Desinfecção automatizada na indústria alimentícia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desinfecção automatizada na indústria alimentícia"

Transcrição

1 M E S S - & R E G E L T E C H N I K P & A P R O D U K T E & L Ö S U N G E N Desinfecção automatizada na indústria alimentícia Dr.Thomas Winkler Medição e controle específicos de ácido peracético em CIP e enchimento asséptico de alimentos Na indústria de alimentos e bebidas, tanto na limpeza CIP dos tanques e tubulações, quanto no enchimento asséptico dos produtos, devem ser aplicados agentes de desinfecção altamente eficazes, sem subprodutos nocivos e sem influência na qualidade do produto, processos que devem ser o máximo possível econômicos e automatizados. Além do dióxido de cloro, o ácido peracético possui muitas vantagens. Ideal para uma automatização eficiente é o uso de uma malha de controle com uma medição em linha do agente desinfetante de maneira confiável, específica e isenta de manutenção. Na empresa Ehrmann AG pôde ser comprovado, após um ano de testes, o processo de funcionamento confiável e econômico de duas malhas de controle, baseadas em ácido peracético. Nas malhas de controle foram utilizados componentes da ProMinent, compatíveis entre si. U Fig. 1: Na fabricação de iogurte, quark e sobremesas, devem ser aplicados agentes de desinfecção altamente eficazes com economia, sem produtos secundários nocivos e influência sobre a qualidade do produto, e se possível automatizar. C.03 Em utilizações em Cleaning in Place (CIP) na indústria de alimentos, são bombeados de grandes tanques de armazenagem, de modo seqüencial e automático, para uma rede de tubulações ramificada para produtos intermediários e finais, assim como tanques de armazenagem de produto a serem limpos, os seguintes agentes de limpeza e desinfecção: água de limpeza, soda cáustica diluída, ácido inorgânico diluído, assim como solução de desinfetante. Com isso ocorre respectivamente uma circulação em circuito fechado, com adição automatizada de agente químico de limpeza concentrado. Na solução de desinfetante, por outro lado, é necessária uma medição direta ou indireta em linha, para a restaurar a quantidade do agente desinfetante consumida, pela dosagem de um concentrado para a reposição da concentração desejada. No enchimento asséptico de alimentos os recipientes são conduzidos através de uma câmara de aspersão (rinser), para evitar uma contaminação antes do próprio enchimento, na qual são enxaguados com água fresca com agente desinfetante. Com isso uma parte do volume do agente de desinfecção é perdida por descarga com o transporte dos vasilhames. Esse volume parcial deve ser reposto com água fresca e a água então novamente ser adicionada de agente de desinfecção, para repor o valor original da concentração da solução. Na indústria alimentícia são utilizados como agentes desinfetantes, por causa de sua forte e ampla ação biocida, ao lado do dióxido de cloro, também o ácido peracético. A medição específica de ácido peracético para a reposição da concentração automática e econômica, certamente era difícil no passado pela falta de tecnologia confiável de sensores. O método de medição indireta com auxílio de sensores condutivos eletrolíticos pode ocorrer apenas com produtos de ácido peracético que contém o assim chamado ácido condutivo. Esse ácido peracético acidificado possui 1

2 certamente também algumas desvantagens, por exemplo, uma promoção mais forte da corrosão. E de modo geral, esse método de medição indireta oculta o perigo de interferências, porque a condutividade eletrolítica também pode ser influenciada por outros processos. Na planta principal da Ehrmann AG em Oberschönegg no Allgäu (Alemanha) está sendo efetuada já há mais de um ano, tanto para a aplicação CIP como para o enchimento asséptico, a reposição controlada do agente desinfetante ácido peracético. O controle é realizado baseado em um novo sensor de ácido peracético da ProMinent Dosiertechnik GmbH. Com isso a Ehrmann pode comparar bem as experiências dos processos anteriores com o método atualmente praticado. Fig. 2: A medição e controle do ácido peracético online no by-pass Fig. 3: Controle central do sistema CIP Cleaning in Place Os sistemas de armazenamento de produto e transporte abrangem um sistema de tubulações de aproximadamente 100 metros, vários tanques de maturação com capacidades de até litros, assim como vários tanques de produto com um volume de armazenamento de até litros. Todo o material utilizado é aço inox. Em ciclos dependentes da produção, os diversos agentes de limpeza são bombeados sucessivamente dos tanques de armazenagem de litros, controlados por um CLP (controlador lógico programável). No início de um novo ciclo, os primeiros passos de enxágüe são descartados, enquanto que os passos seguintes são efetuados em circuito fechado. Na Ehrmann, nos processos anteriores ocorria uma desinfecção com água quente e vapor. Com isto, todo o local de armazenamento de produto e o sistema de transporte eram aquecidos a aproximadamente 85 C, e mantidos por 20 minutos a esta temperatura. Com isto, mais desvantagens ficaram claras: - Dificuldades em se obter uma distribuição homogênea de temperatura, principalmente nos grandes tanques de produto ( litros), que estão instalados ao ar livre, fora do edifício. 2

