Recomendações de montagem. Tubagem para distribuição de água potável

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recomendações de montagem. Tubagem para distribuição de água potável"

Transcrição

1 Recomendações de montagem Tubagem para distribuição de água potável

2 GAMA BLUTOP BLUTOP, UMA OFERTA COMPLETA PARA PEQUENOS DIÂMETROS Gama de tubagem DN/OD 90, 110 e 125 DN/OD L Espessura ferro DE Peso PFA PMA PEA Referência m mm mm Kg/m bar bar bar ,0 90 6, KXL90H , , KXM11H , , KXM12H60 Gama de acessórios Curvas, tês, cones Mangas, obturadores Acessórios flange-boca Acessórios flange ponta-lisa Revestimento azul por imersão em pó epoxy Saint-Gobain PAM à sua disposição para proporcionar assistência técnica

3 Gama Blutop Gama de juntas DN/OD 90, 110 e 125 Versão não travada PFA 25 [bar] Compatível com tubagem e acessórios Blutop, tubagem em PVC e tubagem em PEAD Versão travada PFA 16 [bar], compatível exclusivamente com a tubagem e os acessórios BLUTOP Gama de equipamentos auxiliares Quick e Quick BLUTOP travada Válvulas Euro 24 Brocas craneanas para ramais Massa de lubrificação 1

4 TUBAGEM BLUTOP PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Comprimento - 6 [m] Revestimento exterior: Zinco Aluminio 400 [g/m 2 ] + pintura epoxy 100 [µm] Revestimento interior - Ductan 300 [µm] mínimo Junta - Top e Top Vi Dimensões pintura epoxy 100 [µm] Zinco Aluminio 400 [g/m 2 ] Ductan 300 [µm] DN/OD Lu PFA e ØDE ØDI P ØB Peso Referência mm bar mm mm mm mm mm Kg/m ,0 90,0 92,7 88, ,1 KXL90H ,0 110,0 112,8 94, ,5 KXM11H ,0 125,0 128,0 98, ,6 KXM12H60 IMPORTANTE As tubagens Blutop são definidas pelo diâmetro exterior Exemplo - Blutop DN/OD Diâmetro exterior 110 [mm] DN/OD = Diâmetro exterior As tubagens Blutop não devem ser embocadas em tubagens de ferro dúctil do tipo Natural, Clássico (K9) ou outra tubagem conforme à norma EN 545 2

5 ACESSÓRIOS ACESSÓRIOS BLUTOP Curvas 1/4, 1/8, 1/16 Boca-flange, Flange ponta-lisa Manga Tê 2 bocas-flange Gama Blutop OUTROS ACESSÓRIOS Válvula de cunha Euro 20 tipo Euro 24 NG Colar de ramal (para tubagem em PVC e PEAD, multi-material) Adaptador de flange Quick PVC (não travada) e Quick BLUTOP (travada) Massa e tinta de reparação Ferramentas de furação equipadas de broca craneana com centragem 3

6 FORNECIMENTO DA TUBAGEM TUBAGEM Fornecimento em fardos DN/OD Quantidade de tubos Peso do fardo (kg) Armazenar em terreno plano Usar sempre estropos de fibra para elevar os fardos Usar as fitas previstas para passar os estropos As tubagens são fornecidas sob barrotes recuperáveis. Os tubos não rolam ao desatarem-se os fardos As extremidades em ponta-lisa possuem manga de protecção 4

7 FORNECIMENTO DOS ACESSÓRIOS E JUNTAS ACESSÓRIOS BLUTOP Acondicionamento em palete Protecção em mousse de polietileno para evitar o dano por choques Fornecimento dos produtos ANÉIS DE JUNTA BLUTOP Acondicionamento em pilha: - Pilha de 30 juntas para DN/OD 90 - Pilha de 20 juntas para DN/OD 110 e 125 Manter as juntas acondicionadas até ao momento da montagem Evitar a exposição à luz solar No caso de temperaturas negativas ou muito baixas, aquecer as juntas até + 10 C para lher conferir a maleabilidade (usar água quente ou compartimento aquecido) Anel de junta Anel de junta travada 5

8 FORNECIMENTO DOS PRODUTOS FERRAMENTAS DE FURAÇÃO ESPECÍFICAS Acondicionamento unitário Ø Fresa mm DE tubo PVC/PEAD mm Referência AS FERRAMENTASDEFURAÇÃOSAINT-GOBAIN PAM PERMITEM Excelente qualidade de furação Um corte regular do revestimento interior Ductan Recuperação da pastilha resultante do corte, mesmo numa conduta sem pressão DN 20 / DE tubo 25 mm DN 40 / DE tubo 50 mm Nota: O uso de meios de furação não conformes às recomendações deve ser previamente validado IMPORTANTE A análise de riscos associada à montagem dos tubos, dos acessórios ou de qualquer equipamento auxiliar é da inteira responsabilidade do montador (com especial relevo para os equipamentos de protecção individual) 6

9 ELEVAÇÃO DOS FARDOS ELEVAÇÃO DOS FARDOS DA TUBAGEM BLUTOP Os estropros de elevação devem possuir olhais Atar um dos olhais a uma argola das fitas de enfiamento Puxar as argolas das fitas para desfazer o nó Puxar então a fita para fazer passar o estropo Formar uma argola para «estrangular» o conjunto dos tubos Repetir a operação com a segunda fita Estarão então reunidas as condições para elevar o conjunto de tubos sem os danificar O USO DE GANCHOS É INTEIRAMENTE DESACONSELHADO! Aplicação 7

10 DISTRIBUIÇÃO DA TUBAGEM DISTRIBUIÇÃO DA TUBAGEM BLUTOP DN/OD Distância entre 2 fardos 90 L = 180 [m] 110 L = 120 [m] 125 L = 120 [m] L 8

11 MASSA LUBRIFICANTE E PINTURA DE REPARAÇÃO MASSA LUBRIFICANTE Caixa metálica de 850 [g] Referência DN/OD Uma caixa para juntas juntas juntas A massa lubrificante clássica da SG PAM é igualmente aplicável, sob reserva de se respeitarem as recomendações de aplicação próprias da gama Blutop (ver pág.14) Aplicação PINTURA DE REPARAÇÃO DE CORTES Caixa metálica de 1 [kg] Referência DN/OD Uma caixa para cortes cortes cortes IMPORTANTE Respeitar as recomendações de utilização das fichas de segurança (consulte-nos) 9

12 VANTAGENS NA INSTALAÇÃO MANUSEAMENTO As tubagens Blutop podem ser movimentadas e descidas para a vala sem engenhos de elevação Os acessórios são concebidos com pegas de manuseamento EMBOCAMENTO RECOMENDADO COM ALAVANCA A tubagem e acessórios podem ser embocados com a ajuda de uma alavanca exercendo um esforço moderado RETROESCAVADORA O manuseamento dos tubos e acessórios e o seu embocamento manual permitem libertar a retroescavadora que seguirá à frente abrindo vala. Daqui resulta um substancial aumento dos ritmos de montagem AS VANTAGENS DO FERRO DÚCTIL Robustez e solidez Leito de montagem e aterro de envolvimento realizado com o solo escavado, expurgado dos elementos de maior granulometria Fiabilidade 10

