DE VIDA IRS 2014 SEGUROS DE VIDA IRS 2014 (Lei n.º 66-B/2012 de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2014 - Seguros de Vida Índice 3 Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2. Tributação dos benefícios 2.1. Indemnizações por

Leia mais

Governo quer mais. taxas ambientais, mas receitas caem

Governo quer mais. taxas ambientais, mas receitas caem Governo quer mais taxas ambientais, mas receitas caem Proposta do OE 2014 prevê menos receita de impostos sobre os combustíveis e os automóveis Pl2/13 FISCALIDADE Governo quer mais taxas ambientais, mas

Leia mais

Fundo de Pensões. Ordem dos Economistas 2012

Fundo de Pensões. Ordem dos Economistas 2012 Fundo de Pensões Ordem dos Economistas 2012 1 Agenda Plano de Pensões da Ordem dos Economistas Fundos de Pensões Site BPI Pensões 2 Âmbito A Ordem dos Economistas decidiu constituir um Plano de Pensões

Leia mais

Reacções à Entrevista do Dr. Miguel Horta e Costa à Agência Lusa

Reacções à Entrevista do Dr. Miguel Horta e Costa à Agência Lusa Reacções à Entrevista do Dr. Miguel Horta e Costa à Agência Lusa 06 de Novembro de 2003 Clipping de Media (07 de Novembro de 2003) Meio: Semanário Económico Pág.: 1 Meio: Semanário Económico Pág.: 2 Meio:

Leia mais

2103 CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE SOCIAL. RS vs Stakeholders. Pensões de reforma: um olhar sobre a responsabilidade social da empresa

2103 CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE SOCIAL. RS vs Stakeholders. Pensões de reforma: um olhar sobre a responsabilidade social da empresa 2103 CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE SOCIAL RS vs Stakeholders Pensões de reforma: um olhar sobre a responsabilidade social da empresa Instituto Português de Corporate Governance 27 de Novembro de 2013, Lisboa

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

newsletter Nº 78 JULHO / 2013

newsletter Nº 78 JULHO / 2013 newsletter Nº 78 JULHO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Julho de 2013 2 O conceito de Indispensabilidade do Gasto para a Realização do Rendimento 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL

Leia mais

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL?

EM QUE CONSISTE? QUAL A LEGISLAÇÃO APLICÁVEL? EM QUE CONSISTE? As entidades devedoras de pensões, com exceção das de alimentos, são obrigadas a reter o Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) no momento do seu pagamento ou colocação

Leia mais

SEGUROS DE VIDA IRS 2015

SEGUROS DE VIDA IRS 2015 SEGUROS DE VIDA IRS 2015 (Lei n.º 82-B/2014 de 31 de Dezembro e Lei n.º 82-E/2014, de 31 de Dezembro) generali.pt 2 IRS 2015 - Seguros de Vida Índice I II III Seguros de Vida 1. Dedução dos prémios 2.

Leia mais

Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo

Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo nº3a Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo Dados e factos 1. O financiamento actual da segurança social não é sustentável: há cerca de 5 milhões de trabalhadores

Leia mais

Processo de Negociação Geral Anual: Negociação Geral para a Administração Pública em 2009: Princípios Orientadores e Proposta Negocial

Processo de Negociação Geral Anual: Negociação Geral para a Administração Pública em 2009: Princípios Orientadores e Proposta Negocial Processo de Negociação Geral Anual: Negociação Geral para a Administração Pública em 2009: Princípios Orientadores e Proposta Negocial 5ª Reunião 12 de Novembro de 2008 A reunião teve início pelas 12h

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Associados Benchmark Beneficiários Beneficiários por Morte CMVM Comissão de Depósito Comissão de Gestão Comissão de Transferência Comissão Reembolso (ou resgate)

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS

PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 757/X ESTABELECE MEDIDAS DE INCENTIVO À PARTILHA DE VIATURAS Exposição de motivos Existiam 216 milhões de passageiros de carros na UE a 25 em 2004, tendo o número

Leia mais

Carris e Metro ficam sem 65 milhões de utentes em 4 anos

Carris e Metro ficam sem 65 milhões de utentes em 4 anos ID: 63421185 04-03-2016 Tiragem: 74277 País: Portugal Period.: Diária Pág: 28 Cores: Cor Área: 25,50 x 19,90 cm² Corte: 1 de 1 lisboa Movimento de Utentes considera que os transportes públicos "não estão

