Mapeamento Geotécnico da Cidade de Belém através de um Sistema de Informação Geográfica SIG

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mapeamento Geotécnico da Cidade de Belém através de um Sistema de Informação Geográfica SIG"

Transcrição

1 Mapeamento Geotécnico da Cidade de Belém através de um Sistema de Informação Geográfica SIG João Luiz Castro Sampaio Junior Faculdade Ideal, Belém, Brasil, Carlos Wellington da Silva Pedroso Junior SIPAM, Belém, Brasil, RESUMO: O Mapemaento Geotécnico tem se tornado cada vez importante no processo de investigação geotécnica. Associado a um Sistema de Informação Geográfica-SIG, é possível a organização de um banco de dados relacional, com informações referentes a faixa de ocorrência de determinados tipos de solo, faixa de ocorrências de diferentes níveis d água, zonas de predominância de determinados perfis estratigráficos, etc., possibilitando ao usuário do SIG vizualizar através da análise espacial a correlação de atributos obtidos a partir de laudos de sondagem SPT. A cidade de Belém, no estado do Pará, situa-se às margens do Rio Guamá e da Baia do Guajará, numa província geológica de cobertura Cenozóica. A estratigrafia de seu subsolo é composta basicamente por sedimentos aluvionares recentes e os perfis estratigráficos variam de acordo com as cotas altimétricas da Cidade, possuindo uma grande variação de acordo com as sondagens SPT realizadas. Neste trabalho foi desenvolvido um Mapeamento Geotécnico da cidade de Belém, utilizando inicialmente 240 laudos de sondagem SPT executados em diversos locais da cidade. A partir dos dados oriundos dos laudos de sondagens, foram gerados modelos de sistema de informação geográfica através do software Qgis Tethys para representação dos dados sistematizados em carta. O Mapeamento permitiu a obtenção de informações sobre áreas de ocorrências de determinados tipos de solo, de perfis estratigráficos, de níveis d água específicos e de solos com determinados valores de Nspt, facilitando assim a análise das características geotécnicas para fins de projeto e tomadas de decisão. PALAVRAS-CHAVE: Mapeamento Geotécnico, SIG, Sondagem SPT, Belém 1 INTRODUÇÃO A cidade de Belém, no estado do Pará, situa-se às margens do Rio Guamá e da Baia do Guajará, numa província geológica de cobertura Cenozóica. A estratigrafia de seu subsolo é composta basicamente por sedimentos aluvionares recentes, até uma profundidade de aproximadamente 150m, pertencentes tanto ao período do Quaternário quanto ao do Terciário, depositados sobre rochas carbonáticas do Mioceno Inferior, que não afloram na área da cidade (Sampaio Jr., 1995). Uma grande parte da região metropolitana de Belém esta assente num perfil geológico caracterizado por uma camada superficial de argila orgânica cinza muito mole a mole, com espessura variada, sobrejacente a uma camada resistente de areia. Abaixo da camada de areia, encontram-se solos argilosos com consistência variando de mole a média, encontrados em profundidades que variam de 7 m a 30 m, e que em alguns locais é uma argila de cores variadas e em outros locais é uma argila cinza escura. Os mesmos merecem um estudo detalhado de suas propriedades, tanto do ponto de vista geológico quanto geotécnico, sendo de grande importância o estudo de suas resistência e compressibilidade. A argila mole orgânica da primeira camada tem sido objeto de estudos e alguns resultados tem sido publicados como o de Alencar Jr. et al. (1997) e Alencar Jr. et al. (2002). Já a argila de cores variadas mole a média, subjacente a camada resistente, também tem sido estudada por Sampaio Jr. (1995), Sampaio Jr. et al.

2 (2000), Sampaio Jr. et al. (2002) e Sampaio Jr. et al. (2010) bem como a argila subjacente cinza escura mole a média estudada por Saré (2001). Porém, devido ao acréscimo recente nas cargas aplicadas sobre essas camadas com o surgimento de prédios de 30 a 40 pavimentos na Região Metropolitana de Belém tornam-se necessários novos estudos sobre a compressibilidade e resistência desses materiais para os níveis de carregamentos agora aplicados sobre os mesmos, bem como um conhecimento mais aprofundado sobre os perfis estratigráficos da cidade de Belém, já que os mesmos variam de acordo com as cotas altimétricas da Cidade e possuem uma grande variação. confirmada através das Sondagens SPT já realizadas. 2 OBJETIVO O objetivo do trabalho foi realizar um Mapeamento Geotécnico da cidade de Belém, utilizando laudos de sondagem SPT, através de um Sistema de Informação Geográfica SIG, visando a classificação georreferenciada dos perfis estratigráficos da Cidade, por área de ocorrência, o que facilitará a análise inicial das propriedades dos solos para fins de projetos geotécnicos. 3 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 3.1 Aspectos Geotécnicos da Região Metropolitana de Belém O perfil pesquisado por Sampaio Jr. (1995) e Sampaio Jr., J.L.C. et al (2000), denominado aqui de Perfil 1, é formado por uma camada superficial de argila orgânica de cor cinza com espessura igual ou superior a 6 metros, sobrejacente às camadas de areia medianamente compacta com espessura variando de 1 a 4 metros, e de argila de cores variadas, consistência mole à média com espessura variando de 4 a 8 metros, como mostra a Figura 1. O outro perfil típico, apresentado por Saré (2001), e denominado aqui de Perfil 2, possui a mesma camada de argila superficial sobrejacente à uma camada de areia medianamente compacta a compacta ou de argila muito rija a dura, com espessura variando de 3 a 6 metros. Logo abaixo desta camada encontra-se uma argila cinza mole a média com espessura variando de 4 a 8 metros, mostrado na Figura 2. Areia medianamente compacta a compacta Figura 1. Perfil estratigráfico 1 das áreas mais altas da cidade de Belém. 3 a 6m Figura 2. Perfil estratigráfico 2 das áreas mais altas da cidade de Belém. Sampaio Jr. et al (2006) apresentaram um perfil presente em algumas áreas da cidade de Belém, apresentado na Figura 3 e denominado de Perfil 3, que é formado por uma camada superficial de argila orgânica mole, de 16 m de espessura, seguida por uma camada de 6 m de areia fina compacta, seguida pela camada de silte argiloso com espessura não inferior a 8 m. Figura 3. Perfil estratigráfico 3 da cidade de Belém.