3 A forte influência da temperatura externa coloca elevadas exigências ao controle de temperatura e influencia com isso a qualidade da esterilização; - Elevado consumo de energia pela radiação (emissão) dos tanques, apesar da existência do correspondente isolamento térmico; - O tempo de aquecimento e resfriamento atrasa o andamento da produção. A interrupção prematura do tempo de resfriamento dos tanques de armazenagem leva, além disso, ao aquecimento do produto e ao consumo de energia adicional no armazém refrigerado de produto acabado. Essas desvantagens levaram a uma nova concepção do passo de desinfecção no procedimento CIP. Após uma análise das condições do processo, decidiu-se finalmente pelo desinfetante ácido peracético (Fig. 2). Decisivas para isso foram a elevada e rápida ação biocida sobre todos os microrganismos relevantes também com temperaturas e valores de ph variáveis, a completa decomposição biológica do agente desinfetante, assim como a não interferência na qualidade do produto. Adicionalmente surgem conhecidas desvantagens no manuseio e utilização do ácido peracético, por exemplo, inconveniência de odor, autodecomposição e tendência à explosão apenas em concentração elevada (maior que 30 porcento) e não são relevantes para a presente aplicação: o concentrado aqui utilizado para a preparação do meio desinfetante contém apenas 15 porcento de ácido peracético. Também não tem relevância a promoção de corrosão por ácido peracético, com a concentração controlada de ppm, na instalação de aço inox em questão. Enchimento asséptico de iogurte As fábricas da Ehrmann oferecem como vasilhames para produtos à base de iogurte, além de copos descartáveis, também garrafas de vidro retornáveis. Em uma parte da área de envase de iogurte, as garrafas de vidro retornáveis de 500 g que voltam são lavadas e desinfetadas. A desinfecção final ocorre em um rinser, no qual as garrafas são totalmente emborcadas e são enxaguadas por baixo por meio de um aspersor com agente desinfetante. A produção é de aproximadamente garrafas por hora. A água de enxágüe que flui do rinser é direcionada de volta a um tanque de armazenagem de 2,5 m 3. O volume de água de enxágüe descartado pelas garrafas de vidro é reposto por água fresca com dureza parcialmente reduzida (em torno de 370 µs). Pela diluição que com isto ocorre, é necessária uma reposição automática do agente desinfetante no tanque de armazenagem da solução CIP. O objetivo do enchimento asséptico é impedir uma rápida contaminação das garrafas lavadas também através dos esporos de fungos transportados pelo ar antes do próprio enchimento. Para isso, em primeiro lugar deve-se minimizar tecnicamente os percursos dos transportadores e intervalos de tempo entre a rinsagem de desinfecção e o enchimento. Fig.4: Tratamento dos vidros com ácido peracético no rinser antes do enchimento asséptico A escolha do agente desinfetante e as condições de utilização como concentração, tempo de ação, temperatura e valor do ph decidem então sobre o sucesso do processo. Para isso, os principais critérios são os testes microbiológicos por amostragem, que são efetuados na superfície interna do vidro das garrafas diretamente antes do enchimento (exemplo: SWAB). No passado foram testados diversos métodos em diferentes condições de processo entre eles também um método com uma solução aquosa de 100 ppm de peróxido de hidrogênio, levada a 80 C. Esses métodos mostraram, entretanto, sempre novamente uma contaminação gradual das garrafas antes do enchimento e por isso, desde lá, não foram mais seguidos. Finalmente chegou-se à utilização em um teste piloto de ácido peracético com uma concentração de ppm à temperatura ambiente e um valor de ph 3

4 entre 3 e 4,5. Isso levou a uma desinfecção completa e permanente das garrafas de vidro até o enchimento (Fig. 3). A malha de controle Para a implementação do processo de ácido peracético, para ambas as utilizações foi montada uma malha de controle para a reposição da concentração do ácido peracético. O objetivo é minimizar os custos para o ácido peracético com total segurança higiênica. Os reservatórios de armazenagem para ácido peracético contém litros na aplicação CIP e no enchimento asséptico, litros. Como resultado são necessários por dia no CIP aproximadamente 20 kg e para o enchimento asséptico em torno de 10 kg de ácido peracético. A malha de controle consiste dos seguintes componentes (Fig. 5): Fig. 5: Esquema da malha de controle para reposição da concentração de dióxido de cloro. Legenda: 1 Meio do processo 7 Bomba dosadora Sigma 2 By-pass para medição/controle 8 Ácido peracético concentrado 3 Controlador: DULCOMETER D1C 9 Ponto de injeção 4 Sensor: DULCOTEST PAA 1 10 Reservatório armazenagem ppm 5 Alojamento de sensores: DLG III 11 Meio para o processo 6 Sinal de entrada 12 Valor medido como 4-20 ma para supervisório - Sensor (tipo PAA 1) para a medição online do ácido peracético na faixa de 100 até ppm um sensor amperométrico de dois eletrodos, coberto com membrana, que pode ser utilizado na faixa de ph de 1 até 9, assim como até 45 C. O sensor contém, ao lado do transformador de 4-20 ma, simultaneamente a compensação de temperatura do sinal primário. O sinal de saída é um sinal de 4-20mA não calibrado passivo, com compensação de temperatura. O material da membrana é repelente de sujidade e resistente a obstrução, o que possibilita o funcionamento confiável e livre de manutenção, também em águas poluídas (como o retorno da solução do CIP). Especialmente importante é que é possível uma medição seletiva de ácido peracético em concentrações variáveis de peróxido de hidrogênio, já que em ácido peracético fresco estão presentes maiores concentrações de peróxido de hidrogênio. No curso das diferentes decomposições ainda podem ser modificadas as relações de quantidade. E também os tensoativos não interferem, que são adicionados como substâncias auxiliares em muitos produtos de ácido peracético. O sensor é montado ao lado de um eletrodo de ph e um sensor de temperatura em um alojamento de passagem, que facilita uma visualização dos sensores e permite o enchimento de uma solução padrão para a calibração do sensor de ácido peracético. - Controlador (ProMinent tipo Dulcometer D1C), que permite a calibração do sensor, que mostra o valor medido no local e emite um sinal de saída para a bomba dosadora, baseado em um comparativo de valor programado/real. Adicionalmente a concentração de ácido peracético medida é enviada adiante como sinal calibrado ativo de 4-20mA para um CLP superordenado, onde outros critérios para a inicialização e controle do processo CIP estão programados. - Bomba dosadora como atuador, que dependendo de uma variável de controle, dosa uma determinada quantidade de ácido peracético a 15% do tanque de armazenagem no ponto de injeção no retorno do tanque de armazenagem, que é equipado com um agitador. No funcionamento contínuo por um ano, do 4

5 processo de desinfecção na empresa Ehrmann, de acordo com o usuário, não houve nenhum problema. Deve-se ressaltar que não houve a necessidade de manutenção, nesse período de tempo, do sensor de ácido peracético comumente necessária para este componente mais susceptível à manutenção em uma malha de controle. Apenas uma vez foi necessário efetuar uma recalibração. Os valores de medição corresponderam aos valores comparativos do laboratório, que resultavam dos controles de qualidade diários. Resumo A desinfecção com ácido peracético oferece, assim como o tratamento com dióxido de cloro, vantagens higiênicas, ecológicas e econômicas, nas aplicações típicas das indústrias de alimentos e bebidas como CIP e enchimento asséptico. A economia do processo depende principalmente da montagem de uma malha de controle, que minimiza os custos para o agente desinfetante, mantendo a segurança higiênica e simultaneamente possibilita a automatização do processo. No processo aqui descrito, é decisiva a possibilidade de uma medição contínua, específica, confiável e sem manutenção do ácido peracético, porque o ácido peracético é comparativamente um agente desinfetante caro. O novo sensor Dulcotest PAA 1 da ProMinent preenche essas exigências de forma ideal, o que pôde ser comprovado no uso contínuo na Ehrmann. Autor: Dr.Thomas Winkler Gerente de produto ProMinent Dosiertechnik GmbH Heidelberg - Alemanha Traduzido e adaptado por Matthias R. Reinold. C.03 5

Tirar o melhor partido da sua água de refrigeração com a ProMinent Soluções completas para o tratamento da água de refrigeração

Tirar o melhor partido da sua água de refrigeração com a ProMinent Soluções completas para o tratamento da água de refrigeração Tirar o melhor partido da sua água de refrigeração com a ProMinent Soluções completas para o tratamento da água de refrigeração Printed in Germany, PT PM 009 04/06 P MT23 0 04/06 P B Tratamento da água

Leia mais

O gerenciamento de projetos na indústria alimentícia com sensores virtuais

O gerenciamento de projetos na indústria alimentícia com sensores virtuais O gerenciamento de projetos na indústria alimentícia com sensores virtuais Lucien Gormezano, EEM Leo Kunigk, EEM Rubens Gedraite, EEM 1 Introdução O gerenciamento de um projeto industrial abrange diversas

Leia mais

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS

3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 51 3 METODOLOGIA EXPERIMENTAL E MATERIAIS UTILIZADOS 3.1. Biocidas utilizados Os compostos químicos utilizados nos experimentos de corrosão e análise microbiológica foram o hipoclorito de sódio e o peróxido

Leia mais

Pasve Válvula Retrátil Rotativa

Pasve Válvula Retrátil Rotativa Folha de Dados Pasve Ph Pasve Válvula Retrátil Rotativa PATENTEADA, única válvula desenhada para limpeza e calibração de sensores de PH sem removê-los do processo ou desligamento de bombas. Para uso de

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes

Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre superfícies inertes Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Controle de populações microbianas: eficácia da ação de desinfetantes sobre

Leia mais

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FOSFATO DE ZINCO SOLUÇÃO

FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico FOSFATO DE ZINCO SOLUÇÃO Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Nome da Empresa/Fornecedor: Resimapi Produtos Químicos Ltda. Endereço: Av. Osaka, 800 Arujá São Paulo Telefone da Empresa: (xx11)

Leia mais

Limpeza é fundamental!

Limpeza é fundamental! Limpeza é fundamental! Limpeza é absolutamente fundamental quando o assunto é a produção de alimentos de forma higiênica. A prioridade é evitar a proliferação de germes e eliminar corpos estranhos. Além

Leia mais

PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE IMPRENSA

PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE IMPRENSA PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE EcoCWave da Dürr Ecoclean: Qualidade superior, eficiência de custos e confiabilidade de processo na lavagem à base de água Filderstadt/Germany, junho 2014 com sua EcoCWave,

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada.

Grill. Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Grill Detergente desincrustante alcalino para remoção de gordura carbonizada. Alto poder de limpeza A composição de Suma Grill confere-lhe a propriedade de remover com eficiência sujidades provenientes

Leia mais

Manual do produto coletor solar. MC Evolution MC Evolution Pro. Coletor solar MC Evolution 1

Manual do produto coletor solar. MC Evolution MC Evolution Pro. Coletor solar MC Evolution 1 Manual do produto coletor solar MC MC Pro Coletor solar MC 1 Índice 1. Indicações / Recomendações de segurança... 4 1.1 Perigo no caso de trabalhos sobre telhado... 4 1.2 Instalação... 4 1.3 Perigo de

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

NEOTECHA. Sistema de Amostragem de Tanque, para amostragem representativa sem interrupção do processo. Sistema de Amostragem de Tanque - Sapro

NEOTECHA. Sistema de Amostragem de Tanque, para amostragem representativa sem interrupção do processo. Sistema de Amostragem de Tanque - Sapro NEOTECHA Sistema de Amostragem de Tanque, para amostragem representativa sem interrupção do processo Características gerais com adaptador da seringa O sistema de amostragem garante sempre uma amostra verdadeiramente