13 APLICAÇÃO LARGURA DA VALA As tubagens blutop, são menos sensíveis ao apoio lateral da compactação do que os tubos flexíveis, sendo possível larguras de valas optimizadas, nomeadamente para os traçados que não possuam desvio angular: DN/OD Largura (cm) Aplicação MONTAGEM A análise de riscos associada à montagem dos tubos, dos acessórios ou de qualquer equipamento auxiliar é da inteira responsabilidade do montador (com especial relevo para os equipamentos de protecção individual) 11

14 APLICAÇÃO DESENVOLVIMENTO DA MONTAGEM Em regra a montagem desenvolve-se embocando a ponta-lisa de cada tubo na boca do precedente: contudo, nada impede que se actue com os tubos em posição inversa em relação ao sentido de progressão da montagem Sentido de progressão da montagem Sentido usual do embocamento LEITO DE MONTAGEM Montar os tubos: - Quer sobre um leito de montagem com cerca de 10 [cm] de material cirandado ou de material de empréstimo se isso se tornar necessário - Quer directamente sobre o fundo da vala se o solo for de granulometria fina e homogénea Em qualquer das circunstâncias devem prever-se rebaixos para acomodar as protuberâncias das bocas 12

15 APLICAÇÃO ENVOLVIMENTO DO TUBO A resistência mecânica elevada e a rigidez da tubagem Blutop permitem uma economia nos custos de aterro, evitando terras de empréstimo e compactações A zona de apoio é determinante e por isso deve ser realizada com particular cuidado A parte restante do aterro de envolvimento deve ser realizada com as terras provenientes da escavação Aplicação REUTILIZAÇÃO DAS TERRAS DE ESCAVAÇÃO (REGULAMENTO FRANÇÊS, FASCÍCULO 71 - ARTIGO 66.1) As terras provenientes da escavação podem ser reutilizadas depois de devidamente expurgadas de elementos rochosos D máx < 40 [mm]) susceptíveis de ficarem em contacto directo com os tubos (leito de montagem e aterro de envolvimento) Esta solução permite preservar os recursos naturais e evitar o dispendioso vai-vém de camiões USO DAS TERRAS DE EMPRÉSTIMO Esta solução pode resultar da aplicação das especificações para execução das vias de circulação Desse modo as terras de empréstimo são as que resultam das especificações do caderno de encargos aplicável 13

16 PREPARAÇÃO ANTES DO EMBOCAMENTO Extremidades bem limpas Ter o cuidado de manter limpo: - O interior da boca - A ponta-lisa do tubo - Anel de junta Manter a limpeza até concluir o embocamento Se for necessário, proceder a uma limpeza cuidadosa No caso de corte, reestabelecer correctamente o chanfro SUPERFÍCIES BEM LUBRIFICADAS Com a ajuda de um pincel espalhar, a massa lubrificante Saint-Gobain PAM sobre todas as superfícies sem deixar excesso: - No interior da boca - Na ponta-lisa do tubo - A parte visível do anel de junta 14

17 APLICAÇÃO DA JUNTA EXTREMIDADES BEM LIMPAS Aplicar o anel de junta com o tubo fora da vala MONTAGEM DO ANEL DE JUNTA Lubrificar o interior da boca [1] Apontar a junta sem prévia deformação, os segmentos azuis virados para a parte exterior [2] Uma ligeira pressão é suficiente para introduzir a junta no fundo da cava onde deve ficar alojada [3] Confirmar SEMPRE que a junta ficou bem alojada [4] A SABER Manter a ponta-lisa e a boca tapadas até ao momento do embocamento A manga de protecção Blutop permite assentar a ponta-lisa no solo sem que esta se suje [1] [2] [3] Ligação entre tubo e tubagem de plástico [4] 15

18 EMBOCAMENTO A tubagem e acessórios Blutop necessitam de um esforço moderado de embocamento, exercido com recurso a uma alavanca Usar uma peça em madeira dura para proteger a boca ou a ponta-lisa O embocamento fica consumado quando apenas um dos dois traços fica visível Usar a pega dos acessórios para assegurar a ligação à ancoragem Pode igualmente usar-se o dorso de uma pá manual Os tubos a embocar devem estar alinhados, nomeadamente no plano vertical, só após o embocamento se procede ao desvio angular requerido até ao limite de máximo de 6 A SABER - O embocamento manual liberta a retroescavadora que pode estar a abrir a vala em contínuo CONTROLO DA ESTANQUEIDADE NO EMBOCAMENTO Régua metálica A régua deve entrar até à mesma profundidade em todos os pontos periféricos do embocamento 16

19 MONTAGEM DA MANGA PROTECTORA A TUBAGEM BLUTOP É FORNECIDA COM UMAMANGADEPROTECÇÃO FINALIDADE DA MANGA Protecção da ponta-lisa durante o transporte e a armazenagem Conservação do estado de limpeza da ponta-lisa até ao embocamento Fornece a informação sobre a junta aplicada - Não travado - Travado - DN/OD - Ferramenta aplicável nas furações MONTAGEM DA MANGA Descolar a manga de protecção, no momento em que se vai proceder ao embocamento Uma vez consumado o embocamento recobrir a boca com a manga Quando a junção não é travada - a face superior tem a seguinte marca Antes do embocamento Posição não travada Posição travada Ligação entre tubo e tubagem de plástico Quando a junção é travada - a face superior terá a seguinte marca 17

20 LIGAÇÃO EM TUBAGEM BLUTOP OU COM TUBAGEM EM PEAD/PVC BLUTOP COMPATÍVEL Com as pontas-lisas de: - Tubagem em PVC conformes à norma EN Tubagem PEAD conformes à norma EN Estas tubagens podem ser embocadas directamente nos tubos e acessórios Blutop A PFA ou PN da união assim realizada é a que corresponde ao tubo de plástico embocado (marcado sobre o produto) Junta Ferro/PVC PN 16 Junta Ferro/PEAD PN 10 IMPORTANTE A junta da gama Blutop é especialmente concebida para conferir estanqueidade com as pontas-lisas da tubagem Blutop Por consequência, as pontas-lisas da tubagem Blutop não devem ser instaladas nas bocas concebidas por outras juntas (plástico, ou outras peças em ferro) A tubagem Blutop não deve ser instalada nas bocas que tenham juntas Klikso INTERDITO Tubagem Blutop a embocar em tubagem de PVC ou PEAD 18