3 Alguns trabalhos vêm apresentando propostas de mapeamento geológico/geotécnico da Região Metropolitana de Belém, como Santos Filho (1993), Costa (2001) e Alencar e Salame (2006) os quais demonstram uma grande diversidade de perfis de solos sedimentares em função das cotas altimétricas da cidade. 3.2 Mapeamento Geotécnico Desde o inicio do século XX, há registros da preocupação em mapear características do meio físico com finalidade de entender melhor o comportamento dos solos. Zuquette e Gandolfi (2004), destacam que em 1913 Landon propôs mapas com informações úteis para construção das cidades Alemãs de Erfurt e Danzig, entre outras, denominado Ingenieurgeologische Karte (na Alemanha). Outro registro citado por Zuquette e Gandolfi (2004), trás como exemplo a cidade de Nova Iorque que em 1902, teve publicado pelo Serviço Geológico dos EUA orientações quanto a configuração da superfície do substrato rochoso da cidade, baseado em aproximadamente 1400 sondagens, com informações para subsidiar o planejamento urbano da cidade. Zuquette e Gandolfi (2004) comentam que desde 1900 já havia a preocupação em buscar informações adequadas quanto aos locais mais apropriados a construção de obras civis, estruturais e outras atividades autrópicas, principalmente em áreas urbanas e em 1913 Langen apresentou sua proposta de cartas com informações geológico-geotécnica que denominou carta geotécnica. A partir deste marco para cartografia geotécnica vários pesquisadores se preocuparam nos anos seguintes com as metodologias que deveriam ser aplicadas ao desenvolvimento dos trabalhos relacionados à área, duas datas após a publicação dos trabalhos de Landen têm notória importância, em 1968 a International Associacition of Engineering geology IAEG, criou uma comissão com objetivo de elaborar normas regulamentares ao mapeamento geotécnico Engineering Geological Mapping Comission- e em 1976 esta comissão estabeleceu recomendações para as atividade de mapeamento e cartografia geotécnica. No Brasil trabalhos como os de Zuquette et al (1994), Zuquette et al (1996) e Zenóbio (2000), descrevem respectivamente: Mapas de unidades geológica (SP), Carta de Declividade da região de Franca (SP) e Carta de Declividade da região de Ouro Preto (MG). Nestes trabalhos são discutidos aspectos geológicos gerais e notações quanto ao relevo e suas implicações geológico-geotécnicas. Salame e Alencar (2006) em seu trabalho Fundações em Belém PA, Práticas e Mapeamentos, apresenta uma série de cartas onde representa informações de notória importância a engenharia civil, debatendo sobre os tipos de fundações mais executadas em determinadas regiões, processos executivos, custo relativo, profundidades prováveis para fundações e perfil geotécnico esquemático do solo.em suas considerações referentes aos tipos de perfis geotécnico esquemático incidentes no solo de Belém, Alencar e Salame (2006), classificam as regiões em cinco perfis tipo identificados e dispostos por regiões, conforme mostra a Figura 4. Figura 4. Perfil geotécnico esquemático do solo de Belém - PA. (Alencar e Salame, 2006). Na caracterização representada na Figura 4, dados os cinco perfis tipo que podem ocorrer, Alencar e Salame (2006) estabelecem apenas quatro regiões de provável incidência dos solos, possibilitando o engenheiro ter uma idéia inicial das características estratigráficas ocorrentes em cada faixa delimitada.

4 4 METODOLOGIA 4.1 Sistema de Informação Geográfica SIG Câmara, et al (2004), define Sistema de Informação geográfica como uma ferramenta que auxilia no processo de tomada de decisões e elucida através de consultas geradas a partir de um banco de dados espacial, onde se relaciona feições com determinadas características a um serie de atributos vinculados a referencia espacial, podendo obter interpretações do elemento isolado ou aplicando ferramentas de geoestatistica que permitam a interpolação ou estrapolação das informações presentes no banco de dados. Carnap apud Zuquette e Gandolfi (2004), denominou como atributo o conjunto de propriedades e relações de uma determinada amostra, para eles atributo é a informação fundamental para realização de um mapeamento, sendo através deste que será possível relacionar informações para confecção de cartas representando-as conforme a natureza do mapeamento. A partir do estabelecido como objeto deste estudo, formou-se uma tabela de atributos relacionados a cada ponto onde fora feito uma sondagem do tipo SPT, de modo a relacionar aquele perfil aos dados disponíveis sobre os tipos de solo. Obtém-se, assim, os seguintes itens: feição, tipo de elemento que identifique o que se quer representar (ponto, linha, polígono), característica, informação que venha a personalizar cada elemento, atributo e parâmetros que podemos inserir no banco de dados para realizar futuras consultas. O mapeamento de componentes do meio físico, para determinar divisões baseadas em determinações lógicas, consiste do aumento do numero de amostras registradas na região estudada sem alterar as já existentes, de maneira a complementar as informações realizando um censo de informações estratigráficas, a fim de determinar grau de homogeneidade ou heterogeneidade dos atributos extraídos dos Laudos e estabelecer de forma confiável a ocorrência de determinados perfis. Por mais detalhadas que sejam as informações que os atributos de determinado ponto (furo de sondagem) presentes no mapeamento geotécnico estas em hipótese alguma substitui a necessidade de da realização do ensaio SPT, uma vez que somente através do relatório oriundo dos resultados averiguados no ensaio é possível ter as características precisas do determinado perfil estratigráfico incidente, tornando desta maneira o Laudo de Sondagem parte integrante da informação necessária ao processo de investigação geotécnica. Daí a necessidade de possibilitar além das consultas ao atributos, a visualização dos Laudos, permitindo que em primeiro plano possa se obter de forma generalizada informações quanto a presença de determinadas camadas no ponto em que o subsolo fora investigado e em seguida acessar os Laudos de Sondagem para visualização e obtenção de todas as informações necessárias. 4.2 Levantamento de Campo O levantamento de campo foi realizado nos locais em foram realizadas 240 sondagens SPT, orientado pelos croquis presentes nos relatórios de sondagem (Figura 5), a coordenada de localização foi obtida pela simples ocupação dos pontos, onde foram realizados os ensaios SPT ou pela locação referenciada através de software CAD, utilizando como ponto georreferenciado o ponto que possibilite a obtenção das coordenadas dos furos. Cada ponto foi relacionado ao arquivo através de seu número, desta forma se um dado Laudo de Sondagem tem, por exemplo, 8 (oito) furos, ao consultar a localização do furo SP-1, será possível identificar o mesmo através da tabela de atributos, que constará no campo furo, com a sua denominação, no caso, SP-1.

5 granulométrica fossem representadas pela mesma abreviatura. Figura 4. Croquis de localização dos furos 4.3 Sistematização dos Dados Os dados de 240 sondagens, como a da Figura 5, foram tabulados em formato de planilha através de software BrOffice.org Calc, em tabelas de dados com as seguintes informações relativas às sondagens: nome do arquivo, coordenada norte, coordenada este, número do furo, nível d água inicial, nível d água final, solo presente na camadas, espessura da camadas e limite da sondagem. A denominação dos solos caracterizados por camada foi padronizada por tipo de solo, para que pudéssemos indicar o solo apenas por uma sigla, evitando possíveis erros no processo de tabulação e facilitando a classificação na planilha. Em principio foram categorizados os solos presentes nas camadas considerando aspectos como cor e consistência ou compacidade, sendo desconsideradas para efeito do mapeamento camadas de aterro. Após esta primeira classificação houve uma reclassificação dos dados, relacionando apenas aspectos granulométricos, de modo que as camadas que tinham a mesma classificação Figura 5. Exemplo de Laudo de Sondagem De posse das classificações tabuladas de dados oriundos dos laudos de sondagens, foram gerados modelos de sistema de informação geográfica através do software Qgis Tethys para representação dos dados sistematizados em carta. As classificações foram apresentadas na forma de valor único, atribuindo cor especifica para cada tipo de solo presente em camadas, delimitando o tipo de solo incidente na determinada camada. A carta gerada através do SIG utilizou os padrões de relação de feições (ponto, linha, anotações) adotados pelo software e sua integração com a tabela de atributos gerada no BrOffice.org Calc.

6 5 RESULTADOS Após o processo de tabulação dos perfis estratigráficos foi possível a identificação de uma variedade diversa de solos ocorrentes da primeira a quinta camada, da sexta camada em diante não houve quantitativo que representasse de maneira satisfatória as amostras analisadas, limitando desta maneira o estudo entre a primeira e quinta camada presentes nos laudos. Foram identificados 44 tipos de silte, 87 tipos de argila, 169 tipos de areia e solos não classificados em sua maioria aterros e amostras não recuperáveis relacionados como amos1 nos impressos cartográficos. A seguir é apresentado a Tabela 2, com um exemplo de parte da síntese da tabulação dos dados dar argilas identificadas. Tabela 2. Argilas ocorrentes da primeira a quinta camada da estratigrafia de Belém. Abreviação Tipo de solo Argila silto arenosa com arg1 pedregulho de cor variegada média Argila silto arenosa de cor cinza arg2 escura muito mole Argila silto arenosa de cor cinza arg3 escura mole Argila orgânica silto arenosa de arg4 cor cinza escura muito mole Argila silto arenosa de cor cinza arg5 escura média Argila silto arenosa com arg6 material orgânico de cor cinza escura muito mole mole Argila orgânica de cor cinza arg7 escura muito mole média Argila orgânica de cor cinza arg8 escura muito mole Argila silto arenosa de cor cinza arg9 clara mole Argila silto arenosa com arg10 pedregulho de cor variegada média dura A seguir será demonstrado um exemplo de classificações de tipos de solo no software Qgis1.5.0 Tethys. A Figura 6 mostra a tela de abertura do sistema, com o arquivo de Mapeamento Geotécnico de Belém, com a localização de todos os pontos georreferenciados, referentes às sondagens SPT classificadas. Figura 6. Tela de abertura O programa permite que se classifique os pontos, atribuindo-se cores à certos tipos de solos (atributos), como se mostra na Figura 7, dessa forma, pode-se indicar no mapa os pontos (sondagens) classificados com os tipos de solos que aparecem na primeira camada do perfil, por exemplo. A Figura 8 mostra um exemplo dessa classificação. A classificação dos dados extraídos dos laudos de sondagens possibilitou fazer um vinculo entre o ponto, localização do furo ensaiado e com os atributos tabelados, possibilitando estabelecer uma série de classificações e consultas de atributos, de acordo com o que se quer visualizar. Figura 7. Classificação dos pontos, associando uma cor a cada tipo de solo

7 Figura 8. Detalhe dos pontos classificados no mapa Outra opção que o software disponibiliza é a pesquisa de atributos, onde é possível a visualização apenas das informações necessárias na ocasião, dessa forma, pode-se indicar no mapa apenas os pontos onde ocorre a presença de um certo tipo de solo em uma determinada camada, por exemplo. A Figura 9 mostra apenas os pontos no mapa onde ocorre a prensença de areia na primeira camada do perfil. Figura 9. Pontos onde ocorre areia na primeira camada O sistema permite também que, ao se clicar sobre os pontos no mapa, sejam fornecidos todos os dados dos atributos, como os tipos de solos encontrados, a quantidade e expessura das camadas, os níveis d água existentes e as coordenadas geográficas dos pontos. Além disso, pode-se também acessar o Laudo de Sondagem referente a cada ponto, ao se clicar sobre o mesmo, obtendo-se assim a visualização de todas as informações necessárias, incluindo a variação do Nspt com a profundidade. A Figura 10 mostra um exemplo de um Laudo de Sondagem, visualizado na tela do programa, referente a um determinado ponto. Figura 10. Laudo de sondagem referente a um determinado ponto. 6. CONCLUSÕES E SUGESTÕES O mapeamento geotécnico deste trabalho demonstrou que os perfis estratigráficos dos solos de Belém não podem ser tipificados, já que a grande heterogeneidade dos mesmos mostra que as camadas sedimentares não seguem uma tendência estratigráfica apenas em função das cotas altimétricas, como proposto em outros trabalhos, mas apresentam perfis diferentes daqueles típicos previstos em Santos Filho (1992) e Alencar e Salame (2006). Observou-se que alguns pontos coincidiram com os trabalhos de Santos Filho (1992) e Alencar e Salame (2006), porém, outros pontos apresentaram grandes discrepâncias na estratigrafia encontrada. Visando uma completa compreensão da estratigrafia dos solos de Belém, torna-se necessário que uma maior quantidade de pontos seja incluída no mapeamento, que deverá ocorrer em trabalhos futuros. O georreferenciamento demonstrou ser uma excelente ferramenta para o mapeamento geotécnico, pois possibilitou relacionar diversas características do solo em um banco de dados e através deste realizar consultas conforme a necessidade da informação, além de atribuírem coordenadas de localização exata aos laudos de sondagens utilizados. O Sistema de Informação Geográfica possibilita ao engenheiro de fundações identificar as informações disponíveis nos

8 arredores do local onde pretendesse estabelecer a obra, contribuíndo de forma significativa ao processo de tomada de decisão e tendo uma visão mais abrangente das caracteristicas e propriedades geomecânicas dos solos incidentes no local. AGRADECIMENTOS Agradecemos à Faculdade Ideal pelo apoio financeiro, por meio da concessão de bolsa de pesquisa. REFERÊNCIAS Alencar Jr., J.A.; Fraiha Neto, S.H.; Oliveira, P.A.S. (1997). Geotechnical Characterization of Soft Organic Clays in Belém-Pará-Brazil, in the Amazon Region. In: CONFERENCE ON RECENT SOFT SOIL ENGINEERING, Sarawak, Malaysia. Proceedings. Alencar Jr., J.A.; Salame, A. M. (2006). Fundações em Belém PA, Práticas e Mapeamentos, Unama/Ufpa, Belém. Sampaio Jr., J.L.C., Ribeiro, H. L., Aline, P. M. (2010) Estudo de estabilidade de taludes naturais no Estado do Pará, através de análises determinísticas, IX COBRAMSEG. Santos Filho, W.M. e Alencar Jr., J.A. (1993) Mapa Geotécnico de Belém: Uma proposta inicial, Trabalho de Conclusão de Curso, Departamento de Engenharia Civil, UFPA. Saré, A.R. e Mendonça, T.M. (2001) Avaliação das Características Geotécnicas de Uma Argila Mole a Média de Belém PA, Trabalho de Conclusão de Curso, Departamento de Engenharia Civil, UFPA. Schnaid, Fernando (2000) ENSAIO DE CAMPO e suas aplicações na engenharia, Oficina de Textos, São Paulo. Timbó, M. A. (2000) Levantamento Através do Sistema GPS, Apostila, Departamento de Cartografia, UFMG. Tschebotarioff, G. P. (2001) Fundações estruturas de arrimo e obras de terra, Tradução Quadros, E. F., McGraW-Hill, São Paulo. Alencar Jr.., J.A.; Fraiha Neto, S.H.; Saré, A.R.; Mendonça, T.M. (2002) Características Geotécnicas de Algumas Argilas da Cidade de Belém-PA. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE MECÂNICA DOS SOLOS E ENGENHARIA GEOTÉCNICA, 12, São Paulo. Anais, v.1, p Costa, T.C.D. (2001) Análise Crítica das Metodologias Gerais de Mapeamento Geotécnico Visando Formulação de Diretrizes Para a Cartografia Geotécnica no Trópico Úmido e Aplicação na Região Metropolitana de Belém, Escala 1:50.000,Tese de Doutorado, Centro de Geociências, UFPA. Druck, S.; Carvalho, M.S.; Câmara, G.; Monteiro, A.V.M. (2004) (eds) "Análise Espacial de Dados Geográficos". Brasília, EMBRAPA. Sampaio Jr., J.L.C., Alencar Junior, J.A. e Lins, A.O. (2006) das Propriedades Geotécnicas de um Solo Argiloso de Belém, XIII COBRAMSEG, Curitiba. Sampaio Jr., J.L.C., Alencar Junior, J.A. e Bernardes G.P. (2000) Estudo da compressibilidade de uma argila variegada da região metropolitana de Belém-PA, SEFE IV e BIC I, São Paulo, p Sampaio Jr., J.L.C. (1995) Estudo da Compressibilidade de um Solo Argiloso da Região Metropolitana de Belém PA, Dissertação de Mestrado, Departamento de Engenharia Civil, PUC-RJ.

Resumo. Introdução. 1. Universidade de Fortaleza PBICT/FUNCAP

Resumo. Introdução. 1. Universidade de Fortaleza PBICT/FUNCAP XXI Encontro de Iniciação à Pesquisa Universidade de Fortaleza 19 à 23 de Outubro de 2015 Interpretação de Resultados de Sondagem à Percussão com Medição de Torque em Subsolo Arenoso. Tiago Melo Monteiro

Leia mais

BASENG Engenharia e Construção LTDA

BASENG Engenharia e Construção LTDA RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO GEOLÓGICO- GEOTÉCNICA: SONDAGEM A PERCUSSÃO LT2 ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO CONTRUÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO HOSPITAL E MATERNIDADE Praia de Boiçucanga São Sebatião / SP

Leia mais

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA

UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL PARECER DE GEOTECNIA Rua Macéio, s/n Bairro Barcelona São Caetano do Sul /SP PAR 15026 Março/2015 Revisão 0 CPOI Engenharia e Projetos Ltda Índice 1. INTRODUÇÃO...3

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES

RELATÓRIO TÉCNICO ARGOPAR PARTICIPAÇÔES LTDA FUNDAÇÕES ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ ÍNDICE DE REVISÕES CLIENTE: FOLHA 1 de 17 PROGRAMA: FUNDAÇÕES AREA: ITABORAÍ SHOPPING ITABORAÍ - RJ RESP: SILIO LIMA CREA: 2146/D-RJ Nº GEOINFRA ÍNDICE DE REVISÕES REV DESCRIÇÃO E / OU FOLHAS ATINGIDAS Emissão inicial DATA

Leia mais

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS

PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE ROCHAS - ESPECIFICAÇÕES GERAIS PRESCRIÇÕES PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE SONDAGEM MISTA E PROJETO DE DESMONTE DE - ESPECIFICAÇÕES GERAIS Revisão n.º 1 2 3 4 5 7 Data 18/03/11 Responsável Heber 1/14 INDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ELEMENTOS

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE ÁGUA & MINÉRIO SONDAGENS DE SOLO LTDA SONDAGENS DE SIMPLES RECONHECIMENTO - SPT NBR 6484 e NBR 8036 da ABNT INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS IBIRAMA Rua Getúlio Vargas, 3006 Bela Vista Furos F-1 a

Leia mais

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC)

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PRODUTO III INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS SONDAGEM DE SIMPLES RECONHECIMENTO POR SPT

Leia mais

Associado à. Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS

Associado à. Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS Associado à Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS 38 ANOS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA PONTE PARAUAPEBAS - PARÁ DATA Outubro de 2011 Belém, 11 de outubro de 2011 Referência: Ponte em Parauapebas,

Leia mais

Procedimento para Serviços de Sondagem

Procedimento para Serviços de Sondagem ITA - 009 Rev. 0 MARÇO / 2005 Procedimento para Serviços de Sondagem Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Diretoria Técnica Gerência de Planejamento e Engenharia

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM

RELATÓRIO DE SONDAGEM Vitória, 19 de junho de 201 RELATÓRIO DE SONDAGEM CLIENTE: PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE KENNEDY OBRA/LOCAL: SANTA LUCIA - PRESIDENTE KENNEDY CONTRATO: ETFC.0..1.00 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...02 PERFIL

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SONDAGENS Em virtude da dificuldade de se prever

Leia mais

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA

LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LAUDO GEOLÓGICO GEOTÉCNICO GUARITUBA LOCALIZAÇÃO E ACESSO A região de Guarituba esta localizada no Município de Piraquara entre o rio Iguaçu e o rio Itaqui. Os principais acessos à área são a PR 415 e

Leia mais

PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO

PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO PROJETO GEOTÉCNICO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS EM SOLOS MOLES - ESTUDO DE CASO João Manoel Cardoso (1); Adailton Antonio dos Santos (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)jocardoso@gmail.com (2)adailton@unsec.net

Leia mais

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO

METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO METODOLOGIA PARA MAPEAMENTO DE TERRENOS QUATERNÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CANANÉIA, LITORAL SUL DO ESTADO DE SÃO PAULO *Thomaz Alvisi de Oliveira 1 ; Paulina Setti Riedel 2 ; Célia Regina de Gouveia Souza 3

Leia mais

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações

Faculdade de Engenharia Departamento de Estruturas e Fundações 1. MÉTODOS DIRETOS Os métodos diretos englobam todas as investigações que possibilitam a visualização do perfil e retirada de amostra. Os procedimentos de investigação são bem definidos nas normas ABNT

Leia mais

SUMÁRIO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO

SUMÁRIO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE SERVIÇOS GEOTÉCNICOS ADICIONAIS SUMÁRIO 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO 2.1 - CORTES 2.2 - ATERROS 2.3 - OBRAS DE

Leia mais

PERFIS TÍPICOS DO SUBSOLO NA PLANÍCIE DO RECIFE BRASIL: ESTUDO DE CASOS

PERFIS TÍPICOS DO SUBSOLO NA PLANÍCIE DO RECIFE BRASIL: ESTUDO DE CASOS PERFIS TÍPICOS DO SUBSOLO NA PLANÍCIE DO RECIFE BRASIL: ESTUDO DE CASOS TYPICAL PROFILES OF THE SUBSOIL IN THE LOWLAND OF RECIFE - BRAZIL: CASES HISTORY Oliveira, Joaquim Teodoro Romão de, Universidade

Leia mais

Cartografia Geotécnica para Obras Subterrâneas no Plano Piloto de Brasília

Cartografia Geotécnica para Obras Subterrâneas no Plano Piloto de Brasília Cartografia Geotécnica para Obras Subterrâneas no Plano Piloto de Brasília Paola Cristina Alves Universidade de Brasília, Brasília, Brasil, paolacalves@yahoo.com.br Newton Moreira de Souza Universidade

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS MÉTODOS DE ESTMATIVA DE CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS - ESTUDO DE CASO

ANÁLISE COMPARATIVA DOS MÉTODOS DE ESTMATIVA DE CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS - ESTUDO DE CASO ANÁLISE COMPARATIVA DOS MÉTODOS DE ESTMATIVA DE CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS - ESTUDO DE CASO Heriberto Pagnussatti; Adailton Antonio dos Santos UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL)

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) 1. RELATÓRIO DE SONDAGEM 1.1 Objetivos O presente relatório tem por objetivo descrever os critérios e procedimentos adotados na execução dos serviços de sondagem geotécnica

Leia mais

Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife

Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife Considerações sobre a Relevância da Interação Solo-Estrutura em Recalques: Caso de um Prédio na Cidade do Recife Raquel Cristina Borges Lopes de Albuquerque Escola Politécnica, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC)

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PRODUTO IV: INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS SONDAGEM EM MAR ABERTO POR JET PROBE Preparado

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1 DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS Nuno ALTE DA VEIGA 1 RESUMO Em regiões de soco cristalino pequenas manchas de depósitos de aluvião existentes localmente

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROJETO DE FUNDAÇÕES Todo projeto de fundações

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A):

RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A): RELATÓRIO DE SONDAGEM À PERCUSSÃO COM SPT EXECUTADAS NA SGAN 909, LOTES D E E - ASA NORTE / DF INTERESSADO (A): Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios - TJDFT PUBLICAÇÃO: Reforsolo 2033/15

Leia mais

Análise de aterros sobre solos moles: caso da obra de implantação da Refinaria Abreu e Lima Suape / PE

Análise de aterros sobre solos moles: caso da obra de implantação da Refinaria Abreu e Lima Suape / PE Análise de aterros sobre solos moles: caso da obra de implantação da Refinaria Abreu e Lima Suape / PE Juliana Albuquerque Biano de Lemos Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil, juliana_biano@petrobras.com.br

Leia mais

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação

Professor Douglas Constancio. 1 Elementos especiais de fundação. 2 Escolha do tipo de fundação Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação 2 Escolha do tipo de fundação Americana, junho de 2005 0 Professor Douglas Constancio 1 Elementos especiais de fundação Americana, junho de

Leia mais

Uso das Técnicas de Georeferenciamento na Locação de Amostras Pontuais Aplicadas a Mapeamento Geotécnico

Uso das Técnicas de Georeferenciamento na Locação de Amostras Pontuais Aplicadas a Mapeamento Geotécnico Uso das Técnicas de Georeferenciamento na Locação de Amostras Pontuais Aplicadas a Mapeamento Geotécnico Sérgio Barreto de Miranda, Alexandre Cerqueira de Jesus, Engenharia Civil - UFBA, Salvador, Bahia

Leia mais

Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina.

Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina. Identificação de Solos Moles em Terrenos Metamórficos Através de Sondagem Barra Mina. Marcio Fernandes Leão UFRJ e UERJ, Rio de Janeiro, Brasil, marciotriton@hotmail.com RESUMO: Em terrenos estudados na

Leia mais

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade

Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade Procedência: Grupo de Trabalho da Câmara Técnica de Recursos Hídricos Decisão Consema 02/2012 Assunto: Normas para exploração de areia e argila em rios intermitentes de Pernambuco Proposta de Resolução

Leia mais

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA

III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA III-123 DIAGNÓSTICO AMBIENTAL EM ATERROS DE RESÍDUOS SÓLIDOS A PARTIR DE ESTUDOS DE REFERÊNCIA Vera Lúcia A. de Melo (1) Mestre em Engenharia Civil (Geotecnia) pela UFPE. Aperfeiçoamento em pesquisa no

Leia mais

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul

BR-290/BR-116/RS Ponte sobre o Rio Guaíba Pista Dupla com 3 Faixas Porto Alegre, Eldorado do Sul CARACTERIZAÇÃO DE SOLOS MOLES DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE E SUAS MELHORIAS COM ADIÇÃO DE CAL V WORKSHOP DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO NAS CONCESSÕES Apresentação Lélio A. T. Brito, MSc., CONCEPA