Leia mais

Medidas de Revitalização do Emprego

Medidas de Revitalização do Emprego Projeto de Resolução n.º 417/XII Medidas de Revitalização do Emprego A sociedade europeia em geral, e a portuguesa em particular, enfrentam uma crise social da maior gravidade. Economia em recessão e um

Leia mais

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Globalmente, a Associação Industrial Portuguesa Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI) considera positivo o Anteprojeto de Reforma do IRS efetuado

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 6546-(418) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 n.º 4 do artigo 98.º ou de o respetivo montante ser levado em conta na liquidação final do imposto, os prazos de reclamação e de

Leia mais

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT

12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT 12ª AVALIAÇÃO DO PROGRAMA DE AJUSTAMENTO ECONÓMICO E FINANCEIRO POSIÇÃO DA UGT Estando a chegar ao fim o Programa de Ajustamento Económico e Financeiro (PAEF) e, consequentemente, as avaliações regulares

Leia mais

Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões

Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões Reforma Estrutural dos Sistemas de Pensões Jorge Miguel Bravo Universidade Évora Economia & Universidade Nova Lisboa - ISEGI jbravo@uevora.pt / jbravo@isegi.unl.pt Fundação Calouste Gulbenkian, 7 de Outubro

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 8818 Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de Dezembro de 2009 MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Portaria n.º 1457/2009 de 31 de Dezembro O

Leia mais

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social

Nota Técnica. Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Nota Técnica Sobre a sustentabilidade dos sistemas de proteção social Tal como sucedeu com a maior parte dos regimes de proteção social da Europa, também o sistema português evoluiu de um regime de seguros

Leia mais

REGULAMENTO DE ACESSO AO FUNDO DE APOIO À FORMAÇÃO (F.A.F.) DOS ALUMNI DA AESE

REGULAMENTO DE ACESSO AO FUNDO DE APOIO À FORMAÇÃO (F.A.F.) DOS ALUMNI DA AESE REGULAMENTO DE ACESSO AO FUNDO DE APOIO À FORMAÇÃO (F.A.F.) DOS ALUMNI DA AESE 0. PONTO PRÉVIO A AESE, através deste regulamento, delega no seu Agrupamento de Membros a gestão operacional do F.A.F., reservando

Leia mais

IVA e IEC na Proposta do OE 2005 PricewaterhouseCoopers Susana Caetano

IVA e IEC na Proposta do OE 2005 PricewaterhouseCoopers Susana Caetano IVA e IEC na Proposta do OE 2005 PricewaterhouseCoopers Susana Caetano Na proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2005 propõe-se a introdução de algumas alterações relevantes e de autorizações legislativas

Leia mais

Nova derrama da Lei das Finanças Locais

Nova derrama da Lei das Finanças Locais Nova derrama da Lei das Finanças Locais José Silva Jorge 'Partner' da Ernst & Young in Diário de Notícias!"# $%&'(# ) * +!(# ),$%& + * - ) * + *., 01#2 3"#4 2 5, ) ) *, * $%& 2 ) $ * ) + ). ) ("6,. ),

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

Decreto-Lei n.º 232/2005 de 29 de Dezembro

Decreto-Lei n.º 232/2005 de 29 de Dezembro Decreto-Lei n.º 232/2005 de 29 de Dezembro Os indicadores de pobreza relativos a Portugal evidenciam a necessidade de correcção das intoleráveis assimetrias de rendimento existentes entre os Portugueses,

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011

ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO. 11 de Março de 2011 Ministério das Finanças e da Administração Pública ACTUALIZAÇÃO ANUAL DO PROGRAMA DE ESTABILIDADE E CRESCIMENTO: PRINCIPAIS LINHAS DE ORIENTAÇÃO 11 de Março de 2011 Enquadramento No actual quadro de incerteza

Leia mais

Assembleia Popular Nacional

Assembleia Popular Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Popular Nacional Lei n.º 2/88 Manda executar o Orçamento para o ano de 1988 A Assembleia Popular Nacional, usando da faculdade conferida pela alínea

Leia mais

entre o Senhor Secretário Regional da Economia, Vasco Cordeiro, e o Senhor Ministro da Economia e Trabalho, Álvaro dos Santos Pereira, tendo

entre o Senhor Secretário Regional da Economia, Vasco Cordeiro, e o Senhor Ministro da Economia e Trabalho, Álvaro dos Santos Pereira, tendo Exma. Senhora Presidente da Assembleia Ex. mas Senhoras e Senhores Deputados. Ex. mo Senhor Presidente do Governo, Senhoras e Senhores membros do Governo, Foi no dia 18 Agosto de 2011, em Lisboa, que ocorreu