Leia mais

GETINGE 88 TURBO LIMPEZA E DESINFECÇÃO SUPERIORES NA METADE DO TEMPO

GETINGE 88 TURBO LIMPEZA E DESINFECÇÃO SUPERIORES NA METADE DO TEMPO GETINGE 88 TURBO LIMPEZA E DESINFECÇÃO SUPERIORES NA METADE DO TEMPO 2 Getinge 88 Turbo MENOR TEMPO DE PREPARAÇÃO - MAIOR TAXA DE PROCESSAMENTO Há uma razão simples pela qual a Getinge é líder mundial

Leia mais

Informações Gerais Trocadores de Calor / Chiller de Placas

Informações Gerais Trocadores de Calor / Chiller de Placas Informações Gerais Trocadores de Calor / Chiller de Placas Somos especializados em trocadores de calor e importamos desde 2009. Eles são fabricados sob a supervisão de um técnico nosso e foram adaptados

Leia mais

APLICAÇÃO CARACTERÍSTICAS DESCRIÇÃO

APLICAÇÃO CARACTERÍSTICAS DESCRIÇÃO APLICAÇÃO O Sensor Eletroquímico de H 2 S fornece monitoração contínua de concentrações de gás sulfídrico (H 2 S) na faixa de 0 a 100 partes por milhão (ppm). O Sensor pode ser utilizado com um transmissor

Leia mais

ÁGUA PARA CONCRETOS. Norma alemã - DIN EN 1008 Edição 2002. http://beton-technische-daten.de/5/5_0.htm

ÁGUA PARA CONCRETOS. Norma alemã - DIN EN 1008 Edição 2002. http://beton-technische-daten.de/5/5_0.htm 1 / 11 ÁGUA PARA CONCRETOS Norma alemã - DIN EN 1008 Edição 2002 Cimento Heidelberg Catálogo : Dados Técnicos do Concreto Edição 2011 http://beton-technische-daten.de/5/5_0.htm Comentários de Eduardo :

Leia mais

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria

2101 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO INTERNO Argamassa para Revestimento Interno de alvenaria FICHA TÉCNICA DE PRODUTO 1. Descrição: A argamassa 2101 MATRIX Revestimento Interno, é uma argamassa indicada para o revestimento de paredes em áreas internas, possui tempo de manuseio de até 2 horas,

Leia mais

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água

Amboretto Skids. Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel e água Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, celulose e água 1 Disponível para Locação, Leasing e Cartão Amboretto Skids Soluções e manuseio de fluidos para indústria de óleo, gás, papel

Leia mais

Cuidados no transporte, armazenamento e uso do Biodiesel B5

Cuidados no transporte, armazenamento e uso do Biodiesel B5 Cuidados no transporte, armazenamento e uso do Biodiesel B5 III ENCONTRO ANUAL DA EQUIPE TÉCNICA DO DESPOLUIR Eduardo Vieira Gerente de Projetos da CNT Rio de Janeiro, novembro de 2010. Motivação Relatos

Leia mais

Contêineres rígidos para esterilização

Contêineres rígidos para esterilização Por Silvia Baffi 1. Introdução Contêineres rígidos para esterilização Contêineres são recipientes rígidos e reutilizáveis para a esterilização. São compostos por diferentes dispositivos que podem ser denominados

Leia mais

"A vantagem do alumínio"

A vantagem do alumínio "A vantagem do alumínio" Comparativo entre os Evaporadores para Amônia fabricados com tubos de alumínio e os Evaporadores fabricados com tubos de aço galvanizado Os evaporadores usados em sistemas de amônia

Leia mais

Higiene em enologia. Hugo Rosa Ecolab Hispano-Portuguesa F&B Division

Higiene em enologia. Hugo Rosa Ecolab Hispano-Portuguesa F&B Division Higiene em enologia Hugo Rosa Ecolab Hispano-Portuguesa F&B Division Porque é importante a higiene na indústria enológica? Esta questão ainda é colocada por alguns produtores, pois subsiste a ideia de

Leia mais

Clique para editar o estilo do título mestre Treinamento SENAR Lages -SC. Qualidade da Água na Produção Agropecuária

Clique para editar o estilo do título mestre Treinamento SENAR Lages -SC. Qualidade da Água na Produção Agropecuária Clique para editar o estilo do título mestre Treinamento SENAR Lages -SC Qualidade da Água na Produção Agropecuária João Luis dos Santos Especialista em qualidade da água na produção animal. Reflexõessobre

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Hidróxido de Sódio 98,48% Carbonato de Sódio 1,50%

RELATÓRIO TÉCNICO. Hidróxido de Sódio 98,48% Carbonato de Sódio 1,50% RELATÓRIO TÉCNICO 1 - Produto: MADESODA 2 - Forma física: Sólido (Escamas) 3 - Categoria: Desincrustante alcalino - Venda Livre ao Consumidor 4 - Formulação: Componentes Concentração (p/p) Hidróxido de

Leia mais

www.crisagua.ind.br www.youtube.com/crisaguaindustria www.slideshare.net/crisaguaindustria www.flickr.com/crisaguaindustria

www.crisagua.ind.br www.youtube.com/crisaguaindustria www.slideshare.net/crisaguaindustria www.flickr.com/crisaguaindustria 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Cris ph - Aplicação: Nome da Empresa: Endereço: Ajustador de ph Marco Antonio Spaca Piscinas EPP Rua: João Paulino dos Santos, 150 Bairro: Atibaia

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

Novas Tecnologias no Tratamento Terciário de Água Industrial

Novas Tecnologias no Tratamento Terciário de Água Industrial Novas Tecnologias no Tratamento Terciário de Água Industrial F. H. Harada a, F. P. Capeloza b, L. M. Scarpelini c a. Eng. Químico e MSc pela EPUSP, Coordenador de Engenharia e Propostas da Siemens Water

Leia mais

GETINGE 88 TURBO LIMPEZA E DESINFECÇÃO SUPERIORES NA METADE DO TEMPO

GETINGE 88 TURBO LIMPEZA E DESINFECÇÃO SUPERIORES NA METADE DO TEMPO GETINGE 88 TURBO LIMPEZA E DESINFECÇÃO SUPERIORES NA METADE DO TEMPO 2 Getinge 88 Turbo MENOR TEMPO DE PREPARAÇÃO MAIOR TAXA DE PROCESSAMENTO Há uma razão simples pela qual a Getinge é líder mundial em

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DAS SUPERFÍCIES EM CONTATO COM ALIMENTOS

HIGIENIZAÇÃO DAS SUPERFÍCIES EM CONTATO COM ALIMENTOS A palavra "higienização" vem do grego hygieiné que significa "saúde". A higienização é um processo que consiste na remoção de materiais indesejados nas superfícies em contato direto ou indireto com os

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

manual do usuário d o s i m a x i n p l a c e rev.03

manual do usuário d o s i m a x i n p l a c e rev.03 manual do usuário d o s i m a x i n p l a c e 2 0 1 3 rev.03 manual do usuário d o s i m a x i n p l a c e 2 0 1 3 1. descrição 4 2. Configuração da Máquina 6 3. Calibração das bombas 9 4. Programação

Leia mais

CUIDADO! PERIGOSO SE INGERIDO,

CUIDADO! PERIGOSO SE INGERIDO, JohnsonDiversey SAFE BIO C 520 Remediador para Estação de Tratamento de Efluentes em geral e com a Presença de Contaminantes Tóxicos. Indicado para indústrias em geral. Descrição: Benefícios: Este produto

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

Lista de Verificação de Cantinas Escolares

Lista de Verificação de Cantinas Escolares Lista de Verificação de Cantinas Escolares Nome do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis pelo estabelecimento e NIF Morada do estabelecimento: Identificação das entidades responsáveis

Leia mais

P 10.108.1/09.14. Componentes, Sistemas e assistência para a indústria de papel e celulose.

P 10.108.1/09.14. Componentes, Sistemas e assistência para a indústria de papel e celulose. Componentes, Sistemas e assistência para a indústria de papel e celulose. Problemas com o fluido podem causar elevados custos. Envelhecimento do óleo Água em óleo Nos lhe ajudaremos em achar a solução.

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ)

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUíMICOS (FISPQ) 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Aplicação: Redutor de ph Empresa: Micheloto Ind. e Com. de Prod. Químicos Ltda EPP Endereço: Est. Vic. Dr. Eduardo Dias de Castro Km 03 B Zona Rural Fernão/SP

Leia mais

Sistemas de Turbidez. Medições de turbidez em linha. proporcionando maior clareza em seu processo. Série de Sensor InPro 8000 Transmissor Trb 8300

Sistemas de Turbidez. Medições de turbidez em linha. proporcionando maior clareza em seu processo. Série de Sensor InPro 8000 Transmissor Trb 8300 Sistemas de Turbidez Série de Sensor InPro 8000 Transmissor Trb 8300 Melhor qualidade do produto e da confiabilidade do processo Maior produtividade Fácil manuseio Melhor controle do processo Medições

Leia mais

Ficha de Segurança. G101c REVELADOR 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES.

Ficha de Segurança. G101c REVELADOR 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 2. COMPOSIÇÃO E INFORMAÇÕES SOBRE OS INGREDIENTES. Página: 1 / 11 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome Comercial: Código Interno: DEZSN000 Nome da Empresa: Agfa Gevaert do Brasil Ltda Endereço: Av. Jorge Bey Maluf, 2100 - Suzano - SP Telefone

Leia mais

Guia Do Usuário. ExStik CL200A. Teste de Cloro Residual Total Impermeável Patente Pendente

Guia Do Usuário. ExStik CL200A. Teste de Cloro Residual Total Impermeável Patente Pendente Guia Do Usuário ExStik CL200A Teste de Cloro Residual Total Impermeável Patente Pendente Introdução Parabéns pela sua compra do teste de cloro ExStik CL200. O CL200 é um revolucionário dispositivo de medição

Leia mais

Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda.

Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda. Artigos Técnicos Profibus: para todas as exigências Fábio Tozeto Ramos, Engenheiro Mecatrônico e Gerente de Produto da Siemens Ltda. No novo contexto da automação, os barramentos de campo são normalmente

Leia mais

A Medida de ph e Condutividade. Agosto de 2013 SANEPAR Alexandre Fernandes

A Medida de ph e Condutividade. Agosto de 2013 SANEPAR Alexandre Fernandes A Medida de ph e Condutividade Agosto de 2013 SANEPAR Alexandre Fernandes Tópicos phmetro e Condutivimetro Definição Aplicação Eletrodo Calibração, frequência Interferências O que é o ph? ph é o símbolo

Leia mais

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ

Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ Ficha De Informações De Segurança De Produtos Químicos - FISPQ De acordo com a NBR 14725-4:2012 Data da revisão: 21/10/2013 Revisão: 03 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto: Referência

Leia mais

Produto: Denvercril RA701 Nº FISPQ: 079 Revisão: 00. Denver Indústria e Comércio Ltda. denver.resinas@denverresinas.com.br

Produto: Denvercril RA701 Nº FISPQ: 079 Revisão: 00. Denver Indústria e Comércio Ltda. denver.resinas@denverresinas.com.br 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Nome da Empresa: Endereço: Denvercril RA701. Denver Indústria e Comércio Ltda. Rua Geny Gusmão dos Santos, 48 Rio Abaixo Suzano-SP. Telefone da

Leia mais

Sua solução - todos os dias

Sua solução - todos os dias Sua solução - todos os dias A produção de um leite de qualidade depende de diversos fatores, entre eles a higiene da ordenha e do tanque, a manutenção dos equipamentos, a disponibilidade de um ambiente

Leia mais

Manual de Instrução SUFRUIT SF30 SF50 SF100 SF150 SF 200

Manual de Instrução SUFRUIT SF30 SF50 SF100 SF150 SF 200 Manual de Instrução SUFRUIT SF30 SF50 SF100 SF150 SF 200 1. CARACTERISTICAS IMPORTANTES QUE SE DESTACAM NAS REFRESQUEIRAS SUFRUIT Confeccionada totalmente em aço inox. Sistema de Parada de Tampa a 90º

Leia mais

BrikStar CM. Prensa hidráulica de briquetagem D GB. Sempre uma idéia a frente

BrikStar CM. Prensa hidráulica de briquetagem D GB. Sempre uma idéia a frente BrikStar CM Prensa hidráulica de briquetagem Sempre uma idéia a frente D GB BrikStar Prensa hidráulica de briquetagem BrikStar CM BrikStar CM de 4 até 11 kw As prensas de briquetagem da série BrikStar

Leia mais

Ficha de dados de segurança

Ficha de dados de segurança Página 1 de 5 SECÇÃO 1: Identificação da substância/mistura e da sociedade/empresa 1.1. Identificador do produto Outras nomes comerciales É também válido para os seguintes números de material: 1005215;

Leia mais

1 Identificação do Produto / Reagente e da Empresa

1 Identificação do Produto / Reagente e da Empresa Pág 1/5 1 Identificação do Produto / Reagente e da Empresa Detalhes do Produto Nome comercial: Reagente de Derivatização 1, Vitamina B1/B6 Nº do Artigo: 52007 MS 10350840189 Aplicação da substância / preparação:

Leia mais

Proteja a qualidade do seu leite Tanques resfriadores DeLaval

Proteja a qualidade do seu leite Tanques resfriadores DeLaval DeLaval Brasil Rodovia Campinas Mogi-Mirim - KM 133,10 - S/N Bairro Roseira - Jaguariúna/SP - CEP: 13820-000 Telefone: (19) 3514-8201 comunicacao@delaval.com www.delaval.com.br Sua revenda DeLaval Proteja

Leia mais

Análise do desempenho

Análise do desempenho Validação de Equipamentos em CME Análise do desempenho Conforme a RDC 15 Validação de Equipamentos em CME APRESENTAÇÃO Luciano Manoel - Especialista em processos de Qualificação de Equipamentos, com experiência

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS Detergentes Neutros MASTER DET Detergente neutro indicado para lavagem de louças como talheres, copos, pratos, bandejas, utensílios, equipamentos e superfícies, em geral. Aplicado

Leia mais

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência.

abertas para assegurar completa irrigação dos olhos, poucos segundos após a exposição é essencial para atingir máxima eficiência. FISPQ- AMACIANTE MAIS Autorização ANVISA 3.03.374-7 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Amaciante Mais Tradicional Marca: Mais Código Interno do Produto: 06.01 Técnico Químico Responsável:

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR

CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS PELO CALOR Prof. ª Elessandra da Rosa Zavareze elessandrad@yahoo.com.br 1 Estratégias para controlar os agentes de alteração dos alimentos 2 Conhecimento dos seguintes fatores:

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC

Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico Conforme NBR14725, de julho/2005 e 1907/2006/EC 1 1 Identificação do produto e da empresa Produto : Alfa numérico: ---------------- Fabricante: Diversey Brasil Indústria Química LTDA Departamento de informações: Rua Nossa Senhora do Socorro, 125 Socorro

Leia mais

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção

Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção Reprocessamento de artigos médicos-hospitalares: fatores críticos de sucesso para a limpeza e desinfecção 45 45 1 A legislação Brasileira (mais recentes) RDC 156 de 2006 RE-2605 de 2006 RE-2606 de 2006

Leia mais

Conjunto gerador de hipoclorito de sódio

Conjunto gerador de hipoclorito de sódio Conjunto gerador de hipoclorito de sódio Modelo Clorotec 150 Manual de Operação e Instalação ISO 9001:2008 FM 601984 (BSI) Caro Cliente, Obrigado por escolher à Difiltro! Neste Manual você encontrará todas

Leia mais

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC Qualidade do Ar Interior Novas Problemáticas Novas Politicas Novas Práticas Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC José Luís Alexandre jla@fe.up.pt DEMEGI FEUP Expornor Porto,

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 18 O Meio Atmosférico III: Controle da Poluição Atmosférica Profª Heloise G. Knapik 2º Semestre/ 2015 1 Controle da Poluição Atmosférica

Leia mais

Unidades UV para Água de Consumo

Unidades UV para Água de Consumo Unidades UV para Água de Consumo 4 Conteúdo UV e Segurança em Água Potável Líder em UV por mais de 40 Anos 6 Sistema Berson InLine : Propriedades e Principais Benefícios Componentes Chaves Berson: pioneiros

Leia mais

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços

Introdução. Sistemas. Tecnologia. Produtos e Serviços Introdução Apresentamos nosso catálogo técnico geral. Nele inserimos nossa linha de produtos que podem ser padronizados ou de projetos desenvolvidos para casos específicos. Pedimos a gentileza de nos contatar

Leia mais

SISTEMA DE INJEÇÃO ANTI-ESPUMANTE CTA 500

SISTEMA DE INJEÇÃO ANTI-ESPUMANTE CTA 500 SISTEMA DE INJEÇÃO ANTI-ESPUMANTE CTA 500 Manual do usuário Série: G Sistema de Injeção Anti-Espumante MAN-DE-CTA 500 Rev.: 2.00_08 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso CTA 500. Para garantir o

Leia mais

CleverLevel LBFS/ LFFS switch. A alternativa mais inteligente para chaves de nível tipo diapasão

CleverLevel LBFS/ LFFS switch. A alternativa mais inteligente para chaves de nível tipo diapasão CleverLevel LBFS/ LFFS switch A alternativa mais inteligente para chaves de nível tipo diapasão A alternativa mais inteligente Com a série CleverLevel da Baumer você vai entrar em uma nova era na tecnologia

Leia mais

Sistema de aspiração de fluidos

Sistema de aspiração de fluidos MAIORES INFORMAÇÕES WWW.VACUUBRAND.COM Sistema de aspiração de fluidos Econômico, seguro e confortável BVC basic, BVC control, BVC professional Tecnologia de vácuo Sistema de aspiração de fluidos BVC -

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DE PRODUTO BILIRRUBINA AUTO TOTAL FS CATÁLOGO 1 0811

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DE PRODUTO BILIRRUBINA AUTO TOTAL FS CATÁLOGO 1 0811 1 Identificação do Produto / Reagente e da Empresa DETALHES DO PRODUTO Nome comercial: R1 Aplicação da substância / preparação: Química de Laboratório Diagnóstico in vitro Fabricante / Identificação do

Leia mais

DECAP AP Desincrustante Ácido

DECAP AP Desincrustante Ácido Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS DECAP AP Desincrustante Ácido 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Nome Comercial: Empresa: Desincrustante Ácido DECAP

Leia mais

Protocolo, ed. V 21/01/2013

Protocolo, ed. V 21/01/2013 2013 Protocolo, ed. V Preparo e Dosagem 21/01/2013 www.ecosynth.com.br Protocolo ATM - ed.05 (jan/2013) Página 2 1. APRESENTAÇÃO A propriedade de ocupar áreas destinadas a expansão industrial, custo de

Leia mais

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor 1. Junta de expansão de fole com purga de vapor d água Em juntas de expansão com purga da camisa interna, para

Leia mais

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS

CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II E ODONTOLÓGICOS CURSO DE PROCESSAMENTO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES E ODONTOLÓGICOS EDUCAÇÃO CONTINUADA MÓDULO II Métodos de esterilização a baixa temperatura Denise Demarzo Curitiba, 17 de novembro de 2010-2010 Primeiros

Leia mais

PRODUTO: PEROX BECKER Limpador concentrado

PRODUTO: PEROX BECKER Limpador concentrado FICHA TÉCNICA DE PRODUTO PRODUTO: PEROX BECKER Limpador concentrado FT-0316 Folha: 01 Revisão: 00 Emissão: 13/01/2014 1. CARACTERÍSTICAS É um eficiente limpador concentrado com peróxido de hidrogênio e

Leia mais

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Gerador de nitrogênio Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Aplicações de nitrogênio Comidas e bebidas O nitrogênio é um gás ideal para armazenar (fumigação) e transportar alimentos e bebidas.

Leia mais

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre

HI 701-25 Reagente para Cloro Livre Data de revisão: 2013-07-15 Motivo da Revisão: Conformidade com o Regulamento (CE) No. 1272/2008 SECÇÃO 1: IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA/MISTURA E DA SOCIEDADE/EMPRESA HI 701-25 Identificador do produto:

Leia mais

Controlo de Legionella em Hotelaria

Controlo de Legionella em Hotelaria Controlo de Legionella em Hotelaria Dra. Núria Adroer André Travancas Porto - 24 de outubro de 2013 WORKSHOP Prevenção e Controlo de Legionella nos Sistemas de Água Objetivos Problemas das instalações

Leia mais

17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO

17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO 215 17 ÁGUA DE RESFRIAMENTO A remoção de calor indesejável na operação de um processo industrial algumas vezes é necessário. Entre os meios utilizados a água é tida como eficaz na absorção e no afastamento

Leia mais

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas

2202 ARGAMASSA MATRIX REVESTIMENTO FACHADA Argamassa para uso em revestimento de áreas externas É composta por uma mistura homogênea de cimento Portland, cal hidratada e agregados minerais com granulometria controlada e aditivos químicos. O produto é oferecido na cor cinza. 3. Indicação: A argamassa

Leia mais

PROCESSAMENTO ASSÉPTICO

PROCESSAMENTO ASSÉPTICO Curso de Nutrição ALM024- Processamento de Alimentos PRINCÍPIOS DE PROCESSAMENTO TÉRMICO Comparação entre processos de esterilização ESTERILIZAÇÃO CONVENCIONAL EM AUTOCLAVES (APERTIZAÇÃO) (PROCESSO NÃO

Leia mais

Prevenção e Controlo de Legionella nos Sistemas de Água

Prevenção e Controlo de Legionella nos Sistemas de Água Prevenção e Controlo de Legionella nos Sistemas de Água Medidas de Prevenção de Legionella em Sistemas Prediais o caso da Hotelaria Delfim Filho Director Regional de Operações Norte GRUPO HOTI HOTÉIS AGENDA

Leia mais

www.hannacom.pt Eléctrodos Industriais

www.hannacom.pt Eléctrodos Industriais www.hannacom.pt Eléctrodos Industriais ÍNDICE 03 Eléctrodos 04 Eléctrodos de combinados, profissionais, especiais 05 Eléctrodo de referência 05 Eléctrodos de e ORP combinados 06 Série HI 1000 e HI 2000

Leia mais

Econômico no uso Supersol LG é composto com alto teor de tensoativos, que permite sua utilização em altas diluições para uma limpeza perfeita.

