COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS"

Transcrição

1 l COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS NORMA GERAL PARA PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ÁGUA NT SPT PENDÊNCIAS: 1. Esquema de pintura Eng Marcos (SOM 4) 2. Número da norma Eng Marcos Nascimento 3. Figuras - Eng Marcos Nascimento 4. Capa Grupo de Trabalho NOVEMBRO/2006 REVISÃO 0

2 APRESENTAÇÃO A presente regulamentação tem por objetivo fixar as condições para o projeto e construção de estações elevatórias de água para o sistema de abastecimento sob a responsabilidade da COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS CEDAE, visando-se alcançar uma padronização que proporcione as seguintes vantagens: a) garantir a qualidade dos serviços gerados por estações elevatórias de água; b) facilitar o projeto, a operação e a manutenção, empregando-se elementos de controle padronizados que sejam facilmente entendidos pelas equipes de manutenção; c) diminuir ao máximo o número de elementos da instalação de uma estação elevatória sem comprometer a qualidade do serviço prestado; d) permitir a criação de estoques reduzidos de peças de manutenção; e) permitir o intercâmbio de peças entre estações elevatórias em uma situação de emergência; f) permitir a redução de arquivos de manuais de equipamentos e cadastros; g) criação de regras claras para reparos e modificações nas estações elevatórias. As prescrições têm caráter orientativo, não dispensando o usuário do conhecimento da legislação e das normas técnicas específicas, sendo reservado a CEDAE o direito de, em qualquer tempo, modificar o seu conteúdo, no todo ou em parte, por motivo de ordem técnica ou legal. EMISSÃO: NOVEMBRO/06

3 ÍNDICE CAPÍTULO PÁGINA 1. DEFINIÇÕES TUBULAÇÕES DIMENSIONAMENTO ESTUDOS DOS EFEITOS DO GOLPE DE ARÍETE PLANTAS DE TUBULAÇÃO ARRANJO DE TUBULAÇÕES MEIOS DE LIGAÇÃO DOS TUBOS (LIGAÇÕES SOLDADAS) ELEMENTOS DE TUBULAÇÕES Tubos Conexões Curvas em Gomos e Derivações Soldadas Flanges Válvulas de Gaveta Válvulas Borboletas Tipo Flangeada Válvulas Borboletas Tipo Wafer Válvulas de Retenção Válvulas de Pé Válvulas Antecipadoras de Onda Válvulas Controladoras de Nível Máximo Ventosas Juntas de Desmontagem SUPORTES PARA TUBULAÇÃO (ANCORAGENS, BATENTES E APOIOS) MONTAGEM E TESTES PINTURA EMISSÃO: NOVEMBRO/06

4 3. CONJUNTO MOTOR-BOMBA DIMENSIONAMENTO ESPECIFICAÇÃO DO CONJUNTO MOTOR BOMBA DISPOSIÇÃO DOS CONJUNTOS MOTOR BOMBA MONTAGEM OPERAÇÃO EDIFICAÇÃO LOCALIZAÇÃO DA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA PROJETO Condições Gerais Piso Bloco de Fundação para o Conjunto Motor-Bomba Alvenarias Laje PINTURA TRAVESSIAS EM PAREDES DE RESERVATÓRIOS EQUIPAMENTOS DE MOVIMENTAÇÃO ILUMINAÇÃO, VENTILAÇÃO E ACÚSTICA SEGURANÇA INSTALAÇÃO ELÉTRICA MEDIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ACIONAMENTO PROTEÇÃO CONTRA CURTO-CIRCUITO PROTEÇÃO CONTRA SOBRECARGA DO MOTOR PROTEÇÃO CONTRA A FALTA DE ÁGUA PROTEÇÃO CONTRA O SHUT-OFF DA BOMBA PROTEÇÃO CONTRA RELIGAMENTOS SUCESSIVOS EMISSÃO: NOVEMBRO/06

5 5.8. PROTEÇÃO CONTRA FALTA E INVERSÃO DE FASES PROTEÇÃO CONTRA ALAGAMENTO DA SALA DE BOMBAS ILUMINAÇÃO DESENHOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROTEÇÃO DE SUBESTAÇÕES ABRIGADAS ELEVATÓRIAS DO TIPO TUBULÃO ELEVATÓRIAS DO TIPO SUBMERSA ELEVATÓRIAS DO TIPO ARMÁRIO NORMAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS ADOTADAS COMO REFERÊNCIA NORMAS NACIONAIS NORMAS INTERNACIONAIS EMISSÃO: NOVEMBRO/06

6 1 DEFINIÇÕES Barrilete conjunto de tubulações que une a saída ou a entrada das bombas associadas em paralelo à tubulação de recalque ou sucção, respectivamente. Bomba afogada quando o nível de água do reservatório de montante ou a pressão disponível de sucção é suficiente para manter a bomba escorvada. Bomba centrífuga bomba em que o líquido penetra no rotor paralelamente ao eixo, sendo dirigido pelas pás do rotor para a periferia, segundo trajetória contida em planos normais ao eixo. Booster bomba que, intercalada em uma tubulação, aumenta a energia de pressão, auxiliando o escoamento da água. Proporciona energia necessária quando as condições topográficas ou as perdas de carga nas linhas assim o exigirem. Curva característica estável curva de bomba na qual cada valor da carga manométrica corresponde a um só valor de vazão. Diâmetro nominal (DN) simples número que serve para classificar, em dimensão, os elementos de tubulações e que corresponde aproximadamente ao diâmetro interno da tubulação, expresso em milímetro. NPSH ou altura positiva líquida de sucção - representa a disponibilidade de energia com que o líquido penetra na boca de entrada da bomba. Pressão nominal (PN) pressão convencionalmente aceita e usada para fins de referência. É designada pelas letras PN, seguida de um número apropriado. Shut-off situação de uma bomba operando com vazão igual a zero (válvula de bloqueio de jusante fechada). Tubulação conjunto de tubos e seus diversos acessórios tais como flanges, juntas, suportes, válvulas e conexões. Válvula antecipadora de onda válvula que protege a tubulação e grupo de bombas da onda de pressão causada pela parada repentina das bombas ou corte de energia (golpe de aríete). Válvula controladora de nível válvula que abre para encher o reservatório até um nível máximo e modula a abertura para manter o nível constante. Válvula de bloqueio válvula destinada a operar nas posições totalmente aberta ou totalmente fechada, com a finalidade de interromper ou iniciar o escoamento do fluído. Válvula dissipadora de energia válvula que pode operar em posições intermediárias de abertura com a finalidade de dissipar energia. Válvula reguladora de vazão válvula destinada a operar em posições intermediárias de abertura, com a finalidade de se obter uma determinada vazão e/ou pressão do fluído. EMISSÃO: NOVEMBRO/06 1

7 2 TUBULAÇÕES 2.1 DIMENSIONAMENTO Deve ser fornecida a memória de cálculo da tubulação, contendo: a) dimensionamento do diâmetro das tubulações em função das velocidades máximas e mínimas recomendadas, das perdas de carga e de critérios econômicos; b) cálculo da espessura da parede dos tubos em função do diâmetro, pressão do fluido, tensão admissível do material e golpe de aríete No dimensionamento das tubulações de sucção e recalque devem ser observados os seguintes critérios: a) na tubulação de sucção, as velocidades não devem exceder os valores constantes na Tabela 1; Tabela 1 Velocidade máxima de sucção Diâmetro nominal (DN) Velocidade (m/s) 50 0, , , , , , ,40 >400 1,50 b) na sucção de bombas não afogadas a velocidade máxima deve ser de 0,90 m/s; c) no barrilete de recalque a velocidade máxima recomendada é de 3,00 m/s; d) no barrilete, a velocidade mínima é de 0,60 m/s; e) o cálculo da perda de carga distribuída ao longo da tubulação de sucção, do barrilete e da tubulação de recalque deve obedecer ao critério geral estabelecido na NBR-12215; f) o cálculo das perdas de carga singulares, em toda a instalação de bombeamento, deve obedecer ao critério estabelecido na NBR As tubulações de sucção e recalque no interior da estação elevatória devem ser, no mínimo, do mesmo diâmetro das respectivas redes, caso não haja barriletes, e não devem ser determinados pelo diâmetro nominal dos flanges da bomba Na condição de duas ou mais bombas recalcando em paralelo os tubos ligados aos flanges de sucção e de recalque das bombas poderão ter diâmetros menores, desde que seja observada a velocidade máxima nos mesmos e que não haja acréscimo de perdas de carga Quando duas ou mais bombas estiverem trabalhando em paralelo a velocidade no barrilete e na linha de recalque deve ser mantida próxima da velocidade em cada bomba O dimensionamento da linha de recalque deve basear-se em critérios exclusivamente econômicos, de tal sorte que o diâmetro ótimo represente o menor custo do sistema, ou seja, EMISSÃO: NOVEMBRO/06 2

8 a soma do custo de implantação (custo das tubulações, equipamentos e obras) e o de operação (gastos com energia elétrica no horizonte de projeto). Objetivando o pré-dimensionamento, admite-se que o diâmetro ótimo seja obtido para uma velocidade na linha de recalque de 1 m/s. Este indicador não desobriga a apresentação da memória de cálculo utilizando todos os parâmetros necessários no dimensionamento econômico. 2.2 ESTUDOS DOS EFEITOS DO GOLPE DE ARÍETE O cálculo do escoamento em regime variável (transientes hidráulicos), bem como a recomendação de dispositivos de proteção do sistema, deve ser feito de acordo com as normas nacionais ou internacionais vigentes. 2.3 PLANTAS DE TUBULAÇÃO As plantas de tubulação devem ser desenhos feitos em escala, contendo o traçado das tubulações, representadas em projeção horizontal, com a indicação dos respectivos diâmetros. As válvulas e acessórios de tubulação devem ser representados. Nas plantas de tubulação devem figurar as elevações de todas as tubulações e as distâncias entre tubos paralelos e todas as cotas importantes da tubulação Além de todas as tubulações com válvulas e acessórios, esses desenhos devem também mostrar o seguinte: a) todos os suportes de tubulação; b) todas as bombas e os respectivos motores, com a indicação do desenho de contorno das bases dos mesmos; c) planta baixa da estação elevatória, indicando: portas, janelas, aberturas para ventilação, linha de centro da monovia e outros elementos que se fizerem necessários; d) relação de peças das tubulações com as respectivas especificações; e) desenhos de projeção vertical (cortes). 2.4 ARRANJO DE TUBULAÇÕES Tubulação de Ligação às Bombas Os tubos de ligação às bombas devem ser dispostos de forma a deixar livres os espaços necessários para a desmontagem e remoção de bombas, motores elétricos e válvulas, e sempre também o espaço acima destes para permitir a manobra dos aparelhos de elevação de pesos As tubulações de sucção devem ter sempre a menor perda de carga possível, isto é, o menor trajeto com o menor número de acidentes e sem pontos altos para se evitar a formação de bolsas de ar (ver Figura 1). EMISSÃO: NOVEMBRO/06 3

9 Em uma tubulação de sucção não deve existir uma curva diretamente ligada ao flange de sucção da bomba, para diminuir os efeitos de turbilhonamento no interior da mesma (ver Figura 1) A redução na tubulação de sucção junto à bomba deve ser excêntrica e nivelada por cima. A redução da tubulação de recalque deve ser concêntrica (ver Figura 1) A interligação entre o barrilete de sucção e a tubulação de sucção da bomba deve ser com mudanças de direções iguais ou inferior a 45 (ver Figura 2) Devem ser evitados os estrangulamentos ou alargamentos bruscos As bombas afogadas devem ter, para cada bomba, uma válvula de bloqueio na tubulação de sucção e outra na tubulação de recalque As bombas não afogadas devem ter, para cada bomba, uma válvula de bloqueio e uma válvula de retenção na tubulação de recalque e uma válvula de retenção (válvula de pé com grade) na extremidade da tubulação de sucção As bombas não afogadas devem ter tubulações de sucção independentes Em todas as bombas deve ser colocada uma válvula de retenção entre a bomba e a respectiva válvula de bloqueio da tubulação de recalque As bombas não afogadas devem ter uma tubulação interligando a saída com a entrada da válvula de retenção, através de uma válvula de bloqueio, visando permitir a operação de escorva Quando houver uma redução na entrada ou na saída da bomba, as respectivas válvulas de bloqueio devem ser do mesmo diâmetro do maior diâmetro da redução Quando uma bomba recalcar para duas ou mais linhas, deve ser colocada uma válvula de bloqueio para cada linha de recalque, porém admite-se a colocação de uma única válvula de retenção Para bombas operando em paralelo, não é permitida a colocação de uma única válvula de retenção Os conjuntos motor-bomba reservas devem ter válvulas de bloqueio para isolamento e manutenção das bombas sem paralisar totalmente o abastecimento Tubulação de Sucção em Reservatórios Para o caso de desnível geográfico negativo, onde o nível do reservatório de montante (sucção) se encontra em cota inferior ao da bomba (bomba não afogada ), sendo d o diâmetro interno da tubulação de sucção, devem ser obedecidas as seguintes especificações (ver Figura 3): EMISSÃO: NOVEMBRO/06 4

10 a) a submergência mínima da seção de entrada da tubulação deve ser maior que 2,5.d e nunca inferior a 0,5 m; b) a folga entre o fundo do poço e a parte inferior do crivo dever ser fixada de 1,0.d a 1,5.d, e nunca inferior a 0,2 m.; c) a distância mínima entre a parede da tubulação de sucção e qualquer parede lateral do poço de sucção deve ser de 1,0.d e nunca inferior a 0,30 m Devem ser tomados alguns cuidados de forma a tornar o tubo de sucção ascendente no sentido do reservatório na situação de bomba afogada ou no sentido da bomba no caso de sucção negativa para evitar o acúmulo de ar no tubo de sucção (ver Figura 4) Para o caso de desnível geográfico positivo, onde o nível do reservatório de montante (sucção) se encontra em cota superior ao da bomba (bomba afogada ), deve ser soldado no tubo, em todo o seu perímetro externo no ponto de passagem no reservatório, um anel de seção retangular, seção L ou seção T com a finalidade de permitir a ancoragem do trecho embutido no concreto (anel de ancoragem) e diminuir a infiltração de água entre concreto e conduto (anel de percolação) As tomadas de água para as tubulações de sucção das bombas devem ser posicionadas o mais distante possível da entrada de água no reservatório Tubulação Subterrânea Devem ser evitadas as tubulações subterrâneas no interior das elevatórias. Quando necessário, as tubulações devem ser assentadas em canaletas de concreto armado com tampas de aço ou concreto Flexibilidade Todas as tubulações devem ter, sempre que possível, um traçado tal que lhes proporcione uma flexibilidade própria, de forma que sejam capazes de absorver as dilatações térmicas por meio de flexões ou torções dos diversos trechos e possibilitar a desmotagem através dos flanges da tubulação para manutenção de válvulas, sem se recorrer ao corte de tubos e posterior soldagem do mesmo. Essa flexibilidade é conseguida dando-se à tubulação um traçado não retilíneo conveniente, com mudanças de direção no plano ou no espaço, utilizando-se curvas flangeadas Espaçamento entre Tubos Deve ser adotado o valor mínimo de 300 mm para o espaçamento entre tubos paralelos, fixado de forma a permitir a pintura e a inspeção dos tubos e também de forma a deixar a folga necessária para flanges e peças flangeadas no próprio tubo ou nos tubos vizinhos Devem ser evitados flanges alinhados em tubulações vizinhas. EMISSÃO: NOVEMBRO/06 5

11 Deve ser sempre deixado espaço suficiente e meios de acesso para permitir a remoção e a colocação dos parafusos e juntas em todas as ligações flangeadas, deixando-se uma folga mínima de 100 mm entre um flange e qualquer obstáculo A distância mínima da geratriz de um tubo extremo à parede da estação elevatória deve ser de 300 mm A distância mínima de qualquer tubulação acima do piso deve ser de 300 mm, medida da geratriz inferior A distância mínima da face de um flange à parede da estação elevatória deve ser de 200 mm. EMISSÃO: NOVEMBRO/06 6

12 CORRETO ERRADO bolsa de ar bolsa de ar 2 x d d = diâmetro da sucção a curva não deve ser conectada diretamente à sucção Figura 1 Indicação para montagem da tubulação de sucção EMISSÃO: NOVEMBRO/06 7

13 ERRADO Figura 2 Barrilete de sucção. EMISSÃO: NOVEMBRO/06 8

14 d nível mínimo >2,5 d min = 0,50 m >1,0 d min = 0,30 1,0 a 1,5 d min = 0,20m Figura 3 Sucção de bomba não afogada NOTA: a submergência indicada é aplicável também para tubo horizontal EMISSÃO: NOVEMBRO/06 9

15 anel de percolação/ancoragem Figura 4 Inclinação do tubo de sucção NOTA: a inclinação acentuada é para simples efeito de ilustração. EMISSÃO: NOVEMBRO/06 10

16 2.4.6 Tomadas para Manômetros Devem ser soldadas luvas de aço-carbono para as tomadas de manômetros, com 1/2 de diâmetro e rosca BSP (NBR 6414), nas seguintes posições: a) na tubulação de sucção, entre a válvula de bloqueio e a bomba. b) na tubulação de recalque, entre a válvula de retenção e a válvula de bloqueio As luvas devem ser soldadas na geratriz superior dos tubos As tomadas de pressão devem ser instaladas em locais de fácil acesso e que não interfiram com a operação das válvulas de bloqueio Em cada tomada deve ser conectada uma válvula esfera de mesmo diâmetro, com rosca macho-fêmea, com o macho conectado diretamente à luva. 2.5 MEIOS DE LIGAÇÃO DOS TUBOS (LIGAÇÕES SOLDADAS) As ligações entre tubos ou entre tubos e conexões, quando não for necessário o emprego de flanges, devem ser realizadas com solda de topo, e as peças a serem soldadas devem ter as extremidades com chanfro para solda Deve ser empregada a solda elétrica com consumíveis do mesmo material dos tubos As ligações soldadas entre tubos ou entre tubos e conexões devem ser executadas com peças de mesma espessura de parede e de mesmo material No tocante à posição das soldas, devem ser evitadas duas soldas a menos de 50 mm de distância uma da outra. 2.6 ELEMENTOS DE TUBULAÇÕES (aplicável somente no interior da elevatória) Tubos Os tubos devem ser de aço-carbono segundo a norma NBR 9797, projetado para ter uma sobre-espessura para corrosão de 1,2 mm e extremidades com pontas chanfradas para solda de topo. Podem ainda ser utilizados os tubos de aço-carbono que atendam as normas NBR 5590 (ASTM A-53) ou NBR 6321 (ASTM A-106) Não devem ser utilizados tubos de ferro fundido no interior da estação elevatória Conexões Devem ser em aço-carbono forjado, para solda de topo, com dimensões conforme a norma ANSI-B16.9 e material conforme a norma ASTM A-234. EMISSÃO: NOVEMBRO/06 11

17 A espessura de parede das conexões deve sempre ser igual à do tubo a que estão ligadas, para permitir soldas perfeitas Tipos de conexões permitidas na tubulação: a) curvas de raio longo 45 e 90 (normais e de redução); b) tês normais, tês de redução e tês de 45 ; c) reduções concêntricas e excêntricas As conexões rosqueadas são permitidas apenas para as tomadas de manômetro, coluna de eletrodos e ventosa As conexões flangeadas, fabricadas em ferro fundido dúctil, são permitidas desde que atendam ao critério de pressão máxima na condição de golpe de aríete e onde não seja prevista a colocação de tomadas de pressão Curvas em Gomos e Derivações Soldadas As curvas em gomos são permitidas para tubulações de pressão moderada e em diâmetros acima de DN 200, por motivo de economia É admitido o emprego de luva soldada diretamente ao tubo tronco (barrilete), desde que este último seja pelo menos DN 200, para ramais até DN 50 sem limitações de pressão, e sem necessidade de reforços locais, desde que as luvas tenham resistência suficiente e desde que a relação entre os diâmetros nominais do tubo-tronco e da derivação seja igual ou superior a Os ramais de quaisquer diâmetros, acima de DN 50 podem ser feitos como uso de selas ou de colares, soldadas ao tubo-tronco, servindo também como reforço da derivação. Com essas peças podem-se fazer inclusive ramais com o mesmo diâmetro do tubo-tronco, sem limitações de pressão Para os ramais de DN 50 ou mais, desde que o diâmetro do tubo-tronco seja maior do que o diâmetro do ramal, pode ser adotado a solda direta de um tubo no outro (boca-de-lobo), desde que os eixos da derivação sejam concorrentes, e que o ângulo entre eles esteja compreendido entre 45 e Flanges Especificação do material: aço-carbono forjado ASTM A Tipo Devem ser adotados unicamente os flanges de aço forjado dos tipos sobreposto ou pescoço para solda, com a mesma classe de pressão dos tubos, com dimensões conforme a norma ISO 2531 (NBR 7675). EMISSÃO: NOVEMBRO/06 12

18 Todos os flanges que são ligados aos tubos por soldagem devem ser obrigatoriamente do mesmo material dos tubos Face de vedação Podem ser utilizados os flanges com face dos tipos com ressalto de 2,0 mm de altura e plana Para acoplar com os flanges de face plana das válvulas fabricadas em ferro fundido, só poderão ser usados flanges também de face plana Os flanges de face plana podem ter o acabamento de face lisa ou ranhurada, tal como os flanges de face com ressalto Juntas para flanges Devem ser adotadas juntas de borracha natural ou nitrílica para flanges da classe de pressão PN 10 com a menor espessura possível, não ultrapassando a espessura máxima de 3,0 mm Devem ser adotadas juntas de amianto grafitado para flanges das classes de pressão PN 16 e PN 25 com a menor espessura possível, não ultrapassando a espessura máxima de 3,0 mm As juntas poderão ser em anel (o perímetro tangencia os furos do flange) ou de contato total (o diâmetro externo é igual ao diâmetro do flange) Parafusos para flanges Devem ser utilizados parafusos com a cabeça sextavada, de aço inoxidável, rosca NC, com porca e arruela, nas seguintes dimensões (ver Tabela 2): DN Tabela 2 Dimensões de parafusos para flanges Dimensões PN 10 PN 16 PN 25 d l Quantidade d l Quantidade d l pol. pol por junta pol pol por junta pol pol 50 5/ / / / / / / / / / / / / / / / / / / / /2 16 NOTA: d diâmetro do parafuso l - comprimento do parafuso (sem considerar a espessura da cabeça sextavada) Quantidade por junta EMISSÃO: NOVEMBRO/06 13

19 Os estojos para as válvulas de retenção e válvulas borboletas do tipo Wafer devem ter os mesmos diâmetros da Tabela 2, com os comprimentos necessários conforme as dimensões das válvulas Válvulas de Gaveta Não devem ser utilizadas onde a velocidade de escoamento for muito alta, quando houver operações freqüentes e quando houver a necessidade de regulagem da vazão por estrangulamento da válvula Deve ter o mesmo diâmetro nominal (DN) da respectiva tubulação A pressão nominal (PN) deve ser compatível com a da respectiva tubulação Deve ser respeitada a posição de instalação da válvula referente à posição do comando informada pelo fabricante, e todas as válvulas devem possuir o volante de acionamento Quando não especificado pelo fabricante o eixo da válvula deve estar na vertical com o comando voltado para cima Devem ser utilizadas válvulas com as seguintes especificações: a) construção de acordo com a norma NBR ou NBR 14968; b) corpo e tampa em ferro fundido dúctil; c) castelo aparafusado; d) gaveta em ferro fundido dúctil ou bronze, tipo cunha; e) haste em aço inoxidável; f) série métrica chata ou oval com flanges NBR 7675; g) acionamento manual direto ou através de caixa redutora Devem ser instaladas em locais com facilidade de remoção Em todas as válvulas de operação manual deve ser deixada uma folga livre de 150 mm, em toda volta do volante, para as mãos do operador Válvulas Borboletas Tipo Flangeada Deve ter o mesmo diâmetro nominal (DN) da respectiva tubulação A pressão nominal (PN) deve ser compatível com a da respectiva tubulação Deve ter perda de carga mínima entre as seções de entrada e saída quando o obturador se apresentar totalmente aberto Deve ser respeitada a posição de instalação da válvula referente à posição do eixo do disco informada pelo fabricante, e deve possuir dispositivo que elimine a tendência de fechamento. EMISSÃO: NOVEMBRO/06 14

20 Devem ser utilizadas válvulas com as seguintes especificações: a) construção de acordo com a norma NBR ou AWWA C 504; b) com flanges ISO 2531 (NBR 7675); c) corpo e disco em aço-carbono ou ferro fundido dúctil; d) sede de vedação em aço inoxidável ou bronze, no corpo; e) junta de vedação fixada no disco; f) eixos em aço inoxidável; g) acionamento manual direto por alavanca ou volante, com mecanismo de redução Devem ser instaladas em locais com facilidade de remoção Em todas as válvulas de operação manual deve ser deixada uma folga livre de 150 mm, em toda volta do volante, para as mãos do operador Válvulas Borboletas Tipo Wafer Deve ter o mesmo diâmetro nominal (DN) da respectiva tubulação A pressão nominal (PN) deve ser compatível com a da respectiva tubulação Deve ter perda de carga mínima entre as seções de entrada e saída quando o obturador se apresentar totalmente aberto Deve ser respeitada a posição de instalação da válvula referente à posição do eixo do disco informada pelo fabricante, e deve possuir dispositivo que elimine a tendência de fechamento Devem ser utilizadas válvulas com as seguintes especificações: a) construção de acordo com a norma NBR 10286; b) corpo inteiriço em ferro fundido dúctil; c) disco em ferro fundido dúctil, aço-carbono ou bronze; d) sede de vedação em borracha sintética (elastômero ou plastômero) fixada ao corpo; e) eixos em aço inoxidável; f) acionamento manual direto por alavanca, com dispositivo auto travante em qualquer posição, ou volante; g) batentes limitadores de curso ajustados para as posições extremas Devem ser instaladas em locais com facilidade de remoção Em todas as válvulas de operação manual deve ser deixada uma folga livre de 150 mm, em toda volta do volante, para as mãos do operador Válvulas de Retenção Deve ter o mesmo diâmetro nominal (DN) da tubulação de recalque. EMISSÃO: NOVEMBRO/06 15

21 A pressão nominal (PN) deve ser a mesma da tubulação de recalque Devem ser utilizadas válvulas com as seguintes especificações: a) tipo: portinhola dupla ou obturador de movimento longitudinal; b) corpo tipo Wafer para instalação entre flanges ISO 2531 (NBR 7675), preferencialmente; c) corpo e portinholas em ferro fundido dúctil ou obturador em poliuretano; d) eixo do limitador e das portinholas em aço inoxidável; e) mola em aço inoxidável; f) vedação em borracha sintética Não deve ser instalada a válvula em trechos verticais com o fluxo descendente Recomenda-se deixar a montante da válvula um trecho reto de 2,5 x DN (mm), no mínimo Válvulas de Pé O diâmetro nominal (DN) deve ser igual ou maior do que o diâmetro do tubo de sucção Devem ser utilizadas válvulas com as seguintes especificações: a) fixação por flange ISO 2531 (NBR 7675); b) corpo e portinholas em ferro fundido dúctil; c) eixo em aço inox; d) mola em aço inox; e) vedação em borracha sintética; f) crivo em bronze A área de passagem do crivo deve ser 2 vezes maior que a área da seção transversal do tubo de sucção Válvulas Antecipadoras de Onda A descarga, quando da parada de funcionamento das bombas por qualquer motivo, deve ocorrer para um sistema de drenagem ligado ao sistema público de águas pluviais ou para um corpo receptor apropriado Quando o sistema público de águas pluviais não tiver capacidade para receber diretamente a descarga deve ser prevista a construção de uma caixa de concreto armado com volume suficiente para acumular a descarga da rede no tempo de abertura da válvula O corpo de água escolhido para receber a descarga deve ter a capacidade para isso, devendo ser analisada a influência da vazão descarregada no seu escoamento. EMISSÃO: NOVEMBRO/06 16

22 Válvulas Controladoras de Nível Máximo Uma válvula controladora de nível máximo, embora não esteja diretamente ligada ao sistema de controle das bombas, deve ser instalada na entrada do reservatório abastecido pela estação elevatória, destinado a impedir a perda de água através de extravasão Esta válvula deve ser responsável pela interrupção do abastecimento do reservatório e, indiretamente através do monitoramento da corrente dos motores elétricos, pelo desligamento das bombas na condição de shut-off O diâmetro nominal (DN) deve ser o mesmo da tubulação de recalque Devem ser utilizadas válvulas com as seguintes especificações: a) tipo: válvula controladora de nível máximo; b) operação: hidráulica através de atuador com câmara dupla e diafragma; c) corpo em forma de Y em ferro fundido dúctil; d) com flanges ISO 2531 (NBR 7675); e) sede removível em bronze; f) diafragma em borracha armada com Nylon; g) haste e molas em aço inoxidável Para a operação da válvula controladora de nível deve ser executada uma instalação para válvula piloto com as seguintes características: a) válvula com bóia, tipo vazão total, com diâmetro de 3/4 e rosca BSP. b) tubulação piloto em ferro galvanizado, diâmetro de 3/ A válvula piloto deve ser colocada próxima a abertura de inspeção do reservatório de forma a se poder executar a substituição da mesma em caso de defeito, sem a necessidade de entrada no reservatório Quando o tubo de entrada no reservatório possuir o diâmetro igual ou inferior a DN 50, pode ser utilizada válvula com bóia, rosca BSP, do tipo vazão total, na saída do tubo no interior do reservatório, dispensando a instalação da válvula controladora de nível máximo citada anteriormente A entrada no reservatório deve ser por sobre o nível máximo do reservatório para permitir o estabelecimento de um ponto fixo de operação para a bomba. Deve ser dada atenção para a posição do extravasor que deve estar situado entre o nível máximo do reservatório e o tubo de entrada A válvula controladora de nível máximo, com as mesmas especificações, também deve ser instalada na entrada de reservatórios de sucção das estações elevatórias Ventosas Deve ser instalada em tubo vertical de aço-carbono DN 50 soldado à geratriz superior do tubo ou barrilete de sucção (ver Figura 5). EMISSÃO: NOVEMBRO/06 17

COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS

COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS NORMA GERAL PARA PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ÁGUA NT-2.200-000.000-SPT-04-001 PENDÊNCIAS: 1. Esquema de pintura Eng Marcos (SOM 4) 2. Número da

Leia mais

COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS

COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS NORMA GERAL PARA PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ESGOTO SANITÁRIO NT-3.200-000.000-SPT-04-001 MAIO / 2014 REVISÃO 1 REVISÕES Revisão Data 0 Emissão

Leia mais

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind.

CONTEÚDO: Capítulo 4. Válvulas Industriais. Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: www.jefferson.ind. CONTEÚDO: Capítulo 4 Válvulas Industriais Email: vendas@jefferson.ind.br Fone: 016 3622-5744/3622-9851 Site: 1 VÁLVULAS DEFINIÇÃO: DISPOSITIVOS DESTINADOS A ESTABELECER, CONTROLAR E INTERROMPER O FLUXO

Leia mais

COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS

COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS COMPANHIA ESTADUAL DE ÁGUAS E ESGOTOS NORMA GERAL PARA PROJETO E CONSTRUÇÃO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ESGOTO SANITÁRIO NT-3.200-000.000-SPT-04-001 OUTUBRO/2006 REVISÃO 0 APRESENTAÇÃO A presente regulamentação

Leia mais

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS

INTRODUÇÃO INFORMAÇÕES ADICIONAIS NOTAS 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas das linhas E e EP de nossa fabricação assim como seus acessórios e opcionais. Dele constam informações técnicas, desde a construção,

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS HIDRAULICAS PARA ESTAÇÕES ELEVATÓRIA DE ESGOTO (EEE)

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS HIDRAULICAS PARA ESTAÇÕES ELEVATÓRIA DE ESGOTO (EEE) SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO DE SOROCABA CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS HIDRAULICAS PARA ESTAÇÕES ELEVATÓRIA DE ESGOTO (EEE) Página: 2 de 7 1. PROJETO DA EEE O projeto da EEE deverá ser executado

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos.

Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos. Tubulações Tubos são condutos fechados, destinados ao transporte de fluidos. Tubulação é conjunto de tubos e seus diversos acessórios(curvas, tês, reduções, flanges, luvas, junta de expansão, válvulas,

Leia mais

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo)

Bombas Submersas. 1. Aplicação. 2. Dados de operação das bombas submersas. 3. Construção / projeto. Denominação UPD, BPD e BPH (exemplo) Manual Técnico A3405.0P Bombas Submersas 1. Aplicação É recomendada para o abastecimento de água limpa ou levemente contaminada, abastecimento de água em geral, irrigação e sistemas de aspersão pressurizados

Leia mais

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO

AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO !" AULA PRÁTICA 11 INSTALAÇÃO DE BOMBEAMENTO 1- INTRODUÇÃO O transporte de água (ADUÇÃO) pode ser realizado das seguintes formas: a) Por GRAVIDADE Utilizando Conduto Livre (Canal) b) Por GRAVIDADE Utilizando

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE

MEMORIAL DESCRITIVO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE MEMORIAL DESCRITIVO OBJETIVO: SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA VILA CARÁS NO MUNICIPIO DE FARIAS BRITO-CE RESERVATÓRIO ELEVADO Estrutura - Toda a estrutura do reservatório será em concreto armado utilizando

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL. Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE AGRONOMIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS SETOR DE ENGENHARIA RURAL Prof. Adão Wagner Pêgo Evangelista 4 - ESTAÇÕES DE RECALQUE: BOMBAS 4.1 Introdução No estudo das máquinas

Leia mais

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762

Apresentação. Apresentação. ltda. PABX: (31) 2535.7762 Apresentação Apresentação Fundada em 2003, a Masterfer é, hoje, uma renomada fornecedora de produtos para saneamento. Prima por possuir um atendimento de forma única e objetiva, o que a credencia apresentar

Leia mais

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior

Elevatórias de Esgoto Sanitário. Profª Gersina N.R.C. Junior Elevatórias de Esgoto Sanitário Profª Gersina N.R.C. Junior Estações Elevatórias de Esgoto Todas as vezes que por algum motivo não seja possível, sob o ponto de vista técnico e econômico, o escoamento

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESGOTO SANITÁRIO 1 Conjunto de tubulações, conexões e

Leia mais

Megabloc Manual Técnico

Megabloc Manual Técnico Bomba Padronizada Monobloco Manual Técnico Ficha técnica Manual Técnico Todos os direitos reservados. Os conteúdos não podem ser divulgados, reproduzidos, editados nem transmitidos a terceiros sem autorização

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Agência SHS Novas Instalações Código do Projeto: 1641-11 Pág. 2 Índice 1. Memorial Descritivo da Obra...3

Leia mais

BOMBAS CENTRÍFUGAS MANCALIZADAS ÍNDICE

BOMBAS CENTRÍFUGAS MANCALIZADAS ÍNDICE Folha 1 de 9 ÍNDICE 1- Garantia 02 2-Generalidades sobre a Instalação da Bomba 02 21 - Descrição da Bomba 02 22 - Tubulações 02 221 - Tubulações de aspiração e de afluência 02 222 - Tubulações de recalque

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB P SUL Ceilândia - DF Novas Instalações Código do Projeto: 3946-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO INSTALAÇÃO DOS BATENTES A instalação dos batentes é simples porém, são necessários alguns cuidados básicos para obter uma porta em perfeitas condições: Para a fixação do batente, levantam-se as grapas

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO

MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO MEMORIAL DESCRITIVO E DE ESPECIFICAÇÕES SISTEMA DE RECOLHIMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS OBRA: ESCOLA DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE PROJETO PADRÃO PROPRIETÁRIO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010

XXI FENASAN. Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas. Guilherme Luiz Drehmer. 10 de Agosto de 2010 XXI FENASAN Saint-Gobain Canalização no Combate às Perdas Guilherme Luiz Drehmer 10 de Agosto de 2010 Perdas não físicas Perdas físicas Produtos Saint-Gobain para a eliminação das perdas físicas Válvula

Leia mais

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006

INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DIRETORIA DE ENGENHARIA. Projeto. Instalação. Hidráulica. PR 009866/18/DE/2006 TÍTULO INSTLÇÕES HIDRÁULICS ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Projeto. Instalação. Hidráulica. INSTRUÇÃO DE PROJETO jun/2006 1 de 15 PROVÇÃO PROCESSO PR 009866/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES

EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES pág.1 EXECUÇÃO DE REBAIXAMENTO DO NÍVEL D ÁGUA ATRAVÉS DE POÇOS COM INJETORES O presente trabalho vem apresentar metodologia básica a serem empregadas na instalação e operação de sistema de rebaixamento

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA COORDENADORIA DE MANUTENÇÃO LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS LOCAL: SETOR/ENDEREÇO: PERÍODO: RESPONSÁVEL PELAS INFORMAÇÕES: LISTA DE VERIFICAÇÕES SERVIÇOS PREVENTIVOS SISTEMAS HIDROSSANITÁRIOS PERÍODICIDADE SERVIÇOS PREVENTIVOS STATUS SEMANA 01 DIÁRIO Verificação

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe.