21 LIGAÇÃO EM TUBAGEM BLUTOP OU COM TUBAGEM EM PEAD/PVC MONTAGEM As regras de montagem são idênticas às do Blutop (ver pág. 14 a 17) - Extremidades bem limpas - Superfícies bem lubrificadas - Um chanfro apropriado - Manga de protecção recobrindo as bocas CASO DOS TRAVAMENTOS A junta de travamento Blutop é utilizável apenas nas tubagens e acessórios Blutop Utilizar o anel de travamento Klikso nas tubagens em PVC ou PEAD - Transição num acessório de 2 bocas, manga ou curva Blutop - Travar do lado do Blutop com um anel Blutop Vi - Travar o lado do tubo de plástico com dispositivo de travamento Klikso Travamento Blutop Vi Travamento Klikso Ligação entre tubo e tubagem de plástico Tubagem Blutop Tubagem PEAD Em geral, as juntas em tubagem PEAD são travadas. Neste caso, utilizar um acessório da gama Blutop com uma contra-flange de travamento Klikso. 19

22 CORTE DE UM TUBO BLUTOP CORTE Antes de cortar, verificar pela medida do perímetro que o diâmetro exterior medido é inferior ou igual ao DE máx DN/OD DE máx (mm) 90 90, , ,8 Cortar de preferência no troço de 4 [m] a partir da ponta-lisa da tubagem Traçar o plano de corte perpendicularmente ao eixo do tubo Realizar o corte com: - Uma rebarbadora de disco - Um corta-tubo (após o corte do metal, acabar cortando o revestimento Ductan com uma faca) 20

23 RECONSTITUIÇÃO DA PONTA-LISA REALIZAÇÃO DE UM CHANFRO Após o corte, rectificar o revestimento interior com uma faca ou uma lima Refazer o chanfro para facilitar o embocamento e evitar danos no anel da junta, o bordo do chanfro deve ser superior a 0,5 [mm] e a aresta viva deve ser eliminada com uma lima ou rectificadora PROTECÇÃO IMPERATIVA DO TROÇO APÓS O CORTE Reestabelecer a protecção sobre o troço posto a nu e também sobre o chanfro Utilizar a pintura de reparação dos cortes (Referência ) Aplicar com um pincel ou espátula a pintura epoxy respeitando a dosagem dos componentes indicados nas embalagens dos produtos Aplicar o produto em passagens cruzadas Deixar secar Corte 21

24 REALIZAÇÃO DE UM RAMAL UTILIZAR AS FERRAMENTAS E PROCEDIMENTOS ADEQUADOS As ferramentas de furação específicas utilizadas nas tubagens Blutop permitem realizar ramais com: - Um corte regular do metal e do revestimento interior - Recuperação sistemática da pastilha de corte em ferro dúctil (em carga ou com ausência de pressão) - Ligação do ramal sobre o lado ou na parte superior PARA TANTO É CONVENIENTE Utilizar as ferramentas de furação propostas pela Saint-Gobain PAM, ou equivalentes - Fresa craneana multi-dentes, bimetálica HS - Com broca de centragem - Equipado de um anel elástico de retenção da pastilha Respeitar o procedimento de furação IMPORTANTE As brocas clássicas utilizadas nos tubos de ferro dúctill revestidos interiormente com argamassa de cimento não devem ser aplicadas para furarem a tubagem Blutop. 22

25 REALIZAÇÃO DE UM RAMAL PROCEDIMENTO Colocação do colar e válvula - Quer se trate de um colar PAM - Quer de um colar de outro fabricante compatível com a tubagem Blutop (consulte-nos) - Válvula de ramal Furação - Aparafusar o suporte da fresa craneana no eixo da máquina - Aparafusar o prato da máquina na parte roscada da válvula de ramal - Realizar a furação coordenando os dois movimentos de rotação e de avanço do conjunto de fresa craneana - broca de centragem - No momento da furação actuar com os avanços moderados controlados com a ajuda do cabrestante - É possível usar uma máquina de furar accionada electricamente para asseguar uma rotação mais regular da ferramenta de furação - A pastilha resultante do corte pode ser recuperada desmontando a broca central, eventualmente recorrendo à ajuda de uma chave de fendas Ramal 23

26 ENSAIO DE PRESSÃO PRINCIPAIS DISPOSIÇÕES O comprimento do troço a testar depende da configuração do traçado e de eventuais dados regulamentares ou do caderno de encargos É recomendado não ultrapassar os 2000 [m] Obturar as extremidades do troço envolvido com flanges cegas equipadas com válvulas de admissão ou expulsão do ar Avaliar criteriosamente os esforços hidráulicos desenvolvidos nas extremidades da conduta e aplicar um dispositivo de estabilização ou de travamento adequado Evitar procurar apoio sobre a extremidade de troços de conduta já ensaiadas VERIFICAÇÕES Verificar a eficácia das ventosas Encher progressivamente a conduta de preferência a partir de um ponto baixo Purgar o ar nos diversos pontos altos do traçado Utilizar as válvulas de descarga para verificar a chegada progressiva da água APLICAÇÃO SOB PRESSÃO E CONTROLO Uma vez concluído o enchimento, elevar lentamente a pressão até ao valor da pressão de ensaio especificada Vigiar em permanência os encostos das tubagens Aplicar os critérios de controlo definidos. A pressão de ensaio não deve baixar mais de 0,2 [bar] ao fim de 30 [mn] (segundo o Fascículo 71 ou 1 hora segundo a norma EN 805) Esvaziar a conduta, desmontar o dispositivo de ensaio e ligar o troço IMPORTANTE As juntas não travadas Blutop podem ser testadas até 35 [bar] (PEA) As juntas travadas Blutop podem ser testadas até 24 [bar], e até 35 [bar] se os esforços forem convenientemente estabilizados No caso da duração do ensaio ser superior a 1 hora, o efeito das variações de temperatura deverá ser tido em conta 24

27 LIMPEZA E DESINFECÇÃO Lavar interiormente as condutas novas por meio de descargas de água ou outro processo adequado Repetir se necessário a lavagem, até que a turbidez da água atinja os limites aceitáveis à luz da regulamentação aplicável Proceder à desinfecção e limpeza das condutas Efectuar uma amostra de água para controlo interno em conformidade com as instruções em vigor De novo limpar convenientemente a conduta Promover imediatamente a recolha de amostras de controlo, pelo laboratório certificado que tenha a seu cargo a supervisão das águas Renovar a operação nas mesmas condições enquanto os resultados forem desfavoráveis As operações de limpeza e desinfecção das condutas são efectuadas pelo empreiteiro 25 Recepção projecto

28 SAINT-GOBAIN PAM PORTUGAL Sede Av. D. João II Lote , 12º Piso Torre Zen - Parque das Nações LISBOA Tel: Fax: Armazém Centro/Sul Estrada Nacional nº 1, Km ALENQUER Tel: Fax: Armazém Norte Rua da Longa - Modivas MODIVAS - V.C Tel: Fax: /2009-Rec. Mont.-63F-1000 ex.