Leia mais

SINDICATO DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL

SINDICATO DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL SINDICATO DOS JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO QUADROS COMPETITIVOS NACIONAIS A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) apresentou, a 4 de Abril de 2005, uma proposta de alteração

Leia mais

LINHAS ESTRATÉGICAS DA REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL 1º CONTRIBUTO DA UGT - 26/05/2006

LINHAS ESTRATÉGICAS DA REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL 1º CONTRIBUTO DA UGT - 26/05/2006 LINHAS ESTRATÉGICAS DA REFORMA DA SEGURANÇA SOCIAL 1º CONTRIBUTO DA UGT - 26/05/2006 I. ENQUADRAMENTO Para a UGT, uma Segurança Social universal e pública é fundamental e inegociável, constituindo a principal

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (DR Modelo 22 de

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente.

SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente. Programa do Governo SEGURANÇA SOCIAL A profunda reforma da Segurança Social é, não apenas inevitável, como urgente. Como qualquer reforma sustentada, tem de se basear no justo equilíbrio entre criação

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira O Plano e o Orçamento constituem documentos de grande importância para a economia

Leia mais

Liberalização da escolha «medida inevitável» para uns, «ratoeira» para outros

Liberalização da escolha «medida inevitável» para uns, «ratoeira» para outros Liberalização da escolha «medida inevitável» para uns, «ratoeira» para outros Médicos debatem situação actual do sector da Saúde A liberalização da escolha do doente e as medidas a adotar nesse sentido,

Leia mais

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM DISCURSO PROGRAMA DE GOVERNO 9.11.2015 MSESS PEDRO MOTA SOARES - SÓ FAZ FÉ VERSÃO EFECTIVAMENTE LIDA - SENHOR PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA SENHORAS E SENHORES DEPUTADOS NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS

Leia mais

Fiscalidade no Sector da Construção

Fiscalidade no Sector da Construção Fiscalidade no Sector da Construção Conferência AICCOPN Os Fundos de Investimento Imobiliário para Arrendamento Habitacional Lisboa, 26 de Março de 2009 Paulo Alexandre de Sousa Director de Financiamento

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice - Presidência do Governo Gabinete do Vice-Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Vice - Presidência do Governo Gabinete do Vice-Presidente Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente Senhora e Senhores Membros do Governo Permitam-me que, pela primeira vez que tenho a honra de intervir nesta Assembleia,

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Pergunta. Anúncio do Governo de uma pretensa devolução aos portugueses, em 2016, de um montante da Sobretaxa paga em 2015.

Pergunta. Anúncio do Governo de uma pretensa devolução aos portugueses, em 2016, de um montante da Sobretaxa paga em 2015. Pergunta Destinatário: Senhora Ministra de Estado e das Finanças Assunto: Anúncio do Governo de uma pretensa devolução aos portugueses, em 2016, de um montante da Sobretaxa paga em 2015. Exma. Senhora

Leia mais

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses A conferência de imprensa realizada por Paulo Portas e pela

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO

PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE PROGRAMA E DE TEMAS PARA DISCUSSÃO 2. INOVAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO O objectivo está adquirido, como está adquirida a consciência da sua importância. O que não está adquirido é a forma de

Leia mais

Economia do conhecimento deve ser a principal aposta de Angola

Economia do conhecimento deve ser a principal aposta de Angola A1 Economia do conhecimento deve ser a principal aposta de Angola Tipo Internet Data Publicação: 24-06-2013 Sol Online http:sol.sapo.ptangolainterior.aspx?content_id=78501 O membro do Conselho de Estado

Leia mais

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Parceiros Estratégicos: Hospital Particular do Algarve CONFERÊNCIA TURISMO 2020 PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Turismo e Fundos Comunitários. Que futuro? O caso do Algarve

Leia mais

Sector Público. SPA ou AP: diferentes abordagens. Âmbito do sector público - introdução. O sector público divide-se em:

Sector Público. SPA ou AP: diferentes abordagens. Âmbito do sector público - introdução. O sector público divide-se em: Economia e Finanças Públicas Aula T14 4. O sector público em Portugal: âmbito, estrutura e contas 4.1 As administrações públicas (AP) 4.1.1 As AP: âmbito e estrutura 4.1.2 Os sub-sectores das AP 4.1.2.1