Econômico no uso Supersol LG é composto com alto teor de tensoativos, que permite sua utilização em altas diluições para uma limpeza perfeita. JohnsonDiversey Suma Supersol LG Detergente em pó para limpeza geral. Versátil A formulação balanceada permite que o detergente Supersol LG seja utilizado tanto para limpeza geral, quanto para lavagem

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO Como fazer a ordenha correta Para fazer a ordenha mecânica, você deve seguir os mesmos passos da ordenha manual. Siga as etapas abaixo indicadas: 1 Providencie um ambiente para a

Leia mais

Fig.: Esquema de montagem do experimento.

Fig.: Esquema de montagem do experimento. Título do Experimento: Tratamento de água por Evaporação 5 Conceitos: Mudanças de fases Materiais: Pote de plástico de 500 ml ou 1L; Filme PVC; Pote pequeno de vidro; Atilho (Borracha de dinheiro); Água

Leia mais

GERAÇÃO DE CLORO A PARTIR DO CLORETO DE SÓDIO (SAL DE COZINHA)

GERAÇÃO DE CLORO A PARTIR DO CLORETO DE SÓDIO (SAL DE COZINHA) GERAÇÃO DE CLORO A PARTIR DO CLORETO DE SÓDIO (SAL DE COZINHA) Autor - Júlio Cezar Caetano da Silva Matrícula 18.407. Lotação DSO / DPOE / DTPB / PBPM (Patos de Minas). E-mail: julio.caetano@copasa.com.br.

Leia mais

Chemguard - Sistemas de Espuma. Sistemas de espuma de alta expansão DESCRIÇÃO: SC-119 MÉTODO DE OPERAÇÃO

Chemguard - Sistemas de Espuma. Sistemas de espuma de alta expansão DESCRIÇÃO: SC-119 MÉTODO DE OPERAÇÃO Sistemas de espuma de alta expansão DESCRIÇÃO: O Gerador de Espuma de Alta Expansão (Hi-Ex) Chemguard é um componente em um Sistema de Supressão de Incêndios de Espuma de Alta Expansão. Não requer nenhuma

Leia mais

Esterilização de Baixa Temperatura e Uso de Termodesinfectora: Práticas x Resoluções

Esterilização de Baixa Temperatura e Uso de Termodesinfectora: Práticas x Resoluções Esterilização de Baixa Temperatura e Uso de Termodesinfectora: Práticas x Resoluções 1 Legislações pertinentes: RDC156:2006 (reprocessamento) RE 2605:2006 (lista de proibições) RE2606:2006 (protocolo de

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ) NOME DO PRODUTO: BIOFLOC 1601

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO (FISPQ) NOME DO PRODUTO: BIOFLOC 1601 NOME DO PRODUTO: BIOFLOC 1601 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: BIOFLOC 1601 Escritório: Nome da empresa: Biofloc Comercio e Representação de Produtos Químicos. Endereço: Av. Francisco

Leia mais

DOSADORES HIDRÁULICOS MULTI-PROPÓSITOS

DOSADORES HIDRÁULICOS MULTI-PROPÓSITOS DOSADORES HIDRÁULICOS MULTI-PROPÓSITOS Os dosadores de produtos químicos MixRite são acionados unicamente por meio da água, sem outro requerimento adicional de energia. Dosadores Um passo adiante tubos

Leia mais

Principais equipamentos de uma estação de tratamento Físico-químico de efluentes industriais

Principais equipamentos de uma estação de tratamento Físico-químico de efluentes industriais MATÉRIAS TÉCNICAS Principais equipamentos de uma estação de tratamento Físico-químico de efluentes industriais Nesta matéria é descrito o estado atual tecnológico dos principais equipamentos utilizados

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos Página 1de5 1.Identificação do Produto e da Empresa Nome comercial : ISOL TERM Identificação da Empresa : Faber Tecnologia Indústria e Comércio Ltda Rua Hudson 351 Distrito Industrial Bairro Jardim Canadá

Leia mais

Trocadores de calor a placas. A otimização da troca térmica

Trocadores de calor a placas. A otimização da troca térmica Trocadores de calor a placas A otimização da troca térmica Um amplo conhecimento para otimizar seus processos As atividades da Alfa Laval têm um único objetivo: oferecer a você cliente tecnologias que

Leia mais

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Água Aracruz, junho de 2006 1. Processos de tratamento de Água: Todos gostamos de ter água potável sem nenhuma contaminação, sem cheiro

Leia mais

HIPEX SECANT Abrilhantador Secante para Louças

HIPEX SECANT Abrilhantador Secante para Louças Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS HIPEX SECANT Abrilhantador Secante para Louças 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Produto: Nome Comercial: Empresa: Abrilhantador

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa. 2. Composição e informações sobre os ingredientes. 3. Identificação de Perigos

1. Identificação do Produto e da Empresa. 2. Composição e informações sobre os ingredientes. 3. Identificação de Perigos 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Nome da Empresa: Bayer Health Care - Área AH Endereço: Rua Domingos Jorge, 1000 - Socorro, CEP 04779-900, São Paulo - SP. Telefone: (11) 5694-5166 Telefone

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos - FISPQ Data da emissão: 01.03.2005 Edição substituta de 01.02.2002 1. Identificação do produto e da empresa Identificação da substância/preparação

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico. Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: CEVAC S Gallinarum CNN Laboratório Veterinário Ltda Rua Dr. Elton César, 121 Campinas /SP Nome do Distribuidor

Leia mais