Recorrer contra a investigação da polícia relativamente à sua reclamação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recorrer contra a investigação da polícia relativamente à sua reclamação"

Transcrição

1 Estas informações estão relacionadas com reclamações recebidas pelas forças policiais em ou após 22 de novembro de Se a sua reclamação foi recebida antes de 22 de novembro de 2012, o seu recurso será tratado ao abrigo de um sistema diferente. Agradecemos que consulte o nosso portal (www.ipcc.gov.uk ) para obter as informações que necessita. Recorrer contra a investigação da polícia relativamente à sua reclamação Posso recorrer do resultado da investigação da polícia relativamente à minha reclamação? Sim, poderá recorrer se: não recebeu informação suficiente sobre os resultados da investigação ou sobre as medidas que a polícia tenciona tomar discordar dos resultados da investigação discordar das medidas que a polícia tenciona tomar como resultado da investigação achar que a polícia não tomou a decisão correta sobre se o agente, objeto da sua reclamação, deve responder por comportamento impróprio ou por comportamento impróprio grave, ou se o desempenho desta não foi satisfatório. discordar da decisão que a polícia tomou de não encaminhar a investigação de uma reclamação para o Serviço de Procuradoria da Coroa (Crown Prosecution Service - CPS) Mais informações sobre cada uma destas situações podem ser consultadas nas páginas três a cinco. Como é que apresento um recurso? Terá sido informado sobre como apresentar um recurso e a quem recorrer. Se isso não aconteceu, agradecemos que contacte a força policial que tratou da sua reclamação. 1

2 A quem é que apresento um recurso? Quando a polícia lhe escreveu sobre o resultado da sua investigação, também o informaram sobre a quem poderia recorrer. Estes poderão ser o chefe da força policial ou a IPCC e deve enviar o seu recurso para a organização pertinente. Para evitar atrasos, assegure-se de que envia o seu recurso para a organização que lhe foi indicada para tratar do seu recurso. Recorrer para a IPCC Tem três opções. Deve escolher entre uma das seguintes: usar o formulário de recurso da IPCC na Internet imprimir, preencher e enviar o formulário de recurso, por correio, para a IPCC preencher o formulário de recurso na Internet, guardá-lo e enviá-lo por correio eletrónico para a IPCC. Temos de receber o seu recurso num prazo de 29 dias a contar da data da carta a informá-lo sobre os resultados da reclamação. Isto inclui o tempo que o seu recurso passa no correio. Se não recebermos o seu recurso no prazo de 29 dias, não temos que avaliar o seu recurso. Poderá ser possível alargar este prazo, caso tenha circunstâncias muito especiais e possa explicar totalmente as razões para solicitar o alargamento do prazo. Como é que o meu recurso será tratado? Receberá uma carta para o informar que recebemos o seu formulário de recurso. O seu recurso será então analisado e será tomada uma decisão. Se a IPCC for responsável por tratar do seu recurso, também contactaremos a força policial ou a organização à qual apresentou a reclamação, para os informar do seu recurso. Enviar-lhes-emos uma cópia do seu recurso e pediremos quaisquer informações que tenham relativamente à sua reclamação original. Tenha em atenção que durante o processo de recurso, a sua reclamação original não será investigada. O recurso analisará se o resultado da investigação da polícia foi o adequado. O recurso considerará a seguintes questões: A informação fornecida foi suficiente para que entendesse as constatações e os resultados da investigação? As constatações eram adequadas e baseadas em provas? Omitiu-se alguma linha de investigação? As medidas propostas pelas autoridades competentes eram proporcionais e adequadas? 2

3 Este assunto deveria ter sido encaminhado para o Serviço de Procuradoria da Coroa (Crown Prosecution Service - CPS) para ser analisado? Existiam provas de um crime? Existe um caso para responder ou um desempenho não satisfatório? Se o seu recurso for sustentado Se o seu recurso for sustentado, receberá uma carta indicando-lhe o que sucede a seguir. Esta tem de informá-lo sobre a(s) medida(s) planeada(s). Se o seu recurso não for sustentado Se o seu recurso não for sustentado, receberá uma carta sobre esta decisão. O que devo fazer se necessitar de mais aconselhamento? Elaborámos algumas Perguntas Frequentes (FAQs) sobre os recursos. Pode consultá-las no nosso portal. Se ainda não tiver a certeza sobre o que fazer a seguir ou se necessitar de mais informação, contacte a força policial que tratou da sua reclamação, ou a IPCC. Também pode falar com um conselheiro jurídico. Contacte a força policial ou a IPCC se tiver dificuldades em preencher o formulário na Internet ou em papel, ou se necessitar deste formulário noutra língua ou noutro formato. Mais informações sobre os cenários anteriormente indicados: Não recebeu informações suficientes sobre os resultados da investigação ou sobre as medidas que a força policial tenciona tomar. No final da investigação sobre a sua reclamação, a força policial deve: dar-lhe uma boa explicação sobre as conclusões da investigação, dizer-lhe se pretende agir perante o que foi apurado e, se assim for, que medidas tencionam tomar, falar-lhe sobre o seu direito de recorrer e a quem o deve fazer. A força policial poderá fornecer-lhe uma cópia do relatório do seu investigador para que fique com esta informação. Alternativamente, podem comunicar-lhe isto por carta ou por correio eletrónico. Pode recorrer caso ache que a força policial não lhe forneceu informação suficiente que lhe permita compreender o resultado da investigação à sua reclamação ou que medidas pretendem tomar no seguimento da mesma. 3