Leia mais

Crescimento da dívida desde o fim dos anos 90

Crescimento da dívida desde o fim dos anos 90 Justiça na economia Crescimento da dívida desde o fim dos anos 90 Em % do PIB 140% 120% 100% 80% 60% 40% 20% 0% 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Crescimento

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal

Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal Descontar para a reforma na Suíça e a sua situação em caso de divórcio em Portugal 1. Fundamento A reforma na Suíça apoia se em três pilares, a saber a AHV ("Eidgenössische Invaliden und Hinterlassenenverswicherung"

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 46/XII/1.ª Tributa as mais-valias mobiliárias realizadas por Sociedades Gestores de Participações Sociais (SGPS), Sociedades de Capital

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

R-47/06 (A4) Dos elementos disponíveis, destacam-se os seguintes aspectos:

R-47/06 (A4) Dos elementos disponíveis, destacam-se os seguintes aspectos: R-47/06 (A4) Assunto: Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública. Regimes especiais de aposentação. Exercício do direito à negociação colectiva e do direito de participação dos trabalhadores da

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão. Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão

Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão. Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Diário de noticias, por Hugo Filipe Coelho 17-10-11 Direita admite mudanças na lei para criminalizar a má gestão Dinheiro público. PSD e CDS

Leia mais

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C

Legislação Farmacêutica Compilada. Portaria n.º 377/2005, de 4 de Abril. B, de 20 de Maio de 2005. INFARMED - Gabinete Jurídico e Contencioso 59-C 1 Estabelece que o custo dos actos relativos aos pedidos previstos no Decreto- Lei n.º 72/91, de 8 de Fevereiro, bem como dos exames laboratoriais e dos demais actos e serviços prestados pelo INFARMED,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril

Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril Decreto-Lei n.º 142/99 de 30 de Abril A Lei n.º 100/97, de 13 de Setembro, estabelece a criação de um fundo, dotado de autonomia financeira e administrativa, no âmbito dos acidentes de trabalho. O presente

Leia mais

Senhor Presidente da Assembleia, Senhoras e Senhores Deputados, Senhor Presidente, Senhora e Senhores membros do Governo.

Senhor Presidente da Assembleia, Senhoras e Senhores Deputados, Senhor Presidente, Senhora e Senhores membros do Governo. Intervenção proferida pelo Deputado Luís Henrique Silva, na Sessão Plenária de Novembro de 2006 Senhor Presidente da Assembleia, Senhoras e Senhores Deputados, Senhor Presidente, Senhora e Senhores membros

Leia mais

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CAPÍTULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) 1 A existência do Fundo de Pensões dos Administradores e/ou Directores da Robbialac

Leia mais

Breves Considerações sobre o Superendividamento

Breves Considerações sobre o Superendividamento 116 Breves Considerações sobre o Superendividamento Luiz Eduardo de Castro Neves 1 O empréstimo de valores é realizado com a cobrança de juros, de forma a permitir uma remuneração pelo valor emprestado.

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Gabinete do Ministro

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Gabinete do Ministro Parecer do Governo Português relativo ao Livro Verde Modernizar o direito do trabalho para enfrentar os desafios do sec. XXI Introdução O presente documento consubstancia o parecer do Governo Português

Leia mais

Rendas. Idosos e deficientes podem ser despejados se não pagarem renda

Rendas. Idosos e deficientes podem ser despejados se não pagarem renda Rendas. Idosos e deficientes podem ser despejados se não pagarem renda Jornal i, por Liliana Valente 30-12-2011 Os idosos com mais de 65 anos que tenham 2400 euros de rendimento mensal bruto corrigido

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS Intervenção do Senhor Presidente da CIP Confederação da Indústria Portuguesa, Eng.º Francisco van Zeller, na Audição Pública (CCB, 04/04/2008)

Leia mais

EFEITO IVA A 23% NO MERCADO DE FITNESS

EFEITO IVA A 23% NO MERCADO DE FITNESS EFEITO IVA A 23% NO MERCADO DE FITNESS ESTUDO AGAP AGAP AGAP Associação de Ginásios de Portugal 1 APRESENTAÇÃO AGAP AGAP é a única associação portuguesa que representa ginásios e health clubes Tem 750

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

Medidas de Reforma da Segurança Social

Medidas de Reforma da Segurança Social Medidas de Reforma da Segurança Social Desenvolvimento do Acordo de Linhas Estratégicas Documento de Trabalho Julho de 2006 1 Índice A Proposta de Reforma...3 1. Introdução de um Factor de Sustentabilidade

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais