REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT"

Transcrição

1 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT RODOVIA : BR-304/CE TRECHO : ENTR. BR-116 (BOQUEIRÃO DO CESÁRIO) DIVISA CE/RN SUBTRECHO : ENTR. CE-123 ENTR. CE-040 SEGMENTO : km 46,0 km 49,1 EXTENSÃO : 3,1 km LOTE : ÚNICO CÓDIGO DO PNV : 304BCE0030 ao 304BCE0040 ADEQUAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO PARA MELHORAMENTOS COM ADEQUAÇÃO DE CAPACIDADE E SEGURANÇA PONTE SOBRE O RIO JAGUARIBE ( ATUALIZAÇÃO ) VOLUME 01 SONDAGENS / ESTUDOS GEOTÉCNICOS MAIO / 2006

2 REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT RODOVIA : BR-304/CE TRECHO : ENTR. BR-116 (BOQUEIRÃO DO CESÁRIO) DIVISA CE/RN SUBTRECHO : ENTR. CE-123 ENTR. CE-040 SEGMENTO : km 46,0 km 49,1 EXTENSÃO : 3,1 km LOTE : ÚNICO CÓDIGO DO PNV : 304BCE0030 ao 304BCE0040 ADEQUAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO PARA MELHORAMENTOS COM ADEQUAÇÃO DE CAPACIDADE E SEGURANÇA PONTE SOBRE O RIO JAGUARIBE ( ATUALIZAÇÃO ) VOLUME 1B SONDAGENS / ESTUDOS GEOTÉCNICOS SUPERVISÃO : Diretoria de Planejamento e Pesquisa COORDENAÇÃO : Coordenação Geral de Desenvolvimento e Projetos / Coordenação de Projetos FISCALIZAÇÃO : Superintendência Regional do DNIT no estado do Ceará ELABORAÇÃO : Exército Brasileiro CONVÊNIO : MAIO / 2006

3 ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO MAPA DE SITUAÇÃO SONDAGEM A PERCUSSÃO E ROTATIVA ESTUDO DO PAVIMENTO ATUAL BOLETIM DE SONDAGEM DO PAVIMENTO ATUAL RESUMO DOS ENSAIOS DO PAVIMENTO SONDAGEM E ESTUDOS DO SUBLEITO (PISTA NOVA / CICLOVIA) BOLETIM DE SONDAGEM DO SUBLEITO (PISTA NOVA) RESUMO DOS ENSAIOS DO SUBLEITO (PISTA NOVA) BOLETIM DE SONDAGEM DO SUBLEITO (CICLOVIA) RESUMO DOS ENSAIOS DO SUBLEITO (CICLOVIA) ESTUDOS DOS EMPRÉSTIMOS PARA TERRAPLENAGEM PLANTA GERAL DOS EMPRÉSTIMOS EMPRÉSTIMOS E ESTUDOS DAS OCORRÊNCIAS DOS MATERIAIS PARA PAVIMENTAÇÃO PLANTA GERAL DAS OCORRÊNCIAS AREAL DE RIO AR AREAL DE CAMPO AC JAZIDA 01 - BASE JAZIDA 1A- RESERVA PEDREIRA PEDREIRA MISTURA PARA A BASE (85% JAZIDA % PEDREIRA 02)... 80

4 1 APRESENTAÇÃO

5 1 APRESENTAÇÃO O Exército Brasileiro apresenta a ADEQUAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO PARA MELHORAMENTOS COM ADEQUAÇÃO DE CAPACIDADE E SEGURANÇA PONTE SOBRE O RIO JAGUARIBE, referente aos ESTUDOS E PROJETOS, VISANDO ELIMI- NAÇÃO DE PONTOS CRÍTICOS NA BR-304/CE, subtrecho km 46, Ponte sobre o Rio Jaguaribe, em Aracati-CE. O projeto original foi apresentado ao DNER em 2000 e analisado pelo DNIT em 2000/2002/2006, sendo considerado em condições de ser aprovado. Os principais elementos do projeto original são fornecidos a seguir: Data da Proposta : 10/09/1999 Data da Assinatura : 30/09/1999 Data da Ordem de Serviço : 05/10/1999 Prazo : 90 dias consecutivos Número do Edital : Tomada de Preços Nº 0201/99-03 Número do Processo : /03-57 Número do Contrato Trecho Contratado Subtrecho : PD/3-005/99 : Boqueirão do Cesário Div. CE/RN : km 46, Ponte sobre o Rio Jaguaribe (Aracati-CE) O Projeto de Engenharia original, elaborado pela NBR Engenheiros Consultores Ltda., consta de 12 (doze) volumes, assim identificados: VOLUME 01- RELATÓRIO DO PROJETO E DOCUMENTOS PARA CONCORRÊNCIA Objetivo Fornecer os estudos realizados e os projetos desenvolvidos, bem como os elementos necessário a elaboração de Propostas para a Concorrência de Construção. Principais Tópicos Informativo do Projeto Resumo do Projeto

6 Quantitativos e Memória de Cálculo Plano de Execução da Obra Especificações Equipamento Mínimo VOLUME 02- PROJETO DE EXECUÇÃO (TOMO I e TOMO II) Objetivo Apresentar plantas, gráficos, desenhos e quadros necessários à execução da obra Projetada. O volume é apresentado em dois TOMOS. Principais Tópicos TOMO I: Mapa de Situação Quadro de Quantitativos Projeto Geométrico Projeto de Terraplenagem Projeto de Pavimentação Projeto de Interseções Projeto de Drenagem Projeto de Sinalização Projeto de Obras Complementares (Cercas) TOMO II: Projeto de Obras de Arte Especiais VOLUME 03 - ORÇAMENTO E PLANO DE EXECUÇÃO DA OBRA Objetivo Fornecer o custo de todas as obras necessárias a execução do projeto. VOLUME 1A - MEMÓRIA DE CÁLCULO DAS OBRAS D'ARTE ESPECIAIS Objetivo Apresentar a memória do cálculo estrutural das obras de arte especiais projetadas. O vo-

7 lume é apresentado em cinco TOMOS. VOLUME 1B SONDAGENS/ESTUDOS GEOTÉCNICOS Objetivo Apresentar as sondagens e estudos que subsidiaram a elaboração do projeto de engenharia. Principais Tópicos Sondagem à Percussão e Rotativa para Subsidiar a Elaboração do Projeto de Fundação das Pontes Estudo do Pavimento Atual Sondagens e Estudo do Subleito do Pavimento Novo (pista nova e ciclovia) Estudo dos Empréstimos para Terraplenagem Estudo das Ocorrências de Materiais VOLUME 1C - NOTAS DE SERVIÇO E CÁLCULO DE VOLUMES Objetivo Apresentar as notas de serviço para execução do terrapleno e os volumes respectivos. VOLUME 1D - CADASTRO PARA DESAPROPRIAÇÕES Objetivo Apresentar os laudos de avaliação e croquis de situação dos terrenos a serem desapropriados. A ADEQUAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO PARA MELHORAMENTOS COM ADE- QUAÇÃO DE CAPACIDADE E SEGURANÇA PONTE SOBRE RIO JAGUARIBE. A Adequação do Projeto Executivo para Melhoramentos com Adequação de Capacidade e Segurança Ponte sobre o Rio Jaguaribe, elaborado pelo Exército Brasileiro, em maio de 2006, consta de 11 (onze) volumes, assim identificados:

8 VOLUME 01- RELATÓRIO DO PROJETO E DOCUMENTOS PARA CONCORRÊNCIA Objetivo Fornecer os estudos realizados e os projetos desenvolvidos após a Adequação do Projeto Original ao Remanescente da Obra, bem como os elementos necessário a elaboração de Propostas para a Concorrência de Construção. Principais Tópicos Informativo do Projeto Resumo do Projeto Quantitativos e Memória de Cálculo Plano de Execução da Obra Especificações Equipamento Mínimo VOLUME 1A - MEMÓRIA DE CÁLCULO DAS OBRAS D'ARTE ESPECIAIS Objetivo Apresentar a memória do cálculo estrutural das obras de arte especiais projetadas após a Adequação do Projeto Original ao Remanescente da Obra. O volume é apresentado em quatro TOMOS. VOLUME 1B SONDAGENS/ESTUDOS GEOTÉCNICOS Objetivo Apresentar as sondagens e estudos que subsidiaram a elaboração do projeto de engenharia. Principais Tópicos Sondagem à Percussão e Rotativa para Subsidiar a Elaboração do Projeto de Fundação das Pontes Estudo do Pavimento Atual Sondagens e Estudo do Subleito do Pavimento Novo (pista nova e ciclovia) Estudo dos Empréstimos para Terraplenagem Estudo das Ocorrências de Materiais

9 VOLUME 1C - NOTAS DE SERVIÇO E CÁLCULO DE VOLUMES Objetivo Apresentar as notas de serviço para execução do terrapleno e os volumes respectivos. VOLUME 1D - CADASTRO PARA DESAPROPRIAÇÕES Objetivo Apresentar os laudos de avaliação e croquis de situação dos terrenos a serem desapropriados. VOLUME 02- PROJETO DE EXECUÇÃO (TOMO I e TOMO II) Objetivo Apresentar plantas, gráficos, desenhos e quadros necessários à execução da obra Projetada, após a Adequação do Projeto Original ao Remanescente da Obra. O volume é apresentado em dois TOMOS. Principais Tópicos TOMO I: Mapa de Situação Quadro de Quantitativos Projeto Geométrico Projeto de Terraplenagem Projeto de Pavimentação Projeto de Interseções Projeto de Drenagem Projeto de Sinalização Projeto de Obras Complementares (Cercas) TOMO II: Projeto de Obras de Arte Especiais

10 VOLUME 04 - ORÇAMENTO E PLANO DE EXECUÇÃO DA OBRA Objetivo Fornecer o custo de todas as obras necessárias a execução do projeto, após a Adequação do Projeto Original ao Remanescente da Obra. O presente volume corresponde ao VOLUME 1B SONDAGENS / ESTUDOS GEO- TÉCNICOS, da ADEQUAÇÃO DO PROJETO EXECUTIVO PARA MELHORAMENTOS COM ADEQUAÇÃO DE CAPACIDADE E SEGURANÇA PONTE SOBRE O RIO JA- GUARIBE. Fortaleza, maio de 2006.

11 2 MAPA DE SITUAÇÃO

12 MAPA DE SITUAÇÃO PONTE SOBRE O RIO JAGUARIBE BR 403 km 46

13 3 SONDAGEM À PERCUSSÃO E ROTATIVA

14 3.1 APRESENTAÇÃO As sondagens rotativa e à percussão foram executadas pela firma SONDA POÇOS E SONDAGENS Ltda, cujos resultados dos serviços executados no leito do rio Jaguaribe sob a ponte da BR. 304, km 46, no município de Aracati/CE, para o projeto de fundação do alargamento da ponte já existente com 3,40m de largura e uma ponte nova a 29,50 metros a direita da ponte existente e 466m de extensão, são a seguir relatados. 3.2 DESCRIÇÃO DOS SERVIÇOS Nas sondagens foram usados dois processos de avanço: Inicialmente foi usado o trado concha de 4 e ao se encontrar o nível da água ou material impenetrável a este tipo de ferramenta, o furo foi revestido com um tubo de aço de 2 ½ e prosseguidas com o auxílio de circulação d água. Nas sondagens rotativas foi utilizado uma sonda rotativa da marca Craellius de avanço mecânico acoplado um barrilete duplo de 1,00 metro com diâmetro BX A amostragem foi feita cravando-se um mostrador padrão constituído por um tubo de diâmetro interno de 1 3/8 e diâmetro externo de 2. Foram executados ensaios de penetração para cada metro perfurado consistindo na contagem do número de golpes de um peso de 65 kg caindo de 75 cm de altura necessários para aprofundar o amostrador padrão 45 cm no material investigado. 3.3 SERVIÇOS EXECUTADOS Para a investigação do subsolo foram feitos 15 (quinze) furos de sondagem a percussão e 02 (dois) furos de sondagem mista, cujas profundidades seguem abaixo: SP ,05 m SP ,90 m SP ,65 m SP ,22 m SP ,14 m SP ,25 m SP ,20 m SP ,55 m

15 SP ,25 m SP ,80 m SP ,12 m SP ,90 m SP ,65 m SP ,22 m SP ,35 m SP ,95 m SP ,90 m A profundidade total de sondagem a percussão e rotativa foi de...108,10 m ( Cento e oito metros e dez centímetros ). 3.4 PERFIS GEOLÓGICOS GEOTÉCNICOS INDIVIDUAIS DOS FUROS DE SONDAGEM A seguir apresentamos os respectivos perfis.