ESPECIFICAÇÕES Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe. 01/66 FIG.Nº.:AG-01 Bitola 1/8 á 1. Válvula de agulha Conexão roscada segundo. Asme b1 20.1 (NPT) Din 2.999 & Bs 21 Iso 228/1 & Iso 7/1 6000 Psi Padrão Fire-Safe. Nº NOMES DAS PARTES CONSTRUÇÃO 01 TRAVA

Leia mais

- Válvulas com Flange -

- Válvulas com Flange - Procedimentos de Montagem e Manutenção - Válvulas com Flange - Para Sistemas de Vapor, Óleo Térmico e Outros Processos Industriais. Em uma instalação industrial de aquecimento, devem ser previstas facilidades

Leia mais

GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO

GVS GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO GABINETES DE VENTILAÇÃO TIPO SIROCCO CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS INTRODUÇÃO Os gabinetes de ventilação da linha são equipados com ventiladores de pás curvadas para frente (tipo "sirocco"), de dupla aspiração

Leia mais

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps

BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002. Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior. Goulds Pumps BOLETIM 222.1 Fevereiro de 2002 Bombas Goulds Modelos 5150/VJC cantiléver verticais de sucção inferior Goulds Pumps Goulds Modelos 5150/VJC Bombas cantiléver verticais Projetadas para lidar com lamas corrosivas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS DE INSTALAÇÕES SANITÁRIAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MATERIAIS E SERVIÇOS - SANITÁRIA - Arquivo 828-M-SAN.DOC Página 1 1. SERVIÇOS COMPLEMENTARES Serão executados

Leia mais

ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS

ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS COMPONENTES E SUBCOMPONENTES DO SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA COMPONENTES DE UMA ESTA ÇÃO ELEVAT ÓRIA ESTAÇÃO ELEVATÓRIA Equipamento eletro-mecânico Bomba Motor Tubulações Sucção

Leia mais

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação

Série: FBME MANUAL TÉCNICO BOMBA CENTRÍFUGA MULTIESTÁGIO FBME. Aplicação MANUAL TÉCNICO Série: FBME Aplicação Desenvolvida para trabalhar com líquidos limpos ou turvos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração,

Leia mais

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II Informações sobre este material didático: Edição: 1ª Edição Data da versão: 30/12/2006 Autor(es): Bruno Campos Pedroza, DSc Professor

Leia mais

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso.

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A próxima turma do curso VÁLVULAS INDUSTRIAIS está programada para o período de 16 a 19 de setembro de 2013, no Rio de

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC) SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC) SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS (SPRINKLERS) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 015/DAT/CBMSC)

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26

Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 5. MATERIAIS Construção de Edifícios I Instalações Sanitárias 10-26 Numa instalação hidráulica, os materiais são classificados em tubos, conexões e válvulas, os quais abrangem uma grande variedade de tipos,

Leia mais

Bipartida Axialmente

Bipartida Axialmente Linha BP BI-PARTIDA ROTOR DE DUPLA SUCÇÃO Bipartida Axialmente Soluções em Bombeamento INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas da linha BP de nossa fabricação. Nele constam

Leia mais

VENTILADORES LIMIT LOAD

VENTILADORES LIMIT LOAD VENTILADORES LIMIT LOAD UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES LIMIT LOAD Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: ELSC 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

Tipo: joelho 45º PVC soldável, diâmetros 50, 32 e 25 mm. Fabricação: Tigre, Amanco ou equivalente. Aplicação: na mudança de direção das tubulações.

Tipo: joelho 45º PVC soldável, diâmetros 50, 32 e 25 mm. Fabricação: Tigre, Amanco ou equivalente. Aplicação: na mudança de direção das tubulações. ESPECIFICAÇÕES DE MATERIAIS 05.01.000 ÁGUA FRIA 05.01.200 Tubulações e Conexões de PVC Rígido 05.01.201 Tubo Tipo: tubo PVC rígido soldável, classe 15, diâmetros 85, 60, 50, 32 e 25 mm. Aplicação: nas

Leia mais

VENTILADOR INDUSTRIAL

VENTILADOR INDUSTRIAL VENTILADOR INDUSTRIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES INDUSTRIAIS Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: E L D I 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS

MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS 1 MEMORIAL DE INSTALAÇÕES HIDROSANITÁRIAS A presente especificação destina-se a estabelecer as diretrizes básicas e definir características técnicas a serem observadas para execução das instalações da

Leia mais

VEMAQ 10-1 - CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS 1.1 - APRESENTAÇÃO

VEMAQ 10-1 - CARACTERÍSTICAS CONSTRUTIVAS 1.1 - APRESENTAÇÃO Equipamento: COLETOR COMPACTADOR DE LIXO 10 m³ Modelo : CCL-10 Aplicação: Coleta de resíduos domésticos e/ou industriais,selecionados ou não Fabricante: VEMAQ - Indústria Mecânica de Máquinas Ltda 1 -

Leia mais

VENTILADORES. Aspectos gerais. Detalhes construtivos. Ventiladores

VENTILADORES. Aspectos gerais. Detalhes construtivos. Ventiladores VENTILADORES Aspectos gerais As unidades de ventilação modelo BBS, com ventiladores centrífugos de pás curvadas para frente, e BBL, com ventiladores centrífugos de pás curvadas para trás, são fruto de

Leia mais

MASTER BSD 10-20/ BSD 10-25/ BSD 10-35

MASTER BSD 10-20/ BSD 10-25/ BSD 10-35 ANUAL DE INSTALAÇÃO DA BOBA ASTER BSD 10-20/ BSD 10-25/ BSD 10-35 SUÁRIO 1. AVISOS GERAIS DE SEGURANÇA 3 2. PERIGOS NO ABUSO DO EQUIPAENTO 3 3. LIITES DE TEPERATURAS 4 4. FUNCIONAENTO DA BOBA CO SELAGE

Leia mais

VÁLVULAS. Válvulas de Regulagem São destinadas especificamente para controlar o fluxo, podendo por isso trabalhar em qualquer posição de fechamento.

VÁLVULAS. Válvulas de Regulagem São destinadas especificamente para controlar o fluxo, podendo por isso trabalhar em qualquer posição de fechamento. VÁLVULAS São dispositivos destinados a estabelecer, controlar e interromper o fluxo em uma tubulação. São acessórios muito importantes nos sistemas de condução, e por isso devem merecer o maior cuidado

Leia mais

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000

DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 DODF Nº 237 14 de dezembro de 2000 CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 49/2000-CBMDF, DE 7 DE DEZEMBRO DE 2000 Aprova a Norma Técnica nº 004/2000-CBMDF, sobre o Sistema de Proteção

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 299

Norma Técnica SABESP NTS 299 Norma Técnica SABESP NTS 299 Válvula Redutora de Pressão Tipo Globo - DN 50 a 600 Especificação São Paulo Fevereiro 2014 NTS : Norma Técnica SABESP S U M Á R I O 1 INTRODUÇÃO...1 2 OBJETIVO...1

Leia mais

Saneamento I Adutoras

Saneamento I Adutoras Saneamento I Adutoras Prof Eduardo Cohim ecohim@uefs.br 1 INTRODUÇÃO Adutoras são canalizações que conduzem água para as unidades que precedem a rede de distribuição Ramificações: subadutoras CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Operador de Processo Ênfase em Petróleo e Gás. Módulo I. Aula 01

Operador de Processo Ênfase em Petróleo e Gás. Módulo I. Aula 01 Operador de Processo Ênfase em Petróleo e Gás Módulo I Aula 01 VÁLVULAS As válvulas aplicadas em grandes escalas nas indústrias são dispositivos usados para estabelecer, controlar e interromper a passagem

Leia mais

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS

CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR MÓDULO I - BOMBAS DANCOR S.A INDÚSTRIA MECÂNICA Professor: José Luiz Fev/2012 CENTRO DE TREINAMENTO DANCOR 1- BOMBAS D ÁGUA (MÁQUINAS DE FLUXO): 1.1 DEFINIÇÃO Máquinas de fluxo

Leia mais

PROJETO BÁSICO PARA MANUTENÇÃO DO VIVEIRO DO CRAD

PROJETO BÁSICO PARA MANUTENÇÃO DO VIVEIRO DO CRAD PROJETO BÁSICO PARA MANUTENÇÃO DO VIVEIRO DO CRAD O objeto deste projeto básico refere-se aos serviços de manutenção e reforma do viveiro de referência do CRAD-UNIVASF. Faz parte deste projeto o memorial

Leia mais

Manual do impermeabilizador

Manual do impermeabilizador 1 Manual do impermeabilizador Preparação e aplicação em superfícies cimenticia Índice INTRODUÇÃO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO ESTATÍSTICAS NORMAS TÉCNICAS ELABORAÇÃO DO PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO NBR

Leia mais

LISTAS DE MATERIAIS 4

LISTAS DE MATERIAIS 4 C:\DOCUMENTS AND SETTINGS\MAISA.SENHA\DESKTOP\SAA\04 LISTA DE MATERIAIS.DOC 4 CONTROLE INTERNO Data JAN/08 Nº Folhas 51 Folhas Rev. Responsável Daniela Verificação Aprovação Histórico Revisão 0 1 2 3 4

Leia mais

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado.

5 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 5.1 Material: A armação da caixa deve ser feita com cantoneiras de aço-carbono, ABNT 1010 a 1020, laminado. CAIXA DE MEDIÇÃO EM 34, kv 1 OBJETIVO Esta Norma padroniza as dimensões e estabelece as condições gerais e específicas da caixa de medição a ser utilizada para alojar TCs e TPs empregados na medição de

Leia mais

1/5. be-16. Bancada laboratório 2 CUBAS 50x40x25cm (L=180cm) eco. Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1 04/04/14

1/5. be-16. Bancada laboratório 2 CUBAS 50x40x25cm (L=180cm) eco. Componentes. Código de listagem. Atenção. Revisão Data Página 1 04/04/14 /5 2/5 3/5 4/5 DESCRIÇÃO Constituintes Tampo de granito polido (L=65cm, e=2cm), cinza andorinha ou cinza corumbá, com moldura perimetral (3,5x2cm) e frontão (7x2cm), conforme detalhe. Alvenaria de apoio

Leia mais

FINALIDADE DESTA ESPECIFICAÇÃO

FINALIDADE DESTA ESPECIFICAÇÃO SESC PANTANAL HOTEL SESC PORTO CERCADO POSTO DE PROTEÇÃO AMBIENTAL SÃO LUIZ BARÃO DE MELGAÇO/MT ESTRUTURAS METÁLICAS PARA COBERTURA DE BARRACÃO DEPÓSITO MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO VI 1. FINALIDADE DESTA

Leia mais

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão AULA 2 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 3 Capítulo 5 Capítulo 6 Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão 1 MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS PRINCIPAIS MEIOS LIGAÇÕES ROSQUEADAS

Leia mais

Aterramento. 1 Fundamentos

Aterramento. 1 Fundamentos Aterramento 1 Fundamentos Em toda instalação elétrica de média tensão para que se possa garantir, de forma adequada, a segurança das pessoas e o seu funcionamento correto deve ter uma instalação de aterramento.

Leia mais

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO Normas Aplicáveis MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO - NBR 15.979 Sistemas para Distribuição de Água e Esgoto sob pressão Tubos de polietileno PE 80 e PE 100 Procedimentos de Reparo - NBR 14.461 Sistemas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS GERAIS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS GERAIS Armários Construídos em madeira compensada laminada do tipo virola naval de 15 mm de espessura, revestido internamente laminado melamínico liso e externamente em laminado melamínico texturizado. Os que

Leia mais

SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.

SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1. ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA SUMÁRIO 1.0 - ESCOPO 1.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 1.2 - ELEMENTOS PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO 1.3 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 1.4 - APRESENTAÇÃO

Leia mais

VÁLVULA ANTI GOLPE DE ARIETE RETENÇÃO DE ALTO DESEMPENHO MULTIPLE

VÁLVULA ANTI GOLPE DE ARIETE RETENÇÃO DE ALTO DESEMPENHO MULTIPLE VÁLVULA ANTI GOLPE DE ARIETE RETENÇÃO DE ALTO DESEMPENHO MULTIPLE MAIS DE MAIS DE 50anos 50anos DE USO NA EUROPA DE USO NA EUROPA Dissipadora de energia Retenção de alto desempenho Baixa perda de carga

Leia mais

Apostila técnica de Mezanino 01 de 09

Apostila técnica de Mezanino 01 de 09 Apostila técnica de Mezanino 01 de 09 OBJETIVO: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento básico sobre Mezaninos, seus acessórios e suas aplicações, facilitando a solução de problemas

Leia mais

Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral.

Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral. Função: Conduzir água à temperatura ambiente nas instalações prediais de água fria; Aplicações: Instalações prediais em geral. SETEMBRO/2011 Bitolas: 20, 25, 32, 40,50,60, 75, 85, 110 milímetros; Pressão

Leia mais

GINÁSIO ESPORTIVO DA COMUNIDADE RIO BONITO ALTO - PONTÃO - RS

GINÁSIO ESPORTIVO DA COMUNIDADE RIO BONITO ALTO - PONTÃO - RS MEMORIAL DESCRITIVO Obra: GINÁSIO ESPORTIVO DA COMUNIDADE RIO BONITO ALTO - PONTÃO - RS Área: 488,50 m² Local: Comunidade de Rio Bonito Alto Bairro: Rio Bonito Alto Cidade: Pontão - RS Proprietário: Comunidade

Leia mais

EMOP - Outubro/2013. m x m = m² 3.281,25 0,60 1.968,75 1.968,75 m²

EMOP - Outubro/2013. m x m = m² 3.281,25 0,60 1.968,75 1.968,75 m² 01 01 1.1 01.018.0001-0 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE TRÊS RIOS Centro - /RJ Marcação de obra sem instrumento topográfico, considerada a projeção horizontal da área envolvente 3.281,25 0,60 1.968,75 1.968,75

Leia mais

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO -

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - INTRODUÇÃO Conforme a Resolução CONAMA 273 de 2000, postos de revenda e de consumo de combustíveis devem ser dotados de sistema de drenagem

Leia mais

BOMBA DE ENGRENAGENS EXTERNAS FBE

BOMBA DE ENGRENAGENS EXTERNAS FBE MANUAL TÉCNICO Série: FBE Aplicação Desenvolvida para trabalhar com fluidos viscosos, em inúmeras aplicações, tais como indústrias químicas, petroquímicas, papel, polpa, siderúrgica, mineração, alimentícia,

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS DE ENGRENAGENS INTERNAS SÉRIE FBEI

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS DE ENGRENAGENS INTERNAS SÉRIE FBEI MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BOMBAS DE ENGRENAGENS INTERNAS SÉRIE FBEI CÓD: MAN001-10 REVISÃO: 00 27/09/2010 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 1. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO...6 2. IDENTIFICAÇÃO DO EQUIPAMENTO...6

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul

Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Ampliação Câmara de Vereadores Local : VRS- 801 Almirante Tamandaré do Sul - RS Proprietário: Prefeitura Municipal de Almirante Tamandaré do Sul 1. O presente memorial tem por

Leia mais

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST

Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Coordenação Geral de Infraestrutural Educacional CGEST MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PADRÃO PARA QUADRA POLIESPORTIVA COBERTA COM

Leia mais

MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS

MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS 6 MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E ACESSÓRIOS Versão 2014 Data: Abril / 2014 6.1. Tubos e Conexões... 6.3 6.1.1. Sistema em aço... 6.3 6.1.1.1. Tubos... 6.3 6.1.1.2. Conexões... 6.3 6.1.2. Sistema em cobre rígido...