4 Se discordar dos resultados da investigação. A investigação da polícia relativamente à sua reclamação irá reunir provas para estabelecer os factos sobre os quais reclamou. Estes factos são os resultados da mesma. Tem de ter em atenção que a investigação da polícia será proporcional à gravidade da sua reclamação e aos resultados prováveis. Pode recorrer se achar que os resultados da investigação precisam de ser reavaliados. Por exemplo, se: algumas testemunhas que considera importantes não foram encontradas e/ou entrevistadas achar que a polícia não compreendeu devidamente o teor da sua reclamação achar que certas partes da sua reclamação não foram investigadas achar que as provas que a polícia reuniu não sustentam as conclusões a que chegaram achar que a polícia não chegou à decisão correta, sobre sustentar ou não a sua reclamação Se discordar das medidas que a força policial tenciona tomar em resultado da investigação. Quando a força policial o informar sobre os resultados da investigação, também o devem informar sobre as medidas que tencionam tomar na sequência da mesma. Isto poderá significar alterações na forma como a polícia trabalha, um pedido de desculpa e o compromisso de evitar que isso volte a acontecer a outra pessoa ou o aconselhamento do agente sobre o qual reclamou, proporcionado pela sua chefia. Em alguns casos graves, poderá significar que o agente terá de explicar a sua atitude em procedimentos formais de comportamento impróprio. Alternativamente, poderão existir razões para a polícia não tomar nenhuma medida. Pode recorrer se discordar das medidas que a polícia pretende tomar. Por exemplo, se achar que: a polícia não fez o suficiente para evitar que o mesmo volte a acontecer as medidas que a polícia afirmou que iria tomar relativamente à pessoa sobre a qual reclamou não são as corretas. Se achar que a polícia não tomou a decisão correta sobre se o agente sobre o qual reclamou deve responder por comportamento impróprio ou por comportamento impróprio grave, ou se o desempenho desta não foi satisfatório 4

5 No final da investigação da sua reclamação, a polícia decidirá se o agente sobre o qual reclamou deve responder por comportamento impróprio ou por comportamento impróprio grave, ou se o desempenho desta não foi satisfatório. Comportamento impróprio significa que o agente fez algo que não cumpre os Padrões do Comportamento Profissional esperados de um agente. Comportamento impróprio grave significa que o não cumprimento desses padrões foi tão grave que o agente poderá perder o seu emprego. Desempenho não satisfatório significa que o agente não cumpriu o seu dever ou não tem capacidade para cumprir o seu dever a um nível satisfatório. No entanto, este comportamento não viola os Padrões do Comportamento Profissional esperados de um agente. Pode recorrer quando a polícia disser que um agente não tem que responder por nada e achar que ele tem. Também pode recorrer se a polícia disser que um agente tem que responder por um caso de comportamento impróprio e achar que deveria ser por comportamento impróprio grave. Se discordar da decisão da força policial de não encaminhar a investigação da reclamação para o Serviço de Procuradoria da Coroa (CPS). Quando a polícia terminar a investigação da sua reclamação, decidirá se irá enviar a sua reclamação para o CPS para ser avaliada. A polícia deverá enviar a sua reclamação para o CPS se achar que possa ter sido cometido um crime. Podem existir algumas circunstâncias em que isso não seja adequado e a polícia decidirá se é esse o caso. O CPS toma decisões sobre se alguém acusado de um crime será ou não acusado num tribunal criminal. Pode recorrer se a polícia decidir não enviar a sua reclamação para o CPS e achar que o deveria ter feito. Quando a polícia enviar a sua reclamação para o CPS, isto não significa necessariamente que o CPS irá decidir processar o agente sobre o qual reclamou. Não poderá recorrer se o CPS decidir não processar o agente. A IPCC não tem poderes para alterar as decisões do CPS. Tenha em atenção que: não pode recorrer se a investigação sobre a sua reclamação tiver sido gerida ou efetuada independentemente pela IPCC. 5

Informações importantes sobre a apresentação de uma reclamação

Informações importantes sobre a apresentação de uma reclamação Informações importantes sobre a apresentação de uma reclamação Quem pode fazer uma reclamação? Pode fazer uma reclamação se: for confrontado com um comportamento inapropriado por parte de um agente ou

Leia mais

Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido

Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido Os direitos neste Aviso são-lhe garantidos ao abrigo da lei da Inglaterra e do Pais de Gales e estão em conformidade com a Directiva da UE 2012/13 nos

Leia mais

> passo a passo como apresentar uma queixa contra a polícia

> passo a passo como apresentar uma queixa contra a polícia > passo a passo como apresentar uma queixa contra a polícia apresentar uma queixa contra a polícia IPCC significa Comissão Independente para Queixas contra a Polícia (Independent Police Complaints Commission).

Leia mais

Neste documento, encontrará mais informações sobre os seus direitos e o modo como deverá ser tratado e cuidado pela polícia.

Neste documento, encontrará mais informações sobre os seus direitos e o modo como deverá ser tratado e cuidado pela polícia. Lei do Combate ao Terrorismo de 2000 Lembre-se dos seus direitos enquanto estiver detido Os seguintes direitos e regalias são-lhe garantidos, ao abrigo da lei de Inglaterra e do País de Gales e estão em

Leia mais

Carta de Direitos. Os seus direitos:

Carta de Direitos. Os seus direitos: Carta de Direitos Este folheto fornece-lhe informações importantes sobre os seus direitos enquanto se encontra na esquadra da polícia. Por direitos, entendemos importantes liberdades e apoios que a lei

Leia mais

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Acerca deste folheto

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Acerca deste folheto O Papel do DPP Gabinete do Procurador-Geral Novembro 2015 O Papel do DPP 3 Acerca deste folheto Este livreto explica em linguagem clara o que o Escritório do Procurador-Geral (DPP) faz. O livreto tenta

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

O Plano para Reclamações do Immigration Services Commissioner (Comissariado dos Serviços de Imigração)

O Plano para Reclamações do Immigration Services Commissioner (Comissariado dos Serviços de Imigração) O Plano para Reclamações do Immigration Services Commissioner (Comissariado dos Serviços de Imigração) Formulário de reclamação www.oisc.gov.uk Regulamentação da Consultoria de Imigração Pode reclamar

Leia mais

ADMISSÃO HOSPITALAR PARA AVALIAÇÃO

ADMISSÃO HOSPITALAR PARA AVALIAÇÃO ADMISSÃO HOSPITALAR PARA AVALIAÇÃO (Secção 2 da Lei de Saúde Mental de 1983) 1. NOME DO DOENTE 2. NOME DO RESPONSÁVEL PELO SEU TRATAMENTO (O SEU MÉDICO RESPONSÁVEL ) 3. NOME DO HOSPITAL E ENFERMARIA Porque

Leia mais

O que esperar do seu médico: um guia para pacientes. Com base em boas práticas médicas

O que esperar do seu médico: um guia para pacientes. Com base em boas práticas médicas O que esperar do seu médico: um guia para pacientes Com base em boas práticas médicas Os pacientes recebem os melhores cuidados quando trabalham em parceria com os médicos. Este guia explica como pode

Leia mais

(Atos legislativos) DIRETIVAS

(Atos legislativos) DIRETIVAS 6.11.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 294/1 I (Atos legislativos) DIRETIVAS DIRETIVA 2013/48/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de outubro de 2013 relativa ao direito de acesso a um advogado

Leia mais

Se está envolvido ou presenciou uma emergência tal como crime, fogo ou acidente, telefone de imediato para o 999.

Se está envolvido ou presenciou uma emergência tal como crime, fogo ou acidente, telefone de imediato para o 999. Secção 8 Serviços de emergência e segurança Se está envolvido ou presenciou uma emergência tal como crime, fogo ou acidente, telefone de imediato para o 999. Ligar para o 999 a partir de casa ou de uma

Leia mais

Comparecendo em Juízo como Testemunha

Comparecendo em Juízo como Testemunha 3 Introdução Comparecer em juízo pode ser estressante para muitas vítimas e testemunhas. Se você precisar testemunhar em um julgamento criminal, esperamos que este livreto ajude você a compreender o que

Leia mais

Carta- Modelo UE dos Direitos das pessoas suspeitas e arguidos em processo penal

Carta- Modelo UE dos Direitos das pessoas suspeitas e arguidos em processo penal Portuguese Carta- Modelo UE dos Direitos das pessoas suspeitas e arguidos em processo penal Tem direito a guardar consigo esta carta de direitos durante a sua detenção Se a polícia o privou da sua liberdade

Leia mais

Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali (EthicsPoint)

Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali (EthicsPoint) Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali (EthicsPoint) Denúncias - Geral Segurança das denúncias Confidencialidade e proteção de dados Sobre a linha de apoio de compliance do Grupo Generali

Leia mais

Números de telefone úteis ou de agências de apoio. Sigilo é garantido em todos estes serviços. Serviço de testemunha: 020 8700 9342 ou 020 8700 9448

Números de telefone úteis ou de agências de apoio. Sigilo é garantido em todos estes serviços. Serviço de testemunha: 020 8700 9342 ou 020 8700 9448 Violência doméstica inclui qualquer forma de abuso físico, sexual, emocional ou financeiro durante ou depois de um relacionamento íntimo. A culpa não é sua; comportamento abusivo nunca é aceitável. Apoio

Leia mais

Garantia de Bagagem. indemnização pelos danos causados na bagagem, ou, recebendo, do valor indemnizado;

Garantia de Bagagem. indemnização pelos danos causados na bagagem, ou, recebendo, do valor indemnizado; Garantia de Bagagem Caro (a) Segurado (a), Lamentamos o incidente ocorrido durante a sua viagem, mas ficamos satisfeitos por poder-lhe oferecer a possibilidade de aceder on-line aos formulários de participação

Leia mais

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Introdução

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Introdução 3 Introdução Este livreto explica em linguagem clara o que o (DPP) faz. O livreto tenta responder às perguntas que as pessoas nos fazem mais frequentemente. Ele não lida com cada situação possível e não

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado

Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado Perguntas Frequentes sobre a Rede de Apoio ao Consumidor Endividado A Direção-Geral do Consumidor (DGC) apresenta um conjunto de respostas às perguntas suscitadas com maior frequência. Em caso de dúvida,

Leia mais

O seu direito de contestar a decisão tomada relativamente ao seu pedido

O seu direito de contestar a decisão tomada relativamente ao seu pedido O seu direito de contestar a decisão tomada relativamente ao seu pedido O seu direito de contestar a decisão tomada relativamente ao seu pedido Seguro Social pretende garantir que recebe O as pensões do

Leia mais

PARECER N.º 103/CITE/2010

PARECER N.º 103/CITE/2010 PARECER N.º 103/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, por facto imputável à trabalhadora, nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

- Aviso n.º 14/2009-AMCM -

- Aviso n.º 14/2009-AMCM - - Aviso n.º 14/2009-AMCM - ASSUNTO: SUPERVISÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA GUIA PARA AS INSTITUIÇÕES SEGURADORAS AUTORIZADAS REFERENTE AO TRATAMENTO DE QUEIXAS DE TOMADORES DOS SEGUROS/CLIENTES/TERCEIROS

Leia mais

SEGURO SEGURO O ABC DO. Em colaboração com: Agradecimentos: Ministério de Finanças e Planeamento Económico da República do Ghana. GTZ-Ghana.

SEGURO SEGURO O ABC DO. Em colaboração com: Agradecimentos: Ministério de Finanças e Planeamento Económico da República do Ghana. GTZ-Ghana. ASSOCIAÇÃO MOÇAMBICANA DOS OPERADORES DE MICROFINANÇAS O ABC DO SEGURO O ABC DO SEGURO Em colaboração com: Agradecimentos: Ministério de Finanças e Planeamento Económico da República do Ghana. GTZ-Ghana.

Leia mais

Ação Institucional. Atividades associadas a criança/adolescente. Fluxo. Fatos concretos. Referência legal. Decisão

Ação Institucional. Atividades associadas a criança/adolescente. Fluxo. Fatos concretos. Referência legal. Decisão Ação Institucional Atividades associadas a criança/adolescente Fluxo Fatos concretos Referência legal Decisão Ações junto as famílias e comunidade Observações Indicação externa Alerta para guia (Curto-circuito)

Leia mais

Política de Privacidade da Fieldglass

Política de Privacidade da Fieldglass Política de Privacidade da Fieldglass Histórico de revisão Histórico de revisão do documento Revisão Data Resumo de alterações Autor(es) 1 Fevereiro de 2014 Política de privacidade alinhada com padrões

Leia mais

ALERTAS DE ASSISTÊNCIA E RECLAMAÇÕES FORMAIS

ALERTAS DE ASSISTÊNCIA E RECLAMAÇÕES FORMAIS PARTNERS FOR IMPROVEMENT IN ISLINGTON ALERTAS DE ASSISTÊNCIA E RECLAMAÇÕES FORMAIS প র ষব সতrক ব তর eব ব ধবত a ভ য গ Bengali ΕΙ ΟΠΟΙΗΣΕΙΣ ΥΠΟΣΤΗΡΙΞΗΣ & ΤΥΠΙΚΕΣ ΚΑΤΑΓΓΕΛΙΕΣ Greek ALERTAS DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

student complaints procedure (Portuguese)

student complaints procedure (Portuguese) student complaints procedure (Portuguese) Reclamações contra os centros afiliados ao English UK Este documento descreve como o English UK lida com reclamações contra os seus centros de linguagem afiliados.

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO

TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO TRIBUNAL ARBITRAL DO DESPORTO REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO INDICE ARTIGO 1.º - Norma habilitante ARTIGO 2.º - Natureza da mediação ARTIGO 3.º - Convenção de mediação ARTIGO 4.º - Âmbito

Leia mais

Cancelamento de Viagem

Cancelamento de Viagem Cancelamento de Viagem Caro (a) Segurado (a), Lamentamos o incidente ocorrido, mas ficamos satisfeitos por podermos oferecer-lhe a possibilidade de aceder on-line aos formulários de participação de sinistro.

Leia mais

Ministério da Justiça. Um guia para os. Procuradores. e para os Inquéritos

Ministério da Justiça. Um guia para os. Procuradores. e para os Inquéritos Ministério da Justiça Um guia para os Procuradores e para os Inquéritos Um guia para os Procuradores e para os Inquéritos Conteúdo 1. O que é um procurador? 3 2. O que é que os procuradores fazem? 4 3.

Leia mais

CONSENTIMENTO Aquilo a que tem direito:

CONSENTIMENTO Aquilo a que tem direito: CONSENTIMENTO Aquilo a que tem direito: Guia para adultos Consentimento depende de si Quando um médico, dentista, enfermeiro, assistente social ou terapeuta lhe pede para se submeter a qualquer tipo de

Leia mais

Cancelamento de Viagem

Cancelamento de Viagem Cancelamento de Viagem Caro (a) Segurado (a), Lamentamos o incidente ocorrido, mas ficamos satisfeitos por podermos oferecer-lhe a possibilidade de aceder on-line aos formulários de participação de sinistro.

Leia mais

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial

Guia prático. Rede Judiciária Europeia em matéria civil e comercial Utilização da videoconferência para obtenção de provas em matéria civil e comercial, ao abrigo do Regulamento (CE) n.º 1206/2001 do Conselho, de 28 de Maio de 2001 Guia prático Rede Judiciária Europeia

Leia mais

Portal Senac/SC. Outubro de 2010

Portal Senac/SC. Outubro de 2010 Portal Senac/SC Roteiro Testes com Usuários Outubro de 2010 Orientações Gerais Sua participação é fundamental para a construção do novo Portal do Senac, por isso, precisamos da sua atenção para o preenchimento

Leia mais

Estudo sobre Serviços e Apoios Não Residenciais de Violência Doméstica Formulário de feedback sobre o programa

Estudo sobre Serviços e Apoios Não Residenciais de Violência Doméstica Formulário de feedback sobre o programa Código do programa: Código do estado: Estudo sobre Serviços e Apoios Não Residenciais de Violência Doméstica Formulário de feedback sobre o programa Instruções: Responda às perguntas abaixo relacionadas

Leia mais

Garantia de Bagagem. Caro (a) Segurado (a),

Garantia de Bagagem. Caro (a) Segurado (a), Garantia de Bagagem Caro (a) Segurado (a), Lamentamos o incidente ocorrido durante a sua viagem, mas ficamos satisfeitos por poder-lhe oferecer a possibilidade de aceder on-line aos formulários de participação

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre o Certificado Sucessório Europeu

Perguntas Frequentes sobre o Certificado Sucessório Europeu Perguntas Frequentes sobre o Certificado Sucessório Europeu 1- O que é o Certificado Sucessório Europeu (CSE)? 2- Que instrumento jurídico criou o CSE? 3- Quem pode pedir o CSE? 4- Um credor pode pedir

Leia mais

Departamento de Segurança Nacional (DHS) Queixa Referente a Escritório de Direitos e Liberdades Civis (CRCL) Versão Impressa (versão de 15/03/2011)

Departamento de Segurança Nacional (DHS) Queixa Referente a Escritório de Direitos e Liberdades Civis (CRCL) Versão Impressa (versão de 15/03/2011) Departamento de Segurança Nacional (DHS) Queixa Referente a Escritório de Direitos e Liberdades Civis (CRCL) Direitos Civis Versão Impressa (versão de 15/03/2011) O objetivo deste formulário é ajudá-lo

Leia mais

ignorado, como, muito mais grave ainda, considerado procedimento Desde o dito português de que entre marido e mulher não metas a

ignorado, como, muito mais grave ainda, considerado procedimento Desde o dito português de que entre marido e mulher não metas a S. R. PROCURADORIA-GERAL DA REPÚBLICA Gabinete do Procurador-Geral da República O problema da violência doméstica em Portugal foi durante anos não só ignorado, como, muito mais grave ainda, considerado

Leia mais

Programa de Apoio à Restauração e Hotelaria para a Aquisição de Produtos Regionais

Programa de Apoio à Restauração e Hotelaria para a Aquisição de Produtos Regionais Programa de Apoio à Restauração e Hotelaria para a Aquisição de Produtos Regionais Perguntas Frequentes 1 Qual a legislação que regulamenta o Programa de Apoio à Restauração e Hotelaria para a Aquisição

Leia mais

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo Aqui são apresentadas as conclusões finais deste estudo, as suas limitações, bem como algumas recomendações sobre o ensino/aprendizagem da Expressão/Educação Musical com o programa Finale. Estas recomendações

Leia mais

Garantia Assistência Médica Repatriamento

Garantia Assistência Médica Repatriamento Garantia Assistência Médica Repatriamento Caro (a) Segurado (a), Lamentamos o incidente ocorrido durante a sua viagem, mas ficamos satisfeitos por poder-lhe oferecer a possibilidade de aceder on-line aos

Leia mais

Série I, N. 25 SUMÁRIO. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.50

Série I, N. 25 SUMÁRIO. Jornal da República PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE $ 0.50 Quarta-Feira, 7 de Julho de 2010 Série I, N. 25 $ 0.50 PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR - LESTE SUMÁRIO PARLAMENTO NACIONAL : LEI N. 7/2010 de 7 de Julho Lei Contra a Violência Doméstica...

Leia mais

Apresentar queixa por corrupção à ICAC

Apresentar queixa por corrupção à ICAC Apresentar queixa por corrupção à ICAC A função da ICAC A Comissão Independente Contra a Corrupção foi fundada em 1988 para investigar e reduzir a corrupção no sector público de NSW. Sobre a ICAC A ICAC

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REQUERENTES DE VISTOS DE IMIGRAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA REQUERENTES DE VISTOS DE IMIGRAÇÃO INSTRUÇÕES PARA REQUERENTES DE VISTOS DE IMIGRAÇÃO Luanda-Angola Resumo Introdução V.Exa. encontra-se inscrito no Centro Nacional de Vistos (National Visa Center, NVC) para requerer um visto de imigração

Leia mais

IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE DE VEÍCULOS AUTOMOTORES IPVA

IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE DE VEÍCULOS AUTOMOTORES IPVA IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE DE VEÍCULOS AUTOMOTORES IPVA IMPOSTO SOBRE A PROPRIEDADE DE VEÍCULOS AUTOMOTORES IPVA Informações Gerais Como consultar o valor do IPVA? É possível consultar o valor do IPVA

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Perguntas e Respostas

Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Perguntas e Respostas Tribunal Europeu dos Direitos do Homem Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas O que é o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem? Estas perguntas e respostas foram elaboradas pela Secretaria do Tribunal.

Leia mais

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos.

Abaixo, você encontra perguntas e respostas frequentes sobre o exercício profissional dos médicos. Consultas à Defesa Anualmente, o Departamento de Defesa Profissional da Associação Paulista de Medicina (APM) realiza cerca de mil atendimentos, esclarecendo dúvidas sobre uma série de assuntos e garantindo

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Apoio judiciário a Vale e Azevedo contestado em Inglaterra

Apoio judiciário a Vale e Azevedo contestado em Inglaterra Apoio judiciário a Vale e Azevedo contestado em Inglaterra Lusa, 15.03.2012 Vale e Azevedo tem vários processos pendentes em Portugal É já enorme a quantia de dinheiro dos contribuintes portugueses que

Leia mais

Broward County Public Schools Educação de Estudantes Excepcionais Programa para Superdotados (Exceptional Student Education - Gifted Program)

Broward County Public Schools Educação de Estudantes Excepcionais Programa para Superdotados (Exceptional Student Education - Gifted Program) Salvaguardas Processuais para Estudantes Excepcionais que São Superdotados 6A-6.03313 Salvaguardas Processuais para Estudantes Excepcionais que São Superdotados. Informar os pais sobre os seus direitos

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE ARTIGO 1º SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE DE SEGUROS 1. O Serviço de Provedoria do Cliente de Seguros é criado por tempo indeterminado e visa a disponibilização

Leia mais

Reduzir o custo do seguro automóvel.