16 PERFIL GEOLÓGICO GEOTÉCNICO INDIVIDUAL AMOSTRADOR: φ e = 2" φ i = 1 3/8" MARTELO: 65 kg QUEDA: 75cm SONDAGEM COTA km AFASTAMENTO INCLINAÇÃO C/VERTICAL SP.01 9, ,00 D:29,50 m E: G0LPES AMOSTRA PROF. NÍVEL DA ÁGUA LITOLOGIA DESCRIÇÃO DO MATERIAL RESISTENCIA A PENETRAÇÃO DO SOLO (Nos. DE GOLPES / 30cm) #### 4 #### A T E R R O 1,40 #### 7 Areia pouco compacta, fina a grossa com muito pouca argila e pouco pe- 6 dregulho de quartzo, cinza amarela- 3,60 N. A. da. 18 :///////: Argila rija com areia fina a grossa :///////: e pedregulho de quartzo e feldspa- 18 :///////: to, variegada. 5,60 :///////: 15/8 :::/::: :::/::: Argila dura com areia grossa e mui 15/12 :::/::: to pedregulho e seixo de quartzo e :::/::: feldspato, cinza esverdeada. 15/11 :::/::: 8,60 :::/::: 20/14 :::/::: :::/::: 27 :::/::: :::/::: Areia medianamente compacta a 17 :::/::: :::/::: muito compacta com pouca argila 15/12 :::/::: :::/::: e muito pedregulho e seixo de quar 15/10 :::/::: :::/::: tzo e feldspato, cinza esverdeada. 15/10 :::/::: :::/::: 15/8 :::/::: :::/::: 15/5 16,05 :::/::: 16,05 IMPENETRÁVEL AO AMOSTRADOR SONDA AMOSTRADOR INÍCIO TERZAGHI 09/02/00 ENDEREÇO DA OBRA BR. 304 KM 46 - PONTE S/ RIO JA GUARIBE - ARACATÍ - CE. PROF. DO REVESTIMENTO CLIENTE 4,00 M TÉRMINO 9/2/2000 1:100 DATA RESP. 16/Fev.

17 PERFIL GEOLÓGICO GEOTÉCNICO INDIVIDUAL AMOSTRADOR: φ e = 2" φ i = 1 3/8" MARTELO: 65 kg QUEDA: 75cm SONDAGEM COTA km AFASTAMENTO INCLINAÇÃO C/VERTICAL SP.02-3, ,00 D: m E: G0LPES AMOSTRA PROF. NÍVEL DA ÁGUA LITOLOGIA DESCRIÇÃO DO MATERIAL Areia média a grossa com muito pouca argila e pouco pedregulho de quartzo, amarelada. 28/25 1,00 :://///:: :://///:: Argila dura com areia fina a grossa RESISTENCIA A PENETRAÇÃO DO SOLO DE GOLPES / 30cm) (Nos :://///:: e pedregulho de quartzo, esverde- 15/8 :://///:: ada. 2,25 :://///:: ::::::::, :::::::: Arenito friável de granulometria gro- 2,90 :::::::: sseira, cinza esverdeado. 2,90 IMPENETRÁVEL A LAVAGEM 1.º TEMPO DE 10 MINUTOS 5,00 cm 2.º TEMPO DE 10 MINUTOS 2,00 cm OBS: Lâmina d água - 2,80 m SONDA ENDEREÇO DA OBRA BR. 304 KM 46 - PONTE S/ RIO JAGUARIBE - ARACATÍ - CE. AMOSTRADOR INÍCIO PROF. DO REVESTIMENTO CLIENTE TERZAGHI 3,50 M TÉRMINO ESCALA DATA RESP. 16/02/00 16/2/2000 1:50 16/Fev.

18 PERFIL GEOLÓGICO GEOTÉCNICO INDIVIDUAL AMOSTRADOR: φ e = 2" φ i = 1 3/8" MARTELO: 65 kg QUEDA: 75cm SONDAGEM COTA km AFASTAMENTO INCLINAÇÃO C/VERTICAL SP.03-3, ,00 D: 29,50 m E: G0LPES AMOSTRA PROF. NÍVEL DA ÁGUA LITOLOGIA DESCRIÇÃO DO MATERIAL Areia média a grossa com muito pouca argila e pouco pedregulho de quartzo, amarelada. 15/5 0,90 :::::::: :::::::: RESISTENCIA A PENETRAÇÃO DO SOLO DE GOLPES / 30cm) (Nos :::::::: Arenito friável de granulometria gro- 15/2 :::::::: ssira, pouco argiloso, esverdeado. 2,25 :::::::: :::::::: 2,65 :::::::: 2,65 IMPENETRÁVEL A LAVAGEM 1.º TEMPO DE 10 MINUTOS 2,00 cm 2.º TEMPO DE 10 MINUTOS 3,00 cm OBS: Lâmina d água - 2,40 m SONDA ENDEREÇO DA OBRA BR. 304 KM 46 - PONTE S/ RIO JAGUARIBE - ARACATÍ - CE. AMOSTRADOR INÍCIO PROF. DO REVESTIMENTO CLIENTE TERZAGHI 3,50 M TÉRMINO ESCALA DATA RESP. 16/02/00 16/2/2000 1:50 16/Fev.

19 PERFIL GEOLÓGICO GEOTÉCNICO INDIVIDUAL AMOSTRADOR: φ e = 2" φ i = 1 3/8" MARTELO: 65 kg QUEDA: 75cm SONDAGEM COTA km AFASTAMENTO INCLINAÇÃO C/VERTICAL SP.04-0, ,00 D: 29,50 m E: G0LPES AMOSTRA PROF. NÍVEL DA ÁGUA LITOLOGIA DESCRIÇÃO DO MATERIAL Areia média a grossa com muito pouca argila e pouco pedregulho de quartzo, amarelada. 15/8 1,15 :::::::: RESISTENCIA A PENETRAÇÃO DO SOLO DE GOLPES / 30cm) (Nos :::::::: Arenito friável de granulometria gro- 15/3 :::::::: ssira, pouco argiloso, esverdeado. :::::::: :::::::: :::::::: 10/3 :::::::: 3,22 :::::::: 3,22 IMPENETRÁVEL A LAVAGEM 1.º TEMPO DE 10 MINUTOS 4,00 CM 2.º TEMPO DE 10 MINUTOS 1,00 CM OBS: Lâmina d água - 1,80 m SONDA ENDEREÇO DA OBRA BR. 304 KM 46 - PONTE S/ RIO JAGUARIBE - ARACATÍ - CE. AMOSTRADOR INÍCIO PROF. DO REVESTIMENTO CLIENTE TERZAGHI 2,50 M TÉRMINO ESCALA DATA RESP. 16/02/00 16/2/2000 1:50 16/Fev.

20 PERFIL GEOLÓGICO GEOTÉCNICO INDIVIDUAL AMOSTRADOR: φ e = 2" φ i = 1 3/8" MARTELO: 65 kg QUEDA: 75cm SONDAGEM COTA km AFASTAMENTO INCLINAÇÃO C/VERTICAL SP.05 2, ,00 D. 29,50 m E: G0LPES AMOSTRA PROF. NÍVEL DA ÁGUA LITOLOGIA DESCRIÇÃO DO MATERIAL Areia pouco compacta a fofa, fina 8 com pouca areia média a grossa e RESISTENCIA A PENETRAÇÃO DO SOLO (Nos. DE GOLPES / 30cm) ,75 N.A. muito pouco argila, cinza. 7 2/45 3,50 :///////: Argila orgânica com muito pouca 15/2 3,80 :///////: areia fina, preta. :::::::: :::::::: :::::::: Arenito friável de granulometria fina 10/2 :::::::: a grosseira, pouco argiloso, conza 5,14 :::::::: esverdeado. 5,14 IMPENETRÁVEL A LAVAGEM 1.º TEMPO DE 10 MINUTOS 2,00 cm 2.º TEMPO DE 10 MINUTOS 2,00 cm SONDA ENDEREÇO DA OBRA BR. 304 KM 46 - PONTE S/ RIO JAGUARIBE - ARACATÍ - CE. AMOSTRADOR INÍCIO PROF. DO REVESTIMENTO CLIENTE TERZAGHI 4,00 M TÉRMINO ESCALA DATA RESP. 12/02/00 12/2/2000 1:50 16/Fev.

21 PERFIL GEOLÓGICO GEOTÉCNICO INDIVIDUAL AMOSTRADOR: φ e = 2" φ i = 1 3/8" MARTELO: 65 kg QUEDA: 75cm SONDAGEM COTA km AFASTAMENTO INCLINAÇÃO C/VERTICAL SP.06 0, ,00 D. 29,50 m E: G0LPES AMOSTRA PROF. NÍVEL DA ÁGUA LITOLOGIA DESCRIÇÃO DO MATERIAL Areia fofa a pouco compacta, média 2 a grossa com muito pouca argila e RESISTENCIA A PENETRAÇÃO DO SOLO DE GOLPES / 30cm) (Nos ,75 N.A. pouco pedregulho de quartzo, cinza 6 amarronada., 15/3 2,90 :::::::: :::::::: Arenito friável de granulometria gro :::::::: sseira, cinza esverdeado. 15/2 :::::::: 4,25 :::::::: 4,25 IMPENETRÁVEL A LAVAGEM 1.º TEMPO DE 10 MINUTOS 4,00 cm 2.º TEMPO DE 10 MINUTOS 2,00 cm SONDA ENDEREÇO DA OBRA BR. 304 KM 46 - PONTE S/ RIO JAGUARIBE - ARACATÍ - CE. AMOSTRADOR INÍCIO PROF. DO REVESTIMENTO CLIENTE TERZAGHI 2,50 M TÉRMINO ESCALA DATA RESP. 12/02/00 12/2/2000 1:50 16/Fev.

22 PERFIL GEOLÓGICO GEOTÉCNICO INDIVIDUAL AMOSTRADOR: φ e = 2" φ i = 1 3/8" MARTELO: 65 kg QUEDA: 75cm SONDAGEM COTA km AFASTAMENTO INCLINAÇÃO C/VERTICAL SP.07 2, ,00 D. 29,50 m E: G0LPES AMOSTRA PROF. NÍVEL DA ÁGUA LITOLOGIA DESCRIÇÃO DO MATERIAL Areia pouco compacta a fofa, fina 8 com pouca areia média a grossa e RESISTENCIA A PENETRAÇÃO DO SOLO (Nos. DE GOLPES / 30cm) muito pouco argila, cinza amarelada 11 2,30 N.A. a amarronada 11 3,60 :://:///: 15/10 :://:///: Argila dura com areia fina a grossa :://:///: e muito pedregulho e seixo de quar :://:///: tzo e feldspato, cinza esverdeada. :://:///: 15/10 :://:///: :://:///: 5,60 :://:///: :::::::: Arenito friável de granulometria gro- 15/8 :::::::: sseira, cinza amarelado. 6,20 :::::::: 6,20 IMPENETRÁVEL A LAVAGEM 1.º TEMPO DE 10 MINUTOS 3,00 CM 2.º TEMPO DE 10 MINUTOS 1,00 CM SONDA ENDEREÇO DA OBRA BR. 304 KM 46 - PONTE S/ RIO JAGUARIBE - ARACATÍ - CE. AMOSTRADOR INÍCIO PROF. DO REVESTIMENTO CLIENTE TERZAGHI 4,20 m TÉRMINO ESCALA DATA RESP. 11/02/00 11/2/2000 1:50 16/Fev.

23 PERFIL GEOLÓGICO GEOTÉCNICO INDIVIDUAL AMOSTRADOR: φ e = 2" φ i = 1 3/8" MARTELO: 65 kg QUEDA: 75cm SONDAGEM COTA km AFASTAMENTO INCLINAÇÃO C/VERTICAL SP.08 4, ,88 D: 4,10 m E: G0LPES AMOSTRA PROF. NÍVEL DA ÁGUA LITOLOGIA DESCRIÇÃO DO MATERIAL 0,20 N.A. Areia muito compacta a mediana- mente compacta, fina a grossa com 15/13 argila e pouco pedregulho de quar- tzo, amarelada. RESISTENCIA A PENETRAÇÃO DO SOLO DE GOLPES / 30cm) (Nos Areia medianamente compacta, fina a grossa com argila e pedregulho e 23 seixo de quartzo e feldspato, cinza esverdeada. 25 4,60 :://:///: 15/10 :://:///: :://:///: Argila dura com areia fina a grossa :://:///: :://:///: e pedregulho e seixo de quartzo e 25/25 :://:///: :://:///: feldspato, cinza esverdeada. :://:///: :://:///: 15/10 7,10 :://:///: ::::::: Arenito friável de granulometria fina 7,55 ::::::: amarelado. 7,55 IMPENETRÁVEL A LAVAGEM 1.º TEMPO DE 10 MINUTOS 1,00 cm 2.º TEMPO DE 10 MINUTOS 1,00 cm SONDA ENDEREÇO DA OBRA BR. 304 KM 46 - PONTE S/ RIO JAGUARIBE - ARACATÍ - CE. AMOSTRADOR INÍCIO PROF. DO REVESTIMENTO CLIENTE TERZAGHI 4,50 M TÉRMINO ESCALA DATA RESP. 10/02/00 10/2/2000 1:50 16/Fev.

24 PERFIL GEOLÓGICO GEOTÉCNICO INDIVIDUAL AMOSTRADOR: φ e = 2" φ i = 1 3/8" MARTELO: 65 kg QUEDA: 75cm SONDAGEM COTA km AFASTAMENTO INCLINAÇÃO C/VERTICAL SP.09-3, ,88 D: 4,10 m E: G0LPES AMOSTRA PROF. NÍVEL DA ÁGUA LITOLOGIA DESCRIÇÃO DO MATERIAL Areia média a grossa com muito pouca argila e muito pedregulho de quartzo, amarelada. 15/2 0,90 :::::::: :::::::: Arenito friável de granulometria gro- RESISTENCIA A PENETRAÇÃO DO SOLO DE GOLPES / 30cm) (Nos :::::::: sseira, cinza amarelado. 10/2 :::::::: 2,25 :::::::: 2,25 IMPENETRÁVEL A LAVAGEM 1.º TEMPO DE 10 MINUTOS 2,00 cm 2.º TEMPO DE 10 MINUTOS 2,00 cm OBS: Lâmina d água - 3,40 m SONDA ENDEREÇO DA OBRA BR. 304 KM 46 - PONTE S/ RIO JAGUARIBE - ARACATÍ - CE. AMOSTRADOR INÍCIO PROF. DO REVESTIMENTO CLIENTE TERZAGHI 3,50 M TÉRMINO ESCALA DATA RESP. 15/02/00 15/2/2000 1:50 16/Fev.

25 PERFIL GEOLÓGICO GEOTÉCNICO INDIVIDUAL AMOSTRADOR: φ e = 2" φ i = 1 3/8" MARTELO: 65 kg QUEDA: 75cm SONDAGEM COTA km AFASTAMENTO INCLINAÇÃO C/VERTICAL SP.10-2, ,88 D: 4,10 m E: G0LPES AMOSTRA PROF. NÍVEL DA ÁGUA LITOLOGIA DESCRIÇÃO DO MATERIAL Areia média a grossa com muito pedregulho de quartzo e feldspato, pouca argila, alaranjada. 11 :://///:: 1,60 :://///:: RESISTENCIA A PENETRAÇÃO DO SOLO (Nos. DE GOLPES / 30cm) :://///:: 15/3 :://///:: :://///:: Arenito friável de granulometria gro- :::::::: sseira, pouco argiloso, cinza ama- :::::::: relado. 2,80 :::::::: 2,80 IMPENETRÁVEL A LAVAGEM 1.º TEMPO DE 10 MINUTOS 1,00 cm 2.º TEMPO DE 10 MINUTOS 0,00 cm OBS: Lâmina d água - 2,50 m SONDA ENDEREÇO DA OBRA BR. 304 KM 46 - PONTE S/ RIO JAGUARIBE - ARACATÍ - CE. AMOSTRADOR INÍCIO PROF. DO REVESTIMENTO CLIENTE TERZAGHI 4,00 M TÉRMINO ESCALA DATA RESP. 15/02/00 15/2/2000 1:50 16/Fev.

26 PERFIL GEOLÓGICO GEOTÉCNICO INDIVIDUAL AMOSTRADOR: φ e = 2" φ i = 1 3/8" MARTELO: 65 kg QUEDA: 75cm SONDAGEM COTA km AFASTAMENTO INCLINAÇÃO C/VERTICAL SP.11-0, ,88 D: 4,10 m E: G0LPES AMOSTRA PROF. NÍVEL DA ÁGUA LITOLOGIA DESCRIÇÃO DO MATERIAL RESISTENCIA A PENETRAÇÃO DO SOLO DE GOLPES / 30cm) 0,00 N.A :///////: :///////: :///////: Argila orgânica muito mole com mui 1/45 :///////: to pouca areia fina, preta. :///////: 1,60 :///////: (Nos. 9 Areia pouco compacta, fina a gros- sa com pouco pedregulho de quar 2,60 tzo, cinza amarelada. :::::::: 15/5 :::::::: :::::::: :::::::: Arenito friável de granulometria gro :::::::: sseira, cinza esverdeado. 15/2 :::::::: 4,12 :::::::: 4,12 IMPENETRÁVEL A LAVAGEM 1.º TEMPO DE 10 MINUTOS 2,00 cm 2.º TEMPO DE 10 MINUTOS 0,00 cm SONDA ENDEREÇO DA OBRA BR. 304 KM 46 - PONTE S/ RIO JAGUARIBE - ARACATÍ - CE. AMOSTRADOR INÍCIO PROF. DO REVESTIMENTO CLIENTE TERZAGHI 2,80 M TÉRMINO ESCALA DATA RESP. 12/02/00 12/2/2000 1:50 16/Fev.

27 PERFIL GEOLÓGICO GEOTÉCNICO INDIVIDUAL AMOSTRADOR: φ e = 2" φ i = 1 3/8" MARTELO: 65 kg QUEDA: 75cm SONDAGEM COTA km AFASTAMENTO INCLINAÇÃO C/VERTICAL SP.12-0, ,88 D: 4,10 m E: G0LPES AMOSTRA PROF. NÍVEL DA ÁGUA LITOLOGIA DESCRIÇÃO DO MATERIAL 0,20 N.A. :///////: :///////: :///////: Argila orgânica muito mole com mui 3 :///////: to pouca areia fina, preta. :///////: 1,60 :///////: RESISTENCIA A PENETRAÇÃO DO SOLO DE GOLPES / 30cm) (Nos /10 Areia pouco compacta, fina a gros- sa com pedregulho de quartzo e 2,40 feldspato e pouca argila, cinza. :::::::: 15/2 :::::::: :::::::: :::::::: Arenito friável de granulometria gro :::::::: sseira, cinza amarelado. 3,90 :::::::: 3,90 IMPENETRÁVEL A LAVAGEM 1.º TEMPO DE 10 MINUTOS 4,00 cm 2.º TEMPO DE 10 MINUTOS 3,00 cm 3.º TEMPO DE 10 MINUTOS 3,00 cm SONDA ENDEREÇO DA OBRA BR. 304 KM 46 - PONTE S/ RIO JAGUARIBE - ARACATÍ - CE. AMOSTRADOR INÍCIO PROF. DO REVESTIMENTO CLIENTE TERZAGHI 2,50 M TÉRMINO ESCALA DATA RESP. 12/02/00 12/2/2000 1:50 16/Fev.

28 PERFIL GEOLÓGICO GEOTÉCNICO INDIVIDUAL AMOSTRADOR: φ e = 2" φ i = 1 3/8" MARTELO: 65 kg QUEDA: 75cm SONDAGEM COTA km AFASTAMENTO INCLINAÇÃO C/VERTICAL SP.13 3, ,88 D: 4,10 m E: G0LPES AMOSTRA PROF. NÍVEL DA ÁGUA LITOLOGIA DESCRIÇÃO DO MATERIAL :::+::: :::+::: Areia pouco compacta muito fina, :::+::: siltosa, cinza amarelada. 9 :::+::: :::+::: :::+::: RESISTENCIA A PENETRAÇÃO DO SOLO (Nos. DE GOLPES / 30cm) ,90 :::+::: 3 ://////: Argila orgânica, mole com pouca a- ://////: reia fina, cinza escura. 2,50 N.A. ://////: 9 Areia pouco compacta, fina com pouca areia média a grossa, muito 3,60 pouca argila, amarelada. ://////: 15/10 ://////: ://////: Argila dura com areia fina a grossa ://////: e muito pedregulho de quartzo e fel ://////: dspato, cinza esverdeada. 15/9 ://////: ://////: 5,60 ://////: :::::::: 15/3 :::::::: Arenito friável de granulometria gro :::::::: sseira, cinza amarelado. :::::::: 6,65 :::::::: 6,65 IMPENETRÁVEL A LAVAGEM 1.º TEMPO DE 10 MINUTOS 4,00 cm 2.º TEMPO DE 10 MINUTOS 3,00 cm SONDA ENDEREÇO DA OBRA BR. 304 KM 46 - PONTE S/ RIO JAGUARIBE - ARACATÍ - CE. AMOSTRADOR INÍCIO PROF. DO REVESTIMENTO CLIENTE TERZAGHI 4,80 M TÉRMINO ESCALA DATA RESP. 11/02/00 11/2/2000 1:50 16/Fev.

29 PERFIL GEOLÓGICO GEOTÉCNICO INDIVIDUAL AMOSTRADOR: φ e = 2" φ i = 1 3/8" MARTELO: 65 kg QUEDA: 75cm SONDAGEM COTA km AFASTAMENTO INCLINAÇÃO C/VERTICAL SP.14 3, ,00 D. 29,50 m E: G0LPES AMOSTRA PROF. NÍVEL DA ÁGUA LITOLOGIA DESCRIÇÃO DO MATERIAL Argila média com pouca areia fina, cinza amarronada. 8 1,50 RESISTENCIA A PENETRAÇÃO DO SOLO (Nos. DE GOLPES / 30cm) :///////: Argila orgânica com muito pouca a- 7 1,90 :////////: reia fina, preta. Areia pouco compacta a mediana 14 mente compacta, fina a grossa com muito pouca argila e pouco pedregu lho de quartzo, cinza. 7 4,60 :::::::: 15/9 :::::::: :::::::: Arenito friável de granulometria gro- 5,60 :::::::: sseira, pouco argiloso, cinza ama :::::::: relado. 15/7 :::::::: 6,22 :::::::: 6,22 IMPENETRÁVEL A LAVAGEM 1.º TEMPO DE 10 MINUTOS 4,00 cm 2.º TEMPO DE 10 MINUTOS 2,00 cm SONDA ENDEREÇO DA OBRA BR. 304 KM 46 - PONTE S/ RIO JAGUARIBE - ARACATÍ - CE. AMOSTRADOR INÍCIO PROF. DO REVESTIMENTO CLIENTE TERZAGHI 4,80 M TÉRMINO ESCALA DATA RESP. 10/02/00 10/2/2000 1:50 16/Fev.

30 PERFIL GEOLÓGICO GEOTÉCNICO INDIVIDUAL AMOSTRADOR: φ e = 2" φ i = 1 3/8" MARTELO: 65 kg QUEDA: 75cm SONDAGEM COTA km AFASTAMENTO INCLINAÇÃO C/VERTICAL SP.15 4, ,00 D. 29,50 m E: G0LPES AMOSTRA PROF. NÍVEL DA ÁGUA LITOLOGIA 21 DESCRIÇÃO DO MATERIAL RESISTENCIA A PENETRAÇÃO DO SOLO (Nos. DE GOLPES / 30cm) Areia medianamente compacta a 11 pouco compacta, muito fina, siltosa com muito pouca argila, cinza ala- 11 ranjada. 10 4,60 :///////: 1/50 :///////: :///////: Argila orgânica muito mole com mui :///////: ta pouca areia fina, preta. :///////: 1/45 :///////: :///////: :///////: :///////: 2/45 :///////: :///////: 7,50 :///////: 9 Areia pouco compacta, fina a média com muito pouca argila, cinza ala- ranjada. 15/2 9,00 :::::::: Arenito friável de granulometria gros 9,35 :::::::: seira, cinza esverdeada. 9,35 IMPENETRÁVEL A LAVAGEM 1.º TEMPO DE 10 MINUTOS 3,00 CM 2n.º TEMPO DE 10 MINUTOS 1,00 CM SONDA ENDEREÇO DA OBRA BR. 304 KM 46 - PONTE S/ RIO JAGUARIBE - ARACATÍ - CE. AMOSTRADOR INÍCIO TERZAGHI 13/02/00 PROF. DO REVESTIMENTO 5,00 M CLIENTE TÉRMINO 13/2/2000 ESCALA 1:50 DATA 17/Fev. RESP.

31 PERFIL GEOLÓGICO GEOTÉCNICO INDIVIDUAL AMOSTRADOR: φ e = 2" φ i = 1 3/8" MARTELO: 65 kg QUEDA: 75cm SONDAGEM COTA km AFASTAMENTO INCLINAÇÃO C/VERTICAL SP.16 5, ,00 D: 29,50 m E: G0LPES AMOSTRA PROF. NÍVEL DA ÁGUA LITOLOGIA DESCRIÇÃO DO MATERIAL :///////: :///////: :///////: 20 :///////: Argila rija com muito pouca areia :///////: :///////: fina, presença de mica, amarronada RESISTENCIA A PENETRAÇÃO DO SOLO DE GOLPES / 30cm) (Nos :///////: 15 :///////: :///////: 2,60 :///////: 9 3,50 N.A. 11 Areia pouco compacta a mediana- mente compacta, fina a grossa com 16 muito pouca argila e pedregulho de quartzo e feldspato, cinza alaranja- 12 da a cinza escura. 13 7,50 ::::::: Arenito friável de granulometria fina 7,95 ::::::: cinza alaranjado. 7,95 IMPENETRÁVEL A LAVAGEM 1.º TEMPO DE 10 MINUTOS 3,00 CM 2.º TEMPO DE 10 MINUTOS 2,00 CM SONDA ENDEREÇO DA OBRA BR. 304 KM 46 - PONTE S/ RIO JAGUARIBE - ARACATÍ - CE. AMOSTRADOR INÍCIO PROF. DO REVESTIMENTO CLIENTE TERZAGHI 3,50 M TÉRMINO ESCALA DATA RESP. 14/02/00 14/2/2000 1:50 16/Fev.

32

33 3.5 CONCLUSÕES Com base nos resultados das sondagens, foram preparadas 02 (duas) seções esquemáticas do subsolo indicadas no desenho N. 01. Estas seções são apresentadas nos desenhos N. 03 e 04 e representam evidentemente, apenas o desenvolvimento provável das camadas do subsolo, constatadas somente nas verticais das sondagens e foram elaboradas visando permitir um melhor visualização da natureza geral do subsolo local O nível da água encontrado variou entre + 3,40 e 4,60 metros. OBS: o nível d água dos furos de sondagem tiveram grandes oscilações devido a influência da maré A boca dos furos de sondagem a percussão e mista, foram nivelados pela cota real do IBGE, fornecida pela contratante. 3.6 PLANTAS DE LOCAÇÃO DOS FUROS DE SONDAGEM E SEÇÕES DO SUBSOLO A seguir apresentamos os respectivos desenhos.

34

35

36

37

38 4 ESTUDO DO PAVIMENTO ATUAL

39 4.1 Boletim de Sondagem do Pavimento Atual

40 BOLETIM DE SONDAGENS Rodovia: BR-304/CE PAVIMENTO Trecho: Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN (ATUAL) Extensão 3,10 km PROFUNDI- Km Km DO FURO LADO DADE LOCADO PROJETO (m) LD AAUQ Data: 10/02/00 CLASSIFICAÇÃO Executor: José Carlos e Alberto VISUAL Base. Areia com Pedregulho Siltosa. Cor Vermelha Sub-Base. Areia Fina Siltosa. Cor Vermelha. Obs.: Terreno Natural LE Revestimento em perfeito estado. Obs.: Greide Colado LD AAUQ Base. Areia com Pedregulho Siltosa. Cor Vermelha Sub-Base. Areia Fina Siltosa. Cor Vermelha Sub-Leito. 1 Horizonte - Areia Fina. Cor Amarela Sub-Leito. 2 Horizonte - Areia Fina Siltosa. Cor Marrom LE AAUQ Base. Areia com Pedregulho Siltosa. Cor Vermelha. Sub-Base. Areia com Pedregulho Siltosa. Cor Vermelha e Amarela. Sub-Leito. 1 Horizonte - Silte Arenoso. Cor Esverdiado. Sub-Leito. 2 Horizonte - Areia Siltosa. Cor Vermelha. OBS.: No km (LD), há um cabo de fibra ótica da EMBRATEL que cruza a plataforma. (LD / LE).

41 4.2 Resumo dos Ensaios do Pavimento

42 ESTACA FURO PROFUND. LIMITES G R A N U L O M E T R I A FÍSICOS % que passa nas peneiras E.A. I.G. Classifi cação Compactação Campo (*) Golpes (*) Golpes Compactação Laboratório I. S. C. OBSERVAÇÕES (cm) L L I P 2" 1" 3/8" N4 N10 N40 N200 % % H.R.B. Umid. Média Dens. Média Hot Dmax Exp. % A Base (Modificado) NL NP A Terreno Natural A Base (Modificado) NL NP A Sub-Base NL NP A Sub-leito (1 Horiz.) NL NP A Sub-leito (2 Horiz.) A Base (Modificado) A Sub-Base NL NP A Sub-leito (1 Horiz.) A-1-b Sub-leito (2 Horiz.) RODOVIA: RESUMO DO PAVIMENTO ATUAL BR-304/CE FOLHA Nº 01 TRECHO Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN DATA: FEV/OO

43 5 SONDAGEM E ESTUDOS DO SUBLEITO (PISTA NOVA / CICLOVIA)

44 5.1 Boletim de Sondagem do Subleito (Pista Nova)

45 BOLETIM DE SONDAGENS Rodovia: BR-304/CE Executor: SUB-LEITO Trecho: Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN Data: 05/02/00 José Carlos e (PISTA NOVA) Extensão 3,10 km Alberto PROFUNDI- Km Km DO FURO LADO DADE CLASSIFICAÇÃO VISUAL LOCADO PROJETO (m) LD Areia Fina Siltosa Cor Vermelha LD Entulho de Construção Areia Fina Siltosa Cor Vermelha LD Entulho de Construção Areia Fina Siltosa Cor Vermelha LD Areia Fina Siltosa Cor Vermelha Areia Fina Siltosa Cor Amarela LD Calçamento Areia Fina Siltosa Cor Esbranquiçada Areia Fina Siltosa Cor Cinza LD Areia Fina Siltosa Cor Marrom. Obs.: Aterro acima de 5,0 m. Furo executado a 30 m do eixo LD Areia Fina Siltosa Cor Marrom Silte Arenoso Cor Cinza. Obs.: Aterro c/ altura de 3,0 m. Furo executado a 30 m do eixo LD Areia Fina Siltosa Cor Amarela Argila Siltosa Cor Preta. (argila mole) Argila Siltosa Cor Preta. (argila dura) Obs.: Aterro c/ altura de 4,0 m. Furo executado a 30 m do eixo LD Areia Siltosa. Cor Amarela Argila Preta. (argila dura). Obs.: Aterro c/ altura de 3,0 m. Furo executado a 30 m do eixo LD Areia Siltosa. Cor Amarela Areia Fina. Cor Esbranquiçada. Obs.: Aterro c/ altura de 4,0 m. Furo executado a 30 m do eixo LD Areia Fina Siltosa. Cor Vermelha Argila Siltosa. Cor Cinza. (argila dura) Obs.: Aterro c/ altura de 2,0 m. Furo executado a 30 m do eixo LD Areia Fina Siltosa. Cor Vermelha Argila Siltosa. Cor Cinza. (argila dura). Obs.: Aterro c/ altura de 3,0 m. Furo executado a 30 m do eixo.

46 5.2 Resumo dos Ensaios do Subleito (Pista Nova)

47 ESTACA FURO PROFUND. LIMITES G R A N U L O M E T R I A FÍSICOS % que passa nas peneiras E.A. I.G. Classifi cação Compactação Campo (*) Golpes (*) Golpes Compactação Laboratório I. S. C. (cm) L L I P 2" 1" 3/8" N4 N10 N40 N200 % % H.R.B. Umid. Média Dens. Média Hot Dmax Exp. % NL NP A NL NP A NL NP A NL NP A NL NP A NL NP A NL NP A RESUMO DO SUB-LEITO (PISTA NOVA) RODOVIA: TRECHO Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN BR-304/CE OBSERVAÇÕES FOLHA Nº 01 DATA: FEV/OO

48 5.3 Boletim de Sondagem do Subleito (Ciclovia)

49 BOLETIM DE SONDAGENS Rodovia: BR-304/CE Executor: SUB-LEITO Trecho: Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN Data: 05/02/00 José Carlos (CICLOVIA) Extensão 3,10 km e Alberto PROFUNDI- Km Km DO FURO LADO DADE CLASSIFICAÇÃO VISUAL LOCADO PROJETO (m) LE Areia Siltosa Cor Vermelha. Obs.: Greide Colado. Furo executado à 15 m do eixo LE Areia Siltosa Cor Amarela. Obs.: Greide Colado. Furo executado à 15 m do eixo LE Areia Fina Siltosa Cor Amarela. Obs.: Aterro c/ 3,0 m de altura. Furo executado à 15 m do eixo LE Argila. Cor Esverdiada. Obs.: Aterro c/ 3,0 m de altura. Furo executado à 15 m do eixo.