CAMPEONATO NACIONAL DE MONTAGEM DE RAMAIS EM CARGA

CAMPEONATO NACIONAL DE MONTAGEM DE RAMAIS EM CARGA CAMPEONATO NACIONAL DE MONTAGEM DE RAMAIS EM CARGA REGRAS E REGULAMENTO ANEXO Revisão 2011 Ponto 1 do Método de Aplicação e Listagem de Ferramentas Lisboa, 23 de julho de 2013 CAMPEONATO NACIONAL DE MONTAGEM

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

ESTUDAR, PROJECTAR OU EXECUTAR UMA INSTALAÇÃO? A SAINTGOBAIN PAM PORTUGAL, consciente dos desafios que se colocam aos nossos clientes, projectistas e donos de obras, tem disponível uma ferramenta de trabalho

Leia mais

Estruturas de serrotes para metais

Estruturas de serrotes para metais Serração Serras alternativas As máquinas de serração e as serras RIDGID foram desenvolvidas por profissionais para profissionais. Quaisquer que sejam as suas exigências em questões de serração, o programa

Leia mais

Instruções de instalação

Instruções de instalação Instruções de instalação Acessórios Cabos de ligação do acumulador da caldeira de aquecimento Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem. Logano plus GB225-Logalux LT300 6 720 642 644

Leia mais

Ensaios de Pressão em Colectores de Águas Residuais Domésticas Especificação Técnica

Ensaios de Pressão em Colectores de Águas Residuais Domésticas Especificação Técnica 1. ÂMBITO Esta especificação diz respeito à instalação de tubagem e realização de ensaios em redes de colectores nos sistemas de drenagem de águas residuais domésticas. Tem por objectivo garantir a boa

Leia mais

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R

VÁLVULAS DE RETENÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R 22/04/2013 MANUAL DE INSTRUÇÕES E MANUTENÇÃO SÉRIE: R cmo@cmo.es http://www.cmo.es pág. 1 MONTAGEM DESCRIÇÃO Directiva sobre máquinas: DIR 2006/42/CE (MÁQUINAS). Directiva sobre equipamentos sob pressão:

Leia mais

SP8 (redes de águas e esgotos) a o Praça D. Manuel I, 48 - Novelhos, S. Paio 4970-595 Arcos de Valdevez Tel. 258 521 811 Fax 258 521 818

SP8 (redes de águas e esgotos) a o Praça D. Manuel I, 48 - Novelhos, S. Paio 4970-595 Arcos de Valdevez Tel. 258 521 811 Fax 258 521 818 SP8 (redes de águas e esgotos) 1- REDE DE ESGOTOS DE ÁGUAS RESIDUAIS ( domésticas ) Este artigo destina-se a estabelecer as condições a que devem satisfazer os trabalhos de fornecimento e montagem das

Leia mais

SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO NATUR-GREASE

SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO NATUR-GREASE SEPARADORES DE GORDURAS TUBOFURO EN 109 Km 160,3 2425-737 Ortigosa Leiria ; Telf, 244616073 / Fax: 244616074 E-mail: geo@tubofuro,pt www.tubofuro.pt Apresentação Os Separadores de Gorduras são construídos

Leia mais

FICHA DE BOAS PRÁTICAS

FICHA DE BOAS PRÁTICAS Página: 1 10 ENQUADRAMENTO A instalação de redes em polietileno de alta densidade (PE) é uma das formas mais seguras de conseguir assegurar com eficiência, e de forma económica a distribuição domiciliária

Leia mais

Instruções de montagem e de manutenção

Instruções de montagem e de manutenção Instruções de montagem e de manutenção Acumulador combinado Logalux P750 S Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem e da manutenção 6 720 619 324-03/2001 PT Ficha técnica Para a montagem

Leia mais

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto

Construction. Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte. Descrição do produto Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 04.002 Versão nº 1 Sika CarboShear L Peças em fibras de carbono para reforço estrutural ao corte Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010 XXI FENASAN Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas Guilherme Luiz Drehmer 10 de Agosto de 2010 Perdas não físicas Perdas físicas Produtos Saint-Gobain para a eliminação das perdas físicas Válvula

Leia mais

KEYSTONE. Válvulas de Borboleta de elevade performance Winn HiSeal Instruções de funcionamento, instalação e manutenção. www.pentair.

KEYSTONE. Válvulas de Borboleta de elevade performance Winn HiSeal Instruções de funcionamento, instalação e manutenção. www.pentair. KEYSTONE As válvulas de borboleta HiSeal, de elevada perfomance e de dupla excentricidade, estão totalmente de acordo com as classes ANSI 0 e ANSI 300. Índice 1 Armazenagem / Selecção / Protecção 1 2 Instalação

Leia mais

MANGAS DE PROTECÇÃO PARA REDES EM AÇO E POLIETILENO

MANGAS DE PROTECÇÃO PARA REDES EM AÇO E POLIETILENO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 305 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 305 29 de Maio de 2007 Página 1 de 8 ÍNDICE Registo das revisões... 2 Preâmbulo... 3 1. Objectivo... 3 2. Âmbito... 3 3. Referências... 3 3.1. Externas...

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões

MANUAL TÉCNICO Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Amanco Ductilfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ductilfort são uma linha em PVC dúctil utilizada na construção de redes para condução de água. Perfeitamente intercambiáveis às tubulações de ferro

Leia mais

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Os discos de corte e desbaste são produzidos e controlados com rigor, sendo submetidos a testes internos que objetivam a reprodução da qualidade lote

Leia mais

Construction. SikaFuko Eco-1. Tubo de injecção para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques. Descrição do produto.

Construction. SikaFuko Eco-1. Tubo de injecção para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques. Descrição do produto. Ficha de Produto Edição de Maio de 2011 Nº de identificação: 07.209 Versão nº 1 SikaFuko Eco-1 Tubo de injecção para selagem de juntas de betonagem em estruturas estanques Descrição do produto Tubo de

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort

MANUAL TÉCNICO Amanco PBAfort Amanco PBAfort Os tubos Amanco PBAfort constituem a linha em PVC rígido utilizada na construção de redes enterradas para condução de água. São resistentes à corrosão tanto em relação à água transportada

Leia mais

Bastidores para fibra óptica

Bastidores para fibra óptica Apresentação A gama de armários para fibra óptica Olirack foi concebida para a instalação, protecção e isolamento de terminadores e repartidores ópticos. A fibra óptica é um filamento feito de vidro ou

Leia mais

TUBOS E ACESSÓRIOS EM FERRO DÚCTIL REDES DE ÁGUA Norma Europeia EN 545 8 1 ACESSÓRIO...13 POSSIBILIDADES! ACESSÓRIO DE ÂNGULO VARIÁVEL DESTINADO A REDES DE ÁGUA POTÁVEL EM FERRO DÚCTIL, PVC OU PEAD - DN,0,