Reduzir o custo do seguro automóvel. Reduzir o custo do seguro automóvel. The Consumer Council Tudo o que precisa saber sobre o seguro automóvel e como obter a melhor oferta. Índice Tipos de cobertura. 1 O que é a franquia do seguro? 3 O

Leia mais

INOR - A EXPERIÊNCIA A SERVIÇO DA QUALIDADE

INOR - A EXPERIÊNCIA A SERVIÇO DA QUALIDADE ESTRUTURA DESTE DOCUMENTO: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Nº da Revisão Histórico das Alterações 0 Emissão inicial aprovada.

Leia mais

%&' ()*+,-,.%,& /-,. +/0, &,-,.

%&' ()*+,-,.%,& /-,. +/0, &,-,. ICC-02/05-01/07-18-tPOR 05-06-2007 1/5 SL PT!"#$ %&' ()*+,-,.%,& /-,. +/0, &,-,. &1,' 2&/!(#$3 (""- $ ( 4 5 &%67/, %(!( %("!!(!!"3(3 8!(9!#$!":((;*

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão ao pedido de acesso à informação. Informações sigilosas

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão ao pedido de acesso à informação. Informações sigilosas Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 99923.000271/201-2 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente: Recurso contra decisão ao

Leia mais

PARECER N.º 168/CITE/2009

PARECER N.º 168/CITE/2009 PARECER N.º 168/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Processo n.º 903 DL/2009

Leia mais

PARECER N.º 11/CITE/2005

PARECER N.º 11/CITE/2005 PARECER N.º 11/CITE/2005 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto, conjugado com a alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º

Leia mais

ElectroControlo M01 Manual do Utilizador

ElectroControlo M01 Manual do Utilizador Manual do Utilizador Luis Panao 2015 INDICE Introdução 1 Funcionalidades 3 - Consultar 4 - Comunicar 7 - Financeiro 12 Ficha técnica 17 Luis Panao 2015 1 INTRODUÇÃO De acordo com o desafio deste projecto,

Leia mais

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos

Direitos das Vítimas. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos Direitos das Vítimas Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos O tráfico de seres humanos viola os direitos e destrói as vidas de inúmeras pessoas na Europa e fora

Leia mais

Thomas Hub Guia do Utilizador

Thomas Hub Guia do Utilizador Thomas Hub Guia do Utilizador O seu novo e melhorado sistema de apoio à decisão sobre pessoas Descubra a forma simples e rápida de diagnosticar e desenvolver o Capital Humano Acompanhe-nos 1 Guia do Utilizador

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELA UE/PELO FED

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCIADO PELA UE/PELO FED Divulgação limitada à Entidade Adjudicante e ao autor do documento, tendo em vista proteger os dados pessoais e a vida privada, bem como a confidencialidade de informações comerciais e industriais FORMULÁRIO

Leia mais

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio

Barómetro APAV INTERCAMPUS Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio 1 Barómetro APAV Perceção da População Portuguesa sobre a Violência contra Crianças e Jovens Preparado para: Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) Outubro de 2015 2 Índice 1 Objetivos e Metodologia

Leia mais

PARECER N.º 31/CITE/2005

PARECER N.º 31/CITE/2005 PARECER N.º 31/CITE/2005 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do artigo 51.º do Código do Trabalho e do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.º

Leia mais

GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA

GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA GUIA PRÁTICO MEDIDA EXCECIONAL DE APOIO AO EMPREGO - REDUÇÃO DE 0,75 PONTOS PERCENTUAIS DA TAXA CONTRIBUTIVA A CARGO DA ENTIDADE EMPREGADORA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia

Leia mais

EIOPA(BoS(13/164 PT. Orientações relativas ao tratamento de reclamações por mediadores de seguros

EIOPA(BoS(13/164 PT. Orientações relativas ao tratamento de reclamações por mediadores de seguros EIOPA(BoS(13/164 PT Orientações relativas ao tratamento de reclamações por mediadores de seguros EIOPA WesthafenTower Westhafenplatz 1 60327 Frankfurt Germany Phone: +49 69 951119(20 Fax: +49 69 951119(19

Leia mais

SÉRIE NORMAS INTERNACIONAIS UM MODELO DE LEGISLAÇÃO SOBRE LIBERDADE DE INFORMAÇÃO.

SÉRIE NORMAS INTERNACIONAIS UM MODELO DE LEGISLAÇÃO SOBRE LIBERDADE DE INFORMAÇÃO. SÉRIE NORMAS INTERNACIONAIS UM MODELO DE LEGISLAÇÃO SOBRE LIBERDADE DE INFORMAÇÃO. ARTIGO19 (Campanha Global para a Expressão Livre) CPA(Centro para Alternativas Políticas) INICIATIVA DOS DIREITOS HUMANOS

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO PT PT PT COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 12.2.2009 COM(2009) 54 final Proposta de REGULAMENTO DO CONSELHO que encerra o reexame intercalar parcial das medidas anti-dumping aplicáveis aos porta-paletes

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais

1.3 "Instituição", as escolas de idiomas, colégios, faculdades e / ou universidades que o Estudante se compromete a estudar;

1.3 Instituição, as escolas de idiomas, colégios, faculdades e / ou universidades que o Estudante se compromete a estudar; Termos e Condições Estes Termos e Condições entrarão em vigor no momento em que o formulário de registro for aceito pela LAISRA Ltd. A aceitação da sua reserva entrará em vigor quando enviarmos a você