50 5.4 Resumo dos Ensaios do Subleito (Ciclovia)

51 ESTACA FURO LIMITES G R A N U L O M E T R I A PROFUND. E.A. I.G. FÍSICOS % que passa nas peneiras Classifi cação Compactação Campo (*) Golpes (*) Golpes Compactação Laboratório I. S. C. (cm) L L I P 2" 1" 3/8" N4 N10 N40 N200 % % H.R.B. Umid. Média Dens. Média Hot Dmax Exp. % NL NP A NL NP A RESUMO DO SUB-LEITO (CICLOVIA) RODOVIA: TRECHO Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN BR-304/CE OBSERVAÇÕES FOLHA Nº 01 DATA: FEV/00

52 6 ESTUDOS DOS EMPRÉSTIMOS PARA TERRAPLENAGEM

53 6.1 Planta Geral dos Empréstimos

54 km km DIVISA CE/RN PLANTA GERAL DE LOCALIZAÇÃO DO EMPRÉSTIMO km km Ponte sobre Rio Jaguribe Vão: 466m km Fim da Ponte km Início da Ponte km km km Dist: 1.7km BOQUEIRÃO DO CESÁRIO E-01 EMPRÉSTIMO LEGENDA: Empréstimo E-01 VOLUME LOCALIZAÇÃO (m³) LOCADO PROJETADO N Km Km Km 0+920,00 - Eixo projetado E ,000 Km 0+922,020 - Eixo locado

55 6.2 Empréstimo E-01

56 ESTACA FURO PROFUND. LIMITES G R A N U L O M E T R I A FÍSICOS % que passa nas peneiras E.A. I.G. Classifi cação Compactação Campo (*) Golpes (*) Golpes Compactação Laboratório I. S. C. OBSERVAÇÕES (cm) L L I P 2" 1" 3/8" N4 N10 N40 N200 % % H.R.B. Umid. Média Dens. Média Hot Dmax Exp. % km NL NP A PROCTOR km NL NP A NORMAL km NL NP A km NL NP A km NL NP A km NL NP A km NL NP A material não líquido e não plástico km NL NP A km NL NP A Números de Valores Individuais N (3) (3) Média Aritméticas X A Desvio Padrão σ Média Mínima µ Média Máxima µ Estimativa de Valor Mínimo Xmín Estimativa de Valor Máximo Xmáx Limite Mínimo Lmín Limite Máximo Lmáx Empréstimo-01 RODOVIA: TRECHO Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN BR-304/CE km (LE) 1,700 km do eixo F O L H A R E S U M O FOLHA Nº 01 FEV/00

57 GRÁFICOS REPRESENTATIVOS Trecho: Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN Empréstimo-01 Rod.: BR-304/CE km (LE) Dist.: 1,700 km Data: FEV/00 Profundidade X Furos PROFUND. (cm) M EXPURGO MATERIAL FURO LL/IP X Furos LL / IP M FURO LL IP ISC ISC X Furos M FURO 100% % Passando X Furos % PASSANDO 80% 60% 40% 20% APÓS COMPACTAÇÃO 0% M FURO Silte+argila (pass. #200) Areia fina (#40 - #200) Areia grossa (#10 - #40) Pedregulho (2" - #10)

58 7 ESTUDOS DAS OCORRÊNCIAS DOS MATERIAIS PARA PAVIMENTAÇÃO

59 7.1 Planta Geral das Ocorrências

60 km ARACATI PLANTA GERAL DE LOCALIZAÇÃO DAS OCORRÊNCIAS km Ponte sobre Rio Jaguribe Vão: 466m km km Início da Ponte km Fim da Ponte km CONVENÇÕES AR-01 Areia de Rio Jazidas AC-01 Areia de Campo Ponte P-02 Pedreira Usina Jazida Base FORTALEZA Asfalto Filler Doppe Aço Tubos Madeira AR-01 Jazida (Reserva) 166,00km km BOQUEIRÃO Dist: 19.61km Dist: 15.50km Dist: 2.58km Dist: 0.05km Dist: 51.7km Dist: 1.95km Dist: 13.7km P-01 P-02 AC-01

61 7.2 Areal AR-01 (Areia de Rio)

62 km FURO G R A N U L O M E T R I A % que passa nas peneiras 1/2" 3/8" N4 N8 N10 N16 N30 N40 N50 N80 N100 N DENS. REAL EQUIV. AREIA (%) Números de Valores Individuais Média Aritméticas #DIV/0! 77.1 #DIV/0! #DIV/0! 23.0 #DIV/0! 3.1 #DIV/0! Desvio Padrão #DIV/0! 6.4 #DIV/0! #DIV/0! 3.8 #DIV/0! 0.5 #DIV/0! 0.3 Média Mínima #DIV/0! 74.3 #DIV/0! #DIV/0! 21.4 #DIV/0! 2.9 #DIV/0! 0.9 Média Máxima #DIV/0! 79.9 #DIV/0! #DIV/0! 24.6 #DIV/0! 3.3 #DIV/0! 1.1 Estimativa de Valor Mínimo #DIV/0! 70.0 #DIV/0! #DIV/0! 18.8 #DIV/0! 2.5 #DIV/0! 0.7 Estimativa de Valor Máximo #DIV/0! 84.2 #DIV/0! #DIV/0! 27.2 #DIV/0! 3.7 #DIV/0! 1.3 Limite Mínimo #DIV/0! 61.0 #DIV/0! #DIV/0! 13.6 #DIV/0! 1.8 #DIV/0! 0.3 Limite Máximo Areia de Rio AR-01 km (LD) 51,700km do eixo #DIV/0! 93.2 #DIV/0! #DIV/0! 32.4 #DIV/0! 4.4 #DIV/0! 1.7 RODOVIA: BR-304 TRECHO: Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN F O L H A R E S U M O OBSERVAÇÕES FOLHA Nº 01 DATA: MAR/00

63 GRÁFICO REPRESENTATIVO DA GRANULOMETRIA Trecho : Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN Jazida: Areia de Rio AR-01 Rod. : BR-304 km (LD) Dist.: 51,700km Data: DEZ/99 100% AREAL DE RIO - AR-01 % PASSANDO 80% 60% 40% 20% 0% Média FURO Silte+argila (pass. #200) Areia fina (#40 - #200) Areia grossa (#10 - #40) Pedregulho (2" - #10)

64 7.3 Areal AC-01 (Areia de Campo)

65 km FURO G R A N U L O M E T R I A % que passa nas peneiras 1/2" 3/8" N4 N8 N10 N16 N30 N40 N50 N80 N100 N DENS. REAL EQUIV. AREIA (%) Números de Valores Individuais Média Aritméticas #DIV/0! 99.9 #DIV/0! #DIV/0! 90.6 #DIV/0! 13.8 #DIV/0! Desvio Padrão #DIV/0! 0.0 #DIV/0! #DIV/0! 0.9 #DIV/0! 1.5 #DIV/0! 0.5 Média Mínima #DIV/0! 99.9 #DIV/0! #DIV/0! 90.1 #DIV/0! 12.9 #DIV/0! 3.1 Média Máxima #DIV/0! 99.9 #DIV/0! #DIV/0! 91.1 #DIV/0! 14.7 #DIV/0! 3.7 Estimativa de Valor Mínimo #DIV/0! 99.8 #DIV/0! #DIV/0! 89.5 #DIV/0! 11.9 #DIV/0! 2.7 Estimativa de Valor Máximo #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! 91.7 #DIV/0! 15.7 #DIV/0! 4.1 Limite Mínimo #DIV/0! 99.8 #DIV/0! #DIV/0! 88.3 #DIV/0! 10.0 #DIV/0! 2.0 Limite Máximo Areia de Campo AC-01 km (LD) 2,580km do eixo #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! 92.9 #DIV/0! 17.6 #DIV/0! 4.8 RODOVIA: TRECHO: BR-304 Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN F O L H A R E S U M O OBSERVAÇÕES FOLHA Nº 01 DATA: MAR/00

66 GRÁFICO REPRESENTATIVO DA GRANULOMETRIA Trecho : Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN Jazida: Areia de Campo AC-01 Rod. : BR-304 km (LD) Dist.: 2,580km Data: FEV/00 100% AREAL DE CAMPO - AC-01 % PASSANDO 80% 60% 40% 20% 0% Média FURO Silte+argila (pass. #200) Areia fina (#40 - #200) Areia grossa (#10 - #40) Pedregulho (2" - #10)

67 7.4 Jazida - Base

68 ESTACA FURO PROFUND. LIMITES G R A N U L O M E T R I A FÍSICOS % que passa nas peneiras E.A. I.G. Classifi cação Compactação Campo (*) Golpes (*) Golpes Compactação Laboratório I. S. C. OBSERVAÇÕES (cm) L L I P 2" 1" 3/8" N4 N10 N40 N200 % % H.R.B. Umid. Média Dens. Média Hot Dmax Exp. % km NL NP A PROCTOR km A-1-b MODIFICADO km NL NP A-1-b km A km A-1-b km NL NP A km A km NL NP A-1-b Para efeito estatístico NL=15 e NP=3 km NL NP A km NL NP A km NL NP A-1-b km NL NP A km A-1-b Números de Valores Individuais N Média Aritméticas X A-1-b Desvio Padrão σ Média Mínima µ Média Máxima µ Estimativa de Valor Mínimo Xmín Estimativa de Valor Máximo Xmáx Limite Mínimo Lmín Limite Máximo Lmáx Jazida-Base RODOVIA: TRECHO Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN FOLHA Nº 01 BR-304/CE km (LD) 13,70 km do eixo F O L H A R E S U M O FEV/00

69 GRÁFICOS REPRESENTATIVOS Trecho: Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN Jazida-Base Rod.: BR-304/CE km (LD) Dist.: 13,70 km Data: FEV/00 Profundidade X Furos PROFUND. (cm) M EXPURGO MATERIAL FURO LL/IP X Furos LL / IP M LL IP FURO ISC ISC X Furos M FURO 100% % Passando X Furos % PASSANDO 80% 60% 40% 20% APÓS COMPACTAÇÃO 0% M FURO Silte+argila (pass. #200) Areia fina (#40 - #200) Areia grossa (#10 - #40) Pedregulho (2" - #10) Pedregulho (Retida na peneira de 2")

70 BOLETIM DE SONDAGENS Rodovia: BR-304/CE Executor: PAVIMENTO Trecho: Boqueirão do Cesário-divisa CE/RN Data: 25/02/00 Evandro e (BASE) Extensão 3,10 km Alberto PROFUNDI- Km Km DO FURO LADO DADE CLASSIFICAÇÃO VISUAL LOCADO PROJETO (m) LD Pedregulho Arenoso Cor Branca LD Silte Arenoso c/ Pedregulho Cor Marrom LD Silte Arenoso c/ Pedregulho Cor Marrom LD Pedregulho Arenoso Cor Branca LD Areia Siltosa c/ Pedregulho Cor Marrom LD Silte Arenoso c/ Pedregulho Cor Marrom LD Pedregulho Arenoso Cor Branca LD Pedregulho Graúdo de Seixo Arenoso Cor Branca LD Areia c/ Pedregulho Cor Marrom LD Pedregulho Arenoso Cor Cinza LD Pedregulho Arenoso Cor Amarela LD Pedregulho de Seixo Arenoso Cor Branca LD Pedregulho Silte Arenoso Cor Vermelha LD Areia c/ Pedregulho de Seixo Cor Marrom LD Pedregulho de Seixo Arenoso Cor Branca LD Pedregulho Lateritíco Cor Vermelha LD Pedregulho Areno-Siltoso Cor Amarela LD Pedregulho Areno-Siltoso Cor Marrom LD Pedregulho Areno-Siltoso Cor Marrom LD Pedregulho Areno-Siltoso Cor Vermelha LD Pedregulho Areno-Siltoso Cor Cinza LD Pedregulho Arenoso - Cor Marrom LD Pedregulho Arenoso - Cor Marrom LD Pedregulho Arenoso - Cor Amarela LD Pedregulho Siltoso - Cor Vermelha LD Pedregulho Siltoso - Cor Vermelha LD Pedregulho Siltoso - Cor Vermelha LD Pedregulho Siltoso - Cor Vermelha LD Pedregulho Siltoso - Cor Vermelha LD Pedregulho Siltoso - Cor Vermelha LD Pedregulho Siltoso - Cor Amarela LD Pedregulho Siltoso - Cor Marrom LD Pedregulho Siltoso - Cor Marrom LD Pedregulho Arenoso - Cor Cinza

71 BOLETIM DE SONDAGENS Rodovia: BR-304/CE Executor: PAVIMENTO Trecho: Boqueirão do Cesário-divisa CE/RN Data: 25/02/00 Evandro e (BASE) Extensão 3,10 km Alberto PROFUNDI- Km Km DO FURO LADO DADE CLASSIFICAÇÃO VISUAL LOCADO PROJETO (m) LD Silte Arenoso c/ Pedregulho - Cor Vermelha LD Silte Arenoso c/ Pedregulho - Cor Vermelha LD Silte Arenoso c/ Pedregulho - Cor Vermelha.