Leia mais

Guiade Projectoe Obra ANEXO II PORMENORES CONSTRUTIVOS

Guiade Projectoe Obra ANEXO II PORMENORES CONSTRUTIVOS Guiade Projectoe Obra ANEXO II ES CONSTRUTIVOS GUIADEPROJECTOEOBRA GPO- ANEXO II ES CONSTRUTIVOS Ediçãon.º1 Versãon.º0 Data: Nov/10 ÍNDICE PA1 AbastecimentodeÁgua Caixadecontador PA2 AbastecimentodeÁgua

Leia mais

Schlüter -KERDI-BOARD Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta

Schlüter -KERDI-BOARD Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta Base de aplicação, placa de construção, impermeabilização conjunta A base universal para a aplicação de cerâmica No ponto! Seja no caso de mosaicos ou cerâmicas de grande formato, o que é decisivo para

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 18EQ.11.--.--. TÍTULO18EQ.--. EQUIPAMENTO FIXO E MOVEL DE MERCADO

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 18EQ.11.--.--. TÍTULO18EQ.--. EQUIPAMENTO FIXO E MOVEL DE MERCADO 18EQ.11.-- TÍTULO18EQ EQUIPAMENTO FIXO E MOVEL DE MERCADO CAPÍTULO.1-. EQUIPAMENTO SANITÁRIO SUB.CAPº.11. APARELHOS SANITÁRIOS I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Medição por unidade assente e a funcionar,

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

OPTIPROBE Ficha de dados técnicos

OPTIPROBE Ficha de dados técnicos OPTIPROBE Ficha de dados técnicos O indicador de caudal de baixo custo Instalação fácil Medidas exatas e estáveis Qualidade KROHNE KROHNE ÍNDICE DE OPTIPROBE 1 Características do Produto 3 1.1 O indicador

Leia mais

Instruções de montagem e de manutenção

Instruções de montagem e de manutenção Instruções de montagem e de manutenção Termoacumulador para água quente sanitária Logalux LT 35-300 Para os técnicos especializados Leia atentamente antes da montagem e da manutenção 630 337-0/000 PT/BR

Leia mais

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5

Índice. Página. 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos... 4 1.3. Andaimes metálicos... 4 1.4. Bailéus... 5 !""#$!""%&'( Índice Página 1.1. Redes de Segurança... 2 1.2. Guarda-corpos..... 4 1.3. Andaimes metálicos...... 4 1.4. Bailéus........ 5 EPC 1/6 EQUIPAMENTOS DE PROTECÇÃO COLECTIVA (texto provisório) 1.1

Leia mais

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II E ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II MÉTODO EXECUTIVO Cuidados no Recebimento Formas de Instalação

Leia mais

Escoamento. Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta

Escoamento. Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta Schlüter -KERDI-DRAIN Escoamento 8.2 Escoamentos de água no solo para a impermeabilização conjunta Aplicação e funcionamento Schlüter -KERDI-DRAIN é um sistema de escoamento de águas no solo destinado

Leia mais

As membranas ECOPLAS PY 40, são fabricadas de acordo com as normas Europeias e são abrangidas

As membranas ECOPLAS PY 40, são fabricadas de acordo com as normas Europeias e são abrangidas DOCUMENTO TÉCNICO DE APLICAÇÃO SISTEMA SOTECNISOL PY40 LAJES DE PAVIMENTO EM CONTATO DIRECTO COM O SOLO DTA 01 Impermeabilização de lajes de pavimento FEVEREIRO DE 2012 1. - DESCRIÇÃO As membranas ECOPLAS

Leia mais

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS

Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Caixa Múltipla de Esgoto CAIXA DE GORDURA, CAIXA DE INSPEÇÃO E COMPLEMENTOS Localização no Website Tigre: Obra Predial Esgoto CAIXA MÚLTIPLA ESGOTO Função: A linha Caixa Múltipla Esgoto completa a solução

Leia mais

Mais que nunca é preciso cortar

Mais que nunca é preciso cortar Mais que nunca é preciso cortar Quando suas unhas estão compridas e é necessário apará-las, qual o modo mais rápido de fazê-lo? Lixando ou cortando? Naturalmente, se você lixar, o acabamento será melhor.

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO Normas Aplicáveis - NBR 14.462 Sistemas para Distribuição de Gás Combustível para Redes Enterradas

Leia mais

GESTRA. GESTRA Steam Systems ERL 16-1 LRG 16-4. Manual de instruções 818511-00 Electrodos de condutividade ERL 16-1, LRG 16-4

GESTRA. GESTRA Steam Systems ERL 16-1 LRG 16-4. Manual de instruções 818511-00 Electrodos de condutividade ERL 16-1, LRG 16-4 GESTRA GESTRA Steam Systems ERL 6- LRG 6-4 Manual de instruções 885-00 Electrodos de condutividade ERL 6-, LRG 6-4 ERL 6-, LRG 6-4 Dimensões max. 60 C max. 60 C 99 0 6 Rosca G ¾" DIN 8 Junta de vedação

Leia mais

INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS

INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS PERFIL PROFISSIONAL INSTALADOR(A)/SOLDADOR(A) DE REDES DE GÁS ÁREA DE ACTIVIDADE - ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Executar e reparar redes de distribuição e instalações de gás e executar trabalhos de soldadura

Leia mais

Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção

Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 03.114 Versão nº 1 Sika MonoTop -412 S Argamassa de reparação estrutural, aplicação manual ou por projecção Descrição do produto Sika MonoTop

Leia mais

Composição. Paredes. Cobertura. Parafusos. Fundo. Betonagem da base. Juntas

Composição. Paredes. Cobertura. Parafusos. Fundo. Betonagem da base. Juntas Depósitos em Aço Composição Paredes Chapa de aço galvanizada a quente, ondulada em perfil 18/76-R18 de desenho especial que lhe confere grande resistência e capacidade forte da chapa. Isto deve-se essencialmente

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Painel Solar Compacto FCC-2S. www.vulcano.pt. Janeiro 2013

FICHA TÉCNICA. Painel Solar Compacto FCC-2S. www.vulcano.pt. Janeiro 2013 Departamento Comercial e Assistência Técnica: Av. Infante D. Henrique, lotes 2E-3E - 1800-220 LISBOA * Tel.: +351. 218 500 300 Janeiro 2013 FICHA TÉCNICA Painel Solar Compacto FCC-2S www.vulcano.pt FICHA

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

MÓDULO 6 LINHAS ANTI INCÊNDIO. Conexões Mecânicas: NBR 15.803;ISO 14.236; UNI 9561; Módulo 1.3

MÓDULO 6 LINHAS ANTI INCÊNDIO. Conexões Mecânicas: NBR 15.803;ISO 14.236; UNI 9561; Módulo 1.3 MÓDULO 6 LINHAS ANTI INCÊNDIO 1 Normas Aplicáveis Tubos: NBR 15.561; EN 12.201-2; Módulo 1.2 Conexões Soldáveis: NBR 15.593;EN 12.201-3; Módulo 1.3 Diretrizes para Projetos: NBR 15.802; Conexões Mecânicas:

Leia mais

Junta Universal Ve DN 100 ao DN 1000 Tubos classe K9

Junta Universal Ve DN 100 ao DN 1000 Tubos classe K9 Tubos classe K9 colar de proteção da bolsa em elastômero cordão de solda anel de trava em ferro dúctil colar de proteção metálico anel JE2GS Acessórios Junta elástica e travamento metálico anel JE2GS

Leia mais

conforto com estilo radiadores

conforto com estilo radiadores conforto com estilo CLASSIC Toalheiros planos Os toalheiros Classic caracterizam-se por apresentarem um design moderno e harmonioso, permitindo uma perfeita integração em qualquer ambiente. Construção

Leia mais

I s n t s a t l a a l ção ã o de d e Sis i t s e t m e as a s de d Irrigação

I s n t s a t l a a l ção ã o de d e Sis i t s e t m e as a s de d Irrigação Instalação de Sistemas de Irrigação PROJETOS EUCALIPTOS Layout de Água TRANSPORTES CARPINTARIA CP025 CP19 ESCADA CP024 AR CP023 CP18 ESCRITORIO CP17 ESTACIONAMENTO CP06 1-7 1-6 1-3 1-2 1-4 R CP21A CP16

Leia mais

FICHAS DE INSTALAÇÃO - CPC COMO INSTALAR UMA FECHADURA

FICHAS DE INSTALAÇÃO - CPC COMO INSTALAR UMA FECHADURA 1. Constituintes de uma fechadura 2. Modelos de Fechadura Fechadura de embutir: Também designada por fechadura de encastrar, este tipo de fechadura é montada encastrada na espessura da porta. É sobretudo

Leia mais

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 09IS.11.--.--. TÍTULO 09IS.--. IMPERMEABILIZAÇÕES E ISOLAMENTOS SUB.CAPº.11. PROTECÇÃO POR EMULSÃO BETUMINOSA

CE-CTET-GERAL AAP+AECOPS GER 00X / 00Y 09IS.11.--.--. TÍTULO 09IS.--. IMPERMEABILIZAÇÕES E ISOLAMENTOS SUB.CAPº.11. PROTECÇÃO POR EMULSÃO BETUMINOSA 09IS.11.-- TÍTULO 09IS IMPERMEABILIZAÇÕES E ISOLAMENTOS CAPÍTULO.1-. IMPERMEABILIZAÇÕES SUB.CAPº.11. PROTECÇÃO POR EMULSÃO BETUMINOSA I. UNIDADE E CRITÉRIO DE MEDIÇÃO Medição por metro quadrado de superfície

Leia mais

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort

Soluções Amanco. Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort Linha Amanco Novafort s o l u ç õ e s a m a n c o i n f r a e s t r u t u r a Linha Amanco Novafort para Redes Coletoras de Esgotos e Águas Pluviais para Infraestrutura A linha Amanco

Leia mais

INDICE. Pag.2. Pag.3. Pag.4. Pag.5-6. Pag.7. Acessórios complementares

INDICE. Pag.2. Pag.3. Pag.4. Pag.5-6. Pag.7. Acessórios complementares INDICE Separador de Gorduras em PEAD para montagem apoiada: modelo KESSEL Euro G para aspiração directa ou aspiração à distância Separador de Gorduras em PEAD para montagem apoiada: modelo KESSEL Euro

Leia mais

Ferramentas Leitz Brasil

Ferramentas Leitz Brasil Ferramentas Leitz Brasil Leitz Association Representada em mais de 100 paises São 25 Fabricas espalhadas pelo mundo e mais de 300 postos de Serviço. Em torno de 7000 funcionários Vendas anuais em cerca

Leia mais

Reparação e Manutenção de Tubos

Reparação e Manutenção de Tubos Reparação e Manutenção de Tubos Vasta selecção a partir de uma fonte única. Concepções duradouras exclusivas. Desempenho rápido e fiável. Tipo de modelos Página Bombas de Teste de Pressão 2 9.2 Congeladores

Leia mais

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO Normas Aplicáveis MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO - NBR 15.979 Sistemas para Distribuição de Água e Esgoto sob pressão Tubos de polietileno PE 80 e PE 100 Procedimentos de Reparo - NBR 14.461 Sistemas

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Purgador de condensados BK 212.. BK 212-ASME P T. Manual de Instruções 810769-01. P o r t u g u ê s

Purgador de condensados BK 212.. BK 212-ASME P T. Manual de Instruções 810769-01. P o r t u g u ê s Purgador de condensados BK 212.. BK 212-ASME P T P o r t u g u ê s Manual de Instruções 810769-01 Índice Pág. Informações Importantes Utilização... 3 Instruções de segurança... 3 Perigo... 3 Atenção...

Leia mais

Válvula Redutora de Pressão Tipo 2422/2424. Instruções de Montagem e Operação EB 2547 PT

Válvula Redutora de Pressão Tipo 2422/2424. Instruções de Montagem e Operação EB 2547 PT Válvula Redutora de Pressão Tipo 2422/2424 Válvula Redutora de Pressão Tipo 2422/2424 Instruções de Montagem e Operação EB 2547 PT Edição de Outubro de 2006 Conteúdo Conteúdo Página 1 Concepção e princípio

Leia mais

Atlas Copco. Arrefecedores finais, separadores de água e sistemas de purga COMPLETO, FÁCIL DE INSTALAR E MUITO ECONÓMICO

Atlas Copco. Arrefecedores finais, separadores de água e sistemas de purga COMPLETO, FÁCIL DE INSTALAR E MUITO ECONÓMICO Atlas Copco Arrefecedores finais, separadores de água e sistemas de purga COMPLETO, FÁCIL DE INSTALAR E MUITO ECONÓMICO Uma gama de arrefecedores finais efectivos e de separadores de água em conformidade

Leia mais

Uso de ferramentas. Um aprendiz de mecânico de manutenção. Ferramentas de aperto e desaperto

Uso de ferramentas. Um aprendiz de mecânico de manutenção. Ferramentas de aperto e desaperto A U A UL LA Uso de ferramentas Um aprendiz de mecânico de manutenção verificou que uma máquina havia parado porque um parafuso com sextavado interno estava solto. Era preciso fixá-lo novamente para pôr

Leia mais

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf

Hidráulica de Linhas pressurizadas. FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Hidráulica de Linhas pressurizadas Parte 1 - Tubulações FEAGRI/UNICAMP - 2014 Prof. Roberto Testezlaf Tubulações A qualidade e integridade de instalação depende: Escolha do material e do diâmetro adequado

Leia mais

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS

CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS CONDIÇÕES TÉCNICAS ESPECIAIS Coberturas Inclinadas de Telhado 1 de 10 1.Objectivos 1.1 A presente especificação estabelece as condições técnicas a satisfazer em coberturas inclinadas de telhado LightCob

Leia mais

FORMATO DA REDE. Basicamente existem dois formatos de rede: aberto ou em circuito fechado (anel). Formato Aberto: Formato Fechado:

FORMATO DA REDE. Basicamente existem dois formatos de rede: aberto ou em circuito fechado (anel). Formato Aberto: Formato Fechado: FORMATO DA REDE Basicamente existem dois formatos de rede: aberto ou em circuito fechado (anel). Formato Aberto: Quando não justifica fazer um anel, pode-se levar uma rede única que alimente os pontos

Leia mais

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762 Apresentação Apresentação Fundada em 2003, a Masterfer é, hoje, uma renomada fornecedora de produtos para saneamento. Prima por possuir um atendimento de forma única e objetiva, o que a credencia apresentar

Leia mais

SISTEMA LISROLL. www.lismarca.pt CATÁLOGO TÉCNICO

SISTEMA LISROLL. www.lismarca.pt CATÁLOGO TÉCNICO SISTEMA LISROLL www.lismarca.pt CATÁLOGO TÉCNICO 2 MAIS DO QUE UM ESTORE AJUSTÁVEL, UMA PERSIANA AJUSTÁVEL... Índice Características Especificações técnicas Ficha técnica Motores Certificados pág. 4 pág.

Leia mais

www.ferca.pt Pré-esforço Aderente

www.ferca.pt Pré-esforço Aderente www.ferca.pt Pré-esforço Aderente Princípios O sistema T TM tension technology foi desenvolvido no âmbito da criação de um conceito integrado de soluções na área do pré-esforço com aplicação em obras de

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

Sistema de Forros Trevo Drywall

Sistema de Forros Trevo Drywall Nome da Empresa Endereço Tel/Fax (88) 3571-6019 Site E-mail DADOS DO FABRICANTE Trevo Industrial de Acartonados S/A. Av.Josias Inojosa de Oliveira 5000 - Distrito Industrial do Cariri Juazeiro do Norte

Leia mais

TUBOS E ACESSÓRIOS EM FERRO DÚCTIL REDES DE ÁGUAS RESIDUAIS E SEPARATIVAS Norma Europeia EN 598 8 ESTUDAR, PROJECTAR OU EXECUTAR UMA INSTALAÇÃO? A Saint-Gobain Condutas, consciente dos desafios que se

Leia mais

Mezzo Compensação. cozinhas. Hottes > hottes tradicionais grande conforto. descrição técnica. p. 926. hotte de cozinha tradicional Conforto.

Mezzo Compensação. cozinhas. Hottes > hottes tradicionais grande conforto. descrição técnica. p. 926. hotte de cozinha tradicional Conforto. Hottes > hottes tradicionais grande conforto cozinhas Mezzo Compensação hotte de cozinha tradicional Conforto vantagens Compensação integrada. Filtros de choque montados de série. Iluminação encastrada

Leia mais

GUIA DE PROJECTO E OBRA

GUIA DE PROJECTO E OBRA GUIA DE PROJECTO E OBRA Processos de Loteamento Direcção de Engenharia 2010 ÍNDICE 1. Âmbito de Aplicação e Objectivos... 3 2. Competências e Responsabilidades... 3 2.1 Projectista... 3 2.2 ÁGUAS DO SADO...

Leia mais

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética

Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética REVESTIMENTO DE FACHADA Principais funções de um revestimento de fachada: Estanqueidade Estética Documentos de referência para a execução do serviço: Projeto arquitetônico Projeto de esquadrias NR 18 20

Leia mais

entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR

entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR José Maria Almeida Pedro.almeida@ineti.pt Jorge Cruz Costa Cruz.costa@ineti.pt Esquema unifilar utilização 8 INÍCIO Slides 4 a 12 9 7 1 CD 4 5 6 7 7

Leia mais

ISOVER 2015 Isolamentos e Complementos

ISOVER 2015 Isolamentos e Complementos 205 Isolamentos e Complementos Refrigeração e Climatização A ISOVER é a marca líder em produtos e soluções de isolamento sustentáveis. A Isover faz parte do Grupo Saint-Gobain, líder mundial em soluções

Leia mais

«Conselhos de segurança» Para utilização de pneus turismo, comerciais e 4x4 na Europa. Grupo Michelin setembro 2004

«Conselhos de segurança» Para utilização de pneus turismo, comerciais e 4x4 na Europa. Grupo Michelin setembro 2004 «Conselhos de segurança» Para utilização de pneus turismo, comerciais e 4x4 na Europa Grupo Michelin setembro 2004 Introdução Os pneus constituem os únicos pontos de contacto entre o veículo e o solo.

Leia mais

As máquinas de roscar VIRAX O desempenho. em acção!

As máquinas de roscar VIRAX O desempenho. em acção! As máquinas de roscar VIRAX O desempenho em acção! 2 Mandril de choque para um aperto rápido. Máquina de roscar de Roscar com precisão, com um golpe da mão! Com as máquinas de roscar Virax, esta operação

Leia mais

Posto de transformação compacto de manobra interior MT/BT até 1000 kva - 24/36 KV KIOBLOC. índice. apresentação 2. características 3.

Posto de transformação compacto de manobra interior MT/BT até 1000 kva - 24/36 KV KIOBLOC. índice. apresentação 2. características 3. Posto de transformação compacto de manobra interior MT/BT até 1000 kva - 24/36 KV KIOBLOC índice apresentação 2 características 3 componentes 4 instalação 5 gama 6 escolha 8 planos 10 MERLIN GERIN 3 apresentação

Leia mais

de limpeza frontal com corrente

de limpeza frontal com corrente GRELHA MECÂNICA DE BARRAS de limpeza frontal com corrente tipo GV ou GSV Aplicações As águas de descarga civis podem conter vários lixos. Tudo o que puder ser deitado no esgoto, e mesmo o que não se puder,

Leia mais

MANUAL TÉCNICO TRITUBO

MANUAL TÉCNICO TRITUBO MANUAL TÉCNICO ÍNDICE 1.GENERALIDADES.. 1.1 Definições. 1.2 Âmbito de aplicação... 1.3 Características gerais do material. 1.4 Dimensões... 2. MANUSEAMENTO. 3. ARMAZENAMENTO. 4. TRANSPORTE.. 5. INSTALAÇÃO..

Leia mais

Produto: Sistema de distribuição. Geberit PushFit. Outubro 2009

Produto: Sistema de distribuição. Geberit PushFit. Outubro 2009 FICHA TÉCNICA Produto: Sistema de distribuição Data: Geberit PushFit Outubro 2009 Identificação do Sistema Descrição O sistema Geberit PushFit é constituído por: - Tubos s, fornecidos em 3 tipos: Com manga

Leia mais

Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo

Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo Fibras Ópticas Medição da abertura numérica de uma fibra óptica multimodo Equipamento: * Mesa óptica * Fibra multimodo, 50/125 µm * Laser de He-Ne * Microscópio * Multímetro óptico * Cortador de fibra

Leia mais

Primário de base epoxi e ligante para argamassas de reparação

Primário de base epoxi e ligante para argamassas de reparação Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 07.502 Versão nº 1 Sikagard 186 Primário de base epoxi e ligante para argamassas de reparação Construction Descrição do produto Utilizações

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS PESADAS 2 DESCRIÇÃO A movimentação de cargas pesadas, compreende as operações de elevação, transporte e descarga de objectos,

Leia mais

CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A INSTRUÇÕES PARA ABERTURA DO CABO EN320

CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A INSTRUÇÕES PARA ABERTURA DO CABO EN320 a EMISSÃO INICIAL FTY MM LYT 18/12/14 REV. ALTERAÇÕES EXEC. VISTO APROV. DATA EXEC. VISTO APROV. FTY MM LYT DATA: CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A LD 1 ALMENARA - JEQUITINHONHA, 138kV (Op. 69 kv) 18/12/14 INSTRUÇÕES

Leia mais

TRANSIÇÕES METAL/POLIETILENO

TRANSIÇÕES METAL/POLIETILENO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 303 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET 303 12 de Junho de 2007 Página 1 de 7 ÍNDICE Registo das revisões... 2 Preâmbulo... 3 1. Objectivo... 3 2. Âmbito... 3 3. Referências... 3 3.1. Externas...

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções:

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções: ESQUADREJADORA A esquadrejadora é uma máquina de serra circular que permite realizar cortes rectos de precisão, vazados ou interrompidos, de peças de grande dimensão. É constituída por um corpo com mesa

Leia mais

Lavacontentores. Assim, na concepção e construção deste equipamento teve-se em consideração os seguintes elementos relevantes:

Lavacontentores. Assim, na concepção e construção deste equipamento teve-se em consideração os seguintes elementos relevantes: BASRIO Lavacontentores Introdução Memória descritiva Assunto: Cisterna e Câmara de Lavagem Aspecto geral do Lavacontentores Pontos de interesse especiais: Lavagem interna e externa através de jactos de

Leia mais

CARROS DE APOIO À INDUSTRIA

CARROS DE APOIO À INDUSTRIA Carros de Mão Carros Ligeiros com Carros para Cargas Médias/Elevadas Carros Armário com e sem Prateleiras Carros com Banca de Trabalho Carros de Apoio à Industria Carros de Reboque Carros para Escritóio

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Depósitos Gama S ZB-Solar. www.vulcano.pt. Novembro 2014

FICHA TÉCNICA. Depósitos Gama S ZB-Solar. www.vulcano.pt. Novembro 2014 Departamento Comercial e Assistência Técnica: Av. Infante D. Henrique, lotes 2E-3E - 1800-220 LISBOA * Tel.: +351.218 500 300 Novembro 2014 FICHA TÉCNICA Depósitos Gama S ZB-Solar www.vulcano.pt FICHA

Leia mais

O berbequim com percussão pode ser utilizado, consoante o modo de furação, para furar todos os tipos de materiais.

O berbequim com percussão pode ser utilizado, consoante o modo de furação, para furar todos os tipos de materiais. O BERBEQUIM O berbequim com percussão pode ser utilizado, consoante o modo de furação, para furar todos os tipos de materiais. Com percussão: Pedra, granito, betão, cimento, tijolo, etc. Sem percussão:

Leia mais

ROTM800GF ROTM1000GF ROTM1500G2F

ROTM800GF ROTM1000GF ROTM1500G2F Apresentação Os es de Gorduras e Féculas, tipo EcoAlcance são recipientes estanques, destinados à recepção de águas residuais gordurosas procedentes do uso doméstico ou industrial, originadas pelo manuseamento

Leia mais

Os encaixes e tubos upvc são normalmente utilizados nas seguintes circunstâncias:

Os encaixes e tubos upvc são normalmente utilizados nas seguintes circunstâncias: Informações técnicas Os encaixes e tubos upvc (policloreto de vinilo não plastificado) apresentam uma excelente resistência a ambientes agressivos que ocorram naturalmente e como resultado da actividade

Leia mais

Construction. Aparelho pneumático para aplicação de SikaBond -T52 FC. Descrição do produto. Dados do produto

Construction. Aparelho pneumático para aplicação de SikaBond -T52 FC. Descrição do produto. Dados do produto Ficha de Produto Edição de Abril de 2011 Nº de identificação: 99.102 Versão nº 1 SikaBond Dispenser-5400 Aparelho pneumático para aplicação de SikaBond -T52 FC Descrição do produto SikaBond Dispenser-5400

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA

MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA MANUAL DE INSTALAÇÃO HIDRÁULICA Esquema de Instalação Hidráulica RESIDENCIAL Atenção: Modelo meramente ilustrativo em casas térreas. Para sua segurança e garantia do bom funcionamento das tubulações de

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turma C01 Disc. Construção Civil II ÁGUA QUENTE 1 UTILIZAÇÃO Banho Especiais Cozinha Lavanderia INSTALAÇÕES

Leia mais

Lança de sucção para bombas de dosagem do motor PVC com interruptor de nível e retorno

Lança de sucção para bombas de dosagem do motor PVC com interruptor de nível e retorno Lança de sucção para bombas de dosagem do motor PVC com interruptor de nível e retorno Segurança Geral CUIDADO! Ter em atenção a ficha de segurança do meio de dosagem! O perigo para o pessoal operador

Leia mais

MUITO MAIS QUE UM TELHADO. É EUROTOP!

MUITO MAIS QUE UM TELHADO. É EUROTOP! MUITO MAIS QUE UM TELHADO. É EUROTOP! CATÁLOGO DE PRODUTOS A Empresa EUROTOP - Uma empresa do Grupo Estrutural. Localizada em Itu - SP, possui duas unidades de produção, contando com a mais alta tecnologia

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt topeca glass block argamassa para

Leia mais

11/07 246-04/00 072413 REV.1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. www.britania.com.br sac@britania.com.br ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR MANUAL DE INSTRUÇÕES

11/07 246-04/00 072413 REV.1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO. www.britania.com.br sac@britania.com.br ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR MANUAL DE INSTRUÇÕES 11/07 246-04/00 072413 REV.1 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO www.britania.com.br sac@britania.com.br ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR MANUAL DE INSTRUÇÕES ELIMINAÇÃO DE PROBLEMAS ASPIRADOR NÃO LIGA Verificar se a

Leia mais

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO

INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO 1/5 INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO Caro Cliente, Agradecemos a sua preferência pelo nosso Pavimento Par-ky com folha de madeira natural. É essencial que leia estas instruções cuidadosamente antes de iniciar

Leia mais