Leia mais

27 Sistemas de vedação II

27 Sistemas de vedação II A U A UL LA Sistemas de vedação II Ao examinar uma válvula de retenção, um mecânico de manutenção percebeu que ela apresentava vazamento. Qual a causa desse vazamento? Ao verificar um selo mecânico de

Leia mais

FUNDAÇÃO PROFESSOR MARTINIANO FERNANDES- IMIP HOSPITALAR - HOSPITAL DOM MALAN

FUNDAÇÃO PROFESSOR MARTINIANO FERNANDES- IMIP HOSPITALAR - HOSPITAL DOM MALAN 25% 1.0 SERVIÇOS PRELIMINARES R$ 12.734,82 1.1 COTAÇÃO MOBILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS, FERRAMENTAS E PESSOAL. M² 200,00 2,57 3,21 642,50 1.2 74220/001 TAPUME DE CHAPA DE MADEIRA COMPENSADA, E= 6MM, COM PINTURA

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Estação Elevatória de Esgoto

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Estação Elevatória de Esgoto DETALHES CONSTRUTIVOS OBJETIVO Este documento tem como objetivo definir diretrizes para projetos de Estações Elevatórias de Esgoto. CLASSIFICAÇÃO DAS EEE POR PORTE As EEE são classificadas, segundo seu

Leia mais

40 anos VÁLVULA BORBOLETA TRI-EXCÊNTRICA PARA SANEAMENTO PADRÃO AWWA SEDE METAL X METAL O PRODUTO CERTO PARA A SUA APLICAÇÃO

40 anos VÁLVULA BORBOLETA TRI-EXCÊNTRICA PARA SANEAMENTO PADRÃO AWWA SEDE METAL X METAL O PRODUTO CERTO PARA A SUA APLICAÇÃO 40 anos VÁLVULA BORBOLETA TRI-EXCÊNTRICA PARA SANEAMENTO PADRÃO AWWA SEDE METAL X METAL BENEFÍCIOS: Elimine as perdas de produção originadas por vazamentos em válvulas borboleta convencionais. Maximize

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS

INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS INSTALAÇÕES HIDRO-SANITÁRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II TIPOS Água Fria Esgoto Águas Pluviais Água Quente Incêndio

Leia mais

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL TERRENO: 325,00m² ÁREA TOTAL CASA: 48,00m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 65,00m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS 1 1.1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas 01520.8.1.1 m² 7,50 1.2 Ligação provisória de água para a obra

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DETALHES CONSTRUTIVOS OBJETIVO Este documento tem como objetivo definir diretrizes para projetos de Estações Elevatórias de Esgoto. SISTEMA DE ENTRADA A) MEDIÇÃO - As Estações Elevatórias cuja vazão seja

Leia mais

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Índice 1. Obras de infra-estrutura... 2 2. Base de concreto do Pivô... 2 3. Base de concreto da motobomba... 3 4. Casa de bombas... 4 5. Valeta da adutora...

Leia mais

Manual do Impermabilizador

Manual do Impermabilizador Rev.05 Manual do Impermabilizador Esta especificação técnica tem por objetivo fornecer subsídios na metodologia adequada de impermeabilização com mantas asfálticas. Em cada caso, deverão ser analisadas

Leia mais

Válvula Globo. Apresentação. Construção. Vantagens. Aplicações. + Adequada para aplicações em regimes severos de operação

Válvula Globo. Apresentação. Construção. Vantagens. Aplicações. + Adequada para aplicações em regimes severos de operação 517 Válvula Globo 2/2 Vias - Acionamento Manual Apresentação Válvula Globo metálica flangeada (tipo aerodinâmica), acionada manualmente por volante. Ideal para o controle ou bloqueio de fluidos como: vapor,

Leia mais

420 - Série 400. Flangeadas: ISO 7005-2 (PN10 &16) Ranhuradas: ANSI C606 Rosqueadas: NPT Rosqueadas: Rp ISO 7/1 (BSP.P) Padrão das Conexões

420 - Série 400. Flangeadas: ISO 7005-2 (PN10 &16) Ranhuradas: ANSI C606 Rosqueadas: NPT Rosqueadas: Rp ISO 7/1 (BSP.P) Padrão das Conexões Bermad Brasil Válvulas e Soluções Hidráulicas Matriz: Rua Jesuíno Arruda, n 797 - Conj. 22 Itaim Bibi - São Paulo - SP - Brasil CEP: 04532-082 Fone: +55 11 3074.1199 Fax: +55 11 3074.1190 Website: www.bermad.com.br

Leia mais

TUBULAÇÕES JOSÉ AERTON ROCHA

TUBULAÇÕES JOSÉ AERTON ROCHA TUBULAÇÕES JOSÉ AERTON ROCHA Tubulações Industriais Tubulações industriais são um conjunto de tubos e seus diversos acessórios, que tem por objetivo o transporte de fluidos do seu ponto de armazenamento

Leia mais

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local.

3.3 CATAGUASES. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, a responsabilidade pela sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local. Da caixa de areia a água chega às quatro câmaras onde estão interligadas as tubulações de sucção das bombas, essas unidades de bombeamento são em número de quatro, cada uma com capacidade de recalque de

Leia mais

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS

SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA REDE DE ÁGUA CASAS DE BOMBAS RESERVATÓRIOS NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO HIDRÁULICO E EXECUÇÃO DE REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA POTÁVEL Deverão ser obedecidas as normas

Leia mais

www.imbil.com.br 1 1

www.imbil.com.br 1 1 www.imbil.com.br 1 1 INTRODUÇÃO Neste catálogo estão descritos todos os modelos de bombas da linha BP de nossa fabricação. Nele constam informações técnicas de construção, e curvas características de cada

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO DE RUA COM LAJOTA DE CONCRETO SEXTAVADA E CALÇADA EM CONCRETO

PAVIMENTAÇÃO DE RUA COM LAJOTA DE CONCRETO SEXTAVADA E CALÇADA EM CONCRETO PREFEITURA MUNICIPAL DE ASCURRA ESTADO DE SANTA CATARINA CNPJ: 83.102.772/0001-61 PAVIMENTAÇÃO DE RUA COM LAJOTA DE CONCRETO SEXTAVADA E CALÇADA EM CONCRETO LOCAL: EM PARTE DA RUA RIBEIRÃO SÃO PAULO CONTEÚDO:

Leia mais

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS

ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² ÁREA DE INFILTRAÇÃO: 80,20m² ITEM ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS ENDEREÇO: Rua nº 01 - Loteamento Maria Laura ÁREA TOTAL CASA: 67,50m² 1 INSTALAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 1.1 Abrigo provisório de madeira executada na obra para alojamento e depósitos de materiais e ferramentas

Leia mais

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS MATERIAIS EMPREGADOS NAS REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1 - INTRODUÇÃO. A escolha do material a empregar (tipo de tubulação) nas redes coletoras de esgotos sanitários é função das características dos esgotos,

Leia mais

guia de instalação cisterna vertical

guia de instalação cisterna vertical guia de instalação cisterna vertical FORTLEV CARACTERÍSTICAS FUNÇÃO Armazenar água pluvial ou água potável à temperatura ambiente. APLICAÇÃO Residências, instalações comerciais, fazendas, escolas ou qualquer

Leia mais