72 7.5 Jazida (Reserva)

73 ESTACA FURO PROFUND. LIMITES G R A N U L O M E T R I A FÍSICOS % que passa nas peneiras E.A. I.G. Classifi cação Compactação Campo (*) Golpes (*) Golpes Compactação Laboratório I. S. C. OBSERVAÇÕES (cm) L L I P 2" 1" 3/8" N4 N10 N40 N200 % % H.R.B. Umid. Média Dens. Média Hot Dmax Exp. % km NL NP A PROCTOR km NL NP A INTERMEDIÁRIO km NL NP A km NL NP A km NL NP A km NL NP A km NL NP A material não líquido e não plástico km NL NP A km NL NP A km NL NP A km NL NP A Números de Valores Individuais N (3) (3) Média Aritméticas X A Desvio Padrão σ Média Mínima µ Média Máxima µ Estimativa de Valor Mínimo Xmín Estimativa de Valor Máximo Xmáx Limite Mínimo Lmín Limite Máximo Lmáx Jazida (Reserva) RODOVIA: TRECHO Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN FOLHA Nº 01 BR-304/CE km (LD) 1,950 km do eixo F O L H A R E S U M O DEZ/00

74 GRÁFICOS REPRESENTATIVOS Trecho: Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN Jazida (Reserva) Rod.: BR-304/CE km (LD) Dist.: 1,950 km Data: DEZ/00 Profundidade X Furos PROFUND. (cm) M EXPURGO MATERIAL FURO LL/IP X Furos LL / IP M FURO LL IP ISC ISC X Furos M FURO 100% % Passando X Furos % PASSANDO 80% 60% 40% 20% APÓS COMPACTAÇÃO 0% M FURO Silte+argila (pass. #200) Areia fina (#40 - #200) Areia grossa (#10 - #40) Pedregulho (2" - #10)

75 BOLETIM DE SONDAGENS Rodovia: BR-304/CE PAVIMENTO Trecho: Boqueirão do Cesário-Divisa CE/RN (BASE-RESERVA) Extensão 3,1 km Data: DEZ/99 PROFUNDI- Km Km DO FURO LADO DADE LOCADO PROJETO (m) CLASSIFICAÇÃO LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela LD Areia Fina Cor Amarela. Executor: José Carlos VISUAL

RELATÓRIO DE SONDAGEM

RELATÓRIO DE SONDAGEM Vitória, 19 de junho de 201 RELATÓRIO DE SONDAGEM CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KENNEDY OBRA/LOCAL: SANTA LUCIA - PRESIDENTE KENNEDY CONTRATO: ETFC.0..1.00 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...02 PERFIL

Leia mais

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Laboratório de Geotecnia e Pavimentação ESTUDOS GEOTÉCNICOS Prof. Dr. Ricardo Melo PAVIMENTO Estrutura construída após

Leia mais

AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO

AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO Av. JC-15, com R.BF-25 e BF-23, Jd. Curitiba Cidade: Goiânia GO Goiânia, 11 de outubro de 2011. AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES

Leia mais

RELATÓRIO SONDAGENS A PERCUSSÃO

RELATÓRIO SONDAGENS A PERCUSSÃO RELATÓRIO SONDAGENS A PERCUSSÃO NBR /00 INSTITUTO FEDERAL DE EDUÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TARINENSE Áreas de Estudo: terreno onde será implantado o Campus de Brusque DGEO GEOLOGIA E ENGENHARIA AMBIENTAL

Leia mais

SUMÁRIO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO

SUMÁRIO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE SERVIÇOS GEOTÉCNICOS ADICIONAIS SUMÁRIO 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO 2.1 - CORTES 2.2 - ATERROS 2.3 - OBRAS DE

Leia mais

Associado à. Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS

Associado à. Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS Associado à Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS 38 ANOS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA PONTE PARAUAPEBAS - PARÁ DATA Outubro de 2011 Belém, 11 de outubro de 2011 Referência: Ponte em Parauapebas,

Leia mais

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações 1. MÉTODOS DIRETOS Os métodos diretos englobam todas as investigações que possibilitam a visualização do perfil e retirada de amostra. Os procedimentos de investigação são bem definidos nas normas ABNT

Leia mais

Procedimento para Serviços de Sondagem

Procedimento para Serviços de Sondagem ITA - 009 Rev. 0 MARÇO / 2005 Procedimento para Serviços de Sondagem Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Engenharia

Leia mais

BASENG Engenharia e Construção LTDA

BASENG Engenharia e Construção LTDA RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO GEOLÓGICO- GEOTÉCNICA: SONDAGEM A PERCUSSÃO LT2 ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO CONTRUÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO HOSPITAL E MATERNIDADE Praia de Boiçucanga São Sebatião / SP

Leia mais

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação 2 Escolha do tipo de fundação Americana, junho de 2005 0 Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação Americana, junho de

Leia mais

RUA CAETANO GONÇALVES e RUA VEREADOR PINTO MACHADO

RUA CAETANO GONÇALVES e RUA VEREADOR PINTO MACHADO PREFEITURA MUNICIPAL DE BAGÉ ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONVITE nº 008/2008 PROJETOS: GEOMÉTRICO, TERRAPLENAGEM, PAVIMENTAÇÃO, DRENAGEM E SINALIZAÇÃO DE VIAS RUA CAETANO GONÇALVES e RUA VEREADOR PINTO

Leia mais

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE - ESPECIFICAÇÕES GERAIS Revisão n.º 1 2 3 4 5 7 Data 18/03/11 Responsável Heber 1/14 INDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ELEMENTOS

Leia mais

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 ANEXO 1 DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 Foto 1 Vista do local de execução da sondagem a trado ST-01 (km353). Foto 2- Vista dos tipos de materiais ocorrentes no local da sondagem

Leia mais

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - ESTUDOS GEOTÉCNICOS

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - ESTUDOS GEOTÉCNICOS ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - ESTUDOS GEOTÉCNICOS 2.2.1 - INTRODUÇÃO Os Estudos Geotécnicos foram realizados com o objetivo de conhecer as características dos materiais constituintes do subleito

Leia mais

SONDAGEM A TRADO INICIO PERFIL INDIVIDUAL INTERCEPTOR DE ESGOTO Córrego Brejo Alegre - Araguari / MG TECMINAS ENGENHARIA

SONDAGEM A TRADO INICIO PERFIL INDIVIDUAL INTERCEPTOR DE ESGOTO Córrego Brejo Alegre - Araguari / MG TECMINAS ENGENHARIA FN. (017) 334-334 - CEP. 02-080 CLIENTE 0,39 /08/2014 TÉRMINO /08/2014 ATERRO DE AREIA FINA, ARGILOSA, MARROM ACINZENTADA. 903,090 ST.01 AREIA FINA, MUITO ARGILOSA, AMARELA ACINZENTADA. 2,63 cinza ARGILA

Leia mais

4.2 Estudo Geotécnico

4.2 Estudo Geotécnico 4.2 Estudo Geotécnico O Estudo Geotécnico foi desenvolvido de acordo com o Termo de Referência do Edital e baseados na Instrução de Serviço IS-206 das Diretrizes Básicas para Elaboração de Estudos e Projetos

Leia mais

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC)

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PRODUTO III INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS SONDAGEM DE SIMPLES RECONHECIMENTO POR SPT

Leia mais

Porto Alegre, 10 de agosto de 2010 À TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO

Porto Alegre, 10 de agosto de 2010 À TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO Porto Alegre, de agosto de 0 À TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA ª REGIÃO Ref. OBRA OS0/ RUA DE JULHO, S/N - SANT O ÂNGELO/RS Ass.: Relatório de Sondagem Prezados Senhores: Vimos através desta apresentar-lhes

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE ÁGUA & MINÉRIO SONDAGENS DE SOLO LTDA SONDAGENS DE SIMPLES RECONHECIMENTO - SPT NBR 6484 e NBR 8036 da ABNT INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS IBIRAMA Rua Getúlio Vargas, 3006 Bela Vista Furos F-1 a

Leia mais

Boletim de campo para sondagem/ poço de monitoramento

Boletim de campo para sondagem/ poço de monitoramento Sigla SP1 Data de início 21/12/2009 Data de término 21/12/2009 UTM - N (m) 7.382.650 Diâmetro da perfuração 4 UTM - E (m) 327.753 Diâmetro da Instalação - Altitude do terreno (m) Prof. total do poço (m)

Leia mais

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O PROJETO DE FUNDAÇÕES O SOLO, NUM PROBLEMA DE FUNDAÇÕES DEVE SER ACEITO TAL COMO SE APRESENTA Para um projeto de fundações bem elaborado, deve-se conhecer: -os tipos de

Leia mais

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS MOLES DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE E SUAS MELHORIAS COM ADIÇÃO DE CAL V WORKSHOP DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NAS CONCESSÕES Apresentação Lélio A. T. Brito, MSc., CONCEPA

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SONDAGENS Em virtude da dificuldade de se prever

Leia mais

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL)

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) 1. RELATÓRIO DE SONDAGEM 1.1 Objetivos O presente relatório tem por objetivo descrever os critérios e procedimentos adotados na execução dos serviços de sondagem geotécnica

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM

RELATÓRIO DE SONDAGEM RELATÓRIO DE SONDAGEM Cliente: TJMG Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais Local: Vazante - MG Obra: Novo Fórum Tipo: Sondagem de Simples Reconhecimento, com SPT. Data: 27/03/2012 Uberaba, 27 de

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL 2 Publicação IPR - 727/2006 Diretrizes Básicas

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

TOMADA DE PREÇOS Nº 01/2015 ANEXO I-E SONDAGEM DE SOLO DO TERRENO

TOMADA DE PREÇOS Nº 01/2015 ANEXO I-E SONDAGEM DE SOLO DO TERRENO SEÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS Rua Deodoro da Fonseca, 7 Centro Natal/RN CEP:.0-00. Fone: () - Fax: () -1 TOMADA DE PREÇOS Nº 01/ ANEXO I-E SONDAGEM DE SOLO DO TERRENO Tomada de Preços nº 01/ PRRN RELATÓRIO

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A):

RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A): RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A): Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios - TJDFT PUBLICAÇÃO: Reforsolo 2033/15

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM - SPT

RELATÓRIO DE SONDAGEM - SPT FL. 201 MASTERSOLO Engenharia Ltda RELATÓRIO DE SONDAGEM - SPT CLIENTE: OBRA.- ENDEREÇO: RUA TAMANDARÉ, ESQ. AV JOSÉ FERREIRA DE SANTANA QD-323-B.LT-6- RESIDENCIAL GOBATO CIDADE: GOIATUBA - GO MASTERSOLO

Leia mais

INSTRUÇÃO GEOTÉCNICA

INSTRUÇÃO GEOTÉCNICA 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar os procedimentos para o adequado desenvolvimento de estudos e projetos de pavimentação no Município de São Paulo. 2. ESTUDO GEOTÉCNICO DO SUBLEITO Os

Leia mais

SP- 1. RMX (tf) DMX (milímetros) 100,96. TORQUE (kgfm) Max. Res ATERRO DE AREIA FINA SILTOSA,. PISO DE CONCRETO USINADO. 0,10 0,28

SP- 1. RMX (tf) DMX (milímetros) 100,96. TORQUE (kgfm) Max. Res ATERRO DE AREIA FINA SILTOSA,. PISO DE CONCRETO USINADO. 0,10 0,28 APRESENTAÇÃO Em prosseguimento à nossa campanha de divulgação de ensaios de carregamento dinâmico realizados em obras da nossa responsabilidade, e por ocasião do SEFE V no ano de, retratamos neste trabalho

Leia mais

Servimo-nos da presente para apresentar-lhes os resultados da Prospecção geotécnica do subsolo realizada para a obra em foco.