Leia mais

13º. Como organizar os estudos ELISABETE VIDO. Como resolver questões objetivas MARCO ANTONIO ARAUJO JUNIOR

13º. Como organizar os estudos ELISABETE VIDO. Como resolver questões objetivas MARCO ANTONIO ARAUJO JUNIOR 13º Como resolver questões objetivas Como organizar os estudos ELISABETE VIDO MARCO ANTONIO ARAUJO JUNIOR POR ONDE COMEÇAR A PROVA TIPOS DE QUESTÕES HORA DE PASSAR PARA O GABARITO A IMPORTÂNCIA DE TREINAR

Leia mais

ERMOS & CONDIÇÕES Ao aceder a este site

ERMOS & CONDIÇÕES Ao aceder a este site TERMOS & CONDIÇÕES Ao aceder a este site, ou a qualquer conteúdo do mesmo, o utilizador toma conhecimento e estabelece um acordo com a SDEA Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores, EPER

Leia mais

Como reclamar de um profissional de saúde. Índice

Como reclamar de um profissional de saúde. Índice Como reclamar de um profissional de saúde Índice Acerca desta brochura... 1 O que é o HPC?... 1 O que significa aptidão para exercer?... 2 E se não ficar satisfeito com um registante?... 2 Quem pode fazer

Leia mais

1 Objetivo Apresentar as atividades de pré-auditoria, execução e atividade pós-auditoria, para servir de base aos trabalhos dos auditores.

1 Objetivo Apresentar as atividades de pré-auditoria, execução e atividade pós-auditoria, para servir de base aos trabalhos dos auditores. Título: PLANEJAMENTO DE AUDITORIAS Palavra-chave: AUDITORIAS Código: PO 14.01 Elaboração: COUTINHO, S. V.; ZANELLA. G. Versão: 01 Revisão: PEREIRA, G.R; WACHHOLZ, F.D; ZANELLA, G. Aprovação: COMA Data:

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME APLICÁVEL À PROTECÇÃO DOS DIREITOS DOS CONSUMIDORES EM MATÉRIA DE CONTRATOS CELEBRADOS À DISTÂNCIA

ALTERAÇÕES AO REGIME APLICÁVEL À PROTECÇÃO DOS DIREITOS DOS CONSUMIDORES EM MATÉRIA DE CONTRATOS CELEBRADOS À DISTÂNCIA NEWSLETTER 01.04.2014 TMT ALTERAÇÕES AO REGIME APLICÁVEL À PROTECÇÃO DOS DIREITOS DOS CONSUMIDORES EM MATÉRIA DE CONTRATOS CELEBRADOS À DISTÂNCIA Decreto-Lei n.º 24/2014, de 14 de Fevereiro, (Transpõe

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta

CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À INTERNET Minuta I CONDIÇÕES GERAIS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE ACESSO À "INTERNET" Minuta O PRESENTE CONTRATO FOI APROVADO PELO INSTITUTO DAS COMUNICAÇÕES DE PORTUGAL, NOS TERMOS E PARA OS EFEITOS DO ARTIGO 9/2 DO DECRETO

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, 25.6.2003 L 156/17 DIRECTIVA 2003/35/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de Maio de 2003 que estabelece a participação do público na elaboração de certos planos e programas relativos ao ambiente

Leia mais

Internet Update de PaintManager TM. Manual de registo do utilizador

Internet Update de PaintManager TM. Manual de registo do utilizador Internet Update de PaintManager TM Manual de registo do utilizador ÍNDICE O que é o registo CTS? 3 Como é realizado o pedido de registo? 3 Opção 1: Se o número de registo CTS for conhecido 3 Passo 1: 3

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 011/2013 DE 19 DE AGOSTO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 011/2013 DE 19 DE AGOSTO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 011/2013 DE 19 DE AGOSTO DE 2013 Ementa: Dispõe sobre o programa de avaliação dos servidores em estágio probatório, conforme especifica. A Presidenta da Autarquia do Ensino Superior de Garanhuns

Leia mais

MODELO QUEIXA-CRIME. (especificar a Vara de acordo com o problema)

MODELO QUEIXA-CRIME. (especificar a Vara de acordo com o problema) Disciplina Processo Penal Aula 10 Professora Beatriz Abraão MODELO DE PETIÇÃO DE INTERPOSIÇÃO E RAZÕES DE APELAÇÃO EM CASO DE CONDENAÇÃO POR CRIME COMUM Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da...

Leia mais

REGULAMENTO DE PROVA

REGULAMENTO DE PROVA REGULAMENTO DE PROVA O evento Desafio Cascais Desnível D+ consiste numa prova de corrida aventura não oficial, destinada essencialmente a todos aqueles que querem experimentar a modalidade mas também aos

Leia mais

ESCOLAS PÚBLICAS DE MEDFORD

ESCOLAS PÚBLICAS DE MEDFORD ESCOLAS PÚBLICAS DE MEDFORD Intimidação (Bullying) Plano de Prevenção e Intervenção Aprovado pelo Comitê das Escolas de Medford 20 de Dezembro, 2010 Roy E. Belson, Superintendente de Escolas Beverly G.

Leia mais

GRUPO DE CONTACTO DOS DIRETORES

GRUPO DE CONTACTO DOS DIRETORES GRUPO DE CONTACTO DOS DIRETORES PRIMEIRA EDIÇÃO (4 de junho de 2014) LISTA DE VERIFICAÇÃO PARA CONTRATAR UM BOM CONSULTOR I. Trabalho de preparação a nível interno II. Critérios pessoais de um consultor

Leia mais

(Preâmbulo) Ao abrigo do disposto no artigo 25.º da Lei n.º 62/2007 de 10 de Setembro (RJIES) é aprovado o seguinte Regulamento: Artigo 1.