Leia mais

AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO

AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES E OBRAS RELATÓRIO DE SONDAGEM A PERCUSSÃO Av. JC-15, com R.BF-25 e BF-23, Jd. Curitiba Cidade: Goiânia GO Goiânia, 11 de outubro de 2011. AGETOP AGÊNCIA GOIANA DE TRANSPORTES

Leia mais

Reforço de Aterro Sobre Solo Mole em Empreendimento Residencial Reinforced Embankment on Soft Soil in a Residential Building

Reforço de Aterro Sobre Solo Mole em Empreendimento Residencial Reinforced Embankment on Soft Soil in a Residential Building Reforço de Aterro Sobre Solo Mole em Empreendimento Residencial Reinforced Embankment on Soft Soil in a Residential Building Nome dos autores: Jaime da Silva Duran Giancarlo Domingues Instituição: Maccaferri

Leia mais

Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de Transmissão em Solos do Estado do Paraná

Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de Transmissão em Solos do Estado do Paraná COBRAMSEG 21: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. 21 ABMS. Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de

Leia mais

COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO

COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO COMPARTIMENTAÇÃO DO RELEVO DE ANÁPOLIS (GO) COM BASE NA INTENSIDADE DA DISSECAÇÃO Alessandro de Araújo Cardoso 1,4, Erivelton Campos Cândido 2,4, Daisy Luzia Caetano do Nascimento 2,4, Homero Lacerda 3,4

Leia mais

Geomecânica dos resíduos sólidos

Geomecânica dos resíduos sólidos III Conferência Internacional de Gestão de Resíduos da América Latina Geomecânica dos resíduos sólidos urbanos: uma introdução Miriam Gonçalves Miguel Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

RELATÓRIO SONDAGENS A PERCUSSÃO

RELATÓRIO SONDAGENS A PERCUSSÃO RELATÓRIO SONDAGENS A PERCUSSÃO NBR /00 INSTITUTO FEDERAL DE EDUÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA TARINENSE Áreas de Estudo: terreno onde será implantado o Campus de Brusque DGEO GEOLOGIA E ENGENHARIA AMBIENTAL

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO / DIURNO PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: CARTOGRAFIA E TOPOGRAFIA CÓDIGO: CRT003 CLASSIFICAÇÃO: Obrigatória PRÉ-REQUISITO: não tem CARGA HORÁRIA: TÉORICA : 30 horas

Leia mais

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático.

Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Indução de Recalques das Fundações de um Edifício Através de Rebaixamento do Lençol Freático. Aline D. Pinheiro e Paulo César A. Maia Laboratório de Engenharia Civil, Universidade Estadual do Norte Fluminense,

Leia mais

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP

LISTA 1 CS2. Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP LISTA 1 CS2 Cada aluno deve resolver 3 exercícios de acordo com o seu númeo FESP Final 1 exercícios 3, 5, 15, 23 Final 2 exercícios 4, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 2, 7, 18, 27 Final 4 exercícios 1 (pares),

Leia mais

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O PROJETO DE FUNDAÇÕES O SOLO, NUM PROBLEMA DE FUNDAÇÕES DEVE SER ACEITO TAL COMO SE APRESENTA Para um projeto de fundações bem elaborado, deve-se conhecer: -os tipos de

Leia mais

Estimativa de Parâmetros de Argilas Moles a partir dos Conceitos de Energia do Ensaio SPT

Estimativa de Parâmetros de Argilas Moles a partir dos Conceitos de Energia do Ensaio SPT Estimativa de Parâmetros de Argilas Moles a partir dos Conceitos de Energia do Ensaio SPT Bianca de Oliveira Lobo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil, UFRGS, Porto Alegre/RS, Brasil. Julia Luiza

Leia mais

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma COBRAMSEG 00: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. 00 ABMS. Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE TERMO DE REFERÊNCIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE TERMO DE REFERÊNCIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE PLAN 1 ILHAS TERMO DE REFERÊNCIA Termo de Referência que firmam a Prefeitura Municipal de Porto Alegre e a Secretaria Estadual do Meio Ambiente SEMA, com a participação

Leia mais

Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança?

Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Por que é importante um relatório técnico das condições da vizinhança? Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Execução de edificações Serviços preliminares Elementos de prospecção geotécnica

Leia mais

Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A

Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Compartimentação geomorfológica da folha SF-23-V-A Marina Silva Araújo Universidade Federal de Uberlândia marinas.araujo@hotmail.com Vinícius Borges Moreira Universidade Federal de Uberlândia vinicius_sammet@hotmail.com

Leia mais

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 ANEXO 1 DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 Foto 1 Vista do local de execução da sondagem a trado ST-01 (km353). Foto 2- Vista dos tipos de materiais ocorrentes no local da sondagem

Leia mais

Ensaio Pressiométrico. Introdução à Geotecnia

Ensaio Pressiométrico. Introdução à Geotecnia Ensaio Pressiométrico Introdução à Geotecnia 2014 Pressiômetro em perfuração PBP - Pressiômetro em perfuração Pressiômetro autoperfurante SPB Pressiômetro autoperfurante PARÂMETROS GEOTÉCNICOS PBP Pressiômetro

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DO MANTO DE INTEMPERISMO UTILIZANDO SÍSMICA DE REFRAÇÃO RASA NA ÁREA DE SEIVAL - RS

DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DO MANTO DE INTEMPERISMO UTILIZANDO SÍSMICA DE REFRAÇÃO RASA NA ÁREA DE SEIVAL - RS UFRGS Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Engenharia de Minas - DEMIN DETERMINAÇÃO DA ESPESSURA DO MANTO DE INTEMPERISMO UTILIZANDO SÍSMICA DE REFRAÇÃO RASA NA ÁREA DE SEIVAL - RS

Leia mais

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo

Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes. Antonio Liccardo Análise estrutural aplicada à estabilidade de taludes Antonio Liccardo Taludes Superfícies inclinadas que delimitam um maciço terroso ou rochoso. Naturais ou Artificiais Taludes naturais ou encostas Taludes

Leia mais

ANEXO: PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA

ANEXO: PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA ANEXO: PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA Geestrada, Lda Via Oriental do concelho de Cascais Troço RECONHECIMENTO GEOLÓGICO-GEOTÉCNICO R.P0.0.0 VOC Troço ÍNDICE pág. I INTRODUÇÃO II TRABALHOS REALIZADOS.. III ENQUADRAMENTO

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra

Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Procedimentos para Início da Obra André Luís Gamino Professor Área de Construção Civil

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AO MAPEAMENTO GEOTÉCNICO DA CIDADE DE BELÉM-PARÁ. Confirmação de Zonas de ocorrência de camadas competentes de solos.

CONTRIBUIÇÃO AO MAPEAMENTO GEOTÉCNICO DA CIDADE DE BELÉM-PARÁ. Confirmação de Zonas de ocorrência de camadas competentes de solos. CCET CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CLEOCILDO ARANHA SOUSA CONTRIBUIÇÃO AO MAPEAMENTO GEOTÉCNICO DA CIDADE DE BELÉM-PARÁ. Confirmação de Zonas de ocorrência de camadas

Leia mais

Anderson Gomes de Almeida 1, Alberto Garcia de Figueiredo Jr. 2, Gilberto Pessanha Ribeiro 3

Anderson Gomes de Almeida 1, Alberto Garcia de Figueiredo Jr. 2, Gilberto Pessanha Ribeiro 3 MODELAGEM NUMÉRICA DO TERRENO A PARTIR DA RECUPERAÇÃO DA BATIMETRIA DE 1958 NA FOZ DO RIO PARAÍBA DO SUL E DA ÁREA DA PLATAFORMA CONTINENTAL ADJACENTE, E SUAS APLICAÇÕES GEOLÓGICAS Anderson Gomes de Almeida

Leia mais

SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD

SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD SISTEMAS DE CLASSIFICAÇÃO DE SOLOS PARA PAVIMENTAÇÃO 1.1 CLASSIFICAÇÃO TRB TRANSPORTATION RESEARCH BOARD A classificação HRB (Highway Research Board), é resultante de alterações da classificação do Bureau

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA

ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA ORIENTAÇÃO PARA A PRODUÇÃO DE MATERIAL CARTOGRÁFICO PARA AVALIAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL - AIA É indispensável que um estudo de impacto ambiental contenha, ao menos, os seguintes documentos cartográficos:

Leia mais

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas

Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Análise de Risco de Taludes na Estrada de Ferro Vitória-Minas Stefânia Moreira Alves Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Brasil, stefaniamoreiraalves@yahoo.com.br Romero César Gomes Universidade

Leia mais

O uso da geoestatística na caracterização de áreas com instabilidade no Município de Campos dos Goytacazes - RJ

O uso da geoestatística na caracterização de áreas com instabilidade no Município de Campos dos Goytacazes - RJ O uso da geoestatística na caracterização de áreas com instabilidade no Município de Campos dos Goytacazes - RJ Farias, R.N.S Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, Brasil, nonato@rdc.puc-rio.br

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

Parâmetros Geotécnicos do Arenito do Estaleiro Atlântico Sul Suape - PE

Parâmetros Geotécnicos do Arenito do Estaleiro Atlântico Sul Suape - PE Parâmetros Geotécnicos do Arenito do Estaleiro Atlântico Sul Suape - PE Joaquim Teodoro Romão de Oliveira Universidade Católica de Pernambuco e Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil, jtrdo@uol.com.br

Leia mais

RETROANÁLISE DO MOVIMENTO DE MASSA DE TALUDE DE SOLO ESTUDO DE CASO

RETROANÁLISE DO MOVIMENTO DE MASSA DE TALUDE DE SOLO ESTUDO DE CASO RETROANÁLISE DO MOVIMENTO DE MASSA DE TALUDE DE SOLO ESTUDO DE CASO Flávia Aparecida Tavares Bonadeu (1), Adailton Antônio dos Santos (2). UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense (1)flaviabonadeu@hotmail.com,

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Análise Espacial 2 1 Distribuição Espacial A compreensão da distribuição

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM Manaus 21 de Novembro de 2012 LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM 1. INTRODUÇÃO Por solicitação da Câmara dos Vereadores da cidade de Manaus,

Leia mais

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Laboratório de Geotecnia e Pavimentação ESTUDOS GEOTÉCNICOS Prof. Dr. Ricardo Melo PAVIMENTO Estrutura construída após

Leia mais

III-147 CONTROLE AMBIENTAL DO ATERRO SANITÁRIO METROPOLITANO DE JOÃO PESSOA/PB

III-147 CONTROLE AMBIENTAL DO ATERRO SANITÁRIO METROPOLITANO DE JOÃO PESSOA/PB III-147 CONTROLE AMBIENTAL DO ATERRO SANITÁRIO METROPOLITANO DE JOÃO PESSOA/PB José Dantas de Lima (1) Engenheiro Civil pela UFPB (1987), Mestre em Engenharia Sanitária pela UFPB(2001), Diretor Operacional

Leia mais

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Aula 02 Componentes de um GIS (SIE, ou SIG) Ideias dependem de pessoas. Pessoas trazem o conhecimento para uma equipe, que engendra ideias.

Leia mais

PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO

PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO PROJETO CONCEITUAL DE APROVEITAMENTO ECONÔMICO DE CAMADAS DE CARVÃO UM ESTUDO DE CASO Sarah Ribeiro Guazzelli Taís Renata Câmara Rodrigo de Lemos Peroni André Cezar Zingano Gustavo Steffen Daniel Fontoura

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS

SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS SISTEMATIZAÇÃO DA SAZONALIDADE DAS VAZÕES CARACTERÍSTICAS PARA FLEXIBILIZAÇÃO DA OUTORGA DE DIREITO DE USO DOS RECURSOS HÍDRICOS Rafael dos Santos Cordeiro 1 ; Felipe de Azevedo Marques 2 1 Aluno do Curso

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail.

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail. GERAÇÃO DE MAPA DE USO E COBERTURA DE SOLO UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 8 PARA O SUPORTE AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ. Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³ 1 Universidade

Leia mais

A PRODUTIVIDADE NA EXECUÇÃO DE ADUTORAS DE ÁGUA

A PRODUTIVIDADE NA EXECUÇÃO DE ADUTORAS DE ÁGUA A PRODUTIVIDADE NA EXECUÇÃO DE ADUTORAS DE ÁGUA Odívio da S. Rezende Neto (1); Ubiraci E. L. de Souza (2); Carla A. Sautchúk (3) (1) Dep. de Construção Civil, Escola Politécnica da USP, odivio.rezende@poli.usp.br

Leia mais

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - ESTUDOS GEOTÉCNICOS

ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - ESTUDOS GEOTÉCNICOS ANEXO XIII ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS - ESTUDOS GEOTÉCNICOS 2.2.1 - INTRODUÇÃO Os Estudos Geotécnicos foram realizados com o objetivo de conhecer as características dos materiais constituintes do subleito

Leia mais

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico

2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE. 2.2.1 Histórico 2.2 MÉTODO DA ELETRORRESISTIVIDADE 2.2. Histórico A eletrorresistividade é um método geoelétrico baseado na determinação da resistividade elétrica dos materiais, tendo sido utilizado nos mais variados

Leia mais

Bolsista CNPq: Graduação em Eng. Agrícola, UNICAMP, Campinas-SP, fabiooquendo@gmail.com.