Servimo-nos da presente para apresentar-lhes os resultados da Prospecção geotécnica do subsolo realizada para a obra em foco. Goiânia (Go), 15 de julho de 211 Relatório de Prospecção Geotécnica do Subsolo N. 64/211 Cliente: TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO Obra: EDIFICAÇÃO COMERCIAL Local: Rua Japão c/ Rua Fortaleza,

Leia mais

Portfólio de Soluções. Sistemas SPTSis ROTSis MIXSis

Portfólio de Soluções. Sistemas SPTSis ROTSis MIXSis Portfólio de Soluções Sistemas SPTSis ROTSis MIXSis Conheça as opiniões dos nossos clientes... Em um serviço com oitenta furos, gastamos menos de quatro horas para gerar todos os relatórios de sondagem.

Leia mais

À INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL - DEPARTAMENTO DA PARAIBA.

À INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL - DEPARTAMENTO DA PARAIBA. RELATÓRIO N 002/2013 À INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL - DEPARTAMENTO DA PARAIBA. Largo São Frei Pedro Gonçalves, n 02, Varadouro - João Pessoa/PB. SONDAGEM SPT SONDAGEM DE SIMPLES RECONHECIMENTO COM

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

ISF 207: ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Os Estudos Geotécnicos serão desenvolvidos em duas fases:

ISF 207: ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Os Estudos Geotécnicos serão desenvolvidos em duas fases: ISF 207: ESTUDOS GEOTÉCNICOS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes dos Estudos Geotécnicos nos Projetos de Engenharia de Infraestrutura Ferroviária. 2. FASES DOS ESTUDOS Os Estudos Geotécnicos

Leia mais

DER-ES - Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Espírito Santo Emitido em : 22/04/2013-15:28:48 Tabela de Preços - Sintética Página: 1 de 5

DER-ES - Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Espírito Santo Emitido em : 22/04/2013-15:28:48 Tabela de Preços - Sintética Página: 1 de 5 Tabela de Preços - Sintética Página: 1 de 5 Grupo de Serviço: 12 - SERVIÇOS DIVERSOS 42878 Aluguel de automóvel VW/ Gol (flex) 1,0 ou equivalente, inclusive combustível, sem motorista Mes 3.816,81 42888

Leia mais

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01 PROCEDIMENTO PARA DIMENSIONAR PAVIMENTAÇÃO EM VIAS DE TRÁFEGO LEVE E MUITO LEVE DA PMSP PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO/P01 1 Introdução Apresenta-se os procedimentos das diretrizes para o dimensionamento

Leia mais

ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA

ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA 1 ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2. OBJETIVOS DA 3. FASES DA 4. MÉTODOS DE PROSPECÇÃO 2 1. Considerações iniciais: As características de um solo não podem ser descobertas apenas pelo

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança?

Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Execução de edificações Serviços preliminares Elementos de prospecção geotécnica

Leia mais

TABELA. A seguir é apresentada a tabela que ajudou na escolha dos valores de CN.

TABELA. A seguir é apresentada a tabela que ajudou na escolha dos valores de CN. TABELA - Método do Hidrograma Unitário Triangular (Grandes Bacias) A determinação das vazões máximas das grandes bacias foi possível com a utilização do Método do Histograma Triangular Unitário (MHTU)

Leia mais

0 JAN/2013 - - - - 3 - O PONTO CHAVE INDICA A AMARRAÇÃO AOS DETALHES APRESENTADOS PARA " DESCIDAS D AGUA". 1 - DIMENSÕES EM cm.d

0 JAN/2013 - - - - 3 - O PONTO CHAVE INDICA A AMARRAÇÃO AOS DETALHES APRESENTADOS PARA  DESCIDAS D AGUA. 1 - DIMENSÕES EM cm.d 1 - DIMENSÕES EM cm.d 2 - AJUSTAR NA OBRA A ZONA DE CONTATO DA ENTRADA COM A DESCIDA D ÁGUA TIPO RÁPIDO EM MEIO - CANA DE CONCRETO OU CALHA METÁLICA 3 - O PONTO CHAVE INDICA A AMARRAÇÃO AOS DETALHES APRESENTADOS

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIO A EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE CONTROLE TECNOLÓGICO DAS OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA, SENDO INDISPENSÁVEL À APRESENTAÇÃO DO LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E DOS RESULTADOS

Leia mais

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT

AULA 5. NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos. Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT AULA 5 NBR 6122- Projeto e Execução de Fundações Métodos Empíricos Relação entre Tensão Admissível do Solo com o número de golpes (N) SPT março 2014 Disciplina - Fundações Zeide Nogueira Furtado Relação

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG DNIT - SREMG João Monlevade - 28/06/2012 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG RODOVIA: BR-381MG TRECHO: DIVISA ES/MG - DIV. MG/SP

Leia mais

UNIP - Universidade Paulista Campus Brasília. ICET Instituto de Ciências e Tecnologia PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL

UNIP - Universidade Paulista Campus Brasília. ICET Instituto de Ciências e Tecnologia PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL UNIP - Universidade Paulista Campus Brasília ICET Instituto de Ciências e Tecnologia PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL PROJETO DE FUNDAÇÕES POR ESTACA DE UM EDIFÍCIO RESIDENCIAL

Leia mais

UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE

UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE UM CASO DE OBRA ESPECIAL: CONTENÇÃO PELO MÉTODO DE SOLO GRAMPEADO, SUBJACENTE A UM SOLO GRAMPEADO PRÉ-EXISTENTE AUTORES Engenheiro Alberto Casati Zirlis, diretor da Solotrat Engenharia Geotécnica Ltda.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ENSAIO SPT (STANDARD PENETRATION TEST) E O SEU USO NA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES

UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ENSAIO SPT (STANDARD PENETRATION TEST) E O SEU USO NA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES ALUNA: MARESSA M. DE FREITAS OLIVEIRA ORIENTADOR: PROF. JAIRO P. DE ARAÚJO ENSAIO SPT (STANDARD PENETRATION TEST) E O SEU USO NA ENGENHARIA DE FUNDAÇÕES Mogi das Cruzes,SP

Leia mais

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO

DRENAGEM DO PAVIMENTO. Prof. Ricardo Melo 1. INTRODUÇÃO 2. TIPOS DE DISPOSITIVOS SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Disciplina: Estradas e Transportes II Laboratório de Geotecnia e Pavimentação SEÇÃO TRANSVERSAL DE UM PAVIMENTO DRENAGEM DO

Leia mais

MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica

MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica OUTUBRO DE 2012 T E R R E S T R E. empresa sedeada em Itu/SP fornece consultas, projetos, ensaios especiais e serviços na área de geotecnia, drenagem, pavimentação,

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA SONDAGENS IN-04/94 Instrução Normativa

Leia mais

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais:

TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais: - Conceitos Básicos de Terraplenagem - Elaboração do Projeto de terraplenagem - Movimento de terra Cálculo de volumes, DMT e notas de serviço - Diagrama de Bruckner - Execução de terraplenagem- equipamentos

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

Prof. (m) Areia fina siltosa marrom. Areia fina marrom. Areia siltosa com pedregulhos variegada (amarela) Areia fina variegada (amarela)

Prof. (m) Areia fina siltosa marrom. Areia fina marrom. Areia siltosa com pedregulhos variegada (amarela) Areia fina variegada (amarela) Cliente: Sondagem: RS 1735 SP-01 Obra: Campus Experimental Folha: 01/03 Local: Jazida Mineração Veiga Cota do Furo: +0.27 m Município: Araquari SC Na: -2.55 m 01 siltosa marrom 08 02 marrom 09 03 marrom

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

SONDAGEM A PERCUSÃO PROCEDIMENTOS EXECUTIVOS. NBR 8036 Programação de Sondagem de Simples Reconhecimento dos Solos para Fundações de Edifícios

SONDAGEM A PERCUSÃO PROCEDIMENTOS EXECUTIVOS. NBR 8036 Programação de Sondagem de Simples Reconhecimento dos Solos para Fundações de Edifícios SONDAGEM A PERCUSÃO PROCEDIMENTOS EXECUTIVOS NBR 8036 Programação de Sondagem de Simples Reconhecimento dos Solos para Fundações de Edifícios A investigação do subsolo constitui requisito essencial para

Leia mais

VOLUME 3A ESTUDOS GEOTÉCNICOS

VOLUME 3A ESTUDOS GEOTÉCNICOS R E P Ú B L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DNIT NO ESTADO

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

Tópicos Especiais de Engenharia Civil ALBUQUERQUE SOBRINHO, E. J. (2010)

Tópicos Especiais de Engenharia Civil ALBUQUERQUE SOBRINHO, E. J. (2010) Tópicos Especiais de Engenharia Civil ALBUQUERQUE SOBRINHO, E. J. (2010) Introdução Investigações diretas e indiretas Qual sua importância e aplicação? Quais as técnicas empregadas nas investigações diretas

Leia mais

CÁLCULO DAS COMPOSIÇÕES DE PREÇOS (MEMÓRIA DE CÁLCULO)

CÁLCULO DAS COMPOSIÇÕES DE PREÇOS (MEMÓRIA DE CÁLCULO) SERVIÇO: MANUTENÇÃO RODOVIÁRIA ( Conservação/Recuperação) RODOVIA: BR - 135/PI TRECHO: Div. MA/PI - Div. PI/BA SUB-TRECHO: ENTR BR-324(B)/PI-141/250(B)(ELISEU MARTINS) - ENTR PI-257 (REDENÇÃO) SEGMENTO:

Leia mais

CLIENTE SUCAB SUPERINTENDÊNCIA DE CONSTRUÇÕES ADMINISTRATIVAS DA BAHIA

CLIENTE SUCAB SUPERINTENDÊNCIA DE CONSTRUÇÕES ADMINISTRATIVAS DA BAHIA EMISSÃO: GO/2008 CLIENTE SUCB SUPERINTENDÊNCI DE CONSTRUÇÕES DMINISTRTIVS D BHI PROJETO HOSPITL DO SUBÚRBIO SLVDOR - B TÍTULO MEMORIL DESCRITIVO/ ESPECIFICÇÕES TÉCNICS DT GO/2008 ESPECILIDDE GRUPO 01 SERVIÇOS