(Preâmbulo) Ao abrigo do disposto no artigo 25.º da Lei n.º 62/2007 de 10 de Setembro (RJIES) é aprovado o seguinte Regulamento: Artigo 1. (Preâmbulo) Ao abrigo do disposto no artigo 25.º da Lei n.º 62/2007 de 10 de Setembro (RJIES) é aprovado o seguinte Regulamento: Artigo 1.º (Âmbito) O presente regulamento define as funções e competências

Leia mais

POLÍTICA DE DENÚNCIAS

POLÍTICA DE DENÚNCIAS (constituída nas Bermudas com responsabilidade limitada) (Código de negociação em bolsa: 1768) (a Sociedade ) POLÍTICA DE DENÚNCIAS 1. Objetivo Esta Política estabelece os meios que: a) os funcionários

Leia mais

Termos e Condições Cartão de descontos em Serviços Auto

Termos e Condições Cartão de descontos em Serviços Auto Termos e Condições Cartão de descontos em Serviços Auto 1. A presente oferta é válida para Residentes em Portugal, maiores de 18 anos. Não pode ser usada conjuntamente com qualquer outra oferta promocional

Leia mais

omo ser um bom cidadão?

omo ser um bom cidadão? C omo ser um bom cidadão? Conhecer os processos para denunciar o crime Cooperação entre polícia e cidadãos 993 Prevenção e combate à criminalidade Índice Quando souber de um crime... P. 2 Como efectuar

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação

Tecnologias da Informação e Comunicação SUBDOMÍNIO CC8.1. CONHECIMENTO E UTILIZAÇÃO ADEQU ADA E SEGURA DE DIFERENTES TIPOS DE FERRAMENTAS DE COMUNICAÇÃO, DE ACORDO COM AS SITUAÇÕES DE COMUNICAÇÃO E AS REGRAS DE CONDUTA E DE FUNCIONAMENTO DE

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS. PERGUNTAS MAIS FREQUENTES (FAQs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS. PERGUNTAS MAIS FREQUENTES (FAQs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS REGIME DE CANDIDATURA DE ATRIBUIÇÃO DOS TÍTULOS DE ESPECIALIDADE DO COLÉGIO DE BIOLOGIA HUMANA E SAÚDE (INSTRUÇÕES PARA O SECRETARIADO) PERGUNTAS MAIS FREQUENTES (FAQs) Gostaria

Leia mais

Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou Fai e Viriato Manuel Pinheiro de Lima SUMÁRIO

Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou Fai e Viriato Manuel Pinheiro de Lima SUMÁRIO Processo n.º 26/2015 Recurso penal Recorrente: A Recorrido: Ministério Público Data do acórdão: 6 de Maio de 2015 Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou Fai e Viriato Manuel Pinheiro de Lima Assuntos:

Leia mais

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES

OBJETIVO VISÃO GERAL SUAS ANOTAÇÕES OBJETIVO Assegurar a satisfação do cliente no pós-venda, desenvolvendo um relacionamento duradouro entre o vendedor e o cliente, além de conseguir indicações através de um sistema de follow-up (acompanhamento).

Leia mais

Manual de Utilizador Documentos de Transporte. TOConline. Suporte. Página - 1

Manual de Utilizador Documentos de Transporte. TOConline. Suporte. Página - 1 TOConline Suporte Página - 1 Documentos de Transporte Manual de Utilizador Página - 2 Índice Criação de um documento de transporte... 4 Definições de empresa- Criação de moradas adicionais... 9 Comunicação

Leia mais

e- SIC Manual do Cidadão

e- SIC Manual do Cidadão e- SIC Manual do Cidadão Sumário Introdução... 3 O e-sic... 4 Primeiro acesso... 5 Cadastrando-se no e-sic... 6 Acessando o e-sic... 7 Funções do e-sic... 8 Envio de avisos por e-mail pelo e-sic... 9 Como

Leia mais

Proteção do Comprador

Proteção do Comprador Proteção do Comprador Artigos virtuais e intangíveis, bens e conteúdos digitais, e serviços Descrição geral A partir de 1 de julho de 2015, a Proteção do Comprador do PayPal será alargada de modo a incluir

Leia mais

RESUMO. Eficácia da formação em TIC factores associados à transferência da aprendizagem para o contexto de trabalho. 1

RESUMO. Eficácia da formação em TIC factores associados à transferência da aprendizagem para o contexto de trabalho. 1 RESUMO Eficácia da formação em TIC factores associados à transferência da aprendizagem para o contexto de trabalho. 1 Produção apoiada pelo Programa Operacional de Emprego, Formação e Desenvolvimento Social

Leia mais

Termos e Condições Noite em Hotel

Termos e Condições Noite em Hotel Termos e Condições Noite em Hotel 1. A presente oferta é válida para Residentes em Portugal, maiores de 18 anos. Não pode ser usada conjuntamente com qualquer outra oferta promocional das entidades envolvidas

Leia mais

Deverá imprimir e guardar uma cópia destes termos e condições para referência futura.

Deverá imprimir e guardar uma cópia destes termos e condições para referência futura. Termos & Condições Termos e condições de venda Por favor leia com atenção estes termos e condições. Deverá compreender que ao enviar o seu equipamento eletrónico, concorda e fica por este meio vinculado

Leia mais

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA REGULAMENTO DO DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL em INTRODUÇÃO No âmbito da gestão pública a Auditoria Interna é uma alavanca de modernização e um instrumento

Leia mais