Bolsista CNPq: Graduação em Eng. Agrícola, UNICAMP, Campinas-SP, fabiooquendo@gmail.com. UM SISTEMA PARA ORGANIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES DE SOLOS BRASILEIROS FÁBIO O. SILVA 1 ; FERNANDO KUNINARI 2 ; STANLEY R. M. OLIVEIRA 3 12605 RESUMO Com o objetivo de possibilitar o armazenamento e a disponibilização

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

EVENTO DE PRÉ-LANÇAMENTO DO LIVRO: TWIN CITIES SOLOS DAS REGIÕES METROPOLITANAS DE SÃO PAULO E CURITIBA

EVENTO DE PRÉ-LANÇAMENTO DO LIVRO: TWIN CITIES SOLOS DAS REGIÕES METROPOLITANAS DE SÃO PAULO E CURITIBA EVENTO DE PRÉ-LANÇAMENTO DO LIVRO: TWIN CITIES SOLOS DAS REGIÕES METROPOLITANAS DE SÃO PAULO E CURITIBA LOCAL E DATA: IPT EM 05 E 06/12/2012 Ney Augusto Nascimento, Ph.D. - UFPR Rogério F. K. Puppi, D.Sc.

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CIV 332 MECÂNICA DOS SOLOS I APOSTILA DE EXERCÍCIOS Parte 01 Prof. Benedito de Souza Bueno Prof.

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

13 a Aula. Escolha do Tipo de Fundação

13 a Aula. Escolha do Tipo de Fundação Mecânica dos Solos e Fundações PEF a Aula Escolha do Tipo de Fundação Considerações Iniciais Dados: Planta de pilares Cargas Perfil de solo Verificação da ordem de grandeza das cargas apresentadas pelo

Leia mais

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais

Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície

Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície Exploração Geológica, Prospecção em superfície e subsuperfície Etapa de Avaliação: Mapas e Escalas de Trabalho Prospecção com Martelo Investigação em Subsuperfície Fase de exploração reconhecimentos expeditos

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica

MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica MANUAL DE BOLSO Nº 1: Investigação Geotécnica OUTUBRO DE 2012 T E R R E S T R E. empresa sedeada em Itu/SP fornece consultas, projetos, ensaios especiais e serviços na área de geotecnia, drenagem, pavimentação,

Leia mais

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA

MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA MAPEAMENTO GEOMORFOLÓGICO DA ÁREA URBANA DE ILHÉUS, BAHIA Hogana Sibilla Soares Póvoas Bolsista do PET Solos Universidade Estadual de Santa Cruz hogana_sibila@hotmail.com Ednice de Oliveira Fontes Universidade

Leia mais

CLIENTE SUCAB SUPERINTENDÊNCIA DE CONSTRUÇÕES ADMINISTRATIVAS DA BAHIA

CLIENTE SUCAB SUPERINTENDÊNCIA DE CONSTRUÇÕES ADMINISTRATIVAS DA BAHIA EMISSÃO: GO/2008 CLIENTE SUCB SUPERINTENDÊNCI DE CONSTRUÇÕES DMINISTRTIVS D BHI PROJETO HOSPITL DO SUBÚRBIO SLVDOR - B TÍTULO MEMORIL DESCRITIVO/ ESPECIFICÇÕES TÉCNICS DT GO/2008 ESPECILIDDE GRUPO 01 SERVIÇOS

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental PROPOSTA DE CONTEUDO PARA LAUDO GEOLÓGICO

15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental PROPOSTA DE CONTEUDO PARA LAUDO GEOLÓGICO 15º Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia e Ambiental PROPOSTA DE CONTEUDO PARA LAUDO GEOLÓGICO Hermam Vargas Silva 1 Resumo O trabalho apresenta uma série de cartas produzidas a partir de sondagens

Leia mais

GEOGRAFIA. transformadas

GEOGRAFIA. transformadas GEOGRAFIA Disciplina A (currículo atual 2008) Disciplina B (currículos extintos) 1ª período 59480 Cartografia Geral 68 Geografia Cartografia B 136 37230 Geografia Contida Ementa: Aborda os fundamentos

Leia mais

- Artigo - HELIX ENGENHARIA E GEOTECNIA LTDA

- Artigo - HELIX ENGENHARIA E GEOTECNIA LTDA - Artigo - Itens anexos: A Texto 01: Fundação a base de tudo (Prof. Douglas); B Texto 02: Frases que podem significar o início dos seus problemas na construção ; C Notas de aula sobre: Sondagem a percussão

Leia mais

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG.

Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Relação entre variáveis de fertilidade do solo e o tipo de vegetação no Estado de São Paulo, utilizando técnicas de geoestatística e SIG. Tiago Brochado Pires Introdução: Estudos voltados para a interpretação

Leia mais

TOMADA DE PREÇOS Nº 01/2015 ANEXO I-E SONDAGEM DE SOLO DO TERRENO

TOMADA DE PREÇOS Nº 01/2015 ANEXO I-E SONDAGEM DE SOLO DO TERRENO SEÇÃO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS Rua Deodoro da Fonseca, 7 Centro Natal/RN CEP:.0-00. Fone: () - Fax: () -1 TOMADA DE PREÇOS Nº 01/ ANEXO I-E SONDAGEM DE SOLO DO TERRENO Tomada de Preços nº 01/ PRRN RELATÓRIO

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM - SPT

RELATÓRIO DE SONDAGEM - SPT FL. 201 MASTERSOLO Engenharia Ltda RELATÓRIO DE SONDAGEM - SPT CLIENTE: OBRA.- ENDEREÇO: RUA TAMANDARÉ, ESQ. AV JOSÉ FERREIRA DE SANTANA QD-323-B.LT-6- RESIDENCIAL GOBATO CIDADE: GOIATUBA - GO MASTERSOLO

Leia mais

Dimensionamento do Número Mínimo de Furos de uma Campanha de Sondagem

Dimensionamento do Número Mínimo de Furos de uma Campanha de Sondagem Dimensionamento do Número Mínimo de Furos de uma Campanha de Sondagem Nós reconhecemos o perfil do seu terreno. A Versal Engenharia e Consultoria Ltda., através de sua Divisão Geotécnica (DG), oferece

Leia mais

ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA

ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS PROSPECÇÃO GEOTÉCNICA 1 ESTUDOS PRÉ-CONSTRUTIVOS 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 2. OBJETIVOS DA 3. FASES DA 4. MÉTODOS DE PROSPECÇÃO 2 1. Considerações iniciais: As características de um solo não podem ser descobertas apenas pelo

Leia mais