Leia mais

NA INICIAL:0,00 15:30Hrs 22/06/09 COTA(m) RN: (m) FINAL:0,00 09:00Hrs 24/06/09 AMOSTRADOR - Ø EXTERNO 2"

NA INICIAL:0,00 15:30Hrs 22/06/09 COTA(m) RN: (m) FINAL:0,00 09:00Hrs 24/06/09 AMOSTRADOR - Ø EXTERNO 2 SONDAGEM SP Nº 07 NA INICIAL:0,00 :30Hrs /0/09 COTA(m) RN: (m) FINAL:0,00 09:00Hrs 4/0/09 AMOSTRADOR - Ø EXTERNO " DATA:/0/09 Nº DE GOLPES 30cm INICIAIS --------------- REVESTIMENTO - Ø 1/" 0 1 0 0 3 0

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil

Leia mais

RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013

RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013 RELATÓRIO: 01-9013 OBRA: MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO LOCAL: ESPINHEIRO RECIFE/PE CLIENTE: POLICONSULT DATA: JULHO DE 2013 APRESENTAÇÃO A POLICONSULT Associação Politécnica de Consultoria apresenta o

Leia mais

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente

contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente /2009 TRANSPORTE Um caso de obra especial: contenção pelo método de solo grampeado, subjacente a um solo grampeado pré-existente ALBERTO CASATI ZIRLIS* / CAIRBAR AZZI PITTA** / GEORGE JOAQUIM TELES DE

Leia mais

PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO

PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO João Manoel Cardoso (1); Adailton Antonio dos Santos (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)jocardoso@gmail.com (2)adailton@unsec.net

Leia mais

- Artigo - HELIX ENGENHARIA E GEOTECNIA LTDA

- Artigo - HELIX ENGENHARIA E GEOTECNIA LTDA - Artigo - Itens anexos: A Texto 01: Fundação a base de tudo (Prof. Douglas); B Texto 02: Frases que podem significar o início dos seus problemas na construção ; C Notas de aula sobre: Sondagem a percussão

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO. Setor de Autarquias Norte Quadra 04 Bloco B - BRASÍLIA-DF

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO. Setor de Autarquias Norte Quadra 04 Bloco B - BRASÍLIA-DF ENGENHARIA DE SOLOS E INFRA-ESTRUTURA LTDA FUNDAÇÕES SONDAGENS CONSULTORIA TECNICA REFORÇO DE ESTRUTURAS Ref.: Setor de Autarquias Norte Quadra 04 Bloco B - BRASÍLIA-DF DS: Prezados Senhores, Estamos apresentando

Leia mais

TABELA DE PREÇOS UNITÁRIOS PROJETOS data-base: MAIO/14

TABELA DE PREÇOS UNITÁRIOS PROJETOS data-base: MAIO/14 1- ESTUDO TRÁFEGO 1.1 16 h e cálculo nº n) - tráfego baixo 1500 un 3.093,57 1.3 24 h e cálculo nº n) - tráfego baixo

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P02 PREPARO DO SUBLEITO DO PAVIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. TERRAPLENAGEM... 3 4. COMPACTAÇÃO

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 19ª REGIÃO VARA DO TRABALHO DE PENEDO-AL RUA EM PROJETO A (LAGOA DO OITEIRO), PENEDO-AL

TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 19ª REGIÃO VARA DO TRABALHO DE PENEDO-AL RUA EM PROJETO A (LAGOA DO OITEIRO), PENEDO-AL TERESINA - PIAUÍ PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 19ª REGIÃO VARA DO TRABALHO DE PENEDO-AL RUA EM PROJETO A (LAGOA DO OITEIRO), PENEDO-AL SETEMBRO/ 2014 RELATÓRIO RS-23.09/2014 ÍNDICE

Leia mais

Estaca Strauss CONCEITO

Estaca Strauss CONCEITO CONCEITO A estaca Strauss é uma fundação de concreto (simples ou armado), moldada no local e executada com revestimento metálico recuperável. Pode ser empregada em locais confinados ou terrenos acidentados,

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

Investigações Geotécnicas

Investigações Geotécnicas Investigações Geotécnicas Investigações Geotécnicas Interpretação de imagens; Métodos geofísicos ou indiretos; Amostragem e ensaios de laboratório; Ensaios de campo. Imagem de satélite simples Argila mole

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS IN-08/94 Instrução

Leia mais

CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 009/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º DE.01.01.0065/2014 ANEXO V LAUDO DE SONDAGEM

CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 009/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º DE.01.01.0065/2014 ANEXO V LAUDO DE SONDAGEM CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 00/0 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º DE.0.0.00/0 ANEXO V LAUDO DE INTRODUÇÃO Neste documento estão relacionados os resultados obtidos na execução de Sondagem à Percussão tipo T em

Leia mais

FUNDAÇÕES I TÉCNICAS DE INVESTIGAÇÃO DO SOLO

FUNDAÇÕES I TÉCNICAS DE INVESTIGAÇÃO DO SOLO FUNDAÇÕES I TÉCNICAS DE INVESTIGAÇÃO DO SOLO PROJETO DE FUNDAÇÕES Etapa importante de qualquer construção, de todos os portes. Pense!!!! PENSE!!!!!! PENSE!!!! PENSE!!!!!! PENSE!!!!!! PENSE!!!!!! É SOBRE

Leia mais

Fls.: 3 / 6. Avenida Augusto Chermont Abaetetuba - PA. Cliente: D A T A : 09/05/2013. Relatório nº : 082 / 2013

Fls.: 3 / 6. Avenida Augusto Chermont Abaetetuba - PA. Cliente: D A T A : 09/05/2013. Relatório nº : 082 / 2013 Iníci: 0/0/ d /0/ N de Glpes / 0 SP 0 D Nível d água Inicial: 0,0m Final: 0,m 0 0 0 0/0/ / Relatóri nº : 0 / Intern :. mm Pes kg extern : 0. mm Altura de queda : cm Revestiment :. mm Simblgidtada: Nº-SPT

Leia mais

Execução de Obras Remanescentes de Melhoramentos com Adequação de Capacidade e Segurança da Ponte sobre o Rio Jaguaribe - Aracati-CE

Execução de Obras Remanescentes de Melhoramentos com Adequação de Capacidade e Segurança da Ponte sobre o Rio Jaguaribe - Aracati-CE REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes - DNIT Superintendência Regional no Estado do Ceará Execução de Obras Remanescentes de Melhoramentos

Leia mais

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO

CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO TABELA DE PREÇOS CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO E PAGAMENTO ENGENHARIA CONSULTIVA SANEAGO_15-02 8892 ADMINISTRADOR DE EMPRESAS - JÚNIOR (MENSALISTA) MÊS EFETIVAMENTE TODOS OS SERVIÇOS DE COORDENAÇÃO, ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim

Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Análise das Manifestações Patológicas da Ponte-Viaduto Torre-Parnamirim Nina Celeste Macario Simões da Silva (1), José Afonso P. Vitório (2) Romilde Almeida de Oliveira (3) (1)Mestranda, Programa de Pós-graduação

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis

Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis Garcês, A. Universidade Estadual de Goiás, Anápolis-GO, Brasil, alexandregarces@gmail.com Ribeiro,

Leia mais

VALOR (R$) - c/ BDI 12.675.927,42 74,64% 15.818.304,02 74,67% 4.307.581,46 25,36% 5.366.018,71 25,33% 16.983.508,88 21.184.322,73

VALOR (R$) - c/ BDI 12.675.927,42 74,64% 15.818.304,02 74,67% 4.307.581,46 25,36% 5.366.018,71 25,33% 16.983.508,88 21.184.322,73 LOCAL OBRA : RIO VERDE : CANALIZAÇÃO E PISTAS MARGINAIS - CÓRREGO SAPO R E S U M O D O O R Ç A M E N T O SERVIÇO VALOR (R$) - s/ % VALOR (R$) - c/ % 1.0 - CANAL 1.1 - TERRAPLENAGEM... 5.269.441,44 31,03%

Leia mais

LT 500 kv ESTREITO FERNÃO DIAS CD PROJETO BÁSICO

LT 500 kv ESTREITO FERNÃO DIAS CD PROJETO BÁSICO PROJETO BÁSICO CAPÍTULO 14 FUNDAÇÕES Capítulo 14 Pág.1/22 CONTEÚDO 1. CRITÉRIOS DE PROJETO 1.1 Introdução 1.2 Normas Aplicáveis 2. PARÂMETROS GEOTÉCNICOS 2.1 Introdução 2.2 Solo Tipo I 2.3 Solo Tipo II

Leia mais

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM SPT, PROJETO GEOTÉCNICO EM SOLOS E PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO - ESPECIFICAÇÕES GERAIS

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM SPT, PROJETO GEOTÉCNICO EM SOLOS E PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO - ESPECIFICAÇÕES GERAIS PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM SPT, PROJETO GEOTÉCNICO EM SOLOS E PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO - ESPECIFICAÇÕES GERAIS Revisão n.º 1 2 3 4 6 7 Data 18/03/11 01/06/11 Responsável

Leia mais

IP-06/2004 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS COM BLOCOS INTERTRAVADOS DE CONCRETO

IP-06/2004 DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS COM BLOCOS INTERTRAVADOS DE CONCRETO 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é fornecer os subsídios de projeto para pavimentos com peças pré-moldadas de concreto no Município de São Paulo, orientando e padronizando os procedimentos de caráter

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES?

O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES? O MELHOR PROJETO DE FUNDAÇÕES? Sob a ótica do... Projetista estrutural Consultor de fundações Executor das fundações Equipe de obra Gerenciador da obra Proprietário da obra Empreendedor/investidor Órgãos

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA SONDAGENS IN-06/94 Instrução Normativa

Leia mais

PERFIS TÍPICOS DO SUBSOLO NA PLANÍCIE DO RECIFE BRASIL: ESTUDO DE CASOS

PERFIS TÍPICOS DO SUBSOLO NA PLANÍCIE DO RECIFE BRASIL: ESTUDO DE CASOS PERFIS TÍPICOS DO SUBSOLO NA PLANÍCIE DO RECIFE BRASIL: ESTUDO DE CASOS TYPICAL PROFILES OF THE SUBSOIL IN THE LOWLAND OF RECIFE - BRAZIL: CASES HISTORY Oliveira, Joaquim Teodoro Romão de, Universidade

Leia mais

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC)

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PRODUTO IV: INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS SONDAGEM EM MAR ABERTO POR JET PROBE Preparado

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M)

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M) MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIA A APRESENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E OS RESULTADOS DOS ENSAIOS REALIZADOS EM CADA ETAPA DOS SERVIÇOS, CONFORME EXIGÊNCIAS DO DNIT Departamento Nacional

Leia mais

A Qualidade dos Serviços de Sondagens Executados no Brasil Geól Ivan José Delatim

A Qualidade dos Serviços de Sondagens Executados no Brasil Geól Ivan José Delatim 17 1. Introdução A Qualidade dos Serviços de Sondagens Executados no Brasil Geól Ivan José Delatim Desde quando foi introduzida a perfuração à seco pelo Eng. Odair Grillo, em 1939, então chefe da seção

Leia mais

FICHA DE ANÁLISE DA PROPOSTA TÉCNICA

FICHA DE ANÁLISE DA PROPOSTA TÉCNICA FICHA DE ANÁLISE DA PROPOSTA TÉCNICA EDITAL N o 258/2004-00 - LOTE 01 (Duplicação e Restauração da Pista Existente) TÓPICOS PONTUAÇÃO MÁX CONSOL-ENGENHEIROS CONSULTORES ETEL ESTUDOS TÉCNICOS LTDA. ENGESPRO

Leia mais